INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL FOLHA 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL FOLHA 1"

Transcrição

1 INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - O formulário deve ser preenchido em 2 vias. - Preencher a máquina ou por computador. FOLHA 1 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO 01- Número do SIM 02- Número do produto com 4 dígitos começando pelo Nome completo do Estabelecimento- 04- Classificação do Estabelecimento: Carne e Derivados: Matadouro - Frigorífico Fábrica de Conservas de Produtos Cárneos Fábrica de Produtos Suínos Entreposto de Carnes e Derivados Fábrica de Produtos Não Comestíveis Matadouro de Aves e Pequenos Animais Micro Matadouro Frigorífico Fábrica de Produtos Gordurosos Leite e Derivados: Granja Leiteira (TipoA)

2 Usina de Beneficiamento de Leite Fábrica de Laticínios Entreposto de Laticínios Posto de Refrigeração de Leite Fábrica de Laticínios e Derivados do Leite de Cabra Micro Usina de Beneficiamento e Industrialização de Leite Pescado e Derivados: Entreposto de Pescados Fábrica de Conservas de Pescados Ovos e Derivados: Granja Avícola Entreposto de Ovos Fábrica de Conserva de Ovos Mel, Cera e Derivados: Casa do Mel Entreposto de Mel e Cera de Abelhas Fatiamento: Entreposto de Carnes 05- Número de Registro no SIM: Este número é fornecido pelo SIM. SOLICITAÇÃO 06- Natureza da Solicitação: Marcar a opção correspondente IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

3 07- Identificação do Produto: - Exemplos: - ( 1º)Carne Resfriada de ( 2º) Bovino ( 3 º)com Osso (1º Processo Tecnológico, 2º Espécie; 3º Com ou Sem Osso).Ex: - Miúdos Resfriados de Bovino. - Frango Resfriado. - Cortes Resfriados de Ave. - Salame Tipo Italiano. - Mortadela. - Queijo Prato ( Lanche ) - Filé de Peixe Congelado espécie - - Outros. 08- Nome de Fantasia (se existir). 09- Características do Rótulo -tipo de identificação que será utilizado- 10- Embalagem - Tipo de embalagem que será utilizado, primária, secundária, papel filme atóxico etc Conteúdo- ex: 10 a 30Kg ; Peças / Kg 12- Dia / Mês / Ano e a forma como será marcada a Data de Fabricação, prazo de validade Ex.: Carimbada, marcada a tinta. COMPOSIÇÃO 13- Ingredientes e Aditivos Matéria-Prima: Toda a Matéria utilizada para fabricação do referido produto, deve ser citada assim como sua respectiva porcentagem no produto; como por exemplo: Carne de Bovino ( corte ), Carne de suíno (corte), toucinho, ou o leite.

4 Ingredientes: Exemplos: Condimentos, corantes, conservadores, estabilizantes, Proteína Texturizada de Soja, Água,... etc. Dos Aditivos Alimentares deve ser enviado uma cópia da Autorização de uso do Produto pelo Ministério da Agricultura ( DIPOA ), com as especificações deste produto(especialmente a quantidade máxima de uso permitida e a validade da autorização ). 14-Autenticação Preenchido, carimbado e assinado pelo representante legal do estabelecimento 15- Preenchido, carimbado e assinado pelo responsável técnico da empresa Datar no quadro da esquerda. PROCESSO DE FABRICAÇÃO FOLHA Processo de Fabricação: Se for matadouro descrever todo o processo de matança e inspeção, desde a chegada dos animais, constando tempos, temperaturas e rotinas de inspeção, métodos utilizados até a refrigeração ou congelamento e embarque. Se for fábrica de conservas, descrever como chega a matéria-prima, a origem da mesma, o processamento, até o final da fabricação. E assim com todos os outros produtos. 17-Autenticação Preenchido, carimbado e assinado pelo representante legal do estabelecimento 18- Preenchido, carimbado e assinado pelo pelo responsável técnico.

5 Datar no quadro da esquerda. CONTROLE DE QUALIDADE FOLHA Controle de Qualidade e Conservação: Se é feito algum exame laboratorial e com que periodicidade (no mínimo citar o exame de água microbiológico e físico-químico, microbiológico mensal de produtos e de saúde dos funcionários, já que estes são obrigatórios). Como é feito o Controle da Matéria-Prima? Qual o controle dos condimentos? Outro Controle ( pragas, roedores, vetores,... ) Rotina de limpeza e Desinfecção do Estabelecimento. ESTOCAGEM E TRANSPORTE 20- Estocagem, Armazenamento e Transporte Se é armazenamento em câmaras frias, salas de cura, depósitos, etc... e como é este acondicionamento ( caixa, prateleiras ). Transporte- Se é feito em carro com refrigeração, Se é feito em carro isotérmico.outro tipo de transporte e como é feito este transporte ( caixas, prateleiras, outros... ). PARECER TÉCNICO 21- Parecer Técnico-

6 Se deferido o pedido a empresa deve providenciar uma amostra em tamanho e cor originais. AUTENTICAÇÃO 22-Autenticação Preenchido, carimbado e assinado pelo representante legal do estabelecimento 23- Preenchido, carimbado e assinado pelo responsável pela Inspeção Municipal. Datar no quadro da esquerda.

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BRÉSCIA SECRETARIA DA AGRICULTURA SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM

Leia mais

REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO II CLASSIFICAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS

REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO II CLASSIFICAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS 5 REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO II CLASSIFICAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS Art. 20 - A classificação dos estabelecimentos de produtos de origem animal abrange:

Leia mais

MEMORIAL ECONÔMICO - SANITÁRIO DE ESTABELECIMENTO DE ABATE MODELO 01

MEMORIAL ECONÔMICO - SANITÁRIO DE ESTABELECIMENTO DE ABATE MODELO 01 MEMORIAL ECONÔMICO - SANITÁRIO DE ESTABELECIMENTO DE ABATE MODELO 01 4. Categoria do estabelecimento. 5. Espécie de animais que pretende sacrificar. 6. Processo de matança (descrição detalhada). 7. Velocidade

Leia mais

CATÁLOGO DE CARNES, CONS. ORIGEM ANIMAL, CEREAIS, FARINÁCEOS, CONDIMENTOS, PEIXES

CATÁLOGO DE CARNES, CONS. ORIGEM ANIMAL, CEREAIS, FARINÁCEOS, CONDIMENTOS, PEIXES CATÁLOGO DE CARNES, CONS. ORIGEM ANIMAL, CEREAIS, FARINÁCEOS, CONDIMENTOS, PEIXES Descrição Bisteca suína Bisteca suína, congelada, com aproximadamente 250 gramas cada, embalada em camadas separadas por

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA RIA DIVISÃO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

DEPARTAMENTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA RIA DIVISÃO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL DEPARTAMENTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA RIA DIVISÃO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Serviços de Inspeção Sanitária e Sistemas Unificados SISBI e SUSAF-RS Divisão de Inspeção de Produtos de Origem

Leia mais

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima Profª. Nensmorena Preza ALIMENTO Toda substância ou mistura de substâncias, no estado sólido, líquido, pastoso ou qualquer

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO MEMORIAL ECONÔMICO-SANITÁRIO PARA ESTABELECIMENTOS SUJEITOS AO SIM-CURITIBA

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO MEMORIAL ECONÔMICO-SANITÁRIO PARA ESTABELECIMENTOS SUJEITOS AO SIM-CURITIBA ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO MEMORIAL ECONÔMICO-SANITÁRIO PARA ESTABELECIMENTOS SUJEITOS AO SIM-CURITIBA Conforme determinação do Artigo 8º, item III, do Decreto nº 70/2002, o estabelecimento comercial

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo - SEPROTUR Agencia Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Rotulagem

Perguntas e Respostas sobre Rotulagem Perguntas e Respostas sobre Rotulagem Assuntos Gerais 1. Produtos destinados para fins industriais, institucionais, ou seja, sem venda direta ao consumidor, precisam ter na rotulagem o atendimento à RDC

Leia mais

REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TITULO IV REGISTRO E RELACIONAMENTO DE ESTABELECIMENTOS

REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TITULO IV REGISTRO E RELACIONAMENTO DE ESTABELECIMENTOS 20 REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TITULO IV REGISTRO E RELACIONAMENTO DE ESTABELECIMENTOS Art. 51 - Nenhum estabelecimento pode realizar comércio interestadual

Leia mais

http://www.agricultura.sc.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download...

http://www.agricultura.sc.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download... Page 1 of 5 Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural Portaria SAR nº 17/2010, de 28/10/2010 O Secretário de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural, no

Leia mais

ANEXO I RELAÇÃO DOS ITENS DA LICITAÇÃO

ANEXO I RELAÇÃO DOS ITENS DA LICITAÇÃO Folha: 1/6 1 1000,000 2 19500,000 3 2000,000 4 2000,000 5 1500,000 CARNE DE SOL - EM CUBOS PEQUENOS. ASPECTOS PRÓPRIO. NÃO AMOLECIDA E NEM PEGAJOSA, COR PRÓPRIA SEM MANCHAS ESVERDEADAS, ODOR E SABOR PRÓPRIO,

Leia mais

REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3

REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 TÍTULO II - DA CLASSIFICAÇÃO GERAL... 9 CAPÍTULO I - ESTABELECIMENTOS DE CARNES

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO- MAPA OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO- MAPA OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Programa de avaliação de conformidade de padrões físicoquímicos e microbiológicos de produtos de origem animal comestíveis e água de abastecimento

Programa de avaliação de conformidade de padrões físicoquímicos e microbiológicos de produtos de origem animal comestíveis e água de abastecimento de padrões físicoquímicos e microbiológicos de produtos de origem animal comestíveis e água de abastecimento PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O que fazer se o estabelecimento não estiver produzindo nenhum dos

Leia mais

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 1 de 8 PAC 11 Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

O PAPEL DO RT EM INDUSTRIAS DE PRODUTOS CÁRNEOS. Dr. LUIZ CARLOS FALCÃO DORNELLES Med. Vet. DIPOA/DPA/SEAPA

O PAPEL DO RT EM INDUSTRIAS DE PRODUTOS CÁRNEOS. Dr. LUIZ CARLOS FALCÃO DORNELLES Med. Vet. DIPOA/DPA/SEAPA O PAPEL DO RT EM INDUSTRIAS DE PRODUTOS CÁRNEOS Dr. LUIZ CARLOS FALCÃO DORNELLES Med. Vet. DIPOA/DPA/SEAPA O que deve conhecer o RT? Tecnologia de Alimentos: Princípios básicos da tecnologia de abate das

Leia mais

FRAUDES EM ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL

FRAUDES EM ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento - MAPA/DIPOA. Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos - CQIA FRAUDES

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

DIPOA. Origem Animal. José Luis Ravagnani Vargas

DIPOA. Origem Animal. José Luis Ravagnani Vargas DIPOA Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal José Luis Ravagnani Vargas SIF (Competências) Fiscalização de estabelecimentos produtores de produtos de origem animal Exemplo: Matadouros frigoríficos,

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

ANEXO REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANEXO REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Este Regulamento estabelece as normas que regulam, em todo o território

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS A Tecnologia de Alimentos (T.A.) é das mais novas especialidades da necessidade da obtenção de mais fartas e constantes fontes alimentares. FATORES QUE CONTRIBUÍRAM PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Florianópolis (SC), 21 de julho de 2008. O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Santa Catarina (CRMV- SC), em reunião com os Conselhos Regionais de Medicina Veterinária dos Estados do

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E NA ÁREA DE VENDA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E NA ÁREA DE VENDA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E NA ÁREA DE VENDA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENO E VENDAS CUIDADOS NAS OPERAÇÕES RECEBIMENTO No ato do recebimento dos produtos são conferidos: Procedência;

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTO

INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DTB MIAMI CORP. INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTO Data: (mês/dia/ano) SECTION 1 TIPO DE REGISTO 1a REGISTRO DOMESTICO REGISTRO ESTRANGEIRO 1b REGISTRO INICIAL ATUALIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE REGISTRO

Leia mais

Disciplina: Tecnologia de Carnes, Pescados e Derivados (optativa) Acadêmicas: Ana Paula Roani e Giane Beatriz Friedrich

Disciplina: Tecnologia de Carnes, Pescados e Derivados (optativa) Acadêmicas: Ana Paula Roani e Giane Beatriz Friedrich Disciplina: Tecnologia de Carnes, Pescados e Derivados (optativa) Acadêmicas: Ana Paula Roani e Giane Beatriz Friedrich MORTADELA A mortadela tem uma história de mais de 2 mil anos, surgindo na época do

Leia mais

23/04/2014. PADRÕES DE QUALIDADE DE FARINHAS E GORDURAS (não comestíveis) NA VISÃO DO MAPA DIPOA. Secretaria de Defesa Agropecuária

23/04/2014. PADRÕES DE QUALIDADE DE FARINHAS E GORDURAS (não comestíveis) NA VISÃO DO MAPA DIPOA. Secretaria de Defesa Agropecuária ORGANOGRAMA DA SDA/MAPA PADRÕES DE QUALIDADE DE FARINHAS E GORDURAS (não comestíveis) NA VISÃO DO MAPA DIPOA/MAPA XIII Congresso Brasil Rendering 2014 Campinas DFIA Secretaria de Defesa Agropecuária DSV

Leia mais

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços Arroz em casca 15,72 30,25 Milho em grão 15,21 32,16 Trigo em grão e outros cereais 15,70 32,66 Cana-de-açúcar 15,47 32,68 Soja em grão 15,83 33,01 Outros produtos e serviços da lavoura 14,10 31,31 Mandioca

Leia mais

Guia de Recebimento de Amostras da Rede Nacional de Laboratórios Agropecuários

Guia de Recebimento de Amostras da Rede Nacional de Laboratórios Agropecuários Guia de Recebimento de Amostras da Rede Nacional de Laboratórios Agropecuários Área de Identidade e Qualidade de Alimentos Divisão de Ensaios Químicos Coordenação-Geral de Apoio Laboratorial IQA/DEQ/CGAL

Leia mais

1.3 - Número de registro do produto no Ministério da Agricultura do Brasil:.../...(*)

1.3 - Número de registro do produto no Ministério da Agricultura do Brasil:.../...(*) FORMULÁRIO DE REGISTRO DE RÓTULO E PRODUTO DE ORIGEM ANIMAL IMPORTADO 1 IDENTIFICAÇÃO 1.1 - Nº de controle veterinário/sanitário do estabelecimento produtor no país de origem: 1.2 - Nome e endereço do

Leia mais

REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO XII. EMBALAGEM E ROTULAGEM CAPÍTULO I Embalagem

REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO XII. EMBALAGEM E ROTULAGEM CAPÍTULO I Embalagem 128 REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TÍTULO XII EMBALAGEM E ROTULAGEM CAPÍTULO I Embalagem Art. 790 - Os produtos de origem animal destinados à alimentação humana

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Superintendência ncia Federal de Agricultura no Estado do Rio de Janeiro Serviço o de Inspeção o de Produtos Agropecuários rios RENATA PATRICIA LOURENÇO

Leia mais

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014*

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* Estabelece parâmetros para o Licenciamento Ambiental das atividades de comércio atacadista e de confecção e fabricação de produtos têxteis. O SECRETÁRIO

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

Considerando que o trânsito de alimentos em condições seguras pressupõe a preservação da saúde e do meio ambiente;

Considerando que o trânsito de alimentos em condições seguras pressupõe a preservação da saúde e do meio ambiente; Pag. 1 de 9 Portaria 069-R, de 26/09/2007. Dispõe sobre a documentação e requisitos básicos necessários para concessão de Licença Sanitária para Veículos Automotivos utilizados para o Transporte de Alimentos

Leia mais

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DE GÊNEROS DA AGRICULTURA FAMILIAR

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DE GÊNEROS DA AGRICULTURA FAMILIAR 78029 FRUTAS 49203 FRUTAS ABACATE; 1ª QUALIDADE; MADURO E ENTRE MADURO; TAMANHO E COLORACAO: UNIFORMES; TIPO: FRUTO SELECIONADO; ESTADO DA POLPA: FIRME E INTACTA; SEM DANOS FISICOS E ORIUNDOS DO MANUSEIO

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo?

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente 0116-4/99 Cultivo de outras

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO N.º 12/2014 ATA DE REGISTRO DE PREÇO

EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO N.º 12/2014 ATA DE REGISTRO DE PREÇO A UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, doravante denominada UFES, autarquia educacional de regime especial, situada na Av. Fernando Ferrari, 514, Campus Universitário, Goiabeiras, Vitória, Espírito

Leia mais

SIMPÓSIO EM COMEMORAÇÃO AO CENTENÁRIO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO BRASIL. 09 a 12 de setembro de 2015

SIMPÓSIO EM COMEMORAÇÃO AO CENTENÁRIO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO BRASIL. 09 a 12 de setembro de 2015 SIMPÓSIO EM COMEMORAÇÃO AO CENTENÁRIO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO BRASIL 09 a 12 de setembro de 2015 Local de Realização: Escola de Veterinária Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - DIPOA DIVISÃO DE NORMAS TÉCNICAS

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - DIPOA DIVISÃO DE NORMAS TÉCNICAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - DIPOA DIVISÃO DE NORMAS TÉCNICAS REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM

Leia mais

LOTES 01- PERECÍVEIS FRIOS

LOTES 01- PERECÍVEIS FRIOS LOTES 0- PERECÍVEIS FRIOS 3 4 5 Lingüiça, do tipo calabresa, resfriada, industrialmente embalada, com SIF, embalagem plástica transparente atóxica não reciclada, contendo informações sobre o fabricante

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE DIVINÓPOLIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE DIVINÓPOLIS LEI Nº 7.011/2009 Dispõe sobre a constituição do Serviço de Inspeção Municipal - S.I.M. e os procedimentos de inspeção sanitária, do processo de produção de bebidas e alimentos de origem animal e/ou vegetal,

Leia mais

N Código Subgrupo Descrição Unid Preço Varejo

N Código Subgrupo Descrição Unid Preço Varejo 1 78019 2 78020 3 78021 4 78022 POLPA DE FRUTA; SABOR ABACAXI; APRESENTACAO: POLPA DE POLPA DE FRUTA; SABOR ACEROLA; APRESENTACAO: POLPA DE POLPA DE FRUTA; SABOR GOIABA; APRESENTACAO: POLPA DE POLPA DE

Leia mais

APÊNDICE A TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

APÊNDICE A TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO APÊNDICES APÊNDICE A TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO Prezada Senhora: Estamos desenvolvendo uma pesquisa cujo título é ANÁLISE DO CONSUMO ALIMENTAR DE GRÁVIDAS QUE PARTICIPAM DO GRUPO DE GESTANTES

Leia mais

Rotulagem de alimentos embalados. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO

Rotulagem de alimentos embalados. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO Rotulagem de alimentos embalados Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO Rotulagem É toda inscrição, legenda, imagem ou toda matéria

Leia mais

SELEÇÃO DE PERMISSIONÁRIOS PARA FEIRA ORGANICA EDITAL DE REGULAMENTO

SELEÇÃO DE PERMISSIONÁRIOS PARA FEIRA ORGANICA EDITAL DE REGULAMENTO Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Abastecimento Departamento de Unidades de Abastecimento Gerencia de Controle de Qualidade Rua General Carneiro, 938 - Centro 80060-150 Curitiba

Leia mais

Registro de Produtos de Origem Animal

Registro de Produtos de Origem Animal Registro de Produtos de Origem Animal -Carnes e Produtos Cárneos Alessandro Figueiredo Torres Coordenação Geral de Inspeção - DIPOA Síntese da apresentação 1. Legislação básica de rotulagem 2. Regulamentos

Leia mais

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO.

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO. ANEXO NORMAS SOBRE REQUISITOS, CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS PARA O REGISTRO DE ESTABELECIMENTO, BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO E EXPEDIÇÃO DOS RESPECTIVOS CERTIFICADOS. 1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO,

Leia mais

CONDIÇÕES DE RECEBIMENTO DE CARNES EM RESTAURANTE COMERCIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS) 1

CONDIÇÕES DE RECEBIMENTO DE CARNES EM RESTAURANTE COMERCIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS) 1 CONDIÇÕES DE RECEBIMENTO DE CARNES EM RESTAURANTE COMERCIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS) 1 MEDEIROS, Laissa Benites 2 ; NAISSINGER, Maritiele 2 ; PEREIRA, Larissa 2 ; SACCOL, Ana Lúcia de Freitas 2.

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária Secretária Nutricionista Gerente Nutricionista Planejamento

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Alimentação saudável É saborosa, variada, colorida e com harmonia entre quantidades e qualidade! Sempre que possível faça as refeições junto à família,

Leia mais

Regulamento Estadual De Inspeção Industrial Higiênico-Sanitária De Produtos De Origem Animal.

Regulamento Estadual De Inspeção Industrial Higiênico-Sanitária De Produtos De Origem Animal. Regulamento Estadual De Inspeção Industrial Higiênico-Sanitária De Produtos De Origem Animal. LEI Nº 1.232, DE 10.12.91 APROVADO PELO DECRETO Nº. 6.450, DE 24.04.92 RESOLUÇÃO SECAP/MS Nº 082, DE 13.04.92

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE ALAGOA GRANDE GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE ALAGOA GRANDE GABINETE DO PREFEITO LEI N.º 1274/2015 ESTADO DA PARAÍBA DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM, EM ALAGOA GRANDE, ESTADO DA PARAIBA, ESTABELECER NORMAS E PROCEDIMENTOS DE INSPEÇÃO SANITARIA EM ESTABELECIMENTO

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA ENTREPOSTO DE CARNES E DERIVADOS:

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA ENTREPOSTO DE CARNES E DERIVADOS: ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL COORDENADORIA DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - C I S P O A - NORMAS TÉCNICAS DE

Leia mais

DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO E DA APLICAÇÃO DO CERTIFICADO SANITÁRIO NACIONAL OU DA GUIA DE TRÂNSITO

DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO E DA APLICAÇÃO DO CERTIFICADO SANITÁRIO NACIONAL OU DA GUIA DE TRÂNSITO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, DE 1º- DE ABRIL DE 2014 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Clandestino. Registro no SIE

Clandestino. Registro no SIE DIVISÃO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - DIPOA Clandestino (Produtos sem Inspeção) Registro no SIE (Produtos Inspecionados) MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA REGISTRO NO SERVIÇO DE INSPEÇÃO ESTADUAL

Leia mais

O papel do médico veterinário na indústria de alimentos. cispoa@seapa.rs.gov.br (51) 3288 6357

O papel do médico veterinário na indústria de alimentos. cispoa@seapa.rs.gov.br (51) 3288 6357 O papel do médico veterinário na indústria de alimentos cispoa@seapa.rs.gov.br (51) 3288 6357 Alegrete Outubro 2013 Diferenças entre indústria e varejo Varejo= supermercados, padarias, restaurantes, etc;

Leia mais

PROCESSAMENTO DA CARNE SUÍNA

PROCESSAMENTO DA CARNE SUÍNA PROCESSAMENTO DA CARNE SUÍNA Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com.) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com.) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

EMPREENDEDORISMO - MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - - DA COZINHA PARA O MERCADO -

EMPREENDEDORISMO - MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - - DA COZINHA PARA O MERCADO - EMPREENDEDORISMO - MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - - DA COZINHA PARA O MERCADO - ALIMENTOS ARTESANAIS O que são alimentos artesanais de origem vegetal? São aqueles produzidos com características tradicionais,

Leia mais

LICITAÇÃO CARTA CONVITE DE Nº 2015/0001 OBJETO DA LICITAÇÃO: AQUISIÇÃO MERENDA ESCOLAR DATA DA LICITAÇÃO: 02/03/2015 HORÁRIO DA LICITAÇÃO: 10:00hs

LICITAÇÃO CARTA CONVITE DE Nº 2015/0001 OBJETO DA LICITAÇÃO: AQUISIÇÃO MERENDA ESCOLAR DATA DA LICITAÇÃO: 02/03/2015 HORÁRIO DA LICITAÇÃO: 10:00hs GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação EEM Jáder de Figueiredo Correia Rua Livino Teixeira, 112 Bairro Centro Telefone: (88) 3617 4051 E-mail: jaderfigueiredo@escola.ce.gov.br LICITAÇÃO CARTA

Leia mais

Aprova o Novo Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal.

Aprova o Novo Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal. DECRETO N.º 30.691, DE 29 DE MARÇO DE 1952 Aprova o Novo Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal. Art.1 - Fica aprovado o novo Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária

Leia mais

NOVA PORTARIA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA Nº 2619/2011-SMS.G QUE REVOGA A PORTARIA Nº 1210

NOVA PORTARIA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA Nº 2619/2011-SMS.G QUE REVOGA A PORTARIA Nº 1210 NOVA PORTARIA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA Nº 2619/2011-SMS.G QUE REVOGA A PORTARIA Nº 1210 Panificador leia com atenção. Essa cartilha possui informações essenciais sobre a portaria, nª 2619/2011 SMS.G

Leia mais

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A promoção da alimentação saudável é uma diretriz da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e uma das prioridades para a segurança alimentar e nutricional

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1 de 5 22/02/2016 15:31 Comprovante de Inscrição e de Situação Cadastral Contribuinte, Confira os dados de Identificação da Pessoa Jurídica e, se houver qualquer divergência, providencie junto à RFB a

Leia mais

O NOME DO PROJETO. SENAR Minas ESPAÇO RESERVADO PARA O NOME DO PALESTRANTE

O NOME DO PROJETO. SENAR Minas ESPAÇO RESERVADO PARA O NOME DO PALESTRANTE Coordenadoria ESPAÇO RESERVADO de Formação PARA Profissional Rural O NOME DO PROJETO SENAR Minas ESPAÇO RESERVADO PARA O NOME DO PALESTRANTE CNA Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil representação

Leia mais

Curso Chef 600h. Traços programáticos. Palestra Laticínios e derivados na cozinha - Santa Clara e Cooperbufalo - 4horas

Curso Chef 600h. Traços programáticos. Palestra Laticínios e derivados na cozinha - Santa Clara e Cooperbufalo - 4horas Curso Chef 600h Traços programáticos Introdução geral 4 horas Introdução à cozinha 4 horas Os equipamentos e sua utilização; a cutelaria e os vários utensílios, as panelas; Características dos equipamentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

O Serviço Veterinário Oficial e sua importância na Saúde Animal

O Serviço Veterinário Oficial e sua importância na Saúde Animal O Serviço Veterinário Oficial e sua importância na Saúde Animal Médica Veterinária Rita Dulac Domingues Tópicos da Apresentação 1. Serviço Veterinário Oficial (SVO) 2. Panorama no RS e no BR do SVO 3.

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 (Do Sr. Alex Canziani) Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de cozinheiro. Congresso Nacional decreta: Art. 1º Considera-se cozinheiro, para efeitos desta

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

PANORAMA SEMANAL DO MERCADO SUÍNO DO DF 06/02/2015

PANORAMA SEMANAL DO MERCADO SUÍNO DO DF 06/02/2015 PANORAMA SEMANAL DO MERCADO SUÍNO DO DF 06/02/2015 Cotação Diária do Suíno Vivo, por Unidade da Federação Data MG SP PR SC RS DF MT Carcaça CEPEA 05/02/2015 R$ 3,68 R$ 3,35 R$ 3,17 R$ 3,23 R$ 3,28 R$ 4,01

Leia mais

DO MUNICÍPIO DE TIBAGI ESTADO DO PARANÁ. Pç. Edmundo Mercer, 34 Fone: (42) 3916-2200 84300-000 - Tibagi PR - www.tibagi.pr.gov.br AVISO DE LICITAÇÃO

DO MUNICÍPIO DE TIBAGI ESTADO DO PARANÁ. Pç. Edmundo Mercer, 34 Fone: (42) 3916-2200 84300-000 - Tibagi PR - www.tibagi.pr.gov.br AVISO DE LICITAÇÃO AVISO DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 008/2010 O MUNICÍPIO, Estado do Paraná, torna público que realizará licitação, na modalidade de Pregão Presencial, para Registro de Preços para aquisição futura

Leia mais

AGRODEFESA - AGÊNCIA GOIANA DE DEFESA AGROPECUÁRIA

AGRODEFESA - AGÊNCIA GOIANA DE DEFESA AGROPECUÁRIA Lei Nº 11.904 DE 09 DE FEVEREIRO DE 1.993. Dispõe sobre a inspeção sanitária e industrial dos produtos de origem animal no Estado de Goiás e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO SMG N Nº 604 DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 (DOM 12-09-02)

RESOLUÇÃO SMG N Nº 604 DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 (DOM 12-09-02) RESOLUÇÃO SMG N Nº 604 DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 (DOM 12-09-02) O RESPONSÁVEL PELO EXPEDIENTE DA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO (Decreto nº 1.630/2002), no uso de suas atribuições legais, e, considerando

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE CAPACITAÇÃO DE MERENDEIRAS DO MUNICÍPIO DE SALGUEIRO-PE, NA MODALIDADE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA

PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE CAPACITAÇÃO DE MERENDEIRAS DO MUNICÍPIO DE SALGUEIRO-PE, NA MODALIDADE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE CAPACITAÇÃO DE MERENDEIRAS DO MUNICÍPIO DE SALGUEIRO-PE, NA MODALIDADE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA EDITAL Nº 05/2013 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 22, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2005.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 22, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2005. Situação: Vigente Instrução Normativa Nº 22, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2005 Publicado no Diário Oficial da União de 25/11/2005, Seção 1, Página 15 Ementa: Aprova o Regulamento Técnico para Rotulagem de Produto

Leia mais

PROCESSAMENTO DE OVOS

PROCESSAMENTO DE OVOS PROCESSAMENTO DE OVOS Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - RIISPOA TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - RIISPOA TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - RIISPOA TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente Regulamento estatui as normas que regulam, em todo o território

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Sua mesa bem servida A Fricar atua na produção de frios, defumados e na comercialização de carne suína, desde 1991 em Timbó, Santa Catarina. Ao longo de sua história, a empresa se

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

C/ cópias para: SIF, UTRA, SIPAG, SFA e CGPE/DIPOA DICS/CGI/DIPOA/aft

C/ cópias para: SIF, UTRA, SIPAG, SFA e CGPE/DIPOA DICS/CGI/DIPOA/aft REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL DIPOA COORDENAÇÃO

Leia mais

ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução

ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL 1. Introdução A cadeia de alimentos de origem animal tem importante representação industrial no Brasil e no Paraná, bem como, tradição e respeito em nível internacional. Devido

Leia mais

OPERAÇÕES E PROCESSOS DA T.A.

OPERAÇÕES E PROCESSOS DA T.A. Temperatura ambiental A temperatura no armazenamento do produto alimentício está condicionada à exposição deste a diferentes graus de calor ou de frio. Modificações indesejáveis à qualidade do produto:

Leia mais

ANEXO I Pag.: 1 Licitação Nº 9/2015-0026. Lote Descrição Qtd Unidade Preço total

ANEXO I Pag.: 1 Licitação Nº 9/2015-0026. Lote Descrição Qtd Unidade Preço total ANEXO I Pag.: 1 Lote Descrição Preço total 0001 000725 ACHOCOLATADO EM PÓ EMB.1KG 500,0000 QUILO 0002 009053 AÇÚCAR CRISTALIZADO COR BRANCA PACOTE COM 1 KG 40,0000 QUILO Acondicionado em sacos plásticos

Leia mais

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo?

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 30.691, DE 29 DE MARÇO DE 1952. Aprova o novo Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal.

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI Sylvia Elisabeth Sanner - Nutricionista PMSP SMS - CRSSul STS Santo Amaro/Cidade Ademar SUVIS Santo Amaro/Cidade Ademar Vigilância Sanitária VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divide-se

Leia mais

item 7.1 revogada(o) por: Resolução RDC nº 267, de 25 de setembro de 2003 revogada(o) por: Resolução RDC nº 266, de 22 de setembro de 2005

item 7.1 revogada(o) por: Resolução RDC nº 267, de 25 de setembro de 2003 revogada(o) por: Resolução RDC nº 266, de 22 de setembro de 2005 título: Portaria nº 379, de 26 de abril de 1999 ementa não oficial: Aprova o Regulamento Técnico referente a Gelados Comestíveis, Preparados, Pós para o Preparo e Bases para Gelados Comestíveis, constante

Leia mais

Aprova o Novo Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal.

Aprova o Novo Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal. DECRETO Nº 30.691, DE 29 DE MARÇO DE 1952 Aprova o Novo Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal. Nota: Este Texto Legal é conhecido como Regulamento da Inspeção Industrial

Leia mais

DECRETO Nº 30.691, DE 29 DE MARÇO DE 1952.

DECRETO Nº 30.691, DE 29 DE MARÇO DE 1952. DECRETO Nº 30.691, DE 29 DE MARÇO DE 1952. Aprova o novo Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal. O Presidente da República usando da atribuição que lhe confere o Art.

Leia mais

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA SOUZA, Weysser Felipe Cândido de 1 MAGALHÃES, Jeysiane Alves 2 SILVA, José Elenilson Ferreira 2 FILHO, Pedro Brito

Leia mais

Alimentix 2. O teu jogo dos Alimentos. Jogar. Como Jogar?

Alimentix 2. O teu jogo dos Alimentos. Jogar. Como Jogar? Alimentix 2 O teu jogo dos Alimentos Jogar Como Jogar? Olá amigo! O Alimentix 2 é um jogo extraordinário onde vais poder explorar o fantástico mundo dos alimentos. Estás pronto? 1. O Alimentix 2 é composto

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 16:56 horas do dia 14 de junho de 2011, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Concórdia, designado pela portaria Decreto nº 3/2011 após analise da documentação do Pregão

Leia mais