Deutsche Bank GTB Investor Services. Manual de Marcação a Mercado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Deutsche Bank GTB Investor Services. Manual de Marcação a Mercado"

Transcrição

1 Manual de Marcação a Mercado Dezembro, 204

2 . Princípios Gerais Objetivo do Manual Princípios da Marcação a Mercado (MaM) Estrutura Organizacional Visão do Processo de MaM Coleta de Preços Validação e Tratamento dos Preços Coletados Aplicação dos Preços às Carteiras Supervisão Dinâmica da Metodologia Metodologia de Apreçamento de Ativos Indexadores e Taxas Referenciais Metodologias para a Construção das Curvas de Referência Método de Interpolação Exponencial ( Flat Forward ) Interpolação Linear Bootstrapping Estrutura a Termo das Taxas de Juros Curva Pré-Fixada em Reais Curva de Cupom Cambial Curva de Cupom de IPCA Curva de Cupom de IGPM Curva de Libor Curvas de Juros em Outras Moedas Títulos Públicos Federais Federais Pós-Fixados Selic: LFT Federais Pré-fixados: LTN Federais Indexados ao IPCA: NTN-B Federais Indexados ao IGPM: NTN-C Federais Pré-Fixados: NTN-F Títulos Privados CDB (Certificado de Depósito Bancário) e RDB (Recibo de Depósito Bancário) LF (Letra Financeira) DPGE (Depósito a Prazo com Garantia Especial) Operações Compromissadas Debêntures CCB (Céla de Crédito Bancário) e CCCB (Certificado de Céla de Crédito Bancário) Títulos do Segmento Imobiliário (CRI, LCI, CCI) Títulos do Segmento Agrícola (CPR, LCA, CDA, CDCA, CRA) Renda Variável Ações à Vista BDRs (Brazilian Depositary Receipts ou Certificados de Depósito de Valores Mobiliários) Operações a Termo Direitos, Recibos e Bônus de Subscrição Aluguel de Ações Futuros Futuros Swaps Ponta Pré-Fixada em Reais Ponta Indexada ao %CDI Ponta Indexada ao CDI + Spread Ponta Indexada ao IPCA Ponta Indexada ao IGPM Ponta Indexada ao Dólar Norte-Americado Ponta Indexada a Outras Moedas Estrangeiras Ponta Indexada à Variação de Ativos Listados no Exterior Ponta Indexada à Taxa de Juros no Exterior (Fixed / Float) Opções Página 2

3 2.9.. Metodologia para Determinação das Volatilidades Opções de Ações Opções de Ibovespa Opções de Dólar Opções de IDI Ativos Negociados no Exterior Ações e Futuros Títulos Privados Títulos da Dívida Externa Brasileira Cotas de Fundos de Investimento Ativos em Default (Inadimplência) Outros Ativos Carteira dos Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDCs) Carteira dos Fundos de Investimento em Participações (FIP s) Procedimentos para feriados de bolsa Anexo I Modelo de Black and Scholes... 3 Página 3

4 . Princípios Gerais.. Objetivo do Manual Este manual tem como objetivo apresentar os princípios e critérios de Marcação a Mercado para os ativos dos fundos e carteiras de clientes que utilizam os serviços de controladoria e custódia do Deutsche Bank S.A. Banco Alemão ( DBSA ). O Deutsche Bank é uma Instituição participante e aderente ao Código de Regulação e Melhores Práticas da ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) para Fundos de Investimento. As políticas de Marcação a Mercado descritas no presente documento foram definidas de acordo com as diretrizes do Conselho de Regulação e Melhores Práticas da ANBIMA e em conformidade com a regulamentação da CVM (Comissão de Valores Mobiliários ) em vigor. Desta forma, respeitado o disposto neste documento, a Administradora pode, a seu exclusivo critério e responsabilidade, determinar a precificação dos ativos, isentando o DBSA de qualquer responsabilidade quanto ao valor disponibilizado ao DBSA..2. Princípios da Marcação a Mercado (MaM) Conforme disposto no Capítulo VII do Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para Fundos de Investimento, o processo de Marcação a Mercado (MaM) consiste no registro dos ativos, para efeito de valorização e cálculo de cotas dos Fundos de Investimento, pelos respectivos preços negociados no mercado em casos de ativos líquidos ou, quando este preço não é observável, por uma estimativa adequada de preço que o ativo teria em uma eventual negociação realizada no mercado. A MaM tem como principal objetivo evitar a transferência de riqueza entre os cotistas dos Fundos de Investimento, além de dar maior transparência aos riscos embutidos nas posições, uma vez que as oscilações de mercado dos preços dos ativos, ou dos fatores determinantes destes, estarão refletidas nas cotas, melhorando assim a comparabilidade entre suas performances. O DBSA adota os seguintes princípios de Marcação a Mercado: I Formalismo: O DBSA possui um processo formal de MaM e uma área responsável pela execução, pela qualidade do processo e metodologia, bem como pela guarda dos documentos que contenham as justificativas sobre decisões tomadas; II Abrangência: Tendo em vista que o principal objetivo da MaM é evitar a transferência de riqueza entre os diversos cotistas de um fundo de investimento, estas diretrizes abrangem todos os fundos não exclusivos e não-restritos, ou seja, aqueles em que a mencionada transferência de riqueza precisa, necessariamente, ser evitada. Nessa medida, para fins destas diretrizes, considerase: (i) fundo exclusivo aquele destinado exclusivamente a um investidor e (ii) fundo restrito aquele destinado a um grupo determinado de investidores, que tenham entre si vínculo familiar, societário ou pertençam a um mesmo grupo econômico, ou que, por escrito, determinem esta condição. Caso um fundo de investimento perca sua característica de fundo exclusivo ou restrito, ser-lhe-ão aplicáveis imediatamente todas as regras gerais aplicáveis aos demais fundos; III - Melhores Práticas: O processo e a metodologia de MaM adotados pelo DBSA visam seguir as melhores práticas de mercado; IV Comprometimento: O DBSA está comprometido em garantir que os preços reflitam os de mercado e, na impossibilidade da observação desses, o DBSA despenderá seus melhores esforços Página 4

5 para estimar o que seriam os preços de mercado dos ativos pelos quais seriam efetivamente negociados; V Equidade: O DBSA dá tratamento equitativo dos cotistas no processo de MaM; VI Objetividade: São utilizadas preferencialmente informações de preços e/ou fatores obtidos de fontes externas independentes; VII Consistência: É mantida a consistência de preços de todos os ativos dos fundos que utilizam a controladoria do DBSA e que está sujeita às diretrizes e políticas dispostas neste manual de MaM. VIII Frequência: A MaM tem como frequência mínima, a periodicidade de cálculo das cotas; IX - Transparência: As metodologias de MaM são públicas e disponíveis..3. Estrutura Organizacional O DBSA possui uma área dedicada à atividade de MaM, que conta com estrutura própria e independente das demais áreas da Instituição. São responsáveis pelo processo de MaM as áreas de Asset Valuation and Risk e Global Securities Operations (GSO ou Operações Custódia). A área de Asset Valuation and Risk é responsável pela definição das metodologias, critérios e fontes de preços enquanto a área de GSO pela aplicação dos preços nas carteiras, conforme a estrutura apresentada a seguir. DBSA Controladoria e Custódia de Fundos Asset Valuation and Risk Global Securities Operations Responsabilidades Definição das fontes primárias e secundárias de preços; Definição das metodologias; Atualização do Manual de MAM; Supervisão e revisão dos processos; Responsabilidades Coleta de preços; Rotina de Apreçamento; Aplicação dos preços às carteiras dos fundos; Alimentação diária dos arquivos públicos de preço (BM&F Bovespa e Anbima); Validação e checagem dos preços; Cálculo da cota; Página 5

6 .4. Visão do Processo de MaM O processo de MaM ocorre todos os dias úteis e inicia-se após o fechamento dos mercados locais através da coleta de preços por meio de fontes primárias e secundárias. As informações de mercado são armazenadas na base de dados interna do DBSA de forma a garantir o histórico e a rastreabilidade dos preços utilizados. Os dados coletados são validados e passam por um processo de checagem com base nos indicadores definidos pela área de Asset Valuation and Risk visando garantir a sua integridade. Após o processo de validação dos dados de mercados iniciam-se as etapas de tratamento e aplicação dos preços às carteiras dos fundos. Caso sejam encontradas divergências ao longo de qualquer uma das etapas, o processo é reiniciado a partir da útlima etapa até que o motivo da divergência seja encontrado e sanado. O fluxo do processo de MaM é apresentado pelo diagrama abaixo: Coleta de Preços e Dados de Mercado Validação e Tratamento de Preços Aplicação dos Preços às Carteiras Importação diária dos arquivos: Coleta de informações de Mercado Alimentação das bases de dados Checagem da lista de ativos Validação dos Preços Coletados: Checagem da consistência das informações por meio de indicadores pré definidos pela área de Asset Valuation and Risk Avaliação da necessidade de utilização de fontes secundárias de preços Tratamento das informações: Construção das curvas de juros Apreçamento dos ativos a partira das taxas e indexadores coletados Importação de arquivos: Alimentação dos sistemas de controladoria de fundos com os preços e taxas refernciais Processamento: Processamento dos fundos e cálculo das cotas Conferência de Preços: Conferência dos preços aplicados às carteiras. Validação dos Preços Calculados: Checagem dos preços calculados, observando-se a coerência das variações Geração dos arquivos de preços para importação nos sistemas Todos os procedimentos estão descritos detalhadamente a seguir, inclusive as metodologias para o controle de qualidade, validação e supervisão dinâmica. Página 6

7 .4.. Coleta de Preços O processo inicia-se com a coleta de preços que é realizada através das seguintes fontes primárias: BM&FBovespa Ações (ações e opções de ações); BM&FBovespa Mercadorias e Futuros (futuros, opções de futuros e taxas referenciais); ANBIMA (títulos públicos, debêntures e projeções de inflação); Bacen (taxas de câmbio e taxa Selic - Sistema Especial de Liquidação e de Custódia); Cetip - Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (taxa CDI - Certificado de Depósito Interbancário); Reuters (taxas, cotações e preços de ativos negociados no exterior); Ou quaisquer outras fontes que venham a ser disponibilizadas. Visando dar maior transparência ao processo, serão utilizadas as fontes públicas de preços sempre que possível. Nos casos em que não seja possível utilizar a fonte primária, seja por indisponibilidade ou por não refletirem o valor de mercado pelo qual o ativo seria efetivamente negociado, poderão ser utilizadas fontes secundárias e métodos alternativos conforme descrito abaixo nas respectivas metodologias dos ativos Validação e Tratamento dos Preços Coletados As informações obtidas na etapa de coleta de preços são armazenadas na base de dados do DBSA e a área de Asset Valuation and Risk da Custódia é responsável pela validação e tratamento dos preços. As pricipais atividades executadas são: Validação dos preços coletados; Avaliação da necessidade de utilização de fontes secundárias e métodos alternativos; Cálculo de curvas; Apreçamento dos ativos; Validação dos preços calculados. Após o processo de cálculo e validação de preços, os arquivos são gerados no layout de importação dos sistemas de cálculo de cotas e/ ou valorização de carteiras de investimentos Aplicação dos Preços às Carteiras A área de GSO é responsável pela aplicação dos preços por meio da importação dos arquivos nos sistemas de cálculo de cotas. Os fundos de investimento com cota de fechamento utilizam os preços verificados no fechamento dos respectivos mercados em que atuam. Para os fundos com cota de abertura são utilizados as taxas e preços observados no fechamento do dia útil anterior, corrigidos para a data para a qual está sendo calculada a cota de abertura. Posteriormente à importação dos preços, existe a validação da aplicação dos preços às carteiras e é realizada através da conferência das mesmas pela GSO, sendo que qualquer discrepância será imediatamente comunicada para a área de Asset Valuation and Risk. Página 7

8 .5. Supervisão Dinâmica da Metodologia A área de Asset Valuation and Risk é responsável pela supervisão dinâmica dos modelos e limites utilizados no processo de MaM. Toda e qualquer alteração de metodologia que se fizer necessária será realizada após exaustivas discussões e análises de impactos, sendo a decisão sempre tomada com o suporte do Comitê de Riscos e Capital do DBSA (CRC - Capital & Risk Committee) conforme definido em regimento interno, para que haja transparência na busca por melhores esforços na conta dos trabalhos referentes à MaM. Página 8

9 2. Metodologia de Apreçamento de Ativos 2.. Indexadores e Taxas Referenciais Os indexadores e taxas referenciais são utilizados como parâmetros para o apreçamento dos ativos a eles atrelados. A seguir serão apresentadas as suas definições bem como as fontes primárias utilizadas. Serão utilizadas preferencialmente fontes primárias públicas e independentes, porém em casos de indisponibilidade de tais fontes poderão ser utilizadas cotações com participantes de mercado a critério da área de Asset Valuation and Risk que despenderá os melhores esforços para a obtenção do valor justo do ativo. Indexador Descrição Fonte Taxa Selic Taxa média (%aa) ponderada pelo volume das operações de financiamento por um dia, lastreadas em títulos públicos federais, realizadas no Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia). Banco Central do Brasil (http://w w w.bcb.gov.br) Taxa DI (DI-Over) As estatísticas do ativo Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grupo) são calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas com base nas operações de emissão de Depósitos Interfinanceiros pré-fixados, pactuadas por um dia útil e registradas e liquidadas pelo sistema Cetip, conforme determinação do Banco Central do Brasil. Cetip (http://w w w.cetip.com.br) Dólar PTAX (PTAX800 Venda) As taxas PTAX de compra e de venda correspondem, respectivamente, às médias das cotações de compra e de venda efetivamente fornecidas pelos dealers, excluídas, em cada caso, as as maiores e as as menores. Banco Central do Brasil (http://w w w.bcb.gov.br) IPCA Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, divulgado mensalmente pelo IBGE. IBGE (http://w w w.ibge.gov.br) Projeção de IPCA A coleta das informações para as projeções do IPCA é feita as vezes ao mês: no dia da divulgação do IPCA fechado e do IPCA-5. Em ambos os casos, a projeção apurada é para o mês corrente e o mês imediatamente posterior. ANBIMA (http://portal.anbima.com.br) IGP-M Índice Geral de Preços, divulgado mensalmente pela FGV. Bloomberg (IBREIGPM Index) Projeção de IGP-M Projeções para o Índice Geral de Preços ao Mercado da Fundação Getulio Vargas, com base no consenso do Comitê de Acompanhamento Macroeconômico da ANBIMA. As projeções são atualizadas a cada divulgação das prévias ou do índice final pela FGV. ANBIMA (http://portal.anbima.com.br) Legenda: PTAX - Taxa de câmbio calculada rante o dia pelo Banco Central do Brasil; IGPM - Índice Geral de Preços do Mercado IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística FGV Fundação Getúlio Vargas Página 9

10 2.2. Metodologias para a Construção das Curvas de Referência Método de Interpolação Exponencial ( Flat Forward ) Utiliza-se o método de interpolação exponencial para o cálculo das taxas de juros em reais, para vencimentos que estejam entre os vértices existentes para uma determinada estrutura a termos de taxa de juros (ETTJ). Taxa t Taxat t 252 Taxa Taxa t 252 t t 252 t t t t t 252 t taxa: taxa de juros expressa com base 252 dias úteis : número de dias úteis no período t: data de vencimento t-: data do vértice imediatamente anterior t+: data do vértice imediatamente posterior Interpolação Linear Para a interpolação de taxas de juros lineares com base em dias corridos, utiliza-se o método de interpolação linear que considera que, taxas efetivas entre os prazos conhecidos, variam linearmente. Taxa t Taxa Taxa Taxa t t t t t dct dct dc dc taxa: taxa de juros expressa com base 360 dias corridos dc: número de dias corridos no período t: data de vencimento t-: data do vértice imediatamente anterior t+: data do vértice imediatamente posterior Página 0

11 Bootstrapping O processo de bootstrapping consiste na criação de uma curva de juros spot ( zero coupon ) a partir dos preços de títulos que possuem pagamento de juros intermediários. O objetivo desta metodologia é obter a taxa de desconto de um título com fluxo que forneça o preço equivalente ao observado no mercado, levando-se em conta, para os fluxos intermediários, as taxas spot conhecidas. Para ilustrar o processo acima descrito tomemos como exemplo um título, cuja taxa spot desejamos obter, com vencimento t e apenas um pagamento de juros intermediário. São conhecidos o seu preço unitário de mercado e a taxa spot para o fluxo intermediário em t-. P F t Taxa ( Taxa ) t F t t t: vencimento do título t-: pagamento intermediário de juros P: Preço de mercado conhecido do título Ft-: Fluxo de pagamento do título em t- Ft: Fluxo de pagamento do título em t Taxat-: taxa spot conhecida para o período t Taxat: taxa spot que deseja-se obter Resolvendo a equação acima é possivel obter a taxa spot para o vencimento t. Repetindo-se esse procedimento para o vencimentos subsequentes são obtidas as taxas para os demais vértices da curva Estrutura a Termo das Taxas de Juros Curva Pré-Fixada em Reais A estrutura a termo das taxas pré-fixadas em reais é obtida a partir dos preços de ajuste dos contratos futuros de DI (Depósitos Interfinanceiros) da BM&FBovespa, sendo utilizado como primeiro ponto da curva a taxa DI-Over divulgada pela Cetip. A fonte primária para obtenção dos preços de ajuste é a própria BM&FBovespa. Como fontes alternativas serão utilizados os dados divulgados pela Bloomberg ou Reuters Curva de Cupom Cambial A curva de cupom cambial é a estrutura a termo da taxa de juros brasileira expressa em dólares, sendo portanto, o diferencial da taxa interna e a variação cambial. As taxas de cupom cambial são obtidas a partir dos preços de ajuste dos contratos futuros de cupom cambial (DDI) da BM&FBovespa e são conhecidas por cupom cambial sujo por incorporarem na sua formação o dólar PTAX800 venda do dia útil anterior. A curva de cupom cambial limpa é obtida excluindo-se a variação do dólar do dia anterior em relação ao dólar spot. Página

12 A fonte primária para obtenção dos preços de ajuste é a própria BM&FBovespa. Como fontes alternativas serão utilizados os dados divulgados pela Bloomberg ou Reuters Curva de Cupom de IPCA A curva de cupom de IPCA é obtida a partir da aplicação do processo de bootstrapping nas taxas indicativas das NTN-Bs (Notas do Tesouro Nacional, série B) divulgadas diariamente pela ANBIMA. Como fontes alternativas, serão utilizadas as taxas médias entre as cotações coletadas em corretoras e negociações de leilão primário Curva de Cupom de IGPM A curva de cupom de IGPM é obtida a partir das taxas referenciais divulgadas pela BM&FBovespa para os swaps DI versus IGPM. Como fontes alternativas serão utilizadas cotações com corretoras ativas no mercado Curva de Libor Denominaremos de curva de Libor a estrutura a termo das taxas de juros em dólares no mercado internacional. Para os vencimentos até três (3) meses são utilizadas as taxas Libor (London Interbank Offered Rate ou taxa de juros de referência) divulgadas pela IBA (ICE Benchmark Administration), para vencimentos superiores são utilizados os futuros de Eurodólar (depósitos em dólares efetuados em bancos localizados fora do território dos Estados Unidos da América) e complementarmente os swaps de dólar. A fonte primária para a obtenção das taxas é a Reuters. Como fontes alternativas, serão utilizadas as cotações da Bloomberg Curvas de Juros em Outras Moedas As curvas de juros internacionais para as outras moedas serão calculadas com base no diferencial de juros entre a curva de libor e os juros implícitos nos NDF (Non Deliverable Forwards ou Contrato a Termo de Moeda sem Entrega Física) de moedas. A fonte primária para a obtenção das taxas é a Reuters. Como fontes alternativas serão utilizadas as cotações da Bloomberg. Página 2

13 2.4. Títulos Públicos Federais A fonte primária para os preços e as taxas indicativas dos títulos públicos federais é a ANBIMA. Caso a ANBIMA, por motivos de força maior, não divulgue as taxa em tempo hábil para o cálculo das cotas, poderão ser utilizadas como fontes alternativas as cotações com corretoras ativas e as negociações em leilão primário Federais Pós-Fixados Selic: LFT Características LFT: Letras Financeiras do Tesouro. Prazo: Definido pelo Ministério da Fazenda. Modalidade: Nominativa e negociável. Forma de Colocação: Oferta pública ou direta, em favor do interessado. Valor Nominal: Múltiplo de R$.000,00. Rendimento: Taxa Selic calculada sobre o valor nominal. Resgate: Valor nominal acrescido do respectivo rendimento. Referência Legal: Artigo 2º do Decreto nº 2.70, de 30/07/998. Os títulos pós-fixados indexados à taxa SELIC são apreçados segundo a metodologia descrita a seguir: PUPAR dtmam PUEmissao 252 Selic i idtbase PU PUPAR ( Taxa) 252 PUPAR: PU par para o respectivo vencimento do papel na data de cálculo. O PU PAR é definido com o VN corrigido pela taxa SELIC acumulada. Preço unitário par divulgado na ANBIMA de acordo com a Resolução nº238 do Banco Central do Brasil (dados coletados no site da ANBIMA : dias úteis entre a data de cálculo e o vencimento do papel; Taxa: Taxa anual de ágio/deságio para a data de vencimento do papel (MaM). Haverá um deságio no papel caso essa taxa seja positiva, e um ágio, caso contrário; Página 3

14 Federais Pré-fixados: LTN Características LTN: Letras do Tesouro Nacional Prazo: Definido pelo Ministério da Fazenda. Modalidade: Nominativa e negociável. Forma de Colocação: Oferta Pública ou direta, em favor do interessado. Valor Nominal: Múltiplo de R$.000,00. Rendimento: Deságio sobre o valor nominal. Resgate: Valor nominal. Referência Legal: Artigo º do Decreto nº 2.70, de 30/07/998. A metodologia de cálculo é apresentada a seguir: VN PU ( Taxa ) 252 Onde : número de dias úteis entre data de cálculo e o vencimento; taxamtm: taxa indicativa divulgada pela ANBIMA; VN: valor nominal; Federais Indexados ao IPCA: NTN-B Características NTN-B: Notas do Tesouro Nacional Série B. Prazo: Definido pelo Ministério da Fazenda. Modalidade: Nominativa e negociável. Forma de Colocação: Oferta Pública ou direta, em favor do interessado. Valor Nominal: Múltiplo de R$.000,00. Atualização do Valor Nominal: Variação do IPCA desde a data-base do título. Taxa de Juros: 6% a.a., calculada sobre o valor nominal atualizado. Pagamento dos Juros: Semestralmente, com ajuste no primeiro período de fluência, quando couber. Resgate: Em parcela única, na data do vencimento. Referência Legal: Artigo 8º do Decreto nº 3.859, de 04/07/200 e Portaria STN nº, de /03/2002. Página 4

15 Os títulos indexados ao IPCA são avaliados segundo a metodologia de cálculo apresentada a seguir: PU IPCA VN IPCA Atual Base n Cupom 2 t Taxa 252 Taxa n t 252 t: vencimento do fluxo n: número de fluxos restantes Taxamtm: taxa indicativa divulgada pela ANBIMA Federais Indexados ao IGPM: NTN-C Características NTN-C: Notas do Tesouro Nacional Série C Prazo: Definido pelo Ministério da Fazenda. Modalidade: Nominativa e negociável. Forma de Colocação: Oferta Pública ou direta, em favor do interessado. Valor Nominal: Múltiplo de R$.000,00. Atualização do Valor Nominal: Variação do IGPM desde a data-base do título. Taxa de Juros: 6% a.a., calculada sobre o valor nominal atualizado. Pagamento dos Juros: Semestralmente, com ajuste no primeiro período de fluência, quando couber. Resgate: Em parcela única, na data do vencimento. Referência Legal: Artigo 6º do Decreto nº 2.70, de 30/07/998 e Portaria STN nº490, de 29//999. Os títulos indexados ao IGPM são avaliados segundo a metodologia de cálculo apresentada a seguir: PU IGPM VN IGPM Atual Base n Cupom 2 t Taxa 252 Taxa n t 252 t: vencimento do fluxo n: número de fluxos restantes Taxamtm: taxa indicativa divulgada pela ANBIMA Página 5

16 Federais Pré-Fixados: NTN-F Características NTN-F: Notas do Tesouro Nacional Série F Prazo: Definido pelo Ministério da Fazenda. Modalidade: Nominativa e negociável. Forma de Colocação: Oferta Pública ou direta, em favor do interessado. Valor Nominal: Múltiplo de R$.000,00. Rendimento: Deságio sobre o valor nominal. Taxa de Juros: 0% a.a., calculada sobre o valor nominal atualizado. Pagamento dos Juros: Semestralmente, com ajuste no primeiro período de fluência, quando couber. Resgate: Valor nominal, na data do vencimento. Referência Legal: Artigo º do Decreto nº 3.859, de 04/07/200. A metodologia de cálculo é apresentada a seguir: PU VN n Cupom 2 t Taxa 252 Taxa n t 252 t: vencimento do fluxo n: número de fluxos restantes Taxamtm: taxa indicativa divulgada pela ANBIMA Página 6

17 2.5. Títulos Privados CDB (Certificado de Depósito Bancário) e RDB (Recibo de Depósito Bancário) Os CDBs são títulos privados emitidos por bancos comerciais, bancos de investimento ou bancos múltiplos com a finalidade de captação de recursos. Os títulos podem ser pré ou pós-fixados atrelados a indexadores ao CDI, Selic, TR, TJLP (taxa de juros de longo prazo), TBF (taxa básica financeira), IGP-M e IPCA. Os títulos são escriturais e, a critério do custodiante, são todos registrados na Cetip. A MaM dos CDBs considera as características do título tais como prazo, cláusulas de resgate antecipado (recompra) e risco do emissor. Títulos com cláusula de recompra serão marcados na taxa de emissão, já os títulos sem a cláusula de recompra ou com recompra a mercado, serão utilizadas taxas de MaM definidas pela área de Asset Valuation and Risk conforme descrito abaixo. As taxas de MaM dos CDBs serão definidas, (em ordem de prioridade), com base em: Taxas observadas para novas emissões nos fundos custodiados pelo DBSA Cotações com os participantes de mercado Definição de um spread de risco de crédito a partir do rating do emissor Manutenção do spread de risco observado no momento da operação Critério definido pela Área de Asset Valuation and Risk Metodologia de cálculo para CDBs pré-fixados sem caixa: PU PU Emissao total Taxa 252 Emissao Taxa 252 Spread 252 Pre Taxapre: Taxa obtida pela interpolação da curva pré de mercado descrita no item Spread: Spread de risco definido pela área de Asset Valuation and Risk Metodologia de cálculo para CDBs pós-fixados sem caixa: PU PU Emissao Taxa 252 Spread 252 RiskFree VF proj VFproj: Valor futuro projetado através do indexador acumulado acrescido da expectativa de mercado para o vencimento da operação Taxariskfree: Taxa livre de risco obtida pela interpolação da curva de mercado respectiva conforme descrito no item 2.3. Spread: Spread de risco definido pela área de Asset Valuation and Risk Página 7

18 LF (Letra Financeira) As Letras Financeiras assemelham-se ao CDBs com a diferença de terem prazo mínimo de dois (2) anos e poderem ser emitidas, alem dos bancos, por sociedades de crédito, financiamento e caixas econômicas. A metodologia para a definição das taxas de marcação a mercado das LFs é análoga à descrita no item DPGE (Depósito a Prazo com Garantia Especial) Os DPGEs são títulos emitidos por instituições financeiras (bancos comerciais, múltiplos, de desenvolvimento, de investimento, além de sociedades de crédito, financiamento e investimentos e caixas econômicas) sendo uma alternativa de captação de recursos por parte de bancos de pequeno a médio porte. O prazo dos DPGEs não podem ser inferiores a doze (2) meses ou superiores a trinta e seis (36) meses e contam com a garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), conforme estabelecido pela Resolução nº 3.692/202 do Conselho Monetário Nacional, destinada a investidores pessoa física e pessoa jurídica. Os DPGEs podem ser pré ou pós-fixados e sua MaM segue metodologia análoga à descrita no item Operações Compromissadas As Operações Compromissadas com lastro em títulos públicos serão apreçadas nas respectivas taxas de operação. As Operações Compromissadas lastreadas em títulos privados serão marcadas a mercado com base no risco de crédito do emissor e analogamente à metodologia aplicada aos CDBs descrita no item Debêntures As Debêntures são títulos emitidos por empresas com o objetivo de captação de recursos de médio e longo prazo. Os títulos podem ser pré ou pós-fixados, sendo mais comumente utilizadas as remunerações baseadas e %CDI, CDI + Spread e aos Índices de Inflação. As fontes primárias para a MaM das debêntures são a ANBIMA e a BM&FBovespa. Para as debêntures que não tiverem as suas taxas divulgadas pela ANBIMA, serão utilizadas taxas de MaM definidas pela área de Asset Valuation and Risk, conforme descrito abaixo: Alternativamente, as taxas de MaM das debêntures serão determinadas levando-se em consideração: Taxas observadas no mercado secundário; Cotações com os participantes de mercado; Definição de um spread de risco de crédito a partir do rating do emissor; Qualidade das garantias contra o inadimplemento da emissora. A metodologia de cálculo das debêntures não conversíveis é análoga aos demais títulos pré e pós-fixados já descritos neste manual. Página 8

19 O apreçamento das debêntures que possuírem cláusulas de conversão e/ou recompra e que não possuírem taxas ou preços indicativos de mercado, serão tratadas caso a caso de acordo com as condições de conversão e/ou recompra estabelecidas nas suas emissões respectivamente. Nestes casos, será embutido no modelo de apreçamento o impacto causado pela opção de conversão em ações da companhia por parte do debenturista (opção de compra - call) e/ou direito de recompra por parte do emissor (opção de venda put) CCB (Céla de Crédito Bancário) e CCCB (Certificado de Céla de Crédito Bancário) A CCB é um título de emissão de pessoas físicas e jurídicas em favor de instituições financeiras e é representativo de uma promessa de pagamento em troca de uma operação de crédito. As CCBs são títulos pré ou pós-fixados e podem ser negociados no mercado secundário bem como serem objeto de cessão de crédito em FIDCs (Fundos de Investimento em Direitos Creditórios). As CCBs com garantia da instituição financeira credora original da operação terão seu spread de risco de crédito calculado de maneira análoga à metodologia descrita no item As CCBs sem garantia da instituição credora original da operação, serão marcadas a mercado com base no spread de risco de crédito do emissor na data da operação, podendo o spread ser atualizado quando houver novas negociações ou eventos que alterem o risco de crédito a ser definido pela área de Asset Valuation and Risk. As CCBs que sejam objeto de operações de cessão de crédito componentes das carteiras de FIDCs serão apreçadas pela taxa de emissão, tendo o seu risco de crédito (inadimplência) refletido no valor de Provisão de Devedores Duvidosos (PDD) de acordo com as disposições da Instrução CVM nº 489/20 (regulamenta a elaboração e divulgação de informações financeiras para FIDC e FIC-FIDC). Os Certificados de Céla de Crédito Bancário (CCCBs) são títulos emitidos por instituições financeiras lastreados em uma ou mais célas de crédito bancário. Por tratar-se de uma cesta de CCBs, será utilizada metodologia análoga à descrita acima Títulos do Segmento Imobiliário (CRI, LCI, CCI) CRI (Certificados de Recebíveis Imobiliários): títulos de crédito nominativos e com garantia real que têm como lastro créditos imobiliários. São emitidos por companhias securitizadoras registradas na CVM e possuem o objetivo de adquirir os créditos imobiliários para servirem de lastro para os CRIs. Podem ser negociados no mercado secundário. LCI (Letras de Crédito Imobiliário): são títulos emitidos por bancos, caixas econômicas e sociedades de crédito imobiliário e são lastreadas por créditos imobiliários garantidos por hipoteca ou alienação ficiária. CCI (Célas de Crédito Imobiliário): são títulos emitidos para captação de recursos que representam total ou parcialmente os créditos imobiliários de titularidade de seu emissor. É uma alternativa mais simples do que cessão dos créditos imobiliários para transformá-los em títulos negociáveis. A metodologia para a determinação do spread de risco de crédito dos emissores dos títulos do segmento imobiliário é análoga à descrita no item Página 9

20 Títulos do Segmento Agrícola (CPR, LCA, CDA, CDCA, CRA) CPR (Céla de Proto Rural): títulos pré ou pós-fixados emitidos por pessoas físicas ou jurídicas, que poderão ser emitidos com ou sem garantias. As CPRs podem ser do tipo física (quando a liquidação se dá pela entrega de proto agropecuário) ou financeira (quando houver apenas a possiblidade de liquidação financeira). Letras de Crédito do Agronegócio (LCA): são títulos emitidos pelas instituições financeiras para captar recursos necessários às operações de financiamento a protores rurais, cooperativas e terceiros relacionados. Possuem lastro em direitos creditórios provenientes de financiamentos ou empréstimos concedidos ao agronegócio. Certificado de Depósito Agropecuário (CDA): é um título representativo de promessa de entrega de proto agropecuário depositado em conformidade com a Lei nº de 29 de Maio de Certificados de Direitos Creditórios do Agronegócio (CDCA): são títulos de crédito emitidos para a captação de recursos pelo agronegócio. São lastreados em direitos creditórios de titularidade do emissor. Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA): são títulos de crédtio nominativos, de livre negociação, representativos de promessa de pagamento em dinheiro de emissão exclusiva das companhias securitizadoras de direitos creditórios do agronegócio. Devido à particularidade deste segmento, poderá ser requisitado pelo DBSA um laudo de empresa especializada em monitoramento para verificação dos riscos ligados à cadeia de proção e armazenagem de protos agropecuários. O resultado do laudo será utilizado pela área de Asset Valuation and Risk para a definição do fator de ajuste e deverá refletir a possibilidade de perdas ligadas ao ativo. VP VP Titulo Fator Ajuste O apreçamento dos títulos vinculados à entrega de commodities será efetuado com base nos valores referenciais dos futuros negociados em bolsa de valores, observados critérios mínimos de liquidez. PU Fut Descontos Ajuste Taxa Cupom Fator Fut: valor de ajuste do contrato derivativo Descontos: descontos aplicáveis (frete, custo de armazenagem, etc) Taxacupom: taxa de desconto para a mercadoria Fatoajuste: fator de ajuste aplicado com base em laudo de avaliação Página 20

Deutsche Bank GTB Investor Services. Manual de Marcação a Mercado

Deutsche Bank GTB Investor Services. Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Janeiro, 206 . Princípios Gerais... 4.. Objetivo do Manual...4.2. Princípios da Marcação a Mercado (MaM)...4.3. Estrutura Organizacional...5.4. Visão do Processo de MaM...6.4..

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27

Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27 Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27 Sumário 1. PRINCÍPIOS GERAIS... 3 1.1. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 1.2. PRINCIPIOS DA MARCAÇÃO A MERCADO... 4 1.3. CONVENÇÕES ADOTADAS...

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Gerência Nacional de Controladoria de Ativos Passivos e Custódia Data de Vigência: 30/09/2015 SUMÁRIO 1 PRINCÍPIOS GERAIS E O PROCESSO DE MARCAÇÃO A MERCADO... 3 1.1 LEGISLAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO DA CRUZEIRO DO SUL S.A. DTVM

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO DA CRUZEIRO DO SUL S.A. DTVM MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO DA CRUZEIRO DO SUL S.A. DTVM FEVEREIRO/2012 V6 Propriedade da Cruzeiro do Sul S.A. DTVM. Proibida a reprodução total ou parcial deste manual sem a devida autorização prévia.

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E DERIVATIVOS - SINTÉTICO

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E DERIVATIVOS - SINTÉTICO MANUAL DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E DERIVATIVOS - SINTÉTICO Maio de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. PRINCÍPIOS GERAIS...5 2.1. MELHORES PRÁTICAS...5 2.2. ABRANGÊNCIA...5 2.3. COMPROMETIMENTO...5 2.4. EQÜIDADE...5

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Versão 08 Março de 205 Propriedade do Banco BM&FBOVESPA de Serviços de Liquidação e Custódia S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização . INTRODUÇÃO...

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Gradual Corretora de Câmbio,Títulos e Valores Mobiliários S.A. Área de Fundos de Investimentos Início da Vigência: 09 de janeiro 2014 Versão 5 2 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2.

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Departamento de Controladoria de Fundos de Investimento Setor de Precificação Propriedade de SITA Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S/A Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização.

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Proibida a reprodução. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO 16 de março de 2015 Sumário Introdução... 3 1. Visão do Processo e Estrutura Organizacional... 3 a. Estrutura Organizacional envolvida no Processo...

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado. Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A.

Manual de Marcação a Mercado. Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. Manual de Marcação a Mercado Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. 21 de março de 2014 Versão: 01-2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. PRINCÍPIOS GERAIS... 5 3. VISÃO DO PROCESSO... 6 3.1. Fonte de Preços...

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO 1/20 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORAÇÃO REVISÃO APROVAÇÃO Ana Bezerra Diretora Corporativa Jean Fontes Departamento de Riscos Olympia Baptista Gerência de Controles Internos e Compliance Luiz Eduardo Franco

Leia mais

Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Março de 2009 ÍNDICE MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO... VISÃO DO PROCESSO...3. Coleta de Preços...3.2 Tratamento e Validação dos Preços Coletados...4.3 Apuração, Controle e Supervisão

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Custódia Qualificada Outubro de 2012 Data de Vigência: 01/10/2012 Documentação Técnica - Metodologia de Precificação 1. Introdução...... 4 2. Princípios Gerais de Marcação

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Fundos e Carteiras Gerência de Análise Econômica e Riscos de Mercado Diretoria de Recursos de Terceiros, Economia e Riscos Versão: Julho/04 Sumário. OBJETIVO... 3. CONCEITO...

Leia mais

CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO Manual de marcação a mercado Maio de 2015

CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO Manual de marcação a mercado Maio de 2015 CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO Manual de marcação a mercado Este material foi desenvolvido pela Credit Suisse Hedging-Griffo e não pode ser distribuído, copiado ou reproduzido, no todo ou em partes, sem

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado. Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A.

Manual de Marcação a Mercado. Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. Manual de Marcação a Mercado Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. 04 de janeiro de 2016 Versão: 01-2016 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 2. PRINCÍPIOS GERAIS... 6 3. VISÃO DO PROCESSO... 8 3.1. Coleta de

Leia mais

CONTEÚDO 1 OBJETIVO 3 2 CONCEITO 3. 2.1. Princípios de Marcação a Mercado 3 3 VISÃO DO PROCESSO 4

CONTEÚDO 1 OBJETIVO 3 2 CONCEITO 3. 2.1. Princípios de Marcação a Mercado 3 3 VISÃO DO PROCESSO 4 CONTEÚDO OBJETIVO 3 CONCEITO 3.. Princípios de Marcação a Mercado 3 3 VISÃO DO PROCESSO 4 3.. Estrutura Organizacional 4 3... Responsabilidade Metodológica 4 3... Responsabilidade pela Aplicação 4 3..

Leia mais

Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados pela BRB-DTVM.

Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados pela BRB-DTVM. Página 1/35 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: FINALIDADE: ELABORADOR: APROVAÇÃO: NORMA EXECUTIVA Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados

Leia mais

Manual de. Brazil Risk Dept. Novembro /2015. Marcação a Mercado

Manual de. Brazil Risk Dept. Novembro /2015. Marcação a Mercado Manual de Brazil Risk Dept. Novembro /2015 Marcação a Mercado 1 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROCESSOS E ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS ENVOLVIDAS... 4 3. ASPECTOS METODOLÓGICOS... 6 3.1. COTA ABERTURA VS. COTA DE

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos. Marcação a Mercado

Manual de Precificação de Ativos. Marcação a Mercado Manual de Precificação de Ativos Marcação a Mercado Maio de 2015 Marcação a mercado, É o procedimento adotado com o objetivo de aumentar a segurança dos investidores que aplicam na indústria brasileira

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO 1 Banco PETRA S.A. Serviços Qualificados no Mercado de Valores Mobiliários MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Início da Vigência: Janeiro/2011 Versão 1.3 (Set/2012) Propriedade do Banco PETRA S.A. Proibida a

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Versão Resumida V.2.2 Início de Vigência 27/07/205 Propriedade de Banco Bradesco S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização. SUMÁRIO. Princípios Gerais...

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO PETRA S.A. Serviços Qualificados no Mercado de Valores Mobiliários MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Início da Vigência: Janeiro/2011 Versão 1.4 (Maio/2014) Propriedade do Banco PETRA S.A. Proibida a

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BNP PARIBAS ASSET MANAGEMENT ÚLTIMA VERSÃO: 24/06/2010 RESPONSÁVEL: MARIA CARLOTA SENGER MARIA.SENGER@BR.BNPPARIBAS.COM SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. PROCESSOS E ESTRUTURAS

Leia mais

POLÍTICA DE MARCAÇÃO A MERCADO IFCONSULTANT ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA

POLÍTICA DE MARCAÇÃO A MERCADO IFCONSULTANT ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA POLÍTICA DE MARCAÇÃO A MERCADO IFCONSULTANT ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA VERSÃO 1.2 VIGÊNCIA A PARTIR DE 29/01/2010 1 ÍNDICE 1. PRINCÍPIOS DE MARCAÇÃO A MERCADO...4 2. ABORDAGEM METODOLÓGICA...5

Leia mais

Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO 26 de Março de 203 Sumário INTROÇÃO... 5 2 PRINCÍPIOS GERAIS... 6 3 VISÃO DO PROCESSO... 7 3. Coleta de Preços... 8 3.2 Tratamento e Validação dos Preços

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos Manual de Marcação a Mercado MaM

Manual de Precificação de Ativos Manual de Marcação a Mercado MaM Manual de Precificação de Ativos Manual de Marcação a Mercado MaM Versão 1.6 Outubro/2015 1 Sumário INTRODUÇÃO... 4 1 PRINCÍPIOS DE MAM... 5 2 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ENVOLVIDA NO PROCESSO... 6 2.1. EQUIPES

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 03 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Versão Resumida - V2. Vigência 4/06/203 Propriedade de Banco Bradesco S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização. SUMÁRIO. Princípios Gerais... 4..

Leia mais

Setor de Precificação e Risco de Mercado Última Revisão Maio de 2010 MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723.

Setor de Precificação e Risco de Mercado Última Revisão Maio de 2010 MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723. MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723.847/0001-99 FUNDOS DE INVESTIMENTOS INTRODUÇÃO A Magliano: Buscar a correta precificação dos ativos é parte integrante do controle de risco.

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO PETRA S.A. Serviços Qualificados no Mercado de Valores Mobiliários MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Início da Vigência: Janeiro/2011 Versão 1.5 (Setembro/2015) Propriedade do Banco PETRA S.A. Proibida

Leia mais

1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ECONOMIA, FINANÇAS E ESTATÍSTICA

1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ECONOMIA, FINANÇAS E ESTATÍSTICA CONTEÚDO CURSO PREPARATÓRIO PARA A REALIZAÇÃO DE PROVA DE CERTIFICAÇÃO PARA RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO DOS RECURSOS DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS (CPA-20, CPA-10 e ANCOR) 1. PRINCÍPIOS

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Fevereiro de 2013 INÍCIO DE VALIDADE: FEVEREIRO DE 2013 VERSÃO 8

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Fevereiro de 2013 INÍCIO DE VALIDADE: FEVEREIRO DE 2013 VERSÃO 8 MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO INÍCIO DE VALIDADE: FEVEREIRO DE 2013 VERSÃO 8 Controladoria e Custódia de Fundos de Investimentos 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Visão do processo... 4 2.1. Coleta de preços...

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Mercado Aberto, no exercício das atribuições a ele conferidas pelo Código ANBIMA

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ UNIBANCO S.A.

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ UNIBANCO S.A. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ UNIBANCO S.A. Válido para Fundos de Investimentos e Carteiras de Investimentos Setembro de 2009 Versão: 0909 V.0 PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO...

Leia mais

SCI- 12. Nome do Documento. Código de Acesso. Manual de Marcação a Mercado - MaM CONTEÚDO DO DOCUMENTO

SCI- 12. Nome do Documento. Código de Acesso. Manual de Marcação a Mercado - MaM CONTEÚDO DO DOCUMENTO Nome do Documento Manual de Marcação a Mercado - MaM Código de Acesso SCI- 12 CONTEÚDO DO DOCUMENTO O presente documento fornece instruções obrigatórias para a execução dos processos de marcação a mercado

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Renda Fixa - Precificação

Renda Fixa - Precificação Renda Fixa - Precificação Prof. Paulo Lamosa Berger Introdução Renda Fixa - Precificação 2 O valor do dinheiro refere-se ao fato de que $1 hoje vale mais que $1 em uma data futura. O entendimento desta

Leia mais

Conteúdo Programático. Agente Autônomo de Investimentos (ANCORD)

Conteúdo Programático. Agente Autônomo de Investimentos (ANCORD) Conteúdo Programático Agente Autônomo de Investimentos (ANCORD) 1. A atividade do agente autônomo de investimento Instrução CVM 497 Diferenciação das atividades do agente autônomo, administração de carteiras,

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Taquari Asset Management Versão 2.1 Manual MtM Taquari Asset Versões Data Alteração Conteúdo Alterado 1 Jul/09 Inclusão de Novos Produtos 2 Mai/11 Inclusão Novos Produtos,

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.05 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 14/05/2015 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

Material Explicativo sobre Títulos Públicos

Material Explicativo sobre Títulos Públicos Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais Os são emitidos pelo Tesouro Nacional, servindo como um instrumento de captação do Governo Federal para execução e financiamento de suas dívidas internas,

Leia mais

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Metodologia de Cálculo dos Títulos Públicos Federais Ofertados nos Leilões Primários O objetivo deste guia é facilitar o entendimento dos investidores sobre algumas peculiaridades

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO JULHO/2015

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO JULHO/2015 MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO JULHO/05 0/07/05 i Sumário I - INTRODUÇÃO... IV A - O PROCESSO DE MARCAÇÃO A MERCADO NA BB DTVM... iv B - PRINCÍPIOS GERAIS... xi C - METODOLOGIA DAS PRÁTICAS... xiii II APLICAÇÕES...

Leia mais

3.3.2.2. O objetivo do FRONT é proporcionar ganhos de capital de longo prazo aos seus cotistas, através de um portfolio diversificado de aplicações.

3.3.2.2. O objetivo do FRONT é proporcionar ganhos de capital de longo prazo aos seus cotistas, através de um portfolio diversificado de aplicações. 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG GLOBAL CURRENCIES HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 1/45 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 2/45 Módulo 6 - Demais Produtos de Investimento Este módulo apresenta as principais características de algumas das

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ S.A.

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ S.A. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ S.A. Válido para Fundos de Investimentos e Carteiras de Investimentos Fevereiro de 2007 Versão: 0207 V1.0-S PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO...3

Leia mais

HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64

HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64 HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo CNPJ nº 01.701.201/0001-89) Demonstrações financeiras

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.04 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 30/09/2013 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados.

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados. Faculdades Integradas Campos Salles Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Aplicada às Instituições Financeiras Professor: Adeildo Paulino Aula: 12/05/2012 Matéria: Títulos e Valores Mobiliários

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 A presente Política de Investimento tem como objetivo principal estabelecer condições para que os recursos dos Planos de Benefícios desta Entidade sejam geridos visando

Leia mais

Custódia de fundos e carteiras

Custódia de fundos e carteiras Custódia de fundos e carteiras Manual de Marcação a Mercado 1 Índice Capítulo I Princípios gerais e políticas de marcação a mercado 6 Definições 6 Princípios 6 Processo decisório executivo de precificação

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

Marcação a Mercado. BNP IP Brazil - Risk MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO *********** Setembro /2012

Marcação a Mercado. BNP IP Brazil - Risk MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO *********** Setembro /2012 Brazil Risk Dept Setembro /2012 BNPP IP Marcação a Mercado MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO OBJECTIVE/SUMMARY OF THE PROCEDURE This document describes the methodologies for mark to market the instruments.

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Master Fundo de Investimento Referenciado - DI de Longo Prazo CNPJ: 01.822.655/0001-08

Demonstrações Financeiras Banrisul Master Fundo de Investimento Referenciado - DI de Longo Prazo CNPJ: 01.822.655/0001-08 Demonstrações Financeiras Banrisul Master Fundo de Investimento Referenciado - DI de Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. Válido para Fundos de Investimentos e Carteiras de Investimentos Setembro de 2010 Versão: 0910 V1.0 PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO...

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Módulo VI CPA10 Demais produtos de Investimentos Pg 70 De 8 a 13 Questões na prova (15% a 25%) Demais produtos de

Leia mais

Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA. Renda Fixa. Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA

Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA. Renda Fixa. Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio Viabiliza o financiamento da cadeia do agronegócio com recursos privados O produto

Leia mais

Módulo III Noções de Economia e Finanças

Módulo III Noções de Economia e Finanças Certificação Profissional ANBIMA CPA-10 Módulo III Copyright 2011-2012 BMI Brazilian Management Institute 1 Índice 10% a 15% da prova 1. 4 1.1 Indicadores econômicos 4 1.1.1 PIB 4 1.1.2 Índices de Inflação:

Leia mais

CAPTAÇÃO RECURSOS ART DNF SPT - GCB

CAPTAÇÃO RECURSOS ART DNF SPT - GCB CAPTAÇÃO 1 DE RECURSOS ART Abril/2008 DNF SPT - GCB Captação de Recursos 2 Conceitos, Modalidades e Destinações Conceitos 3 Captar no jargão financeiro significa coletar, arrecadar, granjear recursos;

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

Manual de Controle de Risco de Mercado - Conglomerado Financeiro do Banco Opportunity 09/2014

Manual de Controle de Risco de Mercado - Conglomerado Financeiro do Banco Opportunity 09/2014 Manual de Controle de Risco de Mercado - Conglomerado Financeiro do Banco Opportunity 09/2014 1. INTRODUÇÃO O Conglomerado Econômico-Financeiro do Banco Opportunity ( Conglomerado ) tem em sua composição

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO Válido para Fundos e Carteiras de Investimentos Junho de 2015 Versão: 0615 V1.0 Sumário CAPÍTULO I. PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO... 4 DEFINIÇÕES...

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 OBJETIVOS DA ATUALIZAÇÃO DA CPA-10 A Atualização dos profissionais certificados CPA-10 é parte do Código de Regulação

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO Válido para Fundos e Carteiras de Investimentos Setembro de 2014 Versão: 0914 V1.0 Sumário CAPÍTULO I. PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO...

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas

Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas Manual de Precificação de Ativos Fundos de Investimento e Carteiras Administradas Janeiro de 2009 ÍNDICE Introdução 03 Títulos Públicos Federais 05 Pós fixados LFT 06 Pré fixados LTN 07 NTN-B Indexador

Leia mais

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014 Introdução, perguntas e respostas que vão te ajudar a conseguir dialogar com clientes que tenham dúvidas sobre os investimentos que estão fazendo, ou alguma outra pessoa que realmente entenda do mercado

Leia mais

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50%

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50% III) Plano de Benefícios de Contribuição Definida (Plano CD) 1) Administracão dos Recursos: A administração dos recursos da Fundação Previdenciária IBM é terceirizada, sendo prerrogativa do Conselho Deliberativo

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

Capítulo 4 Mercado e Títulos de Renda Fixa no Brasil

Capítulo 4 Mercado e Títulos de Renda Fixa no Brasil Capítulo 4 Mercado e Títulos de Renda Fixa no Brasil 4.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar os conceitos e as características dos mercados de renda fixa no Brasil. Ao final,

Leia mais

Perfis de Investimento. GEBSA Prev

Perfis de Investimento. GEBSA Prev Perfis de Investimento GEBSA Prev 2 GEBSA-PREV INTRODUÇÃO Esta cartilha reúne as principais informações relacionadas aos Perfis de Investimento da GEBSA PREV e vai lhe ajudar a identificar alguns aspectos

Leia mais

Santos, 30 de setembro de 2009

Santos, 30 de setembro de 2009 Santos, 30 de setembro de 2009 Estas são nossas primeiras impressões, comentário e observações quanto a Resolução 3790/09 que regula as aplicações financeiras dos RPPS: Valorização da elaboração da política

Leia mais

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO OS NOVOS INSTRUMENTOS C D C A L C A C R A MOTIVOS DA CRIAÇÃO Essencialmente 3: 1º Falta de recursos 2º Insuficiência de credibilidade

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Fundos de Investimento constituídos sob a forma de condomínio aberto Publicação 31/03/2015 - versão 003 Responsável: Compliance e Riscos Gestoras PETRA 0 ÍNDICE

Leia mais

Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10

Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID SÉRIE 10 - Versão 5.4 OBJETIVOS DA CPA-10 A CPA 10 é uma importante parte do Programa

Leia mais

FINANÇAS PESSOAIS, MERCADO E BOLSA DE VALORES

FINANÇAS PESSOAIS, MERCADO E BOLSA DE VALORES Curso de Extensão: FINANÇAS PESSOAIS, MERCADO E BOLSA DE VALORES Aula 1 Compilado por Marcelo Eli Sved Página 1 1 Prefácio Insanidade é fazer sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes Albert

Leia mais

RENDA FIXA? Fuja do seu banco!

RENDA FIXA? Fuja do seu banco! RENDA FIXA? Fuja do seu banco! Janeiro 2014 COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? COMO INVESTIR EM RENDA FIXA! COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? Renda Fixa = Emprestar Dinheiro Tipos de Investimentos em Renda Fixa: CDB

Leia mais

Precificação de Títulos Públicos

Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos > Componentes do preço > Entendendo o que altera o preço Componentes do preço Nesta seção você encontra os fatores que compõem a formação

Leia mais

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS Componentes do Preço; Entendendo o que altera o preço. Componentes do Preço O objetivo desta seção é apresentar ao investidor: os fatores

Leia mais

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10)

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) PROGRAMA DETALHADO Programa da Certificação Detalhado Profissional da Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) ANBID Série 10 Controle: D.04.08.06 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão:

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB CDB Certificado de Depósito Bancário São títulos nominativos emitidos pelos bancos e vendidos ao público como

Leia mais

e renda fixa Capítulo Instrumentos de renda fixa Matemática financeira Características gerais dos títulos de renda fixa Juros e taxa de desconto

e renda fixa Capítulo Instrumentos de renda fixa Matemática financeira Características gerais dos títulos de renda fixa Juros e taxa de desconto Matemática financeira e renda fixa 1 Capítulo Matemática financeira Juros e taxa de desconto Cálculo de juros simples versus juros compostos, taxas de juros reais versus taxas de juros nominais e efeito

Leia mais

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Referenciado DI Longo Prazo Empresa CNPJ: 04.044.

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Referenciado DI Longo Prazo Empresa CNPJ: 04.044. Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Referenciado DI Longo Prazo Empresa (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo - 30 de junho de 2011

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário (LCI) é um título de renda fixa emitido

Leia mais