ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS"

Transcrição

1 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO ÂMBITO CONCEITOS NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS INSTRUÇÕES GERAIS Condições gerais Material e mão de obra Condições de serviço Unidade de medidas e idiomas Desenhos Manuais de instrução e técnicas de manutenção Cronograma de fabricação e entrega Ferramentas especiais Acessórios opcionais Peças sobressalentes INSPEÇÃO E ENSAIO Informações gerais Tipos de ensaio Procedimento para execução de ensaio Aceitação e ou rejeição Relatórios de ensaio Garantia Embalagem e embarque Folha de características técnicas Aceitação das características técnicas Garantia das características propostas Características técnicas Especificação Técnica de Aquisição do Módulo de Controle Para Sistema de Recomposição Automática de Redes de Distribuição Configuração do sistema elétrico Conceitos básicos de operação dos módulos 26 Elaboração: Allyson Fernandes Franco Data: 19/11/2013 Aprovação: Marco César Castro de Oliveira Data: 19/11/2013

2 6.15. Descrição do sistema Garantia do sistema de comunicação SISTEMA DE COMUNICAÇÃO Enlace principal Enlace secundário Enlace local Interoperabilidade Integração SCADA PRÉ-TESTE Operacionalização em campo MATERIAIS DE INTEGRAÇÃO Notebook Características da comunicação por radio frequência Rede ethernet Base de tempo TREINAMENTO Operacional Manutenção HOMOLOGAÇÃO DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA OPERAÇÃO ASSISTIDA SUPORTE OPERACIONAL DURANTE A GARANTIA MANUTENÇÃO DO SISTEMA Detalhes da Manutenção GERENCIAMENTO DO PROJETO MATERIAIS EXTRAS DE TELECOMUNICAÇÃO ALTERAÇÕES ANEXOS Cronograma físico de fornecimento e serviços Cronograma financeiro de fornecimento e serviços Planilha de preços (a ser preenchida pelo Proponente) Planilha de valores de referência 47 Página 2 de 48

3 1. OBJETIVO Estabelecer os requisitos que devera ser atendido para a implantação de Sistema Automático de Controle para Recomposição de Redes de Distribuição ou simplesmente Sistema de Recomposição, Baseado em Módulos de Controle de Recomposição, inteiramente novos e sem uso anterior, para aplicação nas redes de distribuição elétrica primária da Distribuição S/A. 2. ÂMBITO Aplicam-se a Diretoria Técnica e Gerência de Distribuição da D e empresas interessadas em prestar o serviço a ser contratado. 3. CONCEITOS 3.1. Siglas: D Distribuição S/A. ANEEL Agencia Nacional de Energia Elétrica. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. Nota considerando todas as siglas e conceitos adotados nas normas e legislações citadas no item 4 desta Conceitos: Módulos de Controle de Recomposição; São dispositivos eletrônicos que podem ser instalados junto ao sistema de comando eletrônico (UTR) e/ou um firmware incorporado ao controlador já existente, que permita tal solução para o sistema de isolamento e recomposição das chaves de abertura sob carga automatizadas e também dos religadores, instalados ao longo dos alimentadores Sistema de Distribuição 13,8 kv, visando atender o restabelecimento do fornecimento de energia elétrica ao maior número de consumidores, tomando a decisão de abrir ou fechar os equipamentos de manobras frente a um evento (defeito) na rede de distribuição elétrica, de forma a isolar uma falta em seu menor trecho possível e restaurar os demais trechos em menos de 1 minuto. Tais manobras deverão ocorrer sem a necessidade de intervenção de um operador ou despachante, sem comprometer a confiabilidade ou a Página 3 de 48

4 segurança do sistema em questão. O Sistema de Recomposição deverá ser capaz de comunicar, através de um enlace de telecomunicação principal e/ou secundário, com os outros módulos instalados no mesmo alimentador ou repetidor caso haja necessidades. Esta comunicação deverá ser feita através de rádio com topologia RF Mesh, com roteamento dinâmico. Toda troca de informação entre o Módulo de Recomposição e o circuito de automação da chave ou do religador deverá ser baseada no protocolo DNP 3.0 através de porta de comunicação serial RS-232 ou Ethernet, caso seja uma solução de hardware. A programação do Sistema de Controle deverá estar gravada no firmware de cada Módulo Atuação dos Módulos; A atuação deverá ser feita através da medição da corrente pré-falta, corrente de curtocircuito e de tensão, de forma que possa atuar na chave ou religador, abrindo ou fechando conforme um padrão configurável. Em função da permanência da falta que originou a abertura do(s) religador(es) na(s) extremidade(s) do alimentador, o sistema deverá reconfigurar a topologia deste alimentador de forma automática, isolando o trecho defeituoso e restabelecendo o fornecimento de energia elétrica nos demais trechos, minimizando o número de consumidores sem atendimento. Deve se considerar como trecho a ser recomposto logo após a saída do alimentador, através do seu respectivo disjuntor. 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4.1. Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Resolução Normativa ANEEL n 395/2009 em sua ultima versão Resolução ANEEL Nº 414, em sua última revisão que Estabelece, de forma atualizada e consolidada, as Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica NBR Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kv a 36.2 kv NBR-5410 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade 4.6. Norma de concessionárias de distribuição de energia elétrica disponíveis para consulta pública. Página 4 de 48

5 4.7. Normas da D ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas 4.9. ANSI - American National Standards Institute IEC - International Electrotechnical Commission IEEE - Institute of Electrical and Electronic Engineers NEMA - National Electrical Manufacturers Association ASTM - American Society for Testing and Materials ASME - American Society of Mechanical Engineers BS British Standard Resolução 506 da ANATEL Equipamentos de rádio comunicação de radiação restrita Nota: Sendo contempladas todas as normas citadas nas relacionadas acima e sempre com a última versão de todas e as que substituírem alguma cancelada. Em caso de duvidas ou omissão prevalecem: Esta especificação, Normas do D. As normas citadas no item INSTRUÇOES GERAIS 5.1. Condições Gerais O projeto, a matéria-prima, a mão-de-obra, a fabricação e o acabamento deverão incorporar, tanto quanto possível, os melhoramentos que a técnica moderna e as melhores práticas sugerirem, mesmo quando não referidos nesta Especificação. Cada projeto diferente deverá ser descrito em todos os seus aspectos na proposta. Quando mais de uma unidade for solicitada sob um mesmo item da encomenda, todas deverão possuir o mesmo projeto e serem essencialmente iguais com todas as peças correspondentes intercambiáveis Material e Mão-de-Obra Página 5 de 48

6 Os materiais e equipamentos a serem fornecidos devem ser fabricados e montados com mão-deobra de primeira qualidade, de acordo com as melhores técnicas disponíveis. Somente serão aceitos materiais adequados, de qualidade boa e acabamento, novos e sem defeitos de fabricação. O fornecedor deverá informar quaisquer alterações de projeto (peças, placas, software, componentes eletrônicos, mecanismos, bornes, conectores, etc.) e dos materiais utilizados, caso o equipamento proposto já tenha sido fornecido em lotes anteriores Condições de Serviço Os materiais e equipamentos abrangidos por esta Especificação ficarão expostos ao tempo e deverão ser adequados para operar a uma altitude de até metros, com temperatura ambiente de -10 C até 45 C, média diária de até 35 C, umidad e relativa até 95% sem condensação. Os Módulos deverão ser protegidos por invólucros contra a penetração de água e poeira Unidades de Medida e Idiomas As unidades do Sistema Internacional de Unidades serão usadas para as referências da proposta, inclusive descrições técnicas, unidades das grandezas medidas pelo controle eletrônico, especificações, desenhos e quaisquer documentos ou dados adicionais. Qualquer valor indicado, por conveniência, em outro sistema de unidade, deverá também ser expresso em unidades do Sistema Internacional de Unidades. Todas e quaisquer instruções apresentadas pelo Fabricante, tais como: manuais, cartas, artigos, catálogos e textos em desenhos deverão ser redigidos no idioma português para Fabricantes nacionais e nos idiomas português e inglês para Fabricantes estrangeiros. Os Fabricantes estrangeiros devem providenciar intérpretes da língua portuguesa para tratar com os representantes da D, no local de inspeção, em qualquer época Desenhos Aprovação de Projeto O Fabricante deverá submeter à análise e aprovação da D, antes do início de fabricação do material ou equipamento, para cada item do fornecimento, 2 (duas) cópias impressas dos desenhos relacionados nesta Especificação. Feita a verificação, será devolvida ao Fabricante uma cópia de cada desenho, com o carimbo da D conforme Página 6 de 48

7 indicação abaixo: a) Documento aprovado, o qual recebeu um carimbo da D com a inscrição APROVADO, ou; b) Documento aprovado com restrições, o qual recebeu um carimbo da D com a inscrição APROVADO COM OBSERVAÇÔES e contendo anotações que deverão ser atendidas pelo Fornecedor, ou; c) Documento reprovado, o qual recebeu um carimbo da D com a inscrição DEVOLVIDO PARA CORREÇÕES. No caso "a", o Fabricante poderá proceder à fabricação. No caso "b", o Fabricante poderá proceder a fabricação desde que feitas as correções indicadas, submetendo novamente à aprovação da D 1 (uma) cópia via impressa dos desenhos, que deverão ser encaminhados num prazo mínimo de 10 (dez) dias úteis antes do início da inspeção. No caso "c", o Fabricante deverá re-submeter à aprovação da D 2 (duas) cópias via impressa dos desenhos. As eventuais anotações deverão ser atendidas pelo Fornecedor. Depois de executar as instruções requeridas, o Fornecedor deverá reenviar o documento modificado a D para nova aprovação, repetindo-se as possibilidades supracitadas até a aprovação em definitivo. Quaisquer modificações posteriores só poderão ser executadas mediante prévia aprovação por parte da D. d) Os documentos deverão ser no mínimo aqueles listados abaixo, com as informações mencionadas e demais detalhes considerados importantes: Cronograma físico do fornecimento, detalhando as Chapas de aprovação de documentos, fabricação, testes de fábrica, entrega dos equipamentos, manuais de instruções, documentação técnica definitiva e testes / comissionamento; Página 7 de 48

8 Lista de documentos previstos para aprovação, com número e título dos desenhos e documentos. A D poderá solicitar a inclusão de desenhos julgados importantes ou de seu interesse; Desenhos dimensionais dos equipamentos, incluindo desenhos das estruturas, suportes e detalhes das fundações, pesos e esforços nas fundações, detalhes de instalação de componentes, memórias de cálculo, diagramas, etc, que devem definir as características dos equipamentos e permitir aa D ter um bom entendimento sobre a concepção, operação e manutenção do equipamento; Diagramas funcionais mostrando toda fiação dos relés, chaves, equipamentos de controle, instrumentos de medição, blocos terminais, TC s, TP s, disjuntores, seccionadores, etc., dentro dos quadros e/ou cubículos. Todos os blocos terminais ou conectores aos quais serão feitas ligações externas deverão ser claramente indicados. Diagramas esquemáticos de CA e CC indicando a distribuição dos dispositivos integrantes do fornecimento, a numeração dos bornes dos dispositivos e das réguas de terminais dos equipamentos e cubículos. Diagramas topográficos de fiação. Diagramas trifilares. Diagramas (tabela) de interligação / lista de cabos. Lista completa e definitiva dos dispositivos sob fornecimento, com as principais características destes. Em anexo deverão ser fornecidos catálogos, guias de aplicações, manuais de instruções e outras informações técnicas. Listas de plaquetas de identificação. Instruções de manuseio e montagem. Página 8 de 48

9 Desenho de contorno, constituído de planta, perfil, vistas laterais, cortes e legendas, indicando a localização de todos os acessórios, dimensões, pesos e esforços; Desenhos detalhados com todas as dimensões e especificações necessárias para montagem ou substituição dos componentes; Desenhos construtivos e esquemas funcionais do mecanismo de operação; Desenho do suporte do equipamento, indicando as dimensões e pontos e detalhes suficientes para fixação ao poste, com especificação do material e acabamento; Desenho detalhado do conector de aterramento do equipamento; Desenho da placa de identificação; Lista de todos os acessórios e componentes utilizados (lista de material), contendo descrição, tipo, características e quantidades dos mesmos; Desenhos ou catálogos e folhetos de todos os acessórios e componentes utilizados; Lista de ferramentas especiais e componentes de reserva; Manual de Instruções; e) O Manual de Instruções deverá ser elaborado de forma a satisfazer pelo menos os seguintes requisitos: Conter um capítulo com informações das particularidades do equipamento fornecido; Possuir um índice com as seções, itens, tópicos e anexos, numerados de forma a facilitar seu referenciamento; Página 9 de 48

10 Conter em detalhes todas as instruções relativas e necessárias ao manuseio, transporte, armazenagem, montagem, colocação em serviço, operação e manutenção do equipamento, bem como de seus acessórios e materiais; Abordar os aspectos relacionados aos testes e ensaios de checagem, ajustes e calibrações, limpeza e lubrificação, frequência das verificações, içamento e movimentação, ensaios no campo, instrumentação e aparelhagem utilizada etc.; No caso de existirem ferramentas especiais para montagem e manutenção do equipamento, as mesmas deverão ser informadas no Manual, conforme o uso; Deverá possuir uma capa com as seguintes informações: 1. Nome do Fornecedor; 2. Nome do equipamento e seu tipo; 3. Número e data do Contrato de Fornecimento; 4. Título e número ou código para referência; Após aprovação dos desenhos pela D, o Fabricante deverá enviar num prazo mínimo de 10 (dez) dias úteis antes do início da inspeção, 1 (uma) cópia via impressa dos desenhos aprovados e também os arquivos magnéticos dos desenhos em mídia eletrônica compatível com sistema CAD, reservando-se a D o direito de recusar o lote caso este prazo não seja atendido. A inspeção e a aceitação do equipamento ou material serão feitas com base nos desenhos com carimbo "Aprovado". Todos os desenhos, fotografias ou documentos similares devem ser enviados por correio aéreo registrado com aviso de recebimento, em embalagens adequadas que os protejam contra danos de qualquer espécie. A aprovação de qualquer desenho pela D, não exime o Fabricante da plena responsabilidade quanto ao funcionamento correto do equipamento ou material, nem da obrigação de fornecê-lo de acordo com os requisitos da Ordem de Compra, das normas e desta Especificação. Página 10 de 48

11 Qualquer requisito exigido nas Especificações e não indicado nos desenhos, ou indicados nos desenhos e não mencionado nas Especificações tem validade como se fosse exigido nos dois. No caso de discrepância entre os desenhos e Especificações, vigorarão as Especificações, exceto para os desenhos de fabricação já aprovados Apresentação dos Desenhos Os desenhos serão desenvolvidos de acordo com as normas da ABNT no que se refere as dimensões do formato (excetuando-se os formatos A0), simbologias e identificação dos equipamentos por função. Nas partes omissas pela ABNT usar as normas IEC. A numeração e identificação dos desenhos serão fixadas em comum acordo entre a D e o FORNECEDOR durante a definição final de fornecimento. Durante o processo do projeto executivo e ao final do fornecimento a D deverá possuir: diagramas unifilares, trifilares, esquemáticos e lista de cabos e outros documentos necessários à operação e manutenção do Sistema de Recomposição. Para aprovação e completa apreciação do projeto, o Fabricante deverá enviar, no mínimo, os seguintes desenhos, quando aplicáveis: Desenho de contorno do equipamento com detalhes do ponto de fixação mostrando as respectivas dimensões, cotas e peso; Desenhos de detalhes da caixa de controle e esquemas funcionais e de ligação dos circuitos de controle, diagramas de fiação e painel; Desenho da placa de identificação; Desenho da embalagem; Desenhos de todas as ferramentas especiais necessárias à montagem, ajuste e manutenção do equipamento ofertado; Qualquer outro desenho necessário para montar, operar e reparar os equipamentos; Página 11 de 48

12 Para efeito de envio de desenhos para aprovação ou qualquer informação a respeito dos equipamentos, o Fabricante deve considerar cada item do fornecimento como independente dos demais. Os desenhos deverão apresentar as dimensões e respectivas tolerâncias garantidas Desenhos adicionais O FORNECEDOR poderá enviar, em qualquer tempo, todo e qualquer desenho que julgar necessário, além daqueles que deverá enviar obrigatoriamente. Também a D, a qualquer tempo, e se assim o entender, poderá exigir do FORNECEDOR todo e qualquer desenho ou informação referente aos equipamentos, que julgar necessário. Caso os desenhos solicitados pela D envolvam dados considerados comprovadamente confidenciais pelo FORNECEDOR, o mesmo não será obrigado a fornecê-los, contudo, a D, por seus representantes devidamente credenciados, poderá consultar na fábrica qualquer desenho de fabricação dos equipamentos em questão, desde que isso seja julgado necessário e conveniente pela D para acompanhar e controlar a qualidade da fabricação Desenhos definitivos Serão considerados desenhos definitivos aqueles que contenham as alterações finais feitas em decorrência das observações da D, ou de modificações que possam ocorrer posteriormente à aprovação pela D, até o momento da conclusão dos ensaios. São também considerados desenhos definitivos aqueles aprovados pela D sem modificações e aqueles apresentados pelo FORNECEDOR, cuja aprovação não se faz necessária. Os desenhos definitivos deverão ser fornecidos até 15 (quinze) dias após a data da liberação do equipamento pela inspeção da D, em 2 (duas) vias reproduzíveis e mídias com todos os desenhos em arquivos do tipo *.dwg. A liberação final será condicionada à entrega desses desenhos Manuais de Instruções e Técnicas de Manutenção Página 12 de 48

13 Para cada tipo diferente de equipamento o Fabricante deve remeter, através de via impressa e mídia eletrônica, Manuais de Instruções Técnicas e de Manutenção atualizados, nas seguintes ocasiões: a) Junto com a proposta, no mesmo número de vias desta; b) Com os desenhos, para aprovação: 2 (duas) vias; c) Até o embarque dos Equipamentos: 1 (uma) via. Os manuais devem conter no mínimo as seguintes informações: Instruções completas cobrindo descrição de funcionamento, manuseio, instalação, ajustes, operação e manutenção do Módulo em questão; Relação completa de todos os componentes e acessórios, incluindo nome, descrição, número de referência, número de catálogo e quantidade usada, identificação no desenho e instruções para aquisição quando necessário; Descrição completa de todas as partes dos circuitos eletrônicos, incluindo procedimentos de calibração e ajustes possíveis de todas as funções do controle eletrônico; Relação completa de todas as ferramentas e dispositivos especiais, incluindo nome, descrição, número de referência, número de catálogo e quantidade usada, identificação no desenho e instruções para aquisição quando aplicável Cronograma de Fabricação e Entrega Após, esclarecidos todos os detalhes técnicos e comerciais e recebida a Ordem de Compra, o Fabricante deverá, para cada item, elaborar um cronograma que indique todas as fases de fabricação, teste, inspeção, entrega e instalação dos materiais, equipamentos e/ou sistemas. Duas (02) cópias desses cronogramas deverão ser enviadas aa D, até 30 (trinta) dias após o recebimento da Ordem de Compra Ferramentas Especiais O Fabricante deve fornecer juntamente com os materiais ou equipamentos de sua Proposta, as ferramentas, programas computacionais ou equipamentos especiais necessários para montagem, Página 13 de 48

14 operação, configuração e manutenção dos Módulos Acessórios Opcionais O Fabricante deve cotar à parte, todos os acessórios opcionais disponíveis, além de fornecer informações detalhadas a respeito da função específica de cada componente. Não poderão ser considerados como acessórios opcionais aqueles considerados como ferramentas especiais. A aquisição destes Acessórios Opcionais fica a critério exclusivo da D Peças Sobressalentes O Fabricante deverá cotar à parte cada item da Lista de Peças Sobressalentes, conforme distribuição abaixo: a) Controle eletrônico; b) IHM com display LCD; c) Rádio; d) Antenas; e) Conjunto de repetidora para rádio; As peças deverão ser intercambiáveis, ou seja, a peça original ao apresentar defeito poderá ser simplesmente substituída pela sobressalente, sem a necessidade de alterações de projeto. As peças sobressalentes deverão ser identificadas por tipo e serão idênticas às correspondentes no equipamento original. A aquisição destas peças sobressalentes fica a critério exclusivo da D. 6. INSPEÇÃO E ENSAIOS 6.1. Informações Gerais A D reserva-se o direito de inspecionar e ensaiar o material ou equipamento abrangido por Página 14 de 48

15 esta Especificação quer no período de fabricação, quer na época do embarque ou em qualquer momento que julgar necessário. O Fabricante deverá avisar a D, com antecedência de 10 (dez) dias, sobre a data em que o material ou equipamento estará pronto para inspeção. O Fabricante deverá enviar a D, no mínimo, 60 (sessenta) dias antes do início dos testes, as características dos equipamentos, aparelhos e instrumentos a serem utilizados nos ensaios, com as respectivas classes de precisão e detalhes de como serão realizados, mostrando os diagramas de conexões. Todos os equipamentos e instrumentos deverão estar aferidos e calibrados por órgão competente e possuir certificado de aferição e calibração dentro do prazo de validade. Os métodos de ensaio dos materiais ou equipamentos deverão estar de acordo com esta especificação e com as normas recomendadas, em suas últimas revisões. As características dos equipamentos, aparelhos e instrumentos utilizados durante os ensaios não deverão se alterar com as variações de frequência, correntes ou tensão dos circuitos que os alimentam. Todas as correções necessárias deverão ser feitas para satisfazer às condições padronizadas Tipos de Ensaios a) Ensaios de tipo; b) Ensaios de recebimento; c) Ensaios complementares de recebimento. No entanto, os ensaios acima relacionados não invalidam a realização, por parte do fabricante, daqueles que julgar necessário ao controle de qualidade do seu produto Procedimento para Execução dos Ensaios Ensaios de Recebimento a) Inspeção Visual; Página 15 de 48

16 b) Verificação dimensional; c) Alimentação: Funcionamento em 12 Vcc: Verificar através da comunicação com laptop, o funcionamento do Equipamento alimentado em 12Vcc e em comunicação com outros módulos; Funcionamento em 10 V: Verificar através da comunicação com laptop, o funcionamento do Equipamento alimentado em 10Vcc e em comunicação com outros módulos; Funcionamento em 14 V: Verificar através da comunicação com laptop, o funcionamento do Equipamento alimentado em 14Vcc e em comunicação com outros módulos; d) Ensaios Funcionais: Comunicação com o controlador da chave ou religador: Injetar tensão e corrente no controlador da chave ou religador, e verificar a leitura no Controlador/ Módulo caso seja pertinente; Comunicação com o sistema SCADA D: Injetar tensão e corrente no controlador da chave ou religador e verificar leitura remota no COS através do SCADA; Comunicação com o sistema SCADA D: Efetuar operações de abertura e fechamento remotamente através do SCADA; Comunicação com o sistema SCADA D: Recebimento das informações de estado (aberta ou fechada) e analógicas (tensão e corrente) das chaves ou religadores; Ensaio de transferência automática: O fabricante deverá configurar um sistema constituído de 5 (cinco) chaves sob carga ou religadores e 2 (dois) disjuntores de subestação, totalizando 7 (sete) Equipamentos de manobra e proteção composto por religadores, chaves e disjuntores de subestação quando aplicáveis, simulando Página 16 de 48

17 um sistema em anel aberto (uma chave configurada aberta). Através de injeção de tensão e corrente, deverá simular desligamento de alimentadores e faltas, de forma a verificar a recomposição automática. O fabricante será responsável pelo fornecimento das chaves ou religadores e dos controladores dos disjuntores para a simulação Ensaios Complementares de Recebimento A D poderá solicitar ensaios adicionais baseados nas normas listadas no item 4, quando houver a necessidade da comprovação de características essenciais para a perfeita utilização ou funcionamento do material ou equipamento, conforme prevista nesta Especificação. Neste caso a D deverá informar ao Fabricante antes da colocação da Ordem de Compra, a necessidade destes ensaios complementares, informando os critérios para a execução, formação da amostra para ensaio e demais informações que se façam necessárias Amostras para Ensaios de Recebimento a) As amostras para ensaio de recebimento conforme NBR Aceitação e ou Rejeição Para realização de inspeção será de acordo a norma da D Inspeção de Materiais e equipamentos e ao final será emitido o CIM Certificado de Inspeção de Materiais, todos os custos de inspeção serão por conta da contratada A aceitação do material ou equipamento e acessórios pela D, seja pela comprovação dos valores, sejam por eventual dispensa de inspeção, não eximirá o fabricante de sua responsabilidade em fornecer o material ou equipamento em plena concordância com a Ordem de Compra e com esta Especificação, nem invalidará ou comprometerá qualquer reclamação que a D venha a fazer baseada na existência de material ou equipamento inadequado ou defeituoso. Página 17 de 48

18 Caso o material ou equipamento seja rejeitado pelos inspetores durante os ensaios de recebimento do lote, todas as despesas de re-inspeção para os inspetores, tais como transporte aéreo (passagem aérea de ida e volta em classe econômica) e terrestre, hospedagem, alimentação, lavanderia, seguro saúde com validade para o período de reinspeção, etc., correrão por conta do Fabricante Os custos de viagem de re-inspeção, exceto a passagem aérea, serão adiantados pela D para os inspetores e serão cobradas posteriormente, contra apresentação dos comprovantes das despesas efetuadas, do valor total da ODC para fornecedores nacionais ou através de Cobrança Bancária para fornecedores Internacionais. A passagem aérea de ida e volta em classe econômica será reservada pela D e o pagamento deverá ser feito pelo fornecedor diretamente a agência de viagem. O período para re-inspeção dos religadores deverá ser calculado conforme a seguir: 1 (um) dia útil de re-inspeção para cada 5 (cinco) Módulos; 1 (um) dia útil para reunião técnica final e preenchimento do Boletim de Inspeção Por outro lado, a rejeição do material ou equipamento em virtude de falhas constatadas através da Inspeção, durante os ensaios ou em virtude da discordância com a Ordem de Compra ou com esta Especificação, não eximirá o Fabricante de sua responsabilidade em fornecer o material ou equipamento na data de entrega prometida. Se, na opinião da D, a rejeição tornar impraticável a entrega na data prometida ou se tudo indicar que o Fabricante será incapaz de satisfazer os requisitos exigidos, a D reserva-se o direito de rescindir todas as suas obrigações e adquirir o material ou equipamento em outra fonte, sendo o Fabricante considerado como infrator da Ordem de Compra, estando sujeito às penalidades aplicáveis ao caso Ocorrência de Falhas nos Ensaios Complementares de Recebimento Caso o Módulo falhe na execução de qualquer um dos ensaios complementares de recebimento, será permitida uma contraprova, observando-se: Os ensaios serão repetidos em 2 (duas) novas unidades; Falhando uma unidade o lote será recusado. Página 18 de 48

19 O Fabricante estudará as falhas ocorridas apresentando um relatório detalhado das mesmas e a maneira encontrada para sua correção. O relatório será analisado pela D e após a aprovação das medidas propostas para correção das falhas anotadas, o Fabricante procederá às correções, efetuando-se então a repetição dos ensaios na presença dos inspetores da D Relatórios de Ensaio O Fabricante deverá enviar a D, dentro de 10 (dez) dias após o recebimento da Ordem de Compra, o modelo dos relatórios de ensaios, 2 (duas) vias dos formulários a serem usados e preenchidos durante os ensaios de recebimento, os quais serão devolvidos, aprovados ou com as modificações julgadas necessárias Esses relatórios deverão conter, no mínimo: a) Nome do ensaio; b) Nome da D e do Fabricante; c) Número da Ordem de Compra da D e da Ordem de Fabricação do Fabricante; d) Local e data do ensaio; e) Número de série e quantidade do material ou equipamento submetido a ensaio; f) Descrição sumária do processo de ensaio (constantes métodos e instrumentos empregados); g) Valores obtidos no ensaio Logo após a execução de cada ensaio, deverá ser entregue ao Inspetor da D cópia dos relatórios que foram preenchidos, devidamente rubricados pelo encarregado do ensaio e pelo Inspetor Imediatamente, o Fabricante remeterá a D 2 (duas) cópias dos relatórios, assinadas pelo Encarregado dos ensaios e por funcionário categorizado. Página 19 de 48

20 No caso da D dispensar a presença de seus Inspetores durante os ensaios, o fabricante deverá apresentar, além dos referidos relatórios a garantia da autenticidade dos resultados. Esta garantia poderá ser dada no próprio relatório ou através de um certificado à parte Em qualquer dos casos o Fabricante deve apresentar um certificado atestando que o equipamento inspecionado está de acordo com todos os requisitos desta Especificação e com as modificações ou acréscimos apresentados no Formulário de Preços de Proposta Garantia Todos os Módulos e seus acessórios, mesmo que não sejam de sua fabricação, serão garantidos pelo Fabricante contra falhas, defeitos de materiais e mão-de-obra durante o período de 36 (trinta e seis) meses a partir da data de entrega no Almoxarifado Central da D. O Fabricante terá um prazo de 48 horas a partir da notificação de defeito para iniciar os reparos. Se necessário deverá realizar correções, reformas, reconstruções e até mesmo, substituição de componentes ou de todo o Módulo no local de instalação do equipamento, no sentido de sanar todos os defeitos, imperfeições ou partes falhas de materiais ou de fabricação que venham a se manifestar, sendo que todas as despesas com material, transporte, mão de obra, ensaios, estadias, desembaraços aduaneiros, impostos, taxas, etc, correrão por conta do Fabricante. No caso de substituição de peças, materiais ou equipamentos defeituosos, o prazo de garantia para estes, deverá ser estendido para um novo período de 36 (trinta e seis) meses a partir da data de liberação da peça consertada. A D reserva-se o direito de, a qualquer tempo, rejeitar todo o lote e solicitar sua substituição, se a falha constatada for oriunda de erro de fabricação ou erro de projeto, independente da ocorrência de defeito em um único Módulo, tal que comprometa o desempenho operacional de todas as unidades do lote. Nota: As penalidades e multas referentes à garantia deverão ser atendidas conforme contrato Embalagem e Embarque Generalidades Página 20 de 48

21 Tanto a embalagem como a preparação do equipamento e/ou material para o embarque está sujeitas a inspeção, que será efetuada baseando-se nos desenhos aprovados. O acondicionamento dos materiais ou equipamentos deverá ser efetuado de modo a garantir um transporte seguro em quaisquer condições e limitações que possam ser encontradas. O sistema de embalagem deverá proteger todo o material e/ou equipamento contra quebras e danos de qualquer espécie, desde a saída da fábrica até a chegada ao local de destino, e ser feito de modo que a massa e as dimensões sejam mantidas dentro de limites razoáveis, a fim de facilitar o manuseio, o armazenamento e o transporte. As Peças Sobressalentes (quando aplicável) devem ser embaladas separadamente, em caixas, com a marcação "PEÇAS SOBRESSALENTES". As embalagens não serão devolvidas ao Fornecedor. Os materiais e/ou equipamentos serão liberados para embarque depois de devidamente inspecionados e conferidos Marcação da Embalagem Cada volume deverá apresentar externamente marcação indelével e facilmente legível, com os seguintes dados: a) Nome do Fornecedor; b) O nome "D"; c) Número e item da Ordem de Compra; d) Quantidade e tipo do material e/ou equipamento, contido em cada volume; e) Massa total do volume (massa bruta), em quilogramas. Marcações adicionais, necessárias para facilidade de transportes de materiais e equipamentos importados, poderão ser usadas e serão indicadas na Ordem de Compra ou nas instruções para Embarque. Página 21 de 48

22 6.8. Folha de Características Técnicas O Proponente deverá, para cada item proposto, preencher a Folha de Características Técnicas, correspondente e anexar à Proposta Preenchimento A coluna PROPOSTA deverá conter as características reais do material ou equipamento proposto, mesmo que difiram das características especificadas. A falta de preenchimento de algumas linhas será interpretada pela D como concordância do Proponente com as características especificadas. Caso determinadas características especificadas não se aplique ao material e/ou equipamento proposto, o Proponente deverá anotar no local correspondente com a sigla "NA" (Não Aplicável) Aceitação das Características Propostas A aceitação de características inferiores às especificadas ficará a critério exclusivo da D. Será dada preferência aos materiais e/ou equipamentos com características iguais ou superiores às especificadas Garantia das Características Propostas Os valores indicados pelo Proponente na Proposta prevalecerão sobre qualquer desenho, manual, catálogo ou publicação que sejam anexados à Proposta Características Técnicas ITEM CARACTRÍSTICAS ESPECIFICAÇÃO D PROPOSTA FORNECEDOR 01 Capacidade de comunicação com outros módulos por rádio Sim 02 Configuração com através de porta RS-232 e/ou Ethernet Sim 03 Sistema descentralizado de recomposição configurável no mínimo com 4 alimentadores (subestações fontes de tensão possíveis para o Sistema) Sim 04 Sistema descentralizado de recomposição configurável levando em consideração corrente pré-falta e capacidade de corrente do(s) Sim Página 22 de 48

23 alimentador(es) Capacidade de comunicação via Protocolo RS-232/DNP 3.0 Ethernet/DNP 3.0 com unidades controladoras (UTR) de outros fornecedores Sistema autoconfigurável no caso de perda de comunicação com outro módulo pertencente ao sistema Sistema independente não necessitando de comunicação com estação ou unidade controladora ou centro de supervisão e controle Atende aos requisitos de automação DNP 3.0, para o sistema de automação da D Invólucro atende classificação Mínima IPW 54 da NBR IEC Atende as funções automáticas de Recomposição, seccionalização e Proteção de falta de fase Atende aos requisitos de Comunicação Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Especificação Técnica de Aquisição do Módulo de Controle Para Sistema de Recomposição Automática de Redes de Distribuição Características Operacionais O Módulo de Recomposição de Redes deve ser instalado junto ao painel de controle das chaves de abertura sob carga ou dos religadores, ambos automatizados, sendo este no caso uma opção como solução de hardware, haja vista que poderá haver uma solução de firmware. O Módulo deve ser composto de um controlador eletrônico microprocessado com lógica de recomposição automática, Interface Homem Máquina com display LCD para verificação do estado do sistema e rádio RF Mesh (ponto a ponto) para a comunicação entre os módulos pertencentes ao sistema de recomposição.o Módulo deve possuir ou estar incorporado em uma controlador eletrônicos que possua portas seriais para comunicação serial RS-232 e RJ-45 Ethernet com: Controlador da chave ou religador no qual o módulo está instalado (quando aplicável); Rádio com sistema de comunicação tipo RF Mesh, fornecido com o conjunto, para a comunicação com os outros módulos pertencentes ao sistema de Recomposição Automática; Página 23 de 48

24 O Sistema SCADA da D deverá comunicar-se via radio. A rede de comunicação entre os módulos de controle deve permitir a comunicação do SCADA com qualquer módulo de controle participante do sistema de recomposição cujo o dispositivo de comunicação associado (rádio transceptor) possua intensidade de sinal suficiente para permitir um ou mais caminhos ponto-a-ponto até o SCADA; A função de recomposição automática deve ser baseada na troca de informações entre os Módulos pertencentes ao sistema de recomposição. Através desta troca de informações entre os Módulos, a configuração pré-ajustada deverá comandar a abertura ou fechamento das chaves e religadores, de forma a isolar o menor trecho possível onde a falta se encontra, e recompor automaticamente os clientes fora deste trecho. Vale ainda lembra que tal item aplica-se a uma solução de hardware, ou seja, caso seja de firmware o processo ocorrerá de forma interna ao equipamento já existente Os módulos deverão ser instalados junto aos controladores dos disjuntores da subestação e nos controladores das chaves de abertura sob carga/religadores, e deverão ser capazes, através das portas RS-232 e/ou Ethernet por protocolo DNP 3.0, de coletar todas as informações necessárias para a recomposição automática, bem como operar a abertura e fechamento do equipamento controlado quando necessário Configuração do Sistema Elétrico O Sistema 13,8 kv da D é em estrela (Y) e possui neutro multi-aterrado. Nas subestações, o sistema é aterrado através de resistor de aterramento para proteção contra faltas fase-terra O Sistema de Recomposição Automática de Redes será aplicado em redes de 13,8 kv, em anel aberto, constituído de quatro ou mais alimentadores provenientes de uma mesma subestação e de outras diferentes, interligados através de uma chave de abertura sob carga ou religador normalmente aberta(o). Ao longo dos dois alimentadores, encontram-se mais 3 ou 4 chaves de abertura sob carga ou religadores, normalmente fechadas(os), conforme unifilar representativo abaixo: Página 24 de 48

25 Diagrama do Sistema Elétrico 13,8 kv do Projeto Legenda: DJ Disjuntor NF Chave Sob Carga ou Religador Normalmente Fechada(o) NA Chave Sob Carga ou Religador Normalmente Aberta(o) Página 25 de 48

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços 02 5.2. Responsabilidade a cargo da DMED

Leia mais

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO PLUG TERMINAL COM CAPA (PTC) 600 A 8,7 / 15 KV OPERAÇÃO SEM CARGA SUMÁRIO ITEM CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Processador 02 5.2. Memória 03 5.3. Periféricos Inclusos 03 5.4. Unidades

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR PROTOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Características

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MEDIDOR DE ENERGIA ELRICA ELRÔNICO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2. Características

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO FOLHAS DE DADOS Todas as folhas de dados para os equipamentos mencionados deverão ser devidamente preenchidas conforme determinado a seguir. Deverá ser preenchida uma folha de dados para cada tipo de equipamento

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Subtransmissão / Departamento de Automação e Telecomunicação Especificação Técnica ETD 00.042 Rádio Comunicação Móvel VHF Dados e Voz Versão:

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LÂMPADAS A VAPOR DE METÁLICO DME SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 3.1. Siglas 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Características Gerais 03 5.2. Características Específicas e Exclusivas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: TRANSFORMADORES DE POTENCIAL PARA EQUIPAMENTOS ESPECIAIS Código ETD-00.062 Data da emissão 28.09.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MANUTENÇÃO CORRIVA EM TRANSFORMADORES DE SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição ID-6.016 Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais Instrução Técnica Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia de Medição Elaborado por: Colaboradores: Verificado

Leia mais

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais.

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 4. Disjuntor 145 kv 02 4.1. Objetivo 02 4.2. Normas 02 4.3. Escopo de Fornecimento 02 T- 4.1. Tabela 02 4.4. Características Elétricas 02 4.5. Características Operativas 03 4.5.1.

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta MANUAL DO USUÁRIO Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP 26430 - INST.FED.DE EDUC.,CIENC.E TEC.S.PERNAMBUCANO 158149 - INST.FED.EDUC.CIENC.E TEC.SERTãO PERNAMBUCANO RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - EQUIPAMENTO

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

ANEXO 3 FOLHA DE DADOS

ANEXO 3 FOLHA DE DADOS PROJETO BÁSICO DOF 001 / 2010 ANEXO 3 FOLHA DE DADOS EQUIPAMENTO: Medidores de Faturamento SE ABUNÃ - FOLHA DE DADOS Quantidade: 8 (oito) Fabricante Modelo FUNCIONAIS Compatibilidade com IEC 687 Classe

Leia mais

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE:

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: Aquisição de 7.812 Unidades de Medição Eletrônica de Energia Elétrica, 1 elemento, 1 fase, 3 fios, 240V e 15(100)A para implantação em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas 44 Capítulo VI Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Da mesma forma que se deve fazer com os elementos que formam uma instalação elétrica no seu sentido físico,

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

Microregistradora TMS-44

Microregistradora TMS-44 Microregistradora TMS-44 MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.0 Manual do Usuário Microregistradora TMS-44 Edição de Outubro de 2008 Este manual tem caráter técnico-informativo, sendo propriedade da SWEDA. Todos

Leia mais

ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA DO ITEM 01 - COMPUTADORES

ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA DO ITEM 01 - COMPUTADORES ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA DO ITEM 01 - COMPUTADORES 1.OBJETO Aquisição de ( 03 ) Computadores. 2. ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS Processador: Processador Intel Core i5 3.20 GHz HD: 1T Interface de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA

ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 001/2007 1 ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA ESTABELECE, RESPONSABILIDADES DIVERSAS, TIPOS E HORÁRIO DE COBERTURA DE SUPORTE, E DEMAIS RESPONSABILIDADES DA CONTRATADA RELATIVAS

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

ERRATA DE EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL 005/2015

ERRATA DE EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL 005/2015 ERRATA DE EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL 005/2015 No Anexo I Termo de Referência Item 03 (Três) Da Especificação. Os respectivos itens estão sublinhados. ONDE SE LÊ: 1) DA ESPECIFICAÇÃO 1 Processador

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

1 de 6 25/08/2015 10:22

1 de 6 25/08/2015 10:22 1 de 6 25/08/2015 10:22 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano Termo de Adjudicação

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

Pergunta 01 No item 01 Desktops, está sendo solicitado o seguinte:

Pergunta 01 No item 01 Desktops, está sendo solicitado o seguinte: QUESTIONAMENTOS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 002/2012 Pergunta 01 No item 01 Desktops, está sendo solicitado o seguinte: 1) Brilho: 250 cd/m2;interface: RF, D-sub, CVBS, S-Video no mínimo; Tendo em vista que as

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento Submódulo 12.3 Manutenção do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIV ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ELOS FUSÍVEIS TIPO EXPULSÃO PARA CIRCUITO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA COM EXTINÇÃO DE ARCO E ELOS FUSIVEIS

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS Este documento tem por finalidade regulamentar o fornecimento de equipamentos e serviços pela ENGEVAP ENGENHARIA E EQUIPAMENTOS LTDA., de acordo com a legislação em

Leia mais

COMUNICADO PREGÃO Nº 048/2007

COMUNICADO PREGÃO Nº 048/2007 COMUNICADO PREGÃO Nº 048/2007 OBJETO: Fornecimento, configuração, testes e assistência técnica, durante período de garantia, de 28 (vinte e oito) microcomputadores portáteis (notebooks) de alta mobilidade,

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 03

ESCLARECIMENTO Nº 03 PE.GCM.A.00130.2013 1/30 ESCLARECIMENTO Nº 03 FURNAS Centrais Elétricas S.A. comunica resposta ao pedido de esclarecimento sobre o Edital, efetuado por empresa interessada: 1. GERAL Entendemos que os Relés

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.010 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR SECUNDÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

Manual do Usuário - NKPROX

Manual do Usuário - NKPROX Manual do Usuário NKPROX Manual do Usuário - NKPROX Neokoros TI - Biometric Technology Índice 1 - Apresentação e Características Gerais...3 2 - Placa BMC - Especificações...4 2.1 - Conectores (pinagem

Leia mais

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 441 27 de abril de 2012 Página 2 de 13 ÍNDICE Registo das revisões... 4 1. Objectivo... 5 2. Âmbito... 5 3. Referências... 5 3.1. Externas... 5 3.2. Internas... 5 4. Definições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO II ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Pregão Eletrônico RP nº 001/2009 1 - MICROCOMPUTADOR PARA ESPECIALISTA MC1 PLACA PRINCIPAL Placa principal com arquitetura ATX, com barramento PCI. Possuir, no mínimo,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.014

ESPECIFICAÇÃO E-62.014 ESPECIFICAÇÃO E-62.014 Transformador de Corrente com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

Guia de instalação VIP E4220Z

Guia de instalação VIP E4220Z Guia de instalação VIP E4220Z Câmera IP VIP E4220Z Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A câmera IP Intelbras VIP E4220Z é uma câmera de segurança com resolução

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Código: ET: 07-02-170 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviço

Leia mais

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, é uma cabeça escrava para redes PROFIBUS-DP do tipo modular, podendo usar todos os módulos de E/S da série. Pode ser interligada a IHMs (visores

Leia mais

2.1.1 LEDs... 2 2.1.2 Painel traseiro... 2

2.1.1 LEDs... 2 2.1.2 Painel traseiro... 2 INTRODUÇÃO... 1 1.1 CONTEÚDO DA EMBALAGEM... 1 1.2 RECURSOS... 1 INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO... 2 2.1 LIGANDO O SWITCH... 2 2.1.1 LEDs... 2 2.1.2 Painel traseiro... 2 2.3 REQUISITOS DO AMBIENTE DE INSTALAÇÃO...

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 04 5. INSTRUÇÕES GERAIS 05 5.1. Condições Gerais 05 5.2. Condições

Leia mais

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA Especificação Técnica 02.112 - TI/SI 917a GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 004/2012 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PÁGINA 1 DE 6 ITEM 01 SERVIDOR DE RACK COM AS SEGUINTES CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS MÍNIMAS: INFORMAR OBRIGATORIAMENTE O FABRICANTE

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação ST 160 ST 160 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # Manual de Referência e Instalação Descrições 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # 3 2 Número Descrição 1 Indicador de modo 2 Antena 3 Matriz do Teclado 4 Parafuso Especificações

Leia mais

Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO

Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO ANEXO DO CONTRATO Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO Outubro - 2012 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTO PARA GESTÃO DO PARQUE TECNOLÓGICO... 3 3. ORIENTAÇÕES

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 03/14 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 03/14 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 03/14 CREMEB 1 - DO OBJETO Constitui objeto da presente licitação a aquisição de: 1.1-01 (um) SERVIDOR WEB para hospedar o novo Portal do CREMEB;

Leia mais

Manual do Usuário. ccntelecom.com.br

Manual do Usuário. ccntelecom.com.br Manual do Usuário ccntelecom.com.br PD-FIBER (1 Gbps, 7 Ramais/Clientes) O PD-FIBER é um equipamento constituído de uma placa que concentra alguns produtos já conceituados da CCN Telecom, de forma a reduzir

Leia mais

ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS

ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Página 1 de 10 ÍNDICE DE REVISÕES REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 0 EMISSÃO PARA CONTRATAÇÃO ORIGINAL REV. A REV. B REV. C REV. D REV. E REV. F REV. G REV. H DATA 10.08.11 10.09.12 EXECUÇÃO Anderson

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.01.025 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA E CADASTRO SP MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO - ES

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Operação 03 5.2. Materiais e Construção 04 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PROF. MARCOS FERGÜTZ ABRIL/14 INTRODUÇÃO - Legislação Portaria no. 51, de 28 de janeiro de 2014, do INMETRO,

Leia mais

1. EVENTOS VINCULADOS AO EMPREENDIMENTO. EVENTO Aceite da Ordem de Serviço/Consolidação do Cronograma.

1. EVENTOS VINCULADOS AO EMPREENDIMENTO. EVENTO Aceite da Ordem de Serviço/Consolidação do Cronograma. GERAL O objetivo deste documento é definir critérios para ressarcimento de eventos de pagamentos e Eventos Críticos e permitir a emissão, por parte do Contratado, do Relatório de Cumprimento de Eventos.

Leia mais

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares Check-List Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Diretoria de Serviços Operacionais 1. RESUMO Relação de documentos

Leia mais

Guia do Usuário. PCtel E1

Guia do Usuário. PCtel E1 Guia do Usuário PCtel E1 Conteúdo Conhecendo o Produto...05 Instalação Física...08 Módulo Supervidor...10 Política de Garantia...12 Aspectos gerais Conhecendo o produto A Pctel desenvolveu uma plataforma

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO

LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano SISTEMA VLT AUDIÊNCIA PÚBLICA AQUISIÇÃO DE SISTEMAS Dezembro/2011 LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO 2 CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO VLT Legenda: Traçado VLT: Trecho

Leia mais

MICROCOMPUTADOR TIPO I

MICROCOMPUTADOR TIPO I MICROCOMPUTADOR TIPO I Processador...: Processador com memória cache mínima de 1 MB; Tipo...: 1)Intel Pentium IV Prescott com freqüência de 3.0 Ghz ou Superior Memória...: Memória RAM instalada de 512

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

Conversor USB/HPN CTS500U. Manual de Instalação

Conversor USB/HPN CTS500U. Manual de Instalação Conversor USB/HPN CTS500U Manual de Instalação e Operação 1 - Apresentação do Conversor HPN/USB CTS500U Os conversores HPN/USB CTS500U permitem com baixo custo e alto desempenho a criação de uma rede

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP TERMO DE REFERÊNCIA 011/2010 - DOP PROJETO DE AUTOMAÇÃO DAS SUBESTAÇÕES ARIQUEMES, JARU, JI-PARNÁ I, CACOAL, PIMENTA BUENO, ESPIGÃO

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA CWF24-01

FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA CWF24-01 FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA (Input: 85 ~ 264 Vac / 120 ~ 370 Vdc) (Output: 24 Vdc / 1 A) CWF24-01 Fonte de Alimentação Chaveada Manual do usuário MAN-PT-DE-CWF24-01-01.00_14 Introdução Obrigado por

Leia mais

Controladora CT370 Manual Versão 3.2 Revisão 0 Outubro/2014

Controladora CT370 Manual Versão 3.2 Revisão 0 Outubro/2014 Controladora CT370 Manual Versão 3.2 Revisão 0 Outubro/2014 Sumário 1. Apresentação... 4 2. Itens que Acompanham... 4 3. Especificações Técnicas... 4 4. Características Gerais... 5 5. Visão Geral do Equipamento...

Leia mais

Termo de Referência. Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Diretoria de Infra-Estrutura de TIC DIT

Termo de Referência. Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Diretoria de Infra-Estrutura de TIC DIT Termo de Referência Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Termo de Referência Aquisição de Servidores Tipo 1A-1B para camada de Banco de Dados / Alta Disponibilidade RQ DEPI nº 11/2009

Leia mais

ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO

ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO 1. OBJETIVO 1.1 As Interconexões previstas no presente Anexo 5 serão objeto de planejamento técnico contínuo e integrado entre as Partes,

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Definições 2. 4. Condições gerais 2. 5. Condições específicas 2

SUMÁRIO. 1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Definições 2. 4. Condições gerais 2. 5. Condições específicas 2 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Definições 2 4. Condições gerais 2 5. Condições específicas 2 6. Apresentação de propostas e aprovação de documentos 4 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003

Leia mais

PLATAFORMA ELIPSE E3 TRAZ AGILIDADE E SEGURANÇA AO SISTEMA ELÉTRICO DO SERVIÇO DE TRENS URBANOS DO RIO DE JANEIRO OPERADO PELA SUPERVIA

PLATAFORMA ELIPSE E3 TRAZ AGILIDADE E SEGURANÇA AO SISTEMA ELÉTRICO DO SERVIÇO DE TRENS URBANOS DO RIO DE JANEIRO OPERADO PELA SUPERVIA PLATAFORMA ELIPSE E3 TRAZ AGILIDADE E SEGURANÇA AO SISTEMA ELÉTRICO DO SERVIÇO DE TRENS URBANOS DO RIO DE JANEIRO OPERADO PELA SUPERVIA Este case apresenta a aplicação da solução Elipse E3 para automatizar

Leia mais

Termo de Referência. (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300.

Termo de Referência. (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300. Termo de Referência Expansão da solução s de armazenamento (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300. Termo de Referência Expansão da solução de armazenamento do

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais