PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROJETO BÁSICO PARA A RECUPERAÇÃO DA PRAIA DA ARMAÇÃO DO PÂNTANO DO SUL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROJETO BÁSICO PARA A RECUPERAÇÃO DA PRAIA DA ARMAÇÃO DO PÂNTANO DO SUL"

Transcrição

1 PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROJETO BÁSICO PARA A RECUPERAÇÃO DA PRAIA DA ARMAÇÃO DO PÂNTANO DO SUL LOCAL: FLORIANÓPOLIS/SC DATA: JULHO/2011

2 1. ÍNDICE: Página 1 - Índice Apresentação Descrição do Problema Justificativa da Obra Estudos Topográficos, Dados e Sondagens Estudos Topográficos Localização da Linha de Erosão 5.2 Estudos Topográficos Implantação das Linhas Poligonais 5.3 Dados e Sondagens 6 - Causas Prováveis da Erosão Estudo Morfodinâmico 6.2 Estudo de Vulnerabilidade de Erosões 7 - Indicação e Defesa da Solução Adotada Especificações Técnicas Execução Planilha de Quantidades e Preços Cronograma Físico-Financeiro Referências Bibliográficas Anexos... 21

3 2. Apresentação O presente documento, em volume único, apresenta uma solução técnica para recuperação da Praia da Armação do Pântano do Sul, Município de Florianópolis (Fig. 1), compreendendo os serviços de dragagem, execução de molhe de proteção, recomposição de uma área de praia e, principalmente, dispositivo de retenção para impedir a perda da nova linha de praia através de processos erosivos semelhantes aos ocorridos em Figura 1 Mapa de situação: Brasil, Florianópolis/SC, Praia da Armação. Nos meses de Abril e Maio de 2010, esta região sofreu um fenômeno de intensa, rápida e progressiva erosão costeira, causando danos na área urbana e colocando em risco um importante manancial de água doce da Ilha de Santa Catarina (Fig. 2). Figura 2 Erosão costeira na Praia da Armação (Maio de 2010). 2

4 Este Projeto Básico de recuperação da faixa de praia complementa a primeira fase de intervenção, onde em caráter emergencial, foi construída uma barreira artificial a partir da utilização de um enrocamento de pedra arrumada mecanicamente, ao longo da área afetada pela ação erosiva das ondas do mar. Figura 3 Enrocamento de pedra (Junho de 2011). 3. Descrição do Problema O fenômeno de erosão costeira é uma ocorrência natural e comumente associada à variação cíclica (erosão/deposição) da largura da faixa de areia das praias. Contudo, nos últimos 10 anos tem-se observado fenômenos de erosão contínua (sem deposição) em várias praias no Brasil, principalmente no litoral de Santa Catarina (Fig. 4). Esta erosão pode ter diversas causas naturais e/ou antrópicas, causando recuo permanente ou progressivo da linha de costa. Casos graves de recuo progressivo têm sido registrados e estudados na região costeira da Ilha de Santa Catarina, Florianópolis. Figura 4 Casos de erosão contínua no litoral de Santa Catarina em

5 O caso da Praia da Armação do Pântano do Sul é um dos mais críticos correspondente a uma rápida e intensa erosão sobre a linha de dunas e de zoneamento urbano na Praia da Armação do Pântano do Sul, sudeste da Ilha de Santa Catarina, município de Florianópolis, cujo processo intensificou-se durante os meses de Abril e Maio de A fenomenologia do problema pertence à área de estudo da Engenharia Costeira e Oceanográfica. Porém, a elaboração da solução do problema é governada pelas diretrizes da Engenharia Geotécnica, uma sub-área da Engenharia Civil e a base técnica do presente Projeto Básico. A equipe formada para o presente desenvolvimento é constituída por engenheiros geotécnicos, por técnicos de geotecnia e por consultores na área de Engenharia Oceanográfica. Dentre os diversos materiais de referência consultados, os principais guias técnicos foram os compêndios do US Army Corps of Engineers - USACE, referência mundial em obras hidráulicas de contenção. 4. Justificativa da obra A obra de contenção executada na Praia da Armação cessou um processo de erosão progressiva e rápida da linha costeira, com taxas de avanço de até 50 m em apenas dois meses. Além dos danos diretos na zona urbana adjacente, havia o risco maior da ocorrência de um grande desastre ambiental se a Lagoa do Peri ou o seu sangradouro fossem atingidos de forma direta (entrada da água do mar) ou indireta (cunha salina). Neste caso, a consequente salinização deste importante manancial de água resultaria em severas consequências para a população do sul e do leste da Ilha de Florianópolis. De acordo com os dados obtidos pelos levantamentos da planimetria e da dinâmica das ondas, e dada a emergência da situação, a melhor solução com base nas diretrizes da Engenharia Geotécnica foi a da construção de um dique de enrocamento longitudinal ao longo dos 1600 m da região especificada com vulnerabilidade alta/muito alta de erosão costeira. Infelizmente, com a construção do imponente dique, composto por pedras de grandes dimensões, a praia perdeu sua beleza característica, beleza esta que já vinha sendo dilapida através do processo erosivo provocado pelas sucessivas ressacas. A segunda fase o presente Projeto deverá apresentar soluções econômicas e racionais para a estabilização, a ampliação e a defesa da linha de costa. Estas soluções devem atender às restrições ambientais, minimizando o impacto nas linhas de costa adjacentes, bem como atender às diversas necessidades voltadas ao bem-estar humano e às atividades de pesca, aqüicultura, turismo, esporte e lazer na orla da Praia da Armação. 4

6 5. Estudos Topográficos, Dados e Sondagens 5.1. Estudos Topográficos - Localização da Linha de Erosão A área que está sendo recuperada da erosão costeira é a da Praia da Armação do Pântano do Sul, situada no sudeste da Ilha de Florianópolis, SC (Fig. 5). Localizada a 25 km do centro de Florianópolis entre as coordenadas geográficas 27 45'02''S/48 30'05''W e 27 43'25''S/48 30'17''W. Esta praia possui uma extensão total de 3560 m, sendo que a faixa crítica abrange uma linha de cerca de 1600 m onde a vulnerabilidade à erosão costeira é considerada alta/muito alta. Figura 5 Localização da região de estudo do presente Projeto de Recuperação. Além dos danos causados na área de ocupação urbana, com destruição de cerca de 30 casas, o principal risco era a proximidade da linha costeira à Lagoa do Peri. Esta lagoa é o maior manancial de água doce de Florianópolis, sendo utilizada para o abastecimento de água para 113 mil habitantes das regiões sul e leste da Ilha de Santa Catarina. O quadro de gravidade ambiental é ainda maior, pois entre a linha costeira e a lagoa, escoa o sangradouro da Lagoa do Peri. A faixa mais crítica de recuo erosivo situa-se no trecho de 1600 m de extensão entre o ponto média da linha costeira da Praia da Armação e o seu ponto extremo sul, junto ao desemboque do sangradouro da Lagoa do Peri. Neste trecho o mar avançou cerca de até 50 m em menos de dois meses Estudos Topográficos Implantação das Linhas Poligonais Para a definição precisa das caracterísitcas geométricas do molhe, dragagem e posicionamento das estruturas de retenção do aterro com material dragado foram realizados estudos topográficos, a partir de levantamentos de campo com o uso de equipamentos eletrônicos, como por exemplo, estação total e ecobatímetro. Os dados levantados foram suficientes para a elaboração de um projeto plani-altimétrico, cujo desenvolvimento envolve a implantação de poligonais. 5

7 5.3. Dados e Sondagens A equipe formada para a elaboração do presente Projeto (Fig. 6) realizou vários levantamentos expeditos com trena e bússola para a determinação da planimetria, do traçado dos perfis longitudinais e transversais atualizados e das características das ondas (altura, frequência, intensidade) ao longo da linha costeira da Praia da Armação. Além disto, também foram realizadas prospecções geotécnicas através de coletas de amostras por meio da execução de cinco furos de sondagem com cavadeira e ponteira, visando à obtenção das características geotécnicas básicas, através de identificação táctil-visual dos solos, bem como do nível do lençol freático correspondente. Figura 6 Equipe de sondagem e levantamentos expeditos. No que diz respeito às características das ondas, na fase de erosão mais intensa verificou-se que as mesmas movimentam-se de leste para oeste com energia moderada-alta (critério do USACE). De acordo com registros bibliográficos, observações de marcações nas edificações e relatos de moradores, a altura das ondas pode chegar a um valor máximo de 2.5 m. 6. Causas Prováveis da Erosão 6.1. Estudo Morfodinâmico A morfodinâmica das praias (Wright & Thom, 1977) é uma disciplina da oceanografia que estuda o ajuste da linha topográfica costeira devido à influência dos processos hidrodinâmicos (ondas, marés, correntes, vento) e a redistribuição dos sedimentos nas áreas adjacentes a uma praia (deposição e erosão). O presente estudo considera como caracterização dos ambientes praiais a configuração típica definida pelo US Army Corps of Engineers (USACE, 1984), para as praias arenosas de enseada expostas a ondas, como é o caso da Praia da Armação. Esta terminologia baseia-se na identificação e divisão das diferentes zonas de fenômenos físicos e dos aspectos morfológicos notáveis (Fig. 7). 6

8 Figura 7: Aspectos físicos e morfológicos de uma praia arenosa típica. Em condições normais, a forma da praia estabiliza os fenômenos cíclicos de erosão e reposição (Fig. 8a) de forma natural. Por outro lado, em condições de tempestades com elevação do nível do mar e da altura das ondas, podem ocorrer efeitos devastadores de erosão costeira (Sunamura, 1988). Neste caso, as ondas podem ultrapassar a zona subaérea e atingir a região de dunas. Como estas zonas são altamente vulneráveis ao ataque das ondas, um súbito e intenso processo erosivo é deflagrado, carreando materiais em grandes quantidades, depositados no fundo da zona de surfe e da antepraia (Fig. 8b). Dependendo da nova configuração da praia pós-tempestade, a ação normal das ondas pode tanto restaurar a forma original quanto tornar a nova configuração da praia permanente (Fig. 8c). Figura 8 Alteração da configuração da praia após uma tempestade. 7

9 Além dos fatores naturais supracitados, as interferências antrópicas ao longo da faixa adjacente à costa destacam-se como influenciadores dos processos morfodinâmicos (Komar, 1998). De fato, a ocupação humana sobre as dunas no sul da Ilha de Florianópolis, bem como modificações na drenagem local, associam-se aos problemas históricos de erosão costeira. Na praia da Armação ocorrem recuos progressivos observados há mais de dez anos (Castilhos, 1995 e Gré et. al., 1997). Os estudos de caracterização das praias do sul da Ilha de Florianópolis (Mazzer, 2007) indicam que, apesar de serem de embaiamento e relativamente próximas umas as outras, essas praias apresentam ampla variação quanto a aspectos relativos à extensão, morfodinâmica, ocupação antrópica, etc (Tab. 1). Praia Ext. (m) Orient Exposição Direção Praia da NE- Média Solidão 1344,9 SW SE, E Praia dos 2472,4 ENE Média- Açores WSW Baixa S,SE Praia da 3563,8 N-S Alta-Baixa Armação NE,E,SE,S Praia do 1226,8 NW- Média Matadeiro SE E,NE Lagoinha 1276,4 NNE Alta E,E, do Leste SSW SE, S,S W Fisiografia e Geomorfologia Praia de bolso Enseada em espiral Enseada em espiral Praia de bolso Praia de bolso Sistemas Associados Tipo Morfodinâm. Ocupação Antrópica Desemb. Dissipativa Alta Rio Pacas Dunas Dissipativa Alta a baixa Desemb. Reflectiva- Alta a Rio Sangr. Intermediária baixa Desemb Dissipativa Alta a Rio Sangr. Média Des.lagun. Intermediária Ausente e Dunas Dissipativa Tabela 1. Características das praias do sul da Ilha de Florianópolis. Observa-se que, comparada às outras praias adjacentes, a praia da Armação é especialmente diferenciada quanto à sua morfodinâmica, tipo reflectivaintermediária e com um pequeno trecho dissipativo no extremo sul (Fig. 9). Tem-se assim uma complexa morfodinâmica na extensão longitudinal da praia da Armação, com trechos de diferentes índices de vulnerabilidade à erosão, onde a erosão aumenta no perfil intermediário e diminui nos trechos de perfis reflexivo e dissipativo. Figura 9 Variação longitudinal da morfodinâmica da praia da Armação. A morfodinâmica também é fortemente influenciada pela escala temporal (interanual ou interdecadal), podendo apresentar grande variação de acordo com o intervalo de tempo considerado (Mazzer, 2007). No caso da praia da Armação, a escala interdecadal indica a tendência de um processo erosivo permanente. De fato, nas últimas 7 décadas esta praia registrou um recuo médio de 0.52 m/ano, onde alguns trechos sofreram diminuição de mais de 60 m de linha costeira (Fig. 10). 8

10 Fig. 10 Variações temporais na linha de costa na praia da Armação ( ). De acordo com o exposto, verifica-se que a praia da Armação possui um complexo ambiente morfodinâmico, com tendência de processos erosivos permanentes. Além disto, as frequentes tempestades recentes na região têm amplificado sobremaneira a erosão e o consequente recuo da linha costeira. Com base no estudo apresentado, o próximo item analisa a questão da vulnerabilidade à erosão na praia da Armação Estudo de Vulnerabilidade de Erosões Dos estudos dos processos morfodinâmicos sobressai-se a importante questão do grau de risco à erosão da linha costeira, caracterizada por métodos de determinação de índices de vulnerabilidade. Há diferentes métodos propostos na literatura sobre o assunto, procurando integrar de forma racional os diversos fatores naturais e antrópicos (Tab. 2) que podem ocasionar a erosão costeira. Fatores Naturais Fatores Antrópicos Elevação do nível do mar Redução e remoção dos sedimentos Tempestades Construção de barragem nos rios Declividade da plataforma continental Mudança nos canais de marés/barras Disponibil. e tamanho dos sedimentos Molhes nas desembocaduras de rios Comportam. das ondas e dos ventos Construção de portos e piers Caracter. das correntes marinhas Obras de enrocamento Descargas dos rios próximos Urbanização da orla Tabela 2 Fatores relacionados à erosão costeira. A Praia da Armação do Pântano do Sul apresenta uma combinação de diversos desses fatores. Porém, um dos principais fatores é a ocorrência de ondas de leste, de até 2.5 m de altura. Com uma freqüência incomum de ocorrência, esta configuração de ondas tem atuado diretamente no trecho intermediário da praia, o mais suscetível à erosão. Uma provável causa da formação das ondas intensas em maio de 2010 foram os ciclones extratropicais no norte da Ilha de Florianópolis, coincidindo com o período de intensificação da erosão registrada na Praia da Armação (Fig. 11). 9

11 Figura 11 - Causas prováveis: ondas de leste e seqüência de ciclones extratropicais. Existem vários estudos oceanográficos das praias do sul da Ilha de Florianópolis, como os trabalhos de Mazzer et al. (2007, 2008), que apresentam o índice de vulnerabilidade à erosão como sendo alto/muito alto na praia da Armação (Fig. 12a), e também reforçando a tendência de processos erosivos progressivos nestas praias. Porém, estes estudos não consideram a complexa resposta morfodinâmica em situação de tempestades, e muito menos a condição de estabilidade da configuração praial pós-tempestade (restauração, permanência ou intensificação do recuo). Como se verificou nos eventos de erosão abrupta durante os meses de Abril e Maio de 2010, a praia da Armação possui vulnerabilidade muito alta a tempestades, principalmente no trecho centro-sul, onde recuos de até 50 m foram observados no período de 2 meses (Fig. 12b). Figura 12 - Vulnerabilidade à erosão da Praia da Armação: (a) anual (Mazzer, 2008); (b) pós-tempestade, observada após os eventos de Abril e Maio de

12 De acordo com os estudos e dados levantados sobre a morfodinâmica praial e vulnerabilidade à erosão, verifica-se que o processo erosivo ocorrido na praia da Armação é bastante intenso, complexo e instável. Em face da indeterminação da resposta pós-tempestade (restauração, permanência ou intensificação) e dos elevados riscos ambientais envolvidos (danos na zona urbana e salinização da Lagoa do Peri), a situação da praia da Armação está caracterizada como um problema que requer intervenção contra novas ocorrências de erosão costeira. 7. Indicação e Detalhamento da Solução Adotada Foram consideradas diferentes alternativas para a recuperação e proteção da Praia da Armação. A solução adotada considerou a recuperação de uma faixa de praia com largura de 50 m, apresentando a melhor relação custo/benefício e o menor impacto ambiental na região e nas praias adjacentes. Esta solução recomenda a combinação dos seguintes elementos: construção de um molhe, de um enrocamento de proteção e de uma passarela de ligação no extremo sul da praia; dragagem do canal de acesso do rio Quinca Antônio; engordamento de uma faixa de 50 m de praia ao longo de 1600 m; proteção do engordamento com geotubos; e dragagem para enchimento dos geotubos. Além da facilidade executiva e do baixo impacto ambiental, a solução com geotubos promove duas situações: redução da energia de onda que chega a costa; e contenção da areia a ser dragada para o engordamento da praia Especificações Técnicas A concepção da solução adotada para a recuperação da Praia da Armação foi baseada em técnicas modernas, bem estabelecidas, pouco agressivas ao meio ambiente e de execução simplificada. A tabela 3 apresenta uma visão geral dos processos e dispositivos construtivos, relacionando-os às suas finalidades. Processo/Dispositivo Recuperação Localização Engordamento Ao longo de Dragagem e recalque Faixa de 50 m de praia 1600 m Geotubos Molhe Enrocamento de proteção Dragagem do canal Acesso ao rio Quinca Antônio Extremo sul da Praia Tabela 3 Processos e dispositivos utilizados pela solução adotada. 11

13 Na recuperação da Praia da Armação, a principal obra a ser realizada é o engordamento da faixa de 50 m de praia. Por sua vez, a proteção desta faixa é obtida com o posicionamento de um sistema de geotubos e tapetes de ancoragem na frente do trecho recuperado (em região submersa), conforme a Fig. 13 ilustra. Figura 13 Recuperação da faixa de 50 m de praia: sistema de geotubos. A solução proposta recomenda como a especificação mais adequada para o sistema de geotubos a utilização de sacos de 20 m de comprimento e 13.7 m de circunferência. Desta forma, serão necessários 80 sacos para cobrir os 1600 m de proteção do engordamento (Fig. 14). Figura 14 Disposição de 80 sacos de 20m ao longo do trecho centro-sul da Praia da Armação. Após o preenchimento com areia, a configuração final dos geotubos resulta em uma seção aproximadamente elíptica, com largura de 6 m e altura de 2.5 m. Por sua vez, o tapete de ancoragem deve ser estendido sob o geotubo, deixando um trecho de 1 m no lado montante e de 2 m no lado jusante (Fig. 15). Assim, o tapete deve ter 9 m de largura. Além disto, são acoplados pequenos tubos de ancoragem nas extremidades livres do tapete. 12

14 Figura 15 Dimensões da seção transversal do geotubo (6 m x 2.5 m) e do tapete de ancoragem (9 m). As características básicas desejáveis para o geotubo são apresentadas a seguir: resistência máxima à tração: igual ou maior do que 96,3 kn/m no sentido circunferencial e longitudinal igual ou superior a 70 kn/m (ASTM D 4595); massa por unidade de área: igual ou maior do que 585 g/m 2 (ASTM D 5261) e deformação máxima (ensaio de faixa larga): igual ou menor do que 20 % nos sentidos longitudinal e circunferencial (ASTM D 4595). Por outro lado, a solução adotada também considerou a recuperação do acesso ao rio Quinca Antônio, um importante trecho para a comunidade dos pescadores da região. Neste caso, recomenda-se a adoção de quatro intervenções (Fig. 16). A primeira delas consiste na construção de um molhe de 150 m a partir do ponto mais externo da Ilha das Campanhas (promontório). Esta estrutura tem por finalidade criar uma região de sombra, facilitando o acesso dos pescadores devido à atenuação das ondas. Já a segunda intervenção consiste da construção de um enrocamento de proteção de 90 m, ligando a Ilha das Campanhas à praia. Este enrocamento tem a finalidade de proteger a margem oposta do Rio Quinca Antônio, que passaria a desembocar apenas na extremidade sul da Praia da Armação. A terceira intervenção corresponde à dragagem do canal de acesso ao rio. Por fim, a quarta intervenção proposta consiste de uma passarela de ligação de 78 m sobre o Rio Quinca Borba, entre a Praia da Armação e a Praia do Matadouro. Figura 16 Recuperação do acesso ao rio Quinca Antônio: molhe, enrocamento de proteção, dragagem do canal e passarela de ligação. 13

15 7.2. Execução Na execução da obra de recuperação da praia da armação os serviços mais críticos são aqueles relacionados à instalação dos geotubos. As obras relacionadas à recuperação e o acesso do Rio Quinca Borba requerem procedimentos usuais de dragagem, enrocamento e execução de estrutura de passarela. Assim, aqui serão apenas detalhados os serviços de instalação dos geotubos, que são listados a seguir: fornecimento dos geotubos; montagem de canteiro de obra; mobilização dos equipamentos para execução dos serviços; suprimento de areia, aproveitando o material arenoso dragado; inspeção do fundo que servirá de base dos geotubos; e montagem dos geotubos e do tapete de ancoragem, através do posicionamento, lançamento e enchimento com areia da dragagem. Para a execução destes serviços é prevista a utilização de duas equipes de trabalho sendo que primeiramente faz-se a instalação do tapete de ancoragem, e em seguida dos geotubos. Isto se repete até a finalização dos 1600 m definidos para o projeto de recuperação da Praia da Armação. A instalação dos geotubos requer os seguintes equipamentos (Fig.17): guindaste de 50 ton de capacidade, com mastro ajustável para sustentar o gabarito metálico de instalação dos geotubos; gabarito metálico para instalação dos geotubos. Esta estrutura deverá ter 20 m de comprimento, 6 m de largura e 2,80m de altura, e será imprescindível para a locação dos geotubos; dragagem da areia que é lançada diretamente para os geotubos; barco de apoio para cada frente de trabalho; balsa de posicionamento para o suporte do guindaste e para a base de apoio e posicionamento dos geotubos; e equipe de mergulhadores composta por: - 01 supervisor de mergulho - 04 mergulhadores (sendo 02 em operação e 02 em descanso) - 01 mergulhador auxiliar. 14

16 Fig. 17 Instalação de geotubo: a) guindaste; b) gabarito metálico; c) mergulhador. A construção dos 1.600m da estrutura de geotubos requer a seguinte quantidade de material: 80 unidades de geotubo com 6 m metros de largura, 13.7 m de circunferência e 20 m de comprimento; 1600 metros lineares de tapete de ancoragem com no mínimo 9m de largura; m 3 de volume de areia para enchimento dos geotubos. De acordo com os estudos e dados levantados sobre a morfodinâmica praial e vulnerabilidade à erosão, verifica-se que o processo erosivo ocorrido na praia da Armação é bastante intenso, complexo e instável. Em face da indeterminação da resposta pós-tempestade (restauração, permanência ou intensificação) e dos elevados riscos ambientais envolvidos (danos na zona urbana e salinização da Lagoa do Peri), a situação da praia da Armação está caracterizada como um problema que requer intervenção contra novas ocorrências de erosão costeira. 8. Planilha de Quantidades e Preços Considerando-se a solução adotada para o engordamento da Praia da Armação, incluindo dragagem, aterro hidráulico protegido com estruturas denominadas geotubos, molhe de proteção na Ilha das Campanhas, os seguintes valores de quantidades, preços unitários e totais foram obtidos: 15

17 REFERÊNCIA : SICRO 2 / SICRO 3 (DRAGAGEM) / SINAPI - BDI INCLUSO DE 27,84% - DATA REF. ORÇAMENTO - MAIO/2011 CUSTO CUSTO ITEM DISCRIMINAÇÃO UNID. QUANT. UNITÁRIO PARCIAL (R$) (R$) 1 DRAGAGEM PARA ATERRO HIDRÁULICO COM ESPALHAMENTO DMT < 1,0 KM 1.1 Dragagem de Areia Fina - Draga Sucção e Recalque 300 HP:-Distância Recalque até 1000m - Rio Quinca Antônio m³ ,778 8, , Dragagem de Areia Média com Draga Hopper Cap até 2000 m3: arrastre e recalque para aterro hidráulico m³ ,140 8, , Espalhamento e conformação mecânica m³ ,494 0, ,90 2 PROTEÇÃO DA PRAIA COM GEOTUBO ORÇAMENTO PARA RECUPERAÇÃO DA PRAIA DA ARMAÇÃO , Geotube ou Similar (20,00m de comprimento, 13,70m de circunferência, largura 6,00m) und 80, , , Tapete de ancoragem m 1.600, , , ,60 3 MOLHE 3.1 Enrocamento de pedra detonada m³ ,000 55, , Transporte Comercial do material ton/km ,000 0, , Execução mecânica da arrumação m³ ,000 4, , ,00 4 URBANIZAÇÃO 4.1 Calçada de concreto com 8 cm, inclusive transporte m² ,920 44, , Pavimentação com lajota m² 5.413,000 62, , Plantio de árvores unid 192,000 36, , Fornecimento e instalação de posteamento unid 156, , , ,53 5 DRENAGEM 5.1 Escavação mecânica de valas m³ 12,000 5,58 66, Reaterro e compactação m³ 4,000 28,39 113, Grelha de ferro fundido m 101, , , Canaleta de Concreto m 101, , , Caixa coletora com grelha unid 24, , , ,21 6 ENROCAMENTO DE PROTEÇÃO DAS MARGENS DO RIO QUINCA ANTÔNIO 6.1 Enrocamento de pedra arrumada m³ 2.200, , , Transporte do material ton/km ,000 0, , ,00 7 PASSARELA DE LIGAÇÃO ENTRE A PRAIA DA ARMAÇÃO E MATADEIRO 7.1 Fornecimento de todos os materiais e Execução da Passarela UNID. 1, , , ,40 8 PASSARELA DE LIGAÇÃO ENTRE A PRAIA DO MATADEIRO E ILHA DAS CAMPANHAS 8.1 Fornecimento de todos os materiais e Execução da Passarela UNID. 1, , ,90 Subtotal , ,50 9 Mobilização e Desmobilização % 9,78% ,27 10 Instalação e manutenção do canteiro de obra % 0,34% ,91 TOTAL OBRA ,68 11 PROJETO DA DRAGAGEM E RECUPERAÇÃO DA FAIXA DE PRAIA ,79 12 PROJETO AMBIENTAL (EIA/RIMA) ,53 TOTAL GERAL (OBRA E PROJETOS) ,00

18 PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS Projeto de Recuperação da Faixa de Areia da Praia da Armação do Pântano do Sul Descrição PROJETO DA DRAGAGEM E RECUPERAÇÃO DA FAIXA DE PRAIA Unid. N de Meses Quant. por mês Quant. Total Custo Unitário (R$) Data base: Dez/2010 Custo Total (R$) 1. PESSOAL A - ESTUDOS TOPOGRÁFICOS, GEOTÉCNICOS, TOPOBATIMÉTRICOS E VULNERABILIDADE DE EROSÕES ENGENHEIRO CHEFE DE EQUIPE - GEOTECNIA (P1) h/mês 10,00 1,00 10,00 R$ 7.723,51 R$ ,10 ENGENHEIRO CHEFE DE EQUIPE - OCEANOGRAFIA (P1) h/mês 10,00 1,00 10,00 R$ 7.723,51 R$ ,10 ENGENHEIRO CHEFE DE EQUIPE - HIDRÁULICA (P1) h/mês 10,00 1,00 10,00 R$ 7.723,51 R$ ,10 ENGENHEIRO CIVIL (P3) h/mês 10,00 0,80 8,00 R$ 4.860,00 R$ ,00 GEÓLOGO (P3) h/mês 10,00 0,50 5,00 R$ 4.860,00 R$ ,00 AUXILIAR TÉCNICO (T3) Sub-Total - A h/mês 10,00 1,00 10,00 R$ 1.371,53 R$ ,30 R$ ,60 B - PROJETO DA OBRA DE RESTAURAÇÃO E DEFESA CONSULTOR ESPECIAL (C) h/dia 10,00 1,00 10,00 R$ 494,77 R$ 4.947,70 ENGENHEIRO CHEFE DE EQUIPE (P1) h/mês 10,00 0,50 5,00 R$ 7.723,51 R$ ,55 ENGENHEIRO (P3) h/mês 10,00 1,00 10,00 R$ 4.860,00 R$ ,00 DESENHISTA (T2) h/mês 10,00 0,20 2,00 R$ 1.922,08 R$ 3.844,16 AUXILIAR TÉCNICO (T3) Sub-Total - B h/mês 10,00 1,00 10,00 R$ 1.371,53 R$ ,30 R$ ,71 C - PROJETO DE TERRAPLENAGEM CONSULTOR ESPECIAL (C) h/dia 10,00 1,00 10,00 R$ 494,77 R$ 4.947,70 ENGENHEIRO CHEFE DE EQUIPE (P1) h/mês 10,00 0,25 2,50 R$ 7.723,51 R$ ,78 ENGENHEIRO CIVIL (P3) h/mês 10,00 0,25 2,50 R$ 4.860,00 R$ ,00 AUXILIAR TÉCNICO (T3) h/mês 10,00 0,25 2,50 R$ 1.371,53 R$ 3.428,83 DESENHISTA (T2) h/mês 10,00 0,25 2,50 R$ 1.922,08 R$ 4.805,20 D - PROJETO DE DRAGAGEM Sub-Total - C R$ ,50 CONSULTOR ESPECIAL (C) h/dia 10,00 1,00 10,00 R$ 494,77 R$ 4.947,70 ENGENHEIRO CHEFE DE EQUIPE (P1) h/mês 10,00 0,50 5,00 R$ 7.723,51 R$ ,55 ENGENHEIRO CIVIL (P3) h/mês 10,00 0,50 5,00 R$ 4.860,00 R$ ,00 AUXILIAR TÉCNICO (T3) h/mês 10,00 0,50 5,00 R$ 1.371,53 R$ 6.857,65 DESENHISTA (T2) Sub-Total - D h/mês 10,00 0,50 5,00 R$ 1.922,08 R$ 9.610,40 R$ ,30 E - PROJETO DE DRENAGEM CONSULTOR ESPECIAL (C) h/dia 5,00 1,00 5,00 R$ 494,77 R$ 2.473,85 ENGENHEIRO CHEFE DE EQUIPE (P1) h/mês 5,00 0,50 2,50 R$ 7.723,51 R$ ,78 ENGENHEIRO CIVIL (P3) h/mês 5,00 0,50 2,50 R$ 4.860,00 R$ ,00 AUXILIAR TÉCNICO (T3) h/mês 5,00 0,50 2,50 R$ 1.371,53 R$ 3.428,83 DESENHISTA (T2) Sub-Total - E Sub-Total Item 1 h/mês 5,00 0,50 2,50 R$ 1.922,08 R$ 4.805,20 R$ ,65 R$ , Encargos Sociais Taxa de 86,41% sobre o item 1 R$ ,36 Sub-Total Item 2 R$ , Custos Administrativos Taxa de 51% sobre o item 1 R$ ,54 Sub-Total Item 3 R$ , Veículos Automóvel 1.0 mês 10,00 2,00 20,00 R$ 2.358,64 R$ ,80 Sub-Total Item 4 R$ , Serviços Gráficos e material de consumo de escritório em supervisão Serviços gráficos e material de consumo de escritório Sub-total Item 5 mês 10,00 2,00 20,00 R$ 274,06 R$ 5.481,20 R$ 5.481,20 SOMATÓRIO DOS SUB-TOTAIS 1 A 5 R$ , Remuneração de Escritório Taxa de 12% sobre a soma dos Sub-Totais 1 a 5 Sub-total Item 6 SOMATÓRIO DOS SUB-TOTAIS 1 A 6 R$ ,56 R$ ,56 R$ ,22 7- Despesas Fiscais Taxa de 16,62% sobre a soma dos Sub-Totais 1 a 6 Sub-Total Item 7 TOTAL GERAL R$ ,57 R$ ,57 R$ ,79

19 PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS Projeto de Recuperação da Faixa de Areia da Praia da Armação do Pântano do Sul Descrição Unid. N de Meses Quant. por mês Quant. Total Custo Unitário (R$) Custo Total (R$) 1. PESSOAL A - ESTUDOS AMBIENTAIS E OBTENÇÃO DE LICENÇA AMBIENTAL CONSULTOR ESPECIAL (C) h/dia 10,00 1,00 10,00 R$ 494,77 R$ 4.947,70 ENGENHEIRO CHEFE DE EQUIPE (P1) h/mês 10,00 0,50 5,00 R$ 7.723,51 R$ ,55 ENG. CIVIL E/OU GEÓLOGO - MEIO FÍSICO(P3) h/mês 10,00 0,50 5,00 R$ 4.860,00 R$ ,00 OCEANÓGRAFO - MEIO FÍSICO (P3) h/mês 5,00 0,50 2,50 R$ 3.607,70 R$ 9.019,25 ENG. AGRÔNOMO E/OU FLORESTAL - MEIO BIÓTICO (FLORA) (P3) h/mês 5,00 0,50 2,50 R$ 4.860,00 R$ ,00 BIÓLOGO - MEIO BIÓTICO (FAUNA) (P3) h/mês 5,00 0,50 2,50 R$ 3.607,70 R$ 9.019,25 ARQUITETO E/OU URBANISTA - MEIO ANTRÓPICO (P3) h/mês 5,00 0,50 2,50 R$ 4.860,00 R$ ,00 DESENHISTA (T2) h/mês 10,00 0,50 5,00 R$ 1.922,08 R$ 9.610,40 AUXILIAR TÉCNICO (T3) h/mês 10,00 1,00 10,00 R$ 1.371,53 R$ ,30 SERVENTE/OPERÁRIO (A4) Sub-Total -A h/mês 2,00 2,00 4,00 R$ 613,61 R$ 2.454,44 R$ ,89 B - LEVANTAMENTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO, ARTÍSTICO E ARQUEOLÓGICO E OBTENÇÃO DE PARECER NO IPHAN CONSULTOR ESPECIAL (C) h/dia 10,00 2,00 20,00 R$ 494,77 R$ 9.895,40 ARQUEÓLOGO (P3) h/mês 10,00 2,00 20,00 R$ 3.607,70 R$ ,00 ARQUITETO (P3) h/mês 8,00 1,00 8,00 R$ 4.860,00 R$ ,00 AUXILIAR TÉCNICO (T3) h/mês 10,00 1,00 10,00 R$ 1.371,53 R$ ,30 SERVENTE/OPERÁRIO (A4) h/mês 2,00 2,00 4,00 R$ 613,61 R$ 2.454,44 Sub-Total - B R$ ,14 C - PLANO BÁSICO AMBIENTAL - PBA CONSULTOR ESPECIAL (C) h/dia 10,00 1,00 10,00 R$ 494,77 R$ 4.947,70 ENGENHEIRO CHEFE DE EQUIPE (P1) h/mês 10,00 0,50 5,00 R$ 7.723,51 R$ ,55 ENGENHEIRO (P3) h/mês 10,00 1,00 10,00 R$ 4.860,00 R$ ,00 BIÓLOGO (P3) h/mês 5,00 0,50 2,50 R$ 3.607,70 R$ 9.019,25 ENG AGRONOMO E/OU FLORESTAL (P3) h/mês 5,00 0,50 2,50 R$ 4.860,00 R$ ,00 DESENHISTA (T2) h/mês 10,00 0,50 5,00 R$ 1.922,08 R$ 9.610,40 AUXILIAR TÉCNICO (T3) Sub-Total - C Sub-Total Item 1 h/mês 10,00 0,50 5,00 R$ 1.371,53 R$ 6.857,65 R$ ,55 R$ , Encargos Sociais Taxa de 86,41% sobre o item 1 Sub-Total Item Custos Administrativos Taxa de 51% sobre o item 1 Sub-Total Item 3 SOMATÓRIO DOS SUB-TOTAIS 1 A Remuneração de Escritório Taxa de 12% sobre a soma dos Sub-Totais 1 a 3 5- Despesas Fiscais Sub-total Item Taxa de 16,62% sobre a soma dos Sub-Totais 1 a 4 SOMATÓRIO DOS SUB-TOTAIS 1 A 4 Sub-Total Item 5 TOTAL GERAL PROJETO AMBIENTAL Data base: Dez/2010 R$ ,43 R$ ,43 R$ ,65 R$ ,65 R$ ,66 R$ ,88 R$ ,88 R$ ,53 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,53

20 ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA DE OBRAS ORÇAMENTO PARA RECUPERAÇÃO DA PRAIA DA ARMAÇÃO DO PÂNTANO DO SUL INCLUINDO DRAGAGEM PARA EXECUÇÃO DE ATERRO HIDRÁULICO, PROTEÇÃO DA PRAIA COM ESTRUTURAS CHAMADAS GEOTUBOS, EXECUÇÃO DE MOLHE DE PROTEÇÃO COM PEDRAS DE GRANDES DIMENSÕES, URBANIZAÇÃO DO MURO DE PROTEÇÃO DA LINHA DE PRAIA, SERVIÇOS DE DRENAGEM, EXECUÇÃO DE PASSARELAS, ENROCAMENTO DE PROTEÇÃO MARGENS DO RIO QUINCA ANTÔNIO E PROJETO EXECUTIVO. LOCAL: PRAIA DA ARMAÇÃO DO PÂNTANO DO SUL - FLORIANÓPOLIS - SC CRONOGRAMA FÍSICO E FINANCEIRO Item Descrição dos serviços MÊS>> TOTAL Geral Acum. Total Contratual 1 DRAGAGEM PARA ATERRO HIDRÁULICO COM ESPALHAMENTO DMT < 1,0 KM ,86 25,00% 25,00% 25,00% 25,00% 100,00% , , , , ,86 2 PROTEÇÃO DA PRAIA COM GEOTUBO ,60 10,00% 40,00% 40,00% 10,00% 100,00% , , , , ,60 3 MOLHE ,00 25,00% 50,00% 25,00% 100,00% , , , ,00 4 URBANIZAÇÃO ,53 20,00% 20,00% 20,00% 20,00% 20,00% 100,00% , , , , , ,53 5 DRENAGEM ,21 20,00% 20,00% 20,00% 20,00% 20,00% 100,00% , , , , , ,21 6 ENROCAMENTO DE PROTEÇÃO DAS MARGENS DO RIO QUINCA ANTÔNIO ,00 25,00% 50,00% 25,00% 100,00% , , , ,00 7 PASSARELA DE LIGAÇÃO ENTRE A PRAIA DA ARMAÇÃO E MATADEIRO ,40 25,00% 25,00% 25,00% 25,00% 100,00% , , , , ,40 8 PASSARELA DE LIGAÇÃO ENTRE A PRAIA DO MATADEIRO E ILHA DAS CAMPANHAS ,90 25,00% 25,00% 25,00% 25,00% 100,00% , , , , ,90 9 MOBILIZAÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO ,27 50,00% 50,00% 100,00% , , ,27 10 INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DO CANTEIRO DE OBRAS ,91 12,50% 12,50% 12,50% 12,50% 12,50% 12,50% 12,50% 12,50% 100,00% 5.110, , , , , , , , ,91 11 PROJETO DA DRAGAGEM E RECUPERAÇÃO DA FAIXA DE PRAIA ,79 10,00% 10,00% 10,00% 10,00% 10,00% 10,00% 10,00% 10,00% 10,00% 10,00% 100,00% , , , , , , , , , , ,79 12 PROJETO AMBIENTAL (EIA/RIMA) ,53 10,00% 10,00% 10,00% 10,00% 10,00% 10,00% 10,00% 10,00% 10,00% 10,00% 100,00% , , , , , , , , , , ,53 VALORES PARCIAIS (R$) - (PI) , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 PERCENTUAIS PARCIAIS ACUMULADOS (PI) (%) 1,94% 1,94% 1,94% 1,94% 1,94% 1,94% 1,94% 1,94% 1,94% 1,94% 6,23% 9,33% 9,23% 18,27% 18,93% 7,98% 4,81% 5,85% 100,00% TOTAIS ACUMULADOS (R$) - (PI) TOTAL PERCENTUAIS ACUMULADOS (PI) (%) , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 1,94% 3,87% 5,81% 7,74% 9,68% 11,62% 13,55% 15,49% 17,42% 19,36% 25,59% 34,92% 44,15% 62,43% 81,36% 89,34% 94,15% 100,00% 11

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ;

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ; Estudo da Dinâmica Costeira da Praia de Piratininga em Niterói (RJ), analisando a relação homem-natureza através da intervenção da sociedade em um ambiente praial. SILVA, Mariana da Costa 1 ; COSTA, Bruno

Leia mais

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL Janice Rezende Vieira Peixoto 1 ; Tânia Castellani Tarabini 2 tartbr@yahoo.com.br 1 - Universidade

Leia mais

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS 1 Origens dos Agentes Geológicos ARTIGO 9 Pelo Geólogo Josué Barroso Inicialmente, como base para

Leia mais

CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL. Palavras-chave: Praias arenosas, morfodinâmica praial, morfologia de praia

CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL. Palavras-chave: Praias arenosas, morfodinâmica praial, morfologia de praia CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL Ana Fatima da Silva 1 ; Norberto Olmiro Horn Filho 2 ; Ulisses Rocha de Oliveira 3 ana.oceano@gmail.com 1 Programa de Pós-Graduação em Geociências

Leia mais

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES DINÂMICA COSTEIRA DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES A costa é onde a terra, a água e o ar se encontram. As águas desta junção tríplice podem ser doces o salgadas. A costa é melhor observada como zona de mistura ou

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais:

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais: - Conceitos Básicos de Terraplenagem - Elaboração do Projeto de terraplenagem - Movimento de terra Cálculo de volumes, DMT e notas de serviço - Diagrama de Bruckner - Execução de terraplenagem- equipamentos

Leia mais

ESPÍRITO SANTO: projetos e obras. hidráulica -DER-ES -

ESPÍRITO SANTO: projetos e obras. hidráulica -DER-ES - ESPÍRITO SANTO: projetos e obras de engenharia hidráulica -DER-ES - Estudos e eventos da natureza têm demonstrado: Perda da grandes áreas de gelo Projeções de cientistas apontam que até 2010 o nível do

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900 MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP Maurício César Sinício Abib 1 ; Kátia Cristina Cruz Capel 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 1 abib.mauricio@hotmail.com 1 - Laboratório de Estratigrafia

Leia mais

5. JUSTIFICATIVAS. 5.1. Justificativa técnica

5. JUSTIFICATIVAS. 5.1. Justificativa técnica 1/10 5. JUSTIFICATIVAS Apresentam-se a seguir as justificativas para o projeto em estudo, abordando os aspectos técnicos, ambientais, econômicos, sociais e políticos-governamentais, e os possíveis conflitos

Leia mais

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS HABITATS MARINHOS E COSTEIROS Manguezais Marismas e planícies de maré Estuários e Lagunas Praias Costões Rochosos Recifes de Coral Plataforma Continental Mar Profundo Fontes Hidrotermais MANGUEZAIS Compreendem

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal. Capítulo Controle de Enchentes e Inundações 10 1. DEFINIÇÃO Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 004/2013 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 10 Serviços de Terraplanagem na Subestação de Interligação à Rede Básica Construção de novo Bay de Saída

Leia mais

Laboratório de Oceanografia Geológica

Laboratório de Oceanografia Geológica O Laboratório de Oceanografia Geológica LOG concentra suas pesquisas para no reconhecimento, e caracterização de ambientes costeiros e marinhos visando o aproveitamento do seu potencial natural, especificamente

Leia mais

PRAIAS. i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos. v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol

PRAIAS. i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos. v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol PRAIAS i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos Transversal à praia Longitudinal à praia v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol Terminologia A praia é um depósito

Leia mais

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR Celia Regina de Gouveia Souza Pesquisadora Científica - Instituto Geológico-SMA/SP Profa. Colaboradora

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE

DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE REFERÊNCIA ASSUNTO: DIRETRIZES DE PROJETO DE HIDRÁULICA E DRENAGEM DATA DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE -309- ÍNDICE PÁG. 1. OBJETIVO... 311 2. RUGOSIDADE EM OBRAS HIDRÁULICAS...

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO João Thadeu de Menezes; Antonio Henrique da Fontoura Klein. Laboratório de Oceanografia Geológica.- Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Para a região da foz do Itajaí-Açu Melhoramento fluvial ao longo do rio Itajaí; Canal extravasor; Melhoramento fluvial

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson Cunha Eng. Maria Francisca

Leia mais

Geotecnologia aplicadas à análise histórica humana /intervenções urbanas e evolução da linha de costa

Geotecnologia aplicadas à análise histórica humana /intervenções urbanas e evolução da linha de costa Geotecnologia aplicadas à análise histórica humana /intervenções urbanas e evolução da linha de costa Marcia Cristina de Souza Matos Carneiro marcia.carneiro@ibge.gov.br NEXUS : Sociedade e Natureza UFPE

Leia mais

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1 Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP Conceitos Gerais As barragens convencionais são estruturas construídas transversalmente aos

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo

Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo Pedro Bettencourt Coutinho, Sónia Alcobia, Carlos César Jesus nemus@nemus.pt ÍNDICE 1. Introdução: alterações climáticas

Leia mais

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO TABELA DE PREÇOS CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO ENGENHARIA CONSULTIVA SANEAGO_15-02 8892 ADMINISTRADOR DE EMPRESAS - JÚNIOR (MENSALISTA) MÊS EFETIVAMENTE TODOS OS SERVIÇOS DE COORDENAÇÃO, ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir:

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir: SUBPROGRAMA DE MANUTENÇÃO E CAPINA NA VIA FÉRREA Este Subprograma trata do gerenciamento e planejamento da execução dos serviços de manutenção e capina da via férrea que será executado em toda a extensão

Leia mais

Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California. Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson

Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California. Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson Journal of Coastal Research, 28(4):903-922. 2012 INTRODUÇÃO ÁREA DE ESTUDO MÉTODOS

Leia mais

Variações temporais da linha de costa em praias arenosas dominadas por ondas do sudeste da Ilha de Santa Catarina (Florianópolis, SC, Brasil)

Variações temporais da linha de costa em praias arenosas dominadas por ondas do sudeste da Ilha de Santa Catarina (Florianópolis, SC, Brasil) Pesquisas em Geociências, 36 (1): 117-135, jan./abr. 2009 ISSN 1518-2398 Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil E-ISSN 1807-9806 Variações temporais

Leia mais

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica.

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica. Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica. A seguir explicitam-se todas as etapas do trabalho de engenharia geotécnica recomendáveis para parecer técnico e ou projeto deste tipo, a fim de: - Orientar

Leia mais

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC)

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PRODUTO IV: INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS SONDAGEM EM MAR ABERTO POR JET PROBE Preparado

Leia mais

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA CÓDIGO DO DOCUMENTO BEL-B-GR-DE-GER-000-0001 GERAL - LOCALIZAÇÃO E ACESSOS UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA GERAL TÍTULO BEL-B-GR-DE-GER-000-0002 BEL-B-GR-DE-GER-000-0003 BEL-B-GR-DE-GER-000-0004

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

MESA 4 - Acidentes e desastres naturais

MESA 4 - Acidentes e desastres naturais Porquê ocorre erosão da costa? Falta de sedimentos Exaustão da fonte Retenção de sedimentos Tempestades Elevação do nível do mar Datação C14 sem correção reservatório Datação com correção com calibração

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

SUMÁRIO I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1

SUMÁRIO I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1 SUMÁRIO VOLUME I I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1 1.1.Informações Gerais... I 2 1.1.1.Órgão Empreendedor... I 2 1.1.2.Pessoa de Contato... I 2 1.1.3.Empresa Responsável pelo Licenciamento Ambiental...

Leia mais

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA.

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. Adriano Mariot da Silva (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 18/2014 Deputado(a) Catarina Paladini

PROJETO DE LEI Nº 18/2014 Deputado(a) Catarina Paladini DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Porto Alegre, terça-feira, 10 de fevereiro de 2015. PRO 1 PROJETO DE LEI Nº 18/2014 Reconhece como de relevante interesse cultural e ambiental o Balneário dos prazeres,

Leia mais

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO Ministério do Meio Ambiente EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO 1 organização Dieter Muehe 2006 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministra do Meio Ambiente Marina Silva Secretário

Leia mais

ELLIFF et al., p. 133-138 133

ELLIFF et al., p. 133-138 133 ELLIFF et al., p. 133-138 133 CLASSIFICAÇÃO MORFODINÂMICA DA PRAIA DO GONZAGA, SANTOS, SÃO PAULO, BRASIL Carla Isobel ELLIFF¹ Nathalia de Sousa MOTTA² Iara Mineiro SCRICCO³ Mariângela Oliveira de BARROS

Leia mais

BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL

BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL Luiz Henrique Sielski de Oliveira 1 ; Fernando Alvim Veiga 2 ; Rodolfo José Angulo 1 ; Maria Cristina

Leia mais

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Quarta 14 às 18h museu IC II Aula 18 Praias e Ambiente Marinho Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Praias Definição de praia zona de material

Leia mais

A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota

A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota Luís Pina Rebêlo; Pedro Oliveira Brito. Departamento de Geologia Marinha - INETI 1- Introdução

Leia mais

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DAS CÚSPIDES DA PRAIA DE CAMBURI, VITÓRIA ES

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DAS CÚSPIDES DA PRAIA DE CAMBURI, VITÓRIA ES VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DAS CÚSPIDES DA PRAIA DE CAMBURI, VITÓRIA ES Leão, Caroline 1 ; Albino, Jacqueline 1 1 Departamento de Ecologia e Recursos Naturais- UFES (carolineleao@yahoo.com.br; jacqueline.albino@terra.com.br)

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

PROTEÇÃO DE MARGENS NO PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL COM USO DE GEOTÊXTIL BIDIM

PROTEÇÃO DE MARGENS NO PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL COM USO DE GEOTÊXTIL BIDIM PROTEÇÃO DE MARGENS NO PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL COM USO DE GEOTÊXTIL BIDIM Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Luciano A. Schmitt JANEIRO 1993 Revisado JANEIRO 011- Departamento

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

Perfis topográficos da secção da barra da Lagoa de Albufeira

Perfis topográficos da secção da barra da Lagoa de Albufeira CRIAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO NO LITORAL ABRANGIDO PELA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Estudo da Lagoa de Albufeira Perfis topográficos da secção

Leia mais

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12 Em atenção à solicitação de autorização para construção de Passagem Superior e Inferior, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada Passagem.

Leia mais

XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA

XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA CARACTERIZAÇÃO MORFODINÂMICA DE SEIS PRAIS DO MUNICÍPIO DE PARATY, RJ: DADOS PRELIMINARES Fernanda Costa de Andrade 1 ; José Antônio Baptista Neto 1 ; Valéria Gomes Veloso fernanda.andrade@ymail.com 1

Leia mais

CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS DE ENGENHARIA

CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS DE ENGENHARIA CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS DE ENGENHARIA OBJETIVO O objetivo deste documento é orientar todas as ações e atividades que devem ser desenvolvidas na elaboração dos projetos de engenharia

Leia mais

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO Autores Rafael Rivoire Godoi Navajas, Engenheiro Civil graduado pela UFRGS (Universisade Federal do Rio Grande do Sul) 1998.

Leia mais

2009 Amplo debate com os moradores, Universidade Federal, Ministério Público, Governo Federal, Governo do Estado

2009 Amplo debate com os moradores, Universidade Federal, Ministério Público, Governo Federal, Governo do Estado HISTÓRICO DA INTERVENÇÃO 2009 Amplo debate com os moradores, Universidade Federal, Ministério Público, Governo Federal, Governo do Estado 2010 Elaboração do Projeto Conceitual de Engenharia para Recuperação

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

SECRETARIA DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA AUTORIDADE PORTUÁRIA

SECRETARIA DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA AUTORIDADE PORTUÁRIA CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNI- CAS REFERENTE AO SERVIÇO DE LIMPEZA DO LEITO MARINHO NA FAIXA DE ACOSTAGEM DO BERÇO DOS ARMAZÉNS 01 E 02 DO CAIS COMERCIAL DO PORTO ORGANIZADO DE SALVADOR -

Leia mais

Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007

Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007 Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007 MARIA DAS NEVES GREGÓRIO TEREZA CRISTINA MEDEIROS DE ARAÚJO RAFAEL LOPES MENDONÇA ICLEIBER NASCIMENTO LIMA

Leia mais

ORÇAMENTO ESTIMATIVO DETALHADO

ORÇAMENTO ESTIMATIVO DETALHADO ORÇAMENTO ESTIMATIVO DETALHADO ITEM ATIVIDADES UNIDADE QUANTIDADE PREÇO UNITÁRIO PREÇO TOTAL OBSERVAÇÕES 4.1 SERVIÇOS DE LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO 4.1.1 LOCAÇÃO DE EQUIPE DE TOPOGRAFIA PARA EXECUÇÃO

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil

Leia mais

SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC.

SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC. SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC. De Oliveira, A.O 1 ; Calliari, L.J 2 ; Griep, G. 2 ; Corrêa, I.C.S 3 ; Goulart, E. 2 ; Veiga, F. 2. e Albergone, E. 2.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DAS PRAIAS DO PINA E DA BOA VIAGEM, RECIFE (PE) BRASIL

CARACTERIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DAS PRAIAS DO PINA E DA BOA VIAGEM, RECIFE (PE) BRASIL CARACTERIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DAS PRAIAS DO PINA E DA BOA VIAGEM, RECIFE (PE) BRASIL Maria das Neves Gregório 1 ;Tereza C. Medeiros de Araújo 2. 1 Geógrafa e aluna do Programa de Pós-Graduação em Oceanografia

Leia mais

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01 PROCEDIMENTO PARA DIMENSIONAR PAVIMENTAÇÃO EM VIAS DE TRÁFEGO LEVE E MUITO LEVE DA PMSP PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO/P01 1 Introdução Apresenta-se os procedimentos das diretrizes para o dimensionamento

Leia mais

Aula 9 PRAIAS ARENOSAS OCEÂNICAS E EROSÃO COSTEIRA. Aracy Losano Fontes

Aula 9 PRAIAS ARENOSAS OCEÂNICAS E EROSÃO COSTEIRA. Aracy Losano Fontes Aula 9 PRAIAS ARENOSAS OCEÂNICAS E EROSÃO COSTEIRA META Abordar os conteúdos relacionados com as praias arenosas oceânicas e a erosão costeira, contemplando definições, modelos de classifi cação das praias

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Pedro Henrique Piassa Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. SETEMBRO 1997

Leia mais

PONTE ESTAIADA SOBRE O RIO NEGRO

PONTE ESTAIADA SOBRE O RIO NEGRO SRMM Secretaria de Desenvolvimento Sustentável da Região Metropolitana de Manaus UGPSUL Unidade Gestora do Programa de Desenvolvimento e Integração da Região Sul da Cidade de Manaus PONTE ESTAIADA SOBRE

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA PARA PROGRAMAS DE SANEAMENTO INTEGRADO: O Caso Mangueira e Mustardinha Recife, PE

INFRA-ESTRUTURA PARA PROGRAMAS DE SANEAMENTO INTEGRADO: O Caso Mangueira e Mustardinha Recife, PE INFRA-ESTRUTURA PARA PROGRAMAS DE SANEAMENTO INTEGRADO: O Caso Mangueira e Mustardinha Recife, PE SÍNTESE A despeito das doenças relacionadas a ambientes insalubres, não há, na Cidade do Recife, registro

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL 2 Publicação IPR - 727/2006 Diretrizes Básicas

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

GEOGRELHAS TECIDAS PARA TALUDE REFORÇADO COM ELEMENTOS TERRAMESH VERDE

GEOGRELHAS TECIDAS PARA TALUDE REFORÇADO COM ELEMENTOS TERRAMESH VERDE GEOGRELHAS TECIDAS PARA TALUDE REFORÇADO COM ELEMENTOS TERRAMESH VERDE Eder José Paulo Tavares Engenheiro Civil Maccaferri do Brasil eder.tavares@maccaferri.com.br Petrucio José dos Santos Junior MSc.

Leia mais

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA O presente capítulo foi elaborado em atenção ao determinado pelo Ibama em seu Termo de Referência visando a formulação de um quadro referencial das condições ambientais da

Leia mais

DER-ES - Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Espírito Santo Emitido em : 22/04/2013-15:28:48 Tabela de Preços - Sintética Página: 1 de 5

DER-ES - Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Espírito Santo Emitido em : 22/04/2013-15:28:48 Tabela de Preços - Sintética Página: 1 de 5 Tabela de Preços - Sintética Página: 1 de 5 Grupo de Serviço: 12 - SERVIÇOS DIVERSOS 42878 Aluguel de automóvel VW/ Gol (flex) 1,0 ou equivalente, inclusive combustível, sem motorista Mes 3.816,81 42888

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO A BASE DE LAJOTAS BAIRRO SANTA ANA - FORQUILHINHA SC MEMORIAL DESCRITIVO

PAVIMENTAÇÃO A BASE DE LAJOTAS BAIRRO SANTA ANA - FORQUILHINHA SC MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: LOCAL: PAVIMENTAÇÃO A BASE DE LAJOTAS RUA ELDORADO BAIRRO SANTA ANA - FORQUILHINHA SC MEMORIAL DESCRITIVO 1 OBJETIVO O presente memorial descritivo tem o objetivo de orientar os serviços e especificar

Leia mais

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005 PROJETO BÁSICO 001/2005 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE ALTO PARAÍSO 34,5/13.8 kv 10/12,5MVA 1- OBJETIVO Este projeto tem por finalidade especificar os serviços para CONTRATAÇÃO

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC FLORIANÓPOLIS OUTUBRO 2011 1 O presente documento é o resultado da viagem solicitada pelo chefe do Ciram Edson Silva

Leia mais

PRAIA DO SACO EM ESTÂNCIA/SE: análise dos processos de uso e ocupação do solo costeiro

PRAIA DO SACO EM ESTÂNCIA/SE: análise dos processos de uso e ocupação do solo costeiro PRAIA DO SACO EM ESTÂNCIA/SE: análise dos processos de uso e ocupação do solo costeiro Ana Cláudia Cardoso Lima Josefa Edilani de Souza Prof. Dr. Lício Valério Lima Vieira (Orientador) RESUMO No Brasil,

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS DPG / SPEG

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS DPG / SPEG COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS DPG / SPEG DVEA / DVGA / DVPJ VOLUME IV LEVANTAMENTOS E PROJETOS GEOTÉCNICOS Junho / 2013 Arquivo: Volume IV - Levantamentos

Leia mais

ANEXO I ORÇ AMENTO B ÁSI CO

ANEXO I ORÇ AMENTO B ÁSI CO ANEXO I ORÇ AMENTO B ÁSI CO MÓDULO SERVIÇOS CONTRATANTE I II III PLANILHA RESUMO DE INVESTIMENTOS ANUAIS Sistema de Coleta e Transporte de Resíduos Sólidos Urbanos Sistema de Serviços Complementares de

Leia mais

RECUO DA LINHA DE COSTA/DEFENDER OU RETIRAR?

RECUO DA LINHA DE COSTA/DEFENDER OU RETIRAR? RECUO DA LINHA DE COSTA/DEFENDER OU RETIRAR? José Nunes André* & Maria de Fátima Neves Cordeiro** geógrafos *IMAR Coimbra (Instituto do Mar) **Escola Secundária de Vieira de Leiria Neste trabalho analisámos

Leia mais

RISCOS PARA O BANHO DE MAR ASSOCIADOS AOS ESTÁGIOS MORFODINÂMICOS DAS PRAIAS DA COSTA DO CACAU SUL DA BAHIA.

RISCOS PARA O BANHO DE MAR ASSOCIADOS AOS ESTÁGIOS MORFODINÂMICOS DAS PRAIAS DA COSTA DO CACAU SUL DA BAHIA. RISCOS PARA O BANHO DE MAR ASSOCIADOS AOS ESTÁGIOS MORFODINÂMICOS DAS PRAIAS DA COSTA DO CACAU SUL DA BAHIA. Lucas do Nascimento 1 ; Adeylan Nascimento Santos 1 ; Abílio Carlos da Silva Pinto Bittencourt

Leia mais

Critérios Ambientais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos

Critérios Ambientais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos Critérios Ambientais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos Este Anexo tem como objetivo orientar a elaboração dos estudos ambientais necessários à preparação dos projetos do PROSAMIM/BID. Para contemplar

Leia mais

Instituto de Pesquisas Hidráulicas. IPH - UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil. Av. Bento Gonçalves 9500, 91509-900, Porto Alegre, RS, Brasil

Instituto de Pesquisas Hidráulicas. IPH - UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil. Av. Bento Gonçalves 9500, 91509-900, Porto Alegre, RS, Brasil IDENTIFICAÇÃO DE JAZIDAS POTENCIAIS DE AREIA NA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARA RECUPERAÇÃO DE PRAIAS URBANAS ENTRE AS CIDADES DE NITERÓI E MACAÉ RJ Julio F. de Oliveira 1 ; Dieter Muehe 2 ; Luiz E.

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

"VALEC: Desenvolvimento sustentável para o Brasil" SUPERINTENDÊNCIA DE CONSTRUÇÃO

VALEC: Desenvolvimento sustentável para o Brasil SUPERINTENDÊNCIA DE CONSTRUÇÃO VALEC "VALEC: Desenvolvimento sustentável para o Brasil" SUPERINTENDÊNCIA DE CONSTRUÇÃO QUADRO DE SERVIÇOS A PREÇOS UNITÁRIOS SUCON Anexo: Nº VALEC FL : REV: 0 DATA : Mar/2010 TO DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS:

Leia mais

SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO

SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO DEMARCAÇÃO LPM 1831 Departamento de Caracterização do Patrimônio/SPU 1 DEMARCAÇÃO DA LPM 1831 Manual de Regularização Fundiária. Instituto Pólis, Brasília. MPOG, 2007. 2 Demarcação: LPM de1831 TERRENOS

Leia mais

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC)

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PRODUTO III INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS SONDAGEM DE SIMPLES RECONHECIMENTO POR SPT

Leia mais

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação Sistemas de Água I - Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 22/10/2013 2 Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução O tratamento da água começa na sua captação A parte

Leia mais

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO GGH/006 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

Leia mais

Variabilidade morfológica da praia do Pântano do Sul, ilha de Santa Catarina, Brasil

Variabilidade morfológica da praia do Pântano do Sul, ilha de Santa Catarina, Brasil Revista Brasileira de Geociências Ulisses Rocha de Oliveira et al. 38(3): 566-576, setembro de 2008 Variabilidade morfológica da praia do Pântano do Sul, ilha de Santa Catarina, Brasil Ulisses Rocha de

Leia mais