Trajetórias biografadas: memórias de transplantados e transplantadores na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre/RS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trajetórias biografadas: memórias de transplantados e transplantadores na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre/RS"

Transcrição

1 Trajetórias biografadas: memórias de transplantados e transplantadores na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre/RS VÉRA LUCIA MACIEL BARROSO 1 1 A Misericórdia da capital do extremo-sul do Brasil: memória preservada Em 1803 foi criada a Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, por ato do Príncipe Regente D. João, após apelos feitos pelo Irmão Joaquim Francisco do Livramento, também idealizador de outras obras sociais no Brasil. Após sua maior crise institucional, em 1986, quando do seu processo de revitalização, tendo como aliada a sociedade regional, foi definida a criação de um Centro de Documentação e Pesquisa/CEDOP, atualmente denominado Centro Histórico-Cultural Santa Casa de Porto Alegre (CHC). O entendimento, naquela altura, era de que a ressurreição da Misericórdia da capital gaúcha, passaria necessariamente, pelo reconhecimento de que a Santa Casa era um patrimônio da cidade e do estado, e como tal haveria que preservar seus suportes de memória. Assim, se justificava a organização de seu acervo e a contratação de uma equipe de profissionais da História e da Arquivologia, ainda que em época de dificuldades para sua recuperação financeira. Sua finalidade precípua: recolher, conservar/organizar e disponibilizar a documentação arquivística e museológica da Misericórdia de Porto Alegre. A missão de conservar seu rico acervo transformou, inicialmente, o Arquivo da Santa Casa, sobretudo, em centro de referência histórica no cenário regional. Ao revelar sua organização e potencialidade de pesquisa, instituições privadas, para além das públicas, foram motivadas a conservarem suas memórias e disponibilizá-las à sociedade, como estratégia de cidadania. A seguir, para melhor compreensão do projeto desenvolvido, apresentam-se traços da história da Santa Casa de Porto Alegre, bem como informações sobre o potencial do seu acervo arquivístico, dando-se destaque, a seguir, aos documentos orais produzidos pela equipe do CHC, no seu Núcleo de História Oral. 2 A Santa Casa de Porto Alegre: patrimônio do Rio Grande do Sul/Brasil Saúde, cultura e história constituem, entre outros, direitos de todo cidadão. O direito ao passado, à memória coletiva, ao estado saudável de vida, ao usufruto das manifestações da criação humana, produto cultural que expressa a condição dos sujeitos através dos tempos, * Doutora em História, Historiógrafa do Centro Histórico-Cultural Santa Casa de Porto Alegre.

2 tem sido cultivado nos canteiros da história da mais antiga Misericórdia do estado do Rio Grande do Sul. Eis que a Santa Casa de Porto Alegre, portadora de 210 anos de vida, traz para si, com muito empenho, a responsabilidade de não só gerenciar com maior competência a modernização do seu complexo institucional, como também a de estreitar com a comunidade regional sua permanente usufrutuária, laços de parceria, a fim de proporcionar condições para atender à saúde, à cultura, à história da sua cidade e à do seu estado, fazendo assim a sua parte. A Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre é um patrimônio da sua cidade e do Rio Grande do Sul. Ela é um bem. E, um bem se cuida, e tudo se faz para conservá-lo. Sua dimensão patrimonial se estende mais, por abrigar uma significativa parcela de evidências documentais, sob vários suportes, reveladoras da história e da cultura desses espaços aos quais está estreitamente relacionada. O exame do seu acervo arquivístico e museológico (incluindose o Cemitério) demonstra que é impossível recompor a história de Porto Alegre e a do Rio Grande do Sul sem passar pelo mais antigo hospital em funcionamento no estado, que é a Santa Casa de Porto Alegre. Na verdade, suas histórias se confundem. As trajetórias da formação da cidade e do Rio Grande do Sul iniciam no século XVIII. A da Santa Casa também. Recordando: Porto Alegre foi elevada à condição de freguesia em 1772, em tempo de disputa de território entre espanhóis e portugueses. Vários tratados foram firmados entre os reinos ibéricos, até que em 1801 o Rio Grande do Sul passou aos domínios de Portugal. A Santa Casa de Porto Alegre foi fundada por aviso do Príncipe Regente D. João, anunciado em 19 de outubro de Portanto, dois anos depois da incorporação definitiva do Rio Grande do Sul ao Brasil, a nossa Misericórdia" iniciava a sua trajetória. E, desde então, através da atuação de sua Provedoria, ela deveria cumprir a sua missão: a de prover. E foi o que fez, sobretudo a partir de 1º de janeiro de 1826, quando foram inauguradas suas primeiras enfermarias, sendo seu provedor o Visconde de São Leopoldo.

3 Assim, a Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, no cumprimento de suas finalidades, durante dois séculos, foi registrando suas ações e deixando rastros: documentando, gravando e fixando em diferentes suportes as suas decisões, ações e rumos. De tudo ficaram recortes e indícios do passado: fontes documentais que o Centro Histórico- Cultural (CHC) guarda, conserva e oferece à comunidade para a pesquisa e a produção do conhecimento. E franquear à comunidade regional o seu acervo é, na verdade, mais que um dever, é uma responsabilidade social que vem sendo ampliada, especialmente neste momento em que a Santa Casa se prepara para inaugurar a sede do seu Centro Histórico-Cultural, em 5 de junho deste ano Em parte do amplo quarteirão que abriga o Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre, oito sobrados geminados, situados na Avenida Independência, serão o abrigo de um arsenal de documentos, constituindo-se em fontes imprescindíveis para a escrita da história da cidade e dos municípios que compõem o estado, bem como de lugares de outros estados e países vizinhos. Afinal, no de redor há sempre alguém que cite um parente, um colega, um amigo, um conhecido que tenha passado pela Santa Casa de Porto Alegre, como paciente ou funcionário, ou acompanhando um familiar que procurou o Complexo Hospitalar ou seu Cemitério, selando vínculos, constituindo elos ou traços que revelam a indissociabilidade da Santa Casa com a comunidade local, e a regional, sobretudo. Sede do Centro Histórico-Cultural Santa Casa de Porto Alegre. O acervo do CHC anima pelo que oferece e disponibiliza: a produção do conhecimento nos âmbitos das histórias política, social, econômica, cultural e das religiões. Atende à história do cotidiano, do trabalho, da saúde, das doenças, da morte, da escravidão/liberdade, da loucura, da imigração, do abandono, da infância e tantas outras. Diferentes ciências podem ser trabalhadas com base no acervo que custodia: Arqueologia, Geografia, Estatística, Antropologia, Sociologia, Genealogia, Arquitetura, Engenharia, Biomédicas e Artes. E não poucos já obtiveram informações para completar o processo de sua dupla cidadania, especialmente a italiana.

4 3 O Programa de História Oral do CHC Santa Casa de Porto Alegre Com perspectiva alargada de atuação, a equipe do Centro Histórico-Cultural decidiu, na década de 1990, iniciar o seu Programa de História Oral, voltado para os protagonistas da Instituição: dirigentes, funcionários, médicos, enfermeiros, pacientes, vizinhos e locatários das propriedades da Santa Casa. Através da aplicação da Metodologia da História Oral, ampliava-se assim, as possibilidades de fontes documentais do acervo do CHC, e o acesso a informações, antes lacunares acerca da atuação da institucional. O trabalho de História Oral ampliou-se, na década de , motivado, sobretudo, por datas comemorativas de hospitais do complexo, e também por homenagens prestadas na Instituição. Não se faria um trabalho na perspectiva da história tradicional, por entender-se que a memória é um campo de batalhas. (THOMSOM, 1998, grifo meu). É reconhecido, que a difusão da importância da história dos diferentes hospitais da Santa Casa, que o Centro Histórico-Cultural vem realizando desde 1986, fez com que as direções hospitalares tivessem interesse em realizar exposições de curta duração para que suas equipes de trabalho se apropriassem e se sentissem parte do lugar onde atuam cotidianamente. Por consequência, uma rede de depoentes foi constituída para cada uma delas, cujas falas serviram de alicerce para a perspectiva histórica do tempo presente se firmar e se afirmar, no seio da Instituição e da sua comunidade que dela usufrui dos seus serviços. Assim aconteceu com: o Hospital São Francisco voltado para a Cardiologia; o Hospital Santa Rita, o seu centro de câncer e o Pavilhão Pereira Filho de pneumologia. Projetos de História Oral foram desenvolvidos para cada um, com colheita abundante e muito interessante. Nesta esteira, aproximando-se os 10 anos da criação do Hospital Dom Vicente Scherer, a equipe do CHC foi chamada para participar do grupo que preparava a sua comemoração. O desejo manifesto era de se fazer um histórico do 1º Centro de Transplantes que o Brasil passara a ter, sediado na Santa Casa de Porto Alegre. Quais fontes para essa escrita? A sugestão dada foi a de se ouvir seus protagonistas, sendo de imediato aceita e iniciado o trabalho. Tempo para fazê-lo: quatro meses, incluindo-se exposição e produção de vídeo, a partir das entrevistas realizadas. 4 Primeiro Centro de Transplantes da América Latina: o hospital do renascimento

5 Em novembro de 2010 foi iniciado o projeto de História Oral voltado para o Hospital Dom Vicente Scherer. E, de imediato, definiu-se quais seriam as categorias de entrevistados. Sem dúvida, na lista estavam os diretores médico e administrativo do Hospital de Transplantes, assim como os diretores geral e médico atuais da Santa Casa, e os que, na ocasião da criação do hospital, estavam à testa da Instituição. Afinal, como alerta Jim Sharpe: [...] história oral tem sido muito usada pelos historiadores que tentam estudar a experiência das pessoas comuns, embora, é claro, não haja razão por si só evidente do motivo pelo qual o historiador oral não deva gravar as memórias das duquesas, dos plutocratas e dos bispos, da mesma forma que dos mineiros e dos operários fabris. (In: BURKE, 1992, p ). Assim, o projeto de História Oral desenvolvido não se voltaria apenas para a atuação dos dirigentes do hospital de transplantes, e do centro de poder que o orienta. Ele buscou, sim, colher depoimentos, para o entendimento da trajetória do hospital, desde sua idealização, sua construção, inauguração e funcionamento, ouvindo-se outras vozes. Tomou como baliza, também, registrar as falas das pessoas comuns, sem desconsiderar a análise da estrutura institucional, bem como o jogo das relações políticas do contexto de um hospital pioneiro em transplantes e suas repercussões. Foi o que se buscou fazer: entrevistar os funcionários da Nutrição, da Hotelaria, da Secretaria, da Limpeza, da Enfermagem, da Manutenção e outras áreas que garantem o funcionamento do hospital para que os transplantes aconteçam com sucesso; para que as vidas sejam salvas. E a escuta de transplantados, que viveram a fronteira entre a vida e a morte, como se faria? Quais cuidados na seleção de depoentes para cada órgão? Como seria feito o roteiro? Que questões levantar? Como historiadora do tempo recente, tem-se a clareza de que o oralista é um criador do arquivo da palavra, ao registrar as falas dos atores sociais dos objetos que estuda e pesquisa. Mas há que ter cuidados, especialmente quando os depoentes vivem situações dramáticas. Mais ainda, como oralista de histórias traumáticas, sua prática deve ser seguramente conduzida por técnica cuidadosa de recolha dos depoimentos. A prática da História Oral tem uma metodologia própria e específica, e segui-la é condição de êxito do trabalho. A propósito, Aspásia Camargo destaca: O gravador é técnica, não é metodologia. (CAMARGO, apud D ARAUJO, 1999). E em outro texto, ela complementa: Nas entrevistas gravadas, a fonte histórica é o Homem e sua memória, reavivada pela presença ativa do entrevistador-pesquisador. (CARMARGO, 1978, p. 293) Portanto, a constituição de um conjunto sistemático, diversificado e articulado de depoimentos que o historiador grava sobre seu objeto de estudo, sejam de histórias de vida ou

6 de ordem temática, lhe permite não só colher informações. Trata-se de um instrumento de compreensão das ações humanas e das suas relações com a sociedade organizada e as tramas do poder constituído. Sempre é oportuno lembrar Paul Thompson em sua clássica obra A voz do passado: História Oral quando destaca: Toda fonte histórica derivada da percepção humana é subjetiva, mas apenas a fonte oral permite-nos desafiar essa subjetividade: descolar as camadas de memória, cavar fundo em suas sombras, na expectativa de atingir a verdade oculta. Se assim é porque não aproveitar essa oportunidade que só nós temos entre os historiadores [...]. (THOMPSON, Paul, 1992, p. 197). Roberto Franck animou este trabalho: É uma grande sorte para o historiador do presente, graças às testemunhas que interroga, poder fazer a arqueologia da memória coletiva. (Apud D ARAÚJO, p. 174). E o traço mais significativo da memória coletiva é a organização ativa das experiências vividas. Eis a riqueza dessa operação feita a partir das memórias individuais para a arqueologia da memória coletiva dos transplantados e transplantadores. Assim, conforme Paul Thompson, se devolverá às pessoas que fizeram e vivenciaram a história, mediante suas próprias palavras. (1992, 4ª capa). Toynbee, a propósito, afirmou: um lugar fundamental, O conhecimento pessoal dos fatos é de tamanha valia que se torna necessário que a História comece a ser escrita pelos que participaram dela. A ação do tempo, o enfoque da perspectiva, o amadurecimento dos homens possibilitarão, sem dúvida, uma revisão proveitosa. E, exatamente porque o estudo da História é a sua revisão constante, ela precisa começar a ser escrita com o depoimento dos seus protagonistas. Faz muito pouco tempo que os homens se convenceram de que o presente é também História. (Apud, EW, Atelaine, M. Normann, p. 142). Foi com esse entendimento que as 42 entrevistas foram realizadas, focadas no Hospital de Transplantes Dom Vicente Scherer, destacando-se que foram colhidos depoimentos de, pelo menos, um transplantado de pulmão, de coração, de fígado, de pâncreas, de fígado e pâncreas, de medula, de rim e de córnea. A seguir, o roteiro é dado por recortes de memórias, que formam uma história, cujos atores se entrecruzam na luta pela vida. Como afirma o Dr. Camargo, transplantador de pulmão: A tristeza pode esperar título de obra que publicou em Vidas biografadas: transplantados, transplantadores e aliados em defesa da vida no Hospital Dom Vicente Scherer Santa Casa de Porto Alegre A seguir a palavra é dada a protagonistas que se aliaram para desafiarem a morte, a partir da morte. Para muitos, o tempo de vida é contado, dia a dia, até que um órgão

7 compatível possa lhe devolver a esperança de renascer. Para tanto, a morte de doadores é a condição do renascimento. Trata-se de uma luta dialética, mesclada de esperança e dor; de luta e resistência, de um lado e outro. Com a palavra, o idealizador do hospital, médico que transplanta pulmão: [...] Nós estávamos almoçando, num sábado, no Plaza São Rafael, comendo feijoada. [...] a diretoria da Santa Casa. E aí durante a conversa aconteceu [...]: Já fizemos muito, já melhoramos as coisas básicas, queremos traçar diretrizes futuras, alguém tem alguma ideia? Por onde a Santa Casa vai? Aí todos falaram, e eu, por último disse: Eu acho que tem um projeto que está latente para meu gosto, que é o seguinte: Santa Casa é o único hospital que faz todos os transplantes. E como é que ela se comporta? Cada grupo treina pessoas no seu pequeno feudo, para fazer melhor o que faz. Mas nós estamos todos dispersos pela Instituição. Por que não reunirmos num lugar só, treiná-los na mesma direção, no que os pacientes transplantados têm em comum, que é a necessidade de extremo cuidado na profilaxia de infecção, porque são pacientes com a imunidade deprimida pelas drogas anti-rejeição. Esse é um ponto de união de todos os transplantes, independente de que órgão seja. Eu construiria um Centro de Transplantes, usando os fatos de que nós temos aqui o que é mais difícil, que é ter as pessoas treinadas, e mais do que isso, as pessoas atuantes. [...] Na segunda-feira eu recebi um telefonema da Provedoria e ouvi: Você pode vir para cá, que nós precisamos conversar um pouco mais sobre aquela sua ideia maluca. Sim, mas se é maluca, esquece! Não era tão maluca. Daí em diante, foi uma bola de neve, porque todo mundo foi se encantando com... e todo mundo trazia alguma coisa, e as coisas foram crescendo. (Depoimento de José de Jesus Peixoto Camargo em 13 de dezembro de 2011). Sua ideia foi compartilhada com o colega, Dr. Valter que transplanta rim: No final dos anos 1990, o Dr. Camargo me procurou. Disse-me que tinha uma ideia, e queria saber se não era uma loucura. Ele tinha uma ideia de construir um hospital. [...] O Camargo gosta de chamar para almoçar no Plaza São Rafael. E quando ele chama é porque tem algo novo ou uma decisão a tomar. Em 97, 98, um dia ele me chamou e disse: Olha, parece loucura minha, mas o que tu achas da gente fazer um hospital para transplantes? Respondi: Maravilha! Muito bom! Ele indagou: Tu concordas? Claro! A ideia é que se tivesse um hospital que congregasse todos os transplantadores, que as pessoas estivessem próximas, pudessem conversar, trocar ideias e experiências, pois os cuidados nos transplantes são muito semelhantes. [...] Todos eles são imunossuprimidos, têm mais risco de infecção e outros riscos. (Depoimento de Valter Duro Garcia em 07 de dezembro de 2011). E o médico Dr. Vitola, que transplanta pâncreas e rins assim registrou: [...] A expectativa era muito grande, porque era uma perspectiva de futuro, não é? De repente as coisas se abrindo magicamente na nossa frente, depois de um trabalho muito exaustivo, de um trabalho desbravador. Isto é uma coisa que desgasta muito. O desbravador perde muito tempo ajeitando as coisas, abrindo caminho, construindo os primeiros passos, mas isto, para nós, se mostrava como quase uma utopia. No início parecia uma utopia: Nós vamos ter um hospital só para transplantes? Não é possível! Não, mas isto vai sair. A comunidade está aí. A comunidade está disposta. Vai doar. Vai sair. E saiu. (Depoimento de Santo Pascual Vitola em 01 de dezembro de 2011). Ele prossegue, recordando do apoio dado pelo ex-diretor geral da Santa Casa: [...] E junto com o Cardeal Dom Vicente Scherer veio o Dr. João Polanczyk. Eu acho que este é o nome, esta é a figura chave do desenvolvimento do transplante na Santa Casa. O Dr. João viu o futuro, ele viu longe, e resolveu investir nos transplantes. Convidou-nos para realizarmos os transplantes no Bloco Cirúrgico do

8 novo hospital: Hospital São Francisco. Então, todo reformado, com material de primeira, um Bloco Cirúrgico de primeiro mundo. E nos estimulou muito. E com o desenvolvimento do transplante renal, vieram outros atrás. E aí, em 15 de agosto de 1987, nós realizamos o 1º transplante conjugado de rim e pâncreas da América do Sul. [...] Hoje nós temos mais de 100 desses transplantes realizados. (Depoimento de Santo Pascual Vitola em 01 de dezembro 2011). A enfermeira Cinara Maisonette recordou de detalhes do projeto de implantação do Nós não saímos fora no mercado para olhar coisas novas. [...] Na realidade, ele foi construído a partir das nossas experiências, pelo menos na parte da UTI. Nós tínhamos muito mais experiências do que muitos locais. Então se pensou: vamos colocar a nossa vivência, o nosso dia a dia, as nossas dificuldades sentidas. [...] Eu não lembro que a gente tivesse medo, que ficasse insegura em fazer. [...] A gente jogou aquela energia na agilidade da construção. (Depoimento de Cinara Maisonette Duarte em 06 de dezembro de 2011). O Provedor Dr. Sanseverino destacou o pioneirismo do novo hospital: Então, lançamos a pedra fundamental do novo Hospital, que seria o primeiro Centro de Transplantes da América Latina. [...] E Porto Alegre e o Rio Grande do Sul ficaram então com a glória de terem organizado o primeiro Hospital de Transplantes nesse recanto da nossa terra. (Depoimento de José Sperb Sanseverino em 30 de novembro de 2011). O Hospital D. Vicente Scherer foi inaugurado em 20 de dezembro de 2001, com investimento de R$ 10 milhões. O novo hospital da Santa Casa de Porto Alegre foi construído com 75% de doações de grandes empresas e 25% de recursos do governo federal. A maioria das cirurgias é custeada pelo Sistema Único de Saúde (SUS). São poucos os convênios que pagam transplantes. A Santa Casa utiliza o lucro propiciado por convênios e pacientes privados para cobrir o que falta no SUS. (Dossiê Hospital Dom Vicente Scherer. Arquivo do CHC). Fachada principal do Hospital Dom Vicente Scherer, situado no quarteirão da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. (Acervo fotográfico do CHC). Sobre a inauguração, lembrou o Dr. Valter Garcia: Era uma noite muito bonita e estrelada! Se fez um palco aqui, na frente do Hospital. Tudo muito bonito. Eu fiquei realmente emocionado. Eu voltei no tempo e fiquei lembrando da nossa Enfermaria 30, onde nós começamos a fazer transplantes de rins, lá na década de 1970, e agora a Santa Casa ganhava um hospital só para transplantes. [...] É uma trajetória vitoriosa. É um sonho que o Camargo teve, que se

9 realizou, e nós auxiliamos. (Depoimento de Valter Duro Garcia em 07 de dezembro de 2011). As possibilidades de novas chances de vida aumentaram significativamente, com um centro de transplantes, onde tudo foi pensado e projetado para a situação específica. Da arquitetura à engenharia, dos equipamentos à formação das equipes de apoio: uma usina humana se formou em defesa dos pacientes com necessidade de transplante. E a fila era muito longa. A morte ronda a vida! O transplante é o ultimo processo terapêutico, é a última oportunidade terapêutica, e sem ela, o paciente, fatalmente, vai falecer. (Depoimento de Santo Pascual Vitola em 01 de dezembro de 2011). A enfermeira Cinara Maisonette registrou: A gente vê a vida renascer. [...] É um renascer, porque a pessoa muda de cor, muda de pele, ela muda de olhar, porque todo o seu organismo, a parte fisiológica começa a funcionar novamente. (Depoimento de Cinanra Maisonette Duarte em 06 de dezembro de 2011). O Dr. Vitola nesse sentido, assim se manifestou: É este sentimento que nos faz levantar de madrugada. É este sentimento que nos fez buscar órgãos no interior, durante anos, sem nenhuma remuneração, de forma amadora. Esse é o grande sentimento que nos move e que nos mantêm nessa atividade. (Depoimento de Santo Pascual Vitola em 01 de dczembro de 2011). O transplantado Joaquim Ricardo dos Santos Aperta relatou que foi bem difícil a fase pré-transplante: A assistente social vinha conversar, os médicos e os enfermeiros vinham conversar. Aí a gente vai aceitando melhor e de uma forma mais tranquila. Mas, no inicio é bem estranho assim. Tu sabes que para ti continuar vivo, tu depende de uma pessoa que, de repente, precisa falecer, e que essa família precisa autorizar que o órgão seja doado. Quer dizer, tem todo um contexto difícil. E depois que o transplante aconteceu, uma nova vida de boas surpresas começou: Ele segue com a palavra: Assim que eu tive insuficiência renal, vim para a Santa Casa, onde fiquei fazendo hemodiálise durante nove anos. [...] Meu transplante foi feito no dia 5 de agosto de [...] E achei formidável, porque a estrutura é fantástica, os profissionais são excelentes. [...] as pessoas reclamam tanto do SUS, dizendo que o SUS não funciona. [...] Mas internado no [Hospital] Dom Vicente, para fazer o transplante, vi que a realidade é bem outra. Ali a gente vê que é igual a qualquer um que tem convênio, ou qualquer outra pessoa que tem dinheiro para pagar. Somos tratados da mesma maneira, as dependências são espetaculares. A gente fica num lugar muito bom para se recuperar. E isso foi uma coisa que me surpreendeu bastante. (Depoimento de Joaquim Ricardo dos Santos Aperta em 20 de janeiro de 2012). [...] continuo sendo sempre acompanhado. Antes era de semana em semana, agora é de 15 em 15 dias. Então, eu sou monitorado, praticamente 24 horas por dia É um casamento para a vida inteira, [...] porque eu vou depender deles para continuar me mantendo com uma saúde boa. [...] Eu casei com eles, e estou bem feliz com esse

10 casamento. [...] não quero divórcio de jeito nenhum. [...] Estou tendo a oportunidade de agora, mais do que nunca, depois de transplantado poder me formar. [...] a gente continua vivendo, a Santa Casa proporciona uma qualidade de vida sensacional para a gente. Que eu posso continuar tendo sonhos na vida. Entretanto, a retomada da vida, não foi fácil para todos, conforme relatos dos depoentes. Cleide Ludimila de Castro Silva, transplantada de rim e pâncreas, fez um relato dramático das dificuldades que enfrentou após a cirurgia: Fiz um mês de hemodiálise. Mas eu vi como é muito complicado, e o pessoal sofre muito fazendo hemodiálise; as pessoas sofrem. Eu, foi pouco tempo, mas também não gostei nem um pouco. Gostar não, quem vai gostar? É muito sofrimento. Só sabe quem passa e quem trabalha; quem é do meio que sabe. Tem que ter uma sensibilidade mesmo para analisar e ver. É bem complicado. [...] Tu vai numa porta: fecha. Tu vai na outra e sempre fecha alguma. Mas, uma se abre e acontece o que tem que acontecer. Essas fases foram todas meio complicadas. Então, passa a primeira, a segunda, e na terceira é quando tu faz o transplante. Aí tu sai bem. Mas, aí tu encaras toda a sociedade. Tu tens que explicar o teu problema. E tu precisas de medicação, mas tem o problema de distribuição de medicação. Até que de um tempo para cá, agora, estabilizou um pouco. Mas, eu tive muitos problemas com isso ai. Então, aí tu enfrentas a sociedade. No teu trabalho, todas as pessoas aceitam, mas algumas não compreendem. Até vamos dizer assim, surgir aquele esclarecimento, mesmo, e uma compreensão, é difícil. Tem que se passar um bom pedaço. Depois tudo se estabiliza. Mas, tu tens que enfrentar aquilo, e tu tens teu problema, e tu és frágil, e és sensível. Aí tu chegas, e tem que se expor. Tu enfrentas tudo aquilo, e aquilo vai te desgastando. Mas, se tu não fizer isso, as pessoas também não entendem, porque é não muito fácil para nós vivermos nesse mundo. Tem pessoas que nem sabem de nada, não conhecem, não tem esclarecimento. Depois tu passas essa fase, que tu já te cansou, ai tu vai para uma fase mais estável. Aí tu toma consciência de tudo e diz: Vou cuidar de mim. Mas tu já estás desgastada mesmo. Mas, repito: Vou cuidar de mim, vou tentar, vou ter um bloqueio para eu não ficar doente. Tenho um bloqueio e vou tratar com mais clareza, então, dos meus problemas. Vou levar minha vida com mais clareza, e vou pensar mais em mim. Aí tu ficas bem. Então, depois que tu passas tudo isso, então fica aquela estabilidade. Mas até tu chegares numa estabilidade para saber como tu deves agir em varias situações, tem que passar por todo esse período muito difícil, mesmo. (Depoimento em 16 de janeiro de 2012). Por outro lado, é animador o depoimento da Drª Clotilde Garcia que trabalha com a Nefrologia Pediátrica, desde Ela destacou as emoções que sente ao acompanhar a recuperação de crianças transplantadas: [...] Somos, hoje, então, um dos maiores centros de transplantes. E atendemos, transplantamos, em torno de 40, 50 crianças ao ano. [...] E a cada transplante, eu tenho o mesmo nervosismo, porque é uma cirurgia de alta complexidade, e a mesma felicidade de assistir o milagre. A criança entra cinza e saí corada, linda. Nas primeiras 24 horas a gente já sente a vida mais vibrante naquela criança. [...] Cada transplante é um renascer. Eu me emociono em ver uma criança que não urina, fazer um monte de xixi. Então, a felicidade do nefrologista é ver aquele monte de xixi. E as pessoas não valorizam. Fazer xixi é uma maravilha! (Depoimento de Clotilde Druck Garcia em 13 de dezembro de 2011). Para Valdira Boff Tezzari, transplantada de córnea, sua vida renasceu. Eu estava enxergando as letras todas quebradas. Eu consultei do Dr. Marcon e ele me disse: A senhora tem Distrofia de Fuchs. [...] Fiquei animada quando o médico me disse que eu não ficaria cega, pois poderia fazer transplante. Eu comecei uma

11 nova vida depois do transplante. [...] Foi uma ressurreição na minha vida. (Depoimento de Valdira Boff Tezzari em 24 de janeiro de 2012). O Dr. Vitola chamou atenção para o custo dos transplantes: Ele prosseguiu frisando que: [...] o transplante de rim e pâncreas é um dos transplantes mais caros, pela lenta recuperação do paciente, pela exigência de UTI por um tempo prolongado. Enfim, é um dos mais dispendiosos. E o Dr. João Polanczyk bancou estes transplantes até o ano de 1999, quando então foram regularizados os transplantes de pâncreas, através de uma portaria do Ministério. [...] a Santa Casa investiu. E investiu pesado neste processo de transplante. Posteriormente veio o fígado. Daí nós realizávamos rim, rim pediátrico, rim e pâncreas e fígado. E depois se somou o Dr. Camargo (pulmão), Dr. Lucchese (coração), a medula, e a pele com o Dr. Roberto Corrêa Chem. Enfim, hoje o Hospital Dom Vicente Scherer realiza todos os transplantes. Destacou o Dr. Guido Cantisani que: [...] na década de 1980, nós fomos o primeiro grupo, no Brasil, a realizar um transplante conjugado de pâncreas e rim. Tinha sido, na década de 60, realizado o transplante de pâncreas isolado, no Rio de Janeiro, mas conjugado de rim e pâncreas não tinha sido feito. (Dr. Guido Pio Cracco Cantisani em 05 de dezembro de 2011). Silvia Rosinha Voldo Littoni, transplantada de fígado recordou do seu limite de vida e da nova que ganhou: Foi difícil porque a doença vai se agravando, vai se agravando. E aí eu tive muitas crises de encefalopatia. Eu tinha que vir voando para a Emergência. Eu vinha toda semana tirar líquido. Tirava bastante por semana. Eu tive várias vezes internada aqui na Santa Casa, por causa desse problema. Eu comecei a ter problema de pulmão, porque o líquido estava indo para o pulmão. Aí eu tinha que tirar o líquido do pulmão também e fazer todos esses procedimentos. Eu tinha muita falta de ar. Mas foi indo, foi indo, até que eu procurei o Dr. Guido Cantisani. [...] Aí eu entrei na fila do transplante. Fiquei quase dois anos na fila. [...]. É um orgulho para nós, dos brasileiros, e principalmente para nós gaúchos, porque ali nos corredores, ali no saguão, quando estou esperando a vez da minha consulta, a gente fica conversando com as pessoas, e vem gente de tudo que é lugar fazer a cirurgia aqui. [...] E uma coisa que é inteiramente grátis [...] é do Governo. [...] Estou com uma saúde maravilhosa. [...] Eu agradeço de coração tudo o que a Santa Casa fez por mim. [...] No período que eu fiquei doente, eu ficava muito em casa, na cama, não tinha vontade de fazer nada [...]. Mas depois que eu fiz o transplante, nossa! Só não fui a bailão ainda. O resto eu faço tudo. (Depoimento de Sílvia Rosinha Voldo Littoni em 18 de janeiro de 2012). Recordou a Drª Maria Lúcia que: [...] o transplante de fígado iniciou em junho de 1991, uma longa noite do dia 15 de junho de Foi realizado no Hospital São Francisco. [...] foi tão forte o primeiro transplante [...]. (Depoimento de Maria Lúcia Zanotelli em 09 de dezembro de 2011). E ela prosseguiu: [...] O nosso primeiro paciente sobreviveu e está viva, a transplantada de fígado, a primeira do Rio Grande do Sul e a primeira do Brasil a ter tido filhos. E está viva até hoje.

12 A enfermeira Carmen deu seu nome: A gente acompanhou toda a gravidez da Marilene, o nascimento do filho dela. [...] Foi uma coisa fantástica, [...] a gente se emocionava, aquilo era o filho da gente [...]. O filho da Marilene era uma vitória nossa [...] a Marilene foi a nossa primeira emoção mesmo. (Depoimento de Carmen Eulalia Pozzer em 15 de dezembro de 2011). O transplantado de fígado Jorge Luiz Kraemer Borges em 01 de fevereiro de 2012 recordou do drama vivido, da nova vida ganha e de sua liderança em defesa dos transplantados: transplantes: Eu fiquei muito debilitado. [...] Sempre fui um cara obeso. Fiquei oito meses em lista. Nos últimos dois meses, que faltavam para completar os oito meses, eu comecei a ficar muito debilitado. De cento e dezoito quilos, fiquei com sessenta e sete quilos. Eu só vivia assim: vegetando em cima de uma cama, porque eu não tinha condições de fazer nada. Não tinha condições de passear, não tinha condições de participar de qualquer coisa com a minha família, a não ser dentro de casa. E o transplante veio me dar uma vida. Fiz transplante de fígado no dia 21 de abril de [...] Sou o número 59, parece. O pessoal diz que eu sou o piloto de provas do transplante hepático. [...] Nossos médicos são referência internacional. Sou presidente da Associação dos Transplantados de Fígado do Rio Grande do Sul. Ela foi fundada em 25 de novembro de [...] Hoje ajudamos todos os tipos de transplantes. [...] É até meio difícil eu explicar o que foi o transplante, e o que é o Dom Vicente Scherer na minha vida. É quase que uma parte de minha casa, porque boa parte da minha vida mesmo, eu vivi aqui dentro. A Drª Maria Lúcia chamou atenção sobre um tempo novo na medicina, com os [...] e o cirrótico era visto como um doente que não havia o que ser feito. E as pessoas que queriam mostrar uma realidade diferente do que a natureza, a mãe natureza determinava, eram considerados, não digo como loucos, mas fora do juízo, da realidade da época. [...] E houve quase que uma década, pelo menos, para que os colegas entendessem que os pacientes cirróticos não precisavam morrer, porque havia uma alternativa. E que a alternativa do transplante não era experimental, era institucional, e era instituída como uma metodologia terapêutica. Então, se precisou trabalhar muito em cima disso. [...] Então, nós tivemos que mudar conceitos médicos, nós tivemos que provar para os colegas, nós tivemos que fotografar as pessoas e dizer: Olha, um transplantado de fígado existe, ele não é um extraterrestre, e é uma pessoa normal. (Depoimento de Maria Lúcia Zanotelli). A enfermeira Emi ficou emocionada, lembrando de situações traumáticas como a de um paciente que chegou ao hospital em situação crítica: [...] tivemos pacientes que estavam à beira da morte, como um paciente de fígado, por exemplo, que estava tão magro, estava numa UTI, e esse não conseguia nem mais falar de... tão mal o estado geral que estava. Mas, depois do transplante, quando começou a conseguir a falar, a comer, dar o primeiro passo, meu Deus! É uma alegria inigualável, de dizer: Puxa, valeu a pena! (Depoimento de Emi Sakamoto Suda em 27 de dezembro de 2011). Em situação difícil, o paciente Luiz Carlos Vieira Christofoli não teve outra alternativa, que não a de fazer transplante de pulmão, como contou: Eu só vivia assim: vegetando em cima de uma cama, porque eu não tinha condições de fazer nada, não tinha

13 condições de passear, não tinha condições de participar de qualquer coisa com a minha família, a não ser dentro de casa. Mas, mesmo em situação dramática, lembrou que não queria fazer transplante: Eu não dava muita bola para isso: Não. Transplante não é coisa para mim não. Fugi da raia. Voltei a me internar outras vezes na Santa Casa, mas só para tratamento das minhas pneumonias. Quem me convenceu a entrar para a fila de transplante foi o meu pneumologista clínico, Dr. Eduardo Garcia. Lutou muito comigo, me carregou muito nas costas, por causa das minhas repetidas pneumonias, e ele sempre correndo comigo. Até que um determinado momento, ele disse assim: Olha tchê, tá feia a coisa! Quem sabe tu falas com o Dr. Camargo? Aí que eu fui fazer uma entrevista com o Dr. Camargo. Isso foi lá por Estive com o Dr. Camargo, ele me fez avaliação e disse: Olha, realmente, eu acho melhor tu fazeres isso. Vamos ter que fazer o transplante do pulmão esquerdo. Não foi o que aconteceu. Dois anos na espera, aí um dia surgiu um pulmão direito, na medida para mim, do meu tamanho, ele achou melhor fazer o direito. E deu certo. Dia 24 de setembro de [...]. Eu só vivia assim: vegetando em cima de uma cama, porque eu não tinha condições de fazer nada, não tinha condições de passear, não tinha condições de participar de qualquer coisa com a minha família, a não ser dentro de casa. O transplante veio me dar uma vida. Hoje, eu posso, praticamente, ir a qualquer lugar, tomando certos cuidados, me resguardando; mas me deu uma perspectiva de vida muito boa. [...]. Ter uma oportunidade nova na vida. Isso aí foi o mais importante. Eu nunca me entreguei, nunca me deixei levar pela doença, mas a simples oportunidade de ver meus filhos se criarem, se formarem! [...]. É até meio difícil explicar o que foi o transplante e o que é o [Hospital] Dom Vicente Scherer na minha vida. É quase que uma parte de minha casa, porque boa parte da minha vida mesmo, eu vivi aqui dentro. (Depoimento de Luiz Carlos Vieira Christofoli em 17 de janeiro de 2012). O temor da morte atravessa o dia a dia, em tempo de espera para o transplante. A reação de Romeu Valentino Adegas, transplantado de medula, em depoimento concedido em 19 de janeiro do 2012, lembrou que em meio ao susto da descoberta procurou dissimular seu nervosismo brincando com sua médica: Quando foi diagnosticada a minha doença, eu entrei no consultório da doutora Laura e eu disse assim para ela: Doutora, posso encomendar o caixão? Como ele, os demais transplantados revelaram seus temores e angústias na fila de espera e diante do que o futuro lhes reservaria. Ou se deram conta do valor da vida, quando ela estava por um fio, como frisou o transplantado de medula Alexandre Hoeper: Nós vivemos as nossas vidas achando que a doença, e, principalmente, a doença grave, como o câncer, por exemplo, só acontece com o vizinho, com o cara da esquina. A pessoa só se dá conta quando precisa. O meu caso não foi diferente. Eu, na realidade, só me dei conta da importância real da Santa Casa, do Complexo todo, na medida em que eu necessitei. E aí, quando eu precisei, realmente, porque era a minha única chance de continuar vivendo, eu tive, aqui, dentro da Instituição, todo o apoio necessário, realmente, para mim vencer uma situação bem, bem difícil, bem grave. Recordo que, às vezes, eu fazia uma quimioterapia, por exemplo, estava meio abalado fisicamente, e até psicologicamente, e de repente entrava uma técnica de enfermagem ou uma menina dos Serviços Gerais, sempre com sorriso, e batia no meu ombro ou simplesmente dizia assim: Bah, vamos lá! Vamos vencer essa parada. Nós estamos juntos nessa. E, com certeza, eu posso dizer, com total tranquilidade, que isso fez toda a diferença. (Depoimento em 17 de janeiro de 2012).

14 O Dr. Camargo, diretor do Hospital Dom Vicente Scherer, reconhecido médico de transplantes de pulmão recordou: Quando a gente achou que tinha chegado no limite, aconteceu a vinda para Porto Alegre do Henrique Busnardo [...]; na época tinha 12 anos, uma história dramática. Ele tinha tido uma infecção viral, em Curitiba, e a partir daí desenvolveu uma doença chamada bronquiolite. [...] dormia ajoelhado. Foi uma das coisas mais dramáticas que eu vi [...] e eu quase não ouvia a voz dele antes do transplante, porque ele não conseguia falar mesmo. Eu tinha estado num Congresso na Califórnia, onde havia um serviço do Dr. Starnes, que tinha começado a fazer transplantes de pulmão com doadores vivos, que é um transplante em que se usa metade de um pulmão de adulto para cada lado, para substituir, com a metade de um pulmão de adulto, o pulmão inteiro do paciente doente. [...] E eu voltei meio picado com aquela ideia de usar partes de doadores vivos. [...] Quando o Henrique apareceu, a ideia estava completamente madura, mas tinha que executá-la, com todos os riscos. E é uma coisa meio apavorante a ideia de operar três pessoas ao mesmo tempo. [...] Quando terminou a operação, que demorou em torno de seis horas, eu estava tão exausto como se tivesse carregado a família Busnardo nas costas, eu me sentei no chão. Quando eu estou muito cansado, eu sento no chão. E aí veio o Felicetti, sentou do meu lado e chorou. Abraços, beijos e choro. [...] Transplantes intervivos foi um upgrade em relação ao que a gente pode experimentar de emoção, quando pensa que se já esgotou todas. (Depoimento do Dr. José de Jesus Peixoto Camargo em 13 de dezembro de 2011). Gilberto Lehnen, transplandado de coração brincou: O marido da minha colega disse: Como é Gilberto, tu pretendes ter um órgão de cadáver? Bom, eu, pretender, eu não pretendo nada. Eu pretendo conservar o meu. Mas, sendo possível, bem-vindo seja o órgão, o coração de cadáver. E seu médico que fez o transplante, Dr. Fernando Lucchese lhe disse: Olha, te deixei por último aqui Gilberto, porque eu já vi o teu exame, e a situação está definida. O teu assunto é transplante mesmo. Como eu me sinto, Lucchese? Bom, não sei se tu conheces, mas eu... gosto muito de uma poesia do I-Juca Pirama: sou forte, sou rígido, sou filho do norte... a morte... a morte não temo. Sou índio Tupi. E reconhecido pela vida oportunizada, assim falou: Para comemorar os dez anos do transplante, eu pretendo fazer um bolinho, primeiro ir à missa, agradecer a Deus, em ação de graças a toda a equipe que me tratou, e, particularmente, um detalhe que eu considero importante: eu não conheci, porque não é dado o nome de quem foi o doador. Eu não conheço, portanto, seus familiares, mas diariamente, eu rezo por sua alma, e pelo bem estar e saúde de sua família. Então, a intenção também é sempre válida, os abnegados, esses familiares, que num momento de dor, oferecem o órgão de seu familiar para que outras pessoas dele desfrutem. (Depoimento de Antônio Gilberto Lehnen em 19 de janeiro de 2012). O transplantado Alexandre Hoeper, em 17 de janeiro de 2012 assim recordou: [...] quando eu precisei, realmente, porque era a minha única chance de continuar vivendo, [...] eu tive todo o suporte do Hospital e das pessoas que aqui trabalham, de uma forma muito maravilhosa. E se eu estou aqui, realmente só tenho que agradecer a Instituição, aos funcionários e médicos. [...] De repente entrava uma técnica de enfermagem ou uma menina dos serviços gerais, sempre com sorriso, e batia no meu ombro ou simplesmente dizia assim: Bah, vamos lá, que vamos vencer essa parada. Nós estamos juntos nessa. E com certeza, eu posso dizer, com total tranquilidade, que isso fez toda a diferença. Porque além de questão técnica, questão profissional de cada um, que é, realmente, de alto nível, tem essa coisa humana. [...] Não são

15 mais enfermeiros, técnicos, médicos, não. Todos são amigos mesmo. Eu recordo com bastante carinho cada dia que passa, por tudo que eu recebi aqui dentro. [...] agradeço de coração mesmo, porque elas fizeram a diferença no meu tratamento. A Drª Laura chamou atenção sobre os graves riscos dos pacientes da área que transplanta: O transplante de medula óssea tem várias particularidades, porque ele difere muito do transplante dos órgãos sólidos [...] a imunossupressão do paciente é mais grave, o tempo de recuperação é mais grave, o paciente faz muitas infecções. Ela afirmou que: Em 2000, 2001 nós transplantávamos cinco pacientes, mais ou menos, e hoje nós transplantamos, dentro do Dom Vicente, em torno de cinquenta pacientes ao ano. Isso equivale quase ao número dos maiores hospitais universitários transplantadores do Brasil. Em outras duas passagens, assim falou: [...] Tem alguns pacientes que comemoram os dois aniversários: o nascimento e o renascimento. [...] Nós fazemos, todo fim de ano, uma festa com os pacientes transplantados, e sempre é uma festa muito alegre [...]. A gente tenta ter o perfil de um serviço acolhedor, antes de tudo. Com técnica, com competência, mas com muito acolhimento, porque sem dúvida, são pessoas que vêm com uma expectativa. [...] Eu acho que a energia que flui do [Hospital] Dom Vicente, ela já está estampada [...] na fotografia dos pacientes transplantados [...] Eu acho que é um hospital que tem vida, do térreo até o final. [...] Acho que é o hospital da esperança aqui na Santa Casa. Acho que se diferencia por isso. É um hospital em que a gente deposita nossa esperança, os pacientes depositam a esperança. [...] O Dom Vicente [...] é um hospital, hoje, em que a gente deposita toda a nossa confiança. (Depoimento de Laura Maria Fogliatto em 27 de dezembro de 2011, grifo nosso). Em 30 de novembro de 2011, o Dr. Eduardo Mainieri Chem revelou alguns detalhes do processo de implantação do Banco de Pele e dos transplantes que ele vem oportunizando: [...] E à medida que o Hospital foi criado, nós nos damos conta: Puxa, nós trabalhamos no grande Centro de Transplantes, talvez uns dos maiores do Brasil, se não da América Latina, e o que falta? Falta um tipo de transplante na nossa área, na Cirurgia Plástica. E esse transplante é o transplante de pele. E a partir daí, nós temos o local, nós temos o hospital destinado a isso. Começou um trabalho árduo, grande. Uma batalha contra uma série de burocracias. [...] A burocracia, a legislação é tamanha. É muito grande. Foram necessárias n viagens à Brasília. Algumas delas eu fui junto em Ministérios para conseguir papéis, documentos que viabilizassem o nosso Serviço. Cito em exemplo: após inaugurado o Banco de Pele, no início dos anos 2007, final do ano 2006, nós não tínhamos autorização legal, nós não tínhamos a portaria para retirar pele de cadáver. Utilizávamos peles que sobravam de cirurgias estéticas. Se fazia uma plástica de abdômen, uma abdominoplastia e aquele segmento que foi ressecado da paciente, que teoricamente é desprezado, se utilizava. Se raspava uma fina camada de pele e se preservava aquela pele. Aquela pele ia para todo um processo de limpeza, para vir para o Banco de Pele. Então, nós não tínhamos autorização legal para retirar a pele do cadáver. E com o trabalho árduo dele (Roberto Chem seu pai falecido em acidente de aviação), se conseguiu uma liberação, uma portaria, uma criação, para poder retirar pele de cadáver. Isso aconteceu no final do ano de 2007, início do ano de E, para que os transplantes sejam bem sucedidos, o Laboratório de Imunologia é imprescindível, como destaca seu diretor Dr. Neumann:

16 A Drª Clotilde esclareceu que: [...] Cada doador que entra no sistema, a gente analisa e olha quem é que está esperando esse enxerto. Ele está apto a receber isso ou não? É risco? É risco baixo? É risco alto? Não é melhor correr esse risco, abandonar esse doador, esse receptor, e pegar outro, que é mais seguro? Isso é o que a gente faz. Essa é uma função 24 horas por dia. (Depoimento de Jorge Milton Neumann em 08 de dezembro de 2011). O transplante não é uma cura. É um tratamento. Então, uma vez que a criança transplanta, nunca mais ela nos deixa. Nós ficamos com a criança, no [Hospital] Santo Antônio, até os 18, e depois dos 18 aos 24 anos, a Dr.ª Roberta, que trabalha conosco na Pediatria, ela já atende como uma transição, no ambulatório de adultos. E só aos 24 anos, nós entregamos esse paciente aos cuidados dos nefrologistas que só trabalham com adultos. Então, um paciente é sempre paciente. Quem faz transplante não cura, ele se trata. Então, ele, toda a vida está ligado a nós. (Depoimento da Drª Clotilde Druck Garcia em 13 de dezembro de 2011). Agradecer a vida é atitude de muitos dos transplantados, como disse o Dr. Valter Duro Garcia em 07 de dezembro de Reconhecimento dos transplantados? Isso é o melhor de tudo! Também tem a gratificação da sociedade, dos colegas, das instituições. O Dr. Leonardo Martins Fernandez, em seu depoimento de 26 de janeiro de 2012 a respeito falou: No Natal sempre aparecem transplantados que vêm trazer algo para agradecer. O técnico em Enfermagem da UTI, do Hospital Dom Vicente Scherer Alcindo Luis Santos das Neves, em 30 de janeiro de 2012, tem lembranças a respeito: A gratidão da pessoa que recebe dos familiares do doador é fantástica. Para nós é uma gratificação muito grande ver aquela pessoa renascendo. A gente vê como a pessoa chega, com o estado de saúde crítico, e ele recebe aquele órgão. Ele recebe o órgão e depois vê como ele está deixando a Instituição, bem recuperado. É muito gratificante para a gente fazer parte desse processo todo. [...] Sejam doadores de órgão, porque é uma atividade séria, é uma atividade que salva vidas, que faz toda a diferença para muitas pessoas. A enfermeira Emi Sakamoto Suda, em 27 de dezembro de 2011, relatou outro fato marcante de suas vivências no Dom Vicente Scherer, sobre a importância dos doadores: [...] outra coisa que me marcou, quando eu atuei numa entrevista para doação de córnea. [...] A primeira entrevista que eu fiz, era um filho que chorava muito, [...] mas quando eu falei da possibilidade da doação de órgãos, ele me abraçou tanto, chorou tanto. E eu, dentro de mim, pensava assim: Eu não posso chorar, porque eu sou profissional. Mas eu não pude me conter e chorei junto. Ele concedeu a doação, saiu muito agradecido, muito gratificado. A respeito, Joaquim Ricardo dos Santos Aperta, transplantado de rim, em seu depoimento concedido em 20 de janeiro de 2012 afirmou: As pessoas, às vezes, as famílias não doam o órgão. Eu não consigo criticar as famílias que não doam o órgão, [...] porque não é fácil. Eu acho até muito difícil, num momento de uma perda, de uma pessoa querida, de um ente querido, tu teres aquele discernimento da hora, e pensar na dor das outras pessoas. [...] Então, eu sempre agradeço bastante, peço muita proteção às famílias que doam órgãos. [...] É um ato de grandeza a família [...] nesse momento de dor, conseguir ter o discernimento: vai lá e doa, porque tem pessoas que precisam.

17 2011: Movida pela esperança, a Drª Clotilde Druck Garcia registrou em 13 de dezembro de Espero um dia chegarem doações, o suficiente para essas pessoas não ficarem sofrendo ou morrendo na lista. Então, o meu sonho é um dia não precisar sofrer ou chorar, e ver alguém perder a vida, ou sofrer, por falta de um órgão. Então, meu sonho de vida é que a gente possa oferecer transplante a todos aqueles que necessitam. Quando a vida está por um fio, o transplante representa a esperança de uma nova chance de vida. Estar na fila do transplante é se acostumar ao insuportável. É assistir à morte de estranhos que deixaram de ser estranhos e se tornaram amigos, na rotina exasperante da espera. É experimentar uma contradição essencial: a morte de outro pode significar a própria salvação. É sobreviver à espera da misericórdia das famílias de possíveis doadores. (Fabíola Bach e Humberto Trezzi em matéria de imprensa. S/d). O Banco de depoimentos de História Oral com os depoimentos de transplantados e transplantadores, bem como dos diretores e toda a equipe de funcionários que registraram suas memórias, está tratado e disponível no Arquivo do Centro Histórico-Cultural Santa Casa. Conclusão O desafio proposto aos historiadores do Centro Histórico-Cultural Santa Casa de Porto Alegre (entrevistas concedidas à autora do presente trabalho; transcrições realizadas pela historiadora Edna Ribeiro de Ávila), com o trabalho de História Oral realizado, entre os meses de novembro de 2011 e março de 2012, foi de ordem temporal (reduzido tempo para dar conta de todas as fases da metodologia, mais a produção de uma exposição e de um vídeo) e de ordem emocional, marcado por muita sensibilidade: dos depoentes e da entrevistadora. As escutas dos transplantados, ao relatarem os dramas vividos, diante da morte anunciada foram impactantes. De um lado, pelos temores e, de outro, pela esperança emergente com o novo hospital na Santa Casa, focado para suas necessidades. Pode-se dizer, com convicção, que o projeto, mais que exitoso, foi para os depoentes de todas as categorias, uma rica oportunidade de voltarem-se para suas histórias de vida, e reencontrarem-se consigo mesmos e com o coletivo, cuja memória social permite vislumbrar fragmentos de uma história profusa, movida pela possibilidade cidadã, de se verem como protagonistas do primeiro hospital de transplantes na América Latina, situado na sua cidade, no seu estado, e, simbolicamente referenciado a mais antiga Misericórdia do Rio Grande do Sul. Referências

18 BARROSO, Véra Lucia Maciel. Santa Casa de Porto Alegre: história, memória e pertencimento. In: A Arqueologia vai ao Hospital: pesquisa arqueológica para a implantação do Centro Histórico-Cultural Santa Casa. Porto Alegre: Ed. da FAPA; Ed. da ISCMPA, 2009, p Guardiães da Cidade: as casas da Independência e o Centro Histórico-Cultural Santa Casa. In: A Arqueologia vai ao Hospital: pesquisa arqueológica para a implantação do Centro Histórico-Cultural Santa Casa. Porto Alegre: Ed. da FAPA; Ed. da ISCMPA, 2009, p Fontes para a história da cidade e do Rio Grande do Sul: cenários documentais da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. In: Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre: histórias reveladas. Porto Alegre: Ed. da ISCMPA, 2009, p CALDAS, Alberto Lins. Oralidade: texto e história para ler a história oral. São Paulo: Loyola, CAMARGO, Aspásia Alcântara de. O ator, o pesquisador e a História: impasses metodológicos na implantação do CPDOC. In: NUNES, Edson de O. (Org.). A aventura sociológica: objetividade, paixão, improviso e método na pesquisa social. Rio de Janeiro: Zahar, CHAVEAU, Agnès; TÉTART, Philippe. (Org.). Questões para a História do Presente. Bauru, SP: EDUSC, CONSTANTINO, Núncia Santoro de. Narrativa e História Oral. Humanas, Porto Alegre: IFCH/UFRGS, v. 16, n. 1, p , jan./jun D ARAUJO, Maria Celina. Como a História Oral chegou ao Brasil; entrevista com Aspásia Camargo. História Oral: Revista da Associação Brasileira de História Oral, São Paulo, n. 2, p. 173, jun EW, Atelaine M. Normann. (Coord.). Nós e a Legalidade: depoimentos. Porto Alegre: IEL/AGE, FERREIRA, Marieta de Moraes; FERNANDES, Tania Maria; ALBERTI, Verena. História Oral: desafios para o século XXI. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz/ Casa de Osvaldo Cruz/ CPDOC; Fundação Getúlio Vargas, FONTANA, Josep. História: análise do passado e projeto social. Bauru: EDUSC, MEIHY, José Carlos Sebe. Manual de História Oral. 2. ed. rev. ampl. São Paulo: Loyola, 1996 SHARPE, Jim. A História vista de baixo. In: BURKE, Peter. A escrita da História. 2. ed. São Paulo: Ed. da UNESP, 1992.

19 TEDESCO, João Carlos. (Org.). Usos de memórias: política, educação e identidade. Passo Fundo: Ed. da UPF, Nas cercanias da memória: temporalidade, experiência e narração. Passo Fundo: Ed. da UPF; Caxias do Sul: Ed. da UCS, THOMPSON, Paul. A voz do passado: História Oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, Depoimentos Alexander Hoeper, transplantado, em 17 de janeiro de Antônio Gilberto Lehnen, transplantado, em 19 de janeiro de Carmen Eulária Pozzer, enfermeira, em 15 de dezembro de Cinara Maisonette Duarte, enfermeira, em 06 de dezembro de Clotilde Druck Garcia, médica transplantadora, em 13 de dezembro de Eduardo Mainieri Chem, médico transplantador, em 30 de novembro de Emi Sakamoto Suda, enfermeira, em 27 de dezembro de Guido Pio Cracco Cantisani, médico transplantador, em 05 de dezembro de Joaquim Ricardo dos Santos Aperta, transplantado, em 20 de janeiro de Jorge Luiz Kraemer Borges, transplantado e Presidente da Associação dos Transplantados, em 01 de fevereiro de Jorge Milton Neumann, médico do Laboratório de Imunologia, em 08 de dezembro de José de Jesus Peixoto Camargo, médico transplantador e Diretor do Hospital Dom Vicente Scherer, em 13 de dezembro de José Sperb Sanseverino, Provedor da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, em 30 de novembro de Laura Maria Fogliatto, médica transplantadora, em 27 de dezembro de Leonardo Martins Fernandez, médico e chefe da Emergência, em 26 de janeiro de Luiz Carlos Vieira Christofoli, transplantado, em 17 de janeiro de Maria Lúcia Zanotelli, transplantadora, em 09 de dezembro de Santo Pascual Vitola, médico transplantador, em 01 de dezembro de Sílvia Rosinha Toldo Sittoni, transplantada, em 18 de janeiro de Valdira Boff Tezzari, transplantada, em 24 de janeiro de Valter Duro Garcia, médico transplantador, em 07 de dezembro de 2011.

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO.

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. Qualquer hora é hora de falar sobre doação de órgãos. Pode ser à mesa do jantar, no caminho para o trabalho ou até mesmo ao receber este folheto.

Leia mais

CENÁRIOS DOCUMENTAIS DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE: FONTES DE PESQUISA PARA A HISTÓRIA DA CIDADE E DO RIO GRANDE DO SUL:

CENÁRIOS DOCUMENTAIS DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE: FONTES DE PESQUISA PARA A HISTÓRIA DA CIDADE E DO RIO GRANDE DO SUL: CENÁRIOS DOCUMENTAIS DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE: FONTES DE PESQUISA PARA A HISTÓRIA DA CIDADE E DO RIO GRANDE DO SUL: VÉRA LUCIA MACIEL BARROSO* 1 Saúde, cultura e história constituem,

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso na cerimónia comemorativa

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Comunicação Espiritual J. C. P. Novembro de 2009 Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Resumo: Trata-se de uma comunicação pessoal de um amigo do grupo

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

A medicina da família e a humanização do atendimento ao paciente

A medicina da família e a humanização do atendimento ao paciente A medicina da família e a humanização do atendimento ao paciente por Denise Marson Apesar da implantação do programa Saúde da família, a formação de profissionais especializados na área de medicina da

Leia mais

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR Jaqueline de Carvalho Gasparotto 1 ; Jeferson Dias Costa 1, João Ricardo Vissoci

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

Contexto Espiritual.

Contexto Espiritual. Contexto Espiritual. Senisio Antonio 2 Contexto Espiritual Contexto Espiritual. 3 Senisio Antonio Projeto Força de Ler Senisio Antonio. 37980-000 Cássia MG Responsabilidade pela revisão: Maria Aparecida

Leia mais

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Ilustrações: Santiago Arte: www.espartadesign.com.br Contatos

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar.

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. 16 Entrevista Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. Fotos e texto: Alessandra Anselmi Fotos:

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Miguel Nicolelis: Vamos transformar o RN na Califórnia

Miguel Nicolelis: Vamos transformar o RN na Califórnia Miguel Nicolelis: Vamos transformar o RN na Califórnia Emanuel Amaral CIÊNCiA - Reconhecido internacionalmente, Miguel Nicolelis tem planos ambiciosos para o RN 05/08/2007 - Tribuna do Norte Anna Ruth

Leia mais

TRABALHO VOLUNTÁRIO & QUALIDADE DE VIDA

TRABALHO VOLUNTÁRIO & QUALIDADE DE VIDA SER VOLUNTÁRIO Gosto de você pelo que sou quando estou com você, pelo que você está fazendo de mim. Gosto de você por saber extrair o que há de bom em mim, por tocar meu coração, passando por cima de todas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

CHAT 18/05/2005 Dr. Marcos Viana

CHAT 18/05/2005 Dr. Marcos Viana CHAT 18/05/2005 Dr. Marcos Viana 20:57:48 drmarcos entra na sala 20:58:09 [drmarcos] boa noite 21:03:37 Alessandra entra na sala 21:04:11 [Alessandra] Boa noite 21:04:21 [Alessandra] Dr.? 21:04:37 [drmarcos]

Leia mais

Este template é muito diferente e muito, mas muito especial!

Este template é muito diferente e muito, mas muito especial! Esta é nossa última sequência! Este template é muito diferente e muito, mas muito especial! Quero que você olhe para ele com olhos de águia e reflita, e muito, se ele realmente serve para o seu produto

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho. São José dos Campos SP. Agosto de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho. São José dos Campos SP. Agosto de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho São José dos Campos SP Agosto de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica O meu nome é Arlindo de Figueiredo Filho, estou no momento..., completei

Leia mais

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos.

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos. Doação de órgãos A doação de órgãos é um ato de caridade e amor ao próximo. A cada ano, muitas vidas são salvas por esse gesto altruísta. A conscientização da população sobre a importância da doação de

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

se formaram, viveram, fizeram e o pouco que aprenderam ou muito foi dentro daquele órgão confuso, terrível, que talvez não seja o melhor para

se formaram, viveram, fizeram e o pouco que aprenderam ou muito foi dentro daquele órgão confuso, terrível, que talvez não seja o melhor para Sidnei Possuelo Eu em primeiro lugar queria agradecer a universidade por propiciar esse espaço hoje muito importante, muito importante, porque vivemos realmente uma crise, e esse espaço aqui é um espaço

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro

www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro Encarte e letras disponíveis em www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro Produção executiva: MK Music / Masterização: Max Motta no MK Studio /

Leia mais

Em conversa com Rita Maia. Celorico de Basto é o meu porto de refúgio, onde me sinto bem (Rita Maia,

Em conversa com Rita Maia. Celorico de Basto é o meu porto de refúgio, onde me sinto bem (Rita Maia, Celoricenses de Sucesso Em conversa com Rita Maia Celorico de Basto é o meu porto de refúgio, onde me sinto bem (Rita Maia, 21 de fevereiro de 2015) Nascida e criada em Celorico de Basto, Rita Maia é uma

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL

DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL O processo de emancipação e a primeira eleição municipal de São João da Ponta ocorreram com muitas dificuldades. Para entendermos um pouco mais como

Leia mais

ENTRE FRALDAS E CADERNOS

ENTRE FRALDAS E CADERNOS ENTRE FRALDAS E CADERNOS Entre Fraldas e Cadernos Proposta metodológica: Bem TV Educação e Comunicação Coordenação do projeto: Márcia Correa e Castro Consultoria Técnica: Cláudia Regina Ribeiro Assistente

Leia mais

Honrar os valores, uma questão de integridade

Honrar os valores, uma questão de integridade Honrar os valores, uma questão de integridade Por: P.A. (Paulo Alvarenga) Nos últimos congressos de desenvolvimento profissional que participei, o que mais tenho escutado é sobre a importância dos valores.

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Psicografias Outubro de 2014 Sumário Cavaleiro da Chama-Vermelha.... 2 Dr. Emanuel.... 2 João Augusto... 3 Mago Horax... 3 Caravana de Koré....

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA Carolina e, acompanhados de, estão na biblioteca, no mesmo lugar em que o segundo episódio se encerrou.os jovens estão atrás do balcão da biblioteca,

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga?

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga? Abdias Aires 2º Ano EM Arthur Marques 2º Ano EM Luiz Gabriel 3º Ano EM Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam

Leia mais

Entrevistado: Data da Entrevista: Entrevista: 1- Como você percebe o processo de criação de marcas?

Entrevistado: Data da Entrevista: Entrevista: 1- Como você percebe o processo de criação de marcas? Entrevistado: Guto Lacaz Data da Entrevista: 19 de Julho de 2011 Entrevista: Pessoalmente Formado em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura de São José dos Campos, faculdade onde também realizou cursos

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

PACIENTE DO OUTRO MUNDO

PACIENTE DO OUTRO MUNDO PACIENTE DO OUTRO MUNDO Os dois médicos conversavam e um queria ser mais importante que o outro. Diz o primeiro: O colega há de ouvir que eu sou realmente um grande cirurgião. Só pra você ter uma idéia,

Leia mais

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012.

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. MALDITO de Kelly Furlanetto Soares Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. 1 Em uma praça ao lado de uma universidade está sentado um pai a

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal Sobral-CE, 17 de março de 2004 Meu caro governador do estado do Ceará, Lúcio Alcântara, Meu caro companheiro

Leia mais

Graças ao Coaching. eu descobri o que havia de melhor em mim. Bhia Beatriz

Graças ao Coaching. eu descobri o que havia de melhor em mim. Bhia Beatriz Graças ao Coaching eu descobri o que havia de melhor em mim Bhia Beatriz 1 2 Graças ao Coaching eu descobri o que havia de melhor em mim Ilustração da Capa Nádia Krummenauer Artista Plástica Arte Final

Leia mais

GAZETA DO POVO Vida e Cidadania

GAZETA DO POVO Vida e Cidadania GAZETA DO POVO Vida e Cidadania MISÉRIA frente da Catedral: pastoral tenta tirar moradores do isolamento AO RELENTO Encontro de oração das terças à noite na A Curitiba do sereno Curitiba tem cerca de 2,7

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto: Garimpando

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

O que Jesus dizia em funerais? Pr. Harry Tenório

O que Jesus dizia em funerais? Pr. Harry Tenório O que Jesus dizia em funerais? Pr. Harry Tenório (João 11.1) - Estava, porém, enfermo um certo Lázaro, de Betânia, aldeia de Maria e de sua irmã Marta. Introdução A Bíblia descortina um mundo de possibilidades

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

Gestão de iniciativas sociais

Gestão de iniciativas sociais Gestão de iniciativas sociais Leia o texto a seguir e entenda o conceito do Trevo e as suas relações com a gestão organizacional. Caso queira ir direto para os textos, clique aqui. http://www.promenino.org.br/ferramentas/trevo/tabid/115/default.aspx

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org WEBSITES: Serviço de Voluntariado Europeu: http://www.sve.pt http://www.facebook.com/l.php?u=http%3a%2f%2fwww.sve.pt%2f&h=z

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13 A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO Romanos 15:13 - Ora o Deus de esperança vos encha de toda a alegria e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. Só Deus pode nos dar uma

Leia mais

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas A atratividade da Carreira Docente no Brasil Fundação Carlos Chagas Questões de pesquisa Quais são os fatores relacionados à atratividade das carreiras profissionais? E especificamente da carreira docente?

Leia mais

QUAL É A SUA MAIOR DÚVIDA?

QUAL É A SUA MAIOR DÚVIDA? QUAL É A SUA MAIOR DÚVIDA? Sonhos, Execução e Responsabilidade. ROBERTO FERMINO (ROCO) Q uer saber... Esta semana você é minha prioridade! Fiquei tão movido pelas dúvidas e mensagens de apoio que o mínimo

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

2. E, obviamente, o senhor não gostaria de concluir esse ciclo dessa maneira...

2. E, obviamente, o senhor não gostaria de concluir esse ciclo dessa maneira... Homero Pereira O deputado federal Homero Pereira, parlamentar que lutou contra um câncer na região do estômago, faleceu no dia 20 de outubro de 2013. Ele foi deputado estadual, secretário de Estado de

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

DO FIM AO RENASCIMENTO

DO FIM AO RENASCIMENTO Foto: Arquivo Sistema de Procura de Órgãos e Tecidos do Hospital das Clínicas (SPOT-HC) DO FIM AO RENASCIMENTO A MORTE DE UNS PODE SALVAR A VIDA DE OUTROS QUE ESTÃO EM RISCO 6 Não há lado bom quando uma

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão , Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão Santa Cruz de Cabrália-BA, 28 de setembro de 2005 Meu caro governador Paulo Souto, governador do estado da Bahia, Meu querido companheiro Miguel

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

Faz um sol radiante, que acaricia todo o planeta e, nele, seus habitantes! Por isso o dia de hoje é tão especial.

Faz um sol radiante, que acaricia todo o planeta e, nele, seus habitantes! Por isso o dia de hoje é tão especial. Casa Templária, 11 de novembro de 2011. Faz um sol radiante, que acaricia todo o planeta e, nele, seus habitantes! Por isso o dia de hoje é tão especial. Vou lhes falar de um Ser, que poderíamos chamar

Leia mais

SUGESTÃO DE PAUTA. INCOR Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP

SUGESTÃO DE PAUTA. INCOR Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP SUGESTÃO DE PAUTA INCOR Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP 6 de dezembro de 2013. ISSO QUE É RAZÃO PARA COMERMORAR: EM 2013, O INCOR SALVOU O DOBRO DE VIDAS COM TRANSPLANTES CARDÍACOS,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 42 Discurso no Hotel Tropical MANAUS,

Leia mais

TESTEMUNHOS HOSPITALEIROS

TESTEMUNHOS HOSPITALEIROS TESTEMUNHOS HOSPITALEIROS Feliz por gastar a vida servindo Emília da Conceição Nogueira Irmã Hospitaleira do Sagrado Coração de Jesus 1. Dados biográficos e vocação 2. Jesus continua a fascinar-me 3. Cem

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

ENTREVISTA MARCOS MARINO 33º COLOCADO AFRFB / 2012

ENTREVISTA MARCOS MARINO 33º COLOCADO AFRFB / 2012 ENTREVISTA MARCOS MARINO 33º COLOCADO AFRFB / 2012 Olá, amigos do Estratégia! Como diz meu amigo Sérgio Mendes, como é bom estar aqui! Hoje irei entrevistar o Marcos Marino, aluno do Estratégia Concursos

Leia mais

Existe uma terapia específica para problemas sexuais?

Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Maria de Melo Azevedo Eu acho que a terapia sexual para casos bem específicos até que pode funcionar. Ou, pelo menos, quebra o galho, como se diz.

Leia mais

Oração na Vida Diária

Oração na Vida Diária Oração na Vida Diária ocê é convidado a iniciar uma experiência de oração. Às vezes pensamos que o dia-a-dia com seus ruídos, suas preocupações e sua correria não é lugar apropriado para levantar nosso

Leia mais