INUAF - INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INUAF - INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III"

Transcrição

1 Colégio de Pós Graduações Regulamento do Mestrado em Psicologia Clínica Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF) confere o grau de Mestre em Psicologia Clínica. Artigo 2º Objectivos Gerais O curso de Mestrado em Psicologia Clínica tem como grandes metas contribuir para o desenvolvimento e procura constante de melhorias a introduzir nas práticas correntes desta área científica, contribuindo para a implementação de desenvolvimentos especializados que a ciência e a tecnologia vão proporcionando. O curso de Mestrado em Psicologia Clínica, sem perder o âmbito alargado desta área de trabalho que é a prevenção de patologias, devera contribuir para a formação de técnicos especializados na psicologia clínica e desenvolver o conhecimento a nível da relação precoce e dos seus disfuncionamentos. O Mestrado em Psicologia Clínica deverá: 1. Formar profissionais na área da Psicologia Clínica, 2. Desenvolver competências específicas de investigação psicológica nestas áreas; 3. Levar à aquisição de competências e ao desenvolvimento das práticas, com o objectivo de prevenir disfuncionamentos interactivos; 4. Desenvolver os métodos de trabalho com serviços e órgãos comunitários, quer em termos preventivos e/ou curativos. Artigo 3º Área Científica O curso de Mestrado em Psicologia Clínica situa-se nas áreas científicas da Psicologia, Ciências Sociais, Biologia e Metodologia Aplicada à Psicologia e na área de Especialização da Psicologia Clínica. Artigo 4º Destinatários

2 1. Podem candidatar-se à inscrição todos os licenciados ou titulares de habilitação equivalente. Artigo 5º Número de Vagas 1. O curso de especialização funciona com um número máximo de 30 alunos, sendo o seu mínimo fixado pelo Director, ouvido o Colégio de Pós-Graduações. 2. Anualmente, será fixado o número de vagas pelo Director, ouvido o Colégio de Pósgraduações. Artigo 6º Critérios de Selecção 1. A seriação dos candidatos será feita com base na maior classificação Académica com as seguintes prioridades: a) Licenciatura em Psicologia b) Licenciatura em áreas da Saúde c) Outras Licenciaturas não referidas nas alíneas a) e b) 2. Sempre que a candidatura seriada se apresente com classificação de licenciatura inferior a 135/200, a sua validação está sujeita a avaliação curricular pela Coordenação do Curso, que poderá incluir entrevista, quando necessário. 3. A posição na seriação deverá dar prioridade, segundo os critérios e ordem seguintes: a) Ex. Alunos do INUAF b) Técnico Superior de Saúde; c) Docente; d) Residente em Loulé; e) Residente no Algarve; Artigo 7º Prazos de Candidatura As candidaturas serão abertas anualmente pelo Colégio das Pós-Graduações, de acordo com o calendário definido ano a ano. 2

3 Artigo 8º Organização do Curso 1. O Grau de Mestre em Psicologia Clínica é conferido aos que satisfaçam, cumulativamente, as seguintes condições: a) Conclusão, com aproveitamento, de todas as unidades curriculares que integram o plano de estudos do curso de especialização; b) Elaboração, discussão e aprovação de uma dissertação especialmente escrita para o efeito. Artigo 9º Regime de Frequência e Avaliação 1. A participação dos mestrandos nas horas de contacto é essencial e tem carácter obrigatório. 2. A realização de trabalhos, individuais ou colectivos, bem como a sua apresentação e discussão, não pode ser dispensada. 3. Consideram-se aprovados no curso de especialização e em condições de prosseguir para dissertação, os alunos que obtenham média mínima de 120/200 (equivalente a 12 valores em 20) e tenham tido aprovação em todas as disciplinas. 4. Podem propor-se para prosseguir para a fase de desenvolvimento da dissertação de mestrado todos aqueles que, tendo terminado o curso de especialização em anos anteriores ou tendo obtido classificação inferior à definida no ponto 3 deste artigo, o requeiram fundamentadamente, tendo em consideração o curriculum vitae. 5. Pela conclusão, com aprovação, do curso de especialização, cabe a atribuição de um diploma, nos termos do artigo 10º do Decreto-Lei nº / 9 2, d e 1 3 d e O u t u b r o. 6. Os alunos que comprovem ter obtido aprovação em disciplinas com objectivos e competências similares, poderão requerer equivalências, nos termos da lei. Artigo 10º Documentos Necessários para a Candidatura 1. Curriculum vitae detalhado, acompanhado, em original ou fotocópia, dos trabalhos científicos da sua autoria, quando existam. 2. Certificado de habilitações (original ou fotocópia autenticada), com a classificação final expressa, se possível às décimas. 3

4 3. Fotocópia do Bilhete de Identidade e do Cartão de Contribuinte. 4. Três fotografias. 5. Formulário de candidatura. Artigo 11º Dissertação Os alunos, aprovados no curso de especialização em condições de prosseguir para dissertação, que desejem concluir o Mestrado, devem apresentar o projecto com vista à conclusão da dissertação no prazo máximo de um ano, juntando parecer do orientador proposto para o acompanhamento e para a orientação do trabalho. Artigo 12º Orientação da Dissertação 1. O orientador, proposto pela Comissão Científica do Curso, terá que estar habilitado com o grau de Doutor por Universidade ou equivalente, ou com curriculum de investigação nas áreas científicas do mestrado reconhecido pelo órgão competente do INUAF, podendo, quando necessário, ser coadjuvado por um co-orientador especialista, devendo a(s) sua(s) designação(ões), pelo Director do INUAF, ser precedida(s) de parecer favorável do Conselho Científico. 2. A estrutura e extensão da dissertação deverão obedecer às normas em vigor, aprovadas pelo Conselho Científico do INUAF, sempre cumprindo as orientações decorrentes da Declaração de Bolonha. Artigo 13º Nomeação do Júri 1. Recebido o requerimento do candidato e verificada a regularidade da situação académica do mestrando, o júri para apreciação da dissertação ou projecto é nomeado pelo Director do INUAF, sob proposta da Comissão Científica do Curso ouvida a Direcção do Centro de Investigação a que o Curso está adstrito, nos 30 dias posteriores à respectiva entrega. 2. O júri é constituído no mínimo por: a) O Director do INUAF, que presidirá, podendo fazer-se substituir; b) O Director do Centro de Investigação a que estiver afecto o curso ou, no seu impedimento, quem o Director do INUAF nomear em sua substituição, que presidirá na ausência do Director; c) Um Doutor, da área científica específica do mestrado, sempre que possível pertencente a outra instituição; 4

5 d) O orientador da dissertação ou projecto. 3. O júri integrará também, quando for caso disso, o(s) co-orientadore(s), se tiver(em) sido designado(s), os quais, se forem doutores, terão direito a voto. 4. Quando o Director do INUAF não possa estar presente, será substituído, naturalmente, pelo Director do Centro de Investigação que tenha sobre sua responsabilidade o bom e normal funcionamento do Mestrado. Artigo 14º Regras de Funcionamento do Júri e Classificação da Dissertação 1. Concluída a discussão da Dissertação, o júri reúne para deliberação sobre a classificação do candidato, através de votação nominal fundamentada, não sendo permitidas abstenções. 2. No caso de Aprovado, será atribuída uma classificação nominal, de 10 a 20 valores, e a equivalente menção qualitativa: Suficiente, de 10 a 13 valores; Bom, 14 e 15 valores; Muito Bom, 16 e 17 valores, Excelente, 18 a 20 valores. 3. Na deliberação sobre a classificação final, o júri deverá tomar em consideração as classificações obtidas nas unidades curriculares, a dissertação e a discussão respectiva 4. Da prova e da deliberação do júri será lavrada a respectiva acta, pela Secretária do Colégio de Pós-Graduações. Artigo 15º Prescrição da Inscrição Em casos especiais, devidamente justificados, e para além do que prescreve o artigo 12º do Decreto-Lei nº 216/92, de 13 de Outubro, os alunos poderão requerer a prorrogação do prazo concedido para a elaboração da dissertação por mais um ano, devendo o interessado, se autorizado, satisfazer as condições definidas no regulamento interno de frequência de formação. Artigo 16º Estrutura Curricular e Plano Curricular A Estrutura Curricular e o Plano Curricular do curso de Mestrado em Psicologia Clínica são as constantes em anexo ao presente Regulamento. 5

INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III. Regulamento do Mestrado em Marketing Comunicação Multimédia. Artigo 1º

INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III. Regulamento do Mestrado em Marketing Comunicação Multimédia. Artigo 1º INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III Regulamento do Mestrado em Marketing Comunicação Multimédia Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF), concede o grau de Mestre na especialidade de Marketing,

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DAS RELAÇÕES PÚBLICAS Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

Doutoramento em Saúde Pública

Doutoramento em Saúde Pública Doutoramento em Saúde Pública Normas regulamentares Artigo 1.º Criação do curso A Universidade Nova de Lisboa, através da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/UNL), em cumprimento do disposto no Decreto-Lei

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO E TECNOLOGIA DE SANTARÉM REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE

ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO E TECNOLOGIA DE SANTARÉM REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE Aprovado reunião Conselho Científico de 3 de Dezembro de 2009 ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO E TECNOLOGIA DE SANTARÉM REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE Artigo 1º Concessão do Grau

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL. Artigo 1º. (Natureza e âmbito de aplicação)

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL. Artigo 1º. (Natureza e âmbito de aplicação) REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no artº. 32º do Regulamento do Ciclo de Estudos

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Cláusula 1ª Área de especialização A Universidade do Porto, através da Faculdade de Engenharia,

Leia mais

Regulamento dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre do Instituto Politécnico de Castelo Branco

Regulamento dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre do Instituto Politécnico de Castelo Branco Regulamento dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre do Instituto Politécnico de Castelo Branco Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento fixa as normas dos ciclos de estudos conducentes ao grau

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS

PROJETO DE REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS PROJETO DE REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS 2014 1 CAPÍTULO I - ÂMBITO Art.º 1.º (ÂMBITO) O presente Regulamento estabelece o regime de funcionamento dos Cursos Técnicos Superiores

Leia mais

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Instituto de Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Tecnologias e Metodologias da Programação no Ensino Básico 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS

REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS (Documento aprovado na 7ª Reunião do Conselho Técnico-Científico da ESTBarreiro/IPS, de 20 de Outubro de 2010) CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA

REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento desenvolve e complementa o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM Tecnologia, Ciência e Segurança Alimentar Artigo 1º Concessão

Leia mais

Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE

Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA ELECTRÓNICA INDUSTRIAL E COMPUTADORES 1 Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM Regulamento da PGDEEC 0 Departamento Engenharia Electrotécnica e de Computadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES (PDEEC) Departamento de Engenharia

Leia mais

Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica

Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA ÁREA CIENTÍFICA DE ENFERMAGEM DO ADULTO E IDOSO Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica REGIME DE FREQUÊNCIA, AVALIAÇÃO, PRECEDÊNCIAS

Leia mais

REGULAMENTO N.º 3/2015

REGULAMENTO N.º 3/2015 REGULAMENTO N.º 3/2015 REGULAMENTO DAS PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS NA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Gestão da Saúde. Artigo 1.º. Criação do curso

Regulamento do Curso de Mestrado em Gestão da Saúde. Artigo 1.º. Criação do curso Regulamento do Curso de Mestrado em Gestão da Saúde Artigo 1.º Criação do curso A Universidade Nova de Lisboa, através da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), concede o grau de Mestre em Gestão da

Leia mais

Ano letivo 2015/2016

Ano letivo 2015/2016 EDITAL CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO DO TURISMO, DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO CÁVADO E DO AVE E DO INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DO

Leia mais

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL PREÂMBULO O programa de doutoramento organiza, estrutura e explicita o percurso dos estudantes de doutoramento

Leia mais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais Artigo 1º Enquadramento, âmbito de aplicação e objectivo

Leia mais

Regulamento do Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia

Regulamento do Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia Regulamento do Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se ao Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia, curso não conferente

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição )

EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição ) EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição -) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 107/2008

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO ESPECÍFICO DO CURSO DE

Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO ESPECÍFICO DO CURSO DE Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO ESPECÍFICO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA E GESTÃO INDUSTRIAL 3ª edição 2011-2013 Nos termos do artigo 26.º

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente regulamento dá cumprimento ao estabelecido no Decreto-Lei n.º 115/2013,

Leia mais

Aviso de Abertura das Candidaturas à Pós-Graduação em Educação Musical Madeira Funchal 3ª FASE. 18 de Julho a 26 de Agosto de 2011

Aviso de Abertura das Candidaturas à Pós-Graduação em Educação Musical Madeira Funchal 3ª FASE. 18 de Julho a 26 de Agosto de 2011 Aviso de Abertura das Candidaturas à Pós-Graduação em Educação Musical Madeira Funchal 3ª FASE 18 de Julho a 26 de Agosto de 2011 1. Introdução A presente proposta refere-se a uma pós-graduação de 60 créditos

Leia mais

Regulamento Geral dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa. Capitulo 1 Disposições gerais.

Regulamento Geral dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa. Capitulo 1 Disposições gerais. Regulamento Geral dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capitulo 1 Disposições gerais Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação 1. O presente regulamento estabelece

Leia mais

EDITAL INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE MESTRADO EM DIREÇÃO HOTELEIRA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO 1

EDITAL INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE MESTRADO EM DIREÇÃO HOTELEIRA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO 1 EDITAL INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE MESTRADO EM DIREÇÃO HOTELEIRA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO 1 Delminda Augusta Pinto Lopes, Vice-Presidente, em substituição

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

IDIRETORI Despacho D-23/ Âmbito de aplicação

IDIRETORI Despacho D-23/ Âmbito de aplicação U LISBOA / -- IDIRETORI Despacho D-23/2015 Por decisão do Conselho Científico da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de, na sua reunião de 1 de julho de 2015, deliberou, por unanimidade, alterar

Leia mais

Resolução nº 01/06. Implementação do Processo de Bolonha: Regras de Transição

Resolução nº 01/06. Implementação do Processo de Bolonha: Regras de Transição Resolução nº 01/06 Implementação do Processo de Bolonha: Regras de Transição O Decreto-Lei n.º 74/2006, dos graus e diplomas do ensino superior, define limites temporais para a coexistência entre a nova

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 17 Data: 2013/03/26 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento das Provas Especialmente Adequadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência

Leia mais

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência. Artigo 3.º Provas

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência. Artigo 3.º Provas REGULAMENTO DO CONCURSO LOCAL PARA A CANDIDATURA À MATRÍCULA E INSCRIÇÃO NO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM TECNOLOGIAS DA MÚSICA MINISTRADO PELA ESCOLA SUPERIOR DE MÚSICA DO INSTITUTO

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 1.º

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 1.º REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 1.º APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE CRIAÇÃO OU RENOVAÇÃO DE CURSOS DE MESTRADO 1. As propostas de criação ou renovação de

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL. (Edição 2010 2012)

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL. (Edição 2010 2012) EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL (Edição 2010 2012) Nos termos dos Decretos Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto

Leia mais

Mestrado Segurança e Higiene no Trabalho Edição 2007/2008

Mestrado Segurança e Higiene no Trabalho Edição 2007/2008 Mestrado Segurança e Higiene no Trabalho Edição 2007/2008 Enquadramento e Objectivos O Mestrado em Segurança e Higiene no Trabalho é uma realização conjunta da Escola Superior de Tecnologia de Setúbal

Leia mais

Artigo 1.º (Objetivo e âmbito) Artigo 2.º (Condições para requerer a inscrição)

Artigo 1.º (Objetivo e âmbito) Artigo 2.º (Condições para requerer a inscrição) REGULAMENTO DAS PROVAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM DA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM S. FRANCISCO DAS MISERICÓRDIAS, DOS TITULARES DE UM DIPLOMA

Leia mais

Instituto Politécnico de Santarém. Escola Superior Agrária MESTRADO EM PRODUÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS E PARA FINS INDUSTRIAIS REGULAMENTO

Instituto Politécnico de Santarém. Escola Superior Agrária MESTRADO EM PRODUÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS E PARA FINS INDUSTRIAIS REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior Agrária MESTRADO EM PRODUÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS E PARA FINS INDUSTRIAIS REGULAMENTO Artigo 1º Criação O Instituto Politécnico de Santarém, através da

Leia mais

Regulamento dos regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no ano lectivo de 2009/2010

Regulamento dos regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no ano lectivo de 2009/2010 Regulamento dos regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no ano lectivo de 2009/2010 Nos termos do artigo 10.º do Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Educação Especial

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Educação Especial Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Educação Especial Artigo 1.º Regras sobre a admissão no ciclo de estudos, em especial as condições de natureza académica

Leia mais

MESTRADO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA Edição

MESTRADO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA Edição INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL (EDIÇÃO 2016-2018) Nos termos do Decreto-Lei nº42/2005, de 22 de fevereiro e do Decreto-Lei nº74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO E APLICAÇÃO CLÍNICA DO MOVIMENTO (edição )

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO E APLICAÇÃO CLÍNICA DO MOVIMENTO (edição ) EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO E APLICAÇÃO CLÍNICA DO MOVIMENTO (edição 2016-) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC) Objectivos Como definido no Decreto-Lei nº 74/2006, o grau de doutor é conferido aos que demonstrem: Capacidade de compreensão sistemática

Leia mais

Regulamento. do Mestrado em Gestão Ambiental

Regulamento. do Mestrado em Gestão Ambiental Regulamento do Mestrado em Gestão Ambiental Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF), concede o grau de Mestre em Gestão Ambiental. Artigo 2º Objectivos Gerais O curso de Mestrado em Gestão

Leia mais

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO PELA UNIVERSIDADE DO PORTO

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO PELA UNIVERSIDADE DO PORTO REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO PELA UNIVERSIDADE DO PORTO (DR, II Série, nº 94, 22 de Abril de 1993, com as alterações introduzidas pela Resolução nº 19/SC/SG/95 - DR, II Série, nº 169, de 24 de Julho de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACEITAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DA QUALIDADE DE ESPECIALISTA DE RECONHECIDA EXPERIÊNCIA E COMPETÊNCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACEITAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DA QUALIDADE DE ESPECIALISTA DE RECONHECIDA EXPERIÊNCIA E COMPETÊNCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACEITAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DA QUALIDADE DE ESPECIALISTA DE RECONHECIDA EXPERIÊNCIA E COMPETÊNCIA PROFISSIONAL Convindo regular o procedimento tendente à aceitação e confirmação

Leia mais

REGULAMENTO do 2º. Ciclo. «Mestrado em Comunicação Integrada» Artigo 1º. PRINCIPAIS OBJECTIVOS

REGULAMENTO do 2º. Ciclo. «Mestrado em Comunicação Integrada» Artigo 1º. PRINCIPAIS OBJECTIVOS REGULAMENTO do 2º. Ciclo «Mestrado em Comunicação Integrada» Artigo 1º. PRINCIPAIS OBJECTIVOS 1. O Curso de 2º Ciclo/Mestrado em Comunicação Integrada, do Instituto Superior de Novas Profissões tem por

Leia mais

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência REGULAMENTO DO CONCURSO LOCAL PARA A MATRÍCULA E INSCRIÇÃO NO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM MÚSICA, MINISTRADO PELA ESCOLA SUPERIOR DE MÚSICA DE LISBOA, DO INSTITUTO POLITÉCNICO

Leia mais

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria)

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria) Despacho n.º /2015 Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto (IPLeiria) Preâmbulo Nos termos do n.º 1 do artigo 15.º da Lei n.º 46/86, de 14.10 1,

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO E CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS E PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO E CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS E PROFISSIONAIS Página 1 de 6 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º (objeto e âmbito) 1. O presente regulamento fixa os procedimentos relativos à creditação de competências académicas e profissionais, nos termos da

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) CONCURSO DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADO EM ASSOCIAÇÃO. Edição de 2010/2011

ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) CONCURSO DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADO EM ASSOCIAÇÃO. Edição de 2010/2011 EDITAL João Alberto Sobrinho Teixeira, Presidente do Instituto Politécnico de Bragança; João Baptista da Costa Carvalho, Presidente do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave; Maria do Rosário Gambôa

Leia mais

DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Regulamento 1º CRIAÇÃO E OBJECTIVOS 1. A Universidade Católica Portuguesa, através da Faculdade de Educação

Leia mais

Regulamento Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior

Regulamento Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior Regulamento Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior Titulares de um diploma de técnico superior profissional Artigo 1.º Âmbito São abrangidos pelo concurso especial os titulares de

Leia mais

Assim, o regulamento de provas de Agregação da Universidade Católica Portuguesa rege-se pelas seguintes normas:

Assim, o regulamento de provas de Agregação da Universidade Católica Portuguesa rege-se pelas seguintes normas: DESPACHO NR/R/0094/2008 ASSUNTO: Regulamento de provas de agregação Na sequência da publicação do Decreto-Lei nº 239/2007, de 19 de Junho e ao fim de alguns meses de aplicação na UCP, considerou-se conveniente

Leia mais

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO PÓS-GRADUADA EM GESTÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE ELEVAÇÃO - ELEVADORES EDIÇÃO 2013/2014

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO PÓS-GRADUADA EM GESTÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE ELEVAÇÃO - ELEVADORES EDIÇÃO 2013/2014 CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO PÓS-GRADUADA EM GESTÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE ELEVAÇÃO - ELEVADORES EDIÇÃO 2013/2014 O Presidente do Instituto Superior de Engenharia do Porto, João

Leia mais

Pós-graduação Tecnologia Aeronáutica. Edital 2013/2014

Pós-graduação Tecnologia Aeronáutica. Edital 2013/2014 Pós-graduação Tecnologia Aeronáutica Edital 2013/2014 Setúbal, dezembro de 2012 ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS O curso de Pós-Graduação em Tecnologia Aeronáutica (PGTA) é uma realização da Escola Superior

Leia mais

EDITAL N.º 04/2016. O período de candidaturas decorrerá entre 7 de julho a 31 de agosto de 2016.

EDITAL N.º 04/2016. O período de candidaturas decorrerá entre 7 de julho a 31 de agosto de 2016. EDITAL N.º 04/2016 A Universidade dos Açores faz saber que está aberto o concurso de acesso e ingresso ao Curso Técnico Superior Profissional (CTeSP) em Desenvolvimento de Aplicações WEB, no polo de Ponta

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL:

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: Domínio Cognitivo e Motor (Código A71) Educadores de Infância e Professores dos 1º, 2º e 3º ciclos do ensino básico e do ensino secundário Curso de

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ENFERMAGEM. Mestrado em Enfermagem. de natureza académica.

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ENFERMAGEM. Mestrado em Enfermagem. de natureza académica. UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ENFERMAGEM Mestrado em Enfermagem de natureza académica Regulamento Geral Índice Nota introdutória... 3 1. Objectivos e competências a desenvolver...

Leia mais

PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016

PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016 PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016 Sendo a transparência dos processos de candidatura e recrutamento de estudantes um dos elementos constituintes do sistema interno

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (Edição )

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (Edição ) EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE (Edição 2010-2012) Nos termos dos Decretos-Lei nº /2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

Viana do Castelo, de março de O Presidente do IPVC. Rui Alberto Martins Teixeira. Página 1 de 8

Viana do Castelo, de março de O Presidente do IPVC. Rui Alberto Martins Teixeira. Página 1 de 8 Despacho IPVC-P /2016 REGULAMENTO DAS PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DOS CURSOS SUPERIORES DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO DOS MAIORES DE

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Liderança e Gestão Intermédia na Escola 14 15 Edição Instituto

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 22 Data: 2015/05/12 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento das Provas Especialmente Adequadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PLANEAMENTO AMBIENTAL

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PLANEAMENTO AMBIENTAL UNIVERSIDADE DOS AÇORES REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PLANEAMENTO AMBIENTAL Art.º 1.º Âmbito O Curso de Mestrado em Ordenamento do Território e Planeamento Ambiental,

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO. (edição )

EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO. (edição ) EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO (edição 2016-) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de março, com as alterações introduzidas pelo

Leia mais

Faculdade de Serviço Social Programa de Pós-Graduação em Serviço Social Regulamento

Faculdade de Serviço Social Programa de Pós-Graduação em Serviço Social Regulamento Faculdade de Serviço Social Programa de Pós-Graduação em Serviço Social Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Serviço Social (PPGSS), vinculado

Leia mais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1. Disposições Gerais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1. Disposições Gerais Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais Artigo 1º Enquadramento, âmbito de aplicação e objectivo

Leia mais

DESPACHO N.º GR.02/06/2014. Alteração do regulamento geral dos segundos ciclos de estudos da Universidade do Porto

DESPACHO N.º GR.02/06/2014. Alteração do regulamento geral dos segundos ciclos de estudos da Universidade do Porto DESPACHO N.º GR.02/06/2014 Alteração do regulamento geral dos segundos ciclos de estudos da Universidade do Porto No uso da competência que me é consagrada na alínea o) do nº 1 do artigo 40º dos estatutos

Leia mais

7. Regulamento de unidades curriculares de dissertação

7. Regulamento de unidades curriculares de dissertação 7. Regulamento de unidades curriculares de dissertação 1. Preâmbulo De acordo com o estipulado no artigo 20 do Decreto-Lei n 74/2006 de 24 de março, na versão republicada pelo Decreto de Lei nº 115/2013

Leia mais

REGULAMENTO DOS CONCURSOS ESPECIAIS

REGULAMENTO DOS CONCURSOS ESPECIAIS Página 1 de 5 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objeto) O presente regulamento fixa os procedimentos relativos aos concursos especiais para acesso e ingresso no ensino superior, nos termos da lei.

Leia mais

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TÉCNICO DE INSPEÇÃO AVANÇADA DE ESTRUTURAS EDIÇÃO 2014/2015

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TÉCNICO DE INSPEÇÃO AVANÇADA DE ESTRUTURAS EDIÇÃO 2014/2015 CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TÉCNICO DE INSPEÇÃO AVANÇADA DE ESTRUTURAS EDIÇÃO 2014/2015 O Presidente do Instituto Superior de Engenharia do Porto, João Manuel Simões da Rocha, faz saber:

Leia mais

REGULAMENTO DAS PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTNADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS.

REGULAMENTO DAS PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTNADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS. Regulamento Nos termos da lei e dos estatutos da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT/UNL), procede-se à atualização do Regulamento das Provas Especialmente Adequadas

Leia mais

Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica

Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica Admissão à Competência de Acupunctura Médica Após terminar com aproveitamento um Curso de Formação Pós-Graduada em Acupunctura reconhecida pela Ordem

Leia mais

3. Os prazos para candidatura, seleção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1;

3. Os prazos para candidatura, seleção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1; EDITAL 1. Faz-se público que estão abertas, candidaturas para a admissão ao Curso de Mestrado em Promoção e Educação para a Saúde, a iniciar no 1º semestre do ano letivo de 2016/2017, em organização conjunta

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO (Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO (Edição 2012/2014) 1/9 EDITAL MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO (Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de março, com as alterações

Leia mais

Edital 2016/17 Terceira fase de candidaturas

Edital 2016/17 Terceira fase de candidaturas Edital 2016/17 Terceira fase de candidaturas Candidaturas à 4ª edição do Programa Doutoral Estudos de Comunicação: Tecnologia, Cultura e Sociedade. Funcionamento do 1º semestre: ULHT (Lisboa) Funcionamento

Leia mais

EDITAL. 3. Os prazos para candidatura, seleção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1;

EDITAL. 3. Os prazos para candidatura, seleção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1; EDITAL 1. Faz-se público que estão abertas candidaturas para a admissão ao Curso de Mestrado em Gerontologia Social, a iniciar no 1º semestre do ano letivo de 2014/2015, em organização conjunta da Escola

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador Instituto Politécnico de Setúbal Edital Abertura de concurso documental para professor coordenador 1 Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 6º do Regulamento de Recrutamento e Contratação do Pessoal

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 14 de Fevereiro de 2011 O Presidente, (Paulo Parente) ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA Artigo 1.º Objecto e âmbito 1) O presente Regulamento

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA N.º 22 Data: 2016/07/08 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e Não docente ASSUNTO: - Regulamento dos Concursos Especiais da ESTeSL. Informa-se a comunidade académica de

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE LETRAS E CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA EDITAL MESTRADO EM HISTÓRIA DE MOÇAMBIQUE E ÁFRICA AUSTRAL 2012-2014 1. INÍCIO DO CURSO Julho de 2012 (segundo

Leia mais

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso A Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC) e a Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho (EEGUM), através do seu Departamento de Economia,

Leia mais

(Preâmbulo) Artigo 1.º Objecto e âmbito

(Preâmbulo) Artigo 1.º Objecto e âmbito Instituto Politécnico de Bragança Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e de reingresso no ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado (Preâmbulo) A legislação decorrente da

Leia mais

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos maiores de 23 anos e do Concurso Especial dos Estudantes

Leia mais

Universidade de Évora. Instituto Politécnico de Beja - Escola Superior de Saúde

Universidade de Évora. Instituto Politécnico de Beja - Escola Superior de Saúde Universidade de Évora Instituto Politécnico de Beja - Escola Superior de Saúde Instituto Politécnico de Castelo Branco - Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias Instituto Politécnico de Portalegre - Escola

Leia mais

Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

Escola Superior de Enfermagem de Coimbra CURSO DE PÓS-LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO (Portaria nº 42/2005 de 17 de Janeiro e Portaria n.º 268/2002, de 13 de Março) Ano Lectivo 2009/2010 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA

Leia mais

Artigo 2º Conceito de Estudante Internacional 1. É estudante internacional o estudante que não tem nacionalidade portuguesa.

Artigo 2º Conceito de Estudante Internacional 1. É estudante internacional o estudante que não tem nacionalidade portuguesa. Artigo 1º Objetivo e âmbito de aplicação O presente regulamento tem como objetivo dar cumprimento ao artigo 14º do Decreto-Lei nº 36/2014, de 10 março e aplica-se exclusivamente aos estudantes internacionais

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ECONOMIA E D I T A L

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ECONOMIA E D I T A L UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ECONOMIA E D I T A L PROGRAMA DE MESTRADO EM GESTÃO DE POLÍTICAS ECONÓMICAS 4ª EDIÇÃO/2012 BOLSAS DE ESTUDO A Universidade Eduardo Mondlane (UEM), assinou um

Leia mais

MESTRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE E URBANISMO REGULAMENTO. CAPÍTULO I Estrutura. Artº 1º (Natureza, Objectivo e Perfil do Mestre)

MESTRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE E URBANISMO REGULAMENTO. CAPÍTULO I Estrutura. Artº 1º (Natureza, Objectivo e Perfil do Mestre) UNIVERSIDADE CAT ÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE ENGENHARIA MESTRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE E URBANISMO REGULAMENTO CAPÍTULO I Estrutura Artº 1º (Natureza, Objectivo e Perfil do Mestre) 1. A Universidade

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM INFORMÁTICA E SISTEMAS.

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM INFORMÁTICA E SISTEMAS. INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM INFORMÁTICA E SISTEMAS Edição 2016-2018 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de Fevereiro,

Leia mais

Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO TURÍSTICA

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO TURÍSTICA Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO TURÍSTICA Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de março,

Leia mais

AOS NOVOS. b. Os outros casos enquadram-se no novo regime de acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos.

AOS NOVOS. b. Os outros casos enquadram-se no novo regime de acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos. PEDIDOS DE EQUIPARAÇÃO OU EQUIVALÊNCIA AOS NOVOS PLANOS DE ESTUDO E TÍTULOS ACADÉMICOS EM TEOLOGIA E CIÊNCIAS RELIGIOSAS 1. Cursos Básicos de Teologia O Mapa em anexo ao Despacho Normativo n.º 6-A/90,

Leia mais

Faculdade de Biociências Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular. Regulamento

Faculdade de Biociências Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular. Regulamento Faculdade de Biociências Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Regulamento Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química Artigo 1º - Âmbito --------------------------------------- 1) O presente Regulamento

Leia mais

Instituto Politécnico de Bragança. Normas Regulamentares dos Mestrados

Instituto Politécnico de Bragança. Normas Regulamentares dos Mestrados Instituto Politécnico de Bragança Nos termos do Capítulo III do Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de Março, a Instituto Politécnico de Bragança (IPB) confere o grau de Mestre aos estudantes que frequentem

Leia mais

Concursos Especiais para Estudantes Internacionais Guia de Acesso - Ano Lectivo

Concursos Especiais para Estudantes Internacionais Guia de Acesso - Ano Lectivo De acordo com o estipulado no Regulamento do concurso especial de acesso e ingresso do estudante internacional a ciclos de estudo de licenciatura na Universidade de Atlântica, e no cumprimento do Decreto-Lei

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO URBANA

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO URBANA INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO URBANA Edição 2016-2018 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005,

Leia mais