Considerações sobre a relação entre método e metamorfose

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Considerações sobre a relação entre método e metamorfose"

Transcrição

1 Considerações sobre a relação entre método e metamorfose Luiz Moreno GUIMARÃES Introdução A Teoria dos Campos não é uma teoria, a Teoria dos Campos também não é um campo, muito menos uma teoria psicanalítica (uma metapsicologia) sobre os campos; de tal forma que podemos nos perguntar: por que a Teoria dos Campos tem esse nome? Uma pista inicial surge se inver-termos em uma operação quiasmática os termos que compõem esse nome, ao lembrar que um das principais frentes de trabalho da Teoria dos Campos é justamente romper o campo da teoria. Um bom exemplo desse quiasma é perceber que, para aquele contaminado pela Teoria dos Campos, estudar a teoria do narcisismo ou a teoria do fetichismo é tão importante quanto analisar o narcisismo da teoria ou o fetichização do conceito. Nesse sentido, o ato de nomeação da Teoria dos Campos é similar ao que nomeou o oceano pacífico (justamente o oceano mais turbulento da Terra) ou nomeou a banana nanica (uma das maiores) ou seja, é um ato de batismo que evoca o outro pelo que ele não é, pelo seu extremo oposto. Se a Teoria dos Campos não é uma teoria sobre os campos, o que ela é então? Ela é uma tentativa de depuração do método da psicanálise. Reparem como se repetem na obra de... sempre com maestria os seguintes termos: depuração, solvência, dissolução. Todos esses termos estão relacionados semanticamente, todos trazem uma conotação química (eles provém da química) e todos apontam para uma simplificação. Trata-se da introdução de um menos e não da introdução de um mais. Antiteticamente, dissolver ou depurar é uma operação complexa que tem como produto algo simples. De maneira chistosa, usando os termos de Leonardo da Vinci, podemos dizer que depurar é uma operação per via di levare que é oposta ao per via de porre, por ser em sua essência um per via de ritirare. Esse retirar, esse simplificar, insisto, não tem nada de simplista, é na verdade uma operação complexa que foi pouco examinada, salvo engano. Então, quando... define a Teoria dos Campos como uma depuração do método da psicanálise, ele nos remete não à introdução de um elemento novo (um conceito novo, uma teoria nova), mas justamente ao contrário: ao retirar, ao introduzir um menos. O que paradoxalmente ocorre é que é justamente a introdução de um menos que nos conduz a algo novo. O 1

2 trabalho que segue é uma tentativa de deixar esse processo de depuração um pouco mais claro. * Primeira proposição: todo ato de subtração opera uma ressignificação. Há uma extraordinária passagem escrita por Marcel Proust, em A busca do tempo perdido, em que Marcel (o personagem central), utilizando o telefone pela primeira vez, ele vai falar com sua avó do outro lado da linha. A gente tende a esquecer, ou nunca se deu conta, que ao falar no telefone ocorre um processo metonímico em que a voz passa a representar o corpo todo - como se pudesse existir uma voz sem corpo. O que acontece com Marcel é que essa voz, apartada do corpo, o surpreende. A voz que ele ouve é de uma medrosa e velha mulher, e não de uma avó gentil e carinhosa como ele lembrava. E o que ocorre é que essa percepção da voz, apartada do corpo, colore toda representação que ele tinha da avó. Quando mais tarde ele a visita pessoalmente, Marcel a percebe de uma outra maneira, como uma estranha. Uma velha meio louca, vulgar, não mais a charmosa e cuidadosa avó de antes. Que experiência é essa que vive Marcel? Um elemento é isolado do todo, sobre esse elemento incide uma estranheza, e, ao voltar para o todo, ele traz a estranheza de tal modo que o todo já não pode ser mais o mesmo. O que ocorre é uma sorte de ressignificação metonímica, isto é, deixar a parte colorir o todo. É nesse sentido que... nos diz, na Interpretação dos Sonhos: não analisemos em massa mas em detalhe. Isto é, de nada adianta pedir uma associação acerca do sonho como um todo. De nada adianta perguntar ao paciente: esse sonho que você teve o remete ao que? Geralmente, tal pergunta é respondida com um branco: nada, não me remete a nada. Ou seja, o todo puro branco não colore. No entanto,... nos propõe que peguemos uma parte do sonho (que pode ser uma cor, um objeto, um nariz) e pedir ao paciente associações a partir daquela parte. Essas associações, que provém da parte, colorem o todo do sonho e o permite ser analisado. A depuração também é um ato de subtração que opera uma ressignificação metonímica. * Os tourinhos de Picasso 2

3 Conversemos um pouco sobre essa obra de Pablo Picasso batizada de As metamorfoses de um touro 1. Como vocês vêem, ou irão ver, trata-se de uma obra dividida em duas pranchas; cada prancha se divide, por sua vez, em seis partes; somando um total de doze pequenos quadros. E em cada quadrinho encontramos uma representação distinta de um mesmo touro. No entanto, não são representações esparsas, ou desconectadas entre si. Tudo se passa como se os tourinhos de Picasso sofressem de algum mal (ou algum bem) que vai se agudizando cronificando até chegar a sua forma mínima. Assim no começo vemos um touro soberbo, balançando seu rabo, cheio; na medida em que avança o trabalho do pintor, as representações vão cada vez mais se distanciando dessa inicial, indo em direção àquilo que podemos chamar de touro-linha: um touro pura linha, uma sorte de traços mínimos que compõem a representação de um touro. Cito um jornalista que acompanhou de perto a produção dessa obra: Um dia, ele [Picasso] começa o famoso touro. Um touro soberbo. Bem roliço. Pensei que estava pronto. Não estava. Veio um segundo estágio, um terceiro. Sempre bojudo. Picasso continua trabalhando. O touro já não é o mesmo. Vai diminuindo, diminuindo de peso. Picasso estava tirando em vez de pôr. Ao mesmo tempo ele ia decompondo o touro. Ele via que estávamos um pouco perplexos. Dizia uma brincadeira e continuava trabalhando. Outro touro apareceu. E cada vez sobrava menos touro. Picasso me olhava e ria, e uma vez disse:

4 Vamos dar isso ao açougueiro. A dona de casa poderia dizer, quero este pedaço. 2 Na última prova só restavam algumas linhas. Eu olhava o artista trabalhar. Ele suprimia, suprimia. Pensei no primeiro touro, e disse comigo: é curioso; ele terminou por onde normalmente devia começar. Mas Picasso procurava o seu touro. E para chegar ao touro de um único traço passou por todos aqueles outros touros. E quando se vê esse traço único não se pode imaginar o trabalho que o artista teve. 3 Há uma subversão no modo de conceber a produção artística figurativizada nesses tourinhos de Picasso. Se correntemente pensamos numa obra qualquer que ela seja (de arte, uma obra literária, uma construção de uma casa) e imaginamos que a produção dessa obra possui o percurso que vai do rascunho ao trabalho final, como geralmente nós mesmos construímos nossas obras, Picasso, em sua série, subverte essa lógica. Já não se trata de ir do esboço à sua versão final, mas ao contrario, partindo do touro-soberbo vamos em direção ao touro-linha (..., 1995): partindo de sua suposta representação total e final caminhamos em direção à sua representação mínima e inicial, sem nunca deixar de ser touro. Se aplicássemos tal procedimento a uma casa, nada mais restaria a não ser seus andaimes Em termos da semiótica francesa, (e eu me utilizo aqui de uma excelente análise do semioticista brasileiro...) podemos dizer que o ponto de partida é um touro concreto e complexo que vai em direção a um touro abstrato e simples. Retomo: do concreto e complexo, ao abstrato e simples. Ou seja, trata-se de uma dupla torção, tal como ocorre na fórmula canônica do mito de... Do touro, à sua tauridade, Picasso opera uma res-taur-ação 4. Mas o que mais se passa com os tourinhos de Picasso? Talvez uma doença degenerativa cubista seria o diagnóstico psiquiátrico-artistico. Um nutricionista semioticista poderia dizer que o touro se encontra em uma intensa dieta de complexidade. Ou talvez, apenas sofra de Picasso. Como nós sofremos de Freud, por sermos personagens da grande obra freudiana. Imagine esse touro no sertão rosiano, ou em um conto de Borges, ou ainda em uma travessia pelo Hades, em uma katabasis: ele vai se purificando (se de-purificando), ao longo de uma longa catarse, ao final da qual ocorre um ato de revelação... Isso para Agra-desço ao amigo Thiago E. Luzzi pelo chiste. 4

5 dizer que essa travessia do touro está longe de ser tranquila e se aproxima mais de uma experiência trágica.... faz uma interessante sugestão no Seminário III ( ), ele diz que se você quiser saber se uma obra de Picasso é uma metáfora ou uma metonímia entregue-a a uma criança (ele não diz a faixa etária, o que dá a entender que pode ser qualquer criança), se ela sorrir ou rir é uma metonímia, se não, é uma metáfora. E complementa: as melhores obras de Picasso são sempre metonímicas. Ainda não entendi muito bem essa relação que... formula nessa sugestão (entre o riso da criança e a metonímia; e o não riso e a metáfora), mas decidi fazer o experimento; e para as três crianças que dei uma cópia (como essa que entreguei a vocês) todas riram. É claramente uma metonímia. Mas uma metonímia singular onde é mais importante o que ela mostra esconder do que o que ela propriamente exibe. Percebam que o touro aqui é contingente, ele poderia ser substituído por qualquer outro objeto: uma pedra, por exemplo, que chega ao seu átomo; ou poderia ser meu amigo Thiago, que chega ao seu chiste. De tal forma que fica a questão: qual é o objeto de Picasso? O seu objeto é o próprio processo de solvência a que está submetido o touro: seu objeto é a metamorfose do touro: não o touro em si, mas o si do touro. Restauro do sido touro. Lembremos da noção de solvência, em A psique e o eu de...: Falando com rigor, o verdadeiro objeto da Física não é a pedra nem o átomo em que esta se dissolve diante do olhar teórico, mas o próprio movimento de solvência cinematrográfica que representa tal dissolução ainda se vê a sombra de pedra, já se notam as minúsculas partículas, mas o foco é a representação do movimento teórico que leva de uma às outras, e do átomo às partículas sub-atômicas etc.; analogamente, na Psicanálise, o objeto não é certa consciência racional ou o inconsciente relativo em que esta se dissolve a cada ruptura de campo, mas o mesmo momento mágico de solvência, como entre pedra e átomo, quando o pensamento põe suas entranhas à vista, sob forma de vórtice, e o movimento metodológico entra em foco. (1999, p. 40) Minhas entranhas ao vento, se as vejo, me desentranho. 5 São raros os momentos em que... faz uma analogia, até porque Uma interpretação alegórica, diferente da interpretação metafórica, põe em paralelo duas

6 histórias, das quais a segunda é o sentido correto da primeira (1999, p. 14) e é justamente essa operação que a Teoria do campos vem criticar: de que uma história é a verdade da outra, de que a fala do analista é a verdade do paciente, por exemplo. No entanto, quando se trata de tentar evidenciar a forma como trabalha o analista é comum o recurso à analogia; e isso se dá não só em..., mas também em Freud lembremos da analogia do trabalho do analista com o trabalho do arqueólogo, ou do processo de uma análise com a partida de xadrez e também em... que coloca o psicanalista como uma criança de cinco anos, de certa forma, rompendo com esse paralelo de uma ciência com outra. Enfim, eu diria que o touro caminha em direção aos seus andaimes. Mas o que é um andaime? Esse termo pouco analisado, mas que eu penso ser de suma importância se encontra no título da trilogia Andaimes do real (O método da psicanálise, A psicanálise do quotidiano, Psicanalise da crença) escritos em diferentes momentos da obra de... Em O método da Psicanálise,... define a noção de andaimes: Ergue-se um edifício de apartamentos. Os andaimes são desmontados, mas sua forma persiste, integrada na do prédio. A amarração do concreto, as linhas insubstanciais de força, os pilares de sustentação embutidos nas paredes (exceto no porão ou nas garagens) perpetuamlhe a forma. Habitado o prédio, os moradores já os desconhecem; porque suas próprias vidas tomaram as formas dos andaimes também: duramente esquinadas, incompletas, provisórias e sem raízes, formas feitas para durar o tempo certo até a desmontagem, dando lugar a outras vidas análogas que, por isso mesmo, hão de ignorá-las. A vida rotineira se ignora, enquanto os andaimes sonham, talvez. (2001, p. 148) Andaime não é propriamente a estrutura, mas é aquilo que permite a estruturação da estrutura; os andaimes estão aquém (ou além) da estrutura. Segunda proposição: analisar é promover um retorno aos andaimes. A noção de andaimes parece estar mais próxima do traço unário (formulado por...) ou a noção de esboço (que não foi formulada por ninguém, salvo engano). Esboço é uma palavra que se encontra na ultima grande tentativa de síntese de..., Esboço de psicanálise que ele iniciou a escrita em 1938, salvo engano e ficou inacabado, de tal forma que o próprio texto parece ser um esboço de um esboço. Por sinal, a obra de... pode ser mapeada começando com o Projeto para uma 6

7 psicologia científica de 1895 (uma representação soberba inicial) e vai até O esboço de psicanálise (uma representação-linha final). Anos e anos de trabalho para se chegar ao esboço. O que é um andaime senão uma sustentação provisória (sem raízes no real) que é utilizada para se erguer uma sustentação permanente, a partir da qual pode-se iludir-se de que há sustentação no real. Os andaimes são a verdade de uma construção. Se... em 1937, no texto Construções em análise, divide o trabalho do analista entre interpretar e construir, com... podemos dizer que o trabalho do analista também é construir, no entanto, essa construção em análise é sempre paradoxal, antitética: trata-se de uma construção dos andaimes: oximoro perfeito. Caminhar em direção aos seus andaimes significa caminhar em direção ao gesto radical de sua fundação. Uma análise termina quando se revela para o sujeito esses traços mínimos que compõem o seu destino. * * * 7

A Sociedade dos Espiões Invisíveis

A Sociedade dos Espiões Invisíveis A Sociedade dos Espiões Invisíveis Tem dias em que tudo o que mais quero é embarcar na minha rede mágica e viajar para bem longe! Talvez, em algum outro lugar, não me sinta tão, tão... diferente! Eu sei

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

8 Andréa M.C. Guerra

8 Andréa M.C. Guerra Introdução A loucura sempre suscitou curiosidade, temor, atração. Desde a época em que os loucos eram confinados em embarcações errantes, conforme retratado na famosa tela Nau dos loucos, de Hieronymus

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ

A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ JOÃO MARIA CLAUDINO UFRN O mundo se faz de imagens. Imagens de representação, imagens além da representação, além da referência e além da estética.

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito Autor: Felipe Nunes de Lima Bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrante do Núcleo de Pesquisa: Psicanálise, Discurso e Laço

Leia mais

Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e

Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e A U A UL LA Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e Alberta. O almoço acabou e todos conversam em torno da mesa. - Eu soube que você está interessado em ótica - diz Gaspar a Ernesto.

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1

Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1 Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1 Maria Auxiliadora Bragança de Oliveira Este trabalho começa com uma modificação em seu título. Em lugar de perguntar Quais as condições necessárias

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Podes dissolver o sal que quiseres num copo de água?

Podes dissolver o sal que quiseres num copo de água? 8 Podes dissolver o sal que quiseres num copo de água? E8-1 o que necessitas sal de cozinha areia ou pedaços de calcário ou cacos pequenos de louças, de tijolos, etc. água da torneira dois copos iguais

Leia mais

DE 06/01/82, DO FOUCAULT. Edição utilizada: L heméneutique du sujet. Cours au Collège de France. 1981-1982. Paris:

DE 06/01/82, DO FOUCAULT. Edição utilizada: L heméneutique du sujet. Cours au Collège de France. 1981-1982. Paris: 1 RESUMO DA DA 1ª. E 2ª. H. HORAS DA AULA DE DE 06/01/82, DO DO CURSO A HERMENÊUTICA DO SUJEITO, DE MICHEL FOUCAULT Resumo feito por: Fábio Belo Edição utilizada: L heméneutique du sujet. Cours au Collège

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Matemática e Psicanálise

Matemática e Psicanálise Matemática e Psicanálise Antonio Carlos Borges Campos Desde que comecei minhas leituras sobre Lacan, passei a conviver com um verdadeiro sentimento de estranheza, no sentido do Unheimlich. A topologia

Leia mais

PINTAR, PARIR, PARAR JEANINE TOLEDO

PINTAR, PARIR, PARAR JEANINE TOLEDO "SE EU PUDESSE EXPLICAR MINHAS TELAS, ISSO SERIA CERTAMENTE UMA COISA INTELECTUAL. SE NÃO SE FOR ALÉM, É ALGO FRIO E MORTO; COISA DE TEÓRICO." (Miró) JEANINE TOLEDO É difícil determinar o processo de criação

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. Prefácio Só as crianças têm segredos, Dos quais mais tarde já nem lembram! A dor talvez é um deles.

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Coluna África em Conto: "Mamedjane, um conto moçambicano"

Coluna África em Conto: Mamedjane, um conto moçambicano Coluna África em Conto: "Mamedjane, um conto moçambicano" por Por Dentro da África - domingo, fevereiro 22, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/coluna-africa-em-conto-mamedjane-um-conto-mocambicano-2

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 No dia em que Iracema e Lipe voltaram para visitar a Gê, estava o maior rebuliço no hospital. As duas crianças ficaram logo

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

Entrevista com Pierre Fédida

Entrevista com Pierre Fédida Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., IV, 1, 168-174 Entrevista com Pierre Fédida (Concedida a Paulo Roberto Ceccarelli em Paris, no dia 27 de julho de 2000) 168 Há algum tempo o Sr. tem utilizado a expressão

Leia mais

A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR

A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR Quero sublimar a relação entre o verbo e a imagem para iniciar uma reflexão mais particularizada. De início, é preciso constatar que não se pode separar essa parceria que

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

"A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste"

A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste "A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste" John Ruskin "O Instituto WCF-Brasil trabalha para promover e defender os direitos das crianças e

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

endereço: data: telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Disciplina: Prova: português

endereço: data: telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Disciplina: Prova: português Nome: N.º: endereço: data: telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Colégio Disciplina: Prova: português desafio nota: Texto para as questões de 1 a 3. Material: 1 xícara quase cheia de farinha

Leia mais

Capítulo 1 Do sonho à realização

Capítulo 1 Do sonho à realização 1 Capítulo 1 Do sonho à realização Com a idéia da casa registrada no papel ou na cabeça, o brasileiro parte para a concretização dos seus sonhos. Nessa hora, surge o conflito entre os sonhos e as etapas

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

2.1. Freud e os pilares do gozo

2.1. Freud e os pilares do gozo 2.1. Freud e os pilares do gozo O prazer de chupar o dedo, o gozo da sucção, é um bom exemplo de tal satisfação auto-erótica partida de uma zona erógena. (Freud, 1910[1909]/1996) Na frase escolhida para

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 5

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 5 O aparelho psíquico: memória, satisfação e desejo Lilany Vieira Pacheco Como anunciado na Agenda, esta é a vigésima quarta edição das Lições Introdutórias, agora com nova dupla de coordenadores. O nome

Leia mais

Encontre o poder escondido na sua verdade! Encontre a sua Sombra e transforme-a no caminho para os seus sonhos.

Encontre o poder escondido na sua verdade! Encontre a sua Sombra e transforme-a no caminho para os seus sonhos. Encontre o poder escondido na sua verdade! Encontre a sua Sombra e transforme-a no caminho para os seus sonhos. Imagine que existe uma parte em cada ser humano esperando ser descoberta e que tem o poder

Leia mais

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador O sujeito e o sexual: no contado já está o contador Nilda Martins Sirelli Psicanalista, doutoranda em Memória Social pela UNIRIO, professora do curso de graduação em Psicologia da Universidade Estácio

Leia mais

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Antes de tudo como sugestão aos donos de construtoras, incorporadoras, imobiliárias e escritórios de arquitetura

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

FÍSICA III AULA 01: CARGA ELÉTRICA - LEI DE COULOMB TÓPICO 03: FORÇA ELÉTRICA: A LEI DE COULOMB Você já viu no tópico anterior que corpos carregados atraem-se ou repelem-se dependendo do sinal de suas

Leia mais

MUDANÇA DE IMAGEM. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

MUDANÇA DE IMAGEM. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br MUDANÇA DE IMAGEM Os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Isto porque eu não tinha a quem relatar o que me havia acontecido. Eu estava com medo de sair do meu corpo novamente, mas também não

Leia mais

Bernardo Carvalho, madeira de lei

Bernardo Carvalho, madeira de lei Bernardo Carvalho, madeira de lei por Moisés Neto O escritor Bernardo Carvalho nasceu no Rio de Janeiro, vive em São Paulo, mas para ele é fundamental o sentimento de não pertencer a um lugar, um certo

Leia mais

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR TURMA 801 Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR Nós habitamos um mundo tridimensional. Ou seja, vemos o mundo em três dimensões: a altura, a largura e a profundidade. É por conta da profundidade que dizemos a árvore

Leia mais

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar?

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Aline Cerdoura Garjaka Encontrei, no seminário de 1976-77, Como viver junto, de Roland Barthes, a seguinte passagem (cito): Portanto, eu dizia É com essas palavras

Leia mais

Cinema, imagem e psicanálise

Cinema, imagem e psicanálise Cinema, imagem e psicanálise Coleção PASSO-A-PASSO CIÊNCIAS SOCIAIS PASSO-A-PASSO Direção: Celso Castro FILOSOFIA PASSO-A-PASSO Direção: Denis L. Rosenfield PSICANÁLISE PASSO-A-PASSO Direção: Marco Antonio

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Carlos Henrique Kessler Foi com muita satisfação que recebi o convite para colaborar com este Informativo, abordando o tema Clínica-escola de psicologia: ética

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

AS PRÁTICAS NARRATIVAS DE MICHAEL WHITE

AS PRÁTICAS NARRATIVAS DE MICHAEL WHITE AS PRÁTICAS NARRATIVAS DE MICHAEL WHITE (ELDA ELBACHÁ) Foi realmente uma oportunidade estar presente no Workshop de Michael White nos dias 17,18 e 19 de março de 2005, no auditório do Hotel Blue Tree Towers

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Em nome da comissão que organizou este evento agradeço a todos aqueles que convidamos para compor as diversas mesas e a todos vocês que acompanharam

Leia mais

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade.

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. HETERONÍMIA 7. REALIDADE Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. Horóscopo de Alberto Caeiro, feito por Fernando Pessoa. «Uma sombra é real, mas é menos real que uma pedra» Uma das

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Atividade - Sequência Conrado Adolpho

Atividade - Sequência Conrado Adolpho Atividade - Sequência Conrado Adolpho Agora, eu quero lhe apresentar os 6 e-mails do conrado adolpho para vender o 8ps. Quero que você leia está sequência com muita atenção e, depois, responda às provocações

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Aula 4 Lugares de argumentação

Aula 4 Lugares de argumentação Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Design Disciplina Seminário de desenvolvimento de tese Aula 4 Lugares de argumentação Profa. Dra. Jackeline Lima Farbiarz

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

Triângulo Tático de. Resultados. Análise. Simples Método Gera Tráfego e Vendas por Baixo Custo (e aumenta até 2X as vendas em 8 semanas)

Triângulo Tático de. Resultados. Análise. Simples Método Gera Tráfego e Vendas por Baixo Custo (e aumenta até 2X as vendas em 8 semanas) Triângulo Tático de Resultados Análise Simples Método Gera Tráfego e Vendas por Baixo Custo (e aumenta até 2X as vendas em 8 semanas) Análise A Base de Tudo Análise Tráfego Motor Análise Conversão Combustível

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Psicologia: Teoria e Prática 2007, 9(2):149-154 Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Iraní Tomiatto de Oliveira Universidade Presbiteriana Mackenzie Nessa

Leia mais

Beatriz Santomauro (bsantomauro@fvc.org.br) === PARTE 1 ==== Clique para ampliar

Beatriz Santomauro (bsantomauro@fvc.org.br) === PARTE 1 ==== Clique para ampliar Um novo jeito de ensinar a tabuada Discutir com os alunos sobre a relação dos produtos da multiplicação e as propriedades envolvidas nos cálculos ajuda a memorizar os resultados e a encontrar os que eles

Leia mais

ENTRETANTOS, BOLETIM ONLINE

ENTRETANTOS, BOLETIM ONLINE Entretantos, 2014 Grupo: BOLETIM ONLINE Integrantes: Cristina Barczinski, Elaine Armênio, Maria Carolina Accioly, Mario Pablo Fuks, Nayra Ganhito e Sílvia Nogueira de Carvalho. Interlocutora: Sílvia Nogueira

Leia mais

LIÇÃO 6 Bondade & Benignidade: Retribuindo a bondade de Deus

LIÇÃO 6 Bondade & Benignidade: Retribuindo a bondade de Deus Lição 3: Alegria LIÇÃO 6 Bondade & Benignidade: Retribuindo a bondade de Deus RESUMO BÍBLICO Provérbios 11:17; Gálatas 5:22; Gálatas 6:10; Salmos 116:12 O ser humano reflete a benignidade e a bondade de

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

CONFLITO DE SER MÃE EMPREENDEDORA

CONFLITO DE SER MÃE EMPREENDEDORA 1 CONFLITO DE SER MÃE EMPREENDEDORA Quando nos tornamos mãe, sem dúvida nenhuma é a melhor coisa desse mundo. Nossos filhos nascem, curtimos muito eles, nos dedicamos exclusivamente e chega uma hora que

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para QUAL NEGÓCIO DEVO COMEÇAR? No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para então definir seus objetivos e sonhos.

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2. EPISÓDIO TRABALHADO Soltando Pipa. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO No episódio Soltando Pipa, Balinha e Dentinho vão brincar

Leia mais

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br]

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] FONTE: CRP-RJ DEZEMBRO DE 2006 Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] Como funciona a terapia junguiana? A Análise junguiana está dentro da

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro

CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro INTRODUÇÃO A interação do homem com a natureza sempre teve um viés científico/analítico, e suas consequências, bastante visíveis nos dias atuais,

Leia mais

dobrar pelo tracejado para dentro furo ÁLBUM de aventuras furo dobrar pelo tracejado para dentro pôr cola no outro lado

dobrar pelo tracejado para dentro furo ÁLBUM de aventuras furo dobrar pelo tracejado para dentro pôr cola no outro lado Você acha que consegue plantar uma floresta inteirinha? E de transformar o seu bairro? Ah, mas criar uma ação em conjunto com o mundo inteiro, você consegue? Claro que sim! Todos têm super poderes, e o

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1]

Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1] Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1] Teresa Pinheiro [2] Este trabalho é um desdobramento da nossa participação na pesquisa clínico-teórica, Patologias narcísicas

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling.

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling. CABOCLO D AGUA. Por Andre Rohling. (47)8818-2914. andrerohling@hotmail.com www.facebook/andre.rohling 1 CENA-EXT-CAMPO-NOITE-19H10MIN. Noite de lua cheia, era bastante claro devido à luz da lua, faróis

Leia mais

Assim caminha a luz. Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem. Em linha reta...

Assim caminha a luz. Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem. Em linha reta... A UU L AL A Assim caminha a luz Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem para dar uma volta. - Olha, pai, como a Lua está grande! - diz Ernesto. - É, aparentemente isso é verdade. Mas pegue essa moeda

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL É hora de promover a segurança e a harmonia no trânsito. E os pais podem dar o exemplo. No Brasil, o índice

Leia mais

Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação

Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica Como ler mais rapidamente Usando o leitor do SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica Enquanto lê, você muitas vezes: "Ouve" cada palavra

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

Curso: Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia Ênio Padilha 2006 Módulo 1: Introdução. Marketing, esse famoso Desconhecido!

Curso: Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia Ênio Padilha 2006 Módulo 1: Introdução. Marketing, esse famoso Desconhecido! Curso: Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia Ênio Padilha 2006 Módulo 1: Introdução. Marketing, esse famoso Desconhecido! 1.1. MIX DE MARKETING Você já deve ter feito o nosso Teste de Conhecimentos

Leia mais

USE A LEI DA ATRAÇÃO PARA TER UMA VIDA FÁCIL. Facilitando a Vida. Este exercício foi desenhado para ajuda-lo a atingir seus objetivos na vida.

USE A LEI DA ATRAÇÃO PARA TER UMA VIDA FÁCIL. Facilitando a Vida. Este exercício foi desenhado para ajuda-lo a atingir seus objetivos na vida. 1 USE A LEI DA ATRAÇÃO PARA TER UMA VIDA FÁCIL Facilitando a Vida Este exercício foi desenhado para ajuda-lo a atingir seus objetivos na vida. É um exercício muito simples e uma poderosa ferramenta para

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais