JOSÉ DE ARIMATÉA ISAIAS FERREIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JOSÉ DE ARIMATÉA ISAIAS FERREIRA"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS - CCHL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA MESTRADO EM HISTÓRIA DO BRASIL JOSÉ DE ARIMATÉA ISAIAS FERREIRA TRILHANDO NOVOS CAMINHOS: A CIDADE DE PIRIPIRI E AS MUDANÇAS PROPORCIONADAS PELA CHEGADA DA FERROVIA Teresina PI 2010

2 1 JOSÉ DE ARIMATÉA ISAIAS FERREIRA TRILHANDO NOVOS CAMINHOS: A CIDADE DE PIRIPIRI E AS MUDANÇAS PROPORCIONADAS PELA CHEGADA DA FERROVIA Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História do Brasil do Centro de Ciências Humanas e Letras, da Universidade Federal do Piauí UFPI, como requisito para a obtenção do título de Mestre em História, sob orientação do Prof. Dr. Solimar Oliveira Lima. TERESINA PI 2010

3 2 F383t Ferreira, José de Arimatéa Isaias Trilhando novos caminhos: a cidade de Piripiri e as mudanças proporcionadas pela chegada da ferrovia / José de Arimatéa Isaias Ferreira: fls Dissertação (mestrado em História) UFPI. Orientador: prof. Dr. Solimar Oliveira Lima 1. Ferrovias História Piripiri (PI) 2. Ferrovia Modernização. a. título. c.d.d

4 3 JOSÉ DE ARIMATÉA ISAIAS FERREIRA TRILHANDO NOVOS CAMINHOS: A CIDADE PIRIPIRI NAS DÉCADAS DE 30, 40 E 50 DO SÉCULO XX E A AS MUDANÇAS PROPORCIONADAS PELA CHEGADA DA FERROVIA Dissertação apresentada à Coordenação de Pós-Graduação em História do Brasil do Centro de Ciências Humanas e Letras, da Universidade Federal do Piauí UFPI, como requisito para a obtenção do título de Mestre em História, sob a orientação do Prof. Dr. Solimar Oliveira Lima. Este exemplar corresponde à redação Final da Dissertação avaliada pela Banca Examinadora em 27 agosto de BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Solimar Oliveira Lima (Orientador) Universidade Federal do Piauí Prof. Dr. Marcelo de Sousa Neto (Examinador Externo) Universidade Estadual do Piauí Profa. Dra. Áurea da Paz Pinheiro (Examinadora Interna) Universidade Federal do Piauí Prof. Dr. Francisco Alcides do Nascimento (Suplente) Universidade Federal do Piauí

5 4 À todas as pessoas, que de uma forma ou de outra, lutam pela preservação da história de sua cidade e consequentemente, um pedacinho de sua própria história.

6 5 AGRADECIMENTOS Ao contrário da cidade antiga, a metrópole contemporânea se estende ao infinito, não circunscreve nada senão sua potência devoradora de expansão e circulação. Ao contrário da cidade antiga, fechada e vigiada para defender-se de inimigos internos e externos, a cidade contemporânea se caracteriza pela velocidade da circulação. São fluxos de mercadoria, pessoas e capital em ritmo cada vez mais acelerado, rompendo barreiras, subjugando territórios. (ROLNIK, 2004) Cursar um Mestrado parecia algo muito distante de meus planos. Pelo menos não até o ano de Sempre me pareceu algo tão longe, tão inalcançável, tão fora de minha realidade que não havia planos nesse intuito. Mas os pensamentos acima desapareceram e eu me vi inserido no programa de Mestrado, nesse turbilhão (Parafraseando Marshall Berman) de novas informações, novas leituras, novas perspectivas, mas especificamente no curso de Mestrado em História do Brasil, da Universidade Federal do Piauí. Agora este trabalho é o último passo neste desafio, desafio marcado por leituras, pesquisas, construção do texto. Agora este se apresenta concluído. Porém, ao contrário do que muitos pensam, não foi um trabalho solitário, mas o resultado da colaboração de várias pessoas, que de um uma forma mais efetiva ou não, ajudaram na sua realização. Em razão disso, gostaria de agradecer ao Destino (muitos poderiam chamar de Deus), que me deu a oportunidade de nessa minha vida ter podido conhecer pessoas tão boas, gentis e generosas que muito me ajudaram, não só em aspectos materiais, mas principalmente em incentivos, carinho, ensinamentos, lições que com certeza ajudaram muito na formação do que eu sou hoje como pessoa.

7 6 Ao Professor Dr. Solimar Oliveira Lima, principalmente por sua grande paciência nos meus momentos de sumiços e sua eterna confiança na conclusão deste trabalho, mesmo quando eu mesmo não a tinha. Amizade, incentivo, compromisso são algumas características que ficaram nessa relação de orientador e orientando e que sempre vou lhe ser muito grato por toda sua ajuda e como disse antes, por sua enorme paciência e competência. Ao Professor Dr. Marcelo de Sousa Neto, que, gentil e prontamente, aceitou o convite para a apreciação deste trabalho. Mas muito mais do que isso, meu agradecimento vai por todos esses anos de amizade e companheirismo. À Professora Dra. Áurea da Paz Pinheiro, que, com seu jeito direto conseguiu de certa forma me direcionar na construção de meu objeto de estudo e consequentemente a encontrar o caminho dessa construção. Ao Professor Dr. Francisco Alcides do Nascimento, que, em minha trajetória de pesquisa, sempre foi exemplo de Integridade e compromisso com o trabalho e fonte de conhecimentos e esclarecimentos. Exemplo de professor e incentivador, sempre tendo uma palavra amiga de apoio e sempre acreditando na realização deste trabalho. À Professora Dra.Teresinha de Jesus Mesquita Queiroz, por ser exemplo de profissionalismo, dedicação, cultura, amizade, desprendimento e por sempre ter uma palavra de apoio e incentivo. Ao Professor Dr. Edwar Castelo Branco, pelo compromisso com o saber histórico e por lutar pela formação contínua do profissional da história. À Professora Dra. Claudete Miranda Dias, que com toda sua doçura, simplicidade e objetividade foi de grande importância para a realização deste trabalho, na compreensão da nossa realidade como brasileiro e principalmente como piauiense. Agradeço aos meus pais, Maria de Lourdes e Herondino, que me deram a vida e me ensinaram os princípios e valores mais sinceros da educação e cidadania e que, mesmo com suas simplicidades, puderam me transmitir valores pautados no respeito, amizade e no trabalho. Me ensinaram a ser humano e digno com todas as pessoas e que caráter se constrói em casa, na harmonia de um lar feliz.

8 7 Gostaria de agradecer aos meus irmãos Sílvio e Nildo. O primeiro mostrando o valor do trabalho e que os sonhos sempre devemos tentar realizá-los, mesmo indo contra o mais racional dos pensamentos. O segundo, apesar da distância material, sempre foi um incentivador e exemplo de que talvez nas piores situações é que se encontra o início da realização de uma vida feliz, digna e plena. Não posso deixar de agradecer às minhas irmãs Silvana e Neuma. Silvana exemplo máximo de mãe, de carinho, de abnegação. Sempre com seu sorriso pronto a nos incentivar mesmo nas horas de desanimo. Agradeço aqui seu carinho para comigo desde sempre, desde o tempo em que ficava esperando ela chegar do colégio trazendo balas do João Brito. Minha irmã Neuma é uma das culpadas por eu está aqui escrevendo estas palavras, pois naquele final de 2007 foi uma das pessoas que praticamente me obrigaram a fazer a prova da seleção do mestrado, mesmo com todo meu receio. Uma irmã sempre disposta a ajudar. Para ela não existem obstáculos intransponíveis nem tempo ruim, sempre é momento de sorrir, de alegria e de ir em frente. A Everardo de Sousa Melo, este que já me ajudou de diversas formas, foi um hábil motorista em uma tempestade horrível na estrada entre Piripiri e Teresina, em um domingo à tarde, véspera da prova escrita da seleção do mestrado. Conselheiro, digitador, financiador de livros, guia turístico, etc, etc, e etc. Uma pessoa brilhante, amiga, sincera e sempre um ombro mais do que amigo. Com certeza a pessoa que mais esteve próxima durante a confecção deste trabalho. Ao meu amigo Prof. Msc. Pedro Pio Fontineles Filho, exemplo de conhecimento historiográfico e confidente nas horas vagas, culpado por horas e horas de risos e momentos felizes. À Professora Dra. Cláudia Cristina da Silva Fontineles, além de exemplo de profissional e de conhecimento, uma excelente amiga e que sempre esteve disposta a ajudar, sendo talvez, este, seu principal defeito. Com Marcelo e eu formamos um misterioso e inquebrável trio nos tempos da graduação. Velhos tempos, belos dias. À Professora Msc. Clarice Helena Santiago Lira, mais uma que compartilhou comigo todo este caminho, desde o início. Espontaneidade, alegria,

9 8 sorrisos, broncas quando necessário, uma pessoa simples que sempre teve que lutar muito nessa vida e que conseguiu vencer com seus próprios méritos. Aos amigos de Piripiri, Margarida, Carlos, Elenice, Raimundo, Glorinha e Telma, sempre presentes nos bons momentos da vida, sempre dispostos a ajudar e incentivar. Aos sobrinhos Adhemar, Thaís, Andressa, Thales e Vitória, razão de felicidade, alegria e esperança para toda família. Devo agradecer, também, aos colegas de minha turma de Mestrado, que juntos combatemos o bom combate e agora estamos colhendo os frutos deste. Um sincero agradecimento a Miridam Rejane e Thiago Silveira, estes foram desde sempre meus fieis escudeiros, conhecem desde o início esse trabalho e participaram ao longo de toda sua confecção. Obrigado pelos bons momentos que passamos nas tardes de Arquivo Público e em outras esferas espaciais, sempre com muitas risadas. Aos meus alunos do Curso de Graduação em História, da Universidade Estadual do Piauí, por me mostrarem que a relação entre professor e aluno perpassa pelo compromisso, respeito e amizade. A todos os profissionais da Universidade Estadual do Piauí, que, de alguma maneira, têm contribuído para a solidificação dos meus valores como profissional. Às instituições Universidade Estadual do Piauí, Secretaria Estadual de Educação, 3ª Gerência Regional de Educação de Piripiri, Universidade Federal do Piauí e Secretaria da Câmara Municipal de Piripiri. Á Cidade de Piripiri, por ser muito mais que um recorte espacial do presente estudo. Cidade que me fez entender, mesmo inconscientemente, que as cidades só existes pela fricção entre as dimensões material e imaterial, entre vivências e experiências.

10 9 Na verdade o que se destaca é que a modernidade representa o novo que chega e passa a fazer parte da vida cotidiana dessa gente. Esse aparecimento do novo produz imagens que passam a povoar a mente das pessoas de novas idéias e novas ações, de novos costumes e novos valores, revelando, assim, novas relações, símbolos e evidências. Porém é tudo isso que passa a dar ao homem a própria razão de viver; é o fantasmagórico através dos sonhos, do medo, da crença, do lúdico.[...] As crianças tinham muito medo do trem por causa de seu tamanho e de sua velocidade. Para alguns, era um animal gigante que saindo da mata corria velozmente sobre os trilhos, para outras era um monstro que engolia, devorava as pessoas e animais. Pensavam assim por causa do forte barulho que o movimento das rodas sobre os trilhos. O próprio chão tremia parecendo movimentar as pessoas que se sentiam atraídas por um imã existente na locomotiva. Nessa sensação de medo, o coração só faltava sair pela boca. Maria Cecília de Almeida Nunes

11 10 FERREIRA, José de Arimatéa Isaias. Trilhando novos caminhos: A cidade de Piripiri e as mudanças proporcionadas pela chegada da ferrovia Teresina, (Dissertação). 131 p. Mestrado em História Universidade Federal do Piauí. RESUMO O presente estudo analisou o processo de desenvolvimento da cidade de Piripiri nas décadas de 30, 40 e 50 do século XX assim como a relação desta modernização com a Estrada de Ferro Central do Piauí, que chegou na cidade no anos de 1937 e foi desativada durante os anos de A cidade de Piripiri experimenta, a partir da década de 1930, um período próspero de desenvolvimento urbano patrocinado principalmente por ações governamentais, que influencia diretamente em seu espaço. A cidade pequena e pacata, como quase todas as demais cidades interioranas do estado piauiense, se percebe em pouco espaço temporal inserido em um processo de crescimento urbano e populacional, dinamizando suas estruturas internas e suas relações com as demais cidades vizinhas, com a capital Teresina e principalmente, devido a chegada da ferrovia, com Parnaíba. No sentido de apresentar esse período e esta relação entre a cidade e a ferrovia, o trabalho se centraliza especificamente em duas temáticas: A ferrovia e a Cidade de Piripiri. A Ferrovia, desde sua instalação, serviu como fronteira do espaço urbano da cidade de Piripiri e ao mesmo tempo como modificador deste, a partir do momento que novas ruas e bairros foram criados em suas imediações. Neste mesmo contexto surgiram,através de ações governamentais, diversas melhorias e instituições que objetivaram no desenvolvimento de sua infra-estrutura, como serviço de água, energia elétrica, serviços bancários, cinemas além do próprio crescimento e organização do espaço urbano, que deram à população da cidade a oportunidade de desfrutar de serviços até então existente somente nas cidades maiores. Palavras-chave: Cidade. Ferrovia. Modernização.

12 11 ABSTRACT This present study investigated the development process of the city of Piripiri during the decades of 1930, 1940, 1950 of the twentieth century as well as the relation of this modernization with the Estrada de Ferro Central do Piaui which arrived in this city in the year of 1937 and it was deactivated during the 1980s. During the 1930s, the city of Piripiri gained a long period of prosperity within its own space and it was mainly attributable to government support. Piripiri; which is a small and serene city just like any other urban city in the state of Piaui, received attention in a short period of time embedded in a process of development of urban growth and population optimizing its own internal structures and relationship with neighbouring cities, especially with its capital Teresina due to the arrival of the railway to Parnaiba. To the extent of presenting this period of time and this relation between the city and the railway, this research concentrates on two relevant themes: The railway and the city of Piripiri. The railway, since the very beginning, served as a border for the urban space of the city of Piripiri and at the same modifying Piripiri from the moment that new streets and neighbourhoods were developed surrounding it. Within this same context, there were new governmental initiatives and institutions that supported the development of infrastructure services such as hydro, electricity, bank services and cinemas besides their own growth and organization of urban space, gave the population of Piripiri the opportunity to benefit from services that until then were only available in bigger cities. Keywords: City. Railway. Modernization.

13 12 LISTA DE FOTOGRAFIAS Foto 1 Embarque nos vagões da Estrada de Ferro Central do Piauí em Parnaíba... Foto 2 Trabalhadores na construção da E.F.C.P... Foto 3 Construção de ponte sobre o Rio Santo Antônio em Piripiri... Foto 4 Inauguração da Estação Ferroviária da cidade de Piripiri... Foto 5 Vista aérea da Estação Ferroviária... Foto 6 Quadro de horários da Estação Ferroviária... Foto 7 Publicação dos horários dos trens no Piauí... Foto 8 Último motor utilizado pela Usina Elétrica... Foto 9 Prédio da antiga Usina Elétrica Foto 10 Grupo Escolar Padre Freitas na década de Foto 11 Avenida Tomaz Rebelo na década de Foto 12 Avenida Tomaz Rebelo no final da década de Foto 13 Inauguração do Primeiro Sistema de Abastecimento de água... Foto 14 Mapa da primeira divisão geográfica da cidade... Foto 15 Mapa da segunda divisão geográfica da cidade... Foto 16 Mapa da Região central da cidade... Foto 17 Mercado público de Piripiri na década de Foto 18 Antiga Igreja Matriz de Piripiri... Foto 19 Demolição da Antiga matriz da cidade na década de

14 13 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Extensão ferroviária brasileira e de outros países... Tabela 2 Rede de Viação Cearense - Receitas e Despesas... Tabela 3 Estrada de Ferro Central do Piauí Receitas e Despesas... Tabela 4 Situação econômica das Ferrovias Nordestinas... Tabela 5 Tráfego Ferroviário Nordestino... Tabela 6 Estações da Estrada de Ferro Central do Piauí... Tabela 7 Exportações piauienses... Tabela 8 Receita anual do Estado do Piauí na década de 1930 e Tabela 9 Demografia Piauiense... Tabela 10- Demografia Piripiriense

15 14 SUMÁRIO RESUMO... IX ABSTRACT... X INTRODUÇÃO CAPÍTULO I A PRIMEIRA ESTAÇÃO: O CAVALO DE AÇO ABRINDO CAMINHOS A ferrovia como símbolo da modernidade CAPÍTULO II SEGUNDA ESTAÇÃO: A FERROVIA E A CIDADE SE ENCONTRAM A chegada da ferrovia à Piripiri Reorganização Urbana da cidade de Piripiri Política, demografia e o espaço urbano CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS E FONTES

16 15 INTRODUÇÃO A cidade de Piripiri se localiza na região norte do estado do Piauí, possuindo hoje mais de 62 mil habitantes (segundo estimativas Censo IBGE para 2010). Em termos demográficos, ocupa atualmente a quarta maior cidade do estado. Sua economia tem como base a agricultura, pecuária e um desenvolvido comércio, além de um pequeno pólo industrial, principalmente na área de confecções. Possui também uma grande diversidade no setor de prestação de serviços, sejam públicos ou privados. É uma cidade relativamente nova, se comparada à algumas cidades vizinhas como Barras, Pedro II e Piracurura. Completou neste ano de 2010, cem anos de emancipação política, ocorrida em 04 de julho de 1910 e com um pouco mais de um século e meio de história desde a construção de suas primeiras moradias no ano de A cidade de Piripiri hoje possui um dos mais desenvolvidos centros urbanos da região norte do Estado. Sua importância em termos regionais continua em ritmo de crescimento. Sua infra-estrutura, sempre se modificando, é uma das melhores do estado do Piauí. Seu desenvolvimento contínuo ao longo de todo o século XX, com destaque a partir da década de 1930, se fez notar e deu à cidade uma nova estrutura física, um aspecto moderno e dinâmico e uma sociedade em constante mudanças. Estudar cidades, e principalmente, estudar o desenvolvimento de suas estruturas econômicas, arquitetônicas e todas as suas formas de urbanização é eleger fatos ao longo de sua história que por ventura poderiam ser responsáveis

17 16 pelo desencadeamento desse desenvolvimento e conseqüentemente o resultado deste na vida e no cotidiano da população e na infra-estrutura econômica, social e política da própria cidade. É entender as diferentes formas com que o meio urbano se expande, cresce e juntamente a esse crescimento, as conseqüências em relação aos setores mais próximos ou envolvidos nesta expansão. Neste sentido, este trabalho faz uma análise de cidade e transporte a partir do momento que elege a chegada da ferrovia à cidade de Piripiri, como um dos pontos fundamentais na aceleração de seu desenvolvimento urbano. Portanto, o presente estudo tem o objetivo principal de compreender a relação construída a partir da chegada do trem a Piripiri com o seu desenvolvimento urbano, econômico e social. Tendo como pressuposto que a ferrovia facilitou e/ou acelerou a chegada de fatores que influenciaram diretamente na infra-estrutura espacial da cidade, como escolas, bancos, instituições governamentais, serviços públicos, surgimento de bairros, abertura e melhoramento de ruas e praças. Assim, também é objetivo deste trabalhar e analisar a organização urbana da cidade, apontando as primeiras ações no sentido de planejar a cidade, tornandoa mais funcional em relação aos setores econômicos e sociais e também, um lugar agradável à sua população. Como também analisar o desenrolar destas transformações urbanas que a cidade vai experimentar ao longo do tempo e perceber que no decorrer das três décadas seguintes após a inauguração da ferrovia, Piripiri vai usufruir de melhorias que, muito provavelmente, demorariam muito mais tempo a chegar caso a cidade não fosse cortada pelos trilhos da Estrada de Ferro Central do Piauí (E.F.C.P.). Além da ferrovia, tentamos mapear outros aspectos que podem ser considerados geradores do crescimento urbano de Piripiri, pois podemos verificar que apesar da grande importância da ferrovia para a cidade de Piripiri, ela, isoladamente não teria esse poder. Assim, neste trabalho, também se privilegiou outras ações governamentais que foram de fundamental importância na junção de elementos que modificariam a cidade nas décadas de 30, 40 e 50 do século XX. Estas três décadas foram escolhidas principalmente com base na situação econômica da cidade de Piripiri e também do próprio Estado do Piauí. Assim, ao longo desses 30 anos se verificou com mais nitidez os resultados do

18 17 processo de desenvolvimento da cidade e os efeitos que podemos relacionar à ferrovia. Portanto, determinando este período podemos assim identificar de que forma a cidade se transformaria após aquela festa de inauguração da estação, na tarde de onze de fevereiro de É importante ressaltar que o recorte temporal está estabelecido nestas três décadas, mas não exclui, em dados momentos, recuos ou avanços, onde identificam-se as primeiras e tímidas ações desse crescimento ou seus resultados em anos posteriores a ele, afinal, como verificamos, as transformações ocorridas na cidade não ocorreram isoladamente nem de forma imediata, mas são um conjunto de ações que se sobrepõe, se intercalam e que ao longo dos anos vão se mostrando como resultados de um processo lento mas perceptível. A idéia para discutir o presente tema foi engendrada durante os anos de trabalho como professor do Ensino Fundamental e Médio na cidade de Piripiri, nos anos de 2000 a 2006, como uma forma de contribuir para a preservação da história da cidade e mostrar que é possível, se fazer história no interior do Piauí. Assim como outras cidades do interior do estado, notamos a pequena quantidade de material escrito sobre Piripiri e o pouco conhecimento a respeito de sua história por parte de sua população. Dessa forma pretendemos mostrar, através deste trabalho, as transformações que a cidade passou décadas atrás e que resultaram na Piripiri atual, como também mostrar que a ferrovia, atualmente abandona, já foi responsável por grande parte das inovações que chegavam à cidade e, por fim, colaborar na organização de uma bibliografia a respeito da cidade, atualmente tão escassa até os dias atuais e que nos últimos anos pouco ou quase nada de novo foi posto à disposição da população piripiriense. Como fundamento teórico, este trabalho subsidia-se por propostas a partir das análises na relação entre modernidade e modernização e também sendo subsidiadas por leituras relacionadas às reflexões sobre Cidade, utilizando como referenciais teóricos as discussões feitas por Marshall Berman (2007) que embora não fale propriamente de cidade, tem grande importância a partir do momento que se verifica que as cidades do século XX estão todas, de uma certa forma, mais ou menos envolvidas no turbilhão modernizante em que se busca, através dessa modernização, se adequar à uma nova realidade sempre a se alcançar e finalmente,

19 18 num determinado período de tempo se sentir moderno, se sentir inserido no que há de mais novo, mesmo que isso seja apenas uma ilusão temporária, afinal, o moderno está sempre a frente, sempre por vir. Para uma melhor compreensão quanto aos aspectos urbanos, deste trabalho utiliza-se de um conjunto de obras e estudiosos que trabalham o tema cidade, como também urbe, urbanização e modernização, entre eles: Ítalo Calvino (1989), Dilma Andrade Paula (2000), Raquel Rolnik (1994), Maria Stella Bresciani (2009), Francisco Alcides Nascimento (2002), Ana Lúcia Duarte Lana (1996). Sobre a temática transporte, ferrovia e trabalho ferroviário destacamos os pesquisadores Benedito Genésio Ferreira (1989), Francisco Foot Hardman (2005), Josemir Camilo Melo (2008), Márcio Rogério Silveira (2007), Liliana Petrillo Segnini (1982), Douglas Apprato Tenório (1996) e Manoel Rodrigues Ferreira (1981). As obras acima foram de grande importância para dar uma base concreta ao campo bibliográfico deste trabalho, pois nos mostram diversas formas de análise da relação entre ferrovia, cidade e desenvolvimento urbano em diversas partes do Mundo e do Brasil e em tempos cronológicos diversos. Este estudo concretizou-se também a partir de análises de documentos localizados na própria cidade de Piripiri, como Decretos Municipais; Leis propostas pelo legislativo local, como também ofícios do governo municipal; as atas das sessões da Câmara Municipal de Piripiri que muito colaboraram na elaboração deste trabalho. Vale ressaltar o trabalho da Câmara Municipal de Piripiri na preservação destes documentos, mas também verificamos que seu modo de arquivamento não é o ideal, o que pode por em risco a existência dos mesmo em um rápido espaço de tempo. Dessa forma, seria interessante que o poder público municipal agisse de forma imediata para adequar um espaço específico para a preservação deste tipo de material, uma espécie de arquivo público municipal, preservando, dessa forma, grande parte da memória piripiriense. E por fim, junta-se documentos coletados no Arquivo Público do Piauí, principalmente as matérias jornalísticas publicadas na época em jornais como O Piauí, O Dia, Jornal do Comércio, A luta. Adicionam-se documentos também

20 19 produzidos na época, principalmente referentes às ações do governo estadual e de suas secretarias, principalmente as Mensagens governamentais e Decretos de lei. Este estudo encontra-se estruturado em dois capítulos interdependentes. O primeiro capítulo, intitulado Primeira Estação: O cavalo de aço abrindo caminhos enfatiza o desenvolvimento do sistema de transporte ferroviário assim como sua influência sobre as cidades e regiões por onde passava. Apresenta ainda alguns conceitos como o de urbanização e (re)organização espacial da cidade que entram na pauta dos assuntos discutidos pelos dirigentes das cidades na época. O significado da chegada do trem e da construção da estação ferroviária como ponto de centralização do comércio local e as sociabilidades em torno das estações ferroviárias. A formação do sistema viário brasileiro, nordestino e piauiense, com suas características específicas e determinações em seus momentos de construção, seus projetos, finalidades, dificuldades na construção, conclusão, funcionamento e eventualmente desativação. Neste capítulo também veremos como a idéia de ferrovia está inserida nos discursos sobre modernização e como essa relação entre os conceitos de ferrovia e de modernidade também podem ser invertidos, pois no caso especificamente do Piauí, a ferrovia se estruturou em uma época em que o próprio desenvolvimento do país estava se modificando e o transporte ferroviário já não supria todas as necessidades, havendo um incremento principalmente do transporte rodoviário. Quando falamos em ferrovia não estamos falando apenas em um sistema de transporte que por ventura passou a interligar algumas cidades brasileiras (ou muitas), mas em todo um complexo sistema de ligações que faz referência aos aspectos políticos nacionais e locais, relação de trabalho, de urbanização, economia, financiamentos governamentais, empresas privadas nacionais ou estrangeiras e até mudanças no cotidiano das pessoas. Portanto, o universo ferroviário nas cidades sempre foi muito amplo. Universo este que não engloba somente o aspecto de transportes, mas um conjunto de ligações que terão influencia em diversos aspectos no modo de vida da população. O segundo capítulo, intitulado Segunda Estação: A ferrovia chega a Piripiri nos dá um retrato da cidade de Piripiri a partir dos anos 1930 e de sua nova

21 20 realidade após a chegada da ferrovia. A delimitação de sua zona urbana, suburbana e zona rural começa a ser efetivada no fim da década de Há o surgimento de novas ruas e o crescimento de outras se faz notar com mais rapidez. A preocupação com o aspecto paisagístico da cidade passa a ser evidenciado pelo surgimento das primeiras praças e passeios. Serviços diversos vão se instalando: Eletricidade, Água, Correios, Cinema, Banco, Coletoria, Escolas etc. A cidade cresce, as preocupações e ações a respeito de sua urbanização se tornam mais efetivas. Nesse momento, os ares da modernidade chegam ao Estado, influenciando no modo como os dirigentes municipais regiam suas ações. Nesse sentido, a cidade aos poucos vai se transformando em busca de alcançar o status de cidade moderna. Buscamos mostrar neste capítulo as ações, governamentais que efetivamente comprovam o crescimento da cidade de Piripiri. Este capítulo também procura apontar como a Ferrovia interfere diretamente em dois aspectos da cidade de Piripiri: infra-estrutura e urbanização. A Ferrovia possibilitou à população de Piripiri o contato mais rápido com mercadorias até então inexistentes no mercado local e a possibilidade da chegada, em grande número, de artigos já conhecidos vindos de Parnaíba. Possibilitou também uma maior rapidez no escoamento da produção agrícola e extrativista de todas as cidades da região. A Ferrovia também foi responsável diretamente pela modificação espacial da região comercial da cidade, tendo como principal fator neste aspecto a escolha do local para a construção do mercado municipal e consequentemente a mudança do centro comercial da cidade, saindo das proximidades da Igreja Matriz e se instalando na direção da estação ferroviária. A ferrovia se torna uma realização para a cidade de Piripiri, no sentido em que a sua passagem pela cidade vai deixar uma esperança de melhorias para a cidade e principalmente a certeza do seu rápido desenvolvimento. Esse tipo de pensamento é o que mais está presente nos primeiros anos de funcionamento da ferrovia. A ferrovia como símbolo máximo de inserção da cidade de Piripiri no mundo moderno, em uma nova realidade. Provavelmente poucos daqueles que estavam presentes em sua inauguração poderiam imaginar que a vida da Ferrovia em Piripiri não seria tão cheia de glórias e que em um curto espaço de tempo ela iria entrar em declínio até sua desativação total nos anos 1980.

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias Trens turísticos e o patrimônio cultural Roberta Abalen Dias Atualmente o Turismo é considerado uma atividade de grande importância econômica, responsável por geração de emprego e renda. Tal atividade

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Ver também Túnel do Canal da Mancha.

Ver também Túnel do Canal da Mancha. Estrada de ferro, Sistema de transporte sobre trilhos, que compreende a via permanente e outras instalações fixas, o material rodante e o equipamento de tráfego. É também chamado ferrovia ou via férrea.

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

Matéria da Recuperação. Industrialização Urbanização População

Matéria da Recuperação. Industrialização Urbanização População Disciplina: Geografia Roteiro de Recuperação Ano / Série: 7º Professor (a): Gabriel Data: / / 2013 Matéria da Recuperação Industrialização Urbanização População 1- A função urbana de uma cidade diz respeito

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor:Anderson José Soares Série: 1º

Aluno(a): Nº. Professor:Anderson José Soares Série: 1º Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor:Anderson José Soares Série: 1º Disciplina: Geografia Data da prova: Questão 01) O Brasil está dividido em três grandes complexos econômicos regionais: Centro-Sul,

Leia mais

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo CAP. 23 REGIÃO SUDESTE Prof. Clésio Farrapo 1. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO SUDESTE A Regiāo Sudeste ocupa 924.573,82 km², equivalente a 10,86% do território nacional. Grande parte desse território

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

RIO DE JANEIRO - RJ (BRASIL)

RIO DE JANEIRO - RJ (BRASIL) RIO DE JANEIRO - RJ (BRASIL) A Cidade Maravilhosa Rio de Janeiro, também conhecida como a Cidade Maravilhosa, é a segunda maior cidade do Brasil, e com certeza faremos com que você tenha um maravilhoso

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

nós na sala de aula - módulo: geografia 4º e 5º anos - unidade 9

nós na sala de aula - módulo: geografia 4º e 5º anos - unidade 9 As paisagens urbanas e as paisagens rurais são visualmente distintas. As atividades propostas têm como objetivo diferenciar e evidenciar as relações espaciais entre as paisagens urbanas e rurais, colocando

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos:

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos: CINEMÁTICA ESCALAR A Física objetiva o estudo dos fenômenos físicos por meio de observação, medição e experimentação, permite aos cientistas identificar os princípios e leis que regem estes fenômenos e

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

Desafio National Geographic 2010 CADERNO DE CAMPO

Desafio National Geographic 2010 CADERNO DE CAMPO Realização: Patrocínio: Desafio National Geographic 2010 CADERNO DE CAMPO 2 São Paulo em movimento: os sistemas de circulação na cidade Em 1872, São Paulo tinha 31 mil habitantes. Quase um século depois,

Leia mais

Rotary International Distrito 4570 Programa de Intercâmbio Internacional de Jovens

Rotary International Distrito 4570 Programa de Intercâmbio Internacional de Jovens Rotary International Distrito 4570 Programa de Intercâmbio Internacional de Jovens Depoimentos de Intercambistas Brasileiros 2 Carolina Castro foi aos Estados Unidos em 2011 Programa Longa Duração O ano

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

União das Polícias faz violência cair no Município Após assumir há seis

União das Polícias faz violência cair no Município Após assumir há seis 2 3 União das Polícias faz violência cair no Município Após assumir há seis meses a Seccional de Diadema, a delegada Martha Rocha de Castro (foto) afirma que está feliz com o trabalho da Polícia Civil,

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE A Revolução Industrial ocorrida na Inglaterra, integra o conjunto das "Revoluções Burguesas" do século XVIII, responsáveis

Leia mais

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo)

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) 1. (Ufu) Na década de 1960, o geógrafo Aziz Nacib Ab'Saber reuniu as principais características do relevo e do clima das regiões brasileiras para formar, com os demais

Leia mais

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para outro. Os transportes podem se distinguir pela possessão:

Leia mais

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Capítulo 1: Japão - Capítulo 2: China - Capítulo 4: Tigres Asiáticos Apresentação elaborada pelos alunos do 9º Ano C Monte Fuji - Japão Muralha da China Hong Kong

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

PALESTRA DE SISTER MEERA A LEI DA ATRAÇÃO SOB A ÓTICA DO RAJA YOGA MASP Museu de Artes de São Paulo 19 de setembro de 2007

PALESTRA DE SISTER MEERA A LEI DA ATRAÇÃO SOB A ÓTICA DO RAJA YOGA MASP Museu de Artes de São Paulo 19 de setembro de 2007 PALESTRA DE SISTER MEERA A LEI DA ATRAÇÃO SOB A ÓTICA DO RAJA YOGA MASP Museu de Artes de São Paulo 19 de setembro de 2007 O nosso universo é feito de dois tipos de energia: a física (material) e a espiritual

Leia mais

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, para o jornal Metro, edição São Paulo e edição ABC Publicada em 27 de novembro de 2009 Jornalista: Muitos

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Cartilha de princípios

Cartilha de princípios Cartilha de princípios 2 MTST - Cartilha de princípios AS LINHAS POLÍTICAS DO MTST O MTST é um movimento que organiza trabalhadores urbanos a partir do local em que vivem: os bairros periféricos. Não é

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO ECONÔMICA NO TERRITÓRIO NACIONAL

A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO ECONÔMICA NO TERRITÓRIO NACIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO AUP 0270 - PLANEJAMENTO DE ESTRUTURAS URBANAS E REGIONAIS II PROF ANDREÍNA NIGRIELLO A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

08/06/2010. Entrevista do Presidente da República

08/06/2010. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após visita ao banco de sangue de cordão umbilical e placentário - Rede BrasilCord Fortaleza-CE, 08 de junho de 2010

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

MRS - MRS Logística S. A.

MRS - MRS Logística S. A. MRS - MRS Logística S. A. A MRS Logística S. A., vencedora do leilão de desestatização da Malha Sudeste da RFFSA em 20 de setembro de 1996, iniciou suas atividades no dia 1 de dezembro de 1996, constituída

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS Agência de Fomento e Desenvolvimento do Estado do Piauí S.A PIAUÍ FOMENTO Águas e Esgotos do Piauí S/A AGESPISA Companhia Administradora da Zona de Processamento

Leia mais

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS.

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. EM 1950, O NÚMERO CORRESPONDIA A APENAS UM TERÇO DA POPULAÇÃO TOTAL. CERCA DE 90% DO AVANÇO DA POPULAÇÃO URBANA

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

Ano: 7º Turma: 7.1 e 7.2

Ano: 7º Turma: 7.1 e 7.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: Geografia Professor (a): Fernando Parente Ano: 7º Turma: 7.1 e 7.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

Padrão de respostas às questões discursivas

Padrão de respostas às questões discursivas Padrão de respostas às questões discursivas A seguir encontram-se as questões das provas discursivas da 2ª ETAPA do Vestibular UFF 2011, acompanhadas das respostas esperadas pelas bancas. GEOGRAFIA - Grupos

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

O tráfego na Avenida Caxangá e a problemática do crescimento desordenado da frota automobilística na cidade do Recife - PE

O tráfego na Avenida Caxangá e a problemática do crescimento desordenado da frota automobilística na cidade do Recife - PE O tráfego na Avenida Caxangá e a problemática do crescimento desordenado da frota automobilística na cidade do Recife - PE INTRODUÇÃO Recife-Pernambuco tem uma densidade demográfica bastante alta se comparada

Leia mais

TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos

TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos Priscila de Moura Souza 1 Teresinha de Jesus Mesquita Queiroz 2 Introdução O presente texto busca analisar os primeiros processos de ensino aprendizagem,

Leia mais

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 COIMBRA, Bruno Abdala Vieira Di 2 ; ALMEIDA, Maria Geralda 3 Palavras-chave: Kalunga, Paisagem Cultural, Paisagem

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras Diretoria de Engenharia - DE Cidades candidatas e seus aeroportos Aeroportos da INFRAERO primeira e última imagem que o turista estrangeiro

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

ENSINO MÉDIO. Data :23/05/2012 Etapa: 1ª Professor: MARCIA C. Nome do (a) aluno (a): Ano:1 º Turma: FG Nº

ENSINO MÉDIO. Data :23/05/2012 Etapa: 1ª Professor: MARCIA C. Nome do (a) aluno (a): Ano:1 º Turma: FG Nº Rede de Educação Missionárias Servas do Espírito Santo Colégio Nossa Senhora da Piedade Av. Amaro Cavalcanti, 2591 Encantado Rio de Janeiro / RJ CEP: 20735042 Tel: 2594-5043 Fax: 2269-3409 E-mail: cnsp@terra.com.br

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Inglaterra século XVIII

Inglaterra século XVIII Inglaterra século XVIII Revolução: Fenômeno político-social de mudança radical na estrutura social. Indústria: Transformação de matérias-primas em mercadorias, com o auxílio de ferramentas ou máquinas.

Leia mais

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Curso :Uso Escolar do Sensoriamento Remoto no Estudo do Meio Ambiente

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Curso :Uso Escolar do Sensoriamento Remoto no Estudo do Meio Ambiente Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Curso :Uso Escolar do Sensoriamento Remoto no Estudo do Meio Ambiente Visualização das alterações ocorridas nos últimos 20 anos nas áreas limítrofes entre

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

A oficina contou com 26 participantes, representando 11 diferentes entidades da sociedade civil local.

A oficina contou com 26 participantes, representando 11 diferentes entidades da sociedade civil local. Relatoria da Oficina de Praia Grande 12 de junho de 2012 A Oficina Desafios para o Desenvolvimento Sustentável de Praia Grande, realizada no dia 12 de julho de 2012, na Associação Comercial de Praia Grande,

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

MOBILIDADE URBANA SOBRE DUAS RODAS: UM OLHAR DE GÊNERO NO USO DAS CINQUENTINHAS NA SOCIEDADE E CONSUMO ATUAL

MOBILIDADE URBANA SOBRE DUAS RODAS: UM OLHAR DE GÊNERO NO USO DAS CINQUENTINHAS NA SOCIEDADE E CONSUMO ATUAL MOBILIDADE URBANA SOBRE DUAS RODAS: UM OLHAR DE GÊNERO NO USO DAS CINQUENTINHAS NA SOCIEDADE E CONSUMO ATUAL Micheline(1); Laura (2); Marília(3) (Micheline Cristina Rufino Maciel; Laura Susana Duque-Arrazola;

Leia mais

Concentração de serviços (hospitais, escolas, centros de pesquisas, transportes etc.);

Concentração de serviços (hospitais, escolas, centros de pesquisas, transportes etc.); ESPAÇO URBANO E ESPAÇO RURAL O espaço urbano é o espaço das cidades e se caracteriza pelo predomínio das atividades secundárias e te r- ciárias, ou seja, as atividades industriais, comerciais e de serviços.

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional REGIÃO NORTE REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional GRANDE ÁREA COM PEQUENA POPULAÇÃO, O QUE RESULTA EM UMA BAIXA DENSIDADE DEMOGRÁFICA (habitantes por quilômetro

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO A área de lazer cada vez mais assume posição de destaque nos informes publicitários do mercado imobiliário residencial. O programa dos condomínios residenciais

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Experiências Lean. Autor: Robson Gouveia

Experiências Lean. Autor: Robson Gouveia Experiências Lean Autor: Robson Gouveia A palavra experiência possui mais de uma definição, esta ligada ao ato ou efeito de experimentar, ao conhecimento obtido pela prática de uma atividade e também possui

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES 480 MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES Poliana de Oliveira Basso¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda². ¹Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo da

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Os Centros Urbanos do Século XXI

Urban View. Urban Reports. Os Centros Urbanos do Século XXI Urban View Urban Reports Os Centros Urbanos do Século XXI Os centros urbanos do século XXI Hoje 19,4 milhões de pessoas vivem na região metropolitana de São Paulo. A quinta maior aglomeração humana do

Leia mais

Exercícios 3 cap. 9 7º ano 3º trim.

Exercícios 3 cap. 9 7º ano 3º trim. Exercícios 3 cap. 9 7º ano 3º trim. 1. A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Os transportes quanto ao uso, por posse (possessão) podem ser públicos, quando

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

OS ENTRAVES DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: UMA CARACTERIZAÇÃO DOS MODAIS DE TRANSPORTE PÚBLICO

OS ENTRAVES DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: UMA CARACTERIZAÇÃO DOS MODAIS DE TRANSPORTE PÚBLICO OS ENTRAVES DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: UMA CARACTERIZAÇÃO DOS MODAIS DE TRANSPORTE PÚBLICO Nivaldo Gerôncio da Silva Filho 1 RESUMO: A mobilidade urbana sustentável começa a definir novos conceitos

Leia mais

Estudo do Meio PARANAPIACABA SANTOS

Estudo do Meio PARANAPIACABA SANTOS Estudo do Meio PARANAPIACABA SANTOS Profa. Wanda Pivetta Prof. Ms. Alan Victor Pimenta Esse texto não se pretende uma reprodução de todas as atividades desenvolvidas no Estudo do Meio realizado pelo Colégio,

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil.

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. Marque com um a resposta correta. 1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. I. A região Nordeste é a maior região do país, concentrando

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

Em matérias jornalísticas publicadas em vários. Introdução

Em matérias jornalísticas publicadas em vários. Introdução Introdução Em matérias jornalísticas publicadas em vários países do mundo nos últimos anos emerge um aparente paradoxo a respeito da vida na península italiana: o amor do mundo pela Itália, enquanto os

Leia mais

1º RETAIL PARK EM FORTALEZA

1º RETAIL PARK EM FORTALEZA 1º RETAIL PARK EM FORTALEZA CONTATOS NEW RETAIL Invest - Brasil Av. Paulista nº 1765-7º andar- Cj. 71e 72 Bairro Bela Vista São Paulo-SP CEP 01311-200 SUMÁRIO Pág. 1. FORTALEZA: A 5ª cidade do Brasil e

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na solenidade de inauguração da Usina Termelétrica Cristiano Rocha

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na solenidade de inauguração da Usina Termelétrica Cristiano Rocha , Luiz Inácio Lula da Silva, na solenidade de inauguração da Usina Termelétrica Cristiano Rocha Manaus-AM, 18 de dezembro de 2006 Eu não sei se tem alguém se molhando, mas por mim pode chover à vontade,

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

PAULISTANA PI: Origem e Evolução Urbana.

PAULISTANA PI: Origem e Evolução Urbana. PAULISTANA PI: Origem e Evolução Urbana. CARVALHO, Muryllo Mayllon de Alencar 1 BUSTAMANTE, Antenor Fortes de 2 CRUZ, Luciana Soares da 3 RESUMO O presente artigo tem como objetivo discutir dados preliminares

Leia mais

Revista da ESPM Janeiro/Fevereiro de 2002. Aera da mídia exterior ORLANDO MARQUES

Revista da ESPM Janeiro/Fevereiro de 2002. Aera da mídia exterior ORLANDO MARQUES Aera da mídia exterior ORLANDO MARQUES 27 No mundo urbano em que vivemos, passamos mais tempo fora de casa, que dentro. Quando estamos em casa, são tantas as alternativas de comunicação, que o tempo de

Leia mais

ACESSO AOS BENS DE COMUNICAÇÃO E MOBILIDADE SOCIAL 1. Adelita Carleial 2 Ana Matos 3

ACESSO AOS BENS DE COMUNICAÇÃO E MOBILIDADE SOCIAL 1. Adelita Carleial 2 Ana Matos 3 ACESSO AOS BENS DE COMUNICAÇÃO E MOBILIDADE SOCIAL 1 Adelita Carleial 2 Ana Matos 3 Introdução Este estudo pretende problematizar a idéia de que a posse de bens, como telefone, rádio, televisão e microcomputador,

Leia mais

O poderio norte-americano

O poderio norte-americano A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ O poderio norte-americano Nesta aula vamos estudar os Estados Uni- dos da América, a mais importante economia nacional do planeta, e o Canadá, seu vizinho,

Leia mais

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Vista da Rua Schilling, no ano de 1981 Fonte : Júnior Manuel Lobo Fonte:Vila Hamburguesa sub-distrito da Lapa município da capital de São Paulo Vila

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA MARÇO/98 Nº 19 Transporte Ferroviário Regional de Passageiros 1. INTRODUÇÃO A história do transporte ferroviário, em escala comercial, principia

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais