Combustíveis mais baratos em final de férias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Combustíveis mais baratos em final de férias"

Transcrição

1 EDIÇÃO PDF Segunda-feira, Edição às 08h30 Directora Graça Franco Editor Raul Santos Combustíveis mais baratos em final de férias Migrante ou refugiado? A opinião da ONU, porque as palavras importam Pelo menos 37 mortos em novo naufrágio ao largo da Líbia Sapatos portugueses são os segundos mais caros do mundo IRS. Fim do prazo Aumento de para entregar mortes na estrada declaração e para o não é surpresa reembolso das Finanças Avós e mulheres são salvação para famílias sem margem nos orçamentos Áustria aperta fiscalização na fronteira para apanhar traficantes de seres humanos CDS coloca liberdade religiosa na sua agenda SINISTRALIDADE RODOVIÁRIA Papa. Morte de 71 refugiados na Aústria ofende toda a família humana

2 Segunda-feira, Combustíveis mais baratos em final de férias Fontes do sector sugerem que o preço da gasolina poderá baixar cinco cêntimos por litro. É sétima descida consecutiva este ano. IRS. Fim do prazo para entregar declaração e para o reembolso das Finanças Profissionais de alguns sectores foram contactados pelo fisco para corrigir as declarações. Em causa estão, por exemplo, cabeleireiros, electricistas, mecânicos e pintores, que terão interpretado mal a lei do regime simplificado. Gasóleo está a cair desde Maio. Foto: Nuno Veiga/Lusa Abastecer o carro deverá ficar mais barato esta semana. Está prevista uma baixa acentuada no preço dos combustíveis. Segundo fontes do sector, a queda no preço da gasolina deverá chegar aos cinco cêntimos por litro, enquanto no gasóleo deverá rondar os três cêntimos. A justificar a descida do preço está a desvalorização do crude, devido ao excesso de oferta. O preço das cotações da gasolina e do gasóleo baixou, assim, nos mercados internacionais. Em Portugal, o preço de referência do litro de gasolina é de 1,45 euros; o gasóleo vale 1,18 euros por litro, em média. De acordo com dados da Direcção-Geral de Energia e Geologia, é a sétima descida consecutiva na gasolina. O preço do gasóleo cai desde Maio. Foto: DR Termina esta segunda-feira o prazo para os contribuintes individuais liquidarem o imposto sobre o rendimento de pessoas singulares (IRS). É também o último dia para as Finanças procederem ao pagamento dos reembolsos, como estipula o Código Tributário. No início do mês, o Ministério das Finanças veio esclarecer que profissionais como cabeleireiros, electricistas, mecânicos e pintores não tinham qualquer alívio fiscal em Segundo as Finanças, estes profissionais interpretaram mal a lei, que as Finanças sublinham que não mudou, e pagaram menos imposto do que deviam. Foram, por isso, contactados para corrigir as suas declarações. Em causa está o regime simplificado e o coeficiente a aplicar. Em 2014, o código de IRS previa que médicos, juristas economistas, arquitectos e professores pagassem IRS sobre 0,75 do que facturassem. Às situações de excepção, como subsídios, serviços prestados com contribuições para regimes de protecção social, é aplicado um coeficiente de 0,10. Sem referência específica estão profissões como cabeleireiros, mecânicos, pintores ou electricistas, que consideraram estar nos 0,10, mas o fisco teve outro entendimento. A partir deste ano, estes profissionais têm um novo coeficiente (de 0,35), sublinhou então o Ministério das Finanças. Até sexta-feira à tarde, tinham sido submetidas mais de declarações de IRS na primeira fase e quase duas mil na segunda o que dá um total de pouco mais de

3 Segunda-feira, No ano passado, tinham sido submetidas declarações no total. Pelo menos 37 mortos em novo naufrágio ao largo da Líbia Na última sexta-feira, um duplo naufrágio matou mais de 200 refugiados no Mediterrâneo. Para dia 14 está agendada, em Bruxelas, uma reunião dos ministros do Interior da União Europeia para discutir a crise dos refugiados. Por Pedro Mesquita Em três dias, o Mediterrâneo assiste a dois naufrágios com embarcações cheias de refugiados e migrantes. Na madrugada desta segunda-feira, pelo menos 37 pessoas perderam a vida junto à costa da Líbia. As informações disponíveis indicam que a Cruz vermelha de Tripoli está a tentar resgatar corpos, mas a falta de meios está a dificultar as operações. Desconhece-se ainda quantas pessoas estavam a bordo da embarcação que naufragou. A Líbia é hoje país marcado por uma acentuada instabilidade política e, por isso, um verdadeiro corredor de fuga para milhares de pessoas, apanhadas pelas redes do tráfico de seres humanos. Na última sexta-feira, num duplo naufrágio, terão morrido mais de 200 refugiados. Mas a tentativa de entrar na União Europeia com vista a uma vida melhor e mais segura também se faz por terra. Na semana passada, foram encontrados dois camiões com refugiados lá dentro. No primeiro caso, não havia sobreviventes no interior do veículo, encontrado abandonado no leste da Áustria, junto à fronteira com a Hungria. Morreram 71 pessoas, incluindo crianças. Na sexta-feira, a polícia austríaca encontrou mais um camião, desta vez com 26 pessoas a bordo, oriundas da Síria, do Afeganistão e do Bangladesh. Três eram crianças em condição crítica e que receberam assistência médica. Neste quadro de tragédias consecutivas, o Papa renova os apelos à cooperação internacional. É urgente, diz Francisco, impedir estes crimes que "ofendem toda a família humana". No plano político, está já agendada para 14 de Setembro, em Bruxelas, uma reunião dos ministros do Interior da União Europeia para discutir a crise dos refugiados. No encontro, vão discutir-se novas iniciativas de reforço da resposta europeia. Migrante ou refugiado? A opinião da ONU, porque as palavras importam É cada vez mais comum ver a utilização dos termos "refugiados" e "migrante" usados alternadamente na comunicação social e nos discursos públicos, mas há uma diferença, alerta o ACNUR. Foto: Carrasco Ragel/EPA O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) alerta para o uso indiscriminado da utilização dos termos "refugiado" e "migrante", sublinhando que confundi-los pode trazer "problemas" para ambas as populações. "Sim, há uma diferença e isso importa. Os dois termos têm significados diferentes e distintos e confundi-los leva a problemas para ambas as populações", refere um texto divulgado esta sexta-feira no site daquela agência da ONU, assinado por Adrian Edwards. Segundo o ACNUR, é cada vez mais comum ver a utilização dos termos "refugiados" e "migrante" usados alternadamente na comunicação social e nos discursos públicos, mas há uma diferença entre os dois. Uma diferença importante quando existem 60 milhões de pessoas deslocadas à força. Refugiados são pessoas que fogem de perseguições ou de conflitos armados. "A sua situação é tão perigosa e intolerável que atravessam com frequência as fronteiras nacionais à procura de segurança em países vizinhos e ficaram internacionalmente reconhecidos como 'refugiados' com acesso a assistência dos Estados", explica Adrian Edwards. São reconhecidos como refugiados exactamente porque é extremamente perigoso regressarem a casa e precisam de a procurar em outro lugar. "Para aquelas pessoas a negação de asilo tem consequência potencialmente mortais", sublinha. O estatuto de refugiado está definido e protegido pela lei internacional através da Convenção dos Refugiados de 1951 e do seu Protocolo de A protecção aos refugiados abrange diversos aspectos e inclui a segurança de que não são devolvidos aos

4 Segunda-feira, países de onde fugiram, acesso a procedimentos para requer asilo, medidas para garantir que os seus direitos fundamentais são respeitados e que lhes permitam viver com dignidade e segurança até encontrarem uma solução definitiva. Segundo o ACNUR, os migrantes decidem sair dos seus países por razões económicas, para arranjarem emprego, estudar ou até juntar-se à família. Para os governos, segundo Adrian Edwards, a "distinção é importante". "Os países lidam com os migrantes de acordo com a sua lei interna e lidam os refugiados segundo a legislação nacional e internacional", salienta. "Confundir refugiados e migrantes pode ter consequências graves para vida e segurança dos refugiados. Esbater os dois termos desvia a atenção das protecções legais que os refugiados necessitam", refere Adrian Edwards. Um alerta Adrian Edwards alerta também que a confusão dos termos "mina o apoio público a favor dos refugiados" num momento em que aqueles precisam de mais protecção do que nunca, sublinhando ser igualmente necessário respeitar os direitos humanos dos migrantes. No texto, também é explicado que as pessoas que chegam de barco à Grécia e a Itália são tanto refugiados como migrantes. "A maioria das pessoas que está a chegar este ano a Itália e à Grécia são provenientes de países em guerra ( ) para quem é necessária protecção internacional. No entanto, uma pequena parte é de outro lugar e para muitas daquelas pessoas o termo migrante será o correcto", explica. Por isso, acrescenta, no ACNUR estamos a utilizar "refugiados e migrantes" para referenciar as pessoas que têm chegado nos barcos, porque a "escolha das palavras importa". Áustria aperta fiscalização na fronteira para apanhar traficantes de seres humanos Fiscalização apertada está a causar filas de vários quilómetros na auto-estrada e nas vias que ligam a Hungria à Áustria. Camião tinha 71 corpos no interior. Foto: Roland Schlager/Epa As autoridades austríacas intensificaram esta segundafeira os controlos nas fronteiras, nomeadamente, com a Hungria. Vamos proceder a operações de controlo durante um determinado tempo em todas as fronteiras importantes da região leste, em busca de veículos que possam esconder traficantes de seres humanos, anunciou o ministro do Interior, Johanna Mikl-Leitner, à rádio ORF. A medida segue-se ao episódio da descoberta de um camião com 71 cadáveres de refugiados a bordo, numa auto-estrada que liga a Áustria e a Hungria. Foram detidos quatro suspeitos e, no sábado, a polícia húngara anunciou a detenção de um quinto indivíduo que terá ligações ao caso. Por causa dos controlos, a auto-estrada M1 está com filas de 20 quilómetros e os problemas no trânsito estendem-se a outras vias secundárias. Nos últimos três dias, a polícia registou refugiados a atravessar a fronteira da Hungria, a maior parte oriunda da Sérvia. Além da Hungria, a Áustria faz fronteira com a Eslováquia, a Eslovénia e a República Checa.

5 Segunda-feira, Papa. Morte de 71 refugiados na Aústria ofende toda a família humana Durante a oração deste domingo na Praça de São Pedro, no Vaticano, fez-se um minuto de silêncio por todos os migrantes que perderam a vida. Greve na Grounforce ronda 90% As contas são do sindicato. Protesto nos aeroportos portugueses durou sábado e domingo. Foto: Lusa O Papa recordou este domingo no Vaticano as 71 pessoas, alegadamente refugiados sírios, que morreram asfixiadas num camião que foi encontrado esta quinta-feira numa autoestrada da Áustria, quando tentavam entrar no país. Confiamos cada uma delas à misericórdia de Deus e pedimos-lhe que nos ajude a cooperar com eficácia para impedir estes crimes, que ofendem toda a família humana, disse Francisco na recitação da oração do Ângelus. O Papa o cardeal Christoph Schönborn, arcebispo de Viena, presente no Vaticano, e uniu-se a toda a Igreja Católica na Áustria na oração pelas 71 vítimas, entre elas quatro crianças, encontradas num camião na autoestrada Budapeste-Viena. O Papa recordou ainda todos os que, nos últimos dias perderam a vida nas suas terríveis viagens. Rezo e convido a rezar por estes irmãos e irmãs, assinalou, antes de pedir um momento de oração em silêncio, por todos os migrantes que sofrem e pelos que perderam a vida. Fim da perseguição a cristãos O Papa voltou ainda a falar das perseguições contra cristãos que ocorrem em várias partes do mundo, exigindo o fim da violência e o respeito pela liberdade religiosa de todos. Há mais mártires [hoje] do que nos primeiros séculos [do Cristianismo], alertou Francisco qye desafiou a comunidade internacional a fazer alguma coisa para que se ponha fim à violência e aos abusos. Os episódios de violência ou discriminação contra as comunidades cristãs têm-se verificado em particular na Síria, Iraque, Paquistão, Nigéria ou China, com destaque para a acção de grupos fundamentalistas como o autoproclamado Estado Islâmico ou o Boko Haram. A adesão à greve dos trabalhadores da Groundforce "foi bastante acima do esperado" e, às 20h00 de domingo, rondava os 90% no aeroporto de Lisboa, disse à Lusa fonte do sindicato. "Durante a tarde, no terminal [aeroporto de Lisboa], apenas entrou um trabalhador efectivo dos que estavam previstos, na área de placa (a adesão) manteve-se nos 90% e na área de passageiros subiu também para os 80%", afirmou à Lusa Fernando Henriques, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA). "No terminal, temos a esta hora cerca de bagagens que não acompanharam o passageiro e o voo respectivo, o que demorará cerca de uma semana, em condições normais, a escoar", acrescentou. Na área de placa, "os atrasos já são de horas, há voos com mais de três horas de atraso", disse, sublinhando que os "efeitos da greve, em termos de bagagem e carga, vão ser sentidos ao longo dos próximos dias". Contactado pela agência Lusa, o porta-voz da Groundforce afirmou que "a operação decorreu normalmente, para o mês de Agosto, sem atrasos, nem cancelamentos de voos". Para Fernando Henriques, o menor impacto da greve nas operações aeroportuárias, com menos cancelamentos e atrasos muito menores "do que aquilo que seria normal com uma adesão destas", explica-se pelo recurso da empresa aos cerca de 800 trabalhadores precários do sector, que foram chamados em período de folga a trabalhar, e às chefias. "Cerca de um terço dos trabalhadores precários, de folga, veio trabalhar este fim de semana (...) e à tarde, administradores, directores de operações, directores de recursos humanos andaram hoje a carregar aviões, a tirar bagagens do tapete, a levar bagagens para aviões, supervisores da área de passageiros que estiveram a fazer `check-in`, alguns sectores da TAP que estiveram a fazer o nosso serviço", disse. As três empresas - TAP, ANA e Groundforce - conseguiram os seus objectivos, que era evitar os

6 Segunda-feira, cancelamentos, mas "a mensagem dos trabalhadores foi inequívoca", acrescentou. Os trabalhadores da SPdH - Serviços Portugueses de Handling (Groundforce Portugal) contestam a "postura de desrespeito" da empresa de assistência em terra e reivindicam a revisão dos horários de trabalho e dos salários e o fim da precariedade laboral. Fernando Henriques afirmou que o SITAVA vai apresentar queixa-crime pela violação da lei da greve. "Não é a primeira vez que o fazemos. Todos os fundamentos da primeira queixa (a 15 de agosto de 2013 e cujo o processo ainda a decorrer) estão presentes nesta", disse. A utilização de trabalhadores que não estavam ao serviço da empresa à data da apresentação do préaviso de greve, o facto de terem trabalhadores, como as chefias, que estão a fazer trabalho para o qual não estão qualificados, a substituição de grevistas por outra empresa, no caso a empresa concorrente, a Portway, a violação do direito dos sindicatos de designação dos serviços mínimos, referiu. O sindicato vai também apresentar uma participação à Autoridade Nacional da Aviação Civil relativa à violação da segurança aeroportuária, com a entrada de trabalhadores numa área restrita sem estarem autorizados. "Há uma panóplia de irregularidades e ilegalidades que o sindicato compilou ao longo deste fim-de-semana" em que decorreu a greve, iniciada às 00h00 de sábado e que termina hoje. A empresa de assistência em terra, nos aeroportos de Lisboa, Porto, Funchal e Porto Santo é detida em 49,9% pela TAP e em 50,1% pela Urbanos. Os trabalhadores da Groundforce estiveram em greve no dia 31 de Julho. Sapatos portugueses são os segundos mais caros do mundo Depois dos italianos, são os portugueses que fazem o calçado mais caro do mundo. Mas a associação sectorial antecipa que devido ao sucesso das recentes inovações em sintéticos e plásticos, o preço médio seja "reajustado em baixa". O calçado português manteve-se em 2014 o segundo mais caro do mundo depois do italiano, mas a associação sectorial antecipa que, devido ao sucesso das recentes inovações em sintéticos e plásticos, o preço médio seja "reajustado em baixa". "O preço médio do calçado português nos mercados internacionais tem vindo a aumentar significativamente, fruto nomeadamente da aposta das empresas na migração da produção de calçado para segmentos de maior valor acrescentado. Espera-se, no entanto, que nos próximos anos o preço médio do calçado português possa ser reajustado em baixa, à medida que forem sendo introduzidos novos produtos, nomeadamente a exportação de calçado em outros materiais (por exemplo sintéticos e em plástico) ", disse à agência Lusa fonte da Associação dos Industriais do Calçado, Componentes, Artigos de Pele e Seus Sucedâneos (APICCAPS). Segundo a associação, este é o caminho apontado no último plano estratégico do sector, o FOOTure 2020, já que "permitirá a Portugal diversificar a sua gama de produtos, de modo a aprofundar a estratégia de penetração em novos mercados". Mais de 28 euros por par Por enquanto, contudo, os 31,88 dólares (cerca de 28,24 euros) a que em 2014 foi comercializado cada par de calçado produzido e exportado por Portugal, segundo dados do World Footwear Yearbook 2015, destacam-se como o segundo maior preço médio de exportação a nível internacional, apenas superado pelo calçado italiano. Conforme explica a APICCAPS, a "forte especialização" de Portugal na produção e exportação de calçado em couro - mais de 80% - foi "determinante

7 Segunda-feira, para este resultado". "Apenas Itália revela um desempenho melhor do que o português", com um preço médio na ordem dos 50 dólares (cerca de 44,28 euros), refere a associação, mantendo-se Espanha, o outro "grande concorrente" internacional de Portugal, a uma "grande distância" ao exportar o seu calçado a 22,03 dólares (cerca de 19,51 euros) o par. Já a China, que assegura 65% da produção mundial de calçado, fica-se por um preço médio do par de calçado exportado de 4,44 dólares (cerca de 3,93 euros), oito vezes mais baixo do que o calçado português. Segundo dados da APICCAPS, Portugal exportou, em 2014, cerca de 95% da sua produção para mais de 150 países dos cinco continentes, num valor próximo dos milhões de euros, a maior cifra de sempre de exportação. Desde 2009, as vendas do sector ao exterior cresceram mais de 50%, passando de milhões de euros para milhões de euros em cinco anos. 39 milhões caminham para fora de Portugal até ao fim de Junho No mesmo período, destaca a associação, o calçado afirmou-se como "o produto que mais positivamente contribui para a balança comercial portuguesa", com um saldo positivo na ordem dos milhões de euros. As últimas estatísticas disponíveis apontam para exportações de 39 milhões de pares de calçado português, no valor de 887 milhões de euros, no primeiro semestre de 2015, o que representa um aumento homólogo de 0,44% e o sexto ano consecutivo de crescimento do sector. Até Junho, o "modesto desempenho económico" dos vários mercados europeus travou a afirmação do calçado português naqueles países, pelo que foram as exportações extracomunitárias o "grande motor de crescimento" do sector, evoluindo cerca de 6% e contrabalançando o recuo intracomunitário. Fora da Europa, o destaque vai para os bons desempenhos do sector na Austrália (crescimento de 7%), Canadá (mais 10%), China (aumento de 81%), Colômbia (mais 196%), EUA (crescimento de 43%) e Japão (mais 17%). Presidenciais. Outros candidatos de direita vão ter mesmas dificuldades de Santana Lopes Marcelo Rebelo de Sousa continua sem divulgar se vai concorrer a Belém em Janeiro de Marcelo continua a falar dos outros, num assunto em que continua a ser parte. Foto: Lusa O ex-líder do PSD Marcelo Rebelo de Sousa defende que os potenciais candidatos do centro-direita às presidenciais "terão exactamente as mesmas dificuldades" que Santana Lopes para decidir se avançam ou não na corrida para Belém. No habitual comentário semanal na TVI, Marcelo Rebelo de Sousa apontou "três razões" fundamentais para a decisão do ex-primeiro-ministro Pedro Santana Lopes de não entrar na corrida a Belém, anunciada no início da semana numa declaração enviada à agência Lusa. Considerando que Santana Lopes foi "muito persuasivo" nas suas explicações, Marcelo apontou o cargo desempenhado pelo ex-chefe do Governo como provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa como primeira razão para a `desistência` da corrida presidencial. Para o comentador, Santana Lopes ocupa "uma das funções mais importantes da administração pública portuguesa" e "tem projectos para o futuro", como o hospital da Estrela, além de que "é muito sedutor estar naquele lugar". Em segundo lugar, prosseguiu, Santana Lopes "tem família" e, nesta fase, "é muito importante estar disponível para a família". Além do mais, Santana "tem ainda futuro político daqui a cinco ou dez anos", podendo encarar mais tarde uma candidatura à Presidência da República. Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda que Santana Lopes discorda do "papel constitucional" atribuído ao Presidente da República e defende uma mexida na lei fundamental para o alterar, o que considerou ser difícil face aos resultados expectáveis das próximas legislativas.

8 Segunda-feira, Em síntese, para Marcelo Rebelo de Sousa, o ex-chefe do Governo "teve de fazer uma escolha difícil", como têm de fazer Rui Rio, Sampaio da Nóvoa, Maria de Belém ou mesmo Henrique Neto. Marcelo continua sem desvendar se é candidato presidencial. CDS coloca liberdade religiosa na sua agenda Escola de Quadros do CDS reúne-se em Ofir, de 3 a 6 de Setembro. Foto: Lusa Por Eunice Lourenço O PSD já fez a sua Universidade de Verão, o PS encerrou o seu Summer Camp e o Bloco de Esquerda fechou o seu Fórum Socialismo. Falta a comunista Festa do Avante e a Escola de Quadros do CDS para ficar completo o quadro das rentrées políticas. E este ano, CDS e PCP vão quase coincidir. A tradicional Festa do Avante está marcada para os dias 4 a 6 de Setembro. Na véspera começa a Escola de Quadros do CDS, que vai discutir programa eleitorais, dívida pública, mas também perseguição aos cristãos e liberdade religiosa. No primeiro dia (3 de Setembro), a Europa dá o mote ao debate com o eurodeputado Nuno Melo e o ministro e parceiro de coligação Jorge Moreira da Silva. Na sexta-feira, 4, o dia começa com uma sessão sobre cristãos perseguidos e a importância da liberdade religiosa, em que participa Catarina Martins, da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre. Segue-se um painel sobre economia com convidados de várias empresas e o almoço será presidido por Assunção Cristas, ministra da Agricultura e dirigente do partido, que vai fazer um balanço do que foi feito do manifesto eleitoral de À tarde, o actor Nicolau Breyner vai ensinar a saber falar de política em público. O jantar juntará o ministro da Economia, António Pires de Lima, e o fiscalista e comentador António Lobo Xavier. No sábado, a manhã será dedicada a avaliar o programa eleitoral do PS com o ministro Pedro Mota Soares e à tarde o economista João Duque vai ensinar aos jovens do CDS: Tudo o que sempre quiseram saber sobre a dívida pública (e não tinham a quem perguntar). À noite, há jantar-debate sobre conservadorismo com o comentador João Pereira Coutinho. No domingo, é tempo de os jovens receberem os diplomas e ouvirem o dicursos de Paulo Portas, de início da temporada política, como se lê no próprio programa. Este ano, a Escola vai decorrer em Ofir, praia que deu nome a um grupo que, nos anos 80 do século passado, reuniu nomes do CDS (mas não só) para debater o país e traçar o programa para uma nova década. Os tempos eram parecidos com a actualidade: governava o Bloco Central, tinha havido uma intervenção do FMI e os tempos eram de vacas magras. Entre Junho de 1984 e Junho de 1985, um grupo liderado por Francisco Lucas Pires, mas que incluia nomes como Bagão Félix, António Borges, Rui Moura Ramos, Fernando Adão da Fonseca e Paulo Portas, reuniu-se em Ofir e produziu um documento intitulado Objectivo 92. No Caminho da Sociedade Aberta, em que defendia caminhos como a redução do défice através de cortes na despesa, a simplificação fiscal e o fim da universalidade dos apoios sociais. Trinta anos depois, o CDS junta a sua Escola de Quadros em Ofir, à beira de eleições. As "novas oportunidades" de Passos A coligação não resiste a usar Sócrates na campanha e deixou isso claro na Universidade de Verão. Resta saber se António Costa vai romper de vez com o passado. Por Eunice Lourenço O discurso de Pedro Passos Coelho no encerramento da Universidade de Verão da JSD não pode ser desligado do que disse na véspera o eurodeputado Paulo Rangel no mesmo local. Parecem até ter sido coordenados. No sábado, Rangel referiu-se em concreto aos processos de José Sócrates e de Ricardo Salgado, questionando se teriam sido investigados e detidos se o PS estivesse no Governo. Domingo, o líder do PSD optou por não referir nomes, mas é claro que, quando falou de empresas favorecidas por serem geridas por amigos ou colegas de liceu, de bancos que dão crédito aos amigos e de bancos que não podem servir para pôr os amigos, que Pedro Passos Coelho queria que os eleitores se lembrassem de José Sócrates, Ricardo Salgado e Armando Vara. A coligação de governo percebeu que, ao contrário do que parecia há uns meses, tem uma nesga de hipótese de não perder as eleições de 4 de Outubro. Sabe que, para isso, tem de conquistar eleitorado do centro, gente que sofreu nestes quatro anos com desemprego, cortes salariais e um enorme aumento de impostos, eleitores que tanto votam PS como PSD. Foi para esses que Passos falou em Castelo de Vide, é

9 Segunda-feira, para esses que a coligação vira as esperanças, com um discurso de apoio social, combate à pobreza e de novas oportunidades para quem já perdeu o comboio do emprego. Mas PSD e CDS sabem que esse discurso não chega para levar muitos dos seus próprios eleitores a sair de casa no dia 4 de Outubro. Há muita gente que ainda não confia neste PS, mas não é capaz de votar mais à esquerda, e que, outro lado, está tão zangada com o actual governo que prefere não votar. O caminho para os levar ao voto é o medo, o medo de voltar ao passado recente. E esse passado recente tem um nome e um número: José Sócrates, o preso 44 do Estabelecimento Prisional de Évora. Não havia dúvidas que o ex-primeiro-ministro iria estar presente nesta campanha, mas o PSD deixou isso bem claro neste fim-de-semana. A questão, agora, é saber como António Costa vai lidar com este assunto nos próximos tempos: se vai ignorar, como fez no sábado no Yes Summer Camp, na Praia de Santa Cruz, ou se vai responder frontalmente. O secretário-geral socialista tem optado por tentar separar a justiça da política, reduzindo o caso Sócrates a um processo judicial que tem de serguir o seu curso. Mas as intervenções do PSD e, sobretudo, as cartas enviadas da prisão por José Sócrates, a clamar que é um preso político e que o seu processo pretende prejudicar o PS, obrigam Costa a, mais cedo ou mais tarde, fazer um corte e romper de vez com o ex-líder do PS, dizendo claramente que a investigação a José Sócrates é um processo judicial que só a ele diz respeito. SINISTRALIDADE RODOVIÁRIA Aumento de mortes na estrada não é surpresa De 1 de Janeiro a 15 de Agosto, registaram-se 74 mil acidentes, mais que no mesmo período de O número de mortes aumentou 11,5%. Quatro especialistas discutiram o tema no programa "Conversas Cruzadas". Por José Bastos A tendência de diminuição de mortos na estrada da última década está a ser contrariada pelos últimos dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, ANSR. São números em contraciclo: desde 2005 apenas em 2007 e 2010 o número aumentou 0,5%, tendo diminuído em todos os outros anos. De 1 de Janeiro a 15 de agosto registaram-se 74 mil acidentes, mais 4400 que no mesmo período de 2014 e as mortes aumentaram 11,5%. Os especialistas coincidem em que é ainda cedo para uma análise aprofundada dos números, mas não mostram estranheza. Não é uma surpresa esta inversão da tendência de descida de mortes. Porquê? Nós já tínhamos avisado, desde 2012, várias vezes, que o único item que, felizmente, ainda tinha continuado a baixar era o número de mortes, afirma José Miguel Trigoso, presidente da Prevenção Rodoviária Portuguesa (PRP). O número de feridos e o número de acidentes já não estava em queda. Se comparado com o volume de tráfego em circulação a descida do número de mortos tem vindo, já há anos, a ser reduzida entrando num patamar que prenunciava a inversão da tendência, defende o responsável da PRP, nesta emissão especial de Conversas Cruzadas. Manuel João Ramos, da ONG Associação de Cidadãos Auto Mobilizados, ACA-M, também não mostra espanto. Não há qualquer surpresa. Já em 2010, a ACA-M tinha chamado a atenção para o facto de a crise vir a resultar em elementos de alteração da tendência, sustenta o antropólogo. De facto, a crise levou a uma redução das velocidades, da circulação, mas, como continuamos a não ter uma política efectiva de segurança rodoviária são mais estratégias no papel que outra coisa qualquer aliviar da crise, mesmo em perspectiva psicológica, ia levar a um aumento dos comportamentos de risco nas estradas, prossegue Manuel João Ramos. Manuel João Ramos: Espaço urbano é agressor de peões Os dados actuais estão, ainda assim, longe dos números catastróficos do passado. No final dos anos 80 chegou a haver mais de 2500 mortos por ano nas estradas, média de 7 por dia. Este número teve o seu valor mais baixo em 2014: 482 mortos. Manuel João Ramos alerta para enviesamentos que podem constituir leituras parciais e incompletas das cifras. O balanço é positivo no sentido em que há menos mortos, mas muito do abrandar da sinistralidade em Portugal deveu-se à redução da sinistralidade interurbana. Enchemos o território de auto-estradas e Scuts que são muito mais seguras, diz. Mas um dos impactos é que, por exemplo, temos um espaço urbano agressor dos peões. Neste momento, não há dinheiro no país para fazer a requalificação do espaço urbano no sentido de uma melhoria do uso de outros transportes que não apenas o automóvel, defende Manuel João Ramos. José Manuel Trigoso regressa aos números de O que aparece claramente como agravamento da sinistralidade na análise detalhada dos números dos três primeiros meses são mortes dentro de localidades a decorrer do uso de bicicletas, veículos de duas rodas a motor, afirma. Há um problema na relação do homem e o universo

10 Segunda-feira, motorizado no espaço urbano, mas, atenção, não são só os peões. É impressionante o número de pessoas que morrem em resultado de despistes ou colisões violentas dentro de localidades, refere José Miguel Trigoso. Causas? Há duas explicações. No interior das localidades o projecto de organização do trânsito não é o adequado à convivência pacífica de todo o tipo de utentes. Isso conduz à outra explicação: a prática de velocidades exageradas dentro das localidades, indica o presidente da PRP. Não sou um fundamentalista face à velocidade, nunca fui, mas alerto para as localidades. Há a necessidade de se ser rigoroso em todas as vias em que possam circular peões ou em que haja cruzamentos a noventa graus. Aí a velocidade não pode nunca ser superior a 50 Km/h. Um pequeno excesso para os 60 ou 70km/h é gravíssimo, alerta José Miguel Trigoso. Porque é que as pessoas não dão conta disto? Porque não são ensinadas. Nos exames de condução não são inquiridas sobre a relação entre as distâncias de visibilidade e a velocidade que deve ser praticada face a coeficientes de atrito e outras variáveis. Não são questionadas no exame. Como não o são, as escolas de condução acabam por não ensinar nada. As pessoas querem aprender para passar no exame não para aprender a conduzir, prossegue. Há aqui um novelo que nunca é desembaraçado porque o exame de condução é uma porcaria. Este é um problema grave, denuncia José Miguel Trigoso. José Miguel Trigoso: medidas de acalmia do tráfego devem ser obrigatórias Manuel João Ramos, da Associação de Cidadãos Auto Mobilizados concorda com as críticas do responsável da Prevenção Rodoviária Portuguesa. É absolutamente fundamental melhorar não só a formação prática como a formação cívica. Na verdade o ensino da condução não envolve de todo a educação cívica, anota. É então essencial uma revolução na forma como se ensina a condução? O antropólogo não tem dúvidas. Sim, porque Portugal está a anos luz, 20, 30 anos atrás do que é o ensino da condução na maior parte dos países europeus, diz. A componente do ensino da condução defensiva, condução mais técnica, por um lado, e por outro a consciência de que o espaço do trânsito é um espaço de cidadania estão completamente ausentes do ensino da condução, alerta. O ensino da condução é um factor absolutamente fulcral para perceber porque não temos grandes melhorias no convívio em espaço urbano. Mas acrescento: a formação dos técnicos autárquicos e a formação dos políticos autárquicos é fundamental para alterar profundamente o espaço público rodoviário urbano, diz Manuel João Ramos Se não é introduzido o conceito de acalmia do tráfego não vamos lá. Os condutores não reagem, em primeiro lugar, ao Código da Estrada. Reagem às condições do ambiente rodoviário. Se o ambiente rodoviário impulsiona a velocidade, seja porque os semáforos estão verdes demasiado tempo ou as faixas são demasiado largas, o automobilista tende a acelerar, alerta. Se são introduzidas medidas de acalmia de tráfego que reduzem a tendência para acelerar teremos então uma melhor convivência de todos os elementos do espaço público, sugere Manuel João Ramos. Com carácter obrigatório e não apenas como aconselhamento de boas práticas. Ou não vamos lá, complementa José Miguel Trigoso. Gonçalo Gomes: Os automóveis estão muito mais seguros E como se olha a partir de uma grelha de análise a ter como epicentro o próprio universo automóvel? Responde o piloto e consultor Gonçalo Gomes. O número de acidentes aumentou, mas o número de mortos diminui. Queria referir um ponto importante ao qual estou intimamente ligado. Faço testes de desenvolvimento para algumas marcas importantes, directamente para os construtores, diz Gonçalo Gomes, cinco vezes campeão nacional em diferentes categorias do desporto automóvel. Quando se fala de maior número de acidentes, mas de menos vítimas, é também porque os carros estão muito mais seguros. O risco mortal diminui bastante. Não quer dizer que se esteja a conduzir melhor ou que os portugueses guiem muito bem. Há uma desadequação entre o ensino da condução e a realidade. Falta formação, denuncia Gonçalo Gomes. Dou um exemplo: desde 2010 conheço bem a realidade da Lapónia, passo um mês por ano no Ártico, e reparo que os finlandeses conduzem em estradas completamente geladas e com muito cuidado e experiência, prossegue. Dou outro exemplo: temos, por norma, mais acidentes quando chove. Porquê? Não temos a noção da necessária alteração da condução com piso molhado. Eu posso circular na auto-estrada a 120 km/h e, de repente, começa a chover torrencialmente. Tenho a tendência natural de abrandar até pela experiência prática que tenho da competição do nível limite de aderência dos carros ao piso, afirma Gonçalo Gomes. Mas, apesar de achar que 120 km/h é um limite desactualizado, posso rodar a essa velocidade numa auto-estrada e, face a uma tromba de água, e, de imediato, reduzir para 70 Km/h, o limiar de aderência do meu carro, prossegue. De repente, alguém que ultrapassei há instantes passa por mim aos mesmos 120 Km/h, porque, na percepção do condutor, está dentro do limite de velocidade. Não tem a noção de que, a qualquer momento, pode perder a aderência e provocar um acidente. Esse processo de tomada de consciência não está bem definido no condutor português, sustenta o piloto e apresentador televisivo. Na Finlândia quando se tira a carta fazem-se cursos de condução defensiva. Os futuros condutores são colocados à prova, exactamente nos limites dos carros. Tudo isto deve ser pensado e deve ser alterado, recomenda Gonçalo Gomes. Major Paulo Gomes: O cenário ideal passa pela alteração de comportamentos Por último, mas não menos importante, todo o contrário, a análise do porta-voz da divisão de trânsito e segurança rodoviária do Comando Geral da GNR. O Major Paulo Gomes propõe uma grelha de reflexão a explicar o conjunto a partir da soma integrada das partes. Nos últimos anos a redução dos acidentes em Portugal foi provocada não por um único factor, mas

11 Segunda-feira, por um amplo conjunto de factores, defende o militar. A sinistralidade é um fenómeno que deve ser encarado numa perspectiva holística, ou seja, na importância da compreensão integral dos fenómenos e não na análise isolada dos seus elementos. Encarada em várias perspectivas em que as distintas instituições actuam concertadamente para a diminuição do fenómeno e passar a ter menos vítimas nas estradas, afirma o Major Paulo Gomes. Nos últimos anos temos, de facto, a melhoria dos veículos como o piloto Gonçalo Gomes referiu, mas também, como assinalou o prof. Manuel João Ramos, melhores vias rodoviárias. E também alterações legislativas que determinam sanções mais pesadas para certos comportamentos de risco, indica. Todos estes factores contribuíram para a diminuição da sinistralidade, mas as melhorias significativas só se conseguem com alteração de comportamentos, alerta o Major Paulo Gomes. Só atingiremos o cenário ideal quando os condutores portugueses expressarem ao volante um grau bastante elevado de cidadania e de respeito pelo próximo. O caminho é por aí: o da alteração de comportamento dos condutores, conclui. Tiroteio em Leiria faz um morto e um ferido O ferido está em estado grave. O incidente ocorreu à porta de um café. Um tiroteio em São Romão, Leiria, fez duas vítimas, um morto e um ferido grave. O alerta foi dado às 22h20, confirmou à Renascença fonte do comando distrital de operações de Leiria. Os dois homens foram baleados à porta de um café de São Romão. A PSP já está no local, bem como os bombeiros. As duas vítimas foram encaminhadas para o hospital. Segundo o DN, o suspeito está a monte. [actualizado] Avós e mulheres são salvação para famílias sem margem nos orçamentos Estudo do Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra diz que as famílias não conseguem poupar e vivem "no medo de uma despesa excepcional". Um estudo realizado no Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra concluiu que as famílias vivem "sem margem" para surpresas no orçamento e que avós e mulheres serviram de "almofada" para os efeitos da crise. O projecto aponta para uma presença quase transversal de solidariedade, em que os avós e as mulheres surgem como principais protagonistas, numa crise em que as famílias não conseguem poupar e vivem "no medo de uma despesa excepcional", disse à agência Lusa Lina Coelho, coordenadora do projecto de investigação FINFAM, que inquiriu casais com filhos, de diferentes classes sociais e regiões, sobre o impacto que a crise teve no seu orçamento. Actualmente, as famílias "estão fragilizadas e muito sujeitas às intempéries da vida", não tendo "tantas válvulas de escape como havia antes da crise", apontou a também subdiretora da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Segundo os resultados do inquérito do projecto de investigação, já divulgados pela Lusa em Outubro de 2014, 37,4% das famílias sofreram reduções de salários, mais de um quinto considera ter perdido segurança no emprego, 30% endividaram-se mais (metade dos quais junto das famílias), 67% têm um orçamento familiar mais reduzido, quase 30% procuram mais ajuda para resolver problemas emocionais ou de ansiedade e 65% deixaram de sair ou de fazer programas de diversão ou lazer. Avós dão carro, casa e comida O estudo, que para além do inquérito realizou 42 entrevistas em profundidade, conclui que voltou a ser reactivada "uma lógica de solidariedade generalizada na sociedade portuguesa, que opera sobretudo no

12 Segunda-feira, contexto familiar, essencialmente intergeracional e dos mais velhos para os mais novos", o que levou a atenuar o impacto da crise no orçamento das famílias, afirmou Lina Coelho. Os avós ajudam "nas dimensões mais variadas da vida familiar", como na aquisição de casa, carro, pagamento de empréstimos ou com bens alimentares. As mulheres, face aos cortes em despesas como empregada doméstica, creche ou lar, assumem mais trabalho familiar não remunerado, apontou Lina Coelho, salientando que há "uma dupla almofada no efeito da crise". Segundo a investigadora, a lógica de solidariedade intergeracional ajuda a perceber porque é que o impacto da crise em Portugal "não foi sentido de forma tão angustiante e com expressões de revolta". No entanto, este modelo social, assente numa rede de solidariedade que substitui aquilo que é um papel ocupado pelo Estado Social "nos países mais ricos", é "inviável e insustentável", alerta. "A geração actualmente activa não terá condições para fazer o mesmo aos seus filhos. Quando as pessoas hoje com 40 anos terão 70, terão possibilidade de apoiar os filhos? Não creio", frisou a investigadora. "Estas famílias fizeram esforços de ajustamento muito pronunciados, esgotaram as suas poupanças, algumas endividaram-se mais e mesmo aquelas que não caíram em situações de desemprego têm hoje uma robustez económica debilitada", frisou. Impacto da crise? A falta de uma pessoa sonhar A incerteza na vida dos casais com filhos e a inexistência de margens "para acomodar surpresas que surjam" fica vincada num funcionário público não qualificado, entrevistado no âmbito do projecto, que remete para a falta de esperança. "O impacto da crise é mesmo a falta de uma pessoa sonhar. Não se pode fazer nada. Não se pode sonhar, não se pode pensar em ter, não se pode. Zero", refere o funcionário, num excerto da entrevista disponibilizado à agência Lusa. O seminário final do projecto FINFAM - Finanças, Género e Poder decorre na segunda e na terça-feira, no Centro de Estudos Sociais de Lisboa, no Picoas Plaza, e propõe-se a apresentar e a discutir os resultados obtidos, contando com contributos de especialistas nacionais e estrangeiros. Seria gravíssimo se um Presidente do Brasil caísse por causa das ruas António Vitorino e Pedro Santana Lopes comentam o actual quadro político brasileiro, mergulhado em múltiplos escândalos e plataformas políticas fragilizadas, numa altura em que também a economia não dá sinais positivos. Por José Pedro Frazão O terreno em Brasília queima sob os políticos cujo chão ainda não desapareceu debaixo dos seus pés. Aos escândalos de corrupção junta-se agora a investigação às denominadas pedaladas fiscais, manobras de manipulação de entradas e saídas de dinheiro dos cofres públicos para mascarar as contas do Estado. Dilma tem responder até meados de Setembro à acusação formulada junto do Tribunal de Contas da União. António Vitorino detecta uma disfuncionalidade" no sistema politico brasileiro. Dilma Rousseff vai-se arrastando e é a pior situação no poder: uma pessoa que se arrasta no poder por inércia da capacidade de encontrar uma saída, seja dentro do sistema e do regime actual do PT, seja junto da oposição. O antigo ministro socialista considera que o quadro político é agravado pela situação económica, que se tem vindo a deteriorar já há mais de dois anos. "Gera uma situação muito difícil para o Brasil.A situação económica impõe medidas de austeridade. Um poder fraco não tem condições de impor medidas de austeridade. Portanto, a inércia e a paralisação do poder político degradam a própria situação económica brasileira. Isto não pode ter um final muito feliz, antevê Vitorino, no programa Fora da Caixa da Renascença. Dilma frágil e só Santana Lopes anota uma desagregação da equipa governativa de Dilma. O antigo primeiro-ministro diz que a fragilidade do poder politico brasileiro é grave porque à crise poíitica junta-se a económica no Brasil. "Isso traz a desorientação. Dilma não ajuda nada à serenidade quando diz que subestimou a crise económica, que não esperava a baixa do petróleo e que a receita fiscal tivesse essa redução tão significativa, que foi surpreendida por quase tudo e todos. Quando na crise na Petrobrás, onde era presidente da administração, é alegado que tudo lhe passava ao lado; quando os brasileiros lembram as fragilidades que teve naquelas manifestações sociais de há dois anos e ela se meteu no avião para São Paulo para pedir orientações a Lula. Acho que é uma presidente politicamente muito débil neste momento. Com Lula debaixo de fogo, já não pode apanhar avião para lado nenhum para se aconselhar seja com quem for. Sozinha, Dilma está a dar provas de grande fragilidade, acentua Santana no debate de temas europeus da

13 Segunda-feira, Edição da Noite à sexta-feira. O antigo líder do PSD considera preocupante que esta crise acabe por beliscar vários sectores políticos. "A alternativa, neste momento, estará a ser trabalhada. Não é fácil de construir, exige uma grande renovação do pessoal politico. Uma clarificação por eleições? Penso que sim. A substituição de Dilma pelo seu vicepresidente? Não me parece alguém com grande carisma ou capacidade de liderança para conduzir o país, assinala Santana Lopes. Uma saída política para a crise Com uma ofensiva judicial e outra nas ruas, com manifestações de protesto de grandes dimensões, aperta-se o cerco a Dilma Rousseff. António Vitorino considera que, na medida em que o processo formal de impeachment (impugnação de mandato) tem que ser votado no Congresso, essa é, apesar de tudo, a forma mais palatável de resolver a questão nos termos da Constituição. "Cair um presidente pela rua seria um precedente gravíssimo no Brasil. Criar esse precedente é fatal, sublinha Vitorino. Em relação ao processo judicial. não creio que a complexidade daquele esquema que estava montado seja fácil de julgar num curto espaço de tempo. E depois há toda a cadeia de recursos, aí o processo judicial desgasta o poder. Não é o processo judicial que pode dar uma resposta à crise do poder, que tem que ser encontrada dentro das instituições para bem da democracia no Brasil, acrescenta o comentador socialista. Que saída pode então existir? Vitorino recua no tempo. O que aconteceu com Collor de Melo foi que o processo de impeachment' o levou à demissão. Quando se tornou claro que o impeachment' ia proceder, ele saiu. Nem o poder caiu nas ruas nem houve vulnerabilidade do ponto de vista institucional. Provavelmente é o que poderá suceder aqui, num estado mais avançado da degradação da situação política, alvitra o antigo comissário europeu. Segundo o INMG, além dos fortes ventos e precipitações "prevê-se um aumento considerável da agitação marítima, nas regiões a sul e leste das ilhas, bem como na parte norte", com ondas que podem chegar aos sete metros. Em declarações à Rádio de Cabo Verde (RCV), o director Nacional de Planeamento, Operações e Comunicação do Serviço Nacional de Protecção Civil cabo-verdiana, Nuno Oliveira, garantiu que o organismo está em alerta máximo devido à previsão de mau tempo. O responsável indicou que o SNPC já está a trabalhar com os serviços municipais num plano de contingência, ao mesmo tempo que pede serenidade à população no caso de as previsões de mau tempo se confirmarem. Em comunicado, o Ministério da Administração Interna de Cabo Verde enumerou um conjunto de recomendações, como manter-se em casa e afastado das janelas, reforçar as medidas de segurança nas habitações, nomeadamente desobstruir as calhas e bueiros, reforço das portas e janelas. Também recomenda as pessoas que em caso de uma habitação não oferecer condições de segurança, para se abrigarem em casa de familiares, e o vento acalmar, não sair de casa, porque os ventos fortes podem voltar a qualquer momento. Tsipras quer maioria absoluta na Grécia Líder do Syriza está confiante apesar das sondagens indicarem que a coligação de esquerda tem uma vantagem entre 1 a 3,5 pontos percentuais. Tempestade aproxima-se de Cabo Verde Autoridades do país estão atentas e sugerem algumas medidas de precaução. Uma tempestade tropical formada a 400 milhas do sudeste de Cabo Verde poderá atingir o arquipélago nas próximas 48 horas, alertou o Centro Nacional de Furacões (NHC), da Flórida, nos Estados Unidos. Os meteorologistas do NHC alertaram que a tempestade, baptizada de "Fred", é um sistema tropical formado no Oceano Atlântico, está a mover-se para o noroeste das ilhas e deverá atingir o arquipélago na segunda e na terça-feira. A notícia foi confirmada pelo Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (INMG) de Cabo Verde, indicando que as previsões apontam para ventos a partir de 40 Km/hora e que podem chegar aos 130 Km/hora, acompanhados por chuvas fortes e trovoadas. Foto: EPA A meta do Syriza para as eleições antecipadas na Grécia é conseguir "uma maioria absoluta" para governar nos próximos quatro anos, afirmou o ex-primeiro-ministro e líder do partido, Alexis Tsipras. Na sexta-feira, o presidente da Grécia, Prokopis Pavlopoulos, convocou eleições legislativas antecipadas para 20 de Setembro. Numa entrevista ao semanário grego Realnews sobre a questão das eleições antecipadas, Alexis Tsipras, que procura conquistar um segundo mandato como primeiro-ministro, respondeu: "É simples, claro e

14 Segunda-feira, democrático: pedimos um mandato forte, uma maioria absoluta para um governo do Syriza". E acrescentou: "É uma oportunidade para sair do bipartidarismo da Nova Democracia [ND, direita] e do PASOK [socialistas gregos]", as duas formações que têm dominado a vida política grega durante "os últimos quarenta anos (...). É fundamental não voltar para trás e dar um salto para a frente". As mais recentes sondagens indicam que o Syriza tem uma vantagem entre 1 a 3,5 pontos percentuais face ao seu principal adversário, a ND, o que inviabiliza um possível cenário de uma maioria absoluta. A formação liderada por Tsipras será assim forçada a procurar aliados para formar um governo de coligação, como fez após o escrutínio de Janeiro último, quando perdeu a maioria absoluta por dois lugares. Mas, Alexis Tsipras já excluiu qualquer cooperação com os partidos "do velho sistema político", indicando que só o partido populista de direita Os Gregos Independentes (Anel), o seu parceiro governamental durante os últimos oito meses, poderia desempenhar esse papel. Confrontado com a cisão no seio do Syriza, Tsipras explicou que apresentou demissão no dia 20 de Agosto para "permitir uma avaliação por parte do povo grego". Apesar das promessas de acabar com a austeridade na Grécia, o líder do Syriza assinou em Julho em Bruxelas um acordo com os credores europeus que prolonga o rigor, em troca de um novo empréstimo. Questionado pelo semanário porque "não pediu desculpas ao povo grego", Alexis Tsipras respondeu com uma pergunta: "Porque deveria pedir perdão?". "Lutei com toda a minha alma para permanecer fiel ao mandato do povo grego", cuja maioria não queria a saída do país da zona euro, uma ameaça colocada pelos credores internacionais, justificou o político. O compromisso de Atenas para realizar "reformas para reparar a economia do país" foi uma condição necessária colocada pelos credores antes de dar luz verde a um novo empréstimo de 86 mil milhões de euros a três anos. Ainda em declarações ao semanário grego, Alexis Tsipras reiterou que "enfrentou uma guerra económica" e que "não conseguiu vencer todos os monstros e corrigir todos os problemas do país que o velho sistema político provocou: a corrupção, os barões de evasão fiscal, os homens políticos corruptos". Darth Vader é nome de rua na Islândia Personagem de Star Wars sai dos ecrãs de cinema directamente para a toponimia de Requiavique. Era apenas mais uma rua numa zona industrial da capital Requiavique conhecida como Bratthöfði. Agora passou a ter um nome mais fácil de pronunciar e com um vasto imaginário cinematografico. Darth Vader, personagem da saga Star Wars, passa assim da história do cinema para a toponímia da cidade islandesa, anuncia a Agência France Press. A decisão de adoptar o nome da personagem foi da divisão de Ambiente e de Urbanismo de Requiavique, e deverá tornar-se efectiva depois de ser votada na reunião de câmara. A ideia partiu de um cidadão da cidade que deixou a sugestão no site do munícipio onde a edilidade recebe sugestões. REVISTA DA IMPRENSA DESPORTIVA Sporting em todo o lado Foto: RR A imagem de Slimani surge em grande destaque nas primeiras páginas dos jornais de Lisboa. "De tirar o chapéu" é o título do Record, enquanto A Bola escreve: "Grito de revolta". Na edição Sul de O Jogo, lê-se "Champions digerida",

15 Segunda-feira, com uma foto da festa do primeiro golo dos leões em Coimbra. Na edição Norte, O Jogo avança: "Layún para fechar". É mexicano, lateral esquerdo e joga no Watford. Outras novidades do FC Porto: "Rolando no Marselha e Quintero no Rennes". MERCADO FC Porto. Solução chama-se Miguel Layún Lateral-esquerdo mexicano dos ingleses do Watford deve chegar ao Dragão por empréstimo de uma época. SAD azul e branca "elege" o substituto de Alex Sandro. Selecção concentrase esta segunda-feira Fernando Santos começa a preparar o particular com a França e o jogo de qualificação para o Europeu com a Albânia. Os jogadores convocados para a equipa das quinas encontram-se em Cascais. Moutinho ainda é dúvida. Fernando Santos começa a idealizar jogos com França e Albânia. Foto: DR Miguel Layún, de 27 anos, perto de reforçar o dragão. Foto: DR O FC Porto está perto de garantir a contratação de Miguel Layún, defesa mexicano que actua no Watford e que, de acordo com os ecos da imprensa desportiva portuguesa desta segunda-feira, deverá chegar ao Dragão por empréstimo do emblema do Championship inglês [equivalente à Segunda Liga]. O norte-americano, de 27 anos, que reforçou os britânicos em 2014 e que tem contrato ainda válido até ao Verão de 2019, é o eleito da SAD azul e branca para o lado esquerdo da defesa. O lateral é destro, mas actua preferencialmente pelo corredor canhoto, embora possa actuar do outro lado da defesa e ainda no meiocampo. A saída de Alex Sandro para a Juventus pôs a nu as debilidades do sector esquerdo da defesa da equipa de Julen Lopetegui. Sabendo-se que Aly Cissokho não está a convencer e que o espanhol José Ángel parece ser "carta fora do baralho" do técnico basco, o nome de Layún surge como a solução para o problema. O FC Porto tenta a cedência do atleta, que se destacou ao serviço dos mexicanos do América. Se o acordo ficar concluído, os vice-campeões nacionais ficarão ainda com opção de compra sobre Layún, internacional "AA" pela sua selecção nacional já por 32 ocasiões. A Selecção Nacional concentra-se esta segunda-feira, dando início à fase preparatória para o jogo de carácter particular frente à França e para a partida de qualificação para o Euro 2016, diante da Albânia. Os 23 jogadores convocados por Fernando Santos encontram-se, até às 13h00, numa unidade hoteleira de Cascais, estando previsto o primeiro contacto de dois desses atletas com a comunicação social para as 12h30. À tarde, pelas 17h00, Fernando Santos começa a ensaiar a equipa das quinas para os jogos com franceses e albaneses, orientando uma sessão de treino no Estádio António Coimbra da Mota, no Estoril. O apronto decorrerá à porta fechada, mas os primeiros 15 minutos serão abertos aos jornalistas. No lote de eleitos do seleccionador nacional "AA" há apenas uma dúvida a dissipar: João Moutinho foi convocado à condição, em virtude da lesão que o tem afectado, nas últimas semanas e que o tem levado a falhar alguns jogos do Mónaco. O médio apresenta-se em Cascais para ser avaliado pelo departamento clínico da Federação Portuguesa de Futebol. Só depois se saberá se Moutinho estará disponível para Fernando Santos. O Portugal-França arranca às 19h45 de sexta-feira, no Estádio de Alvalade. O jogo com a Albânia, em Elbassan, arranca à mesma hora, mas na segundafeira. Ambos os desafios têm relato na antena da Renascença e acompanhamento ao minuto em rr.sapo.pt e em bolabranca.rr.sapo.pt. Lista de convocados de Fernando Santos Guarda-redes: Rui Patrício, Beto e Anthony Lopes;Defesas: Vieirinha, Cédric, Bruno Alves, Pepe, José Fonte, Ricardo Carvalho, Eliseu e Raphael Guerreiro;Médios: Danilo, Miguel Veloso, Adrien, André

16 Segunda-feira, André, Moutinho, João Mário e Bernardo Silva;Avançados: Danny, Nani, Quaresma, Varela, Ronaldo e Éder; CICLISMO Dumoulin vence etapa e lidera Vuelta Etapa terminou em alto e provocou mudanças na geral. Foto: Javier Lizon/EPA O holandês Tom Dumoulin (Giant-Alpecin) venceu a nona etapa da Volta a Espanha em bicicleta e reassumiu a liderança da prova. A etapa, de 168 quilómetros, decorreu entre Torrevieja e o Alto de Puig Llorença, tendo Dumolin aproveitado a subida final para chegar à frente de Chris Froome (Sky), por dois segundos. Na classificação geral, Dumoulin tem agora 57 segundos de vantagem sobre Purito Rodríguez, enquanto o anterior líder, Chaves, caiu para terceiro. A 10ª etapa da Vuelta vai ligar, segunda-feira, Valência a Castellón. Página1 é um jornal registado na ERC, sob o nº É propriedade/editor Rádio Renascença Lda, com o nº de pessoa colectiva nº O Conselho de Gerência é constituído por João Aguiar Campos, José Luís Ramos Pinheiro e Ana Lia Martins Braga. O capital da empresa é detido pelo Patriarcado de Lisboa e Conferência Episcopal Portuguesa. Rádio Renascença. Rua Ivens, Lisboa.

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

1. Marcelo Rebelo de Sousa vai ser um bom Presidente da República?, RTP 1 - Prós e Contras, 25-01-2016 1

1. Marcelo Rebelo de Sousa vai ser um bom Presidente da República?, RTP 1 - Prós e Contras, 25-01-2016 1 Tv's_25_Janeiro_2016 Revista de Imprensa 1. Marcelo Rebelo de Sousa vai ser um bom Presidente da República?, RTP 1 - Prós e Contras, 25-01-2016 1 2. Conversa com Marisa Matias, RTP 2 - Página 2, 25-01-2016

Leia mais

4. Síria. Repressão aumenta e EUA agravam sanções (págs. 1 e 14)

4. Síria. Repressão aumenta e EUA agravam sanções (págs. 1 e 14) RESUMO DE IMPRENSA Domingo, 01 de Maio de 2011 PÚBLICO (DOMINGO, 01) 1. Uma multidão em nome de João Paulo II. A beatificação de um papa obscurantista, ou do obreiro de um renascimento católico? (manchete,

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

1. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 1. 2. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 2

1. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 1. 2. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 2 Radios_25_Maio_2015 Revista de Imprensa 1. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 1 2. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 2 3. PS quer alterar o Código do IVA,

Leia mais

1. Emprego criado entre Outubro de 2013 e junho deste ano é precário, diz CGTP, TSF - Notícias, 02-09- 2015

1. Emprego criado entre Outubro de 2013 e junho deste ano é precário, diz CGTP, TSF - Notícias, 02-09- 2015 Radios_2_Setembro_2015 Revista de Imprensa 1. Emprego criado entre Outubro de 2013 e junho deste ano é precário, diz CGTP, TSF - Notícias, 02-09- 2015 1 2. António Costa acusa o Governo de não ter sabido

Leia mais

1. (PT) - TVI 24 - Política Mesmo, 25/06/2014, Discurso de António José Seguro: Direto 1

1. (PT) - TVI 24 - Política Mesmo, 25/06/2014, Discurso de António José Seguro: Direto 1 Tv's_25_Junho_2014 Revista de Imprensa 26-06-2014 1. (PT) - TVI 24 - Política Mesmo, 25062014, Discurso de António José Seguro: Direto 1 2. (PT) - RTP Informação - Grande Jornal, 25062014, Consultas no

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado 17-03-2006 13:11:00. Fonte LUSA. Notícia SIR-7829164 Temas: economia portugal finanças sociedade LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado DATA:. ASSUNTO: Conferência

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

RESUMO IMPRENSA. Quinta-feira, 3 de Setembro de 2009

RESUMO IMPRENSA. Quinta-feira, 3 de Setembro de 2009 RESUMO IMPRENSA Quinta-feira, 3 de Setembro de 2009 JORNAL DE NEGÓCIOS 1. Gabinete de Sócrates acusado de ameaçar gestor do PSD. Houve abordagens do gabinete de Sócrates para que Alexandre Relvas medisse

Leia mais

Resumo de Imprensa. Segunda-feira, 2 de Novembro de 2009

Resumo de Imprensa. Segunda-feira, 2 de Novembro de 2009 1 Resumo de Imprensa Segunda-feira, 2 de Novembro de 2009 DIÁRIO ECONÓMICO 1. Privatização do BPN estará pronta até final de 2010. Francisco Bandeira, presidente do banco, disse ao Diário Económico esperar

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão. Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão

Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão. Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Diário de noticias, por Hugo Filipe Coelho 17-10-11 Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Dinheiro público. PSD e CDS

Leia mais

Resumo de Imprensa. Terça-feira, 1 de Abril de 2008

Resumo de Imprensa. Terça-feira, 1 de Abril de 2008 DIÁRIO ECONÓMICO Resumo de Imprensa Terça-feira, 1 de Abril de 2008 1. Prestação da casa atinge máximos (págs. 1, 24 e 25) A prestação mensal do crédito à habitação voltou a subir: Em Março, a Euribor

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura Seminário Orçamento do Estado 2016 3 de Dezembro de 2015 Auditório da AESE Discurso de abertura 1. Gostaria de dar as boas vindas a todos os presentes e de agradecer à AESE, na pessoa do seu Presidente,

Leia mais

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Aese Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Quando o Fórum para a Competitividade me convidou para esta intervenção, na qualidade de empresário, já se sabia que não haveria Orçamento de Estado

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

Balanço Intercalar Sumário. da execução na Assembleia Municipal de Lisboa do Programa Eleitoral da Candidatura Autárquica do Bloco de Esquerda

Balanço Intercalar Sumário. da execução na Assembleia Municipal de Lisboa do Programa Eleitoral da Candidatura Autárquica do Bloco de Esquerda Balanço Intercalar Sumário da execução na Assembleia Municipal de Lisboa do Programa Eleitoral da Candidatura Autárquica do Bloco de Esquerda 1- A avaliação política de um mandato pressupõe, no essencial,

Leia mais

"É imperiosa a necessidade de inverter a política de transportes"

É imperiosa a necessidade de inverter a política de transportes INTERVENÇÃO DE JERÓNIMO DE SOUSA, SECRETÁRIO-GERAL, LISBOA, REUNIÃO METROPOLITANA SOBRE TRANSPORTES PÚBLICOS E MOBILIDADE 10 Março 2016 "É imperiosa a necessidade de inverter a política de transportes"

Leia mais

1. António Costa promete mudança política, Antena 1 - Notícias, 07-04-2015 1

1. António Costa promete mudança política, Antena 1 - Notícias, 07-04-2015 1 Radios_8_Abril_2015 Revista de Imprensa 1. António Costa promete mudança política, Antena 1 - Notícias, 07-04-2015 1 2. Sindicatos da PSP enviam proposta conjunta ao ministério, TSF - Notícias, 07-04-2015

Leia mais

Resumo de Imprensa. Quinta-feira, 13 de Novembro de 2008

Resumo de Imprensa. Quinta-feira, 13 de Novembro de 2008 Resumo de Imprensa Quinta-feira, 13 de Novembro de 2008 DIÁRIO ECONÓMICO 1. Governo reforça poderes do Banco de Portugal (págs. 1, 4 a 10) O Ministério das Finanças e o PS estão a alterar as leis para

Leia mais

POLÍTICA LEGISLATIVAS 2015

POLÍTICA LEGISLATIVAS 2015 POLÍTICA LEGISLATIVAS 2015 ELEIÇÕES NA CATALUNHA Independentista catalão: Não nos podem expulsar da UE 27/9/2015, 11:12 104 PARTILHAS Ramon Tremosa i Balcells, eurodeputado eleito pelo movimento independentista

Leia mais

Posição da PERCO - Necessidade de criar vias de acesso legais de protecção internacional dentro da União Europeia

Posição da PERCO - Necessidade de criar vias de acesso legais de protecção internacional dentro da União Europeia Posição da PERCO - Necessidade de criar vias de acesso legais de protecção internacional dentro da União Europeia Aprovado na Assembleia Geral Ordinária PERCO no Chipre - 2012 Em Outubro de 2011, a PERCO,

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2012 Boa noite, A todos os Portugueses desejo um Bom Ano Novo, feito de paz e de esperança. O ano que

Leia mais

Resumo de Imprensa. Terça-feira, 28 de Outubro de 2008

Resumo de Imprensa. Terça-feira, 28 de Outubro de 2008 Resumo de Imprensa Terça-feira, 28 de Outubro de 2008 DIÁRIO ECONÓMICO 1. Euribor deve cair para 3,5% em Janeiro (págs. 1, 4 a 10) Mercados apostam que a taxa de referência dos empréstimos da casa vai

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

Resumo de Imprensa. Dos dias, 9 e 10 de Maio de 2009

Resumo de Imprensa. Dos dias, 9 e 10 de Maio de 2009 Resumo de Imprensa Dos dias, 9 e 10 de Maio de 2009 JORNAL DE NOTÍCIAS (dia 10) 1. Não sou homem de desistir (págs.1, 6 a 11) Entrevista José Sócrates, primeiro-ministro. O PS assumirá as suas responsabilidades

Leia mais

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR Jorge Jacob Agenda: 1 Sinistralidade Rodoviária um flagelo mundial 2 Organização Mundial MACRO 3 WHO The Decade of Action for Road Safety 4 OCDE/ITF - IRTAD 5 UE/Comissão Europeia 6 Portugal: 6.1 Situação

Leia mais

Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis. Maria Luís Albuquerque

Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis. Maria Luís Albuquerque Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis Maria Luís Albuquerque 25 de agosto de 2015 Universidade de Verão do PSD Castelo de Vide 25 de agosto de 2015 Tema: Portugal com Futuro: Finanças Públicas

Leia mais

Refugiados na Europa: a crise em mapas e gráficos

Refugiados na Europa: a crise em mapas e gráficos Refugiados na Europa: a crise em mapas e gráficos 6 setembro 2015 Image caption Alemanha continua a ser destino mais popular para refugiados Fotos: AP/Reuters/EPA As solicitações de asilo para a Europa

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa MODELO 1 Compreensão da Leitura e Expressão Escrita Parte 1 Questões 1 20 O Luís enviou cinco mensagens através do telemóvel. Leia as frases 1 a 5. A cada frase corresponde uma mensagem enviada pelo Luís.

Leia mais

RESUMO DE IMPRENSA. Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

RESUMO DE IMPRENSA. Quinta-feira, 31 de Julho de 2008 RESUMO DE IMPRENSA Quinta-feira, 31 de Julho de 2008 JORNAL DE NEGÓCIOS 1. Queda nos lucros da banca retira 80 milhões ao Fisco. Resultados dos quatro maiores bancos privados caíram mais de 40% no primeiro

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Resumo de Imprensa. Dos dias, 10 e 11 de Outubro de 2009

Resumo de Imprensa. Dos dias, 10 e 11 de Outubro de 2009 Resumo de Imprensa Dos dias, 10 e 11 de Outubro de 2009 JORNAL DE NOTÍCIAS (dia 10) 1. Norte gastará 330 milhões a pagar gestores de Lisboa (pág. 8) Alteração a fundos comunitários destinados a recuperar

Leia mais

Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto

Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto Evolução da Alfabetização em PORTUGAL Portugal tem 650 mil analfabetos 9% não sabe ler Estima se que existam em Portugal cerca 658 mil

Leia mais

O que acontece quando o Código Deontológico dos Jornalistas é violado

O que acontece quando o Código Deontológico dos Jornalistas é violado O que acontece quando o Código Deontológico dos Jornalistas é violado Florbela Batalha Ramiro Marques (Orientação) 1. Introdução O Código Deontológico é um documento que reúne um conjunto de regras que

Leia mais

Refugiados em Israel: organizações denunciam descaso com crianças africanas no país

Refugiados em Israel: organizações denunciam descaso com crianças africanas no país Refugiados em Israel: organizações denunciam descaso com crianças africanas no país por Por Dentro da África - sábado, junho 20, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/noticias/refugiados-em-israel-organizacoes-denunciam-descaso-comcriancas-africanas-no-pais

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes O FUTURO DA ZONA EURO José da Silva Lopes IDEFF, 29-11-2011 1 VIAS ALTERNATIVAS PARA FAZER FACE À CRISE DA ZONA EURO As propostas que têm vindo a ser apresentadas por economistas, comentadores e políticas

Leia mais

DEZ MEDIDAS PARA O PLANO DE RECUPERAÇÃO DA MADEIRA

DEZ MEDIDAS PARA O PLANO DE RECUPERAÇÃO DA MADEIRA DEZ MEDIDAS PARA O PLANO DE RECUPERAÇÃO DA MADEIRA A DÍVIDA DE ALBERTO JOÃO JARDIM É GIGANTESCA. A Madeira atingiu uma dívida total registada de 6328 milhões de euros e um défice de 1189 milhões. Existem

Leia mais

Descoberta identidade

Descoberta identidade Descoberta identidade do segundo beneficiário das transferências de Rosalina Caso Feteira Acusação do Ministério Público brasileiro diz que os desvios de dinheiro estiveram na origem do crime de que é

Leia mais

A Suécia A Suécia é o país mais seguro da Europa no âmbito da rodovia, mas nem por isso deixa efectuar um debate permanente sobre os problemas do

A Suécia A Suécia é o país mais seguro da Europa no âmbito da rodovia, mas nem por isso deixa efectuar um debate permanente sobre os problemas do RELATÓRIO Resumo das afirmações mais pertinentes efectuadas durante a Conferencia Parlamentar dos Presidentes de Comissão na EU-25, realizada nos dias 10 e 11 de Maio de 2004 no Parlamento Sueco em Estocolmo,

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 331/XII-2ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 331/XII-2ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 331/XII-2ª COMBATE A PRECARIEDADE LABORAL E REFORÇA A PROTECÇÃO DOS TRABALHADORES NA CONTRATAÇÃO A TERMO Desde a apresentação do Programa

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014 V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável Montijo 14 de Novembro de 2014 1. Saudação Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal do Montijo Exmo. Sr.

Leia mais

RESOLUÇÃO SECRETARIADO NACIONAL DE 29 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO SECRETARIADO NACIONAL DE 29 DE JANEIRO DE 2015 RESOLUÇÃO SECRETARIADO NACIONAL DE 29 DE JANEIRO DE 2015 O ano de 2015 é o primeiro em que nos encontramos integralmente fora da alçada da Troika e no qual o Governo poderia ter operado uma real mudança

Leia mais

3. Eleições. Transposição de resultados das legislativas para as regionais. Se as Legislativas fossem regionais o PSD dominava os Açores. (pág.

3. Eleições. Transposição de resultados das legislativas para as regionais. Se as Legislativas fossem regionais o PSD dominava os Açores. (pág. RESUMO DE IMPRENSA Segunda e Domingo, 13 e 12 Junho de 2011 PÚBLICO (SEGUNDA, 13) 1. Escolas arriscam transformar-se em centros de treino de testes. Provas intermédias invadiram este ano lectivo: foram

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA

DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA FICHA TÉCNICA DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal; Nível 3 Nível Táctico Tema 2 - Atitudes e Comportamentos; Tema 5 - Conhecimento das Regras

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC OBJECTIVO 2015 Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO INTRODUÇÃO O ano de 2010 revela-se, sem dúvida, um ano marcante para o combate contra a

Leia mais

A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem.

A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem. A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem. A ambulância deve: Avançar. Ceder a passagem apenas ao meu veículo. Ceder a passagem apenas ao veículo

Leia mais

MOÇÃO Solidariedade com os trabalhadores da Gestnave/Ereta

MOÇÃO Solidariedade com os trabalhadores da Gestnave/Ereta Deliberações de 1 de Fevereiro de 2008 1 de Fevereiro de 2008 Auditoria externa das Contas Aprovada a contratação da Sociedade de Revisores Oficiais de Contas Sebastião & Santos, para prestação de serviços

Leia mais

Contributos para a melhoria da ciclovia Entrecampos Monsanto

Contributos para a melhoria da ciclovia Entrecampos Monsanto Contributos para a melhoria da ciclovia Entrecampos Monsanto Nota inicial Genericamente, os principais problemas que encontrámos foram a proliferação de obstáculos à normal fluidez da circulação das bicicletas.

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

Ex.ª Srª. Presidente da Mesa da Assembleia Municipal

Ex.ª Srª. Presidente da Mesa da Assembleia Municipal Ex.ª Srª. Presidente da Mesa da Assembleia Municipal Exm.º Sr. Presidente da Câmara Exmos. Srs. Vereadores Caros Colegas Ilustres presentes Relativamente à proposta 313 de 2014, que visa apreciar as Demonstrações

Leia mais

Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil

Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil ESPECIAIS Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil 27 Maio 2015 Nuno André Martins MNE alemão diz que Portugal "é um exemplo para a Europa", admite que só a negociação deu à

Leia mais

Para Crescer Sustentadamente

Para Crescer Sustentadamente Preparar a Reestruturação da Dívida Para Crescer Sustentadamente Nenhuma estratégia de combate à crise poderá ter êxito se não conciliar a resposta à questão da dívida com a efectivação de um robusto processo

Leia mais

mais PAIXÃO mais ACÇÃO mais ENERGIA mais VANTAGENS mais ACP

mais PAIXÃO mais ACÇÃO mais ENERGIA mais VANTAGENS mais ACP PAIXÃO mais ACÇÃO mais ENERGIA mais VANTAGENS mais ACP VOTE CARLOS BARBOSA 2011/2015 ÓRGÃOS SOCIAIS DIRECÇÃO PRESIDENTE Carlos de Alpoim Vieira Barbosa, sócio 14294 Miguel António Igrejas Horta e Costa

Leia mais

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética I Introdução Considerando que se aproxima um novo ciclo eleitoral e que o mesmo deve ser aproveitado para um sério e profundo debate político que confronte as propostas dos diferentes partidos relativamente

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores CONTRIBUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARLAMENTO EUROPEU DOS JOVENS NÚCLEO AÇORES PARA O LIVRO BRANCO DO COMITÉ DAS REGIÕES SOBRE GOVERNAÇÃO A VÁRIOS NÍVEIS A (PEJ-A) responde ao desafio do Comité das Regiões

Leia mais

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM?

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM? Entrevista com Klaus Regling, Diretor Executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM) Valor Econômico, 16 de julho de 2013 Valor: Por que buscar investidores no Brasil agora? Klaus Regling: Visitamos

Leia mais

3. Energia. Concursos para mini-hídricas já foram lançados e somam 128 MW. Empresas têm até 25 de Novembro para apresentar projectos. (pág.

3. Energia. Concursos para mini-hídricas já foram lançados e somam 128 MW. Empresas têm até 25 de Novembro para apresentar projectos. (pág. RESUMO DE IMPRENSA Segunda-feira, 25 de Outubro de 2010 JORNAL DE NEGÓCIOS 1. Salário de trabalhadores das empresas do Estado com cortes acima de 20%. Rendimentos menores são os mais afectados. Saiba tudo

Leia mais

Resumo de Imprensa. Quarta-feira, 23 de Abril de 2008

Resumo de Imprensa. Quarta-feira, 23 de Abril de 2008 DIÁRIO ECONÓMICO Resumo de Imprensa Quarta-feira, 23 de Abril de 2008 1. BCE ameaça subir juros para controlar preços (págs. 1 e 16) Com a subida dos preços, há uma viragem nas expectativas: em vez de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GOVERNO DESEMPENHO PESSOAL DA PRESIDENTE

AVALIAÇÃO DO GOVERNO DESEMPENHO PESSOAL DA PRESIDENTE Resultados da 128ª Pesquisa CNT/MDA Brasília, 21/07/2015 A 128ª Pesquisa CNT/MDA, realizada de 12 a 16 de julho de 2015 e divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), mostra a avaliação dos

Leia mais

Maria Cavaco Silva defende «Casas do Avô» de Norte a Sul do país

Maria Cavaco Silva defende «Casas do Avô» de Norte a Sul do país Page 1 of 6 Restaurantes Contactos A equipa RSS Receba por email Pesquisar Submeter consulta Home Actualidade As suas notícias Cultura Desporto Educação Entrevista Fotos Negócios Opinião Região Saúde Últimas

Leia mais

Senhor Presidente da Assembleia, Senhoras e Senhores Deputados, Senhor Presidente, Senhora e Senhores membros do Governo

Senhor Presidente da Assembleia, Senhoras e Senhores Deputados, Senhor Presidente, Senhora e Senhores membros do Governo Intervenção Proferida pelo deputado Luís Henrique Silva, Novembro de 06, aquando da discussão do Plano e Orçamento para 2007 Senhor Presidente da Assembleia, Senhoras e Senhores Deputados, Senhor Presidente,

Leia mais

NOTÍCIAS À SEXTA 02.10.2015 INFORMAÇÕES DA CNIS

NOTÍCIAS À SEXTA 02.10.2015 INFORMAÇÕES DA CNIS INFORMAÇÕES DA CNIS Fonte: Estudo sobre o Acesso e a qualidade nos cuidados de saúde mental, Entidade Reguladora da Saúde, set.2015 REPRESENTAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Esta parte do país só se voltará a mobilizar para o voto com novos projectos de mudança entusiasmantes e ganhadores.

Esta parte do país só se voltará a mobilizar para o voto com novos projectos de mudança entusiasmantes e ganhadores. Resolução da Mesa Nacional, 18 de Junho de 2011 OS RESULTADOS ELEITORAIS 1. A vitória da direita nas eleições de 5 de Junho concretiza o quadro político em que terá lugar a aplicação do programa da troika

Leia mais

Resumo de Imprensa. Quarta-feira, dia 30 de Janeiro de 2008

Resumo de Imprensa. Quarta-feira, dia 30 de Janeiro de 2008 Resumo de Imprensa Quarta-feira, dia 30 de Janeiro de 2008 DIÁRIO ECONÓMICO 1. Exportações para Angola atingem valores recorde (págs.1, 12 e 13) As empresas portuguesas já vendem quase tanto para aquele

Leia mais

Resumo de Imprensa. Quinta-feira, 19 de Junho de 2008

Resumo de Imprensa. Quinta-feira, 19 de Junho de 2008 Resumo de Imprensa Quinta-feira, 19 de Junho de 2008 DIÁRIO ECONÓMICO 1. Setenta respostas sobre as mudanças na função pública. Últimas medidas arrancam em Janeiro (págs. 1, 14 a 21) Aumentos, reformas,

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

Promoção Imobiliária: que futuro para Lisboa?

Promoção Imobiliária: que futuro para Lisboa? REPORTAGEM AUTÁRQUICAS ALMOÇOS APPII reúne se com os candidatos à CML Promoção Imobiliária: que futuro para Lisboa? Antes do sufrágio que decidirá quem liderará os destinos da capital portuguesa durante

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16 J. Silva Lopes IDEFF, 4 de Julho de 2011 1 Título do Painel: Que futuro para Portugal Esta apresentação: Perspectivas para a economia portuguesa 2011-16

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura

Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura Fonte: O Globo 'Ficam dizendo que vou sair de novo' Tucano nega plano para 2014 e atribui rejeição à ideia, explorada por adversários, de que deixaria prefeitura Fernanda da Escóssia, Germano Oliveira,

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

IMPRENSA Resumo Diário 16 JUN 2015

IMPRENSA Resumo Diário 16 JUN 2015 1. Braga de Macedo. Bancarrota desordenada prejudica Grécia e zona euro no seu todo. Economistas contactados pelo i temem que onda de choque de um default grego chegue a Portugal. Ninguém pode garantir

Leia mais

Carpooling: Aposta de Mobilidade Sustentável para o Dia a Dia. Boleia.net / Toni Jorge

Carpooling: Aposta de Mobilidade Sustentável para o Dia a Dia. Boleia.net / Toni Jorge Carpooling: Aposta de Mobilidade Sustentável para o Dia a Dia Boleia.net / Toni Jorge Contexto A conjuntura económica atual faz com que os passageiros procurem soluções mais baratas para se deslocar e

Leia mais

1 - Publituris, 23-02-2007, Viagens e Turismo avaliados em 3 mil ME

1 - Publituris, 23-02-2007, Viagens e Turismo avaliados em 3 mil ME Noticias APAVT - Fevereiro 2007 Revista de Imprensa 09-10-2007 1 - Publituris, 23-02-2007, Viagens e Turismo avaliados em 3 mil ME 2 - Diário Económico, 22-02-2007, Segmento de negócios representa metade

Leia mais

Resumo de Imprensa. Segunda-feira, 14 de Abril de 2008

Resumo de Imprensa. Segunda-feira, 14 de Abril de 2008 Resumo de Imprensa Segunda-feira, 14 de Abril de 2008 DIÁRIO ECONÓMICO 1. Crise custa 860 milhões aos bancos portugueses (págs. 1, 4 a 6) Quase mil milhões. É este o custo da crise internacional para os

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Congresso em Mafra. Editorial. Newsletter. Pedro Passos Coelho falou do Partido e do País. Eurodeputado Carlos Coelho em Vila Franca de Xira

Congresso em Mafra. Editorial. Newsletter. Pedro Passos Coelho falou do Partido e do País. Eurodeputado Carlos Coelho em Vila Franca de Xira Newsletter www.psd-vfx.com Boletim Informativo Março 2010 Editorial Companheiros, O nosso Partido vive, quer a nível local, quer a nível nacional, dias de definição e com uma importância acrescida pela

Leia mais

RISCOS - Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança OS RISCOS E O SISTEMA EUROPEU DE PROTECÇÃO CIVIL *

RISCOS - Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança OS RISCOS E O SISTEMA EUROPEU DE PROTECÇÃO CIVIL * OS RISCOS E O SISTEMA EUROPEU DE PROTECÇÃO CIVIL * Fernando Manuel Paiva Monteiro Comandante da Academia Militar e ex-presidente do Serviço Nacional de Bombeiros e 228 Introdução Os desastres naturais

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais