CERN Estágio Tecnológico. Percurso e Inserção no mercado de trabalho

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CERN Estágio Tecnológico. Percurso e Inserção no mercado de trabalho"

Transcrição

1 CERN Estágio Tecnológico Percurso e Inserção no mercado de trabalho Hugo Ramos 28/04/2010

2 Perfil Licenciatura em Engenharia Física Tecnológica (Instituto Superior Técnico) Escolha de cadeiras do curso de Engenharia Electrotécnica nos anos finais da Licenciatura Breve passagem pela Siemens S.A antes do estágio no CERN (6 meses)

3 CERN Divisão e supervisor Divisão: EP (Experimental Physics) Grupo: ATE (ATLAS Electronics) - Philippe Farthouat Supervisor: Robert McLaren

4 CERN LHC e Experiência ATLAS LHC - Maior acelerador de partículas do mundo. (circular com 26.7km de perímetro) Dois feixes de partículas são acelerados em sentidos opostos (horário e anti-horário) Alberga quatro locais (pontos de colisão) para experiências de Física CMS, ATLAS, LHCb e ALICE.

5 CERN Experiência ATLAS Protões acelerados no LHC, cruzam-se 40 milhões de vezes por segundo no ponto de colisão da experiência ATLAS. Os dados recolhidos (2MB/evento) são processados em real-time pela electrónica de Front-end, filtrando os dados mais interessantes. Seleccionados em média eventos por segundo; geram um fluxo de dados de aproximadamente 200MB/s.

6 CERN Experiência ATLAS Esta informação é enviada para os próximos níveis de decisão através de 1600 Read-Out Links (em fibra óptica a 1.28Gb/s).

7 Normal S-LINK configuration FEMB S-LINK Return lines LSC PHYS CHANNEL Return lines LDC S-LINK Return lines ROMB S-LINK in ATLAS Experiment ROD s S-LINK Return lines HOLA LSC PHYS CHANNEL Return lines LDC firmware ROB s October 10 CERN - PH/ATE Division 7

8 CERN Plano de trabalhos Desenvolvimento de um sistema de teste automatizdo para a fase de produção de 1800 cartas HOLA S-LINK.

9 CERN Plano de trabalhos Tarefas executadas: Desenho de conceito. Desenvolvimento de Hardware. Desenvolvimento de Firmware. Desenvolvimento de Software. Fase de bring-up e comissionamento.

10 CERN Plano de trabalhos Sistema Implementado: Sistema automatizado, com intervenção mínima do operador. Baseado em arquitectura PC. Usa 2 cartas PCI: GATAS e FILAR-LDC. Transferência de dados para memória RAM através de DMA.

11 GATAS (Extended S32PCI64 Card) Test configuration GATAS (SOLAR firmware) S-LINK Return lines PMM Circuitry DUT LSC PHYS CHANNEL Return lines LDC S-LINK Return lines S32PCI64 (SC-FILAR firmware) PCI firmware SLIDAS firmware SPI-PMM firmware - LSC power control (hotswap capability) - milivolt operating voltage control PCI firmware Modular VHDL code: - can be used with AMC7820 chip for general DAC/ADC purposes. - real-time milivolt current and voltage monitoring. - over-current, under-current, over-voltage and under- voltage milisecond protection circuits. - three 12-bit DAC channels - eight 12-bit ADC channels with high and low adjustable thresholds (value and sensitivity adjustments possible) C++ module using the IO-RCC package GTK+ libraries PCI IO_RCC driver software SOLAR driver software PMM CTRL software GATEST GUI application FILAR driver software PCI PC (LINUX OS) October 10 CERN - PH/ATE Division 11

12 CERN Plano de trabalhos Parâmetros medidos / testados: Consumo de corrente e Voltage Taxa de erros de transmissão (BER) Padrões de erro (Stress patterns) Funcionalidade de Reset e Reset clearing Funcionalidade de Flow control. Parâmetros controlados: Tensão de alimentação. Padrões de dados de transmissão.

13 CERN Resultados Baixa taxa de rejeição das cartas produzidas <0.5% Duração do teste: < 1 minuto BER testado : < 1e-12 Primeiros resultados de 30 de Março de 2010 significam que tudo está a funcionar como era suposto

14 CERN ATLAS Resultados recentes 2010/03/30 Tudo a funcionar!

15 Actividade profissional presente Empresa: Synopsys Grupo: Solutions Group Actividade: Teste e Caracterização de IPs Actividade: Teste e Caracterização de IPs analógicos/digitais desenhados in house. (ADCs, DACs, PLLs)

16 Obrigado!

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida

Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida Sucesso na Operação Raposa para lançamento do VS-30 no último dia 01/09 Tendências e tecnologias dos sistemas de testes aeroespacial e de defesa Alisson

Leia mais

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos Conteúdo Capítulo 7 Entrada/Saída Dispositivos externos Módulos E/S Técnicas de E/S E/S Programada E/S Conduzida por interrupções Processamento de interrupções Controlador Intel 82C59A Acesso Directo à

Leia mais

Calibração do Tilecal

Calibração do Tilecal Calibração do Tilecal J. Carvalho P. Martins Departamento de Física & LIP-Coimbra Jornadas do LIP, Braga Janeiro 8, 2009 1 Calibração do TileCal O TileCal é um sistema complexo que exige a monitorização

Leia mais

Programas de Professores no CERN inspiram a próxima geração de cientistas

Programas de Professores no CERN inspiram a próxima geração de cientistas Programas de Professores no CERN inspiram a próxima geração de cientistas Profª. Mainara Biazati Gouveia SEDUC/ MT Profº. Wanderson Breder CEFET/ NF/RJ Centro Europeu de Investigação Nuclear Seleção Objetivo

Leia mais

Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software

Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software Marcela Trindade Engenheira de Vendas Pesquisa rápida Alguém tem que manter sistemas de teste em funcionamento por mais de 10 anos?

Leia mais

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Arquitetura de Entrada e Saída Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Barramento Meio de transmissão de dados entre a CPU, a memória principal e os dispositivos de entrada e saída.

Leia mais

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S Estruturas de sistemas de computação Sumário! Operação de um sistema de computação! Estruturas de E/S! Estruturas de armazenamento! Hierarquia de armazenamento 2 1 Arquitectura de um sistema de computação

Leia mais

Construindo Sistemas de Gravação e Reprodução de Dados de Áudio, Vídeo e GPS com a Plataforma PXI

Construindo Sistemas de Gravação e Reprodução de Dados de Áudio, Vídeo e GPS com a Plataforma PXI Construindo Sistemas de Gravação e Reprodução de Dados de Áudio, Vídeo e GPS com a Plataforma PXI André Oliveira Engenheiro de Vendas Bruno César Engenheiro de Sistemas 1 Denominador Comum em Sistemas

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette Transmissão e Multiplexação Rodolfo I. Meneguette Redes de Acesso e Meios Físicos P: Como conectar os sistemas finais aos roteadores de borda? Redes de acesso residencial redes de acesso institucional

Leia mais

Simplifique a complexidade do sistema

Simplifique a complexidade do sistema 1 2 Simplifique a complexidade do sistema Com o novo controlador de alto desempenho CompactRIO Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas National Instruments Leonardo Lemes Engenheiro de Sistemas National

Leia mais

5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI

5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI 68 5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI O software VPI foi originalmente introduzido em 1998 e era conhecido como PDA (Photonic Design Automation). O VPI atualmente agrega os

Leia mais

O Linux e software Open Source em ambiente Hospitalar O caso do HAL

O Linux e software Open Source em ambiente Hospitalar O caso do HAL O Linux e software Open Source em ambiente Hospitalar O caso do HAL Divisão de Informática - António Cardoso Martins (informatica@hal.min-saude.pt) 1 Agenda Apresentação do Hospital Amato Lusitano A Divisão

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução à gestão de memória Programação de Sistemas Gestão de memória : 1/16 Introdução (1) A memória central de um computador é escassa. [1981] IBM PC lançado com 64KB na motherboard,

Leia mais

aceleradores e detectores na física de partículas elementares

aceleradores e detectores na física de partículas elementares aceleradores e detectores na física de partículas elementares joão carvalho LIP e departamento de física da universidade de coimbra S. Tomé 05 de setembro de 2009 1 estudar as partículas produzir feixes

Leia mais

Colaboração na experiência ATLAS (LHC)

Colaboração na experiência ATLAS (LHC) Colaboração na experiência ATLAS (LHC) em parceria com FCTUC CFNUL/FCUL e ainda UNL IDMEC/IST UCatFF UM Colaboração internacional ANL (Chicago) Barcelona Clermont-Ferrand Michigan St. Univ. Pisa Praga

Leia mais

TO DO list. Da física de altas energias a aplicações médicas. José C. Da Silva. José Carlos da Silva, LIP Lisboa. INFIERI Workshop, 14 ABRIL 2016

TO DO list. Da física de altas energias a aplicações médicas. José C. Da Silva. José Carlos da Silva, LIP Lisboa. INFIERI Workshop, 14 ABRIL 2016 TO DO list Da física de altas energias a aplicações médicas José Carlos da Silva, LIP Lisboa TO DO list LHC, Tecnologia para Física de Partículas de alta energia CMS ATLAS LHC USC/CMS LHCb Computing GRID

Leia mais

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express Tecnologia PCI express Introdução O desenvolvimento de computadores cada vez mais rápidos e eficientes é uma necessidade constante. No que se refere ao segmento de computadores pessoais, essa necessidade

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

com condicionamento integrado Sessão USB Data Acquisition ni.com/portugal

com condicionamento integrado Sessão USB Data Acquisition ni.com/portugal Aquisição USB de sinais multisensores com condicionamento integrado Sessão USB Data Acquisition Agenda Dispositivos de Aquisição de Dados (DAQ) NI CompactDAQ Demo 1: Configuração do NI CompactDAQ NI LabVIEW

Leia mais

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL Diego S. Mageski diego.mageski@hotmail.com Bene R. Figueiredo bfigueiredo@ifes.edu.br Wagner T. da Costa wagnercosta@ifes.edu.br Instituto Federal

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE COMPUTADORES PROFESSOR: Kelly Alves Martins de Lima Arquitetura de Computadores DISCENTES: Helton Klinthon Douglas Silva

Leia mais

COAXDATA. Coaxdata Homeplug e Coaxdata Gigabit ADAPTADOR COAXIAL ETHERNET. 200 Mbps. 700 Mbps. 300 Catálogo 2013 / 2014

COAXDATA. Coaxdata Homeplug e Coaxdata Gigabit ADAPTADOR COAXIAL ETHERNET. 200 Mbps. 700 Mbps. 300 Catálogo 2013 / 2014 ADAPTADOR COAXIAL ETHERNET QR-A00171 Coaxdata Homeplug e Coaxdata Gigabit A largura de banda do cabo coaxial permite combinar outros serviços no cabo sem interferir o sinal de televisão. O Coaxdata é um

Leia mais

Fabricação, Montagem e Testes de Placas Eletrônicas. Sérgio Rodrigo Marques Em nome do grupo de Diagnóstico de Feixe 28-Junho-2013

Fabricação, Montagem e Testes de Placas Eletrônicas. Sérgio Rodrigo Marques Em nome do grupo de Diagnóstico de Feixe 28-Junho-2013 Fabricação, Montagem e Testes de Placas Eletrônicas Sérgio Rodrigo Marques Em nome do grupo de Diagnóstico de Feixe 28-Junho-2013 Fabricação e Testes de Eletrônicas Resumo Circuitos (ou placas) eletrônicos

Leia mais

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula 14: Códigos cíclicos e detecção de erros

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula 14: Códigos cíclicos e detecção de erros 16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula 14: Códigos cíclicos e detecção de erros Eytan Modiano Códigos Cíclicos Um código cíclico é um código de bloco linear onde c é uma palavra-chave, e também

Leia mais

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática FRANCIS RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN

Leia mais

June 11, 2012. Instituto de Computação - Universidade Estadual de Campinas. Tecnologias de Armazenamento. Murilo Adriano Vasconcelos

June 11, 2012. Instituto de Computação - Universidade Estadual de Campinas. Tecnologias de Armazenamento. Murilo Adriano Vasconcelos Instituto de Computação - Universidade Estadual de Campinas June 11, 2012 1 2 Interface ATA/IDE Interface SATA Interface SCSI Interface SAS 3 4 Solid State Drives - SSD Fusion-io Evolução da tecnologia

Leia mais

Guia de Instalação e Licenciamento

Guia de Instalação e Licenciamento Guia de Instalação e Licenciamento www.gstarcad-portugal.com Índice 1 Introdução... 3 2 Instalação... 4 2.1 Requisitos da Instalação... 4 2.2 Instalação... 4 3 Licenciamento por Código... 7 4 Activação

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Cenário off- line (bolha) 2 Roubo de Informação Roubo de Informação - Acesso físico

Leia mais

Estrutura e funcionamento de um sistema informático

Estrutura e funcionamento de um sistema informático Estrutura e funcionamento de um sistema informático 2006/2007 Sumário A constituição de um sistema informático: hardware e software. A placa principal. O processador, o barramento e a base digital. Ficha

Leia mais

Dispositivo Electrónico Pessoal para Aquisição de Dados obtidos por Sensores

Dispositivo Electrónico Pessoal para Aquisição de Dados obtidos por Sensores Dispositivo Electrónico Pessoal para Aquisição de Dados obtidos por Sensores Análise e estudos de dispositivos semelhantes existentes no mercado (Versão 1.1) Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica

Leia mais

Montagem e Manutenção (Hardware) Aula 01

Montagem e Manutenção (Hardware) Aula 01 Aula 01 1 Explique porque é importante saber Montagem e Manutenção de Computadores hoje? 2 Defina Hardware. 3 Explique Transistor. 4 Faça uma breve explicação da Evolução dos Hardwares usados nos computadores.

Leia mais

TO DO list. SPS (7 km) Leman Lake CMS LHC. (27 km) Positioned with µm precision. LHCb ATLAS ALICE. CERN site & PS

TO DO list. SPS (7 km) Leman Lake CMS LHC. (27 km) Positioned with µm precision. LHCb ATLAS ALICE. CERN site & PS Electrónica desenvolvida pelo LIP para o Detector Electromagnético da Experiência CMS José Carlos da Silva, LIP-Lisbon Lisbon, P Introdução 1a parte: SLB - Synchronization and Link Board Placa de sincronização

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO Aluno: Joaquim Masset Lacombe Dias Garcia Aluna: Ana Sofia Viotti Daker Aranha Orientador: Guilherme Penello Temporão

Leia mais

Universal Serial Bus USB

Universal Serial Bus USB Universal Serial Bus USB Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Microprocessadores II Copyright (c) Walter

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica

Sistema de Informação Geográfica Sistema de Informação Geográfica Conteúdo Apresentação da Empresa Implementação do SIG na Prestiteca, porquê? SIG na Prestiteca Constituição do SIG Vantagens na implementação do SIG Principais dificuldades

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. André Dutton EMENTA: Conceitos fundamentais e histórico da ciência da computação; Histórico dos computadores, evolução e tendências; Modalidades de computadores

Leia mais

RS-485 - Especificação e Utilização

RS-485 - Especificação e Utilização RS-485 - e Prof. Vitor Leão Universidade Federal da Bahia LaPO - Laboratório de Propriedade Ópticas 10 de Dezembro de 2007 1 2 Características Elétricas 3 Montagem da Rede Protocolo ModBus 4 O que é RS-485

Leia mais

Parallel to Serial Shifting IN

Parallel to Serial Shifting IN Parallel to Serial Shifting IN Objectivo: Com o circuito integrado CD4021B Quando num projecto o número de sensores digitais é superior ao número de pinos de entradas digitais disponíveis no microcontrolador

Leia mais

O Experimento CMS Parte 2/2

O Experimento CMS Parte 2/2 O Experimento CMS Parte 2/2 Thiago Tomei 29/03/2007 7/5/2007 Thiago Tomei 1 Sumário Parte 1: O Experimento CMS Large Hadron Collider LHC Compact Muon Solenoid CMS Estrutura de Hardware do CMS: Detector

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

GABINETE ALTURA PROCESSADORES NÚCLEOS DE PROCESSAMENTO MEMÓRIA RAM CHIPSET ARQUITETURA BIOS

GABINETE ALTURA PROCESSADORES NÚCLEOS DE PROCESSAMENTO MEMÓRIA RAM CHIPSET ARQUITETURA BIOS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS GABINETE ALTURA - Rack Chassis Próprio - Ventiladores Internos Hot Plug Redundantes - Ventilação Adequada para a Refrigeração do Sistema Interno do Equipamento na sua Configuração

Leia mais

Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui.

Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui. 3 Tecnologia FPGA Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui. 3.1. FPGA: Histórico, linguagens e blocos Muitos dos

Leia mais

Introdução a Informática. Colégio "Serrano Guardia" Módulo I Informática Básica William Andrey de Godoy

Introdução a Informática. Colégio Serrano Guardia Módulo I Informática Básica William Andrey de Godoy Introdução a Informática 1 Colégio "Serrano Guardia" Módulo I Informática Básica Introdução a Informática São conjuntos de métodos e equipamentos através do quais podemos armazenar e manipular informações

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

Sistemas de Comunicação Óptica

Sistemas de Comunicação Óptica Sistemas de Comunicação Óptica Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores Docente : Prof. João Pires Objectivos Estudar as tecnologias que servem de base à transmisssão óptica, e analisar

Leia mais

O SERVIÇO POSTAL E O COMÉRCIO ELECTRÓNICO: As comunicações na era digital

O SERVIÇO POSTAL E O COMÉRCIO ELECTRÓNICO: As comunicações na era digital V Fórum Lusófono e Mostra das Comunicações O SERVIÇO POSTAL E O COMÉRCIO ELECTRÓNICO: As comunicações na era digital Maputo, 23-24 de Abril de 2013 Luís Rego 1 QUESTÕES DE FUNDO Qual será o papel do sector

Leia mais

Computação no Alice e grid. Alexandre Suaide IF-USP

Computação no Alice e grid. Alexandre Suaide IF-USP Computação no Alice e grid Alexandre Suaide IF-USP 1 Resumo Alguns números importantes Requerimentos (dados e simulações) Processamente Armazenamento Estrutura computacional GRID Nossas necessidades 2

Leia mais

Aula 04 A. Barramentos. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 A. Barramentos. Prof. Ricardo Palma Aula 04 A Barramentos Prof. Ricardo Palma Definição Em ciência da computação barramento é um conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação entre dispositivos, como o CPU, a memória e outros

Leia mais

Co-simulação gráfica. André Pereira Gerente de Marketing Técnico. ni.com

Co-simulação gráfica. André Pereira Gerente de Marketing Técnico. ni.com Co-simulação gráfica André Pereira Gerente de Marketing Técnico A revolução da energia digital Meça(Entenda o problema) Adquira Analise Apresente Implemente Prototipe Melhore(Crie soluções) Projete 2 NI

Leia mais

Projetos PLC Desenvolvidos pela UFRGS em Parceria com a CEEE

Projetos PLC Desenvolvidos pela UFRGS em Parceria com a CEEE Projetos PLC Desenvolvidos pela UFRGS em Parceria com a CEEE Prof. Dr. Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica

Leia mais

Sistemas IBM Flex & PureFlex

Sistemas IBM Flex & PureFlex Eduardo (Edu) Pacini Líder Plataforma PureFlex Brasil IBM Systems & Technology Group Sistemas IBM Flex & PureFlex A Tecnologia está liderando as mudanças que impactam os negócios 1 Fatores de impacto:

Leia mais

Desafios de engenharia em energia. André Pereira Gerente de Marketing Técnico

Desafios de engenharia em energia. André Pereira Gerente de Marketing Técnico Desafios de engenharia em energia André Pereira Gerente de Marketing Técnico Desafios de engenharia em energia... Geração Transmissão Consumo Tornar a produção de energia renovável eficiente Tornar as

Leia mais

Estrutura Curricular do 2º Ciclo do Mestrado integrado em Engenharia Eletrotécnica e Computadores (MIEEC)

Estrutura Curricular do 2º Ciclo do Mestrado integrado em Engenharia Eletrotécnica e Computadores (MIEEC) Estrutura Curricular do 2º Ciclo do Mestrado integrado em Engenharia Eletrotécnica e Computadores (MIEEC) No segundo Ciclo do Mestrado em Engenharia Eletrotécnica e Computadores (MIEEC), i.e, 7º a 10º

Leia mais

Manutenção de Computadores

Manutenção de Computadores Manutenção de Computadores Assunto a ser estudado: Armazenamento; Energia; Dispositivos de Entrada e Saída; Placa Mãe; Sistema de Arquivo; Processadores; Refrigeração; Memória; Vídeo; Instalação de sistemas

Leia mais

Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre. Fibra óptica

Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre. Fibra óptica Anais do XIX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1980178 Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre Maria Caroline de Andrade PUC-Campinas Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias maria.ca@puccampinas.edu.br

Leia mais

Introdução. à Estrutura e Funcionamento de um Sistema Informático

Introdução. à Estrutura e Funcionamento de um Sistema Informático Introdução à Estrutura e Funcionamento de um Sistema Informático Estrutura básica de um sistema informático Componentes de um sistema informático O interior de um PC A placa principal ou motherboard O

Leia mais

Acelere e padronize seu processo de desenvolvimento com o Projeto Gráfico de Sistemas

Acelere e padronize seu processo de desenvolvimento com o Projeto Gráfico de Sistemas Acelere e padronize seu processo de desenvolvimento com o Projeto Gráfico de Sistemas Leandro Fonseca Gerente Regional de Vendas (Brasil) Alisson Kokot Engenheiro de Vendas (Vale do Paraíba) Agenda Diagrama

Leia mais

SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO. 1.2 Para efeito de cálculo do volume total em TB deverá ser considerado que 1KB = 1024 bytes.

SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO. 1.2 Para efeito de cálculo do volume total em TB deverá ser considerado que 1KB = 1024 bytes. SOLUÇÃO DE STORAGE PROJETO X86 ARMAZENAMENTO Características Técnicas: 1.1 Deverá ser ofertada Solução de Storage com capacidade mínima de 100 TB (cem Terabyte) líquido, sendo 80TB (oitenta Terabytes)

Leia mais

Seminário de Lei de Informática. Francisco Siqueira de Sousa Gerente Comercial

Seminário de Lei de Informática. Francisco Siqueira de Sousa Gerente Comercial Seminário de Lei de Informática Francisco Siqueira de Sousa Gerente Comercial Conteúdo Introdução Casos de Sucesso IMPORTÂNCIA DA LEI Estabelece uma Política de Desenvolvimento Nacional; Estimula a inserção

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

4.4 - Barramentos. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva. robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.

4.4 - Barramentos. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva. robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche. CEFET-RS Curso de Eletrônica 4.4 - Barramentos robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade 04.4.1 Barramentos São elementos de hardware que permitem a interconexão entre os componentes do

Leia mais

leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 GESTOR AMBIENTAL - FUNCAB

leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 GESTOR AMBIENTAL - FUNCAB CONCURSO: SEMACE CARGO: GESTOR AMBIENTAL G01 - X DATA: 29/11/2009 QUESTÃO 11 - Qual das alternativas a seguir contém a sigla de uma tecnologia de transmissão digital de dados que permite conectar um computador

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Placas Adaptadoras e montagem de Redes

Placas Adaptadoras e montagem de Redes Placas Adaptadoras e montagem de Redes Objetivos da aula: 1 - Descrever a função da placa adaptadora de rede em uma rede. 2 - Descrever as opções de configuração para placas adaptadoras de rede. 3 - Listar

Leia mais

Objetivo: Realizar testes em relés de variação de frequência de modo a comprovar o tempo de atuação e os pontos de operação.

Objetivo: Realizar testes em relés de variação de frequência de modo a comprovar o tempo de atuação e os pontos de operação. Tutorial de Teste Tipo de Equipamento: Relé de Proteção Marca: Siemens Modelo: 7UM Funções: 81R ou PFRC - variação de frequência (taxa de variação de frequência ou df/dt) Ferramenta Utilizada: CE-6006

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

Terminais LTSP com opensuse Um caso prático

Terminais LTSP com opensuse Um caso prático Terminais LTSP com opensuse Um caso prático Bruno Santos (feiticeir0@feiticeir0.no-ip.org) Caldas da Rainha, 1 de Setembro 2007 António Martins (digiplan.pt@gmail.com) Terminais LTSP com opensuse Agenda

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt Paulo Alves / CEO paulo.alves@proside.pt Sistemas Integrados de Atendimento O que fazemos A Empresa Concepção, Arquitectura e Implementação de Sistemas de Informação; Consultoria Tecnológica de Sistemas

Leia mais

Trabalho Prático Nº2 Escrita e Leitura em Portos IO

Trabalho Prático Nº2 Escrita e Leitura em Portos IO Trabalho Prático Nº2 Escrita e Leitura em Portos IO 1. OBJECTIVOS - Saber efectuar a escrita e leitura em portos de entrada saída num PC num com operativo DOS e Windows. 2. INTRODUÇÃO Para este trabalho

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt Paulo Alves / CEO paulo.alves@proside.pt Sistemas Integrados de Atendimento O que fazemos A Empresa Concepção, Arquitectura e Implementação de Sistemas de Informação; Consultoria Tecnológica de Sistemas

Leia mais

Exercícios DAC/ADC e Trabalhos

Exercícios DAC/ADC e Trabalhos Exercícios DAC/ADC e Trabalhos Aula 02 - DAC / ADC Heitor Medeiros Florencio 1 heitorm@dca.ufrn.br 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia de Computação

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 3.1 EXECUÇÃO DAS INSTRUÇÕES A UCP tem duas seções: Unidade de Controle Unidade Lógica e Aritmética Um programa se caracteriza por: uma série de instruções

Leia mais

www.teikon.com.br Catálogo de Produtos Produção Eletrônica Brasileira

www.teikon.com.br Catálogo de Produtos Produção Eletrônica Brasileira www.teikon.com.br Catálogo de Produtos Produção Eletrônica Brasileira Produção Eletrônica Brasileira Através da utilização de insumos de alta qualidade, os produtos desenvolvimento e produzidos localmente

Leia mais

Tecnologias para o sistema Elétrico do Futuro: Smart Grid. Marco Amorim Gerente de Negócios para o segmento de Energia National Instruments

Tecnologias para o sistema Elétrico do Futuro: Smart Grid. Marco Amorim Gerente de Negócios para o segmento de Energia National Instruments Tecnologias para o sistema Elétrico do Futuro: Smart Grid Marco Amorim Gerente de Negócios para o segmento de Energia National Instruments #1 Geração, Transmissão e Distribuição de Eletricidade Complexidade

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de

Leia mais

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394)

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) histórico Tudo começou em 1980 quando a IBM estava desenvolvendo seu primeiro micro PC. Já haviam definido que o barramento ISA seria usado para permitir que o IBM

Leia mais

Almir G. Santos. Sandro S. Fernandes

Almir G. Santos. Sandro S. Fernandes Almir G. Santos Sandro S. Fernandes 1 Escola de Física do CERN 2012: seleção e experiências Almir e Sandro no túnel do LHC do Microcosm do CERN Apoio 2 ÍNDICE PROCESSO SELETIVO PROFESSORES SELECIONADOS

Leia mais

AULA Redes de Computadores e a Internet

AULA Redes de Computadores e a Internet UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Disciplina: INF64 (Introdução à Ciência da Computação) Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel

Leia mais

Espectro da Voz e Conversão A/D

Espectro da Voz e Conversão A/D INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES GUIA DO 1º TRABALHO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I Espectro da Voz e Conversão A/D Ano Lectivo de

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 15 1 Introdução Esta dissertação dedica-se ao desenvolvimento de um analisador de erro para Redes Ópticas através da utilização de circuitos integrados programáveis de última geração utilizando taxas que

Leia mais

Programa de Revendas. www.integral.inf.br

Programa de Revendas. www.integral.inf.br Programa de Revendas A Integral Informática 13 anos no mercado Parceira Microsoft GOLD Citrix Silver Stone Soft Linux 100% dos profissionais certificados Atende o Brasil e o Exterior 450+ Clientes O que

Leia mais

NI FlexRIO - Tecnologia e Aplicações

NI FlexRIO - Tecnologia e Aplicações NI FlexRIO - Tecnologia e Aplicações Mike Munhato Marketing Técnico André Oliveira Gerente de Vendas Agenda O que é FPGA e por que ele é tão útil? Vantagens do FPGA em sistemas de teste Plataforma NI FlexRIO

Leia mais

O LHC e o futuro da física de partículas

O LHC e o futuro da física de partículas http://public.web.cern.ch/public/en/lhc/facts-en.html http://lhc-milestones.web.cern.ch/lhc-milestones/ O LHC e o futuro da física de partículas José Guilherme Milhano CENTRA/IST 4ª Escola de Astrofísica

Leia mais

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica ELECTRÓNICA II. Trabalho Laboratorial nº 3

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica ELECTRÓNICA II. Trabalho Laboratorial nº 3 Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica ELECTRÓNICA II Trabalho Laboratorial nº Filtros Activos 008/009 O relatório final deve ser composto

Leia mais

Hitachi Unified Storage. Família HUS 100. Henrique Leite! henrique.leite@hds.com! Tuesday, 4 de September de 12! Solutions Consultant!

Hitachi Unified Storage. Família HUS 100. Henrique Leite! henrique.leite@hds.com! Tuesday, 4 de September de 12! Solutions Consultant! Hitachi Unified Storage Família HUS 100 Henrique Leite! Solutions Consultant! henrique.leite@hds.com! Tuesday, 4 de September de 12! 1 Hitachi Data Systems 2011. All rights reserved. AGENDA Direção do

Leia mais

Sistemas de Informação e o Computador

Sistemas de Informação e o Computador Índice Noção de Sistema de Informação O Sistema de Informação no Escritório A palavra Informática é derivada de duas outras palavras associadas de escritório a ela, a primeira é informação e a segunda

Leia mais

Técnicas de Manutenção de Computadores

Técnicas de Manutenção de Computadores Técnicas de Manutenção de Computadores Professor: Luiz Claudio Ferreira de Souza Placa Mãe Dispositivos (Onboard) São aqueles encontrados na própria Placa Mãe. Ex: Rede, Som, Vídeo e etc... Prof. Luiz

Leia mais

Objetivo: demonstrar como configurar e testar uma comunicação entre PLC e PC através de drive Siemens (SIMATIC NET V1X) usando interface OPC.

Objetivo: demonstrar como configurar e testar uma comunicação entre PLC e PC através de drive Siemens (SIMATIC NET V1X) usando interface OPC. TIA Portal Configuração e testes de comunicação via interface OPC Denilson Pegaia Objetivo: demonstrar como configurar e testar uma comunicação entre PLC e PC através de drive Siemens (SIMATIC NET V1X)

Leia mais

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs Cablagem de LANs Nível Físico de uma Redes Local Uma rede de computadores pode ser montada utilizando vários tipos de meios físicos.

Leia mais

BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO

BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO Paulo S. C. Molina molina@upf.br Matheus A. C.

Leia mais

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2)

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) A largura de banda,, em termos gerais, indica a quantidade máxima de dados que podem trafegar no meio em um determinado momento. É medida em bps (bits

Leia mais

Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment)

Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment) Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment) Introdução Os computadores são constituídos por uma série de tecnologias que atuam em conjunto. Processadores, memórias, chips gráficos, entre

Leia mais