ELETRÔNICA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELETRÔNICA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO."

Transcrição

1 TARDE MARÇO / ENGENHEIRO(A) DE EQUIP UIPAMENT AMENTOS JÚNIOR CONHECIMENTOS OS ESPECÍFICOS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com os enunciados das 7 questões objetivas, sem repetição ou falha, com a seguinte distribuição: Questões a a Pontos,5, CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Questões a a 4 Pontos,5, Questões 4 a 5 5 a 6 b) CARTÃO-RESPOSTA destinado às respostas às questões objetivas formuladas nas provas. - Verifique se este material está em ordem e se o seu nome e número de inscrição conferem com os que aparecem no CARTÃO- RESPOSTA. Caso contrário, notifique IMEDIATAMENTE o fiscal. - Após a conferência, o candidato deverá assinar no espaço próprio do CARTÃO-RESPOSTA, a caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta. 4 - No CARTÃO-RESPOSTA, a marcação das letras correspondentes às respostas certas deve ser feita cobrindo a letra e preenchendo todo o espaço compreendido pelos círculos, a caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta, de forma contínua e densa. A LEITORA ÓTICA é sensível a marcas escuras; portanto, preencha os campos de marcação completamente, sem deixar claros. Exemplo: A C D E Pontos,5, Questões 6 a 7 - Pontos,5-5 - Tenha muito cuidado com o CARTÃO-RESPOSTA, para não o DOBRAR, AMASSAR ou MANCHAR. O CARTÃO-RESPOSTA SOMENTE poderá ser substituído caso esteja danificado em suas margens superior ou inferior - BARRA DE RECONHECIMENTO PARA LEITURA ÓTICA. 6 - Para cada uma das questões objetivas, são apresentadas 5 alternativas classificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E); só uma responde adequadamente ao quesito proposto. Você só deve assinalar UMA RESPOSTA: a marcação em mais de uma alternativa anula a questão, MESMO QUE UMA DAS RESPOSTAS ESTEJA CORRETA. 7 - As questões objetivas são identificadas pelo número que se situa acima de seu enunciado. 8 - SERÁ ELIMINADO do Processo Seletivo Público o candidato que: a) se utilizar, durante a realização das provas, de máquinas e/ou relógios de calcular, bem como de rádios gravadores, headphones, telefones celulares ou fontes de consulta de qualquer espécie; b) se ausentar da sala em que se realizam as provas levando consigo o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO-RESPOSTA; c) se recusar a entregar o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO-RESPOSTA quando terminar o tempo estabelecido. 9 - Reserve os (trinta) minutos finais para marcar seu CARTÃO-RESPOSTA. Os rascunhos e as marcações assinaladas no Caderno de Questões NÃO SERÃO LEVADOS EM CONTA. - Quando terminar, entregue ao fiscal O CADERNO DE QUESTÕES E O CARTÃO-RESPOSTA e ASSINE A LISTA DE PRESENÇA. Obs. O candidato só poderá se ausentar do recinto das provas após (uma) hora contada a partir do efetivo início das mesmas. Por motivos de segurança, o candidato NÃO PODERÁ LEVAR O CADERNO DE QUESTÕES, a qualquer momento. - O TEMPO DISPONÍVEL PARA ESTAS PROVAS DE QUESTÕES OBJETIVAS É DE 4 (QUATRO) HORAS, findo o qual o candidato deverá, obrigatoriamente, entregar o CARTÃO-RESPOSTA. - As questões e os gabaritos das Provas Objetivas serão divulgados no primeiro dia útil após a realização das mesmas, no endereço eletrônico da FUNDAÇÃO CESGRANRIO (http://www.cesgranrio.org.br).

2 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS V ma R V V i k k _ + k V o ` 5V R V i [V] O circuito apresentado na figura acima mostra um transistor MOSFET, construído numa tecnologia em que a tensão de limiar é igual V (V th = V). Para que o transistor opere na região de saturação, os valores dos resistores R e R, em k, deverão ser, respectivamente, (A) R e R (B) R e R (C) R e R (D) R e R (E) R e R R C + R V + E + V S A figura acima apresenta um circuito ativo utilizando amplificador operacional, que pode ser considerado ideal para efeito de análise. A fonte V E é do tipo senoidal com nível DC nulo. A grandeza que, ao ser duplicada de valor, provocará o maior aumento na amplitude do sinal V S, em regime permanente, é a (A) frequência da fonte V E. (B) reatância do capacitor C. (C) capacitância C. (D) resistência R. (E) resistência equivalente R eq = R // R. _ O circuito da figura acima representa um Schmitt Trigger em que o amplificador operacional é ideal, com tensões de saturação de V e V. O amplificador operacional encontrase inicialmente saturado, de modo que em t =, V o = V. O gráfico mostra a forma de onda do sinal de entrada no intervalo de a s. Nesse intervalo, durante quantos segundos o sinal de saída permanecerá com tensão nula? (A) 5 (B) 6 (C) 7 (D) 8 (E) 4 t [s] mov cx,4 mov esi,h mov dx,6h rep outs dx, dword ptr [esi] Ao executar a sequência de instruções acima, o número de ciclos de barramento gastos pela instrução rep outs e o número de bytes transferidos, num processador x86 com bits de barramento de dados externo, são, respectivamente: (A) e 8 (B) e 6 (C) 4 e 4 (D) 4 e 8 (E) 4 e 6

3 5 A A4 A5 A A A A9 A8 A7 A6 A5 A4 A A A A A A A A9 A8 A7 A6 A5 A4 A A A A CS A figura ao lado apresenta o esquemático de uma memória de 8 bits, conectada ao barramento de endereços de um computador. Pela análise da figura, conclui-se que a faixa de endereços usada pela memória é (A) 4h a 4FFFh (B) 4h a 5FFFh (C) 4h a 6FFFh (D) 5h a 5FFFh (E) 8h a 9FFFh 6 b r a Dados e informações técnicas: O potencial elétrico em função do raio r (a r b) é obtido pela seguinte expressão: V(r) A ln(r) B, onde A e B são constantes a serem determinadas. O vetor campo elétrico entre os dois condutores é dado por dv(r) E(r) ar, onde a r é o vetor unitário na direção do raio. dr o condutor externo está aterrado. Considere um cabo coaxial infinitamente longo, cuja seção reta está mostrada na figura acima. O raio do condutor interno mede a (m) e o raio do condutor externo mede b (m). Se o dielétrico que separa os dois condutores tem rigidez dielétrica de E o (V/m), então a expressão que representa a diferença de potencial máxima (V mx ), dada em V, a ser aplicada entre os dois condutores, é (A) (B) Vmx Vmx b aeo ln a b beo ln a (C) Vmx Eo (b a) E (D) V o mx b a E (E) V o mx ln(b a).

