Revisão de motores de alumínio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revisão de motores de alumínio"

Transcrição

1 Revisão de motores de alumínio

2 Sumário Capítulo 1: Generalidades Razões para a utilização de blocos de motores de alumínio Nomes de marcas de ligas de alumínio conhecidas para blocos de motores Viaturas/Motores com bloco de alumínio Detalhes construtivos Materiais compostos para camisas de cilindros alumínio/ferro fundido Utilização de segmentos de pistões revestidos a Cr Camisas de cilindros KS para motores Alusil 4 Página Capítulo 2: A revisão de um bloco de motor Alusil Preparação do bloco do motor Montagem da camisa de cilindro Alusil Montagem com gelo seco Montagem com nitrogênio líquido Aquecimento do bloco do motor Colocação da camisa do cilindro Aplanamento do bloco do motor Pré-esmerilagem,esmerilagem de acabamento, polimento Polimento com silício Tabelas 9 Capítulo 3: Capítulo 4: Revisão de um bloco de motor Lokasil no exemplo do motor do Porsche Boxster 14 Repassar a rosca dos furos para os parafusos da cabeça dos cilindros 16 2

3 Capítulo 1: Generalidades 1.1 Razões para a utilização de blocos de motores de alumínio Para os construtores de motores foi sempre um incitamento construir, além das cabeças de cilindros e dos pistões, também o bloco dos cilindros em alumínio, sem necessidade de usar camisa ou revestimento deslizante adicional. A par do bom comportamento de condução devido à redução de peso, é possível controlar muito melhor o balanço térmico devido a mais alta condutibilidade térmica do alumínio, cerca de quatro vezes maior. O motor aquece mais rápida e uniformemente. Assim, a redução de peso não se limita somente ao peso do bloco dos cilindros, mas também a quantidade de água de refrigeração que pode ser reduzida devido à melhor condutibilidade e radiação térmica do bloco de cilindros. 1.2 Nomes de marcas de ligas de alumínio conhecidas para blocos de motores KOLBENSCHMIDT Alusil Galnikal Cilindro cromado Lokasil (Patente KS) MAHLE Silumal Nikasil Cromal 1.3 Viaturas/Motores com bloco de alumínio GALNIKAL / NIKASIL BMW 2.0 litros 6 cilindros 2.5 litros 6 cilindros M litros 6 cilindros M litros V8 4.0 litros V8 Motociclo 100 K JAGUAR V 8 ALUSIL / SILUMAL MERCEDES-BENZ 3.8 litros até litros a partir de litros 5.0 / 5.6 litros 6.0 litros PORSCHE S 944 BMW 750 i 3,5 litros V8 4,4 litros V8 AUDI V8 4.2 litros V6 2.8 litros LOKASIL PORSCHE Boxster 1.4 Detalhes construtivos Alusil: O material básico Alusil é caro e difícil de trabalhar devido ao alto teor de silício É possível abrir furos com o berbequim no bloco do motor Há pistões com sobremedida Os pistões Alusil são revestidos a ferro e estanho Galnikal: O material básico Galnikal é mais barato que Alusil e mais fácil de trabalhar devido ao mais baixo teor considerável de silício O interior do cilindro é niquelado Devido ao revestimento de níquel não é possível abrir furos no bloco do motor! Não há pistões com sobremedida Cilindros cromados: Como Galnikal mas: o interior do cilindro é cromado Lokasil / Patente KS: O material básico Lokasil é mais barato que Alusil e mais fácil de trabalhar. No interior dos cilindros estão embutidas preforms, isto é, camisas especiais pré-confeccionadas de Lokasil com alto teor (20 a 27%) de silício Há pistões com sobremedida É possível abrir furos com o berbequim no bloco do motor 3

4 1.5 Materiais compostos para camisas de ci lindros alumínio/ferro fundido KOLBENSCHMIDT Cilindros Alfin Cilindros Alfin embutidos MAHLE Cilindros Biral Superf. exterior áspera 1.6 Utilização de segmentos de pistões revestidos a Cr KOLBENSCHMIDT MAHLE Segmentos Cr Cilindros Alfin Cilindros Biral possível Alusil Silumal possível Galnikal Nikasil não possível Cilindros cromados Cromal não possível 1.7 Camisas de cilindros KS para motores Alusil Construtor/Motor Nº refª KS Diâmetro do Altura do Diâmetro Diâmetro Comprim. colar (mm) colar (mm) exterior (mm) interior (mm) (mm) MB 3,8 litros até ,50 4,70 95,50 91,00 134,70 MB 3,8 litr. a p ,50 4,70 91,50 87,00 134,70 MB 4,2 litros ,50 4,70 95,50 91,00 134,70 MB 5,0/5,6 litros ,00 4,70 100,00 95,50 155,70 MB M cilindr ,50 4,70 92,50 88,00 131,55 PORSCHE 928S Diâmetro 97mm ,00 4,70 100,00 95,50 155,70 PORSCHE 928 ab 1985 Diâmetro100 mm ,00 4,70 105,00 99,50 145,00 encurtar à altura do bloco PORSCHE ,00 4,70 105,00 99,50 145,00 BMW M70 12 cilindr ,00 4,70 87,00 83,00 126,50 PEÇA ALUSIL ,00 90,00 160,00 sob consulta 4

5 Capítulo 2: A revisão de um bloco de motor Alusil 2.1 Preparação do bloco do motor (Fig. 1) Os parafusos da tampa dos mancais são apertados com o momento de aperto (torque) prescrito pelo construtor do motor. Seguidamente o bloco do motor é colocado na máquina perfuradora, alinhado ligeiramente e depois fixado. Girando o bloco do motor, o mesmo é alinhado com precisão e colocado na posição definitiva de usinagem. As camisas de cilindros Alusil semi-acabadas oferecidas por KS são fabricadas com alta precisão. A tolerância do diâmetro exterior máx. é de 0,03 mm.para conseguir uma perfuração exata, reco- menda-se as seguintes operações para o furo de assento das camisas Alusil: 1ª. fase: pré-mandrilagem com um desbaste de material máx. de 7/10 mm 2ª. fase: mandrilagem de acaba mento com um desbaste de material máx. de 5/10 mm Depois segue-se a mandrilagem para assentar o colar B a uma profundidade de C (valores, ver a tabela 1, pág. 9). Para evitar o perigo de fissuras superficiais no colar da camisa, deve-se atender que a superfície de assento do colar da camisa fique exatamente perpendicular em relação ao furo do cilindro. Os diâmetros dos respectivos tipos de motores também estão indicados na tabela anteriormente mencionada. Dado que as camisas de cilindros secas têm uma parede muito fina, estas podem sofrer alterações dimensionais quando no estado de relaxe, por exemplo deformação oval, mas retornam à forma cilíndrica do furo do cilindro, depois de montadas e terminada a fase de retração. Por fim é chanfrado o bordo superior do furo do cilindro com um chanfro de 0,5+ 0,1 mm x 45. Fig. 1 5

6 2.2 Montagem da camisa de cilindro Alusil Montagem com gelo seco (Fig. 2) Um método relativamente simples é a utilização de CO 2 (ácido carbônico) contido em garrafas de pressão com tubo vertical. Relativo ao princípio físico: Ao sair o gás da garrafa, este transforma-se em gelo seco devido à forte expansão repentina. O gelo seco pode ser recolhido num recipiente isolante. Esse recipiente isolante deve satisfazer os requisitos exigidos de isolamento e resistência. Com esse gelo seco é possível arrefecer a camisa do cilindro Alusil até uma temperatura de cerca de 80 centígrados negativos Montagem com nitrogênio líquido (Fig. 3) A camisa do cilindro é colocada no nitrogênio líquido alcançando assim uma temperatura de 180 centígrados negativos. O nitrogênio líquido pode ser adquirido no vendedor de gás local Aquecimento do bloco do motor (Fig. 4) Ideal para aquecer o bloco do motor é a utilização de um forno respectivamente grande. O bloco do motor é colocado no forno de pré-aquecimento permanecendo lá durante cerca de 20 a 30 minutos. Na montagem com gelo seco, o bloco do motor tem de ser aquecido a uma temperatura de 160 centígrados. Na montagem com nitrogênio líquido não é absolutamente necessário um aquecimento do bloco do motor. Se, porém, for necessário, aconselhamos um aquecimento de cerca de 100 a 120 centígrados. Para garantir uma montagem segura é necessário uma diferença de temperatura entre o bloco do motor e a camisa de cerca de 200 centígrados. Fig. 3 6 Fig. 2 Fig. 4

7 2.2.4 Colocação da camisa do cilindro (Fig. 5) A montagem da camisa do cilindro não é complicada. Através do arrefecimento da camisa, seu diâmetro reduz-se cerca de 0,1 mm, enquanto que o diâmetro do furo do cilindro, através do aquecimento do bloco do motor, aumenta cerca de 0,25 mm, resultando assim uma folga de cerca de 0,35 mm ao montar a camisa. Todavia tem de se montar a camisa relativamente rápido dado que se trata de uma camisa de parede muito fina e o alumínio é muito bom condutor térmico. 2.3 Aplanamento do bloco do motor (Fig. 6) Depois de alinhar o bloco do motor, o mesmo é aplanado. O desbaste do material deve ser de 0,1 mm para garantir uma superfície completamente plana. Fig. 5 Fig. 6 7

8 2.4 Pré-esmerilagem, esmerilagem de acabamento, polimento (Fig. 7) A operação de retificação deve ser efetuada numa máquina esmeriladora da marca Sunnen. As três primeiras operações de retificação (pré-esmerilagem, esmerilagem de acabamento, polimento) são executadas com diferentes pedras de esmeril. O tipo das ferramentas usadas (pedras de esmeril, óleo de esmerilagem), bem como os ajustes da máquina são muito importantes para uma boa usinagem, sendo to os cristais de silício no bloco do motor que permitem obter uma superfície de deslize dos cilindros duradoura e resistente ao desgaste. Fig Polimento com silício (Figs. 8 e 9) A quarta e última operação é o polimento com silício. Nesta operação, as pedras de esmeril são substituídas por peças de feltro. Tanto a superfície interior do cilindro como a peça de feltro são barradas com pasta de silício para polir. Não é utilizado óleo de esmerilar. O uso das peças de feltro e da pasta de silício não causam qualquer desbaste mensurável de material. Com esta operação são postos a descoberdiferentes para cada tipo de motor. Nas diversas tabelas podem ser vistos os respectivos valores. Fig. 9 Um bloco de motor de alumínio assim tratado está preparado para enfrentar um longo e novo período de funcionamento (Fig. 10). 8 Fig. 8 Fig. 10

9 2.6 Tabelas Tab. 1: Medidas de usinagem para a montagem de camisas de cilindros Alusil KS B +0.1 C -0.1 A Bloco de cilindros de alumínio Veículo Nº. refª.ks Medida A (mm) Medida B (mm) Medida C (mm) MB 3,8 l até ,50 97,50 4,50 MB 3,8 l ab ,50 93,50 4,50 MB 4,2 l ,50 97,50 4,50 MB 5,0 l e 5,6 l ,00 102,00 4,50 9

10 Tab. 2: MERCEDES-BENZ 3,8 litros Motor 2. série com Sunnen CK- 10/CV- 616 Desbastar Alisar Polir Polir c/ silício até Ø até Ø até Ø até Ø Cilindro Ø Std. 88,00 mm Cilindro-sobremedida 88,50 mm 88,40 mm 88,48 mm 88,50 mm 88,50 mm Cilindro-comprim. 135 mm Tipos de cab. retificad. CK3000 ou CK2600 idem idem idem Escala compr. pedras 70 mm 70 mm 70 mm 70 mm Ajuste na escala 140 mm 140 mm 140 mm 120 mm R.P.M. 125 CK / CV 125 CK / CV 125 CK / CV 185 CK / 230 CV Cursos elev. /min. 49 CK / 57 CV 49 CK / 57 CV 49 CK / 57 CV73 CK / 80 CV Avanço da pedra Excedente da pedra, em cima 15 mm 15 mm 15 mm 2 mm Pedra de desbastar C 30- J55 Pedra de alisar C 30-J84 Pedra de polir C30- C03-81 Peça de feltro C30- F85 Indicação % Desbaste de material 0,07 mm 0,03 mm 0,01 mm ca. 15 traços Ajuste em roda avanço 10 traços 10 traços 10 traços 60 seg. funcion. Profund. aspereza Rt. ca. 7-8 my ca. 2 my ca. 0,6-0,8 my ca. 1-2 my Tab. 3: MERCEDES-BENZ 4,2 e 3,8 litros com Sunnen CK- 10/CV- 616 Desbastar Alisar Polir Polir c/ silício até Ø até Ø até Ø até Ø Cilindro Ø Std. 92,00 mm Cilindro-sobremedida 92,50 mm 92,40 mm 92,48 mm 92,50 mm 92,50 mm Cilindro-comprim. 135 mm Tipos de cab. retificad. CK3000 ou CK2600 idem idem idem Escala compr. pedras 70 mm 70 mm 70 mm 70 mm Ajuste na escala 140 mm 140 mm 140 mm 120 mm R.P.M. 125 CK / CV 125 CK / CV 125 CK / CV 185 CK / 230 CV Cursos elev. /min. 49 CK / 57 CV 49 CK / 57 CV 49 CK / 57 CV 73 CK / 80 CV Avanço da pedra Excedente da pedra, em cima 15 mm 15 mm 15 mm 2 mm Pedra de desbastar C 30- J55 Pedra de alisar C 30-J84 Pedra de polir C30- C03-81 Peça de feltro C30- F85 Indicação % Desbaste de material 0,07 mm 0,03 mm 0,01 mm ca. 15 traços Ajuste em roda avanço 10 traços 10 traços 10 traços 60 seg. funcion. Profund. aspereza Rt. ca. 7-8 my ca. 2 my ca. 0,6-0,8 my ca. 1-2 my 10

11 Tab. 4: MERCEDES-BENZ 5,0 e 5,6 litros Motor com Sunnen CK- 10/CV- 616 Desbastar Alisar Polir Polir c/ silício até Ø até Ø até Ø até Ø Cilindro Ø Std.96,50 mm Cilindro-sobremedida 97,00 mm 96,90 mm 96,98 mm 97,00 mm 97,00 mm Cilindro-comprim. 155 mm Tipos de cab. retificad. CK3000 ou CK2600 idem idem idem Escala compr. pedras 70 mm 70 mm 70 mm 70 mm Ajuste na escala 160 mm 160 mm 160 mm 140 mm R.P.M. 125 CK / CV 125 CK / CV 125 CK / CV 185 CK/230 CV Cursos elev. /min. 49 CK / 57 CV 49 CK / 57 CV 49 CK / 57 CV 73 CK / 80 CV Avanço da pedra Excedente da pedra, em cima 15 mm 15 mm 15 mm 2 mm Pedra de desbastar C 30- J55 Pedra de alisar C 30-J84 Pedra de polir C30- C03-81 Peça de feltro C30- F85 Indicação % Desbaste de material 0,07 mm 0,03 mm 0,01 mm ca. 15 traços Ajuste em roda avanço 10 traços 10 traços 10 traços 60 seg. funcion. Profund. aspereza Rt. ca. 7-8 my ca. 2 my ca. 0,6-0,8 my ca. 1-2 my Tab. 5: PORSCHE 928 MOTOR com Sunnen CK- 10/CV- 616 Desbastar Alisar Polir Polir c/ silício até Ø até Ø até Ø até Ø Cilindro Ø Std. 95,00 mm Cilindro-sobremedida 95,50 mm 95,40 mm 95,48 mm 95,50 mm 95,50 mm Cilindro-comprim. 140 mm Tipos de cab. retificad. CK3000 ou CK2600 idem idem idem Escala compr. pedras 70 mm 70 mm 70 mm 70 mm Ajuste na escala 160 m 160 mm 160 mm 125 mm R.P.M. 125 CK / CV 125 CK / CV 125 CK / CV 185 CK/230 CV Cursos elev. /min. 49 CK/57 CV 49 CK/57 CV 49 CK/57 CV 73 CK/80 CV Avanço da pedra Excedente da pedra, em cima 25 mm 25 mm 25 mm 2 mm Pedra de desbastar C30- J55 Pedra de alisar C30- J84 Pedra de polir C30- C03-81 Peça de feltro C30- F85 Indicação % Desbaste de material 0,07 mm 0,03 mm 0,01 mm ca.15 traços Ajuste em roda avanço 10 traços 10 traços 10 traços 60 seg. funcion. Profund. aspereza Rt. ca. 7-8 my ca. 2 my ca. 0,6-0,8 my ca. 1-2 my 11

12 Tab. 6: PORSCHE 928 S Motor com Sunnen CK- 10/CV- 616 Desbastar Alisar Polir Polir c/ silício até Ø até Ø até Ø até Ø Cilindro Ø Std. 97,00 mm Cilindro-sobremedida 97,50 mm 97,40 mm 97,48 mm 97,50 mm 97,50 mm Cilindro-comprim. 140 mm Tipos de cab. retificad. CK3000 ou CK2600 idem idem idem Escala compr. pedras 70 mm 70 mm 70 mm 70 mm Ajuste na escala 160 mm 160 mm 160 mm 125 mm R.P.M. 125 CK / CV 125 CK / CV 125 CK / CV 185 CK/230 CV Cursos elev. /min. 49 CK/57 CV 49 CK/57 CV 49 CK/57 CV 73 CK/80 CV Avanço da pedra Excedente da pedra, em cima 25 mm 25 mm 25 mm 2 mm Pedra de desbastar C30- J55 Pedra de alisar C30- J84 Pedra de polir C30- C03-81 Peça de feltro C30- F85 Indicação % Desbaste de material 0,07 mm 0,03 mm 0,01 mm ca.15 traços Ajuste em roda avanço 10 traços 10 traços 10 traços 60 seg. funcion. Profund. aspereza Rt. ca. 7-8 my ca. 2 my ca. 0,6-0,8 my ca. 1-2 my Tab. 7: PORSCHE 944 MOTOR com Sunnen CK- 10/CV- 616 Desbastar Alisar Polir Polir c/ silício até Ø até Ø até Ø até Ø Cilindro Ø Std.100,00 mm Cilindro-sobremedida 100,50 mm 100,40 mm 100,48 mm 100,50 mm 100,50 mm Cilindro-comprim. 145 mm Tipos de cab. retificad. CK3000 ou CK2600 idem idem idem Escala compr. pedras 70 mm 70 mm 70 mm 70 mm Ajuste na escala 160 mm 160 mm 160 mm 125 mm R.P.M. 125 CK / CV 125 CK / CV 125 CK / CV 185 CK/230 CV Cursos elev. /min. 49 CK/57 CV 49 CK/57 CV 49 CK/57 CV 73 CK/80 CV Avanço da pedra Excedente da pedra, em cima 21 mm 21 mm 21 mm 2 mm Pedra de desbastar C30- J55 Pedra de alisar C30- J84 Pedra de polir C30- C03-81 Peça de feltro C30- F85 Indicação % Desbaste de material 0,07 mm 0,03 mm 0,01 mm ca.15 traços Ajuste em roda avanço 10 traços 10 traços 10 traços 60 seg. funcion. Profund. aspereza Rt. ca. 7-8 my ca. 2 my ca. 0,6-0,8 my ca. 1-2 my 12

13 Tab. 8: BMW 750 i Tipo de motor M 70 V- 12 com Sunnen CK- 10/CV- 616 Desbastar Alisar Polir Polir c/ silício até Ø até Ø até Ø até Ø Cilindro Ø Std.84,00 mm Cilindro-sobremedida 84,25 mm 84,15 mm 84,23 mm 84,25 mm 84,25 mm Cilindro-comprim. 125 mm Tipos de cab. retificad. CK3000 ou CK2600 idem idem idem Escala compr. pedras 70 mm 70 mm 70 mm 70 mm Ajuste na escala 125 mm 125 mm 125 mm 105 mm R.P.M. 125 CK / CV 125 CK / CV 125 CK / CV 185 CK/230 CV Cursos elev. /min. 49 CK / 57 CV 49 CK / 57 CV 49 CK / 57 CV 73 CK / 80 CV Avanço da pedra Excedente da pedra, em cima 15 mm 15 mm 15 mm 2 mm Pedra de desbastar C 30- J55 Pedra de alisar C 30-J84 Pedra de polir C30- C03-81 Peça de feltro C30- F85 Indicação % Desbaste de material 0,07 mm 0,03 mm 0,01 mm ca. 15 traços Ajuste em roda avanço 10 traços 10 traços 10 traços 60 seg. funcion. Profund. aspereza Rt. ca. 7-8 my ca. 2 my ca. 0,6-0,8 my ca. 1-2 my Tab. 9: MERCEDES-BENZ V-12 6,0 litros Motor com Sunnen CK- 10/CV- 616 Desbastar Alisar Polir Polir c/ silício até Ø até Ø até Ø até Ø Cilindro Ø Std.89,00 mm Cilindro-sobremedida 89,35 mm 89,25 mm 89,33 mm 89,35 mm 89,35 mm Cilindro-comprim. 130 mm Tipos de cab. retificad. CK3000 ou CK2600 idem idem idem Escala compr. pedras 70 mm 70 mm 70 mm 70 mm Ajuste na escala 135 mm 135 mm 135 mm 115mm R.P.M. 125 CK / CV 125 CK / CV 125 CK / CV 185 CK/230 CV Cursos elev. /min. 49 CK / 57 CV 49 CK / 57 CV 49 CK / 57 CV 73 CK / 80 CV Avanço da pedra Excedente da pedra, em cima 15 mm 15 mm 15 mm 2 mm Pedra de desbastar C 30- J55 Pedra de alisar C 30-J84 Pedra de polir C30- C03-81 Peça de feltro C30- F85 Indicação % Desbaste de material 0,07 mm 0,03 mm 0,01 mm ca. 15 traços Ajuste em roda avanço 10 traços 10 traços 10 traços 60 seg. funcion. Profund. aspereza Rt. ca. 7-8 my ca. 2 my ca. 0,6-0,8 my ca. 1-2 my 13

14 Capítulo 3: Revisão de um bloco de motor Lokasil no exemplo do motor do Porsche Boxster Fig. 11 A revisão de um bloco de motor Lokasil Motor: Porsche Boxster Cristais de silício postos a descoberto no bloco do motor 500:1 Superfície Lokasil 100:1 14

15 A revisão é feita analogamente a Alusil, nas mesmas fases, mas com a ajustagem da máquina modificada conforme a tabela que se segue Tab. 10: Porsche Boxster 6 cil., 2480 ccm, diâm. interior 85,5 mm, curso 72 mm com Sunnen CV-616 Desbastar Alisar Polir Polir c/ silício até Ø até Ø até Ø até Ø Cilindro Ø Std. 85,50 mm Cilindro-sobremedida 86,00 mm 85,90 mm 85,98 mm 86,00 mm 86,00 mm Cilindro-comprim. 130 mm Tipos de cab. retificad. CK3000 ou CK2600 idem idem idem Escala compr. pedras 70 mm 70 mm 70 mm 70 mm Ajuste na escala 145 mm 145 mm 145 mm 145 mm R.P.M. 170 CV 170 CV 125 CV 125 CV Cursos elev. /min. 80CV 80 CV 80 CV 80 CV Avanço da pedra Excedente da pedra, em cima 15 mm 15 mm 15 mm 2 mm Pedra de desbastar C30-J55 Pedra de alisar C30-J84 Pedra de polir C30-C03-81 Peça de feltro C30-F85 Indicação % Desbaste de material 0,07 mm 0,03 mm 0,01 mm ca.15 traços Ajuste em roda avanço 10 traços 10 traços 10 traços 45 seg. funcion. Profund. aspereza Rt. ca. 3-4 my No bloco do motor do Porsche Boxster 6 cil. é usado Lokasil 2 com 27% de silício (para comparação: Lokasil 1 com 20% de silício).este material é mais resistente ao desgaste do que o Alusil devido a sua maior porcentagem de silício. A espessura da parede do cilindro é consideravelmente mais grossa através das preforms (vide Capítulo 1, ponto 1.4) mantendo assim uma boa estabilidade de forma. O furo do cilindro é vazado de lado a lado, facilitando assim, consideravelmente, o trabalho. Acessórios de esmerilagem KS: Especificação para a superfície de deslize Lokasil: Valor médio de aspereza Ra 0,15-0,35 my Profundidade de aspereza Rz 1,0-3,0 my Altura dos picos Rpk 0,40-0,70 my Profund. de aspereza do núcleo Rk 0,20-0,60 my Profundidade das estrias Rvk 0,10-0,70 my Nº. refª. KS Artigo Nº. Sunnen Pasta de silício AN Jg. pedras esmeril, 2 pedras desbastar C30-J Jg. pedras esmeril, 2 pedras alisar C30-J Jg. pedras esmeril, 2 pedras de polir C30-C Jg. peças feltro, 2 peças de feltro C30-F85 15

16 Capítulo 4: Repassar a rosca dos furos para os parafusos da cabeça dos cilindros Nos blocos de motor de alumínio pode acontecer que, devido ao sobreaquecimento do motor, se quebrem os parafusos da cabeça dos cilindros, no bloco do motor. Isso pode ser reparado com o chamado TimeSert System. A grande vantagem deste sistema reside no fato da pequena bucha roscada ficar fixa no bloco do motor de alumínio, não se desatarraxando ao abrir-se novamente o motor. A base é a sólida bucha roscada de aço, muito fácil de montar e que garante uma alta resistência contínua à carga. Dado que as buchas roscadas são de parede fina, os passos de rosca síncronos internos e externos permitem sua aplicação em paredes de pequena espessura. Além disso, buchas roscadas são autobloqueantes e compactas à compressão, de modo que o aperto obtido ao atarraxar, fixa a bucha firmemente, podendo-se atarraxar e desatarraxar à vontade, sempre que necessário. ferramenta de rodar broca macho de abrir roscas fresa de rebaixar buchas roscadas Fig

17 1º. Passo - Furar Fig. 13 Com a broca abrir um furo para rosca ou repassar a rosca já existente. 2º. Passo - Fresar rebaixo Fig. 14 Com a fresa de rebaixar é rebaixado o furo para a rosca (profundidade 2,5 mm). 17

18 3º. Passo - Abrir rosca Fig. 15 Com o macho de abrir roscas se abre a rosca. 4º. Passo - Sopragem 5º. Passo - Introdução no furo 18 Fig. 16 Importante: soprar as aparas e o óleo. Fig. 17 Introduzir a bucha roscada à mão e atarraxar dando algumas voltas

19 6º. Passo - Rodagem Com a ferramenta de rodar é introduzida a bucha roscada, rodando-a até ficar à face. Conforme se vai rodando, é necessário empregarse cada vez mais força. Assim a rosca interior toma sua forma definitiva e a bucha se comprime firmemente na roscabase. Só depois desta operação é que pode-se voltar facilmente com a ferramenta de rodar. Fig. 18 O trabalho está terminado Está instalada uma bucha roscada resistente à alta carga, de parede fina e autobloqueante. Fig. 19 Ferramenta para buchas roscadas Nº. refª KS Artigo Jogo: 1 fresa de rebaixar, 1 macho abrir roscas, 1 broca especial 1 ferramenta de rodar, 50 buchas roscadas buchas roscadas M 10 x 1,5 (rosca interior) 19

20 MSI Motor Service International GmbH P.O.Box 1351 D Neckarsulm Phone Fax Aluminium-Kolben Aluminium pistons Pistons en aluminium Pistones de aluminio Zylinderlaufbuchsen Cylinder liners Chemises de cylindre Camisas de cilindro Gleitlager Engine bearings Coussinets Cojinetes de fricción Kolbenringsätze Piston ring sets Jeux de segments Juegos de segmentos Einspritzdüsen Fuel Injection Nozzles Injecteurs Toberas de inyección Ventile Valves Soupapes Válvulas Zylinderköpfe Cylinder heads Culasses Culatas Filter Filters Filtres Filtros Riemen Belts Courroies Correas Öl- und Wasserpumpen Oil Pumps and Water Pumps Pompes à huile et à eau Bombas de aceite y agua /99

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Página CILINDROS... 150 Inspeção e medição... 150 Retificação de cilindros... 150 Acabamento... 151 Limpeza... 151 MANCAIS DE MOTOR... 152 Mancal

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

Nome do documento. PI 0072 Linha de produtos KS aplicáveis aos motores Cummins Séries B e C - 001/2011 Número de pedido: PI 0072

Nome do documento. PI 0072 Linha de produtos KS aplicáveis aos motores Cummins Séries B e C - 001/2011 Número de pedido: PI 0072 Page 1 Product Information PI 0072 Linha de produtos KS aplicáveis aos motores Cummins Séries B e C - 001/2011 Número de pedido: PI 0072 PI 0053 Novas bronzinas KS aplicaveis aos motores Cummins - 04/2007

Leia mais

Instruções de instalação

Instruções de instalação Instruções de instalação Acessórios Cabos de ligação do acumulador da caldeira de aquecimento Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem. Logano plus GB225-Logalux LT300 6 720 642 644

Leia mais

Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS

Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS Índice da seção Página Bielas Montagem da biela no pistão... 4 Verificação Instalação... 7 Remoção Torque... 8 Pistões Montagem do pistão na biela... 4 Verificação do desgaste

Leia mais

Reparação e Manutenção de Tubos

Reparação e Manutenção de Tubos Reparação e Manutenção de Tubos Vasta selecção a partir de uma fonte única. Concepções duradouras exclusivas. Desempenho rápido e fiável. Tipo de modelos Página Bombas de Teste de Pressão 2 9.2 Congeladores

Leia mais

Aperfeiçoamentos no Cabeçote

Aperfeiçoamentos no Cabeçote Aperfeiçoamentos no Cabeçote (transcrito da Enciclopédia Mão na Roda - Guia Prático do Automóvel ED. Globo, 1982 - pg. 537 a 540) Os trabalhos realizados no cabeçote pelas oficinas especializadas atendem

Leia mais

Hahn Türband 4. Para portas representativas funcionais e de edifícios. Novo: com inovadora Fixação de Dobradiça

Hahn Türband 4. Para portas representativas funcionais e de edifícios. Novo: com inovadora Fixação de Dobradiça Hahn Türband 4 Para portas representativas funcionais e de edifícios Novo: com inovadora Fixação de Dobradiça 1 2 3 4 6 7 8 9 J 1 2 3 4 5 6 7 8 9 J 2 Hahn Türband 4 Dobradiça de enroscar com óptica de

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 PRODUTO CONTRA PONTO MESA DIVISORA HV-240 TAMBOR GRADUADO - Pode ser acoplado no lugar do disco perfurado sendo possível fazer divisões de 2 em 2 minutos. FLANGE PORTA PLACA - Para

Leia mais

Projeto de retífica motor MPLM 301 Javali CBT

Projeto de retífica motor MPLM 301 Javali CBT Projeto de retífica motor MPLM 301 Javali CBT Análise de falas e comparativo com motores Bloco de cilindros: O bloco de cilindros do Javali é do tipo construtivo Bloco Cilíndrico, onde o cilindro é usinado

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais

KOLBENSCHMIDT Produtos em foco

KOLBENSCHMIDT Produtos em foco Texto placeholder KOLBENSCHMIDT Produtos em foco Produtos em foco 1 Técnica e assistência com tradição KOLBENSCHMIDT KARL SCHMIDT KS GLEITLAGER 1920 1930 1940 1950 1960 19 2. Edição 01.2012 N.º de artigo

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse molde é (quase) para sempre Manuais ou mecanizados, de precisão, não importa qual o processo de fundição que tenhamos estudado até agora, todos tinham em comum duas coisas: o fato de que o material

Leia mais

- Válvulas com Flange -

- Válvulas com Flange - Procedimentos de Montagem e Manutenção - Válvulas com Flange - Para Sistemas de Vapor, Óleo Térmico e Outros Processos Industriais. Em uma instalação industrial de aquecimento, devem ser previstas facilidades

Leia mais

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002 Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior Goulds Pumps Goulds Modelos 5150/VJC Bombas cantiléver verticais Projetadas para lidar com lamas corrosivas

Leia mais

Mesa de centro com tabuleiro integrado

Mesa de centro com tabuleiro integrado Mesa de centro com tabuleiro integrado Vamos para a mesa Mesa de centro com tabuleiro integrado Esta mesa de centro é genial: ela dispõe de um tabuleiro para que possa mimar as suas vistas com todo o tipo

Leia mais

Tradição o Futuro precisa das origens

Tradição o Futuro precisa das origens 1825 Tradição o Futuro precisa das origens No centro de cada acontecimento está sempre a cooperação entre as pessoas. Isto é demonstrado pela longa história da empresa familiar Gontermann-Peipers, ou seja,

Leia mais

Buchas. Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se. Bucha

Buchas. Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se. Bucha A U A UL LA Buchas Introdução Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se que a primeira roda tenha sido um tronco cortado em sentido transversal. Com a invenção da roda, surgiu, logo depois, o eixo. O

Leia mais

7. CABEÇOTE/VÁLVULAS INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 7-1 NX-4 FALCON

7. CABEÇOTE/VÁLVULAS INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 7-1 NX-4 FALCON NX-4 FALCON 7. CABEÇOTE/VÁLVULAS INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 7-1 DIAGNOSE DE DEFEITOS 7-3 COMPRESSÃO DO CILINDRO 7-4 REMOÇÃO DA TAMPA DO CABEÇOTE 7-5 DESMONTAGEM DA TAMPA DO 7-6 CABEÇOTE REMOÇÃO DA ÁRVORE DE

Leia mais

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA PARA RETIFICAR ASSENTO DA ESFERA EM BOMBAS DENSO Produtos relacionados: 323.02.13 Óleo de corte 323.01.941 Ferramenta para retificar assento da esfera em bombas Denso 410.03.19

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA ESMERILHADORAS DEFINIÇÃO: São máquinas em que o operador esmerilha materiais, é usado principalmente na afiação de ferramentas. CONSTITUIÇÃO: É constituída geralmente de um

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

- Cilindro Pneumático ISO

- Cilindro Pneumático ISO de Instalação, Operação e Manutenção Janeiro 2000 - ISO Série P1E (Tubo Perfilado) 32 a 100 mm Índice Introdução... 1 Características Técnicas... 1 Características Construtivas... 1 Instalação... 2 Manutenção...

Leia mais

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela.

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela. Mete broca! Nesta aula, vamos estudar uma operação muito antiga. Os arqueólogos garantem que ela era usada há mais de 4000 anos no antigo Egito, para recortar blocos de pedra. Ela é tão comum que você

Leia mais

Como escolher sua broca

Como escolher sua broca pdrilling Content w Como escolher sua broca Como escolher sua broca 1 Defina o diâmetro da broca e profundidade do furo Procure as faixas de diâmetro e profundidade do furo para as brocas relacionadas

Leia mais

59 Brunimento, lapidação, polimento

59 Brunimento, lapidação, polimento A U A UL LA Brunimento, lapidação, polimento Apesar de todos os cuidados, as peças usinadas e mesmo as de acabamento em máquina, como é o caso da retificação, apresentam sulcos ou riscos mais ou menos

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

O berbequim com percussão pode ser utilizado, consoante o modo de furação, para furar todos os tipos de materiais.

O berbequim com percussão pode ser utilizado, consoante o modo de furação, para furar todos os tipos de materiais. O BERBEQUIM O berbequim com percussão pode ser utilizado, consoante o modo de furação, para furar todos os tipos de materiais. Com percussão: Pedra, granito, betão, cimento, tijolo, etc. Sem percussão:

Leia mais

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006 Para conexões eixo-cubo extremamente tensionadas a união por encolhimento é insuperável. Nenhum outro tipo de fixação pode oferecer qualidades semelhantes, no que diz respeito à resistência à fadiga sob

Leia mais

EM-028 VENTILAÇÃO INDUSTRIAL & AR COMPRIMIDO

EM-028 VENTILAÇÃO INDUSTRIAL & AR COMPRIMIDO EM-028 VENTILAÇÃO INDUSTRIAL & AR COMPRIMIDO RESUMO AULA 6 - VENTILAÇÃO DE TANQUES 1 CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS A ventilação por exaustão encontra muita aplicação nos tanques de processamento, por exemplo:

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Nem sempre as unidades geradoras

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

Furação e Alargamento

Furação e Alargamento UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Furação e Alargamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

conforto com estilo radiadores

conforto com estilo radiadores conforto com estilo CLASSIC Toalheiros planos Os toalheiros Classic caracterizam-se por apresentarem um design moderno e harmonioso, permitindo uma perfeita integração em qualquer ambiente. Construção

Leia mais

Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 rrpela@ita.br www.ief.ita.br/~rrpela

Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 rrpela@ita.br www.ief.ita.br/~rrpela Mecânica I (FIS-14) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá Sala 2602A-1 Ramal 5785 rrpela@ita.br www.ief.ita.br/~rrpela Onde estamos? Nosso roteiro ao longo deste capítulo A equação do movimento Equação do movimento

Leia mais

Recuperação de elementos mecânicos

Recuperação de elementos mecânicos A U A UL LA Recuperação de elementos mecânicos O dono da fábrica Quipapá chamou Asdrúbal, um dos melhores mecânicos de manutenção da empresa, e falou: - Asdrúbal, tenho em minha casa um torno antigo, daqueles

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DE SÃO FRANCISCO

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DE SÃO FRANCISCO Objetivo: Contratação de empresa para fornecimento de peças e serviços, para manutenção da frota de veículos desta municipalidade, confome Termo de Referência e Anexo I deste Edital. Lote: 00001 Item(*)

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

* Não precisa de elementos auxiliares para a sua sustentação.

* Não precisa de elementos auxiliares para a sua sustentação. INTRODUÇÃO RYLBRUN é a tubulação flexível, fabricada a base de materiais de alta qualidade e resistência, e cujas características construtivas, fazem dela a tubulação ideal para a instalação de bombas

Leia mais

Controle de Medidas - Instrumentos de Medição. Prof. Casteletti PAQUÍMETRO UNIVERSAL

Controle de Medidas - Instrumentos de Medição. Prof. Casteletti PAQUÍMETRO UNIVERSAL PAQUÍMETRO UNIVERSAL O paquímetro é um instrumento usado para medir dimensões lineares internas, externas e de profundidade. Consiste em uma régua graduada, com encosto fixo, na qual desliza um cursor.

Leia mais

Você já pensou o que seria do ser humano

Você já pensou o que seria do ser humano A UU L AL A Eixos e árvores Você já pensou o que seria do ser humano sem a coluna vertebral para lhe dar sustentação. Toda a estrutura de braços, pernas, mãos, pés seria um amontoado de ossos e músculos

Leia mais

2.2. Antes de iniciar uma perfuração examine se não há instalações elétricas e hidráulicas embutidas ou fontes inflamáveis.

2.2. Antes de iniciar uma perfuração examine se não há instalações elétricas e hidráulicas embutidas ou fontes inflamáveis. 1. Normas de segurança: Aviso! Quando utilizar ferramentas leia atentamente as instruções de segurança. 2. Instruções de segurança: 2.1. Aterramento: Aviso! Verifique se a tomada de força à ser utilizada

Leia mais

Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008.

Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008. - FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO: HIDRÁULICA E SANEAMENTO CURSO: HIDRÁULICA E SANEAMENTO AMBIENTAL DIMENSIONAMENTO DE CHUMBADORES PÓS-FIXADOS Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008.

Leia mais

Componentes do Ponto de Distribuição

Componentes do Ponto de Distribuição Componentes do Ponto de Distribuição Ferramenta(s) Especial(ais) Placa de Alinhamento, Árvore de Comando de Válvulas 303-D039 ou similar Remoção CUIDADO: durante os procedimentos de reparo, a limpeza é

Leia mais

Fuso de esferas de precisão/eixo estriado

Fuso de esferas de precisão/eixo estriado 58-2BR s BNS-A, BNS, NS-A e NS Vedação Anel externo Placa para calços Vedação Castanha do eixo estriado Eixo Vedação Colar Placa para calços Vedação Bujão terminal Esfera Anel externo Castanha do fuso

Leia mais

McCannalok VÁLVULA BORBOLETA DE ALTO DESEMPENHO MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. The High Performance Company

McCannalok VÁLVULA BORBOLETA DE ALTO DESEMPENHO MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. The High Performance Company McCannalok VÁLVULA BORBOLETA DE ALTO DESEMPENHO MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO The High Performance Company Índice do Conteúdo Informações de Segurança - Definição de Termos... 1 Introdução... 1 Instalação...

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios A Fundição Injectada de Alumínio Princípios e Desafios O Passado... Os primeiros exemplos de fundição por injecção (em oposição à fundição por gravidade) ocorrem em meios do século XIX (1800). A patente

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

Ferramentas e Produtos para Manutenção de Motores

Ferramentas e Produtos para Manutenção de Motores Ferramentas e Produtos para Manutenção de Motores RETÍFICA DE COMUTADORES Os produtos relacionados a seguir são resultados da contínua experiência de campo e pesquisas, no esforço para ajudar a minimizar

Leia mais

Atuadores giratórios 2SC5. Complementação das Instruções de uso SIPOS 5. Sujeito a alterações sem aviso prévio!

Atuadores giratórios 2SC5. Complementação das Instruções de uso SIPOS 5. Sujeito a alterações sem aviso prévio! Atuadores giratórios 2SC5 Complementação das Instruções de uso SIPOS 5 Edição 03.13 Sujeito a alterações sem aviso prévio! Conteúdo Complementação das instruções de uso SIPOS 5 Conteúdo Conteúdo 1 Fundamentos...

Leia mais

>Técnicas de soldagem

>Técnicas de soldagem >Técnicas de soldagem DOCERAM Advanced Ceramic Solutions Soluções Avançadas em Cerâmica Indústria automobilística Indústria de componentes > Técnicas de soldagem > Construção de dispositivos > Pinos guias

Leia mais

Melhorando a produção e a qualidade das calandras para roupa lisa

Melhorando a produção e a qualidade das calandras para roupa lisa Melhorando a produção e a qualidade das calandras para roupa lisa Como se pode melhorar a produção e a qualidade das calandras para roupa lisa, e uma vez melhorada, mantê-la? Maximizar a produção e a qualidade

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

Instruções de montagem e de manutenção

Instruções de montagem e de manutenção Instruções de montagem e de manutenção Acumulador combinado Logalux P750 S Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem e da manutenção 6 720 619 324-03/2001 PT Ficha técnica Para a montagem

Leia mais

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBME Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração,

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

Brocas, buchas e mandris

Brocas, buchas e mandris Brocas, buchas e mandris Para fixação de elementos, cada material exige broca e bucha específicos. Saiba quais são os tipos corretos para cada necessidade Fixações em parede de alvenaria, concreto ou drywall

Leia mais

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo)

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo) Manual Técnico A3405.0P Bombas Submersas 1. Aplicação É recomendada para o abastecimento de água limpa ou levemente contaminada, abastecimento de água em geral, irrigação e sistemas de aspersão pressurizados

Leia mais

CENTROS DE USINAGEM VERTICAL

CENTROS DE USINAGEM VERTICAL CENTROS DE USINAGEM VERTICAL Desenho construtivo das máquinas para oferecer Alta Rigidez, Alta Velocidade e Alta Precisão A estrutura da máquina é basicamente em ferro fundido MEEHANITE, estabilizado e

Leia mais

Ciclos de operação. Motores alternativos: Razão de compressão. Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro

Ciclos de operação. Motores alternativos: Razão de compressão. Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro Ciclos de operação Motores alternativos: O pistão move-se pra frente e pra trás no interior de um cilindro transmitindo força para girar um eixo (o virabrequim) por meio de um sistema de biela e manivela.

Leia mais

TBM220. Instruções de Serviço

TBM220. Instruções de Serviço Instruções de Serviço PT CARO CLIENTE! O berbequim de mesa PROXXON TBM 220 é uma máquina precisa e potente. As presentes instruções contêm: instruções de segurança manuseamento e manutenção lista de peças

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MONTAGEM PASSO A PASSO

PROCEDIMENTO DE MONTAGEM PASSO A PASSO 3189P RETENTOR APLICADO NO CUBO DE RODA TRASEIRO DO EIXO MÉRITOR 1) Após desmontagem e limpeza do cubo, verificar o estado do alojamento do mesmo. 5) O retentor deverá ser aplicado até o encosto final

Leia mais

Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de Arco de Pua Verrumas para Arco de Pua. Verrumas Manuais. Ferros de Pua Mathieson

Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de Arco de Pua Verrumas para Arco de Pua. Verrumas Manuais. Ferros de Pua Mathieson Brocas para Madeira Brocas de 3 Pontas Brocas de 3 Pontas para Mourão Brocas para Fibrocimento e Mourão Brocas em Aço Cromo 46 47 48 48 Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de

Leia mais

8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS

8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS 8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS 8.1 INTRODUÇÃO Os motores elétricos são responsáveis por grande parte da energia consumida nos segmentos onde seu uso é mais efetivo, como nas indústrias, onde representam

Leia mais

DESMONTAGEM E MONTAGEM DE MOTOR DE VECTRA. RETIRADO DO FORUM DO VECTRA.

DESMONTAGEM E MONTAGEM DE MOTOR DE VECTRA. RETIRADO DO FORUM DO VECTRA. Dimensionamento de Turbocompressores. DESMONTAGEM E MONTAGEM DE MOTOR DE VECTRA. RETIRADO DO FORUM DO VECTRA. Meu VCD já vinha apresentando o problema de fumacear na partida há algum tempo (o problema

Leia mais

Sistemas de Lubrificação MicroCoat

Sistemas de Lubrificação MicroCoat Sistemas de Lubrificação MicroCoat LISTA DE PEÇAS E ACESSÓRIOS Acessórios Sistema MicroCoat Suportes Suportes em Alumínio oferecem uma montagem conveniente, estável do controlador e do tanque reservatório.

Leia mais

Motores de Combustão Interna

Motores de Combustão Interna 1. Introdução Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias - Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada Prof. Ricardo Ferreira

Leia mais

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda

Fábrica de Mancais Curitiba Ltda Caixas SNH e SN30 Fábrica de Mancais Curitiba Ltda SNH As caixas de rolamentos com base SNH foram projetadas para possibilitar maior flexibilidade na escolha do rolamento, vedação e lubrificação. Foram

Leia mais

BT 0184 BOLETIM TÉCNICO - HARDFIX EPÓXI PRO

BT 0184 BOLETIM TÉCNICO - HARDFIX EPÓXI PRO BT 0184 BOLETIM TÉCNICO - HARDFIX EPÓXI PRO Elaborador: Verificadores: Aprovador: Hardfix Epóxi Pro Chumbador químico base epóxi. Descrição É um adesivo estrutural

Leia mais

COMO MEDIR A PRESSÃO DO ÓLEO

COMO MEDIR A PRESSÃO DO ÓLEO Página 1 de 6 COMO MEDIR A PRESSÃO DO ÓLEO MOTOR WILLYS 6 CILINDROS BF-161 Com uma simples medição da pressão do óleo você pode avaliar o estado geral do seu motor Willys seja ele novo ou usado e evitar

Leia mais

Manual de Instruções e Lista de Peças. Máquina de Costura Industrial Galoneira BC 500-01 CB

Manual de Instruções e Lista de Peças. Máquina de Costura Industrial Galoneira BC 500-01 CB Manual de Instruções e Lista de Peças Máquina de Costura Industrial Galoneira BC 500-01 CB ÍNDICE DETALHES TÉCNICOS, INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA... 01 MONTAGEM MOTOR E ROTAÇÃO DA MÁQUINA... 02 LUBRIFICAÇÃO...

Leia mais

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Características Construtivas Tomada de Força VM Contents Generalidades, página 2 Tomada de força montada na caixa de mudanças, página 2 Tomada de

Leia mais

www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07

www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07 www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07 NOTA! O produto pode ter sido modificado depois de este documento ter sido enviado para impressão. Reservamo-nos expressamente o direito

Leia mais

PETG DATASHEET. www.vick.com.br

PETG DATASHEET. www.vick.com.br Pág. 1 / 5 Um plástico que pode ser parafusado, estampado à quente, cortado, facilmente termoformado, ou mesmo dobrado a frio sem lascar, esbranquiçar, rachar ou ficar irregular. É um plástico econômico

Leia mais

S200 Chaves de segurança

S200 Chaves de segurança S200 Chaves de segurança PT 2011/09-607274 Reservados os direitos de alterações técnicas IMPLEMENTAR E OPERAR DE MODO SEGURO Manual de instruções original 2011 Leuze electronic GmbH + Co. KG In der Braike

Leia mais

Excitatriz Sem Escovas de Gerador Síncrono

Excitatriz Sem Escovas de Gerador Síncrono Sistemas de Controle Industrial GE Instruções GEEP-392-P Excitatriz Sem Escovas Com Retificador M-1 de Célula de Pressão Este Manual de Instruções descreve a instalação geral, operação e procedimentos

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano Aula 20. Sistema de Lubrificação Introdução Tipos de Sistemas de Lubrificação O percurso do óleo lubrificante Componentes do Sistema de lubrificação Óleo lubrificante

Leia mais

ARU Torneiras temporizadas

ARU Torneiras temporizadas Torneiras Lavatório MISTURADORA LAVATÓRIO Latão cromado, c/ jogo bichas, valvula anti-retorno e filtro 600.05 GU.I0014 incorporados. MISTURADORA LAVATÓRIO Latão cromado, c/ jogo bichas, valvula anti-retorno

Leia mais

ACOPLAMENTOS DE TAMBOR

ACOPLAMENTOS DE TAMBOR ACOPLAMENTOS DE TAMBOR T H E O R I G I N A L Série ÍNDICE Aplicação 3-4 Projeto e características 5 Seleção de tamanho 6-7 Tabela de dimensões dos 8 Conexão do acoplamento / tambor do cabo 9 Conexões do

Leia mais

REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA

REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA Tcg Alexandre Serra dos Santos Para se fazer o trabalho de revestimento protetor das camisas de moenda através de um sistema automatizado é necessário uma

Leia mais

6 Manutenção de Tratores Agrícolas

6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6.1 Introdução Desenvolvimento tecnológico do país Modernização da agricultura Abertura de novas fronteiras agrícolas Aumento no uso de MIA Aumento da produtividade Maiores

Leia mais

CAMPEONATO NACIONAL DE MONTAGEM DE RAMAIS EM CARGA

CAMPEONATO NACIONAL DE MONTAGEM DE RAMAIS EM CARGA CAMPEONATO NACIONAL DE MONTAGEM DE RAMAIS EM CARGA REGRAS E REGULAMENTO ANEXO Revisão 2011 Ponto 1 do Método de Aplicação e Listagem de Ferramentas Lisboa, 23 de julho de 2013 CAMPEONATO NACIONAL DE MONTAGEM

Leia mais

Instruções de encastramento

Instruções de encastramento para aparelhos frigoríficos, BioFresh, congeladores, integrável com montagem fixa de porta P 708 45-00 IK/IKP/IKB/IG 006 a b max. 00 3 4 00 38 00 cm 560-570 550 (mm) 557 538 6 3mm 38 0 57 A (mm) B 00 cm

Leia mais

COTIP Colégio Técnico e Industrial de Piracicaba (Escola de Ensino Médio e Educação Profissional da Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba)

COTIP Colégio Técnico e Industrial de Piracicaba (Escola de Ensino Médio e Educação Profissional da Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba) 1 MOENDAS 1. Moendas Conjunto de 04 rolos de moenda dispostos de maneira a formar aberturas entre si, sendo que 03 rolos giram no sentido horário e apenas 01 no sentido antihorário. Sua função é forçar

Leia mais

MCS 1500 CORTE SIDERÚRGICO

MCS 1500 CORTE SIDERÚRGICO MCS 500 CORTE SIDERÚRGICO Indice I- Apresentação II- Segurança III- Instalação IV- Suprimento de gases V- Operação VI- Manutenção e reparo VII- Peças de reposição VIII- Dados operacionais IX- Termo de

Leia mais

Hardware Básico. Refrigeração. Professor: Wanderson Dantas

Hardware Básico. Refrigeração. Professor: Wanderson Dantas Hardware Básico Refrigeração Professor: Wanderson Dantas Ventoinhas Ventoinhas são pequenos ventiladores que melhoram o fluxo de ar dentro do computador, trazendo ar frio para dentro do computador e removendo

Leia mais

Normas Atendidas. Tubos de aço carbono, sem costura, trefilados a frio, para permutadores de calor ou condensadores.

Normas Atendidas. Tubos de aço carbono, sem costura, trefilados a frio, para permutadores de calor ou condensadores. 4 Empresa Certificada ISO 9001 Distribuição de Tubos em Aço Carbono Tubos sem Costura Tubos de aço sem costura são utilizados em aplicações como cilindros hidráulicos, componentes de transmissão, oleodutos,

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda.

International Paper do Brasil Ltda. International Paper do Brasil Ltda. Autor do Doc.: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Técnicas de Inspeção, Montagem, uso de Rebolos ( Esmeris

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIATUBA HOMOLOGAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIATUBA HOMOLOGAÇÃO 1 PROCESSO Nº 2015004494 PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIATUBA - PREGÃO PRESENCIAL Nº007/2015, AQUISIÇÃO DE PEÇAS DIVERSAS DE MOTORES A DIESEL, BOMBAS INJETORAS E MÃO DE OBRA DE MONTAGEM E RETIFICA DE MOTORES.

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont Questão 01 O registro representado na Figura 1 é composto por vários componentes mecânicos, muitos deles, internamente à caraça. Peças com essa característica são difíceis de representar em desenhos técnicos,

Leia mais