A COMEÇAR POR... FORMAÇÃO CONTÍNUA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A COMEÇAR POR... FORMAÇÃO CONTÍNUA"

Transcrição

1

2 Página 2 Newsletter A COMEÇAR POR... FORMAÇÃO CONTÍNUA Na semana transacta a SERVASSISTE e o CECOA conjugaram esforços para iniciar a concretização do objectivo definido para os nossos colaboradores para o ano de 2011: garantir que os cerca de 15% sem formação académica ao nível do 9º ano, as adquiram através de um projecto de requalificação pessoal consistente e de comprovada eficácia. Para a SERVASSISTE a bondade desta medida é óbvia: pretende-se que todos quantos trabalham na empresa tenham o espírito de aprendizagem contínua, que os torne aptos a corresponderem aos novos métodos de trabalho e às novas tecnologias, que se estão afirmar neste tipo de actividade. A flexibilidade, a polivalência e a antecipação dos requisitos futuros para exercer este tipo de profissão obrigará a que todos se esforcem por conhecerem sempre mais e possam, eles próprios, contribuir para fazer da SERVASSISTE uma organização apostada na inovação e na competência pluridisciplinar. Esta requalificação não é, pois, em si uma meta que se esgotará no objectivo em causa. O que ela constitui é um ponto de partida para todos os colaboradores da empresa. Eles próprios estão conscientes em como a sua empregabilidade depende do seu empenho em alcançarem tal objectivo. E isso foi visível na sessão, que congregou na sessão de esclarecimento do dia 2 de Março. Um deles, o Paulo Pires, confirmava que vira um anúncio para trabalhos pouco especializados num hipermercado e o requisito académico ali exigido era o 12º ano de escolaridade. Por isso mesmo, os nossos colaboradores agora envolvidos neste projecto, muitos dos quais ainda distantes do dia em que possam vir a almejar uma incerta reforma, irão ver esta oportunidade facultada pela empresa como algo a não desperdiçar. Porque é o seu futuro pessoal, que aqui está em causa. E, para a SERVASSISTE, esta intenção em garantir que os seus colaboradores sejam cada vez mais competentes na interpretação de todos os problemas com que se confrontam profissionalmente em cada dia, será a via para maior produtividade e competitividade num mercado aonde só irão sobreviver os que melhores soluções encontrarão para ultrapassar a difícil conjuntura em que vivemos.

3 Número 209 Página 3 A MANUTENÇÃO É MUITO MAIS DO QUE MUITOS IMAGINAM Há quem imagine - erradamente, claro! - que a actividade da Manutenção de Edifícios passa quase exclusivamente por substituir umas lâmpadas, limpar uns filtros de ar condicionado e ir fazendo uns desentupimentos em urinóis e em casas de banho. A imagem dos técnicos de Manutenção tem estado progressivamente a mudar, mas ainda subsistem preconceitos que urgem superar. Através de um conjunto de nove fotografias sobre algumas das actividades da SERVASSISTE na semana transacta pretendemos demonstrar que ser técnico de Manutenção é, sobretudo, identificar um problema, encontrar-lhe a solução mais adequada e executá-la com eficácia. Passemos então ás imagens: na nº1 temos uma caleira exterior a um edifício, cujas pedras da calçada circundantes estavam já deterioradas e cuja grelha se oxidara e desnivelara em relação ao pavimento. A solução passou por montar grelhas novas e reparar o pavi

4 Página 4 mento. Ao mesmo edifício correspondem as fotografias nº 2 e 3, por onde passaram a verificar-se infiltrações com incidência nos espaços situados no piso abaixo. Essas infiltrações verificavam-se entre as juntas de ligação das pedras ou entre os vidros e as faces aonde eles tinham sido implantados. À correcta e rigorosa identificação da origem dessas infiltrações - tendo em conta a prática há muito comprovada em como a entrada de águas ocorre muitas vezes a alguma distância do sítio por onde ela acaba por derramar - seguiu-se a minimização do problema com a aplicação de materiais isolantes. Passando para outro edifício, a equipa de Manutenção foi mandatada pelo respectivo gestor a remover setas de pavimento, que indiciavam caminhos de passagem de viaturas nos parques e a pintura de novos lugares de estacionamento e de trânsito de peões. O resultado desse trabalho surge nas imagens 4 e 5 e possibilitou um maior nível de oferta de estacionamento para quantos trabalham nesse edifício. Newsletter 4 5 Diferente foi o trabalho reportado na imagem 6, embora executado igualmente no mesmo edifício. Estamos na casa do lixo por onde transitava anteriormente uma conduta de extracção, que servia um espaço de restauração adjacente. 6

5 Número 209 Página 5 Com a eliminação dessa função, essa conduta ocupava espaço, atravessava paredes e ameaçava degradar-se sem préstimo. A solução foi a remoção de quase todo o seu traçado, deixando apenas a curva ali mostrada e que tem como objectivo a extracção de cheiros de tal espaço. Quanto às paredes, depois de rebocadas e pintadas, nem sequer se imagina terem sido em tempos cruzadas por condutas Passemos, enfim, a um terceiro edifício, aonde se andaram a reparar e a pintar as protecções destinadas ao parqueamento dos carrinhos do hipermercado (nº 7 e 8). 7 Devidamente desmontados para reparação na oficina da equipa, eles retomaram o seu aspecto original, já sem as mazelas suscitadas por muitos embates entretanto sofridos. Para concluir reportemos o trabalho de reposicionamento das cortinas de ar montadas nas portas de passagem do interior de um food court para a esplanada exterior, que estavam demasiado elevados para assegurarem a sua função de segregação eficaz de condições de temperatura e de humidade interiores. Conjugando trabalhos de soldadura, de serralharia e de electricidade, o resultado foi o desejado. Temos, pois, exemplos eloquentes quanto à diversidade dos trabalhos contemplados na Manutenção dos Edifícios. 8 9

6 TEMA DE CAPA Página 6 A MANUTENÇÃO DE EDIFICIOS ESTÁ A MUDAR Newsletter A velocidade a que o mundo está a mudar desde que o século verdadeiramente se iniciou - com a queda do Muro de Berlim em não cessa de surpreender. E de exigir uma grande capacidade de resiliência a todos quantos lideram processos de organização nas suas empresas. As Equipas de Manutenção Imobiliária não escapam a tal conjuntura. Longe vão os tempos em que elas podiam imitar o que de pior se associa à imagem do funcionário público, que entra e sai às horas certas e desenvolve lentamente um conjunto de tarefas sem grande valor aparente. No caso das Equipas de Manutenção, que costumavam ser muito mais dilatadas do que o são actualmente, essas tarefas pressupunham a substituição das lâmpadas que se iam fundindo, a limpeza dos filtros de ar condicionado, a abertura de uma ou outra máquina aonde invariavelmente se substituíam as correias e os rolamentos, estivessem eles ou não em fim de vida útil, a reparação de anomalias nas instalações de águas e esgotos e a pintura de paredes e tectos, que fossem apresentando sinais de alguma degradação. Os materiais costumavam ser de pior qualidade do que são os actuais, não tendo ainda por objectivo ampliar ao máximo a periodicidade entre intervenções nos equipamentos ou superfícies. Ao se enfatizar a importância da Manutenção Preventiva o que se pretendeu foi racionalizar práticas, que ainda obedeciam em muito às perspectivas empíricas dos responsáveis por cada empreendimento. Estipulavam-se intervalos de tempo ou número de horas de trabalho, que fundamentassem intervenções em vez de as deixar ao livre arbítrio do decisor, evitando assim que equipamentos fossem esquecidos injustificadamente e outros merecessem

7 Número 209 Página 7 atenções excessivas. Embora a Indústria já estivesse há décadas a cumprir esses pressupostos, o mesmo não sucedeu no sector da Manutenção Imobiliária, aonde ainda hoje - numa época em que as preocupações legais com a racionalização dos consumos energéticos o desaconselhariam - encontramos, amiúde, potenciais Clientes a requererem propostas para os seus Edifícios com vinte ou trinta anos, que denunciam um estado de nunca aí se ter cuidado de fazer mais do que a (dispendiosa) reparação do que se ia avariando. Mas, se desde aquela data, que começámos por considerar de fronteira entre duas posturas, muito mudou, a crise financeira de 2008, com a subsequente crise económica em que estamos a (sobre)viver, ainda mais acentuou a necessidade de antecipação às mudanças e à criação de condições para manter a qualidade da manutenção dos edifícios com uma racionalização ainda mais exigente a nível de custos. Sem esquecer que a legislação a cumprir se tornou muito mais rigorosa quanto aos padrões a respeitar, quer nos consumos de energia, quer na qualidade do ar interior de tais espaços. Nesse sentido, quem se dedica à actividade da Manutenção de Edifícios é obrigado a tomar medidas concretas em sete vertentes distintas do seu quotidiano: Uma redução das suas Equipas ao mínimo denominador comum desses três eixos fundamentais de condicionamento da sua actividade (qualidade, custos, requisitos legais); Uma polivalência o mais alargada possível dessas Equipas, capazes de resolver o mais amplamente possível as anomalias identificadas das diversas especialidades; Relacionada com a anterior, a criação de uma cultura de constante aprendizagem e formação, que melhore substantivamente as capacidades e competências dos seus colaboradores. Uma mobilidade ilimitada das Equipas que por serem constituídas por colaborado-

8 TEMA DE CAPA Págin Newsletter res de características distintas, deverão ser direccionados a cada momento para os locais e equipamentos para os quais possuam maiores probabilidades de produzirem resultados eficazes. Uma supervisão de toda a actividade da Manutenção, dotada de ferramenta adequada a nível informático, que faça o tratamento não só dos planeamentos e do histórico, mas sobretudo da análise de parâmetros de medição e de monitorização contínua, que permitam uma intervenção atempada e devidamente justificada em cada equipamento. Uma selecção criteriosa de fornecedores de materiais e sobressalentes, que facilitem a mais criteriosa gestão de stocks, tanto quanto possível disponibilizados numa lógica de just in time. Uma selecção criteriosa de parceiros especializados em determinados serviços, que não justificam a integração dentro do painel de actividades quotidianas das Equipas, mas que tragam valor acrescentado a uma diversidade de oferta o mais alargada possível. É o caso de serviços de desinfecções e desinfestações, de tratamentos de esgotos, de reciclagem de resíduos ambientais, etc. O que está em causa já não é uma Manutenção Preventiva Sistemática, mas uma Manutenção Condicionada por aquilo que se meça a cada momento. O que transforma a actividade da Manutenção em mais do que uma mera sucessão de rotinas a cumprir para se tornar numa contínua interpretação de variáveis pelas quais se racionalizam ao máximo as intervenções e os seus custos. Deixa, pois, de ser uma actividade aonde perdem importância as tradicionais ferramentas manuais em favor das que possibilitam a interpretação da evolução de temperaturas, de pressões, de consumos e outras variáveis, que acabam por ser as verdadeiramente essenciais para o cumprimento dos tais três eixos fundamentais da apreciação futura do seu desempenho.

9 Número 209 Página 9 RECICLAGEM DAS ÁGUAS PLUVIAIS O custo da água potável é cada vez mais significativo na gestão de edifícios. Sujeitos a redes públicas de distribuição de água, os gestores só podem actuar pelo lado da contenção dos consumos e, quanto muito, pela reciclagem pontual de águas de piscinas ou de furos hertzianos. E, no entanto, a reciclagem será uma realidade cada vez mais pertinente no futuro próximo, porquanto, apesar de 2/3 do planeta ser constituído por água, ela é um bem escasso. Um bom exemplo dessa reciclagem, que convém, ter presente é a experiência em curso na cidade sul-australiana de Salisbury. Aí, tendo em conta índices de pluviosidade muito semelhantes aos portugueses, o município da cidade decidiu aproveitar a água da chuva para a sua distribuição pela rede pública, conseguindo por essa vida, alcançar 30% do consumo. Esse projecto piloto assegura que as aguas que escorrem de tectos, ruas e passeios da cidade são recuperadas e conduzidas para um lago aonde os juncos servem de filtros. A reciclagem dessas águas fundamentar-se-á nas capacidades de depuração da natureza: elas são injectadas e armazenadas num aquífero a 160 metros de profundidade, aonde fica a ser purificada por decantação durante alguns meses antes de ser bombeada. As análises mostram que a qualidade dessa água melhora significativamente durante esse processo de tratamento. Algumas acções complementares eliminam qualquer risco para a saúde. No entanto, para que esta reciclagem tenha sucesso ainda há que vencer o preconceito: em 2006 os habitantes de Toowoomba, no norte da Austrália, rejeitaram em referendo virem a beber águas recicladas.

10 Página 10 Newsletter A ILUMINAÇÃO PÚBLICA: UMA FONTE DE POLUIÇÃO! Já se sabia que a poluição atmosférica impedia a observação do céu, que perturbava a fauna e a flora e que constitui um desperdício energético. Mas que afecte a capacidade de auto-limpeza do ar ficou-se a saber pelo trabalho científico do químico Harald Stark, do National Oceanic and Atmospheric Administration em Los Angeles. O que conclui esse estudo é a destruição das moléculas purificadoras do ar, existentes à noite na atmosfera, pela intensa iluminação artificial. Pior ainda: é a transformação desses óxidos de azoto em agentes poluidores. A proposta subsequente é a importância em reduzir significativamente a iluminação nocturna se queremos reduzir os índices de poluição atmosférica. Stark demonstra que a luz das iluminarias destrói os compostos químicos necessários à limpeza natural da atmosfera. As vítimas da nossa fobia da escuridão são os óxidos de azoto que costumam neutralizar os compostos orgânicos voláteis (COV), importante família de poluentes causados pela actividade humana. As luzes da cidade de Los Angeles são 25 mil vezes mais fracas do que a do Sol, mas 25 vezes mais intensas que a da Lua. Suficiente para destruírem 5% desses óxidos. Ademais, essas luzes transformam tais radicais de nitratos em dióxido de azoto, um gás precursor do ozono, que constitui um importante poluidor urbano. A iluminação nocturna facilita assim a produção de ozono, que assim aumenta 7%. Uma das soluções passa por privilegiar equipamentos que apenas iluminem os pavimentos. Outra alternativa será mudar a iluminação para uma luz vermelha, a única cor do espectro de cores, que não destrói os nitratos radicais. O que aqui está em causa é um conhecimento científico, que poderá vir a condicionar seriamente a forma como hoje encaramos a iluminação exterior dos edifícios públicos e privados...

11 Número 209 Página 11 O QUE É UM NÚMERO? (1) A utilização de números na medição e monitorização de variáveis relacionadas com a Manutenção constitui um requisito fundamental da actividade dos nossos técnicos. Por isso mesmo iremos dedicar atenção especial aos números durante alguns números, partindo de uma abordagem simples para o que eles têm de mais complicado... Com apenas algumas raras excepções todas as civilizações dispõem de palavras para contarem os objectos: «dois», «três», «quatro», etc. Os Sumérios utilizavam símbolos diferentes para contarem objectos de diferentes natureza, mas o desenvolvimento de operações elementares (adição, subtracção, etc.) pôs em evidência a analogia entre o problema de juntar três bois a outros quatro dos de juntar três carneiros a outros quatro. Seja com bois, seja com carneiros, a operação é idêntica. Cerca de 3000 a.c. a noção de número dissociou-se da de colecção. Os números úteis na vida quotidiana ultrapassam raramente alguns milhares. Por exemplo a palavra «milhão» não data senão do Renascimento. No entanto, os Gregos, os Indianos e os Maias especulavam já sobre os números maiores. Arquimedes, por exemplo, tentou calcular o número de grãos de areia necessário para preencher o Universo). A existência destes grandes números provém da propriedade fundamental dos números inteiros: depois de cada um deles, existe sempre um outro (o seu «sucessor»). Esta propriedade está na base dos axiomas propostos no século XIX por Giuseppe Peano para racionalizar a utilização dos números: Existe um número chamado zero. Cada número tem um sucessor. Dois números distintos não têm o mesmo sucessor. 0 não é o sucessor de nenhum número. Se um conjunto contiver 0 e o sucessor de n, acaba por conter todos os números inteiros. Na perspectiva dos axiomas de Peano, os números inteiros são vistos como objectos primitivos, ou seja, objectos sem definição cujo comportamento é regido por axiomas. Nessa lógica, podem escolher-se outros objectos primitivos, por exemplo os conjuntos ou as funções, e definir os números a partir destes objectos.

12 OS NOSSOS TRUNFOS: FLÁVIO BRAGA A SERVASSISTE utiliza diversas metodologias de avaliação dos seus colaboradores, conhecendo bem quais são as suas potencialidades e limitações, ou seja aonde eles poderão demonstrar maior potencial de desempenho e de evolução nas suas competências ou em que aspectos da sua formação importará investir. No entanto, há uma metodologia infalível quanto à validação das nossas próprias opiniões: é quando elas são reflectidas pelos próprios Clientes. Ora, no que diz respeito ao FLÁVIO BRA- GA, sucedeu que, semanas atrás, durante uma reunião de balanço com uma das mais significativas marcas que constam do nosso portfolio de Clientes, ouvimos o respectivo Director nacional fazer o seguinte comentário: - Os meus colaboradores no Norte do país referem-me que vocês têm um colaborador muito bom, inexcedível em simpatia e em vontade de resolver os problemas das nossas lojas. Um tal Flávio! Esta constatação veio ao encontro do que temos verificado ser a postura constante do Flávio, quando a SERVASSISTE necessita que ele prescinda de sábados, domingos, feriados, para acorrer a solicitações urgentes dos nossos Clientes. Haja uma chamada para o Call Center, às horas mais diversas, e logo contamos com a sua disponibilidade para ir «apagar mais um fogo». Ele é a personificação daqueles raros colaboradores, que mais do que serem bons, ou muito bons, porque o demonstram muitas vezes, conseguem alcançar o patamar dos imprescindíveis, ou seja, daqueles com quem se pode SEMPRE contar... ESTA NEWSLETTER É UMA PUBLICAÇÃO SEMANAL DA RESPONSABILIDADE DA COMISSÃO DA QUALIDADE DA SERVASSISTE.

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal

A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal Nesta apresentação vou começar por partilhar alguma informação sobre a evolução da I&D empresarial e seus resultados. Os seus avanços são ainda pouco conhecidos,

Leia mais

SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO

SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO Começo por saudar os presentes e agradecer a disponibilidade demonstrada pelos distintos oradores que

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES Inovação EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES DOSSIER 13 JORGE LIZARDO NEVES O futuro é sem dúvida eléctrico Vem aí a Era de motores menos poluentes e mais eficientes. Quem o diz é o Jorge Lizardo Neves,

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS Intervenção do Senhor Presidente da CIP Confederação da Indústria Portuguesa, Eng.º Francisco van Zeller, na Audição Pública (CCB, 04/04/2008)

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

A sua casa respeita o ambiente?

A sua casa respeita o ambiente? A sua casa respeita o ambiente? A casa passiva com Dow - Soluções para a Construção A casa passiva isolada com produtos Dow Soluções para a Construção Um resultado extraordinário E=-92% & 0 CO 2 E=-92%

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO

CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO Cargo/Carreira/Categoria Atribuições/Competências/Actividades UNIDADE DE AMBIENTE, SERVIÇOS URBANOS, INFRA-ESTRUTURAS E EQUIPAMENTOS MUNICIPAIS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF Avaliador Cargo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O PESSOAL DOS GRUPOS PROFISSIONAIS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica Carreira

Leia mais

Investimento Adjudicado 2007-2009

Investimento Adjudicado 2007-2009 Programa de Modernização das Escolas do Ensino Secundário Investimento Adjudicado 2007-2009 Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, Memorando de apoio à audição parlamentar de 24 Março de 2010 NOTA

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Em primeiro lugar gostaria de expressar o meu agradecimento

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA PARTAMENTO OBRAS E GESTÃO FICHA TÉCNICA 1. INTIFICAÇÃO Casa Museu Miguel Torga 2. LOCALIZAÇÃO Praça Sá de Miranda. Freguesia de Santo António dos Olivais 3. SCRIÇÃO GERAL A Câmara Municipal deliberou em

Leia mais

GE Power & Water Water & Process Technologies. Recursos preciosos, desafios prementes, melhores soluções.

GE Power & Water Water & Process Technologies. Recursos preciosos, desafios prementes, melhores soluções. GE Power & Water Water & Process Technologies Recursos preciosos, desafios prementes, melhores soluções. Recursos preciosos Se o consumo de água continuar a aumentar à mesma taxa, as estatísticas deixam

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO VENDEDOR DE CENTROS DE CONTACTO DIRECTOR DE VENDAS. Unidade Emissora: Data de Emissão N.º de Folhas MATOSINHOS MATOSINHOS

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO VENDEDOR DE CENTROS DE CONTACTO DIRECTOR DE VENDAS. Unidade Emissora: Data de Emissão N.º de Folhas MATOSINHOS MATOSINHOS 1 / 5 588299619 588312197 588413171 588413960 VENDEDOR DE CENTROS DE CONTACTO DIRECTOR DE VENDAS ELECTROMECÂNICO, ELECTRICISTA E OUTROS INSTALADORES DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ELÉCTRICOS PREPARADOR E CONSERVADOR

Leia mais

ORIGINAIS RECURSOS Lda

ORIGINAIS RECURSOS Lda Lavagem ecológica A EMPRESA ORIGINAIS RECURSOS Lda é uma empresa nacional localizada na Póvoa de Varzim, que se dedica à comercialização de produtos Auto da Marca STARC em todo o território Português.

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território.

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território. Auditorias energéticas em edifícios públicos Isabel Santos ECOCHOICE Abril 2010 EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Somos uma empresa de

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E.

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Empresa e Serviço Público Empresa Missão Visão Função Social e Responsabilidades Sociais 2. Princípios e Valores Estruturantes

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE SERPA E A JUNTA DE FREGUESIA DE SALVADOR

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE SERPA E A JUNTA DE FREGUESIA DE SALVADOR PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE SERPA E A JUNTA DE FREGUESIA DE SALVADOR Entre: A Câmara Municipal de Serpa, representada pelo seu Presidente, João Manuel

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Nossa Empresa A Ambiental Liron é uma empresa prestadora de serviços, voltada à limpeza de dutos de ar condicionado, limpeza de coifas, limpeza de sistemas

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Foi aprovado pela tutela no ano de 2008 o Regulamento Interno do Centro Hospitalar do Porto que passou a reger a

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO VENDEDOR DE CENTROS DE CONTACTO DIRECTOR DE VENDAS. Unidade Emissora: Data de Emissão N.º de Folhas MATOSINHOS MATOSINHOS

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO VENDEDOR DE CENTROS DE CONTACTO DIRECTOR DE VENDAS. Unidade Emissora: Data de Emissão N.º de Folhas MATOSINHOS MATOSINHOS 1 / 5 588299619 588312197 588389769 588413171 VENDEDOR DE CENTROS DE CONTACTO DIRECTOR DE VENDAS EMBALADOR MANUAL DA INDÚSTRIA TRANSFORMADORA ELECTROMECÂNICO, ELECTRICISTA E OUTROS INSTALADORES DE MÁQUINAS

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora GRANDES OPÇÕES DO PLANO

JUNTA DE FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora GRANDES OPÇÕES DO PLANO GRANDES OPÇÕES DO PLANO Na continuidade das opções que temos vindo a desenvolver ao longo do nosso mandato, que reflectem nas suas linhas gerais de orientação, uma constante preocupação em proporcionar

Leia mais

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal Eficiência dos sistemas de abastecimento de água para consumo humano WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal IPQ, 9 de abril de 2014 Os serviços

Leia mais

MINISTERIO DA ECONOMIA DIRECÇÃO DO TURISMO E HOTELARIA (Unidade-Disciplina-Trabalho)

MINISTERIO DA ECONOMIA DIRECÇÃO DO TURISMO E HOTELARIA (Unidade-Disciplina-Trabalho) REPUBLICA DEMOCRATICA DE S. TOMÉ E PRINCIPE MINISTERIO DA ECONOMIA DIRECÇÃO DO TURISMO E HOTELARIA (Unidade-Disciplina-Trabalho) CONCLUSÕES E PROPOSTAS DA 1ª CONFERÊNCIA DO TURISMO DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN

Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN LISBOA 9 de Novembro de 2011 A PROCURA INCESSANTE DO EMAGRECIMENTO 1 INTRODUÇÃO HOJE EM DIA A MAIOR PARTE DAS ORGANIZAÇÕES ACTUA MAIS NUMA LÓGICA DE SOBREVIVÊNCIA. O

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana.

Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana. Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana. O aumento da população humana é frequentemente citado como a principal causa de problemas para o planeta. De facto a humanidade está a crescer

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA MUNICÍPIO DE SÁTÃO Nº EXPEDIENTE: 2008/0132/ER/01 NORMA DE APLICAÇÃO: ISO9001:2008 Nº RELATÓRIO: 08 TIPO DE AUDITORIA: AS1 Requer envio de PAC à LUSAENOR: SIM X NÃO o Data de realização

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Limpeza e profissionalismo a toda a prova

Limpeza e profissionalismo a toda a prova Limpeza e profissionalismo a toda a prova A nossa missão Passa pela apresentação de uma oferta alargada de serviços de limpeza garantindo os mais altos padrões de qualidade, através de um sistema de melhoria

Leia mais

QUALIDADE DO AR INTERIOR

QUALIDADE DO AR INTERIOR QUALIDADE DO AR INTERIOR POR DIA OS NOSSOS PULMÕES FILTRAM CERCA DE 13. 000 LITROS DE AR! A POLUIÇÃO EM AMBIENTES FECHADOS É UMA DAS PRINCIPAIS CAUSAS DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS A maior parte das nossas

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES

PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Exma. Sras. Deputadas e Srs. Deputados Exma. Sra. e Srs. Membros do Governo Desde os anos oitenta que

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais

acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais Promover nos fogos municipais condições de acessibilidade eliminando as barreiras físicas que constituem obstáculo à PROJECTO

Leia mais

CARTA DE FLORENÇA Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS. Carta de Florença 1982. Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982

CARTA DE FLORENÇA Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS. Carta de Florença 1982. Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982 Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS Carta de Florença 1982 Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982 Tradução por António de Borja Araújo, Engenheiro Civil IST Dezembro de 2006 Pág. 2 de7 PREÂMBULO O ICOMOS-IFLA

Leia mais

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar Hotel Cinquentenário Fátima, 05 de Abril de 2008 Índice Abordagem por processos Requisitos da documentação Política

Leia mais

O que é o pensamento baseado no risco?

O que é o pensamento baseado no risco? PENSAMENTO BASEADO NO RISCO NA ISO 9001:2015 Propósito deste artigo Explicar o pensamento baseado no risco na ISO 9001 Abordar percepções e preocupações que o pensamento baseado no risco substitua a abordagem

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais:

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais: 1. A EMPRESA retende-se com o presente capítulo efectuar a apresentação da Tomás de Oliveira, do seu compromisso em relação à qualidade e da organização que disponibiliza para alcançar esse objectivo.

Leia mais

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Geografia A * Análise de Notícias Natureza das notícias: socio-económica Localização temporal: actualidade Localização espacial: Europa Jornal: Expresso Data de edição:

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

PARECER N.º 28/CITE/2005

PARECER N.º 28/CITE/2005 PARECER N.º 28/CITE/2005 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 45.º do Código do Trabalho e dos artigos 79.º e 80.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.º 26 FH/2005 I OBJECTO

Leia mais

as quais permitem desenvolver novos saberes e potenciar a sua utilização e difusão.

as quais permitem desenvolver novos saberes e potenciar a sua utilização e difusão. 2011- O contributo do QREN para a competitividade e a coesão da região centro Intervenção do senhor Reitor, Prof. Doutor Manuel Assunção Centro Cultural da Gafanha da Nazaré Rua Prior Guerra 14 de Dezembro

Leia mais

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!!

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!! Combate as alterações climáticas Reduz a tua pegada e muda o mundo!! O dióxido de carbono é um gás naturalmente presente na atmosfera. À medida que crescem, as plantas absorvem dióxido de carbono, que

Leia mais

Produção de Energia Alternativa

Produção de Energia Alternativa Produção de Energia Alternativa Prof.Pedro Araújo Realizado por: - Diogo Fernandes nº27097 - Gonçalo Paiva nº26743 - José Silva nº27144 Introdução A produção de energias alternativas, tem vindo a ganhar

Leia mais

Av. da Boavista, 1837 15º 4100-133 Porto t. +351 22 606 86 08 f. +351 22 606 87 23. Suíça. Rue du Rhône 86 1204 Genève

Av. da Boavista, 1837 15º 4100-133 Porto t. +351 22 606 86 08 f. +351 22 606 87 23. Suíça. Rue du Rhône 86 1204 Genève Lisboa Porto Suíça Sucursal em Portugal Av. da Liberdade, 131-4º 1250-140 Lisboa t. +351 21 325 4030 f. +351 21 346 5164 Av. da Boavista, 1837 15º 4100-133 Porto t. +351 22 606 86 08 f. +351 22 606 87

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio.

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio. OBJETIVO O PGR - Programa de Gerenciamento de Risco e PAE - Plano de Ação de Emergências são parte integrante do PBA Plano Básico Ambiental da Estrada-Parque Visconde de Mauá, que compreende a identificação,

Leia mais

Jornadas dos Assistentes Técnicos de Saúde do CHP. Competências/ apetências e exigências no âmbito do assistente técnico no CHP

Jornadas dos Assistentes Técnicos de Saúde do CHP. Competências/ apetências e exigências no âmbito do assistente técnico no CHP Jornadas dos Assistentes Técnicos de Saúde do CHP Competências/ apetências e exigências no âmbito do assistente técnico no CHP Fui atrás de definições Competência: conhecimento aprofundado e reconhecido

Leia mais

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas Resumo das Conclusões Ainda vamos a tempo de evitar os piores impactos das alterações climáticas, se tomarmos desde já medidas rigorosas. As provas científicas são presentemente esmagadoras: as alterações

Leia mais

NOTA JUSTIFICATIVA. a) Revestimento de fachadas

NOTA JUSTIFICATIVA. a) Revestimento de fachadas Proposta de Regulamento do programa de incentivos à recuperação de fachadas, coberturas e vãos de imóveis degradados nos aglomerados urbano nos Concelho de Penamacor NOTA JUSTIFICATIVA Pretende-se com

Leia mais

Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana

Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana Estratégia para um Desenvolvimento Sustentável para a Cidade de Águeda Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana Águeda, 27/04/2011 V.M. Ferreira O projecto: Este projecto visou reflectir

Leia mais

acrescentamos valor ao seu negócio!!

acrescentamos valor ao seu negócio!! Conteúdo EMPRESA... 3 COMPETÊNCIAS... 4 MISSÃO E VALORES... 5 ONDE ESTAMOS... 6 PARCERIAS... 6 LISTA DE PRODUTOS COMERCIALIZADOS... 7 DIVISÃO AUTO... 7 SERVIÇOS TÉCNICOS PRESTADOS... 12 MANUTENÇÃO E REPARAÇÃO

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

FACILITIES MANAGEMENT

FACILITIES MANAGEMENT MINI MBA Potencialize a sua qualificação profissional Incremente a eficácia e rentabilidade da sua unidade de trabalho Eficiência operacional e redução de custos em FACILITIES MANAGEMENT Mini MBA Mais

Leia mais

Tutorial norma ISO 9001

Tutorial norma ISO 9001 Tutorial norma ISO 9001 Docente: Prof. Dr. José Carlos Marques Discentes-Grupo 3: Luciane F. I. Ramos Fonseca Ana Paula C. Vieira Lúcia Melim Ana Paula Neves Funchal, Maio de 2009 1. CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Por: Patrícia Isabel Correia* A ausência de um Sistema de Gestão de Manutenção provocou, ao longo de muitos anos, a deterioração

Leia mais

Parece-me que alguém nos quer ultrapassar

Parece-me que alguém nos quer ultrapassar O que é a Manutenção? Conjunto de acções conduzidas com o fim de manter em condição aceitável as instalações e o equipamento fabril de forma a assegurar a regularidade da produção, a sua qualidade e a

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL Luciane Souza, Ronnie Oliveira Mercedes-Benz do Brasil, unidade Juiz de Fora RESUMO A Mercedes-Benz tem como princípio a sustentabilidade. Baseado nesse princípio,

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável.

Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável. Conceitos e Princípios da Arquitectura Sustentável. 1.0 Impacto da Construção: 1.1 Ambiental 1.2 Social 1.3 Económico Procura do Equilíbrio nestes três factores Desenvolvimento de soluções sustentáveis

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Novembro/2014 Índice INTRODUÇÃO... 3 Balanço da execução do plano... 4 Conclusão... 5 Recomendações... 8 REVISÃO DO

Leia mais

2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? 4. Em que consiste a sustentabilidade ambiental?

2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? 4. Em que consiste a sustentabilidade ambiental? 1. Quais são as dimensões do Desenvolvimento Sustentável? 2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? a) Económica b) Social c) Ambiental d) Todas as anteriores a) Melhorar a nossa qualidade de vida

Leia mais

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES

CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES 3D CONTABILIDADE, TOMADA DE DECISÃO E AMBIENTE: CONTRIBUTOS PARA REFORÇO DO DESEMPENHO ECONÓMICO DAS ORGANIZAÇÕES Maria da Conceição da Costa Marques, Ph.D Doutora em Gestão, especialidade em Contabilidade

Leia mais

Happy Home Wallet. Um guia que o ajuda a poupar recursos

Happy Home Wallet. Um guia que o ajuda a poupar recursos Um guia que o ajuda a poupar recursos 1 Introdução... 3 Como mudar os seus padrões de consumo?... 4 Como poupar os seus recursos diários: Água... 6 Como poupar os seus recursos diários: Energia... 8 Como

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

Mapeando uma Estratégia de Advocacia

Mapeando uma Estratégia de Advocacia Mapeando uma Estratégia de Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

CONFERIR UM NOVO SENTIDO À CIDADE

CONFERIR UM NOVO SENTIDO À CIDADE SMART CITY CONFERIR UM NOVO SENTIDO À CIDADE spie, uma ambição partilhada SMART CITY SMART CITY Mudar a cidade para mudar a vida Após passar pelo quiosque de controlo e pagamento, Paula recarrega o automóvel

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Importância do ar para os seres vivos

Importância do ar para os seres vivos Importância do ar para os seres vivos A ATMOSFERA A atmosfera éconstituída por várias camadas. Cada camada tem características próprias: TROPOSFERA: Éa camada mais próxima da terra. Éconstituída por uma

Leia mais