O JULGAMENTO DE JEROBOÃO I NO LIVRO DOS REIS. UMA LEITURA NA ÓTICA DO PODER JUDAÍTA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O JULGAMENTO DE JEROBOÃO I NO LIVRO DOS REIS. UMA LEITURA NA ÓTICA DO PODER JUDAÍTA"

Transcrição

1 Anais do V Congresso da ANPTECRE Religião, Direitos Humanos e Laicidade ISSN: Licenciado sob uma Licença Creative Commons O JULGAMENTO DE JEROBOÃO I NO LIVRO DOS REIS. UMA LEITURA NA ÓTICA DO PODER JUDAÍTA Vicente Artuso Doutor em Teologia Bíblica PUC-Rio Professor Adjunto II, no Programa de Pós-graduação (Mestrado e Doutorado) em Teologia da PUCPR ST 17 LEITURAS LIBERTADORAS (ANTI-IMPERIALISTAS E ANTICOLONIALISTAS) DA BÍBLIA. Resumo: Jeroboão I, apoiado pelo profeta Aías liderou a revolta das tribos do Norte após a morte de Salomão que resultou na divisão do reino. Conforme o livro dos Reis a causa principal fora a continuidade da política opressora de Salomão com a corveia e o tributo elevado. O fato de Jeroboão ter provocado a divisão política e religiosa do reino pode ter sido o motivo de mágoa d o autor na fase final da redação do livro dos reis. O cisma foi o motivo principal que o levou a avaliar negativamente Jeroboão e os reis do reino do norte, enquanto a avaliação dos reis de Judá será mais positiva. O presente estudo verifica mediante a análise das avaliações dos reinados a ótica judaíta do autor que hostiliza o reino do Norte, por causa do culto distante de Jerusalém que dificulta a unidade religiosa e política. Será utilizado o método analítico e comparativo na avaliação dos reinados de Judá e Israel nos livros dos Reis. Tem-se presente uma abordagem na ótica do conflito no interior do reino ocasionado pelo descontentamento das tribos com a sobrecarga de trabalhos e tributos. Diante disso a leitura dos textos destaca a revolta dos oprimidos, sua organização, o culto nos santuários de Dan e Betel interpretado como o mal aos olhos do Senhor. Porque Jeroboão sempre é acusado de fazer o mal aos olhos do Senhor? Será a acusação de idolatria o mal maior? A análise mostra a causa da culpa sobre Jeroboão. Para ilustrar tomemos a avaliação do rei Jeú do reino do norte. O rei Jeú recebe um leve elogio por ter exterminado o culto oficial a Baal, com o apoio dos profetas. Se Jeroboão incentivou a idolatria como o autor relata, e Jeú conseguiu exterminá-la como explicar o juízo sobre Jeú que não se afastou dos pecados que Jeroboão fizera Israel cometer (2Rs 10,28-31)? Isso mostram que a condenação de Jeroboão se deve ao fato de afastar Israel do templo de Jerusalém e não por causa da idolatria. Se apenas a idolatria fosse o motivo o julgamento seria rigoroso igualmente para os dois reinos pois tanto Judá como Israel caíram na idolatria. O fato de Jeroboão ser apresentado como exemplo negativo se deve a uma profunda mágoa do autor, com o reino do Norte. Assim a avaliação dos reinados que fizeram o mal seguiram o exemplo de Jeroboão. O grande mal de Jeroboão não parece ser a idolatria, mas o fato de liderar a revolta do povo oprimido que resultou no cisma. Foi uma atitude profética pois o código da Aliança requer a prática da justiça no exercício do poder. Assim por trás do mal atribuído a Jeroboão está a ideologia de legitimação teológica do poder dravídico. Ele sempre é mencionado como exemplo positivo, enquanto nenhum rei do reino do norte recebe elogios ou é tomado como exemplo positivo para outros reis. Palavras-chave: Jeroboão, conflito, avaliação, poder.

2 2 Introdução Segundo Konrad Schmid (2013, p.103) a intervenção de Deus na história do reinado acontece segundo uma norma teológica: depende do agir correto dos reis, cujas consequências também são sentidas pelo povo: Porque os reis agiram mal o povo sofreu o exílio, perda da terra, do templo, do rei, e da própria identidade. Esta perspectiva em relação aos reis já é introduzida no início dos livros de Samuel, nos conflitos entre Samuel e o povo em relação ao estabelecimento da monarquia em Israel (1Sm 8-11). Textos críticos da monarquia indicam as consequências desastrosas, em que o povo volta à submissão (1Sm 8,10-18) Tanto Samuel como Reis fazem parte da história deuteronomista e têm sua origem no final do século VII na época de Josias. Esta literatura se baseia no deuteronômio, inicialmente uma antiga coleção de leis (Dt 12-26) com afinidades nas tradições proféticas do reino do Norte (MARTIN ROSE, 2010, p.267). Porém a ideologia de um único Deus, um único templo, com um discurso teológico mais etnocêntrico que o da Torah se insere de forma mais adequada no pós-exílio (KNAUF, 2010, p.377). Considerando-se a posição de Konrad Schmid, (2013, p.105) de que a estrutura das avaliações dos reis tenha surgido numa versão pré-exílica, as avaliações negativas de todos os reis do Norte (e alguns do Sul), explicariam os motivos da queda do reino do Norte. Nesse caso o objetivo das avaliações e julgamento negativo dos reis seguindo os pecados de Jeroboão I, visam fundamentar a reforma de Josias, da centralização do culto. Nosso estudo intenta mostrar mediante confronto das avaliações dos reinados a tendência de hostilizar Jeroboão I como aquele que fez Israel pecar. Nessas estruturas avaliativas percebe-se a ótica judaíta exclusivista e anti-politeísta no fato de Jeroboão ser o mais citado como exemplo negativo. Percebe-se então a mágoa do autor deuteronomista contra o reino do Norte, pois Jeroboão fora o líder da revolta que provocou a separação dos reinos. Avaliação dos reinados com base no Deuteronômio Mesmo que os livros dos reis sejam ricos de informações históricas, os estudiosos os consideram mais como uma historiografia teológica, e não propriamente históricos. De preferência são definidos como uma reflexão teológica sobre um período da história de Israel em que esse povo era governado por reis. O autor faz uma avaliação dos reinados, à luz da observância ou não observância das leis deuteronômicas. O autor mostra que durante o período da monarquia uma série de infidelidades ao culto do verdadeiro Deus e às prerrogativas de seu Templo levaram à perda dos dois reinos, apesar dos esforços dos profetas de conduzir o povo no projeto de Deus. Na angústia e dor do exílio, o povo procura fazer uma revisão de sua história,

3 3 tentando responder: Por que tudo isto está acontecendo conosco? Por que fomos castigados? Onde erramos? O autor do livro dos reis tenta responder a estas perguntas reescrevendo a história da monarquia e fazendo uma avaliação dos reinos numa ótica profética, denunciando as infidelidades à Aliança, causa de todos esses males (CRB, 1992, p.36). Ésta interpretação do Exílio à luz do deuteronômio, é aparentemente simples, baseada num princípio religioso Isto aconteceu porque os filhos de Israel tinham pecado contra Javé seu Deus que os tirara da terra do Egito (2Rs 17,7; Cf. Jr 52,3; 2Rs 23,26) Porém a história dos reis é bem mais complexa do que a forma como vem apresentada. Na avaliação dos reinados suspeita-se existir um fundo ideológico em defesa de grupos privilegiados, que retornando do exílio desejam retomar as rédeas do poder. A ótica do autor deuteronomista na fase final da redação tende a defender o judaísmo e o culto do único Deus. Para os reis de Israel, a condenação geral: ele fez aquilo que é mal aos olhos de Javé, é sempre precisada pela censura de apego ao pecado de Jeroboão (Cf. 1Rs 15,26.34). Quanto a avaliação negativa de alguns reis de Judá depois de Jeroboão, é acrescentado que não fizeram o que era reto, e imitaram o comportamento dos reis de Israel (cf. Jorão 2Rs 8,18; Acazias 2Rs 8,27; Acaz 2Rs 16,2; Manassés 2Rs 21,2-3). Não são citados exemplos negativos de reis do reino do Sul. Davi é sempre apresentado como protótipo do rei justo a ser seguido. Isto revela que nas últimas fazes da redação do livro dos reis, no fim do exílio e mais provável depois do exílio prevaleceu o interesse religioso de salvar o monoteísmo com o culto ao Deus único e o interesse político em vista da volta da monarquia ao poder provindo do tronco davídico. Eis um motivo porque os reis do reino de Israel são julgados mais severamente que os reis do reino de Judá. Nesse caso, em relação a avaliação dos reis do Israel Jeroboão vem sempre citado como exemplo negativo, justamente por haver provocado o cisma político e religioso. Veremos esta questão analisando mais de perto a gestão dos reis e comparando os julgamentos dos autores deuteronomistas. Avaliação dos Reis de Israel e Judá A partir do cisma, provocado pela rebelião das tribos de Israel contra Roboão (1Rs 12), o que chama a atenção é o fato que os reis de Israel serem condenados em bloco, por terem imitado o pecado de Jeroboão (1Rs 14,7; 15,16; 16,26; 2Rs 15, ). Na condenação geral, o autor destaca como foram os pecados se sucedendo num contínuo crescendo. O pecado de Jeroboão consistiu na cisão do reino e do culto oficial deslocado de Jerusalém para os dois santuários de Betel e Dan. Nadab ( ) filho de Jeroboão reinou dois anos. Ele imitou o comportamento do seu pai

4 4 Jeroboão e o pecado ao qual tinha arrastado Israel (1Rs 15,25-26). Baasa filho de Aías se tornou rei de Israel e massacrou a casa de Jeroboão (1Rs 15,28-29). Fez o mal aos olhos do Senhor e imitou a conduta de Jeroboão e o pecado ao qual ele tinha arrastado Israel (1Rs 15,34). Por intermédio do profeta Jeú explicita as ações más de Baasa. Ele fez o mal e irritou o Senhor, tornando-se semelhante a casa de Jeroboão, mas porque também exterminou esta casa (1Rs 16,7). À dinastia de Baasa é acrescentada também a idolatria mais grave que o sincretismo religioso: Baasa e seu filho Ela irritaram o Senhor Deus de Israel com seus ídolos vãos (1Rs 16,13). Nessa sucessão violenta dos reis de Israel até mesmo Zamri que reinou sete dias (1Rs 16,15) recebe o julgamento: Ele imitou a conduta de Jeroboão e o pecado que fizera, levando Israel a pecar (1Rs 15,19) Nesse crescendo do mal aos olhos do Senhor a dinastia de Omri se chegou até o culto oficial do Baal fenício (1Rs 16, ) (BALLARINI, 1976, 149). Por este motivo os primeiros reis, especialmente da dinastia de Omri recebem as piores avaliações e a maioria deles são alvo de oráculos de aniquilação. Citemos especialmente Joacaz, Joás, Jeroboão, Zacarias, Selum, Manaém Facéias, Facéia. O Julgamento de Jeú é um tanto suavizada pois aniquilou a dinastia de Amri. O rei Amri foi próspero, fundou Samaria ofuscando a capital Jerusalém. Porém Acab seu Filho foi o pior rei aos olhos do deuteronomista pois introduziu no culto Baal fenício e Asera. O último rei de Israel Oséias não é censurado explicitamente por continuar os pecados de Jeroboão. Porém no comentário no fim do reino de Israel é dito que os israelitas perseveraram em todos os pecados que Jeroboão cometeu e não se afastaram deles (2Rs 17,22) (THOMAS ROMER, 2008, p.155). Parece claro para o autor deuteronomista que a queda do reino do Norte se deve ao fato dos reis fazerem o mal. O mal maior parece ser a introdução dos bezerros de ouro de Jeroboão e o culto de Baal e Asera. Justamente por violar o mandamento principal do Deus único (Dt 6,4-6). Os reis de Judá, julgados em relação a Davi, são divididos em três categorias: maus, por causa do culto idolátrico permitido ou praticado (Abiam, 1Rs 15,3.6; Ocozias (2Rs 8,26-27-mais por causa do parentesco com a família de Acab), Acaz, 2Rs 16,2-4; Manassés, 2Rs 21,2-9; Joacaz, 2Rs 22,32); bons, por terem extirpado a idolatria, embora tenham deixado continuar o culto nos lugares altos (Asa, 1Rs 15,11-15; Josafá, 1Rs 22,43-47, Joás, 2Rs 12,2b-3; Amasias, 2Rs 14,14; Azarias, 2Rs 15,3-4; Joatam, 2Rs 15,34-35); ótimos, por terem combatido a idolatria e o culto nas alturas: Ezequias (2Rs 18,3-8) e Josias (2Rs 22,2; 23,25). Nota-se nesta avaliação dos reis tidos como maus de Judá, que os reis de Israel são citados como exemplos negativos, seja individualmente (Acab 2Rs 8,27; 21,3), como coletivamente (2Rs 8,18; 16,2). A avaliação do reinado de Salomão também foi

5 5 negativa: Salomão fez o mal aos olhos do Senhor e não lhe foi fiel plenamente como seu Pai Davi (2Rs 11,6), No entanto há apenas uma referência a ele como exemplo negativo, no final do reinado de Roboão (1Rs 14,23). Na avaliação dos reis de Israel o autor do livro dos reis faz 19 vezes alusão ao pecado, ou caminho pelo qual Jeroboão arrastou o seu povo O pecado segundo o autor deuteronomista foi o fato de ele ter colocado um bezerro de ouro em Betel e outro em Dan (1Rs 12,29-30). Com essa medida tencionava impedir o povo de subir a Jerusalém (1Rs 12,26-27). A descentralização do culto visava a separação de Jerusalém para que o povo não voltasse a casa de Davi (1Rs 12,26) Essa medida é resultado de uma ação planejada decorrente do cisma que Jeroboão liderou após a morte de Salomão em 931 a.a. O movimento teve o apoio inicial do profeta Aías de Siló. De fato Jeroboão estabelecera dois santuários nas fronteiras do reino: um em Betel ao sul e outro em Dan no extremo norte, com isso visava impedir o povo de ir prestar culto em Jerusalém. A pretendida unicidade do culto em um só lugar, pregada pelo deuteronômio significava unificar as tribos novamente, voltando ao reino unido. A divisão do reino aconteceu propriamente por motivos políticos, causado pela revolta popular contra os impostos e trabalhos forçados vigentes desde o tempo de Salomão. Pode-se interpretar a recorrente citação de Jeroboão como exemplo negativo, como efeito da mágoa do redator pelo fato das tribos se separarem. Observa-se esse zelo pela unicidade do culto, com as ressalvas nos elogios aos reis do reino do Sul (Asa, Josafá, Joás, Amasias, Azarias e Joatam): fizeram o que é agradável e reto aos olhos de Javé, mas não conseguiram eliminar o culto nos lugares altos (Cf. 1Rs 15,11-12; 22,43-44; 2Rs 12,3). Esse culto nos lugares altos, embora fosse culto ao Senhor também afastava o povo de Jerusalém. Esse culto um tanto afastado e com alguma tendência sincretista com o culto de Baal constituía um perigo para a pretendida unidade do reino. A intenção dos autores a primeira vista parece somente acabar com a idolatria e salvaguardar o monoteísmo diante de outros cultos atraentes. Porém no contexto do pós-exílio essas narrativas revelam a preocupação de concretizar o projeto da reunificação política e religiosa do reino em torno de Jerusalém. Portanto o discurso religioso com julgamento severo aos reis de Israel por terem seguido os passos de Jeroboão visa defender a unidade política centrada no culto em Jerusalém e na dinastia Davídica no poder. Foi por causa das tentativas de reunificar o reino que Ezequias de Judá recebe elogios plenos. Ele empreendeu uma reforma religiosa, que incidiu fortemente na política de fortalecimento do reino em torno de um santuário central, libertando-se do domínio Assírio, que impunha a sua religião como ideologia. Josias retoma esta reforma religiosa de Ezequias, destruindo o culto nos lugares altos e outros santuários espalhados pelo reino; obtendo também certa independência política dos Assírios ( 2Rs 22-23). Por isso que tanto Ezequias como Josias, seguindo Davi, recebem amplos

6 6 elogios do autor. Banir o culto sincretista, significava uma ameaça para os dominadores Assírios que impunham pesados tributos. Por outro lado centralizar o culto a Javé em um lugar (cf.dt 16) significava fortalecer o poder central e reunificar o povo, numa monarquia unida como nos tempos auge de Davi e Salomão. A unidade religiosa sempre foi salvaguarda de uma unidade também política. Isso agradava o povo especialmente do reino do Sul. O elogio ao rei Josias, por este motivo foi pleno: Não houve antes dele rei algum que se tivesse voltado como ele, para Javé de todo coração, de toda sua alma com toda sua força, e em toda fidelidade à lei de Moisés (2Rs 23,25). Outros reis de Judá tiveram uma avaliação negativa, e nesta avaliação são citados como exemplo negativo, os reis de Israel e não alguns reis de Judá que mereceriam juízo mais severo. De Jorão rei de Judá (2Rs 8,18) é avaliado que fez o mal e imitou o comportamento dos reis de Israel, pelo simples fato de Ter se casado com Atalia da casa de Omri do reino de Israel! Acazias (2Rs 8,27) também fez o mal aos olhos do Senhor mas a exemplo de Acab rei de Israel! Acaz (2Rs 16,2) não fez o que é agradável aos olhos do Senhor como fez Davi (de Judá exemplo positivo), mas imitou a conduta dos reis de Israel (exemplo negativo)! Manassés (2Rs 21,2),o pior dos reis de Judá, fez o mal...fabricou o poste sagrado como fêz Acab rei de Israel! (Aqui se entende que Acab teve conduta pior que Jeroboão) Nestes textos vê-se o profundo ressentimento do deuteronomista contra o reino do norte. Os reis de Israel, são eles os pecadores, maus exemplos, enquanto o exemplo positivo, modelo a seguir é Davi do reino do Sul! Aí está patente a teologia davídica, cuja promessa jamais seria cancelada (2Sm 7; Sl 2; 89; 132). Mesmo com os pecados dos reis de Judá, a lâmpada, isto é a dinastia de Davi não poderia desaparecer (Cf. 1Rs 15,4; 11,36; 2Rs 8,19; 2Sm 21,17). Vejamos a avaliação dos reis de Israel. A partir do cisma, todos os reis do norte, são avaliados negativamente a exemplo de Jeroboão, com exceção de Selum que reinou um mês e não teve avaliação (2Rs 15,13) e Oséias, o último rei, do qual se diz ter feito o mal mas não como os reis de Israel seus predecessores (2Rs 17,1-2). Os outros, Nadab (1Rs 15,25-32), Baasa (1Rs 15,33-16,6), Zamri (1Rs 16,15-20), Omri (1Rs 16,21-28), Acab (1Rs 16,29-22,40), Acazias (1Rs 22,52-54; 2Rs 1,1-18), Jorão (2Rs 3,1-27), Jeú (2Rs 9-10), Joacaz (2Rs 13,1-9), Joás (2Rs 13,10-25), Jeroboão II (2Rs 14,23-29), Zacarias (2Rs 15,8-12), Manaém (2Rs 15,16-22), Facéias (2Rs 15,23-26), Facéia (2Rs 15,27-31), fizeram o mal aos olhos do Senhor seguindo Jeroboão. Zamri, reinou em Israel apenas sete dias e recebeu avaliação negativa Fez o mal aos olhos do Senhor como fez Jeroboão (1Rs 16,9). Omri e Acab foram campeões de fazer o mal. Omri fez o mal aos olhos do Senhor, superando nisso todos os seus antecessores (1Rs 16,25), certamente por causa da

7 7 política de Alianças com os povos vizinhos. Acab, filho de Omri, fez o mal aos olhos do Senhor mais que todos os seus antecessores (1Rs 16,30). Naturalmente se Acab foi pior que Jeroboão, seria Acab de ora em diante quem deveria ser citado como exemplo negativo e não mais Jeroboão. Jorão, fez o mal, não como seu pai e sua mãe, pois derrubou a estela de Baal que seu pai (Acab) tinha feito. Depois acrescenta o juízo: Mas continuou apegado aos pecados de Jeroboão (2Rs 3,1-3). O rei Jeú recebe recebe um leve elogio por Ter exterminado o culto oficial a Baal, com o apoio do profeta Eliseu. Se Jeroboão incentivou a idolatria como o autor relata, e Jeú conseguiu exterminar; como explicar o juízo sobre Jeú que não se afastou dos pecados que Jeroboão fizera Israel cometer (2Rs 10,28-31)? São indícios a mostrar que a condenação de Jeroboão aconteceu pelo fato de afastar Israel do templo de Jerusalém e não por causa da idolatria (PIXLEY, 1990, p.49). Se apenas a idolatria fosse o motivo, o julgamento seria rigoroso igualmente para os dois reinos, sem mitigações, pois tanto Judá como Israel caíram na idolatria. Atualização: leitura profética da história A história dos reis foi escrita, em vista de fazer uma releitura profética dos fatos, denunciando os reis que foram infiéis a aliança, e por isso, provocaram o cisma entre as tribos e o exílio. Também esta história foi escrita para ajudar o povo a aprender com a própria caminhada de avanços e fracassos, descobrindo por trás dos fatos o projeto do Senhor, que é a libertação de toda forma de opressão. A libertação deve acontecer como um sinal de adesão à Aliança com o Senhor que outrora libertou o povo da escravidão do Egito (Cf. Ex 20,1-2). A libertação na história, vai acontecendo, seja da opressão do poder político,como do poder religioso, quando este se torna ideologia para justificar práticas excludentes, uma realidade dentro da própria história do povo eleito. Será a fidelidade de um pequeno resto, o servo eleito chamado para o serviço da justiça (Cf. Is 42,1.6), que irá novamente reiniciar a história, e fazer o êxodo acontecer, como é narrado o exemplo de Noé que reinicia com sua família: Gn 6,9-12; 7,1; Abraão que sai de sua terra: Gn 12,1-2; Moisés que lidera um grupo (Ex.3 e 6). Na história da monarquia, os profetas apareceram como defensores da Aliança e da vida do povo contra a prepotência dos reis. Eram eles, representando um pequeno grupo fiel, a anunciar que o Senhor Javé, o Deus do povo, não existia para legitimar o poder do rei, mas o poder existia para servir à Aliança e ao Projeto de Deus (Cf. Dt 17,14-20; 1Sm 8,1-22), em meio a uma história turbulenta, de disputas, infidelidades,e abandono da Aliança (CRB, 1992, pp.18-19). A leitura crítica dos fatos da história dos reis descobre também tendências de textos a legitimar o poder do lado dos fortes. Daí a importância de mostrar o aspecto libertador dos textos escritos na ótica da Aliança. A interpretação de fatos a luz da história da Salvação conduz o leitor a tirar uma lição mesmo dos acontecimentos mais sombrios. Foi o que fez o Apóstolo ao comentar as

8 8 infidelidades e idolatrias do povo no livro do Êxodo: Esses fatos aconteceram para servir de exemplo, e foram escritos para nossa instrução (1Cor 10,11), para que não voltem a acontecer novamente. Conclusão 1-No relatório das apreciações negativas dos reinos do norte, nenhuma vez um rei do reino de judá é mencionado como exemplo negativo. Somente Davi é citado como exemplo positivo a ser seguido. Quando o rei é avaliado que fez o mal, se acrescenta que não seguiu o comportamento do rei Davi. Quanto aos reis do reino do Norte, sabe-se que o autor fala do reino de Omri, Acab, reis de Israel que fizeram mais mal que todos os reis anteriores, porém no conjunto da história deuteronomista são menos citados como exemplo negativo do que Jeroboão filho de Nadab. Ele carrega a culpa de ter feito o mal aos olhos do Senhor e ter conduzido Israel a pecar, sendo mencionado trinta e quatro vezes. 2-Na apreciação dos reinos do Sul que fizeram o mal o autor deuteronomista cita como exemplo negativo os reis do reino do Norte, tanto coletivamente como individualmente. 3- A tendência de acusar os reinos do norte como culpados é clara com a acusação de idolatria. Porém a acusação de que alguns santuários se afastaram do Deus único, significa também que eles romperam com o reino. 4- Na avaliação do reino de judá os exemplos negativos citados são menos acentuados, porém sempre é lembrado o exemplo positivo de Davi que fez o que é agradável aos olhos do Senhor. 5-Esses elementos levantados nesse estudo indicam no mínimo uma mágoa profunda do autor deuteronomista com Jeroboão nomeado como aquele que fez o mal aos olhos do Senhor e fez Israel pecar. Não somente Jeroboão mas os reis de Israel são mencionados negativamente. O cisma político fora interpretado como uma ruptura com a aliança com a casa de Davi. O autor deuteronomista na sua avaliação relata que Jeroboão havia separado Israel da casa de Davi e Israel tinha proclamado Jeroboão como rei. Jeroboão afastou Israel do Senhor e levou-o a cometer grande pecado. A gravidade do pecado está no cisma provocado, separando Israel de Judá Referenciais KONRAD SCHMID. História da Literatura do Antigo Testamento. São Paulo: Loyola, 2013 RÖMER, Thomas; MACCHI, Jean Daniel; NIHAN, Christopfer. Antigo Testamento. História, Escritura e Teologia. São Paulo: Loyola, 2010.

9 9 KNAUF, Ernest Axel. 1-2 Reis. In: RÖMER, Thomas; MACCHI, Jean-Daniel; NIHAN, Christophe (orgs.) Antigo Testamento história, escritura e teologia. S.Paulo; Loyola p ROSE, Martin. Deuteronômio. In: RÖMER, Thomas; MACCHI, Jean Daniel; NIHAN, Christopfer. Antigo Testamento. história, escritura e teologia. São Paulo: Loyola, p RÖMER, Thomas. A chamada história deuteronomista. Introdução sociológica, histórica e literária. Petrópolis: Vozes, BALLARINI, Teodorico. Introdução à Bíblia II/2, Josué, Juizes, Samuel e Reis, Ed. Vozes, Petrópolis PIXLEY, George. História de Israel a partir dos pobres. Petrópolis: Vozes, 1990 CRB, (Conferencia dos Religiosos do Brasil) A leitura Profética da História, coleção Tua Palavra é Vida, vol.3, Loyola, São Paulo: Loyola, 1992.

OS LIVROS SAMUEL E REIS

OS LIVROS SAMUEL E REIS OS LIVROS SAMUEL E REIS INTRODUÇÃO, TEOLOGIA E HISTÓRIA Jörg Garbers Ms. de Teologia INTRODUÇÃO Nome Reflete as pessoas centrais dos livros Os profetas anteriores (Js 2Rs, menos Rut e Crônicas) História

Leia mais

Todavia nos teus dias não o farei, por amor de Davi, teu pai; da mão de teu filho o rasgarei;

Todavia nos teus dias não o farei, por amor de Davi, teu pai; da mão de teu filho o rasgarei; Assim disse o SENHOR a Salomão: Pois que houve isto em ti, que não guardaste a minha aliança e os meus estatutos que te mandei, certamente rasgarei de ti este reino, e o darei a teu servo. Todavia nos

Leia mais

Introdução e visão geral da História de Israel. Jörg Garbers Ms. de Teologia

Introdução e visão geral da História de Israel. Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução e visão geral da História de Israel Jörg Garbers Ms. de Teologia Textos Data 1Rs 12 2Rs 17 2Cr 10 depois Cr não se preocupa mais com Israel ~ 931 a.c. As narrativas bíblicas situam aqui o cisma

Leia mais

HISTÓRICA POLÍTICA DOS HEBREUS 3 FASES PATRIARCAS, JUÍZES E REIS

HISTÓRICA POLÍTICA DOS HEBREUS 3 FASES PATRIARCAS, JUÍZES E REIS 2A aula 05 Os Hebreus HISTÓRICA POLÍTICA DOS HEBREUS 3 FASES PATRIARCAS, JUÍZES E REIS Os hebreus eram pastores nômades da Mesopotâmia. No séc. XIX a. C., guiados por Abraão, deslocaram-se para a Palestina,

Leia mais

HISTÓRIA DA SALVAÇÃO SEMINÁRIO ARQUIDIOCESANO SÃO JOSÉ INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS RELIGIOSAS RUBENS RANIERY FERNANDES GOMES [ORG.

HISTÓRIA DA SALVAÇÃO SEMINÁRIO ARQUIDIOCESANO SÃO JOSÉ INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS RELIGIOSAS RUBENS RANIERY FERNANDES GOMES [ORG. SEMINÁRIO ARQUIDIOCESANO SÃO JOSÉ INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS RELIGIOSAS HISTÓRIA DA SALVAÇÃO Esquemas didáticos da economia salvífica RUBENS RANIERY FERNANDES GOMES [ORG.] PANORAMA DA SALVAÇÃO 1 Início

Leia mais

Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT. Jörg Garbers Ms. de Teologia

Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT. Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução a literatura e a pesquisa da Tora e dos profetas anteriores III Jörg Garbers Ms. de Teologia Conteúdo

Leia mais

Sumário PRIMEIRA PARTE: HISTÓRIA, HISTORIOGRAFIA E A BÍBLIA

Sumário PRIMEIRA PARTE: HISTÓRIA, HISTORIOGRAFIA E A BÍBLIA Sumário Prefácio...11 Cronologia simplificada dos períodos arqueológicos em Canaã...13 Reduções (siglas e abreviaturas)...15 PRIMEIRA PARTE: HISTÓRIA, HISTORIOGRAFIA E A BÍBLIA Capítulo 1 A história bíblica

Leia mais

Cronologia do Antigo Testamento

Cronologia do Antigo Testamento Cronologia do Antigo Testamento P R È - H I S T Ó R I A 2200 A Criação Adão e Eva no jardim do Éden Caim e Abel Noé e o dilúvio A torre de Babel Abraão 2166-1991 Isaque 2066-1886 Jacó e Esaú 2006-1859

Leia mais

conheça sua Bíblia Estudos Panorâmicos no AT e NT TODA QUINTA-FEIRA - DAS 19H30 ÀS 21H - RUA JOSÉ ALVES GUEDES, JD. SONIA JAGUARIÚNA/SP

conheça sua Bíblia Estudos Panorâmicos no AT e NT TODA QUINTA-FEIRA - DAS 19H30 ÀS 21H - RUA JOSÉ ALVES GUEDES, JD. SONIA JAGUARIÚNA/SP TODA QUINTA-FEIRA - DAS 19H30 ÀS 21H - RUA JOSÉ ALVES GUEDES, 1332 - JD. SONIA JAGUARIÚNA/SP 1 e 2 Samuel! DATA: Indefinida Abrangência: Do nascimento de Samuel ao fim do reinado de Davi (1.100 A.C. a

Leia mais

Resenha Book Review Reseña

Resenha Book Review Reseña Resenha Book Review Reseña Um novo olhar sobre a história de Israel e Judá A new look at the History of Israel and Judah Una nueva mirada a la historia de Israel y Juda Cecilia Toseli * Resumo Resenha

Leia mais

Fatos: Acontecimentos: - A criação - O dilúvio - Formação do povo de Deus - Vida no deserto - Conquista da terra prometida - As dominações

Fatos: Acontecimentos: - A criação - O dilúvio - Formação do povo de Deus - Vida no deserto - Conquista da terra prometida - As dominações O Antigo Testamento é uma coleção de 39 livros onde encontramos a história de Israel, o povo que Deus escolheu para com ele fazer uma aliança. Portanto, o Antigo Testamento é a história de um povo: mostra

Leia mais

LINHA DO TEMPO DE EVENTOS BÍBLICOS IMPORTANTES. Esta breve linha do tempo representa os eventos-chave cobertos pela Bíblia:

LINHA DO TEMPO DE EVENTOS BÍBLICOS IMPORTANTES. Esta breve linha do tempo representa os eventos-chave cobertos pela Bíblia: Você se sentirá mais confiante sobre seus estudos bíblicos quando vir a linha do tempo dos eventos importantes narrados na Bíblia, tiver uma compreensão dos livros que a compõem e como eles são organizados,

Leia mais

Introdução e visão geral da História de Israel e dos textos do Antigo Testamento. Jörg Garbers Ms. de Teologia

Introdução e visão geral da História de Israel e dos textos do Antigo Testamento. Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução e visão geral da História de Israel e dos textos do Antigo Testamento Jörg Garbers Ms. de Teologia 28.09.2013 08:00-09:30 O cativeiro babilônico e sua produção literária 09:50-11:50 A primeira

Leia mais

Estudo 12-2Reis. Altos e baixos levam à queda. Texto bíblico - 2Reis 1 a 25 Texto áureo - 2Reis 17.2; 18.3

Estudo 12-2Reis. Altos e baixos levam à queda. Texto bíblico - 2Reis 1 a 25 Texto áureo - 2Reis 17.2; 18.3 Estudo 12-2Reis Altos e baixos levam à queda Texto bíblico - 2Reis 1 a 25 Texto áureo - 2Reis 17.2; 18.3 Introdução "E fez [Oséias] o que era mau aos olhos do Senhor, contudo não como os reis de Israel

Leia mais

Exercício B Expressionismos semitas

Exercício B Expressionismos semitas Exercício B Expressionismos semitas Os autores bíblicos escreveram segundo seus costumes e linguagem. A distância entre os escritos originais e os nossos tempos dificulta a compreensão do sentido literal

Leia mais

I. Elias: tristeza e desânimo da depressão ficam para trás quando se faz o que se tem que fazer

I. Elias: tristeza e desânimo da depressão ficam para trás quando se faz o que se tem que fazer Lições da história para deixar atrás de si uma caverna vazia I Reis 19 e II Reis 1-13 I. Elias: tristeza e desânimo da depressão ficam para trás quando se faz o que se tem que fazer II. Eliseu: A vida

Leia mais

03/07/2011. História Deuteronomista. Estudos bíblicos mostram traços comuns entre vários livros: Deuteronômio Juízes 1 e 2 Samuel 1 e 2 Reis

03/07/2011. História Deuteronomista. Estudos bíblicos mostram traços comuns entre vários livros: Deuteronômio Juízes 1 e 2 Samuel 1 e 2 Reis Arquidiocese de Curitiba Curso de Teologia Introdução ao Antigo Testamento Prof. João Luis Fedel Gonçalves 1 3 2 5 6 4 1. Fase das tradições quase só orais (1850-1030). Pode ter durado quase oito séculos.

Leia mais

REGULAMENTO OFICIAL. Alfabeto Bíblico

REGULAMENTO OFICIAL. Alfabeto Bíblico REGULAMENTO OFICIAL Alfabeto Bíblico Tem como objetivo levar o competidor a encontrar na Bíblia versículos que comecem com cada letra do alfabeto da língua portuguesa e contenham em seu texto, uma palavra-chave,

Leia mais

A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI)

A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI) A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI) Teologia Bíblica da Missão de Deus Paulo Adolfo A Revelação e a Missão de Deus (Missio Dei) Objetivos da matéria: 1. Apresentar as bases bíblicas para o projeto

Leia mais

Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT. Jörg Garbers Ms. de Teologia

Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT. Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT Jörg Garbers Ms. de Teologia A monarquia Jörg Garbers Ms. de Teologia Textos 1Rs 12 2Cr 10 Data ~ 931 a.c. Acontecimentos históricos Surgimento

Leia mais

Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT. Jörg Garbers Ms. de Teologia

Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT. Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução a literatura e a pesquisa dos profetas posteriores II Jörg Garbers Ms. de Teologia 1 33 O livro

Leia mais

O PAPEL PROFÉTICO DA IGREJA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

O PAPEL PROFÉTICO DA IGREJA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO O PAPEL PROFÉTICO DA IGREJA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO A PARTIR DO PROFETA AMÓS 1 0 / 1 0 / 2 0 1 6 I G R E J A B AT I S TA B E T E L O PAPEL PROFÉTICO DA IGREJA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO A PARTIR DO PROFETA

Leia mais

Lição n.º 6 - A UNIDADE DA BÍBLIA

Lição n.º 6 - A UNIDADE DA BÍBLIA Lição n.º 6 - A UNIDADE DA BÍBLIA Lição n.º 6 (Início) Objeto de estudo: Reconhecer o fato de que a unidade da Bíblia é uma das provas de sua autenticidade! 1 Versículo-chave: Cl 1.26-27 O ministério que

Leia mais

SÍNTESE DO VELHO TESTAMENTO II CRÔNICAS

SÍNTESE DO VELHO TESTAMENTO II CRÔNICAS 0 SÍNTESE DO VELHO TESTAMENTO II CRÔNICAS Professora Sara Victalino Gueiros Dodd Instituto Bíblico da Igreja Cristã Maranata 2016 Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

O livro continua a avaliação do sentido e da função da autoridade.

O livro continua a avaliação do sentido e da função da autoridade. O 2º Livro de Samuel continua a narração do primeiro. O núcleo do livro é a figura de DAVI, cuja história começa no 1º livro de Samuel capítulo 16. O 2º livro traz também, as lutas dos pretendentes para

Leia mais

Descrição Aliança Referência. Instruções de conservação e leitura pública Garantias/Leitura Dt. 27:2-3

Descrição Aliança Referência. Instruções de conservação e leitura pública Garantias/Leitura Dt. 27:2-3 Introdução ao Livro de Deuteronômio - A nova geração Ao contrário do que o nome, vindo do grego, sugere, Deuteronômio não se trata de uma segunda lei, mas é uma recapitulação, para a nova geração pós-êxodo,

Leia mais

Libertação e caminho para o Sinai Aliança no Sinai Ordens para a construção Queda e renovação da aliança Construção da Tenda e da "Arca"

Libertação e caminho para o Sinai Aliança no Sinai Ordens para a construção Queda e renovação da aliança Construção da Tenda e da Arca 1-18 19-24 25-31 32-34 35-40 Libertação e caminho para o Sinai Aliança no Sinai Ordens para a construção Queda e renovação da aliança Construção da Tenda e da "Arca" 1-7 8-10 11-15 16 17-26 27 Ordens para

Leia mais

Mensagem #2 - As Origens. Da criação ao Judaísmo Quinta-feira, 17 de Março de 2016

Mensagem #2 - As Origens. Da criação ao Judaísmo Quinta-feira, 17 de Março de 2016 Conheça sua Bíblia - Uma visão panorâmica das Escrituras Mensagem #2 - As Origens. Da criação ao Judaísmo Quinta-feira, 17 de Março de 2016 Colocamos em sua folha um gráfico que ajuda a compreender a evolução

Leia mais

#4 A era dos profetas.

#4 A era dos profetas. 1 #4 A era dos profetas. Introdução: Visão geral do ministério dos profetas na Bíblia 1. As principais figuras de autoridade na sociedade judaica no Antigo Testamento eram: REIS SACERDOTES PROFETAS 2.

Leia mais

Introdução e visão geral da História de Israel e dos textos do Antigo Testamento. Jörg Garbers Ms. de Teologia

Introdução e visão geral da História de Israel e dos textos do Antigo Testamento. Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução e visão geral da História de Israel e dos textos do Antigo Testamento Jörg Garbers Ms. de Teologia 29.06.2013 08:00-09:30 Saudação / Apresentação / Bibliografia / Recapitulação das narrativas

Leia mais

O livro continua a avaliação do sentido e da função da autoridade.

O livro continua a avaliação do sentido e da função da autoridade. O 2º Livro de Samuel continua a narração do primeiro. O núcleo do livro é a figura de DAVI, cuja história começa no 1º livro de Samuel capítulo 16. O livro traz também as lutas dos pretendentes para suceder

Leia mais

a reforma JOSIAS LIÇÃO IV TRIMESTRE 2015 Preparado por: Pr. Wellington Almeida

a reforma JOSIAS LIÇÃO IV TRIMESTRE 2015 Preparado por: Pr. Wellington Almeida a reforma de JOSIAS 0 IV TRIMESTRE 2015 Preparado por: Pr. Wellington Almeida A REFORMA DE JOSIAS INTRODUÇÃO Assim, grande parte da Bíblia constitui a história de Deus advertindo Seu povo a não fazer escolhas

Leia mais

Nesta época do ano é muito comum as pessoas fazerem uma retrospectiva de suas próprias vidas. A Televisão, as revistas, os jornais e

Nesta época do ano é muito comum as pessoas fazerem uma retrospectiva de suas próprias vidas. A Televisão, as revistas, os jornais e Balanço Geral Miquéias 6.6-8 Pr. Fernando Fernandes PIB em Penápolis 28/12/2008 Nesta época do ano é muito comum as pessoas fazerem uma retrospectiva de suas próprias vidas. A Televisão, as revistas, os

Leia mais

HISTÓRIA GERAL AULA 3

HISTÓRIA GERAL AULA 3 HISTÓRIA GERAL AULA 3 Nesta aula... Hebreus; Fenícios; Persas. Os Hebreus Povo de origem semita; Considerados antepassados dos judeus; Principais informações encontradas no Antigo Testamento; Fundadores

Leia mais

Escolas de profetas no Antigo Testamento Material de apoio a aula 12. Fonte: 12.

Escolas de profetas no Antigo Testamento Material de apoio a aula 12. Fonte:  12. Escolas de profetas no Antigo Testamento Material de apoio a aula 12 Fonte: http://www.estudantesdabiblia.com.br/licoes_cpad/2013/2013-01- 12.htm Escola de Profetas: Instituição de ensino do Antigo Testamento

Leia mais

Livros Proféticos. Literatura com objetivos específicos

Livros Proféticos. Literatura com objetivos específicos Livros Proféticos Literatura com objetivos específicos Ênfase exortativa Conselhos e admoestações em épocas de crise nacional Advertência contra o perigo Apontam para o futuro Falam de julgamento Tempos

Leia mais

Jeremias significa Deus estabelece

Jeremias significa Deus estabelece Jeremias significa Deus estabelece Jeremias era da tribo de Benjamim. Veio de uma pequena cidade do interior. Embora de família sacerdotal, estava mais ligado às tradições do Norte e não às tradições do

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL IEGI Lição 47 LIVROS HISTÓRICOS JOSUÉ 11 AO 15 Domingo 21 de novembro de 2010

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL IEGI Lição 47 LIVROS HISTÓRICOS JOSUÉ 11 AO 15 Domingo 21 de novembro de 2010 ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL IEGI Lição 47 LIVROS HISTÓRICOS JOSUÉ 11 AO 15 Domingo 21 de novembro de 2010 Salmos 119:97 Oh! Quanto amo a tua lei, é a minha meditação em todo o dia. Estes capítulos descrevem

Leia mais

História MARCOS ROBERTO

História MARCOS ROBERTO História MARCOS ROBERTO Persas, fenícios e hebreus Objetivos - Identificar aspectos políticos, sociais e culturais dos povos: - persas - fenícios - hebreus 1. O império persa - Localização: planalto do

Leia mais

ÍNDICE GERAL. i PARTE

ÍNDICE GERAL. i PARTE ÍNDICE GERAL i DEUS NO ANTIGO TESTAMENTO 15 Procedimento metódico 15 I. A História 20 1. O género histórico no Antigo Testamento 20 2. História da salvação 22 II. A Palavra de Deus no Antigo Testamento

Leia mais

ESCOLA DE CURSO DE ESTUDO Garret-Evangelical Theological Seminary 2121 Sheridan Roas, Evanston, IL SEGUNDO ANO JULHO 2018

ESCOLA DE CURSO DE ESTUDO Garret-Evangelical Theological Seminary 2121 Sheridan Roas, Evanston, IL SEGUNDO ANO JULHO 2018 ESCOLA DE CURSO DE ESTUDO Garret-Evangelical Theological Seminary 2121 Sheridan Roas, Evanston, IL 60201 847-866-3492 SEGUNDO ANO JULHO 2018 ECE 221 BÍBLIA II: A TORAH E A HISTÓRIA DE ISRAEL 1 DOCENTE:

Leia mais

Sintomas da infidelidade na Igreja 1 Coríntios

Sintomas da infidelidade na Igreja 1 Coríntios Sintomas da infidelidade na Igreja 1 Coríntios 10.1-13 Pr. Fernando Fernandes PIB em Penápolis, 01/07/2012 O contexto de 1 Coríntios 10.1-13 é o mesmo de Deuteronômio 7.1-11, no qual a Bíblia nos apresenta

Leia mais

PROFETISMO. Introdução

PROFETISMO. Introdução 1 Arquidiocese de São Paulo Região Episcopal Lapa Curso de Teologia para Agentes de Pastoral - CTAP Unidade Paróquia: Santa Maria Goretti Modulo: Profetismo SEMESTRE - 1º data: 09/02 a 23/03 de 2011 Professora:

Leia mais

Introdução ao Livro de Isaías - Entra governo, sai governo e Deus permanece soberano

Introdução ao Livro de Isaías - Entra governo, sai governo e Deus permanece soberano Introdução ao Livro de Isaías - soberano Entra governo, sai governo e Deus permanece O livro recebe o nome de seu autor, que é a transliteração do hebraico Yesha`-Yahu, que significa Javé salva. Seu valor

Leia mais

Ricardo Fiegenbaum (Org.) São Leopoldo/RS

Ricardo Fiegenbaum (Org.) São Leopoldo/RS Ricardo Fiegenbaum (Org.) São Leopoldo/RS 2010 Centro de Estudos Bíblicos 2010 Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970 São Leopoldo/RS Fones: (51) 3568-2560 Fax: (51) 3568-1113

Leia mais

Tornando a Bíblia relevante para o nosso século A

Tornando a Bíblia relevante para o nosso século A Tornando a Bíblia relevante para o nosso século A Para interpretar a mensagem do AT e fazer a devida aplicação da perícope, antes de tudo precisamos conhecer o gênero literário e a estrutura narrativa

Leia mais

LIÇÃO 1 A LEI E A ALIANÇA Êxodo 19

LIÇÃO 1 A LEI E A ALIANÇA Êxodo 19 LIÇÃO 1 A LEI E A ALIANÇA Êxodo 19 1. Antes de entregar a lei, Deus já havia feito uma aliança com o povo. Em Êxodo 19.1-4, Deus lembra o povo do seu pacto, confirmado demonstrado em um fato. Qual é o

Leia mais

Revelar Descortinar Desvendar. Revelação - Criação - Bíblia - Jesus Cristo. Indicativa Imperativa Normativa

Revelar Descortinar Desvendar. Revelação - Criação - Bíblia - Jesus Cristo. Indicativa Imperativa Normativa Revelar Descortinar Desvendar Revelação - Criação - Bíblia - Jesus Cristo Indicativa Imperativa Normativa Deus informa a respeito de si mesmo - Quem Ele é - O que Ele fez - O que Ele está fazendo - O que

Leia mais

Livros Históricos. Recapitulação

Livros Históricos. Recapitulação Livros Históricos Recapitulação Em nosso Cânon, os livros históricos são doze: Josué, Juízes, Rute, 1 e 2 Samuel, 1 e 2 Reis, 1 e 2 Crônicas, Esdras, Neemias e Ester. Autoria: São anônimos Compiladores:

Leia mais

Monoteísmo Noaico. por Sha ul Bensiyon

Monoteísmo Noaico. por Sha ul Bensiyon Monoteísmo Noaico por Sha ul Bensiyon Aula 19 As Escrituras As Escrituras A visão judaica/noaica acerca das Escrituras é muito diferente da visão cristã: Cristianismo: Livros cuja autoria é praticamente

Leia mais

SÍNTESE DO VELHO TESTAMENTO II REIS

SÍNTESE DO VELHO TESTAMENTO II REIS 0 SÍNTESE DO VELHO TESTAMENTO II REIS Professora Sara Victalino Gueiros Dodd Instituto Bíblico da Igreja Cristã Maranata 2016 Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

O grande rei Nabucodonosor II ( a.c.), se ufanava de sua invejável Babilônia, com seus jardins suspensos. Era uma nação rica e poderosa com

O grande rei Nabucodonosor II ( a.c.), se ufanava de sua invejável Babilônia, com seus jardins suspensos. Era uma nação rica e poderosa com A História dos livros de Esdras e Neemias se dá dentro do Reinado Persa do rei Ciro. O povo judeu tinha acabado de sair do exílio da Babilônia por ordem de Ciro, onde ficara 60 anos. Chegando a Judá, encontraram

Leia mais

Com relação à sua composição temos que distinguir dois aspectos: a autoria de um Salmo específico a composição do livro todo

Com relação à sua composição temos que distinguir dois aspectos: a autoria de um Salmo específico a composição do livro todo Introdução ao dos Salmos - Canta Israel Salmos é um dos livros mais apreciados pelos cristãos. Quem nunca encontrou conforto e consolo em tempos de necessidade em suas páginas? Porém, sua autoria, teologia,

Leia mais

LIÇÃO 3 A SALVAÇÃO E O ADVENTO DO SALVADOR. Prof. Lucas Neto

LIÇÃO 3 A SALVAÇÃO E O ADVENTO DO SALVADOR. Prof. Lucas Neto LIÇÃO 3 A SALVAÇÃO E O ADVENTO DO SALVADOR Prof. Lucas Neto A GLÓRIA É DE DEUS INTRODUÇÃO O NASCIMENTO DO SALVADOR Deus antes da fundação do mundo já providenciara o plano de salvação da humanidade e esta

Leia mais

Jörg Garbers Ms. de Teologia

Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução e visão geral da História de Israel O ESTADO DE JUDÁ Jörg Garbers Ms. de Teologia Textos 1Rs 12 2Cr 10 Data ~ 931 a.c. As narrativas bíblicas situam aqui o cisma entre as 12 tribos (10 Israel

Leia mais

OS PROFETAS MENORES RESUMO

OS PROFETAS MENORES RESUMO OS PROFETAS MENORES RESUMO Os doze livros que compõem os Profetas Menores variam em data entre os séculos VIII e V a.c LIÇÃO 2, OSÉIAS A FIDELIDADE NO RELACIONAMENTO COM DEUS O ESBOÇO DO LIVRO DE OSEIAS

Leia mais

1. DUAS SEMANAS SOBRE A VIDA E OS ENSINOS DE JESUS

1. DUAS SEMANAS SOBRE A VIDA E OS ENSINOS DE JESUS PLANO DE LEITURA DA BÍBLIA PRIMEIRA SEQUÊNCIA: INTRODUÇÃO À BÍBLIA TEMPO NECESSÁRIO: Duas semanas OBJETIVO: Obter um conhecimento geral dos fundamentos bíblicos A Primeira Sequência é para quem está começando

Leia mais

Vamos ver nesses próximos encontros, um pouco dos Livros Históricos, passando um por um. Vamos dar um mergulho em personagens interessantes, em fatos

Vamos ver nesses próximos encontros, um pouco dos Livros Históricos, passando um por um. Vamos dar um mergulho em personagens interessantes, em fatos Vamos ver nesses próximos encontros, um pouco dos Livros Históricos, passando um por um. Vamos dar um mergulho em personagens interessantes, em fatos espetaculares. Porém, o mais forte é a Mensagem Divina

Leia mais

Propedêutica Bíblica. 26 de Novembro de 2013 Texto Bíblico

Propedêutica Bíblica. 26 de Novembro de 2013 Texto Bíblico Propedêutica Bíblica 26 de Novembro de 2013 Texto Bíblico ORAÇÃO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DO POVO BÍBLICO I HISTÓRIA E GEOGRAFIA DO POVO BÍBLICO I Ler o texto no contexto GEOGRÁFICO: «Entre os que subiram

Leia mais

Lição 5 O pecado: preço para a derrota Texto Bíblico: Josué

Lição 5 O pecado: preço para a derrota Texto Bíblico: Josué Lição 5 O pecado: preço para a derrota Texto Bíblico: Josué 7.1-26 Deus tinha abençoado de maneira poderosa ao povo de Israel na conquista de Jericó. Mas a caminhada ainda não havia sido concluída e o

Leia mais

Características gerais

Características gerais 06. HEBREUS Características gerais Povo seminômade originário da cidade Ur, Mesopotâmia Crença em um único deus Peregrinação à uma terra prometida estabelecidos na antiga terra de Canaã, região da Palestina

Leia mais

Judaísmo A mais antiga religião monoteísta. Ana Paula N. Guimarães

Judaísmo A mais antiga religião monoteísta. Ana Paula N. Guimarães Judaísmo A mais antiga religião monoteísta Ana Paula N. Guimarães O que é o judaísmo? A mais antiga religião das três principais e maiores religiões monoteístas Judaísmo Cristianismo (maior em quantidade

Leia mais

Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c.

Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c. Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c. Depois de Davi, veio Salomão. O Reino de Davi e Salomão

Leia mais

O Livro dos Juízes e a História Deuteronomista

O Livro dos Juízes e a História Deuteronomista Élcio Valmiro Sales de Mendonça * O Livro dos Juízes e a História Deuteronomista The Book of Judges and the Deuteronomist History Resumo O livro dos Juízes, como o conhecemos hoje, é obra do redator deuteronomista,

Leia mais

Grupos no judaísmo na. época de Jesus

Grupos no judaísmo na. época de Jesus Grupos no judaísmo na época de Jesus Nome Origem Conceitos Jörg Garbers Ms. de Teologia Os Fariseus Nome: os que se separam, os separados. Origem: Eles têm a sua origem teológico junto com os Essênios

Leia mais

PARÓQUIA SANTA RITA DE CÁSSIA DIOCESE DE JUNDIAÍ

PARÓQUIA SANTA RITA DE CÁSSIA DIOCESE DE JUNDIAÍ PARÓQUIA SANTA RITA DE CÁSSIA DIOCESE DE JUNDIAÍ Material Estudo Bíblico Parte I Apresentação Pe Antônio 24/08 A BÍBLIA SAGRADA Palavra de Deus. Deus fala ao seu povo Deus se revela, se manifesta, intervém

Leia mais

OS LIVROS PROFÉTICOS JOEL, OBADIAS E MIQUÉIAS

OS LIVROS PROFÉTICOS JOEL, OBADIAS E MIQUÉIAS Lição 17 OS LIVROS PROFÉTICOS JOEL, OBADIAS E MIQUÉIAS Introdução Joel, Obadias e Miquéias, foram entre os profetas menores, assim como Oséias, Amós e Jonas, aqueles que exerceram os seus ministérios antes

Leia mais

LIÇÃO 01 BUSCAR UNICAMENTE A DEUS O fim da dinastia de Saul

LIÇÃO 01 BUSCAR UNICAMENTE A DEUS O fim da dinastia de Saul LIÇÃO 01 BUSCAR UNICAMENTE A DEUS O fim da dinastia de Saul 1. Quais semelhanças espirituais há entre Judá, no 5º e 4º séculos a.c. e a igreja de hoje? 2. O que cada geração deve fazer, de acordo com 1

Leia mais

...sendo uma vez filho, sempre será um filho...mas onde repousa a tua segurança? Hebreus 6:13-20

...sendo uma vez filho, sempre será um filho...mas onde repousa a tua segurança? Hebreus 6:13-20 ...sendo uma vez filho, sempre será um filho......mas onde repousa a tua segurança? Hebreus 6:13-20 1. Ela deve repousar na confiável Palavra de Deus a. Sua promessas não são bloqueadas pelos limites humanos.

Leia mais

Panorama do AT-Josué

Panorama do AT-Josué Panorama do AT-Josué Título hebraico: Joshua, Yeoshua:Javé é salvação Autor: Josué e outros:conquista de Hebrom por Calebe, vitória de Otniel, migração para Dã. Provavelmente compilado depois por algum

Leia mais

1.2. A Crítica do Pentateuco

1.2. A Crítica do Pentateuco 1. INTRODUÇÃO GERAL Levítico wayyiqra e ele chamou (ar;q]yiwæ) Números bemidbbar no deserto 2 (rbæd]mib]) Deuteronômio elleh haddbarîm Estas são as palavras (µyrib;d]hæ hl,ae) 1.1. Autoria Ainda que estes

Leia mais

DEUTERONÔMIO, PORTAL DA HISTÓRIA DEUTERONOMISTA

DEUTERONÔMIO, PORTAL DA HISTÓRIA DEUTERONOMISTA Os conteúdos deste periódico de acesso aberto estão licenciados sob os termos da Licença Creative Commons Atribuição-UsoNãoComercial-ObrasDerivadasProibidas 3.0 Unported. DEUTERONÔMIO, PORTAL DA HISTÓRIA

Leia mais

O Cânon do Antigo Testamento R. T. Beckwith

O Cânon do Antigo Testamento R. T. Beckwith O Cânon do Antigo Testamento R. T. Beckwith O Termo "Cânon" O termo "cânon" é proveniente do grego, no qual kanon significa regra, lista um padrão de medida. Com relação à Bíblia, diz respeito aos livros

Leia mais

INTRODUÇÃO - A salvação do homem por Cristo Jesus era um mistério que só foi plenamente revelado com a encarnação do Verbo.

INTRODUÇÃO - A salvação do homem por Cristo Jesus era um mistério que só foi plenamente revelado com a encarnação do Verbo. INTRODUÇÃO - A salvação do homem por Cristo Jesus era um mistério que só foi plenamente revelado com a encarnação do Verbo. - O primeiro a pregar o evangelho ao homem foi o próprio Deus no Éden. I O PROTOEVANGELHO

Leia mais

PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO - CABO FRIO CURSO DE TEOLOGIA

PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO - CABO FRIO CURSO DE TEOLOGIA PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO - CABO FRIO CURSO DE TEOLOGIA - 2015 DUAS QUESTÕES CONTROVERTIDAS, ANALISADAS À LUZ DA BÍBLIA: VENERAÇÃO DE IMAGENS E INTERCESSÃO DOS SANTOS A. VENERAÇÃO DE IMAGENS

Leia mais

ICE Introdução ao Antigo Testamento GÊNEROS LITERÁRIOS

ICE Introdução ao Antigo Testamento GÊNEROS LITERÁRIOS 1. Forma e conteúdo Todo texto tem forma e conteúdo. O conteúdo é a informação transmitida. A forma é a maneira como a informação é transmitida. Juntos, compõem o sentido do texto. 2. Formas fixas No dia-a-dia

Leia mais

Doutor Canônico em Teologia pela Universidade Pontifícia Bolivariana (UPB), Medellín Colômbia. Professor do Instituto Lumen Sapientiae, Brasil.

Doutor Canônico em Teologia pela Universidade Pontifícia Bolivariana (UPB), Medellín Colômbia. Professor do Instituto Lumen Sapientiae, Brasil. Obra: A Bíblia, a arqueologia e a história de Israel e Judá. São Paulo: Paulus, 2015. 112 p. ISBN: 978-85-349-4154-9.Autor da Obra KAEFER, José Ademar. Autor da resenha: Thiago de Oliveira Geraldo 1 T.

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Devocional. Céus Abertos Pastor Carlito Paes

Devocional. Céus Abertos Pastor Carlito Paes BÍBLIA Devocional Céus Abertos Pastor Carlito Paes 2 ROTEIRO BÍBLIA: ENTENDENDO A PALAVRA DE DEUS O que devo conhecer sobre a bíblia? Diversidade dos Autores Condições de alguns autores quando foram inspirados

Leia mais

Hebreus, Fenícios e Persas

Hebreus, Fenícios e Persas Hebreus, Fenícios e Persas Os hebreus são antepassados do povo Judeu; Os estudos sobre sua história se baseiam em textos da primeira parte da Bíblia, chamado por eles de Torá; A Torá Composta por 5 livros

Leia mais

Lição 04 Tal Pai, Tal Filho : Nem Sempre Texto Básico: Isaías 7.1-9;

Lição 04 Tal Pai, Tal Filho : Nem Sempre Texto Básico: Isaías 7.1-9; Lição 04 Tal Pai, Tal Filho : Nem Sempre Texto Básico: Isaías 7.1-9; 17-25. Após a divisão do reino em dois outros (1Rs 12.16-24), há o registro na história do povo de Deus tanto no Norte (Israel) quanto

Leia mais

Padre Nuno Tavares APRESENTAÇÃO

Padre Nuno Tavares APRESENTAÇÃO Antigo Testamento ORAÇÃO Dt 26, 5-11: 5* Proclamarás, então, em voz alta, diante do SENHOR, teu Deus: 'Meu pai era um arameu errante: desceu ao Egipto com um pequeno número e ali viveu como estrangeiro,

Leia mais

Finalmente, concluiu-se que era possível oferecer uma nova forma de análise intertextual que parta de uma acurada exegese dos textos, seguindo-se

Finalmente, concluiu-se que era possível oferecer uma nova forma de análise intertextual que parta de uma acurada exegese dos textos, seguindo-se 6 Conclusão Esta tese, que tem por objetivo a verificação, apresentação e demonstração da relação de intertextual entre as passagens de Êxodo 32,1-6 e 1 Reis 12,26-33, na parte 2, A intertextualidade na

Leia mais

O cativeiro do Reino do Norte

O cativeiro do Reino do Norte O cativeiro do Reino do Norte TEXTOS-BASE Dev 28; 2Mel 17 Talmid(á).................................. Os reis de Israel Até aqui já estudamos os reis do Reino do Norte, até Aḥ av. Depois que Aḥ av morreu,

Leia mais

A Aliança do povo hebreu com o Senhor

A Aliança do povo hebreu com o Senhor A Aliança do povo hebreu com o Senhor Não é fácil orientar-se numa floresta quando não se têm caminhos, nem trilhas. A Bíblia é como uma floresta e, se não conhecermos o caminho, facilmente poderemos nos

Leia mais

POR QUE ESTUDAR JUÍZES? Um início vacilante Otoniel, Eúde, Débora: espere o inesperado Gideão: os perigos do sucesso 26

POR QUE ESTUDAR JUÍZES? Um início vacilante Otoniel, Eúde, Débora: espere o inesperado Gideão: os perigos do sucesso 26 SUMÁRIO Introdução 7 POR QUE ESTUDAR JUÍZES? 9 1. Um início vacilante 13 Juízes 1.1 3.6 2. Otoniel, Eúde, Débora: espere o inesperado 19 Juízes 3.7 5.31 3. Gideão: os perigos do sucesso 26 Juízes 6.1 8.31

Leia mais

Curso de PANORAMA DO ANTIGO TESTAMENTO I I Semestre de 2017 DE GÊNESIS A ESTER. Professor: José Martins Júnior. (11) (Whatsapp Telegram)

Curso de PANORAMA DO ANTIGO TESTAMENTO I I Semestre de 2017 DE GÊNESIS A ESTER. Professor: José Martins Júnior. (11) (Whatsapp Telegram) Curso de PANORAMA DO ANTIGO TESTAMENTO I I Semestre de 2017 DE GÊNESIS A ESTER Professor: José Martins Júnior (11) 9.8383-5316 (Whatsapp Telegram) Email: pastorjunioropbb2815@gmail.com Blog: www.reflexoes-e-flexoes.blogspot.com.br

Leia mais

O CHAMADO PROFÉTICO DE JEREMIAS LIÇÃO IV TRIMESTRE Preparado por: Pr. Wellington Almeida

O CHAMADO PROFÉTICO DE JEREMIAS LIÇÃO IV TRIMESTRE Preparado por: Pr. Wellington Almeida O CHAMADO PROFÉTICO DE JEREMIAS 0 IV TRIMESTRE 205 Preparado por: Pr. Wellington Almeida O CHAMADO PROFÉTICO DE JEREMIAS Autor do livro: Jeremias Natural de Anatote Filho de Hilquias, o sacerdote Contemporâneos:

Leia mais

Classe Adultos. Obedecendo ao Ide do Senhor Jesus de levar as Boas-Novas a toda criatura

Classe Adultos. Obedecendo ao Ide do Senhor Jesus de levar as Boas-Novas a toda criatura Classe Adultos Obedecendo ao Ide do Senhor Jesus de levar as Boas-Novas a toda criatura OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Saber que Deus exige de cada crente uma atitude evangelística responsável e amorosa.

Leia mais

A esperança segundo a Bíblia. Devocional. Russell Shedd

A esperança segundo a Bíblia. Devocional. Russell Shedd Devocional A esperança segundo a Bíblia A Bíblia inspira esperança. De Gênesis a Apocalipse, há uma corrente animadora de antecipação. A catástrofe no Jardim do Éden provocou a ira de Deus contra os culpados

Leia mais

PLANO DE ENSINO Curso: Teologia

PLANO DE ENSINO Curso: Teologia PLANO DE ENSINO Curso: Teologia Disciplina: Pentateuco Área: Bíblia Período: 2º Ano: 2017 Semestre: 2º Horas: 72 Créditos: 4 Professor: Frei Jacir de Freitas Faria 1. Ementa Situar o Pentateuco no quadro

Leia mais

Lição 6 Voltando à Lei de Deus Texto Bíblico: Josué

Lição 6 Voltando à Lei de Deus Texto Bíblico: Josué Lição 6 Voltando à Lei de Deus Texto Bíblico: Josué 8.30-35 Josué agora estava mais aliviado na sua liderança do povo de Israel. Ele seguiu rigorosamente as orientações divinas para que o pecado que motivou

Leia mais

Quando a Bíblia é vista assim, ela parece um livro caído do céu. E aí, acaba negando a relação que a Bíblia tem com a história de um povo.

Quando a Bíblia é vista assim, ela parece um livro caído do céu. E aí, acaba negando a relação que a Bíblia tem com a história de um povo. A Bíblia A Bíblia chegou e chega até nós, sendo Palavra de Deus e Fruto da revelação direta de Deus. Quando a Bíblia é vista assim, ela parece um livro caído do céu. E aí, acaba negando a relação que a

Leia mais

OA salvação do homem por Cristo Jesus era um mistério que só foi plenamente revelado com a encarnação do Verbo.

OA salvação do homem por Cristo Jesus era um mistério que só foi plenamente revelado com a encarnação do Verbo. OA salvação do homem por Cristo Jesus era um mistério que só foi plenamente revelado com a encarnação do Verbo. OO primeiro a pregar o evangelho ao homem foi o próprio Deus no Éden. www.portalebd.org.br

Leia mais

MINISTÉRIOS DA GRAÇA NO BRASIL DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO VELHO TESTAMENTO

MINISTÉRIOS DA GRAÇA NO BRASIL DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO VELHO TESTAMENTO MINISTÉRIOS DA GRAÇA NO BRASIL DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO SETE - SISTEMA DE ENSINO TEOLÓGICO POR EXTENSÃO DISCIPLINA: SÍNTESE DO VELHO TESTAMENTO I INSTRUTOR: PR. URIAN RIOS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO VELHO

Leia mais

SOLA SCRIPTURA A Reforma, a Bíblia e a Familia Cristã. AULA 5: A FAMILIA DA ALIANÇA Pb. José Cordeiro

SOLA SCRIPTURA A Reforma, a Bíblia e a Familia Cristã. AULA 5: A FAMILIA DA ALIANÇA Pb. José Cordeiro SOLA SCRIPTURA A Reforma, a Bíblia e a Familia Cristã. AULA 5: A FAMILIA DA ALIANÇA Pb. José Cordeiro Qual o significado bíblico de Familia da ALIANÇA? O casamento é um sacramento, um contrato ou uma

Leia mais

MIQUÉIAS LIDANDO COM A INJUSTIÇA E A OPRESSÃO.

MIQUÉIAS LIDANDO COM A INJUSTIÇA E A OPRESSÃO. MIQUÉIAS LIDANDO COM A INJUSTIÇA E A OPRESSÃO. Julho / 2014. CRONOGRAMA DO CURSO Dia 06/07 Introdução. Dia 13/07 -Acusação, julgamento e esperança para o povo 1:2 2:11 1:2; Ouçam, todos os povos;... Dia

Leia mais

CAP. 1 PEQUENOS GRUPOS NO ANTIGO TESTAMENTO

CAP. 1 PEQUENOS GRUPOS NO ANTIGO TESTAMENTO CAP. 1 PEQUENOS GRUPOS NO ANTIGO TESTAMENTO PEQUENOS GRUPOS NO ANTIGO TESTAMENTO Deus estabeleceu um paradigma relacional para a ordem criada. Conforme a perspectiva do Antigo Testamento, advertimos que

Leia mais

Título: AS ESCRITURAS Autor: C. H. MACKINTOSH. Literaturas em formato digital:

Título: AS ESCRITURAS Autor: C. H. MACKINTOSH. Literaturas em formato digital: Título: AS ESCRITURAS Autor: C. H. MACKINTOSH Literaturas em formato digital: www.acervodigitalcristao.com.br Literaturas em formato Impresso: www.verdadesvivas.com.br Evangelho em 03 Minutos: www.3minutos.net

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Direito, os juízes e os antigos processos bíblicos Máriton Silva Lima * A Constituição Federal (arts. 92 a 95) traz as normas referentes aos órgãos do Poder Judiciário e os princípios

Leia mais