4 7 Vista lateral A figura acima mostra a vista lateral de uma espira circular de raio a (m) que gira sobre seu diâmetro com velocidade angular de w (rad/s) na presença de um campo magnético constante B o (T) normal ao eixo de rotação da espira. Considere que essa espira possui resistência de R (), auto-indutância de L (H) e que o ângulo é dado por wl tan. R A expressão da corrente instantânea i(t) induzida na espira, dada em ampères, é a wbo (A) i(t) cos R (wl) (wt ) (B) i(t) (C) i(t) a wbo R (wl) R (wl) awbo sen (wt ) cos (wt ) awbo (D) i(t) cos (wl) (wt ) R (E) i(t) awbo R (wl) a eixo de rotação sen (wt ) 8 Na construção de um conjunto de rotinas (API - Application Programming Interface) para um sistema operacional a ser executado num processador x86, usando os recursos de chamada ao sistema, implementados no processador, é INCORRETO afirmar que (A) o empilhamento dos parâmetros a serem passados ocorre da esquerda para a direita. (B) o aplicativo com menor privilégio usa uma pilha diferente da função da API. (C) a rotina da API é executada com o mesmo nível de privilégio do sistema; (D) a própria rotina da API é quem retira os parâmetros passados da pilha. (E) um número variável de parâmetros a serem passados é permitido, como na função printf, comum da linguagem C. w B o 9 Ao implementar uma rotina de manipulação da exceção Eh (falta na paginação), é INCORRETO afirmar que o processador x86 precisa (A) estar em modo protegido. (B) estar com a paginação habilitada. (C) gerenciar, através da rotina de manipulação, uma troca de páginas virtuais entre o HD e a RAM. (D) executar, no retorno da rotina de manipulação, a instrução ausente que causou a falta. (E) salvar na pilha, no momento em que ocorre a exceção, o endereço físico da instrução ausente na RAM. Tanto os sistemas operacionais da Microsoft como as distribuições Linux implementam a chamada multitarefa, ou seja, a possibilidade de simular a execução de mais de um programa, simultaneamente ou mesmo de forma concorrente, mediante o uso de um recurso conhecido por time slice. Nessa perspectiva, analise as descrições abaixo. Ambiente todas as aplicações são executadas numa área única e no caso de ocorrência de bug com alguma aplicação, todas serão descontinuadas e finalizadas. Nesse esquema, o time slice destinado a cada programa é variável. Ambiente todas as aplicações são executadas, cada uma em sua área individual, e no caso de ocorrência de problema com alguma aplicação, somente ela será descontinuada e finalizada, mantendo as demais em operação normal. Nesse esquema, o controle da CPU é feito pelo próprio sistema operacional. As descrições a que se referem o Ambiente e o Ambiente são denominadas, respectivamente, de multitarefa (A) compartilhada e multiprocessada. (B) multiprocessada e cooperativa. (C) cooperativa e preemptiva. (D) preemptiva e multiprogramada. (E) multiprogramada e compartilhada. 4

5 As tabelas abaixo são referentes a um banco de dados relacional. ALFA CÓDIGO F F BETA CÓDIGO F F GAMA CÓDIGO F FORNECEDOR HIGH TECH INFO GOLDEN QUALITY NOME HIGH TECH INFO SAÚDE VIDA NOME HIGH TECH INFO ÁREA INFORMÁTICA ENGENHARIA FUNÇÃO INFORMÁTICA SAÚDE FUNÇÃO INFORMÁTICA ESTADO RJ SP ESTADO RJ SP ESTADO RJ Para determinar quais fornecedores localizados no estado RJ fornecem a peça F, deve ser executada uma operação da álgebra relacional sobre as tabelas ALFA e BETA, resultando na tabela denominada GAMA. Qual é essa operação relacional? (A) ALFA join BETA (B) ALFA union BETA (C) ALFA project BETA (D) ALFA minus BETA (E) ALFA intersect BETA Normalização de dados é o processo formal que examina os atributos de uma entidade, visando evitar anomalias observadas na inclusão, exclusão e alteração de registros. No processo são aplicadas regras sobre as tabelas de um banco de dados, para verificar se estas estão corretamente projetadas. Disponível em: Nesse contexto, analise a tabela abaixo. TABELA CÓDIGO QTDE VALOR UNITÁRIO SUBTOTAL XZ4 4 R$., R$ 4., BP79 R$ 4, R$ 8, FK R$ 7, R$., Qual opção ilustra a normalização da tabela acima para a a FN? TABELA PEDIDO CÓDIGO QTDE TABELA PEDIDO CÓDIGO VALOR UNITÁRIO (A) 4 48 XZ4 BP79 4 (B) 4 48 XZ4 BP79 R$., R$ 4, 9685 FK 9685 FK R$ 7, TABELA PEDIDO CÓDIGO QTDE VALOR UNITÁRIO TABELA PEDIDO QTDE VALOR UNITÁRIO SUBTOTAL (C) 4 48 XZ4 BP79 4 R$., R$ 4, (D) R$., R$ 4, R$ 4., R$ 8, 9685 FK R$ 7, 9685 R$ 7, R$., TABELA PEDIDO CÓDIGO QTDE VALOR UNITÁRIO SUBTOTAL (E) 4 48 XZ4 BP79 4 R$., R$ 4, R$., R$ 8, 9685 FK R$ 7, R$., 5

6 Um banco de dados criado num determinado Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) contém as tabelas departamento e empregados. A tabela departamento possui os atributos depto_id e depto_nome, sendo depto_id a chave primária. A tabela empregados possui os atributos emp_lname, emp_fname e depto_id, na qual é a chave estrangeira que referencia a tabela departamento. CREATE VIEW emp_depto AS SELECT emp_lname, emp_fname, depto_name FROM empregados JOIN departamento ON empregados.depto_id = departamento.depto_id O comando SQL acima criará uma visão que, após sua execução, conterá as informações relacionadas a todos os (A) empregados da empresa, sem listar os respectivos departamentos. (B) empregados da empresa com os respectivos departamentos para os empregados cujos nomes comecem pela letra id. (C) departamentos da empresa com os respectivos empregados de cada um dos departamentos. (D) departamentos da empresa com os respectivos empregados para o departamento denominado depto. (E) departamentos da empresa, sem listar os respectivos empregados. 4 Um gás perfeito realiza o ciclo termodinâmico esquematizado no gráfico ao lado. Sobre as transformações realizadas por esse gás, considere as afirmativas a seguir p( N/m ) X Y I A cada ciclo, ocorre a conversão de trabalho em calor. II A maior temperatura ao longo do ciclo é atingida no ponto Y. III A transformação do gás de W para X é isocórica. W Z V(m ) É(são) correta(s) APENAS a(s) afirmativa(s) (A) I. (B) II. (C) III. (D) I e III. (E) II e III.,,5 5 O gráfico ao lado apresenta uma transformação isobárica V[m ] a 5 N/m de uma massa gasosa. Sabendo que a massa gasosa cedeu 7 J de calor nessa transformação, a variação de sua energia interna, em joules, foi de 8 A (A) 4 (B) (C) 6 B (D) (E) 4 7 T [K] 6

7 6 Considere um bocal De Laval na horizontal, cuja área de seção transversal é convergente da entrada até a garganta e divergente da garganta até a saída. Considere, ainda, que o escoamento em seu interior é unidimensional, incompressível e invíscido. A velocidade do fluido, ao escoar da entrada para a saída, (A) aumenta na região convergente e aumenta na região divergente. (B) aumenta na região convergente e diminui na região divergente. (C) diminui na região convergente e aumenta na região divergente. (D) diminui na região convergente e diminui na região divergente. (E) permanece constante na região convergente e na região divergente. 7 A velocidade média de um fluido escoando dentro de um duto horizontal pode ser estimada de maneira indireta através da variação da pressão no interior desse duto. Considere dois medidores de pressão clássicos em pontos diferentes X e Y, que inferem seu valor através da altura de coluna d água e estão abertos para o meio ambiente (P atm ) em uma de suas extremidades. Se a pressão relativa no ponto Y é a metade da pressão relativa no ponto X, a razão entre alturas de coluna d água destes dois pontos h y /h x é (A) 4 (B) (C) (D) / (E) /4 8 Um tanque aberto em sua parte superior, exposto à atmosfera ambiente, é furado em uma altura h abaixo dessa superfície, por onde o fluido no interior do tanque vaza. Considere que o diâmetro d do furo é muito menor que esta altura, ou seja, d<<h, que o movimento da superfície fluido-ar é desprezível e que o escoamento é incompressível e invíscido. Sendo g a aceleração da gravidade, a velocidade do vazamento para a atmosfera ambiente é (A) gh (B) gh (C) gh (D) (E) gh gh 9 A Segurança do Trabalho implica a adoção de um conjunto de medidas que visa a minimizar os acidentes, bem como melhorar as condições de saúde e bem-estar do trabalhador. A respeito do assunto, considere as afirmativas a seguir. I II III A implantação de equipes relacionadas à Segurança do Trabalho é exigida por lei. Acidente de trabalho é o que ocorre por ocasião do desenvolvimento das atividades na empresa. Os profissionais da área de Segurança do Trabalho devem estar restritos às áreas correlatas às atividades desenvolvidas pela empresa. É(São) correta(s) APENAS a(s) afirmativa(s) (A) I. (B) II. (C) I e II. (D) I e III. (E) II e III. A atividade que assegura ao trabalhador o recebimento mensal de adicional de periculosidade é o trabalho (A) com eletricidade. (B) com vibrações. (C) com frio. (D) com umidade. (E) em ambientes sujeitos à vibração. Na experiência de lançamento de dois dados, a variável aleatória observada é a soma dos resultados. Calculamse as seguintes probabilidades: P é a probabilidade de a soma ser igual a 5; P é a probabilidade de a soma ser maior que 6; P é a probabilidade de a soma ser maior que 6, sabendose, a priori, que um dos dados apresentou o valor. Com base nessas informações, considere as afirmativas abaixo. I O cálculo de P resultou em. 9 II O cálculo de P resultou em. III P é maior do que P. É (são) correta(s) a(s) afirmativa(s) (A) I, apenas. (B) I e II, apenas. (C) I e III, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III. 7

8 Uma urna contém bolas de cores preta e branca. As bolas apresentam o mesmo volume, mas foram fabricadas com dois tipos de materiais, ou seja, madeira e vidro. Sabe-se que: 4 Rg T : RL T : 55% das bolas na urna são pretas; 5% das bolas na urna são pretas e de madeira; 5% das bolas na urna são brancas e de vidro. Eg,5Ω,Ω Rc Se uma bola de madeira for retirada da urna, qual será a probabilidade de ela ser branca? (A) (B) (C) (D) (E) Uma máquina síncrona trifásica elementar é composta por três enrolamentos no estator, defasados de o, e por um enrolamento no rotor alimentado em corrente contínua. A respeito desse tipo de máquina, considere as afirmativas a seguir. I II III - O motor síncrono necessita de enrolamentos amortecedores para permitir a sua parada. - A tensão do estator em vazio é denominada tensão de excitação. - A frequência de variação do fluxo em uma bobina do rotor depende do número de polos da máquina. É(São) correta(s) APENAS a(s) afirmativa(s) (A) I. (B) II. (C) I e II. (D) I e III. (E) II e III. A figura acima apresenta o esquema de um circuito no qual a fonte de tensão Eg com resistência interna Rg é conectada a uma linha de transmissão através do transformador T. No outro extremo da linha, a carga Rc é conectada à linha através do transformador T. Para que haja a máxima transferência de potência entre a fonte e a carga, o valor que deverá ser ajustado o resistor Rc, em, é (A),5 (B),5 (C),75 (D),45 (E),6 5 No que se refere às Arquiteturas Computacionais, considere as afirmativas a seguir I II III - A porta USB. permite uma maior taxa de transferência de dados do que o PCI original ( MHz, bits). - A taxa de comunicação é maior nos periféricos conectados à Ponte Norte do que nos periféricos conectados à Ponte Sul. - Num processador com FSB, a informação a ser trocada com uma placa PCI sempre passa pelo FSB. É(São) correta(s) a(s) afirmativa(s) (A) III, apenas. (B) I e II, apenas. (C) I e III, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III. 8

9 6 A respeito das modernas arquiteturas de computadores, considere as afirmativas a seguir. I II III - Em arquiteturas de 64 bits, como as da Intel, é comum a predição de desvios estar embutida no formato da instrução. - Grandes líderes na fabricação de microprocessadores, como a AMD, estão adotando uma solução de canais seriais em substituição ao FSB. - O PCI Express é um barramento de comunicação serial. É(São) correta(s) a(s) afirmativa(s) (A) II, apenas. (B) I e II, apenas. (C) I e III, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III. 7 Numa arquitetura x86, não haverá falta em um sistema operacional multitarefa, como o Windows, quando o (A) driver tentar buscar instrução em segmento de dados. (B) driver tentar executar instrução de I/O. (C) driver tentar rodar código ausente na RAM. (D) aplicativo tentar executar instrução de coprocessador, estando este ausente (86 antigos). (E) aplicativo tentar escrever em segmento de código. 8 4 X Y M W Z _ 45 _ _... _... Um programador dispõe de dados armazenados em três vetores (X, Y e W) e em uma matriz (M), conforme ilustra a figura ao lado. Os vetores X e Y possuem dimensão N e armazenam em cada posição as indicações, respectivamente, de linhas e colunas a serem selecionadas na matriz M. Essa matriz, por sua vez, armazena em cada elemento selecionado a correspondente posição do vetor W, cujo conteúdo deverá ser copiado no vetor Z, de acordo com a sequência indicada pelos vetores X e Y. Para realizar esse processamento nos dados, o programador escreveu um algoritmo em pseudolinguagem, que se encontra parcialmente apresentado a seguir: Recebe X, Y, M, W Para K de até N Fim do para As instruções que completam corretamente, de cima para baixo, as linhas em branco no algoritmo são: (A) J M(X(K),Y(K)) J W(J) Z(K) J (B) J M(X(K ),Y(K+)) J W(J+) Z(J) J (C) J M(Y(K),X(K)) J W(J+) Z(K) W(J) (D) Z(K) W(J) J W(J) J M(X(K),Y(K)) (E) J W(K) Z(K) W(J) J M(X(K),Y(K)) 9

10 9 O pseudocódigo abaixo é uma forma simplificada de um algoritmo de busca breadth-first de um grafo direcionado. O procedimento bfs(n,adj) recebe como entradas o inteiro N e a matriz NxN Adj, significando, respectivamente, o total de vértices do grafo, sendo estes numerados de até N, e a matriz de adjacência. Se Adj(u,v) =, existe um arco direcionado que liga o vértice u ao vértice v. O procedimento preenche os vetores cor e, indexados de até N. Durante o procedimento de busca, utiliza-se a fila Q, do tipo FIFO (First-In-First-Out). O procedimento ENQUEUE(Q,u) insere o elemento u ao final da fila Q e o procedimento u DEQUEUE(Q) remove o elemento u do início da fila Q. bfs(n,adj) Para u de até N faça cor[u] branco; [u] ; Fim-Para cor[] ; Q ; ENQUEUE(Q,); Enquanto Q faça u DEQUEUE(Q); Para v de até N faça Se Adj(u,v) = e cor[v] = branco faça ENQUEUE(Q,v); cor[v] cinza; [v] u; Fim-Se Fim-Para cor[u] preto; Fim-Enquanto Fim O resultado do vetor após a aplicação do procedimento bfs, com entradas N = 4 e Adj, é (A) [ ] (B) [ ] (C) [ 4] (D) [4 ] (E) [4 4 ] Um pseudocódigo utiliza uma função OLIMP_6(NR), definida a seguir. OLIMP_6 =, para NR < OLIMP_6 = OLIMP_6(NR-) + OLIMP_6(NR-), para NR >= Para OLIMP_6(4), a quantidade de vezes que a função será executada e o valor que ela retornará são, respectivamente, (A) 5 e (B) 9 e (C) 9 e 5 (D) 5 e 5 (E) 5 e 8

11 UV XYZ d d d A tabela acima foi montada com as combinações dos sinais digitais U, V, X, Y e Z, que acarretam a ativação (nível lógico ) do sinal F. As posições indicadas com d representam situações irrelevantes (don t care), isto é, situações em que as correspondentes combinações dos sinais U, V, X, Y e Z não ocorrerão na prática. Com base na tabela acima, qual é a expressão booleana mais simplificada que corresponde ao sinal F? (A) ZVU+Z XY (C) Z(VX+UY) (B) ZVU+ZXY (D) Z(VY +UY) (E) Z(V +UY) U V X Y S S IP IP Saída IP IP Enable W XY UV A figura acima ilustra um multiplexador de 4 entradas para saída e o mapa de Karnaugh a ser implementado para o sinal digital W através do circuito. Os sinais S e S são as entradas de controle do integrado, onde S representa o bit mais significativo. O bloco tracejado deverá conter os circuitos que conectarão os sinais X e Y às entradas do multiplexador. A fim de reproduzir o mapa de Karnaugh, qual é a expressão booleana do circuito que será conectado ao pino IP? (A) XY (B) XY (C) X+Y (D) X Y (E) X Y Um contador crescente de 4 bits, com clear e load síncronos, oferece a saída Q Q Q Q. Sabendo-se que o número em binário está ligado à sua entrada paralela de carregamento, que a lógica (Q.Q ) aciona o load e que a lógica (Q.Q ) aciona o clear, o número de estados da sequência permanente é (A) 7 (B) 8 (C) 9 (D) (E)

12 4 Uma unidade aritmética foi construída usando um somador tipo 748, com entradas A A A A (primeiro operando de 4 bits), B B B B (segundo operando de 4 bits) e C i (carry de entrada), além de portas lógicas auxiliares. Sejam X, Y e Z números de 4 bits e K = K K um número de bits usado para a escolha da operação. Considere as ligações listadas a seguir: A A A A =X X X X B =((K.Y )+(K.Z )) K B =((K.Y )+(K.Z )) K B =((K.Y )+(K.Z )) K B =((K.Y )+(K.Z )) K C i =K Nesse caso, a tabela verdade que será oferecida pela saída do somador é (A) K K Saída Somador X + Y X Y X+Z X Z (B) K K Saída Somador X + Y X Y+ X+Z X Z+ (C) K K Saída Somador X + Y X Y X+Z X Z (D) K K Saída Somador X Y+Z X Y X+Z Y X Z (E) K K Saída Somador X+Y X Y+ X+Z X Z + 5 Considere o seguinte código: architecture comportamento of COMPONENTE is begin process (A,G) begin if ((G = )then case A is when => Y <= ; when => Y <= ; when => Y <= ; when => Y <= ; when => Y <= ; when => Y <= ; when => Y <= ; when => Y <= ; end case; else Y <= ; end if; end process; end comportamento; Este código se refere à arquitetura de um (A) decodificador com habilitador em nível alto e saídas em nível alto. (B) decodificador com habilitador em nível alto e saídas invertidas. (C) decodificador com habilitador em nível baixo e saídas invertidas. (D) multiplexador com habilitador em nível alto e saídas em nível alto. (E) multiplexador com habilitador em nível baixo e saídas em nível alto.

13 Considere a figura abaixo para responder às questões de n os 6 e 7. 9 k S k V S A B C + V I F k 5H mf k k A figura apresenta um circuito elétrico alimentado por uma fonte CC, funcionando em regime permanente com a chave S aberta. 6 Nessas condições, qual é a corrente I F, em miliamperes, fornecida pela fonte? (A), (B),6 (C), (D),4 (E),8 7 Em determinado instante, a chave S é fechada. Qual é a taxa de variação da tensão do capacitor, em volts/s, imediatamente ao instante do fechamento da chave S? (A),96 (B),8 (C),64 (D),48 (E), 8 Em uma determinada indústria, a potência ativa é de kw e seu fator de potência é de,8 em atraso. A alimentação é senoidal, 6 Hz e trifásica, sendo que a tensão entre fases é igual a V eficazes. Nessas condições, o valor da corrente de linha, em amperes, é aproximadamente igual a (A) 5 (B) 8 (C) 4 (D) 454 (E) 558 No circuito da figura acima, a carga A consome W com fator de potência,8 atrasado, a carga B apresenta potência aparente de VA com fator de potência,6 atrasado e a fonte de tensão V S é de 4 V (rms) com frequência de oscilação de rad/s. A capacitância C, em microfarads, que deve ser ligada em paralelo às cargas para que o circuito apresente fator de potência unitário é (A) 5 (B) 75 (C) (D) 75 (E) 45 4 Plano s -4 - j -j Um sistema linear, contínuo e invariante no tempo, apresenta a configuração de polos e zeros do seu modelo em malha aberta, mostrada no diagrama acima. Para discretizar este sistema, a fim de aplicar um controle digital, a escolha do período de amostragem deve considerar os seguintes critérios:. satisfazer a Taxa de Nyquist;. a frequência angular de amostragem não pode ser superior a 5 (cinco) vezes a largura de banda do sistema. De acordo com os limites impostos acima, o valor do período de amostragem escolhido, em ms, deverá estar contido na faixa de (A) 5 a 6 (B) a 5 (C) 5 a 7 (D) 4 a 8 (E) 8 a j

14 4 4 Hj ( ) db [ rad/s] A figura acima mostra diagramas de Bode em amplitude para uma função de transferência arbitraria H(s) de ª ordem. As três curvas foram obtidas pela variação de um dado parâmetro do sistema. Sobre este diagrama, considere as seguintes afirmativas: I II III IV - a curva que apresenta o pico máximo tem a menor razão de amortecimento; - a amplitude de db ocorre na frequência de rad/s, para todas as curvas; - o sistema, cujo diagrama apresenta o pico máximo, tem os pólos sobre o eixo imaginário; - a Função de Transferência obedece ao seguinte limite: lim [H(s)] = 4, para todas as curvas. s É(São) correta(s) APENAS a(s) afirmativa(s) (A) I e II. (B) II e III. (C) III e IV. (D) I, II e III. (E) I, II e IV. 4 Módulo [db] -,, 8 Fase [Graus] 9-9,, Frequência [rad/s] Considere os diagramas de Bode em Módulo e Fase, mostrados nas figuras acima. A função de transferência, cuja resposta em frequência mais se aproxima do diagrama, é s (A) s,5s s (B) s s (C) s s s (D) s s,5s (E) s,5s 4

15 4 Seja um sistema linear e invariante no tempo definido pelo seu modelo em espaço de estados: 45 p(t) x x u x,5 x 4 x y x A função de transferência Y(s)/U(s) é (A) s,5 s,5 (B) s,5 s,5 s,5 s,5 (C) s,5 s,5 s,5 (D) s,5 s,5 s,5 (E) s,5 s,5 s, u(t) + + y(t) Considere o pulso p(t) mostrado na figura acima. A Transformada de Fourier deste pulso é dada pela seguinte expressão: P O valor da constante K é: (A) 4 (B) j4 (C) j4 (D) (E) j 46 T Ksen v(t) A T t - -A t O diagrama em blocos da figura acima mostra um sistema linear, de a ordem, composto de dois integradores, somadores e ganhos. A entrada é u(t) e a saída y(t). A função de transferência deste sistema é: (A) (C) (E) Ys 5s Us s s Ys 5s Us s s Ys s 5 Us s s (B) (D) Ys 5 Us s s Ys 5s Us s s Considere o sinal periódico v(t) mostrado na figura acima. Os pulsos têm amplitude A, largura e se repetem com período T em segundos. Com base nesses dados, analise as afirmativas a seguir. I - O valor médio de v(t) é zero. II - Os coeficientes da série complexa de Fourier são grandezas reais. T III - Os harmônicos de ordem par serão nulos se. É(São) correta(s) a(s) afirmativa(s) (A) I, apenas. (B) I e II, apenas. (C) I e III, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III. 5

16 47 Um sinal discreto e causal é representado por uma sequência x(n) que, no domínio da variável z, é representada pela função: Xz 5z 7z z z Os três primeiros valores da sequência x(n), ou seja, x(), x() e x(), respectivamente, são (A), 5 e 8 (B), 8 e 4 (C) 5, 7 e 4 (D) 5, 8 e 4 (E) 8, 4 e 6 48 X(z) 5 + z - z - + Y(z) 49 Um sinal de MHz de banda será transmitido por meio de um cabo coaxial, cuja atenuação, nesta faixa de frequência, é de 4 db/km. A potência do transmissor é de W e o receptor tem sensibilidade de recepção de W, ou seja, abaixo desta potência o receptor não detecta o sinal. Com base nesses dados, qual a distância máxima em linha reta, medida em km, em que o receptor deve ser instalado para que ocorra a recepção do sinal? (A) 5, (B) 6,5 (C) 9, (D),5 (E) 4, Considere os dados a seguir, para responder às questões de n os 5 e 5. Um sistema linear apresenta a seguinte configuração em malha fechada: R(s) K Y(s) s(s+) + - z - -8 z - Aplicando um impulso unitário na entrada deste sistema, o sinal y(t) de saída será da forma: O diagrama em blocos da figura acima mostra um filtro digital, tendo X(z) como entrada e Y(z) como saída. A expressão da função de transferência (A) (C) (E) Hz Hz Hz z z z z8 z z 5 z z8 5z z z z8 (B) (D) Hz Hz Hz Y z Xz é z z8 5z z z z 5 z 8z -s t y(t) = Me sen( t) 5 Considerando que = 4 rad/s, o valor do ganho K é: (A) 85 (B) 5 (C) 45 (D) 4 (E) 5 5 O valor da constante M na expressão da resposta y(t) em função do ganho K é: (A) K (B) K 5 K (C) K 5 (D) K (E) K 6

17 5 Um sistema linear e discreto é modelado em espaço de estado com as seguintes equações: Este sistema é não controlável nos pontos de uma reta do plano a x b, cuja equação é dada por: a = Mb + N As constantes M e N são, respectivamente, (A) (B) (C) e e e (D) e (E) e X( k ) X( k) u( k) a b y( k) = [ ] X( k) Considere a figura e os dados abaixo para responder às questões de n os 5 a 55. u(t) Planta (s 4) (s 6s + ) Compensador H(s) y(t) A figura ilustra uma planta industrial controlada por meio de um compensador H(s). O modelo da planta está representado na figura por sua função de transferência. 5 Se for utilizado um compensador estático, isto é, H(s) = K, com K >, então a planta (A) não poderá ser estabilizada, tendo em vista que a função de transferência da planta apresenta um par de polos no semiplano s direito. (B) não poderá ser estabilizada, pois mesmo variando-se o ganho K do compensador, ainda restarão polos de malha fechada no semiplano s direito. (C) poderá ser estabilizada para qualquer valor de ganho K positivo. (D) poderá ser estabilizada a partir de certo valor de ganho K positivo, tendo em vista que a função de transferência de malha aberta possui grau relativo e apresenta um zero no semieixo real negativo do plano s. (E) poderá ser estabilizada, tendo em vista que, a partir de certo valor de ganho K positivo, os polos de malha fechada seguirão duas assintotas no semiplano s esquerdo. 54 Para estabilizar a planta e fazer com que o lugar das raízes (root locus) passe em s = -, o compensador utilizado deverá ser: K(s ) K(s 5) (A) (B) (s 9) (s ) (C) (E) 55 K(s 5) (s,5) K(s+) (s+5) (D) K(s -5) (s -) Considere que tenha sido utilizado o compensador 5(s ) H(s). Com relação à capacidade da saída y(t) s de o sistema em malha fechada rastrear os sinais aplicados em u(t), caso seja aplicado um sinal do tipo (A) degrau em u(t), a saída y(t) irá rastrear com erro nulo a entrada u(t). (B) degrau em u(t), a saída y(t) irá rastrear com erro constante a entrada em u(t). (C) degrau em u(t), a saída y(t) não conseguirá rastrear a entrada em u(t). (D) rampa em u(t), a saída y(t) irá rastrear com erro nulo a entrada em u(t). (E) parábola em u(t), a saída y(t) irá rastrear com erro nulo a entrada em u(t). 7

18 56 57 r(s) K + + _ u(s) H(s) y(s) ( P).L K L P Um sistema linear com função de transferência Hs = s está submetido a uma malha de con- +4s 5 4 P trole, conforme indicado no diagrama de blocos acima, em 5 que K e K são ganhos (constantes reais). As P especificações para o sistema em malha fechada são: - frequência natural não amortecida de rad/s; - erro de estado estacionário nulo para a resposta ao de- L Tempo [s] grau em r(t). Os valores de K e K que atendem às especificações são, respectivamente, P Tempo [s] (A) (B) 5 e 7 e 5 (C) e 5 (D) e 7 (E) e 5 O Grafcet da figura acima é tipicamente utilizado no controle de sistemas de fabricação sequenciais. As entradas são os sinais binários P e L. A notação X indica a detecção da borda de subida do sinal binário X, isto é, a passagem do nível lógico para o nível lógico. Considerando que em t = apenas a etapa estava ativa e que as entradas se comportaram de a s, conforme indicado nos gráficos, as etapas ativas em t = s são: (A) e 4 (B), e 4 (C) e (D), e 4 (E), e 5 8

19 58 6 ferro T = ºC T = ºC constantan constantan T v o T 4 voltímetro T = T = ºC 4 X Tempo [s] No programa LADDER da figura acima, X, Y e C são variáveis booleanas na memória de um CLP, e TON é um temporizador com atraso no acionamento, com tempo especificado em segundos. Considere que, em t =, todas as variáveis estejam em nível lógico e o temporizador, zerado. Se X possui o comportamento especificado no gráfico, o tempo total, em segundos, em que Y permanece em nível lógico no intervalo de a 5s, é (A) 6 (B) 8 (C) 9 (D) (E) 59 Um strain gage, com resistência inicial R o = e fator gage Sg =, forma com mais três resistores uma ponte de Wheatstone, alimentada com 4V. Os resistores foram ajustados para que haja equilíbrio na ponte, quando o esforço sobre o strain gage for nulo. Se o strain gage encontra-se submetido a uma deformação = 6 m/m, a tensão de saída, medida entre os terminais de equilíbrio da ponte, em mv, é (A), (B),6 (C), (D),6 (E) 6,4 Um voltímetro é utilizado para medir a tensão de saída de um termopar Ferro-Constantan, como indicado na figura acima. Sabe-se que as sensibilidades do ferro e do constantan em relação à platina a o C são, respectivamente, 8,5 V/ o C e -5 V/ o C. A tensão de saída, em mv é (A),77 (B),7 (C) 9,6 (D) 4,6 (E), 6 Um transdutor piezoelétrico possui capacitância de pf e sensibilidade de carga de,4-8 C/mm. O osciloscópio utilizado para as medidas possui uma impedância de entrada de MW em paralelo com 5 pf e o cabo de conexão possui uma capacitância de pf. Para o sistema de medida completo, a sensibilidade de alta frequência, em V/mm, e a constante de tempo, em milissegundos, são, respectivamente, (A),8 e 5 (B),6 e,5 (C),6 e 5 (D), e,5 (E), e,5 6 Numa dada tubulação, um manômetro é conectado a um medidor de vazão do tipo placa de orifício com coeficiente,6, sendo que a área do orifício é de - m. Considere que o fluido seja incompressível e tenha densidade de 8 kg/m e que a aceleração da gravidade seja m/s. Se a leitura do manômetro for 6 kpa, a vazão do fluido, em m /s será: (A),8 - (B),6 - (C),8 - (D),6 - (E) 7, - 9

20 6 vazão O A A figura acima apresenta um esquema de medição de vazão mássica de um fluido incompressível num duto. O orifício A é perpendicular à vazão do fluido. B é um tubo Pitot com extremidade sensora posicionada na direção de vazão do fluido, conforme mostra a figura. M é um manômetro com suas extremidades conectadas às saídas de A e B. Considere que o fluido possua peso específico,8 kg/m e que a aceleração da gravidade seja m/s. Se a leitura de pressão no manômetro for 4 kpa, a velocidade do fluido no ponto O, em m/s, será: (A) 5 (B) 6 (C) (D) 5 (E) No contexto das redes de computadores, a topologia é a representação geométrica da relação de todos os links com os dispositivos de uma conexão. Dentre as topologias físicas disponíveis para implementação, a estrela ou radial é a mais utilizada, tendo em vista suas vantagens. Uma destas vantagens é o(a): (A) melhor desempenho, devido ao uso de terminadores nas extremidades do backbone. (B) melhor desempenho, resultante da obrigatoriedade do tráfego unidirecional. (C) maior tolerância a falhas, considerando a utilização de repetidores de sinal. (D) maior segurança, como consequência do emprego de links multiponto. (E) maior facilidade no isolamento de falhas, pelo uso de um dispositivo central. 65 Atualmente, no que diz respeito às redes wireless, o padrão 8.g tem se destacado pelas funcionalidades que oferece, ressaltando-se a frequência de operação, o tipo de modulação empregado e a taxa de transmissão padrão, que são, respectivamente, (A),4 GHz / Orthogonal FDM (OFDM) / 54 Mbps (B) 5,5 GHz / Orthogonal TDM (OTDM) / 54 Mbps (C) GHz / Orthogonal TDM (OTDM) / 6 Mbps (D),4 GHz / Longitudinal TDM (LTDM) / 6 Mbps (E) 5,5 GHz / Longitudinal FDM (LFDM) / 8 Mbps B M 66 No que tange às redes de computadores, o recurso Network Address Translation (NAT) foi criado com o objetivo de permitir o aumento da quantidade de computadores com acesso à Internet, como solução à escassez de endereços IPv4. Nessas condições, são empregados endereços IP privados, sendo na classe A definidos na faixa de... a , na B de a e na C de a De acordo com a notação CIDR, nas classes A, B e C, esses endereços são referenciados, respectivamente, como: (A).../, 7.6../ e / (B).../4, 7.6../8 e / (C).../8, 7.6../ e /6 (D).../, 7.6../6 e / (E).../6, 7.6../ e /4 67 No que diz respeito à arquitetura TCP/IP, analise as situações descritas a seguir. I - Um dos serviços disponíveis é configurado no servidor de autenticação do provedor de serviços Internet, por meio do qual a usuária Carolina realiza o seu login, recebendo um endereço IP através de atribuição dinâmica, de modo que Carolina possa navegar na Internet e trocar s. II - Um dos protocolos é configurado na máquina-cliente da usuária CAROLINA e funciona realizando uma varredura no servidor de do provedor de serviço Internet, em processo no qual ocorre a transferência das mensagens de correio para o computador dessa usuária. O serviço e o protocolo mencionados acima são conhecidos, respectivamente, pelas siglas (A) DHCP e POP (B) DHCP e SMTP (C) DHCP e DNS (D) DNS e SMTP (E) DNS e POP

CARGOS DE CLASSE D TÉCNICO DE ELETRÔNICA E TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA: ELETRÔNICA

CARGOS DE CLASSE D TÉCNICO DE ELETRÔNICA E TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA: ELETRÔNICA 7 CEFET CARGOS DE CLASSE D TÉCNICO DE ELETRÔNICA E TÉCNICO DE LABORATÓRIO LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE) 2 a FASE 16 BNDES EDITAL N o N 02/2011 o 01/2012 - () 2 a FASE 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5 (cinco)

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. (FORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. (FORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL) 2 a FASE 10 EDITAL N o 02/2011 (FORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL) 2 a FASE 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

CASA DA MOEDA DO BRASIL

CASA DA MOEDA DO BRASIL 11 CASA DA MOEDA DO BRASIL TÉCNICO INDUSTRIAL ELETRÔNICA PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N o 01/2012 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES O BANCO DO DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS BRASILEIROS BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES JANEIRO / 2008 PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS e acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. FORMAÇÃO: ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE (2 a FASE)

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. FORMAÇÃO: ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE (2 a FASE) 02 TARDE SETEMBRO / 2010 FORMAÇÃO: ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE (2 a FASE) LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este Caderno, com o enunciado das

Leia mais

CASA DA MOEDA DO BRASIL

CASA DA MOEDA DO BRASIL CASA DA MOEDA DO BRASIL SETEMBRO 00 TÉCNICA 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este caderno, com o enunciado das 30 questões das Provas Objetivas,

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Strain Gages e Pontes de Wheatstone Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Referência Aula baseada no material dos livros: - Instrumentação e Fundamentos de Medidas

Leia mais

TÉCNICO(A) DE ESTABILID

TÉCNICO(A) DE ESTABILID 8 TARDE MARÇO / 00 TÉCNICO(A) DE ESTAILID AILIDADE ADE JÚNIOR CONHECIMENTOS OS ESPECÍFICOS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES AAIXO. 0 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com os

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL Esta rápida verificação deve ser executada para comprovar se o instrumento está funcionando corretamente. Ligue o instrumento

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Eletricidade, Máquinas e Medidas Elétricas: 1.1. Princípios da Eletrodinâmica: Tensão Elétrica, Corrente Elétrica, Resistores Elétricos, Potência Elétrica e Leis de OHM; 1.2. Circuitos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

TÉCNICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TÉCNICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 12 CEFET CARGOS DE CLASSE D EDITAL N o 0011/2014, DE 25 DE MARÇO DE 2014 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com

Leia mais

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representada por g. Quando necessário adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e Organização de Memória

Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e Organização de Memória Introdução Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e O Nível de lógica digital é o nível mais baixo da Arquitetura. Responsável pela interpretação de instruções do nível

Leia mais

18 a QUESTÃO Valor: 0,25

18 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a A 0 a QUESTÃO FÍSICA 8 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a QUESTÃO Valor: 0,25 Entre as grandezas abaixo, a única conservada nas colisões elásticas, mas não nas inelásticas é o(a): 2Ω 2 V 8Ω 8Ω 2 Ω S R 0 V energia

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

Introdução. Aplicações

Introdução. Aplicações Motor de Passo Introdução Os motores de passo preenchem um nicho único no mundo dos motores controlados. Estes motores são usualmente empregados em aplicações de medição e de controle. Aplicações Aplicações

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Pulsos Digitais Pulso positivo: executa sua função quando está em nível alto Pulso negativo: executa sua função quando

Leia mais

1088 - INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. Cópia das transparências sobre: TRANSDUTORES DE POSIÇÃO

1088 - INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. Cópia das transparências sobre: TRANSDUTORES DE POSIÇÃO 1088 - INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL Cópia das transparências sobre: TRANSDUTORES DE POSIÇÃO Prof. Demarchi Capítulo 4 TRANSDUTORES DE POSIÇÃO 4.1 Potenciômetros Resistivos A resistência de um condutor elétrico

Leia mais

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I GESTÃO DA QUALIDADE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I GESTÃO DA QUALIDADE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 7 EDITAL N o 04/2013 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 8 (oito) questões discursivas, sem

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletrônica Calcule a tensão Vo no circuito ilustrado na figura ao lado. A. 1 V. B. 10 V. C. 5 V. D. 15 V. Questão 22 Conhecimentos Específicos - Técnico

Leia mais

Sistemas de Medidas e Instrumentação

Sistemas de Medidas e Instrumentação Sistemas de Medidas e Instrumentação Parte 3 Prof.: Márcio Valério de Araújo 1 Medição de Nível Capítulo VII Nível é a altura do conteúdo de um reservatório Através de sua medição é possível: Avaliar o

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questão 1 Na natureza, muitos animais conseguem guiar-se e até mesmo caçar com eficiência, devido à grande sensibilidade que apresentam para a detecção de ondas, tanto eletromagnéticas quanto mecânicas.

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27 1 FÍSICA Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 01. Considere que cerca de 70% da massa do corpo humano é constituída de água. Seja 10 N, a ordem de grandeza do número de moléculas de água no corpo de um

Leia mais

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal "-" associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal - associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1 1 Números Complexos. Se tivermos um circuito contendo uma multiplicidade de capacitores e resistores, se torna necessário lidar com resistências e reatâncias de uma maneira mais complicada. Por exemplo,

Leia mais

Recuperação Final Física 3ª série do EM

Recuperação Final Física 3ª série do EM COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II SEÇÃO TÉCNICA DE ENSINO Recuperação Final Física 3ª série do EM Aluno: Série: 3ª série Turma: Data: 09 de dezembro de 2015 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Esta prova

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ARQUIVOLOGIA) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ARQUIVOLOGIA) 2 a FASE 18 BNDES EDITAL N o N 02/2011 o 01/2012 - () 2 a FASE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5 (cinco)

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2015 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Uma mola comprimida por uma deformação x está em contato com um corpo de massa m, que se encontra

Leia mais

UNIGRANRIO www.exerciciosdevestibulares.com.br. 2) (UNIGRANRIO) O sistema abaixo encontra-se em equilíbrio sobre ação de três forças

UNIGRANRIO www.exerciciosdevestibulares.com.br. 2) (UNIGRANRIO) O sistema abaixo encontra-se em equilíbrio sobre ação de três forças 1) (UNIGRANRIO) Um veículo de massa 1200kg se desloca sobre uma superfície plana e horizontal. Em um determinado instante passa a ser acelerado uniformemente, sofrendo uma variação de velocidade representada

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL MODELO: CARACTERÍSTICAS 32 Pontos de Entrada / 32 Pontos de Saída. 3 Módulos Básicos: Controlador de Entrada, Simulador de Saída, Contador & Simulador

Leia mais

Introdução. Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Um transdutor é um componente que transforma um tipo de energia em outro.

Introdução. Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Um transdutor é um componente que transforma um tipo de energia em outro. SENSORES Introdução Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Num circuito eletrônico o sensor é o componente que sente diretamente alguma característica física do meio em que esta inserido,

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS Neste capítulo será apresentada uma prática ferramenta gráfica e matemática que permitirá e facilitará as operações algébricas necessárias à aplicação dos métodos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

1 Analise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra.

1 Analise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra. FÍSIC 1 nalise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra. Esse circuito é composto por condutores ideais (sem

Leia mais

SISTEMAS DE CONTROLE II

SISTEMAS DE CONTROLE II SISTEMAS DE CONTROLE II - Algumas situações com desempenho problemático 1) Resposta muito oscilatória 2) Resposta muito lenta 3) Resposta com erro em regime permanente 4) Resposta pouco robusta a perturbações

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA - SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA - SANTIAGO DO CACÉM p./9 Grupo Disciplinar: 540 Ano Lectivo: 008/009 -Circuitos sequenciais síncronos.. Aplicações com contadores síncronos... Registos. Utilizar circuitos CMOS da série 74HCT ou 4000. Testar o funcionamento

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 24

PROVA ESPECÍFICA Cargo 24 17 PROVA ESPECÍFICA Cargo 24 QUESTÃO 36 Considere que, no algoritmo em alto nível a seguir, V seja um vetor de inteiros contendo 10 posições indexadas de 0 a 9, e as demais variáveis sejam inteiras. 1.

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento 1 2 3 Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento digital - (Sistemas Digitais: Princípios e Aplicações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 CAPACITOR O capacitor é um dispositivo utilizado nos circuitos elétricos que apresenta um comportamento em corrente

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O 2 PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O CÓDIGO DO CARGO/VAGA: V0013 1) Considere um transformador

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Os sistemas elétricos estão sujeitos a sobretensões de origem externa e interna, cuja ocorrência pode ser evitada com a instalação adequada de para-raios na rede elétrica. No que se refere a esse assunto,

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL MÉDIO CARGO: Técnico da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Técnico 1 Padrão I (TM11) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

a) Estime o intervalo de tempo t 1 , em segundos, que a bola levou para ir do ponto A ao ponto B. b) Estime o intervalo de tempo t 2

a) Estime o intervalo de tempo t 1 , em segundos, que a bola levou para ir do ponto A ao ponto B. b) Estime o intervalo de tempo t 2 1 FÍSICA Durante um jogo de futebol, um chute forte, a partir do chão, lança a bola contra uma parede próxima. Com auxílio de uma câmera digital, foi possível reconstituir a trajetória da bola, desde o

Leia mais

física EXAME DISCURSIVO 2ª fase 30/11/2014

física EXAME DISCURSIVO 2ª fase 30/11/2014 EXAME DISCURSIVO 2ª fase 30/11/2014 física Caderno de prova Este caderno, com dezesseis páginas numeradas sequencialmente, contém dez questões de Física. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Leia mais

CASA DA MOEDA DO BRASIL

CASA DA MOEDA DO BRASIL CASA DA MOEDA DO BRASIL TÉCNICO INDUSTRIAL ELETROTÉCNICA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N o 0/0 0 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com o

Leia mais

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO Parte I Fundamentos Teóricos O que diferencia um microcontrolador (como o 8051) de um microprocessador é o fato de que o primeiro pode apresentar, integrados

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão. Força por unidade de área F A.

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão. Força por unidade de área F A. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão Definição - I Força por unidade de área p = Força (F) grandeza vetorial Área (A) grandeza

Leia mais

CPU Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Pedro Neto

CPU Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Pedro Neto Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Conteúdo 4. i. Introdução ii. O Trabalho de um Processador iii. Barramentos iv. Clock Interno e Externo v. Bits do Processador

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A (1) CONVERSOR A/D APROXIMAÇÃO SUCESSIVA (SAR) A figura

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

S i s t e m a s d e E n e r g i a

S i s t e m a s d e E n e r g i a S i s t e m a s d e E n e r g i a c a t á l o g o d e p r o d u t o s 2 0 1 0 A Analo oferece soluções completas, software e equipamentos para: Supervisão Telemedição Comunicação de dados Supervisão A

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 14 CEFET CARGOS DE CLASSE E EDITAL N o 0011/2014, DE 25 DE MARÇO DE 2014 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS

CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS INTRODUÇÃO Os osciladores são dispositivos cuja função principal é transformar energia CC aplicada, em energia AC. Para que haja essa transformação é necessário

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO Fonte: ANATEL DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 635 A maior intensidade do campo magnético

Leia mais

ENCODERS. Fig 1 - Princípio de funcionamento de um encoder rotativo.

ENCODERS. Fig 1 - Princípio de funcionamento de um encoder rotativo. ENCODERS Este é sem dúvida nenhuma um dos equipamentos mais usados em Automação Industrial e Mecatrônica, pois com ele conseguimos converter movimentos angulares e lineares em informações úteis à nossa

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 4: ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCENTES: Lucas

Leia mais

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 7 p.1/47

Leia mais

Resolução O período de oscilação do sistema proposto é dado por: m T = 2π k Sendo m = 250 g = 0,25 kg e k = 100 N/m, vem:

Resolução O período de oscilação do sistema proposto é dado por: m T = 2π k Sendo m = 250 g = 0,25 kg e k = 100 N/m, vem: 46 c FÍSICA Um corpo de 250 g de massa encontra-se em equilíbrio, preso a uma mola helicoidal de massa desprezível e constante elástica k igual a 100 N/m, como mostra a figura abaixo. O atrito entre as

Leia mais

Sensores - Parte 2 SUMÁRIO 1) SENSORES DE PRESSÃO 2) SENSORES DE TEMPERATURA 3) SENSORES DE VAZÃO 4) SENSORES DE NÍVEL LÍQUIDO REFERÊNCIA

Sensores - Parte 2 SUMÁRIO 1) SENSORES DE PRESSÃO 2) SENSORES DE TEMPERATURA 3) SENSORES DE VAZÃO 4) SENSORES DE NÍVEL LÍQUIDO REFERÊNCIA Sensores - Parte 2 SUMÁRIO 1) SENSORES DE PRESSÃO 2) SENSORES DE TEMPERATURA 3) SENSORES DE VAZÃO 4) SENSORES DE NÍVEL LÍQUIDO REFERÊNCIA KILIAN, Christopher. Modern Control Technology: Components & Systems,

Leia mais

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Clóvis Antônio Petry,

Leia mais