E de cooperação em saúde pública, associando o Brasil e a França

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E de cooperação em saúde pública, associando o Brasil e a França"

Transcrição

1 Diretor Haiumi Dr Takahashi Cosihek Abilio 4 ISSN Tiragem: exemplares Periodicida: 95 Editoriais SUMARIO Dossiê Biotecnologia aplicada saú...p. 6 Pesquisa Projeto...p. 8 Entrevista Pascal Brandys...p.9 Eventos Breves...p. 11 As matérias ste boletim pom ser reproduzidas livremente, bastando citar fonte. e sistemas sse título um tanto geral recobre uma original e ambiciosa missão E cooperação em saú pública, associando o Brasil e a França em um empreendimento pragmático cujo objetivo é aumentar a eficácia do sistema básico saúno Brasil. A idéia sse tema cooperação provém diretamente do primeiro congresso franco-brasileiro gestão hospitalar (Brasília, zembro 1993). Ele correspon a uma intensa dos dirigentes sanitários brasileiros, empenhados, em nome sua Constituição, num processo scentralização e universalização do sistema saú. Duas missões francesas no Brasil e uma missão brasileira na França possibilitaram a implantação um ambicioso programa experiências nos quatro locais pilotos que são os municípios Fortaleza, Niterói e somando no total cerca quatro milhões habitantes. O acompanhamento e a avaliação sses programas, iniciados em 1994, vem prosseguir em 1995 e Os interesses em jogo para o Brasil (o principal les, "melhorar a eficácia global das res municipais saú", é vital para milhões cidadãos brasileiros) são imediatamente perceptíveis leitura dos programas escolhidos; paralelamente, o safio que eles representam para a parte francesa é um extraordinário estimulante intelectual e um incentivo imaginação em matéria das instituições saú.

2 Brasília zembro 1993 Encerrando o primeiro projeto franco-brasileiro cooperação em gestão hospitalar realizou-se em Brasília o primeiro congresso franco-brasileiro gestão hospitalar. A exposição dos resultados ssa cooperação e a apresentação da obra "Um safio para o hospital brasileiro" constituíram os pontos fortes sse encontro inédito; mas os bates e os intercâmbios que ele possibilitou e facilitou foram igualmente fecundos. Naquela oportunida os dirigentes sanitários brasileiros expressaram a idéia que o hospital público, além ser um ponto-chave do dispositivo sanitário e para o qual se via sistematicamente procurar e experimentar tudo o que pusse melhorar-lhe o funcionamento, encontrava-se no centro uma re complexa procedimentos e instituições que convinha coornar melhor. Assim, os pores públicos brasileiros pediram oficialmente França que, no período , participasse uma iniciativa cooperação técnica que visaria a administrar, em um município brasileiro, toda uma re saú articulada em tomo do hospital; e que proporia experimentações para melhorar-lhe o funcionamento, tanto em termos eficácia cada unida como em termos coornação global. Um sistema unificado saú Des 1988, quando adotou sua nova Constituição, o Brasil possui objetivos claros em matéria saú: universalida do atendimento; igual acesso ao atendimento; integração dos serviços e das atividas saú. Os meios escolhidos para atingir esses objetivos estão bem finidos: scentralização; hierarquização dos serviços; complementarida da re privada. Porém não é menos verda que, conforme observou Rosa Maria Castelar, "o sistema Único saú apresentou algumas ficiências, ou mais exatamente alguns pontos estrangulamento." Entre estes, os mais evintes são a forma financiamento do sistema, a falta formação em gestão, a falta instrumentos gerenciamento direcionados para a ação. Assim, hoje um gran número municípios estão investidos importantes qualificações em todo dispositivo saú primário (unidas básicas saú, postos saú, atendimento das urgências) e nos hospitais públicos gerais e vezes especialieados, porém sem por isso possuírem todas qualificações técnicas gestão e direção necessárias para a pilotagem tal re. Nessas condições, compreen-se melhor que uma priorida dos dirigentes brasileiros seja melhorar rapidamente as performances ssas res municipais saú - responsáveis pelo atendimento prestado maior parte da população brasileira, que é também a parte mais sfavorecida. Quatro locais, três anos, duas um Único objetivo Os quatro locais pilotos- quatro municípiosforam escolhidos pelo Ministério da Saú e constituem uma aniostragem das realidas do Brasil. com habitantes, é uma "cida nova" que senvolveu rapidamente na área metropolitana São Paulo. Fortaleza é a capital do estado do Ceará, na região norste, e conta com habitantes. Niterói é a antiga capital do estado do Rio Janeiro. com habitantes, é a capital do estado Amazonas, antiga cida da borracha que se readaptou ao comércio graças sua "zona franca". Três anos realizar experiências significativasem matéria e gestão das res saú. A primeira missão francesa no Brasil, em maio-junho 1994, tinha como objetivo terminar as expectativas e os objetivos específicos cada local. Um programa completo experiências veria ser adotado em novembro 1994, durante a segunda missão francesa do ano. Tal missão foi cancelada a pedido das autoridas brasileiras, para permitir a implantação das novas administrações correntes da eleição Femando Henrique Cardoso para a presidência. Em setembro 1994 uma missão brasileira na Franca (10 dirigentes, durante 10 dias) foi a uma apresentação todos os aspectos do sistema sanitário francês. um trabalho preparatório a distância no início 1995, uma segunda missão francesa no Brasil aconteceu recentemente, 12 a 23 junho ste ano. Ela possuía três objetivos fundamentais: encontrar e conhecer os novos responsáveis ferais brasileiros e em especial a Ana Teresa da Silva Pereira, diretora do Departamento Normas Técnicas do Ministério da Saú e coornadora geral do projeto para a parte brasileira;

3 estabelecer um programa experimental em cada local apresentar as especificidas francesas em matéria planejamento sanitário, procedimento-projeto e projeto institucional. Uma avaliação inicial autoriza a afirmar que tais objetivos foram atingidos. A missão encerrou-se em com um seminário geral doisdias, durante o qual todos os programas foram apresentados e discutidos por todos os locais. Ele tomou patente a gran intida visão que existe entre os coornadores brasileiros e franceses e sua vonta comum obter resultados concretos e tangíveis. A apresentação do processo francês foi feita por Jacques Feragus, do DRASS (Direção Regional dos Assuntos Sanitários e Sociais) da região Aquitaine e secretário-geral da ACODESS (Associação para Cooperação e Desenvolvimento das Estruturas Sanitárias). Em cada local, duas instituições estão ligadas ao projeto: naturalmente a Secretaria Municipal da Saú, responsável pela re; e também o centro... estudos saú pública ou comunitária da cida. Isso porque várias ou mesmo todas as experiências exigir um esforço metodologia e fomiação adaptadas. Portanto, é muito importante associar esses especialistas em saú pública própria finição dos programas. O Único objetivo que todos nós temos em vista é a melhora concreta da eficácia das res municipais saií. Uma próxima missão brasileira na (setembro ou outubro 1995) será a conferências apoio técnico ou em relação direta com as dificuldas encontradas em cada local para a execução das experiências propriamente ditas. Em zembro 1995 ou janeiro 1996, uma missão francesa no Brasil verá avaliar os primeiros resultados e estabelecer a programação Jean-Marie *Diretor Hospital das Res Saú Coornador francês do projeto Gestão O escalão regional passa a ser o núcleo da política hospitalar França Os dois principais instrumentos da oferta atendimento dos hospitais públicos e das privadas, tratados igualitariamente, 1.O mapa sanitário instituído pela lei 31 zembro 1970,que termina os limites das 22 francesas e os setores sanitários ntro do território das regiões; estes vem abranger no mínimo 200 mil habitantes, sem limite superior. O mapa sanitário oficializa e fixa a importância da infraestrutura a ser empregada para atenr às necessidas da população. Ele fine os quocientes referentes às capacidas alojamento e aos pesados com ao efetivo da população; também fixa as normas emprego das técnicas médicas dispendiosas. 2. O esquema regional sanitária, do pela lei 31 julho 1991 e que organiza,ntro cada mapa sanitário, a distribuição geográfica, a dos e das atividas. A extensão das regiões francesas varia entre e a nsida vai 42 habitantes por a 916em Ile-France (média 106 habitantes). Cada região finiu objetivos objetivos em questáo constituem as metas qualitativas e quantitativas para as quais ve tenr a oferta atendimento. Na maioria das regiões stacam-se os três critérios seguintes: Facilida acesso ao atendimento. A oferta atendimento ve ser organizada modo a facilitar e a melhorar o acesso físico e geográfico, e formalizada maneira compreensível para toda a Os profissionais e vem estar veis. bem como os necessários, das compatíveis com as habituais dos usuários. 3 Continuida do Deve ser assegurada no mínimo pela difusão das médicas úteis, contidas no prontuário do paciente; o admissáo ve facultar a cada pessoa cuidados hospitalares e atendimento das urgências com uma proximida conveniente. O atendimento permanente é dos dlnicos-gerais, que vem assegurar essa continuida pela dos plantões e pela com hospitais e clínicas. Proximida. A proximida espacial é avaliada em da patologia a tratar. Ela requer a implantação uma re ligando todos os estabelecimentos entre si, sobretudo com a telemedicina, permitindo a transmissão a distância imagense documentos.i3tempo acesso ve ser o seguinte: 30 minutos para o atendimento comum e para as urgências; uma hora para o atendimento especializado; duas horas para o atendimento altamente especializado. Gestão do montante regional recursos. Fixada a vel nacional, a taxa diretriz da das spesas hospitalares implica num trabalho distribuiqao,confiado ao regional do Estado: a DRASS Regional dos Assuntos e Sociais), com uma taxa média em 1995) qual se acrescentamalgumas medidas ficas relacionadas com objetivosdo esquema regional. Sempre respeitandoos campos competência territoriais da constata-seatualmente que, ao término dos proveitosos entendimentos com representantesdas instâncias profissionais e partamentais, o nível regional é uma garantia da da atendimento no território e do controle das spesas saú para a atribuição diferenciada das alocações recursos. 'DRASS ACODESS e

4 entre as Escalas Saú da e da No Brasil, encontramos realidas gestão na sua maioria pela improvisação, pelas ações voltadas para emergências, pela gran centralização e baixa autonomia dos dirigentes locais, pela ausência quasecompleta compromissos com os resultados finais, pela e sperdício recursos, etc. Nesse contexto, também poucos os dirigentes das organizações hospitalares públicas que encontram-se habilitados profissionalmente para funções gestão. Portanto, transformar tais organizações significará pouco mais do que a necessária, mas não suficiente, elevação do montante recursos a serem alocados. O tema da profissionalização gerencial para a área hospitalar, pública em especial, po parecer simples ser abordado. por acaso a sua importância foi questionada tanto para nantes, quanto para teóricos do campo da gerência ou mesmo para os atuais dirigentes, muito provavelmente uma unanimida seria cida favor da qualificação profissional. Porque será que tal realida ainda não ultrapassa algumas poucas iniciativas formação e talvez, em menor número ainda, sejam as instituições que estabeleceram tal princípio para a ocupação cargos gestão? O dirigente hospitalar configura ou po vir a configurar d e fato uma área profissional diferenciada? A condição gerente hospitalar é atributo particular do médico? Que estratégias adotar para senvolver a competência gerencial hospitalar? Que habilidas vem ser senvolvidas por este profissional? De forma distinta do nosso país, a função dirigente hospitalar público é uma realida na há mais 50 anos. Hoje, ela se conforma enquanto uma carreira pública específica, com diferença da função médica. Há uma imediata repercussão sobre a distribuição do por no interior do hospital. A direção hospitalar configura um por a mais, ao contrário do Brasil, on o diretor sendo médico, vai acabar por expressar a extensão do por médico sobre o hospital. Essa lógica um por a mais entre os mais pores (médico, enfermagem, mais corporações, representações Ribeiro cais funcionais, teria a função mediadora, uma vez que o Diretor representa o próprio Estado no interior do hospital francês. Suas atribuições são as seguintes: ele representa o hospital em todos os atos da vida civil e igualmente na justiça; eleprepara os trabalhos do Conselho Administração do hospital e executa nas liberações; ele prepara o projeto institucional (projet détablissement); ele ci sobre todos os assuntos do estabelecimento, que não façam parte daqueles sob a alçada do Conselho Administração, e assegura a gestão e a condução geral do estabelecimento; ele exerce sua autorida sobre o conjunto do pessoal ntro do respeito às regras ou profissionais que se imponham aos profissionais saú; ele recruta, nomeia, o conjunto do pessoal não ser os outros diretores e os médicos); ele o ornador spesas e das receitas. Um profissional com atribuições acima finidas ve ser especialmente capacitado. A École Nationale la Santé Publique, localizada na cida Rennes, Órgão autônomo vinculado ao Ministério da Saú, é responsável pela formação todos os diretores hospitais públicos franceses pois O ingresso na carreira diretor hospitalar se dá a partir um concurso público nacional, anualmente realizado para o curso formação profissional a cargo da Rennes. Já durante o curso, o aluno-diretor encontra-se no primeiro estágio da carreira pública diretor hospitalar. A formação dura 27 meses, intercalando momentos estágios em hospitais e empresas outros ramos econômicos com momentos teóricos no interior da No Brasil, a Escola forma Saú Pública/ especializados em gestão hospitalar As suas linhas fonnação evoluíram ao longo dos anos em função alguns grans nantes. De um lado, a experiência acumulada com o passar dos anos, que saguava especialmente numa forte motivação para superação algumas limitações: a infinição em relação à clientela, o distanciamento da prática gerencial e da Coornador do Gerentes Hospitalares edacooperaçdo com a Publique 4

5 - seus problemas e o relativo scompromisso com impactos da formação nas realidas hospitalares dos egressos. De outro lado, em 1991, a estabelece um Convênio Cooperação Técnica com a especialmente para intercâmbio profissional na área formação em gestão hospitalar. Um novo curso foi organizado, procurando obecer a novas estratégias e tendo os conteúdos bastante reformulados. A marca inteiramente nova ficou por conta da sua metodologia e da finição e captação da clientela. Essa nova linha formação, foi pensada como uma contraparte acadêmica do projeto maior senvolvimento dos sistemas gerenciais hospitais vinculados ao Sistema Unico Saú. Essa concepção impunha limites claros clientela do curso, agora não mais assumida como "profissionais avulsos interessados gestão hospitalar", mas especificada enquanto "profissionais que sempenham funções na alta direção hospitais média gran complexida vinculados ao Mas também náo era propósito receber candidatos quaisquer hospitais, modo que também especificou-se um processo seletivo em que próprio hospital estava sendo selecionado", uma vez que veria estar manifesto formalmente por dirigentes da instituição mantenedora do hospital que "háprocesso em curso para senvolvimento rencial da ainda que tal não se apresentasse com processo claro e formalizado. Pretenu-se assim, realçar um dado compromisso institucional marcando uma posição difundida pelo curso já no processo seleção, que a contraparte institucional, com necessária finição propósitos para a mudança gerencial na organização era um pré-requisito, assumida que estava a concepção que a formação profissional é limitada para promover mudanças per Ao contrário, o processo d e formação po contribuir para melhor sistematizar processos transformação, potencializando-os. Ainda que seja limitada a possibilida aferir a existência diretrizes e práticas favoráveis à mudança, a não ser que estejam em franco senvolvimento, o processo seletivo consta até hoje uma etapa conhecimento da realida hospitalar do candidato, modo que essa dimensão po excluir candidatos, mesmo que tenham o cargo mais elevado na organização. Dizse que não há apenas uma seleção dos candidatos, mas também seus hospitais. A outra dimensão inovadora fica por conta da metodologia formação, que aliada a terminados conteúdos específicos, confere uma característica própria ao Des o primeiro curso em 1992, nos momentos intermodulares (a concentração teórica se dá durante uma semana por mês na ENSP, durante 8 meses, modo que entre cada módulo restam em média três semanas, que o aluno-diretor retoma às suas funções trabalho), os alunos-diretores têm oportunida começar a senvolver novas práticas ntro suas funções origem. Amparado na metodologia do planejamento situacional Carlos Matus, eles são orientados para transformação seus sistemas gerenciais. Ao final do curso vem ter experimentado na sua realida a partir problemas situacionalmente postos, boa parte do arsenal metodológico e dos conceitos que alicercem uma nova cultura gerencial em hospital. docentes franceses tem participação em conteúdos natureza técnica inovativa (abordagens qualida na gestão, gestão e orçamentária-financeira a gestão recursos humanos), na perspectiva conhecer e adaptar-se práticas já consolidadas nos hospitais daquele país. Hoje o programa já conta com cursos em semelhantes bases, scentralizados nas cidas Fortaleza (realizando o terceiro), Belo Horizonte (realizando o terceiro), Recife (realizando o primeiro) e tendo sido realizado em 94 um curso em Todos esses cursos são chanceladospela Escola do Rio, que mantém importante supervisão sobre eles e obecendo à regra que para a abertura cada scentralizado é condição básica a sua coornação local ser por docente dirigente formado nos cursos do Rio Janeiro. Esse programa até o final 1995 terá formado mais 300 (trezentos) dirigentes, relativos a cerca 70 (setenta) hospitais. Não há dados precisos disponíveis, mas estima-se que entre 70 a 80%dos egressos continuam em cargos direção nos seus ou em outros hospitais. Igualmente, a maioria dos hospitais seguem linhas aprimoramento seus mecanismos gestão, ainda que não exclusivamente baixo das lógicas preconizadas nos cursos. No campo da gerencial, a conta também com a linha formação resintes em gestão hospitalar. A Cooperação recém renovada por mais dois anos envolve ainda diversas outrasatividas no campo gestão hospitalar, stacando-se o intercâmbio através visitas-estágios entre dirigentes hospitalares dos dois países, o intercâmbio docente, o aprimoramento pedagógico e a possibilida estudos/ pesquisas comuns. 5

6 França... aplicada saú na Rhône-Alpes a segunda região industrial francesa, não apenas por seu instrumental produção como também pelo dinamismo. Ela combina vários trunfos: nsida industrial, relativa resistência às reviravoltas da conjuntura econômica e capacida Lír da indústria farmacêutica Após Ile--France, Rhóne-Alpes a principal região em termos indústria medicamentos:seus representam cerca 15%da produção francesa do setor, do qual emprega 10%dos assalariados (8.000 pessoas). As exportações, que ultrapassam 3 bilhões francos, constituem do total das exportações francesas produtos farmacêuticos. Apoiada em uma longa tradição médica e química e cm uma nsa malha estruturas pesquisa e ensino superior, a indústria farmacêutica regional cobre um amplo espectro atividas. âmbitos arrolados pela AFIPRAL (Associaçãodos Fabricantes da Indústria Farmacêutica da Região Rhône-Alpes e Lyon) abrangem todos tipos produtosdo setor saú: produtos químicos orgânicos básicos, produtos sintéticos, tos'injetáveis, biologia aplicada medicina e â veterinária, patia, oftalmologia. Paralelamente senvolveu-se um conjunto indústrias direcionadas a saú: fabricação excipientes, materiais e instrumentos médicos; engenharia médica; e materiais laboratório; animais laboratório; toxicologia etc. Em outubro último, o partamento Rhône e o Ministério da Saú assinaram uma convenção pela qual a Agência do Medicamento instala em Lyon toda sua ativida na área das vacinas, consagrando assim a competência da região nesse âmbito. Densida dos centros pesquisa No plano da pesquisa, a região é favorecida pelo gran número universidas científicas, escolas nível superior, centros pesquisa nacionais e internacionais, hospitais universitários, companhias farmacêuticas e químicas. Constitui um dos mais conceituados pólos europeus em biomedicina e farmácia. contexto altamente propício possibilitou a eclosão pesquisas e inovaçõesque fazem da região uma pioneira nas grans terapêuticas ste milênio: primeiros testes clínicos terapia gênica da e do câncer; primeiras vacinas resultantes da engenharia genética; primeiros anticorpos nais humanos; primeiros programas imunoterapia e pia do câncer; primeiros rons para criação um antitumoral sintético nova geração, o Taxotere, a partir um rivado vegetal; criação substitutos cutâneos e molos pele artificial para queimaduras graves etc. O pólo da vacina articula-se sobre uma forte tradição industrial que dinamiza a pesquisa; ele continua a mobilizar as qualificações numerosas equipes públicas e privadas, que senvolvem estudos fundamentais sobre vacinologia e mecanismos tários, bem como asduas empresas líres do setor: o Instituto eux (vacinologia e biologia humana) e a (vacinas para uso veterinário). As pesquisas em imunologia constituem um dos pontos fortes da região e envolvem cerca 20 que souberam ocupar um lugar importante em múltiplos campos: pia do câncer pelas citoquinas, imunoterapia gênica, tratamento linfomas, anticorpos nais, caracterização molecular novas citoquinas humanas, pos monoclonais humanos, aplicaauto-imunes, notoxicologia, estudo dos mecanismos ação novos ladores e anticorpos, estudo dos mediadores lipídicos da inflamação, transplantes medula óssea e Órgãos. A cosmetologiae a farmácia cutânea constituem do potencial nacional: ais, substituto cutâneo e pele artificial, biocosmética, pesquisa sobre rivados placentários, colágeno, biologia e química das proteínas e numerosas colaborações industriais. Para isso a região possui os centros públicos e privados empenhados pesquisa sobre colágeno e biorivados, o Instituto da Pele, o Centro Pesquisa em Biologia e em imunopatologia Cutânea, entidas que trabalham na valorização dos rivados As indústrias da saú contam com um consirável potencial formação em Rhône-Alpese Lyon: não apenas cursos tradicionais (faculdas Lyon e também muitas formações técnicas especializadas, capacitaem marketing e gerenciamento das indústrias saú, capacitaem testes clínicos e etc. Terreno fértil para a bintecnologia Na região Rhône-Alpes, mais pessoas, entre as quais 400 6

7 trabalham nas indústrias e nos laboratórios públicos e privados biotecnologia. Evintemente, a saú é o setor privilegiado e constitui u m meio muito receptivo para o florescimento da biotecnologia. Hemorivados e vacinas Pólo Engenharia Biológica e Médica -criado em Incentiva pesquisas, transfere para as indústrias, exerce uma prontidão e sempenha um papel motor no ensino da engenharia biológica e módica. 25%da ativida sse segmento na França. Através da Feração dos Pólos, iniciou em escala regional uma colaboração contínua entre os diversos pólos do setor. Também se estabelecem cooperações internacionais em pesquisa, ensino e transferência tecnologia entre o Rhbne-Alpes e os laboratórios e indústrias das regiões européias irmanadas com Catalunha, Lombardia, te, Ba Würtemberg, Suíça Românica, Finlândia, Irlanda do Norte, Portugal. Tais cooperações são feitas através programas europeus Comett, Comac e acordos bilaterais (com Ontário, Quebec, o Rhône-Alpes 2 avenue BP L cex. Instituto Mérieux pessoas. Um dos primeiros produtores mundiais vacinas e produtos biológicos, sem fronteiras entre as medicinas humana e veterinária, que são senvolvidas por suas duas principais filiais: Pasteur Mérieux Soros e Vacinas e Executa maneira transversa e universalista pesquisas que seguem duastendências: prevenção infecciosas e parasitárias, terapia gênica. Cobrindo o mais amplo espectro humana e nária do mundo, tém quase 35%do mercado. Institui Mérieux 17 rue Lyon. Pasteur Mérieux Soros e Vacinas (PMSV) pessoas. A biomedicina humana representa mais meta das vendas do Instituto Mérieux e mobiliza hoje cinco grans companhias na França e na América: (vacinas e hemorivados), Transgène (pesquisa em genética molecular e celular, terapia gênica, animais...flash Saú Virogenctics (biotecnologia, res virais, pox-vírus), da alergia) e Imex (valorização dos rivados biomateriais). Pasteur Mérieux Vaccins 58 avenue Lyon. InstitutoPasteur Lyon e dosuste vacinação humana, diagnóstico, imunoalergologia, Institui Pasteur Lyon Ton Lyon pessoas, oitavo lugar em saú animal. Desenvolve uma linha produtos para prevenção e tratamento das espécies animais criação e companhia (vacinas, soros, diagnóstico, anti-infecciosos, inflamatórios, anestésicos, vitaminas). Rhône Mérieux 29 Tony BP Lyon cex pessoas na França. O grupo atua em sete áreas terapêuticas ligadas aosgrans interesses da medicina atual: doenças cardiovasculares; distúrbios do sistema nervoso central e dores; e alergias; distúrbios do metabolismo e reumatologia; doenças infecciosas e aids; câncer; doenças hereditárias. Possui em Genis uma unida produção (320 pessoas) que reúne o instrumental industrial dos laboratórios farmacêuticos Spécia, Théraplix, Pharmuka e Roger du Saint Genis Laval. Biorreagentes Rhône-Alpes é o primeiro francês ssa especialida, com grupos como Api-Système (antibiograma e meios cultura) e padronizados). Produtos Centro Regional Sanguínea - produtos rivados. 93 Gran Lyon. sangue e Roussel Uclaf 800 assalariados. Divi suas atividas entre o fornecimento princípios ativos a indústria farmacêutica e a formulagão produtos agroveterinários. Roussel Cosméticos - setor colágeno e biomateriais está muito senvolvido em Lyon, resultando em aplicações com valorizações e criações industriais em diversas áreas pessoas. Elabora, produz e comercializa biomateriais origem natural. Porém a saú(20%) r6 tornar-se futuramente seu principal setor; hoje a companhia produz ataduras base colágeno, ataduras e produtos reconstituição e sea, membranas regeneração tissular, fios colágeno curtido Para preenchimento etc. 32 rue Saint Lyon. Gattefossé pessoas. Fabrica matérias-primas para as indústrias farmacêutica, cosmética e dietética. A tem três eixos principais: (farmácia e cosméticos),formas retardo, solubilizantes em farmácia e novos elementos ativos em cosmética.o grupo está na dianteira em um mercado em que ainda há poucos tidores. Também se interessa por tos para substituir o colágeno humano e animal: lançou uma linha proteínas colagênicas origem marinha. BP nas Saint Saduc-extração e purificagão cromoléculas colágeno, a partir tecidos animais, para uso em farmácia e em cosméticos. Filial Saduc Troques Imex - 40 pessoas, filial do Instituto Mérieux. Criada em 1987 para trabalhar na do tecido centário humano, em com a PMSV e a Marcel Mérieux. oftalmologia, farmacotoxicologia in vitro. les ues BP Outros enreços Úteis: s es et L Lyon Association 20 Ia Lyon cex 02. Fonte: BIO 11 du Paris, (33.1) (33.1) 20 75

8 PESQUISA "Genetic Há um ano, o presinte da Associação Francesa contra as Miopatias apresentavao projeto thon-industries. Objetivo: reunir companhias biotecnologia em um mesmo.local, perto Paris, a fim um tecnopólo terapia gênica, cujo mercado será 300 bilhões francos por volta do ano2010. Recentemente, a Genset e a AFM abriram em Evry o laboratório TGS. Outras companhias francesas e americanas planejam juntar-se a ponte". No ano 2000 o projeto Généthon- Industries verá constituir um dos grans pólos internacionais da otecnologia e da indústria medicamentos. A história toda em Daniel Cohen, geneticista francês, ci dar início cartografia do genoma humano. Convém lembrar que no interior cada célula humana há um núcleo contendo macromoléculas portadoras nossa hereditarieda, o DNA. Esse genoma, como é chamado, é uma espécie texto escrito com quatro letras, as bases cleotídicas (anina, guanina, citosina). Apenas cerca 2% seja, a genes dispersos ao acaso ao longo ssa macromolécula enrolada na forma 23 pares somos-representam a parte significativa, a parte que uma mensagem. Compreen-se por que tal projeto parecia insensato. Procurar localizar essa parte significativa, isto é, intificar os genes e codificarsua mensagem na cromolécula dois metros comprimento, e isso na escala do a fim o mapa completo do genoma humano, constitui uma verdaira Entretanto, Daniel Cohen conseguiu vencer esse louco safio, sobretudo ao Bernard Barataud, presinte da A AFM organiza os famosos maratonas audiovisuais que todo ano fazem entrar em seus cofres até 350 milhões francos. Objetivo: senvolver terapias gênicas Os resultados não se fazem esperar. No francês final 1993, o laboratório Généthon, financiado em 85% pelas receitas do Téléthon, conclui uma cartografia que abrange 60%do genoma humano. O trabalho, realizado em tempo recor, permite que a AFM pense em passar para uma segunda etapa: o senvolvimento terapias gênicas. De fato, o da associação é curar o mais pressa possível genéticas como as miopatias, a mucoviscidose, e doenças mais complexas como certos fipos câncer. Por isso é lançado o programa Généthon 2, dirigido pelo professor Weissenbach, a fim intificar nes responsáveis por tais doenças e cobrir como tratar os genes feituosos por meio da outros genes. Para dominar a dos genes reparadores, a AFM, em parceria com a Genset, ci então construir o laboratório TGS ou Muito Gran A set, criada em 1989, é o primeiro produtor mundial DNA sintético. Para seus fundadores, é preciso antes mais nada codificar os genes pela dos programas genéticos, pois é o conhecimento ssas partes do genoma que abrirácaminho para as terapias gênicas. Des abril último, o TGS, usando recursos automatizados, está seqüenciando e analisando o ma, razão um milhão bases por dia. No final do genoma humano terão sido seqiienciados e analisados. Uma capital da biotecnologia perto Paris Em termos saú pública, esse programa, que verá levar a medicamentos, constitui uma aposta alta: segundo um estudo do BIPE (Birô e Previsões o mercado mundial resultante do conhecimento dos genes porá chegar a 300 bilhões francos por volta do ano Portanto, fundamental não "perr o no momento mesmo em que a intificação dos genes avança a passos largos. Aliás, Bernard Barataud não hesitou em clarar que não reagirmos, ntro em breve estaremos comprando em dólares medicamentos americanos, para tratar nossos sempregados". 8 a pela qual a AFM cidiu instalar uin "Biotechnical Valley" perto Paris, no partamento Essonne, inspirando-se no quejá se faz nos Estados Unidos, perto São Francisco. O projeto tem como tivo em torno do projeto Généthon uma indústrias tecnologia. Com o tempo, várias empresas francesase também americanas verão juntar-se ao Généthon e ao formando uma verdaira capital das tecnologias genéticas, um "Genetic ley" agrupando centros pesquisa fundamental e aplicada, além unidas produçáo industrial tos. Várias empresas interessadas Birambeau, secretário-geral da AFM e encarregado do projeto Généthon-Industries, está confiante no futuro; mas por enquanto não seja falar muito sobre os novos passos que porão ser dados ntro em breve. como for, várias companhias francesas que trabalham com ou que senvolvem sistemas para asterapias por exemplo) parecem muito interessadas no projeto e ansiosas por participar le. Uma das mais citadas é a Protéine Performance, uma empresa biofannacêuticí que porá uma nova tecnologia baseada na expressão e na proteínas recombinadas em células insetos; também a Cerep, que elabora testes farmacologia e celular; e outras. Com o apoio financeiro da região, do partamento Essonne e da palida Evry, o "Genetic Valley" está pouco a pouco se senvolvendo. "Vai dar clara com Brandys, presinte e geral da Genset. No momento, tomouum importante mundial, e isso verá contribuir para seu futurosenvolvimento. Fonte: Tel

9 ENTREVISTA... Dascai e Genset Terapias i a contagem regressiva A Genset, lír mundial na produção sintético (mais 30% do mercado), realiza atualmente pesquisas sobre a regulação dos genes. Pouco se sabe sobre os elementos regulação que condicionam a expressão genética, nominados promotores. O conhecimento ssas partes do genoma verá levar ao verdairo avanço das terapias gênicas. A fim realizar esse trabalho análise das regiões reguladoras do genoma humano, a Genset, em colaboração com o Généthon- criado em 1990 pela AFM (Associação Francesa contra as e pelo CEPH (Centro Estudo do Polimorfismo Humano) acaba abrir um laboratório na região parisiense, em on se senvolve o pólo francês terapia gênica. Tal laboratório, o Grand ou Muito Gran Seqüenciamento), é hoje o mais eficiente do mundo, com recursos que lhe permitem analisar milhão bases por dia. Graças a essa extraordinária ferramenta, o mapa do genoma regulação verá estar pronto no final 1996; e levará ao senvolvimento aplicações terapêuticas específicas. Pascal Brandys,presinte e diretor-geral da Genset, apresenta-nos essa companhia efala seus projetosfuturos. Entrevista Desessard Desessard - O senhor poria rememorar para como senvolveu a Genset? Brandys A companhia foi criada em fundadores vêm ao mesmo tempodas da universidae do CNRÇ. Creio que essa se entre o capital risco e o mundo da ciência uma boa Um dos grans princípios da companhia foi senvolver paralelamente atividas comerciais e produção e atividas pesquisa e senvolvimento; manter um bom equilibrio entre as duas, ao contrário outras sociedas gia, sobretudo americanas, que no início um volume enorme pesquisas sem nenhuma ativida comercial. Hoje nós continuamos a funcionar acordocom essalógica. Das 110 pessoas que trabalham na companhia, mais da meta (cerca 60) ocupam-se pesquisa e senvolvimento. Um dos aspectos importantes é que a Genset internacionalizou-se muito rapidamente. Em matéria síntese do DNA, possuímos hoje uma re mundial filiais no exterior. Há pouco mais dois anos e meio, criamos nos Estados Unidos (em Diego, uma filial que produz e comercializa. Mais recentemente, há cerca um ano, renovamos essa experiência em Tóquio, no Japão. Também refletindo sobre industriais na Com relação síntese do DNA, somos hoje o lír mundial, com cerca um do mercado, que este ano verá chegar a cerca 150 milhões francos. A Genset está muito presente nos principais mercados, que são os Estados Unidos, a França e o Japão. Como teve inicio colaboração com o Généthon? Pascal Brandys - Como se sabe, na França a pesquisa em genética é dominadapelo Généthon e pelo Centro Estudo do Polimorfismo Humano. Assim, como somos uma indústria do DNA, logo estabelecemos com esses organismos pesquisa. Esses grans jetos cartografiaou to do genoma humano precisam DNA em quantidas muito grans. Em biologia e em genética, o DNA sintético é hoje uma verdaira "ferramenta Foi assim que senvolvemosa primeira unida produção realmente industrial com um grau Isso levou-nos a senvolver também nossas próprias tecnologias, que resultaram em diversas patentes. Historicamente, atenmos dae do Généthon com relaqão ao mapa físico Cohen e ao mapa genético Weissenbach. Também fornecemos para todo um conjunto projetos a nível mundial, sobretudo nos Estados Unidos. Ao lado ssa ativida, a Genset tinha trabalhos sobreo uso do DNA sintético diretamente como medicamento. fato, senvolvemos uma abordagem que consiste em utilizar DNA, os, que na verda são autênticas iscas e vão interferir a expressão dos nes. Esses trabalhos fizeramque nos envolvêssemos cada vez mais na regulados genes. Com a AFM o thon, compreenmosentão que era gente realizar um esforço bastante fundamental pesquisa análise da ina nível do genoma. Pois na verda até o momento nada tinha sido feito nesse setor. Ora, a é tão importante quanto os próprios genes. Posiiuindo instrumentos muito interessantes, cidimos assim projetar uma primeira unida qiienciamento em muito gran escala, principal função é fazer a análise completa do sistema regulação do Esse programa, que verá encerrar-se no final 1996, levou-nos, em com a AFM, a construir em Ewy o laboratório TGS (Muito Gran qiienciamento). Hoje esse laboratório, o Único no gênero, é capaz analisar até um milhão bases por dia. Para nós, o é na verda uma ativida piloto com a senvolvemos todo um know-how que pois poremos aplicar outros programas análise do Existem hoje no mundo outros do tipo TGS? Pascal Brandys Existem projetos públicos, sobretudo nos Estados Unidos, como o do NIH e o do Department of Energy. Mas não estão sistematizados e industrializados. estão em -

10 França... Saú senvolvimento outros projetos, originários companhias privadas. Mas todos eles se interessam apenas pelas regiões expressas, isto é, pelos próprios genes. Trata-se portanto trabalhos muito diferentes dos que executando sobre a regulação. No entanto esses dois procedimentos são muito complementares. Uma coisa é evinte: o TGS é hoje a unida mais eficiente do mundo. - Como o senhor vê o futuro da Genset? Pascal Brandys Sempre fomos uma companhia prestadora verda que venmos produtos; mas cada molécula que sai da Genset é uma feita por encomenda. Hojc, amos centenas moléculas, cada uma com sua especificida. Portanto, nosso trabalho é muito próximo uma Contacto: GENSET Pascal Brandys Tel. Fax Assim, nossa meta é senvolver os dutos e sobretudo os serviços indispensáveis para a indústria farmacêutica amanhã. Não temos a ambição fabricar o produto final. Existe um gran número companhias muito tes para executar essa tarefa. - As companhias biotecnologia não cowem o risco ser "voradas" pelos grans farmacêuticos? Pascal Brandys Na verda não. Se olharmos o que se passou até agora entre o setor da biotecnologia e a indústria farmacêutica,perceberemos que, embora tenha havido aquisições, pois absorvidas as companhias biotecnologia continuaram bastante inpenntes. Veja a Genentech com a por exemplo. A biotecnologia é tão específica que não é preciso perr suas com a fusão. O da Gcnset não associar-se exclusiva com um grupo farmacêutico. Penso mesmo que isso é justamente o contrário do que quisemos lizar até hoje. De fato, a Genset foi criada sobre um molo, que é o da dência com relação indústria, alnientc inpendência em termos capital. E creio que estávamos certos. O que preciso, na verda, é chegar a um certo grau maturidaa fim por realizar programas forma autônoma, e colaborar com a indústria farmacêutica mas talvez não maneira De fato, po-se ter vários parceiros industriais. O mais importante manter o controle dos programas c das para que haja uma ca rentabilida no interior da companhia, e não fora la. EVENTOS Primeira Jornada Médica Amazônica a O 2/12/1995 da Câmara Comércio e da Indústria Temas: Saú Pública, Pneumologia, Doenças infecciosas, Gastrenterologia e Doenças da nutrição. Incluída uma com Toulouse no contexto do Congresso Mundial Telemedicina. Informações: Secrétanat s Joumées Amazoniennes - Docteur H. Bartoletti - Centre Hospitalier Cayenne Tel.: Congresso Mundial 10 o senvolvimento da Socieda Global da Informação para a Saú Data: a 01/12/1995 Local:Toulouse Organização: Université Paul Sabatier e Centre Hospitalier Universitaire Informações: Prof. Louis CHU Toulouse Dieu Saint-Jacques 2, rue Toulouse Céx France

11 BREVES Um produto para o cirúrgico da retina ADIT Morte neurônios e inflamação cerebral Em caso da retina, antes da cirurgia é preciso empurrá-la contra a pare do olho. Para isso injeta-se um produto que substitui o humor vítreo; ele força a retina contra a pare, na qual o cirurgião a fixará por raio ser. Químicos da Universida louse, em colaboração com o partamento oftalmologia do Centro Hospitalar Universitário Rangueil e com a companhia farmacêutica Opsia, acabam criar um rivado misto, do e hidrogenado, que po ser injetado antes do tratamento cirúrgico e mantido no período pós-operatório para facilitar a cicatrização. Essa inovação recebeu o prêmio "Innovation Midi-Pyrénées" na categoria laboratórios e equipes pesquisa. O mercado mundial é 10 mil frascos ml por ano. Contactos: Laboraioire s inieractions réactivité chimique et ckimique CNRS- Paul Sabatier Rico- Lattes, Brigitie - ou Service d'ophtalmolo ie CHU Rangueil Mathis Laboratoire Processos cerebrais agudos ou crônicos sempenhar um papel cisivo no sofrimento e morte segundo uma recente do Laboratório biologia do Desenvolvimento (Instituto CNRS-Universida Paris do Laboratório e Auto- Imunida Paris) e dos laboratórios farmacêuticos Hoffman-Laroche (Basiléia). Esse resultado foi obtido analisando o cérebro ratos normais, após um estímulo rio, e o cérebro ratos tantes que apresentavam neurogenerescência. Nos ratos mutantes a morte associa-se, forma crônica, a um estado inflamatório e a uma alteração do metabolismo da molécula precursora da proteína amilói, que sempenha um papel fundamental nas doenças vas, como o mal mer. Ora, mudanças semelhantes foram observadas, forma transitória, quando ratos normais foram submetidosa um estresse inflamatório. Esses trabalhos abrem caminho para novas pesquisas sobre as múltiplas origens das doenças Fonte:CNRÇ INFO O processamento cerebral do som Quando chega a nossos ouvidos, o som nãoé compreendido imediatamente. Antes ser assimilado pela consciência ele é armazenado passivamente na memória ecóica, localizada no córtex auditivo do cérebro. Aunida INÇERM pesquisa sobresinais e processos cerebrais mostrou que nessa memória as diferentes características físicas do som (intensida, duração, freqüência) são codificadas em áreas neuroniais separadas. Fonte: Boletim INSERM Alta resolução para tecção O "Micro-imager" é um radioimagem alta que tecta do gene em lâminas tecidos. Foi projetado por uma equipe plinar do Instituto Física Nuclear e da Universida Denis Paris 7; a comercialização está a cargo da companhia Biospace. O aparelho 400 vezes mais rápido que as e m 1s e s autoradiográficas tradicionais, Fonte:CNRS Um único gene para várias doenças; neurológicas? Em 1993, uma equipe SERM do Hospital infantil Necker localizou no braço curto do 19um gene implicado na enxaqueca hemiplégica familiar e na síndrome CADAÇIL hereditária que provoca infartos cerebrais). Agora a mesma equipe comprovou que no curto do cromossomo 19situa-se também o gene responsável pela ataxia belar paroxística, que causa distúrbios do equilibrio eda Seo gene das três patologias for o mesmo, um medicamento usado no tratamento da ataxia cerebelar porá ser contra as duas doenqas. Fonte: INÇERM Progesterona:o caminho A unida INSERM hormonais monstrou que as células produzem gesterona. Suas pesquisas convidam a uma "releitura" do modo ação ssas células e da função da em um dosmecanismos fundamentais do sistema nervoso: a síntese Fonte: Vestígios um sistema imunitário primitivo? Estudando as cromograninas (proteínas produzidas em situações estresse), uma INSERM scobriu que algumas las senvolvem intensa ativida antibacteriana. Constataram uma analogia seqüência com as pinas, proteínas função é neutralizar as ções bacterianas insetos. Assim, as cromograninas humanas poriam ser um vestígio um sistema imunitário arcaico e atuariam quando o sistema falhasse nos estados Fonte: INSERM Novas perspectivas sobre doenças imunes A FAS, uma proteína da superfície dos tem uma (já conhecida no animal) na apoptose, a normal das células imunitárias pois sempenharem seu papel. Agora pesquisadores ÇERM do Hospital Necker comprovaramque uma anomalia FAÇ po sencaar também no homem a síndrome va, uma doença imunitária. que do gene FAS sejam fatores susccptibilidadc responsáveis por outras doenqas auto-imunes, como lúpus, diabetes e artrite reumatói. Fonte: Boletim INSERM

12 O CENDOTEC tem por técnica e aos projetos cooperaç Os boletins França-Fias Ponta), que o constituem um seus Maiores informações CENDOTEC. CENDOTEC Centro Franco-Brasileiro Documentação Técnica e Clentffica Av. Walmar Ferrelra, Paulo SP IMPRESSO

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Pesquisas brasileiras sobre câncer e doenças cardíacas e cerebrais colocam o País na vanguarda da medicina mundial

Pesquisas brasileiras sobre câncer e doenças cardíacas e cerebrais colocam o País na vanguarda da medicina mundial ISTOÉ - Independente Imprimir Especial BRASIL POTÊNCIA Edição: 2095 30.Dez.09-15:00 Atualizado em 06.Fev.13-12:48 Na Dianteira Do Conhecimento Pesquisas brasileiras sobre câncer e doenças cardíacas e cerebrais

Leia mais

TERAPIA GÊNICA. Brasília DF, Julho de 2010.

TERAPIA GÊNICA. Brasília DF, Julho de 2010. Apresentação desenvolvida pelas graduandas em Ciências Farmacêuticas: Ana Carolina Macedo Lima, Ariane Mugnano Castelo Branco, Caroline Cardoso Mendes Souza, Clarisse Danielli Silva Albergaria, Jéssica

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina MATEC ENGENHARIA ENTREGA O MAIOR LABORATORIO PARA PESQUISA DE CÂNCER DA AMÉRICA LATINA Qui, 14/04/11-11h00 SP ganha maior laboratório para pesquisa de câncer da América Latina Instituto do Câncer também

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003 A justificação da proposta de orçamento da Faculdade de Ciências Médicas para 2003 começava com uma nota introdutória na qual se reforçava de novo,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº. 040/2011-CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº. 040/2011-CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº. 040/2011-CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior Tecnologia em Gestão, da Universida do Estado do Amazonas (UEA).

Leia mais

Comprometidos com o Futuro da Educação

Comprometidos com o Futuro da Educação Comprometidos com o Futuro da Educação Comprometidos com o Futuro da Educação Educação Assim se Constroem as Grandes Nações A educação é vital para criar uma cultura baseada na excelência. A demanda por

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

RESOLUÇÃO CGRAD 011/09, DE 27 DE MAIO DE 2009

RESOLUÇÃO CGRAD 011/09, DE 27 DE MAIO DE 2009 RESOLUÇÃO CGRAD 011/09, DE 27 DE MAIO DE 2009 Aprova o Regulamento Geral das Atividas Curriculares Complementares dos Cursos Graduação do CEFET-MG A PRESIDENTE DO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa

Os fundos de confiança como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa César Jaramillo Avila - aurbana@quito.gov.ec Coordenador do Programa Municipal de Agricultura Urbana da

Leia mais

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são:

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: Quais os requisitos de patenteabilidade? Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: (1) Novidade - a matéria objeto da pesquisa precisa ser nova, ou melhor,

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. Programa de Residência Médica em Alergia e Imunologia Clínica A - Objetivos gerais da ASBAI para o programa de Residência Médica em Alergia e Imunologia Clínica. 1- Aprimorar as habilidades técnicas, o

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa Pesquisa A pesquisa no INCA compreende atividades de produção do conhecimento científico, melhoria dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos do câncer e formação de recursos humanos em pesquisa oncológica.

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO FLUXO CONTÍNUO

EDITAL DE SELEÇÃO FLUXO CONTÍNUO EDITAL DE SELEÇÃO FLUXO CONTÍNUO PROPOSTAS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UNICAMP - INCAMP REALIZAÇÃO Fone (19)3521-5012 E-mail INCAMP@unicamp.br - Site: http://www.incamp.unicamp.br

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 95/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Hospital de Clínicas de Porto Alegre Administração Central Responsável: Sérgio Carlos Eduardo

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

ÍNDICE - 12/06/2005 O Estado de S.Paulo... 2 O Estado de S.Paulo... 2 Vida&...2 Revista IstoÉ...4 MEDICINA & BEM-ESTAR/Epidemia...

ÍNDICE - 12/06/2005 O Estado de S.Paulo... 2 O Estado de S.Paulo... 2 Vida&...2 Revista IstoÉ...4 MEDICINA & BEM-ESTAR/Epidemia... ÍNDICE - 12/06/2005 O Estado de S.Paulo...2 O Estado de S.Paulo...2 Vida&...2 Rede de bancos poderá facilitar transplantes...2 Revista IstoÉ...4 MEDICINA & BEM-ESTAR/Epidemia...4 Nem tão exemplar...4 O

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PROPOSTAS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UNICAMP - INCAMP

EDITAL DE SELEÇÃO PROPOSTAS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UNICAMP - INCAMP EDITAL DE SELEÇÃO PROPOSTAS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UNICAMP - INCAMP REALIZAÇÃO Fone (19)3521-5012 E-mail INCAMP@unicamp.br - Site: http://www.incamp.unicamp.br 1.

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM BIOTECNOLOGIA

CURSO DE TECNOLOGIA EM BIOTECNOLOGIA CURSO DE TECNOLOGIA EM BIOTECNOLOGIA Departamento de Biotecnologia, Genética e Biologia Celular Centro de Ciências Biológicas Universidade Estadual de Maringá Coordenador: Prof. Dr. João Alencar Pamphile

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 1. Apreciação Global A existência de um Contrato de Desenvolvimento para a Medicina, celebrado entre a UNL e o Governo, em Dezembro de 2001, permitiu

Leia mais

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 2.3. PROFESSORES

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda Tecnológica Setorial ATS 18 de junho de 2013 Sumário PBM e CIS Objetivo da ATS Focos das ATS Roteiro Metodologia para Seleção

Leia mais

Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz

Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz Em que momento procurar a área de Patentes da Gestec? O pesquisador pode procurar a área de Patentes da Gestec através do Núcleo de Inovação Tecnológica

Leia mais

THOMSON REUTERS INTEGRITY CONHECIMENTO ESSENCIAL PARA APRIMORAR A DESCOBERTA E O DESENVOLVIMENTO DE FÁRMACOS DIREITOS DA IMAGEM: REUTERS/MAX ROSSI

THOMSON REUTERS INTEGRITY CONHECIMENTO ESSENCIAL PARA APRIMORAR A DESCOBERTA E O DESENVOLVIMENTO DE FÁRMACOS DIREITOS DA IMAGEM: REUTERS/MAX ROSSI THOMSON REUTERS INTEGRITY CONHECIMENTO ESSENCIAL PARA APRIMORAR A DESCOBERTA E O DESENVOLVIMENTO DE FÁRMACOS DIREITOS DA IMAGEM: REUTERS/MAX ROSSI 2 THOMSON REUTERS INTEGRITY DIREITOS DA IMAGEM: istockphoto

Leia mais

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Algarve A.1.a.

Leia mais

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 A mudança na graduação das profissões da saúde segue sendo um tema fundamental para todos aqueles preocupados

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Define a assistência

Leia mais

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL ANEXO I DEMOSTRATIVO DE CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO,, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. CARGO: TECNOLOGISTA JUNIOR Cód. ÁREA DE ATUAÇÃO N O DE ÁREA 32 Arquitetura 12 Conservação e restauração de conjuntos

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 21/00 GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N 91/93 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS ! Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Patologia Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami Prof. Dr. Lucas Brandão BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

Leia mais

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Iade Instituto De Artes Visuais,

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

ENTREVISTA COM DRA. MÔNICA MARIA HENRIQUE DOS SANTOS

ENTREVISTA COM DRA. MÔNICA MARIA HENRIQUE DOS SANTOS dos Santos, Coordenadora de Assistência Farmacêutica da Funasa, em Pernambuco, e do programa de assistência farmacêutica na saúde indígena. Pelo jornalista Aloísio Brandão, Editor desta revista. m programa

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

O papel da mobilização social na gestão de sistemas de dessalinização no semiárido brasileiro

O papel da mobilização social na gestão de sistemas de dessalinização no semiárido brasileiro O papel da mobilização social na gestão sistemas ssalinização no semiárido brasileiro Henrique Pinheiro Veiga 1 Renato Saraiva Ferreira 2 Luis Henrique Cunha 3 RESUMO: A disponibilida hídrica nas zonas

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br Empresas Empresas Empresas Grupo de Trabalho EMBRAPII Projeto Piloto de Aliança Estratégica Pública e Privada Agosto 2011 Embrapii: P&D Pré-competitivo Fase intermediária do processo inovativo Essencial

Leia mais

Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999)

Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999) BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para o desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO. Prof.

QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO. Prof. Questão 01 QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO Prof. Cláudio Góes O mundo vivo é construído de tal forma que podemos estabelecer

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Pesquisa deve resultar em inovação tecnológica Projeto desenvolvido em instituição de pesquisa Contrapartida real da empresa parceira: entre 30% e

Pesquisa deve resultar em inovação tecnológica Projeto desenvolvido em instituição de pesquisa Contrapartida real da empresa parceira: entre 30% e ,129$d 2 3$5&(5,$61$ (&2120,$'2 &21+(&,0(172 3DUFHULDSDUD,QRYDomR7HFQROyJLFD 3,7(3DUFHULDSDUD,QRYDomR 7HFQROyJLFD 3,3(,QRYDomR7HFQROyJLFD HP3HTXHQDV(PSUHVDV &(3,'V &(3,'V&HQWURVGH3HVTXLVD,QRYDomRH'LIXVmR

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO N. 162/2015 Institui o Regimento Interno da Escola Judicial Militar do Estado

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 13 de outubro de 2010 EXTRA Nº 2 OUTUBRO INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 385, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. Institui, no âmbito do IPEA,

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO - FCETM CAPÍTULO I

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO - FCETM CAPÍTULO I REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO - FCETM CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

VER-SUS/BRASIL. Vivências e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde

VER-SUS/BRASIL. Vivências e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde VER-SUS/BRASIL Vivências e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde Objetivos Valorizar e potencializar o compromisso ético-político dos participantes no processo de implantação do SUS. Provocar

Leia mais

Título: Monitoria: Recurso de integração teórico - prática

Título: Monitoria: Recurso de integração teórico - prática Título: Monitoria: Recurso de integração teórico - prática Caracterização do problema: o laboratório de praticas integradas busca proporcionar aos acadêmicos de medicina da UNIDERP um ambiente que favoreça

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada;

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada; CURSO: Farmácia Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos capazes de exercer atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos, às análises clínicas e toxicológicas, ao controle,

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Em seguida, prestam-se breves esclarecimentos sobre algumas questões frequentes sobre o acordo mencionado acima:

Em seguida, prestam-se breves esclarecimentos sobre algumas questões frequentes sobre o acordo mencionado acima: Acordo Ibérico entre Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário (CESPU) e Universidade Alfonso X El Sabio de Madrid permite o ingresso de alunos licenciados em Ciências Biomédicas pela

Leia mais

SECTOR DA SAÚDE. Investigador Entidade. Nº Pág.

SECTOR DA SAÚDE. Investigador Entidade. Nº Pág. SECTOR DA SAÚDE Nº Perfil das PME e Associações Industriais Requeridas Projecto Pretende-se uma empresa que invista na tecnologia associada ao desenvolvimento do projecto, nomeadamente para os testes in

Leia mais

Clonagem A Medicina regenerativa vai ser uma realidade nos próximos anos

Clonagem A Medicina regenerativa vai ser uma realidade nos próximos anos Clonagem A Medicina regenerativa vai ser uma realidade nos próximos anos Entrevista concedida pelo Prof. Carolino Monteiro à revista Oxigénio A classe científica dividiu-se perante o anúncio do nascimento

Leia mais

EDITAL N 107/2015 Referente ao Aviso N 78/2015, publicado no D.O.E de 06.10.2015

EDITAL N 107/2015 Referente ao Aviso N 78/2015, publicado no D.O.E de 06.10.2015 EDITAL N 107/25 Referente ao Aviso N 78/25, publicado no D.O.E 06.10.25 O Reitor da Universida do Estado da Bahia (UNEB), no uso suas atribuições legais e regimentais, torna público, para conhecimento

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO - FCETM CAPÍTULO I

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO - FCETM CAPÍTULO I REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO - FCETM CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015 Prova de Biologia Prova 302 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino secundário, a realizar em 2015 pelos alunos que se encontram

Leia mais

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE A INSTITUIÇÃO A Universidade Livre do Meio Ambiente - Unilivre, instalada em Curitiba, Paraná, é uma organização não governamental sem fins lucrativos, recentemente

Leia mais

Bacharelado em Medicina Veterinária

Bacharelado em Medicina Veterinária Bacharelado em Medicina Veterinária INFORMAÇÕES Duração do Curso: 05 anos (10 semestres) Horário: Manhã Número de Vagas: 100 anuais Coordenador: Profº Dr. Carlos Tadeu Bandeira de Lavor O CURSO O Curso

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais