Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 Gerência de Memória RAM em Computadores com Mais de 4GB O sistema Windows x86 (32bits) não tem capacidade de reconhecer, fisicamente, mais que 3,X GB de RAM, a não ser que seja ativado, manualmente, o PAE (Physical Addess Extension). Contudo, esta ativação só poderá ser executada dependendo do tipo de processador x86 e do sistema operacional Windows que estiver sendo utilizado. Sem ativar o PAE, o sistema não sabe que há recurso a sua disposição Endereçando além de 4GB com sistemas operacionais Windows de 32bits Nos últimos anos uma série de sistemas foi colocada no mercado, principalmente corporativo, com suporte para quantidades muito além de 4GB, como 8GB, 12GB, 16GB ou mais megabytes de memória RAM. A pergunta é como, uma vez que os processadores são desenhados para endereçar apenas 32bits de endereço de memória. O subsistema memória RAM é fundamental na arquitetura dos computadores, é lá onde os softwares são executados, sendo normalmente carregados a partir dos dados armazenados nos discos rígidos. Para o processador acessar a determinado conjunto de dados na memória, ele usa um barramento de endereçamento (Address Bus) que identifica a posição de memória onde este conjunto de dados está armazenado. Apesar de vermos equipamentos com muitos gibabytes de capacidade além dos 4GB, o fato é que nos sistemas de 32bits o processador deveria apenas conhecer os endereços de memória até 4GB, ou 2^32 bits. A seguir podemos entender então como grandes quantidades de memória são endereçadas por processadores de 32bits com versões de Windows de 32bits. Nota: Cada vez mais é comum processadores de 64bits no mercado, mas existe uma base instalada de equipamentos com tecnologia de hardware e Windows de 32bits grande e que estão, ou poderão passar a estar, com mais do que 4GB de memória RAM instalada. Esta é a razão para este artigo. Quanta memória RAM pode ser endereçada? Os sistemas 32bits baseados na arquitetura IA-32 podem endereçar até 64GB de memória RAM, com o uso das instruções Physical Address Extensions-PAE contidas no processador. O PAE é uma extensão do barramento de endereços de memória, desenhado pela Intel em plataformas IA-32 (Pentium Pro e superiores; a AMD possui recurso similar) que permitem aos processadores aumentar o número de bits utilizados para o endereçamento

2 de memória de 32bits para 36bits, (2^36 bits = 64GB). A ativação do PAE no Windows é possível em versões específicas do sistema operacional como veremos a seguir. Vale aqui lembrar que processador de 32bits é aquele processador com barramento de dados (data bus) de 32bits, processado blocos de dados de 32bits. O barramento responsável pelo endereçamento de memória é o barramento de endereços (address bus), este é o barramento que foi estendido para 36bits, similar ilar ao Intel 8086, que era um processador de 16bits com um barramento de endereçamento de 24bits, possibilitando endereçar até 16MB. As versões Windows Server 2003 Datacenter Edition de 32bits permitem o endereçamento de até 37bits, ou seja, 128GB em hardwares que suportem este limite. Suporte a Memória nos Sistemas Operacionais Windows Os sistemas operacionais baseados na tecnologia Microsoft Windows NT sempre permitiram acesso direto a memória às aplicações que usam endereçamento de 32bits (4GB). O PAE x86, disponível nas versões Windows Server 2003 Enterprise Edition e Windows Server 2003 Datacenter Edition (e também em versões anteriores do Windows Server), permite que o modo de endereçamento seja alterado de 32bits para 64bits possibilitando que o sistema operacional, drivers de dispositivos e aplicações enderecem a memória adicional, endereços acima de 4GB. O acesso direto aos endereços acima de 4GB

3 pelas aplicações é realizado através de uma API específica do Windows, denominada Address Windowing Extensions (AWE). Quando o PAE é habilitado no sistema, toda a memória física é considerada memória de uso geral (general purpose memory). O sistema operacional passa a utilizar esta memória para o gerenciamento de memória virtual sem maiores alterações. Como as apenas as aplicações que realmente utilizam grandes quantidades de memória necessitam do AWE, não são grandes as alterações a serem realizadas no desenho destas aplicações. O Windows considera que toda a memória é memória virtual, seja ela RAM ou o arquivo de paginação, oferecendo área de alocação para as aplicações e gerenciando onde os dados serão armazenados. Ao se habilitar o PAE, através da entrada /PAE no arquivo boot.ini nas versões Windows Server 2003 Enterprise Edition e Windows Server 2003 Datacenter Edition, é habilitado a versão Ntkrnlpa.exe do kernel (ou o Ntkrnlpamp.exe em sistemas multiprocessados). A versão do kernel para uso com o PAE é copiada por padrão durante a instalação do sistema operacional. Com o uso do PAE x86, é possível fazer com que o software executivo do Windows (também conhecido como Kernel) seja capaz de utilizar toda a memória física disponível entre 4GB e 64GB (apesar de endereçar até 64bits, ainda persistem os 36bits de endereçamento máximo do processador), podendo reduzir as operações de paginação e permitindo o aumento de desempenho em cenários onde várias aplicações estão alocadas em um mesmo computador, como em casos de consolidação ou quando aplicações intensivas no uso de memória estão em execução. Tecnologias relacionadas ao PAE x86 Para compreender o funcionamento do PAE x86, é importante conhecer também o funcionamento de algumas outras tecnologias como o Memory Manager, Page Table, 4- gigabyte tuning (4GT) e o Application Windowing Extensions (AWE). Memory Manager O Memory Manager é o componente que traduz os endereços de memória virtual utilizados pelo sistema operacional e aplicações em localizações reais de memória. A tradução da memória real para a virtual é transparente para as aplicações. Processos em execução no User Mode não possuem acesso direto a memória real, e não sabem onde realmente o dado reside. Um processo em User Mode pode solicitar um bloco de memória para escrever, mas o dado pode ser gravado em um espaço na memória RAM ou no arquivo de paginação (paging file, também conhecido como arquivo de swap). O arquivo de paginação é um arquivo no disco rígido que é usado pelo Memory Manager

4 para armazenar dados que não cabem na memória real, movendo blocos da memória real para a virtual, assim como o contrário, sempre que necessário. Mesmo em sistemas com grandes quantidades de memória onde o PAE x86 está habilitado, caso ocorra falta de memória, o Memory Manager irá alocar no arquivo de paginação os dados que não puderem ser alocados em memória física. Com a ativação do PAE x86, os sistemas stemas operacionais passam endereçar dados sob o formato de endereços de 64bits com limite máximo de 36bits (ou 64GB), devido a quantidade de bits disponíveis pela arquitetura x86. Page Table Entries Sendo o Memory Manager responsável pela tradução, rastreamento, reamento, e organização da memória real e virtual, tanto para aplicações quanto para o kernel do Windows, é necessário que estas operações sejam indexadas, assim o Memory Manager pode saber se determinado dado está na memória física ou virtual. Quando este dado é solicitado, o Memory Manager verifica no índice (ou Page Table) buscando uma entrada (Page Table Entry) que aponte o local onde este dado está ou deve ser armazenado. Esta tabela de índices usada pelo Memory Manager é carregada no espaço de memória alocado pelo kernel durante a carga do sistema operacional. Na prática o Memory Manager usa a Page Table para criar um mapa de endereços de 64bits, endereçando diretamente os endereços até 4GB e consultando esta tabela de referência para os ponteiros de endereços entre 4GB e 64GB. Application Windowing Extensions (AWE) Devido ao espaço de endereços virtuais de uma aplicação se estender a apenas 2GB (3GB com o modo 4GT habilitado) nos ambiente 32bits, para aumentar o desempenho das aplicações que necessitam de um método para mapear grandes porções de dados e mantê-los em memória física por todo o tempo, foi desenvolvido um modo de acesso para até 64GB de memória não paginada (física) através de uma API denominada Application Windowing Extensions (AWE). Com o AWE, as aplicações podem reservar seções da memória física que não podem ser paginadas, exceto pela por solicitação da própria aplicação. O AWE mantém os dados alocados permanentemente na memória sem que esta seja paginada uma vez que o Memory Manager não gerencia esta memória, apenas executando as solicitações da API AWE. Diferente do PAE, que deve ser habilitado no boot.ini, o AWE não necessita de ativação, estando disponível para o uso por aplicações desenhadas para este fim.

5 4-gigabyte Tunning (4GT) O 4-gigabyte Tunnig (também conhecido como 4GT, memory tunning ou /3GB) é uma das tecnologias que permitem aumentar a quantidade de memória disponível para aplicações (User Mode). O 4GT permite que aplicações que utilizem memória RAM de maneira intensiva em versões 32bits do Microsoft Windows Server 2003 Enterprise Edition ou Windows Server 2003 Datacenter Edition usem 50% a mais de memória virtual, tornando disponível para o Kernel Mode (ou Windows Executive Mode) menos memória do que o padrão. Nota: O 4GT não é necessário em sistemas Windows de 64bits. Entretanto existem algumas limitações de cenários para o uso do 4GT, como pode ser visto a seguir; Processador baseado na arquitetura x86 (Intel EM64T e AMD64 são processadores x64). 2GB ou mais de memória RAM (existem cenários onde a partir de 1GB recomenda-se a ativação do 4GT). Microsoft Windows Server 2003 Enterprise Edition ou Windows Server 2003 Datacenter Edition. PAE habilitado em equipamentos com mais de 16GB. Necessidade de suportar aplicações ou serviços que utilizem mais de 1GB de memória para o Kernel, por exemplo, manter determinado número de conexões simultâneas ao sistema. O 4GT altera a forma como o Memory Manager aloca a memória virtual no sistema, a figura abaixo ilustra esta arquitetura em um equipamento com 4GB ou mais de memória RAM.

6 Ao invés de dividir os 4GB de memória RAM disponíveis (supondo que o sistema possui 4GB de RAM ou mais e o 4GT habilitado) igualmente entre o Kernel Mode e o User Mode (2GB para cada), o 4GT disponibiliza 1GB a menos de memória RAM para o kernel, liberando assim, 1GB de memória RAM a mais para as aplicações.

7 O uso do 4GT nos sistemas Windows 2003 não é habilitado por padrão, ficando facultado ao engenheiro de sistemas responsável sua ativação em virtude do cenário e principalmente dos testes com as aplicações. Para habilitar o 4GT, deve-se incluir uma entrada /3GB no arquivo boot.ini. Esta chave altera a alocação de espaços em memória para o kernel do sistema e para aplicações. Ao iniciar uma aplicação o sistema operacional examina o cabeçalho do arquivo, se houver o flag "IMAGE_FILE_LARGE_ADDRESS_AWARE"_AWARE" e o /3GB está sendo usado, então a aplicação tem acesso ao espaço de memória liberado pelo 4GT. Apenas as versões Microsoft Windows Server 2003 Enterprise Edition ou Windows Server 2003 Datacenter Edition podem usar o 4GT, outras versões, como o Windows Server 2003 Standard Edition permitem que a chave seja ativada, porém apesar da aparência, os endereços de memória restringidos pela chave (entre 2GB e 3GB) não ficam indisponíveis para uso das aplicações. Em alguns casos, restringir o uso de memória em no máximo 1GB para o kernel pode ser problemático. Para endereçar as necessidades de quantidades intermediárias entre 2GB e 3GB, o Windows Server 2003 conta com um parâmetro auxiliar ao /3GB, também configurado no boot.ini, que permite ajustes. Este parâmetro, o /Userva permite que uma quantidade de memória expressa em MB seja informada ao sistema operacional durante a carga, ajustando assim a quantidade de memória para uso do kernel do sistema. A quantidade de memória deve ser expressa calculando a diferença entre a alocação padrão para as aplicações do 4GT (3072MB) e a memória adicional necessária ao kernel. Por exemplo, caso se deseje permitir mais 512MB para o kernel, deve-se subtrair 512 de 3072, ou seja, 2560 e adicionar ao boot.ini "/3GB /Userva=2560". Esta memória RAM adicional é

8 reservada como espaço adicional para as entradas na tabela de paginação, mas o sistema não faz nenhuma alocação deste espaço até que seja necessário. Outro ponto importante em sistemas com grandes quantidades de memória, é que deve haver espaço suficiente para armazenar um arquivo de despejo de memória de 2GB (despejo de memória do kernel) em sistemas com 4GB ou mais de memória RAM. Usando o 4GT e o Physical Address Extensions no mesmo sistema Em sistemas com 4GB ou mais de memória, o Memory Manager divide os quatro primeiros gigabytes em dois blocos de 2GB, um para Kernel Mode e outro para o User Mode. Desta forma, dependendo da quantidade de memória instalada além dos 4GB, ativar o PAE pode não significar que a aplicação realmente possa fazer uso desta memória. Considerando um equipamento com 6GB RAM como exemplo, uma aplicação que precise de 5GB irá ter paginado pelo Memory Manager ao menos 1GB, além disto, podem ocorrer casos onde o sistema operacional, apesar de ter alocado, não está realmente utilizando os 2GB. Uma forma de permitir que uma quantidade maior de memória seja utilizada pelas aplicações é ativar o PAE e o 4GT no sistema ao mesmo tempo, restringindo o acesso a apenas 1GB pelo kernel. Entretanto, devido ao 4GT restringir o acesso do kernel a memória, o espaço disponível para o Page Table fica restrito (reduzindo a quantidade de memória não-paginável de 256MB para 128MB), permitindo entradas (Page Table Entries) até o limite máximo de 16GB de endereçamento de memória, mesmo que o sistema possua, por exemplo, 32GB de memória RAM instalada. Além disso, é importante testar as aplicações com carga (simulando acesso real) ao usar o 4GT, uma vez que o consumo de memória do modo kernel para manter as conexões com os clientes pode ser insuficiente, exigindo um ajuste mais apurado através do /Userva. Conclusão Apesar do lançamento e consolidação de arquiteturas de 64bits, a quantidade de sistemas de 32bits ainda é grande, e é preciso compreender o funcionamento do subsistema de memória para tirar melhor proveito dos recursos, aumentando a confiabilidade e o desempenho dos sistemas atuais. Para mais informações de como usar os ajustes avançados de memória nos sistemas operacionais Windows, consulte o Microsoft Technet e Knowledge Base e o Help do Windows Server 2003.

Arquitetura do Banco de Dados Oracle 11g no Windows. White paper técnico da Oracle Julho de 2007

Arquitetura do Banco de Dados Oracle 11g no Windows. White paper técnico da Oracle Julho de 2007 Arquitetura do Banco de Dados Oracle 11g no Windows White paper técnico da Oracle Julho de 2007 Arquitetura do Banco de Dados Oracle 11g no Windows Visão geral executiva... 3 Introdução... 3 Arquitetura

Leia mais

Estudo de Caso 2: Windows Vista

Estudo de Caso 2: Windows Vista Faculdades Integradas de Mineiros Curso de Sistemas de Informação Sistemas Operacionais II Estudo de Caso 2: Windows Vista Grupo 4 Helder / Wagner / Frantyeis Junho/2010 O Windows usa uma estratégia Just-In-Time

Leia mais

Arquitetura do Oracle Database 11g no Windows. Um artigo técnico da Oracle Julho de 2007

Arquitetura do Oracle Database 11g no Windows. Um artigo técnico da Oracle Julho de 2007 Arquitetura do Oracle Database 11g no Windows Um artigo técnico da Oracle Julho de 2007 Arquitetura do Oracle Database 11g no Windows Sumário Executivo... 3 Introdução... 3 Arquitetura do Oracle Database

Leia mais

Desempenho do Pervasive PSQL v10. Principais Recursos de Desempenho do Pervasive PSQL. Pervasive PSQL v10 White Paper

Desempenho do Pervasive PSQL v10. Principais Recursos de Desempenho do Pervasive PSQL. Pervasive PSQL v10 White Paper Desempenho do Pervasive PSQL v10 Principais Recursos de Desempenho do Pervasive PSQL Pervasive PSQL v10 White Paper Junho de 2008 CONTEÚDO Introdução...3 Desempenho básico: mais memória e menos disco e

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Windows NT 4.0. Centro de Computação

Windows NT 4.0. Centro de Computação Windows NT 4.0 Centro de Computação Tópicos Introdução Instalação Configuração Organização da rede Administração Usuários Servidores Domínios Segurança Tópicos È O sistema operacional Windows NT È Características:

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

Vantagens de um Ambiente 64 bits Informe Oficial

Vantagens de um Ambiente 64 bits Informe Oficial Vantagens de um Ambiente 64 bits Informe Oficial Publicado em: novembro de 2005 Para obter as informações mais recentes, consulte http://www.microsoft.com/brasil/sql/ Índice Sumário Executivo...1 Introdução...3

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Gerenciamento de memória. Carlos Eduardo de Carvalho Dantas

Gerenciamento de memória. Carlos Eduardo de Carvalho Dantas Carlos Eduardo de Carvalho Dantas Motivos: 1 Manter a CPU ocupada o máximo de tempo para não existir gargalos na busca de dados na memória; 2 Gerenciar os espaços de endereçamento para que processos executem

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

Arquitetura. Sistemas Operacionais. Ementa. Sistemas 32 bits x Sistemas 64 Bits. Arquitetura de S.O. 32 Bits X 64 Bits. Qual a diferença?

Arquitetura. Sistemas Operacionais. Ementa. Sistemas 32 bits x Sistemas 64 Bits. Arquitetura de S.O. 32 Bits X 64 Bits. Qual a diferença? Arquitetura de Ementa Sistemas 32 bits x Sistemas 64 Bits Sistemas Operacionais PROF. FABRÍCIO ALESSI STEINMACHER Arquitetura de S.O 32 Bits X 64 Bits Qual a diferença? NO QUE SE REFERE AOS BITS E BYTES,

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc.

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc. 1 1.0 Kernel O kernel (núcleo) representa o coração do Sistema Operacional. Atribuições do kernel: - gerenciamento dos arquivos em disco; - inicializar programas e executá-los; - alocar e gerenciar memória

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05 Prof. André Lucio Competências da aula 5 Backup. WSUS. Serviços de terminal. Hyper-v Aula 04 CONCEITOS DO SERVIÇO DE BACKUP

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Gerenciamento de Memória no Linux O Linux é um sistema operacional com memória virtual paginada, isto quer dizer que

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual Infraestrutura de Hardware Memória Virtual Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual é a interface

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Informe 2015. Foxit PDF Security Suite Integrado com o Serviço de Gerenciamento de Direitos do Microsoft Active Directory

Informe 2015. Foxit PDF Security Suite Integrado com o Serviço de Gerenciamento de Direitos do Microsoft Active Directory Informe 2015 Foxit PDF Security Suite Integrado com o Serviço de Gerenciamento de Direitos do Microsoft Active Directory Sumário Introdução... 3 Ambientes do Foxit PDF Security Suite... 4 Aplicar políticas

Leia mais

Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series. Bem-vindo

Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series. Bem-vindo Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series Bem-vindo 2013 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto.

Leia mais

Todos os microprocessadores hoje disponíveis em micros compatíveis com PC utilizam o funcionamento do 80386 como ponto de partida.

Todos os microprocessadores hoje disponíveis em micros compatíveis com PC utilizam o funcionamento do 80386 como ponto de partida. 8 0 Introdução Todos os microprocessadores hoje disponíveis em micros compatíveis com PC utilizam o funcionamento do 80386 como ponto de partida. Isso acontece por pelo menos três motivos técnicos: 0 80386

Leia mais

Dispositivo Dell DL1000 Guia de Interoperabilidade

Dispositivo Dell DL1000 Guia de Interoperabilidade Dispositivo Dell DL1000 Guia de Interoperabilidade Notas, avisos e advertências NOTA: Uma NOTA indica informações importantes que ajudam você a usar melhor os recursos do computador. CUIDADO: Um AVISO

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

01/04/2012. Voltar. Voltar

01/04/2012. Voltar. Voltar Introdução à Informática Capítulo 3 Sistemas Operacionais: Software em Segundo Plano Objetivos Descrever as funções de um sistema operacional. Explicar os fundamentos do sistema operacional de um computador.

Leia mais

O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL?

O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL? 1 SISTEMAS OPERACIONAIS: FUNDAMENTOS E FUNÇÕES WAGNER DE OLIVEIRA 2 O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL? Conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware Software especial que

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais Windows Server 2003. Professor Claudio Damasceno

Administração de Sistemas Operacionais Windows Server 2003. Professor Claudio Damasceno Administração de Sistemas Operacionais Windows Server 2003 Professor Claudio Damasceno Conteúdo Programático Introdução Hardware x Sistema Operacional Instalação do Windows Server 2003 Administração de

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000

Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000 1 Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000 Gerenciador de E/S Objetivo é fornecer uma estrutura de modo eficiente para lidar com a grande variedade de dispositivos Bastante relacionado

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

MODELO DE S.O. DEFINIÇÕES

MODELO DE S.O. DEFINIÇÕES MODELO DE S.O. Organização em camadas A: hardware B: núcleo (kernel) drivers, gerenciador de tarefas, controlador de interrupções, gerenciador de memória C: Gerenciador de arquivos e controle de I/O D:

Leia mais

Symantec Backup Exec.cloud

Symantec Backup Exec.cloud Proteção automática, contínua e segura que faz o backup dos dados na nuvem ou usando uma abordagem híbrida, combinando backups na nuvem e no local. Data Sheet: Symantec.cloud Somente 2% das PMEs têm confiança

Leia mais

Gerência de Memória. Paginação

Gerência de Memória. Paginação Gerência de Memória Paginação Endereçamento Virtual (1) O programa usa endereços virtuais É necessário HW para traduzir cada endereço virtual em endereço físico MMU: Memory Management Unit Normalmente

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Aula 04: Sistema Operacional Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Sistemas Operacionais: Software Oculto Serve

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comerciale Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comerciale Editorial Impressão Comerciale Editorial OneVision Software AG Sumário Asura 10.0, Asura Pro 10.0, Garda 10.0...2 PlugBALANCEin 10.0, PlugCROPin 10.0, PlugFITin 10.0, PlugRECOMPOSEin 10.0, PlugSPOTin10.0,...2 PlugTEXTin

Leia mais

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 Neste item aprenderemos a instalar o Microsoft SQL SERVER 2008 R2 e a fazer o Upgrade de versões anteriores do SQL SERVER 2008 R2. Também veremos as principais

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

Estrutura Interna do KernelUNIX Sistema O. Estrutura Interna de Arquivos (1) Estrutura Seqüência. User application. Standard Unix libraries

Estrutura Interna do KernelUNIX Sistema O. Estrutura Interna de Arquivos (1) Estrutura Seqüência. User application. Standard Unix libraries Sistemas de Arquivos (Aula 23) Funções Profa. Gerência Sistema de um processos SO Patrícia D. CostaLPRM/DI/UFES de de de Proteção memória I/O Arquivos Necessidade 2 Sistemas Operacionais 2008/1 Grandes

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01 Prof. André Lucio Competências do modulo Introdução ao sistema operacional Windows Instalação e configuração do sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comerciale Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comerciale Editorial Impressão Comerciale Editorial OneVision Software AG Sumário Asura 10.2, Asura Pro 10.2, Garda 10.2...2 PlugBALANCEin 10.2, PlugCROPin 10.2, PlugFITin 10.2, PlugRECOMPOSEin 10.2, PlugSPOTin10.2,...2 PlugTEXTin

Leia mais

CPU Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Pedro Neto

CPU Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Pedro Neto Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Conteúdo 4. i. Introdução ii. O Trabalho de um Processador iii. Barramentos iv. Clock Interno e Externo v. Bits do Processador

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Microprocessadores II - ELE 1084

Microprocessadores II - ELE 1084 Microprocessadores II - ELE 1084 CAPÍTULO III OS PROCESSADORES 3.1 Gerações de Processadores 3.1 Gerações de Processadores Primeira Geração (P1) Início da arquitetura de 16 bits CPU 8086 e 8088; Arquiteturas

Leia mais

Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais. Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br

Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais. Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br O que é? Pra que serve? Onde se usa? Como funciona? O que é? Uma coleção de programas Inicia e usa do HW

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

VirtuOS vrs. 4.00 para usuários da vrs. 3.01a R.10

VirtuOS vrs. 4.00 para usuários da vrs. 3.01a R.10 VirtuOS vrs. 4.00 para usuários da vrs. 3.01a R.10 Este documento resume as principais diferenças entre a vrs. 4.00 em relação à vrs. 3.01a R.10 do Sistema VirtuOS e se destina aos usuários que dela estão

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SISTEMAS OPERACIONAIS DISCIPLINA: Fundamentos de Informática DEFINIÇÃO É um programa de controle do computador.

Leia mais

Symantec Backup Exec 2010. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 2010. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 2010 Guia de Instalação Rápida 20047221 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes da instalação Sobre a conta de serviço do

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Fiery Network Controller para DocuColor 250/240 SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS. Bem-vindo

Fiery Network Controller para DocuColor 250/240 SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS. Bem-vindo Fiery Network Controller para DocuColor 250/240 SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS Bem-vindo 2005 Electronics for Imaging, Inc. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter

Leia mais

Capítulo 8: Gerenciamento de Memória

Capítulo 8: Gerenciamento de Memória Capítulo 8: Gerenciamento de Memória Sobre a apresentação (About( the slides) Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin e Gagne em 2005. Esse apresentação foi modificada

Leia mais

Sistemas Operacionais. Patrícia Megumi Matsumoto Luciana Maria Gregolin Dias

Sistemas Operacionais. Patrícia Megumi Matsumoto Luciana Maria Gregolin Dias Sistemas Operacionais Microsoft Windows R Patrícia Megumi Matsumoto Luciana Maria Gregolin Dias Histórico Início da década de 80 MS-DOS (vai evoluindo, mas sem nunca deixar de ser um SO orientado à linha

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 2.1 CONCEITO DE BIT O computador só pode identificar a informação através de sua elementar e restrita capacidade de distinguir entre dois estados: 0

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas PROCESSADORES DE 64 BITS X PROCESSADORES DE 32 BITS José Vitor Nogueira Santos FT2-0749 Mealhada, 2009 Introdução

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry SISTEMAS OPERACIONAIS DISCIPLINA: Informática Aplicada DEFINIÇÃO É um programa de controle do computador. O

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Visão Geral do Recurso Live Migration no Windows Server 2008 R2 Hyper-V. Versão: 1.0

Visão Geral do Recurso Live Migration no Windows Server 2008 R2 Hyper-V. Versão: 1.0 Visão Geral do Recurso Live Migration no Windows Server 2008 R2 Hyper-V Versão: 1.0 Publicado: 02 de Dezembro de 2008 Índice Visão Geral Visão Geral dos Recursos do Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos - II Prof. Galvez Implementação de Arquivos Arquivos são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados

Leia mais

AULA 5 Sistemas Operacionais

AULA 5 Sistemas Operacionais AULA 5 Sistemas Operacionais Disciplina: Introdução à Informática Professora: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Sistemas Operacionais Conteúdo: Partições Formatação Fragmentação Gerenciamento

Leia mais

Por dentro do Windows: Gerenciamento de Memória

Por dentro do Windows: Gerenciamento de Memória Por dentro do Windows: Gerenciamento de Memória Rodrigo Strauss http://www.1bit.com. ://www.1bit.com.brbr 1 Definindo Windows Falaremos somente sobre Windows NT NT 3.51 NT 4 Windows 2000 (NT5) Windows

Leia mais

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers Guia de Instalação Rápida 13897290 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes de instalar Sobre a conta

Leia mais

Guia de instalação e configuração do Alteryx Server

Guia de instalação e configuração do Alteryx Server Guia de referência Guia de instalação e configuração do Alteryx Server v 1.5, novembro de 2015 Sumário Guia de instalação e configuração do Alteryx Server Sumário Capítulo 1 Visão geral do sistema... 5

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Sumário Introdução... 3 Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3 Live Migration... 3 Volumes compartilhados do Cluster... 3 Modo de Compatibilidade de Processador...

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

Guia de Referência Rápida sobre Licenciamento. Microso Internal Edition Do Not Distribute Exter

Guia de Referência Rápida sobre Licenciamento. Microso Internal Edition Do Not Distribute Exter Guia de Referência Rápida sobre Licenciamento Microso Internal Edition Do Not Distribute Exter Versão 1.0 2/4/2010 Introdução Visão Geral Este Guia de Referência Rápida é destinado a pessoas que precisam

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE CONFIGURAÇÃO DE MEMÓRIA E PROCESSADOR NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2

BOAS PRÁTICAS DE CONFIGURAÇÃO DE MEMÓRIA E PROCESSADOR NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 1 BOAS PRÁTICAS DE CONFIGURAÇÃO DE MEMÓRIA E PROCESSADOR NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 ROGÉRIO CESAR M. DA CONCEIÇÃO 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo analisa os detalhes de configuração

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO NComputing Brasil - #110502 Instalando o Oracle Virtualbox 4.0.2 e Criando uma VM Windows Server 2008 no Virtualbox O que é virtualbox? O virtualbox é um aplicativo de virtualização multi-plataforma

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.0 Versão 4.00-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express Tecnologia PCI express Introdução O desenvolvimento de computadores cada vez mais rápidos e eficientes é uma necessidade constante. No que se refere ao segmento de computadores pessoais, essa necessidade

Leia mais

Para os. edition: AutoCAD. Mechanical. Showcase. Autodesk. Autodesk. SketchBook. Designer. Mudbox Vault. Autodesk. Autodesk. Ultimate.

Para os. edition: AutoCAD. Mechanical. Showcase. Autodesk. Autodesk. SketchBook. Designer. Mudbox Vault. Autodesk. Autodesk. Ultimate. Autodesk Product Design Suite Standard 20122 Requisitoss de sistema Persona e fluxo de trabalho típicos Para os projetistas e engenheiros responsáveis pela criação de produtos memoráveis, o Autodesk Product

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Sistema de Dados Cromatográficos (CDS) Agilent OpenLAB

Sistema de Dados Cromatográficos (CDS) Agilent OpenLAB Sistema de Dados Cromatográficos (CDS) Agilent OpenLAB Edições EZChrom e ChemStation Requisitos de Hardware e Software Agilent Technologies Avisos Agilent Technologies, Inc. 2010-2013 Nenhuma parte deste

Leia mais

Guia de Introdução ao Symantec Protection Center. Versão 2.0

Guia de Introdução ao Symantec Protection Center. Versão 2.0 Guia de Introdução ao Symantec Protection Center Versão 2.0 Guia de Introdução ao Symantec Protection Center O software descrito neste documento é fornecido sob um contrato de licença e pode ser usado

Leia mais

Sistema de Arquivos FAT

Sistema de Arquivos FAT Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos FAT Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br FAT A FAT é o sistema de arquivos usado pelo MS-DOS e outros sistemas operacionais baseados em Windows para organizar

Leia mais

Memória cache. Prof. Francisco Adelton

Memória cache. Prof. Francisco Adelton Memória cache Prof. Francisco Adelton Memória Cache Seu uso visa obter uma velocidade de acesso à memória próxima da velocidade das memórias mais rápidas e, ao mesmo tempo, disponibilizar no sistema uma

Leia mais

Introdução. O Windows Server 2003 está dividido em quatro versões:

Introdução. O Windows Server 2003 está dividido em quatro versões: Introdução Este é um tutorial de como Instalar o Windows Server 2003, este é o primeiro de alguns tutoriais que farei para ambientes de servidores Windows. A instalação do Windows Server 2003 segue o mesmo

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário 1 Asura 8.5, Asura Pro 8.5, Garda 4.0 Plug-ins: PlugBALANCEin 5.5 PlugCROPin 5.5 PlugFITin 5.5 PlugRECOMPOSEin 5.5 PlugSPOTin 5.5 PlugTEXTin 5.5 PlugINKSAVEin 5.5 PlugWEBin

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 0 - Introdução POR QUE ESTUDAR ARQUITETURA DE COMPUTADORES? 2 https://www.cis.upenn.edu/~milom/cis501-fall12/ Entender para onde os computadores estão

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário 1 Asura 9.0, Asura Pro 9.0, Garda 5.0 Plug-ins: PlugBALANCEin 6.0 PlugCROPin 6.0 PlugFITin 6.0 PlugRECOMPOSEin 6.0 PlugSPOTin 6.0 PlugTEXTin 6.0 PlugINKSAVEin 6.0 PlugWEBin

Leia mais

Acadêmicos: Luís Fernando Martins Nagata Gustavo Rezende Vinícius Rezende Santos

Acadêmicos: Luís Fernando Martins Nagata Gustavo Rezende Vinícius Rezende Santos Acadêmicos: Luís Fernando Martins Nagata Gustavo Rezende Vinícius Rezende Santos Pilhas de Dispositivos Drivers no Windows Vista podem fazer todo trabalho sozinho; Uma requisição pode passar por uma seqüência

Leia mais

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 4 Memória cache Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Características Localização. Capacidade.

Leia mais

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação prática do novo

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação 1 ROM-BIOS ROM-BIOS Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). O termo é incorretamente conhecido como: Basic Integrated Operating

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário Asura 9.5, Asura Pro 9.5,Garda 5.0...2 PlugBALANCEin 6.5, PlugCROPin 6.5, PlugFITin 6.5, PlugRECOMPOSEin 6.5, PlugSPOTin 6.5,...2 PlugTEXTin 6.5, PlugINKSAVEin 6.5, PlugWEBin

Leia mais

28/3/2011. Família Intel 80x86. Arquitetura dos Processadores Intel 80x86

28/3/2011. Família Intel 80x86. Arquitetura dos Processadores Intel 80x86 Arquitetura de Computadores Arquitetura dos Processadores Intel 80x86 Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Família Intel 80x86 Ao se falar

Leia mais

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Tecnologias em Informática 2o Semestre Sistemas Operacionais Prof. Cid R Andrade Sumário Conhecer

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Sistema de arquivos Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Sistema de Arquivos Gerenciamento de E/S

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário 1 Asura 8.2, Asura Pro 8.2, Garda 4.0 Plug-ins: PlugBALANCEin 5.2 PlugCROPin 5.2 PlugFITin 5.2 PlugRECOMPOSEin 5.2 PlugSPOTin 5.2 PlugTEXTin 5.2 PlugINKSAVEin 5.2 PlugWEBin

Leia mais