RESUMO DO PLANO DE MANEJO Unidade Florestal MS Três Lagoas 7ª EDIÇÃO ABRIL 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO DO PLANO DE MANEJO Unidade Florestal MS Três Lagoas 7ª EDIÇÃO ABRIL 2014"

Transcrição

1 RESUMO DO PLANO DE MANEJO Unidade Florestal MS Três Lagoas 7ª EDIÇÃO ABRIL

2 Sobre o Resumo O resumo do Plano de Manejo tem como objetivo disponibilizar para as partes interessadas, internas e externas, uma síntese das operações florestais da Fibria, Unidade Três Lagoas, e os desafios e ações da empresa em sua estratégia de crescimento sustentável. O Resumo sintetiza as informações do Plano de Manejo, documento utilizado pela empresa no planejamento das atividades florestais. Baseado nos Princípios e Critérios das principais certificações florestais: FSC Forest Stewardship Council (Conselho de Manejo Florestal) e CERFLOR (Certificação Florestal), ele descreve os objetivos, as responsabilidades, os recursos disponíveis e as estratégias para a adoção de práticas de manejo responsável. Sobre a Fibria Líder mundial na produção de celulose de eucalipto, a Fibria possui capacidade produtiva de 5,3 milhões de toneladas anuais de celulose, com fábricas localizadas em Três Lagoas (MS), Aracruz (ES), Jacareí (SP) e Eunápolis (BA), onde mantém a Veracel em joint venture com a Stora Enso. Em sociedade com a Cenibra, opera o único porto brasileiro especializado em embarque de celulose, Portocel (Aracruz, ES). Com uma operação integralmente baseada em plantios florestais renováveis, a Fibria trabalha com uma base florestal total de 854 mil hectares de áreas localizadas nos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Bahia, dos quais 291 mil são destinados à conservação ambiental. A Fibria mantém trabalhadores, entre empregados diretos e indiretos, e está presente em 242 municípios de sete Estados brasileiros. Com clientes em mais de 4 países, a companhia tem sede em São Paulo e subsidiárias de comercialização e distribuição em Miami (EUA) e Lustenau (Áustria), escritório de representação em Hong Kong (China) e centros de distribuição nos EUA, Holanda, Itália, Malásia e China. Em outubro de 212, a Fibria firmou aliança estratégia com a norteamericana Ensyn para investir no segmento de combustíveis renováveis a partir de biomassa. A versão digital deste Resumo Público é enviada às partes interessadas através de , disponibilizada no site da empresa, publicacoes.htm e Intranet. Comentários, dúvidas e sugestões a respeito deste documento podem ser enviados para a área de Comunicação Corporativa da Fibria: Nossa Missão Desenvolver o negócio florestal renovável como fonte sustentável da vida. Nossa Visão Consolidar a floresta plantada como produtora de valor econômico. Gerar lucro admirado, associado à conservação ambiental, inclusão social e melhoria da qualidade de vida. Nossos Valores Solidez, ética, respeito, empreendedorismo e união. ONDE ESTAMOS

3 FLORESTAL TRÊS LAGOAS A Fibria Mato Grosso do Sul, abrange atualmente 6 municípios e pode ser considerada um modelo nas atividades de manejo florestal na Fibria e no Brasil, destacandose no desenvolvimento de práticas de manejo florestal responsável. Com uma base florestal de 343 mil hectares dos quais 1 mil hectares são de áreas destinadas à conservação, as plantações de eucalipto são formadas respeitando os mais modernos conceitos de cultivo mínimo do solo aliadas as melhores práticas de conservação dos recursos, garantindo assim uma produtividade sustentada. Para garantir o sucesso em todas as fases do processo, a Fibria investe constantemente em tecnologia e na capacitação profissional. As mudas utilizadas na Fibria MS, são geradas com tecnologia clonal, uma das mais avançadas bases genéticas para formação de florestas destinadas à produção de celulose. O processo de colheita adotado respeita as características da região, utilizando sistemas eficientes que contam com equipamentos de última geração. A Fibria MS promove ações sustentáveis, através de práticas responsáveis, tendo o compromisso social, ambiental, com a qualidade de seus produtos e a segurança dos profissionais. A Fibria MS possui certificações que demonstram esse compromisso: certificações florestais Forest Stewardship Council (FSC ) e Cerflor/PEFC que envolvem o manejo florestal e a cadeia de custódia (CoC) na indústria, cada sistema de certificação possui seus próprios princípios e critérios e a certificação do Sistema de Gestão ISO 9.1(Qualidade) e ISO 14.1 (Ambiental). RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL 214 3

4 ÁREA DE ATUAÇÃO Tabela com as fazendas próprias, arrendadas e parceiras Município Área Município (km²) Área Própria (ha) Área Arrendada (ha) Área Parceria (ha) Área Efetivo Plantio (ha) Área Conservação (ha) *Outras Áreas (ha) Área Total Ocupada (ha) Área Total Ocupada a (%) Água Clara Brasilândia Ribas do Rio Pardo Santa Rita do Pardo Selvíria Três Lagoas TOTAL 1.13,112 58, , , , , , , , , ,78 919, , , , , , , , , ,83 563, , , , , , ,76 35, , , , , , ,19 5,54 973, , , , , ,78 919, , , ,41 2,75 14,74 2,59,15 3,62 16,64 Áreas em hectares. Fonte: Base Cadastral Fibria em Abril de 214 (excluída a área de fomento 1.796,33 hectares e 9.747,8 hectares compra de madeira, até abril de 214). Áreas dos municípios Fonte IBGE em Abril de 214. Dados referentes às áreas da FIBRIA MS são descritos a seguir: Produto Dados Gerais do Empreendimento Híbridos interespecíficos (predominantemente E. urograndis (Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla) Área Total (ha) Área Efetivo Plantio (ha) Capacidade de Produção (m 3 /ha/ano) , ,84 4 Dados gerais e áreas florestais FIBRIA MS (excluída a área de fomento 1.796,33 hectares e 9.747,8 hectares compra de madeira, até abril de 214) Dados referentes às áreas florestais da FIBRIA MS inclusas no escopo de certificação FSC e CERFLOR estão descritas no quadro a seguir. Produto Dados Gerais do Empreendimento Híbridos interespecíficos (predominantemente E. urograndis (Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla) Área Total (ha) Área Efetivo Plantio (ha) Capacidade de Produção (m 3 /ha/ano) , ,59 4 ÁREA DE PLANTIO DE EUCALIPTO (ha) Próprias Arrendadas Parcerias TOTAL 52.1, , , ,59 OUTRAS ÁREAS (ha) Preservação permanente Reserva legal Outras áreas (benfeitorias) TOTAL 2.889, , , ,15 Dados gerais e áreas florestais FIBRIA MS (excluída a área de fomento 1.796,33 hectares e 9.747,8 hectares compra de madeira, até abril de 214) 4 RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL 214

5 LADARIO CORUMBA PORTO MURTINHO BODOQUENA BONITO BELA VISTA MIRANDA AQUIDAUANA ANASTACIO NIOAQUE JARDIM GUIA LOPES DA LAGUNA ANTNIO JOÃO PONTA PORÃ CORONEL SAPUCAIA MARACAJU AMAMBAI TERENOS RIBAS DO RIO PARDO AGUA CLARA CAMPO GRANDE SIDROLÂNDIA DOURADOS CAARAPO JUTI RIO BRILHANTE NAVIRAI ITAQUIRAI ELDORADO MUNDO NOVO CAMAPUÃ IVINHEMA COSTA RICA NOVA ANDRADINABATAIPORÃ CHAPADÃO DO SUL SANTA RITA DO PARDO ANAURILÂNDIA BATAGUASSU INOCÊNCIA BRASILÂNDIA CASSILANDIA SELVIRIA TRÊS LAGOAS CASTILHO ANDRADINA PARANAIBA APARECIDA DO TABUADO ÁREA DE ATUAÇÃO Unidade de conservação e unidade florestal de MS 17 '"S 18 '"S 6 '"W 59 '"W 58 '"W UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E UNIDADE FLORESTAL MS. 57 '"W 56 '"W 55 '"W Mato Grosso 54 '"W 53 '"W 52 '"W 51 '"W Goiás 5 '"W 18 '"S 17 '"S 19 '"S 19 '"S Minas Gerais 2 '"S Paraguai Mato Grosso do Sul 2 '"S Unidade de Gestão de Recursos Hidricos abrangidas pela unidade florestal de MS 17 '"S 18 '"S 19 '"S 2 '"S 6 '"W 59 '"W Paraguai 58 '"W 57 '"W UNIDADES DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ABRANGIDAS PELA UNIDADE FLORESTAL MS. 56 '"W 55 '"W Mato Grosso Mato Grosso do Sul 54 '"W 53 '"W 52 '"W Goiás 51 '"W 5 '"W Minas Gerais 22 '"S 22 '"S 21 '"S 21 '"S 21 '"S 21 '"S São Paulo 23 '"S 23 '"S 22 '"S 22 '"S Paraná 24 '"S ESCAL 1 : km LEGENDA Unidades de Conservação de Proteção Ambiental Unidades de Conservação de Proteção Integral Identificação dos Projetos Próprios e Contrados Fibria MS Raio de 2 km das Unidades de Conservação de Proteção 24 '"S 25 '"S 2 '"S 19 '"S 18 '"S 17 '"S SISTEMA DE COORDENADAS GEOGRÁFICA DATUM SIRGAS 2 Raio de 1 km das Cidades 25 '"S 6 '"W 59 '"W 58 '"W 57 '"W 56 '"W 55 '"W 54 '"W 53 '"W 52 '"W 51 '"W 5 '"W São Paulo 23 '"S 24 '"S ESCAL 1 : km 23 '"S 24 '"S SISTEMA DE COORDENADAS GEOGRÁFICA DATUM SIRGAS 2 Paraná LEGENDA UGRHI Abrangida pela Unidade Florestal MS UGRHI do Rio Sucuriu UGRHI do Rio Verde UGRHI do Rio Pardo Limite Estadual 6 '"W 59 '"W 58 '"W 57 '"W 56 '"W 55 '"W 54 '"W 53 '"W 52 '"W 51 '"W 5 '"W RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL 214 5

6 A IMPORTÂNCIA DAS FLORESTAS DADOS GERAIS Como funciona o manejo ambiental do eucalipto? Empregar as melhores práticas de manejo das florestas de eucalipto é fundamental para que se obtenha alta produtividade em harmonia com o meio ambiente. No caso da Fibria, as florestas plantadas são intercaladas com florestas nativas, garantindo diversidade biológica e equilíbrio ecológico. Pesquisas feitas pelo Centro de Tecnologia (CT) da Fibria, em conjunto com universidades nacionais e internacionais identificam características químicas, físicas, e biológicas dos solos, resultando em práticas sustentáveis de cultivo. As cascas das árvores, por exemplo, parte ficam no campo, nutrindo e conservando os solos, e a outra parte, é utilizada na indústria, gerando energia elétrica necessária para fabricação de celulose, tornando a Fibria MS autossuficiente em energia elétrica. Eucalipto É uma planta exótica (não é nativa do Brasil), assim como o café, o milho, a soja, a canadeaçúcar e várias outras culturas amplamente cultivadas em nosso país. Nas áreas estudadas, as crenças de que o eucalipto seca a terra não se sustentam. Com um manejo adequado, o consumo de água é semelhante ao das florestas nativas e suas raízes permanecem distantes dos lençóis freáticos. O eucalitpo leva aproximadamente sete anos até ser colhido e requer poucas ações do homem sobre o solo. Ele pode ser cultivado em terrenos de baixa fertilidade natural e não exige muitos nutrientes e defensivos agrícolas em comparação com outras culturas. Manejado de forma adequada, o eucalipto propicia a proteção e a conservação da biodiversidade, como pode ser observado nos resultados apresentados sobre o monitoramento de biodiversidade nas áreas da Fibria. Com seu crescimento rápido, o eucalipto ajuda a absorver o gás carbônico da atmosfera, devolvendo oxigênico puro à natureza. O papel das florestas de eucalipto é fundamental no esforço da humanidade em neutralizar os gases de efeito estufa responsáveis pelo aquecimento da Terra. 6 RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL 214

7 GESTÃO DE PESSOAS Iniciativas são utilizadas com o objetivo de estabelecer e manter com todos os funcionários uma relação responsável e transparente. Entre essas ações está o processo de avaliação que alcança todos os executivos da Companhia, cujo objetivo é adotar as melhores práticas existentes nas unidades industriais, florestais e administrativas. Esse processo contribui para a construção da reputação da Fibria junto a seus principais públicos de relacionamento e estima a captura de sinergias e o aproveitamento amplo do seu quadro de profissionais. GERAÇÃO DE EMPREGOS Base Abril de 214 TOTAL UNIDADE FLORESTAL MS PRÓPRIOS 53 TERCEIROS TOTAL Programa Fibria de Promoção da Saúde e Qualidade de Vida O Mais Vida, Programa de Promoção da Saúde e Qualidade de Vida Fibria, propicia o bem estar de nossos profissionais e de seus familiares. Mais do que transmitir orientações e manter atividades relacionadas aos cuidados com a saúde, este Programa busca a conscientização e a adoção de hábitos saudáveis em todas as questões relacionadas à qualidade de vida, sejam físicas ou emocionais. Valorização e respeito pelos profissionais A valorização e o respeito pelos profissionais é um compromisso constante da empresa. A gestão de saúde e segurança é uma das principais prioridades da Fibria que dissemina a ideia da importância de todos assumirem a responsabilidade pela segurança, e não poupa recursos para reduzir cada vez mais os índices de acidentes. A verificação e garantia das condições de saúde e segurança no trabalho, bem como da utilização de equipamentos adequados de proteção, é abordada também por itens do acordo coletivo firmado com as entidades representantes dos empregados. Todas as ocorrências relacionadas à saúde e segurança dos profissionais são registradas e monitoradas com base em um padrão corporativo de comunicação de acidentes, incidentes e doenças ocupacionais. O sistema de gestão de Saúde, Segurança e Meio Ambiente (SSMA) orienta o registro de ocorrências tanto no âmbito da Empresa, quanto fora dela. A iniciativa disponibiliza à área de segurança os elementos necessários para o desenvolvimento de campanhas de sensibilização que extrapolam os limites de gestão da Empresa e que trazem grande contribuição à qualidade de vida dos empregados, familiares e das comunidades próximas às suas áreas de operação. Os principais programas desenvolvidos pela Fibria para assegurar a segurança no trabalho envolvem a Prevenção de Riscos Ambientais, a Segurança Radiológica Industrial, o Atendimento de Emergências no Transporte Rodoviário e Armazenagem de Produtos Perigosos, a Padronização de Uniformes e EPIs, os programas Estrada Segura e Floresta Segura, além da campanha de segurança Movimento Alerta. Integram, ainda, o sistema diferentes grupos e comitês que auxiliam no monitoramento e aconselhamento em relação às condições de saúde e segurança. RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL 214 7

8 PROTEÇÃO FLORESTAL Empresa realiza o monitoramento contínuo de pragas, doenças e plantas daninhas, fazendo vistorias periódicas em suas áreas. O objetivo é detectar precocemente a ocorrência de focos de pragas e doenças, bem como avaliar o nível de competição do eucalipto com as ervas daninhas. As informações obtidas são utilizadas para a tomada de decisão de controle, bem como para definição do método a ser adotado, buscando o uso racional de defensivos agrícolas. Além disso, a Fibria prioriza o uso do controle biológico para o manejo de pragas ocasionais e a eleção e plantio de clones resistentes às principais doenças da cultura, complementando dessa forma o manejo integrado. 8 RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL 214

9 PROTEÇÃO FLORESTAL Os produtos recomendados para uso no manejo da Fibria seguem rigorosos critérios técnicos, incluindo a priorização daqueles menos tóxicos e de menor risco ao meio ambiente. Os defensivos são utilizados observandose todas as normas legislativas quanto aos cuidados requeridos para transporte, armazenamento, manuseio, aplicação e destinação final das embalagens. São utilizados produtos registrados para a cultura, e permitidos pelas certificações de manejo florestal. Os empregados que fazem aplicação são treinados e utilizam EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) adequados. RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL 214 9

10 OPERAÇÃO FLORESTAL A prevenção e o combate aos incêndios florestais recebem grande atenção dos profissionais da Fibria que estão envolvidos nos processos produtivos da Florestal de Três Lagoas. Para isso, a empresa mantém em constante treinamento as equipes de brigadistas que monitoram as áreas da Fibria e estão aptas a atuar como apoio ao combate à incêndios em fazendas vizinhas. A Fibria também investe na conscientização distribuindo materiais informativos como folders educativos, que informam por exemplo sobre o perigo das queimadas e dos incêndios florestais. Em caso de incêndios, a Empresa disponibiliza os telefones de emergência em suas placas de fazenda A operação da Unidade Florestal Três Lagoas produz madeira com qualidade, custos competitivos, equilíbrio ambiental e social. Centro de Tecnologia Gera as novas tecnologias a serem utilizadas pela Empresa nas atividades florestais. Desenvolve o melhoramento genético do eucalipto, o controle nutricional de solos e árvores e o monitoramento de pragas e doenças. Busca o aumento da produtividade e a melhoria da qualidade da madeira, mantendo a sustentabilidade das áreas de atuação. Desenvolvimento Operacional Também gera novas tecnologias para o processo e desenvolve sistemas operacionais e equipamentos para a melhoria contínua das atividades de plantio, colheita e logística. Atua também na capacitação de pessoas e técnicas corretas de operação de máquinas e equipamentos, de modo a promover segurança, qualidade de produtos, alta produtividade, custos adequados para a atividade florestal e preservação do meio ambiente. Planejamento Em curto prazo, indica quais áreas serão reformadas ou conduzidas para receber novas florestas e como será realizada a colheita da madeira. Em novas áreas, nas quais o plantio será realizado pela primeira vez, realizase um estudo da propriedade identificando e demarcando em mapas as áreas de efetivo plantio, áreas para preservação ambiental permanente (APP) e Reserva Legal, de acordo com o exigido pela legislação ambiental. Em longo prazo, atua com planos de manejo para garantir o atendimento da fábrica de Três Lagoas. Produção de Mudas O viveiro localizado em Três Lagoas, tem capacidade de produção de 12 milhões de mudas clonais de eucalipto por ano. O tempo de desenvolvimento da muda é de 9 a 12 dias, quando está pronta para ser plantada no campo. Silvicultura (plantio e manutenção) É responsável pelo preparo do solo, plantio e manutenção da área plantada até a idade adulta (entre 6 e 7 anos), quando as árvores de eucalipto são colhidas. A Empresa utiliza como técnica de plantio o cultivo mínimo. Com esta prática conseguese a implantação da nova floresta com a menor interferência possível ao solo, mantendo os microorganismos e a proteção contra erosão. Esse processo é realizado de acordo com a exigência de qualidade, produtividade e custo, com melhoria contínua e respeito ao meio ambiente e às comunidades vizinhas. Colheita As árvores são colhidas com a utilização de máquinas florestais de alta tecnologia e produtividade. Em Três Lagoas, o processo de colheita florestal consiste em dois sistemas operacionais. O Sistema de Toras com casca e Toras sem casca. O equipamento Harvester é responsável pelo processo de colheita sem casca. Ele corta, derruba, desgalha e descasca o eucalipto de uma só vez. A retirada da madeira do interior da floresta até a beira das estradas internas da fazenda é realizada pelo Forwarder. O Feller Buncher em sua atividade colhe até 7 árvores por movimentação criando os feixes de madeira e neste processo as toras permanecem com casca. Em seguida o Clambunck é responsável por arrastar a madeira colhida para a beira da estrada. A Garra Traçadora faz os cortes da madeira na medida ideal para a fábrica e é responsável pelas pilhas de madeira. 1 RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL 214

11 OPERAÇÃO FLORESTAL Estradas O tráfego interno nas fazendas das Unidades Florestais é feito por estradas municipais, principais e secundárias. Antes e durante o período de transporte a Empresa realiza manutenção nas estradas utilizadas para retirada de madeira, beneficiando a operação e também a comunidade vizinha. Este sistema viário permite acesso à floresta, protege as matas e demais recursos naturais. Logística (transporte da madeira) É realizado por empresas parceiras especializadas neste tipo de transporte. Em Três Lagoas, os caminhões mais utilizados são o tritrem e treminhão. A definição da rota é planejada com antecedência e a operação acontece durante 24 horas, todos os dias da semana. As comunidades vizinhas a operação são informadas sobre o início, período e rota. A Fibria possui o Programa Estrada Segura, com normas rígidas de segurança no transporte de madeira, que são aplicadas para todas as transportadoras, auditadas anualmente. GESTÃO AMBIENTAL Em equilíbrio com o Meio Ambiente A Fibria tem o compromisso de adotar as melhores práticas ambientais, para sempre inovar na promoção do desenvolvimento. Da floresta até a entrega do produto final, são mapeados todos os processos e identificados seus aspectos e impactos e definidas tratativas, monitoramentos, bem como a manutenção de processos que beneficiam a natureza, como o manejo florestal, geração própria de energia e processos de produção mais limpa. É parte integrante desse compromisso o desenvolvimento de projetos e programas ambientais que visam a melhoria do desempenho social e ecológico por meio da capacitação e treinamentos de educação ambiental, conservação da biodiversidade e oportunidades de parceria levando em consideração o desenvolvimento local. Nossas operações florestais são certificadas por rígidos padrões, como o ISO 91, ISO 141, CERFLOR e FSC. OPERAÇÃO FLORESTAL Para atender a demanda legal ambiental que envolve o manejo das florestas plantadas renováveis, a Fibria adota um sistema baseado, principalmente, na geração de dados, por meio de projetos de pesquisa e monitoramentos ambientais. Essas informações, após analisadas, são incorporadas ao seu planejamento socioambiental. O objetivo da gestão ambiental é gerar, compilar e aplicar informações de forma dinâmica e eficaz. Desta maneira, novos dados são incorporados ao manejo florestal à medida que novas informações são geradas. Estas ações podem acontecer em diferentes momentos do ciclo florestal. RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL

12 Líder mundial na fabricação de celulose branqueada de eucalipto, a Fibria investe no cultivo de florestas como fonte renovável e sustentável de vida, para produzir riqueza e crescimento econômico, promover desenvolvimento humano e social e garantir a conservação ambiental. Para produzir celulose, a empresa utiliza exclusivamente madeira de árvores plantadas. Com suas atividades e seus mais de 17 mil empregados diretos e indiretos, participa ativamente da vida de comunidades do Espírito Santo, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Rio Grande do Sul. Confira no infográfico o processo de produção de celulose da Fibria e também as principais iniciativas socioambientais desenvolvidas pela empresa. 34% da área florestal da Fibria é composta por reservas nativas protegidas. Jacareí Santos São Paulo Capão Bonito Capão do Leão Vale do Paraíba Belmonte Veracel Posto da Mata Caravelas Conceição da Barra Portocel Aracruz BIODIVERSIDADE A Fibria atua nos biomas brasileiros da Mata Atlântica, Cerrado e Pampa. Espécies catalogadas no Banco de Dados de Biodiversidade da Fibria: Plantas Aves 652 Mamíferos 122 Anfíbios 95 Répteis 18 Peixes 134 Crustáceos 25 MUDAS O eucalipto plantado pela Fibria é obtido pelo cruzamento e seleção de espécies, buscando alcançar características de adaptação ao clima, resistência às principais doenças, eficiência no uso da água e insumos e maior produtividade no processo industrial. As árvores selecionadas são clonadas e reproduzidas em larga escala nos viveiros florestais. O tempo de desenvolvimento de cada muda é de 9 a 12 dias. EUCALIPTO O eucalipto consome água e gás carbônico como todas as árvores, e por meio da fotossíntese produz biomassa, devolvendo água e oxigênio para a atmosfera e capturando o carbono no seu tronco. O eucalipto, no entanto, é mais eficiente e produz mais madeira com menos recursos ambientais. 12 RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL 214

13 Pesquisa No Centro de Tecnologia da Fibria são desenvolvidas tecnologias sustentáveis de manejo florestal, como o melhoramento genético do eucalipto, o controle biológico de pragas e a conservação de solos. Além disso, são realizadas pesquisas visando o desenvolvimento de produtos e a otimização de processos industriais. A liderança em tecnologia de produção e conservação dos recursos naturais da Fibria é fruto de mais de 35 anos de estudos e pesquisas. Exportação A celulose que sai das fábricas é exportada pelos terminais de Santos (SP) e da Portocel (Aracruz, ES) para mais de 4 países, por subsidiárias de comercialização e distribuição em Miami (EUA) e Lustenau (Áustria), escritório de representação em Hong Kong (China) e centros de distribuição nos EUA, Holanda, Itália, Malásia e China. Viveiro A Fibria produz mudas de eucalipto em viveiros florestais próprios e mudas de árvores nativas em viveiros comunitários. Em 213, a produção chegou a aproximadamente 89 milhões de mudas de eucalipto e 2 milhões de mudas nativas. Parte das mudas são doadas ou distribuídas para produtores rurais que participam dos programas de fomento. Plantio Os plantios comerciais de eucalipto produzem madeira e serviços ambientais, como a conservação do solo, água e biodiversidade e o sequestro de carbono da atmosfera. O plntio florestal é feito em sistema de plantio direto, que mantém parte do solo coberta por cascas, galhos e folhas, minimizando a erosão. As florestas plantadas oferecem um ambiente adequado para o abrigo e passagem de várias espécies de fauna e flora nativas, além de contribuir com a infiltração de água no solo. Uso da água Na Fibria, a água é utilizada de forma racional e otimizada, tanto nos plantios de eucalipto quanto nos processos industriais. Na área florestal, a Fibria possui uma rede de monitoramento de quantidade e qualidade da água superficial e subterrânea. Nas fábricas, a água é reutilizada em diversas etapas do processo de produção, minimizando o consumo. Com o uso de tecnologias modernas, a empresa consegue recircular grande quantidade de água, devolvendo aos corpos hídricos mais de 8% da água captada. A empresa também faz parte do Water Footprint Network (WFN) e monitora sua "pegada Hídrica" em todas as suas etapas produtivas. Resíduos derivados da celulose A celulose produzida pela Fibria é transformada em diferentes tipos de papel, como fraldas, papéis para higiene pessoal, papel de escrever e de livros. A celulose também tem uso cosmético, farmacêutico, têxtil e em alimentos. Quase toda a energia produzida na Fibria vem de biomassa gerada no processo produtivo. Hoje, 68% dos resíduos da fabricação de celulose são reaproveitados, parte deles nas operações de silvicultura. Os resíduos não aproveitados são dispostos em aterros industriais apropriados. Monitoramento Para melhorar o manejo florestal e gerenciar os impactos das atividades, a Fibria realiza estudos e monitoramentos ambientais da flora e fauna, dos solos e dos recursos hídricos. As aves são utilizadas como principal indicador da qualidade ambiental da paisagem florestal nas áreas da empresa. Mosaicos Nas áreas florestais da Fibria, as plantações de eucalipto são intercaladas com matas nativas, formando mosaicos. Atualmente, a Fibria conta com uma base de 854 mil hectares, dos quais 291 mil são de áreas de conservação. Essa paisagem em mosaicos abriga diversas espécies animais nas áreas de conservação, que transitam livremente pelos corredores ecológicos e pelo subbosque dos plantios de eucalipto. Proteção O sistema integrado de proteção florestal da Fibria busca reduzir as perdas causadas por pragas, doenças, plantas daninhas e incêndios florestais, minimizando os impactos ao meio ambiente. Para tanto, determinase o nível crítico de infestação e realizamse o plantio de clones resistentes a doenças e o monitoramento contínuo para detecção e controle precoce de pragas, priorizando o uso de agentes de controle biológico. Fomento A Fibria mantém o Programa Poupança Florestal, em que proprietáriois rurais tornamse importantes fornecedores alternativos de madeira. O objetivo do programa é integrar a comunidade ao negócio florestal, contribuíndo para a inclusão social, a melhoria da qualidade de vida, a conservação ambiental e o desenvolvimento rural. Agrofloresta Nas áres florestais da Fibria, convivem em harmonia plantações de melancia, milho, feijão, mandioca, criação de gado, produção de mel e muito mais. É uma forma de ampliar a geração de renda em comunidades rurais. Colheita Cada árvore de eucalipto leva de 6 a 7 anos para atingir a idade de colheita, feita por máquinas florestais, que colhem e descascam as árvores plantadas e as cortam em toras. Os resíduos, como galhos e folhas, permanecem no solo, criando uma proteção natural, além de contribuir para a reposição de nutrientes. Transporte Os eucaliptos são transportados por via rodoviária, ferroviária ou marítma. As comunidades são informadas sobre o período e a rota do transporte. A Fibria realiza manutenção permanente nas estradas utilizadas para retirada de madeira e monitoramento do ambiente marinho de circulação das barcaças de madeira. Fábrica Na fábrica, as toras de eucalipto são picadas e viram cavacos. Os cavacos são transportados por esteiras até o digestor, onde se inicia o seu cozimento, que vai trasformar os pedaços de madeira em uma polpa. Essa polpa é filtrada e lavada até ficar livres de impurezas. Depois, começa o processo de branqueamento, em que a celulose líquida recebe um tratamento para que fique alva. A próxima etapa é a secagem, em que a celulose é prensada para retirar a água e transformála em uma folha achatada, que entra em uma secadora e finalmente sai seca no outro lado. Por fim, as folhas secas são cortadas e prensadas em fardos. RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL

14 MONITORAMENTOS Monitoramento dos impactos hídricos das operações florestais As florestas plantadas de eucalipto são de rápido crescimento, e por isso podem provocar impactos sobre os recursos hídricos. Por esse motivo, o conhecimento da relação entre floresta plantada e água é importante na Gestão Ambiental da Fibria para que haja sempre condições de evitar, ou pelo menos, minimizar os efeitos negativos. Através da análise da base cartográfica das áreas florestais, foi possível selecionar bacias hidrográficas e subbacias, com predomínio de plantações florestais e nelas estabelecer um protocolo de monitoramento pontual da vazão e de qualidade da água, por meio da coleta periódica de amostras de água dos riachos para posterior análise de qualidade e medição da precipitação. O monitoramento é feito permanentemente em três microbacias hidrográficas que representam as diferentes regiões de atuação da empresa. Os resultados mostram que não há impactos negativos ao meio ambiente que possam ser atribuídos aos plantios de eucalipto. 14 RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL 214

15 Monitoramento de fauna e flora Projeto ConservAção O Projeto ConservAção teve início em 21 com o levantamento da flora e da fauna das áreas de conservação da FibriaSP, bem como indicadores do estado ambiental de cada uma. No Mato Grosso do Sul, o monitoramento teve início em 27 e as campanhas de inventário e diagnóstico em 211. Neste programa destacase o levantamento, a delimitação, a restauração e a conservação destas áreas, o que possibilita o conhecimento contínuo baseado no aprimoramento de técnicas de manejo ambiental, contribuindo para a conservação da biodiversidade local. Os resultados são disponibilizados em forma de banco de dados e geram recomendações de intervenção no manejo. Abaixo o número de espécies registradas nas áreas da Fibria MS para os dados coletados no período de 27 a 213, contabilizando os dados obtidos em levantamentos rápidos, diagnósticos e monitoramentos. Município Área Município Questão (categoria IUCN) (ha) Ano* Grupo IUCN IBAMA Criticamente ameaçado (CR Critically Endangered) Em perigo / ameaçado (EN Endangered) Vulnerável (VU Vulnerable) Quase ameaçado (NT Near Threatened) Mínimo de preocupação (LC; LR/lc, LR/cd) Dados Deficientes (DD) Sem avaliação pela IUCN (NE) Total de Espécies Plantas Anfíbios Répteis Aves Peixes Crustáceos Mamíferos Plantas Anfíbios Répteis Aves Peixes Crustáceos Mamíferos Plantas Anfíbios Répteis Aves Peixes Crustáceos Mamíferos Plantas Anfíbios Répteis Aves Peixes Crustáceos Mamíferos Plantas Anfíbios Répteis Aves Peixes Crustáceos Mamíferos Plantas Anfíbios Répteis Aves Peixes Crustáceos Mamíferos *Dados acumulados de fauna e flora na Fibria até dezembro de 213. **Inclui somente espécies. RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL

16 MONITORAMENTOS Recomendações socioambientais Os diversos projetos e estudos desenvolvidos em parceria com diferentes instituições de ensino e pesquisa,visam conhecer os impactos e recomendar melhorias no desempenho das operações florestais nas áreas de atuação da Fibria. Estas melhorias, geradas através destas informações, impactam diretamente na condição ambiental das áreas através da conservação do solo, da água, e da biodiversidade, relacionamento com comunidades, dentre outros. As recomendações socioambientais, oriundas de atendimento legal ou destinadas a projetos específicos, são feitas pela equipe de Meio Ambiente e incorporadas no Planejamento do Suprimento de Madeira de Longo Prazo e no PAC (Planejamento Anual de Colheita), visando a compor o Planejamento Ambiental já adotado pela Fibria, estabelecendo assim, critérios e instruções para os procedimentos operacionais em diversos níveis de atividades da área florestal. Os pontos evidenciados são tratados como recomendações e, preferencialmente, sincronizados às atividades da área operacional através de seu projeto para que se busque aplicar com efetividade os conceitos de ecologia da paisagem e da microbacia como unidade de manejo ambiental das propriedades florestais. Desta forma, priorizam não somente os aspectos produtivos, mas também os aspectos ambientais, sociais, culturais e estéticos das florestas. Como forma de acompanhar a atuação socioambiental e identificar oportunidades de melhorias em suas operações, a Fibria adota uma ferramenta de monitoramento de indicadores, o IDSA (Índice de Desempenho Socioambiental) que é acompanhado mensalmente através de planilhas preenchidas pelas diferentes áreas operacionais e de apoio. Manejo de áreas especiais O Programa de Conservação da Biodiversidade contempla também o manejo de áreas especiais, que são localidades identificadas como de alto valor para a conservação, e que podem, de acordo com critérios préestabelecidos, serem eleitas como AAVC (Área de Alto Valor de Conservação). Nestas, a empresa realiza estudos científicos e monitoramentos específicos que visam proporcionar a manutenção e aumento destes valores identificados. No estado do Mato Grosso do Sul cinco fragmentos foram identificados como áreas especiais da biodiversidade, onde se encontram espécies da flora e fauna significativas, com relação à quantidade, diversidade e importância para a conservação. 16 RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL 214

17 ÁREA DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO (AAVC) A Unidade Três Lagoas cinco áreas foram classificadas como Áreas de Alto Valor de Conservação (AAVC), totalizando 7.5, hectares, consideradas com valores excepcionais ou críticos para: diversidade de espécies, ecossistemas e mosaicos em nível de paisagem e valores das comunidades. Área que possua um ou mais dos seguintes atributos: Valor AVC1 AVC2 AVC3 AVC4 AVC5 AVC6 Definição Diversidade de espécies Ecossistemas e mosaicos em nível de paisagem Ecossistemas e habitats Serviços ambientais críticos Necessidades das comunidades Valores culturais ÁREAS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO DA FIBRIA Área Localidade Área (ha) AVC (Atributo) Principais Ameaças Algumas Medidas de Proteção Algumas Ações de Monitoramento Barra do Moeda 2.66 AVC 1 e 2 Danos operacionais, Incêndios, Atividades Ilegais (caça e captura de animais/exploração de espécies vegetais), Afugentamento de Animais pela Colheita, Atropelamento de Animais, Desmatamento, Isolamento por Fragmentação, Invasão de Espécies Exóticas, Perda de Espécies Raras ou Ameaçadas. Microplanejamento das Operações Florestais, Recomendações Socioambientais, Programa de Formação Ambiental dos Colaboradores e Comunidades, Programa de Controle de Emergência e Combate à Incêndio, Vigilância Patrimonial, Plantio em Mosaico, Sistema Integrado de Proteção Florestal (SIPF), Restauração Ambiental. Monitoramento Pré e Pós Operação, Atualização da Base Cadastral, Monitoramento de Fauna e Flora, Monitoramento de Ocorrências Socioambientais, Relatório Anual de AAVC e Análise Crítica. Rio Verde A AVC 2 Incêndios, Atividades Ilegais (caça e captura de animais/exploração de espécies vegetais), Desmatamento, Isolamento por Fragmentação, Invasão de Espécies Exóticas. Microplanejamento das Operações Florestais, Recomendações Socioambientais, Programa de Formação Ambiental dos Colaboradores e Comunidades, Programa de Controle de Emergência e Combate à Incêndio, Vigilância Patrimonial, Plantio em Mosaico, Sistema Integrado de Proteção Florestal (SIPF), Restauração Ambiental. Monitoramento Pré e Pós Operação, Atualização da Base Cadastral, Monitoramento de Fauna e Flora, Monitoramento de Ocorrências Socioambientais, Relatório Anual de AAVC e Análise Crítica. Matão AVC 1 Danos operacionais, Incêndios, Atividades Ilegais (caça e captura de animais/exploração de espécies vegetais), Afugentamento de animais pela colheita, Atropelamento de Animais, Desmatamento, Isolamento por Fragmentação, Invasão de Espécies Exóticas, Perda de Espécies Raras ou Ameaçadas. Microplanejamento das Operações Florestais, Recomendações Socioambientais, Programa de Formação Ambiental dos Colaboradores e Comunidades, Programa de Controle de Emergência e Combate à Incêndio, Vigilância Patrimonial, Plantio em Mosaico, Sistema Integrado de Proteção Florestal (SIPF), Restauração Ambiental. Monitoramento Pré e Pós Operação, Atualização da Base Cadastral, Monitoramento de Fauna e Flora, Monitoramento de Ocorrências Socioambientais, Relatório Anual de AAVC e Análise Crítica. Matão AVC 6 Deterioração da Edificação. Manutenção Predial, Vigilancia Patrimonial, Sistema Integrado de Proteção Florestal (SIPF). Monitoramento de Ocorrências Socioambientais, Relatório Anual de AAVC e Análise Crítica. Abasto AVC 1 Danos operacionais, Incêndios, Atividades Ilegais (caça e captura de animais/exploração de espécies vegetais), Afugentamento de animais pela colheita, Atropelamento de Animais, Desmatamento, Isolamento por Fragmentação, Invasão de Espécies Exóticas, Perda de Espécies Raras ou Ameaçadas. Microplanejamento das Operações Florestais, Recomendações Socioambientais, Programa de Formação Ambiental dos Colaboradores e Comunidades, Programa de Controle de Emergência e Combate à Incêndio, Vigilância Patrimonial, Plantio em Mosaico, Sistema Integrado de Proteção Florestal (SIPF), Restauração Ambiental. Monitoramento Pré e Pós Operação, Atualização da Base Cadastral, Monitoramento de Fauna e Flora, Monitoramento de Ocorrências Socioambientais, Relatório Anual de AAVC e Análise Crítica. TOTAL 7.5 RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL

18 ÁREA DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO (AAVC) Revisão externa O diagnóstico de AAVCs e as medidas de proteção estabelecidas contra as ameaças identificadas foram submetidos a revisão externa por especialistas qualificados, confiáveis e independentes. Revisor RHEA Ambiental Estudos e Projetos A estrutura e apresentação das informações do documento analisado segue uma sequencia apropriada e de fácil consulta... A metodologia utilizada para identificação das AAVCs contempla as etapas previstas nos guias referenciais e foi executada por uma equipe multidisciplinar habilitada... A proposta de gestão das AAVCs, indicadas nos programas de monitoramento e manejo permitirão a manutenção dos AVCs presentes e poderão ser vetores para a melhoria desses atributos ao longo do tempo. Consulta a partes interessadas A Fibria consultou partes interessadas em relação aos critérios para identificação dos AVCs, no desenvolvimento de regimes de manejo para sua manutenção e na revisão da eficiência do manejo. Durante a elaboração do diagnóstico, pesquisadores e especialistas foram consultados sobre os itens referentes a sua especialidade para que a Fibria tivesse segurança em suas decisões sobre a identificação e manejo adequados para os AVCs. Manejo e Monitoramento Medidas específicas são realizadas para assegurar a manutenção e a melhoria dos valores identificados e ações de monitoramento são conduzidas para avaliar a efetividade do manejo empregado, com o objetivo de consolidar a conservação dessas áreas e perpetuar os seus benefícios, conforme quadro da página 17 Áreas de Alto Valor de Conservação da Fibria, Unidade Três Lagoas. 18 RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL 214

19 EDUCAÇÃO AMBIENTAL O Programa de Formação Ambiental da Fibria, denominado Árvore do Saber, dissemina informações e práticas ambientais para conscientizar seus participantes sobre atitudes e condutas sustentáveis e transformadoras da realidade socioambiental. Para atingir os públicos interno e externo, o Programa foi dividido em atividades e projetos diferenciados alinhados com a realidade de cada público, conforme descrito no quadro abaixo. O Núcleo de Educação Ambiental (NEA) da Unidade está localizado na Fazenda Barra do Moeda em Três Lagoas (MS) e serve de base para o desenvolvimento das atividades educativas. ATIVIDADES PÚBLICO ALVO OBJETIVO Programa de Formação Ambiental para Trabalhadores Programa de Formação Ambiental para Comunidades Escolares Treinamentos de Integração Visitas Técnicas Asas do Saber Biblioteca Móvel Trabalhadores florestais próprios e terceiros Escolas Municipais 5º e 6º do Ensino Fundamental Trabalhadores Florestais Próprios e Terceiros Instituições de Ensino Escolas Municipais Rurais e Urbanas Público interno: profissionais próprios e terceiros Visa assegurar a sustentabilidade das operações florestais no longo prazo mediante a prevenção de incidentes e não conformidades ambientais no trabalho. Propiciar aos alunos informações, vivência e atividades práticas em prol do Meio Ambiente. Conscientizar e mobilizar os Trabalhadores para seu papel de agente transformador enquanto consumidor, na busca da sustentabilidade do planeta. Apresentar o Manejo Florestal da Empresa. Estimular a leitura a escrita e resgatar conhecimento da Fauna e Flora local. Disponibilizar material para leitura (técnica e lazer). RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL

20 GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE Visão estratégica A sustentabilidade é um tema estratégico na Fibria e está integrada ao seu negócio. Na sua missão e visão, a empresa assume o compromisso de gerar lucro respeitado e reconhecido por todos e a atuar de modo que a floresta plantada, além de produzir valor econômico, também promova desenvolvimento humano, social e ambiental. Para fortalecer a governança e monitorar o cumprimento dos compromissos que assumidos voluntariamente, foram organizadas duas comissões de sustentabilidade. Uma externa, com papel de assessorar o Conselho de Administração e outra interna, composta por gestores de diferentes áreas da empresa, com o papel de apoiar a Diretoria Executiva da Fibria na integração das políticas e diretrizes estratégicas de sustentabilidade na gestão e operação da empresa. Objetivos e Metas da Sustentabilidade Nove objetivos foram estabelecidos para as Unidade Operativas: Objetivo 1 Melhorar o relacionamento com as comunidades, por meio de engajamento e medidas que promovam o seu desenvolvimento econômico e social Objetivo 2 Objetivo 3 Objetivo 4 Objetivo 5 Objetivo 6 Objetivo 7 Objetivo 8 Objetivo 9 Desenvolver ações ligadas ao processo de mudanças climáticas Revisar os modelos de fomento florestal adaptandoos às novas diretrizes Proteger e enriquecer os recursos naturais Promover o desenvolvimento, a conscientização e o engajamento da cadeia de suprimentos da Fibria Aumentar a ecoeficiência Certificar as áreas florestais da Fibria Fortalecer o relacionamento com a sociedade civil Consolidar a sustentabilidade na governança da empresa Para cada objetivo foram estabelecidas metas relacionadas aos Princípios do Pacto Global, às certificações e a Matriz de Materialidade da empresa, que define 1 prioridades que balizam a estratégia sustentável da Fibria: Impacto das plantações sobre a diversidade Certificações e compromissos voluntários Ética Uso da água Estratégia/compromisso com a sustentabilidade Relacionamento com as comunidades vizinhas Fomentados (fornecedores de madeira) Riscos ambientais Emissões, efluentes e resíduos Relacionamento com comunidades específicas 2 RESUMO DO PLANO DE MANEJO 7ª EDIÇÃO ABRIL 214

Resumo do Plano de Manejo

Resumo do Plano de Manejo Resumo do Plano de Manejo Unidade Florestal MS Três Lagoas 9ª EDIÇÃO OUTUBRO 215 Sobre o Resumo O resumo do Plano de Manejo tem como objetivo disponibilizar para a sociedade uma síntese das operações florestais

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

Case Fibria: Sustentabilidade em projetos sociais Programa Colmeias

Case Fibria: Sustentabilidade em projetos sociais Programa Colmeias Case Fibria: Sustentabilidade em projetos sociais Programa Colmeias QUEM Somos uma empresa brasileira com forte presença no mercado global de produtos florestais. SOMOS Empresa líder mundial na produção

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

Relatório. 2015 infográfico. NOVAS FRONTEIRAS Um crescimento menos atrelado ao conceito de commodity implica gerar mais valor aos nossos clientes

Relatório. 2015 infográfico. NOVAS FRONTEIRAS Um crescimento menos atrelado ao conceito de commodity implica gerar mais valor aos nossos clientes Relatório Fibria 2015 infográfico edição clientes NOVAS FRONTEIRAS Um crescimento menos atrelado ao conceito de commodity implica gerar mais valor aos nossos clientes FLORESTA E INOVAÇÃO PARA NOSSOS CLIENTES

Leia mais

Resumo do Plano de Manejo Integrado

Resumo do Plano de Manejo Integrado Resumo do Plano de Manejo Integrado INTRODUÇÃO Este é um Resumo Público do Plano de Manejo Integrado, documento que sintetiza os programas, ações e procedimentos adotados pelo Produtor Florestal Integrado

Leia mais

VALLOUREC UNIDADE FLORESTAL

VALLOUREC UNIDADE FLORESTAL VALLOUREC UNIDADE FLORESTAL A EMPRESA Fundada em 1969, o objetivo principal da Vallourec unidade Florestal é o plantio de florestas de eucalipto para, a partir delas, produzir o carvão vegetal, um dos

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Sustentabilidade do Setor Florestal

Sustentabilidade do Setor Florestal Sustentabilidade do Setor Florestal Quem somos o Somos o resultado da União de duas empresas brasileiras com forte presença no mercado global de produtos florestais renováveis. o Uma nova empresa com

Leia mais

III Seminário Internacional de Direito, Águas, Energia e Aquecimento Global. Políticas Ambientais Empresariais. Campo Grande / MS

III Seminário Internacional de Direito, Águas, Energia e Aquecimento Global. Políticas Ambientais Empresariais. Campo Grande / MS III Seminário Internacional de Direito, Águas, Energia e Aquecimento Global Políticas Ambientais Empresariais Campo Grande / MS 30.10 a 01.11.2007 International Paper no Mundo Companhia global de papel

Leia mais

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis Diálogo com a Comunidade Um balanço das ações sustentáveis Veracel Celulose É uma empresa 100% baiana, presente em dez municípios do Extremo Sul do estado: Eunápolis, Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália,

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Biodiversidade além dos limites da FIBRIA

Biodiversidade além dos limites da FIBRIA Biodiversidade além dos limites da FIBRIA Missão Desenvolver o negócio florestal renovável como fonte sustentável da vida Visão Valores Consolidar a floresta plantada como produtora de valor econômico

Leia mais

Gestão Empresarial para a Sustentabilidade. Wilberto Lima Junior Diretor de Comunicação e Responsabilidade Social

Gestão Empresarial para a Sustentabilidade. Wilberto Lima Junior Diretor de Comunicação e Responsabilidade Social Gestão Empresarial para a Sustentabilidade Wilberto Lima Junior Diretor de Comunicação e Responsabilidade Social Klabin: Uma empresa líder 107 anos de tradição, inovação, liderança e sustentabilidade 17

Leia mais

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 Página2 Página3 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Madepar Indústria e Comércio de Madeiras LTDA certificou suas florestas de acordo com os Princípios e Critérios

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 SOJA BRASILEIRA A soja é a principal cultura agrícola do Brasil - 28 milhões de ha (25% da área mundial plantada)

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Informação de Imprensa

Informação de Imprensa Informação de Imprensa L Fundação Espaço ECO produz e dissemina conhecimento por meio da Educação para a Sustentabilidade Organização promove a transformação socioambiental de pessoas, organizações e sistemas

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa Nossa História Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa O desafio é imenso: acabar com a fome, dobrar a produção de alimentos até 2050 e ajudar a reduzir o impacto ambiental da agricultura

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO A Ultrapar realizou em 2011 um programa de comunicação e disseminação do tema sustentabilidade entre seus colaboradores, com uma série de iniciativas voltadas para o engajamento e treinamento das pessoas.

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual Somando forças até o fim da pobreza CARE Brasil Relatório Anual 2012 CARE Internacional Em 2012, a CARE apoiou 997 projetos de combate à pobreza em 84 países, beneficiando estimadamente 84 milhões de pessoas.

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

Crescimento global da consciência socioambiental

Crescimento global da consciência socioambiental Programa de Sustentabilidade Bunge 1. Contextualização Crescimento global da consciência socioambiental Sociedade Importância do tema Estruturação e articulação das entidades civis Pressões comerciais

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 Gabriela Priolli de Oliveira 2 João Carlos Seiki Nagamura

Leia mais

Pacto de Aprimoramento do SUAS Mato Grosso do Sul

Pacto de Aprimoramento do SUAS Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social www.setas.ms.gov.br Pacto de Aprimoramento do SUAS Mato Grosso SETAS Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social Governadoria ANDRÉ PUCCINELLI

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

A Fundação Espaço ECO

A Fundação Espaço ECO www.espacoeco.org Sustentabilidade que se mede A Fundação Espaço ECO (FEE ) é um Centro de Excelência em Educação e Gestão para a sustentabilidade, que mede e avalia a sustentabilidade por meio de metodologias

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável José Humberto Chaves Gerência de Planejamento Florestal Setembro, 2010-1 - Sumário 1. As florestas no Brasil. 2. O Setor Florestal

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal Resumo Público do Plano de Manejo Florestal Atualizado em outubro de 2015 Apresentação do Plano de Manejo O Plano de Manejo da Vallourec unidade Florestal documenta os processos produtivos e dá suporte

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Secretaria de Biodiversidade e Florestas, Ministério do Meio Ambiente A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade EEB Brasil

Secretaria de Biodiversidade e Florestas, Ministério do Meio Ambiente A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade EEB Brasil Secretaria de Biodiversidade e Florestas, Ministério do Meio Ambiente A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade EEB Brasil Seminário Ações e Iniciativas de PSA no Brasil: um ano após o Congresso

Leia mais

Programa SEMEAR Responsabilidade Socioambiental

Programa SEMEAR Responsabilidade Socioambiental Programa SEMEAR Responsabilidade Socioambiental Mostra Local de: Bocaiúva do Sul (Municípios de Adrianópolis, Bocaiúva do Sul, Colombo e Tunas de Paraná) Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

III Encontro Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica Paraná III

III Encontro Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica Paraná III O III Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica do Paraná III, realizado em Foz do Iguaçu, Brasil, nos dias 30 de novembro e 1º de dezembro de 2006, com a presença de 2.300 participantes,

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

Mensagem da Diretoria

Mensagem da Diretoria Balanço Social 2013 Mensagem da Diretoria Em 2013 as Empresas Rio Deserto completaram 95 anos de atividades. Somos uma das empresas mais antigas da região Sul de Santa Catarina, mas não podemos ser chamadas

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil M A N O E L D E F R E I T A S C O N S U L T O R I A F L O R E S T A L Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil 1º Congresso Florestal do Tocantins Novembro 2010 Situação florestal do Brasil IBGE

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

S O C I O A M B I E N TA L

S O C I O A M B I E N TA L Apresentação Todas as ações desenvolvidas pelo Banrisul estão comprometidas em preservar o meio ambiente, seja no momento de realizar um contrato de financiamento agrícola, investimento em projeto, seja

Leia mais

Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos. Junho, 2013

Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos. Junho, 2013 Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos Junho, 2013 1 Contexto Concentração espacial, econômica e técnica; Indústria é de capital intensivo e business to business

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL

CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL Alexandre Sakavicius Borges Coordenador de certificação florestal alexandre@imaflora.org São Paulo 18/11/2009 www.imaflora.org MISSÃO O Imaflora incentiva e promove mudanças

Leia mais

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO [16] TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO Florestas Naturais são ecossistemas dominados por árvores ou arbustos, em forma original ou quase original, através de regeneração natural.

Leia mais

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos - Criação e Estruturação da Moratória da Soja - Realizações da Moratória da Soja - A Prorrogação da Moratória - Ações Prioritárias Relatório Apresentado pelo

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Integração do grupo; Sensibilização para os problemas e potencialidades

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1.

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015 Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. Identificação Contratação de consultoria de pessoa física (PF) para diagnóstico

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. ANO II / Nº56 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. Uma safra inteira se passou desde o início dos trabalhos do Programa Fitossanitário

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

CIDADANIA AMBIENTAL PROJETO ARBORETO

CIDADANIA AMBIENTAL PROJETO ARBORETO CIDADANIA AMBIENTAL A resposta da sociedade de Araxá aos problemas ambientais se dá através das ações de educação ambiental. Destacam-se as atividades de educação ambiental promovidas por escolas, organizações

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

Funções Ecológicas das APPs e RL: O papel da restauração. Flávio Bertin Gandara Renata Evangelista de Oliveira

Funções Ecológicas das APPs e RL: O papel da restauração. Flávio Bertin Gandara Renata Evangelista de Oliveira Funções Ecológicas das APPs e RL: O papel da restauração Flávio Bertin Gandara Renata Evangelista de Oliveira Silvicultura de Nativas (além da Restauração...) Silvicultura de Nativas Restauração Ecológica

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa em três setores do Brasil:

Sustentabilidade Corporativa em três setores do Brasil: Sustentabilidade Corporativa em três setores do Brasil: Energia Elétrica Alimentos e Bebidas Papel e Celulose Apresentação de alguns casos F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V O L

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2011-2013

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2011-2013 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2011-2013 Realização: H A G A R I modelos sustentáveis Dezembro de 2010 APRESENTAÇÃO O primeiro Planejamento Estratégico do PACTO para Restauração da Mata Atlântica teve início

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

Adequação Ambiental /CAR: Programa Soja Pus. Cristiane Sassagima Neves Engenheira Florestal Analista de Projetos Aprosoja 2015

Adequação Ambiental /CAR: Programa Soja Pus. Cristiane Sassagima Neves Engenheira Florestal Analista de Projetos Aprosoja 2015 Adequação Ambiental /CAR: Programa Soja Pus Cristiane Sassagima Neves Engenheira Florestal Analista de Projetos Aprosoja 2015 MISSÃO Garantir a competitividade e a sustentabilidade dos produtores de soja

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais