Boletimj. Manual de Procedimentos. Legislação Trabalhista e Previdenciária. Previdência Social. IOB Setorial. IOB Perguntas e Respostas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletimj. Manual de Procedimentos. Legislação Trabalhista e Previdenciária. Previdência Social. IOB Setorial. IOB Perguntas e Respostas"

Transcrição

1 Boletimj Manual de Procedimentos Legislação Trabalhista e Previdenciária Fascículo N o 06/2014 // Previdência Social Novos valores da tabela de salários-de-contribuição, reajustes de benefícios e nova tabela de Imposto de Renda Retido na Fonte // IOB Setorial Imobiliário Aspectos previdenciários do síndico condominial // IOB Perguntas e Respostas Auxílio-reclusão - Hipóteses Auxílio-reclusão - Recebimento antes de sentença condenatória transitada em julgado Contribuição previdenciária - Tabela dos segurados empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso - Alteração Faltas - Salário-família - Direito Salário-família - Cota - Valor - Reajuste Veja nos Próximos Fascículos a Considerações sobre as contribuições sindical, assistencial, confederativa e associativa a Contribuição sindical dos empregados a Folha de pagamento

2 2014 by IOB FOLHAMATIC EBS > SAGE Capa: Marketing IOB FOLHAMATIC EBS > SAGE Editoração Eletrônica e Revisão: Editorial IOB FOLHAMATIC EBS > SAGE Telefone: (11) (São Paulo) (Outras Localidades) Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Legislação trabalhista e previdenciária : novos valores da tabela de salários ed. -- São Paulo : IOB Folhamatic, (Coleção manual de procedimentos) ISBN Previdência social - Leis e legislação - Brasil 2. Trabalho - Leis e legislação - Brasil I. Série. CDU-34:368.4(81)(094) :331(81)(094) Índices para catálogo sistemático: 1. Brasil : Leis : Previdência social : Direito previdenciário 34:368.4(81)(094) 2. Leis trabalhistas : Brasil 34:331(81)(094) Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução total ou parcial desta obra, por qualquer meio ou processo, sem prévia autorização do autor (Lei n o 9.610, de , DOU de ). Impresso no Brasil Printed in Brazil Boletim IOB

3 Boletimj Manual de Procedimentos a Previdência Social Novos valores da tabela de salários- -de-contribuição, reajustes de benefícios e nova tabela de Imposto de Renda Retido na Fonte SUMÁRIO 1. Introdução 2. Tabela de contribuição previdenciária 3. Benefícios devidos pela Previdência Social 4. Quadro sinótico de valores previdenciários 5. Salário-de-benefício e saláriode-contribuição - Benefícios concedidos ao pescador, ao mestre de rede e ao patrão de pesca - Benefício devido aos seringueiros e seus dependentes 6. Benefícios de prestação continuada - Reajuste desde 1º Salário-família - Quota - Valor 8. Auxílio-reclusão - Pagamento - Critérios a serem observados 9. Valores específicos em vigor desde 1º Imposto de Renda Retido na Fonte 11. Salário-mínimo 12. INSS e Dataprev - Adoção de providências necessárias 1. Introdução A matéria a seguir foi elaborada com base na Portaria Interministerial MPS/MF nº 19/2014, a qual dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e dos demais valores constantes do Regulamento da Previdência Social (RPS), bem como no Decreto nº 8.166/2013 que, entre outras providências, dispõe sobre o valor do salário-mínimo em 2014 e a sua política de valorização de longo prazo. Nota Divulgamos neste Manual a tabela de salários-de-contribuição dos segurados empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso, vigentes desde 1º , e o salário-mínimo de R$ 724,00, vigente a partir da mesma data, sendo este também o valor mínimo a ser pago aos segurados da Previdência Social a título de renda mensal de benefícios de prestação continuada O Decreto nº 8.166/2013, em vigor desde 1º , determina que o salário-mínimo mensal seja de R$ 724,00. O valor diário do salário-mínimo corresponde a R$ 24,13 e o seu valor horário a R$ 3, tabela de contribuição previdenciária 2.1 Segurados empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso (inclusive empregados de microempresas e empresas de pequeno porte e aposentados em atividade com vínculo empregatício) A contribuição dos segurados empregado, inclusive o doméstico e o trabalhador avulso, relativamente aos fatos geradores que ocorrerem a partir da competência janeiro de 2014, deve ser calculada mediante a aplicação da correspondente alíquota, de forma não cumulativa, sobre o salário-de-contribuição mensal, de acordo com a seguinte tabela: TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DOS SEGURADOS EMPREGADO, EMPREGADO DOMÉSTICO E TRABALHADOR AVULSO, PARA PAGAMENTO DE REMUNERAÇÃO A PARTIR DE Salário-de-contribuição (R$) Alíquota para fins de recolhimento ao INSS (%) Até 1.317,07 8 De 1.317,08 até 2,195,12 9 De 2.195,13 até 4.390,24 11 Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Fev/ Fascículo 06 CT06-01

4 2.2 Contribuintes individuais (ex-segurados trabalhadores autônomos e equiparados e ex-segurados empresários) e facultativos O segurado contribuinte individual contribui com base na remuneração auferida durante o mês, em uma ou mais empresas ou pelo exercício de sua atividade por conta própria, e o segurado facultativo, com base no valor por ele declarado, observados, em ambos os casos, os limites mínimo e máximo do salário-de- -contribuição mensal. Vale destacar que, com o advento da Lei nº /2003, foi determinado, entre outros, que a partir de 1º , a empresa que utilizar os serviços de contribuinte individual, seja autônomo, seja empresário, fica obrigada a arrecadar a contribuição previdenciária desse segurado mediante desconto a ser efetuado na remuneração correspondente aos serviços prestados, devendo recolher o valor arrecadado juntamente com as contribuições a seu cargo. Considerando-se que o contribuinte individual que presta serviço a uma ou mais empresas pode deduzir da sua contribuição mensal 45% da contribuição da empresa, referente à remuneração, limitada essa dedução a 9% do seu salário-de-contribuição, a Instrução Normativa RFB nº 971/2009 fixa em 11% a alíquota a ser aplicada pela empresa contratante sobre o valor dos serviços prestados, para efeito de desconto da contribuição previdenciária do contribuinte individual, ou seja, aplica-se sobre a alíquota de 20% a dedução máxima permitida de 9%, restando uma alíquota de 11%. Dessa forma, por ocasião do pagamento a ser efetuado ao contribuinte individual, a empresa tomadora do serviço deverá descontar do valor a ser pago, a título de contribuição previdenciária, a quantia equivalente à aplicação da alíquota de 11%, observado o limite máximo do salário-de-contribuição. 3. Benefícios devidos pela Previdência Social 3.1 Valores mínimos Desde 1º , não terão valor inferior a R$ 724,00 (valor atual do salário-mínimo mensal): a) os benefícios de prestação continuada pagos pela Previdência Social correspondentes a: a.1) auxílio-doença; a.2) auxílio-reclusão (valor global); a.3) aposentadorias; a.4) pensão por morte (valor global); b) as aposentadorias dos aeronautas, concedidas com base na Lei nº 3.501/1958; c) a pensão especial paga às vítimas da Síndrome da Talidomida. 3.2 Valores iguais a R$ 724,00 Desde 1º , são de valores iguais a R$ 724,00 os seguintes benefícios assistenciais pagos pela Previdência Social: a) amparo social ao idoso e à pessoa portadora de deficiência; b) renda mensal vitalícia; c) pensão especial paga aos dependentes das vítimas de hemodiálise da cidade de Caruaru/PE. 4. Quadro sinótico de valores previdenciários Os valores a seguir, válidos desde 1º , estão expressos em reais (R$) e baseiam-se na supracitada Portaria Interministerial MPS/MF nº 19/2014, observado, ainda, o disposto no Decreto nº 8.166/2013, o qual reajustou o salário-mínimo para R$ 724,00 a contar de 1º Salário-família Remuneração...Quota - Valor Não superior a R$ 682,50...R$ 35,00 Superior a R$ 682,50 até R$ 1.025,81...R$ 24,66 Nota Sobre o pagamento do SF proporcional no mês da admissão e da dispensa do empregado, veja o item 7 adiante. Auxílio-doença - Auxílio-reclusão (global) - Aposentadoria - Pensão por morte (global) - Valor mínimo R$ 724,00 Amparo social ao idoso/deficiente - Pensão especial dos dependentes de vítimas de hemodiálise da Cidade de Caruaru/PE - Renda mensal vitalícia - Valor R$ 724,00 Auxílio-reclusão - Dependentes - Salário-de-contribuição do segurado - Valor igual ou inferior a R$ 1.025,81 Salário-de-contribuição - Limite máximo R$ 4.390,24 (continua) CT Manual de Procedimentos - Fev/ Fascículo 06 - Boletim IOB

5 (continuação) Salário-de-benefício - mínimo: R$ 724,00 - máximo: R$ 4.390,24 Diárias por deslocamento para exames médicos e/ou reabilitação R$ 73,37 Síndrome da Talidomida - Pensão especial Valor mínimo R$ 724,00 Pescador, mestre de rede e patrão de pesca - Lei nº 5.698/1971 Benefícios - Vantagens 1, 2 e 3 x R$ 724, % Seringueiros e seus dependentes - Benefícios - Lei nº 7.986/1989 Valor igual a R$ 1.448,00 Aeronautas - Aposentadoria - Valor mínimo R$ 724,00 Benefícios pagos pela Previdência Social - Autorização - Valores Inferior a R$ ,80... Supervisão das Agências da Previdência Social e Divisões ou Serviços de Benefícios Superior a R$ ,80... Gerente executivo do INSS Infração a qualquer dispositivo do RPS (RPS/1999, art. 283, caput) - Multa variável de R$ 1.812,87 a R$ 181,284,63 Infração ao disposto no inciso II do art. 283 do RPS Multa de R$ ,43 Multas específicas do RPS - Valores Não envio da GPS ao sindicato e não afixação da GPS em quadro de aviso (RPS/1999, art. 287, caput) Variável de R$ 238,50 a R$ ,49 Instituições financeiras - Operações de crédito com empresas mediante recursos públicos, do FGTS, do FAT, do FNDE e da caderneta de poupança - Falta de verificação da autenticidade da Certidão Negativa de Débito (CND) apresentada pelas empresas (RPS/1999, art. 287, parágrafo único, inciso I) R$ ,29 Não exigência da CND na contratação de operações de crédito com instituições financeiras que envolvam recursos públicos do FGTS, do FAT, do FNDE e da caderneta de poupança e na liberação de eventuais parcelas previstas nos citados contratos (RPS/1999, art. 287, parágrafo único, inciso II) R$ 265,016,44 Crime de sonegação de contribuição previdenciária - Redução da pena no caso de empregador que não é pessoa jurídica - Limite de sua folha de pagamento mensal R$ 3.875,88 CND - Alienação/oneração de bem móvel de valor superior a R$ ,71 Reajuste/Concessão de benefícios - Demandas judiciais - Valores de execução - Limite até R$ ,00 5. Salário-de-benefício e salário-de- -contribuição - Benefícios concedidos ao pescador, ao mestre de rede e ao patrão de pesca - Benefício devido aos seringueiros e seus dependentes A contar de 1º : a) o salário-de-benefício e o salário-de-contribuição não poderão ser superiores a R$ 4.390,24; b) os valores dos benefícios concedidos ao pescador, ao mestre de rede e ao patrão de pesca, com as vantagens da Lei nº 5.698/1971, deverão corresponder, respectivamente, a 1, 2 e 3 vezes o valor de R$ 724,00 a partir de janeiro de 2014, acrescidos de 20%; c) o benefício devido aos seringueiros e seus dependentes, concedido com base na Lei Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Fev/ Fascículo 06 CT06-03

6 Nota nº 7.986/1989, terá valor igual R$ 1.448,00 a partir da competência janeiro de A Lei nº 7.986/1989 regulamenta a concessão do benefício previsto no art. 54 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias e dá outras providências. 6. Benefícios de prestação continuada - Reajuste desde 1º Os benefícios concedidos pela Previdência Social foram reajustados, desde 1º , em 5,56%. Os benefícios pagos pelo INSS com data de início a partir de fevereiro de 2013 foram reajustados, desde 1º , de acordo com a seguinte tabela de percentuais: Data de início do benefício Reajuste (%) Até janeiro/2013 5,56 Em fevereiro/2013 4,60 Em março/2013 4,06 Em abril/2013 3,44 Em maio/2013 2,83 Em junho/2013 2,47 Em julho/2013 2,19 Em agosto/2013 2,32 Em setembro/2013 2,16 Em outubro/2013 1,88 Em novembro/2013 1,26 Em dezembro/2013 0,72 Para os benefícios majorados devido à elevação do salário-mínimo para R$ 724,00 a partir da competência janeiro de 2014, o referido aumento deverá ser descontado quando da aplicação do reajuste descrito anteriormente. Aplicam-se os critérios de reajuste anteriormente descritos à pensão especial paga às vítimas da Síndrome da Talidomida e aos portadores de hanseníase de que trata a Lei nº / Diferença percentual entre a média dos salários-de-contribuição considerados no cálculo do salário-de-benefício e o limite máximo em vigor no período - Incorporação à renda mensal do benefício - Condição Desde 1º , deve ser incorporada à renda mensal dos benefícios de prestação continuada pagos pela Previdência Social, com data de início no período de 1º a , a diferença percentual entre a média dos salários-de-contribuição considerados no cálculo do salário-de-benefício e o limite máximo em vigor no período, exclusivamente nos casos em que a referida diferença resultar positiva, observando-se os percentuais da tabela do item 6, conforme o caso, e o limite de R$ 4.390, Salário-família - Quota - Valor O valor da quota do salário-família por filho ou equiparado de qualquer condição, até 14 anos de idade ou inválido de qualquer idade, desde 1º , observa o seguinte quadro: Salário-família desde 1º Remuneração Valor unitário da quota Não superior a R$ 682,50 R$ 35,00 Superior a R$ 682,50 até R$ 1.025,81 R$ 24,66 Na apuração do valor da quota do salário-família, devem ser observados os seguintes critérios: a) considera-se remuneração mensal do segurado o valor total do respectivo salário-de-contribuição, ainda que resultante da soma dos salários-de-contribuição correspondentes a atividades simultâneas; b) o direito à quota do salário-família é definido em razão da remuneração que seria devida ao empregado no mês, independentemente do número de dias efetivamente trabalhados; c) todas as importâncias que integram o salário- -de-contribuição serão consideradas como parte integrante da remuneração do mês, exceto o 13º salário e o adicional de férias (terço constitucional), previsto na CF/1988, art. 7º, inciso XVII, para efeito de definição do direito à quota de salário-família; d) nos meses de admissão e demissão do empregado, a quota do salário-família é devida proporcionalmente aos dias trabalhados. WExemplo Empregado demitido no dia , com remuneração mensal de R$ 800,00: D SF = 24,66 x 04 (nº de dias de vigência do contrato no mês) R$ 3, CT Manual de Procedimentos - Fev/ Fascículo 06 - Boletim IOB

7 8. Auxílio-reclusão - Pagamento - Critérios a serem observados O auxílio-reclusão, desde 1º , é devido aos dependentes do segurado cujo salário-de- -contribuição seja igual ou inferior a R$ 1.025,81, independentemente da quantidade de contratos e de atividades exercidas, observados os seguintes critérios: a) se o segurado, embora mantendo essa qualidade, não estiver em atividade no mês da reclusão, ou nos meses anteriores, será considerado como remuneração o seu último salário-de-contribuição; b) para fins do disposto anteriormente, o limite máximo do valor da remuneração para verificação do direito ao benefício será o vigente no mês a que corresponder o salário-de-contribuição considerado. 9. Valores específicos em vigor desde 1º Desde 1º , deve-se observar que: a) o valor a ser multiplicado pelo número total de pontos indicadores da natureza do grau de dependência resultante da deformidade física, para fins de definição da renda mensal inicial da pensão especial devida às vítimas da Síndrome da Talidomida, é de R$ 338,54; b) o valor da diária paga ao segurado ou dependente pelo deslocamento, por determinação do INSS, para submeter-se a exame médico- -pericial ou processo de reabilitação profissional, em localidade diversa da de sua residência, é de R$ 73,37; c) o valor das demandas judiciais, de que trata a Lei nº 8.213/1991, art. 128, é limitado em R$ ,00 desde 1º ; d) o valor da multa pelo descumprimento das obrigações, indicadas no: d.1) Regulamento da Previdência Social (RPS/1999, art. 287, caput), aprovado pelo Decreto nº 3.048/1999, varia de R$ 238,50 a R$ ,49; d.2) inciso I do parágrafo único do art. 287 do RPS, é de R$ ,29; d.3) inciso II do parágrafo único do art. 287 do RPS, é de R$ ,44; e) o valor da multa pela infração a qualquer dispositivo do RPS para a qual não haja penalidade expressamente cominada (RPS/1999, art. 283) varia, conforme a gravidade da infração, de R$ 1.812,87 a R$ ,63; f) o valor da multa indicado no RPS/1999, art. 283, inciso II, é de R$ ,43; g) é exigida CND da empresa na alienação ou oneração, a qualquer título, de bem móvel incorporado ao seu ativo permanente de valor superior a R$ ,71; g) o valor de que trata o Código Penal, art. 337-A, 3º, aprovado pelo Decreto-lei nº 2.848/1940, é de R$ 3.875, Imposto de Renda Retido na Fonte A tabela progressiva mensal para desconto do Imposto de Renda Retido na Fonte atual é a seguinte: IR FONTE - TABELA PROGRESSIVA MENSAL PARA CÁLCULO DE JANEIRO A DEZEMBRO/2014 Base de cálculo mensal em R$ até 1.787,77 de 1.787,78 até 2,679,29 de 2.679,30 até 3.572,43 de 3.572,44 até 4.463,81 acima de 4.463,81 Dedução por dependente: R$ 179, Salário-mínimo Alíquota (%) - 7, ,5 27,5 Parcela a deduzir do imposto em R$ - 134,08 335,03 602,96 826,15 O valor do salário-mínimo mensal, desde 1º , é de R$ 724,00. O valor diário do salário- -mínimo corresponde a R$ 24,13 e o seu valor horário a R$ 3, INSS e Dataprev - Adoção de providências necessárias A Secretaria da Receita Federal do Brasil, o INSS e a Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev) adotarão as providências necessárias ao cumprimento do disposto na Portaria Interministerial MPS/MF nº 19/2014. (Decreto nº 8.166/2013; Portaria Interministerial MPS/MF nº 19/2014; Resolução INSS nº 320/2013) N Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Fev/ Fascículo 06 CT06-05

8 a IOB Setorial Imobiliário Aspectos previdenciários do síndico condominial 1. Introdução Institui-se o condomínio residencial por ato entre vivos ou testamento, registrado no Cartório de Registro de Imóveis, devendo constar desse ato, além do disposto em lei especial: a) a discriminação e a individualização das unidades de propriedade exclusiva, estremadas uma das outras e das partes comuns; b) a determinação da fração ideal atribuída a cada unidade, relativamente ao terreno e às partes comuns; c) o fim a que as unidades se destinam. A convenção que constitui o condomínio deve ser subscrita pelos titulares de, no mínimo, 2/3 das frações ideais e é obrigatória para os titulares de direito sobre as unidades ou para quantos sobre elas tenham posse ou detenção. 2. Base legal O condomínio é regido pela Lei nº 4.591/1964. Além dessa, a Lei nº /2002 (Código Civil), arts a 1.358, e a Lei nº 8.245/1991 também tratam do assunto. 3. Síndico A representação legal do condomínio é exercida pelo síndico. Tal figura pode ser pessoa física ou jurídica. Caso seja pessoa física, é indiferente tratar-se de morador ou não da propriedade. Por ser um clássico administrador, o síndico tem como principal atividade cuidar dos interesses, genericamente considerados, do condomínio. A escolha desse representante se processa por meio de eleição, realizada em assembleia condominial, cujo mandato não deve ser superior a 2 anos, podendo ser renovado. 3.1 Atribuições Compete ao síndico: a) convocar a assembleia dos condôminos; b) representar, ativa e passivamente, o condomínio, praticando, em juízo ou fora dele, os atos necessários à defesa dos interesses comuns; c) dar imediato conhecimento à assembleia da existência de procedimento judicial ou administrativo de interesse do condomínio; d) cumprir e fazer cumprir a convenção, o regimento interno e as determinações da assembleia; e) diligenciar a conservação e a guarda das partes comuns e zelar pela prestação dos serviços que interessem aos possuidores; f) elaborar o orçamento da receita e da despesa relativa a cada ano; g) cobrar dos condôminos as suas contribuições, bem como impor e cobrar as multas devidas; h) prestar contas à assembleia, anualmente e quando exigidas; i) realizar o seguro da edificação. 4. Aspectos previdenciários 4.1 Síndico ou administrador - Enquadramento O síndico ou administrador eleito para exercer atividade de administração condominial é considerado, perante a Previdência Social, contribuinte individual, desde que receba remuneração pelo exercício do cargo, ainda que de forma indireta, entendendo-se também como tal o valor da taxa de condomínio que os administradores deixam de recolher em razão do cargo (isenção da taxa). Neste caso, o condomínio deverá declarar na Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social (GFIP), por meio do Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social (Sefip), o valor da taxa de condomínio que é considerada remuneração, e o síndico reembolsará ao condomínio o valor correspondente ao desconto da contribuição previdenciária. 4.2 Salário-de-contribuição O salário-de-contribuição do síndico é a remuneração auferida pelo exercício de sua atividade durante CT Manual de Procedimentos - Fev/ Fascículo 06 - Boletim IOB

9 o mês. Caso o síndico seja isento da taxa condominial, hipótese mais frequente, o salário-de-contribuição será o valor da mencionada taxa, observados os limites mínimo e máximo. 4.3 Contribuição previdenciária A contribuição social previdenciária do síndico corresponde à importância resultante da aplicação da alíquota de 20% sobre a remuneração auferida durante o mês, observados os limites mínimo e máximo do salário-de-contribuição Alíquota de desconto incidente sobre a remuneração paga - Redução Considerando que o contribuinte individual que presta serviço a uma ou mais empresas pode deduzir, da sua contribuição mensal, 45% da contribuição da empresa efetivamente recolhida ou declarada, incidente sobre a remuneração que essa lhe tenha pagado ou creditado, limitada essa dedução a 9% do seu salário-de-contribuição, foi fixada em 11% a alíquota a ser aplicada pela empresa contratante sobre o valor dos serviços prestados para efeito de desconto da contribuição previdenciária do contribuinte individual, ou seja, aplicou-se sobre a alíquota de 20% a dedução máxima permitida (9%), restando uma alíquota de 11%. Assim, por ocasião do pagamento a ser efetuado ao contribuinte individual, a empresa tomadora do serviço deverá descontar do valor a ser pago, a título de contribuição social previdenciária, a quantia equivalente à aplicação da alíquota de 11%, observado o limite máximo do salário-de-contribuição. 4.4 Recolhimento - Exemplos WExemplos 1) síndico eleito para exercer atividade de administração condominial recebe remuneração no valor de R$ 850,00; - salário-de-contribuição: R$ 850,00; - valor do recolhimento: R$ 93,50 (11% x R$ 850,00). D Observação importante A responsabilidade pelo recolhimento dessa contribuição é do condomínio, que o efetuará na mesma Guia da Previdência Social (GPS) na qual recolhe as contribuições previdenciárias descontadas dos empregados e demais contribuintes individuais a seu serviço. 2) síndico eleito para exercer atividade de administração condominial recebe isenção do pagamento de taxa de condomínio no valor de R$ 500,00; - salário-de-contribuição: R$ 500,00; - valor do recolhimento: R$ 55,00 (11% x R$ 500,00). Observação importante A responsabilidade pelo recolhimento dessa contribuição é do condomínio, que o efetuará na mesma GPS na qual recolhe as contribuições previdenciárias descontadas dos empregados e demais contribuintes individuais a seu serviço. Cabe ao síndico, por sua vez, ressarcir o condomínio dessa despesa. 4.5 Encargos previdenciários a cargo do condomínio O total da remuneração paga ou creditada ao síndico condominial, a qualquer título, no decorrer do mês, e o valor da isenção da taxa de condomínio a ele concedida formam a base de cálculo da contribuição social previdenciária a cargo do condomínio, sobre a qual incidirá a alíquota de 20% para obtenção do valor a ser recolhido. WExemplo - síndico eleito para exercer atividade de administração condominial recebe isenção do pagamento de taxa de condomínio no valor de R$ 500,00; - salário-de-contribuição: R$ 500,00; - valor do recolhimento a cargo do condomínio: R$ 100,00 (20% x R$ 500,00). D Observação importante Os recolhimentos previdenciários a cargo do condomínio serão efetuados na mesma GPS na qual este recolhe as contribuições previdenciárias descontadas dos empregados e contribuintes individuais a seu serviço. (Instrução Normativa RFB nº 971/2009, art. 3º, 4º, III, art. 9º, XIII, art. 55, 6º, art. 57, 3º, arts. 65 e 70) N Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Fev/ Fascículo 06 CT06-07

10 a IOB Perguntas e Respostas Auxílio-reclusão - Hipóteses 1) Em quais hipóteses é devido o auxílio-reclusão? O auxílio-reclusão será devido, nas mesmas condições da pensão por morte, aos dependentes do segurado recolhido à prisão que não receba remuneração da empresa nem esteja em gozo de auxílio-doença, aposentadoria ou abono de permanência em serviço, desde que o seu último salário- -de-contribuição mensal tenha sido inferior ou igual a R$ 1.025,81. Se o segurado, embora mantendo essa qualidade, não estiver em atividade no mês da reclusão, ou nos meses anteriores, será considerado como remuneração o seu último salário-de-contribuição. Vale ressaltar que o auxílio-reclusão é devido, apenas, durante o período em que o segurado estiver recolhido à prisão sob regime fechado ou semiaberto. (Regulamento da Previdência Social - RPS, aprovado pelo Decreto nº 3.048/1999, art. 116, caput, 1º e 5º; Portaria Interministerial MPS/MF nº 19/2014, art. 5º) Auxílio-reclusão - Recebimento antes de sentença condenatória transitada em julgado 2) Antes de ser prolatada a sentença condenatória, o segurado recolhido à prisão terá direito ao auxílio-reclusão? Sim. Será devido o benefício de auxílio-reclusão em caso de recolhimento do segurado à prisão sem que tenha sido prolatada sentença condenatória. O benefício de auxílio-reclusão será devido, nas mesmas condições da pensão por morte, aos dependentes do segurado recolhido à prisão que não receba remuneração da empresa nem esteja em gozo de auxílio-doença, aposentadoria ou abono de permanência ao serviço. Desde 1º , o benefício do auxílio-reclusão é devido aos dependentes do segurado cujo salário- -de-contribuição seja igual ou inferior a R$ 1.025,81, independentemente da quantidade de contratos e de atividades exercidas. (Instrução Normativa INSS nº 45/2010, art. 331; Portaria Interministerial MPS/MF nº 19/2014, art. 5º) Contribuição previdenciária - Tabela dos segurados empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso - Alteração 3) A tabela de contribuição previdenciária dos segurados empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso sofreu alteração? Sim. A contribuição dos segurados empregado, inclusive o doméstico, e do trabalhador avulso, relativamente aos fatos geradores que ocorrerem a partir de 1º , deve ser calculada mediante a aplicação da correspondente alíquota, de forma não cumulativa, sobre o salário-de-contribuição mensal, de acordo com a seguinte tabela: Tabela de contribuição dos segurados empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso, para pagamento de remuneração a partir de 1º Salário-de-contribuição (R$) Alíquota para fins de recolhimento ao INSS (%) Até 1.317,07 8 De 1.317,08 até 2,195,12 9 De 2.195,13 até 4.390,24 11 (Portaria Interministerial MPS/MF nº 19/2014 Anexo II) Faltas - Salário-família - Direito 4) Empregado que faltou durante o mês fará jus às cotas do salário-família? Sim. O direito à cota do salário-família é definido em razão da remuneração que seria devida ao empregado no mês, independentemente do número de dias efetivamente trabalhados. Somente há pagamento proporcional do salário- -família em relação aos dias trabalhados nos meses de admissão e demissão do empregado. Desse modo, como as faltas não interferem no direito desse benefício, o empregado fará jus ao salário-família normalmente, devendo a empresa calcular a sua cota, com base na remuneração que lhe seria devida se houvesse trabalhado o mês inteiro. (Portaria Interministerial MPS/MF nº 19/2014, art. 4º, 2º e 4º) CT Manual de Procedimentos - Fev/ Fascículo 06 - Boletim IOB

11 5) O valor da cota do salário-família sofreu reajuste? Salário-família - Cota - Valor - Reajuste Sim. A partir de 1º , o valor da cota do salário-família por filho ou equiparado de qualquer condição, até 14 anos de idade, ou inválido de qualquer idade, foi alterado para: a) R$ 35,00 para o segurado com remuneração mensal não superior a R$ 682,50; b) R$ 24,66 para o segurado com remuneração mensal superior a R$ 682,50 até R$ 1.025,81. (Portaria Interministerial MPS/MF nº 19/2014, art. 4º, incisos I e II) Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Fev/ Fascículo 06 CT06-09

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 01 (DE 08 DE JANEIRO DE 2016)

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 01 (DE 08 DE JANEIRO DE 2016) PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 01 (DE 08 DE JANEIRO DE 2016) Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores constantes do Regulamento da

Leia mais

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DA PREVIDENCIA SOCIAL E SALÁRIO FAMÍLIA Portaria Interministerial MTPS/MF nº 1/2016, de 8 de janeiro de 2016.

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DA PREVIDENCIA SOCIAL E SALÁRIO FAMÍLIA Portaria Interministerial MTPS/MF nº 1/2016, de 8 de janeiro de 2016. Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Informativo 02/2016 TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DA PREVIDENCIA SOCIAL E SALÁRIO FAMÍLIA Portaria Interministerial MTPS/MF nº 1/2016, de 8 de janeiro de 2016.

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE DOU DE 03/01/2011

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE DOU DE 03/01/2011 PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010 - DOU DE 03/01/2011 Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores

Leia mais

PORTARIA MPS/MF Nº 333, DE 29 DE JUNHO DE 2010 (DOU )

PORTARIA MPS/MF Nº 333, DE 29 DE JUNHO DE 2010 (DOU ) PORTARIA MPS/MF Nº 333, DE 29 DE JUNHO DE 2010 (DOU 30.06.2010) Dispõe sobre o salário mínimo e o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores constantes

Leia mais

TABELA DE SALÁRIO-DE CONTRIBUIÇÃO, BENEFÍCIOS, MULTAS, DEMAIS VALORES: ATUALIZAÇÃO A PARTIR DE JANEIRO DE 2014

TABELA DE SALÁRIO-DE CONTRIBUIÇÃO, BENEFÍCIOS, MULTAS, DEMAIS VALORES: ATUALIZAÇÃO A PARTIR DE JANEIRO DE 2014 TABELA DE SALÁRIO-DE CONTRIBUIÇÃO, BENEFÍCIOS, MULTAS, DEMAIS VALORES: ATUALIZAÇÃO A PARTIR DE JANEIRO DE 2014 TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DOS SEGURADOS EMPREGADO, EMPREGADO DOMÉSTICO E TRABALHADOR AVULSO,

Leia mais

Nova Tabela INSS 2010

Nova Tabela INSS 2010 Nova Tabela INSS 2010 PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº333, DE 29 DE JUNHO DE 2010 - DOU DE 30/06/2010 Dispõe sobre o salário mínimo e o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

Divulgamos neste Manual a tabela de saláriosde-contribuição

Divulgamos neste Manual a tabela de saláriosde-contribuição Boletim Manual de Procedimentos Previdência Social Novos valores da tabela de salários-de-contribuição, reajustes de benefícios e nova tabela de Imposto de Renda Retido na Fonte SUMÁRIO 1. Introdução 2.

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO. Programa de Educação Previdenciária

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO. Programa de Educação Previdenciária Ministério da Previdência Social INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO Todos que se inscrevem na Previdência Social podem escolher como vão contribuir. Isso permite que o segurado

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 06/08/2010.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 06/08/2010. SALÁRIO-FAMÍLIA - Considerações Gerais Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 06/08/2010. Sumário: 1 - Introdução 2 - Beneficiários 2.1 - Verificação da Invalidez 2.2 - Pai e Mãe 3 - Início

Leia mais

Benefício Novos valores da tabela de salários de contribuição e reajustes de benefícios

Benefício Novos valores da tabela de salários de contribuição e reajustes de benefícios Benefício Novos valores da tabela de salários de contribuição e reajustes de benefícios TEXTO NA ÍNTEGRA Em face da publicação do Decreto nº 8.618/2015 - DOU de 30.12.2015, este procedimento foi atualizado.

Leia mais

INFORMATIVO GFIP/SEFIP

INFORMATIVO GFIP/SEFIP PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS Diretoria de Receitas Previdenciárias DIREP Coordenação Geral de Arrecadação CGA Divisão de Declarações INFORMATIVO GFIP/SEFIP Nº 002 CONTRIBUINTE

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Benefícios Previdenciários - Regras Gerais

Resumo Aula-tema 04: Benefícios Previdenciários - Regras Gerais Resumo Aula-tema 04: Benefícios Previdenciários - Regras Gerais O Regime Geral de Previdência Social compreende prestações, devidas inclusive em razão de eventos decorrentes de acidente do trabalho, expressas

Leia mais

ANO XXVII ª SEMANA DE JANEIRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 03/2016

ANO XXVII ª SEMANA DE JANEIRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 03/2016 ANO XXVII - 2016-3ª SEMANA DE JANEIRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 03/2016 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS SALÁRIO-DE-CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA E DEMAIS BENEFÍCIOS PAGOS PELO INSS - PORTARIA INTERMINISTERIAL

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo de proporcionalidade referente ao pagamento do Salário Família.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo de proporcionalidade referente ao pagamento do Salário Família. Cálculo de proporcionalidade referente ao pagamento do Salário Família. 15/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4.

Leia mais

CADERNO DE ATUALIZAÇÃO

CADERNO DE ATUALIZAÇÃO CADERNO DE ATUALIZAÇÃO Ivan Kertzman Curso Prático de Direito Previdenciário Objetivo O objetivo deste material é manter os leitores da 14ª edição do Curso Prático de Direito Previdenciário atualizados

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo de proporcionalidade referente ao pagamento do Salário Família.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo de proporcionalidade referente ao pagamento do Salário Família. Cálculo de proporcionalidade referente ao pagamento do Salário Família. 15/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4.

Leia mais

Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2016

Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2016 Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2016 Nota: Em caso de feriados estaduais e municipais, os vencimentos das obrigações principais deverão ser antecipados

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A MARÇO / 2015 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 06 07 08 09 10 10 11 12 13 13 14 15 16 16 17 18 19 20 20 21 22 23 24 25 25 26 27 28 29 30 31 31-1

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A FEVEREIRO / 2016 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 05 06 07 08 09 10 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 19 19 20 21 22 23 24 25 26 27 25 28 29 29-1 - AGENDA

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO. Professora: Renata Salles Mesquita

DIREITO PREVIDENCIÁRIO. Professora: Renata Salles Mesquita DIREITO PREVIDENCIÁRIO Professora: Renata Salles Mesquita EMPREGADO, TRABALHADOR AVULSO E EMPREGADO DOMÉSTICO: ESSES CONTRIBUEM COM UM PERCENTUAL SOBRE OS SEUS SALÁRIOS-DE-CONTRIBUIÇÃO, DEVENDO SER RESPEITADOS

Leia mais

DECRETO Nº , DE 9 DE MARÇO DE PUBLICADO NO DOU DE 9/03/1973

DECRETO Nº , DE 9 DE MARÇO DE PUBLICADO NO DOU DE 9/03/1973 DECRETO Nº 71.885, DE 9 DE MARÇO DE 1973. PUBLICADO NO DOU DE 9/03/1973 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o artigo 81, item III, da Constituição, e tendo em vista o disposto

Leia mais

SALÁRIO DE BENEFÍCIO: ARTS. 31 A 34 DO DECRETO 3048/99 Prof. Andreson Castelucio 1. ITER PARA O CÁLCULO DO BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO 2. CONCEITO DE SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO 3. CONCEITO DE SALÁRIO DE BENEFÍCIO

Leia mais

Capítulo 1 Origem e evolução histórica e legislativa no Brasil e no mundo... 1 Capítulo 2 Direito Previdenciário... 11

Capítulo 1 Origem e evolução histórica e legislativa no Brasil e no mundo... 1 Capítulo 2 Direito Previdenciário... 11 Sumário Capítulo 1 Origem e evolução histórica e legislativa no Brasil e no mundo... 1 1.1. Introdução...1 1.2. Assistência social...1 1.3. Mutualismo...2 1.4. Seguro privado...2 1.5. Seguro social...3

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como é calculada a contribuição previdenciária sobre a remuneração paga ao transportador autônomo de veículo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como é calculada a contribuição previdenciária sobre a remuneração paga ao transportador autônomo de veículo Como é calculada a contribuição previdenciária sobre a remuneração paga ao transportador 30/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC Nº 087, DE 27 DE MARÇO DE 2003.

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC Nº 087, DE 27 DE MARÇO DE 2003. INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC Nº 087, DE 27 DE MARÇO DE 2003. Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria especial do cooperado

Leia mais

Janeiro-Dezembro/2014

Janeiro-Dezembro/2014 IRRF - Décimo terceiro salário 2014 - Roteiro Aqui serão analisados os aspectos gerais relacionados à retenção do Imposto de Renda incidente no pagamento do décimo terceiro salário. Introdução Os rendimentos

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A FEVEREIRO / 2017 DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE D S T Q Q S S

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A FEVEREIRO / 2017 DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE D S T Q Q S S AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A FEVEREIRO / 2017 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 07 07 08 09 10 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 19 20 20 21 22 23 24 24 25 26 27 27 28 28-1 - 02/2017

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A JANEIRO / 2017 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 06 07 08 09 10 10 11 12 13 13 14 15 15 16 16 17 18 19 20 20 21 22 23 24 25 25 26 27 28 29 30 31

Leia mais

DOS DESCONTOS PREVIDENCIÁRIOS SOBRE O 13º SALÁRIO E FÉRIAS JUNTO AOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS

DOS DESCONTOS PREVIDENCIÁRIOS SOBRE O 13º SALÁRIO E FÉRIAS JUNTO AOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS 1 NOTA JURÍDICA N.º 003/2007 DOS DESCONTOS PREVIDENCIÁRIOS SOBRE O 13º SALÁRIO E FÉRIAS JUNTO AOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS Primeiramente teceremos alguns comentários

Leia mais

Orçamento de Pessoal Aula

Orçamento de Pessoal Aula Orçamento de Pessoal Aula 6 30-05-2012 Prof. Procópio Aula 6 30-05-2012 Salário Família Imposto de Renda Encargos Sociais Exercícios Salário Família Benefício previdenciário que corresponde a uma quota

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A ABRIL / 2017 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 06 07 07 08 09 10 10 11 12 13 14 14 15 16 17 17 18 19 20 20 21 22 23 24 25 25 26 27 28 28 29 30-1

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A DEZEMBRO / 2015 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 05 06 07 07 08 08 09 10 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 18 19 20 20 21 22 23 24 24 25 26 27 28 29 30

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO

CONTABILIZAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO CONTABILIZAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO DEFINIÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO A Folha de Pagamento representa as obrigações do empregador com seus empregados, como salários, gratificações, comissões, etc., assim

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos - THZMPX - Dedução INSS da base de imposto de renda sobre salários e férias do empregado quando ela tiver

Parecer Consultoria Tributária Segmentos - THZMPX - Dedução INSS da base de imposto de renda sobre salários e férias do empregado quando ela tiver - THZMPX - Dedução INSS da base de imposto de renda sobre 19/02/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 6 3. Análise da Legislação... 7 4. Conclusão... 9

Leia mais

SIMULADO SOBRE DIREITO PREVIDENCIÁRIO DVD 1. A respeito dos itens abaixo, julgue e marque CERTO ou ERRADO.

SIMULADO SOBRE DIREITO PREVIDENCIÁRIO DVD 1. A respeito dos itens abaixo, julgue e marque CERTO ou ERRADO. SIMULADO SOBRE DIREITO PREVIDENCIÁRIO DVD 1 A respeito dos itens abaixo, julgue e marque CERTO ou ERRADO. 01) A inscrição é o ato pelo qual o segurado é cadastrado no RGPS, por meio de comprovação de dados

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A DEZEMBRO / 2016 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 06 07 07 08 09 09 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 19 20 20 21 22 23 23 24 25 26 27 28 29 30 30 31-1

Leia mais

Previdenciária - Estabelecidas as normas sobre restituição, compensação, ressarcimento e reembolso perante a Receita Federal do Brasil

Previdenciária - Estabelecidas as normas sobre restituição, compensação, ressarcimento e reembolso perante a Receita Federal do Brasil Publicada em 18.07.2017-09:26 Previdenciária - Estabelecidas as normas sobre restituição, compensação, ressarcimento e reembolso perante a Receita Federal do Brasil A Secretaria da Receita Federal do Brasil

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS DEZEMBRO/2010

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS DEZEMBRO/2010 1 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS DEZEMBRO/2010 Dia 06-12-2010 (Segunda-feira): SALÁRIOS Todos os empregadores, assim definidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Fato

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGOSTO / 2017 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 05 06 07 07 08 09 10 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 18 19 20 21 22 23 24 25 25 26 27 28 29 30 31 31-1

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Cálculo de proporcionalidade referente ao pagamento do Salário Família.

Orientações Consultoria De Segmentos Cálculo de proporcionalidade referente ao pagamento do Salário Família. Orientações Consultoria De Segmentos Cálculo de proporcionalidade referente ao pagamento do Salário Família. 15/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente...

Leia mais

Posicionamento Consultoria de Segmentos Empregado com mais de um Vínculo Empregatício

Posicionamento Consultoria de Segmentos Empregado com mais de um Vínculo Empregatício Empregado com mais de um Vínculo Empregatício 25/09/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 6 5. Informações

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A NOVEMBRO / 2016 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 07 07 08 09 10 10 11 12 13 14 14 15 16 16 17 18 18 19 20 21 22 23 24 25 25 26 27 28 29 30 30-1

Leia mais

Orientar sobre as atribuições do Síndico? Conta comigo!

Orientar sobre as atribuições do Síndico? Conta comigo! Orientar sobre as atribuições do Síndico? Conta comigo! Quais as funções do Síndico? Em um condomínio, o síndico é eleito em assembleia geral, para administrá-lo e por um prazo não superior a dois anos.

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONCURSO INSS. PROF. ADRIANA MENEZES

DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONCURSO INSS. PROF. ADRIANA MENEZES DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONCURSO INSS PROF. ADRIANA MENEZES www.adrianamenezes.com DÚVIDAS QUANTO À LEGISLAÇÃO A SER COBRADA NA PROVA E A PROVA EM SI. Será cobrada a legislação previdenciária em vigor até

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A MAIO / 2016 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 06 07 08 09 10 10 11 12 13 13 14 15 16 16 17 18 19 20 20 21 22 23 24 25 25 26 27 28 29 30 31 31-1

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 250 - Data 23 de maio de 2017 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS REMUNERAÇÃO RETROATIVA PREVISTA

Leia mais

para concurso de Juiz Federal

para concurso de Juiz Federal para concurso de Juiz Federal O livro é a porta que se abre para a realização do homem. Jair Lot Vieira Alexandre da Silva Arruda para concurso de Juiz Federal De acordo com a Resolução nº 67, de 3 de

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS DEZEMBRO DE 2011

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS DEZEMBRO DE 2011 Page 1 of 6 AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS DEZEMBRO DE 2011 06/12/2011 SALÁRIOS 07/12/2011 Pagamento de salários - mês de NOVEMBRO/2011 Base legal: Art. 459, parágrafo único da CLT.

Leia mais

DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL I

DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL I DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL I AULA 7 Arrecadação e Recolhimento de contribuições para a seguridade social I- ARRECADAÇÃO x RECOLHIMENTO - ARRECADAÇÃO: retenção do valor da contribuição de terceiro Lei

Leia mais

Medida Provisória nº 529, de 2011

Medida Provisória nº 529, de 2011 Medida Provisória nº 529, de 2011 Altera os arts. 21 e 24 da Lei no 8.212, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre o Plano de Custeio da Previdência Social, para estabelecer alíquota diferenciada de contribuição

Leia mais

MUDANÇAS NAS REGRAS DO SEGURO-DESEMPREGO, ABONO SALARIAL ANUAL, AUXILIO-DOENÇA E PENSÃO POR MORTE

MUDANÇAS NAS REGRAS DO SEGURO-DESEMPREGO, ABONO SALARIAL ANUAL, AUXILIO-DOENÇA E PENSÃO POR MORTE MUDANÇAS NAS REGRAS DO SEGURO-DESEMPREGO, ABONO SALARIAL ANUAL, AUXILIO-DOENÇA E PENSÃO POR MORTE Em 30/12/2014, por meio das Medidas Provisórias 664 e 665, publicadas no Diário Oficial da União, as normas

Leia mais

São Paulo, 27 de Março de 2008.

São Paulo, 27 de Março de 2008. Verificação do Cumprimento das Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias na contratação de empresas terceirizadas São Paulo, 27 de Março de 2008. 1 Contatos Marcelo Natale Fernando Azar (11) 5186-1014

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA O MÊS DE OUTUBRO/2011

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA O MÊS DE OUTUBRO/2011 AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA O MÊS DE OUTUBRO/2011 Até do dia Obrigação Histórico correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 30.09.2011, incidente sobre rendimentos de: 05 IRRF

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES ABRIL DE 2010

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES ABRIL DE 2010 CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES ABRIL DE 2010 DIA OBRIGAÇÃO FATO GERADOR Cadastro Geral de Empregados e Desempregado - CAGED (1ª via) Enviar ao Ministério do Trabalho a relação de admissões e desligamentos ocorridos

Leia mais

VADE MECUM IMPETUS 0AB 5ª EDIÇÃO ARQUIVO DE ATUALIZAÇÃO PERÍODO: 1º.01 A

VADE MECUM IMPETUS 0AB 5ª EDIÇÃO ARQUIVO DE ATUALIZAÇÃO PERÍODO: 1º.01 A VADE MECUM IMPETUS 0AB 5ª EDIÇÃO ARQUIVO DE ATUALIZAÇÃO PERÍODO: 1º.01 A 19.02.2014 Emendas constitucionais Emenda Constitucional n. 77, de 11 de fevereiro de 2014 Altera os incisos II, III e VIII do 3º

Leia mais

Direito Previdenciário

Direito Previdenciário Direito Previdenciário Prof. Hugo Goes www.hugogoes.com.br SEGURADO EMPREGADO DOMÉSTICO Aquele que presta serviços de forma contínua, subordinada, onerosa e pessoal e de finalidade não lucrativa à pessoa

Leia mais

VERBAS EXPLICAÇÃO INCIDÊNCIA. Quando gozadas haverá incidência. Esta remuneração adicional é 1/3 constitucional sobre as férias gozadas

VERBAS EXPLICAÇÃO INCIDÊNCIA. Quando gozadas haverá incidência. Esta remuneração adicional é 1/3 constitucional sobre as férias gozadas 1. Salário É salário-decontribuição. 2. Férias Quando gozadas haverá incidência 3. Remuneração adicional de férias, Inciso XVII, Art 7º, CF Esta remuneração adicional é 1/3 constitucional sobre as férias

Leia mais

Gestão de Pessoas I AULAS 19_20. 27_ Prof.Procópio

Gestão de Pessoas I AULAS 19_20. 27_ Prof.Procópio Gestão de Pessoas I AULAS 19_20 27_28-07-2016 Prof.Procópio RECAPITULANDO... DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS ADIANTAMENTO SALARIAL ADICIONAL DE INSALUBRIDADE ADICIONAL DE PERICULOSIDADE ADICIONAL NOTURNO FALTAS

Leia mais

Tron Informática

Tron Informática 13º Salário Gratificação Natalina 1 Veja uma vídeo-aula sobre este assunto em: http://www.trontv.com.br/t/index.php/videos/gestao-contabil/fp/76-como-calcular calcular-o-13-salario.html A Gratificação

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A MAIO / 2017 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 05 06 06 07 08 09 10 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 19 19 20 21 22 22 23 24 25 25 26 27 28 29 30 31 31-1

Leia mais

Isso quer dizer que o empregador desconta em março a contribuição, mas efetuará o pagamento até o dia 30 de abril de cada ano.

Isso quer dizer que o empregador desconta em março a contribuição, mas efetuará o pagamento até o dia 30 de abril de cada ano. Os empregadores em geral deverão descontar de seus empregados a contribuição sindical no mês de março de cada ano, no valor correspondente à remuneração de um dia de trabalho, qualquer que seja a forma

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 17

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 17 Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 17 EDITAL SISTEMATIZADO CARREIRAS FISCAIS... 19 1. Receita Federal do Brasil... 19 2. Ministério do Trabalho e Emprego... 21 CAPÍTULO

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS JANEIRO DE Pagamento de salários - mês de DEZEMBRO/2010

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS JANEIRO DE Pagamento de salários - mês de DEZEMBRO/2010 Page 1 of 5 AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS JANEIRO DE 2011 07/01/2011 SALÁRIOS Pagamento de salários - mês de DEZEMBRO/2010 Base legal: Art. 459, parágrafo único da CLT. FGTS Recolhimento

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS AGOSTO DE /08/2016

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS AGOSTO DE /08/2016 AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS AGOSTO DE 2016 SALÁRIOS 05/08/2016 FGTS Pagamento de salários - mês de JULHO/2016 - Para maiores detalhes, acesse o tópico Salários - Prazo de Pagamento.

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 9 - Data 2 de fevereiro de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Contribuições Sociais Previdenciárias FATO GERADOR. MOMENTO DE OCORRÊNCIA.

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO QUADRO 02

DIREITO PREVIDENCIÁRIO QUADRO 02 DIREITO PREVIDENCIÁRIO QUADRO 02 CONTEÚDO PRESTAÇÕES EM GERAL BENEFÍCIOS CARÊNCIA SALÁRIO DE BENEFÍCIO FATOR PREVIDENCIÁRIO RENDA MENSAL INICIAL SEGURADOS 1.aposentadoria por invalidez 2.aposentadoria

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Patrocínio a Time de Futebol Profissional

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Patrocínio a Time de Futebol Profissional 15/10/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 SEFIP... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares... 6 6. Referências...

Leia mais

Bom dia, hoje farei breves considerações sobre a aposentadoria por idade urbana. Espero que seja útil.

Bom dia, hoje farei breves considerações sobre a aposentadoria por idade urbana. Espero que seja útil. Bom dia, hoje farei breves considerações sobre a aposentadoria por idade urbana. Espero que seja útil. Diz o art. 48, da Lei 8.213/91: Art. 48. A aposentadoria por idade será devida ao segurado que, cumprida

Leia mais

Agenda Trabalhista - Setembro 2017

Agenda Trabalhista - Setembro 2017 Agenda Trabalhista - Setembro 2017 06/09/2017 SALÁRIOS Pagamento de salários - mês de AGOSTO/2017 - Para maiores detalhes, acesse o tópico Salários - Prazo de Pagamento. Base legal: Art. 459, parágrafo

Leia mais

Relatório. Data 18 de dezembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF

Relatório. Data 18 de dezembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 368 - Cosit Data 18 de dezembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS DIRETOR DE SOCIEDADE ANÔNIMA.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Da Sra. MARA GABRILLI) Acrescenta os arts. 86-A, 86-B e 86-C à Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, e altera seus arts. 11, 18, 26, 29, 33, 40, 101 e 124 para dispor sobre

Leia mais

Agenda de Contribuições, Tributos e Obrigações. Mês de Fevereiro de 2017.

Agenda de Contribuições, Tributos e Obrigações. Mês de Fevereiro de 2017. Agenda de Contribuições, Tributos e Obrigações. Mês de Fevereiro de 17. DIAS OBRIGAÇÕES D E S C R I Ç Ã O FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 17.01 à 17.03.17 03 06 RAIS SALÁRIOS SECONCI O Ministério do Trabalho e Emprego,

Leia mais

alterações antes da execução de qualquer cálculo no SAP. Atenção especial deve ser dada a casos

alterações antes da execução de qualquer cálculo no SAP. Atenção especial deve ser dada a casos ALTERAÇÃO NAS TABELAS DE CALCULO PARA 2016 Considerando as alterações publicadas pelos órgãos competentes em relação às alíquotas e bases de cálculo do IRRF e INSS, novo valor do salário-mínimo e cotas

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL 1

PREVIDÊNCIA SOCIAL 1 PREVIDÊNCIA SOCIAL 1 SEGURIDADE SOCIAL NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL ORDEM SOCIAL PRIMADO DO TRABALHO Art. 193. A ordem social tem como base o primado do trabalho, e como objetivo o bem-estar e a justiça sociais.

Leia mais

REGIMES DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

REGIMES DE PREVIDÊNCIA SOCIAL REGIMES DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Regimes Previdenciários Principal Complementar Setor Público Setor Privado RGPS Oficial (União, Estados, Municípios e DF) Privado Civil (União, Estados, Municípios e DF) Militar

Leia mais

Isenção. Isenção. Prova de Inexistência de Débito (art. 257) Prova de Inexistência de Débito (art. 257)

Isenção. Isenção. Prova de Inexistência de Débito (art. 257) Prova de Inexistência de Débito (art. 257) Isenção São isentas de contribuição para a seguridade social as entidades beneficentes de assistência social que atendam às exigências estabelecidas em lei (art. 195, 7º, CF) Fica isenta das contribuições

Leia mais

GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social OUTUBRO/2016

GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social OUTUBRO/2016 Previdência Dia: 07 Trabalhista/Previdenciária Mês: 11/2016 GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social Envio da Guia de Recolhimento do Fundo

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS FEVEREIRO DE 2011

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS FEVEREIRO DE 2011 Page 1 of 5 AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS FEVEREIRO DE 2011 04/02/2011 SALÁRIOS 07/02/2011 Pagamento de salários - mês de JANEIRO/2011 Base legal: Art. 459, parágrafo único da CLT.

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Compensação da CPRB

Orientações Consultoria De Segmentos Compensação da CPRB Compensação 23/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares... 7 6. Referências...

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40, DE (Do Poder Executivo)

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40, DE (Do Poder Executivo) PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40, DE 2003 (Do Poder Executivo) Modifica os artigos 37, 40, 42, 48, 96, 142 e 149 da Constituição Federal, o artigo 8º da Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro

Leia mais

Página 1 de 6 Instrução Normativa RFB nº 1.027, de 22 de abril de 2010 DOU de 23.4.2010 Altera a Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro de 2009, que dispõe sobre normas gerais de tributação

Leia mais

esocial Sistema de Escrituração das Obrigações Fiscais, Previdênciárias e Trabalhistas

esocial Sistema de Escrituração das Obrigações Fiscais, Previdênciárias e Trabalhistas esocial Sistema de Escrituração das Obrigações Fiscais, Previdênciárias e Trabalhistas O que é o esocial? O que é o esocial? O Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e

Leia mais

CAPÍTULO III DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL SEÇÃO I

CAPÍTULO III DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL SEÇÃO I CAPÍTULO III DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL SEÇÃO I Da Fixação e do Recolhimento da Contribuição Sindical (Vide o Lei Complementar nº 123 (art. 53) - DOU 15/12/2006) Art. 578 - As contribuições devidas aos Sindicatos

Leia mais

GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social NOVEMBRO/2016

GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social NOVEMBRO/2016 Previdência Trabalhista/Previdenciária Mês: 12/2016 Dia: 07 GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social Envio da Guia de Recolhimento do Fundo

Leia mais

LEI Nº , DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000

LEI Nº , DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 PLR 79 LEI Nº 10.101, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 Dispõe sobre a participação dos trabalhadores nos lucros ou resultados da empresa e dá outras providências. Faço saber que o PRESIDENTE DA REPÚBLICA adotou

Leia mais

GUIA DE RECOLHIMENTO Códigos

GUIA DE RECOLHIMENTO Códigos GUIA DE RECOLHIMENTO Códigos O COORDENADOR-GERAL DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA, no uso da atribuição que lhe confere o inciso III do art. 312 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil,

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MARÇO DE 2010

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MARÇO DE 2010 CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MARÇO DE 2010 DIA OBRIGAÇÃO FATO GERADOR 05 (6ª feira) Cadastro Geral de Empregados e Desempregado - CAGED (1ª via) GFIP FGTS Enviar ao Ministério do Trabalho a relação de admissões

Leia mais

S u m á r i o. Capítulo 1 Notas Introdutórias...1

S u m á r i o. Capítulo 1 Notas Introdutórias...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Introdutórias...1 1. A Seguridade Social na Constituição de 1988... 1 1.1. Seguridade Social (arts. 194 a 204)... 1 1.1.1. Natureza do Direito à Seguridade Social... 1 1.1.2.

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Apuração e tributação de rendimento recebido acumuladamente (RRA)

Orientações Consultoria de Segmentos Apuração e tributação de rendimento recebido acumuladamente (RRA) Orientações Consultoria de Segmentos acumuladamente (RRA) 20/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Dos RRA Relativos

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Apuração e tributação de rendimento recebido acumuladamente (RRA)

Orientações Consultoria de Segmentos Apuração e tributação de rendimento recebido acumuladamente (RRA) Orientações Consultoria de Segmentos acumuladamente (RRA) 20/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Dos RRA Relativos

Leia mais

30/09/ ª parcela, até o dia 30 de novembro. 2ª parcela, até o dia 20 de dezembro. 13º salário nas férias

30/09/ ª parcela, até o dia 30 de novembro. 2ª parcela, até o dia 20 de dezembro. 13º salário nas férias Departamento de Engenharia de Produção GESTÃO DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Profa. MsC. Célia Regina Beiro da Silveira celiabeiro@expresso.com.br A Constituição Federal, Capítulo II Dos Direitos Sociais,

Leia mais

Curso de 13 Salário. Capacitação e Treinamento

Curso de 13 Salário. Capacitação e Treinamento Curso de 13 Salário Capacitação e Treinamento Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Ato Declaratório Executivo Codac nº 98, de 15 de dezembro de 2009 Dispõe sobre a divulgação de códigos de receita para recolhimento das contribuições sociais destinadas

Leia mais

S u m á r i o. 1. A Seguridade Social na Constituição de Capítulo 1 Notas Introdutórias Seguridade Social (arts. 194 a 204)...

S u m á r i o. 1. A Seguridade Social na Constituição de Capítulo 1 Notas Introdutórias Seguridade Social (arts. 194 a 204)... S u m á r i o Capítulo 1 Notas Introdutórias... 1 1. A Seguridade Social na Constituição de 1988...1 1.1. Seguridade Social (arts. 194 a 204)...1 1.1.1. Natureza do Direito à Seguridade Social...1 1.1.2.

Leia mais

Salário-Família & Salário-Maternidade

Salário-Família & Salário-Maternidade Salário-Família & Salário-Maternidade Temas apresentados pelos alunos: Camila Coutinho Daniel Cândido Marcos Baeta Salário-Família O que é? Benefício pago aos segurados empregados, exceto os domésticos,

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

DECRETO 6.003, DE 28 DE DEZEMBRO DE

DECRETO 6.003, DE 28 DE DEZEMBRO DE DECRETO 6.003, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006 Regulamenta a arrecadação, a fiscalização e a cobrança da contribuição social do salário-educação, a que se referem o art. 212, 5º, da Constituição, e as Leis 9.424,

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Contribuição Previdenciária - Transportador Autônomo de Cargas

Orientações Consultoria De Segmentos Contribuição Previdenciária - Transportador Autônomo de Cargas Orientações Consultoria De Segmentos Contribuição Previdenciária - Transportador Autônomo de Cargas 21/11/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise

Leia mais