UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO FÁBRICA DE PAPEL SANTA THEREZINHA S/A.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO FÁBRICA DE PAPEL SANTA THEREZINHA S/A."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA André Luis Oliveira Santos RA FÁBRICA DE PAPEL SANTA THEREZINHA S/A. Implantação da Nota fiscal Eletrônica Bragança Paulista 2009

2 2 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA André Luis Oliveira Santos RA FÁBRICA DE PAPEL SANTA THEREZINHA S/A. Implantação da Nota fiscal Eletrônica Trabalho de Integração apresentado como exigência parcial para aprovação na disciplina do Curso de Tecnologia em Logística à Universidade São Francisco. Orientadora: Renata Bernardo Bragança Paulista 2009

3 3 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA André Luis Oliveira Santos RA FÁBRICA DE PAPEL SANTA THEREZINHA S/A. Implantação da Nota fiscal Eletrônica Banca examinadora Data / / Banca examinadora Data / / Banca examinadora Data / / Banca examinadora Data / / Bragança Paulista 2009

4 4 SANTOS, André Luis Oliveira. Implantação da Nota Fiscal Eletrônica Relatório de Estágio defendido e aprovado na Universidade São Francisco em 04 de dezembro de 2009 pela banca examinadora constituída pelos professores e convidados. RESUMO As empresas brasileiras estão passando por um momento de transição de um modelo de emissão de notas fiscais por computador, impressas em formulários, ou escritas à mão livre, para um sistema moderno e revolucionário envolvendo EDI (Electronic Data Interchange). A NF-e (Nota Fiscal Eletrônica) surgiu com a promessa de simplificar as obrigações acessórias dos contribuintes, de eliminar os erros de digitação e agilizar processos de recebimento de notas fiscais e mercadorias. Devido a diversidade e complexidade de tecnologias envolvidas, pode-se dizer que a NF-e pertence a área da TI (Tecnologia da Informação). Representantes das três esferas de governo têm se encontrado a fim de buscar soluções e padronizar os meios pelos quais a NF-e garanta a sua validade jurídica. O arquivo digital deverá ser desenvolvido no padrão XML (Extended Markup Language). A NF-e precisa ser assinada pelo emitente com assinatura digital, certificada por entidade credenciada pela infra-estrutura de Chaves Pública Brasileira ICP Brasil, contendo o CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica) do emitente, a fim de garantir a autoria do documento digital. As Administrações Tributárias passarão a ter um melhor controle e gestão dos tributos, diminuindo a sonegação e aumentando a arrecadação. Os sistemas precisam se adequar às leis e estão sendo criados a fim de integrar Estados, Municípios e o Distrito Federal, de forma que todos possuam as informações sobre os contribuintes. Neste contexto, este trabalho será uma pesquisa da NF-e, desde sua origem, evolução e uso atual pela Santher, procurando com isto identificar os motivos do seu sucesso ou não, uma vez que tenha sido implementada, e as tecnologias envolvidas em cada um dos processos. Realizar-se-á também um estudo durante a fase de implantação, pois isto dará uma perspectiva mais clara do que se espera de uma empresa que pretenda aderir ao sistema. Palavra-chave: Nota Fiscal Eletrônica; Gestão de Tributos; Implantação de Sistema Fiscal.

5 5 SANTOS, André Luis Oliveira. Deployment of the Electronic Invoice Training Report defended and approved at the Universidad San Francisco on December 04, 2009 by the examining board consisting of teachers and guests. ABSTRACT Brazilian companies are facing a moment of transition from one model to issue invoices computer-printed forms or handwritten free, to a modern and revolutionary involving EDI (Electronic Data Interchange). NF-e (Electronic Invoice) came up with the promise of simplifying the ancillary obligations and taxpayers to eliminate typing errors and speed up procedures for receiving invoices and goods. Because of the diversity and complexity of technologies involved, we can say that the NF-and belongs to the area of IT (Information Technology). Representatives of the three spheres of government have been meeting to seek solutions and standardize the means by which the NF-and ensure its legal validity. The digital archive should be developed in standard XML (Extended Markup Language). The NF-and must be signed by the issuer with a digital signature certified by an organization accredited by the infrastructure of Brazilian Public Keys - ICP Brazil, containing the CNPJ (National Register of Legal Entities) of the issuer, in order to guarantee the authorship of the document digital. The Tax Administration will have a better control and management of taxes, reducing evasion and increasing tax collections. The systems must conform to the laws and are being created to integrate the states, municipalities and the Federal District, so that everyone has the information about taxpayers. In this context, this work is a survey of e-nc since its origin, evolution and current use by Santher, trying to identify that the reasons for its success or not, once it has been implemented, and the technologies involved in each processes. There will also be a study during the deployment phase, as this will give a clearer picture of what is expected of a company wishing to join the system. Keyword: Electronic Invoice Management; Taxes; Fiscal Deployment System.

6 6 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE QUADROS LISTA DE TABELAS INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA História da empresa 1.2 Razão Social 1.3 Nome Fantasia 1.4 Local de Funcionamento da Matriz e Filiais 1.5 Principais produtos 1.6 Principais Clientes 1.7 Quantidade de Funcionários 2 O PROJETO NFe Modelo operacional da NFe 2.2 Mensagens trafegadas no modelo NFe Extensible Markup Language Padrões técnicos das mensagens XML no projeto NFe 2.3 Comunicação com o contribuinte Serviços Webservices e SOAP WSDL - Webservice Description Language Webservices Nfe 2.4 Certificação Digital Criptografia Criptografia Simétrica Criptografia de chave pública Assinatura Digital Certificado Digital Padrões de assinatura e certificado do Projeto NFe 3 PROCESSO NOTA FISCAL ELETRÔNICA NA SANTHER Conceito Nota Fiscal Eletrônica NF-e 3.2 Fluxo da NF-e CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA... 57

7 7 Lista de Figuras Figura 1 Company Escritório Centra da Santher/Santher Figura 2 Unidade UFH localizada em Bragança Paulista /Santher Figura 3 Unidade UGV localizada em Governador Valadares /Santher Figura 4 Unidade UP localiza em São Paulo /Santher Figura 5 Unidade UG localizada em Guaíba /Santher Figura 6 Linha de Consumo /Santher Figura 7 Linha Especial /Santher Figura 8 Embalagens Flexíveis /Santher Figura 9 Sedas para guardanapos/santher Figura 10 Outras embalagens/santher Figura 11 Fitilhos/Santher Figura 12 Linha Profissional/Santher Figura 13 - Serviço Síncrono [SEFAZ, 2007] Figura 14 - Serviço Assíncrono [SEFAZ, 2007] Figura 15 - Aplicação cliente acessando diretamente um Webservice [CUNHA,2002] Figura 16 - Exemplo de mensagem encapsulada em um envelope SOAP[SEFAZ,2007]. 30 Figura 17 - Comunicação no envio de um lote NFe(serviço assíncrono)[sefaz,2007].. 31 Figura 18 - Assinatura digital utilizando algoritmos de chave pública [IRIB,2005] Figura 19 - Conferência da assinatura digital[irib, 2005] Figura 20 - Fluxo gerado pela nota fiscal eletrônica [SEFAZ, 2007] Figura 21 - Janela Monitor NF-e [SEFAZ, 2007] Figura 22 - Janela FT0909A [SEFAZ, 2007] Figura 23 - Janela FT0909B [SEFAZ, 2007] Figura 24 - Janela FT0909D [SEFAZ, 2007] Figura 25 - Monitor NF-e Pasta Serviços SEFAZ [SEFAZ, 2007] Figura 26 Tela de Acesso SEFAZ [SEFAZ, 2007] Figura 27 - Janela Monitor NF-e [SEFAZ, 2007] Figura 28 Consulta de Nota Fiscal SEFAZ [SEFAZ, 2007] Figura 29 Consulta de Lotes SEFAZ [SEFAZ, 2007] Figura 30 - Janela de Serviços SEFAZ [SEFAZ, 2007] Figura 31 - Janela de Eventos SEFAZ [SEFAZ, 2007] Figura 32 - Janela Entrada de Mensagens SEFAZ [SEFAZ, 2007]... 55

8 8 Lista de Quadros Quadro 1 - Principais clientes (Santher/2009) Quadro 2 - Quantidade de Funcionários por unidade (Santher/2009) Quadro 3 - Tipos de serviços disponíveis[sefaz,2005]... 30

9 9 Lista de Tabelas Tabela 1 Movimentações gerado pelo fluxo da nota fiscal eletrônica [SEFAZ, 2007]. 38 Tabela 2 Elementos utilizados na Janela Monitor NF-e [SEFAZ, 2007] Tabela 3 Elementos utilizados na Janela Monitor NF-e [SEFAZ, 2007] Tabela 3 Elementos utilizados na Janela FT0909A [SEFAZ, 2007] Tabela 4 Elementos utilizados na Janela FT0909B [SEFAZ, 2007] Tabela 5 Elementos utilizados na Janela FT0909D [SEFAZ, 2007]... 50

10 10 INTRODUÇÃO Na medida em que surgem novas empresas no cenário industrial, comercial ou de serviços, como representam uma grande ameaça à sobrevivência das já existentes, há uma necessidade de se produzir produtos e serviços inovadores. Nesta busca pelo destaque, cada uma procurando atingir suas metas de produção e faturamento, as empresas que possuem maior rapidez no processamento das informações são justamente as que se sobressaem. (COHAN, 1999). O EDI (Electronic Data Interchange) é uma tecnologia que permite o intercâmbio eletrônico de informações entre as organizações, agilizando o uso da informação e eliminando erros de digitação, para que as mesmas se beneficiem independentemente de qual sistema operacional, tipo de rede ou banco de dados elas utilizem. Esta tecnologia possui um padrão internacional de mensagens, definidos pela EAN Brasil (Associação Brasileira de Automação Comercial). (...) Para que os documentos eletrônicos e os dados fluam harmoniosamente entre as empresas e sejam corretamente interpretados, é preciso que sejam respeitadas certas regras. Essas regras definem o conteúdo de informação, isto é, os dados dos documentos, e a forma como eles são transmitidos. (GS1 BRASIL, 2008). Todas as empresas constituídas possuem, independentemente de seu porte, obrigações acessórias 1. Remover os obstáculos administrativos e burocráticos ao crescimento econômico do Brasil tem sido uma preocupação de vários governos. Nesse aspecto, conforme publicado pela Receita Federal (RECEITA FEDERAL, 2008), (...) em 24 de julho de 2004, aconteceu o I ENAT (Encontro Nacional de Administradores Tributários) onde se reuniram o Secretário da Receita Federal, os Secretários de Fazenda dos Estados e Distrito Federal, e o representante das Secretarias de Finanças dos municípios das Capitais. O documento aponta que o objetivo do encontro foi o de avaliar soluções conjuntas nas três esferas de Governo que: (...) promovessem maior integração administrativa, padronização e melhor qualidade das informações, racionalização de custos e da carga de 1 Obrigações acessórias : A obrigação acessória decorrente da legislação tributária e tem por objeto as prestações, positivas ou negativas, nela previstas no interesse da arrecadação ou fiscalização dos tributos (...). Obrigação tributária acessória. Disponível em <http://www.direitonet.com.br/dicionario_juridico/x/22/88/228/>

11 11 trabalho operacional no atendimento, maior eficácia da fiscalização, maior possibilidade de realização de ações fiscais coordenadas e integradas, maior possibilidade de intercambio de informações fiscais entre as diversas esferas governamentais, cruzamento de informações em larga escala com dados padronizados e uniformizados de procedimentos. (RECEITA FEDERAL, 2008). Hoje é possível uma mudança neste sistema, pois os meios de comunicação o permitem. É fundamental que haja uma integração entre os Estados, Municípios e o Distrito Federal, especialmente dos cadastros e informações fiscais. Com um controle eficaz destas informações, acredita-se que o governo reduzirá a sonegação de impostos e fraudes praticadas pelos contribuintes. O documento acima mencionado aponta também que: (...) O projeto do SPED 2 (Sistema Público de Escrituração Digital) foi instituído pelo Decreto n 6022, de 22 de janeiro de 2007 e faz parte do (PAC ) Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal, e constitui-se de mais um avanço na informatização da relação entre o fisco e os contribuintes. (RECEITA, 2008). O SPED permitirá aos administradores do governo, obter acesso a relatórios e montar cenários para o futuro, criados de forma personalizada a fim de atender às suas necessidades. Todas as transações das grandes empresas estarão disponíveis em um banco de dados, que receberá destas, os livros fiscais e contábeis, de forma digital. As informações estarão disponíveis, sendo utilizadas de acordo com a criatividade e necessidade de cada órgão. O mesmo documento acima mencionado, descreve que: (...) Dentre as medidas anunciadas pelo Governo Federal, em 22 de janeiro de 2007, para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 3 - (...) consta, no tópico referente ao Aperfeiçoamento do Sistema Tributário, a implantação do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) e Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) no prazo de dois anos. (RECEITA 2008). Muitas empresas, especialmente as microempresas e as empresas de pequeno porte terão dificuldades em cumprir estas determinações. Estas empresas em sua maioria não dispõem de recursos humanos, tecnológicos ou financeiros capacitados tecnicamente a fim de fazer com que este programa seja realizado em suas empresas. Para elas o governo dará um tratamento diferenciado, fornecendo gratuitamente os programas que atendam ao seu objetivo. Devido a isto surgirão muitas oportunidades de negócios para os profissionais de TI, pois as empresas desenvolvedoras de sistemas de gestão integrada precisarão adaptar-se às exigências 2 O SPED abrange três grandes subprojetos: Escrituração Contábil Digital, Escrituração Fiscal Digital e NF-e Ambiente Nacional. 3 Programa de desenvolvimento que tem por objetivo promover a aceleração do crescimento econômico no país, o aumento do emprego e a melhoria das condições de vida da população brasileira.

12 12 da legislação, tendo que, para isto, treinar e capacitar pessoas de dentro de suas organizações ou ainda recrutar pessoas já qualificadas tecnicamente. Em alguns Estados da Federação já é possível observar os resultados dos testes de implantação destes sistemas. Segundo artigo publicado pela Agência da Notícia, o sistema de controle de notas fiscais de Mato Grosso se tornou referência nacional. (...) O sistema tem gerado resultados positivos na arrecadação do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para o Estado. Em 2002, o Fisco arrecadou R$ mil em ações realizadas nas transportadoras. No ano seguinte, quando o EDI Fiscal foi implantado, a arrecadação atingiu a cifra de R$ ,56 milhões, valor 702% superior à meta estipulada para aquele ano pela Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), de R$ mil. (AGENCIA DA NOTÍCIA, 2008). Acredita-se que este aumento da arrecadação contribuirá para uma melhora na educação, saúde, e outras áreas carentes de investimentos. Provavelmente, haverá um aumento na arrecadação, tão logo o sistema esteja implantado, devendo se normalizar em poucos anos. É provável ainda, que em algumas regiões a sonegação de impostos seja maior. Conforme BOTTONI (2008), em artigo publicado pela Info Corporate, para melhorar o relacionamento com a cadeia de fornecedores, a rede de supermercados Carrefour, que conta com 96 hipermercados e 67 supermercados Champion no Brasil, decidiu investir numa solução para automatizarem pedidos e notas fiscais. Segundo Marco Savoy, diretor administrativo e comercial do Carrefour, em entrevista concedida a BOTTONI (BOTTONI, 2008), (...) o objetivo do projeto, iniciado em 2004, era agilizar o processo de compras, minimizar os erros no atendimento e nos pedidos, diminuir custos operacionais e volume de litígios, além de gerar oportunidades de ganhos comerciais. As ações adotadas por grandes supermercados envolvendo a tecnologia são um diferencial competitivo, que os permitem conceder descontos na venda de produtos e obter excelente lucratividade. Rodrigo Callisperis, diretor de informática do Carrefour, no mesmo artigo acima mencionado, declarou para BOTTONI (BOTTONI, 2008), que Hoje já conseguimos operar 61% dos pedidos e 20% das notas fiscais eletronicamente, graças ao EDI. O volume de compras no varejo é muito grande. Nada menos do que 4700 transações diárias passam por essa estrutura.

13 13 As transações eletrônicas crescem a cada dia, aumentando a eficácia das empresas que as adotam, na gestão de seus ativos. A estimativa da Secretaria da Fazenda gaúcha é de que haja um crescimento expressivo da utilização da NF-e nos próximos meses em função da obrigatoriedade para os setores de cigarros e combustíveis líquidos. A obrigatoriedade para estes setores foi definida pelo Conselho Nacional de Política Fazendária e passa a vigorar em 1º de abril para todos os Estados. De acordo com a SEFAZ-RS (2008), através de Júlio César Grazziotin, diretor da Receita Estadual, em artigo publicado na Internet pela SEFAZ - Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul, (...) essa ampliação representará um aumento na modernização dos processos de troca de informações entre a Receita e as empresas, diminuindo custos e as possibilidades de fraude. Ele declara também que: (...) Para as empresas que cumprem adequadamente com suas obrigações, a nota eletrônica vai ampliar a justiça fiscal. Objetivo Geral A implantação do conceito de Nota Fiscal Eletrônica na empresa traz mudanças significativas no processo de emissão e gestão das informações fiscais, trazendo grandes benefícios para os contribuintes e as administrações tributárias. A Nota Fiscal Eletrônica substitui a nota fiscal modelo 1 e 1A em todas as hipóteses previstas na legislação em que estes documentos possam ser utilizados. Alteração da sistemática atual de emissão da nota fiscal em papel, por nota fiscal eletrônica (NF-e) com validade jurídica para todos os fins. Objetivos específicos Pretende-se, portanto, realizar uma pesquisa que compreenderá: Realizar um estudo das tecnologias envolvidas nos processos, da linguagem utilizada XML (Extended Markup Language), infra-estrutura de rede, comunicações e pessoal necessário; Realizar-se-á também um estudo de caso na Santher que está na fase de implantação da NF-e, pois isto dará uma perspectiva mais clara do que se espera de uma empresa que pretenda aderir ao sistema.

14 14 Justificativa É um documento de existência exclusivamente digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar uma operação de circulação de mercadorias ou prestação de serviços, cuja validade jurídica é garantida pela assinatura digital do emitente e a Autorização de Uso fornecida pela administração tributária do domicílio do contribuinte, antes da ocorrência do Fato Gerador. Com tudo isto tem benefícios tanto da parte da empresa como para o Fisco. Para o fisco, maior controle das operações, dificultar a sonegação, antecipação dos valores de receitas, etc. Na empresa muda completamente o cenário de movimentação dos produtos, sendo que para liberação do veiculo precisa estar carregado antes da emissão da Nota e no modo anterior tínhamos a opção de retirada da nota antes do carregamento do veiculo e outro beneficio é que podemos saber se o nosso cliente esta regularizado com o Fisco.

15 15 1 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 1.1 História da empresa A Santher, Fábrica de Papel Santa Therezinha S/A, fundada há mais de 70 anos, vem se dedicando à produção de papéis para uso industrial e outros desenvolvidos para mercados específicos. Em 1938, foi fundada a Santher no bairro da Penha, em São Paulo, iniciou-se a montagem da FÁBRICA DE PAPEL SANTA THEREZINHA S/A, liderada pelo médico, Dr. Fadlo. Desde então, a Santher busca o aprimoramento de seus produtos, primando pela qualidade através de uma contínua evolução, como investimentos em modernização de seus equipamentos de produção, sistemas de informação e em projetos de treinamento de pessoal, conseguindo atender às exigências de seus clientes, como também ao atual mercado globalizado. Em 1940, iniciava a fabricação de papel com uma máquina de fabricação nacional, e em 1950 era instalada outra máquina. Esta, de origem inglesa. Em 1966, começa a fazer a conversão do papel produzindo bobinas para calculadoras; Em 1972, iniciou a fabricação de papel higiênico; Em 1978, inaugura a Unidade Fadlo Haidar localizada em Bragança Paulista/SP; Em 1984, fundação da Unidade Governador Valadares/MG, aquisição do controle acionário da Impasa, Indústria Mineira de Papéis S/A; Em 1997, fundação da Unidade Guaíba/RS, aquisição do controle acionário das Pedras Brancas, empresa do Grupo Votorantin; Hoje a Santher conta com 1 (um) Escritório Central situado em São Paulo próximo a Marginal Pinheiros que é chamado de Company e 4 (quatro) unidades fabris que produzem aproximadamente 200 mil toneladas de papel por ano. O volume de papel produzido nas suas quatro unidades é de aproximadamente 200 mil toneladas por ano, sendo 155 mil toneladas de papéis descartáveis, colocando-a entre as quinze maiores empresas do setor no mundo em capacidade de produção, e mais 45 mil toneladas de papéis de uso industrial. A Santher tem como objetivo a excelência de seus produtos, o respeito ao consumidor e ao meio ambiente, ouvindo as necessidades de seus clientes e acompanhando as mudanças do setor, como também o constante aperfeiçoamento, estabelecendo parcerias sólidas e geradoras de negócios.

16 Razão Social Santher Fábrica de Papel Santa Therezinha S/A 1.3 Nome Fantasia Santher 1.4 Local de Funcionamento da matriz e filial Company escritório central localizado em São Paulo na avenida Eusébio Matoso, º Andar em Pinheiros, local estratégico objetivando um melhor atendimento em todo o país. Figura 1 Company Escritório Centra da Santher/Santher Unidade UFH localizada em Bragança Paulista com uma capacidade inicial de toneladas / ano, atinge hoje toneladas / ano. Nela são fabricados todos os produtos de consumo da empresa.

17 17 Figura 2 Unidade UFH localizada em Bragança Paulista /Santher Unidade UGV localizada em Governador Valadares tinha então capacidade de toneladas ao ano, número que atualmente mais que dobrou. Produz papéis sanitários de folha simples, além de guardanapos. A cidade de Governador Valadares, uma das maiores cidades do estado de Minas Gerais, é um importante ponto estratégico para distribuição dos produtos da Santher para o Nordeste Brasileiro. Figura 3 Unidade UGV localizada em Governador Valadares /Santher 2009.

18 18 Unidade UP localiza em São Paulo quando inaugurada tinha capacidade inicial de toneladas / ano. Hoje já atinge toneladas / ano. Fábrica papeis especiais de Baixa Gramatura para revestimentos laminação, impressão, fast food e papel tissue e guardanapos. Figura 4 Unidade UP localiza em São Paulo /Santher Unidade UG localizada em Guaíba. A mais recente incorporação com uma capacidade de produção atual de toneladas / ano. Fabricam papéis para laminação, impressão e parafinação, papéis Kraft, papel interfolhados, papéis para revestidos, papel de sedas para impressão, guardanapo, papel crepom e para decoração. Figura 5 Unidade UG localizada em Guaíba /Santher 2009.

19 Principais Produtos de papeis: A empresa se dispõe de uma ampla quantidade de produtos segmentados de fabricação Linha Consumo: Papeis sanitários; Guardanapos; Papel toalha; Absorventes; Lenços de Papel; Fralda; Figura 6 Linha de Consumo /Santher Portfólio Papéis Especiais Monolúcidos Figura 7 Linha Especial /Santher 2009.

20 20 Embalagens Flexíveis Papel com parafina = HALLS Papel com alumínio = BIS Papel com polietileno = sachê de adoçante Figura 8 Embalagens Flexíveis /Santher Sedas para guardanapos Papel para fabricação de guardanapos de baixa gramatura. Figura 9 Sedas para guardanapos/santher Decorativo escolar Papel base para papel crepom; Papéis decorativos. Ex PIPA; Papel base para carbono.

21 21 Calçadista e Vinhos Papel base utilizado para fabricação de envoltórios de sedas e vinhos. Figura 10 Outras embalagens/santher Fitilho de absorvente Papel para fabricação de fitilhos. Figura 11 Fitilhos/Santher Linha Profissional Eco Cristal Inovatta Figura 12 Linha Profissional/Santher 2009.

22 Principais clientes Quadro 1 - Principais clientes (Santher/2009). CLIENTES INTERNO MegaFort CBD Atac D/C/I Prestopel DT Playvender V A Angeloni Maranhão Cer Destro Coml Bretas IRM Bompreço AS Wal Mart BR Pereira Alim Mart Com Ser Makro Emporio MK Aliança Atac Real Distr DMA Distrib. GS Dist. Tran Global Dislo. EXTERNO Roxcel Corp Envases Plat Stora Belumosa Korimpexks Aluminium PR Gondi Wenzhou Heng JPPHK Del Uruguay Andromeda Helios S/A Elof H.P Envases Del Shangai Lan Han Wen Pelikan S.A Nampak Converflex Kimberly Ecu 1.7 Quantidades de funcionários por unidade Quadro 2 - Quantidade de Funcionários por unidade (Santher/2009). FUNCIONÁRIOS UNIDADES SANTHER TERCEIRO PENHA BRAGANÇA PAULISTA GOVERNADOR VALADARES GUAÍBA TOTAL 1830

23 23 2 O PROJETO NFe O projeto Nota Fiscal Eletrônica (NFe) é um projeto iniciado no ano de 2005, e ainda não finalizado, estando em desenvolvimento sob a responsabilidade do Encontro Nacional de Coordenadores e Administradores Tributários Estaduais (ENCAT), em conjunto com a Receita Federal. O projeto prevê a substituição das notas fiscais em papel por um documento fiscal eletrônico com validade jurídica garantida pela aplicação do conceito de Assinatura Digital. Todos os documentos técnicos e informações gerais estão disponibilizados no Portal Nacional da Nota Fiscal Eletrônica, no endereço 2.1 Modelo operacional da NFe O ciclo de vida de uma nota fiscal eletrônica começa na empresa emitente, quando, depois de uma transação comercial, que pode ser a venda de um serviço ou produto, são enviados os dados obrigatórios, segundo especificações técnicas, através da internet para os servidores da SEFAZ do estado referente à transação. Porém, para garantir a autoria do emissor, esse documento eletrônico precisa ser assinado digitalmente antes do envio. Passada essa etapa, o computador servidor da SEFAZ, o qual recebeu o documento, fará uma validação quanto ao formato e validade dos dados, e retornará uma mensagem de autorização para o emitente. O recebimento dessa autorização é obrigatório para que o trânsito da mercadoria de fato aconteça. Estando a mercadoria devidamente autorizada, o emitente deverá imprimir um documento que conterá informações do produto, além de uma chave de acesso e código de barras, que permitirá a consulta da NFe pela internet, garantindo a confirmação das informações. A esse documento foi atribuído o nome de Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica - DANFE, sendo importante deixar claro que o mesmo não possui validade jurídica alguma, sendo apenas uma forma de comprovação gráfica de que a nota fiscal foi enviada. Enquanto isso, de forma transparente para o emitente, a SEFAZ estadual enviará a NFe em questão para a Receita Federal, que guardará em repositório todas as notas de todos os estados.

24 Mensagens trafegadas no modelo NFe A requisição de todo e qualquer serviço da NFe, bem como o retorno dessas solicitações, estarão no formato XML - Extensible Markup Language[W3C,1990] Extensible Markup Language XML é um tipo de linguagem de marcação criada com o intuito de facilitar o compartilhamento de informações através da internet. A sua concepção prezou pela legibilidade tanto para pessoas quanto para computadores, além do desacoplamento entre conteúdo e formatação. O formato xml deixa o desenvolvedor livre para criações de novas tags, e também dispõe de arquivos de validação de estrutura chamados DTD(Data Definition Type). Os D T D s são documentos que contêm as regras que definem quais as tags que podem ser usadas em um documento XML e quais os valores válidos. Uma alternativa ao DTD é o XML Schema, linguagem baseado em XML usada com o mesmo propôsito, apresentando algumas diferenças, como suporte a tipos de dados, além de serem extensíveis para adições futuras. De XML surge um conceito importante chamado XML namespace, que nada mais é que a descrição da sintaxe de namespace, possibilitando a criação de prefixos para o nome das tags, evitando confusões de nomes iguais para tags diferentes. XML schema suportam namespaces Padrões técnicos das mensagens XML no projeto NFe A versão do XML utilizado pelo projeto NFe é a 1.0, e a codificação dos caracteres obedecerá o UTF-8, sendo obrigatório a inserção da seguinte informação no início de cada arquivo: <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> A indicação do namespace deve aparecer no elemento raiz: <NFe xmlns="http://www.portalfiscal.inf.br/nfe" > Os arquivos que definem os XML schemas, também chamados de XSD, estão disponíveis em

25 Comunicação com o contribuinte É detalhada nas subseções seguintes Serviços Toda e qualquer comunicação entre contribuinte e SEFAZ será iniciado pelo aplicativo do contribuinte, que enviará a solicitação do serviço desejado. Serviços se enquadram em duas categorias[sefaz,2007]: Serviços síncronos- serviço onde o processamento acontece na própria conexão da solicitação do mesmo, ou seja, o aplicativo emitente envia informações para um determinado serviço, esse serviço é processado na SEFAZ, e em seguida é retornado um resultado para o aplicativo emitente, seguindo do encerramento da conexão. Mostrado na Figura 13. Figura 13 - Serviço Síncrono [SEFAZ, 2007]. Serviços assíncronos- serviço onde o processamento não acontece na própria conexão da solicitação do mesmo, ou seja, o aplicativo emitente envia informações para um determinado serviço, esse serviço não é processado imediatamente na SEFAZ, ficando numa "lista de espera", aguardando a sua vez, enquanto a conexão é encerrada. Esse tipo de serviço acontece pela necessidade de uso de vários processos distribuídos. Mostrado na Figura 14.

26 26 Figura 14 - Serviço Assíncrono [SEFAZ, 2007]. Esses serviços, síncronos ou assíncronos, que "escutam" e "enviam" requisições são chamados Webservices[W3C,2002], e seguem um padrão de comunicação chamado SOAP (Simple Object Access Protocol) [W3C,2004] Webservices e SOAP Quando a internet começou a ganhar popularidade ao redor do mundo, os usuários tinham um papel unicamente passivo na rede, resumindo-se a simples clientes que requisitavam informações de servidores, os quais enviavam as informações solicitadas para exibição no computador pessoal do usuário. Para isso, era necessária uma linguagem padronizada que permitisse a exibição desse conteúdo trafegado, compatível com qualquer navegador web. A linguagem em questão foi a HTML (HyperText Markup Language) [W3C,1995]. Porém, novas tecnologias surgiram com o passar dos anos, e cada vez mais aparecem aplicações baseadas em tecnologias diferentes entre si, e que ao mesmo tempo precisam trocar informações umas com as outras. Partindo dessa necessidade, nasce conceito de webservice, que foi definido pela W3C como sistemas de softwares projetados para serem interoperáveis dentro de uma rede. Para facilitar o entendimento do conceito, convém citar um exemplo comum no diadia de quem usa a internet: imagine que o usuário está se cadastrando em algum portal de

27 27 comércio eletrônico, e em algum momento do cadastro é solicitado que digite o número de CPF. Distraidamente, esse usuário digita algum número errado, e o sistema lança um aviso de CPF inválido. Como um simples portal de comércio eletrônico pode validar números de CPF? Obviamente, o portal de vendas não vai se dar ao trabalho de armazenar em sua base de dados todos os números de CPF do país, com o propósito único de garantir que não serão cadastradas pessoas com CPF falsos. Na verdade, o portal apenas requisitou automaticamente um serviço disponível nos servidores da Receita Federal, usado para consulta de CPF. Esse serviço disponibilizado é chamado de webservice, e não precisa ser necessariamente implementado na mesma tecnologia do site do portal de vendas, porém, precisa de uma troca de mensagens em um "idioma" que seja compreendido pelas duas aplicações. A esse "idioma" se dá o nome de protocolo, e que no caso da SEFAZ, é baseado em um dos mais usados protocolos para webservices, conhecido como SOAP. Este é um protocolo que utiliza documentos em formato xml, e que aderem a uma especificação também descrita pelo W3C WSDL - Webservice Description Language Para acessar algum serviço na internet, a aplicação cliente precisa saber de algumas informações a serem passadas para o webservice, como por exemplo, os parâmetros que um determinado serviço recebe. No exemplo do cadastro no portal de e-commerce, provavelmente o serviço de consulta do número do CPF deve receber apenas um parâmetro, no caso, o prôprio número. Para resolver esse problema, foi criado um documento baseado novamente em xml, chamado WSDL, que descreve um conjunto de mensagens SOAP e a forma como essas mensagens são trocadas[iweb,2003]. Tendo acesso ao WSDL de um determinado webservice, basta construir uma aplicação, em qualquer tecnologia, que acesse os serviços da maneira descrita, e a comunicação está estabelecida. A Figura 15 mostra a conexão de um cliente a um webservice.

28 28 Figura 15 - Aplicação cliente acessando diretamente um Webservice [CUNHA,2002] Webservices NFe A comunicação entre o contribuinte e a Secretaria da Fazenda do estado ao qual ele pertence se dá através da troca de mensagens entre os Webservices seguindo o padrão SOAP, com troca de mensagens XML no padrão Style/Enconding: Document/Literal, wrapped. A opção "wrapped" significa a passagem de mais de um parâmetro aos métodos disponíveis. Os parâmetros usados para qualquer chamada aos webservices da SEFAZ, possuem dois parâmetros do tipo string, com os nomes de: "nfecabecmsg" e "nfedadosmsg". A Figura 16 mostra um exemplo de uma mensagem dentro de um envelope SOAP: <?xml version="1.ü" Gncoding="UTF-8"?> <soap:envelope xm I n s :soa p="h ttp m JI s ch Gtm as JC m I soa p, rg/soap/e n ve I ope/" xm I n s :xs i=" h ttp ://www.w3.org/2001/xmlschema-instance" xmlns :xsd=" h ttp -J/w ww. w3.o rg' 2 D 01 /X M LSc h e m a"> <SOAP:Body> <nfe Recepção Lote xmlns="h ttp ^/www.portalf iscai. inf.br/nfe/wsdl/nferecepcao"> <!... XML Área de Cabeçalho... > <nfecabecmsg> <?xml version="1.0" encoding="utfâ"?> <cabecmsg xmlns=" versao="1.02"> < versaodad o s> 1,0 7<Jv ersaoda d o s> </cabecmsg> </nfecabecmsg>

29 29 <!... XML Área de Dados... > <nfedadosmsg> <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> < en vi N Fe sem I n s =" h ttp ;7w ww. p orta lf i sca I. i n f. br/n f e" ve rs ao=" 1.0 7"> <id Lote> </idl_ote> < N Fe xm I n s=" http :7ww w.portalfisoal.inf.br/nfe" <infnfe ld="nfe d dddd0700s "versao="1.0rs. </NFe> </envinfe> </nfe DadosMsg> < ' nf e Rece p cao Lote> i ; SOAP:Body> í/soap:envelope> Figura 16 - exemplo de mensagem encapsulada em um envelope SOAP[SEFAZ,2007] A área do cabeçalho (nfecabecmsg), é utilizada unicamente para controle, contendo informações da versão dos XML schemas que validam o conteúdo no corpo da mensagem (nfedadosmsg). A SEFAZ estabeleceu a existência de um webservice para cada serviço, que pode ser classificado quanto ao seu tipo, como no Quadro 3: Quadro 3 - Tipos de serviços disponíveis[sefaz,2005]. Serviço Recepção de N F-e Cancelamento de NF-e Inutilização de Numeração de NF-e Consulta da situação atual da NF-e Consulta do status do serviço Implementação Assíncrona Síncrona Síncrona Síncrona Síncrona A Figura 17 mostra a comunicação para envio de um lote de notas fiscais eletrônicas. As URL's (Uniform Resource Locator), ou seja, endereço dos serviços na internet, encontram-se disponíveis nos sites das SEFAZ dos estados. Acessando a URL pode ser obtido o WSDL (Webservices Description Language) de cada Webservice.

30 30 Figura 17 - Comunicação no envio de um lote NFe(serviço assíncrono)[sefaz,2007] 2.4 Certificação Digital A rede mundial de computadores cada vez agiliza o envio de dados e documentos para as diversas partes do mundo, de forma quase instantânea. Porém, se faz necessário alguma estratégia para garantir que esses dados trafegados sejam confidenciais, autênticos e íntegros. Dessa necessidade surgiu a idéia de Certificação Digital[X.509,1988], conceito que vem amadurecendo desde a década de 80, oriundo do estudo da criptografia Criptografia A palavra criptografia carrega em sua etimologia a junção da palavra "código" com a palavra "escrita", e estuda as formas de se transformar informações legíveis por pessoas ou máquinas em informações cifradas, ilegíveis, que podem ser decifradas ao conteúdo original através de uma "chave" [IRIB,2005]. Apesar da criptografia abranger bem mais do que a codificação e decodificação de informação, este tópico se limitará a essa área de estudo. Para criptografar uma determinada informação, um computador recebe a informação e um número chave, usado no algoritmo de transformação dos dados. O processo que permite decifrar essa informação só é possível, novamente, com o uso de um número chave, o que leva a conclusão de que, para manter um texto qualquer sob sigilo, basta que o mesmo seja criptografado, e o número de chave seja guardado em segredo. Existem duas formas de se fazer esse tipo de criptografia nos dias atuais: a criptografia simétrica e a criptografia de chave pública.

31 Criptografia Simétrica Nesse caso, o número de chave usado na cifragem da informação é o mesmo usado na decifragem da mesma, fazendo com que essa chave seja compartilhada com quem vai cifrar e que vai recuperar de volta a mensagem original. A forma como esse número de chave será compartilhado entre essas duas entidades deve ser segura, visto que se uma terceira entidade tem conhecimento desse número, as informações podem ser facilmente lidas[irib,2005] Criptografia de chave pública No caso da criptografia de chave pública, são usadas duas chaves diferentes, uma privada e a outra pública. A operação realizada com uma delas pode ser revertida com a outra. A chave pública, como o nome já diz, deve ficar disponível para o acesso de quem tiver interesse, enquanto que a chave privada deve ser guardada em sigilo por quem a gerou. [IRIB,2005]. Esse tipo de criptografia é atualmente o mais usado, e se apresenta bastante eficiente por garantir não apenas o sigilo das informações, mas garante também a autoria de quem está criptografando as informações. Para garantir a autenticidade, o autor de um determinado documento submete o mesmo à uma cifragem utilizando sua chave privada, e pode disponibilizar, inclusive na internet, sua chave pública, para quem quiser decifrar o documento. Sabendo-se que a chave privada que gerou aquele documento agora decifrado é de conhecimento apenas do autor daquele documento, esse processo garante a sua autoria. Fazendo-se um processo inverso, podemos garantir a confidencialidade do documento. Nesse caso, o remetente utilizada a chave pública do destinatário no processo de cifragem, e envia o documento para o destino, sabendo que apenas com a chave privada do destinatário, mantida sigilosamente por ele, a informação será lida.

32 Assinatura Digital A técnica de autenticação viabilizada pelos algoritmos de chave pública, quando são usados em conjunto com um algoritmo chamado Hash[LUHN,1953], temos a Assinatura Digital[ICP-2001]. O Código Hash é o resultado de uma função chamada função de hash, que recebe um determinado conjunto de informações, como um texto, por exemplo, e retorna um código único para aquele conteúdo. Caso um texto de milhares linhas seja alterado com a adição ou mudança de apenas um caractere, o código gerado pela função de hash será completamente diferente do anterior. Uma característica importante das funções hash é que elas são unidirecionais, ou seja, não se pode recuperar o conteúdo de um documento a partir do código gerado pela função hash aplicada ao mesmo. Partindo desse conceito, o usuário X, que queira utilizar da assinatura digital no envio do de um documento, submeterá esse documento à uma função hash, que retornará o código hash referente àquele conteúdo. Em seguida, esse usuário utilizará de um algoritmo de chave pública para cifrar essa informação, usando sua chave privada, gerando assim a sua Assinatura Digital. Depois desse procedimento, qualquer destinatário com acesso à chave pública da pessoa X, decifra o conteúdo criptografado e compara o resultado com o hash do documento. A Figura 18 e Figura 19 mostram algumas imagens para ilustrar o procedimento. Figura 18 - Assinatura digital utilizando algoritmos de chave pública [IRIB,2005].

33 33 Figura 19 - Conferência da assinatura digital[irib, 2005]. A Medida Provisória (MP) n , de 24 de agosto de 2001, atribuiu validade jurídica à assinatura digital Certificado Digital O certificado digital é um arquivo que associa uma entidade ou pessoa a uma chave pública. Esse documento é assinado digitalmente por alguma entidade autorizada para esse fim, e possui informações importantes como chave pública, nome da entidade ou pessoa associada a essa chave, nome e assinatura da empresa que assinou o certificado e número de série[irib,2005]. Esse tipo de certificado é usado em sistemas bancários pela internet, para garantir ao cliente que o servidor o qual ele está trocando informações é de fato o seu banco. O cliente também pode usar o seu certificado digital para garantir o sentido contrário. Além de bancos, alguns órgãos governamentais também têm se favorecido com esse conceito, como a Secretaria da Fazenda do Estado de Pernambuco, primeiro estado brasileiro a se utilizar de certificação digital nesse âmbito [IRIB,2005]. A autoridade certificadora raiz brasileira é a ICP(Infra-estrutura de Chaves Públicas[MP, 2001]), e sua principal finalidade é definir um conjunto de técnicas que caracterizam um sistema de certificação digital de chaves públicas.

34 Padrões de assinatura e certificado do Projeto NFe As subseções seguintes abordam os formatos técnicos especificados no projeto Nfe para garantir Certificado e Assinatura digital. O certificado digital no Projeto NFe deverá ser emitido pela ICP-Brasil, sendo do tipo A1 ou A3, contendo o CNPJ do titular da certificação digital. As mensagens enviada para a SEFAZ, como já foi dito anteriormente, são arquivos no formato XML. Esses arquivos devem ser assinados digitalmente com o certificado que indique o CNPJ do estabelecimento matriz ou emissor. Algumas informações presentes no certificado digital devem ser dispensadas do arquivo XML. São elas[sefaz,2007]: <X509SubjectName> <X509IssuerSerial> <X509IssuerName> <X509SerialNumber> <X509SKI> Deverão ser evitados o uso das seguintes tags, pelo mesmo motivo citado acima: <KeyValue> <RSAKeyValue> <Modulus> <Exponent>

35 35 3 PROCESSO NOTA FISCAL ELETRÔNICA NA SANTHER A nota fiscal eletrônica substitui a nota fiscal modelo 1 e 1A em todas as hipóteses previstas na legislação em que estes documentos possam ser utilizados. O processo de emissão da NF-e é simples e se parece muito com o processo de emissão normal de notas fiscais. A grande diferença está na utilização de uma série definida como NF-e e na impressão do DANFE, por intermédio da função Emissor DANFE (FT0516). 3.1 Conceito Nota Fiscal Eletrônica NF-e É um documento de existência exclusivamente digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar uma operação de circulação de mercadorias ou prestação de serviços, cuja validade jurídica é garantida pela assinatura digital do emitente e a Autorização de Uso fornecida pela administração tributária do domicílio do contribuinte, antes da ocorrência do Fato Gerador. Quando da emissão da NF-e, a empresa emissora gera um arquivo eletrônico contendo as informações fiscais da operação comercial, o qual deverá ser assinado digitalmente, de maneira a garantir a integridade dos dados e a autoria do emissor. Este arquivo eletrônico, que corresponderá à NF-e, é transmitido, pela Internet, para a SEFAZ de jurisdição do contribuinte emitente, que faz uma pré-validação do arquivo e devolve uma Autorização de Uso, sem o qual não poderá haver o trânsito da mercadoria. Após o recebimento da NF-e, a SEFAZ disponibiliza consulta, através Internet, para o destinatário e outros legítimos interessados, que detenham a chave de acesso do documento eletrônico. Este mesmo arquivo da NF-e é ainda transmitido, pela SEFAZ, para a Receita Federal, que será repositório nacional de todas as NF-e emitidas e, no caso de uma operação interestadual, para a SEFAZ de destino da operação. Para acobertar o trânsito da mercadoria será impressa uma representação gráfica simplificada da Nota Fiscal Eletrônica, intitulado DANFE. 3.2 Fluxo da NF-e A Figura 20 a seguir apresenta de forma simplificada todo o fluxo gerado pela nota fiscal eletrônica quando do envio de mercadorias:

36 Figura 20 - Fluxo gerado pela nota fiscal eletrônica [SEFAZ, 2007]. 36

37 37 Na tabela a seguir estão descritos as movimentações efetuadas no fluxo da NF-e: Tabela 1 Movimentações gerado pelo fluxo da nota fiscal eletrônica [SEFAZ, 2007]. Fluxo Descrição 1 A empresa emissora de NF-e gera o arquivo eletrônico em formato XML, contendo as informações fiscais da operação comercial, o qual é assinado digitalmente, de maneira a garantir a integridade dos dados e a autoria do emissor. Este arquivo, que corresponde a Nota Fiscal Eletrônica é transmitido, pela Internet, para a Secretaria da Fazenda da unidade de federação do contribuinte, por intermédio do uso de tecnologia web service, previamente a saída da mercadoria do estabelecimento. 2 A Secretaria da Fazenda da unidade de federação do contribuinte efetua uma pré-validação do arquivo e devolve um protocolo de recebimento (Autorização de Uso), sem o qual não pode haver o trânsito da mercadoria. 3 Após o recebimento da NF-e, a Secretaria da Fazenda disponibiliza a consulta, por intermédio da Internet, para o destinatário e outros legítimos interessados, que detenham a chave de acesso do documento eletrônico. Este mesmo arquivo da NF-e é transmitido, pela Secretaria de Fazenda, para a Receita Federal e, no caso de uma operação interestadual, para a Secretaria de Fazenda de destino da operação. Ou ainda, para o estado do porto aonde haverá embarque da mercadoria no caso de exportação. 4 Para o trânsito da mercadoria, é efetuado a emissão de uma representação gráfica simplificada da Nota Fiscal Eletrônica, intitulado DANFE (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica) em papel comum. Esse documento contem impresso, em destaque, a chave de acesso para consulta da NF-e na Internet e um código de barras uni-dimensional, o qual tem a função de facilitar a captura e a confirmação de informações da NF-e pelos Postos Fiscais de Fronteira. O transporte das mercadorias passa a ser coberto por este documento. Por não ser um documento com valor legal, este não será guardado, apenas a NF-e deve ser arquivada em meio eletrônico pelo tempo exigido pela legislação. Nota: Para facilitar a entrada das informações, o contribuinte emitente poderá enviar para o destinatário o XML da nota fiscal eletrônica, incentivando assim a troca de informações eletrônicas. 5 Os postos fiscais de fronteiras recebem os veículos de transportes e por intermédio da chave de acesso ou pela leitura do código de barras, ambos impressos no DANFE, e verificam no sistema da Secretaria da Fazenda a existência da respectiva NF-e válida que ampare o DANFE consultado. 6 O contribuinte destinatário da mercadoria, recebe a mesma acompanhada com o DANFE e efetua o processo de recebimento com esse documento e não mais com a nota fiscal. O destinatário, deve efetuar a consulta ao sistema da Secretaria da Fazenda para verificar se o DANFE recebido possui uma NF-e válida vinculada a ele. 7 O contribuinte destinatário efetua a realiza a confirmação para a SEFAZ de que recebeu as mercadorias constantes de uma NF-e. A seguir é apresentado o Fluxo Normal de Cálculo da NF-e utilizando aplicação de transmissão: Cálculo da Nota Fiscal por intermédio de uma das funções do processo Cálculo de Notas Fiscais. Esse processo já contempla a geração automática do XML da Nota Fiscal Eletrônica,

38 38 sendo que quando da confirmação do cálculo de uma nota fiscal, por intermédio dos programas padrões Datasul EMS 2, estando o sistema corretamente parametrizado e utilizando uma série previamente identificada para emitir NF-e para o estabelecimento, a NFe será automaticamente enviada para o SEFAZ que irá responder dentro do prazo máximo de 3 minutos a solicitação de uso da NF-e. Aguardo da autorização de uso pelo SEFAZ (esse tempo pode variar de um a três minutos de acordo com a capacidade de processamento da SEFAZ do estado). Durante esse tempo é possível calcular outras notas fiscais; entretanto, é necessário acompanhar o retorno do SEFAZ para dar continuidade ao processo de emissão do DANFE. Após o retorno positivo da autorização de uso, deverá ser feita a Impressão do DANFE para acobertar a circulação da mercadoria (não há necessidade de efetuar a impressão da nota fiscal, essa passa a existir somente em formato digital). Nota Com o retorno positivo do SEFAZ também será possível integrar a Nota Fiscal com os demais módulos do Datasul EMS 2. Em algumas situações a NF-e pode ter seu Uso Rejeitado pela SEFAZ. Nesse caso, é necessário corrigir a informação inconsistente e efetuar um novo envio da NF-e a SEFAZ, conforme apresentado no fluxo a seguir: Cálculo da Nota Fiscal. Autorização de uso pela SEFAZ rejeitada. Nota Os casos em que uma NF-e pode ser rejeitada podem ser visualizados no Manual de Integração do Contribuinte no Portal da Nota Fiscal Eletrônica disponibilizado pelo Ministério da Fazenda. Modificação de Dados da Nota Fiscal (FT0502) e novo envio por intermédio do botão "Envia XML da Nota Fiscal Eletrônica". Uso autorizado pela SEFAZ.

39 39 Caso o uso ainda tenha sido rejeitado, é necessário manutenir a nota e efetuar um novo envio, conforme descrito no item anterior ou efetuar a inutilização do número, conforme descrito a seguir: Após o retorno positivo da autorização de uso, deverá ser feita a Impressão do DANFE. Já em outras situações que a nota fiscal teve seu Uso Rejeitado pela SEFAZ ou não foi gerada não é possível corrigir a nota para reenvio ao SEFAZ. Nesse caso, é necessário que seja solicitado a inutilização da numeração da NF-e, conforme apresentado a seguir: Cálculo da Nota Fiscal. Autorização de uso pela SEFAZ rejeitada ou não geração da NF-e. Inutilização da Nota Fiscal Eletrônica (FT2201). Inutilização autorizada pela SEFAZ. Após o retorno positivo da inutilização da numeração, deverá ser feito os acertos necessário para efetuar o novo cálculo da NF-e. A NF-e também pode ser cancelada, para isso é necessário que a mesma tenha seu uso autorizado pela SEFAZ, sendo que seu processo de cancelamento é idêntico ao processo normal, conforme apresentado no fluxo a seguir: Cálculo da Nota Fiscal. Uso autorizado pela SEFAZ. Cancelamento de Nota Fiscal (FT2200) (somente notas fiscais com autorização de uso podem ser canceladas). Neste momento o sistema irá fazer nova conexão com o site da SEFAZ solicitando autorização para cancelar a NF-e. Após o retorno da SEFAZ autorizando o cancelamento, a nota fiscal será cancelada no Datasul EMS 2. Importante A diferença de um processo de cancelamento de uma NF-e e de uma inutilização é que uma nota fiscal só poderá ser cancelada quando ela tiver dado entrada no sistema da SEFAZ. Ao contrario de uma inutilização, que deverá ser feito para comunicar a Sefaz que quais os números da série de nota fiscal não foram enviadas e não serão mais enviados para a SEFAZ. Este processo é necessário, pois deve existir a seqüência de numeração da nota e qualquer quebra na numeração deve ser comunicada a SEFAZ.

40 40 O Sistema da nota fiscal eletrônica foi planejado para estar disponível, porem quando ocorrerem problemas, poderá ser utilizado a estratégia de contingência prevista no projeto da NF-e nacional. Uma das formas possíveis de contingência em caso de falha, que impeça o acesso da empresa ao ambiente da SEFAZ, é a emissão do DANFE em contingência, sem a transmissão imediata da NF-e correspondente. A decisão de entrar em contingência ou aguardar a normalização da situação cabe ao Contribuinte. Os DANFE s em contingência deverão ser impressos em formulário de segurança, estampando a informação DANFE emitido em contingência. Deverá ser gerado em duas vias, sendo que uma das vias deve acompanhar a mercadoria, ficando a outra arquivada na empresa emitente para posterior apresentação ao fisco. Quando terminada a contingência, é obrigatória a transmissão das NF-e s correspondentes aos DANFE's emitidos na situação de contingência para a Sefaz-Origem. Ocorrendo erro que implique em rejeição de alguma destas NF-e, ela deve ser corrigida e retransmitida. Durante o processamento destas NF-e, a Sefaz-Origem não fará a verificação das hipóteses que podem resultar na Denegação. Para as notas fiscais que foram processadas sem problemas, será retornado o número do protocolo e a chave de acesso da NF-e. Para as notas fiscais com problemas, será retornada a mensagem de erro descrevendo o problema. Situações da Nota Fiscal Eletrônica A nota fiscal quando calculada pelo sistema possui o campo "IECFOAT" que exibe a situação da nota fiscal. Para as notas fiscais eletrônicas, além desse campo existe o campo "Situação NF-e", o qual apresenta a situação da NF-e em relação a sua situação no sistema (pelos itens 1 e 2) e sua situação na SEFAZ (pelos itens 3 à 7). As situações possíveis para as notas fiscais eletrônicas são: 01 NF-e não gerada indica que a nota fiscal foi calculada no sistema e teve problemas, no processo de integração, para geração do arquivo XML, o qual está pendente de envio a SEFAZ. 02 Em processamento indica que os dados da nota fiscal foram enviados para a SEFAZ e está aguardando retorno do mesmo.

41 41 03 Uso autorizado indica que o uso da NF-e foi autorizado pela SEFAZ. Nessa situação é possível efetuar o trânsito da mercadoria com o DANFE. 04 Uso denegado indica que o uso da NF-e foi denegado pela SEFAZ. Nesta situação a nota não pode circular. As integrações / atualizações feitas no momento do cálculo da nota com pedidos e embarques são desfeitos. Quando a NF-e tem seu uso denegado, no EMS ela apresenta a situação de cancelada no sistema. 05 Documento rejeitado indica que o uso da NF-e foi rejeitado pela SEFAZ e a mesma deve ser corrigida e novamente transmitida. Nessa situação a nota pode ser alterada para posterior envio. Importante Caso seja necessário o recalculo da nota fiscal pois os valores devem ser ajustados, será necessário a inutilização da nota para desfazer as integrações com pedidos e embarques. 06 Documento cancelado indica que a NF-e teve sua solicitação de cancelamento autorizado pela SEFAZ. Nesse situação a nota também se encontra cancelada no sistema. Importante Para que a NF-e possa ser cancelada, é necessário que a mesma tenha obtido autorização de uso da SEFAZ. 07 Documento inutilizado indica que a NF-e teve sua solicitação de inutilização do número da nota autorizado pela SEFAZ. Nessa situação a nota apresenta a situação de cancelada no sistema. Nota O campo "IECFOAT" apresenta de forma automática a situação da nota fiscal como cancelada quando a mesma tiver seu uso denegado, autorização de cancelamento ou autorização de inutilização pelo SEFAZ. A situação da nota fiscal eletrônica pode ser consultada por intermédio das funções: Função Consulta Nota Fiscal (FT0904).

42 42 Função Relatório Notas Fiscais (FT0507). Função Consulta NF-e (FT0909). Para acompanhamento e monitoraamento dos reornos da situação da NF-e a Datasul disponibilizou a função Monitor NF-e (FT0909), que é descrita a seguir: Função Monitor NF-e Objetivo Permitir o monitoramento de todas as informações relacionadas ao processo de emissão e controle da Nota Fiscal Eletrônica, além de identificar a situação dos serviços envolvidos neste processo. Programa FT0909 Pré-requisitos Não há pré-requisitos para a execução dessa função. Visão Geral O monitor NF-e apresenta a relação de todas as notas fiscais eletrônicas, indicando a sua atual situação. Permitindo que a partir dessa informação seja possível efetuar as seguintes ações: Imprimir o DANFE para notas autorizadas Alterar as notas rejeitadas Cancelar as notas autorizadas Re-enviar o XML das notas rejeitadas ou com situação Não Gerada. Inutilizar a numeração da nota fiscal eletrônica junto a SEFAZ. Nota Em caso de ajuste de valores, se for necessário o recálculo da nota fiscal, será necessário solicitar a inutilização da nota para desfazer as integrações com pedidos e embarques.

43 43 Emitir uma nota fiscal em processo de contingência. Na pasta notas é possível efetuar a múltipla seleção de notas fiscais de um mesmo estabelecimento, utilizando o botão Ctrl (seleção nota a nota) ou Shift (seleção por faixa), permitindo que para essas notas seja feito o processamento em lote. Entretanto, quando for selecionado mais de uma nota não é possível modificá-las ou cancelá-las. Descrição Janela Monitor NF-e Pasta NF-e Com o acionamento da função Monitor NF-e, é apresentada a janela a seguir. Na pasta NF-e são apresentadas as notas fiscais eletrônicas, identificando as diferentes situações que a nota fiscal eletrônica pode possuir desde a sua geração até a sua aprovação ou não pela SEFAZ. Nessa pasta as notas rejeitadas e não geradas são apresentadas com fonte em vermelho, já as notas denegadas com fonte em rosa. O quadro Mensagens Notas Fiscais Eletrônicas, apresenta todas as mensagem relacionadas as notas selecionadas. Figura 21 - Janela Monitor NF-e [SEFAZ, 2007].

44 44 Nas tabelas a seguir estão descritos os elementos dessa janela: Tabela 2 Elementos utilizados na Janela Monitor NF-e [SEFAZ, 2007]. Botão Nome Descrição Parâmetros Quando acionado, é apresentada a janela FT0909A que permite filtrar as informações a serem apresentadas em tela. Seleção de Notas Fiscais Eletrônicas Atualizar Quando acionado, é apresentada a janela FT0909B que permite informar faixas de seleção para apresentar as informações em tela. Quando acionado, efetua a atualização das informações apresentadas pela função. Exporta Dados para Excel Quando acionado, gera planilha Excel com as informações geradas em tela. Modificar Imprimir Enviar Cancelar Inutilizar Contingência Situação Quando acionado, apresenta a função Modificação de Dados da Nota Fiscal (FT0502), na qual é possível efetuar a manutenção das informações da nota fiscal para efetuar um novo envio a SEFAZ. Nota: Esse botão é habilitado quando a nota fiscal eletrônica foi rejeitada pelo SEFAZ. Quando acionado, apresenta a função Emissor DANFE (FT0516), na qual é possível efetuar a impressão do DANFE. Nota: Esse botão é habilitado quando a nota fiscal eletrônica possuir o uso autorizado. Quando acionado, envia as informações da nota fiscal no formato XML para a Secretaria da Fazenda (SEFAZ), permitindo que as informações da nota sejam analisadas pela SEFAZ, a qual irá retornar com a "Autorização de Uso", "Denegação de Uso" ou "Rejeição" da nota fiscal eletrônica. Nota: Esse botão é habilitado quando a nota fiscal eletrônica ainda não foi enviada para a SEFAZ ou foi rejeitada. Quando acionado, apresenta a função Cancelamento de Nota Fiscal (FT2200), na qual é possível efetuar o cancelamento da nota fiscal eletrônica. Nota: Esse botão é habilitado quando a nota fiscal eletrônica possuir o uso autorizado. Quando acionado, apresenta a função Inutilização de Notas Fiscais Eletrônicas (FT2201), na qual é possível informar a Secretaria da Fazenda, as numerações de nota de série de nota fiscal eletrônica, que devem ser inutilizadas. Quando acionado, apresenta a função Emissor DANFE (FT0516), na qual é possível efetuar a impressão do DANFE em processo de contingência para a nota fiscal eletrônica. Nota: Esse botão é habilitado quando os itens a seguir forem atendidos: a nota fiscal eletrônica estiver com sua situação igual á NF-e não gerada, Em processamento ou Rejeitada; o estabelecimento estiver parametrizado para permitir a emissão de NF-e em contingência; o usuário possuir permissão para emissão de NF-e em contingência. Quando acionado, apresenta a janela FT0909D, na qual é consultar/informar a situação da nota fiscal eletrônica.

45 45 Coluna Consulta Intervalo Tabela 3 Elementos utilizados na Janela Monitor NF-e [SEFAZ, 2007]. Descrição Selecionar o tipo de consulta a ser efetuado a base de dados para atualização das informações. As opções disponíveis são: Manual, permite que a atualização seja efetuada toda vez que for acionado o botão Automática, permite que a atualização seja efetuada de forma automática de acordo com o intervalo informado. Inserir a quantidade de segundos a serem utilizados para definição do intervalo de atualização automática. Nota: Esse botão somente é habilitado quando a consulta estivar parametrizada como Automática. E\S Exibe um indicativo se a nota fiscal eletrônica é de entrada (08) ou saída (04). Est Exibe o código do estabelecimento responsável pela nota fiscal eletrônica emitida. Ser Exibe a série da nota fiscal eletrônica. Nota Fis Exibe o número da nota fiscal eletrônica. Emissão Exibe a data de emissão da nota fiscal eletrônica. Nat Oper Exibe o código da natureza de operação utilizada na emissão da nota fiscal eletrônica. Cliente/Fornec Exibe o nome abreviado do cliente ou fornecedor da nota fiscal eletrônica. Situação NF-e Exibe a situação da nota fiscal eletrônica. As opções possíveis são: NF-e não gerada Tp Emissão IECFOAT Protocolo Mensagem Tipo Mensagem Em processamento no EAI Uso autorizado Uso denegado Documento Rejeitado Documento Cancelado Documento Inutilizado Em processamento no aplicativo de transmissão NF-e Gerada NF-e em Processo de Cancelamento NF-e em Processo de Inutilização Exibe o tipo de emissão da nota fiscal eletrônica. Exibe o código correspondente à situação atual da nota fiscal eletrônica. Cada letra representa um módulo ou estado de atualização, onde S (Sim) significa que a nota se encontra atualizada N (Não) significa que a nota fiscal não está atualizada. As opções possíveis são: I = Impressa E = Atualizada no módulo de Estoque C = Cancelada F = Atualizada no módulo de Contas a Receber O = Atualizada no módulo de Obrigações Fiscais A = Atualizada em Estatísticas T = Contabilizada Exibe o número do protocolo da nota fiscal eletrônica. Exibe o código da mensagem de validação. Importante: Mais detalhes referentes aos códigos a serem cadastrados podem ser obtidos do Manual de Integração do Contribuinte, o qual está disponível no Portal Nacional da Nota Fiscal Eletrônica. Exibe o tipo de retorno de validação. As opções disponíveis são: Resultado do Processamento Motivos de não Atendimento (Rejeição) Motivos de Denegação de Uso Exibe a descrição da mensagem de retorno.

46 46 Janela FT0909A Com o acionamento do botão Parâmetros na janela Monitor NF-e, é apresentada a janela a seguir: Figura 22 - Janela FT0909A [SEFAZ, 2007]. Na tabela a seguir estão descritos os elementos dessa janela.

47 47 Tabela 3 Elementos utilizados na Janela FT0909A [SEFAZ, 2007]. Campo Situação NF-e Situação Nota Tipo Emissão Descrição Assinalar a situação da nota fiscal eletrônica a ser considerada no filtro das informações que serão apresentadas em tela. As opções disponíveis são: NF-e não gerada NF-e gerada Em processamento no EAI Em processamento no aplicativo de transmissão Em processamento no SEFAZ Em processamento no SCAN Uso Autorizado Uso Denegado Documento Rejeitado Documento Cancelado Documento Inutilizado NF-e em Processo de Cancelamento NF-e em Processo de Inutilização Assinalar a situação atual da nota fiscal eletrônica a ser considerada no filtro das informações que serão apresentadas em tela. As opções disponíveis são: Impressas Não Impressas Assinalar o tipo de emissão da nota fiscal eletrônica a ser considerada no filtro das informações que serão apresentadas em tela. As opções disponíveis são: Normal Contingência Off-line Contingência SCAN Janela FT0909B Com o acionamento do botão Seleção de Notas Fiscais Eletrônicas na janela Monitor NF-e, é apresentada a janela a seguir: Figura 23 - Janela FT0909B [SEFAZ, 2007].

48 48 Na tabela a seguir estão descritos os elementos dessa janela. Tabela 4 Elementos utilizados na Janela FT0909B [SEFAZ, 2007]. Campo Cliente/Fornec Estabelecimento Série Nr Nota Fiscal Dt Emissão Embarque Descrição Inserir a faixa de códigos de cliente/fornecedor a ser considerada na apresentação da notas fiscais eletrônicas em tela. Inserir a faixa de códigos de estabelecimento a ser considerada na apresentação da notas fiscais eletrônicas em tela. Inserir a faixa de séries da notas fiscais eletrônicas a ser considerada na apresentação da notas fiscais eletrônicas em tela. Inserir a faixa de números de nota fiscal a ser considerada na apresentação da notas fiscais eletrônicas em tela. Inserir a faixa de datas de emissão a ser considerada na apresentação da notas fiscais eletrônicas em tela. Inserir a faixa de códigos de código de embarque a ser considerada na apresentação da notas fiscais eletrônicas em tela. Janela FT0909D a seguir: Com o acionamento do botão Situação, na janela Monitor NF-e, é apresentada a janela Importante De acordo com a parametrização efetuada para o estabelecimento essa janela pode ter a característica de permitir a manutenção da situação da NF-e ou permitir somente a consulta da situação e chave de acesso. Quando o estabelecimento da nota fiscal estiver parametrizado com a opção Transmissão Manual e a situação da NF-e estiver como Em Processamento na Aplicação de Transmissão, nessa janela será possível informar a situação da NF-e, o número do protocolo e o código numérico que irá compor a chave de acesso. Caso o estabelecimento esteja parametrizado para transmissão por intermédio da Aplicação de Transmissão, somente é possível consultar a situação e chave de acesso da NF-e.

49 49 Figura 24 - Janela FT0909D [SEFAZ, 2007]. Na tabela a seguir estão descritos os elementos dessa janela. Tabela 5 Elementos utilizados na Janela FT0909D [SEFAZ, 2007]. Campo Situação NF-e Chave Acesso NF-e Protocolo Descrição Selecionar a situação da nota fiscal eletrônica. Importante: A situação somente pode ser alterada para Uso Autorizado, Uso Denegado ou Documento Rejeitado. Após informada a situação da nota fiscal, se for alterada para Uso Autorizado, a mesma é atualizada no efetuando as atualizações e integrações do faturamento ou recebimento. Inserir a chave de acesso da nota fiscal eletrônica. Exibe o número do protocolo da nota fiscal eletrônica. Janela Monitor NF-e Pasta Serviços SEFAZ Com a seleção da pasta Serviços SEFAZ da função Monitor NF-e, é apresentada a janela a seguir. Esta janela possibilita ao usuário identificar quais serviços da Sefaz estão disponíveis nos estados dos estabelecimentos que foram parametrizados na Seleção de Notas Fiscais Eletrônicas. Nota: Quando da utilização do Totvs Services SPED (TSS), serão selecionados somente os estados dos estabelecimentos que estiverem parametrizados neste.

50 50 Figura 25 - Monitor NF-e Pasta Serviços SEFAZ [SEFAZ, 2007]. O monitoramento também pode ser efetuado através do Sistema de Monitoramento da nota Fiscal Eletrônica Neogrid, na internet, como segue. Somente usuários devidamento cadastrados e autorizados terão acesso a esta opção. Ao acessar o endereço é apresentada a tela do monito solicitando usuário e senha:

51 51 Figura 26 Tela de Acesso SEFAZ [SEFAZ, 2007]. Ao efetuar o acesso ao sistema, é apresentada a tela de acompanhamento, DE ACORDO COM O PERFIL DO USUÁRIO: Figura 27 - Janela Monitor NF-e [SEFAZ, 2007].

52 52 Através de opção de Consulta, o usuário credenciado tema acesso às informações sobre: Nota Fiscal Figura 28 Consulta de Nota Fiscal SEFAZ [SEFAZ, 2007]. Lotes Figura 29 Consulta de Lotes SEFAZ [SEFAZ, 2007].

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 5: Certificado Digital e Nota

Leia mais

Web Service - NFS-e. Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService. FREIRE INFORMÁTICA Versão 2.

Web Service - NFS-e. Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService. FREIRE INFORMÁTICA Versão 2. 2014 Web Service - NFS-e Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService Este manual tem como objetivo orientar os usuários, sobre os procedimentos relativos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Comercial. NF-e Nacional

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Comercial. NF-e Nacional Módulo Comercial NF-e Nacional Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Comercial NF-e Nacional. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica Volume 4

Nota Fiscal Eletrônica Volume 4 Brasil Nota Fiscal Eletrônica Volume 4 Nota Fiscal Eletrônica A Nota Fiscal Eletrônica já é uma realidade e uma tecnologia conhecida. Mas o projeto é contínuo, sempre com novidades. Uma delas é a maximização

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica NOTA FISCAL ELETRÔNICA

Nota Fiscal Eletrônica NOTA FISCAL ELETRÔNICA Nota Fiscal Eletrônica NOTA FISCAL ELETRÔNICA Sistema Tributário Brasileiro (1967) Obrigações acessórias em excesso, muitas vezes redundantes Verificação Fiscal complexa e trabalhosa Altos custos com emissão,

Leia mais

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial.

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial. O QUE É A NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar,

Leia mais

Copyrigth 2011. ERSystem Sistemas de Informações e Tecnologia. Todos Direitos Reservados. visite nosso site www.ersystem.com.

Copyrigth 2011. ERSystem Sistemas de Informações e Tecnologia. Todos Direitos Reservados. visite nosso site www.ersystem.com. Manual do CT-e. (Conhecimento de Transporte Eletrônico) no SistranNet 3.0 Página 1 Índice Introdução 03 Conceitos do CT-e 04 Histórico do documento fiscal eletrônico 05 Descrição Simplificada do Modelo

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica

Nota Fiscal Eletrônica Nota Fiscal Eletrônica NF-e - Considerações 3,6 bilhões de notas fiscais armazenadas só em SP 26000 campos de futebol 27 voltas ao redor do mundo Podem representar um custo de até 5% no faturamento das

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES

RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES Anilton ROCHA SILVA, Carina VIAL DE CANUTO, Carolina CLIVIAN PEREIRA XAVIER, Débora LORAINE

Leia mais

NF-e e seu impacto prático

NF-e e seu impacto prático NF-e e seu impacto prático Apresentação e Conceito SPED Instituído pelo Decreto n º 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o projeto do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) faz parte do Programa de

Leia mais

Geraldo Scheibler. Equipe da NF-e no RS nfe@sefaz.rs.gov.br

Geraldo Scheibler. Equipe da NF-e no RS nfe@sefaz.rs.gov.br Geraldo Scheibler Equipe da NF-e no RS nfe@sefaz.rs.gov.br Escrituração Contábil Digital Escrituração Fiscal Digital Nota Fiscal Eletrônica Sistema Público de Escrituração Digital - SPED SPED Subprojetos

Leia mais

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos Luiz Campos 1 Livro de Apuração do IPI - CFOP CFOP DESCRIÇÃO 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

SPED NOTA FISCAL ELETRÔNICA. Maio/ 2009

SPED NOTA FISCAL ELETRÔNICA. Maio/ 2009 SPED NOTA FISCAL ELETRÔNICA Maio/ 2009 NFe - Objetivo Alteração da sistemática atual de emissão da nota fiscal em papel, por nota fiscal de existência apenas eletrônica. NFs Modelos 1 e 1A NFe - Conceito

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. NF-e e NFS-e

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. NF-e e NFS-e Bloco Comercial NF-e e NFS-e Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos NF-e e NFS-e, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Vinicius Pimentel de Freitas. Julho de 2010

Vinicius Pimentel de Freitas. Julho de 2010 Nota Fiscal Eletrônica no Rio Grande do Sul Vinicius Pimentel de Freitas Julho de 2010 SPED ECD EFD NF-e CT-e MC-e NFS-e... Contextualizando: Documentos Fiscais Eletrônicos no Brasil Comunicações e Energia

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

ELETRÔNICA FELLIPE M. GUERRA

ELETRÔNICA FELLIPE M. GUERRA 3ª GERAÇÃO - NOTA FISCAL ELETRÔNICA FELLIPE M. GUERRA ROTEIRO BREVE REVISÃO SOBRE NF-e - Conceito, características e modelo operacional. - Processamento da NF-e(autorização/denegação/rejeição). - Cancelamento

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal SPED Contábil e Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal SPED. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CT-e

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CT-e Bloco Comercial CT-e Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo CT-e Conhecimento de Transporte Eletrônico, que faz parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

NFe Nota Fiscal Eletrônica. Helder da Silva Andrade

NFe Nota Fiscal Eletrônica. Helder da Silva Andrade Nota Fiscal Eletrônica Helder da Silva Andrade 23/08/2010 SPED SUBSISTEMAS Escrituração Contábil Digital EFD ECD Escrituração Fiscal Digital Nota Fiscal Eletrônica CTe Conhecimento Transporte Eletrônico

Leia mais

Conhecimento de Transporte Eletrônico - CT-e

Conhecimento de Transporte Eletrônico - CT-e Conhecimento de Transporte Eletrônico - CT-e O que é O Conhecimento de Transporte eletrônico (CT-e) é o novo modelo de documento fiscal eletrônico, instituído pelo AJUSTE SINIEF 09/07, de 25/10/2007, que

Leia mais

Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7)

Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7) Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7) Introdução Desde abril de 2008 a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) se tornou obrigatória para diversos setores da economia nacional. A cada 6 meses,

Leia mais

Manual da Nota Fiscal Eletrônica - NF-e

Manual da Nota Fiscal Eletrônica - NF-e Estadual Manual da Nota Fiscal Eletrônica - NF-e MANUAL INFORMATIVO AOS CONTRIBUINTES DO ICMS SOBRE A NOTA FISCAL ELETRÔNICA-NF-e. Versão_PB_ 1.00 2007 Página 2 GOVERNADOR DO ESTADO C Á S S I O C U N H

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

Emissão e autorização da NF-e 2. Quais são as validações realizadas pela Secretaria de Fazenda na autorização de uma NF-e?

Emissão e autorização da NF-e 2. Quais são as validações realizadas pela Secretaria de Fazenda na autorização de uma NF-e? O QUE MUDA COM A NF-e 1. Como funciona o modelo operacional da NF-e? De maneira simplificada, a empresa emissora de NF-e, previamente credenciada segundo as normas ditadas pela Secretaria de Fazenda de

Leia mais

Módulo 14. CgaInformatica. NFe. NFe para o Sistema Retwin

Módulo 14. CgaInformatica. NFe. NFe para o Sistema Retwin Módulo 14 CgaInformatica NFe NFe para o Sistema Retwin 2 Sumário O que é... 3 Benefícios... 3 Requisitos para Instalação e Implantação... 3 Obrigação Backup... 4 Configuração Geral do Sistema... 5 Cadastro

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO PROCESSO DE EMISSÃO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS NO MUNICIPIO DE BELO HORIZONTE

ESPECIFICAÇÃO DO PROCESSO DE EMISSÃO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS NO MUNICIPIO DE BELO HORIZONTE ESPECIFICAÇÃO DO PROCESSO DE EMISSÃO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS NO MUNICIPIO DE BELO HORIZONTE Guilherme Bertoldo Anastácio 1 Raphael Ribeiro Gomide 2 Maria Renata Silva Furtado 3 RESUMO Na

Leia mais

Introdução. Benefícios para todos

Introdução. Benefícios para todos Introdução Esta cartilha tem a finalidade de guiar as empresas na implantação da Nota Fiscal Eletrônica e demonstrar as facilidades e vantagens do sistema para o contribuinte e para a sociedade A Nota

Leia mais

Como se Tornar Emissor de NF-e

Como se Tornar Emissor de NF-e SEFAZ-BA Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia Como se Tornar Emissor de NF-e Manual Versão 1.9 Salvador - Ba, novembro de 2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 2. NF-E INFORMAÇÕES GERAIS...3 2.1. PROJETO

Leia mais

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e)

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Para dar mais agilidade e segurança à administração tributária, os Estados brasileiros, o Distrito Federal e o

Leia mais

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e)

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Para dar mais agilidade e segurança à administração tributária, os Estados brasileiros, o Distrito Federal e o

Leia mais

Cenário Atual, Desafios e Perspectivas do Sistema Público de Escrituração Digital SPED. Newton Oller de Mello Newton.oller@gmail.

Cenário Atual, Desafios e Perspectivas do Sistema Público de Escrituração Digital SPED. Newton Oller de Mello Newton.oller@gmail. Cenário Atual, Desafios e Perspectivas do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Newton Oller de Mello Newton.oller@gmail.com Agenda 1. Visão Geral e Situação Atual dos Projetos integrantes do SPED

Leia mais

Vale Fertilizantes Janeiro / 2012 Versão 1.0

Vale Fertilizantes Janeiro / 2012 Versão 1.0 Cartilha CT-e Conhecimento de Transporte Eletrônico Vale Fertilizantes Janeiro / 2012 Versão 1.0 Este documento descreve as Conhecimento de Transporte Eletrônicos Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Papeis

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA 1. Comprei mercadoria com NF-e denegada. Qual o procedimento para regularizar essa situação? Resposta: Preliminarmente, temos que esclarecer o que é uma NF-e Denegada:, A Denegação

Leia mais

Vale Fertilizantes Janeiro / 2012 Versão 1.0

Vale Fertilizantes Janeiro / 2012 Versão 1.0 Cartilha NF-e Nota Fiscal Eletrônica Vale Fertilizantes Janeiro / 2012 Versão 1.0 Este documento descreve as obrigações e procedimentos no manuseio de NFNF e Nota Fiscal Eletrônica. Conteúdo 1. Introdução...

Leia mais

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Reunião SINDMAT 04/2013

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Reunião SINDMAT 04/2013 Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Reunião SINDMAT 04/2013 Agenda 1. Requisitos gerais MDF-e 2. Contribuintes obrigados a emissão MDF-e 3. Encerramento MDF-e 4. DAMDF-e 5. Descrição Simplificada

Leia mais

LINX POSTOS AUTOSYSTEM

LINX POSTOS AUTOSYSTEM LINX POSTOS AUTOSYSTEM Manual Notas Fiscais Sumário 1 CONCEITO... 3 2 REQUISITOS... 3 3 CONFIGURAÇÕES... 3 3.1 Permissões... 3 3.2 Configurar NF-e... 4 3.2.1 Aba Geral... 5 3.2.2 Opções... 6 3.3 Processador

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES NOTA FISCAL DE CONSUMIDOR ELETRÔNICA NFC-e MODELO 65 CARTILHA DE ORIENTAÇÕES Esteja pronto para a maior revolução no varejo dos últimos tempos: A Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica! 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

MANUAL PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTOS PARA EMISSÃO DE NF-e

MANUAL PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTOS PARA EMISSÃO DE NF-e MANUAL PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTOS PARA EMISSÃO DE NF-e Este documento tem por objetivo orientar a etapa de Credenciamento para emissão de Nota Fiscal eletrônica (NF-e) por contribuintes paranaenses.

Leia mais

Nota Fiscal eletrônica NF-e

Nota Fiscal eletrônica NF-e Secretaria de Estado da Fazenda do Paraná Coordenação da Receita do Estado Inspetoria Geral de Fiscalização Nota Fiscal eletrônica NF-e Maringá, 24 de Maio de 2011 Setor de Documentação Fiscal eletrônica

Leia mais

Altera o Livro VI do Regulamento do ICMS (RICMS/00), aprovado pelo Decreto n.º 27.427, de 17 de novembro de 2000, e dá outras providências.

Altera o Livro VI do Regulamento do ICMS (RICMS/00), aprovado pelo Decreto n.º 27.427, de 17 de novembro de 2000, e dá outras providências. Decreto Publicado no D.O.E. de 13.05.2014, pág. 01 Este texto não substitui o publicado no D.O.E Índice Remissivo: Letra R - RICMS DECRETO N.º 44.785 DE 12 DE MAIO DE 2014 Altera o Livro VI do Regulamento

Leia mais

5ª Delegacia Regional da Receita Guarapuava PR ALTAIR BATISTA DE SOUZA JOSÉ CLODOALDO MUNHOZ

5ª Delegacia Regional da Receita Guarapuava PR ALTAIR BATISTA DE SOUZA JOSÉ CLODOALDO MUNHOZ 5ª Delegacia Regional da Receita Guarapuava PR ALTAIR BATISTA DE SOUZA JOSÉ CLODOALDO MUNHOZ 1. O QUE É NF-e? 2. OBJETIVO DA NF-e 3. LEGISLAÇÃO 4. CONTRIBUINTES OBRIGATÓRIOS 5. ADESÃO VOLUNTÁRIA 6. NECESSIDADES

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRONICA: TRANSPARÊNCIA E AVANÇO TRIBUTÁRIO

NOTA FISCAL ELETRONICA: TRANSPARÊNCIA E AVANÇO TRIBUTÁRIO NOTA FISCAL ELETRONICA: TRANSPARÊNCIA E AVANÇO TRIBUTÁRIO COLOMBO, Aline Aparecida Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG Email: aline_dataplace@hotmail.com SARAIVA, Antonio Wanderlan

Leia mais

: Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais - MDF-e

: Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais - MDF-e Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais - MDF-e Produto : RM NUCLEUS - 11.52.61 Processo Subprocesso : Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais - MDF-e : Integração com o TSS / TopConnect / CT-e Data

Leia mais

NF-e Nota Fiscal Eletrônica - Atualização

NF-e Nota Fiscal Eletrônica - Atualização Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

119ª CONFAZ Manaus, AM, 30.09.05 P. AJ. 07/05

119ª CONFAZ Manaus, AM, 30.09.05 P. AJ. 07/05 119ª CONFAZ Manaus, AM, 30.09.05 P. AJ. 07/05 AJUSTE SINIEF /05 Institui a Nota Fiscal Eletrônica e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. O Conselho Nacional de Política Fazendária CONFAZ e o

Leia mais

AJUSTE SINIEF 07/05 A J U S T E

AJUSTE SINIEF 07/05 A J U S T E AJUSTE SINIEF 07/05 Publicado no DOU de 05.10.05. Republicado no DOU de 07.12.05. Alterado pelos Ajustes 11/05, 02/06, 04/06. Ato Cotepe 72/05 dispõe sobre as especificações técnicas da NF-e e do DANFE.

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL O que você irá ver O que é o SPED; SPED Fiscal; Abrangência do projeto; O PAC e o SPED; Benefícios para as Empresas; Benefícios para a Fisco; SPED Contábil; Nota

Leia mais

Manual de Registro de Saída. Procedimentos e Especificações Técnicas

Manual de Registro de Saída. Procedimentos e Especificações Técnicas Manual de Registro de Saída Procedimentos e Especificações Técnicas Versão 1.0 Dezembro 2010 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO GERAL... 3 2 INTRODUÇÃO AO MÓDULO REGISTRO DE SAÍDA - SIARE... 3 2.1 SEGURANÇA... 4 2.2

Leia mais

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Procedimentos de Configuração no CalcExpress....2 Procedimentos de Configuração no Emissor de Nota Fiscal Eletrônica...3 Gerando Arquivo

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE, no uso das atribuições que lhe confere o art. 78, inciso IV da Constituição Estadual, e

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE, no uso das atribuições que lhe confere o art. 78, inciso IV da Constituição Estadual, e DECRETO Nº 5.257, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013. Publicado no DOE nº 10.993, de 22-02-2013. Institui a Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final - NFC-e e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica

Leia mais

Capítulo II. Da Adesão. Capítulo III

Capítulo II. Da Adesão. Capítulo III Decreto do Estado do Amazonas nº 33.405 de 16.04.2013 DOE-AM: 16.04.2013 Disciplina a emissão da Nota Fiscal Eletrônica a Consumidor Final, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS,

Leia mais

OASyS Informática Manual da Nota Fiscal Eletrônica 2.0.7

OASyS Informática Manual da Nota Fiscal Eletrônica 2.0.7 OASyS Informática Manual da Nota Fiscal Eletrônica 2.0.7 Manual desenvolvido pela OASyS Informática, baseado na versão 2.0 da Nota Fiscal Eletrônica do SEFAZ. 1 Manual da Nota Fiscal Eletrônica 2.0 Título

Leia mais

Manual Técnico de Utilização do WebService de Cadastro da Capa de Lote Eletrônica CL-e

Manual Técnico de Utilização do WebService de Cadastro da Capa de Lote Eletrônica CL-e Projeto Capa de Lote Eletrônica Manual Técnico de Utilização do WebService de Cadastro da Capa de Lote Eletrônica CL-e Versão 1.00 13 de Outubro de 2010 Página 1/9 Controle de Versões Versão Data 1.00

Leia mais

A seguir falaremos sobre os campos que deverão ser preenchidos no Shop Control 8.

A seguir falaremos sobre os campos que deverão ser preenchidos no Shop Control 8. Nota Fiscal Eletrônica Este módulo permite a integração do Shop Control 8 com o site da Secretaria da Fazenda dos Estados e Receita Federal para emitir a Nota Fiscal Eletrônica (NFe) : Este módulo é exclusivo

Leia mais

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Instalação da Aplicação Java...2 Instalação do Emissor...5 Instalação do Framework...7 Instalação das DLL s URL, SCHEMAS, CADEIA DE CERTIFICADO

Leia mais

Nota Fiscal. Eletrônica. Apontamentos para Contribuintes obrigados a emissão

Nota Fiscal. Eletrônica. Apontamentos para Contribuintes obrigados a emissão Nota Fiscal Eletrônica Apontamentos para Contribuintes obrigados a emissão Índice O que é a NF-e... 3 O que é o DANFE... 3 Nota Fiscal Paulista... 3 Quantidade de cópias do DANFE... 4 Papel do DANFE...

Leia mais

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais 02/2014

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais 02/2014 Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais 02/2014 Agenda 1. Requisitos gerais MDF-e 2. Contribuintes obrigados a emissão MDF-e 3. Encerramento MDF-e 4. DAMDF-e 5. Descrição Simplificada Modelo Operacional

Leia mais

Manual de Credenciamento como Emissor de Nota Fiscal Eletrônica

Manual de Credenciamento como Emissor de Nota Fiscal Eletrônica Manual de Credenciamento como Emissor de Nota Fiscal Eletrônica Este documento descreve o processo de credenciamento de contribuintes de ICMS estabelecidos no Estado de Minas Gerais como Emissores de Nota

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica Priscila Lima

Nota Fiscal Eletrônica Priscila Lima O que é Benefícios Obrigatoriedade Fluxograma Alterações na emissão Armazenamento Recebimento Contingência Inutilização do Mod.1 Nota Fiscal Eletrônica Priscila Lima O que é... Documento de existência

Leia mais

Documentos Fiscais Eletrônicos na Prestação de Serviço de Transporte de Cargas AFR Newton Oller de Mello Delegacia Regional Tributária do Litoral

Documentos Fiscais Eletrônicos na Prestação de Serviço de Transporte de Cargas AFR Newton Oller de Mello Delegacia Regional Tributária do Litoral Documentos Fiscais Eletrônicos na Prestação de Serviço de Transporte de Cargas AFR Newton Oller de Mello Delegacia Regional Tributária do Litoral Palestra SINDISAN Sindicato das Empresas de Transporte

Leia mais

DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013.

DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013. DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013. Institui o Projeto Piloto da Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final (NFC-e), que possibilita a emissão da Nota

Leia mais

Guia de Primeiros Passos - MOVIMENTAÇÕES

Guia de Primeiros Passos - MOVIMENTAÇÕES Guia de Primeiros Passos - MOVIMENTAÇÕES Este documento tem o objetivo principal de iniciar você de forma rápida e simples no sistema.aprog., configurando as funcionalidades a sua realidade. A série Primeiros

Leia mais

Conceito de NF-e. Conexão NF-e

Conceito de NF-e. Conexão NF-e WHITE PAPER Sumário Conceito de NF-e... 3 Conexão NF-e... 3 Validador de Arquivos da Nota de Entrada... 4 Importador da Nota de Entrada Para o ERP E M S... 5 Manifesto do Destinatário Eletrônico (MD-e)...

Leia mais

Comprei mercadoria com NF-e denegada. E agora?

Comprei mercadoria com NF-e denegada. E agora? Comprei mercadoria com NF-e denegada. E agora? Tomei conhecimento de um caso bastante comum sobre a Nota Fiscal Eletrônica. Um contador amigo enviou-me seguinte pergunta: Meu cliente recebeu uma mercadoria

Leia mais

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica sumário >> Introdução... 3 >> Nota fiscal eletrônica: o começo de tudo... 6 >> Nota fiscal de consumidor eletrônica (NFC-e)... 10 >> Quais as vantagens

Leia mais

DECRETO Nº 29.041, DE 26 DE OUTUBRO DE 2007

DECRETO Nº 29.041, DE 26 DE OUTUBRO DE 2007 DECRETO Nº 29.041, DE 26 DE OUTUBRO DE 2007 * Publicado no DOE em 31/10/2007. Acresce dispositivos ao Decreto nº 24.569, de 31 de julho de 1997, que regulamenta e consolida a legislação do Imposto sobre

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica

Nota Fiscal Eletrônica UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EACH Escola de Artes, Ciências e Humanidades CELSO RUBENS TOSCANELLI - 553352 HERMANO FRANCISCO SILVA 5990043 PRISCILA Nota Fiscal Eletrônica Trabalho Final da disciplina Gestão

Leia mais

COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Portaria CAT 12, de 04-02-2015

COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Portaria CAT 12, de 04-02-2015 COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Portaria CAT 12, de 04-02-2015 Dispõe sobre a emissão da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica - NFC-e (NF-e, modelo 65) e do Documento Auxiliar da Nota Fiscal

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA DE MATO GROSSO DO SUL

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA DE MATO GROSSO DO SUL FAQ Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Pré-requisitos para ser emissor de MDF-e 02 FAQ - 02 { Obrigatoriedade do MDF-e: Para mais informações

Leia mais

Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e

Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e Versão 1.0 Outubro/2009 Manaus/AM Sumário Apresentação... 2 Conceitos Básicos... 3 Requisitos... 5 Credenciamento... 6 Fase de Homologação... 7 o Fase de Testes...

Leia mais

WORKSHOP CARTA CORREÇÃO ELETRONICA

WORKSHOP CARTA CORREÇÃO ELETRONICA WORKSHOP CARTA CORREÇÃO ELETRONICA Sistema JAD NOTA FISCAL ELETRÔNICA OBJETIVO: O objetivo deste WORKSHOP é apresentar a nova ferramenta do Sistema JAD, conforme o Ajuste Sinief 10 de 30/09/2011, que altera

Leia mais

Impactos da Nota Fiscal Eletrônica no Setor de Varejo. Eduardo Barbosa de Souza Diretor de P&D&I Oriontec Automação Comercial ebsouza@oriontec.com.

Impactos da Nota Fiscal Eletrônica no Setor de Varejo. Eduardo Barbosa de Souza Diretor de P&D&I Oriontec Automação Comercial ebsouza@oriontec.com. Impactos da Nota Fiscal Eletrônica no Setor de Varejo Eduardo Barbosa de Souza Diretor de P&D&I Oriontec Automação Comercial ebsouza@oriontec.com.br Agenda Visão Geral da NF-e Breve Histórico Conceito

Leia mais

Manifestação do Destinatário da NF-e

Manifestação do Destinatário da NF-e Manifestação do Destinatário da NF-e DESENVOLVENDO SOLUÇÕES Autora: Laila Maria Doc. Vrs. 01 Revisão: Gustavo Aprovado em: Novembro de 2014. Nota de copyright Copyright 2014 Teorema Informática, Guarapuava.

Leia mais

Sistema Público de Escrituração Digital

Sistema Público de Escrituração Digital O SPED O Sistema Público de Escrituração Digital tem por objetivo promover a integração entre os órgãos reguladores e de fiscalização da União, FISCOS Estaduais e futuramente Municipais. Isso mediante

Leia mais

1. Como funciona o modelo operacional da NF-e? (atualizado em 31/12/08)

1. Como funciona o modelo operacional da NF-e? (atualizado em 31/12/08) III. Modelo Operacional (o que muda com a NF-e) - Modelo 55 1. Como funciona o modelo operacional da NF-e? (atualizado em 31/12/08) De maneira simplificada, a empresa emissora de NF-e gerará um arquivo

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica... 5. Conceitos... 6. DANFE comum e DANFE em contingência... 7. Principais dúvidas... 8. Considerações... 9

Nota Fiscal Eletrônica... 5. Conceitos... 6. DANFE comum e DANFE em contingência... 7. Principais dúvidas... 8. Considerações... 9 Cartilha NF-e 1 Sumário Nota Fiscal Eletrônica... 5 Conceitos... 6 DANFE comum e DANFE em contingência... 7 Principais dúvidas... 8 Considerações... 9 Procedimento para operacionalização da NF-e... 10

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Instalação do certificado digital Para cada empresa certificadora existe um manual de instalação. Antes de emitir o certificado no cliente, leia atentamente as instruções do manual.

Leia mais

A implantação da Nota Fiscal Eletrônica NF-e e seus Benefícios à empresa e a sociedade.

A implantação da Nota Fiscal Eletrônica NF-e e seus Benefícios à empresa e a sociedade. A implantação da Nota Fiscal Eletrônica NF-e e seus Benefícios à empresa e a sociedade. Cristiane Mamede Gislene Medrado Hapoliana Batista Lindemberg Ruiz Centro Universitário Candido Rondon Unirondon

Leia mais

Projeto Nota Fiscal Eletrônica

Projeto Nota Fiscal Eletrônica Projeto Nota Fiscal Eletrônica Padrões Técnicos de Comunicação Versão 1.1.0 Janeiro 2006 Documento Homologado pelos Estados de BA, GO, MA, SC, SP e RS e pelas empresas do projeto piloto em 26/01/2006 Pág.

Leia mais

M D F -e CONSIDERAÇÕES INICIAIS

M D F -e CONSIDERAÇÕES INICIAIS M D F -e CONSIDERAÇÕES INICIAIS Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) é o documento emitido e armazenado eletronicamente, de existência apenas digital, para vincular os documentos fiscais

Leia mais

Visão geral sobre o Módulo NF-e (Versão 2.0)

Visão geral sobre o Módulo NF-e (Versão 2.0) Manual Manual Visão geral sobre o (Versão 2.0) O módulo Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) do Microvix ERP permite gerar documentos fiscais eletrônicos, modelos 1 e 1A (através do modelo 55 - Nota Fiscal Eletrônica,

Leia mais

Nota Fiscal eletrônica nacional NF-e. Perguntas e respostas. Versão 2.0 30/05/2008

Nota Fiscal eletrônica nacional NF-e. Perguntas e respostas. Versão 2.0 30/05/2008 Nota Fiscal eletrônica nacional NF-e Perguntas e respostas Versão 2.0 30/05/2008 ATENÇÃO: o presente texto Nota Fiscal eletrônica nacional Perguntas e respostas é uma adaptação do texto Perguntas Freqüentes

Leia mais

Autorização de uso do MDF-e implicará em registro posterior dos eventos, nos documentos fiscais eletrônicos nele relacionados.

Autorização de uso do MDF-e implicará em registro posterior dos eventos, nos documentos fiscais eletrônicos nele relacionados. MDF-e - Nota Técnica 2015.001 Produto : Datasul, MFT (Faturamento), TOTVS 12 Projeto : PCREQ-3414 Data da : 23/02/2015 Data da revisão : 23/02/2015 criação Banco(s) de País(es) : Brasil : Todos Dados Implementada

Leia mais

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos Professor Apresentação: 1. Instituído pelo Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal

Leia mais

Nota Fiscal eletrônica (NF-e) Página 1 de 14

Nota Fiscal eletrônica (NF-e) Página 1 de 14 Nota Fiscal eletrônica (NF-e) Página 1 de 14 Página 2 de 14 SUMÁRIO 1 CONCEITUAL... 3 1.1 SOBRE A NF-e... 3 1.1.1 QUEM PRECISA EMITIR? QUAL A OBRIGATORIEDADE?... 3 1.2 MODELO OPERACIONAL... 3 1.3 BENEFÍCIOS...

Leia mais

Desenvolver ou adquirir um software de acordo com as especificações técnicas do Manual de integração;

Desenvolver ou adquirir um software de acordo com as especificações técnicas do Manual de integração; O projeto NFe Conforme a definição, o Projeto de Nota Fiscal Eletrônica tem como objetivo a implantação de um modelo nacional de documento fiscal eletrônico para a substituição da sistemática atual de

Leia mais

MBA EM CONTABILIDADE DIGITAL M3 D4 DOCUMENTOS FISCAIS ELETRÔNICOS. GUIA III CT-e PROFESSOR AUTOR: FERNANDO TEIXEIRA

MBA EM CONTABILIDADE DIGITAL M3 D4 DOCUMENTOS FISCAIS ELETRÔNICOS. GUIA III CT-e PROFESSOR AUTOR: FERNANDO TEIXEIRA MBA EM CONTABILIDADE DIGITAL M3 D4 DOCUMENTOS FISCAIS ELETRÔNICOS GUIA III CT-e PROFESSOR AUTOR: FERNANDO TEIXEIRA PROFESSOR TELEPRESENCIAL: JOSÉ MARIA RIBEIRO COORDENADOR DE CONTEÚDO: FLÁVIO LÚCIO BRITO

Leia mais

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e)

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) Para dar mais agilidade e segurança à administração tributária, os Estados brasileiros, o Distrito

Leia mais

5. Web Services Informações Adicionais

5. Web Services Informações Adicionais 5. Web Services Informações Adicionais 5.1 Regras de validação As regras de validação aplicadas nos Web Service estão agrupadas da seguinte forma: Grupo Aplicação A Validação do Certificado Digital utilizada

Leia mais

Um protótipo para emissão e gerenciamento de. notas fiscais eletrônicas. Trabalho de Graduação

Um protótipo para emissão e gerenciamento de. notas fiscais eletrônicas. Trabalho de Graduação Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática 2008.1 Um protótipo para emissão e gerenciamento de notas fiscais eletrônicas Trabalho de Graduação Bruno Rodrigues

Leia mais

Índice APRESENTAÇÃO... 1 CONFIGURAÇÕES DO SAGE ONE... 2 CADASTROS... 8 PRINCIPAL... 15 NOTAS FISCAIS... 16 2.1. Primeiros Passos...

Índice APRESENTAÇÃO... 1 CONFIGURAÇÕES DO SAGE ONE... 2 CADASTROS... 8 PRINCIPAL... 15 NOTAS FISCAIS... 16 2.1. Primeiros Passos... Índice 1. 2. 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. 2.5. 2.6. 3. 3.1. 3.2. 3.3. 3.4. 3.5. 3.6. 3.7. 3.8. 4. 5. 5.1. 5.2. 5.3. APRESENTAÇÃO... 1 CONFIGURAÇÕES DO SAGE ONE... 2 Primeiros Passos... 2 Minha Empresa... 3 Certificado

Leia mais

Coordenação Geral de Fiscalização da Secretaria da Receita Federal (SRF) ENCAT ! "#$%&$$&$' '%!%$$(

Coordenação Geral de Fiscalização da Secretaria da Receita Federal (SRF) ENCAT ! #$%&$$&$' '%!%$$( ENCAT Coordenação Geral de Fiscalização da Secretaria da Receita Federal (SRF)!! "#$%&$$&$' '%!%$$( 1. INTRODUÇÃO... 4 2. JUSTIFICATIVAS PARA EXECUÇÃO DO PROJETO... 4 3. OBJETIVOS DO PROJETO... 5 4. HISTÓRICO

Leia mais

A NOTA FISCAL ELETRÔNICA: um breve histórico

A NOTA FISCAL ELETRÔNICA: um breve histórico 1 A NOTA FISCAL ELETRÔNICA: um breve histórico Nota Fiscal eletrônica - NF-e é um modelo de documento fiscal, de existência apenas digital cuja validade jurídica é garantida pela assinatura digital, que

Leia mais

e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico

e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico Página1 e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é MDF-e?... 03 2. Safeweb e-nota MDF-e... 04 3. Acesso e-nota

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO Fevereiro/2013

MANUAL DO USUÁRIO Fevereiro/2013 MANUAL DO USUÁRIO Fevereiro/2013 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 1 O que é a NF-e... 12 2 GNF-e SAAS EDITION... 13 2.1 Funcionalidades... 13 2.2 Fluxo do processo... 13 3 REQUISITOS... 16 4 PADRÃO DE COMUNICAÇÃO...

Leia mais

Emissor de Nota Fiscal Eletrônica. Novembro de 2007. Equipe Nota Fiscal Eletrônica Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Emissor de Nota Fiscal Eletrônica. Novembro de 2007. Equipe Nota Fiscal Eletrônica Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Emissor de Nota Fiscal Eletrônica Novembro de 2007 Equipe Nota Fiscal Eletrônica Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Índice I - Instalação do Software Emissor NF-e... 3 II Software Emissor NF-e

Leia mais

Manual Técnico de Utilização do Web Service de Administração do Código de Segurança do Contribuinte - CSC

Manual Técnico de Utilização do Web Service de Administração do Código de Segurança do Contribuinte - CSC Projeto Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica Manual Técnico de Utilização do Web Service de Administração do Código de Segurança do Contribuinte - CSC Versão 1.00 19 de Agosto de 2014 Página 1/9 Controle

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 8 1 O QUE É A NF-E... 9 2 GNF-E SAAS EDITION...10 3 REQUISITOS...13 4 PADRÃO DE COMUNICAÇÃO...14 5 WEB SERVICE...

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 8 1 O QUE É A NF-E... 9 2 GNF-E SAAS EDITION...10 3 REQUISITOS...13 4 PADRÃO DE COMUNICAÇÃO...14 5 WEB SERVICE... MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 8 1 O QUE É A NF-E... 9 2 GNF-E SAAS EDITION...10 2.1 FUNCIONALIDADES... 10 2.2 FLUXO DO PROCESSO... 11 3 REQUISITOS...13 - POSSUIR IE 7 (INTERNET EXPLORER) OU

Leia mais