A COMEÇAR POR... FORMAÇÃO CONTÍNUA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A COMEÇAR POR... FORMAÇÃO CONTÍNUA"

Transcrição

1

2 Página 2 Newsletter A COMEÇAR POR... FORMAÇÃO CONTÍNUA Na semana transacta a SERVASSISTE e o CECOA conjugaram esforços para iniciar a concretização do objectivo definido para os nossos colaboradores para o ano de 2011: garantir que os cerca de 15% sem formação académica ao nível do 9º ano, as adquiram através de um projecto de requalificação pessoal consistente e de comprovada eficácia. Para a SERVASSISTE a bondade desta medida é óbvia: pretende-se que todos quantos trabalham na empresa tenham o espírito de aprendizagem contínua, que os torne aptos a corresponderem aos novos métodos de trabalho e às novas tecnologias, que se estão afirmar neste tipo de actividade. A flexibilidade, a polivalência e a antecipação dos requisitos futuros para exercer este tipo de profissão obrigará a que todos se esforcem por conhecerem sempre mais e possam, eles próprios, contribuir para fazer da SERVASSISTE uma organização apostada na inovação e na competência pluridisciplinar. Esta requalificação não é, pois, em si uma meta que se esgotará no objectivo em causa. O que ela constitui é um ponto de partida para todos os colaboradores da empresa. Eles próprios estão conscientes em como a sua empregabilidade depende do seu empenho em alcançarem tal objectivo. E isso foi visível na sessão, que congregou na sessão de esclarecimento do dia 2 de Março. Um deles, o Paulo Pires, confirmava que vira um anúncio para trabalhos pouco especializados num hipermercado e o requisito académico ali exigido era o 12º ano de escolaridade. Por isso mesmo, os nossos colaboradores agora envolvidos neste projecto, muitos dos quais ainda distantes do dia em que possam vir a almejar uma incerta reforma, irão ver esta oportunidade facultada pela empresa como algo a não desperdiçar. Porque é o seu futuro pessoal, que aqui está em causa. E, para a SERVASSISTE, esta intenção em garantir que os seus colaboradores sejam cada vez mais competentes na interpretação de todos os problemas com que se confrontam profissionalmente em cada dia, será a via para maior produtividade e competitividade num mercado aonde só irão sobreviver os que melhores soluções encontrarão para ultrapassar a difícil conjuntura em que vivemos.

3 Número 209 Página 3 A MANUTENÇÃO É MUITO MAIS DO QUE MUITOS IMAGINAM Há quem imagine - erradamente, claro! - que a actividade da Manutenção de Edifícios passa quase exclusivamente por substituir umas lâmpadas, limpar uns filtros de ar condicionado e ir fazendo uns desentupimentos em urinóis e em casas de banho. A imagem dos técnicos de Manutenção tem estado progressivamente a mudar, mas ainda subsistem preconceitos que urgem superar. Através de um conjunto de nove fotografias sobre algumas das actividades da SERVASSISTE na semana transacta pretendemos demonstrar que ser técnico de Manutenção é, sobretudo, identificar um problema, encontrar-lhe a solução mais adequada e executá-la com eficácia. Passemos então ás imagens: na nº1 temos uma caleira exterior a um edifício, cujas pedras da calçada circundantes estavam já deterioradas e cuja grelha se oxidara e desnivelara em relação ao pavimento. A solução passou por montar grelhas novas e reparar o pavi

4 Página 4 mento. Ao mesmo edifício correspondem as fotografias nº 2 e 3, por onde passaram a verificar-se infiltrações com incidência nos espaços situados no piso abaixo. Essas infiltrações verificavam-se entre as juntas de ligação das pedras ou entre os vidros e as faces aonde eles tinham sido implantados. À correcta e rigorosa identificação da origem dessas infiltrações - tendo em conta a prática há muito comprovada em como a entrada de águas ocorre muitas vezes a alguma distância do sítio por onde ela acaba por derramar - seguiu-se a minimização do problema com a aplicação de materiais isolantes. Passando para outro edifício, a equipa de Manutenção foi mandatada pelo respectivo gestor a remover setas de pavimento, que indiciavam caminhos de passagem de viaturas nos parques e a pintura de novos lugares de estacionamento e de trânsito de peões. O resultado desse trabalho surge nas imagens 4 e 5 e possibilitou um maior nível de oferta de estacionamento para quantos trabalham nesse edifício. Newsletter 4 5 Diferente foi o trabalho reportado na imagem 6, embora executado igualmente no mesmo edifício. Estamos na casa do lixo por onde transitava anteriormente uma conduta de extracção, que servia um espaço de restauração adjacente. 6

5 Número 209 Página 5 Com a eliminação dessa função, essa conduta ocupava espaço, atravessava paredes e ameaçava degradar-se sem préstimo. A solução foi a remoção de quase todo o seu traçado, deixando apenas a curva ali mostrada e que tem como objectivo a extracção de cheiros de tal espaço. Quanto às paredes, depois de rebocadas e pintadas, nem sequer se imagina terem sido em tempos cruzadas por condutas Passemos, enfim, a um terceiro edifício, aonde se andaram a reparar e a pintar as protecções destinadas ao parqueamento dos carrinhos do hipermercado (nº 7 e 8). 7 Devidamente desmontados para reparação na oficina da equipa, eles retomaram o seu aspecto original, já sem as mazelas suscitadas por muitos embates entretanto sofridos. Para concluir reportemos o trabalho de reposicionamento das cortinas de ar montadas nas portas de passagem do interior de um food court para a esplanada exterior, que estavam demasiado elevados para assegurarem a sua função de segregação eficaz de condições de temperatura e de humidade interiores. Conjugando trabalhos de soldadura, de serralharia e de electricidade, o resultado foi o desejado. Temos, pois, exemplos eloquentes quanto à diversidade dos trabalhos contemplados na Manutenção dos Edifícios. 8 9

6 TEMA DE CAPA Página 6 A MANUTENÇÃO DE EDIFICIOS ESTÁ A MUDAR Newsletter A velocidade a que o mundo está a mudar desde que o século verdadeiramente se iniciou - com a queda do Muro de Berlim em não cessa de surpreender. E de exigir uma grande capacidade de resiliência a todos quantos lideram processos de organização nas suas empresas. As Equipas de Manutenção Imobiliária não escapam a tal conjuntura. Longe vão os tempos em que elas podiam imitar o que de pior se associa à imagem do funcionário público, que entra e sai às horas certas e desenvolve lentamente um conjunto de tarefas sem grande valor aparente. No caso das Equipas de Manutenção, que costumavam ser muito mais dilatadas do que o são actualmente, essas tarefas pressupunham a substituição das lâmpadas que se iam fundindo, a limpeza dos filtros de ar condicionado, a abertura de uma ou outra máquina aonde invariavelmente se substituíam as correias e os rolamentos, estivessem eles ou não em fim de vida útil, a reparação de anomalias nas instalações de águas e esgotos e a pintura de paredes e tectos, que fossem apresentando sinais de alguma degradação. Os materiais costumavam ser de pior qualidade do que são os actuais, não tendo ainda por objectivo ampliar ao máximo a periodicidade entre intervenções nos equipamentos ou superfícies. Ao se enfatizar a importância da Manutenção Preventiva o que se pretendeu foi racionalizar práticas, que ainda obedeciam em muito às perspectivas empíricas dos responsáveis por cada empreendimento. Estipulavam-se intervalos de tempo ou número de horas de trabalho, que fundamentassem intervenções em vez de as deixar ao livre arbítrio do decisor, evitando assim que equipamentos fossem esquecidos injustificadamente e outros merecessem

7 Número 209 Página 7 atenções excessivas. Embora a Indústria já estivesse há décadas a cumprir esses pressupostos, o mesmo não sucedeu no sector da Manutenção Imobiliária, aonde ainda hoje - numa época em que as preocupações legais com a racionalização dos consumos energéticos o desaconselhariam - encontramos, amiúde, potenciais Clientes a requererem propostas para os seus Edifícios com vinte ou trinta anos, que denunciam um estado de nunca aí se ter cuidado de fazer mais do que a (dispendiosa) reparação do que se ia avariando. Mas, se desde aquela data, que começámos por considerar de fronteira entre duas posturas, muito mudou, a crise financeira de 2008, com a subsequente crise económica em que estamos a (sobre)viver, ainda mais acentuou a necessidade de antecipação às mudanças e à criação de condições para manter a qualidade da manutenção dos edifícios com uma racionalização ainda mais exigente a nível de custos. Sem esquecer que a legislação a cumprir se tornou muito mais rigorosa quanto aos padrões a respeitar, quer nos consumos de energia, quer na qualidade do ar interior de tais espaços. Nesse sentido, quem se dedica à actividade da Manutenção de Edifícios é obrigado a tomar medidas concretas em sete vertentes distintas do seu quotidiano: Uma redução das suas Equipas ao mínimo denominador comum desses três eixos fundamentais de condicionamento da sua actividade (qualidade, custos, requisitos legais); Uma polivalência o mais alargada possível dessas Equipas, capazes de resolver o mais amplamente possível as anomalias identificadas das diversas especialidades; Relacionada com a anterior, a criação de uma cultura de constante aprendizagem e formação, que melhore substantivamente as capacidades e competências dos seus colaboradores. Uma mobilidade ilimitada das Equipas que por serem constituídas por colaborado-

8 TEMA DE CAPA Págin Newsletter res de características distintas, deverão ser direccionados a cada momento para os locais e equipamentos para os quais possuam maiores probabilidades de produzirem resultados eficazes. Uma supervisão de toda a actividade da Manutenção, dotada de ferramenta adequada a nível informático, que faça o tratamento não só dos planeamentos e do histórico, mas sobretudo da análise de parâmetros de medição e de monitorização contínua, que permitam uma intervenção atempada e devidamente justificada em cada equipamento. Uma selecção criteriosa de fornecedores de materiais e sobressalentes, que facilitem a mais criteriosa gestão de stocks, tanto quanto possível disponibilizados numa lógica de just in time. Uma selecção criteriosa de parceiros especializados em determinados serviços, que não justificam a integração dentro do painel de actividades quotidianas das Equipas, mas que tragam valor acrescentado a uma diversidade de oferta o mais alargada possível. É o caso de serviços de desinfecções e desinfestações, de tratamentos de esgotos, de reciclagem de resíduos ambientais, etc. O que está em causa já não é uma Manutenção Preventiva Sistemática, mas uma Manutenção Condicionada por aquilo que se meça a cada momento. O que transforma a actividade da Manutenção em mais do que uma mera sucessão de rotinas a cumprir para se tornar numa contínua interpretação de variáveis pelas quais se racionalizam ao máximo as intervenções e os seus custos. Deixa, pois, de ser uma actividade aonde perdem importância as tradicionais ferramentas manuais em favor das que possibilitam a interpretação da evolução de temperaturas, de pressões, de consumos e outras variáveis, que acabam por ser as verdadeiramente essenciais para o cumprimento dos tais três eixos fundamentais da apreciação futura do seu desempenho.

9 Número 209 Página 9 RECICLAGEM DAS ÁGUAS PLUVIAIS O custo da água potável é cada vez mais significativo na gestão de edifícios. Sujeitos a redes públicas de distribuição de água, os gestores só podem actuar pelo lado da contenção dos consumos e, quanto muito, pela reciclagem pontual de águas de piscinas ou de furos hertzianos. E, no entanto, a reciclagem será uma realidade cada vez mais pertinente no futuro próximo, porquanto, apesar de 2/3 do planeta ser constituído por água, ela é um bem escasso. Um bom exemplo dessa reciclagem, que convém, ter presente é a experiência em curso na cidade sul-australiana de Salisbury. Aí, tendo em conta índices de pluviosidade muito semelhantes aos portugueses, o município da cidade decidiu aproveitar a água da chuva para a sua distribuição pela rede pública, conseguindo por essa vida, alcançar 30% do consumo. Esse projecto piloto assegura que as aguas que escorrem de tectos, ruas e passeios da cidade são recuperadas e conduzidas para um lago aonde os juncos servem de filtros. A reciclagem dessas águas fundamentar-se-á nas capacidades de depuração da natureza: elas são injectadas e armazenadas num aquífero a 160 metros de profundidade, aonde fica a ser purificada por decantação durante alguns meses antes de ser bombeada. As análises mostram que a qualidade dessa água melhora significativamente durante esse processo de tratamento. Algumas acções complementares eliminam qualquer risco para a saúde. No entanto, para que esta reciclagem tenha sucesso ainda há que vencer o preconceito: em 2006 os habitantes de Toowoomba, no norte da Austrália, rejeitaram em referendo virem a beber águas recicladas.

10 Página 10 Newsletter A ILUMINAÇÃO PÚBLICA: UMA FONTE DE POLUIÇÃO! Já se sabia que a poluição atmosférica impedia a observação do céu, que perturbava a fauna e a flora e que constitui um desperdício energético. Mas que afecte a capacidade de auto-limpeza do ar ficou-se a saber pelo trabalho científico do químico Harald Stark, do National Oceanic and Atmospheric Administration em Los Angeles. O que conclui esse estudo é a destruição das moléculas purificadoras do ar, existentes à noite na atmosfera, pela intensa iluminação artificial. Pior ainda: é a transformação desses óxidos de azoto em agentes poluidores. A proposta subsequente é a importância em reduzir significativamente a iluminação nocturna se queremos reduzir os índices de poluição atmosférica. Stark demonstra que a luz das iluminarias destrói os compostos químicos necessários à limpeza natural da atmosfera. As vítimas da nossa fobia da escuridão são os óxidos de azoto que costumam neutralizar os compostos orgânicos voláteis (COV), importante família de poluentes causados pela actividade humana. As luzes da cidade de Los Angeles são 25 mil vezes mais fracas do que a do Sol, mas 25 vezes mais intensas que a da Lua. Suficiente para destruírem 5% desses óxidos. Ademais, essas luzes transformam tais radicais de nitratos em dióxido de azoto, um gás precursor do ozono, que constitui um importante poluidor urbano. A iluminação nocturna facilita assim a produção de ozono, que assim aumenta 7%. Uma das soluções passa por privilegiar equipamentos que apenas iluminem os pavimentos. Outra alternativa será mudar a iluminação para uma luz vermelha, a única cor do espectro de cores, que não destrói os nitratos radicais. O que aqui está em causa é um conhecimento científico, que poderá vir a condicionar seriamente a forma como hoje encaramos a iluminação exterior dos edifícios públicos e privados...

11 Número 209 Página 11 O QUE É UM NÚMERO? (1) A utilização de números na medição e monitorização de variáveis relacionadas com a Manutenção constitui um requisito fundamental da actividade dos nossos técnicos. Por isso mesmo iremos dedicar atenção especial aos números durante alguns números, partindo de uma abordagem simples para o que eles têm de mais complicado... Com apenas algumas raras excepções todas as civilizações dispõem de palavras para contarem os objectos: «dois», «três», «quatro», etc. Os Sumérios utilizavam símbolos diferentes para contarem objectos de diferentes natureza, mas o desenvolvimento de operações elementares (adição, subtracção, etc.) pôs em evidência a analogia entre o problema de juntar três bois a outros quatro dos de juntar três carneiros a outros quatro. Seja com bois, seja com carneiros, a operação é idêntica. Cerca de 3000 a.c. a noção de número dissociou-se da de colecção. Os números úteis na vida quotidiana ultrapassam raramente alguns milhares. Por exemplo a palavra «milhão» não data senão do Renascimento. No entanto, os Gregos, os Indianos e os Maias especulavam já sobre os números maiores. Arquimedes, por exemplo, tentou calcular o número de grãos de areia necessário para preencher o Universo). A existência destes grandes números provém da propriedade fundamental dos números inteiros: depois de cada um deles, existe sempre um outro (o seu «sucessor»). Esta propriedade está na base dos axiomas propostos no século XIX por Giuseppe Peano para racionalizar a utilização dos números: Existe um número chamado zero. Cada número tem um sucessor. Dois números distintos não têm o mesmo sucessor. 0 não é o sucessor de nenhum número. Se um conjunto contiver 0 e o sucessor de n, acaba por conter todos os números inteiros. Na perspectiva dos axiomas de Peano, os números inteiros são vistos como objectos primitivos, ou seja, objectos sem definição cujo comportamento é regido por axiomas. Nessa lógica, podem escolher-se outros objectos primitivos, por exemplo os conjuntos ou as funções, e definir os números a partir destes objectos.

12 OS NOSSOS TRUNFOS: FLÁVIO BRAGA A SERVASSISTE utiliza diversas metodologias de avaliação dos seus colaboradores, conhecendo bem quais são as suas potencialidades e limitações, ou seja aonde eles poderão demonstrar maior potencial de desempenho e de evolução nas suas competências ou em que aspectos da sua formação importará investir. No entanto, há uma metodologia infalível quanto à validação das nossas próprias opiniões: é quando elas são reflectidas pelos próprios Clientes. Ora, no que diz respeito ao FLÁVIO BRA- GA, sucedeu que, semanas atrás, durante uma reunião de balanço com uma das mais significativas marcas que constam do nosso portfolio de Clientes, ouvimos o respectivo Director nacional fazer o seguinte comentário: - Os meus colaboradores no Norte do país referem-me que vocês têm um colaborador muito bom, inexcedível em simpatia e em vontade de resolver os problemas das nossas lojas. Um tal Flávio! Esta constatação veio ao encontro do que temos verificado ser a postura constante do Flávio, quando a SERVASSISTE necessita que ele prescinda de sábados, domingos, feriados, para acorrer a solicitações urgentes dos nossos Clientes. Haja uma chamada para o Call Center, às horas mais diversas, e logo contamos com a sua disponibilidade para ir «apagar mais um fogo». Ele é a personificação daqueles raros colaboradores, que mais do que serem bons, ou muito bons, porque o demonstram muitas vezes, conseguem alcançar o patamar dos imprescindíveis, ou seja, daqueles com quem se pode SEMPRE contar... ESTA NEWSLETTER É UMA PUBLICAÇÃO SEMANAL DA RESPONSABILIDADE DA COMISSÃO DA QUALIDADE DA SERVASSISTE.

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO

SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO Começo por saudar os presentes e agradecer a disponibilidade demonstrada pelos distintos oradores que

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Produção de Energia Alternativa

Produção de Energia Alternativa Produção de Energia Alternativa Prof.Pedro Araújo Realizado por: - Diogo Fernandes nº27097 - Gonçalo Paiva nº26743 - José Silva nº27144 Introdução A produção de energias alternativas, tem vindo a ganhar

Leia mais

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Nossa Empresa A Ambiental Liron é uma empresa prestadora de serviços, voltada à limpeza de dutos de ar condicionado, limpeza de coifas, limpeza de sistemas

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Investimento Adjudicado 2007-2009

Investimento Adjudicado 2007-2009 Programa de Modernização das Escolas do Ensino Secundário Investimento Adjudicado 2007-2009 Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, Memorando de apoio à audição parlamentar de 24 Março de 2010 NOTA

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS Intervenção do Senhor Presidente da CIP Confederação da Indústria Portuguesa, Eng.º Francisco van Zeller, na Audição Pública (CCB, 04/04/2008)

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS

POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS Ramiro Marques Portugal tem conhecido, nos últimos 25 anos, um conjunto de inovações educativas de carácter contraditório mas que têm em comum, além de

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Em primeiro lugar gostaria de expressar o meu agradecimento

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas Resumo das Conclusões Ainda vamos a tempo de evitar os piores impactos das alterações climáticas, se tomarmos desde já medidas rigorosas. As provas científicas são presentemente esmagadoras: as alterações

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Janeiro de 2008 1. Introdução Uma das condições para que a avaliação cumpra todos os seus objectivos e contribua para a melhoria contínua

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

1992-2013. Duas décadas de experiência em Informática de Gestão

1992-2013. Duas décadas de experiência em Informática de Gestão 1992-2013 Duas décadas de experiência em Informática de Gestão A NOSSA MISSÃO: Superar as necessidades dos nossos Clientes, diferenciando-nos pela excelente qualidade e consistência dos nossos serviços.

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE 12:43 Page 1 INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE Jardins é Page 2 LIXO UM PROBLEMA DE TODOS Reduzir a quantidade de lixo é um compromisso de todos. Uma pessoa é capaz

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal

A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal Nesta apresentação vou começar por partilhar alguma informação sobre a evolução da I&D empresarial e seus resultados. Os seus avanços são ainda pouco conhecidos,

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora GRANDES OPÇÕES DO PLANO

JUNTA DE FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora GRANDES OPÇÕES DO PLANO GRANDES OPÇÕES DO PLANO Na continuidade das opções que temos vindo a desenvolver ao longo do nosso mandato, que reflectem nas suas linhas gerais de orientação, uma constante preocupação em proporcionar

Leia mais

Comportamento nas Organizações

Comportamento nas Organizações Comportamento nas Organizações Trabalho realizado por: Pedro Branquinho nº 1373 Tiago Conceição nº 1400 Índice Introdução... 3 Comportamento nas organizações... 4 Legislação laboral... 5 Tipos de contrato

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

w w w. y e l l o w s c i r e. p t

w w w. y e l l o w s c i r e. p t consultoria e soluções informáticas w w w. y e l l o w s c i r e. p t A YellowScire iniciou a sua atividade em Janeiro de 2003, é uma empresa de consultoria de gestão e de desenvolvimento em tecnologias

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF Avaliador Cargo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O PESSOAL DOS GRUPOS PROFISSIONAIS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica Carreira

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1 AGRADEÇO

Leia mais

ESTRATÉGIA e PROSPECTIVA 2009/2010

ESTRATÉGIA e PROSPECTIVA 2009/2010 ESTRATÉGIA e PROSPECTIVA 2009/2010 J. M Brandão de Brito Prof. Catedrático TRABALHO DE ESTRATÉGIA E PROSPECTIVA 1ª Parte (sobre Estratégia) 1. Explicação prévia Cada par de estudantes (grupo) escolhe,

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

PARECER N.º 28/CITE/2005

PARECER N.º 28/CITE/2005 PARECER N.º 28/CITE/2005 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 45.º do Código do Trabalho e dos artigos 79.º e 80.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.º 26 FH/2005 I OBJECTO

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação Fernando Correia Capitão-de-fragata EN-AEL 30 de Novembro

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXXI Trabalhos com segurança em telhados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

ORIGINAIS RECURSOS Lda

ORIGINAIS RECURSOS Lda Lavagem ecológica A EMPRESA ORIGINAIS RECURSOS Lda é uma empresa nacional localizada na Póvoa de Varzim, que se dedica à comercialização de produtos Auto da Marca STARC em todo o território Português.

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de

A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de Turismo de Natureza e Sustentabilidade QUEM SOMOS A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de 2007,

Leia mais

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS lano de Activida e es Orçamento PPI 2012 À INTRODUCÃO Para cumprimento do disposto na alínea a) do n 2 do artigo 34 da lei n 169/99 de 18 de Setembro, na redacção que lhe

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES 3D CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES Maria da Conceição da Costa Marques, Ph.D Doutora em Gestão, especialidade em Contabilidade

Leia mais

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM SENAI/PR 1 PLANO DE SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM N.º 1 (1) Seleção de capacidades, conteúdos formativos e definição da estratégia Unidade do SENAI:

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana.

Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana. Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana. O aumento da população humana é frequentemente citado como a principal causa de problemas para o planeta. De facto a humanidade está a crescer

Leia mais

Cap 1 A teoria e a prática da Educação. Ramiro Marques

Cap 1 A teoria e a prática da Educação. Ramiro Marques Cap 1 A teoria e a prática da Educação Ramiro Marques Aristóteles dedica um espaço importante de A Política ao tema da educação, preocupando-se com a discussão de vários assuntos: fim pacífico da Educação,

Leia mais

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA O primeiro requisito para venda de uma empresa, total ou parcialmente, é apresentá-la de forma atraente,

Leia mais

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO VENDEDOR DE CENTROS DE CONTACTO DIRECTOR DE VENDAS. Unidade Emissora: Data de Emissão N.º de Folhas MATOSINHOS MATOSINHOS

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO VENDEDOR DE CENTROS DE CONTACTO DIRECTOR DE VENDAS. Unidade Emissora: Data de Emissão N.º de Folhas MATOSINHOS MATOSINHOS 1 / 5 588299619 588312197 588413171 588413960 VENDEDOR DE CENTROS DE CONTACTO DIRECTOR DE VENDAS ELECTROMECÂNICO, ELECTRICISTA E OUTROS INSTALADORES DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ELÉCTRICOS PREPARADOR E CONSERVADOR

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas Começo por cumprimentar os membros deste painel, Professor João Carvalho das Neves,

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

CONFERIR UM NOVO SENTIDO À CIDADE

CONFERIR UM NOVO SENTIDO À CIDADE SMART CITY CONFERIR UM NOVO SENTIDO À CIDADE spie, uma ambição partilhada SMART CITY SMART CITY Mudar a cidade para mudar a vida Após passar pelo quiosque de controlo e pagamento, Paula recarrega o automóvel

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

Importância do ar para os seres vivos

Importância do ar para os seres vivos Importância do ar para os seres vivos A ATMOSFERA A atmosfera éconstituída por várias camadas. Cada camada tem características próprias: TROPOSFERA: Éa camada mais próxima da terra. Éconstituída por uma

Leia mais

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais:

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais: 1. A EMPRESA retende-se com o presente capítulo efectuar a apresentação da Tomás de Oliveira, do seu compromisso em relação à qualidade e da organização que disponibiliza para alcançar esse objectivo.

Leia mais

(Anexo 1) Perfil de Competências

(Anexo 1) Perfil de Competências (Anexo 1) Perfil de Competências a) Tendo em conta as exigências constantes do posto de trabalho inerente ao cargo de direcção intermédia de 2.º grau, são consideradas essenciais para o profícuo desempenho

Leia mais

Escola Profissional Desenvolvimento Rural de Abrantes. O consumismo de energia

Escola Profissional Desenvolvimento Rural de Abrantes. O consumismo de energia Escola Profissional Desenvolvimento Rural de Abrantes O consumismo de energia Consumo de Energia O consumo da energia no mundo está resumido na sua maioria pelas fontes tradicionais como o petróleo, carvão

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO

CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO Cargo/Carreira/Categoria Atribuições/Competências/Actividades UNIDADE DE AMBIENTE, SERVIÇOS URBANOS, INFRA-ESTRUTURAS E EQUIPAMENTOS MUNICIPAIS

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados ÁREA A DESENVOLVER Formação Comercial Gratuita para Desempregados Índice 8. Sobre nós 7. Como pode apoiar-nos 6. Datas de realização e inscrição 5. Conteúdos Programáticos 4. Objectivos 3. O Workshop de

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA A Inspira, uma joint-venture formalizada em 2006 entre o grupo Blandy, com sede na Madeira e larga experiência

Leia mais

Começo por apresentar uma breve definição para projecto e para gestão de projectos respectivamente.

Começo por apresentar uma breve definição para projecto e para gestão de projectos respectivamente. The role of Project management in achieving Project success Ao longo da desta reflexão vou abordar os seguintes tema: Definir projectos, gestão de projectos e distingui-los. Os objectivos da gestão de

Leia mais

A COLOCAÇÃO DE ESCRITÓRIOS PODE VOLTAR AOS 150 MIL/170 MIL M2 EM 2009

A COLOCAÇÃO DE ESCRITÓRIOS PODE VOLTAR AOS 150 MIL/170 MIL M2 EM 2009 OJE 3 de Dezembro 2008 (1/5) A COLOCAÇÃO DE ESCRITÓRIOS PODE VOLTAR AOS 150 MIL/170 MIL M2 EM 2009 O take-up de ESCRITÓRIOS vai regredir em 2009 para o nível dos anos de 2004 e 2005, embora o preço das

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE CRIAÇÃO E REFORÇO DE COMPETÊNCIAS INTERNAS DE I&DT: NÚCLEOS DE I&DT AVISO N.º 08/SI/2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador

Leia mais

Marketing Ambiental. Abril, 2011

Marketing Ambiental. Abril, 2011 Baseado em: Marketing Ambiental, de Joaquim Caetano, Marta Soares, Rosa Dias, Rui Joaquim e Tiago Robalo Gouveia, Plátano Editores, 2008 Abril, 2011 O ambiente de hoje Ao longo das últimas décadas têm

Leia mais

Índice. Noções gerais sobre a organização de condóminos 3. Assembleia de condomínios / inquilinos 5. O Administrador 7. Regulamento do Condomínio 9

Índice. Noções gerais sobre a organização de condóminos 3. Assembleia de condomínios / inquilinos 5. O Administrador 7. Regulamento do Condomínio 9 GUIA DE CONDOMÍNIO Índice Noções gerais sobre a organização de condóminos 3 Assembleia de condomínios / inquilinos 5 O Administrador 7 Regulamento do Condomínio 9 2 Noções gerais sobre a organização de

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE2012

MENSAGEM DO PRESIDENTE2012 1. Pela 12 ª vez relatamos atividades e prestamos contas. Este é dos actos mais nobres de um eleito, mostrar o que fez, como geriu o dinheiro dos cidadãos, dar transparência à governação. Constitui um

Leia mais

Reabilitação Sustentável

Reabilitação Sustentável Reabilitação Sustentável APRESENTAÇÃO 4 A empresa QUEM SOMOS 5 A nossa visão, missão e valores SOLUÇÕES 6 À sua medida REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL 7 O próximo desafio ARQUITETURA 8 Deixe que as suas ideias

Leia mais

Princípios Gerais de Negócio da Shell

Princípios Gerais de Negócio da Shell Princípios Gerais de Negócio da Shell Royal Dutch Shell plc Introdução Os Princípios Gerais de Negócio da Shell regem a forma como cada uma das empresas que constituem o Grupo Shell* deve conduzir as suas

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E.

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Empresa e Serviço Público Empresa Missão Visão Função Social e Responsabilidades Sociais 2. Princípios e Valores Estruturantes

Leia mais

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO VENDEDOR DE CENTROS DE CONTACTO DIRECTOR DE VENDAS. Unidade Emissora: Data de Emissão N.º de Folhas MATOSINHOS MATOSINHOS

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO VENDEDOR DE CENTROS DE CONTACTO DIRECTOR DE VENDAS. Unidade Emissora: Data de Emissão N.º de Folhas MATOSINHOS MATOSINHOS 1 / 5 588299619 588312197 588389769 588413171 VENDEDOR DE CENTROS DE CONTACTO DIRECTOR DE VENDAS EMBALADOR MANUAL DA INDÚSTRIA TRANSFORMADORA ELECTROMECÂNICO, ELECTRICISTA E OUTROS INSTALADORES DE MÁQUINAS

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Limpeza e profissionalismo a toda a prova

Limpeza e profissionalismo a toda a prova Limpeza e profissionalismo a toda a prova A nossa missão Passa pela apresentação de uma oferta alargada de serviços de limpeza garantindo os mais altos padrões de qualidade, através de um sistema de melhoria

Leia mais

Projecto de Lei nº 466/XI/2ª. Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico

Projecto de Lei nº 466/XI/2ª. Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico Projecto de Lei nº 466/XI/2ª Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico Exposição de motivos A problemática da gestão dos resíduos está hoje no centro de muitas opções essenciais de

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais