PALAVRAS-CHAVE: Educação em Direitos Humanos; Lei Maria da Penha; violência doméstica e familiar; direitos humanos das mulheres.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PALAVRAS-CHAVE: Educação em Direitos Humanos; Lei Maria da Penha; violência doméstica e familiar; direitos humanos das mulheres."

Transcrição

1 Educação em Direitos Humanos: Uma Análise Sobre o Gibi As Marias em: Maria da Penha Vai às Escola Michele Maria da Silva SOUSA 1 Aléxia Pádua FRANCO 2 RESUMO A Educação em Direitos Humanos, no âmbito escolar, constitui-se como um importante instrumento no sentido de provocar mudanças e transformações sociais, com vistas à construção de uma sociedade mais humana, livre, justa e solidária. Diante disso, esse artigo tem como objetivo abordar a questão dos direitos humanos das mulheres, baseando-se na Lei /2006, mais conhecida como Lei Maria da Penha, por meio da análise do gibi As Marias em: Maria da Penha vai às Escolas!. Perpassando essa análise, pretende-se também verificar outras questões de direitos humanos apontadas no gibi, proceder com análise linguística, bem como, averiguações acerca das Sugestões de Atividades Pedagógicas: Projeto Maria da Penha vai às Escolas que acompanham o material. Para tanto, essa pesquisa foi realizada a partir de estudos bibliográficos, análise de documentos normativos e fonte de estudo em questão. PALAVRAS-CHAVE: Educação em Direitos Humanos; Lei Maria da Penha; violência doméstica e familiar; direitos humanos das mulheres. 1 - INTRODUÇÃO A temática direitos humanos das mulheres cada vez mais tem ocupado lugar de destaque nos debates da sociedade atual. Nesse sentido, a Lei /2006 popularmente conhecida como Lei Maria da Penha, tem assumido crescente relevância e importância na luta pela garantia desses direitos. Tendo em vista esse contexto, o presente artigo tem como objetivo abordar as políticas de conscientização sobre a Lei /2006, por meio da análise do gibi As 1 Pós-Graduada em Educação em Direitos Humanos pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia, inspetora escolar da Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerias - 2 Doutora em Educação, Professora da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Uberlândia - 1

2 Marias em: Maria da Penha vai às Escolas! e das Sugestões de Atividades Pedagógicas: Projeto Maria da Penha vai às Escolas, ambos produzidos e disseminados pelo poder público do estado de Minas Gerais, no âmbito do próprio Estado, através da Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social SEDESE e Secretaria de Estado de Educação SEE. Para isso, inicialmente, apresentaremos o contexto de elaboração da Lei Maria da Penha, no âmbito da legislação nacional e internacional sobre os direitos humanos. Em seguida vamos apresentar e analisar o material didático em questão, observando sua relação com a proposta de Educação em Direitos Humanos apontada no Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Além disso, analisaremos se a variedade linguística empregada é adequada aos personagens, ao contexto de produção e ao público-alvo. 2 - Direito das Mulheres: uma questão de direitos humanos Pode-se dizer que a humanidade, na forma de seus representantes, tem avançado na tentativa de assegurar à pessoa humana a garantia de seus direitos fundamentais enquanto seres humanos que são. Pelo menos no plano normativo isso é perceptível. É possível elencar documentos importantes, no plano jurídico-normativo, instituídos no sentido de estabelecer direitos aos seres humanos, outrora subtraídos por outrem através de meios diversos em momentos de grande tensão vividos na história da humanidade. Instituída no contexto posterior a Primeira Guerra Mundial, a Declaração Internacional dos Direitos do Homem de 1929, representa um dos primeiros documentos a tratar sobre esse assunto, e, mesmo que ainda timidamente, em seus seis artigos, reconhece uma série de direitos e liberdades inerentes ao homem, como por exemplo: direito à vida, à liberdade religiosa e de crença, ao livre uso da língua e proíbe o Estado de praticar distinções de sexo, raça, língua ou religião. Com maior notoriedade e relevância, em 1948, foi proclamada a Declaração Universal dos Direitos Humanos que reúne em seu corpo, um total de 30 artigos. Um marco histórico na luta em prol dos direitos humanos, esse documento possui uma representatividade maior, pois amplia a quantidade e a qualidade dos direitos e liberdades garantidos aos seres humanos, como por exemplo, proibição da escravidão e do tráfico de escravos, proíbe também: a tortura, o tratamento ou castigo cruel - desumano ou degradante, estabelece a liberdade de contrair matrimônio entre outros direitos. 2

3 Assim, através desse conjunto de direitos expressos por meio da Declaração Universal dos Direitos Humanos, pretende-se garantir a todos os seres humanos a dignidade humana, ou seja, garantir uma série de condições básicas como: liberdade, igualdade e educação. Para que dessa forma todos os seres humanos vivam e se desenvolvam com respeito e dignidade inerente à própria condição de ser humano que são. Nesse sentido podemos entender a dignidade humana como pressuposto básico para que se estabeleça a liberdade, a justiça e, consequentemente, a paz mundial. Em ambas as declarações, pontua-se que os direitos nelas expressos são destinados a todas as pessoas, excluindo-se qualquer tipo de discriminação, seja ela de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de qualquer outra natureza. No entanto, é fato afirmar que há um distanciamento muito grande entre o que está escrito, traduzido em leis, e o que de fato se efetiva na prática. Ainda no plano normativo, no que concerne aos direitos humanos das mulheres, em 2006, foi aprovada, no Brasil, a Lei conhecida também como Lei Maria da Penha. Esta é considerada pela Organização das Nações Unidas (ONU), uma das leis mais modernas do mundo no enfrentamento e combate à violência doméstica e símbolo de um grande avanço no plano jurídico-normativo brasileiro. A Lei Maria da Penha tem como objetivo criar mecanismos para coibir e punir os diversos tipos de violência doméstica e familiar praticada contra mulheres no Brasil. Trata-se hoje do principal instrumento legal nesse sentido. A Lei /2006 é resultado da pressão de movimentos feministas, da sociedade civil organizada, da própria Sra. Maria da Penha Fernandes cujo nome foi dado a essa lei, e da ratificação de tratados internacionais de direitos humanos da qual o Brasil é signatário, como por exemplo, a Convenção para a Eliminação de todas as formas de Discriminação contra a Mulher (Convenção da Mulher) e da Convenção para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher (Convenção de Belém do Pará). Esses documentos foram endossados pelo Brasil respectivamente desde 1984 e1995 e têm como prioridade garantir os direitos humanos das mulheres, Campos (2006, p.1). Apesar desses documentos históricos e tratados internacionais na perspectiva dos direitos humanos e das mulheres, até a promulgação da Lei em 2006, a violência doméstica praticada contra mulheres, não era criminalizada, uma vez que, de acordo com a visão jurídica, Simioni e Cruz (2011, p.187), esse tipo de violência ocorria no interior do lar, ou seja, no âmbito privado, e sendo assim não era passiva de punições mais severas, ou intervenção por parte do Estado, cabendo ao agressor pena pecuniária 3

4 ou pagamento de cestas básicas. Dessa forma, a sensação de impunidade resultava, em grande parte dos casos, na reincidência de novas agressões, e em algumas situações, culminava até em homicídio. Quando o assunto é Direitos do Homem parece óbvio que as mulheres estejam implicitamente inclusas no grupo dos homens, porém não é isso que se percebe historicamente falando e nem nas práticas diárias da vida cotidiana. Dessa forma, como parte e além desse conjunto de ações jurídicas, torna-se necessário, ainda, o rompimento de paradigmas, e a instauração de iniciativas educativas que tenham como finalidade desconstruir discursos e práticas que negam o reconhecimento da violência sofrida por mulheres, como uma questão de violação de direitos humanos, uma vez que, os direitos das mulheres também são uma questão de direitos humanos e que violar o direito das mulheres é também violar os direitos humanos. 3 - O Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos e seus Desdobramentos Considerando que o universo da educação é o espaço-tempo propício para promover a ruptura de paradigmas e provocar mudanças de comportamentos, foi lançado, no ano de 2003, o Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos (PNEDH). Este documento foi publicado originalmente em 2006, através de parceria entre a Secretaria Especial de Direitos Humanos (hoje, Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República), o Ministério da Justiça e o Ministério da Educação e é considerado, hoje, fundamentalmente o principal documento norteador das práticas educativas na perspectiva dos direitos humanos, uma vez que delimita compromissos claros a serem assumidos, implantados, monitorados e recriados a cada dia na esfera educacional como um todo. Em se tratando de Educação Básica, o PNEDH prevê um total de 27 ações programáticas, dentre as quais cabe ressaltar: [...] incentivar a utilização de mecanismos que assegurem o respeito aos direitos humanos e sua prática nos sistemas de ensino; [...] tornar a educação em direitos humanos um elemento relevante para a vida dos (as) alunos (as) e dos (as) trabalhadores (as) da educação, envolvendo-os (as) em diálogo sobre maneiras de aplicar os direitos humanos em sua prática cotidiana; [...] incentivar a elaboração de programas e projetos pedagógicos, em articulação com a rede de assistência e proteção social, tendo em vista prevenir e enfrentar as diversas formas de violência; [...] propor a edição de textos de referência bibliográfica comentada, revistas, gibis, filmes e outros materiais multimídia, em educação em direitos humanos... (BRASIL, 2013, pp ). 4

5 Como resultado dessas ações programáticas, que visam ações educativas na perspectiva dos direitos humanos, foi lançado no Estado de Minas Gerais em agosto de 2012, através da Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social SEDESE e Secretaria de Estado de Educação SEE, o projeto Maria da Penha vai às Escolas. Conforme a SEDESE 3 o projeto visa atender mais 3 milhões de alunos das escolas estaduais, integra a Rede de Educação em Direitos Humanos da Subsecretaria de Direitos Humanos no próprio Estado, e tem por objetivo despertar nos estudantes o interesse sobre as questões ligadas aos direitos humanos, em especial as questões que envolvam o combate à violência contra a mulher. Nesse contexto foi elaborado o gibi As Marias em: Maria da Penha vai às Escolas!, que, segundo seus elaboradores, trata-se de material didático que pretende abordar de maneira lúdica e simples questões de violência doméstica e intrafamiliar sofrida por mulheres, além de apresentar, como pano de fundo, outras questões importantes relacionadas aos direitos humanos, como por exemplo, a inclusão de deficientes físicos na escola regular, igualdade racial e inclusão geracional. Para envolver e despertar a atenção dos alunos para o projeto, foi realizado um concurso cultural entre os estudantes do Ensino Fundamental de várias escolas estaduais mineiras para criar e escolher o mascote do projeto. Ainda como parte das ações envolvendo o projeto Maria da Penha vai às Escolas, em 8 de março de 2013, foi realizado o I Seminário do projeto que contou com a participação de mais de 100 (cem) professores da rede estadual de ensino. Como resultado desse seminário foi produzido um material complementar intitulado Sugestões de Atividades Pedagógicas: Projeto Maria da Penha vai às Escolas 4. Esse material tem como objetivo subsidiar o trabalho pedagógico do professor, propondo um conjunto de estratégias metodológicas que visam a utilização do gibi em sala de aula, tanto nos anos iniciais e anos finais do Ensino Fundamental, quanto no Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos EJA. 3 CRIANÇAS mineiras reforçam combate à violência contra mulher. Informativo da Secretaria de Estado de Minas Gerais - SEDESE, Belo Horizonte, n. 40, p. 1, 15 a 31 ag Disponível em: <http://www.social.mg.gov.br/images/stories/galeria_mural/informativo_ed40.pdf >>. Acesso em: 03 ago Com o objetivo ampliar a disseminação do Projeto Maria da Penha vai às Escolas!, recentemente foi criada uma versão inédita e educativa do projeto para jogo de computador. De acordo com informações divulgadas pela Agência Minas, em janeiro de 2013, a expectativa é alcançar os mais de 3 milhões de estudantes do ensino fundamental e médio da rede pública de Minas Gerais e os mais de 9 mil profissionais da educação, que vão ser capacitados para o manuseio do software no cotidiano escolar. Disponível em: <http://www.clicfolha.com.br/noticia/18316/jogo-lei-maria-da-penha-ganha-versaoinedita-e-educativa>><. Acesso em: 22 maio

6 Como meio de disseminação e divulgação do Projeto e dos materiais foi utilizada a rede mundial de computadores, sendo que o mesmo está disponível para consulta no sítio eletrônico da Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social SEDESE Análise do Gibi As Marias em: Maria da Penha vai às Escolas! O gibi As Marias em: Maria da Penha vai às Escolas! é composto por 15 (quinze) páginas que incluem: capa ilustrada com o referido título em destaque; contracapa que traz um breve resumo sobre a campanha Proteja Nossas Crianças da qual o projeto Maria da Penha vai às escolas faz parte; mensagem destinada ao leitor que apresenta o conteúdo e o modo como este será abordado ao longo do material, incentivando os leitores a multiplicarem seus conhecimentos a partir da leitura; um total de 30 (trinta) quadrinhos incluindo linguagem verbal e não verbal; caça-palavras na décima terceira página e para finalizar, o texto de divulgação do Disque Direitos Humanos no âmbito do estado de Minas Gerais. A seguir, faremos uma análise detalhada dos recursos linguísticos e do conteúdo deste material. 4.1 Público-Alvo e Recursos Linguísticos para Atingi-lo O primeiro contato que o leitor estabelece com o gibi é por meio do título As Marias em: Maria da Penha vai às Escolas!. Nesse momento, o leitor é levado a estabelecer relação com a Lei /2006, visto que, no próprio título da História em Quadrinhos (HQs) consta o nome pela qual a referida lei é popularmente conhecida: Lei Maria da Penha. Essa inferência não é esperada necessariamente do leitor infantil, pois esse talvez não possua tal conhecimento prévio, mas principalmente do público jovem e adulto, a quem o gibi também é destinado, conforme é possível constatar nas propostas 1e 2 das Sugestões de Atividades Pedagógicas: Projeto Maria da Penha vai às Escolas elaboradas com base no referido material e que tem como público-alvo os alunos da Educação de Jovens e Adultos. Observamos que a HQs tem como protagonistas uma menina chamada Mariazinha e uma professora chamada Ana Maria, aliás, boa parte das personagens que protagonizam 5 Gibi disponível em <http://www.social.mg.gov.br/component/gmg/page/2267-gibi-maria> e sugestões pedagógicas disponível em: <http://www.social.mg.gov.br/images/stories/subdh/sugesto%20de%20orientao%20d%20atividades%2 0Pedaggicas.pdf>. Acesso em: 02 ago

7 a história possui o nome composto por Maria. A opção por esse nome para diferentes personagens da HQs é interessante, por se tratar do nome pela qual a Lei /2006 é popularmente conhecida, Lei Maria da Penha, e também devido ao fato desse nome ser bastante popular e comum entre mulheres de diferentes níveis sociais, econômicos, intelectuais e etc. A escolha do nome Maria para as personagens trata-se de uma estratégia significativa, pois gera a possibilidade de identificação, através do nome, entre o leitor e as personagens da HQs. Ao gerar identificação com leitor o mesmo torna-se mais sensível e aberto para a temática, contribuindo para que um dos objetivos principais da HQs, apontados na página de mensagem ao aluno (p.3), seja atingido:... incorporar valores necessários para o nosso pleno desenvolvimento como cidadãos engajados na construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Do ponto de vista linguístico, ao analisarmos a HQs em questão constatamos que há um distanciamento em relação à modalidade oral da língua e predominância da modalidade escrita. O quadrinho abaixo exemplifica essa questão. Ilustração 1: Quadrinho 13 do gibi As Marias em: Maria da Penha vai às escolas!, p.7 Ao analisarmos o quadrinho n 13 e a fala de Mariazinha neste diálogo, percebemos que basicamente não há traços de oralidade e que a construção Eu estou pesquisando sobre a Lei Maria da Penha para a minha redação... se aproxima mais da modalidade escrita da língua do que da modalidade oral, como por exemplo, a conjugação do verbo estar estou, ao invés de usar uma variante linguística mais próxima da língua oral, neste caso o tô, variação mais comum em textos desse gênero. Esse fenômeno pode ser explicado em função do contexto em que o gibi será utilizado, ou seja, na escola, lugar onde se ensina aos estudantes a terem o domínio pleno da norma padrão da língua. Entretanto, a decisão de abrir mão de uma variedade linguística mais próxima da oralidade, para fazer uso da modalidade escrita da língua, implica em deixar a HQs menos interessante para público alvo que se pretende atingir: os alunos da educação básica. 7

8 De acordo com Lima (2004, p.98), se a narrativa for construída com uma linguagem realmente oral, adequada às características da personagem e à situação comunicativa, a cena narrada ganha mais realismo e consequentemente as chances de se chegar a um bom resultado são maiores. Além disso, ao observarmos o quadrinho n 1 abaixo, identificamos por meio da ilustração, a intencionalidade de se atingir também, tanto os leitores do meio urbano, quanto os leitores do meio rural. Ilustração 2: Quadrinho 01 do gibi As Marias em: Maria da Penha vai às escolas!, p.4 Ao associarmos o texto verbal com o texto não verbal, verificamos uma imagem dúbia da localização da casa da professora Ana Maria, pois, ao passo que a referida casa se localiza em uma região rodeada de extensa área verde, ao fundo é possível visualizar a imagem de uma grande cidade. Na perspectiva da valorização da diversidade cultural, a utilização de um recurso como este, contribui pra dirimir a supervalorização deste ou daquele modo de vida, tendo em vista a diversidade cultural existente dentro e fora do estado e no próprio país. No quadrinho abaixo será possível observarmos outro aspecto relevante presente no gibi. Ilustração 3: Quadrinho 16 do gibi As Marias em: Maria da Penha vai às escolas!, p.7 Nesse quadrinho ao relacionarmos o texto verbal com as ilustrações constatamos que houve um equívoco, pois através da imagem percebemos que se trata de uma juíza e não de um juiz como aparece no texto escrito. Apesar desse equívoco na escolha do substantivo, a construção desse quadrinho é bastante relevante, pois coloca a 8

9 figura da mulher em destaque e ocupando diferentes e importantes espaços na nossa sociedade. Face ao exposto, torna-se importante observarmos que, ao passo que o gibi procura atingir um público diversificado por meio da escolha do nome Maria para boa parte das personagens, como também através da localização dúbia da casa da professora Ana Maria; considerando também que a HQs procura valorizar a figura feminina através de sua ocupação de importantes funções, o mesmo não ocorre com o tipo de linguagem escolhida. Visto que a modalidade escrita da língua não gera tanta empatia com o público alvo, e na verdade foge ao estilo de uma HQs. 4.2 A Abordagem da Lei Maria da Penha no Gibi No contexto do gibi, a Lei Maria da Penha é abordada em um ambiente comum aos leitores da HQs: a escola. Nesse cenário a temática da Lei é introduzida pela professora Ana Maria que solicita aos alunos uma pesquisa sobre a referida Lei como dever de casa. A partir disso, novas informações sobre a Lei /2006 são desveladas. Já em casa, através do diálogo de Mariazinha com sua avó, conforme os quadrinhos n 10 e n 11 reproduzidos a seguir, é mostrado ao leitor que a Lei Maria da Penha trata-se de um importante dispositivo legal no combate a violência contra a mulher e esclarece que Maria da Penha, na verdade, trata-se de uma mulher que fora vítima desse tipo de violência, e que a partir de então lutou incansavelmente pela garantia de seus direitos, tornando-se hoje um mártir na luta contra violência sofrida pelas mulheres. Ilustração 4: Quadrinho 10 e 11 do gibi As Marias em: Maria da Penha vai às escolas!, p.6 Através desse discurso, o leitor é levado a compreender que a cidadania ativa constitui-se como um meio para a luta a favor da instituição, garantia e efetivação de direitos, e como resultado disso provoca transformações culturais e sociais. Na sequência da história narrada na HQs, a caminho da biblioteca, para realizar sua pesquisa escolar, Mariazinha se encontra com Maria Inês que fala sobre a violência 9

10 sofrida pelo ex-namorado e a partir do diálogo que se estabelece entre as duas personagens, os leitores são orientados sobre o tipo de punição imposta aos agressores - a prisão - bem como, acerca das medidas protetivas que podem ser adotadas pela justiça para proteger as vítimas contra ameaças e possíveis situações de violências. De volta à escola, por meio do processo de socialização das redações sobre a Lei Maria da Penha, as personagens da HQs, desmistificam a ideia de que somente a violência física se constitui como crime, evidenciando assim, os outros tipos de violências que a mulher pode sofrer: violência física, violência psicológica, violência moral, violência sexual e violência patrimonial. Assim, a HQs esclarece aos leitores que a Lei trata-se de um mecanismo de defesa dos direitos das mulheres, justamente por prever punições mais severas a todas as pessoas que estão no núcleo doméstico afetivo e familiar da mulher e não apenas o pagamento de multa ou cesta básica como era feito antes da lei, lembrando que isso se aplica inclusive a casais do mesmo sexo. Ainda orienta de como a vítima deve proceder - unindo o número máximo de provas - de modo a possibilitar ao juiz a aplicação das medidas cabíveis nos casos de violência doméstica. O último quadrinho da HQs expressa, aos leitores, o objetivo do gibi, que é ajudar na luta pelo fim da violência perpetrada contra as mulheres. Nesse sentido, aponta que todos devem atuar com vistas a esse fim, de modo a promover a construção de uma sociedade mais harmoniosa e com mais respeito aos direitos alheios. Desse modo é apresentada, ao leitor, a imagem de homens, mulheres e crianças em situação de harmonia. 4.3 Outras Questões de Direitos Humanos que Perpassam o Gibi Conforme verificamos anteriormente o gibi As Marias em: Maria da Penha vai às escolas tem como proposta principal abordar questões relativas à violência doméstica e intrafamiliar sofrida por mulheres, entretanto preocupa-se em disseminar outras questões relacionadas aos Direitos Humanos. Observemos os quadrinho n 5 e n 6: 10

11 Ilustração 5:quadrinhos 5 e 6 do gibi As Marias em: Maria da Penha vai às Escolas!, p. 5 De acordo com esses quadrinhos é possível verificar aspectos importantes no campo da inclusão. Constatamos a representação de um personagem cadeirante e ao mesmo tempo observamos que esse personagem frequenta a escola regular. O tratamento dessa questão demonstra uma postura voltada para o fortalecimento da cultura da inclusão, do respeito e tolerância à diversidade. Outro aspecto observado no campo da inclusão refere-se à questão da inclusão racial. Observemos os quadrinhos n 14 e n 15: Ilustração 6 : Quadrinhos 14, e 15 do gibi As Marias em: Maria da Penha vai às escolas!, p.7 Nessa sequência de quadrinhos, Mariazinha se encontra com Maria Inês, uma jovem afrodescendente que relata ter sofrido violência doméstica e que em função disso teve que recorrer à Lei Maria da Penha. Essa sequência é interessante não só porque começa a tratar mais especificamente da Lei Maria da Penha em si, mas também porque trata da inclusão racial. A figura da jovem afrodescendente não é representada de maneira subjugada, marginalizada, estigmatizada ou preconceituosa, mas, muito pelo contrário, a personagem Maria Inês é retratada de maneira positiva e como sujeito que tem conhecimento e consciência de seus direitos e deveres enquanto cidadã. Nesse contexto, essas abordagens vão ao encontro do que preconiza o PNEDH: O processo formativo pressupõe o reconhecimento da pluralidade e da alteridade, condições básicas da liberdade para o exercício da crítica, da criatividade, do debate de ideias e para o reconhecimento, respeito, promoção e valorização da diversidade (BRASIL, 2013, p.23) 11

12 Ainda no campo da inclusão, a HQs aborda a questão da inclusão geracional, por meio da personagem que representa a avó de Mariazinha, que ganha vez e voz, como podemos verificar nos quadrinhos n 10, n 11 e n 12. Ilustração 7: Quadrinhos 10, 11 e 06 do gibi As Marias em: Maria da Penha vai às escolas!, p.6 Sobre a questão geracional, o PNEDH (BRASIL, 2013, p.24) aponta que a educação em direitos humanos deve estruturar-se na diversidade cultural e ambiental, garantindo a cidadania, o acesso ao ensino, permanência e conclusão, a equidade - inclusive a geracional - e a qualidade da educação. Além disso, ao mostrar a convivência de Mariazinha com a avó, possibilita-se a visualização de novos formatos familiares, tão comuns na sociedade atual, neste caso, crianças que convivem ou são criadas pelos avós, rompendo com o modelo idealizado de família pai-mãe-filhos. Além de tratar sobre todas essas outras questões relacionadas aos direitos humanos, o referido gibi aborda ainda uma questão, que para muitos ainda representa um tabu, que é a violência vivida por mulheres em relacionamentos homoafetivos. Vejamos como os quadrinhos 26 e 27 colocam essa questão: Ilustração 10: Quadrinho 26 e 27 do gibi As Marias em: Maria da Penha vai às escolas!, p.11 12

13 Nesse quadrinho a personagem Lucimar questiona sem rodeios à professora Ana Maria, sobre as situações de violência vivida por mulheres em relacionamentos homoafetivos. Sendo assim, os leitores são orientados de que a Lei serve para proteger qualquer mulher vítima de atos de violência no contexto doméstico, afetivo ou intrafamiliar. 6 - Resultados Finais O gibi As Marias em: Maria da Penha Vai às Escolas e as Sugestões de Atividades Pedagógicas: Projeto Maria da Penha vai às Escolas, apesar de algumas incongruências, como inadequação da modalidade linguística do gibi ao gênero HQs e equívoco na abordagem do substantivo juiz ao invés de juíza, representam um importante instrumento capaz de contribuir para que a Lei /2006 saia do plano normativo e ganhe espaço no cotidiano dos leitores, por intermédio do trabalho pedagógico nos espaços escolares, no sentido de fomentar uma cultura voltada para a proteção dos direitos humanos das mulheres. O gibi e as sugestões tratam-se de uma iniciativa efetiva no trabalho de promoção dos direitos humanos das mulheres, uma vez que, que conscientizam os leitores sobre a Lei , seus dispositivos legais e mecanismos de defesa de mulheres em situação de violência. Além do tratamento específico sobre Lei Maria da Penha, o gibi traz contribuições relacionadas a outras questões de direitos humanos, como por exemplo, a inclusão de portadores de necessidades especiais na escola regular, valorização do afrodescendente e da figura feminina, valorização da diversidade cultural ao representar paisagens da cidade e do campo. 7 Considerações De acordo com a pesquisa realizada, consideramos que o gibi As Marias em: Maria da Penha Vai às Escolas e as Sugestões de Atividades Pedagógicas: Projeto Maria da Penha vai às Escolas, apesar de algumas limitações, podem contribuir bastante no sentido de conscientizar a sociedade sobre os direitos humanos das mulheres, bem como, levar ao conhecimento de todos, pontos específicos da Lei /2006, como por exemplo, os tipos de violência que podem ser praticadas, os procedimentos que devem ser seguidos para formalização de denúncias, além contribuir 13

14 para o cultivo da cultura do respeito às diferenças, da igualdade e da convivência em harmonia entre as pessoas, tendo em vista a construção de uma sociedade mais digna, livre, justa, tolerante e solidária. REFERÊNCIAS BRASIL. Lei , de 07 de agosto de Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Lex: Fique por dentro, Belo Horizonte, s/d. 22p. BRASIL. Ministério da Educação, Ministério da Justiça. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos;, UNESCO, CAMPOS, Carmem Hein. Direitos Humanos, Violência de Gênero e Direito Penal: primeiras considerações sobre a Lei /2006. Disponível em: <http://www.articulacaodemulheres.org.br/amb/adm/uploads/anexos/dh_vg_e_dp_le i_maria_da_penha.pdf>. Acesso em 02 ago CRIANÇAS mineiras reforçam combate à violência contra mulher. Informativo da Secretaria de Estado e Desenvolvimento Social, Belo Horizonte, n 40, p. 1, 15 a 31 ag Disponível em: <http://www.social.mg.gov.br/images/stories/galeria_mural/informativo_ed40.pdf >. Acesso em: 03 ago FUCHS, Ângela Maria Silva; FRANÇA, Maria Nani; PINHEIRO, Maria Salete Freitas. Guia para normalização de publicações técnico-cientificas. Uberlândia: EDUFU, p. LIMA, A. L.; CUNHA, M. A. A. (Org.). Literatura Infantil Teoria e Prática. São Paulo: Ática, p. MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social. As Marias em: Maria da Penha vai às escolas. Belo Horizonte, SEDESE s/d. 15 p. MINAS GERAIS. Secretaria de Estado da Educação. Sugestão de Atividades Pedagógicas: Projeto Maria da Penha Vai às Escolas. Belo Horizonte: SEE, s/d. 20 p. SIMIONI, F.; CRUZ, R. A.; CAMPOS, C. H. (Org.). Lei Maria da Penha comentada em uma perspectiva jurídico-feminista. Rio de Janeiro: Lumen Juris, p. 14

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO 1. Marco Lógico LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração

Leia mais

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

Leia mais

PROJETO EDUCA-AÇÃO Prevenção da violência doméstica nas Instituições de Ensino

PROJETO EDUCA-AÇÃO Prevenção da violência doméstica nas Instituições de Ensino PROJETO EDUCA-AÇÃO Prevenção da violência doméstica nas Instituições de Ensino I. INTRODUÇÃO Os altos índices de violência doméstica e familiar contra a mulher em todo o Estado demonstram a necessidade

Leia mais

Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres

Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres Vanessa Carla Bezerra de Farias Discente do curso de Direito UFRN Prof. Orientador Thiago Oliveira Moreira Docente do curso de Direito UFRN Introdução:

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Redes Sociais: Combate à discriminação

Redes Sociais: Combate à discriminação Redes Sociais: Combate à discriminação As Redes sociais, o que são? http://www.youtube.com/watch?v=pezclyqnnem&feature=related Twitter 175 milhões de LinkedIn Trabalho 100 milhões de Wayn 10 milhões de

Leia mais

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 PAUTA INTERNA 1 - ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SINDICAL 1 Assegurar condições de igualdade para homens e mulheres exercerem com autonomia o trabalho sindical nas diversas secretarias

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 Assessoria Jurídica

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 Assessoria Jurídica LEI Nº 3102 DE 14 DE ABRIL DE 2009. CRIA MECANISMOS PARA COIBIR E PREVENIR A DISCRIMINAÇÃO CONTRA A MULHER, GARANTINDO AS MESMAS OPORTUNIDADES DE ACESSO E VENCIMENTOS. A Câmara Municipal de Tangará da

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES ICATÚ 2013-2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 1. PRINCÍPIOS DA POLÍTICA NACIONAL PARA AS

Leia mais

IGUALDADE RACIAL. 146 políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 ipea

IGUALDADE RACIAL. 146 políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 ipea IGUALDADE RACIAL Constituição da República Federativa do Brasil (CRFB) 1988 Artigo 5 o Caput Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros

Leia mais

Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada)

Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada) Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada) Por uma AICHI que respeita os direitos humanos Conceitos básicos 1. Objetivo básico do plano

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO I ÁREAS DE INTERESSE Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente a) Capacitação para implantação dos planos estaduais

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

o TRIBUNAL DE JUSTiÇA DE SÃO PAULO, neste ato

o TRIBUNAL DE JUSTiÇA DE SÃO PAULO, neste ato TRUI(;:\',\!.IH:JISl"IÇA J m: FE\ f;ium~om: ls7~ TERMO DE ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Convênio n 008/13 Processo no 2013/45130 ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA QUE ENTRE SI CELEBRAM O TRIBUNAL DE JUSTiÇA

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professora: Juliana Petrocelli Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS

Leia mais

2016 Edital Fundo Fale Sem Medo. Instituto Avon ELAS Fundo de Investimento Social

2016 Edital Fundo Fale Sem Medo. Instituto Avon ELAS Fundo de Investimento Social 2016 Edital Fundo Fale Sem Medo Instituto Avon ELAS Fundo de Investimento Social Dezembro, 2015 Fundo Fale Sem Medo Resultado da parceria entre o Instituto Avon e o ELAS Fundo de Investimento Social, o

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 JANDIRA FEGHALI (Deputada Federal/Brasil) Temas: Trabalhando com autoridades e parlamentares

Leia mais

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher.

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Vamos juntos trabalhar em prol da vida! BRASIL É CAMPEÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NUM RANKING DE 54 PAÍSES fonte: Sociedade Mundial de Vitimologia,

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A MULHER

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

NORMATIVAS INTERNACIONAIS Publicação/Origem

NORMATIVAS INTERNACIONAIS Publicação/Origem LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA, ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES 1. Marcos Lógicos NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE GENEBRA

Leia mais

A NOVA POSTURA LEGISLATIVA NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER

A NOVA POSTURA LEGISLATIVA NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER A NOVA POSTURA LEGISLATIVA NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER Tatiana Bellotti Furtado Ao analisarmos a trajetória das mulheres na luta pelo reconhecimento de seus direitos, remetemo-nos

Leia mais

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais?

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Seminário de Capacitação dos Mecanismos de Gênero no Governo Federal Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Lourdes

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

A APLICABILIDADE DA LEI MARIA DA PENHA NO ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA DE GÊNERO

A APLICABILIDADE DA LEI MARIA DA PENHA NO ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA DE GÊNERO 1 A APLICABILIDADE DA LEI MARIA DA PENHA NO ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA DE GÊNERO Marcelo Guilhem Parrão 1, Juliene Aglio Oliveira Parrão 2 1 Advogado, especialista em Direito Civíl e Processo Civil pelas

Leia mais

WORKSHOP DIMENSÃO AMBIENTAL 08.05.2009 WORKSHOP DIMENSÃO SOCIAL

WORKSHOP DIMENSÃO AMBIENTAL 08.05.2009 WORKSHOP DIMENSÃO SOCIAL WORKSHOP DIMENSÃO AMBIENTAL 08.05.2009 WORKSHOP DIMENSÃO SOCIAL 26.05.2009 2009/2010 Processo 2009/2010 Principais etapas / eventos Quem Quando Revisão questionário 2008/09 e pontos de FGV CES MAR/2009

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE Márcia Regina Ribeiro Teixeira Promotora de Justiça de Salvador Agosto de 2014 VIOLÊNCIA:

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

JOVEM MULHER OBJETIVOS E METAS

JOVEM MULHER OBJETIVOS E METAS JOVEM MULHER OBJETIVOS E METAS 1. Criar um grupo de trabalho para discutir a garantia de conscientização da questão de gênero, (outra redação: Promover a discussão da questão de gênero nas instituições

Leia mais

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS Adelaide Alves Dias * * Psicóloga. Mestre em Psicologia Social e Doutora em Educação. Professora do Centro de Educação e pesquisadora

Leia mais

Academia Brasileira de Ciências

Academia Brasileira de Ciências Academia Brasileira de Ciências VII Seminário ABC na Educação Científica DISCUTINDO O CURRÍCULO E QUALIDADE DO ENSINO: PERSPECTIVA MULTICULTURAL E INCLUSÃO SOCIAL Cléa Monteiro 2011 Niterói considera

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Campinas, Abril de 2014 Violência contra as Mulheres: dados Internacional: 1 de cada

Leia mais

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO Lei Maria da Penha 123 Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO De acordo com conceito firmado em 1994, em Belém/PA, na Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra

Leia mais

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 DECLARAÇÃO DE VIENA E PROGRAMA DE ACÇÃO Nota do Secretariado Em anexo encontra-se o texto da Declaração de Viena e do Programa

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI Nº 2.623, DE 26 DE ABRIL DE 2010. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Autoriza o Município

Leia mais

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Falar dos direitos da criança implica necessariamente um resgate do maior avanço em âmbito jurídico e político-ideológico relacionado

Leia mais

Lancamento da Campanha Livres e Iguais no Brasil Sao Paulo, 28 de abril de 2014. Ilustríssimo Sr. Presidente.senhoras e senhores todos.

Lancamento da Campanha Livres e Iguais no Brasil Sao Paulo, 28 de abril de 2014. Ilustríssimo Sr. Presidente.senhoras e senhores todos. Palavras de Humberto Henderson, Representante Regional Adjunto para América do Sul do Escritório do Alto Comissariado das Nacoes Unidas para os Direitos Humanos, Lancamento da Campanha Livres e Iguais

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F Ensino Médio Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Movimentos Sociais e Lei Maria da Penha H33 2 Arte, Cultura Global e Identidade Cultural H58, H59

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2016 - Política para as Mulheres: Promoção da Autonomia e Enfrentamento à Violência 20O0 - Políticas Culturais de Incentivo à Igualdade de Gênero Número de Ações 13 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal

Leia mais

PROJETO DE LEI. Parágrafo único. Para os efeitos desta Lei, considera-se:

PROJETO DE LEI. Parágrafo único. Para os efeitos desta Lei, considera-se: PROJETO DE LEI Altera a Lei n o 8.069, de 13 de julho de 1990, que dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, para estabelecer o direito da criança e do adolescente de serem educados e cuidados

Leia mais

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília Anexo VI 25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres Carta de Brasília Na véspera do Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres nós, trabalhadoras dos

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006 1 Para adquirir a apostila digital de 150 Questões Comentadas Da Lei Maria da Penha - Lei 11.340/2006 acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ATENÇÃO: ENTREGA SOMENTE VIA E-MAIL ESSA APOSTILA SERÁ

Leia mais

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia Representação da UNESCO no Brasil DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia 1ª Edição Brasília e São Paulo UNESCO e OBORÉ Setembro de 2009 2009 Organização das Nações

Leia mais

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007.

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. Aprova a Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos - PNPDDH, define prazo para a elaboração do Plano Nacional de Proteção aos Defensores

Leia mais

PARECER N.º, DE 2009

PARECER N.º, DE 2009 PARECER N.º, DE 2009 Da COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA, sobre o Projeto de Lei da Câmara n.º 122, de 2006 (PL n.º 5.003, de 2001, na Casa de origem), que altera a Lei n.º 7.716,

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

BRASIL. (tradução não oficial para o português)

BRASIL. (tradução não oficial para o português) Distr. GERAL CCPR/C/BRA/CO/2 2 de Novembro 2005 Original: Inglês Comitê de Direitos Humanos 85ª Sessão CONSIDERAÇÃO DE RELATÓRIOS ENVIADOS POR ESTADOS PARTES SOB O ARTIGO 40 DO PACTO Observações finais

Leia mais

TERMO DE INTEGRAÇÃO OPERACIONAL PARA INSTITUIR O FÓRUM PERMANENTE DE PREVENÇÃO À VENDA E AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES

TERMO DE INTEGRAÇÃO OPERACIONAL PARA INSTITUIR O FÓRUM PERMANENTE DE PREVENÇÃO À VENDA E AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES TERMO DE INTEGRAÇÃO OPERACIONAL PARA INSTITUIR O FÓRUM PERMANENTE DE PREVENÇÃO À VENDA E AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES CONSIDERANDO que o art. 227 da Constituição da República

Leia mais

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal Data: 10 e 11 de dezembro de 2010 Local: UFPR Praça Santos

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: A ESCOLA COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR E COLETIVO

PROJETO DE EXTENSÃO PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: A ESCOLA COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR E COLETIVO PROJETO DE EXTENSÃO PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: A ESCOLA COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR E COLETIVO Área: SERVIÇO SOCIAL Categoria: EXTENSÃO Cristiane

Leia mais

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**)

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Os Estados Membros da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura reunidos em Paris em virtude da 28ª reunião da Conferência

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

BASE LEGAL PARA A INCLUSÃO DO/A ALUNO/A COM DEFICIÊNCIA. Docente responsável: Profa. Dra. Neiza de Lourdes Frederico Fumes CEDU/UFAL

BASE LEGAL PARA A INCLUSÃO DO/A ALUNO/A COM DEFICIÊNCIA. Docente responsável: Profa. Dra. Neiza de Lourdes Frederico Fumes CEDU/UFAL UNIDADE DE APRENDIZAGEM 4 BASE LEGAL PARA A INCLUSÃO DO/A ALUNO/A COM DEFICIÊNCIA Docente responsável: Profa. Dra. Neiza de Lourdes Frederico Fumes CEDU/UFAL Objetivo Conhecer os diferentes instrumentos

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO. da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais.

PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO. da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais. PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do projeto Nome da Instituição Proponente Construindo Pontes Garantia da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais.

Leia mais

Lei Maria da Penha Lei 11.340/06

Lei Maria da Penha Lei 11.340/06 Legislação Penal Especial Aula 02 Professor Sandro Caldeira Lei Maria da Penha Lei 11.340/06 Art. 1 o Esta Lei cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. Marcos Lógicos Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS Convenção Relativa à Luta contra a Discriminação no Campo do Ensino Convenção

Leia mais

Coleção Verdeamarelo O que é a Coleção Verdeamarelo?

Coleção Verdeamarelo O que é a Coleção Verdeamarelo? Coleção Verdeamarelo O que é a Coleção Verdeamarelo? A Coleção Verdeamarelo é composta por material institucional de apoio pedagógico, elaborado na forma de HQ Histórias em Quadrinhos coloridos, para serem

Leia mais

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA INCLUSÃO

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais