PLANO BÁSICO AMBIENTAL. ESTALEIRO ENSEADA DO PARAGUAÇU 21. Programa de Comunicação Social SUMÁRIO LISTA DE QUADROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO BÁSICO AMBIENTAL. ESTALEIRO ENSEADA DO PARAGUAÇU 21. Programa de Comunicação Social SUMÁRIO LISTA DE QUADROS"

Transcrição

1 ESTALEIRO ENSEADA 1/31 SUMÁRIO Introdução Objetivos Metodologia Princípios Teóricos e Metodológicos Estrutura dos Processos Informativos e Educomunicativos Atividades do Programa Participantes Conteúdos Transversais às Atividades Comunicacionais Cronograma físico Equipe Técnica Legislação Aplicável Inter-relação relação com outros Projetos Bibliografia LISTA DE QUADROS QUADRO 21-1 Conteúdos QUADRO 21-2 Recursos necessários para o eixo articulador e informador QUADRO Recursos necessários para o eixo vinculador QUADRO 21-5 FASE IMPLANTAÇÃO 1 - EIXO ARTICULADOR E INFORMADOR QUADRO FASE IMPLANTAÇÃO 1 - EIXO MONITORADOR E AVALIADOR QUADRO FASE IMPLANTAÇÃO 2 - EIXO ARTICULADOR E INFORMADOR QUADRO FASE IMPLANTAÇÃO 2 - EIXO VINCULADOR QUADRO FASE IMPLANTAÇÃO 2 - EIXO MONITORADOR E AVALIADOR QUADRO FASE OPERAÇÃO - EIXO ARTICULADOR E INFORMADOR QUADRO FASE OPERAÇÃO - EIXO MONITORADOR E AVALIADOR QUADRO MATRIZ SÍNTESE DO PROGRAMA - ATIVIDADES PARA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL QUADRO Cronograma físico

2 ESTALEIRO ENSEADA 2/ Introdução O Programa de apresentado compõe o conjunto de programas indicado no Relatório de Impacto Ambiental, elaborado no processo de licenciamento do Empreendimento Estaleiro Enseada do Paraguaçu, localizado no município de Maragogipe, na foz do rio Paraguaçu - Baía de Todos os Santos - Bahia. O Programa foi desenvolvido tendo como referência os resultados do Estudo de Impacto Ambiental, a partir do qual a região da Baía do Iguape foi caracterizada em suas dimensões ecológica, ambiental, sócio-econômica, cultural, política e jurídica. Os estudos demonstraram a riqueza cultural material e imaterial da região, em seus monumentos históricos e arquitetônicos e nos hábitos, costumes e artes das comunidades tradicionais de pesca e quilombolas. A necessidade de valorização das comunidades locais, com sua diversidade cultural e sua relação interdependente com os ecossistemas terrestres restres e aquáticos, assim como sua relação com o Empreendimento em seu entorno determinou a importância da realização de um Programa de. O programa visa especialmente relacionar comunicação e cultura na dinâmica da relação entre as comunidades e o empreendimento, considerando a dinâmica da vida dos povos tradicionais, no processo de interação com o empreendimento e na construção de novas alternativas de desenvolvimento socioeconômico, valorizando a conservação dos ecossistemas e a promoção da cultura local. A deve buscar compreender a dinâmica social em relação à cultura, ao ambiente, à economia, às alternativas de desenvolvimento locais, assim como às formas de organização social e política, caracterizando as redes de relações sociais e suas estratégias de sustentabilidade. Essa caracterização deverá fundamentar as metodologias, estratégias e ações que compõem o processo executivo deste Programa. Este programa atende às seguintes condicionantes: Licença Prévia IBAMA n 354/2010 Item 2.19 Apresentar com detalhamento técnico e caráter executivo, todos os programas citados no Plano Básico Ambiental com o cronograma atualizado considerando as diversas características dos ambientes que deverão sofrer qualquer interferência das atividades de instalação e operação do empreendimento. Item 2.22 Apresentar no detalhamento do Programa de, proposta, metas e ações discriminadas, caracterizando o público a ser atingido e o tipo de mídia a ser utilizada.

3 ESTALEIRO ENSEADA 3/31 Condicionantes da Anuência n 8/2010 Fundação Cultural Palmares Item 8 Inclusão de todas as comunidades quilombolas inseridas nas áreas de abrangência do empreendimento junto aos Ambientais e de. Autorização para Licenciamento Ambiental n 5/2010 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade Item 2.1 Contemplar todas as comunidades presentes no interior e entorno da Reserva Extrativista Baía de Iguape nos socioeconômicos a serem implementados Objetivos O Programa de apresenta os seguintes objetivos: Objetivo Geral: Promover junto às comunidades das áreas de abrangência direta e indireta do Empreendimento, processos de informação e educomunicação que promovam a difusão de uma cultura de paz e sustentabilidade, assim como a segurança das comunidades no ambiente onde vivem e na convivência com o Empreendimento. Objetivos Específicos: 1. Promover ampla comunicação educativa e interativa com as comunidades das áreas de influência direta e indireta do Empreendimento, sobre conservação ambiental, saúde e segurança, prevenção contra prostituição, conflitos ambientais e de propriedade; 2. Desenvolver projetos de comunicação do Empreendimento com as comunidades da área de influência direta, difundindo informações atualizadas sobre o Estaleiro, a prevenção de danos ambientais, perfis profissionais e qualificações exigidas para contratação de mão de obra; 3. Difundir junto às comunidades de pesca e colônias de pescadores das áreas de influência direta e indireta do Empreendimento, informações periódicas sobre o movimento das embarcações e tráfego marítimo, evitando conflitos de acesso e mobilidade; 4. Difundir junto à comunidade de Enseada informações sobre o tráfego de caminhões nos acessos ao Empreendimento, evitando conflitos de tráfego e mobilidade.

4 ESTALEIRO ENSEADA 4/ Metodologia Princípios Teóricos e Metodológicos O Programa de deverá seguir os seguintes princípios teóricos e metodológicos: Formação Ética, promovendo uma profunda reflexão de valores, hábitos, costumes, crenças e visões de mundo, a partir das seguintes referências: respeito a todas as formas de vida, valorização e inclusão da diversidade de culturas e estilos de vida e da comunicação e ação comprometidas com a cultura de paz e solidariedade entre os seres e os povos. A Formação Ética deverá estar presente em todos os cursos, campanhas e projetos desenvolvidos, relacionando a ética pessoal, a ética da sociedade, a ética do Empreendimento, a ética da espécie humana e a ética universal da vida; Formação Autopoiética,, contribuindo para a construção de uma sociedade consciente de sua identidade, aberta para o diálogo e a interação com a diversidade cultural, responsável na relação com a natureza e estruturada nas bases da autonomia e da interdependência social e ambiental; Formação Complexa e Ecológica,, favorecendo a construção de saberes conectados e implicados com a realidade dos participantes e com o contexto sociocultural e ambiental regional, estruturados s de forma sistêmica, capazes de compreender a interdependência entre ecossistemas e comunidades; entre saúde, hábitos e costumes; entre atividades e sustentabilidade; entre viver, conviver e sobreviver com a natureza e em sociedade, assumindo coresponsabilidades; Formação Transdisciplinar,, desenvolvendo com os participantes a perspectiva do diálogo entre diversidades de saberes e percepções, promovendo a compreensão entre diferentes culturas e o fortalecimento da identidade na diversidade. A formação transdisciplinar deve promover ainda, a valorização dos saberes tradicionais na construção do conhecimento ambiental e da comunicação social, assim como a inclusão da diversidade religiosa em uma convivência pacífica e respeitosa na construção da rede de educomunicadores da região; Desenvolvimento de Capacidades para uma atuação sustentável no viver, conviver e sobreviver Estrutura dos Processos Informativos e Educomunicativos MÓDULOS DO PROGRAMA O Programa de foi estruturado a partir dos seguintes eixos: Articulador e Informador, Vinculador e Monitorador e Avaliador. Abaixo, segue detalhamento de cada um dos eixos. Eles deverão acontecer simultaneamente em três momentos distintos, a saber: Fase de Implantação 1; Fase de Implantação 2 e Fase de Operação do Empreendimento.

5 ESTALEIRO ENSEADA 5/31 Articulador e Informador - Abrange as atividades e ações de comunicação quem têm por objetivo estabelecer um relacionamento positivo, parceiro e transparente com as instituições governamentais, em especial as Prefeituras Municipais, com o público interno (empresas contratadas e equipes responsáveis pelos ) e, principalmente, com a população local. Este eixo está baseado na difusão de informações e criação de espaços interativos onde o diálogo e a interação possam ser os canais mediadores dos interesses. Este eixo envolve o conjunto de ações e canais de comunicação desenvolvidos com o objetivo de informar aos diferentes públicos sobre os diversos aspectos do empreendimento, impactos associados e adoção de medidas e, dialogar com os públicos a respeito de conteúdos pertinentes. Os conteúdos a serem comunicados neste eixo são apresentados no QUADRO QUADRO 21-1 Conteúdos. Público de Interação Opinião Pública local, regional e nacional Órgãos Governamentais dos Municípios da Área de Influência Conteúdo da Informação na Fase de Implantação 1 Importância do empreendimento no contexto regional e nacional (benefícios esperados); Apresentação do projeto; custos e licenciamento do empreendimento; Cronograma das obras; Impactos e Ambientais - cronograma de implantação; Estudos e informações de caráter técnicocientífico. Importância do empreendimento no contexto local e regional; Apresentação do projeto e do processo de licenciamento do empreendimento; Cronograma das obras e diretrizes ambientais para as obras; Impactos e Ambientais - objetivos e cronograma de implantação; Geração de empregos diretos e indiretos; Diretrizes es das linhas de ação propostas nos. Conteúdo da Informação na Fase de Implantação 2 Avanço das obras em relação ao cronograma de construção; Avanço na implantação dos Ambientais e supervisão dos Órgãos Ambientais; Processos participativos na implantação do empreendimento; Benefícios gerados pelo empreendimento; Estudos e Informações de caráter técnico e científico. Avanço das obras em relação ao cronograma de construção; Avanço na implantação dos Ambientais e supervisão dos Órgãos Ambientais; Trechos críticos, áreas sensíveis e/ou protegidas e obras especiais cuidados ambientais adotados; Medidas a serem adotadas para a minimização dos impactos das obras; Benefícios gerados pelo empreendimento; Parcerias realizadas - experiências exitosas nas áreas de saúde, educação ambiental, ordenamento territorial, segurança no trânsito das embarcações, etc. Associações, Entidades Ambientalistas e organizações da sociedade civil dos municípios das Áreas de Influência Processo de licenciamento do empreendimento; Cronograma das obras; Estratégias preventivas a serem adotadas para a minimização de impactos durante as obras e normas de segurança e cuidados ambientais na construção; Impactos e Compensatórios - objetivos e cronograma de implantação; Benefícios do empreendimento; Empregabilidade dos moradores da área de influência; Código de Conduta dos Trabalhadores; Formas de comunicação para o encaminhamento Avanço das obras em relação ao cronograma de construção; Avanço na implantação dos ; Alterações no tráfego das embarcações e rotas alternativas; Alterações no tráfego terrestre para dar atendimento à obra (principalmente aumento da carga e fluxo de veículos) Trechos críticos, áreas sensíveis e/ou protegidas e obras especiais - cuidados ambientais adotados; Medidas das de segurança a serem adotadas durante as obras;

6 ESTALEIRO ENSEADA 6/31 Público de Interação População do entorno das obras Conteúdo da Informação na Fase de Implantação 1 de preocupações, queixas e sugestões Trabalhos a serem executados em cada período e prazos de início e estimativa de término das obras; Impactos e Compensatórios - objetivos e cronograma de implantação; Benefícios do empreendimento (criação de postos de trabalho, melhorias na região; etc.); Normas de segurança e cuidados ambientais na construção; Código de Conduta dos Trabalhadores; Formas de comunicação para o encaminhamento de preocupações, queixas e sugestões; Criação da Comissão de Acompanhamento da Obra; Formas de comunicação para o encaminhamento de preocupações, queixas e sugestões. Conteúdo da Informação na Fase de Implantação 2 Benefícios gerados pelo empreendimento para a população regional e local; Formas de comunicação para o encaminhamento de preocupações, queixas e sugestões. Avanço das obras em relação ao cronograma de construção; Avanço na implantação dos Ambientais; Alterações no tráfego de embarcações e rotas alternativas; Trechos críticos, áreas sensíveis e/ou protegidas e obras especiais locais - cuidados ambientais adotados; Medidas de segurança a serem adotadas durante as obras; Benefícios gerados pelo empreendimento para a população local; Formas de comunicação para o encaminhamento de preocupações, queixas e sugestões. Os recursos a serem utilizados neste eixo são apresentados no QUADRO QUADRO 21-2 Recursos necessários para o eixo articulador e informador. Seleções e capacitações Reuniões segmentadas Site Jornal Releases Coletiva com a Imprensa Evento Oficinas de Integração Rede de educomunicadores Vídeos Intranet Gibi Murais / painéis Identidade Visual Capacitações -MediaTraining Criação do CAO Central de acolhimento e atendimento Palestras interativas Boletim digital e impresso Entrevistas Rádio Campanha de lançamento Peças diversas Vinculador Este eixo está composto de atividades que objetivam permear o quotidiano das comunidades dos municípios de influência direta e indireta do Empreendimento, a fim de construir um espaço de diálogo, prover contrapartidas e trabalhar de forma transparente a imagem do empreendimento para a opinião pública local. Também pretende atingir um nível de mobilização social que coresponsabilize os atores sociais na relação com o empreendimento, consolidando uma convivência pacífica e produtiva na perspectiva do desenvolvimento responsável. Neste eixo a comunicação serve ao propósito da Educação Difusa, ou Educomunicação, desenvolvida junto aos meios de comunicação e destinada à sociedade em geral, promovendo a comunicação educativa. O Eixo vinculador deve obedecer aos princípios teóricos e metodológicos citados na Proposta do Programa de constante no EIA/RIMA que preconiza: formação ética, formação autopoiética, formação complexa e ecológica, formação transdiciplinar e o desenvolvimento de capacidades ades para uma atuação sustentável no viver, conviver e sobreviver. Temas a serem abordados nas ações:

7 ESTALEIRO ENSEADA 7/31 Aspectos ambientais: ações de educação e conscientização ambiental, aspectos legais, gestão do patrimônio ambiental; Empreendimento: relação com o desenvolvimento da região; Meio urbano: Impactos econômicos (comércio, serviços, turismo, etc); Impactos culturais (preservação e valorização do patrimônio material e imaterial, resgates culturais, visibilidade dos produtos culturais, preservação dos saberes tradicionais, dentre outros); Impactos sociais (enfrentamento à violência, combate ao trabalho infantil, elevação da auto-estima, prevenção contra prostituição, gestão de conflitos, geração de trabalho e renda, inclusão social, convivência pacífica com a diversidade, além de outros); Impactos na saúde (prevenção contra DST s e disseminação do HIV, prevenção e esclarecimentos sobre o uso e dependência de substâncias psicoativas, e outros conteúdos pertinentes); Impactos na educação (qualificação da formação escolar preparando a comunidade para o trabalho no empreendimento e para além desta perspectiva, vislumbrando um desenvolvimento consistente da região; Comunidades Tradicionais: garantia do acesso à informação respeitando as suas especificidades e saberes tradicionais; Meio biótico: ações mitigadoras realizadas sobre a fauna e a flora da região; Meio físico: impactos sobre qualidade da água, uso do solo e ações mitigadoras realizadas; Movimentos sociais: reconhecimento e interação com os movimentos sociais na área de influência atuando coletivamente na região, consolidando um ambiente social participativo e cidadão; Trabalhadores da obra: orientação/treinamento em saúde, segurança, meio ambiente, tratamento com a comunidade, etc. Os recursos a serem utilizados neste eixo são apresentados no QUADRO QUADRO Recursos necessários para o eixo vinculador. Central de acolhimento e atendimento Palestras interativas Boletim Gibis Releases Eventos Reuniões Temáticas Segmentadas Site Jornal Oficinas de comunicação Murais / painéis Rádio Vídeos Intranet Revista Entrevistas Receptivo para visitas Peças para os Formação de núcleos gestores da comunicação Monitorador e Avaliador Este Eixo compõe o processo de acompanhamento e avaliação das ações de articulação e comunicação. Os recursos a serem utilizados neste eixo são apresentados no QUADRO QUADRO Recursos necessários para o eixo monitorador e avaliador.

8 ESTALEIRO ENSEADA 8/31 Criação de banco de dados Dinâmicas em grupo Auditoria de opinião Classificação dos públicos Entrevistas Relatórios Reuniões de avaliação Memorial com registros Questionários Clipagem analisada Observação dos públicos Atividades do Programa As atividades do Programa de serão desenvolvidas nas fases de Implantação 1 e 2, e, Operação do Empreendimento. Nos quadros a seguir, são apresentadas as principais atividades destas etapas nos QUADROS 21-5 a

9 ESTALEIRO ENSEADA 9/31 QUADRO 21-5 FASE IMPLANTAÇÃO 1 - EIXO ARTICULADOR E INFORMADOR. Atividade Formação da Banco de Dados Formatação, pesquisa e digitação dos dados Objetivos Coordenar e/ou executar as ações previstas neste programa Identificação ou desenvolvimento de Programa que possa atender às especificidades das demandas de distribuição da informação. Criar mecanismo ágil para o contato com os diferentes públicos. Realizar segmentação estratégica Responsável pela atividade: equipe/profissional Relações Públicas Relações Públicas Fonte Processo seletivo e/ou indicações técnicas Setores de e Tecnologia da Informação dos empreendedores Público de interação Profissionais de com habilitação em Relações Públicas, Jornalismo, Publicidade, Design e estagiários destas áreas Todos os públicos Recursos Materiais estimados Computador e programa específico, contratação de profissional para desenvolvimento de programa ou compra de programa específico. Interface com Setores de Recursos Humanos dos empreendedores Setores de dos empreendedores e Setores de Tecnologia da Informação Possibilidade de parceria estaduais e municipais de cadastro de profissionais para colocação no mercado de trabalho e IEL para os estágios. Não Identidade visual para os que também os relacionem à identidade visual do Empreendimento Reuniões de apresentação do Programa de para a comunidade Fixar as realizações de cada programa relacionando-as com o empreendimento tendo como estratégia um padrão para situações de exposição interna ou externa Divulgar as formas de comunicação para o encaminhamento de preocupações, queixas e sugestões; Responder a demandas e questionamentos. Publicitário ou Design Relações Públicas Coordenação dos Equipe de social e assessorias de Imprensa Empr. Todos os públicos Sim Rádios locais; Folhetos, cartazes e visitas Todos os Todos os Não Treinamento para relacionamento com a imprensa (Media Training) Capacitar os Coordenadores de programas e Projetos para o relacionamento com a imprensa Coordenadores do empreendimento Contratação de curso

10 ESTALEIRO ENSEADA 10/31 QUADRO FASE IMPLANTAÇÃO 1 - EIXO MONITORADOR E AVALIADOR. Atividade Realização de entrevistas, dinâmicas e reuniões com lideranças comunitárias Clipagem de material veiculado com análise de conteúdo Realização de relatório mensal das atividades realizadas Objetivos Realização de Diagnóstico rápido participativo para afinar as atividades propostas no Programa com as expectativas e soluções da Comunidade Monitorar as informações que circulam no macroambiente e que afetam o empreendimento Manter os gestores informados do andamento das ações e resultados parciais Responsável pela atividade: equipe/profissional Jornalista Todos os profissionais da equipe Fonte Comunidade Principais veículos impressos - Mídia nacional, regional e local Público de interação Comunidade de influência direta e - lideranças prédefinidas Executivos do empreendimento, tomadores de decisões, Coordenação de Executivos do empreendimento, tomadores de decisões, Recursos Materiais estimados Locais para as ações, materiais de escritório, lanche e material audiovisual. Assinatura dos periódicos ou contratação de serviço específico de clipagem Computador e registros da ações realizadas Interface com Todos os Assessoria de dos Empreendedores Todos os Possibilidade de parceria Não Assessoria de dos Empreendedores Realização de auditoria de opinião sobre o empreendimento Ações de observação dos públicos Monitorar a imagem do empreendimento com os públicos de interação Monitorar a imagem do empreendimento com os públicos de interesse Relações Públicas Relações Públicas e Coordenadores dos Todos os públicos de interação com o empreendimento Todos os públicos de interação com o empreendimento Comunidades de influência direta e indireta. Comunidades de influência direta e indireta. Equipe de pesquisadores treinados, instrumento de pesquisa, transporte e lanche Participação em fóruns e oportunidades de observação Todos os programas, e projetos Todos os programas, e projetos Assessoria de do Empreendimento Todos os programas, e projetos Reuniões com as comunidades Reuniões com as equipes dos outros Ouvir a comunidade e suas avaliações Avaliar se as estratégias e instrumentos de comunicação apoiadores das ações estão surtindo o efeito desejado Relações Públicas / Todos os profissionais da equipe Definir por segmento de públicos Coordenação dos Comunidades de influência direta e indireta Equipe dos Todos os programas, e projetos Todos os Todos os programas, e projetos QUADRO FASE IMPLANTAÇÃO 2 - EIXO ARTICULADOR E INFORMADOR.

11 ESTALEIRO ENSEADA 11/31 Atividade Coletiva de Imprensa Campanha de Divulgação do Empreendimento através derelease para geração de mídia espontânea Evento de lançamento do Empreendimento Sistematização das informações de todos os e atualização de acordo com o avanço do processo de implantação do empreendimento Sistematização das informações básicas dos Projetos de Engenharia e de avanço das obras. Divulgação em de rádio - Informativo Visitas às obras Reuniões a partir de solicitações Sempre presente: escritório para demandas presenciais, virtuais e atendimento telefônico 0800 Criação de Página na Internet e ativação das redes sociais. Objetivos Apresentar o Projeto e a equipe do Programa de ; Estabelecer mecanismos de articulação entre o Projeto e os veículos de comunicação. Divulgar o empreendimento, sua importância nacional e regional e benefícios associados. Marcar o início das obras junto aos públicos de interação do empreendimento, promovendo um momento de contatos estratégicos e aproximação. Criar mecanismo ágil de repasse de informações sobre os critérios, ações e cronogramas dos e estabelecer rotina e procedimentos para informar aos segmentos interessados Criar mecanismo ágil de repasse de informações de Cronograma, rotina de obra etc. Divulgar informações sobre as obras e assuntos de interesse local e regional; Informar sobre medidas de segurança;informar sobre os canais de comunicação com o empreendedor A partir de solicitações, agendar e realizar visitas monitoradas às obras. Discutir pautas definidas pelos solicitantes. Informar e distribuir material sobre as obras, relatar seu avanço, alterações de cronograma e andamento dos ; Receber e encaminhar sugestões, esclarecer dúvidas, preocupações e queixas, dar atenção à população com acolhimento diferenciado e esclarecimentos satisfatórios. Informar sobre as obras, programas desenvolvidos e ações de interesse, assim como parcerias, atividades, Responsável pela atividade: equipe/profissional Assessorias de Imprensa dos empreendedores e Jornalista da equipe de comunicação social Jornalista e Comunicador de campo. Jornalista. Jornalista, Publicitário Equipe de / Relações Públicas Relações Públicas Equipe de atendentes treinada pela Equipe do Programa de / Relações Públicas Designer gráfico ou empresa contratada para o desenvolvimento do Site, Fonte Empreendedores Áreas de comunicação e marketing dos empreendedores Empreendedores Equipes dos. Empreiteiras contratadas e Supervisão de Obras. Empreiteiras/Supervisão de Obras; Coordenação dos Supervisão de Obras Responsáveis pelos assuntos definidos. Todos os envolvidos no empreendimento, de acordo com a demanda Todos os envolvidos no empreendimento, de acordo com a informação necessária. Público de interação Imprensa local, regional e nacional Líderes de opinião e imprensa local, regional e nacional Lideranças, políticos, imprensa e parceiros dos empreendedores e municípios envolvidos com o empreendimento Área de influência direta e indireta. Área de influência direta. População da área de influência direta, indireta e ampliada Todos os públicos Todos os públicos Todos os públicos Todos os públicos Recursos Materiais estimados Produzir e enviar um press kit Mídia de alcance nacional e regional, sites da Internet Convite, espaço, atração cultural, serviço de alimentos e bebidas, segurança, receptivo, decoração, cerimonial Reuniões, boletim digital e impresso periodicidade mensal. Boletim digital e impresso periodicidade mensal. Produção de Entrevistas; Produção de Spots Transporte, Folheteria informativa, vídeo e brindes Material informativo, lanche, espaço Sala com central de atendimento telefônico e espaço para atendimento presencial, computador conectado à Internet, telefone, impressora, fax Computador, programas específicos e conexão com a Internet. Interface com Todos os projetos, planos e programas Todos os programas Todos os envolvidos com o empreendimento Todos os. Projeto de Engenharia / Cronograma de Obras Assessoria de do Empreendedor Setor de Tecnologia da Informação do Empreendedor. Possibilidade de parceria Não Assessorias de imprensa dos empreendedores Sim Não Sim Sim Não Associações, ONG s, Prefeituras, etc Instituições de Ensino da região campo de estágio Não

12 ESTALEIRO ENSEADA 12/31 Atividade Intranet Murais para o público interno Publicação de Revista Jornal Gibi Palestras Criação de Comitê de acompanhamento de obra - CAO Oficinas de Integração Seleção de jovens para atuar como Objetivos programação cultural, eventos, etc. Interagir com os diversos públicos através das redes sociais. Manter o público interno atualizado das atividades, etapas da obra e ; Estabelecer um canal de interatividade com o público interno Disponibilizar informações estratégicas em local de grande circulação do público interno Publicizar com maior profundidade as realizações do ano com conteúdos de interesse da região e temas referentes ao empreendimento (resumo das realizações do período). Produção de um periódico de baixo custo (jornal tablóide) com conteúdos das comunidades locais, divulgando, principalmente as ações em parceria com o empreendimento, para ampla distribuição na região (periodicidade semestral). Atingir o público infantil, de forma lúdica, abordando as questões relativas ao empreendimento e ações ambientais com o objetivo de capilarizar os conteúdos na família e comunidade Realizar palestras com as comunidades envolvidas, priorizando temáticas ambientais ou conteúdos de relativos à saúde, prevenção ao uso de drogas, seguranças, dentre outros Acompanhar passo a passo as etapas da obra e dos relacionados Integração das pessoas envolvidas no empreendimento com a comunidade; Estreitamento das relações. Identificar, através das Responsável pela atividade: equipe/profissional Publicitário ou Designer. Designer gráfico ou empresa contratada para o desenvolvimento do Site, Coordenação do Plano de Desenvolvimento Socioambiental da Região do Iguape e Equipe do Programa de / Publicitário Publicitário e Relações Públicas Jornalista / Publicitário e Designer. Jornalista, publicitário ou designer ; ; Palestrantes convidados Fonte Todos os envolvidos no empreendimento, de acordo com a informação necessária Todos os envolvidos no empreendimento, de acordo com a informação necessária;fontes externas, de acordo com o tema selecionado Todos os envolvidos no empreendimento, de acordo com a informação necessária; Fontes externas, de acordo com o tema selecionado ; Coordenação dos Comunidade da área de influência direta Público de interação Funcionários e empresas contratadas (terceirizados) Funcionários e empresas contratadas Líderes de Opinião nacional, regional e local Público da área de influência direta e indireta. Na área de influência direta, ampla distribuição, nas outras áreas, distribuição estratégica. Público Infantil das escolas da área de influência direta Comunidades da área de influência direta e indireta Lideranças eleitas pela própria comunidade Público Interno e lideranças comunitárias Área de influência direta e Recursos Materiais estimados Computador conectado à Internet também na obra. Painéis confeccionados, impressora laser e papeis diversos, fita adesiva, máquina fotográfica. Serviços gráficos Computador com recursos para editoração, imagens, produção de matérias, reportagens, artefinalização e impressão Contratação de Empresa especializada para ilustração e produção e gráfica. Material e equipamentos audiovisuais, espaço adequado, lanche. Espaço para reunião e material informativo. Relatório do período Espaço para oficina, material necessário e lanche. Espaço para dinâmicas Interface com Setor de Tecnologia da Informação do Empreendedor, Setor de engenharia e obras Não Assessoria de do Empreendedor Comunidade Comunidade Comunidade Comunidade Possibilidade de parceria Não Não Empresas contratadas Associações, ONG s, Prefeituras, etc Não Associações, ONG s, Prefeituras, etc Associações, ONG s, Prefeituras, etc Associações, ONG s, Prefeituras, Escolas, etc Associações, ONG s,

13 ESTALEIRO ENSEADA 13/31 Atividade educomunicadores Criação da Rede de jovens educomunicadores Objetivos atividades realizadas nos outros, jovens que tenham o perfil para atuar como educomunicador Expandir a capacidade comunicativa dos municípios envolvidos no empreendimento utilizando a comunicação para os processos educativos através da reunião de educomunicadores que possam estar atuando com objetivos comuns Responsável pela atividade: equipe/profissional Todos os Fonte Escolas dos municípios envolvidos no empreendimento, associações, ONG s, dentre outros Público de interação indireta Todos os municípios da área de influência direta e indireta Recursos Materiais estimados de seleção, material necessário e lanche Espaço para oficinas e treinamentos, criação de material específico Interface com Possibilidade de parceria Prefeituras, Escolas, etc Associações, ONG s, Prefeituras, Escolas, etc QUADRO FASE IMPLANTAÇÃO 2 - EIXO VINCULADOR.

14 ESTALEIRO ENSEADA 14/31 Atividade Oficinas de Educação Ambiental Oficina de reciclagem e reutilização (produção de papel para peças de comunicação Oficina de disponibilidade corporal e capacidade expressiva Oficinas de oratória Objetivos Trabalhar conceitos a serem internalizados e difundidos nos processos comunicacionais, a exemplo de preservação e sustentabilidade Promover a conscientização sobre a produção de lixo. Trabalhar o processo de expressão através de exercícios, danças e encenações, promovendo uma experiência de exposição que permita identificar outras possibilidades de expressão. Trabalhar técnicas básicas que promovem a ampliação da capacidade de expressão oral e estratégias para desinibição para fala em público. Responsável pela atividade: equipe/profissional ; Profissional especializado para condução da atividade Fonte Escolas dos municípios Público de interação Comunidades da área de influência direta e indireta Comunidades da área de influência direta e indireta, público interno Comunidades da área de influência direta e indireta Comunidades da área de influência direta e indireta jovens interessados em atuar na rede de educomunicadores Recursos Materiais estimados Espaço físico, material audiovisual, material de escritório, lanches Espaço, instrutor, material e lanche. Instrutor, instrumentos musicais, espaço físico, sonorização, lanche, material cênico, etc. Espaço físico, material audiovisual, sonorização, material de escritório, lanches, manual com orientações específicas Interface com Programa de Educação Ambiental para a comunidade e para trabalhadores Programa de Cultura, Trabalho e Renda e Programa de Educação Possibilidade de parceria ONG s locais, Secretária de Educação e Secretaria de Meio Ambiente dos municípios Prefeituras, escolas, ONG s, etc Escolas Prefeitura, Associações, Escolas e ONG s. Oficinas de leitura Oficina de signos e significados Oficina de redação Oficina de imagens Oficina de diagramação Oficina sobre a legislação para concessão de rádios comunitárias e elementos necessários para a sua constituição Promoção de Eventos Esportivos Patrocínios e apoios Feiras temáticas educacionais Através de algumas técnicas, ampliar a capacidade de compreensão, crítica e interpretação de textos. Com uma abordagem antropológica, identificar signos representativos da identidade da região e explorar a interpretação destes elementos nas oportunidades de auto-afirmação afirmação e expressão da comunidade Trabalhar os principais elementos para a construção da mensagem escrita a ser utilizadas em veículos escritos de comunicação Trabalhar com desenhos, imagem fotográfica e imagem em movimento, objetivando o desenvolvimento da expressão de conteúdos através destas linguagens Prover o grupo de conhecimento técnico a respeito da forma a ser adotada como estratégia de atratividade em relação às peças comunicacionais escritas Prover as comunidades, de condições para a organização desta iniciativa Integrar a comunidade através das práticas esportivas possibilitando a sensibilização para a convivência saudável. Realizar eventos intergeracionais. Apoiar e patrocinar iniciativas da própria comunidade. Promover a integração das escolas locais e socializar conhecimentos ; Profissional especializado para condução da atividade ; Profissional especializado para condução da atividade ; Profissional especializado para condução da atividade ; Profissional especializado para condução da atividade ; Profissional especializado para condução da atividade Profissional especializado para condução da atividade (pessoa representativa da Abraço). Programa de Interação e Gestão Compartilhada Associação Brasileira de Rádiodifusão Comunitária - Abraço Escolas Comunidade Escolas dos municípios Comunidades da área de influência direta e indireta - jovens interessados em atuar na rede de educomunicadores Comunidades da área de influência direta, indireta jovens interessados em atuar na rede de educomunicadores Comunidades da área de influência direta, indireta jovens interessados em atuar na rede de educomunicadores Comunidades da área de influência direta, indireta jovens interessados em atuar na rede de educomunicadores Comunidades da área de influência direta, indireta jovens interessados em atuar na rede de educomunicadores Comunidades da área de influência direta e indireta - jovens Comunidades da área de influência direta, indireta, público interno do empreendimento, crianças, jovens, adultos e terceira idade. Projetos das comunidades da área de influência direta e indireta Comunidades da área de influência direta Espaço físico, equipamentos, material de escritório, lanches, recurso audiovisual, Textos, manual com orientações específicas Espaço físico, equipamentos, material de escritório, lanches, recurso audiovisual, Textos, sonorização, manual com orientações específicas Espaço físico, equipamentos, material de escritório, lanches, recurso audiovisual, Textos, sonorização, manual com orientações específicas Espaço físico, equipamentos, material de escritório, lanches, recurso audiovisual, Textos, sonorização, manual com orientações específicas Espaço físico, equipamentos, material de escritório, lanches, recurso audiovisual, Textos, sonorização, manual com orientações específicas Instrutores, material de escritório, material audiovisual, computadores, mesa de som, software livre, etc. Espaço físico, material esportivo, uniformes, instrutores, lanches, água, etc. Som, lanches, faixas, iluminação, lanches, camisas, Programa de Educação Todos os programas Prefeitura, Associações, Escolas e ONG s. Prefeitura, Associações, Escolas e ONG s. Prefeitura, Associações, Escolas e ONG s. Prefeitura, Associações, Escolas e ONG s. Prefeitura, Associações, Escolas e ONG s. Prefeitura, Associações, Escolas, ONG s, etc Prefeitura, clubes e associações, Escolas, etc Prefeitura, Associações, Escolas, ONG s, etc Secretaria da Educação dos municípios - Escolas

15 ESTALEIRO ENSEADA 15/31 Atividade Programa de melhoria da qualidade de vida Cinema na praça e nas escolas Objetivos Oficinas e palestras que promovam o conceito de vida saudável, tais como: alimentação saudável, condicionamento físico, orientação ergonômica, focados em grupos específicos pescadores, marisqueiras, diabéticos, hipertensos, grávidas, dentre outros Proporcionar atividade de lazer e reflexão para a comunidade Responsável pela atividade: equipe/profissional /Programa de Educação Jornalista/ Todos os Fonte Comunidades Comunidade Público de interação Comunidades da área de influência direta e indireta Comunidades da área de influência direta e público interno. Recursos Materiais estimados material impresso, etc. Instrutores, espaço físico, material esportivo, material de escritório, espaço adequado. Espaço e equipamentos adequados, cadeiras. Interface com Possibilidade de parceria dos municípios da área de influência direta Prefeitura e as suas diversas Secretarias Prefeituras QUADRO FASE IMPLANTAÇÃO 2 - EIXO MONITORADOR E AVALIADOR.

16 ESTALEIRO ENSEADA 16/31 Atividade Clipagem de material veiculado com análise de conteúdo Realização de relatório mensal das atividades realizadas Realização de auditoria de opinião sobre o empreendimento Ações de observação dos públicos Reuniões com as comunidades Montagem do Memorial com registros escritos e visuais Análise do público beneficiário Objetivos Monitorar as informações que circulam no macroambiente e que afetam o empreendimento. Manter os gestores informados do andamento das ações e resultados parciais Realizar pesquisa de monitoramento da imagem do empreendimento com os públicos de interesse Monitorar a imagem do empreendimento com os públicos de interesse Ouvir a comunidade e afinar interesses Compor a história do processo de relacionamento com as comunidades Fazer o estudo do nível de adesão/envolvimento dos públicos. Observação da dinâmica dos públicos em relação aos momentos da relação e impacto das ações empreendidas. Responsável pela atividade: equipe/profissional Jornalista Todos os profissionais da equipe Relações públicas Relações Públicas/ Coordenadores dos Relações Públicas /Publicitário, Jornalista e designer Fonte Principais veículos impressos - Mídia nacional, regional e local Equipe do Programa de Todos os públicos de interesse para o empreendimento Todos os públicos de interação com o empreendimento Definir por segmento de públicos Todas as atividades Todas as atividades Público de interação Executivos do empreendimento, Coordenadores de e gestores Executivos do empreendimento, Coordenadores de e gestores Comunidades de influência direta e indireta Comunidades de influência direta e indireta Comunidades de influência direta e indireta Empreendedores e Comunidades Comunidades de influência direta e indireta Recursos Materiais estimados Assinatura de periódicos ou contratação do serviço Computador, registros e imagens Equipe de pesquisadores treinados, elaboração e reprodução do instrumento de pesquisa, transporte e lanche Participação em fóruns e oportunidades de observação Espaço para reuniões e dinâmicas de avaliação Registros escritos e de imagem, computador para editoração, encadernação Relatórios das atividades Interface com Assessoria de do Empreendedor Todos os programas, e projetos Todos os programas, e projetos Todos os programas Todos os programas Possibilidade de parceria Assessoria de do Empreendedor Assessoria de do Empreendedor Todos os programas, e projetos Todos os programas Todos os programas QUADRO FASE OPERAÇÃO - EIXO ARTICULADOR E INFORMADOR.

17 ESTALEIRO ENSEADA 17/31 Atividade Distribuição do Memorial do Plano de Desenvolvimento Socioambiental da Região do Iguape Realização de reuniões com as lideranças comunitárias publicizando os resultados das ações empreendidas Fazer uma edição compacta de Vídeo com todas as atividades realizadas ao longo do período com os depoimentos da comunidade para exibição em praça pública com convite para a comunidade. Objetivos Informar os públicos sobre todo o trabalho realizado Informar os públicos sobre os resultados obtidos Dar ampla visibilidade ás atividades e resultados obtidos Responsável pela atividade: equipe/profissional Publicitário, Jornalista e Designer / Relações Públicas Publicitário Fonte Equipe do Programa de Memorial Memorial Público de interação Recursos Materiais estimados Líderes de Opinião, autoridades locais, estaduais, federais e imprensa. Lideranças comunitárias Todos os públicos Reprodução e postagem do material Material áudio-visual, espaço com cadeiras, lanche Toldos, cadeiras, equipamento de projeção e sonorização, material de divulgação. Interface com Possibilidade de parceria Empresas Contratadas Não Não Press-release release mensais. Repasse de Tecnologias utilizadas Formação de núcleos gestores para a continuidade de ações Divulgar os resultados dos executados Repasse de metodologia de condução das atividades que poderão ter continuidade; doação para as comunidades dos equipamentos adquiridos para a realização das atividades Responsabilizar as comunidades com a continuidade do processo de desenvolvimento socioambiental. jornalista e outras equipes executoras de Memorial Todos os Todos os Mídia nacional, regional e local Autoridades locais e lideranças comunitárias Lideranças comunitárias Distribuição a partir do Banco de Dados para toda a imprensa Espaço, material audiovisual, material de escritório e material metodológico. Espaço, material audiovisual, material de escritório e material metodológico. Não Prefeituras Prefeituras e Conselhos Municipais QUADRO FASE OPERAÇÃO - EIXO MONITORADOR E AVALIADOR. Atividade Clipagem de material veiculado com análise de conteúdo Realização de relatório final atividades realizadas Realização de auditoria de opinião sobre o empreendimento Objetivos Monitorar as informações que circulam no macroambiente e que afetam o empreendimento Manter os gestores informados do andamento das ações e resultados parciais Monitorar a imagem do empreendimento com os públicos de interesse Responsável pela atividade: equipe/profissional Jornalista Todos os profissionais da equipe Relações Públicas Fonte Principais veículos impressos - Mídia nacional, regional e local Equipe do Programa de Todos os públicos de interesse para o empreendimento Público de interação Executivos do empreendimento, Coordenadores de e gestores Executivos do empreendimento, Coordenadores de e gestor Comunidades de influência direta e indireta Recursos Materiais estimados Assinatura de periódicos ou contratação do serviço de clipagem. Computador, registros e imagens Equipe de pesquisadores treinados, elaboração e reprodução do instrumento de pesquisa, transporte e lanche Interface com Assessoria de do Empreendedor Todos os programas Possibilidade de parceria Assessoria de do Empreendedor Assessoria de do Empreendedor

18 ESTALEIRO ENSEADA 18/ Participantes A abrangência do Programa de inclui os seis municípios de influência direta e indireta do Empreendimento (Maragogipe, Salinas da Margarida, Saubara, Itaparica, Cachoeira e São Félix). Os participantes do Programa de estão organizados nos seguintes grupos: COMUNIDADES DA ÁREA DE INFLUÊNCIA DIRETA DO EMPREENDIMENTO: Sociedade dos municípios de Maragogipe, Saubara e Salinas da Margarida. COMUNIDADES DA ÁREA DE INFLUÊNCIA INDIRETA DO EMPREENDIMENTO: Sociedade dos municípios de Cachoeira, São Félix e Itaparica. COMUNICADORES DAS ÁREAS DE INFLUÊNCIA DIRETA E INDIRETA DO EMPREENDIMENTO: Comunicadores atuantes nos meios de comunicação existentes na região da baía de Iguape (públicos, privados ou comunitários), como radialistas, jornalistas, editores, correspondentes, comunicadores, etc., visando sua formação como educomunicadores parceiros, comprometidos com o desenvolvimento de um processo permanente de formação da cidadania ambiental na região e com a construção da rede de educomunicadores da baía do Iguape; Jovens, comunicadores espontâneos, identificados nas escolas e comunidades, com vocação natural de liderança e comunicação social, para formação em educomunicação cação e construção da rede de educomunicadores da baía do Iguape. OUTRAS INSTITUIÇÕES Governo Estadual e Federal e suas instituições atuantes na Área de Influência; Prefeituras; Associações e organizações da sociedade civil dos municípios das Áreas de Influência; População do entorno das obras; Parceiros; Fornecedores; Instituições culturais, esportivas e de lazer; Imprensa nacional; Entidades Ambientalistas; Opinião Pública local, regional e nacional; Lideranças comunitárias; Trabalhadores da obra e seus familiares; Empresas contratadas; Universidades e Escolas; Imprensa local; Consórcio Estaleiro Enseada do Paraguaçu.

19 ESTALEIRO ENSEADA 19/ Conteúdos Transversais às Atividades Comunicacionais MÓDULO I Sensibilização Para uma Cultura de Paz e Sustentabilidade, Cidadania Política e Ambiental. Realização de oficinas vivenciais, com dinâmicas emocionais e reflexivas, promovendo valores como: paz, sustentabilidade, solidariedade, cooperação, respeito às diferenças, valorização da identidade pessoal e coletiva da cultura e da arte, cidadania ambiental, respeito a todas as formas de vida (vegetal, animal e humana), compreensão, empatia, saúde integral (pessoal. e ambiental), entre outros. MÓDULO II Conceitos Ambientais e Sócio Culturais, Relevantes para a Região. Construção coletiva de conceitos ambientais, promovendo a valorização de todos os saberes presentes nos Grupos Participantes e incluindo a esses saberes, o conhecimento científico sistematizado, na perspectiva da ampliação e do aprofundamento do conhecimento de todos. Valorização da compreensão de que o saber de todos juntos é sempre maior que o saber de cada um. Alguns conceitos sugeridos: ecossistema (capacidade de suporte, homeostase e resiliência), biosfera (limite e unicidade), ambiente (relação sociedade e & natureza), cidadania ambiental, sociedade/ desenvolvimento sustentável, saúde integral (pessoal, social e ambiental), saneamento básico e ambiental (abastecimento de água, esgotamento sanitário, resíduos sólidos - repensar, reduzir, reutilizar, reciclar, r, recuperação e proteção de mananciais), educomunicação, gestão social, governança local. MÓDULO III Legislação Ambiental, Gestão do Patrimônio Ambiental, Gestão e Governança Local. Desenvolvimento da capacidade dos Grupos Participantes em compreender as leis e políticas públicas relevantes para a sustentabilidade da região, reconhecendo a importância da atuação da sociedade na gestão social, por meio dos colegiados, e compreendendo a governança local como um conjunto de estratégias que estruturam a relação entre os segmentos público, social e privado, na construção da sustentabilidade. MÓDULO IV Atividades Industriais e Tradicionais, e Seus Impactos Sociais e Ambientais. Apresentação das atividades e processos industriais, identificando seus potenciais impactos sociais e ambientais previstos no EIA/RIMA e as ações necessárias para sua adequação aos parâmetros da sustentabilidade. Reflexão sobre as práticas tradicionais inadequadas ou ilegais, buscando a compreensão sobre a sua insustentabilidade e as ações necessárias para sua adequação aos parâmetros da sustentabilidade.

20 ESTALEIRO ENSEADA 20/31 MÓDULO V Metodologias Pedagógicas e Interativas de Educomunicação Ambiental. Orientação de métodos pedagógicos educomunicadores facilitadores da comunicação social, projetos e ações cooperativas; comunicação pacífica; e difusão de informações em ambientes ricos em diversidade cultural e cognitiva. MÓDULO VI - Elaboração, Gerenciamento e Gestão de Projetos Educomunicativos Ambientais, Construção da Rede de Educomunicadores e Estruturação dos Espaços Educomunicadores. O QUADRO apresenta matriz síntese do Programa.

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI

UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI PLANO DE TRABALHO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PCS Plano de Trabalho ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. OBJETIVO... 1 2.1. Objetivos Específicos... 1 3. PÚBLICO ALVO... 2 4. METAS... 2 5.

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

5.9 - Programa de Comunicação Social... 1/8. 5.9.1 - Objetivos... 1/8. 5.9.2 - Justificativas... 2/8. 5.9.3 - Metas... 2/8. 5.9.4 - Metodologia...

5.9 - Programa de Comunicação Social... 1/8. 5.9.1 - Objetivos... 1/8. 5.9.2 - Justificativas... 2/8. 5.9.3 - Metas... 2/8. 5.9.4 - Metodologia... 2818-00-EIA-RL-0000-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE 5.9 - Programa de Comunicação Social... 1/8 5.9.1 - Objetivos... 1/8 5.9.2 - Justificativas... 2/8 5.9.3 - Metas... 2/8 5.9.4 - Metodologia...

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social. Projeto de Implantação de Depósito de Celulose. Klabin S.A

Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social. Projeto de Implantação de Depósito de Celulose. Klabin S.A Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social Projeto de Implantação de Depósito de Celulose Klabin S.A Ref.: Condicionante para obtenção de Licença de Instalação Telêmaco Borba, 12 de janeiro

Leia mais

TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA

TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA Utilizando o Teatro como Ferramenta de Ensino e Transformação Social CONEXÃO SOCIAL REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOEMOCIONAL IASEA 2015 1. APRESENTAÇÃO TEATRO SOCIAL é

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA EIXO Macroação ATIVIDADES Compor a equipe técnica com experiências no trabalho de desenvolvimento de comunidade. Identificar

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

5.4. Programa de Comunicação Social. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.4. Programa de Comunicação Social. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.4 Programa de Comunicação Social Revisão 00 NOV/2013 Coordenador da Equipe Carlos Eduardo Alencar Carvalho CRBio 37538/4-D

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Dimensão formativa do programa voltada à educação para a cidadania

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 A proposta de plano de comunicação elaborada pela Coordenação- Geral de Comunicação e Editoração

Leia mais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL CIRCULO DE ESTUDOS IPOG - INSTITUTO DE PÓSGRADUAÇÃO MBA AUDITORIA, PERÍCIA E GA 2011 Princípios Desafios Sugestões 01

Leia mais

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação.

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação. 1 A Feira do Empreendedor é um evento de sucesso promovido pelo SEBRAE-SP, com o objetivo de oferecer informação, conhecimento e oportunidade para empresários e futuros empreendedores. A Feira do Empreendedor

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições Autora: Vânia Maria Nunes dos Santos Outros autores: Marcos Tsutomu Tamai, Erotides Lacerda Choueri

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.1 Programa de Gestão Ambiental

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.1 Programa de Gestão Ambiental - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.1 Programa de Gestão Ambiental Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4. Detalhamento dos Planos e Programas 4.1

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Programa História e Memória Regional 1.2. CURSO: Interdisciplinar 1.3. IDENTIFICAÇÃO DO(A) PROFESSOR(A) /PROPONENTE 1.3.1.

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

PROJETO CHICO MENDES: Ciclos da vida: ambiente, saúde e cidadania

PROJETO CHICO MENDES: Ciclos da vida: ambiente, saúde e cidadania 2010 PROJETO CHICO MENDES: Ciclos da vida: ambiente, saúde e cidadania Mogi Guaçu/SP PROJETO CHICO MENDES CICLOS DA VIDA: AMBIENTE, SAÚDE E CIDADANIA Equipe FMPFM Prof. Ms. Glauco Rogério Ferreira Desenvolvimento

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE RESOLUÇÃO 08/2015, DA COMISSÃO ORGANIZADORA NACIONAL A Comissão Organizadora da 3ª Conferência Nacional de Juventude, no uso de suas atribuições regimentais, em conformidade com o artigo 6º, objetivo específico

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA MUSEUS DE PEQUENO PORTE METODOLOGIA PRIORITÁRIA

PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA MUSEUS DE PEQUENO PORTE METODOLOGIA PRIORITÁRIA PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA MUSEUS DE PEQUENO PORTE EIXO 1 - Relações Públicas Avaliação - abordagem sistêmica Comunicação integrada Diagnóstico - Planejamento Plano METODOLOGIA PRIORITÁRIA EIXO 2 Teoria

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

O programa é uma parceria entre as Secretarias do Verde e do Meio. Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS).

O programa é uma parceria entre as Secretarias do Verde e do Meio. Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS). O PAVS surge em 2007, da necessidade de se implementar políticas voltadas para a inclusão de questões ambientais no conjunto das ações de Promoção de Saúde e melhoria da qualidade de vida da população,

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 1. Patrocínios 1.1 Patrocínio a Eventos e Publicações Data limite: 60 dias de antecedência da data de início do evento

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO E AVALIATIVO DAS ATIVIDADES REALIZADAS

RELATÓRIO DESCRITIVO E AVALIATIVO DAS ATIVIDADES REALIZADAS 1. PERÍODO: de _02_/_03_/2009_ a _15_/_08_/2009 2. RESUMO DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS PELA INSTITUIÇÃO, DURANTE O PERÍODO, NO AMBITO DO PROJETO CRIANÇA ESPERANÇA: Por meio das ações do Projeto foi possível

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 GESTÃO PÚBLICA Garantir ampla participação popular na formulação e acompanhamento das políticas públicas; Criação do SOS Oprimidos, onde atenda desde pessoas carentes

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Telejornalismo e Educação para a Cidadania: uma experiência de Educomunicação

Telejornalismo e Educação para a Cidadania: uma experiência de Educomunicação Telejornalismo e Educação para a Cidadania: uma experiência de Educomunicação Educomunicação Comunicação-Educação Uma área emergente Pesquisa na linha do NCE/ECA/USP As pesquisas do NCE/ECA/USP buscam

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA Introdução É importante ressaltar que um plano de comunicação tem a finalidade de tornar conhecida

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO O Programa Tempo de Escola foi iniciado em junho de 2010, com a participação de Escolas Municipais e ONGs executoras. O Programa Tempo de Escola, que inclui o Programa Mais Educação

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Planejamento das Atividades da SMED na Área da Educação Ambiental.

Planejamento das Atividades da SMED na Área da Educação Ambiental. Secretaria Municipal da Educação - SMED Planejamento das Atividades da SMED na Área da Educação Ambiental. Ação/Projeto Parceiro Objetivo Detalhamento Público Projeto Encontro de Saberes: ecossistemas

Leia mais

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida.

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida. A Dehlicom Soluções em Comunicação é a agência de comunicação integrada que busca divulgar a importância da comunicação empresarial perante as empresas e todos os seus públicos, com atendimento personalizado

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

COORDENAÇÃO. ABES-SP, Instituto PÓLIS, CAIXA, ANAMMA, UNICAMP, Projeto Pares(Poli-USP), OAF, Sindicato dos Engenheiros, Fórum Recicla São Paulo, CRUMA

COORDENAÇÃO. ABES-SP, Instituto PÓLIS, CAIXA, ANAMMA, UNICAMP, Projeto Pares(Poli-USP), OAF, Sindicato dos Engenheiros, Fórum Recicla São Paulo, CRUMA COORDENAÇÃO ABES-SP, Instituto PÓLIS, CAIXA, ANAMMA, UNICAMP, Projeto Pares(Poli-USP), OAF, Sindicato dos Engenheiros, Fórum Recicla São Paulo, CRUMA Ministério Público - Procuradoria Regional dos Direitos

Leia mais

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região.

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região. Agenda 21 Comperj Iniciativa voluntária de relacionamento da Petrobras para contribuir para que o investimento na região retorne para a população, fomentando a formação de capital social e participação

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA

ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA APRESENTAÇÃO: A Escola Estadual Getúlio Vargas Ensino Fundamental, do Município de Engenheiro Beltrão, Estado do Paraná, preocupada

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais