Rolamentos com duas fileiras. de esferas de contato radial 262

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rolamentos com duas fileiras. de esferas de contato radial 262"

Transcrição

1 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamentos com duas fileiras de esferas de contato radial 262 Definições e aptidões 262 Séries 262 Tolerâncias e jogos 262 Elementos de cálculo 263 Sufixos 263 Características 264 Rolamento com duas fileiras de esferas de contato radial 265 Rolamentos com duas fileiras de esferas de contato oblíquo 266 Definições e aptidões 266 Séries 266 Variantes 267 Tolerâncias e jogos 267 Elementos de montagem 267 Sufixos 267 Características 268 Rolamento com duas fileiras de esferas de contato oblíquo 269 Rolamento com duas fileiras de esferas de contato oblíquo vedado e protegido 270 Rolamento com duas fileiras de esferas de contato oblíquo protegido com ranhura 272 Rolamento autocompensador de esferas 274 Definições e aptidões 274 Séries 275 Variantes 275 Tolerâncias e jogos 277 Montagem e regulagem 277 Sufixos 277 Características 278 Rolamento autocompensador de esferas com furo cilíndrico 278 Rolamento autocompensador de esferas com furo cônico e bucha de aperto 282 Rolamento autocompensador de esferas vedado 286 Rolamento autocompensador de esferas com anel interior largo 288

2 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamentos com duas fileiras de esferas de contato radial Definição e aptidões Os rolamentos com duas fileiras de esferas de contato radial são concebidos para suportar cargas radiais mais elevadas do que os rolamentos com uma fileira de esferas, bem como cargas axiais nos dois sentidos. Praticamente, esses rolamentos admitem apenas defeitos de alinhamento mínimos entre o eixo e o alojamento, da ordem de 0,06. Séries Tolerâncias e jogos Tolerâncias Fabricados normalmente na classe normal de tolerâncias. Os rolamentos com duas fileiras de esferas podem ser fornecidos, mediante solicitação, nas classes de tolerâncias 6 e 5 em todas ou certas características (por exemplo furo ou desvio axial com tolerâncias 6). 262

3 Jogo radial interno O grupo de jogo normal N é o de fabricação corrente de todos os rolamentos. Os outros grupos podem ser fornecidos mediante solicitação. Para os rolamentos com duas fileiras de esferas de contato radial com furo cônico, a SNR adotou como jogo padrão o grupo 3, a fim de levar em conta a maior redução de jogo devida à montagem sobre um suporte cônico. O jogo radial acarreta um jogo axial; uma fórmula simplificada permite obter uma ordem de grandeza do jogo axial teórico J a em função do jogo radial de funcionamento J r. J a = ( J r (D-d) / 20 ) 1/2 Elementos de cálculo Vida útil Jogo radial residual Rolamentos trabalhando sob cargas axiais elevadas O desempenho dos rolamentos que funcionam sob fortes cargas axiais pode ser melhorado aumentando o jogo radial de modo que haja um ângulo de contato em funcionamento. A carga axial F a não deve exceder um valor médio de 0,5 C 0. Esse tipo de funcionamento deve ser estudado conforme as condições de carga e as dimensões dos rolamentos. Consultar a SNR. Mancal constituído por dois rolamentos justapostos Cada par de rolamentos é calculado como um único rolamento. Sufixos A Rolamentos sem entalhe de preenchimento com uma gaiola de poliamida 6.6 reforçada com fibras de vidro 263

4 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamentos com duas fileiras de esferas de contato radial (cont) B D d d D B 264 C C 0 mm Referências mm mm 10 3 N 10 3 N rpm* rpm* A ,2 5, A ,4 5, A ,4 6, A ,8 9, A ,7 9, A ,7 13, A ,8 12, A , A ,2 14, A ,5 22, A , A ,5 30, A A A A A A A ,8 36, A A A A A A A A A A A * Trata-se de velocidades limites segundo o conceito SNR (v. pág. 85 a 87)

5 Elementos de cálculo Rolamento com duas fileiras de esferas de contato radial mín Referências mm mm mm kg 4200 A ,6 0, A ,6 0, A ,6 0, A , A ,6 0, A , A , A ,1 0, A , A ,1 0, A , A ,1 0, A ,1 0, A ,5 0, A ,1 0, A ,5 1, A ,1 0, A ,5 1, A ,1 0, A , A ,5 0, A , A ,5 1, A ,1 2, A ,5 1, A ,1 3, A ,5 1, A ,5 1, A , A ,

6 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamentos com duas fileiras de esferas de contato oblíquo Definição e aptidões Definição Os rolamentos com duas fileiras de esferas de contato oblíquo suportam cargas axiais nos dois sentidos e podem ser utilizados sozinhos como mancal duplo. Aptidões Cargas e velocidades Esses rolamentos são concebidos para: suportar cargas combinadas com componente axial predominante F a / F r 1 suportar cargas axiais nas duas direções admitir velocidades de rotação relativamente elevadas Defeitos de alinhamento A construção desses rolamentos permite-lhes somente defeitos de alinhamento mínimos da ordem de 0,06. Séries Séries 32...A, 33...A Ângulo de contato de 25. Sem entalhe de preenchimento Podem suportar cargas axiais nos dois sentidos. Esses rolamentos são equipados com gaiolas de material sintético. Eles são fornecidos pré-lubrificados com uma graxa de uso corrente (temperatura limite de funcionamento +110 C). 25 Tipo A Séries 32...B, 33...B Ângulo de contato de 32. Com entalhes de preenchimento. Podem suportar cargas axiais (mais elevadas do que o tipo A) num sentido preferencial. Gaiola de chapa de aço, de material sintético ou em latão usinado. 32 Tipo B 266

7 Variantes Rolamentos vedados ou protegidos Os rolamentos com duas fileiras de esferas de contato oblíquo existem também em variantes equipadas com defletores ou com juntas. Nesse caso, o seu símbolo passa a ser ZZ, ZZ ou EE, EE ZZ ZZ Os rolamentos das séries com juntas ou defletores podem ser equipados com um segmento de bloqueio sobre o anel exterior (símbolo 52...NRZZ, 53...NREE). As cotas de posição do segmento de bloqueio são idênticas às do rolamento de esferas de mesmo diâmetro exterior EE EE Tolerâncias e jogos Tolerâncias Fabricados na classe normal de tolerâncias. Jogo axial Para esses rolamentos, define-se um jogo axial. Esse jogo não é normalizado. Mediante solicitação, os valores são comunicados pela SNR. A relação entre o jogo radial J r de um rolamento e o jogo axial J a definido acima é obtida mediante a seguinte fórmula: Tipo A : J r = 0,4 J a Tipo B : J r = 0,5 J a Elementos de montagem Na maioria das aplicações, esse rolamento é considerado como um mancal simples. Ele pode às vezes ser utilizado, graças à distância dos pontos de aplicação das cargas, como um mancal duplo, fazendo o papel de dois rolamentos. Sufixos A Sem entalhe de preenchimento com gaiola de poliamida, ângulo de 25 B Com entalhe de preenchimento, ângulo de 32 G15 Gaiola de poliamida reforçada com fibras de vidro 267

8 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamentos com duas fileiras de esferas de contato oblíquo (cont) B B D d a D d a versão A versão B d D B a C C 0 mm Referências mm mm mm 10 3 N 10 3 N rpm* rpm* A ,1 7,8 4, A 32 15,9 16,6 10,7 5, A 35 15, ,8 7, A ,5 16,2 10, A 40 17,5 20,4 14, A 47 22, ,9 12, A 47 20,6 24,2 19,6 12, B 52 22, ,8 18, B 52 20, ,9 18, B 62 25, , B 62 23,8 40, B 72 30,2 47, B , , B 80 34,9 54,1 48, B 80 30, B 90 36, A 85 30,2 43, A ,7 50, A 90 30,2 45, A , A ,3 49, A ,2 61, B ,2 80, A ,5 55, A , A ,1 59, A ,7 73, A ,7 61, B ,5 100, A , A , * Trata-se de velocidades limites segundo o conceito SNR (v. pág. 85 a 87) 268

9 Características Rolamento com duas fileiras de esferas de contato oblíquo mín mm mm mm kg 3200 A ,6 0, A ,6 0, A ,6 0, A , A ,6 0, A , A , B , B , B , B , B , B , B ,5 0, B , B ,5 1, A , A ,5 1, A , A , A ,5 0, A , B , A ,5 1, A , A ,5 1, A , A ,5 1, B , A ,5 1, A ,

10 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamentos com duas fileiras de esferas de contato oblíquo (cont) B D d a d D B a C C 0 mm Referências mm mm mm 10 3 N 10 3 N rpm* rpm* EE 5201 ZZ 32 15,9 16,6 10,7 5, EE 5202 ZZ 35 15, ,8 7, EE ,5 16,2 10, EE 5203 ZZ 40 17,5 20,4 14, EE 5303 ZZ 47 22, ,9 12, EE 5204 ZZ 47 20,6 24,2 19,6 12, EE 5304 ZZ 52 22,2 26,4 23,3 15, EE 5205 ZZ 52 20,6 26,5 21,3 14, EE 5305 ZZ 62 25,4 30, , EE 5206 ZZ 62 23,8 31,4 29,5 21, EE 5306 ZZ 72 30,2 36,2 41,5 28, EE 5207 ZZ , , EE 5307 ZZ 80 34,9 41, , EE 5208 ZZ 80 30,2 40, , EE 5308 ZZ 90 36,5 45, EE 5209 ZZ 85 30,2 43, EE 5309 ZZ ,7 50, EE 5210 ZZ 90 30,2 45, EE 5310 ZZ , EE 5211 ZZ ,3 49, , ZZ ,2 61, EE 5212 ZZ ,5 55, ZZ , EE 5213 ZZ ,1 59, ZZ ,7 73, EE 5214 ZZ ,7 61, * Trata-se de velocidades limites segundo o conceito SNR (v. pág. 85 a 87) 270

11 Características Rolamento com duas fileiras de esferas de contato oblíquo vedado e protegido mín Referências mm mm mm kg 5201 EE 5201 ZZ ,6 0, EE 5202 ZZ ,6 0, EE , EE 5203 ZZ ,6 0, EE 5303 ZZ , EE 5204 ZZ , EE 5304 ZZ , EE 5205 ZZ , EE 5305 ZZ , EE 5206 ZZ , EE 5306 ZZ ,1 0, EE 5207 ZZ ,1 0, EE 5307 ZZ ,5 0, EE 5208 ZZ ,1 0, EE 5308 ZZ ,5 1, EE 5209 ZZ ,1 0, EE 5309 ZZ ,5 1, EE 5210 ZZ ,1 0, EE 5310 ZZ , EE 5211 ZZ ,5 0, ZZ , EE 5212 ZZ ,5 1, ZZ ,1 2, EE 5213 ZZ ,5 1, ZZ ,1 3, EE 5214 ZZ ,5 1,

12 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamentos com duas fileiras de esferas de contato oblíquo (cont) B D d a d D B a C C 0 mm Referências mm mm mm 10 3 N 10 3 N rpm* NRZZ 35 15, ,8 7, NRZZ 40 17,5 20,4 14, NRZZ 47 22, ,9 12, NRZZ 47 20,6 24,2 19,6 12, NRZZ 52 22,2 26,4 23,3 15, NRZZ 52 20,6 26,5 21,3 14, NRZZ 62 25,4 30, , NRZZ 62 23,8 31,4 29,5 21, NRZZ 72 30,2 36,2 41,5 28, NRZZ , , NRZZ 80 34,9 41, , NRZZ 80 30,2 40, , NRZZ 90 36,5 45, NRZZ 85 30,2 43, NRZZ ,7 50, NRZZ 90 30,2 45, NRZZ , NRZZ ,3 49, , NRZZ ,2 61, NRZZ ,5 55, NRZZ , NRZZ ,1 59, NRZZ ,7 73, NRZZ ,7 61, * Trata-se de velocidades limites segundo o conceito SNR (v. pág. 85 a 87) 272

13 Rolamento com duas fileiras de esferas de contato oblíquo protegido com segmento de bloqueio mín segmento Referências mm mm mm kg 5202 NRZZ ,6 R35 0, NRZZ ,6 R40 0, NRZZ R47 0, NRZZ R47 0, NRZZ R52 0, NRZZ R52 0, NRZZ R62 0, NRZZ R62 0, NRZZ ,1 R72 0, NRZZ ,1 R72 0, NRZZ ,5 R80 0, NRZZ ,1 R80 0, NRZZ ,5 R90 1, NRZZ ,1 R85 0, NRZZ ,5 R100 1, NRZZ ,1 R90 0, NRZZ R11 1, NRZZ ,5 R100 0, NRZZ R120 2, NRZZ ,5 R110 1, NRZZ ,1 R130 2, NRZZ ,5 R120 1, NRZZ ,1 R140 3, NRZZ ,5 R125 1,

14 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamento autocompensador de esferas Definição e aptidões Definição A pista esférica do anel exterior permite um deslocamento angular. A variante com furo cônico simplifica a montagem. Gaiolas Os rolamentos de dimensões correntes são equipados de uma gaiola de material sintético (temperatura limite de funcionamento: +120 C, +150 C de pico). Os rolamentos de grande dimensão são equipados com uma gaiola de chapa de aço ou de latão usinado. Aptidões Cargas e velocidades Esse tipo de rolamento admite velocidades de rotação relativamente elevadas. Ele tem boa aptidão para suportar cargas radiais. Por outro lado, devido à sua concepção, ele só pode aceitar cargas axiais muito baixas. Defeitos de alinhamento O anel exterior desse tipo de rolamento dispõe de uma pista de rolamento esférica que autoriza um deslocamento angular do anel interior. Assim, o rolamento pode suportar defeitos de alinhamento significativos, permanentes (flexão rotativa do eixo) ou não. O rolamento autocompensador de esferas autoriza grandes defeitos de alinhamento da ordem de 2 a 4, sem redução dos desempenhos. Esse ângulo deve, porém, ser limitado, de modo a permanecer dentro dos valores compatíveis com o sistema de vedação utilizado. Para as variantes vedados, o defeito de alinhamento possível é limitado a 0,5. 274

15 Séries Variantes Rolamentos com furo cônico Sufixo K Conicidade normalizada 1/12. Montagem geralmente com bucha cônica de aperto A variante com furo cônico permite, graças às características da bucha cônica de montagem, a utilização de eixos brutos de laminação. Esses rolamentos são freqüentemente montados nos mancais bipartidos. Rolamentos vedados. Sufixo EE. Séries 22...EE EE Esses rolamentos são pré-lubrificados. As suas juntas limitam a possibilidade de deslocamento angular a 1/2. As suas cargas de base são as dos rolamentos das séries 12 e 13 de mesmos diâmetros, porque eles têm a mesma definição interna. Eles têm, assim, também os mesmos fatores de carga equivalente. Rolamentos com anel interior largo. Séries 112, 113 Rolamentos, cujo anel interior ultrapassa dos dois lados do anel exterior. O anel interior dispõe de um entalhe destinado a receber um parafuso de trava. Esses rolamentos são utilizados principalmente na maquinaria agrícola. 275

16 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamento autocompensador de esferas (cont) Tolerâncias e jogos Tolerâncias Esses rolamentos são fornecidos com tolerâncias conforme a norma ISO 492, mas somente na classe normal de tolerâncias. Jogos Jogo radial interno Esse jogo é normalizado (ISO 5753). Os valores são diferentes para os rolamentos de furo cilíndrico e os rolamentos de furo cônico (sufixo K). Esses últimos têm um jogo nitidamente maior para considerar a redução do jogo resultante do aperto da manga. A ordem de grandeza do jogo residual recomendado após a montagem é igual a: J rm = 2 d 1/ Rolamento autocompensador de esferas com furo cilíndrico séries Diâmetro Grupe 2 Grupe N Grupe 3 Grupe 4 Grupe 5 de furo d (mm) mín mín mín mín mín 2,5 <d <d <d <d <d <d <d <d <d <d <d <d <d <d Valor em µm 276

17 Rolamento autocompensador de esferas com furo cônico séries 12K-13K-22K-23K Diâmetro Grupe 2 Grupe N Grupe 3 Grupe 4 Grupe 5 de furo d (mm) mín mín mín mín mín 18 <d <d <d <d <d <d <d <d <d <d Jogo axial Valor em µm Como o jogo axial J a é função do jogo radial J r, ele pode ser calculado mediante a seguinte fórmula aproximada: J a = 2,27 Y 0. J r Montagem e regulagem Esse tipo de rolamento é muito sensível a qualquer anulação de jogo e um controle do jogo residual deve ser efetuado após a montagem por rotação à mão. Essa precaução é especialmente indispensável para os rolamentos de furo cônico. Para quaisquer rolamentos autocompensadores de esferas, as esferas são ligeiramente salientes com relação às faces. Ex.: Sufixos EE Vedação dupla G14, G15 Gaiola moldada de poliamida K Furo cônico, conicidade 1/12 M Gaiola em latão usinado centrado sobre as esferas 277

18 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamento autocompensador de esferas (cont) C D d d D B e C C 0 mm Referências mm mm 10 3 N 10 3 N Fa e Fr G ,50 1,19 0,31 2,00 3,10 2, G ,30 1,58 0,31 2,00 3,10 2, G ,60 1,26 0,31 2,00 3,10 2, G ,50 1,71 0,31 2,00 3,10 2, G ,40 2,14 0,33 1,90 2,90 1, G ,50 1,75 0,31 2,00 3,10 2, G ,20 2,08 0,31 2,00 3,10 2, G ,50 2,28 0,33 1,90 2,90 1, G ,30 3,85 0,42 1,47 2,28 1, G ,90 2,03 0,31 2,00 3,10 2, G ,50 2,75 0,46 1,40 2,10 1, G ,50 3,20 0,33 1,90 2,90 1, G ,40 3,55 0,50 1,20 2,00 1, ,70 2,65 0,26 2,40 3,60 2, G ,30 3,50 0,43 1,50 2,30 1, G ,40 3,35 0,27 2,30 3,60 2, ,90 3,30 0,27 2,30 3,60 2, ,20 3,45 0,42 1,50 2,40 1, G ,90 4,45 0,42 1,50 2,40 1, G ,00 5,00 0,27 2,30 3,60 2, G ,40 6,50 0,47 1,40 2,10 1, ,40 4,70 0,24 2,60 4,00 2, ,00 4,60 0,36 1,80 2,70 1, ,90 6,30 0,24 2,60 4,00 2, ,50 8,70 0,43 1,40 2,30 1, ,60 5,10 0,22 2,90 4,50 3, ,20 6,70 0,36 1,80 2,70 1, G ,00 7,90 0,24 2,60 4,00 2, G ,50 11,10 0,46 1,40 2,10 1, ,00 6,50 0,21 2,90 4,60 3, G ,50 9,50 0,25 2,60 4,00 2, ,00 9,80 0,24 2,60 4,00 2, G ,00 13,40 0,44 1,50 2,20 1, ,50 7,40 0,21 2,90 4,60 3, ,00 8,20 0,29 2,10 3,30 2, ,50 12,90 0,24 2,60 4,00 2, G ,00 16,40 0,44 1,50 2,20 1,50 Y Fa > e Fr Yo 278

19 Características Rolamento autocompensador de esferas com furo cilíndrico 12../ /23.. mín Referências rpm* rpm* mm mm mm kg 1200 G ,0 26,0 0,6 0, G ,0 27,0 0,6 0, G ,0 28,0 0,6 0, G ,0 28,0 0,6 0, G ,0 31,0 1,0 0, G ,0 31,0 0,6 0, G ,0 31,0 0,6 0, G ,0 36,0 1,0 0, G ,0 36,0 1,0 0, G ,0 36,0 0,6 0, G ,0 36,0 0,6 0, G ,0 41,0 1,1 0, G ,0 41,0 1,1 0, ,0 42,0 1,0 0, G ,0 42,0 1,0 0, G ,5 47,0 1,1 0, ,0 47,0 1,0 0, ,0 46,0 1,0 0, G ,0 47,0 1,0 0, G ,5 55,0 1,1 0, G ,5 55,0 1,1 0, ,0 57,0 1,0 0, ,0 56,0 1,0 0, ,5 65,0 1,1 0, ,5 65,0 1,1 0, ,5 65,0 1,1 0, ,5 65,0 1,1 0, G ,0 72,0 1,5 0, G ,0 71,0 1,5 0, ,5 73,0 1,1 0, G ,5 73,0 1,1 0, ,0 82,0 1,5 0, G ,0 81,0 1,5 0, ,5 78,0 1,1 0, ,5 78,0 1,1 0, ,0 92,0 1,5 0, G ,0 91,0 1,5 1,229 * Trata-se de velocidades limites segundo o conceito SNR (v. pág. 85 a 87) 279

20 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamento autocompensador de esferas (cont) C D d d D B e C C 0 mm Referências mm mm 10 3 N 10 3 N Fa e Fr ,50 8,10 0,19 3,30 5,10 3, ,00 8,50 0,27 2,30 3,60 2, G ,50 14,30 0,24 2,60 4,10 2, G ,00 20,10 0,44 1,50 2,20 1, ,50 10,00 0,19 3,40 5,20 3, ,50 9,90 0,27 2,30 3,60 2, G ,00 18,00 0,23 2,80 4,30 2, G ,00 23,80 0,44 1,50 2,20 1, G ,00 11,60 0,18 3,60 5,50 3, ,00 12,50 0,27 2,30 3,60 2, ,00 20,70 0,23 2,80 4,30 2, G ,00 28,00 0,40 1,60 2,50 1, ,00 12,40 0,18 3,60 5,50 3, ,50 16,40 0,27 2,30 3,60 2, G ,00 32,50 0,40 1,60 2,50 1, ,00 17,00 0,27 2,30 3,60 2, ,00 37,50 0,40 1,60 2,50 1, ,00 15,50 0,18 3,60 5,50 3, ,50 17,90 0,25 2,50 3,80 2, ,00 30,00 0,23 2,80 4,30 2, ,00 42,50 0,40 1,60 2,50 1, ,00 16,90 0,18 3,60 5,50 3, ,00 20,00 0,25 2,50 3,80 2, ,00 20,40 0,18 3,60 5,50 3, ,00 38,00 0,23 2,80 4,30 2, ,00 23,50 0,18 3,60 5,50 3, ,00 28,50 0,27 2,40 3,70 2, ,00 58,00 0,37 1,70 2,60 1, ,00 27,00 0,18 3,60 5,50 3, ,00 29,50 0,18 3,60 5,50 3, ,00 40,50 0,26 2,40 3,60 2, ,00 58,00 0,23 2,80 4,30 2, ,00 38,50 0,18 3,60 5,50 3,60 Y Fa > e Fr Yo 280

21 Rolamento autocompensador de esferas com furo cilíndrico (cont) 12../ /23.. mín Referências rpm* rpm* mm mm mm kg ,5 83,0 1,1 0, ,5 83,0 1,1 0, G ,0 99,0 2,0 1, G ,0 99,0 2,0 1, ,0 92,0 1,5 0, ,0 91,0 1,5 0, G ,0 109,0 2,0 1, G ,0 109,0 2,0 2, G ,0 102,0 1,5 0, ,0 101,0 1,5 1, ,0 117,0 2,1 1, G ,0 117,0 2,1 2, ,0 111,0 1,5 1, ,0 111,0 1,5 1, G ,0 123,0 2,1 3, ,0 116,0 1,5 1, ,0 137,0 2,1 4, ,0 121,0 1,5 1, ,0 121,0 1,5 1, ,0 147,0 2,1 3, ,0 147,0 2,1 4, ,0 129,0 2,0 1, ,0 129,0 2,0 2, ,0 139,0 2,0 2, ,0 166,0 3,0 5, ,0 149,0 2,0 2, ,0 151,0 2,0 3, ,0 177,0 3,0 7, ,0 157,0 2,1 3, ,0 167,0 2,1 3, ,0 169,0 2,1 4, ,0 201,0 3,0 8, ,0 187,0 2,1 5,320 * Trata-se de velocidades limites segundo o conceito SNR (v. pág. 85 a 87) 281

22 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamento autocompensador de esferas (cont) B D d1 c min max d1 Bucha d D B C1 mm Referências Referências mm mm mm mm 10 3 N 10 3 N rpm* rpm* 282 C C K H ,90 3, K H ,20 3, KG15 H ,00 5, KG15 H ,40 6, K H ,40 4, K H ,00 4, K H ,30 6, K H ,50 8, K H ,60 5, K H ,20 6, KG15 H ,00 7, KG15 H ,50 11, K H ,00 6, KG15 H ,50 9, K H ,00 9, K H ,00 13, K H ,50 7, K H ,00 8, K H ,50 12, K H ,00 16, K H ,50 8, K H ,00 8, KG15 H ,50 14, K H ,00 20, K H ,50 10, K H ,50 9, KG15 H ,00 18, K H ,00 23, KG15 H ,00 11, K H ,00 12, K H ,00 20, K H ,00 28, K H ,00 12, K H ,50 16, K H ,00 32, * Trata-se de velocidades limites segundo o conceito SNR (v. pág. 85 a 87)

23 Rolamento autocompensador de esferas com furo cônico com bucha de aperto Bucha e Fa e Fr Y Fa > e Fr Yo mín c Referências Referências mm mm mm mm mm kg 1205 K H205 0,27 2,3 3,6 2, ,0 0, K H305 0,42 1,5 2,4 1, ,0 0, KG15 H305 0,27 2,3 3,6 2, ,1 0, KG15 H2305 0,48 1,3 2,0 1, ,1 0, K H206 0,24 2,6 4,0 2, ,0 0, K H306 0,38 1,7 2,6 1, ,0 0, K H306 0,26 2,4 3,8 2, ,5 0, K H2306 0,43 1,4 2,3 1, ,1 0, K H207 0,22 2,9 4,5 3, ,1 0, K H307 0,36 1,8 2,7 1, ,1 0, KG15 H307 0,24 2,6 4,0 2, ,5 0, KG15 H2307 0,46 1,4 2,1 1, ,5 0, K H208 0,21 2,9 4,6 3, ,1 0, KG15 H308 0,25 2,6 4,0 2, ,1 0, K H308 0,24 2,6 4,0 2, ,5 0, K H2308 0,44 1,5 2,2 1, ,5 0, K H209 0,21 2,9 4,6 3, ,1 0, K H309 0,29 2,1 3,3 2, ,1 0, K H309 0,24 2,6 4,0 2, ,5 0, K H2309 0,44 1,5 2,2 1, ,5 1, K H210 0,19 3,3 5,1 3, ,1 0, K H310 0,27 2,3 3,6 2, ,1 0, KG15 H310 0,24 2,6 4,1 2, ,0 1, K H2310 0,44 1,5 2,2 1, ,0 1, K H211 0,19 3,4 5,2 3, ,5 0, K H311 0,27 2,3 3,6 2, ,5 0, KG15 H311 0,23 2,8 4,3 2, ,0 1, K H2311 0,44 1,5 2,2 1, ,0 2, KG15 H212 0,18 3,6 5,5 3, ,5 0, K H312 0,27 2,3 3,6 2, ,5 1, K H312 0,23 2,8 4,3 2, ,1 1, K H2312 0,4 1,6 2,5 1, ,1 2, K H213 0,18 3,6 5,5 3, ,5 1, K H313 0,27 2,3 3,6 2, ,5 1, K H2313 0,4 1,6 2,5 1, ,1 3,

24 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamento autocompensador de esferas (cont) B D d1 c min max d1 Bucha d D B C1 C C 0 mm Referências Referências mm mm mm mm 10 3 N 10 3 N rpm* rpm* K H ,00 15, K H ,50 17, K H ,00 30, K H ,00 42, K H ,00 16, K H ,00 20, K H ,00 20, K H ,00 37, K H ,00 23, K H ,00 28, K H ,00 58, K H ,00 27, K H ,00 29, K H ,00 40, K H ,5 143,00 58, K H ,00 38, * Trata-se de velocidades limites segundo o conceito SNR (v. pág. 85 a 87) 284

25 Rolamento autocompensador de esferas com furo cônico com bucha de aperto (cont) Bucha e Fa e Fr Y Fa > e Fr Yo mín c Referências Referências mm mm mm mm mm kg 1215K H215 0,18 3,6 5,5 3, ,5 1, K H315 0,25 2,5 3,8 2, ,5 1, K H315 0,23 2,8 4,3 2, ,1 3, K H2315 0,4 1,6 2,5 1, ,1 4, K H216 0,18 3,6 5,5 3, ,0 1, K H316 0,25 2,5 3,8 2, ,0 2, K H217 0,18 3,6 5,5 3, ,0 2, K H317 0,23 2,8 4,3 2, ,0 5, K H218 0,18 3,6 5,5 3, ,0 2, K H318 0,27 2,4 3,7 2,5 112, ,0 3, K H2318 0,37 1,7 2,6 1, ,0 7, K H219 0,18 3,6 5,5 3, ,1 3, K H220 0,18 3,6 5,5 3, ,1 3, K H320 0,26 2,4 3,7 2, ,1 4, K H320 0,23 2,8 4,3 2, ,0 8, K H222 0,18 3,6 5,5 3, ,1 5,

26 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamento autocompensador de esferas (cont) B D d d D B e C C 0 mm Referências mm mm 10 3 N 10 3 N Fa e Fr EEG ,6 1,26 0,31 2 3, EEG ,5 1,75 0,31 2 3, EEG ,9 2 0,33 1, EEG ,5 3,2 0,32 1, EEG KEEG ,9 2,7 0,28 2,2 3,5 2, EEG ,4 3,4 0,29 2,2 3,3 2, EEG KEEG ,1 3,3 0,27 2,4 3,7 2, EEG ,28 2,3 3,5 2, EEG KEEG ,7 4,7 0,25 2,5 3,9 2, EEG ,3 6,3 0,26 2,4 3,7 2, EEG KEEG ,8 5,2 0,22 2,8 4,3 2, EEG ,9 0,26 2,5 3,8 2, EEG KEEG ,2 6,5 0,22 2,9 4, EEG ,5 9,8 0,25 2,5 3,9 2, EEG KEEG ,8 7,4 0,21 3 4,7 3, EEG ,9 0,25 2,5 3,9 2, EEG KEEG ,7 8,1 0,2 3,2 4,9 3, EEG ,5 14,3 0,24 2,6 4 2, EEG KEEG ,27 2,3 3,6 2, EEG ,6 0,18 3,5 5,4 3,6 Y Fa > e Fr Yo 286

27 Rolamento autocompensador de esferas vedado mín Referências rpm* mm mm mm kg 2201 EEG ,0 0,6 0, EEG ,0 0,6 0, EEG ,0 0,6 0, EEG ,0 1,0 0, EEG KEEG ,0 1,0 0, EEG ,5 1,1 0, EEG KEEG ,0 1,0 0, EEG ,5 55,5 1,1 0, EEG KEEG ,0 1,0 0, EEG ,5 65,5 1,1 0, EEG KEEG ,5 65,5 1,1 0, EEG ,0 1,5 0, EEG KEEG ,5 73,5 1,1 0, EEG ,0 1,5 0, EEG KEEG ,5 78,5 1,1 0, EEG ,0 1,5 1, EEG KEEG ,5 83,5 1,1 0, EEG ,0 2,0 1, EEG KEEG ,0 1,5 0, EEG ,0 1,5 1,160 * Trata-se de velocidades limites segundo o conceito SNR (v. pág. 85 a 87) 287

28 Rolamentos com duas fileiras de esferas Rolamento autocompensador de esferas (cont) B C D d 7 9 d5 d D B C e C C 0 mm Referências mm mm mm 10 3 N 10 3 N Fa e Fr G ,0 9,9 2,7 0,28 2,2 3,4 2, G ,0 12,1 3,3 0,28 2,2 3,4 2, G ,0 18,0 5,0 0,28 2,2 3,4 2, G ,0 15,7 4,7 0,23 2,7 4,2 2, G ,0 21,3 6,3 0,26 2,4 3,8 2, G ,0 15,8 5,2 0,23 2,7 4,2 2, G ,0 19,2 6,5 0,21 2,9 4,5 2, G ,0 29,5 9,8 0,26 2,4 3,8 2, G ,0 21,8 7,4 0,21 2,9 4,5 2, ,0 38,0 12,9 0,26 2,4 3,8 2, G ,0 22,7 8,1 0,20 3,2 4,9 3, ,5 42,5 14,3 0,20 2,8 4,3 2, G ,0 27,0 10,0 0,20 3,2 4,9 3, G ,0 30,0 11,6 0,18 3,6 5,5 3,6 Y Fa > e Fr Yo 288

29 Rolamento autocompensador de esferas com anel interior largo d5 Referências rpm* rpm* mm mm mm kg G , , G , , G , , G , , G , , G , , G , , G , , G , , , , G , , ,3 99 1,1 1, G ,3 92 1,5 1, G , ,5 1,500 * Trata-se de velocidades limites segundo o conceito SNR (v. pág. 85 a 87) 289

Rolamentos de rolos cilíndricos

Rolamentos de rolos cilíndricos Rolamentos de rolos cilíndricos Rolamentos de rolos cilíndricos 292 Definições e aptidões 292 Séries 292 Variantes 293 Tolerâncias e jogos 294 Elementos de cálculo 296 Elementos de montagem 297 Sufixos

Leia mais

Rolamentos Autocompensadores de Esferas

Rolamentos Autocompensadores de Esferas Rolamentos Autocompensadores de Esferas Tolerância Página 52 Folga interna Página 64 Modelo Os Rolamentos Autocompensadores de Esferas são particularmente apropriados para aplicações onde ocorram desalinhamentos

Leia mais

ROLAMENTOS FIXOS DE ESFERAS

ROLAMENTOS FIXOS DE ESFERAS B 4 ROLAMENTOS FIXOS DE ESFERAS ROLAMENTOS FIXOS DE UMA CARREIRA DE ESFERAS Tipo, Tipo Blindado e Tipo Vedado Tipo Diâmetro do Furo 10-240 mm... B8 Diâmetro do Furo 260-800 mm... B20 ROLAMENTOS DE ESFERAS

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO II. Aula 02 Mancais, Anéis Elásticos e Retentores. Desenho Técnico Mecânico II

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO II. Aula 02 Mancais, Anéis Elásticos e Retentores. Desenho Técnico Mecânico II DESENHO TÉCNICO MECÂNICO II Aula 02 Mancais, Anéis Elásticos e Retentores 1.0. Mancais 1.1. Definição: Mancais são elementos que servem de apoio para eixos girantes, deslizantes ou oscilantes e que suportam

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato radial

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato radial Rolamentos com uma fileira de esferas de contato radial Rolamentos com uma fileira de esferas de contato radial 154 Definições e aptidões 154 Séries 154 Variantes 155 Tolerâncias e jogos 155 Elementos

Leia mais

OS ROLAMENTOS BIPARTIDOS IBROL DE ROLOS CILÍNDRICOS AUTOCOMPENSADORES PROPORCIONAM:

OS ROLAMENTOS BIPARTIDOS IBROL DE ROLOS CILÍNDRICOS AUTOCOMPENSADORES PROPORCIONAM: 1 OS ROLAMENTOS BIPARTIDOS IBROL AUTOCOMPENSADORES PROPORCIONAM: Economia de tempo e redução de custo para reposição em locais de acesso restrito: Os rolamentos bipartidos de rolos cilíndricos autocompensadores

Leia mais

Batentes. Batente de esferas 378. Batentes autocompensadores de rolos 384

Batentes. Batente de esferas 378. Batentes autocompensadores de rolos 384 Batente de esferas 378 Definições e aptidões 378 Séries 378 Tolerâncias 379 Elementos de cálculo 379 Elementos de montagem 379 Características 380 Batente de esferas de efeito simples 380 Batentes autocompensadores

Leia mais

Buchas e acessórios. Buchas 392. Porcas e anilhas 404. Porcas autobloqueantes de precisão 410

Buchas e acessórios. Buchas 392. Porcas e anilhas 404. Porcas autobloqueantes de precisão 410 Buchas 392 Definição 392 Séries 392 Variantes 392 Elementos de montagem e desmontagem 392 Sufixos 395 Características 396 Bucha de fixação (cotas em metros) 396 Bucha de fixação (cotas em polegadas) 399

Leia mais

ROLAMENTOS AXIAIS DE ESFERAS DE ESCORA SIMPLES Com Assento Plano, Assento Esférico ou Contraplaca CONCEPÇÃO, TIPOS E CARACTERÍSTICAS

ROLAMENTOS AXIAIS DE ESFERAS DE ESCORA SIMPLES Com Assento Plano, Assento Esférico ou Contraplaca CONCEPÇÃO, TIPOS E CARACTERÍSTICAS B 206 ROLAMENTOS AXIAIS ROLAMENTOS AXIAIS DE ESFERAS DE ESCORA SIMPLES Assento Plano, Assento Esférico ou Contraplaca ROLAMENTOS AXIAIS DE ESFERAS DE ESCORA DUPLA Assento Plano, Assento Esférico ou Contraplaca

Leia mais

EPS Mancais Industriais Ltda

EPS Mancais Industriais Ltda Série SNH Série SNH 200 Mancal versátil, desenvolvido para trabalho com rolamento autocompensador de esfera séries 1200 e 200 ou autocompensador de rolo séries 22200 e 23200, onde o bloqueio do mesmo é

Leia mais

Rolamentos. Rolamentos Autocompensadores de Esferas. Rolamentos Rígidos de Esferas

Rolamentos. Rolamentos Autocompensadores de Esferas. Rolamentos Rígidos de Esferas Rolamentos Desde a invenção da roda as civilizações mais antigas tinham a necessidade de substituir o atrito e o deslizamento provocado pelos contatos que dois materiais causavam. Relatos de que os Romanos

Leia mais

Rolamentos de rolos cônicos

Rolamentos de rolos cônicos Rolamentos de rolos cônicos Rolamentos de rolos cônicos 314 Definições e aptidões 314 Séries 315 Variantes 315 Tolerâncias e jogos 316 Elementos de cálculo 318 Elementos de montagem 320 Prefixos e sufixos

Leia mais

Caixas F500. VE-001-F500. Copyright FCM 2001

Caixas F500.  VE-001-F500. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-F500 www.fcm.ind.br Caixas F500 Copyright FCM 2001 O conteúdo deste catálogo é de propriedade da empresa FCM - Fábrica de Mancais Curitiba Ltda., sendo proibida a reprodução

Leia mais

Catálogo Geral Industry

Catálogo Geral Industry Catálogo Geral Industry > Bem-vindo ao Universo SNR Industry SNR, uma grande marca, valores essenciais Há quase um século, a SNR concentra as suas atividades de concepção, desenvolvimento e fabricação

Leia mais

Caixas SOFN. VE-001-SOFN. Copyright FCM 2001

Caixas SOFN.  VE-001-SOFN. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SOFN www.fcm.ind.br Caixas SOFN Copyright FCM 2001 O conteúdo deste catálogo é de propriedade da empresa FCM - Fábrica de Mancais Curitiba Ltda., sendo proibida a reprodução

Leia mais

Fuso de esferas compatível com o padrão DIN (DIN69051)

Fuso de esferas compatível com o padrão DIN (DIN69051) Modelos EBA, EBB, EBC, EPA, EPB e EPC Castanha Eixo parafuso Defletor Fig.1 Fuso de esferas de precisão compatível com o padrão DIN (DIN69051) Diagrama de seleção A Opcionais A Codificação A Precauções

Leia mais

Rolamentos autocompensadores de rolos

Rolamentos autocompensadores de rolos Rolamentos autocompensadores de rolos Rolamentos autocompensadores de rolos 334 Definições e aptidões 334 Séries 335 Variantes 335 Tolerâncias e jogos 338 Elementos de cálculo 343 Elementos de montagem

Leia mais

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I SEM 0564 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Notas de Aulas v.2016 Aula 10 Mancais e componentes: mancais de rolamentos, anéis elásticos, retentores Prof. Assoc. Carlos Alberto Fortulan Departamento de Engenharia

Leia mais

ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Oficina Mecânica para Automação - OMA

ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Oficina Mecânica para Automação - OMA II. AJUSTE & TOLERÂNCIA: Livro recomendado: Tolerâncias, Ajustes, Desvios e Análise de Dimençôes. Autores: Osvaldo Luiz Agostinho; Antonio Carlos dos Santos Rodrigues e Joâo Lirani. Editora Edgard Blucher

Leia mais

Rolamentos. Diógenes Bitencourt. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre. Page 1

Rolamentos. Diógenes Bitencourt. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre. Page 1 Rolamentos Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Diógenes Bitencourt Page 1 Rolamentos Para que utilizamos os rolamentos? Quando é necessário reduzir o atrito de escorregamento entre a superfície

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato radial de aço inoxidável. Guia / Lista de argumentos técnicos

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato radial de aço inoxidável. Guia / Lista de argumentos técnicos Guia / Lista de argumentos técnicos Índice Características gerais das aplicações Linha e tipos Dimensões Materiais Vedação Graxas Tolerâncias e folga interna Capacidade de carga Desalinhamento admissível

Leia mais

SNR - Industry. Para um objetivo de duração definida:

SNR - Industry. Para um objetivo de duração definida: Apresentação da SNR Escolha dos rolamentos em função da aplicação Fatores de escolha dos rolamentos: aptidões, famílias Gaiolas Estanqueidades Simbolização Duração de vida Capacidade de carga dinâmica

Leia mais

Rolamentos Axiais de Esferas

Rolamentos Axiais de Esferas Rolamentos Axiais de Esferas Tolerância Página 52 Modelo Os Rolamentos Axiais de Esferas são fabricados como rolamentos de escora simples ou de escora dupla. Os Rolamentos Axiais de Esferas de Escora Simples,

Leia mais

VENTILADOR CENTRÍFUGO TIPO PLENUM FAN. Modelo BPF

VENTILADOR CENTRÍFUGO TIPO PLENUM FAN. Modelo BPF VENTILADOR CENTRÍFUGO TIPO PLENUM FAN VENTILADORES Aspectos gerais São produtos de ventilação de ar que podem ser empregados em instalações com ar limpo, contaminado ou carregados de pó. São ventiladores

Leia mais

Rolamentos Bipartidos de Rolos Cilíndricos

Rolamentos Bipartidos de Rolos Cilíndricos Rolamentos Bipartidos de Rolos Cilíndricos Soluções em desempenho Variedade de mancais Projetados para alto desempenho Suporte padrão com mancal e rolamento completos Mancal tipo flange Mancal esticador

Leia mais

Rolamentos de Esferas de Contato Angular

Rolamentos de Esferas de Contato Angular Rolamentos Esferas Contato Angular Tolerância Página 52 Pré-Carga Página 95 Molo Os Rolamentos Esferas Contato Angular pom suportar cargas combinadas, ação simultânea das cargas radial e axial, porque

Leia mais

Tels.: Campinas-sp Itupeva-sp

Tels.: Campinas-sp Itupeva-sp Principais características: Inserção do tipo mandíbula Pode ser entregue a prova de falha ou a favor do rompimento Reduz vibrações Materiais: EN-GJL-250 (GG-25) Alta resistência ao desgaste Desenho compacto

Leia mais

Vida útil. Vida útil nominal. Tipos de deterioração

Vida útil. Vida útil nominal. Tipos de deterioração Vida útil nominal 6 Tipos de deterioração 6 Fórmulas de base 8 Carga dinâmica de base do rolamento 9 Carga dinâmica equivalente P 60 Definição 6 Fator de carga axial Y 6 Definição da capacidade estática

Leia mais

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda Volume II Fábrica de Mancais Curitiba Ltda ÍNDICE Apresentação... 4 Montagem das caixas... 5 Vedações... 7 Vedações taconite... 9 SB_A, SB_A30K, SAIA e STMA... 11 SD...... 41 SAF...... 51 SOFN... 65 TVN...

Leia mais

Mais com rolamentos rígidos de esferas SKF Explorer

Mais com rolamentos rígidos de esferas SKF Explorer Mais com rolamentos rígidos de esferas SKF Explorer Rolamentos rígidos de esferas SKF Explorer com vedantes RSL e RSH Maior precisão e funcionamento silencioso Propriedades de vedação optimizadas Baixo

Leia mais

Redutores planetários Alta Precisão Alta Velocidade

Redutores planetários Alta Precisão Alta Velocidade Código de compra SÉRIE AF APEX DYNAMICS BRASIL AF07-00 - S - P / MOTOR Tamanho do redutor Opção de eixo de saída: S: Eixo de saída liso S: Eixo de saída com chaveta Dados do motor: Fabricante e modelo

Leia mais

Caixas FP e FP 30k. VE-001-FP. Copyright FCM 2001

Caixas FP e FP 30k.  VE-001-FP. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-FP www.fcm.ind.br Caixas FP e FP 30k Copyright FCM 2001 O conteúdo deste catálogo é de propriedade da empresa FCM - Fábrica de Mancais Curitiba Ltda., sendo proibida a reprodução

Leia mais

SÉRIE UC MANCAL COM ROLAMENTO DE ESFERAS TIMKEN

SÉRIE UC MANCAL COM ROLAMENTO DE ESFERAS TIMKEN SÉRIE UC MANCAL COM ROLAMENTO DE ESFERAS TIMKEN 3 MANCAL COM ROLAMENTO DE ESFERAS SÉRIE UC TIMKEN Introdução...3 Modelos de mancal...4 Nomenclatura...5 Recursos...6 Instalação...8 TABELAS DE UNIDADES DE

Leia mais

Industry. Rolamentos autocompensadores de rolos Premier

Industry. Rolamentos autocompensadores de rolos Premier Industry Rolamentos autocompensadores de rolos Premier Tudo o que você precisa saber sobre os autocompensadores de rolos SNR Premier Sumário Premier: mais que uma linha de produtos, uma filosofia de grande

Leia mais

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Módulo IV Aula 03 Conjuntos O desenho de conjunto representa um grupo de peças montadas tais como: dispositivos, ferramentas, máquinas, motores, equipamentos

Leia mais

Características do fuso de esferas

Características do fuso de esferas Torque de acionamento de um terço do parafuso deslizante Com o fuso de esferas, esferas rolam entre o eixo parafuso e a castanha para alcançar uma alta eficiência. O torque de acionamento necessário é

Leia mais

ROLAMENTOS - USO FREQUENTE

ROLAMENTOS - USO FREQUENTE PARA MAIOR DETALHE: CONSULTAR CATALOGOS DAS MARCAS, CONSTANTES NESTE SEPARADOR. LINHA APOIO TIMKEN: +351 910 800 900 ROLAMENTOS - USO FREQUENTE Cat 019 - Out 2015 1 / 16 ROLAMENTOS RIGIDOS DE ESFERAS ZZ

Leia mais

Bomba de engrenagem externa Tipo F

Bomba de engrenagem externa Tipo F P 1 31/4.2 Substitui: 2.2 Bomba de engrenagem externa Tipo F Tamanhos Nominais 6 a22 Pressão operacional máxima 25 bar Volume de deslocamento até 22,9 cm 3 Bomba F Descrição de funcionamento, Corte A unidade

Leia mais

Rolamentos I. Os rolamentos podem ser de diversos tipos: Tipos e finalidades. Rolamento fixo de uma carreira de esferas

Rolamentos I. Os rolamentos podem ser de diversos tipos: Tipos e finalidades. Rolamento fixo de uma carreira de esferas A UU L AL A Rolamentos I Os rolamentos podem ser de diversos tipos: fixo de uma carreira de esferas, de contato angular de uma carreira de esferas, autocompensador de esferas, de rolo cilíndrico, autocompensador

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José -

Prof. MSc. David Roza José - 1/75 Elementos de Apoio Os elementos de apoio consistem de acessórios auxiliares para o funcionamento de máquinas. Veremos os seguintes elementos de apoio: Buchas; Guias; Rolamentos; Mancais. Buchas e

Leia mais

Cotagem é a indicação das medidas da peça em seu desenho conf. a norma NBR Para a cotagem de um desenho são necessários três elementos:

Cotagem é a indicação das medidas da peça em seu desenho conf. a norma NBR Para a cotagem de um desenho são necessários três elementos: Cotagem Cotagem é a indicação das medidas da peça em seu desenho conf. a norma NBR 10126. Para a cotagem de um desenho são necessários três elementos: Linhas de cota são linhas contínuas estreitas, com

Leia mais

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda Volume I Fábrica de Mancais Curitiba Ltda ÍNDICE Apresentação... 4 Montagem das caixas... 5 Vedações... 7 SNH... 9 Solicitando mancais SNH... 24 SN30... 41 F500... 45 Acessórios... 51 2 Copyright FCM

Leia mais

TOLERÂNCIA GEOMÉTRICA

TOLERÂNCIA GEOMÉTRICA TOLERÂNCIA GEOMÉTRICA FORMA Um erro de forma corresponde à diferença entre a superfície real da peça e a forma geométrica teórica. POSIÇÃO A tolerância de posição estuda a relação entre dois ou mais elementos.

Leia mais

Preparativos Antes da Montagem

Preparativos Antes da Montagem Preparativos Antes da Montagem Manter o local da montagem seco e livre de poeira. Observar a limpeza do eixo, alojamento e das ferramentas. Organizar a área de trabalho. Selecionar as ferramentas adequadas

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Conceitos Classificação Tipos Conceitos Função: Elementos de vedação são peças que impedem a saída de fluido de um ambiente fechado. Evitar poluição do ambiente. Geralmente,

Leia mais

Cilindro de bielas de pistão Cilindro de guia Série GPC. Catálogo impresso

Cilindro de bielas de pistão Cilindro de guia Série GPC. Catálogo impresso Cilindro de bielas de Cilindro de guia Série GPC Catálogo impresso 2 Cilindro de bielas de Cilindro de guia Série GPC Cilindro de guia, Série GPC-BV Ø 10-100 mm com efeito duplo mancal liso mortecimento:

Leia mais

ROLAMENTOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ROLAMENTOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ROLAMENTOS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá INTRODUÇÃO Há evidências que toras de madeira (rodas ou rolos) foram utilizadas pelos nossos ancestrais para mover objetos pesados em 4000 a.c., ou seja,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio ELMA3 AULA 5 Prof. Carlos Fernando Dispositivos de Fixação Pinos, Cupilhas, Cavilhas, Roscas, Mancais de Deslizamento

Leia mais

Acesse:

Acesse: Segurando as pontas As operações de tornear superfícies cilíndricas ou cônicas, embora simples e bastante comuns, às vezes apresentam algumas dificuldades. É o que acontece, por exemplo, com peças longas

Leia mais

Bomba de engrenamento externo Tipo AZPF

Bomba de engrenamento externo Tipo AZPF P 10 01D/0.02 Substitui : 02.02 Edição rasil: 09.0 omba de engrenamento externo Tipo AZPF s nominais até Pressão máxima 20 bar (conforme TN) Volume de recalque até 22,9 cm Descrição de funcionamento, cortes

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 2. Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 2. Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01 LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 2 Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01 Prof: Diego R. Alba 1. Um mancal de esferas de série 02 de contato angular, com anel interno rotante, é requerido para uma

Leia mais

Ventiladores industriais. espirovent VENTILADORES INDUSTRIAIS DUTOS E VENTILADORES INDUSTRIAIS

Ventiladores industriais. espirovent VENTILADORES INDUSTRIAIS DUTOS E VENTILADORES INDUSTRIAIS Ventiladores industriais espirovent uma MARCA do grupo DUTOS E Descricao e Nomenclatura Ventiladores industiais INDUSTRIAL espirovent Perspectiva Geral Os ventiladores das series ELSI/ELDI, respectivamente

Leia mais

Buchas, Porcas e Arruelas para Rolamentos

Buchas, Porcas e Arruelas para Rolamentos Buchas, Porcas e Arruelas para Rolamentos Agosto / 2002 êndice êndice Histórico / Informações Técnicas...03 Buchas de Fixação...04 Buchas de Fixação...05 Buchas de Fixação...06 Buchas de Desmontagem...07

Leia mais

Dimensões 01深溝玉.indd 138 01深溝玉.indd 138 2007/08/22 16:27:39 2007/08/22 16:27:39

Dimensões 01深溝玉.indd 138 01深溝玉.indd 138 2007/08/22 16:27:39 2007/08/22 16:27:39 Dimensões Rolamento Fixo de Esferas Precisão Página 52 Folga interna Página 64 Dimensões de anel de retenção Página 45 Devido à sua versatilidade, o Rolamento Fixo de Esferas de Uma Carreira é o tipo

Leia mais

Catálogo ZF - Veicular DEZ-2008 Figura Transmissão: 16S 2280 TO Iveco Nº ZF:

Catálogo ZF - Veicular DEZ-2008 Figura Transmissão: 16S 2280 TO Iveco Nº ZF: Figura 1 01.630.010 01.630.020 01.600 01.510 01.620 01.340 01.310 2 01.030 1 Carcaça 1316 201 110 01.140 4 Pino cilindrico 0731 201 563 01.200.010 1 Bujão 0636 304 049 01.200.020 1 Anel de vedação 0730

Leia mais

Mancal monobloco de rolamentos autocompensadores de rolos Timken

Mancal monobloco de rolamentos autocompensadores de rolos Timken Mancal monobloco de rolamentos autocompensadores de rolos Timken A ESCOLHA ROBUSTA As operações industriais atuais dependem de mancais para se manterem em movimento particularmente em condições exigentes

Leia mais

Instruções de Montagem e Desmontagem de Buchas sob Rolamentos Autocompensadores com Furo Cônico

Instruções de Montagem e Desmontagem de Buchas sob Rolamentos Autocompensadores com Furo Cônico Instruções de Montagem e Desmontagem de Buchas sob Rolamentos Autocompensadores com Furo Cônico Engenharia de Aplicação BGL Vídeo 05: MONTAGEM de BUCHA DE FIXAÇÃO HIDRÁULICA sob ROLAMENTO Veja o passo-a-passo

Leia mais

HT-HIDRAUTRÔNICA INDÚSTRIA COMÉRCIO EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO LTDA.

HT-HIDRAUTRÔNICA INDÚSTRIA COMÉRCIO EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO LTDA. GENERALIDADES GENERALITIES As bombas hidráulicas de engrenagem da HT-HIDRAUTRÔNICA são o resultado de pesquisas desenvolvidas e comprovadas ao longo de décadas de experiência prática no campo de óleo-hidráulica.

Leia mais

Rolamentos de Precisão para Máquinas-Ferramentas

Rolamentos de Precisão para Máquinas-Ferramentas Rolamentos de Precisão para Máquinas-Ferramentas Os rolamentos selecionados para uso em máquinasferramentas requerem um design que assegurem a alta velocidade rotacional e grande precisão. Rolamentos para

Leia mais

Acionamento de palhetas giratórias, Série RAK Ângulo de rotação: 30-270 Acionamento de palhetas giratórias, com efeito duplo Tipo de eixo: unilateral

Acionamento de palhetas giratórias, Série RAK Ângulo de rotação: 30-270 Acionamento de palhetas giratórias, com efeito duplo Tipo de eixo: unilateral Acionamentos giratórios Acionamento de palhetas giratórias 1 Pressão de operação mín/máx Veja a tabela abaixo Temperatura ambiente min./máx. Veja a tabela abaixo Temperatura de produto mín/máx. - C / +60

Leia mais

ARF/ARL VENTILADORES CENTRÍFUGOS TUBULARES

ARF/ARL VENTILADORES CENTRÍFUGOS TUBULARES ARF/ARL VENTILADORES CENTRÍFUGOS TUBULARES CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS INTRODUÇÃO Bocais Os ventiladores centrífugos tubulares fabricados pela OTAM Responsáveis pela entrada suave do ar na aspiração do possuem

Leia mais

Cunhos e Cortantes I / 2016

Cunhos e Cortantes I / 2016 Novos produtos Cunhos e Cortantes I / 2016 Encomende agora» na nossa loja online! www.meusburger.com Estruturas SD e SZ com 2 unidades de guiamento Em tamanhos de 126 156 mm a 396 496 mm com e sem placa

Leia mais

ELEMENTOS ELÁSTICOS MOLAS

ELEMENTOS ELÁSTICOS MOLAS ELEMENTOS ELÁSTICOS MOLAS Uma mola é um objeto elástico flexível usado para armazenar a energia mecânica. As molas são feitas de arame geralmente tendo como matéria prima mais utilizada o aço temperado.

Leia mais

Tamanho máx. da partícula 5 µm. Torque teórico com. Materiais:

Tamanho máx. da partícula 5 µm. Torque teórico com. Materiais: 1 Pressão operação mín/máx 2 bar / 10 bar Temperatura ambiente min./máx. -20 C / +80 C Temperatura produto mín/máx. -20 C / +80 C Fluido Ar comprimido Tamanho máx. da partícula 5 µm Teor óleo do ar comprimido

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica. Eixos e árvores

Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica. Eixos e árvores Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Eixos e árvores Introdução 1.1 Conceitos fundamentais 1.2 Considerações sobre fabricação 1.3 Considerações sobre projeto

Leia mais

5º Seminário de Trefilação

5º Seminário de Trefilação 5º Seminário de Trefilação 2014 Problemas em processos de trefilação de ferrosos e não ferrosos - defeitos e causas Vibração e ondulação em arames trefilados em alta velocidade Marcelo Stahlschmidt DESBALANCEAMENTO

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 06 Cotas, Símbolos. Desenho Técnico Mecânico I

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 06 Cotas, Símbolos. Desenho Técnico Mecânico I DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Aula 06 Cotas, Símbolos 1. COTAGEM COTAGEM é a indicação das medidas das peças em seu desenho. Ao cotar você deve tentar imaginar se com as medidas representadas será possível

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009 Questão 1 Conhecimentos Específicos - Fabricação Sobre a montagem de engrenagens para abertura de roscas em um torno, é correto afirmar: Deve-se garantir que a folga entre os dentes das engrenagens seja

Leia mais

Soluções específicas para a indústria siderúrgica GUIA DO PRODUTO. With You

Soluções específicas para a indústria siderúrgica GUIA DO PRODUTO.  With You Soluções específicas para a indústria siderúrgica GUIA DO PRODUTO www.ntn-snr.com 2 A NTN-SNR está presente em todas as fases do processo de fabricação de aço Mais tempo entre as operações de manutenção

Leia mais

Capítulo I: Elementos de Fixação

Capítulo I: Elementos de Fixação Capítulo I: Elementos de Fixação Profª. Luziane M. Barbosa 1 Profª. Luziane M. Barbosa 2 1 Profª. Luziane M. Barbosa 3 Uniões Móveis Permanentes Profª. Luziane M. Barbosa 4 2 PINOS Funções: Possibilitar

Leia mais

ESTADO DO ACRE Secretaria de Estado da Gestão Administrativa Secretaria Adjunta de Compras e Licitações Comissão Permanente de Licitação CPL 01

ESTADO DO ACRE Secretaria de Estado da Gestão Administrativa Secretaria Adjunta de Compras e Licitações Comissão Permanente de Licitação CPL 01 1 Rolamento industrial, Nº 4202zz 3 Rolamento industrial, rígido de esferas, angular, series 4202zz diam. Int. 15mm; diam. Ext. 35mm; proteção lateral duas blindagens, 2 Rolamento industria, Nº 4203zz

Leia mais

Caixas SD. VE-001-SD. Copyright FCM 2001

Caixas SD.  VE-001-SD. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SD www.fcm.ind.br Caixas SD Copyright FCM 2001 O conteúdo deste catálogo é de propriedade da empresa FCM - Fábrica de Mancais Curitiba Ltda., sendo proibida a reprodução parcial

Leia mais

Rolamentos de Rolos Cilíndricos com Alta Capacidade de Carga

Rolamentos de Rolos Cilíndricos com Alta Capacidade de Carga Rolamentos de Rolos Cilíndricos com Alta Capacidade de Carga Rolamentos com alta capacidade de carga, baixo nível de ruído, alta resistência, que oferecem melhor rendimento para uma ampla variedade de

Leia mais

Rodas e rodízios em aço maciço para cargas super pesadas

Rodas e rodízios em aço maciço para cargas super pesadas Rodas e rodízios em aço maciço para cargas super pesadas 328 we innovate mobility www.blickle.com Índice SVS LH LS Série SVS 65-300 mm Capacidade de carga 750-15000 kg Página 330 331 LH-SVS 65-125 mm 700-900

Leia mais

ATUADORES DE CILINDRO PNEUMÁTICO SÉRIE AT1

ATUADORES DE CILINDRO PNEUMÁTICO SÉRIE AT1 ATUADORES DE CILINDRO PNEUMÁTICO SÉRIE AT1 Os atuadores WL Série AT1D, do tipo pistão de dupla ação e retorno por mola são projetados tanto para serviços de controle como on-off. As séries AT1D e AT1M

Leia mais

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I

SEM DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I SEM 0564 - DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Notas de Aulas v.2017 Aula 06 Tolerâncias: dimensional, forma e posição Prof. Assoc. Carlos Alberto Fortulan Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia

Leia mais

MC Bomba Multiestágio Segmentada de Alta Pressão

MC Bomba Multiestágio Segmentada de Alta Pressão MC Bomba Multiestágio Segmentada de Alta Pressão Principais Aplicações A bomba MC foi projetada basicamente para aplicações de energia, tais como alimentação de caldeira auxiliar, redução de óxidos de

Leia mais

Descritivo Técnico Adaptador Sensor Hall

Descritivo Técnico Adaptador Sensor Hall Folha 1 de 7 Folha 2 de 7 Sumário 1 Descrição geral... 3 2 Funcionamento... 3 2.1 Operação... 3 2.2 Programação, configuração e comunicação... 3 2.3 Descritivo de aplicação... 3 2.4 Exemplo de aplicação...

Leia mais

Acoplamento de Fole Metálico KB 1 ØD1H7 Ø B. Furo D1 H7 Comprimento total Tipo / torque

Acoplamento de Fole Metálico KB 1 ØD1H7 Ø B. Furo D1 H7 Comprimento total Tipo / torque 1 com Parafusos L ±1 Ø B ØD1H7 ØD2H7 F (DIN 916) XMPLO D PDIDO: 1/45-40 - 10-18 - S Transm. L D1/D2 Ø B F de Rigidez Desalinhamento Furo Paraf. inércia torsional radial axial radial axial angular T KN

Leia mais

Ajuste Geral com Interferência

Ajuste Geral com Interferência Ajuste Geral com Interferência Obtenção da condição funcional para ajuste com interferência O ajuste com interferência pode ser obtido de dois modos distintos: ajuste prensado ou forçado em sentido longitudinal;

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos Acriflex Cubo Cheio, permitem a utilização em diâmetros maiores de eixo, em relação ao Acoplamento AX com Cubo Normal. Os cubos são produzidos em Aço Sae 1020 ou

Leia mais

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Módulo IV Aula 02 Tolerância de forma e posição Símbolos, inscrições e interpretações sobre o desenho (norma ISO R 1101-1969) As tolerâncias de forma

Leia mais

Instruções de Montagem e Desmontagem de Buchas sob Rolamentos Autocompensadores com Furo Cônico

Instruções de Montagem e Desmontagem de Buchas sob Rolamentos Autocompensadores com Furo Cônico Instruções de Montagem e Desmontagem de Buchas sob Rolamentos Autocompensadores com Furo Cônico Engenharia de Aplicação BGL Vídeo 10: MONTAGEM de BUCHA DE DESMONTAGEM HIDRÁULICA sob ROLAMENTO autocompensador

Leia mais

cargas axiais. Rota~6es elevadas. Ajustes angulares limitados. Necessidade de um perfeito alinhamento entre 0 eixo e os furos da caixa.

cargas axiais. Rota~6es elevadas. Ajustes angulares limitados. Necessidade de um perfeito alinhamento entre 0 eixo e os furos da caixa. Tipos: fixo com uma carreira de esferas; contato angular com carreira de esferas, autocompensador de esferas, de rolo cilindrico, autocompensador de uma carreira d~ rolos, autocompensador de duas carreiras

Leia mais

Características Elétricas. 5 a 28Vcc (HTL ou TTL) / 5Vcc ± 5% (RS-422) Curto-Circuito, inversão de polaridade e sobre-tensão.

Características Elétricas. 5 a 28Vcc (HTL ou TTL) / 5Vcc ± 5% (RS-422) Curto-Circuito, inversão de polaridade e sobre-tensão. SérieA60LC Ü Flange Tipo Clamping Ü Conjunto Óptico Digital Ü Mecânica Robusta para Ambiente Industrial Ü Rolamentos de Alta Durabilidade Ü Prazo de Entrega Diferenciado Características Elétricas Codificação:

Leia mais

Preparativos Antes da Montagem

Preparativos Antes da Montagem Preparativos Antes da Montagem Manter o local da montagem seco e livre de poeira. Observar a limpeza do eixo, alojamento e das ferramentas. Organizar a área de trabalho. Selecionar as ferramentas adequadas

Leia mais

Instruções de Montagem e Desmontagem de Buchas sob Rolamentos Autocompensadores com Furo Cônico

Instruções de Montagem e Desmontagem de Buchas sob Rolamentos Autocompensadores com Furo Cônico Instruções de Montagem e Desmontagem de Buchas sob Rolamentos Autocompensadores com Furo Cônico Engenharia de Aplicação BGL 08: MONTAGEM de BUCHA DE DESMONTAGEM sob ROLAMENTO Veja o passo-a-passo deste

Leia mais

Buchas ETP O mecanismo de fixação ideal para todo tipo de conexões eixo e cubo

Buchas ETP O mecanismo de fixação ideal para todo tipo de conexões eixo e cubo Buchas ETP O mecanismo de fixação ideal para todo tipo de conexões eixo e cubo As buchas ETP são mecanismos de fixação que, apesar de simples, tem tido sua eficiência comprovada através de anos de uso.

Leia mais

1. DESCRIÇÃO 1.1. GENERALIDADES As válvulas estranguladoras ou redutoras de vazão, e as válvulas estranguladoras com livre retorno DVP/ da HYDAC, são

1. DESCRIÇÃO 1.1. GENERALIDADES As válvulas estranguladoras ou redutoras de vazão, e as válvulas estranguladoras com livre retorno DVP/ da HYDAC, são Válvulas estranguladoras e Válvulas estranguladoras com livre retorno DVP, DVP até 350 bar até 300 l/min 1 1. DESCRIÇÃO 1.1. GENERALIDADES As válvulas estranguladoras ou redutoras de vazão, e as válvulas

Leia mais

Instruções de Montagem e Desmontagem de Buchas sob Rolamentos Autocompensadores com Furo Cônico

Instruções de Montagem e Desmontagem de Buchas sob Rolamentos Autocompensadores com Furo Cônico Instruções de Montagem e Desmontagem de Buchas sob Rolamentos Autocompensadores com Furo Cônico Engenharia de Aplicação BGL Vídeo 09: MONTAGEM de BUCHA DE DESMONTAGEM sob ROLAMENTO Veja o passo-a-passo

Leia mais

Série M/60200 Atuadores Rotativos

Série M/60200 Atuadores Rotativos Série M/60200 tuadores Rotativos Dupla ção Ângulos de, 180 e 270 dequado para torques de 0,058 a 402,46 Nm Ângulos fixos e ajustáveis Construção com palheta simples e dupla Características Técnicas Fluido:

Leia mais

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1 Desenho Técnico 2 Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte CORTES Em desenho técnico, o corte de uma peça é sempre imaginário. Ele permite ver as partes internas da peça. Na projeção em corte, a

Leia mais

Manual do Proprietário. Reversor Marítimo RT 115. Potência/Rotação (máxima de entrada) Modelo do reversor. Reversor RT40 mecânico, redução 3,0:1

Manual do Proprietário. Reversor Marítimo RT 115. Potência/Rotação (máxima de entrada) Modelo do reversor. Reversor RT40 mecânico, redução 3,0:1 Manual do Proprietário Reversor Marítimo RT A Tramontini Implementos Agrícolas Ltda garante seus produtos, que em serviço e uso normal, vierem a apresentar defeitos de material, fabricação ou montagem,

Leia mais

ATOMIZADOR ROTATIVO TELA

ATOMIZADOR ROTATIVO TELA ATOMIZADOR ROTATIVO TELA sumário INFORMAÇÕES imagem do produto modelos posicionamentos montagem e desmontagem CALIBRAÇÃO MANUTENÇÃO INSTALAÇÃO 04 05 06 07 08 10 17 18 INFORMAÇÕES O Atomizador Travicar

Leia mais

Calibrador. Seguindo as diretrizes da empresa para implantar. Um problema. Medição indireta. Calibradores

Calibrador. Seguindo as diretrizes da empresa para implantar. Um problema. Medição indireta. Calibradores A UU L AL A Calibrador Seguindo as diretrizes da empresa para implantar um programa de qualidade e produtividade, um dos funcionários alertou o supervisor sobre a perda de tempo em medir um grande lote

Leia mais

MATERIAIS:...PÁG. 02 TOLERÂNCIAS:...PÁG. 02 VEDAÇÕES:...PÁG. 02 VEDAÇÕES DE CONTATO:...PÁG. 03 VEDAÇÕES SEM CONTATO:...PÁG. 04

MATERIAIS:...PÁG. 02 TOLERÂNCIAS:...PÁG. 02 VEDAÇÕES:...PÁG. 02 VEDAÇÕES DE CONTATO:...PÁG. 03 VEDAÇÕES SEM CONTATO:...PÁG. 04 SUMÁRIO MATERIAIS:...PÁG. 02 TOLERÂNCIAS:...PÁG. 02 VEDAÇÕES:...PÁG. 02 VEDAÇÕES DE CONTATO:...PÁG. 03 VEDAÇÕES SEM CONTATO:...PÁG. 04 VEDAÇÕES SEM CONTATO:...PÁG. 05 VEDAÇÕES SEM CONTATO:...PÁG. 06 CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Duração de vida. SNR - Industry. Noção de duração de vida: 1

Duração de vida. SNR - Industry. Noção de duração de vida: 1 Apresentação da SNR Escolha dos rolamentos em função da aplicação Fatores de esolha dos rolamentos: aptidões, famílias Gaiolas Estanqueidades Simbolização Duração de vida Capacidade de carga dinâmica e

Leia mais

Eixos cardan especiais para mercados que exigem qualidade

Eixos cardan especiais para mercados que exigem qualidade para mercados que exigem qualidade Conteúdo 4 5 6 8 10 12 14 16 17 19 Apresentação Instruções para instalação do eixo cardan Eixos Cardan Série SAE Eixos Cardan Série DIN Eixos Cardan Série 20 Eixos Cardan

Leia mais

Rolamentos de Rolos Cilíndricos

Rolamentos de Rolos Cilíndricos Rolamentos de Rolos Cilíndricos Tolerância Página 52 Folga interna Página 64 axial Página 34 Modelos e Formatos Os Rolamentos de Rolos Cilíndricos NACHI são produzidos em uma larga variedade de projetos

Leia mais

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 12.05 95 01 1(8) Instalações, Veículo Rígido Árvore de transmissão VM BRA19385 20 045192 Portuguese/Brazil

Leia mais