sexo, sexualidade, gênero, orientação sexual e corpo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "sexo, sexualidade, gênero, orientação sexual e corpo"

Transcrição

1 Antes de ler o texto que se segue, pense sobre as noções de sexo, sexualidade, gênero, orientação sexual e corpo. Em seguida, escreva nesta página o que você entende por essas noções. Traga o que você escreveu para a discussão do tema Gênero, sexualidade e orientação sexual. Este material foi produzido pelas responsáveis 1 pelo tema Gênero, sexualidade e orientação sexual no intuito de reunir recortes que tratam dos conceitos que consideramos importantes para o 1 Camila Menezes, Margarita Ramos, Sandra Azerêdo. 1

2 entendimento desse tema. Teorizar sobre gênero, sexualidade e orientação sexual implica encrenca, pela enorme complexidade desses conceitos. Para teorizar sobre essa complexidade, é preciso sair de casa e este sair de casa tem dois sentidos: o de deixar a segurança do lugar familiar, sempre o mesmo, onde nos sentimos em casa; e o sentido de sairmos de nós próprios, nos abrindo para o desconhecido, o diferente. No caminho de sair de casa e se abrir para o diferente precisamos estar atentos ao mecanismo cotidiano de produção de sentido que é a linguagem. Eni Orlandi 2 introduz a análise de discurso como sendo um meio de 2 Análise de dircurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 4ª edição,

3 Michel Foucault 3 mostra como o discurso não é apenas uma linguagem oral, hermética, estagnada e neutra. Para ele, o discurso é algo que nos carrega em nossa própria constituição, que nos precede e vai além de nós, produzindo incessantemente efeitos de verdade sobre nós. O discurso está ligado ao desejo e ao poder, o que pode ser observado na forma como inicia sua aula inaugural no Collège de France em 2 de dezembro de A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 10ª edição,

4 4

5 Se há algo de tão perigoso no discurso, certamente isso denuncia a sua não-inocência, a sua nãoneutralidade. Judith Butler 4 nos ajuda a entender a encrenca em que as feministas se meteram ao trabalhar com o conceito de gênero na trajetória do movimento. O movimento feminista, que luta contra a desigualdade, pensando na igualdade, se viu enredado nas malhas de um discurso excludente que o precedia e que precisou ser reinventado. Em outras palavras, o movimento feminista precisou sair de casa para enxergar a alteridade, para verificar a igualdade. 4 Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Edições Loyola,

6 6

7 7

8 Nota 6 do texto ao lado Uso o termo matriz heterossexual ao longo de todo o texto para designar a grade de inteligibilidade cultural por meio da qual os corpos, gêneros e desejos são naturalizados. Busquei minha referência na noção de Monique Wittig de contrato heterossexual e, em menor medida, naquela de Adrinne Rich de heterossexualidade compulsória para caracterizar o modelo discursivo/epistemológico hegemônico da inteligibilidade do gênero, o qual presume que, para os corpos serem coerentes e fazerem sentido masculino expressa macho, feminino expressa fêmea, é necessário haver um sexo estável, expresso por um gênero estável, que é definido oposicional e hierarquicamente por meio da prática compulsória da heterossexualidade. 8

9 9

10 Continuando seu pensamento, Butler 5 mostra que este mecanismo pelo qual a desigualdade é produzida é, ao mesmo tempo ocultado, como se a desigualdade fosse natural. Assim, o discurso produz corpos que pesam, importam ou seja faz com esses corpos se tornem matéria e, simultaneamente, corpos que não importam, são abjetos. O abjeto, o inumano, torna-se, assim, necessário para delimitar as fronteiras do que é inteligível como humano, tornando-se o seu exterior constitutivo. 5 Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo. In Guacira Lopes Louro, org., O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte, Autêntica, pp

11 E o que é humano, como também aponta Tomaz Tadeu da Silva 6, não pode ser nunca totalmente alcançado, pois baseia-se num ideal de homem branco, heterossexual, da elite econômica, que é assumido, adotado, materializado. Desta forma, opera-se uma homogeneização tanto no ideal heteronormativo quanto nas diferenças, que torna iguais todas as mulheres neste momento as lésbicas são esquecidas -, todos/as os/as negros/as, as/os pobres, os/as velhos/as... Consideramos que essa forma de entender a constituição do humano nessa perspectiva de gênero através da abjeção seja uma ferramenta importante para entender a invisibilidade da homofobia no cotidiano da escola. Entender a nossa participação na invisibilidade da homofobia já é um passo importante. É preciso que façamos algo também no sentido de ouvir as dissonâncias inauditas, como 6 A produção social da identidade e da diferença. In: Silva et al orgs. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, Vozes, pp

12 escreve Jacques Rancière 7. Esse autor recupera a vivência de Joseph Jacotot, um pedagogo dos inícios do século XIX para problematizar formas tradicionais de lidar com a desigualdade, argumentando que é preciso partir não da desigualdade para se atingir a igualdade como fim, pois isso a posterga ao infinito. Ao contrário, ele propõe o exercício de verificar a igualdade como ponto de partida. 7 O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Tradução de Lílian do Valle. Belo Horizonte, Autêntica,

13 13

14 [...] [...] 14

15 15

16 O relato de Rancière é uma experiência no campo da pedagogia que precisa ser expandida para todos os campos da nossa vida e observada como uma prática que verifica a igualdade, produzindo sujeitos viáveis. 16

Tópicos em Antropologia: ANTROPOLOGIA DO GÊNERO

Tópicos em Antropologia: ANTROPOLOGIA DO GÊNERO Universidade Federal de Minas Gerais UFMG Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas Curso: Antropologia/Ciências Sociais Disciplina: Tópicos em Antropologia - Antropologia do Gênero Profa. Érica Renata

Leia mais

7. Referências bibliográficas

7. Referências bibliográficas 104 7. Referências bibliográficas AUAD, D. Relações de gênero nas práticas escolares e a construção de um projeto de co-educação. In: Anais do 27ª. Reunião da ANPED, Caxambu MG, 2004. BAUER, M. Análise

Leia mais

O CURRÍCULO E A TEORIA QUEER 1 NA PERSPECTIVA DE UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Maria Cecília Castro PROPED-UERJ Agência Financiadora: CAPES

O CURRÍCULO E A TEORIA QUEER 1 NA PERSPECTIVA DE UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Maria Cecília Castro PROPED-UERJ Agência Financiadora: CAPES O CURRÍCULO E A TEORIA QUEER 1 NA PERSPECTIVA DE UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Maria Cecília Castro PROPED-UERJ Agência Financiadora: CAPES Louro (2007) afirma que o modo como pesquisamos e, portanto,

Leia mais

O Senso Comum e os Corpos Generificados

O Senso Comum e os Corpos Generificados O Senso Comum e os Corpos Generificados Vincular o comportamento ao sexo, gênero à genitália, definindo o feminino pela presença da vagina e o masculino pelo pênis, remonta ao século XIX quando o sexo

Leia mais

ESPAÇO ESCOLAR E PRECONCEITO HOMOFÓBICO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

ESPAÇO ESCOLAR E PRECONCEITO HOMOFÓBICO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ESPAÇO ESCOLAR E PRECONCEITO HOMOFÓBICO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Andressa Cerqueira Carvalhais (Graduanda -PIBIC Fundação Araucária UEPG a_carvalhais@hotmail.com Tamires Regina Aguiar de Oliveira César (Graduanda

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE ATOS PERFORMATIVOS DE MENINAS E MENINOS NO CONTEXTO ESCOLAR

REFLEXÕES SOBRE ATOS PERFORMATIVOS DE MENINAS E MENINOS NO CONTEXTO ESCOLAR REFLEXÕES SOBRE ATOS PERFORMATIVOS DE MENINAS E MENINOS NO CONTEXTO ESCOLAR Elisete Santana da Cruz França 1 Este artigo encontra sua gênese na análise de algumas narrativas de professoras/es sobre as

Leia mais

ESCOLAS BRASILEIRAS: HOMOFOBIA E SEXISMO Carla Lisbôa Grespan 1

ESCOLAS BRASILEIRAS: HOMOFOBIA E SEXISMO Carla Lisbôa Grespan 1 ESCOLAS BRASILEIRAS: HOMOFOBIA E SEXISMO Carla Lisbôa Grespan 1 Resumo: O relatório do Projeto de Estudo sobre Ações Discriminatórias no Âmbito Escolar compreendeu um estudo quantitativo aplicado em 500

Leia mais

O MUNDO DAS MULHERES Alain Touraine

O MUNDO DAS MULHERES Alain Touraine Brasília-DF, Setembro de 2007 Universidade de Brasília UNB Departamento de Serviço Social Mov. Soc., Poder Político e Cidadania Profa. Dra. Nair Bicalho O MUNDO DAS MULHERES Alain Touraine Alunas: Denise

Leia mais

Quando gênero e sexualidade se tornam problema para um homem heterossexual. Gustavo Andrada Bandeira. Resumo

Quando gênero e sexualidade se tornam problema para um homem heterossexual. Gustavo Andrada Bandeira. Resumo Quando gênero e sexualidade se tornam problema para um homem heterossexual Gustavo Andrada Bandeira Resumo O presente relato de experiência foi pensado e organizado a partir do material produzido dentro

Leia mais

Efeminamento, Misoginia e Violência

Efeminamento, Misoginia e Violência Violência de Gênero - ST 5 Wanderson Flor do Nascimento Escola da Universidade de Brasília/ Instituto de Ciências Sociais e Humanas - DF/GO Palavras-chave: Homofobia, Heteronormatividade, Misoginia. Efeminamento,

Leia mais

Brinquedo de miriti e a representação idealizada do corpo: questões para o currículo

Brinquedo de miriti e a representação idealizada do corpo: questões para o currículo Brinquedo de miriti e a representação idealizada do corpo: questões para o currículo Joyce Ribeiro joyce@ufpa.br Lidia Sarges lidiasarges@yahoo.com.br Igora Dácio igorarock@hotmail.com 1 O brinquedo de

Leia mais

Teatro-educação: relações de gênero e sexualidade

Teatro-educação: relações de gênero e sexualidade Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Teatro-educação: relações de gênero e sexualidade Guaraci da Silva Lopes Martins (Faculdade de Artes do Paraná/UFBA)

Leia mais

LGBT: Público ou Privado. Gênero, Orientação Sexual e Identidade de Gênero

LGBT: Público ou Privado. Gênero, Orientação Sexual e Identidade de Gênero LGBT: Público ou Privado Gênero, Orientação Sexual e Identidade de Gênero 1969 Revolta de Stonewall que marca o Dia Mundial do Orgulho LGBT; 1973 A OMS deixa de classificar a homossexualidade como doença;

Leia mais

Educação sexual: problematizando sobre a diversidade.

Educação sexual: problematizando sobre a diversidade. Educação sexual: problematizando sobre a diversidade. Profª: Nilza Bernardes Santiago 1 Joelma Aparecida dos Santos Xavier 2 Resumo O objetivo deste artigo é propor o debate da temática da Educação Sexual

Leia mais

RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL

RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL "Que a água seja refrescante. Que o caminho seja suave. Que a casa seja hospitaleira. Que o Mensageiro conduza em paz nossa Palavra." Benção Yoruba

Leia mais

A AÇÃO DAS PRÁTICAS DISCURSIVAS E DA ALTERIDADE NA CONSTRUÇÃO SOCIAL DA IDENTIDADE DE GÊNERO

A AÇÃO DAS PRÁTICAS DISCURSIVAS E DA ALTERIDADE NA CONSTRUÇÃO SOCIAL DA IDENTIDADE DE GÊNERO Simpósio Temático nº 28: Identidade, diferença e gênero: afirmação e crítica como duas formas de resistência A AÇÃO DAS PRÁTICAS DISCURSIVAS E DA ALTERIDADE NA CONSTRUÇÃO SOCIAL DA IDENTIDADE DE GÊNERO

Leia mais

MULHER E MÍDIA: UMA ANÁLISE FEMINISTA DO JORNAL NEWS SELLER WOMAN AND MEDIA: A FEMINIST ANALYSIS OF THE NEWSPAPER NEWS SELLER

MULHER E MÍDIA: UMA ANÁLISE FEMINISTA DO JORNAL NEWS SELLER WOMAN AND MEDIA: A FEMINIST ANALYSIS OF THE NEWSPAPER NEWS SELLER Comunicação: Mulher e mídia: uma análise feminista do jornal News Seller MULHER E MÍDIA: UMA ANÁLISE FEMINISTA DO JORNAL NEWS SELLER WOMAN AND MEDIA: A FEMINIST ANALYSIS OF THE NEWSPAPER NEWS SELLER Clara

Leia mais

Escola inclusiva e não-sexista? Políticas Públicas e Produção de Subjetividades

Escola inclusiva e não-sexista? Políticas Públicas e Produção de Subjetividades Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Escola inclusiva e não-sexista? Políticas Públicas e Produção de Subjetividades Eliana Teresinha Quartiero (UFRGS),

Leia mais

Gênero e sexualidade na escola: produzindo corpos, narrativas e significados

Gênero e sexualidade na escola: produzindo corpos, narrativas e significados Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Gênero e sexualidade na escola: produzindo corpos, narrativas e significados Maria Rita de Assis César (UFPR) Gênero;

Leia mais

PYA AKASI : As agências cotidianas de mulheres sena, em Marromeu, Moçambique.

PYA AKASI : As agências cotidianas de mulheres sena, em Marromeu, Moçambique. PYA AKASI : As agências cotidianas de mulheres sena, em Marromeu, Moçambique. António Domingos Braço 1 A expressão pya akasi, traduzida para a língua do povo Sena significa coisas das mulheres. Estas fotografias

Leia mais

DO PRINCÍPIO DA IGUALDADE E DAS EXPRESSÕES DE GÊNERO

DO PRINCÍPIO DA IGUALDADE E DAS EXPRESSÕES DE GÊNERO DO PRINCÍPIO DA IGUALDADE E DAS EXPRESSÕES DE GÊNERO Valéria Silva Galdino Cardin 1 ; Francielle Lopes Rocha 2 RESUMO: A atual Constituição Federal contemplou o princípio da igualdade vedando a discriminação

Leia mais

POLÍTICAS DE CURRÍCULO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL ( ): DISPUTAS DISCURSIVAS PARA A FIXAÇÃO DE UMA IDENTIDADE PARA O PROFESSOR

POLÍTICAS DE CURRÍCULO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL ( ): DISPUTAS DISCURSIVAS PARA A FIXAÇÃO DE UMA IDENTIDADE PARA O PROFESSOR 1 POLÍTICAS DE CURRÍCULO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL (2006-2015): DISPUTAS DISCURSIVAS PARA A FIXAÇÃO DE UMA IDENTIDADE PARA O PROFESSOR Rosely dos Santos Almeida Programa de Pós-Graduação da Universidade

Leia mais

SALIH, Sara. Judith Butler e a Teoria Queer. Tradução de Guacira Lopes Louro. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013, 235 P.

SALIH, Sara. Judith Butler e a Teoria Queer. Tradução de Guacira Lopes Louro. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013, 235 P. O SEXO E A INTERPRETAÇÃO DO CORPO SALIH, Sara. Judith Butler e a Teoria Queer. Tradução de Guacira Lopes Louro. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013, 235 P. Othávio Bambino Ribeiro Silva No terceiro

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, GÊNERO E MOVIMENTOS SOCIAIS

DIREITOS HUMANOS, GÊNERO E MOVIMENTOS SOCIAIS DIREITOS HUMANOS, GÊNERO E MOVIMENTOS SOCIAIS Prof. João Gabriel da Fonseca Graduado em História; Filosofia Pós-Graduado em História Cultural Mestre em História das Identidades. LGBT ou ainda, LGBTTTs,

Leia mais

Referências bibliográficas

Referências bibliográficas 127 Referências bibliográficas ALTMANN, Helena. Orientaçãosexual na escola: recortes de corpos e de gênero. Cadernos Pagu: Unicamp (21), pp. 281-315, 2003.. Orientação sexual nos Parâmetros Curriculares

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-2 DISCIPLINA: Educação e Relações Étnico-Raciais JP0053 PROFESSOR: Ms. Claudemir Madeira I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária:30 h II EMENTA Tratar os conceitos de etnia, raça, racialização,

Leia mais

CORPOS ESTRANHOS: UM ESTUDO SOBRE A PRESENÇA MASCULINA NA DOCÊNCIA INFANTIL

CORPOS ESTRANHOS: UM ESTUDO SOBRE A PRESENÇA MASCULINA NA DOCÊNCIA INFANTIL 65 Alumni Revista Discente da UNIABEU CORPOS ESTRANHOS: UM ESTUDO SOBRE A PRESENÇA MASCULINA NA DOCÊNCIA INFANTIL Wendel Souza Santos 1 Resumo: Este artigo teve como objetivo analisar como se desenvolvem

Leia mais

SER MULHER NÃO TEM A VER COM DOIS CROMOSSOMOS X : IMPACTOS DA PERSPECTIVA FEMINISTA DE GÊNERO NO ENSINO DE CIÊNCIAS

SER MULHER NÃO TEM A VER COM DOIS CROMOSSOMOS X : IMPACTOS DA PERSPECTIVA FEMINISTA DE GÊNERO NO ENSINO DE CIÊNCIAS DIVERSIDADE EM DEBATE SER MULHER NÃO TEM A VER COM DOIS CROMOSSOMOS X : IMPACTOS DA PERSPECTIVA FEMINISTA DE GÊNERO NO ENSINO DE CIÊNCIAS Felipe Bastos* Marcelo Andrade** Os conceitos de sexualidade e

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Identidades. Gênero. Diferença. Sociedade.

PALAVRAS-CHAVE Identidades. Gênero. Diferença. Sociedade. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO AO PENSAR QUEER

UMA INTRODUÇÃO AO PENSAR QUEER UMA INTRODUÇÃO AO PENSAR QUEER Cássia Rodrigues Gonçalves * Louro, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. 2. ed. Belo horizonte: Autêntica, 2013. A obra Um Corpo Estranho:

Leia mais

PERFORMANCES HOMOAFETIVAS NA MÚSICA AVESSO, DE JORGE VERCILO

PERFORMANCES HOMOAFETIVAS NA MÚSICA AVESSO, DE JORGE VERCILO PERFORMANCES HOMOAFETIVAS NA MÚSICA AVESSO, DE JORGE VERCILO Autor: Valdir Ferreira de Paiva Aluno do PPGE/UFPB/NIPAM Pós Graduação em GDE valdirvfp@outlook.com Coator 1 : Francinaldo Freire da Silva Graduando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGÜÍSTICA DISCIPLINA: Tópicos Avançados em Análise de discursos: processos de subjetivação e formas de resistência

Leia mais

Proposta de redação: Em pauta, a homofobia. A omissão pode ser sinal de violência.

Proposta de redação: Em pauta, a homofobia. A omissão pode ser sinal de violência. Homofobia Proposta de redação: Em pauta, a homofobia. A omissão pode ser sinal de violência. Homofobia: Ao completo descaso da Constituição Federal, que assegura a todos os brasileiros o exercício dos

Leia mais

NARRATIVAS DOCENTES SOBRE O BULLYING HOMOFÓBICO NA ESCOLA

NARRATIVAS DOCENTES SOBRE O BULLYING HOMOFÓBICO NA ESCOLA NARRATIVAS DOCENTES SOBRE O BULLYING HOMOFÓBICO NA ESCOLA FILIPE GABRIEL RIBEIRO FRANÇA * RONEY POLATO DE CASTRO ** ANDERSON FERRARI *** RESUMO O presente artigo buscou investigar as atitudes dos professores

Leia mais

Na minha escola todo mundo é igual? REFLEXÕES SOBRE PLURALIDADE CULTURAL NA E.M.E.F. DR. ALCIDES DE MENDONÇA LIMA

Na minha escola todo mundo é igual? REFLEXÕES SOBRE PLURALIDADE CULTURAL NA E.M.E.F. DR. ALCIDES DE MENDONÇA LIMA Na minha escola todo mundo é igual? REFLEXÕES SOBRE PLURALIDADE CULTURAL NA E.M.E.F. DR. ALCIDES DE MENDONÇA LIMA Projeto Interdisciplinar: Na minha escola todo mundo é igual? Escola Municipal de Ensino

Leia mais

DOS CURRAIS EPISTEMOLÓGICOS DO GÊNERO E DA SEXUALIDADE: UM CORPO QUE IMPORTA PARA A EDUCAÇÃO DO CAMPO

DOS CURRAIS EPISTEMOLÓGICOS DO GÊNERO E DA SEXUALIDADE: UM CORPO QUE IMPORTA PARA A EDUCAÇÃO DO CAMPO DOS CURRAIS EPISTEMOLÓGICOS DO GÊNERO E DA SEXUALIDADE: UM CORPO QUE IMPORTA PARA A EDUCAÇÃO DO CAMPO Priscila Gomes Dornelles 1 Resumo: Proponho discutir e problematizar como gênero e sexualidade atravessam

Leia mais

Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO MESTRADO INTERDISCIPLINAR EM PERFORMANCES CULTURAIS

Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO MESTRADO INTERDISCIPLINAR EM PERFORMANCES CULTURAIS Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO MESTRADO INTERDISCIPLINAR EM PERFORMANCES CULTURAIS CORPO, ESTÉTICA E DIFERENÇA 12 de março a 25 de junho

Leia mais

Leia, com atenção, o texto abaixo (Texto I), para responder às questões de 01 a 04. A identidade e a diferença: o poder de definir

Leia, com atenção, o texto abaixo (Texto I), para responder às questões de 01 a 04. A identidade e a diferença: o poder de definir Leia, com atenção, o texto abaixo (Texto I), para responder às questões de 01 a 04. A identidade e a diferença: o poder de definir A identidade e a diferença são o resultado de um processo de produção

Leia mais

UM ESTUDO DISCURSIVO DOS BLOGS: SENTIDOS DE/SOBRE. Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade da Universidade

UM ESTUDO DISCURSIVO DOS BLOGS: SENTIDOS DE/SOBRE. Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade da Universidade UM ESTUDO DISCURSIVO DOS BLOGS: SENTIDOS DE/SOBRE HOMOFOBIA Autor: Gustavo Grandini Bastos Orientadora: Profa. Dra. Lucília Maria Sousa Romão Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade

Leia mais

SEMANA 5 DISCRIMINAÇAO DE GÊNERO NO CONTEXTO DA DESIGUALDADE SOCIAL ÉTNICO-RACIAL

SEMANA 5 DISCRIMINAÇAO DE GÊNERO NO CONTEXTO DA DESIGUALDADE SOCIAL ÉTNICO-RACIAL SEMANA 5 DISCRIMINAÇAO DE GÊNERO NO CONTEXTO DA DESIGUALDADE SOCIAL ÉTNICO-RACIAL Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DE DOIS PIBIDIANOS NO TRABALHO SOBRE GÊNERO E SEXUALIDADE DENTRO DA ESCOLA

A EXPERIÊNCIA DE DOIS PIBIDIANOS NO TRABALHO SOBRE GÊNERO E SEXUALIDADE DENTRO DA ESCOLA A EXPERIÊNCIA DE DOIS PIBIDIANOS NO TRABALHO SOBRE GÊNERO E SEXUALIDADE DENTRO DA ESCOLA Alessandra Monteiro Rosini¹, Marcos Martins da Costa², Iara Mora Longhini³ 1,2,3 Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

FORMAR PARA A DIVERSIDADE: A QUESTÃO DE GÊNERO E SEXUALIDADE NA FORMAÇÃO GERAL DE PSICÓLOGOS E PSICÓLOGAS NA CIDADE DE PELOTAS

FORMAR PARA A DIVERSIDADE: A QUESTÃO DE GÊNERO E SEXUALIDADE NA FORMAÇÃO GERAL DE PSICÓLOGOS E PSICÓLOGAS NA CIDADE DE PELOTAS FORMAR PARA A DIVERSIDADE: A QUESTÃO DE GÊNERO E SEXUALIDADE NA FORMAÇÃO GERAL DE PSICÓLOGOS E PSICÓLOGAS NA CIDADE DE PELOTAS Ana Carolina Paes anacarolina-paes@hotmail.com Psicóloga e graduanda em Ciências

Leia mais

O COTIDIANO ESCOLAR E OS IMPACTOS DA TEORIA QUEER FACE À PEDAGOGIA HETEROSSEXISTA 1

O COTIDIANO ESCOLAR E OS IMPACTOS DA TEORIA QUEER FACE À PEDAGOGIA HETEROSSEXISTA 1 O COTIDIANO ESCOLAR E OS IMPACTOS DA TEORIA QUEER FACE À PEDAGOGIA HETEROSSEXISTA 1 DAILY LIFE IN SCHOOL AND THE QUEER THEORY EFFECT FACING HETEROSSEXIST PEDAGOGY Aldones Nino Paulo Jonas de Lima Piva

Leia mais

DIVERSIDADE SEXUAL NA ESCOLA: ESTRATÉGICAS DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA POPULAÇÃO LGBTT NO IFPE RECIFE E NA REDE ESTADUAL DE PERNAMBUCO

DIVERSIDADE SEXUAL NA ESCOLA: ESTRATÉGICAS DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA POPULAÇÃO LGBTT NO IFPE RECIFE E NA REDE ESTADUAL DE PERNAMBUCO DIVERSIDADE SEXUAL NA ESCOLA: ESTRATÉGICAS DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA POPULAÇÃO LGBTT NO IFPE RECIFE E NA REDE ESTADUAL DE PERNAMBUCO COORDENADORA: DANIELA BARROS COLABORADORES/COLABORADORAS:

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS UNIDADE SÃO GABRIEL Departamento de Psicologia SER PAI: SER MACHO?

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS UNIDADE SÃO GABRIEL Departamento de Psicologia SER PAI: SER MACHO? PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS UNIDADE SÃO GABRIEL Departamento de Psicologia SER PAI: SER MACHO? Construção da identidade paterna em homens homo/bissexuais André Geraldo Ribeiro Diniz

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO NA DOCÊNCIA.

RELAÇÕES DE GÊNERO NA DOCÊNCIA. RELAÇÕES DE GÊNERO NA DOCÊNCIA. Mareli Eliane Graupe - UNIJUÍ Ana Maria Colling - UNIJUI RESUMO - O presente trabalho aborda sobre o que são relações de gênero e quais são as suas possíveis contribuições

Leia mais

QUANDO O CORPO APAGA AS FRONTEIRAS: PERSPECTIVAS QUEER NA NARRATIVA FÍLMICA XXY

QUANDO O CORPO APAGA AS FRONTEIRAS: PERSPECTIVAS QUEER NA NARRATIVA FÍLMICA XXY QUANDO O CORPO APAGA AS FRONTEIRAS: PERSPECTIVAS QUEER NA NARRATIVA FÍLMICA XXY Nicola Gonzaga/UFSC 1 Resumo: Este trabalho foi inspirado pela disciplina "Estudos Literários: Gênero, Identidade, Etnias

Leia mais

MULHERES EM CONTRADIÇÃO: O PÓS-FEMINISMO E AS SANDÁLIAS MELISSA

MULHERES EM CONTRADIÇÃO: O PÓS-FEMINISMO E AS SANDÁLIAS MELISSA MULHERES EM CONTRADIÇÃO: O PÓS-FEMINISMO E AS SANDÁLIAS MELISSA Patricia Bronislawski (ICV/PET-Letras - UNICENTRO), Níncia Cecília Ribas Borges Teixeira (Orientadora), e-mail: ninciaborgesteixeira@yahoo.com.br.

Leia mais

Gênero e ensino de história: projeto gênero, história e violência

Gênero e ensino de história: projeto gênero, história e violência Gênero e ensino de história: projeto gênero, história e violência Nathália Boni Cadore * Resumo: Este artigo consiste em uma apresentação do projeto de ensino Gênero, História e Violência, pensado para

Leia mais

Sociologia. Surgimento e principais tópicos. Prof. Alan Carlos Ghedini

Sociologia. Surgimento e principais tópicos. Prof. Alan Carlos Ghedini Sociologia Surgimento e principais tópicos Prof. Alan Carlos Ghedini Podemos entender a sociologia, de modo geral, como a área de estudo que se dedica a entender o comportamento humano em sociedade. São

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE GÊNERO E DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS RELAÇÕES ENTRE GÊNERO E DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 AS RELAÇÕES ENTRE GÊNERO E DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Wendel Souza Santos Resumo: Este artigo teve como objetivo analisar como se desenvolve as relações de gênero na educação infantil, principalmente

Leia mais

Resenha Salih, S. (2012). Judith Butler e a Teoria Queer. Belo Horizonte: Autêntica

Resenha Salih, S. (2012). Judith Butler e a Teoria Queer. Belo Horizonte: Autêntica G. B. F. Pereira 157 Resenha Salih, S. (2012). Judith Butler e a Teoria Queer. Belo Horizonte: Autêntica Guilherme Bessa Ferreira Pereira 1 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil 1Diante

Leia mais

Matando a escrava que vive em nós *

Matando a escrava que vive em nós * Matando a escrava que vive em nós * Marília Novais da Mata Machado ** Preconceito contra a mulher é livro tão complexo, sério e denso quanto a questão da qual se ocupa. Resenhá-lo é, assim, um risco, é

Leia mais

CÂMARA CURRICULAR DO CoPGr FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE DISCIPLINAS

CÂMARA CURRICULAR DO CoPGr FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE DISCIPLINAS CÂMARA CURRICULAR DO CoPGr FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE DISCIPLINAS SIGLA DA DISCIPLINA: ESC5705 NOME DA DISCIPLINA: Educação e Cultura NOME DA DISCIPLINA (em inglês): Education and Culture PROGRAMA/ÁREA:

Leia mais

CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES

CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES Um desafio para a igualdade numa perspectiva de gênero Ituporanga 30/04/04 Conferência Espaço de participação popular para: Conferir o que tem sido feito

Leia mais

GÊNERO, SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO: UMA PERSPECTIVA PÓS-ESTRUTURALISTA

GÊNERO, SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO: UMA PERSPECTIVA PÓS-ESTRUTURALISTA RESENHA GÊNERO, SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO: UMA PERSPECTIVA PÓS-ESTRUTURALISTA Aládia Cristina Rodrigues Medina 1 O que fica evidente, sem dúvida, é que a escola é atravessada pelos gêneros; é impossível pensar

Leia mais

O FEMINISMO DE CATHRINE MACKINNON DESEJO E PODER

O FEMINISMO DE CATHRINE MACKINNON DESEJO E PODER O FEMINISMO DE CATHRINE MACKINNON DESEJO E PODER FEMINISMO E MARXISMO TRABAHO (valor) MARXISMO SEXUALIDADE (desejo) FEMINISMO Ambos prejudicados nas relações sociais. Feminismo e marxismo como teorias

Leia mais

COMO ENSINAR IGUALDADE? POLÍTICAS PÚBLICAS E CONSTITUIÇÃO DA DIFERENÇA HOW TO TEACH EQUALITY? PUBLIC POLICIES AND CONSTITUTION OF DIFFERENCE

COMO ENSINAR IGUALDADE? POLÍTICAS PÚBLICAS E CONSTITUIÇÃO DA DIFERENÇA HOW TO TEACH EQUALITY? PUBLIC POLICIES AND CONSTITUTION OF DIFFERENCE CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X COMO ENSINAR IGUALDADE? POLÍTICAS PÚBLICAS E CONSTITUIÇÃO

Leia mais

A EDUCOMUNICAÇÃO NOS DEBATES SOBRE GÊNERO E SEXUALIDADE

A EDUCOMUNICAÇÃO NOS DEBATES SOBRE GÊNERO E SEXUALIDADE A EDUCOMUNICAÇÃO NOS DEBATES SOBRE GÊNERO E SEXUALIDADE Magna Cély Araújo Santos 1 Universidade Federal de Campina Grande celymagna@hotmail.com Introdução Antes de começarmos a explanar sobre os debates

Leia mais

Gênero Plural. Andrea Paula dos Santos (UFABC) Alguns pontos para discussão levantados por pesquisadores e educadores

Gênero Plural. Andrea Paula dos Santos (UFABC) Alguns pontos para discussão levantados por pesquisadores e educadores 1 Gênero Plural (Algumas noções básicas sobre gênero, diversidade sexual e sexualidade no contexto contemporâneo: pontos para discussão, dúvidas e questionamentos mais freqüentes em formações com educadores/as

Leia mais

1 Livros usados na pesquisa: A primeira vez a gente nunca esquece, de Patrícia Barbosa; De menina a

1 Livros usados na pesquisa: A primeira vez a gente nunca esquece, de Patrícia Barbosa; De menina a INTENCIONALIDADES E REPRESENTAÇÕES NAS PRÁTICAS DISCURSIVAS NA LITERATURA INFANTO-JUVENIL NA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE FEMININA MATTIODA, Sonia Regina Griffo UERJ GT: Currículo / n.12 Agência Financiadora:

Leia mais

CINEMA E EDUCAÇÃO: REFLEXÕES E DISCUSSÕES SOBRE HOMOSSEXUALIDADE E POLÍTICA NA UNIVERSIDADE

CINEMA E EDUCAÇÃO: REFLEXÕES E DISCUSSÕES SOBRE HOMOSSEXUALIDADE E POLÍTICA NA UNIVERSIDADE 16 ISBN 978-85-89943-23-9 CINEMA E EDUCAÇÃO: REFLEXÕES E DISCUSSÕES SOBRE HOMOSSEXUALIDADE E POLÍTICA NA UNIVERSIDADE Nikolas Bigler, UFRRJ INTRODUÇÃO O presente trabalho é fruto do projeto de extensão

Leia mais

POLÍTICAS E SUJEITOS EM (RE) CONSTRUÇÃO: REFLEXÕES SOBRE IDENTIDADES E REPRESENTAÇÕES NO PROEJA NO IFES CAMPUS VITÓRIA

POLÍTICAS E SUJEITOS EM (RE) CONSTRUÇÃO: REFLEXÕES SOBRE IDENTIDADES E REPRESENTAÇÕES NO PROEJA NO IFES CAMPUS VITÓRIA POLÍTICAS E SUJEITOS EM (RE) CONSTRUÇÃO: REFLEXÕES SOBRE IDENTIDADES E REPRESENTAÇÕES NO PROEJA NO IFES CAMPUS VITÓRIA Eixo 4: Pesquisa, Políticas Públicas e Direito a Educação Msc. Tatiana de Santana

Leia mais

PLANO DE ENSINO. CARGA HORÁRIA: 60 h/a Período Letivo PROFESSORA: Caroline Kern Contato

PLANO DE ENSINO. CARGA HORÁRIA: 60 h/a Período Letivo PROFESSORA: Caroline Kern Contato UNIVERSIDADE DO - UDESC DEPARTAMENTO: Pedagogia CURSO: PEN-EDI Pedagogia - noturno DISCIPLINA: Currículo, Conhecimento e Cultura II Código 6 CARGA HORÁRIA: 60 h/a Período Letivo 2013-2 PROFESSORA: Caroline

Leia mais

RESUMO, RESENHA E FICHAMENTO

RESUMO, RESENHA E FICHAMENTO RESUMO, RESENHA E FICHAMENTO Profª. Dra. Patrícia Bellon Agosto 2017 RESUMO Resumir um texto significa reduzi-lo às ideias principais do assunto abordado, sem perder de vista a essência desse texto. RESUMO

Leia mais

DISCUTINDO O CONCEITO DE GÊNERO: O QUE PENSA O EDUCADOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL?

DISCUTINDO O CONCEITO DE GÊNERO: O QUE PENSA O EDUCADOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL? DISCUTINDO O CONCEITO DE GÊNERO: O QUE PENSA O EDUCADOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL? Introdução Fernanda Cavalcante da Silva Universidade de Pernambuco fernanda_najara@hotmail.com A escola

Leia mais

Leia, com atenção, o texto abaixo (Texto I), para responder às questões de 01 a 04. A identidade e a diferença: o poder de definir

Leia, com atenção, o texto abaixo (Texto I), para responder às questões de 01 a 04. A identidade e a diferença: o poder de definir Leia, com atenção, o texto abaixo (Texto I), para responder às questões de 01 a 04. A identidade e a diferença: o poder de definir A identidade e a diferença são o resultado de um processo de produção

Leia mais

HOMOFOBIA NO ESPAÇO ESCOLAR - POSSIBILIDADES DE MEDIAÇÃO E INTERVENÇÃO DA PSICOLOGIA

HOMOFOBIA NO ESPAÇO ESCOLAR - POSSIBILIDADES DE MEDIAÇÃO E INTERVENÇÃO DA PSICOLOGIA HOMOFOBIA NO ESPAÇO ESCOLAR - POSSIBILIDADES DE MEDIAÇÃO E INTERVENÇÃO DA PSICOLOGIA Katarina Nascimento de Freitas (1); Mônica Valéria Araújo dos Santos (2); Betânia Maria Oliveira de Amorim (1) Universidade

Leia mais

Psicanálise e feminismo: encontro entre discursos sobre a identidade sexual

Psicanálise e feminismo: encontro entre discursos sobre a identidade sexual Relações de Gênero, Feminismo e Subjetividades ST 33 Beatriz Carneiro dos Santos Doutoranda da Universidade de Paris VII Palavras-chave: psicanálise, melancolia, gênero Psicanálise e feminismo: encontro

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular I. Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 5º

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular I. Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 5º PLANO DE ENSINO 2016 Curso: Pedagogia Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) Currículo: fundamentos e concepções.

Leia mais

PROJETO EDUCAÇÃO SEM HOMOFOBIA INSTAURANDO O DEBATE EM HOMOPARENTALIDADE. Manuela Magalhães.

PROJETO EDUCAÇÃO SEM HOMOFOBIA INSTAURANDO O DEBATE EM HOMOPARENTALIDADE. Manuela Magalhães. PROJETO EDUCAÇÃO SEM HOMOFOBIA INSTAURANDO O DEBATE EM TORNO DA HOMOPARENTALIDADE Manuela Magalhães manusm@gmail.com OBJETIVOS: Conceituar e debater homoparentalidade, família e configurações homoparentais

Leia mais

Aula7 MEMÓRIA DISCURSIVA. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula7 MEMÓRIA DISCURSIVA. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula7 MEMÓRIA DISCURSIVA META Apresentar o conceito de memória discursiva como um dos conceitos fundamentais para a Análise do Discurso OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Compreender que a

Leia mais

VIII Encontro da ANDHEP - Políticas Públicas para a Segurança Pública e Direitos Humanos

VIII Encontro da ANDHEP - Políticas Públicas para a Segurança Pública e Direitos Humanos VIII Encontro da ANDHEP - Políticas Públicas para a Segurança Pública e Direitos Humanos 28 a 30 de abril de 2014, Faculdade de Direito, USP, São Paulo, SP Grupo de Trabalho 13: Sistema Penitenciário e

Leia mais

A LEI E OS PRISIONEIROS DE FOUCAULT

A LEI E OS PRISIONEIROS DE FOUCAULT A LEI 12.984 E OS PRISIONEIROS DE FOUCAULT SALIH, Sara. A linguagem. In: SALIH, Sara. Judith Butler e a Teoria Tradução de Guacira Lopes Louro. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013. Najara Cristiane

Leia mais

ALMEIDA, Jane Soares de. Mulher e educação: a paixão pelo possível. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

ALMEIDA, Jane Soares de. Mulher e educação: a paixão pelo possível. São Paulo: Editora UNESP, 1998. 97 REFERÊNCIAS ALMEIDA, Jane Soares de. Mulher e educação: a paixão pelo possível. São Paulo: Editora UNESP, 1998.. Gênero e Educação: algumas possibilidades investigativas. In: Cenários. Revista do Grupo

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: LINGUÍSTICA I Curso: LICENCIATURA EM LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA Período: 2 Semestre: 2015.1 Carga Horária:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ARTES VISUAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE E CULTURA VISUAL MESTRADO/DOUTORADO PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ARTES VISUAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE E CULTURA VISUAL MESTRADO/DOUTORADO PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ARTES VISUAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE E CULTURA VISUAL MESTRADO/DOUTORADO ANO: 2012 PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Disciplina: HISTÓRIA VISUAL, GÊNERO E PODER:

Leia mais

O CORPO COMO MARCA DE CONSTITUIÇÃO DE IDENTIDADES SEXUAIS E DE GÊNERO EM CONTEXTPO SÓCIO FAMILIAR DE TRAVESTIS DO MUNICÍPIO DE POÇÕES

O CORPO COMO MARCA DE CONSTITUIÇÃO DE IDENTIDADES SEXUAIS E DE GÊNERO EM CONTEXTPO SÓCIO FAMILIAR DE TRAVESTIS DO MUNICÍPIO DE POÇÕES O CORPO COMO MARCA DE CONSTITUIÇÃO DE IDENTIDADES SEXUAIS E DE GÊNERO EM CONTEXTPO SÓCIO FAMILIAR DE TRAVESTIS DO MUNICÍPIO DE POÇÕES RESUMO Danilo Dias 1 A realização deste trabalho pressupõe a um maior

Leia mais

GÊNERO E FORMAÇÃO DOCENTE: INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA COMO POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DA CONSTRUÇÃO DOS CONCEITOS

GÊNERO E FORMAÇÃO DOCENTE: INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA COMO POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DA CONSTRUÇÃO DOS CONCEITOS GÊNERO E FORMAÇÃO DOCENTE: INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA COMO POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DA CONSTRUÇÃO DOS CONCEITOS FRANÇA, Fabiane Freire (UEM) CALSA, Geiva Carolina (Orientadora/UEM) Introdução No processo

Leia mais

MODA SEM GÊNERO: UMA REFLEXÃO PARA ALÉM DAS CORES NEUTRAS

MODA SEM GÊNERO: UMA REFLEXÃO PARA ALÉM DAS CORES NEUTRAS MODA SEM GÊNERO: UMA REFLEXÃO PARA ALÉM DAS CORES NEUTRAS Autor (1) Elayne Eva Borges Araújo; Orientador (1) Paula Faustino Sampaio Universidade Federal do Mato Grosso Campus Universitário de Rondonópolis,

Leia mais

AS CONSTRUÇÕES DE GÊNEROS E OS JOGOS INFANTIS

AS CONSTRUÇÕES DE GÊNEROS E OS JOGOS INFANTIS 894 AS CONSTRUÇÕES DE GÊNEROS E OS JOGOS INFANTIS Carla Ramalho Lapeade PPGE UFRJ José Jairo Vieira Lapeade PPGE - UFRJ Eixo Temático: Culturas de inclusão/exclusão em educação Categoria: Pôster e-mail:

Leia mais

A construção de gênero e sexualidade no currículo: uma investigação sob o enfoque pósestruturalista

A construção de gênero e sexualidade no currículo: uma investigação sob o enfoque pósestruturalista Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 A construção de gênero e sexualidade no currículo: uma investigação sob o enfoque pósestruturalista 1 Vilma Nonato

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA Curso de Graduação em Psicologia Versão Curricular 2009/1 Disciplina: Tópicos Especiais em Psicanálise:

Leia mais

MODA PEDAGÓGICA: ESTUDO SOBRE DESENVOLVIMENTO E A APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS POR INTERMÉDIO DAS ROUPAS

MODA PEDAGÓGICA: ESTUDO SOBRE DESENVOLVIMENTO E A APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS POR INTERMÉDIO DAS ROUPAS MODA PEDAGÓGICA: ESTUDO SOBRE DESENVOLVIMENTO E A APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS POR INTERMÉDIO DAS ROUPAS PEDAGOGIC FASHION: A ESTUDY OF DEVELOPMENT AND LEARNING OF CHILDRENS BY HELP FROM CLOTHES Autor: Michele

Leia mais

NUREGS NÚCLEO DE RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS, DE GÊNERO E SEXUALIDADE

NUREGS NÚCLEO DE RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS, DE GÊNERO E SEXUALIDADE 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO LICENCIATURA EM HISTÓRIA

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO LICENCIATURA EM HISTÓRIA UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO LICENCIATURA EM HISTÓRIA ATUAÇÃO DA MULHER NA IGREJA EVANGÉLICA CRISTO VIVE: FEMINISMO E RELIGIOSIDADE Giovanna França Andrade São Paulo SP 2017 Giovanna França Andrade ATUAÇÃO

Leia mais

ESTUDOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E NO ESPORTE: ALGUNS CONTRAPONTOS¹

ESTUDOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E NO ESPORTE: ALGUNS CONTRAPONTOS¹ ESTUDOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E NO ESPORTE: ALGUNS CONTRAPONTOS¹ Kayro Hairy Arrais Silva Mestrando em Educação para a Saúde/IPC-POR Kayrohairy_ef@hotmail.com Orientador: Antonio Sousa Alves

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina CIS211 Sociologia Contemporânea II

Programa Analítico de Disciplina CIS211 Sociologia Contemporânea II 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Ciências Sociais - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

Sexualidade e gênero: ensaios educacionais contemporâneos

Sexualidade e gênero: ensaios educacionais contemporâneos Instrumento Sexualidade e gênero: ensaios educacionais contemporâneos Maria Rita de Assis César * Resumo Este texto analisa alguns dos caminhos que os discursos e as práticas sobre a sexualidade e o gênero

Leia mais

História da sexualidade: a sexualidade como construção social

História da sexualidade: a sexualidade como construção social Daniel Arruda Ilana Mountian Leonel Cardoso Leonardo Tolentino Paulo Nogueira Projeto Educação sem Homofobia 2010 Encontro 5 Sexo é visto como algo natural. Ser homem e mulher é uma experiência que se

Leia mais

Trajetórias e experiências no Ensino Médio: a extensão universitária criando possibilidades 1

Trajetórias e experiências no Ensino Médio: a extensão universitária criando possibilidades 1 Trajetórias e experiências no Ensino Médio: a extensão universitária criando possibilidades 1 Natan Schmitz Kremer - natan_kremer@hotmail.com 2 Tânia Welter - taniawelter@yahoo.com.br 3 Miriam Pillar Grossi

Leia mais

Diálogos sobre pessoas dissidentes da heterossexualidade e sexualidades

Diálogos sobre pessoas dissidentes da heterossexualidade e sexualidades Diálogos sobre pessoas dissidentes da heterossexualidade e sexualidades Anna Paula Oliveira Silva 1 Resumo: O presente trabalho pretende descrever algumas dificuldades enfrentadas pelas pessoas dissidentes

Leia mais

GEPLIS GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM LINGUAGEM E IDENTIDADES SOCIAIS

GEPLIS GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM LINGUAGEM E IDENTIDADES SOCIAIS 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Resenha. Camila Goulart de Campos 1

Resenha. Camila Goulart de Campos 1 Resenha Camila Goulart de Campos 1 MIGUEL, Luis Felipe; BIROLI, Flávia (Orgs). Teoria política e feminismo: abordagens brasileiras. Vinhedo: Horizonte, 2012. O livro Teoria política e feminismo: abordagens

Leia mais

O ESPAÇO SOCIAL E A IDENTIDADE SEXUAL NA PÓS-MODERNIDADE

O ESPAÇO SOCIAL E A IDENTIDADE SEXUAL NA PÓS-MODERNIDADE O ESPAÇO SOCIAL E A IDENTIDADE SEXUAL NA PÓS-MODERNIDADE Naiane França da Silva 1 RESUMO Este trabalho tentar mostrar como as transformações sociais interferem na construção de novas identidades de gênero

Leia mais

Nadya Araujo Guimarães FSL Introdução à Sociologia USP, 02/2014

Nadya Araujo Guimarães FSL Introdução à Sociologia USP, 02/2014 Nadya Araujo Guimarães FSL 0114 - Introdução à Sociologia USP, 02/2014 Foco do debate de hoje 1. Hoje a noção de corporeidade será trazida para o centro do debate 2. Ponto de partida para tal? Corpo é

Leia mais

GÊNERO E SINDICALISMO DOCENTE: UMA ANÁLISE A PARTIR DA PRODUÇÃO PUBLICADA NA CAPES

GÊNERO E SINDICALISMO DOCENTE: UMA ANÁLISE A PARTIR DA PRODUÇÃO PUBLICADA NA CAPES GÊNERO E SINDICALISMO DOCENTE: UMA ANÁLISE A PARTIR DA PRODUÇÃO PUBLICADA NA CAPES KLUMB, Márcia Cristiane Völz UFPel 1- Caracterização do estudo Neste trabalho pretendo apresentar a investigação que faz

Leia mais

Família e escola: saberes docentes sobre gênero e sexualidade na educação básica

Família e escola: saberes docentes sobre gênero e sexualidade na educação básica Família e escola: saberes docentes sobre gênero e sexualidade na educação básica Fabiane Freire França 1 Resumo: O objetivo deste artigo consiste em evidenciar as representações sociais de educadoras da

Leia mais

Guia de Boas Práticas Uma Linguagem Promotora da Igualdade Entre Homens e Mulheres na Administração Local

Guia de Boas Práticas Uma Linguagem Promotora da Igualdade Entre Homens e Mulheres na Administração Local Guia de Boas Práticas Uma Linguagem Promotora da Igualdade Entre Homens e Mulheres na Administração Local Preâmbulo Num município como o de Ourém onde a Excelência Social é uma marca que se pretende atingir

Leia mais

Os conceitos de raça e racismo

Os conceitos de raça e racismo Raça, desigualdade e política no Brasil contemporâneo Márcia Lima 14/08/2017 Os conceitos de raça e racismo A redenção de Cã. Modesto Brocos, 1895. Roteiro O conceito de raça O conceito de racismo (# discriminação

Leia mais