TeleCardio: Telecardiologia a Serviço de Pacientes Hospitalizados em Domicílio *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TeleCardio: Telecardiologia a Serviço de Pacientes Hospitalizados em Domicílio *"

Transcrição

1 TeleCardio: Telecardiologia a Serviço de Pacientes Hospitalizados em Domicílio * Rodrigo Varejão Andreão 1, José Gonçalves Pereira Filho 2, Camilo Zardo Calvi 2 1 Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica, Departamento de Engenharia Elétrica 2 Programa de Pós-Graduação em Informática, Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Vitória (ES), Brasil Resumo Muitos centros urbanos exibem atualmente dificuldades comuns ligadas à superlotação de leitos hospitalares e custos de internação. Esse quadro tem conduzido pesquisadores a proporem soluções tecnológicas para que o paciente seja mantido em seu domicílio e continue recebendo serviços médicos apropriados. Esse artigo apresenta um sistema de Telecardiologia Domiciliar para monitoramento remoto de pacientes cardíacos, que utiliza uma plataforma de suporte a aplicações móveis e sensíveis ao contexto, mecanismos de análise de sinais eletrocardiográficos e geração automática de alarmes, possibilitando a ampliação do acesso ao atendimento emergencial de pacientes crônicos. Palavras-chave: Telemedicina, Telecardiologia, Sinais Biomédicos, Computação Sensível ao Contexto. Abstract A common problem in many urban areas nowadays is the hospital overpopulation and high costs of medical care. This situation has motivated the search for solutions that can allow a patient to receive appropriate medical care while still at home. This paper presents a Telehomecare system for remote monitoring of for patients with cardiological syndromes. This system is built on top of a middleware for mobile and context-aware applications as well as mechanisms for ECG signal analysis and for automatic alert generation. This opens the possibility for a wider number of chronic patients to have access to emergency services. Key-words: Telemedicine, Telecardiology, Biomedical Signals, Context-Aware Computing. Introdução Os últimos avanços das tecnologias de computação e comunicação sem fio (ex: Bluetooth, Wi-Fi, GPRS), aliado à popularização dos dispositivos móveis multifuncionais (PDAs, celulares, GPS) e ao uso crescente de pequenos dispositivos médicos para aquisição de sinais vitais têm impulsionado o surgimento de novas aplicações e modalidades de tele-monitoramento de pacientes, possibilitando o acompanhamento e o diagnóstico em tempo real de doenças de risco [4]. Uma das áreas de destaque é a Telecardiologia, em particular o tele-monitoramento da atividade cardíaca através do eletrocardiograma (ECG). O tele-monitoramento através do ECG tem despertado um grande interesse da comunidade científica devido ao alto índice de mortes associadas às doenças do coração, entre as quais podemos destacar a Isquemia do Miocárdio (IM) [1, 17]. A IM é uma doença que se manifesta mais correntemente em condições normais de atividade do indivíduo e tem como conseqüência o Infarto do Miocárdio. Nessas condições, uma intervenção rápida e eficiente de uma equipe médica se faz necessária, a fim de garantir um tratamento médico mais eficaz, minorando as conseqüências de um infarto no coração. Mais recentemente, assistimos em alguns países ao surgimento de uma nova modalidade de tele-monitoramento, que apresenta grandes perspectivas no acompanhamento e tratamento de pacientes crônicos: a Telecardiologia em Domicílio. Essa nova modalidade de Telemedicina [1] tende a somar aos esforços de serviços de assistência médica em domicílio já existentes, possibilitando o monitoramento mais eficiente do estado clínico do paciente, a partir da aquisição remota do eletrocardiograma, da pressão sanguínea, da taxa de glicose, de dados relativos à atividade e movimentação física, entre outros dados vitais, obtidos diretamente a partir de sensores ou derivados através de um processo adequado de inferência. A Telecardiologia em Domicílio tem por principais objetivos melhorar a qualidade da hospitalização de pacientes em domicílio, reduzir a taxa de ocupação dos leitos hospitalares, reduzir gastos com hospitalização, e identificar de maneira precoce algumas doenças de risco, permitindo um tratamento mais rápido e eficaz. Este artigo apresenta o Projeto TeleCardio: Telecardiologia a Serviço do Paciente em * Este trabalho tem o apoio financeiro da FAPES Fundação de Apoio à Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (processo n /2005).

2 Ambientes Hospitalares e Residenciais [18], uma iniciativa dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e em Informática do Centro Tecnológico da UFES. O projeto propõe o desenvolvimento integrado (hardware e software) de um sistema de Telecardiologia voltado para o acompanhamento da atividade elétrica do coração em pacientes crônicos. Pretende-se explorar diferentes cenários de funcionamento do sistema, propiciando diferentes níveis de ubiqüidade aos principais atores do sistema (pacientes e médicos): Cenário 1 Monitoramento domiciliar. O paciente é mantido em seu domicílio ou em uma Unidade de Saúde. O seu sinal ECG é adquirido através de um aparelho holter e transmitido a um computador remoto que os envia dados até uma Central de Monitoramento. O especialista médico de plantão em uma Unidade de Saúde ou mesmo o médico particular do paciente em sua residência ou em seu local de trabalho, pode interagir com o sistema, acompanhando o paciente a partir de um computador desktop, um notebook ou um dispositivo móvel como o PDA. Esse é o cenário inicialmente explorado pelo projeto. Cenário 2 Unidade móvel de emergência (ambulância). Durante o transporte de pacientes os seus sinais vitais podem ser transmitidos até a Central de Monitoramento do sistema através de um enlace de rádio-freqüência. Ações auxiliares de naturezas diversas podem ser tomadas automaticamente, como o envio de mensagens SMS para médicos, familiares e/ou a Unidade de Saúde mais próxima; o disparo de solicitações de serviços médicos específicos na Unidade de Saúde selecionada; contato automático com o Plano de Saúde do paciente; bem como a possibilidade de integração runtime com outros serviços/aplicações cadastrados no sistema (por exemplo, seleção em tempo real de rotas de trânsito mais adequadas até a Unidade de Saúde, etc). Cenário 3 Monitoramento em ambiente externo. Nos deslocamentos do paciente em ambientes externos (outdoor), o seu sinal ECG é enviado à Central de Monitoramento através do sistema de comunicação móvel celular. Esse cenário promove maior grau de mobilidade para os principais atores do sistema. Metodologia O desenvolvimento do Projeto TeleCardio está apoiado em duas linhas de investigação científica distintas, mas que se integram no objetivo de superar algumas das limitações de sistemas similares atuais: (i) a utilização de métodos originais de processamento automático do ECG ambulatorial em vista da geração de alarmes em situações de risco para a saúde do paciente, em particular episódios de isquemia silenciosa [2]; e (ii) o emprego de plataformas (middleware) sensíveis ao contexto, dotadas de funcionalidades adequadas para o desenvolvimento e execução de aplicações de tele-monitoramento que explorem o contexto dinâmico dos seus usuários (os pacientes e os profissionais de saúde). O uso de plataformas context-aware é justificado pela complexidade de manipulação de informações contextuais e dinâmicas, causadas pela mobilidade dos usuários e por características situacionais inerentes a cada ambiente ou situação monitorada [10]. Conceitualmente, do ponto de vista arquitetural, o ambiente TeleCardio (Figura 1) é uma estrutura constituída por três camadas: (i) Camada de Sensoriamento, responsável pela aquisição e pelo processamento de sinais eletrocardiográficos; (ii) Camada de Suporte, constituída por uma plataforma que fornece os componentes funcionais, os algoritmos, os serviços e as demais facilidades para o armazenamento e o processamento da informação contextual; e (iii) Camada de Universalização, que provê uma interface padrão para a configuração dos diversos domínios de aplicações atendidos pela plataforma, para a definição de seus parâmetros operacionais, para o cadastramento de provedores de contexto e de serviços, para a definição dos atores do sistema (médicos, pacientes, unidades hospitalares, etc), para a seleção de questões de privacidade, etc. As três camadas conceituais estão inicialmente sendo realizadas por duas Unidades Operacionais (Figura 2). A primeira delas, a Unidade Remota, pode ser o próprio domicílio do paciente ou alguma Unidade de Saúde onde ele esteja internado. A segunda é a Central de Monitoramento, que pode estar localizada em um Hospital, em um Posto Público de Saúde, em uma Clínica Especializada ou mesmo em uma Central de Emergência independente. A Unidade Remota e a Central de Monitoramento utilizam a Internet como meio de transporte para a troca de informações. A Unidade Remota possui os seguintes elementos: Dispositivo Portátil. Elemento que acompanha o paciente, possibilitando relativa mobilidade em suas tarefas cotidianas. Ele é composto de um aparelho de medição de eletrocardiograma ambulatorial (Holter), um mecanismo de alarme acionado pelo próprio paciente, e um dispositivo de transmissão de dados em rádio freqüência (RF) para o Computador Remoto [6]. Computador Remoto. Elemento responsável pela recepção, armazenamento e tratamento das informações transmitidas pelo Dispositivo Portátil. Através de um programa de

3 comunicação, os dados são enviados à Central de Monitoramento. No Computador Remoto há também um mecanismo de análise de sinais ECG e geração automática de alarmes [5]. Figura 1 O ambiente TeleCardio. existência de uma plataforma de suporte sensível ao contexto. Essa plataforma fornece a infraestrutura básica de serviços e componentes necessários para o desenvolvimento dessas aplicações. Exemplos de componentes incluem um modelo de contexto, uma linguagem de subscrição, um mecanismo de interpretação de contexto, um gerente de serviços semânticos, uma política de privacidade e segurança das informações, uma interface uniforme com os sensores e as diversas outras fontes de dados contextuais, etc. A plataforma em desenvolvimento no projeto, denominada de Infraware (Figura 3) [16], é um middleware baseado na tecnologia de distribuição Web Services, e foi definida visando atender a vários requisitos funcionais presentes em ambientes sensíveis ao contexto e integrá-los em uma infra-estrutura única, formando assim uma arquitetura flexível e adequada para a concepção de aplicações reais, em domínios variados. Figura 2 Interação entre os atores do sistema. A Central de Monitoramento é composta por: Servidor de Monitoramento. Unidade funcional que implementa o middleware de suporte e, num primeiro momento, uma aplicação-piloto, sensível ao contexto, para gerenciamento das informações e acompanhamento remoto, via Internet, do estado clínico dos pacientes. Base de Dados Contextual. O Servidor de Monitoramento trabalha sobre uma base dados contextual contendo informações de cada paciente. Exemplos de informações incluem exames médicos, dados pessoais, histórico clínico e outros. Essas informações e os sinais vitais enviados pelo computador remoto compõem o Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP). Esse prontuário fica a disposição do médico responsável para consultas e alterações. A Plataforma de Suporte Como visto, diferentes cenários de uso são vislumbrados no projeto TeleCardio. Esses cenários são caracterizados por exibirem contextos altamente dinâmicos, variados e um alto grau de mobilidade dos seus principais atores (médicos, pacientes, paramédicos, etc). Por sua vez, as aplicações vislumbradas no projeto pressupõem a Figura 3 A Plataforma Infraware. Uma característica marcante da Infraware é o uso de conceitos da Web Semântica: ontologias especificam modelos formais extensíveis que descrevem não somente o domínio das aplicações, mas também os serviços. Essa abordagem diferenciada provê meios de configurar as interações aplicação-plataforma em tempo de execução (runtime). A plataforma também pode ser customizada pela adição de novos serviços e entidades ao se estender as ontologias. Além disso, a adoção de Web Services como tecnologia de distribuição permite que aplicações acessem os serviços oferecidos através de protocolos da Internet e facilita a inclusão de novos serviços à plataforma por terceiros. Essa flexibilidade torna a Infraware adequada ao desenvolvimento de uma larga gama de aplicações em cenários reais, como os de Telecardiologia anteriormente descritos. A arquitetura da Infraware foi definida a partir do estudo de requisitos para a computação sensível ao contexto e especialmente projetada para superar limitações impostas pelas arquiteturas distribuídas

4 tradicionais no que se refere à manipulação de contexto. Maiores informações em [15]. O Processamento de Sinais ECG O sinal eletrocardiográfico é adquirido por um dispositivo especial chamado Holter e transmitido via comunicação sem fio até um Computador Remoto (Figura 2). O Computador Remoto é composto por um módulo de Processamento de Sinais Eletrocardiográficos e por um WrapperHolter. O Holter envia, a cada 30 segundos, blocos de informações de sinais ECG pré-processados e eventos associados a situações de risco para o paciente. O módulo de Processamento de Sinais realiza a análise dos sinais eletrocardiográficos obtidos do paciente e dispara alarmes de emergência quando necessário. O WrapperHolter realiza a tradução da informação processada em um modelo de dados específico de tecnologia para um modelo padrão reconhecido pela plataforma de suporte. Em um cenário médico-hospitalar como o descrito a existência de um componente Wrapper, conversor de modelos de dados, justifica-se pela grande variedade de aparelhos e dispositivos de sensoriamento de dados vitais existentes, contendo protocolos, algoritmos e modelos de descrição de dados diversos. Os algoritmos utilizados no módulo de Processamento de Sinal ECG estão organizados em uma estrutura composta por três camadas (Figura 4) [1]. A camada 0 diz respeito ao processamento mais básico do sinal ECG, que consiste em indentificar numa sequência de amostras de um dado registro de ECG os eventos elétricos elementares que serão usados para a interpretação do traçado. Primeiramente, o sinal ECG é processado pela transformada wavelet Chapéu Mexicano, que tem por função realçar a informação útil do sinal em detrimento do ruído. Além de possuir uma alta resolução temporal e uma morfologia mais próxima do complexo QRS normal, a escolha da função Chapéu Mexicano é resultado de seu melhor desempenho entre as wavelets contínuas no processamento de sinais ECG [1]. Em seguida, uma abordagem estatística baseada nos modelos ocultos de Markov (HMM) é responsável pela segmentação do sinal processado em termos das formas de onda elementares do batimento cardíaco, que são as formas P, QRS, T e linha isoelétrica [1]. Na verdade, a segmentação consiste em associar as amostras do sinal processado ao HMM de cada forma elementar de maneira a maximizar a verossimilhança. A partir das informações obtidas na Camada 0, inicia-se para a classificação dos batimentos na Camada 1. Nesse caso, um sistema a base de regras heurísticas busca traços característicos no sinal segmentado seguindo a abordagem do cardiologista. O sistema implementa a classificação de batimentos ventriculares prematuros (ESV), que são caracterizados por um complexo QRS largo e pela prematuridade da contração ventricular. Figura 4 Algoritmo de classificação do sinal ECG. Por último, a Camada 2 efetua uma análise de longo termo, de forma a identificar eventos anormais persistentes. Atualmente, o sistema realiza a identificação de episódios de isquemia cardíaca, que consiste em monitorar o desvio da amplitude do segmento ST ao longo do tempo. Essa informação possibilita a identificação precoce de espisódios de isquemia (quando o desvio ultrapassa um limiar de 0,1 mv durante um período de no mínimo 30 segundos), que normalmente precedem o infarto no miocárdio. Na ocorrência de um evento anormal detectado pelas Camadas 1 e 2 do módulo de Processamento de Sinais, o WrapperHolter é notificado e envia a informação de ocorrência desse evento à plataforma de suporte. Dessa maneira, podem-se antecipar complicações decorrentes de eventos de risco que o paciente esteja sofrendo. Resultados O sistema TeleCardio encontra-se em fase de implementação, com alguns dos seus módulos já em processo de integração. O desenvolvimento do sistema foi dividido em duas frentes: (i) definição da arquitetura conceitual e implementação dos componentes da plataforma de suporte; e (ii) projeto e implementação de uma aplicação-piloto de monitoramento para validar, em especial, os algoritmos utilizados no módulo de processamento de sinal ECG.

5 Nessa primeira fase de desenvolvimento do projeto estão sendo priorizados a implementação interna dos componentes da plataforma e os algoritmos e a interface gráfica da aplicação-piloto. Com relação à plataforma de suporte, já estão implementados o Interpretador de Contexto [14] e o protocolo de Descoberta de Serviços do Gerente de Serviços [7]. As arquiteturas internas dos módulos de Controle de Acesso e Privacidade [8] e do Gerente de Subscrição encontram-se especificadas e em fase de implementação. Testes de integração entre esses dois módulos também estão sendo realizados. Para testar a interface entre eles foi desenvolvida uma aplicação móvel e colaborativa para troca de informações entre profissionais de saúde em um ambiente médicohospitalar hipotético [12]. Com relação à aplicação de monitoramento do eletrocardiograma, essa já conta com uma interface GUI desenvolvida em Matlab para exibição do sinal ECG e dos eventos gerados pelos algoritmos de processamento de sinais [5]. A interface possibilita a visualização simultânea de dois canais de sinal de ECG ambulatorial previamente armazenado em trechos de 10 segundos, assim como os resultados dos algoritmos que fazem a segmentação do sinal (Figura 5), analisando e identificando as diferentes formas de ondas que compõe o ECG (Figura 4). Os eventos gerados pelos algoritmos de classificação também são observados em janelas gráficas identicas a da Figura 5, porém destacando o evento desejado. Para o caso das funções intervalo R-R (serie temporal da distância entre dois batimentos consecutivos) e desvio de segmento ST ao longo do tempo, o sinal observado difere do sinal ECG devido e requer uma escala temporal mais longa e de menor resolução (Figuras 6 e 7). A exibição do intervalo R-R possibilita acompanhar a elevação e a queda da frequência cardíaca instantânea (quanto maior o intervalo R-R mais baixa é a freqüência cardíaca e vice-versa). Por outro lado, o gráfico do desvio de segmento ST permite identificar os episódios isquêmicos, os quais, quando assimtomáticos, só podem ser diagnósticados via análise gráfica. Em alguns casos, obtêm-se diferenças na classificação dos canais de um mesmo registro. Assim, pode-se combinar as informações dos canais a partir da opção de fusão dos canais, o que gera resultados mais confiáveis. Uma outra funcionalidade presente nas janelas de visualização dos eventos de isquemia e dos intervalos R-R é a escolha do tamanho do bloco do sinal de modo a facilitar a interpretação dos dados. Figura 5 Visualização do traçado do sinal ECG e as ondas elementares em destaque. Figura 6 Visualização do intervalo R-R no tempo. Figura 7 Visualização do desvio do segmento ST. Discussão e Conclusões Dentre os sistemas de Telecardiologia descritos na literatura [3,9,11,13,17], há em comum a utilização de uma estação remota, localizada no domicílio do paciente, para a aquisição e o envio de seus dados vitais, e um servidor, responsável pelo gerenciamento do sistema e armazenamento dos dados dos pacientes assistidos pelo serviço. Os dados armazenados são disponibilizados a um médico especialista para o acompanhamento do

6 estado clínico do paciente, sobretudo em situações de emergência. Outro fator diferencial entre os sistemas de Telecardiologia está no emprego de algoritmos de auxílio ao diagnóstico médico e geração automática de alarmes, os quais possibilitam a identificação precoce de condições de emergência de pacientes [3,17]. Muitos desses sistemas compõem soluções isoladas e/ou parciais de tele-monitoramento. Embora seja um requisito fundamental em um ambiente diverso e complexo em termos de tecnologias de hardware e de software como o médico-hospitalar, o emprego de infra-estruturas de middleware (ou plataforma de serviços) sensíveis ao contexto ainda é pouco explorado nos sistemas de Telecardiologia atuais. Existe, portanto, a necessidade de um suporte arquitetural em termos de plataforma de serviços, que forneça facilidades para a concepção de uma ampla variedade de aplicações de TeleCardiologia. O sistema descrito neste trabalho constitui um exemplo dessa uma visão integrada e diferenciada do desenvolvimento de soluções para sistemas de Telecardiologia. No sistema apresentado, destacam-se a presença de um middleware sensível ao contexto para suporte à concepção e execução de aplicações de telemonitoramento, a utilização de um mecanismo diferenciado de processamento de sinais ECG e geração automática de alarmes, e uma aplicaçãopiloto de monitoramento de eletrocardiogramas. Dentre as facilidades apresentadas pelo middleware, destacam-se a possibilidade de reuso de componentes de software em aplicações diversas, interfaces padronizadas com sistemas de sensoriamento, primitivas de manipulação de bases de dados biomédicos, etc. Trabalhos futuros incluem a integração dos módulos da plataforma e o início dos testes sobre toda a cadeia, desde a aquisição do sinal à aplicação de monitoramento. Agradecimentos Os autores agradecem à FAPES pelo apoio financeiro recebido na execução desse trabalho. Referências [1] Andreão, R.V. (2004) : Segmentation de battements ECG par approache markovienne: application à la détection de ischémies. Tese de Doutorado, INT- UTT, Evry, França, 182 p. [2] Andreão, R.V., Dorizzi, B., et al (2004): ST-segment Analysis Using HMM Beat Segmentation: Application to Ischemia Detection. Computers in Cardiology, Chicago, EUA. [3] Bai, J., Zhang, Y., et al (1999): A Portable ECG and Blood Pressure Telemonitoring System. IEEE Eng. Med. Bio., vol. 18, n 4, pp [4] Bashshur, R. L. et al (2002): Telemedicine/ Telehealth: An International Perspective, Telemedicine Journal and e-health, vol. 8, nº 1. [5] Borges, C., Andreão, R.V. e Segatto, M.E.V. (2006): Processamento de sinais de ECG para geração automática de alarmes. Proc. Workshop de Informática Médica. Vila Velha, ES. [6] Bumachar, E., Andreão, R.V., e Segatto, M.E.V. (2006): Aquisição e transmissão sem fio de sinais ECG com uso intermitente de transceptor. Proc. Workshop de Informática Médica, Vila Velha, ES. [7] Carmo, R.R.M. (2006): Um protocolo de descoberta de serviço para sistemas sensíveis ao contexto. Dissertação de Mestrado, DI/UFES. [8] Cruz, A.O. (2006): Um estudo sobre controle de privacidade em plataformas de serviços sensíveis ao contexto. Projeto de Graduação, Curso de Ciência de Computação, UFES. [9] García, J., Martinez, I., et al (2002): Remote Processing Server for ECG-Based Clinical Diagnosis Support. IEEE Trans. Inform. Technol. Biomed., vol. 6, nº 4, pp [10] Gu, T. et al (2004), A Middleware for Building Context-Aware Mobile Services. Proc. of IEEE Vehicular Technology Conference, Milan, Italy. [11] Guillén, S., Arredondo, M.T., et al (2002): Multimedia Telehomecare System - Using Standard TV Set. IEEE Transactions Biomedicine Eng., vol. 49, n 12. [12] Menequini, R.S. (2006): Desenvolvimento de uma aplicação colaborativa móvel e sensível ao contexto para a plataforma Infraware. Projeto de Graduação, Curso de Ciência de Computação, UFES. [13] Pattichis, C.S., Kyriacou, E., et al (2002): Wireless Telemedicine Systems: An Overview. IEEE Antenna s and Propagation Magazine, vol. 44, n 2. [14] Pessoa R.M., Calvi, C.Z., Pereira Filho J.G., Andreão, R.V. (2006): Aplicação de um Middleware Sensível ao Contexto em Sistema de Telemonitoramento de Pacientes Cardíacos. SEMISH (CSBC 2006), Campo Grande (MS). [15] Pereira Filho, J.G., Barbosa, A.C.P., Pessoa, R.M., Calvi, C.Z. et al (2005): Arquitetura da Plataforma Infraware, Doc. Infraware/Fapes/RT-02/2005, v.2.0. [16] Pereira Filho, J.G.; Pessoa, R.M.; Calvi, C.Z. et al (2006): Infraware: Um Middleware de Suporte a Aplicações Móveis Sensíveis ao Contexto. In.: 24º Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores, Curitiba-PR, [17] Rubel, P., Gouaux, F., et al (2001): Towards Intelligent and Móbile Systems for Early Detection and Interpretation of Cardiological Syndromes. Computers in Cardiology, vol. 28, n.1. [18] TeleCardio (2005): Telecardiologia a Serviço do Paciente em Ambientes Hospitalares e Residenciais. Projeto DI/DEE/UFES, Financiamento: FAPES. Contatos Rodrigo Varejão Andreão. Depto Enga. Elétrica/UFES. Av. Fernando Ferrari s/n, Goiabeiras, Vitória, ES. Tel: (27) José Gonçalves Pereira Filho e Camilo Zardo Calvi. Depto. de Informática/UFES. Av. Fernando Ferrari s/n, Goiabeiras, Vitória, ES. Tel: (27) e

Telecardiologia a Serviço de Pacientes Hospitalizados em Domicílio

Telecardiologia a Serviço de Pacientes Hospitalizados em Domicílio TeleCardio Telecardiologia a Serviço de Pacientes Hospitalizados em Domicílio Rodrigo V. Andreão, PPGEE/UFES rodrigo@ele.ufes.br José Gonçalves P. Filho e Camilo Z. Calvi, PPGI/UFES zegonc@inf.ufes.br

Leia mais

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a 18 1 INTRODUÇÃO Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a população dos países industrializados. Essas doenças são responsáveis por mais de cinco milhões de pessoas hospitalizadas

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 5 Conclusões 133

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 5 Conclusões 133 Capítulo 5 Conclusões 133 CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES Neste capítulo são abordadas as conclusões traçadas no desenvolvimento e validação do SMD, e indicação de estudos futuros. Ressalta-se o atendimento aos

Leia mais

Abordagem na Web para o Telemonitoramento do Eletrocardiograma de Pacientes Domésticos

Abordagem na Web para o Telemonitoramento do Eletrocardiograma de Pacientes Domésticos Abordagem na Web para o Telemonitoramento do Eletrocardiograma de Pacientes Domésticos Igor Feghali *, Rodrigo V. Andreão, Marcelo V. Segatto Departamento de Eng. Elétrica - Universidade Federal do Espírito

Leia mais

SISTEMA A BASE DE REGRAS PARA A DETECÇÃO DE EPISÓDIOS ISQUÊMICOS

SISTEMA A BASE DE REGRAS PARA A DETECÇÃO DE EPISÓDIOS ISQUÊMICOS SISTEMA A BASE DE REGRAS PARA A DETECÇÃO DE EPISÓDIOS ISQUÊMICOS GABRIEL T. ZAGO, BRUNO N. AMIGO, RODRIGO V. ANDREÃO Coordenadoria de Eletrotécnica, Instituto Federal do Espírito Santo Av. Vitória, 1729

Leia mais

InSight* Soluções no Gerenciamento do Conhecimento. Descrição e Uso. Boletim Técnico de Produto

InSight* Soluções no Gerenciamento do Conhecimento. Descrição e Uso. Boletim Técnico de Produto Boletim Técnico de Produto InSight* Soluções no Gerenciamento do Conhecimento As aplicações de água e processo geram ou afetam diretamente grandes quantidades de dados operacionais, que podem ser de natureza

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina X-015 - MONITORAMENTO VIA INTERNET DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO TIPO

Leia mais

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL Adson Diego Dionisio da SILVA 1, Saulo Soares de TOLEDO², Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO³, Valderí Medeiros

Leia mais

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos)

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos.

Leia mais

Aplicações e Serviços Baseados em Localização

Aplicações e Serviços Baseados em Localização Aplicações e Serviços Baseados em Localização Introdução à Computação Móvel Adolfo Correia Sumário Introdução Taxonomia de Aplicações Arquitetura Técnicas de Localização Conclusão Introdução Integram a

Leia mais

Proposta de uma técnica de controle para o Monitoramento Remoto de Sinais vitais em sistemas embarcados

Proposta de uma técnica de controle para o Monitoramento Remoto de Sinais vitais em sistemas embarcados 317 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Proposta de uma técnica de controle para o Monitoramento Remoto de Sinais vitais em sistemas embarcados Poliana Francibele de Oliveira Pereira, Alexandre

Leia mais

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos)

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

MONITORAMENTO WIRELESS EM TEMPERATURA, UMIDADE, PRESSÃO & GPS

MONITORAMENTO WIRELESS EM TEMPERATURA, UMIDADE, PRESSÃO & GPS 1 AR AUTOMAÇÃO EMPRESA & SOLUÇÕES A AR Automação é uma empresa especializada no desenvolvimento de sistemas wireless (sem fios) que atualmente, negocia comercialmente seus produtos e sistemas para diferentes

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications)

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) ANTUNES, M. S.¹, SILVA, R. E. S. 2 (orientadora) ¹ Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas RS (FATEC-PEL) Rua

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Tecnologias Móveis de Transmissão de Dados Aplicadas ao Tratamento do Infarto Agudo do Miocárdio

Tecnologias Móveis de Transmissão de Dados Aplicadas ao Tratamento do Infarto Agudo do Miocárdio Tecnologias Móveis de Transmissão de Dados Aplicadas ao Tratamento do Infarto Agudo do Miocárdio Antônio Tadeu A. Gomes Artur Ziviani {atagomes,ziviani}@lncc.br http://martin.lncc.br Introdução O Infarto

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Plataforma de Telemedicina para Aplicações de Telemonitoração

Plataforma de Telemedicina para Aplicações de Telemonitoração Plataforma de Telemedicina para Aplicações de Telemonitoração Heloísa Melo Hertzog, Jorge Guedes Silveira Grupo de Pesquisas Avançadas em Redes de Comunicação e Tecnologia da Informação Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

Apresentação ANTECIPANDO TECNOLOGIAS

Apresentação ANTECIPANDO TECNOLOGIAS ANTECIPANDO TECNOLOGIAS Apresentação O WinCardio é composto por um eletrocardiógrafo USB em 12 derivações simultâneas, software compatível com Windows XP, Vista, Windows 7 e filtros digitais que garantem

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais Produtos ehealth Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais 1 Participação da Telefônica Vivo nas Instituições de Saúde TIC TIC TIC TIC Telemedicina TIC Telemedicina Desenvolvimento de

Leia mais

Apresentação. ECG Digital. Life Card. Telemedicina

Apresentação. ECG Digital. Life Card. Telemedicina ECG Digital Apresentação O WinCardio é composto por um eletrocardiógrafo USB em 12 derivações simultâneas, software compatível com Windows XP, Vista (32 bits), Windows 7 (32 bits) e filtros digitais que

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis

Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis Visão Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 24/06/12

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Henrique Tinelli Engenheiro de Marketing Técnico NI Nesta apresentação, iremos explorar: Plataforma NI CompactDAQ Distribuída Sistemas de Medição

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio 2 Access Professional Edition: a solução de controle de acesso ideal para empresas de pequeno e médio porte

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais.

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Patricia Alves Machado Telecomunicações, Instituto Federal de Santa Catarina machadopatriciaa@gmail.com

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS

SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS Formulário para submissão de projeto Dados do Projeto e do (a) Orientador (a) do Projeto Título do Projeto: Um aplicativo

Leia mais

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM EAGLE Smart Wireless Solution Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples Brand of ACOEM Com o EAGLE, a ONEPROD oferece a solução de monitoramento contínuo de manutenção condicional mais fácil

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

INSTITUIÇÃO: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO

INSTITUIÇÃO: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DIGITALIZAÇÃO DE EXAMES DE ECG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio 2 Access Professional Edition: a solução de controle de acesso ideal para empresas de pequeno e médio porte

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Aplicabilidade do Tele Eletrocardiograma nos serviços públicos de saúde

Aplicabilidade do Tele Eletrocardiograma nos serviços públicos de saúde Aplicabilidade do Tele Eletrocardiograma nos serviços públicos de saúde Franco, SOB - Sidnei Otávio Vicente Franco SMSDC RJ Rendeiro, MMP Márcia Maria Pereira Rendeiro SMSDC RJ / UERJ Maia ER - Eduardo

Leia mais

O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável

O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável MAC5715 - Tópicos Avançados em POO O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável Raphael Y. de Camargo e Carlos Alexandre Queiroz 30 de outubro de 2003 1 Intenção O padrão auto-adaptável permite o desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 2010.2 ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno!

Leia mais

Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos

Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos Quem é a Zaruc? Empresa que atua desde 2008 no desenvolvimento de projetos tecnológicos inovadores oferecendo soluções

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega.

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega. A Way Data Solution se especializou em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) para criar um sistema inovador de logística e monitoramento de temperatura/ umidade, através do qual empresas poderão

Leia mais

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço Elenilson Vieira da S. Filho 1, Ângelo L. Vidal de Negreiros 1, Alisson V. Brito 2 1 Departamento de Informática Universidade Federal

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR

Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR P25 Fase 1 Requisitos Gerais Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR O GT GPRS é um equipamento wireless que executa a função de recepção e transmissão de dados e voz. Está conectado à rede de telefonia celular GSM/GPRS, para bloqueio

Leia mais

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Modelos de Arquiteturas Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Arquitetura de Sistemas Distribuídos Clientes e Servidores Peer-to-Peer Variações Vários Servidores Proxy Código Móvel

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES ESCOPO DO PROJETO o PLANO E METODOLOGIA DE TRABALHO o DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DO MIX DE PROCEDIMENTOS HOSPITALARES o FORMATAÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

Gerência e Administração de Redes

Gerência e Administração de Redes Gerência e Administração de Redes IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm Agenda! Apresentação da disciplina! Introdução! Tipos de Gerência! Ferramentas

Leia mais

Requisitos de um Registro Eletrônico de Saúde Ubíquo *

Requisitos de um Registro Eletrônico de Saúde Ubíquo * Requisitos de um Registro Eletrônico de Saúde Ubíquo * Caroline F. Vicentini 1, Alencar Machado 1, Iara Augustin 1 1 Mestrado em Computação Programa de Pós Graduação em Informática Universidade Federal

Leia mais

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Introdução O que é Protocolo? - Para que os pacotes de dados trafeguem de uma origem até um destino, através de uma rede, é importante

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.9 Especificações do Sistema de Monitoramento da Frota PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 OBJETIVOS... 2 2 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA... 2 2.1 Aquisição de Dados Monitorados do Veículo...

Leia mais

Gerência de Redes NOC

Gerência de Redes NOC Gerência de Redes NOC Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os conceitos fundamentais, assim como os elementos relacionados a um dos principais componentes

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

DQuest. Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless

DQuest. Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless DQuest Localização Localização, controle e gerenciamento de frotas Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless

Leia mais

EDIFÍCIO INTELIGENTE CONCEITO E COMPONENTES

EDIFÍCIO INTELIGENTE CONCEITO E COMPONENTES 1 EDIFÍCIO INTELIGENTE CONCEITO E COMPONENTES Dr. Paulo Sérgio Marin, Engº. paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br 1. Conceito de Edifíco Inteligente Um edifício inteligente pode ser definido como aquele

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS)

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS) WHITE PAPPER Rafael Fazzi Bortolini Diretor, Cryo Technologies Orquestra BPMS rafael@cryo.com.br Internet das Coisas e Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM) são duas disciplinas ou tendências à primeira

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

4 Trabalhos Relacionados

4 Trabalhos Relacionados 4 Trabalhos Relacionados Os trabalhos apresentados nesta seção são os que buscam de alguma forma resolver as questões levantadas nos capítulos 1 e 2 e possuem alguma semelhança entre si. Eles serão comparados

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores

Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores Autor: Daniel Vieira de Souza 1, Orientador: Luís Fernando Faina 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos Eficiência operacional no setor público Dez recomendações para cortar custos 2 de 8 Introdução Com grandes cortes no orçamento e uma pressão reguladora cada vez maior, o setor público agora precisa aumentar

Leia mais

Tecnologia gerando valor para a sua clínica.

Tecnologia gerando valor para a sua clínica. Aumente a eficiência de seu negócio O sclínica é a ferramenta ideal para a gestão de clínicas de diagnóstico. Desenvolvido a partir das necessidades específicas deste mercado, oferece uma interface inteligente,

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1

DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1 DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1 Marcos Sulzbach Morgenstern 2, Roger Victor Alves 3, Vinicius Maran 4. 1 Projeto de Pesquisa Agromobile - Uma Arquitetura de Auxílio

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 4 Avaliação/validação da implementação do SMD 113

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 4 Avaliação/validação da implementação do SMD 113 Capítulo 4 Avaliação/validação da implementação do SMD 113 CAPÍTULO 4 AVALIAÇÃO/VALIDAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Para a avaliação e validação do SMD o equipamento biomédico utilizado foi um Oxímetro Dixtal,

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS

UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS Prof. Roberto A. Dias, Dr. Eng CEFET-SC Igor Thiago Marques Mendonça Reginaldo

Leia mais

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Visão geral do Serviço Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Os Serviços de gerenciamento de dispositivos distribuídos ajudam você a controlar ativos

Leia mais

ONEPROD MVX. Manutenção condicional online para máquinas críticas. Brand of ACOEM

ONEPROD MVX. Manutenção condicional online para máquinas críticas. Brand of ACOEM ONEPROD MVX Manutenção condicional online para máquinas críticas Brand of ACOEM O ONEPROD MVX é um sistema de monitoramento em tempo real multicanais, criado para a confiabilidade das máquinas industriais

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto Informações Gerais Prof. Rodrigo de Souza Couto E-mail: rodsouzacouto@ieee.org

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais