A COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO DE TERESINA, UM EXEMPLO DE PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO DE TERESINA, UM EXEMPLO DE PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA DO BRASIL MESTRADO EM HISTÓRIA DO BRASIL Eliane Rodrigues de Morais A COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO DE TERESINA, UM EXEMPLO DE PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES TERESINA 2010

2 ELIANE RODRIGUES DE MORAIS A COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO DE TERESINA, UM EXEMPLO DE PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós- Graduação em História, do Centro de Ciências Humanas e Letras, da Universidade Federal do Piauí, para obtenção do grau de Mestre em História do Brasil. ORIENTADOR: Prof. Dr. Francisco Alcides do Nascimento TERESINA 2010

3 ELIANE RODRIGUES DE MORAIS A COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO DE TERESINA, UM EXEMPLO DE PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós- Graduação em História, do Centro de Ciências Humanas e Letras, da Universidade Federal do Piauí, para obtenção do grau de Mestre em História do Brasil. Aprovada em, de /2010. BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Francisco Alcides do Nascimento - UFPI Doutor em História Social Orientador Prof. Dr. Alcebíades Costa Filho- UESPI Doutor em História do Brasil Examinador Prof. Dr. Pedro Vilarinho Castelo Branco - UFPI Doutor em História Cultural Examinador

4 AGRADECIMENTOS Este trabalho não é apenas resultado do meu esforço pessoal. Ele é produto tão meu quanto de minhas relações com todos: amigos e amigas, professores e instituições. Entretanto, reconheço a possibilidade de esquecer o nome de alguém e também não conseguir demonstrar, com palavras, a minha gratidão a todos que me ajudaram nessa jornada. Mesmo correndo esse risco, necessário se faz agradecer. Em especial, queria expressar minha imensa gratidão ao professor Francisco Alcides do Nascimento pela generosidade, paciência e confiança nessa proposta de estudo. Mas, principalmente, agradeço as suas valiosas orientações e companheirismo nesse percurso tão árduo, mas compensador. Sempre vou guardar o exemplo de profissional dedicado, responsável, sincero e muito generoso. Obrigada por tudo, principalmente por ter acreditado em mim. Agradeço também a minha família, em especial aos meus pais e irmãos, por sempre me apoiar, incondicionalmente, em todos os momentos de minha vida acadêmica. E esse é mais um resultado do reflexo de suas apostas e incentivos. Ao meu noivo, Junho Silva, pela paciência, pelo amor tranquilo, assim como pela compreensão nos momentos mais incompreensíveis e insuportáveis. Aos amigos que compartilharam comigo o cotidiano de alegria, angústia e descoberta em sala de aula: Ari, Gislane, Gustavo, Jarbas, Leda, Lindalva, Mara, Reginaldo, Rodrigo e, especialmente, Iara Guerra (pessoa imprescindível na 5ª turma. Você é demais! ), João (amigo querido, inteligente e generoso que vai morar sempre no meu coração, independente da distância) e Sônia Mariah (prefiro a Mariah. Amiga, generosa e simples. Exemplo de dedicação). Aos professores do programa: Francisco Alcides do Nascimento, Pedro Vilarinho Castelo Branco, Edwar Castelo Branco, Áurea Paz, Teresinha Queiroz, pelo incentivo, ideias e ajuda ao longo das disciplinas ministradas. Aos professores da Banca de Qualificação: Alcília Afonso e Pedro Vilarinho Castelo Branco, pelas críticas pertinentes que muito me ajudaram e sugestões de leituras. Um

5 agradecimento especial ao Prof. Pedro Vilarinho, por fazer parte de mais uma etapa de minha vida acadêmica como examinador dos meus trabalhos (monografia e dissertação). Além da sua participação no lançamento do meu livro (De Papagaio a Francinópolis, 2008), na condição de cerimonialista e diretor do CCHL. Obrigada, pelo exemplo de simplicidade, inteligência e dedicação. Aos funcionários do Arquivo Público do Piauí, do Conselho Estadual de Cultura, da Oficina da Palavra, da Academia Piauiense de Letras, pelas fontes, livros e materiais concedidos e imprescindíveis a esta pesquisa. A Jonas Morais, pela gentileza em enviar de São Paulo, mais precisamente da Biblioteca da PUC-SP, a volumosa revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História Projeto História, sentidos da comemoração, n. 20. À Profa. da UESPI, Silvana Maria Pantoja dos Santos e sua exorientandanayrlapatrizia Crispiniano Mota, pela atenção e trabalho concedidos sobre H. Dobal. Aos amigos que ganhei na academia no ano de 2001 e que são parte de minha vida: Aline Kelly (sempre sorridente e generosa. Obrigada pela amizade, paciência e materiais concedidos), Luciana, Nilsângela, Raquel, Emília, Mairton Celestino (com sua inteligência e calma, sempre nos faz acreditar que tudo é muito simples. Até fazer uma dissertação), Elson Rabelo (referência de dedicação, inteligência e competência), Zé Maria (amigo maravilhoso e exemplo de que com simplicidade e humildade chegamos aonde queremos), Ana Cristina (amiga até debaixo d água. Exemplo de competência, perseverança e paciência. Admiro-a muito), Marylu Oliveira (Inspirou-me em tudo de melhor que fiz na universidade. Foi, juntamente com Aninha, Zé e Elson meus maiores incentivadores e inspiradores para o ingresso no Mestrado. Mesmo sabendo que ela diz que amizade não se agradece, obrigada pela amizade, torcida, ideias sempre sensatas e por fazer parte de minha vida). Queria também agradecer à torcida de uma pessoa que fui presenteada com sua amizade quando ingressei no mestrado, Warrington Veras. A Rosa Pereira, por ser sempre atenciosa e gentil quando o assunto é revisão ortográfica e ABNT na velocidade da luz. Obrigada por tudo e pela amizade também. À CAPES e ao Programa de Pós-Graduação em História da UFPI, pelo apoio e financiamento.

6 RESUMO Perceber como foram construídas representações sobre a cidade de Teresina observando projetos desejados, manifestações da imprensa e de intelectuais no contexto da sociedade teresinense que marcaram o período das comemorações do centenário de sua fundação é matéria desta pesquisa. O objetivo central é discutir a participação da sociedade teresinense nas comemorações ocorridas em 1952, a partir de três perspectivas. A primeira diz respeito à maneira como o poder público se apropriou do centenário de Teresina, ou seja, fala do ponto de vista inscrito no discurso político que desde décadas anteriores já idealizava a comemoração dos 100 anos de sua fundação. Na segunda, analisamos a atuação da imprensa nas comemorações, observando que, durante os preparativos das festividades, as páginas dos periódicos teresinenses expressaram várias práticas e representações voltadas para esta efeméride. Na terceira, analisamos os modos de percorrer a cidade centenária a partir do livro Roteiro sentimental e pitoresco de Teresina, de H. Dobal, no qual a intenção é identificar um autor que lança múltiplos olhares sobre Teresina e recolhe cacos, traços de suas histórias, lembranças, costumes, tipos humanos, elementos sociais e signos da modernização. Palavras-chave: Centenário, Imprensa, Poder Público, Roteiro, Teresina.

7 10 SUMMARY Understand how representations were built on the city of Teresina observing projects desired, manifestations of the press and intellectuals in the context of the teresinense society that marked the period of the celebrations of the centenary of its foundation is the subject of this research. The central objective is to argue the participation of the teresinensesociety in the occurred commemorations in 1952, from three perspectives. The first one says respect to the way as the public power if it appropriated of the centenarian of Teresina, in the words, it says of the enrolled point of view in the speech politician who since previous decades already idealized the commemoration of the 100 years of its foundation. In second, we analyze the performance of the press in the commemorations, observing that, during the preparations of the festivities, the pages of the periodic teresinenses had expresses several practical and representations come back toward this event. In third, we analyze the ways to cover the centennial city from the book Sentimental and Colorful Script of Teresina, of H.Dobal, in which the intention is to identify an author who lauches multiples looks on Teresina and collectscacos,traces of its histories, souvenirs, customs, human types,social elements and signs of the modernization. Keywords: Centennial, Press, Public Power, Roadmap, Teresina.

8 11 LISTA DE FOTOGRAFIAS Fotografia 01 Saraiva, o Fundador de Teresina...13 Fotografia 02 Placa Conselheiro Saraiva...10

9 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...13 CAPÍTULO I - OITO DIAS DENTRO DE CEM ANOS: A COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO NA PERSPECTIVA DO PODER PÚBLICO Teresina, Teresina vestida como bela aniversariante Produção de uma festa apoteótica Centenário, sucesso frágil...52 CAPÍTULO II O CENTENÁRIO IMPRESSO NOS JORNAIS TERESINENSES Jornalismo e política se confundem A imprensa que representou o centenário Transição sutil, mas opinião tinha prioridade sobre informação Espaço de múltiplas expressões A imprensa atuando no centenário O povo é convocado a participar! Fixando imagens do passado, disputando o presente Teresina é uma ou várias cidades?...88 CAPÍTULO III TERESINA NO OLHAR DE H. DOBAL A cidade não poderia ganhar presente melhor em seu aniversário Itinerários de H. Dobal, roteiros de uma cidade Guia de Gilberto Freyre, uma tradição híbrida e sentimental Esta cidade ardente, poucos homens a trazem na lembrança ou no coração CONSIDERAÇÕES FINAIS FONTES E BIBLIOGRAFIA

10 13 INTRODUÇÃO Pesquisar sobre o centenário de Teresina foi um pretexto para falar sobre a Teresina centenária. O meu interesse por essa temática surgiu em 2008, quando já estava no mestrado. Ao produzir o artigo Moderna e Provinciana para a disciplina História das Cidades Brasileiras, ministrada pelo prof. Francisco Alcides do Nascimento, tive contato com alguns textos que tratam do centenário de Teresina 1. Dessa aproximação, percebi o quanto a produção historiográfica sobre o centenário de Teresina era pequena dentro do conjunto de perspectivas e de fontes que a temática propõe, uma vez que a temática escolhida anteriormente falava de Teresina numa perspectiva literária a partir de seu centenário de fundação. 2 Entretanto, as dificuldades em abordá-la me fizeram observar as várias possibilidades de dizê-la a partir de um leque de possibilidades que não excluíam a perspectiva anterior. Procurando mais informações sobre trabalhos que tratam de comemorações cívicas, observei que as discussões no Brasil crescem em número de produções, principalmente historiográficas. E essa perspectiva é uma tradição europeia que remonta ao século XIX. Para o historiador português Fernando Catroga 3, as ritualizações cívicas dos centenários, propagadas pelos acontecimentos festivos, são, antes, produto de apropriações de tradições religiosas adequadas às aparições modernas que foram inauguradas a partir da Revolução Francesa. No Brasil, as discussões sobre comemorações incorporaram essa tradição cultural europeia e ocupam uma posição central nos debates atuais, especificamente nos encontros de historiadores, a partir das badaladas comemorações dos 500 anos de Brasil, evento que produziu muitas reflexões 4, dentro de uma pluralidade de interesses e perspectivas 1 Para produzir o artigo da disciplina História das Cidades Brasileiras, além de outras leituras, li as monografias: A cidade centenária: o aniversário da cidade como pretexto para a discussão do urbano, de Aline Kelly Brito; Centenário de Teresina: mudanças no espaço urbano e no cotidiano dos teresinenses ( ), de Lenice Lima, e o artigo As comemorações do centenário de Teresina: novas sensibilidades do viver urbano, do historiador Francisco Alcides do Nascimento, apresentado no encontro de História e Patrimônio Cultural, em A temática anterior visava analisar a cidade de Teresina através do Roteiro sentimental e pitoresco de Teresina, de H. Dobal. O título do projeto anterior era: A cidade da saudade: representações sobre Teresina no livro Roteiro sentimental e pitoresco de Teresina, de H. Dobal. O Roteiro, como veremos no terceiro capítulo, foi produzido quando Teresina estava completando um século de fundação, então ele diz de uma cidade de um século com suas tradições, com seu pitoresco e que tem o seu progresso. 3 CATROGA, Fernando. Ritualizações da História. In: A história da História em Portugal séculos XIX XX: da historiografia à memória histórica. Temas e Debates. Coimbra, Dentre os trabalhos mais divulgados destacam-se: Memória e (res)sentimento. São Paulo: Unicamp, Organizado por Maria Stella Bresciani e Márcia Naxara, que contém 24 estudos que discutem memória, história e identidades; Come, mora? Descobrimento, comemoração e nacionalidade nas Revistas Humorísticas Ilustradas. In: Sentidos da comemoração. São Paulo: Projeto História/PUC-SP, 2000, de Mônica Pimenta Velloso; Imaginário histórico e poder cultural: as comemorações do descobrimento. Estudos Históricos, v. 14, n. 26, 2000, de Lúcia Lippi de Oliveira; IV Centenário da cidade de São Paulo: uma cidade entre passado e futuro. São Paulo: Annablume, 2004, de Silvio Luiz Lofego. Existe uma extensa lista de trabalhos publicados

11 14 diferenciadas. Depois disso, tem sido difícil para os historiadores ignorar os festejos comemorativos como abordagem historiográfica. As comemorações do Centenário de Teresina acompanharam essa vertente dominante de uma tradição cultural típica do século XIX, marcada pelas ideias de progresso e modernidade que ainda prevalecem no século XXI. Hoje, esse evento pode ser lembrado como um feriado a mais no calendário dos teresinenses, mas, o de 1952, foi organizado para ser um marco simbólico, não só pela repercussão que teve, mas também pela pluralidade de reflexões que provocou na sociedade teresinense. 5 Nesse sentido, o cenário das comemorações oferece condições históricas de conhecer múltiplos aspectos constitutivos de seu tempo. Teresina assistiu a esse acontecimento no início da década de 1950, período em que os administradores estadual e municipal não economizaram esforços no sentido de transformar Teresina em uma cidade bonita e moderna, de acordo com os padrões estéticos das principais capitais brasileiras. Dentro desse contexto, esse momento é valioso para observar como a sociedade teresinense percebeu e vivenciou o seu próprio tempo, assim como refletir sobre a atuação do poder público, da imprensa e de intelectuais como H. Dobal, 6 naquele momento histórico. Para além dos discursos do poder público, da imprensa escrita ou da literatura, a cidade de Teresina figurou com destaque dentro de múltiplas representações que expõem um descompasso entre a narrativa do poder público, que desejou apresentar a imagem de uma cidade moderna; da mídia impressa, que mostrou os aspectos de uma cidade carente, com inúmeros problemas e, da literatura, que reconstruiu a paisagem de uma Teresina bucólica, simples e acolhedora, indiferente às mudanças pelas quais estava passando. Falar da Teresina centenária nos remete, portanto, a um conjunto de representações de um passado que parecer ter-se conservado no presente, mas que é conflitante. A Teresina da escrita é múltipla. A cidade real permite que os atores sociais que atuavam no poder em anais de encontros de História. No Simpósio Nacional de História Cultural que ocorreu em Goiânia em outubro de 2008, foi criado um minissimpósio intitulado A festa: expressão de sociabilidades e sensibilidades. Nele foi apresentado um grande número de trabalhos que discutiram a comemoração a partir de diversas perspectivas. Sobre a comemoração do centenário de Teresina, existem as monografias do curso de História: BARBOSA, Aline Kelly Brito. A cidade centenária: o aniversário da cidade como pretexto para a discussão do urbano [manuscrito]. Monografia (Graduação) Licenciatura Plena em História-UFPI. 2009; LIMA, Lenice. Centenário de Teresina: mudanças no espaço urbano e no cotidiano dos teresinenses ( ), 2008 e o artigo As comemorações do centenário de Teresina: novas sensibilidades do viver urbano, do historiador Francisco Alcides do Nascimento, apresentado no encontro de História e Patrimônio Cultural, em O 16 de agosto de 1952 é comemorado porque a data representa o ato de mudança da capital de Oeiras para a nova capital da Província do Piauí. 6 Uma apresentação mais detalhada sobre H. Dobal está no terceiro capítulo.

12 15 público, na imprensa local, construam cidades diferentes, e tais leituras estão diretamente relacionadas aos interesses de cada um que as escreveu. Os interesses podem ser políticopartidários, econômicos ou sociais. Teresina é muitas cidades que convivem em uma mesma cidade, para utilizar a expressão de Ítalo Calvino, no clássico Cidades invisíveis 7. Ela geralmente resulta da forma como diferentes sistemas de representações e significados se entrelaçam para dar lugar a uma cultura urbana que está em constante transformação. Por essa razão, uma mesma cidade pode ser representada das mais diversas maneiras, dependendo do ponto de vista daquele que a observa ou das práticas culturais que são realizadas. Esses discursos geralmente motivam um discurso identitário e inventor de tradições que diz muito da relação da própria cidade com a modernidade, sendo fundamentais para se entender as representações culturais que foram instituídas em momentos comemorativos. Analisar como a sociedade teresinense participou das festividades do Centenário, perceber como foram construídas representações sobre a Teresina centenária são alguns dos objetivos desta pesquisa. Trazer à tona as discussões, os projetos, as manifestações da imprensa, as divergências, as especulações e os sonhos que foram vivenciados, no contexto da sociedade teresinense e que tanto marcou esse momento histórico é outra tarefa deste trabalho. Os caminhos escolhidos para a construção desta pesquisa, no sentido de discutir a participação da sociedade teresinense nas comemorações do centenário de Teresina, ocorridas em 1952, se dão a partir de três perspectivas. A primeira diz respeito à maneira como o poder público atuou no centenário de Teresina, ou seja, a perspectiva inscrita no discurso político que desde décadas anteriores já idealizava a comemoração dos 100 anos de fundação. Na segunda, analisamos a atuação da imprensa nas comemorações, observando que, durante os preparativos das festividades as páginas dos periódicos teresinenses expressaram várias práticas e representações voltadas para esta efeméride. Na terceira, analisamos os modos de percorrer a cidade centenária a partir do Roteiro sentimental e pitoresco de Teresina (1992), de H. Dobal, onde a intenção é identificar autor que lança múltiplos olhares sobre Teresina e recolhe cacos, traços de suas histórias, lembranças, patrimônios, costumes, tipos humanos, elementos sociais e signos da modernização. Teremos, então, três grupos documentais que serão empregados no desenvolvimento desta pesquisa, produzidos em momentos diferentes, dentro de um recorte temporal que vai do 7 CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

13 16 final da década de 1930 a meados da década de O primeiro diz respeito às ideias que giravam em torno de modernizar, sanear e comemorar a Teresina centenária. É o que designamos como fonte oficial e se encontra no Arquivo Público do Piauí Casa Anísio Brito. Trata-se de mensagens governamentais e Diários Oficiais. Essas fontes não se constituem enquanto documentação inédita, pois já foram utilizadas em estudos anteriores que abordaram as comemorações do centenário de Teresina. Nesse sentido, consideramos aqui a sugestão de Laura de Mello e Souza, quando afirma que o historiador só pode trabalhar com documentos que existem: não pode inventá-los, mas pode reinventá-los, lê-los com novos olhos 8. O segundo grupo documental se constitui de notícias e opiniões relacionadas à atuação da imprensa nas festividades do centenário que circularam à época. Dentre os periódicos pesquisados destacam-se: A Cidade, A Luta, Jornal do Comércio, Jornal do Piauí, O Dia, O Piauí e O Pirralho. Nesse grupo de documentos, que também estão disponíveis no Arquivo Público do Piauí Casa Anísio Brito, encontramos uma imprensa que ora se apresenta divulgando as atividades do centenário que estavam sendo planejadas, ora se apresentam nas disputas político-partidárias que permearam a organização do evento, ou também mostrando os problemas que a cidade enfrentava. Nessa situação, a imprensa afirma-se como mediadora entre os cidadãos e o governo e ainda como peça fundamental do funcionamento das festividades. O terceiro grupo diz respeito ao livro Roteiro sentimental e pitoresco de Teresina (1992), de Hindemburgo Dobal Teixeira, mais conhecido como H. Dobal. Livro de crônicas produzido numa época em que Teresina estava passando por modificações para as comemorações do seu aniversário de centenário. As transformações da cidade reforçaram os laços de afetividades do escritor com a cidade natal. Nesse sentido, H. Dobal olha a cidade atentando para o que acredita que merece ser conservado ou reconstituído na sua paisagem física e social. Assim, traça o roteiro de como se vive em uma cidade, a partir da rememoração de suas lembranças. A propósito, o gênero de escrita sentimental aqui proposto faz parte de uma tradição que foi introduzida no Brasil por Gilberto Freyre a partir do seu Guia prático, histórico e sentimental da cidade do Recife, publicado em cinco edições. Ao prefaciar a 5ª, o historiador pernambucano Antônio Paulo Rezende ressalta que: Recife era a 8 SOUZA, Laura de Mello e. Desclassificados do ouro: a pobreza mineira no século XVIII. Rio de Janeiro: Graal, 2004, p. 28.

14 17 primeira cidade do Brasil a ter o seu guia e que nesta obra são traduzidas as saudades do passado, mas com uma forma leve de expressá-las. 9 As crônicas que compõem o Roteiro formam um conjunto de textos que serão usados neste trabalho como testemunho de uma época. Na análise dessas crônicas, enquanto documento histórico, procuramos analisar as representações construídas sobre a Teresina centenária. A crônica tem um formato de narração muito particular, retratado pela relação ficção e história. Dessa forma, para Margarida de Souza Neves 10, as crônicas se apresentam como imagens de um tempo social e como narrativas do cotidiano não como dados, mas como construções aqui consideradas documentos. Foram realizadas pesquisas em fontes primárias que tratam, principalmente, das ideias que giravam em torno da modernização e comemoração do centenário de Teresina, e hemerográficas, que nos dessem subsídios para a discussão sobre a atuação da imprensa nessa efeméride, encontradas no Arquivo Público do Piauí, Casa Anísio Brito. Para a realização desta pesquisa houve uma leitura prévia de documentos, seleção, registro e análise de informações nas diversas fontes encontradas. Além da pesquisa documental, foi essencial a pesquisa bibliográfica em obras pertinentes ao tema. Como o trabalho se apropria de diferentes práticas e representações sobre Teresina, nesta pesquisa utilizamos também como metodologia uma estratégia conhecida como montagem por contraste e superposição 11, na qual procuramos articular várias representações de Teresina, ou seja, as que falam da cidade moderna, problemática, e a provinciana. Essa metodologia sugerida por Walter Benjamin, que oferece explicações para a leitura do passado, nos dá a possibilidade de articular peças em composição ou justaposição, cruzando-se em todas as combinações possíveis, de modo a revelar analogias e relações de significado, ou então se combinam por contraste, a expor oposições ou discrepâncias. 12 Metodologicamente, também seguimos a indicação do historiador Roger Chartier (1990) para tentarmos compreender a potencialidade do discurso jornalístico na historicidade da sua produção e na intencionalidade da sua escrita. 13 O que nos permitiria ver como, além de acompanhar o movimento da história, a própria imprensa também se faz sujeito do 9 REZENDE, Antônio Paulo. As múltiplas cidades de Calvino e Freyre. In: FREYRE, Gilberto. Guia prático, histórico e sentimental da cidade do Recife. São Paulo: Global, 2007, p NEVES, Margarida de Sousa. Uma escrita do tempo: memória, ordem e progresso nas crônicas cariocas. In: CÂNDIDO, Antônio (et al). A crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Campinas: Unicamp, Rio de Janeiro: Fundação Casa Rui Barbosa, 1992, p PESAVENTO, Sandra Jatahy. Muito além do espaço: por uma história cultural do urbano. In: Estudos históricos. Rio de Janeiro, v. 8, n. 16, PESAVENTO, Sandra Jatahy. História e História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2008, p CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand, 1990, p. 63.

15 18 processo histórico. 14 O primeiro passo foi então investigar a historicidade daquela produção jornalística, tentando compreender desde suas possibilidades técnicas até, o reconhecimento social do jornalismo enquanto instância legítima de leitura dos acontecimentos, até sua atuação na comemoração do centenário de Teresina. Os conceitos que passam a ser centrais para esta dissertação são os de prática e representação, formulados por Roger Chartier. 15 As representações, para o historiador, são essas formas de pensar o mundo, fazer uma leitura da sociedade em que os indivíduos vivenciam as suas práticas cotidianas. No início da década de 1950, o poder público, a imprensa e H. Dobal apresentaram uma forma de ver o mundo, a partir das representações sobre a cidade de Teresina. O centenário de Teresina naquele período estimulou a expressar formas de ver, viver e fazer a cidade, tendo como suporte, representações desejadas, negativas, melancólicas e positivas. Sabendo da infinidade de sentidos que a noção de representação evoca, Chartier (1990) a propõe como a presentificação do ausente, a transformação em próximo daquilo que se encontra distante, que assume parcialmente poderes e efeitos referentes ao que está longe. 16 Em síntese, a noção de representação, para o referido autor, não só deixa ver uma ausência, mas estabelece a diferença entre aquilo que representa (o representante) e o que é representado. É exatamente nesse sentido que a Teresina centenária será analisada. A noção de prática que Chartier (1990) propõe está relacionada ao de representação, no sentido de que mesmo as representações coletivas mais elevadas só têm existência, na medida em que comandam atos. 17 Como exemplos de práticas relacionadas ao centenário de Teresina, podemos citar a concretização do poder público em comemorar o centenário de Teresina a partir de uma prática europeia de comemorar festa cívica. A materialização dessa prática está representada nos documentos oficiais, como mensagens governamentais, na imprensa escrita e em livros como o Roteiro sentimental e pitoresco de Teresina, de H. Dobal. Quando nos propusemos a discutir a participação da sociedade teresinense nas comemorações do centenário de Teresina, dialogamos, primeiramente, com trabalhos que leem a cidade a partir de olhares tão múltiplos como reveladores. O clássico Tudo que é sólido 14 MARIANI, Bethania. Os primórdios da imprensa no Brasil (ou: de como o discurso jornalístico constrói memória). Discurso fundador a formação do país e a construção da identidade nacional. Campinas: Pontes, 1993, p CHARTIER, Roger. A história cultural: entre as práticas e representações. Lisboa: Difel, Ibid., p CHARTIER, Roger. O mundo como representação. In: Estudos avançados. Jan-abr. São Paulo: USP. 11 (5), 1991, p

16 19 desmancha no ar, de Marshall Berman 18, discute o termo modernidade através de sua concepção de mundo, tentando imprimir-lhe um caráter crítico. Para Bermam (2007), a modernidade seria delimitada pelas novas experiências dos homens: o local onde vive o tempo que passa, a sua percepção totalmente nova de mundo. Essas características são paradoxais, visto que ao mesmo tempo em que une todos os homens, separa-os por um abismo inegável e profundo. Não existiria, então, um termo pleno para modernidade, pois sua vivência é discrepante em todos os pontos do globo. A modernidade seria, portanto, um turbilhão de permanente desintegração de mudança. Em Cidades invisíveis, Ítalo Calvino 19 sugere que podemos estabelecer traços que desenham a cidade a partir de uma articulação entre literatura e história, enquanto conteúdo e forma de construção de texto. Seja pelas suas memórias, seja como objeto, ou pelos seus símbolos. Para Calvino, as cidades possuem uma dimensão que vai muito além dos limites de local de produção de mercadorias ou prestação de serviços. Elas constituem um universo repleto de símbolos que dão sentido à sua existência e a seus citadinos. Sandra Jatahy Pesavento 20, ao se voltar para as representações como forma de abordagem do real, nos sugere construir uma forma de acesso ao urbano, através da visão literária que dá a ver como ideias e imagens reapropriadas em tempos e espaços diferentes, ou seja, de Paris a Porto Alegre, passando pelo Rio de Janeiro, as especificidades do local se articulam com a ressemantização do mito da modernidade urbana. A partir de tais enfoques, esses autores constituíram-se no ponto de partida de nossa busca por leituras que pudessem contribuir para a elaboração de uma nova possibilidade de narrar à história da cidade de Teresina. E essa é uma proposta da história cultural. Na leitura do Roteiro de Dobal, no terceiro capítulo, tomamos por base pressupostos teóricos de Walter Benjamin acerca da figura do narrador. Assim, nos referimos a Dobal como um cronista narrador, na perspectiva de Walter Benjamin. Para Benjamin, a figura do narrador só se torna plenamente tangível a partir de dois grupos, que se interpenetram de múltiplas maneiras: aquele que viaja e tem muito a contar, e com isso imagina o narrador como alguém que vem de longe e, aquele que ganhou honestamente sua vida sem sair do seu país e que conhece suas histórias e tradições. 21 Dobal, mesmo tendo sido uma pessoa que morou em muitos lugares, inclusive outros países, na época da produção do Roteiro, 1952, 18 BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2007, p CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das Letras, PESAVENTO, Sandra Jatahy. O imaginário da cidade: versões literárias do urbano Paris, Rio de Janeiro, Porto Alegre. Porto Alegre: UFRGS, BENJAMIN, 1994, p. 198.

17 20 ainda não havia saído do país. Ausentou-se de Teresina por pouco tempo, no ano de 1948, para ir a São Luís devido à aprovação em concurso público para o cargo de Oficial Administrativo, assumido na Estrada de Ferro São Luiz-Teresina, onde tomou posse no dia primeiro de setembro de Em São Luiz do Maranhão, ficou só o tempo necessário para ser chamado para assumir o cargo de Oficial Administrativo no Fomento Agrícola, na cidade de Teresina. 23 Com isso, Dobal se enquadra no segundo grupo proposto por Benjamin, ou seja, o que narra com propriedade sobre uma cidade centenária observando as modificações pelas quais estava passando sua fisionomia urbana, assim como suas histórias e tradições sem ter saído de sua terra natal ou país. Dobal, na época, ainda estava enraizado a sua terra natal Teresina. Outras leituras que apresentam trabalhos abordando as temáticas das comemorações também foram sendo incorporados na pesquisa, dentre eles destaca-se o livro IV Centenário da cidade de São Paulo: uma cidade entre passado e futuro, de Sílvio Luiz Lofego, que apresenta uma discussão sobre os diferentes sentidos e interesses que envolvem as festividades sobre o IV Centenário da cidade de São Paulo, que ocorreu em O autor entende que a comemoração adquire historicidade própria, tal como se pode falar em história política, econômica ou social, e conquanto elas não se excluam do universo comemorativo, assim pode-se falar também numa história das comemorações. 24 A comemoração não implica apenas em hinos, feiras, exposições e outras manifestações festivas, mas há também o lugar da história na sociedade que quer, assim, ser celebrada. 25 O contato com o artigo de Mônica Pimenta Velloso, Comê, morá? Descobrimento, comemoração e nacionalidade nas revistas humorísticas ilustradas 26, foi importante para observarmos que a ideia de comemoração pode ser compreendida dentro do contexto das festas comemorativas da nacionalidade, que muitas vezes revelam os conflitos da própria sociedade que comemora. Diante do exposto, a estrutura do trabalho esta organizada em três capítulos. No primeiro capítulo, Oito dias dentro de cem anos: a comemoração do centenário de Teresina na perspectiva do poder público, analisaremos as ideias de modernização pensadas pelo poder público assim como para a produção da festa comemorativa do Centenário de Teresina. Para 22 SILVA, Halan Kardeck F. As formas incompletas: apontamentos para uma biografia. Teresina: Oficina da Palavra/Instituto Dom Barreto, 2005, p Ibid., p LOFEGO, Silvio Luiz. IV Centenário da cidade de São Paulo: uma cidade entre passado e futuro. São Paulo: Annablume, 2004, p Ibid., p VELLOSO. Mônica Pimenta. Comê, morá? Descobrimento, comemoração e nacionalidade nas revistas humorísticas ilustradas. In: Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC São Paulo. São Paulo: EDUC, 1981, p. 129.

18 21 esta comemoração, o poder público, em sua instância estadual e municipal, mobilizou um esforço nada comum para o conjunto de atividades que pretendia desenvolver. A cidade de Teresina experimentou modificações significativas no seu espaço físico, onde foram alteradas e reformadas ruas, construídos novos espaços públicos, prédios e monumentos. As mudanças se estenderam aos teresinenses no que diz respeito ao seu modo de ser, se divertir, se comportar e tratar a cidade. Entretanto, ao se debruçar no passado para nele buscar as fontes simbólicas capazes de construir uma inteligibilidade para o presente, 27 o poder público acabou revelando os conflitos da cidade e da própria sociedade que ora se comemorava. No segundo capítulo, O centenário impresso nos jornais teresinenses, traçamos um panorama da atuação da imprensa teresinense na comemoração do Centenário de Teresina, com o objetivo de analisar suas potencialidades, que de um lado divulgou as atividades que estavam sendo planejadas e, de outro se divulgaram as disputas político-ideológicas que permearam a organização do evento, ou, ainda, mostrando os problemas que a cidade enfrentava. A imprensa afirma-se como mediadora entre os cidadãos e o governo e também como peça fundamental do funcionamento das festividades. No terceiro capítulo, Teresina no olhar de H. Dobal, refletiremos sobre os modos de percorrer a cidade centenária, com o objetivo de analisar as representações construídas sobre Teresina no Roteiro de Dobal. A intenção é identificar um Dobal que lança múltiplos olhares sobre Teresina e recolhe cacos, traços de suas histórias, lembranças, patrimônios, costumes, tipos humanos, elementos sociais, signos da modernização, enfim, um Dobal que identifica uma Teresina, que, de um lado, resiste às exigências que estão nas decisões do poder e, de outro, se mostra tentando acompanhar as modernizações das grandes capitais. 27 VELLOSO. Mônica Pimenta. Comê, morá? Descobrimento, comemoração e nacionalidade nas revistas humorísticas ilustradas. In: Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC São Paulo. São Paulo: EDUC, 1981, p. 129.

19 22 CAPÍTULO I. OITO DIAS DENTRO DE CEM ANOS: A COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO DE TERESINA NA PERSPECTIVA DO PODER PÚBLICO Para a comemoração do Centenário de Teresina o poder público, em sua instância estadual e municipal, mobilizou um esforço nada comum para o conjunto de atividades que pretendia desenvolver. A cidade de Teresina experimentou modificações significativas no seu espaço físico, onde foram alteradas e reformadas ruas, construídos novos espaços públicos, prédios e monumentos. Mas, as mudanças se estenderam aos teresinenses no que diz respeito ao seu modo de ser, se divertir, se comportar e tratar a cidade. Entretanto, ao se debruçar no passado para nele buscar as fontes simbólicas capazes de construir uma inteligibilidade para o presente, 28 o poder público acabou revelando os conflitos da cidade e da própria sociedade que se comemora. A atuação do poder público desde décadas anteriores para a comemoração do centenário de Teresina nos dá a dimensão da sua marca fundamental: a tentativa de construir uma tradição de forte conteúdo simbólico. E o trabalho do grupo dirigente, como poder constituído, é ser o anunciador dessa festa, numa época em que Teresina vivia num tempo de controvérsias e de tímido desenvolvimento econômico. 29 Nesse sentido, o poder público tem aí o seu lugar como emissor autorizado 30 na construção de um marco simbólico da história de Teresina. Os documentos que utilizaremos neste capítulo, como Mensagens governamentais, relatórios publicados no Diário Oficial e jornais, revelam caminhos de investigação da história da cidade que possibilita a análise das ações e projetos imaginados ou implementados pelos representantes do poder constituído para a cidade que estava completando um século de fundação. Apresentam, assim, os problemas que assolavam a cidade, as soluções por vezes apresentadas. Fornece-nos, então, mais do que um reflexo dessas ações ou argumentos do poder público, podem ser vistos como representações construídas sobre a cidade do passado. Como o plano volta-se sempre para o futuro, podemos inferir, através da análise desses documentos, três imagens fundamentais: em primeiro lugar, identifica-se a cidade desejada e 28 VELLOSO. Mônica Pimenta. Comê, Morá? Descobrimento, comemoração e nacionalidade nas revistas humorísticas ilustradas. In: Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC São Paulo. São Paulo: EDUC, 1981, p MENDES, Felipe. Economia e desenvolvimento no Piauí. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves. 30 De acordo com Michel de Certeau, a modernidade, através da instituição de múltiplos locutores, apaga a figura do locutor único, Deus, que pela palavra divina determinava o lugar dos homens na terra. No caso do poder público, utilizamos essa expressão dado ao seu lugar, socialmente instituído, como lugar privilegiado de fala. (1994, p. 229/230)

20 23 sonhada, a projeção de um futuro que deve dar conta das mudanças almejadas; em segundo, podemos localizar a cidade do presente, que é percebida por especialistas como uma cidade que precisa ser modernizada, saneada; por último, revela uma cidade que precisa ser destruída, que não deve permanecer no tempo. 31 É nossa intenção analisar, neste capítulo, a atuação do poder público na comemoração do centenário de Teresina. Para isso, refletiremos, num primeiro momento, como estava a cidade que se queria comemorar. Em seguida, trataremos da Teresina que se queria para as festividades de seu centenário e, os conflitos que viriam a gerar tais pretensões. E, finalmente, analisaremos de que forma ocorreu a produção da grande festa e seus desdobramentos dentro do contexto da época. 1.1 Teresina, 1952 Agosto de Documentos, edições comemorativas, chamadas na imprensa escrita, produções de obras históricas e a grande festa confirmam: a cidade de Teresina, capital do Estado do Piauí, completa 100 anos de fundação. Mas, que cidade é essa que se quer comemorar? É uma cidade múltipla e essa multiplicidade pode ser considerada histórica. Dos primeiros traçados da cidade planejada por José Antônio Saraiva, ainda no século XIX, que viria como que contrapor à antiga capital, Oeiras, até o ano de 1952, a cidade centenária cresceu entre dois rios Parnaíba e Poti e se estendeu em várias direções que a destacava como a mais importante do Estado do Piauí. Em sua arquitetura centenária estão expostos casarões neoclássicos, Greco-romanos, cinemas art-déco, igrejas com traçados do século XIX que diz de uma cidade que se quer preservar apesar das práticas da modernidade e do capitalismo que elegem o novo como fundamental. Os traçados dessas e outras construções antigas da cidade também representam a marca do tempo. Tempo este que resiste às mudanças socioculturais que coloca a cidade perante a modernidade e seus novos padrões exigentes e excludentes, num cenário em que tradição e modernização se chocam. Também pode ser traduzido como atravessando o sentido das permanências que a velocidade do tempo faz dissolver diante de um presente que anuncia o progresso, mas também de incertezas, crises e contradições. Teresina é uma cidade que nasceu obedecendo a alguma conveniência, mais precisamente, a de atender necessidades comerciais de controle da economia, para evitar 31 GIOVANAZ, Marlise. Em busca da cidade ideal: o planejamento urbanístico como objeto da história cultural. Porto Alegre: Anos 90, n. 14, dezembro de 2000, p

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. A realização de um sonho

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. A realização de um sonho 1 de 5 A realização de um sonho Natalino Salgado Filho É do poeta Paulo Leminski a frase: Haja hoje para tanto ontem. Ela se encaixa com perfeição na realização de um sonho embalado por tantos anos e agora

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2 O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF), NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) E SUA INTERFACE COM O PROGRAMA DE ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUS) Elaine

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. 1 de 5 Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas Natalino Salgado Filho A Universidade Federal do Maranhão teve o privilégio de abrigar nesta semana o I Seminário Patrimônio Cultural & Cidades

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1 Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 Ana Luiza Araujo COSTA anaepietro26@gmail.com Maria Simone

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem.

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem. ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / "Quanto mais Deus lhe dá, mais responsável ele espera que seja." (Rick Warren) LÍDER:

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

Balanço SEMESTRAL da Gestão (Fev/Agosto 2012) Secretaria de Articulação Institucional e Ações Temáticas/SPM

Balanço SEMESTRAL da Gestão (Fev/Agosto 2012) Secretaria de Articulação Institucional e Ações Temáticas/SPM 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 ANEXO II ATA DA 10ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA MULHER REALIZADA NOS DIAS 04 E 05 DE SETEMBRO

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO MENDES, C. A, IFMG - Campus Ouro Preto, c.arcanjomendes@gmail.com; CÂNDIDO, T. F, IFMG - Campus Ouro Preto, thiagoferreira750@yahoo.com.br; SILVA, C.

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento A existência de núcleos citadinos não é um fenômeno contemporâneo. Na verdade, esses núcleos começaram a surgir

Leia mais

CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO

CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE DESPORTO CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO Um estudo em freqüentadores de academia na região do Grande Porto Dissertação apresentada com vista à obtenção do grau

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

SEDE NACIONAL DA CAMPANHA

SEDE NACIONAL DA CAMPANHA Campanha Ponto Final na Violência contra as Mulheres e Meninas SEDE NACIONAL DA CAMPANHA REDE NACIONAL FEMINSTA DE SAÚDE, DIREITOS SEXUAIS E DIREITOS REPRODUTIVOS Avenida Salgado Filho, 28, cj 601. Porto

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI Autoria: Manoel Brito de Farias Segundo (orientador) Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) Caio Méssala da Silva Faustino - Faculdade de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 109 Discurso na cerimónia de comemoração

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR.

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. Jonas da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB DEDC XV jonasnhsilva@hotmail.com jonas.ss@inec.org.br

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT)

A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT) A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT) Rosinei Borges de Mendonça UFMT-Araguaia rosineibm@gmail.com Adriana Queiroz do Nascimento UFMT-Araguaia

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG)

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG) DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Marisa Damas Vieira Comunicadora/ Produtora Cultural Rosani Moreira Leitão Antropóloga/ Coordenadora de Antropologia Museu Antropológico da Universidade

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID Liberato Epitacio de Sousa da Silva - PIBID/UEPB (Bolsista do PIBID de Geografia) Liberatotacio20@hotmail.com

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social O XVIII Concurso do ELAS Fundo de Investimento Social, em parceria com a MAC AIDS Fund, visa fortalecer, por meio de apoio técnico e

Leia mais

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL 1 A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL Colégio Londrinense Alunos(as): Natalia Bergamini da Silva Lucas Tsuchya Hubacek Nasser Nasser Orientadora

Leia mais

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO-UFERSA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO :EDUCAÇÃO AMBIENTAL ALUNA:FRANCISCA IÊDA SILVEIRA DE SOUZA TUTORA: ANYELLE PAIVA ROCHA ELIAS PROFESSORA: DIANA GONSALVES

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS >>> Rodas de Conversa A SEE, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (unicef) e com a colaboração de ONGs,

Leia mais

EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA

EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA ESTEVAN LISKA 1, DENIS DE OLIVEIRA RODRIGUES 1, GUSTAVO COSTA 1, GUSTAVO FIALHO 1, JENNIFER SILVA 1, JOSIAS OLIVEIRA 1, RENAN FERNANDO 1, TAMARES

Leia mais

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Mapa CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal por onde

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MOURA FILHA 1, Maria Berthilde CAVALCANTI FILHO 2, Ivan QUEIROZ 3, Louise Costa GONDIM 4, Polyanna Galvão RESUMO Nos últimos

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo 1 MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo Patricia Santos de Barros/UFRJ A nossa vivência pedagógica situa-se no âmbito do curso de Licenciatura

Leia mais

VIOLÊNCIA GERA VIOLÊNCIA E DO CONTRÁRIO GENTILEZA GERA GENTILEZA

VIOLÊNCIA GERA VIOLÊNCIA E DO CONTRÁRIO GENTILEZA GERA GENTILEZA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL CALDAS JUNIOR SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NOVO HAMBURGO VIOLÊNCIA GERA VIOLÊNCIA E DO CONTRÁRIO GENTILEZA GERA GENTILEZA Professoras: Jane Engel Correa Patrícia

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010 Autoria: Prof. Dr. Introdução Entre os dias 08 e 10 de dezembro de 2010 ocorreu na sede da Etec-Cepam a primeira edição do curso de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso no jantar oferecido pelo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso no encerramento do Fórum

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA Rafael Nóbrega Araújo, graduando em História (UEPB) e-mail: rafaelnobreg@hotmail.com Patrícia Cristina Aragão,

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais