O TRABALHO INDUSTRIAL FEMININO: UMA ANÁLISE DO IMPACTO DA DESINDUSTRIALIZAÇÃO NO EMPREGO DAS MULHERES 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O TRABALHO INDUSTRIAL FEMININO: UMA ANÁLISE DO IMPACTO DA DESINDUSTRIALIZAÇÃO NO EMPREGO DAS MULHERES 1"

Transcrição

1 O TRABALHO INDUSTRIAL FEMININO: UMA ANÁLISE DO IMPACTO DA DESINDUSTRIALIZAÇÃO NO EMPREGO DAS MULHERES 1 Iriana Lima Cadó 2 Luciana de Oliveira Silva 3 Ana Paula Ribeiro Moreira 4 INTRODUÇÃO A recente crise econômica trouxe à tona um processo que muito se discute nos últimos anos, a desindustrialização. É fato que muitos postos de trabalho deste setor foram extintos, bem como empresas fechadas, isso traz um impacto na composição do trabalho formal no Brasil, e muitas vezes acaba por impactar mais diretamente sujeitos que têm sua inserção historicamente vulnerabilizada, como as mulheres. Portanto, o presente artigo tem como objetivo a investigação dos impactos da crise no setor industrial em função da empregabilidade feminina no setor, olhando para a composição do emprego como um todo e identificando se há segmentação por gênero e, se, estes setores são mais vulneráveis no desmonte da indústria no Brasil. A mais recente crise econômica vivenciada no Brasil a partir do ano de 2014, foi responsável não somente pela maior e mais prolongada queda do PIB mas, também, pelo acelerado crescimento do desemprego no país (ROSSI; MELO, 2017). A indústria de transformação vem perdendo participação no mercado de trabalho brasileiro, em janeiro de 2013, do total de pessoas empregadas no mercado formal, 21% estavam alocadas no setor industrial, já em outubro de 2018, esta proporção recuou para 18%. Não obstante ao fato de que, mesmo antes da recessão, a indústria já vinha perdendo espaço na composição do emprego, com a crise este processo degradou-se ainda mais. De fato, juntamente com a construção civil, o setor industrial foi o mais penalizado, com destruição de vagas em diversos meses entre 2015 e Mais recentemente, nota-se que, embora em recuperação, o ritmo de crescimento do emprego industrial vem perdendo intensidade. Na desagregação por subsetores, os dados mostram que, na margem, todos os segmentos da indústria de transformação apontam desaceleração nos seus saldos de criação de vagas em doze meses, com destaque negativo para o subgrupo têxtil, vestuário e calçados, com uma destruição de 37 mil postos de trabalho [...]. Todavia, o setor mecânica, material elétrico, de 1 Trabalho apresentado no Encontro Nacional sobre População, Trabalho, Gênero e Políticas Públicas, realizado na Universidade Estadual de Campinas, em Campinas, SP, entre os dias 27 a 29 de novembro de Mestranda em Desenvolvimento econômico pela UNICAMP. 3 Mestranda em Desenvolvimento econômico pela UNICAMP. 4 Mestranda em Desenvolvimento econômico pela UNICAMP.

2 comunicação e transporte é o que apresenta maior ritmo de recuperação. No acumulado em doze meses, verifica-se que, após registrar uma perda superior a 200 mil vagas de trabalho no início de 2016, este segmento vem retomando seu dinamismo, de modo que, em outubro de 2018, já apresentou um saldo de 20 mil novos empregos (IPEA, 2018, p ). Historicamente, o emprego industrial é conhecido por possibilitar melhores condições em termos de direitos aos trabalhadores, isto porque, o nível de formalização dos postos de trabalho neste setor é alto, o percentual de empregados com carteira na indústria de transformação alcançou no 1o trimestre de 2019 o percentual de 63,3%, patamar acima da média do setor privado como um todo (40,6%), colocando os sujeitos sob o guarda-chuva da legislação trabalhista. Além disso, são categorias que costumam estar subsidiadas pela organização sindical, que acaba por garantir a promoção e ampliação dos interesses das categorias, assim o emprego industrial é conhecido por seu maior potencial organizativo em comparação com os demais setores. Diversos estudos têm discutido a inserção da mulher no mercado de trabalho, procurando demonstrar, identificar, investigar e interpretar as diferenciações que permeiam as condições de inserção entre os gêneros na esfera produtiva. A desigualdade de gênero na sociedade e consequentemente no mercado de trabalho, começa a ser fortemente questionada a partir dos estudos de Danièle Kergoat e Helena Hirata (2007), o qual concretizam a noção de divisão sexual do trabalho, este conceito explica que as relações econômicas e sociais se fundamentam na articulação de duas esferas: a da produção e a da reprodução. Assim, muitas vezes, as justificativas para a discriminação na contratação e os diferenciais de rendimento residem sobretudo na forma sexualmente segregada com a qual homens e mulheres participam das esferas produtivas e reprodutivas da sociedade. É possível observar, portanto, que o mercado de trabalho acaba por se conformar também em função da divisão sexual do trabalho, havendo então trabalho de homem e trabalho de mulher. O emprego industrial também é segmentado em torno do sexo, de acordo com as pesquisas como as de Leite (2003) e de Abramo (2005) evidenciam que as mulheres são minoritárias nas grandes indústrias e sua presença cresce nas pontas das cadeias produtivas, nas atividades labourintensive em situações de trabalho em geral mais precárias e pior remuneradas. 2

3 De acordo com os dados da PNAD é possível observar que no início da crise em 2015 há uma aproximação nas taxas de desocupação entre homens e mulheres, isto porque, setores que são historicamente hegemonizados pela mão de obra masculina é que foram os mais afetados, os três grandes grupos de atividade econômica (Agropecuário, Indústria e Construção) sofreram forte retração, a agropecuária sofreu uma variação de -11,1% entre , e a Indústria e a Construção de -10,2% e -0,8% respectivamente. Tendo assim a segmentação por gênero de mercado de trabalho protegido o emprego feminino neste primeiro momento. A proposta deste artigo é olhar para dentro do setor industrial para caracterizar o movimento do emprego feminino mediante à retração do emprego deste setor frente ao movimento de desindustrialização o qual o país perpassa entre A primeira parte trata da caracterização da recente crise econômica e seus desdobramentos para a atividade industrial. A segunda discute o processo de segmentação do mercado de trabalho por gênero tendo como pano de fundo a discussão acerca da divisão sexual do trabalho. A terceira lançaremos mão dos dados da pesquisa nacional de amostras de domicílio (PNAD) para verificarmos o movimento do trabalho industrial em função do gênero entre E por fim, as considerações finais do que foi apresentado. CRISE ECONÔMICA E NÍVEL DE ATIVIDADE INDUSTRIAL NO BRASIL ( ) Sempre que se fala em desenvolvimento econômico, é necessário tocar na questão do nível de industrialização, principalmente quando se trata de um contexto de crise econômica, que é quando se observa a elevação do nível de desemprego (HIRATUKA; SARTI, 2015). A partir dos anos 2011/2012, o Brasil incorpora uma série de políticas denominada de Nova Matriz Econômica, que abrangia a redução da taxa de juros, controle dos investimentos, aumento de gastos, concessões de subsídios e intervenção nos preços (BARBOSA FILHO, 2017). Essa combinação entre política monetária e política fiscal foi, na visão de Barbosa-Filho (2017) o que desencadeou o período de recessão que se seguiu, proporcionando choques de oferta e demanda na economia brasileira. 3

4 Nesse sentido, a situação de crise econômica enfrentada pelo Brasil, a partir do ano de 2014, não pode ser analisada de forma simplista, tampouco é permitido se desviar das áreas mais complexas exploradas pelos economistas. As sucessivas quedas do PIB, a desaceleração econômica e a perda do seu dinamismo, o conjunto de medidas de austeridade adotadas pelo governo, etc.: tudo isso deve compor a presente pesquisa. O Gráfico 1 apresenta a taxa de variação do índice de volume trimestral do PIB a preços de mercado e do setor da indústria de transformação, pegando os primeiros trimestres desde 2010 até 2018, observando a queda dos níveis a partir de 2014, quando a situação de crise econômica começa a tomar forma: GRÁFICO 1 Taxa de variação do índice de volume trimestral ( ) Fonte: IBGE. Elaboração própria. Ainda sobre as mudanças com relação ao período anterior à crise, a indústria brasileira presenciou uma retração considerável da demanda doméstica. O cenário recessivo se agrava particularmente a partir de 2014 com a queda dos preços das commodities, especialmente do petróleo, alimentos e minério de ferro, e com a parcial interrupção do fluxo de investimentos da Petrobrás em decorrência da Operação Lava Jato. A crise da indústria de transformação, entretanto, mostrou-se mais aguda e anterior a dos demais setores. O crescimento do valor adicionado pela indústria de transformação, que já vinha crescendo a taxas inferiores, apresentou também a retração mais acentuada no período recente (ALMEIDA; NOVAIS; ROCHA, 2016, p. 3). Apesar de uma reversão da queda do PIB no último trimestre de 2013 que registrou um aumento de 0,7% ante ao período anterior esse resultado não alterou a situação geral da atividade econômica no começo de Além disso, a elevada 4

5 volatilidade dos indicadores persistiu, principalmente daqueles relacionados à indústria: Essa volatilidade indica que o comportamento da atividade tem sido bastante sensível a fatores pontuais, entre os quais é possível citar o excepcional crescimento da safra agrícola; os incentivos à aquisição de bens de capital em condições especiais como aqueles relacionados ao Programa de Sustentação do Investimento (PSI); e as idas e vindas do mercado automobilístico em virtude, por exemplo, da expectativa do fim da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Esses fatores acabaram por ter grande influência sobre o crescimento, em virtude da desaceleração dos componentes tradicionalmente mais estáveis do PIB, a saber, o consumo das famílias e o consumo do governo. Ambos fecharam o ano com as menores taxas de crescimento dos últimos dez anos: 2,3% e 1,9%, respectivamente (IPEA, 2014a, p. 7). O consumo das famílias, no primeiro trimestre de 2014, também vem perdendo o seu fôlego, seja pela desaceleração da concessão de crédito para o consumo, seja pelas taxas inflacionárias acima da meta. Apesar disso, este ainda representa o principal sustentáculo da atividade econômica (IPEA, 2014a). A perda de dinamismo continua crescente, entre abril e maio de 2014 há uma queda da produção industrial (IPEA, 2014b), o que abaixa as expectativas de retomada do crescimento do PIB e, em meio a isso, o mercado de trabalho permanece apresentando bons indicadores, sob baixas taxas de desemprego (IPEA, 2014b). O ano de 2014 se encerra, portanto, com um quadro preocupante, onde a atividade econômica encontra-se estagnada, sofrendo pressões inflacionárias impactando sobre o consumo das famílias e enfraquecendo o desempenho da demanda somado à elevação do déficit externo e ao crescimento do PIB menor do que o projetado por analistas no início do ano (IPEA, 2014b). A Carta de Conjuntura, trimestralmente publicada pelo IPEA, já apontava, no segundo trimestre de 2015, que a economia brasileira passava por momentos complicados. A queda dos principais indicadores, solidificando mais uma queda do PIB, endossa a fragilização da economia brasileira (IPEA, 2015), a contrapartida encontrada pelo governo foi adotar um conjunto de políticas de austeridade econômica (ROSSI; MELO, 2017). Esse conjunto de medidas, segundo Rossi e Mello (2017), buscava minar desequilíbrios presentes na economia brasileira tanto no âmbito das contas públicas quanto com relação à preços administrados, os autores ainda reforçam que, 5

6 para alguns analistas, o fato do mercado de trabalho ainda operar sob bons indicadores, fomentava tais desequilíbrios e que, portanto, o aumento do desemprego e redução dos salários reais eram cogitados como uma forma de solução. O consumo das famílias, no segundo trimestre de 2015, teve o seu pior desempenho desde 2003, acompanhando as quedas de gastos do governo, devido às incertezas do quadro político, tendem a baixar os níveis de confiança dos empresários, contraindo os investimentos (IPEA, 2015, p. 5): A situação tornou-se mais difícil diante da eclosão de uma crise política de rara gravidade, aumentando a incerteza dos mercados sobre a capacidade de o governo aprovar medidas necessárias de política econômica. Esse complexo cenário político-econômico reflete-se diretamente nos diversos indicadores de confiança dos consumidores e dos empresários, que alcançam níveis historicamente baixos e sem sinais concretos de reversão, e ganha concretude no desempenho da atividade econômica, que deverá sofrer, neste ano, a maior retração dos últimos 25 anos. No ano de 2016, com a mudança de governo, as estratégias econômicas tomam uma forma diferente, adquirindo caráter neoliberal, priorizando reformas estruturais e que buscam soluções no longo prazo (ROSSI; MELLO, 2017). Os referidos autores ainda reiteram que, os choques recessivos, em conjunto com as reformas, têm se provado medidas frustradas e incapazes de promover a retomada de crescimento econômico pelos próximos anos: Para além do custo social, essa estratégia econômica também estabelece novos parâmetros econômicos, a partir dos quais o crescimento econômico, quando vier, deve assumir um caráter mais concentrador de renda (ROSSI; MELLO, 2017, p. 5). Dessa forma, é em 2016 que as expectativas de melhora no quadro econômico se tornam ainda menores. Segundo o IPEA (2016), é nesta recessão que vemos o maior índice de endividamento das famílias e das empresas e, em decorrência disso, a maior parte da renda é comprometida, impactando na demanda, no consumo e no investimento. Nesse sentido, os resultados do PIB reforçam e confirmam o fato de esta ser a crise econômica mais profunda e prolongada do país, o indicador citado, no último trimestre de 2016, apresenta queda em todos os setores da economia, mesmo na indústria, que vinha apresentando crescimento nos últimos dois trimestres (IPEA, 2016). 6

7 O ano de 2017 entra e a economia brasileira consegue dar seus primeiros suspiros de retomada, apontando para um leve crescimento do PIB após oito trimestres de queda (IPEA, 2017). Isso, segundo o Instituto de Pesquisa em Economia Aplicada (2017), se deve às retomadas de confiança dos agentes econômicos devido: primeiro, à agenda de reformas levada adiante pelo Governo Federal; segundo, à queda da inflação, que promove a retomada dos gastos e do consumo das famílias; e terceiro, à elevação no preço das principais commodities no mercado internacional. Nesse sentido, a retomada do crescimento é também facilitada pela atual capacidade ociosa da economia, que fomenta a esperança de crescimento no curto prazo sem que isso cause pressões inflacionárias (IPEA, 2017). Entretanto, esse momento de recuperação deve ser visto com cautela, uma vez que está ancorado na PEC do teto e na esperança pela reforma da previdência em conjunto com uma taxa de juros neutra, para Barbosa-Filho (2017, p. 57): A atual flexibilização da política monetária combinada com a redução do juro real de longo prazo fornece mais espaço para a redução de juros do Banco Central, iniciando uma recuperação cíclica com base na capacidade ociosa de nossa economia nos anos 2017 e No entanto, essa recuperação será um "voo de galinha" caso o país não eleve a taxa de crescimento de seu produto potencial. Segundo o autor supracitado, uma vez que finalizada a capacidade ociosa, a economia brasileira estará refém do seu baixo potencial produtivo, o autor ainda ressalta algumas medidas que poderiam proporcionar o aumento da capacidade produtiva no país, tais como: menor intervenção do Estado na economia e a flexibilização das leis trabalhistas, com enfoque à terceirização das ocupações. Além disso, também para o IPEA (2015; 2017; 2018), tais reformas estruturais são imprescindíveis para a retomada do crescimento econômico no Brasil. A Lei de Teto de Gastos (Emenda constitucional nº 95/2016 EC95), aprovada em Outubro de 2016, corre o risco de não ser cumprida em 2018, ou seja, há o indício de que os gastos ultrapassem o valor estipulado como teto, como alerta o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA, 2018) e, por tanto, a alternativa encontrada pelo instituto para que tal Lei seja cumprida nos próximos anos, é a imediata aprovação da reforma da previdência social e do controle na correção do salário mínimo nacional: Para os próximos anos, a dificuldade para o cumprimento 7

8 do teto de gastos tende a crescer na ausência de reformas que reduzam a velocidade de crescimento destes, pois o espaço para cortes de gastos não obrigatórios está se estreitando cada vez mais (IPEA, 2018, p. 8). Sobre a EC95, alguns pontos são importantes destacar. O primeiro deles é compreender que esse tipo de emenda prevê corte em gastos primários, tais como: saúde, educação, previdência, assistência social, cultura, defesa nacional etc. (ROCHA; MACÁRIO, 2016). Nesse sentido, pode-se compreender de quem esta lei serve aos interesses, uma vez que os gastos com juros e amortização da dívida pública não sofrerão quaisquer interferências ou controles. Destinada a impor um limite nas despesas primárias, esta emenda tem como propósito garrotear as verbas destinadas aos serviços de interesse das camadas mais vulneráveis da população com o propósito de garantir recursos para o pagamento de juros da dívida, que, por sinal, é a verdadeira origem do déficit orçamentário brasileiro. Esta medida caminha de par com a manutenção de uma das maiores taxas de juros do mundo que favorece ao setor financeiro e, principalmente, aos detentores de títulos da dívida pública (ROCHA; MACÁRIO, 2016, p. 447). Um outro ponto importante, é a reflexão sobre como as camadas mais vulneráveis são colocadas na linha de frente quando o assunto envolve corte de gastos. Sacrificar e precarizar direitos básicos de todo cidadão é, sim, uma das principais formas de aumentar as desigualdades e cavar ainda mais profundo os abismos sociais que não têm sido enfrentados e combatidos nas suas estruturas. Mais um ponto relevante é o que afirmam Rocha e Macário (2016) sobre o contínuo preterimento do fundo público em prol da valorização do capital, reforçando padrões de acumulação e a dominação financeira, e isso, dentro das questões sociais já tão enfrentadas no Brasil, terá um efeito rebote completamente negativo. No seu último trimestre, 2018 apresenta um quadro macroeconomicamente volátil, e isso se deve, principalmente, pelas incertezas políticas e o instituto reforça, mais uma vez, a importância de uma reforma fiscal através da aprovação da reforma da previdência (IPEA, 2018). A SEGMENTAÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO POR GÊNERO A preocupação em torno das questões sobre as desigualdades de gênero no mercado de trabalho dá corpo ao arcabouço teórico da economia feminista, que se colocando contra a economia dominante, enfatiza o processo e as interações sociais 8

9 como estruturantes da esfera material. Partem da premissa de que as relações econômicas se dão na articulação de duas esferas: a produtiva e a reprodutiva, aspectos subsidiados pelo conceito de Divisão Sexual do Trabalho. O conceito de divisão sexual do trabalho, que chega ao Brasil com notável influência da Sociologia Francesa, se debruça na tentativa de romper com os paradigmas dominantes de análise das relações sociais incorporando a dimensão gênero à interpretação da sociedade, especialmente na esfera do trabalho. Segundo Hirata e Kergoat (2007) o sentido deste conceito tem por objetivo procurar as nascentes das desigualdades de gênero e, portanto, compreender a natureza do sistema. [...] a forma de divisão do trabalho social decorrente das relações sociais entre os sexos; mais do que isso, é um fator prioritário para a sobrevivência da relação social entre os sexos. Essa forma é modulada histórica e socialmente. Tem como características a designação prioritária dos homens à esfera produtiva e das mulheres à esfera reprodutiva e, simultaneamente, a apropriação pelos homens das funções com maior valor social adicionado (políticos, religiosos, militares etc.). (...) Essa forma particular da divisão social do trabalho tem dois princípios organizadores: o princípio de separação (existem trabalhos de homens e trabalhos de mulheres) e o princípio hierárquico (um trabalho de homem vale mais que um trabalho de mulher) (HIRATA; KERGOAT, 2007, p. 599). Ou seja, a divisão sexual do trabalho tem como princípio a separação existe o trabalho reprodutivo que é o trabalho de cuidados e prioritariamente exercido na esfera doméstica e o produtivo aquele que resulta na produção de bens ou serviços com valor econômico no mercado, destinado às mulheres e homens respectivamente e a hierarquização no qual as atividades exercidas pelos homens possuem maior valor do que o exercido pelas mulheres. É sob este espectro que mulheres e homens são socializados na estrutura familiar e nas outras instituições como igreja, escola, entre outros, constituindo o prisma da desigualdade sob o qual as mulheres são inseridas no mercado de trabalho. Este entendimento permite a análise mais profunda das relações de gênero na economia. Dessa forma, as mulheres tendem a ocupar na esfera produtiva tarefas que se caracterizam por dois componentes: o primeiro deles é que estarem em atividades associadas às habilidades ditas naturais das mulheres, para Kergoat (2014, p. 15) as mulheres são socializadas para acreditar que suas qualificações e suas competências (destreza, habilidade, competência em matéria de cuidar...) são fatos da natureza e não da cultura. O segundo componente reside na 9

10 particularidade de serem esses trabalhos não inconscientemente os mais desvalorizados socialmente e os de menor remuneração. Nesse sentido, para Bruschini (1978, p. 8): Enquanto isso o processo de socialização pelo qual passam os elementos do sexo feminino se encarrega de reforçar uma suposta tendência, na mulher, de se encaminhar para o trabalho em ocupações consideradas femininas o que também contribui para garantir a continuidade da participação da mulher em pequeno número de ocupações. A divisão sexual do trabalho acaba por se desdobrar para mercado de trabalho, segmentando-o de forma que há trabalho de homem e trabalho de mulher associado a qualidades atribuídas ao sexo, ou seja, há trabalho de homens os que estão associados a força, inteligência, capacidade física, e trabalho de mulheres associados aos cuidados, ensino, minuciosidade de execução. Para Hirata (2002), a determinação do emprego masculino e feminino em função de habilidades ditas naturais de cada sexo, pode até se tornar uma certa proteção às tarefas executadas pelas mulheres. Para a autora a especialização sexual do trabalho ou em outros termos a segmentação do mercado de trabalho, previne da concorrência masculina o emprego das mulheres, pelo fato de demandar qualidades femininas. Em contrapartida estes postos são os mais desvalorizados nos indicadores de rendimentos, segundo Krein e Castro (2015, p. 7): Ao naturalizar as habilidades necessárias para desempenhar uma determinada tarefa, acaba-se por desqualificar quem as realiza. A tendência que resulta dessa dinâmica é a massificação do uso da força de obra de mulheres em funções com tarefas repetitivas, baixa remuneração e condições precárias. Atualmente, as justificativas para a discriminação na contratação e os diferenciais de rendimento residem sobretudo na forma sexualmente segregada com a qual homens e mulheres participam das esferas produtivas e reprodutivas da sociedade. Para Saffioti (1976), a condição inferior das mulheres na esfera produtiva é benéfica para o capitalismo, pois promove a extração do máximo de mais-valia absoluta através, simultaneamente, da intensificação do trabalho e da extensão da jornada de trabalho e de salários mais baixos que o masculino (SAFFROTI, 1976, p. 36). 10

11 De acordo com Karamessini e Rubery (2014), o uso da mão de obra feminina muitas vezes é usado como artimanha no processo de redução dos custos do trabalho, estudos apontam que há um comportamento cíclico na incorporação de mão de obra feminina, sobretudo na indústria. Isto porque, se olharmos de perto a mão de obra feminina se concentra em setores denominados labour-intensive, ou seja, setores de menor tecnologia, pouco valor agregado e com menor remuneração, como a indústria têxtil. Em momento de crise, a autora aponta que há a tendência da incorporação da mão de obra feminina para os demais setores, justamente visando a redução dos custos com a deterioração dos termos de contratação, termos de trabalho ocupados historicamente pelas mulheres. É possível observar, portanto, que a divisão sexual do trabalho tem a capacidade de se transformar em função da valorização do capital, e que ela assume outras modalidades, que variam grandemente no tempo e no espaço o que é estável não são as situações (que evoluem sempre), e sim a distância entre os grupos de sexo (HIRATA; KERGOAT, 2007, p. 600). Nesse sentido, a divisão sexual do trabalho não é neutra (NOGUEIRA, 2006), ela tem uma dimensão intencional que serve para que a discriminação de sexo possa ser melhor explorada no ambiente doméstico e do trabalho. AS MULHERES NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO NA CRISE De acordo com o Gráfico 2, o total da força de trabalho ocupada no Brasil no período entre se manteve por volta de 90 milhões de pessoas, sendo que em torno de 10 milhões de pessoas estiveram ocupadas na indústria de transformação. 11

12 GRÁFICO 2 Pessoas ocupadas no total da força de trabalho e na indústria de transformação entre Brasil Fonte: PNAD/IBGE. Elaboração própria. No Gráfico 3 podemos observar a oscilação do emprego industrial, que desde 2015 vem caindo drasticamente a incorporação de força de trabalho, consequência direta do processo de crescimento negativo das taxas de industrialização, compondo o fenômeno de desindustrialização. O emprego industrial é caracterizado pelas melhores condições de inserção formalização e remuneração a deterioração dos postos de trabalho neste setor também contribuiu para a deterioração dos termos gerais do emprego que vivenciamos no último período, de 2012 para 2016 a oferta de postos de trabalho na indústria sofreu uma retração de aproximadamente 10%. 12

13 GRÁFICO 3 Percentual de pessoas ocupadas na indústria de transformação em relação à força de trabalho ocupada total entre (1º trimestre) Brasil 13,50 13,00 12,50 12,00 11,50 11,00 10,50 1º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre 2019 Fonte: PNAD/IBGE. Elaboração própria. O Gráfico 4 nos permite ver a composição do setor em função do gênero, é possível constatar, como mencionado acima, uma forte segmentação do setor em função do sexo. Os homens são praticamente o dobro da mão de obra empregada na indústria durante toda a série histórica, isto porque, para o imaginário social as habilidades requeridas para o emprego industrial dialogam com o que é relacionado ao masculino. GRÁFICO 4 Pessoas ocupadas na indústria de transformação por sexo entre (1º trimestre) Brasil Fonte: PNAD/IBGE. Elaboração própria. A distribuição percentual das pessoas por sexo na indústria de transformação, conforme Gráfico 5, mostra que as mulheres mantiveram entre 2014 e 2017 a taxa de 35%, já a participação feminina aumentou para o patamar de 36% 13

14 em 2018 e Esse dado aponta para a tendência de feminização da contratação no período da crise, em consonância com o momento em que há uma deterioração dos indicadores do mercado de trabalho, como rebaixamento geral dos níveis de rendimento. GRÁFICO 5 Distribuição percentual das mulheres ocupadas na indústria de transformação a 2019 Fonte: PNAD/IBGE. Elaboração própria. O Gráfico 6, portanto, nos permite ver que há uma menor variação na empregabilidade feminina no setor, o que mostra que o impacto em termos de perda de ocupação se deu mais fortemente entre os homens. É necessário levar em consideração que em termos proporcionais, os homens ainda se mantêm como sendo os mais ocupados. 14

15 GRÁFICO 6 Variação absoluta população ocupada na indústria de transformação, segundo sexo 2014 a 2019 Fonte: PNAD/IBGE. Elaboração própria. A indústria de transformação é caracterizada por ter muitos setores que o compõem, para identificarmos de que modo a segmentação por sexo é estabelecida para dentro do grande grupo industrial é preciso desagregar os setores. A Tabela 1 nos indica onde estão alocadas a mão de obra feminina e masculina na cadeia produtiva. TABELA 1 Distribuição percentual do pessoal ocupado segundo o sexo, Brasil Indústria de Transformação entre (1º trimestre) Fonte: PNAD/IBGE. Elaboração própria. 15

16 A Tabela 1 e o Gráfico 7 nos mostram como a mão de obra feminina está alocada em setores bem específicos, são a maioria na indústria de confecção (têxtil, vestuário e couro) e na indústria de alimentação. A indústria têxtil é mundialmente conhecida por ser um setor que superexplora a força de trabalho, foi palco de diversos escândalos 5 de trabalho escravo bem como acidentes graves em ambiente de trabalho. No Brasil, esse cenário não é diferente, é um setor de baixa tecnologia, baixa produtividade, e de baixíssimos rendimentos pela busca de competitividade. É nesse setor que vemos o alto grau de empregabilidade feminina, ou seja, no setor mais precarizado e mais vulnerável da cadeia. GRÁFICO 7 Evolução da participação das mulheres ocupadas na indústria de transformação (1º trimestre ) Fonte: PNAD/IBGE. Elaboração própria. Já na Tabela 2, é possível verificar a variação percentual das mulheres no conjunto dos setores entre 2014 e 2019 foi de -6,9%. O período com os piores resultados, ou seja, com variação negativa em muitos setores da indústria para o trabalho feminino foi 2016 em relação à Os principais setores de retração da participação de mulheres ocupadas nesse período foram a indústria de mineração, metalurgia e extrativista (borracha), contudo a inserção das mulheres neste setor já 5 Ver matéria da revista Galileu que compila diversos escândalos relacionados às condições de trabalho da indústria têxtil. Disponível em: 16

17 era inferior que a dos homens não alterando substancialmente a porcentagem de mulheres empregada no setor industrial. TABELA 2 Variação percentual das mulheres na indústria de transformação Fonte: PNAD/IBGE. Elaboração própria. CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante da análise da indústria de transformação em função da empregabilidade feminina no período, conclui-se que o número de mulheres ocupadas nesse setor permaneceu estável, chegando a aumentar alguns pontos percentuais, fato que pode ser explicado pela alocação da mão de obra feminina em empregos mais deteriorados da cadeia. Assim, apesar do emprego feminino se manter de forma geral constante, ele ainda está concentrado em algumas poucas atividades, sendo essa diferença de proporções evidência da desigualdades entre homens e mulheres no setor industrial. Considerando os setores da indústria, a distribuição da mão de obra feminina é heterogênea, por um lado, em atividades industriais com alta participação como os setores têxteis, de vestuários e artigos de couro, por outro lado, em atividades com baixa participação como fabricação de móveis e produtos de metal. Portanto, é mantida a tradicional divisão sexual do trabalho. Conclui-se, portanto, que há uma manutenção do emprego industrial feminino durante o período de crise, o que pode ser explicado justamente pelas 17

18 características dos setores nos quais as mulheres estão alocadas. Estes setores são caracterizados por serem mais intensivos em trabalho e menos intensivos em capital, ou seja, é onde se observa menor produtividade e nível tecnológico, sendo eles: os setores têxteis, de vestuários e artigos de couro, áreas conhecidas por obterem os menores rendimentos, por proporcionarem menor proteção às suas trabalhadores e trabalhadores, contendo um maior nível de informalidade e condições mais precárias de contratação. REFERÊNCIAS ALMEIDA, J. S. G.; NOVAIS, L. F.; ROCHA, M. A. A fragilização financeira das empresas não financeiras no Brasil pós-crise. Campinas, SP: IE/Unicamp, (Texto para Discussão, n. 281). BARBOSA FILHO, F. H. A crise econômica de 2014/2017. Estudos Avançados, São Paulo, SP, v. 31, n. 89, p , Disponível em: lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 nov HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, SP, v. 37, n. 132, p , HIRATA, H. Nova divisão sexual do trabalho? São Paulo, SP: Boitempo, HIRATUKA, C.; SARTI, F. Transformações na estrutura produtiva global, desindustrialização e desenvolvimento industrial no Brasil: uma contribuição ao debate. Campinas, SP: IE/Unicamp, (Texto para Discussão, n. 255). IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Rio de Janeiro, RJ, s.d. IPEA. Carta de Conjuntura: Mercado de Trabalho, Rio de Janeiro, RJ, n. 38, Disponível em: njuntura_38.pdf. Acesso em: 14 nov IPEA. Carta de Conjuntura: Mercado de Trabalho, Rio de Janeiro, RJ, n. 36, Disponível em: njuntura_n36.pdf. Acesso em: 14 nov IPEA. Carta de Conjuntura: Mercado de Trabalho, Rio de Janeiro, RJ, n. 33, Disponível em: 33.pdf. Acesso em: 14 nov IPEA. Carta de Conjuntura: Mercado de Trabalho, Rio de Janeiro, RJ, n. 29, Disponível em: njuntura_29.pdf. Acesso em: 14 nov

19 IPEA. Carta de Conjuntura: Mercado de Trabalho, Rio de Janeiro, RJ, n. 22, 2014a. Disponível em: Acesso em: 14 nov IPEA. Carta de Conjuntura: Mercado de Trabalho, Rio de Janeiro, RJ, n. 25, 2014b. Disponível em: final1.pdf. Acesso em: 14 nov KARAMESSINI, M.; RUBERY, J. (ed.). Women and austerity: the economic crisis and the future for gender equality. Londres: Routledge, KREIN, J. D.; CASTRO, B. As formas flexíveis de contratação e a divisão sexual do trabalho. São Paulo, SP: Fundação Frederich Ebert, NOGUEIRA, C. M. O trabalho duplicado: a divisão sexual do trabalho e na reprodução: um estudo das trabalhadoras de telemarketing. São Paulo, SP: Expressão Popular, PENA, M. V. J. Mulheres e trabalhadoras. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, ROSSI, P.; MELLO, G. Choque recessivo e a maior crise da história: a economia brasileira em marcha ré. Campinas, SP: IE/UNICAMP, (Nota do Cecon, n. 1). Disponível em: SAFFIOTI, H. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. 3. ed. São Paulo, SP: Expressão Popular, TEIXEIRA, M. O. Um olhar da economia feminista para as mulheres: os avanços e as permanências das mulheres no mundo do trabalho entre 2004 e f. Dissertação (Doutorado em Economia) Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP,

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA Gustavo Loyola XII CONGRESSO BRASILEIRO DE FOMENTO COMERCIAL Foz do Iguaçu (PR), abril de 2016 Estrutura 2 Cenário Internacional Cenário doméstico Conclusão Cenário

Leia mais

PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos

PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos No 2º tri./2017, o PIB brasileiro a preços de mercado apresentou crescimento de 0,23% quando comparado ao 2º tri./2016,

Leia mais

Produto Interno Bruto - PIB Var. 12 meses contra 12 meses anteriores (%) Atividades selecionadas, 2016

Produto Interno Bruto - PIB Var. 12 meses contra 12 meses anteriores (%) Atividades selecionadas, 2016 Maio/2017 2ª edição Maio/2017 2ª edição 1 - Introdução O Boletim Economia em Foco, em sua segunda edição, traça um panorama da economia brasileira e fluminense por meio da análise de indicadores econômicos

Leia mais

Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015

Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015 Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015 Neste edição especial do boletim Mercado de trabalho do CEPER-FUNDACE, serão comparados dados do Cadastro Geral de Empregados e

Leia mais

Desempenho negativo da Construção e das Indústrias de Transformação prejudicam o setor industrial

Desempenho negativo da Construção e das Indústrias de Transformação prejudicam o setor industrial Desempenho negativo da Construção e das Indústrias de Transformação prejudicam o setor industrial De acordo com os dados das Contas Nacionais Trimestrais do IBGE, a economia brasileira cresceu 0,1% no

Leia mais

Uma análise do período sob a ótica do Índice da Condição do Trabalho (ICT DIEESE)

Uma análise do período sob a ótica do Índice da Condição do Trabalho (ICT DIEESE) Uma análise do período 2012-2018 sob a ótica do Índice da Condição do Trabalho (ICT DIEESE) INTRODUÇÃO O período de 2004 a 2014 caracterizou-se pelo aumento da formalização do mercado de trabalho, com

Leia mais

SOCIAL MERCADO DE TRABALHO: ESTAMOS DIANTE DA RETOMADA?

SOCIAL MERCADO DE TRABALHO: ESTAMOS DIANTE DA RETOMADA? Os últimos dados sobre o mercado de trabalho têm mostrado estabilização ou até tímidos indícios de queda da taxa de desocupação. Por outro lado, aspectos que apontam para o aprofundamento da crise no Brasil

Leia mais

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009 Principais pontos Relatório de Inflação Banco Central ATIVIDADE ECONÔMICA As medidas anticíclicas vêm se traduzindo em melhoras recentes. A economia brasileira apresenta sinais de gradual recuperação.

Leia mais

Economia Brasileira cresce 0,8% no terceiro trimestre de 2018 com crescimento em todos setores e componentes da demanda

Economia Brasileira cresce 0,8% no terceiro trimestre de 2018 com crescimento em todos setores e componentes da demanda Economia Brasileira cresce 0,8% no terceiro trimestre de 2018 com crescimento em todos setores e componentes da demanda De acordo com os dados das Contas Nacionais Trimestrais do IBGE, a economia brasileira

Leia mais

Índice de Confiança do Comércio recua, refletindo ritmo lento da atividade econômica. Brasil volta a registrar destruição de postos de trabalho

Índice de Confiança do Comércio recua, refletindo ritmo lento da atividade econômica. Brasil volta a registrar destruição de postos de trabalho Índice de Confiança do Comércio recua, refletindo ritmo lento da atividade econômica Os dados de junho de 2018 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) revelam destruição líquida de vagas

Leia mais

O PIB BRASILEIRO EM 2018

O PIB BRASILEIRO EM 2018 PANORAMA CONJUNTURAL O PIB BRASILEIRO EM 2018 Janeiro de 2019 Publicado em Março de 2019 A economia brasileira em 2018, como pode ser observado no gráfico n 1, manteve o ritmo lento de recuperação apresentado

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3o. Trimestre 2012

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3o. Trimestre 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3o. Trimestre 2012 Elaboração:VIFIN CAIXA Vice-Presidência de Finanças SUPLA CAIXA SN de Planejamento Financeiro 1 Relatório Conjuntura

Leia mais

Serviços puxam criação de vagas formais e Comércio registra o pior resultado

Serviços puxam criação de vagas formais e Comércio registra o pior resultado Brasil inicia o ano de 2019 com criação de empregos formais Os dados de janeiro de 2019 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) indicam criação líquida de vagas em âmbito nacional, no Estado

Leia mais

Indústria e Investimentos recuam no 2º trimestre e Economia Brasileira mantém ritmo lento de crescimento

Indústria e Investimentos recuam no 2º trimestre e Economia Brasileira mantém ritmo lento de crescimento Indústria e Investimentos recuam no 2º trimestre e Economia Brasileira mantém ritmo lento de crescimento Os dados das Contas Nacionais Trimestrais do IBGE mostram que economia brasileira cresceu 0,2% no

Leia mais

Serviços foi o único setor com contratações em âmbito nacional

Serviços foi o único setor com contratações em âmbito nacional Brasil registra, pela primeira vez no ano, destruição de vagas de empregos com carteira assinada Os dados de março de 2019 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) revelam destruição líquida

Leia mais

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho.

PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. PME registra menor taxa de desemprego da série histórica para o mês de fevereiro, mas indica acomodação no mercado de trabalho. Segundo apuração da PME (Pesquisa Mensal do Emprego), realizada pelo IBGE,

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA.

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. Marcelo Curado * I. Atividade Econômica A análise dos indicadores macroeconômicos sobre a evolução recente da atividade econômica corrobora a noção de

Leia mais

TERMÔMETRO DE VENDAS - BH

TERMÔMETRO DE VENDAS - BH SETOR DE ECONOMIA, PESQUISA E MERCADO Pesquisa com Empresários TERMÔMETRO DE VENDAS - BH Periodicidade mensal Dezembro/2018 COMPARAÇÃO MENSAL 4,44% Comparação mensal (Dez.18 Nov.18) 16,3% 15,5% 8,12% 9,24%

Leia mais

Comércio é o único setor a registrar novas contratações

Comércio é o único setor a registrar novas contratações Brasil registra demissões no mês de dezembro e fecha o ano de 2018 com criação de empregos formais Os dados de dezembro de 2018 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) apontam destruição

Leia mais

Comércio é o único setor que apresentou saldo positivo em âmbito nacional

Comércio é o único setor que apresentou saldo positivo em âmbito nacional Resultados de dezembro de 2017 confirmam recuperação do mercado de trabalho brasileiro frente a 2016 Os dados de dezembro de 2017 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) indicam destruição

Leia mais

186/15 02/12/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

186/15 02/12/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 186/15 02/12/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Novembro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Outubro

Leia mais

PIB se mantém em queda pelo décimo primeiro trimestre consecutivo

PIB se mantém em queda pelo décimo primeiro trimestre consecutivo PIB se mantém em queda pelo décimo primeiro trimestre consecutivo Conforme apresentado na Figura 1, o PIB da economia brasileira vem apresentando queda desde o segundo trimestre de 2014. No quarto trimestre

Leia mais

Indústria registra o pior desempenho na criação de emprego dos últimos 11 meses

Indústria registra o pior desempenho na criação de emprego dos últimos 11 meses Brasil acumula quinto saldo mensal positivo consecutivo na criação de empregos com carteira assinada Os dados de novembro de 2018 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) indicam criação

Leia mais

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria Fevereiro de 2017 Este relatório visa a fornecer informações econômicas sobre a Indústria de Transformação

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Dezembro de 2014 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial no Ano de 2014... 4 3.

Leia mais

173/15 30/10/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

173/15 30/10/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 173/15 30/10/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Outubro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Setembro

Leia mais

RARP e municípios analisados destroem vagas em Junho de 2017

RARP e municípios analisados destroem vagas em Junho de 2017 Agropecuária é o único setor que contrata no Brasil, estado de São Paulo e RARP Os dados de Junho de 2017 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) indicam criação líquida de vagas em âmbito

Leia mais

Ano VI Abr./2018. Prof. Dr. Sergio Naruhiko Sakurai, Giulia Coelho e Ingrid Nossack

Ano VI Abr./2018. Prof. Dr. Sergio Naruhiko Sakurai, Giulia Coelho e Ingrid Nossack Índice de Confiança da Construção apresenta recuo e sugere menor otimismo no curto prazo Os dados de fevereiro de 2018 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) indicam criação líquida de

Leia mais

Setor de Serviços continua sendo o destaque, apresentando o melhor desempenho em 2019

Setor de Serviços continua sendo o destaque, apresentando o melhor desempenho em 2019 Brasil gera empregos formais em todos os setores e atinge melhor resultado para o mês de Abril em seis anos Os dados de abril de 2019 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) revelam criação

Leia mais

PANORAMA CONJUNTURAL Novembro de 2017 Publicado em Janeiro de 2018

PANORAMA CONJUNTURAL Novembro de 2017 Publicado em Janeiro de 2018 PANORAMA CONJUNTURAL Novembro de 2017 Publicado em Janeiro de 2018 A indústria mantém o ritmo lento de retomada A indústria brasileira mantém-se recuperando na margem, na série com dados dessazonalizados,

Leia mais

Retração do PIB apresenta tímida melhora

Retração do PIB apresenta tímida melhora Retração do PIB apresenta tímida melhora No boletim de Conjuntura Econômica do mês de Jun./16 os dados do Produto Interno Bruto (PIB) para o primeiro trimestre de 2016, divulgados pelo Instituto Brasileiro

Leia mais

PANORAMA E DESAFIOS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Bruno Leonardo

PANORAMA E DESAFIOS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Bruno Leonardo PANORAMA E DESAFIOS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA Bruno Leonardo PANORAMA E DESAFIOS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA 1 Nível de atividade Econômica: Estamos saindo da recessão? Quais as perspectivas para os próximos

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

VISÃO GERAL DA ECONOMIA

VISÃO GERAL DA ECONOMIA VISÃO GERAL DA ECONOMIA Destaques Positivos Retomada da confiança do empresário industrial Melhora gradual no mercado de trabalho Aumento das exportações Recuperação da indústria Destaques Negativos Taxa

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho PANORAMA CONJUNTURAL FIEA Abril de 2016 Publicado em Junho de 2016 PIB do 1º Trimestre de 2016: Fundo do Poço à Vista? A evolução do PIB brasileiro no primeiro trimestre de 2016, conforme dados publicados

Leia mais

O PIB do Brasil no 4º Trimestre de 2016

O PIB do Brasil no 4º Trimestre de 2016 PANORAMA CONJUNTURAL O PIB do Brasil no 4º Trimestre de 2016 Janeiro de 2017 Publicado em Março de 2017 O resultado do PIB no quarto trimestre de 2016 mostrou que a economia brasileira manteve-se em recessão

Leia mais

Setembro Cenário Econômico Guilherme R. C. Moreira. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Setembro Cenário Econômico Guilherme R. C. Moreira. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Setembro 2015 Cenário Econômico Guilherme R. C. Moreira Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 O Brasil era assim... Boom das Commodities Estímulos ao Consumo e pressão inflacionária Importações

Leia mais

EFEITOS DA CRISE ECONÔMICA NA SITUAÇÃO DO TRABALHADOR DA CONSTRUÇÃO EM SÃO PAULO

EFEITOS DA CRISE ECONÔMICA NA SITUAÇÃO DO TRABALHADOR DA CONSTRUÇÃO EM SÃO PAULO TRABALHO E CONSTRUÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAILO AGOSTO DE 2017 EFEITOS DA CRISE ECONÔMICA NA SITUAÇÃO DO TRABALHADOR DA CONSTRUÇÃO EM SÃO PAULO A atual crise econômica abalou fortemente as conquistas

Leia mais

Ano I nº 1 24 de abril de 2018

Ano I nº 1 24 de abril de 2018 Ano I nº 1 24 de abril de 2018 A publicação Alerta é uma iniciativa da Bancada do PT no Senado Federal para monitorar a situação do país. Essa ação é necessária em face do desmonte de políticas públicas

Leia mais

RARP cria vagas em Abril de 2017

RARP cria vagas em Abril de 2017 Incertezas marcam o cenário econômico no primeiro semestre de 2017 Os dados de Abril de 2017 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) indicam contratações em todas as regiões analisadas,

Leia mais

Setor de Serviços tem o melhor desempenho na RARP

Setor de Serviços tem o melhor desempenho na RARP Brasil e estado de São Paulo criam vagas pelo quarto mês consecutivo em Julho de 2017 Os dados de Julho de 2017 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) indicam destruição líquida de vagas

Leia mais

Nota de Crédito PF. Fevereiro Fonte: BACEN Base: Dezembro de 2014

Nota de Crédito PF. Fevereiro Fonte: BACEN Base: Dezembro de 2014 Nota de Crédito PF Fevereiro 2015 Fonte: BACEN Base: Dezembro de 2014 Incertezas para renda e inadimplência Em 2014, o aumento próximo de 2,7% da renda real e a redução do desemprego em dezembro para 4,8%,

Leia mais

Gazeta do Povo, 25 de novembro de 2018

Gazeta do Povo, 25 de novembro de 2018 Gazeta do Povo, 25 de novembro de 2018 Mercado de trabalho pode levar mais de uma década para retornar ao nível pré-crise No ritmo atual, sem um crescimento consistente da economia e do emprego formal,

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NO RJ: uma análise da PNAD de 2012

MERCADO DE TRABALHO NO RJ: uma análise da PNAD de 2012 MERCADO DE TRABALHO NO RJ: NOTA CONJUNTURAL OUTUBRO DE 2013 Nº25 uma análise da PNAD de 2012 NOTA CONJUNTURAL OUTUBRO DE 2013 Nº25 PANORAMA GERAL Ao acompanhar a evolução dos pequenos negócios no Estado

Leia mais

Ano V Nov./2017. Prof. Dr. Sergio Naruhiko Sakurai, Henrique Hott e Ingrid Nossack. Setor da Indústria tem o melhor desempenho na RARP e no Brasil

Ano V Nov./2017. Prof. Dr. Sergio Naruhiko Sakurai, Henrique Hott e Ingrid Nossack. Setor da Indústria tem o melhor desempenho na RARP e no Brasil Setor da Indústria tem o melhor desempenho na RARP e no Brasil Os dados de setembro do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) indicam criação líquida de vagas em âmbito nacional e nos municípios

Leia mais

Setor de Serviços continua apresentando o melhor desempenho na criação de emprego formal

Setor de Serviços continua apresentando o melhor desempenho na criação de emprego formal Saldo de empregos com carteira assinada é o melhor para o mês de fevereiro dos últimos cinco anos Os dados de fevereiro de 2019 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) indicam criação líquida

Leia mais

Nota Trimestral de Conjuntura

Nota Trimestral de Conjuntura Nota Trimestral de Conjuntura QUARTO TRIMESTRE 2017 Observatório de Políticas Econômicas 2018 FUNDAÇÃO DOM CABRAL NÚCLEO DE ESTRATÉGIA E NEGÓCIOS INTERNACIONAIS OBSERVATÓRIO DE POLÍTICAS ECONÔMICAS Nota

Leia mais

Índice de Confiança da Indústria estabiliza e reforça incertezas. Indústria e Comércio voltam a apresentar demissões em nível nacional

Índice de Confiança da Indústria estabiliza e reforça incertezas. Indústria e Comércio voltam a apresentar demissões em nível nacional Índice de Confiança da Indústria estabiliza e reforça incertezas Os dados de maio de 2018 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) indicam criação líquida de vagas em âmbito nacional, no

Leia mais

Setor de Serviços cria postos de trabalho em Fevereiro de 2016

Setor de Serviços cria postos de trabalho em Fevereiro de 2016 Brasil e estado de São Paulo contratam após 22 meses consecutivos de demissões Os dados de Fevereiro de 2017 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) sinalizam um cenário mais otimista para

Leia mais

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Inadimplência. Síntese. Inflação PIB. Crédito. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Emprego. Confiança.

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Inadimplência. Síntese. Inflação PIB. Crédito. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Emprego. Confiança. Novembro/2017 < > 02 SUMÁRIO Síntese Inflação 03 05 Empresas no Simples Inadimplência 09 PIB Juros 04 06 10 Exportações Confiança Emprego 07 08 11 Crédito 15 Empreendedorismo 13 Expediente Núcleo de Inteligência

Leia mais

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ ASSESSORIA ECONÔMICA Dados divulgados entre os dias 24 de julho e 28 de julho Crédito O estoque total de crédito do sistema financeiro nacional (incluindo recursos livres e direcionados) registrou variação

Leia mais

Marco A.F.H.Cavalcanti (IPEA) XIII Workshop de Economia da FEA-RP Outubro de 2013

Marco A.F.H.Cavalcanti (IPEA) XIII Workshop de Economia da FEA-RP Outubro de 2013 Evolução recente e desafios da economia brasileira Marco A.F.H.Cavalcanti (IPEA) XIII Workshop de Economia da FEA-RP Outubro de 2013 A importância do crescimento Há vários anos, a economia brasileira tem

Leia mais

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria Abril de 2017 Este relatório visa a fornecer informações econômicas sobre a Indústria de Transformação

Leia mais

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3%

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3% PIB O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) divulgou nesta última sextafeira, 29 de Maio, os dados do Produto Interno Bruto (PIB) referentes ao primeiro trimestre de 2015. Análise preliminar

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2019

Cenário Macroeconômico 2019 Cenário Macroeconômico 2019 CENÁRIO INTERNACIONAL A ECONOMIA GLOBAL SUGERE UM CRESCIMENTO MAIS FRACO PARA OS PRÓXIMOS ANOS, COM PEQUENA CHANCE DE RECESSÃO. A alta sustentável do PIB global depende da produtividade.

Leia mais

EFEITOS DA CRISE ECONÔMICA NA SITUAÇÃO DO TRABALHADOR DA CONSTRUÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE

EFEITOS DA CRISE ECONÔMICA NA SITUAÇÃO DO TRABALHADOR DA CONSTRUÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE TRABALHO E CONSTRUÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Julho 2018 EFEITOS DA CRISE ECONÔMICA NA SITUAÇÃO DO TRABALHADOR DA CONSTRUÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE A persistência da crise

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

Brasil e SP fecharam postos de trabalho em todos os setores da economia

Brasil e SP fecharam postos de trabalho em todos os setores da economia Brasil e SP fecharam postos de trabalho em todos os setores da economia Os dados de março de 2016 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) reafirmam a desaceleração do mercado de trabalho.

Leia mais

O PIB do Brasil no 2º Trimestre de 2017

O PIB do Brasil no 2º Trimestre de 2017 PANORAMA CONJUNTURAL O PIB do Brasil no 2º Trimestre de 2017 Julho de 2017 Publicado em Setembro de 2017 A variação do PIB no segundo trimestre deste ano quando comparada ao primeiro trimestre foi de 0,2%,

Leia mais

A recuperação da atividade industrial perdeu fôlego no 1º trimestre

A recuperação da atividade industrial perdeu fôlego no 1º trimestre A recuperação da atividade industrial perdeu fôlego no 1º trimestre Resultado da atividade industrial paulista em março Em março com relação a fevereiro a atividade da indústria paulista, mensurada pelo

Leia mais

Ano I Nº 1 11 de abril de 2018 Sumário

Ano I Nº 1 11 de abril de 2018 Sumário Ano I Nº 1 11 de abril de 2018 Sumário Atividade econômica... 2 Contas Nacionais... 2 Produção Industrial.... 4 Recessão x retomada.... 4 Taxa de juros e créditos... 4 Juros elevados... 4 Concentração

Leia mais

Conjuntura Econômica do Brasil Agosto de 2013

Conjuntura Econômica do Brasil Agosto de 2013 1 Conjuntura Econômica do Brasil Agosto de 2013 Profa. Anita Kon 1 Último dado Dado Anterior Tend. PIB pm (1990=100) 2004 I. 13* 1,9 1,4 I. 13** 0,6 0,6 Expectativas de mercado (% de crescimento 2013 2,49

Leia mais

Salário Mínimo e Regime de Crescimento Carlos Aguiar de Medeiros (IE/UFRJ) IBRE/FGV, Maio 2014

Salário Mínimo e Regime de Crescimento Carlos Aguiar de Medeiros (IE/UFRJ) IBRE/FGV, Maio 2014 Salário Mínimo e Regime de Crescimento Carlos Aguiar de Medeiros (IE/UFRJ) IBRE/FGV, Maio 2014 Salário Mínimo e Taxa de Salários O salário mínimo é essencialmente um salário político. Macroeconomicamente

Leia mais

Consultoria. Conjuntura Econômica e Perspectivas Setembro/2016. Juan Jensen

Consultoria. Conjuntura Econômica e Perspectivas Setembro/2016. Juan Jensen Consultoria Conjuntura Econômica e Perspectivas 2017-22 Setembro/2016 Juan Jensen jensen@4econsultoria.com.br PIB Confiança segue mostrando recuperação na margem, ainda que nível ainda seja baixo Estamos

Leia mais

EPE vê reação da indústria e projeta alta do consumo

EPE vê reação da indústria e projeta alta do consumo Boletim 1143/2017 Ano IX 31/01/2017 EPE vê reação da indústria e projeta alta do consumo Por Rodrigo Polito A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) prevê o aumento do consumo de energia do setor industrial

Leia mais

Massa Salarial Real Média móvel trimestral (R$ milhões) jul/14. jul/15. jan/15. set/15. jan/16. set/14. nov/14. nov/15. mai/15. mar/15.

Massa Salarial Real Média móvel trimestral (R$ milhões) jul/14. jul/15. jan/15. set/15. jan/16. set/14. nov/14. nov/15. mai/15. mar/15. ASSESSORIA ECONÔMICA Dados divulgados entre os dias 28 de janeiro e 01 de fevereiro Mercado de Trabalho (PNAD Contínua Mensal) 210.000 Massa Salarial Real Média móvel trimestral (R$ milhões) 205.000 204.592

Leia mais

Congresso de Fundação da Força Sindical do Distrito Federal Mercado de trabalho e negociação coletiva no DF

Congresso de Fundação da Força Sindical do Distrito Federal Mercado de trabalho e negociação coletiva no DF Congresso de Fundação da Força Sindical do Distrito Federal Mercado de trabalho e negociação coletiva no DF 25 Março de 2009 Conjuntura marcada pela crise Produto Interno Bruto do país teve queda de 3,6%

Leia mais

Indústria e Comércio comprometem o desempenho da RARP em setembro de 2015

Indústria e Comércio comprometem o desempenho da RARP em setembro de 2015 Brasil, RARP e município de Ribeirão Preto fecham vagas em todos os setores Os dados do mês de setembro de 2015 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) reforçam o cenário de pouco otimismo,

Leia mais

PANORAMA CONJUNTURAL. O PIB Brasileiro no 4º Trimestre de 2015 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA. Janeiro de 2016 Publicado em Março de 2016

PANORAMA CONJUNTURAL. O PIB Brasileiro no 4º Trimestre de 2015 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA. Janeiro de 2016 Publicado em Março de 2016 Os dados do PIB brasileiro no 4º trimestre de 2015 confirmaram os prognósticos feitos pela maioria dos analistas econômicos de que a retração da economia brasileira em 2015 seria bastante expressiva. O

Leia mais

VISÃO GERAL DA ECONOMIA

VISÃO GERAL DA ECONOMIA VISÃO GERAL DA ECONOMIA Destaques Positivos Menor endividamento das empresas e das famílias Melhora no mercado de trabalho Aumento das exportações Recuperação da indústria Destaques Negativos Taxa de desemprego

Leia mais

Nível de Atividade: Redução da Atividade Econômica no Início de 2015 e Futuro Ainda Muito Nebuloso (Especialmente Para o Setor Automobilístico)

Nível de Atividade: Redução da Atividade Econômica no Início de 2015 e Futuro Ainda Muito Nebuloso (Especialmente Para o Setor Automobilístico) 6 análise de conjuntura Nível de Atividade: Redução da Atividade Econômica no Início de 2015 e Futuro Ainda Muito Nebuloso (Especialmente Para o Setor Automobilístico) Vera Martins da Silva (*) Como esperado,

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

O trabalho na crise econômica no Brasil: primeiros sinais

O trabalho na crise econômica no Brasil: primeiros sinais O trabalho na crise econômica no Brasil: primeiros sinais MARCIO POCHMANN NESTE ARTIGO, busca-se identificar e analisar os principais efeitos mais imediatos para o mundo do trabalho que decorrem da contaminação

Leia mais

Conjuntura Regional. Prof. Dr. Luciano Nakabashi André Ribeiro, Jenifer Barbosa, Juliano Condi, Mariana Ribeiro, Renata Borges

Conjuntura Regional. Prof. Dr. Luciano Nakabashi André Ribeiro, Jenifer Barbosa, Juliano Condi, Mariana Ribeiro, Renata Borges Ano II Nov/2 0 0 0 O mercado de trabalho, que apresenta um dos últimos indicares econômicos positivos do país, vem perdendo força de forma sistemática desde 20, como pode ser constatado pelos dados apresentados

Leia mais

Comércio fecha vagas no fim do ano de 2016

Comércio fecha vagas no fim do ano de 2016 Comércio fecha vagas no fim do ano de 2016 Os dados de Dezembro de 2016 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) demonstram destruição de vagas em todas as regiões analisadas neste boletim.

Leia mais

O PIB do Brasil no 1º Trimestre de 2017

O PIB do Brasil no 1º Trimestre de 2017 PANORAMA CONJUNTURAL O PIB do Brasil no 1º Trimestre de 2017 Abril de 2017 Publicado em Junho de 2017 No primeiro trimestre de 2017, o PIB do Brasil apresentou crescimento na margem de 1,0% e queda de

Leia mais

Ano IV Mar./2015. Comércio destrói vagas no Brasil e na maioria das regiões analisadas

Ano IV Mar./2015. Comércio destrói vagas no Brasil e na maioria das regiões analisadas Comércio destrói vagas no Brasil e na maioria das regiões analisadas Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do mês de Janeiro de 2016 apresentaram resultados distintos para as

Leia mais

PANORAMA CONJUNTURAL. Indústria: recuperação em marcha lenta. Fevereiro de 2018 Publicado em Abril de 2018

PANORAMA CONJUNTURAL. Indústria: recuperação em marcha lenta. Fevereiro de 2018 Publicado em Abril de 2018 PANORAMA CONJUNTURAL Indústria: recuperação em marcha lenta Fevereiro de 2018 Publicado em Abril de 2018 Os dados da indústria em geral no primeiro bimestre de 2018, como pode ser observado no gráfico

Leia mais

Crise econômica e os impactos sobre jovens e adultos no mercado de trabalho brasileiro

Crise econômica e os impactos sobre jovens e adultos no mercado de trabalho brasileiro Título Crise econômica e os impactos sobre jovens e adultos no mercado de trabalho brasileiro Resumo A recessão econômica que atingiu a economia brasileira nos anos 2015 e 2016 reverteram a trajetória

Leia mais

BOLETIM DE INDICADORES SETORIAIS EDIÇÃO ABRIL/2018

BOLETIM DE INDICADORES SETORIAIS EDIÇÃO ABRIL/2018 BOLETIM DE INDICADORES SETORIAIS EDIÇÃO ABRIL/2018 ÍNDICE Palavras do Presidente Um 2018 com certa instabilidade política já fazia parte das expectativas para um ano de eleições presidenciais e estaduais.

Leia mais

CRISE E MERCADO DE TRABALHO NO MARANHÃO X BRASIL: o que apontam os últimos dados do CAGED e da PNAD-Contínua?

CRISE E MERCADO DE TRABALHO NO MARANHÃO X BRASIL: o que apontam os últimos dados do CAGED e da PNAD-Contínua? _ CRISE E MERCADO DE TRABALHO NO MARANHÃO X BRASIL: o que apontam os últimos dados do CAGED e da PNAD-Contínua? Esta edição do Boletim do Observatório Social e do Trabalho objetiva dar continuidade à discussão

Leia mais

Cenário do Setor Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul

Cenário do Setor Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul Cenário do Setor - 2012 Avaliação do setor de borracha do Rio Grande do Sul São Leopoldo, outubro de 2012 1. Sumário Executivo 2. A economia brasileira em 2012 O setor de borracha no contexto nacional

Leia mais

Mercado de trabalho. Mercado de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre: expansão do emprego formal. Expansão da ocupação

Mercado de trabalho. Mercado de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre: expansão do emprego formal. Expansão da ocupação Mercado de Trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre: expansão do emprego formal 71 Mercado de trabalho Mercado de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre: expansão do emprego formal André

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho A Economia Brasileira em 2015 A economia brasileira em 2015, caso sejam confirmadas as expectativas do mercado e do BCB, terá sofrido a maior retração do PIB desde 1990, quando caiu -4,35%. De acordo com

Leia mais

Nota Trimestral de Conjuntura

Nota Trimestral de Conjuntura Nota Trimestral de Conjuntura PRIMEIRO TRIMESTRE 2018 Observatório de Políticas Econômicas 2018 FUNDAÇÃO DOM CABRAL NÚCLEO DE ESTRATÉGIA E NEGÓCIOS INTERNACIONAIS OBSERVATÓRIO DE POLÍTICAS ECONÔMICAS Nota

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho No primeiro semestre de 2015, como pode ser observado a partir dos gráficos nº 1, 2 e 3, houve uma significativa deterioração das expectativas do mercado quanto a profundidade e o tempo estimado de recessão

Leia mais

INFORMATIVO ECONÔMICO UNESP: Conjuntura Ano 5, n. 19

INFORMATIVO ECONÔMICO UNESP: Conjuntura Ano 5, n. 19 INFORMATIVO ECONÔMICO UNESP: Conjuntura Ano 5, n. 19 Projeto de Extensão Parceria com Assessoria de Comunicação e Imprensa Elton Eustáquio Casagrande Departamento de Economia da UNESP. 1. Interior e Região

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS O Indicador Nível de Atividade em relação ao trimestre anterior das Indústrias da Construção (AL e NE) registrou queda no 2º Trimestre 2018 2º TRI/2018 - Publicado

Leia mais

156/15 30/09/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

156/15 30/09/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 156/15 30/09/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Setembro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Agosto

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 1º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 1º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 1º trimestre de 2013 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN SN de Planejamento Financeiro

Leia mais

CONSTRUÇÃO. boletim. Trabalho e APESAR DO DESAQUECIMENTO DA ECONOMIA, GERAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MANTÉM CRESCIMENTO

CONSTRUÇÃO. boletim. Trabalho e APESAR DO DESAQUECIMENTO DA ECONOMIA, GERAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MANTÉM CRESCIMENTO boletim Trabalho e Ano 1 - nº 2 - Setembro 2009 APESAR DO DESAQUECIMENTO DA ECONOMIA, GERAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO NA CIVIL MANTÉM CRESCIMENTO O recrudescimento da crise econômico-financeira no centro

Leia mais

PANORAMA CONJUNTURAL. A Economia Brasileira em Dezembro de 2017 Publicado em Fevereiro de 2018

PANORAMA CONJUNTURAL. A Economia Brasileira em Dezembro de 2017 Publicado em Fevereiro de 2018 PANORAMA CONJUNTURAL A Economia Brasileira em 2017 Dezembro de 2017 Publicado em Fevereiro de 2018 O ano de 2017 marcou o final da recessão iniciada no Brasil a partir do segundo trimestre de 2014. A expecta-tiva,

Leia mais

UMA ANÁLISE CRÍTICA DO CRESCIMENTO ECONÔMICO EM 2004 Marcelo Curado *

UMA ANÁLISE CRÍTICA DO CRESCIMENTO ECONÔMICO EM 2004 Marcelo Curado * UMA ANÁLISE CRÍTICA DO CRESCIMENTO ECONÔMICO EM 2004 Marcelo Curado * O crescimento de 5,2% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2004 constitui-se numa mudança importante no sinal do comportamento do produto,

Leia mais

Nível de Atividade: Finalmente Economia em Recuperação

Nível de Atividade: Finalmente Economia em Recuperação 10 análise de conjuntura Nível de Atividade: Finalmente Economia em Recuperação Vera Martins da Silva (*) Normalmente se pensa em atividade econômica como cíclica e vem à mente o ciclo matemático, ou seja,

Leia mais

SUMÁRIO. Empresas no Simples 14. Inadimplência 09. Síntese 03. Inflação 05 PIB 04. Crédito 10. Empreendedorismo. Juros 06. Expediente.

SUMÁRIO. Empresas no Simples 14. Inadimplência 09. Síntese 03. Inflação 05 PIB 04. Crédito 10. Empreendedorismo. Juros 06. Expediente. Março/2018 SUMÁRIO < > 02 Síntese 03 Inflação 05 Inadimplência 09 Empresas no Simples 14 PIB 04 Juros 06 Crédito 10 Empreendedorismo 13 Expediente Núcleo de Inteligência Institucional da Unidade de Gestão

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO MERCADO DE TRABALHO DO 1º tri/2018 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Notas Metodológicas do MERCADO DE TRABALHO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO O Boletim Mercado de Trabalho do Agronegócio Brasileiro é uma publicação trimestral,

Leia mais

Conjuntura Econômica do Brasil Abril de 2013

Conjuntura Econômica do Brasil Abril de 2013 1 Conjuntura Econômica do Brasil Abril de 2013 Profa. Anita Kon 1 Último dado Dado Anterior Tend. PIB pm (1990=100) 2004 IV. 12* 1,4 0,9 Δ IV. 12** 0,6 0,4 Expectativas de mercado (% de crescimento 2012

Leia mais

A recessão avança. Reui CICFIEG Ecista Ieda Vascces Agst2015

A recessão avança. Reui CICFIEG Ecista Ieda Vascces Agst2015 A recessão avança Reui CICFIEG Ecista Ieda Vascces Agst2015 1 O cenário macroeconômico atual Deterioração das contas públicas (crise fiscal). Instabilidade política. Fragilidade do governo federal. Índice

Leia mais

Apesar de variação em relação ao mesmo trimestre do ano anterior ainda ser negativa, PIB parece esboçar reação

Apesar de variação em relação ao mesmo trimestre do ano anterior ainda ser negativa, PIB parece esboçar reação Apesar de variação em relação ao mesmo trimestre do ano anterior ainda ser negativa, PIB parece esboçar reação No acumulado dos últimos quatro trimestres 2º tri./2016 ao 1º tri./2017 o PIB registrou queda

Leia mais

Conjuntura econômica fraca persiste no terceiro trimestre. PIB Trimestral em %

Conjuntura econômica fraca persiste no terceiro trimestre. PIB Trimestral em % Conjuntura econômica fraca persiste no terceiro trimestre, ) ( Figura 1: PIB Trimestral variação em relação ao mesmo trimestre do ano anterior PIB Trimestral em % 5.1 4.6 3.5 2.5 1.7 1 2.5 2.5 2.8 4.1

Leia mais