Projeto Habitacional com Elementos Estruturais e Construtivos Feitos a Partir de Aços Planos Autor: Arq. Ascanio Merrighi de Figueiredo Silva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Habitacional com Elementos Estruturais e Construtivos Feitos a Partir de Aços Planos Autor: Arq. Ascanio Merrighi de Figueiredo Silva"

Transcrição

1 Projeto Habitacional com Elementos Estruturais e Construtivos Feitos a Partir de Aços Planos Autor: Arq. Ascanio Merrighi de Figueiredo Silva 1. Introdução A quadro habitacional do Brasil é alarmante. Dados de 2004 da Secretaria Nacional de Habitação, Ministério das Cidades, apontam um déficit de 6,65 milhões de moradias e um número próximo de unidades residenciais em situação precária de subsistência. Em conjunto, as duas considerações dobrariam a estimativa da demanda habitacional brasileira. Paralelamente, as estatísticas de desenvolvimento econômico e social evidenciam uma crescente concentração urbana da população brasileira, fato relevante na abordagem de projeto deste trabalho. Estima-se uma concentração urbana de 90% da população brasileira até o fim desta década. A bagagem histórica do tema habitacional no país é fortemente relacionada com nossa herança da arquitetura moderna. As principais experiências a lidar com a questão habitacional em larga escala podem ser sintetizadas em dois edifícios de Oscar Niemeyer, em São Paulo e Belo Horizonte, da década de cinqüenta, ou pelo edifício conhecido como O Pedregulho, no Rio de Janeiro (Fig. 1). Estes exemplos também ilustram concepções de obras focadas na execução integral no canteiro, com uso intensivo de mão de obra desqualificada, em solução com estrutura independente de pilares, vigas e lajes de concreto armado moldado in loco. Um dos mentores desta geração modernista, o arquiteto e urbanista Lúcio Costa, já na década de 30 desenvolve trabalhos precursores na incorporação da pré-fabricação em projetos de grande escala, como sua proposta não executada para a Vila Operária de João Monlevade-MG (fig. 2). Sob o aspecto tecnológico, este projeto destaca-se pela especificação de painéis nas vedações e divisórias como alternativa ao método convencional das alvenarias de blocos cerâmicos. Solução, diga-se, desenvolvida a partir de métodos construtivos típicos dos edifícios do período colonial brasileiro. Figura 1- Pedregulho, Arq. Affonso Reidy e Carmem Portinho, Rio de Janeiro-RJ (Cavalcanti, 1987)

2 Figura 2- Vila Operária de João Monlevade MG, Arq. Lúcio Costa (Costa,1995) Preocupações em aplicar sistemas construtivos com maior produtividade que os convencionais não constituem amostragem considerável de experiências no Brasil, principalmente no mercado residencial. Casos isolados podem ser ressaltados, como a experiência do arquiteto João Filgueiras Lima nos apartamentos para professores da Universidade Nacional de Brasília (Fig.3). O autor concebe e constrói edifícios com solução estrutural em pré-fabricados de concreto armado. Nas experiências seguintes, o mesmo arquiteto desenvolve projetos com sistema construtivo já totalmente industrializado, utilizando estruturas independentes de aço, lajes com elementos pré-fabricados em concreto armado, vedações e divisórias de painéis de argamassa armada. As peças são fabricadas, segundo orientações de projeto, na unidade Centro Tecnológico da Rede Sara, em Salvador. Esta última configura-se como a maior e mais bem sucedida experiência de construções totalmente industrializadas já implantada no Brasil, não estendida a construções residenciais. Sérgio Bernardes, arquiteto vanguardista no desenvolvimento e aplicações de soluções construtivas industrializadas, projetou conjunto com unidades residenciais e utilidades públicas sobre as linhas férreas da cidade do Rio de Janeiro na década de setenta (Fig. 4) em outro exemplo de iniciativas que visam intensificar a aplicação de soluções industrializadas em construções habitacionais. Outras experiências mais recentes podem ser também destacadas: a iniciativa de Joan Villà para unidades geminadas em Cotia-SP (painéis de alvenaria armada) e no projeto dos arquitetos Mateus Pontes e Sylvio Podestá para unidades residenciais moduladas a partir de um container.

3 Figura 3- Moradias de professores da UnB, Brasília-DF, Arq. João Filgueiras Lima (Latorraca, 2000) Figura 4- Estudo de Sérgio Bernardes sobre linha férrea, Rio de Janeiro-RJ (Revista Módulo, 1983) No contexto global, a incorporação de métodos construtivos industrializados em construções residenciais são constantes, associadas principalmente às necessidades de reconstrução em escala nos pós-guerras. Várias experiências podem ser mencionadas neste contexto, como a Vila Operária de Weissenhof. A implantação urbana foi projetada por Mies van der Rohe e os edifícios concebidos por eminentes arquitetos modernistas europeus, como Le Corbusier, Walter Gropius e o próprio Mies van der Rohe (Fig. 5). Esta experiência, da década de 30, incorpora em suas construções soluções semi industrializadas e estruturas de aço. Figura 5- Vila operária de Wiessenhof, por Ludwig Mies van der Rhoe (Villinger, 1998) Estas referências ilustram o envolvimento de arquitetos destacáveis frente a um dos principais temas da profissão. A abordagem da habitação, considerando a breve base histórica e os dados inicialmente mostrados, não passa exclusivamente pelos aspectos tecnológicos. Este trabalho é um enfoque do tema como solução de projeto, com características e situação de contorno pré-estabelecidas a partir da seguinte estratégia:

4 Quatro estudos de caso sobre experiências brasileiras de projeto e construções em aço pôr empresas privadas e entidades públicas. Condicionantes de projeto frente as situações urbanas mais restritivas e busca da viabilidade sob vários aspectos. Definições de modulações arquitetônicas e sistemas construtivos. Desenvolvimento do projeto e apresentação dos resultados. 2- Estudos de Caso Quatro edifícios, frutos de experiências recentes no Brasil, terão sintetizados seus aspectos de projeto e obra sob abordagem desenvolvida no escopo deste trabalho. Serão evidenciados seus aspectos técnicos (estruturais e construtivos) para identificar vantagens e desvantagens, e configurar a base de dados que alimentará as decisões do desenvolvimento proposto neste trabalho. As características técnicas foram agrupadas para uma avaliação abrangente de performance em três campos: aspectos dimensionais, estruturais e construtivos. Juntos, estes critérios possibilitam uma avaliação mais conclusiva sobre a maior viabilidade de determinada estratégia de projeto. Os aspectos dimensionais da metodologia de aferição da performance construtiva das soluções não restringem-se aos normalmente lembrados, como área total construída e área líquida por unidade. A fração entre a área das fachadas e a área total construída também foi levantada, como um item de impacto no custo final da construção pelas necessidades de desempenho frente a estanqueidade e isolamento termo-acústico. Na avaliação dos aspectos estruturais foram considerados a taxa de aço por área construída bem como balizadores da performance de montagem da estrutura (número de peças e número de ligações por área construída). A CDHU (órgão habitacional estadual de São Paulo) recentemente contratou obras em sistemas construtivos homologados na própria entidade. Duas destas soluções foram concebidas com estruturas em perfis de aço formados a frio, lajes em painéis pré-moldados e vedações externas e divisórias internas com alvenaria de blocos cerâmicos. Juntas, as duas foram responsáveis pela construção de 360 edifícios de 5 e 7 pavimentos ou mais de unidades residenciais. O primeiro estudo de caso é a solução do consórcio Construtora Múltipla e empresas Alphametal e Interamericana (fig. 6). Trata-se de edifício de cinco andares com estrutura fabricada em chapas de 2 a 6,3mm de aço estrutural patinável, tipo USISAC 300. Na análise da performance global desta solução destacam-se as vigas mistas em perfis compostos, tipo caixa, em chapas com 2mm de espessura. As vigas têm interação parcial com o concreto da laje, caminho que resultou numa baixa taxa de aço estrutural por área construída, com boa performance construtiva. Suas propriedades são descritas abaixo (tabela 1).

5 Figura 6- Edifícios do consórcio Múltipla, Alphametal e Interamericana para a CDHU-SP (Silva, 2004) Tabela 1 Quadro resumo Edifício Múltipla / Alphametal. Desenvolvimento do Autor. DIMENSIONAIS ESTRUTURA CONSTRUTIVO MÚLTIPLA/ALPHAMETAL - CARACTERÍSTICAS DO PROJETO INFORMAÇÃO QUANTIDADE UNIDADE 1 ÁREA TOTAL CONSTRUIDA 995,00 m² 2 ÁREA DO PAVIMENTO TIPO 199,00 m² 3 AREA DE PROJEÇÃO 260,00 m² 4 AREA DE INFLUENCIA (COM RECUOS) 414,00 m² 5 AREA PARA NORMA DE INCENDIO 432,00 m² 6 PERIMETRO DA FACHADA 88,22 m 7 DISTANCIA PISO A PISO 2,6 m 8 NÚMEROS DE PAVIMENTOS 5 9 ÁREA DE FACHADA 1.143,48 m² 10 NÚMERO DE UNIDADES (TIPO E ÁREA LIQUIDA) 2 quartos / 20 unidades / 40,2 m² 11 m² de FACHADA / m² CONSTRUÍDO 1,15 12 NÚMERO DE PILARES NÚMERO DE VIGAS NÚMERO DE LIGAÇÕES PESO TOTAL (PILARES, VIGAS, ESCADA, ENGRA) ,50 kg 16 TAXA TOTAL 26,94kg/m² 17 RENDIMENTO DE MONTAGEM NÚMERO DE PILARES E VIGAS / m² 0,29/ m² NUMERO DE LIGAÇÕES / m² 0,52/ m² 18 SISTEMA DE ESTABILIZAÇÃO Contraventamentos, lajes e escadas 19 TIPO DE LAJE Lajes treliçadas prémoldadas + capeamento 20 INTERAÇÃO VIGAS/LAJES Vigas mistas, conectores soldados 21 VEDAÇÕES EXTERNAS Alvenaria bloco cerâmico, não portante 22 DIVISÓRIAS INTERNAS Alvenaria bloco cerâmico, não portante 23 INSTALAÇÃO/CONSTRUÇÃO P/lajes e dutos verticais (shafts) Flexíveis, telas galvanizadas e argamassa 24 LIGAÇÕES ESTRUTURA/PAREDE expansiva A segunda análise tem os mesmos parâmetros avaliados numa solução com sete pavimentos, apresentado à CDHU pelo consórcio Alusa / Brastubo (Fig. 7).

6 Seus destaques são as ligações parafusadas entre os elementos estruturais formados a frio e o recobrimento total da estrutura pelo próprio processo construtivo. A última característica minimizou custos de proteção passiva contra incêndio da estrutura, requerida segundo avaliação da norma NBR14432 para este edifício. A sua performance global foi otimizada na fase do projeto arquitetônico, desenvolvido com pré-definição das soluções construtivas. Na Tabela 2, os dados deste edifício. Figura 7- Edifícios do consórcio Alusa e Brastubo para a CDHU-SP (Silva, 2004) Tabela 2 Quadro resumo Edifício Alusa / Brastubo. Desenvolvimento do Autor. DIMENSIONAIS ESTRUTURA CONSTRUTIVO ALUSA / BRASTUBO - CARACTERÍSTICAS DO PROJETO INFORMAÇÃO QUANTIDADE UNIDADE 1 ÁREA TOTAL CONSTRUIDA 1.491,00 m² 2 ÁREA DO PAVIMENTO TIPO 213,00 m² 3 AREA DE PROJEÇÃO 334,00 m² 4 AREA DE INFLUENCIA (COM RECUOS) 459,00 m² 5 AREA PARA NORMA DE INCENDIO 1.294,00 m² 6 PERIMETRO DA FACHADA 91,00 m 7 DISTANCIA PISO A PISO 2,6 m 8 NÚMEROS DE PAVIMENTOS 7 9 ÁREA DE FACHADA 1656,20 m² 10 NÚMERO DE UNIDADES (TIPO E ÁREA LIQUIDA) 2 quartos / 28 unidades / 40,9 m² 11 m² de FACHADA / m² CONSTRUÍDO 1,11 12 NÚMERO DE PILARES NÚMERO DE VIGAS NÚMERO DE LIGAÇÕES PESO TOTAL (PILARES, VIGAS, ESCADA, ENGRA) ,25 kg 16 TAXA TOTAL 30,15kg/m² 17 RENDIMENTO DE MONTAGEM NÚMERO DE PILARES E VIGAS / m² 0,29/ m² NUMERO DE LIGAÇÕES / m² 0,43/ m² 18 SISTEMA DE ESTABILIZAÇÃO Pórticos contrventados 19 TIPO DE LAJE Laje treliçada pré-moldada + capeamento 20 INTERAÇÃO VIGAS/LAJES Parcial, estabilização do plano horizontal 21 VEDAÇÕES EXTERNAS Alvenaria blocos cerâmicos, não portante 22 DIVISÓRIAS INTERNAS Alvenaria blocos cerâmicos, não portante 23 INSTALAÇÃO/CONSTRUÇÃO P/lajes e dutos verticais (shafts) 24 LIGAÇÕES ESTRUTURA/PAREDE Barras de aço dobradas e argamassa colante Os levantamentos de um edifício construído na cidade de Contagem-MG (Fig. 8) formam a terceira análise deste estudo. Trata-se de iniciativa de construção industrializada em todos os seus sistemas, estruturais e construtivos. Uma torre de apartamentos de doze pavimentos (Construtora Castro Pimenta) com aços planos na super-estrutura, nas fôrmas incorporadas das lajes (USIGAL, NBR ZAR 280), na estrutura auxiliar do sistema de fachada (USI SAC 300) e nos perfis das divisórias internas em sistema a seco (USIGAL NBR 7008 ZC). Este caso aproxima conceitos

7 da construção industrializada e produtos do mercado imobiliário, com inovações. A solução das vedações externas traz placas de granito fixadas diretamente sobre estrutura auxiliar, na face externa, e placas de gesso acartonado fixadas em estrutura de aço galvanizado na face interna da fachada. Não há blocos de alvenaria a não ser nas paredes curvas da caixa de escadas e na vedação das garagens. As características desta experiência estão na Tabela 3. Figura 8- Torre Residencial da Construtora Castro Pimenta em Contagem-MG (Silva, 2004) Tabela 3 Quadro resumo de dados Edifício Bouganville. Desenvolvimento do Autor. DIMENSIONAIS ESTRUTURA CONSTRUTIVO CASTRO PIMENTA - CARACTERÍSTICAS DO PROJETO INFORMAÇÃO QUANTIDADE UNIDADE 1 ÁREA TOTAL CONSTRUIDA 3.489,00 m² 2 ÁREA DO PAVIMENTO TIPO 222,00 m² 3 AREA DE PROJEÇÃO 222,00 m² 4 AREA DE INFLUENCIA (COM RECUOS) 590,00 m² 5 AREA PARA NORMA DE INCENDIO 1.752,00 m² 6 PERIMETRO DA FACHADA 62,00- m 7 DISTANCIA PISO A PISO 3,05 m 8 NÚMEROS DE PAVIMENTOS ÁREA DE FACHADA 2458,3 m² 10 NÚMERO DE UNIDADES (TIPO E ÁREA LIQUIDA) 3 quartos / 20 unidades / 81,6 m² 11 m² de FACHADA / m² CONSTRUÍDO 0,85 12 NÚMERO DE PILARES 22x3=66 13 NÚMERO DE VIGAS NÚMERO DE LIGAÇÕES PESO TOTAL (PILARES, VIGAS, ESCADA, ENGRA) 145,6 ton 16 TAXA TOTAL 41,72 kg/m² 17 RENDIMENTO DE MONTAGEM (para 2886m²) NÚMERO DE PILARES E VIGAS / m² 0,19/ m² NUMERO DE LIGAÇÕES / m² 0,39/ m² Contraventamento nas paredes, lajes e caixa de 18 SISTEMA DE ESTABILIZAÇÃO escada 19 TIPO DE LAJE Forma metálica incorporada 20 INTERAÇÃO VIGAS/LAJES Vigas mistas (com pinos de ancoragem Estrutura auxiliar de perfis onde são fixos placas 21 VEDAÇÕES EXTERNAS de granitos 22 DIVISÓRIAS INTERNAS Alvenaria de tijolo furado executados sobre a laje Corre livre pelo entreforro e por dutos verticais 23 INSTALAÇÃO/CONSTRUÇÃO (shafts) 24 LIGAÇÕES ESTRUTURA/PAREDE Flexíveis por perfis galvanizados ( paredes a seco)

8 O último caso é um projeto da empresa 1001 Arquitetos com parâmetros técnicos pré-estabelecidos por equipe conjunta da Construtora Camargo Corrêa e da Usiminas (Fig. 9). Sendo o único caso sem experiência de obra, esta solução tem por destaque seu desenvolvimento para uma modulação construtiva definida pelos componentes pré-fabricados especificados. A modulação construtiva dos painéis da laje, 1250mm de largura, e a configuração da planta favorável à segurança contra incêndio e à configuração da melhor relação área de fachada/área construída, são duas das principais caraterísticas deste projeto (Tabela 4). A baixa taxa de consumo de aço deve-se ao caráter misto da estrutura, estendido à interação da malha estrutural com painéis autoportantes de fachada. Esta solução inviabilizou-se, principalmente, por suas necessidades especiais de montagem. Figura 9- Edifício Construtora Camargo Corrêa e Usiminas(Silva, 2004)

9 Tabela 4 Quadro resumo Edifício Camargo Corrêa / Usiminas. Desenvolvimento do Autor. DIMENSIONAIS ESTRUTURA CONSTRUTIVO CAMARGO/USIMINAS - CARACTERÍSTICAS DO PROJETO INFORMAÇÃO QUANTIDADE UNIDADE 1 ÁREA TOTAL CONSTRUIDA 995,00 m² 2 ÁREA DO PAVIMENTO TIPO 187,00 m² 3 AREA DE PROJEÇÃO 198,00 m² 4 AREA DE INFLUENCIA (COM RECUOS) 403,00 m² 5 AREA PARA NORMA DE INCENDIO 406,00 m² 6 PERIMETRO DA FACHADA 75,24 m 7 DISTANCIA PISO A PISO 2,6 m 8 NÚMEROS DE PAVIMENTOS 5 9 ÁREA DE FACHADA 978,12 m² 10 NÚMERO DE UNIDADES (TIPO E ÁREA LIQUIDA) 2 quartos / 20 unidades / 38,4 m² 11 m² de FACHADA / m² CONSTRUÍDO 0,98 12 NÚMERO DE PILARES NÚMERO DE VIGAS NÚMERO DE LIGAÇÕES PESO TOTAL (PILARES, VIGAS, ESCADA, ENGRA) ,40 kg 16 TAXA TOTAL 19,80kg/m² 17 RENDIMENTO DE MONTAGEM NÚMERO DE PILARES E VIGAS / m² 0,22/ m² NUMERO DE LIGAÇÕES / m² 0,26/ m² 18 SISTEMA DE ESTABILIZAÇÃO Contraventamentos e lajes 19 TIPO DE LAJE Lajes protendidas alveolares com 125mm de largura 20 INTERAÇÃO VIGAS/LAJES Parcial, estabilização do plano horizontal 21 VEDAÇÕES EXTERNAS Alvenaria concreto celular, não portante 22 DIVISÓRIAS INTERNAS Alvenaria concreto celular, não portante 23 INSTALAÇÃO/CONSTRUÇÃO P/lajes e dutos verticais (shafts) Flexíveis, telas galvanizadas e argamassa 24 LIGAÇÕES ESTRUTURA/PAREDE expansiva Dos projetos analisados, apenas dois foram desenvolvidos com definição prévia de construção e estrutura. Os outros dois projetos foram construídos com adaptações para as soluções construtivas implantadas. Estes caminhos são determinantes nas performances das soluções, o que está retratado na análise comparativa apresentada ao fim do trabalho. 3-Parâmetros de Projeto e Desenvolvimento Três dos edifícios anteriores têm o programa arquitetônico mais freqüente na habitação de baixo custo: quatro unidades por pavimento de apartamentos com dois quartos, sala de jantar e estar, banheiro e cozinha. Empreendimentos focados na habitação social congelam as possibilidades do imóvel nos limites deste programa. Um primeiro diferencial de projeto está justamente neste ponto: incorporar um artifício de flexibilização das possibilidades do programa típico, abrindo espaço para configuração de novas unidades, como evoluções da configuração inicial. As bases históricas da arquitetura modernista brasileira (Sampaio, 2002) apontam para uma solução: a incorporação na planta típica de unidades com sala e quarto integrados como unidades de hotéis ou as chamadas quitinetes. Este caminho serve a dois propósitos: construção de unidades compactas e econômicas para moradores, transitórios ou permanentes, com este perfil e criar bolsões de expansão para as unidades típicas de dois quartos. Resolver o pavimento tipo do projeto com duas unidades de dois quartos e duas compactas possibilitaria evoluções progressivas da planta inicial dos apartamentos, que acompanhariam diferentes necessidades dos

10 proprietários. Evoluções de planta devem ocorrer com acréscimos dos espaços de serviço e estar proporcionais ao aumento de quartos/moradores previsto. A outra delimitação inicial refere-se à área de desenvolvimento do projeto. Com a idéia de desenvolver uma situação de projeto genérica, optou-se por trabalhar nos limites dos lotes urbanos mais típicos: 14 x 30 e 12 x 30 metros. Para respaldar mais a solução de projeto, definiu-se que esta deveria desenvolver-se nos limites da situação mais restritiva: a área definida por recuos mínimos no lote de menor dimensão. O espaço para desenvolvimento da solução seria o retângulo dentro no lote de 12 x 30 metros definido pelo recuo frontal de 3 metros e recuos laterais e de fundos de 1,5 metros. Um retângulo de 9 x 25,5 metros no qual deveria ser implantado metade do edifício projetado (Fig 10). Optou-se por desenvolver um edifício totalmente compartimentado em duas metades independentes mas complementares: o projeto é considerado completo na versão geminada destas duas metades, que necessitariam de dois lotes de 12 x 30 metros para ser implantado. A metade independente desta solução geminada pode ser construída em apenas um destes lotes, sem prejuízo de seu funcionamento. A versão integral do edifício é mais viável (custo por unidade habitacional ou área construída) que sua versão independente. Figura 10- Esboço inicial com os limites de projeto considerados (Silva, 2004) As definições da modulação de projeto com coordenação entre parâmetros estruturais, construtivos e definições de programa são as próximas considerações. Seu desenvolvimento segue com definições prévias dos sistemas adotados. As modulações definidoras da planta serão configuradas sob as bases de melhor

11 performance de integração das soluções na construção. Um módulo básico de 1200 mm serviria bem ao propósito de ordenar os principais itens construtivos (Fig. 11): malha estrutural com múltiplos deste valor, sistema de lajes com formas metálicas incorporadas com vão ideal múltiplo deste valor (2400mm) e modulações de sistemas de parede a seco com espaçamentos de 600mm e placas de revestimento com 1200mm. A modulação básica de alvenarias, com 300mm, seria também contemplada nesta modulação. Este valor (1200mm) comporta ainda grande parte das dimensões típicas dos materiais de acabamentos e outros componentes industrializados, como esquadrias. Figura 11- Parâmetros de coordenação modular entre sistemas(silva, 2004) A consolidação da solução arquitetônica ocorre coordenada com o conceito estrutural proposto. Pilares de seção retangular (tipo caixa ou tubos com costura) e vigas de seção I, eletro-soldadas ou compostas por chapas conformadas. Esta combinação permite ligações parafusadas com abertura para aplicação de pilares mistos, com tubos preenchidos por concreto estrutural em solução pouco explorada: o princípio da fôrma incorporada aplicado a pilares. A utilização de sistemas de lajes apoiados nas mesas inferiores das vigas, como no sistema slimflor (Lawson, 1997) também é uma possibilidade do projeto. Juntas, estas definições reduzem a superfície exposta dos elementos em aço estrutural, minimizando sua área de pintura e aumentando a massividade da estrutura. A estabilização vertical da estrutura é por contraventamentos, estratégia mais econômica, sem interferência nas fachadas: o conjunto é organizado ao redor de um pátio interno com as circulações verticais e horizontais e os pórticos contraventados. O pátio garante o conforto térmico do edifício, permitindo ventilação cruzada nos apartamentos previstos em planta. O arranjo das unidades é estabelecido para gerar um volume final mais heterogêneo que o dos prismas retangulares comumente abordados nas tipologias habitacionais econômicas. Elementos como varandas, beirais avançados contribuem para diversificar e enriquecer a configuração final. A defasagem entre os sistemas de vedação e os eixos estruturais permite mostrar a estrutura em alguns pontos do projeto e resguardá-la em outros, participando da imagem final do conjunto e ficando

12 a favor de sua maior proteção frente a intempéries. Este artifício permite a transposição direta das dimensões presentes na malha estrutural para os sistemas de vedação e divisórias, que ficam sujeitos às mesmas regras dimensionais sugeridas na modulação. Uma fração menor de área de fachada por área construída foi pretendida no desenvolvimento do projeto. Custos para garantir desempenho e estanqueidade das vedações são importante para determinar a viabilidade da solução. A configuração construtiva das paredes externas alia o custo baixo das alvenarias convencionais com a praticidade dos sistemas a seco, restringindo a contribuição da primeira até a altura dos peitoris, acima dos quais a solução a seco responderia por toda parte mais complexa da vedação com aberturas, vergas e fixação de esquadrias. O desafio de elaborar uma solução arquitetônica, sob quaisquer circunstâncias, deve ser abordado de forma inclusiva. A solução consequente deste empenho nem sempre traz os melhores parâmetros para todos os aspectos. Alguns itens sofrem adequações que os aproximam de sua melhor performance em busca de resultado com melhor combinação dos fatores envolvidos. O objetivo é atingir boa performance global com as diversas considerações. As conclusões deste estudo estão representadas abaixo pêlos desenhos técnicos e imagens do anteprojeto arquitetônico (Figuras 12 a 15) e na Tabela 5. Figura 12- Possibilidades de evolução da planta no Pavimento Tipo (Silva, 2004)

13 Figura 13- Plantas do pavimento térreo e do último pavimento (Silva, 2004) Figura 14- Cortes longitudinal e transversal pelo edifício(silva, 2004) Figura 15- Fachadas frontal e lateral do edifício (Silva, 2004) Tabela 5 Quadro resumo das características da concepção de projeto proposta.

14 DIMENSIONAIS ESTRUTURA CONSTRUTIVO ASCANIO MERRIGHI - CARACTERISTICAS DO PROJETO INFORMAÇÃO QUANTIDADE UNIDADE 1 ÁREA TOTAL CONSTRUIDA 1519,65 m² 2 ÁREA DO PAVIMENTO TIPO 303,93 m² 3 AREA DE PROJEÇÃO 334,90 m² 4 AREA DE INFLUENCIA (COM RECUOS) 550,00 m² 5 AREA PARA NORMA DE INCENDIO 571,25 m² 6 PERIMETRO DA FACHADA (metade da planta) 45,7 m 7 DISTANCIA PISO A PISO 2,70 m 8 NÚMEROS DE PAVIMENTOS un. 9 ÁREA DE FACHADA 987,12 m² 1 quartos / 16 unidades / 16,3 m² 10 NÚMERO DE UNIDADES (TIPO E ÁREA LIQUIDA) 2 quartos / 16 unidades / 42,4 m² 11 m² de FACHADA / m² CONSTRUÍDO 0,65 12 NÚMERO DE PILARES NÚMERO DE VIGAS NÚMERO DE LIGAÇÕES PESO TOTAL (PILARES, VIGAS, ESCADA, ENGRA) ,60 kg 16 TAXA TOTAL 33,23 17 RENDIMENTO DE MONTAGEM NÚMERO DE PILARES E VIGAS / m² 0,26 NUMERO DE LIGAÇÕES / m² 0,40 18 SISTEMA DE ESTABILIZAÇÃO Núcleo central contraventado Piso estrutural esbelto com fôrma metálica 19 TIPO DE LAJE incorporada a vigas de abas desiguais Vigas embutidas nas lajes e vigas mistas sobre o 20 INTERAÇÃO VIGAS/LAJES piso estrutural Misto em alvenaria de tijolo furado e sistemas de 21 VEDAÇÕES EXTERNAS parede a seco Paredes a seco com perfis galvanizados e placas de 22 DIVISÓRIAS INTERNAS fechamento Paredes hidráulicas, dutos verticais e embutidas sob 23 INSTALAÇÃO/CONSTRUÇÃO a fôrma-laje Vedações e divisórias fixadas na laje e em um ponto 24 LIGAÇÕES ESTRUTURA/PAREDE a cada pilar Tabela 6 Quadro comparativo entre valores levantados nos projetos analisados PROJETOS: MÚLTIPLA ALUSA CAMARGO C. PIMENTA ESTE m²fac./m²const. 1,15 1,11 0,98 0,85 0,65 Taxa Estrutura 27Kg/m² 30Kg/m² 20Kg/m² 42Kg/m² 33Kg/m² PIL.+VIG. /m² 0,29/m² 0,29/m² 0,22/m² 0,19/m² 0,26/m² LIGAÇÕES/m² 0,52/m² 0,43/m² 0,26/m² 0,39/m² 0,40/m² No. UNIDADES ÁREA TOTAL 995m² 1491m² 995m² 2886m² 1520m² 4. Conclusões A solução desenvolvida cabe ainda ser evoluída em seus aspectos arquitetônicos para uma melhor depuração do resultado final. Esta é uma característica comum a todo anteprojeto arquitetônico, por maior que seja seu grau de definição. Soluções de conceito estrutural, sistemas de estabilização e definições construtivas diversas devem surgir no desenvolvimento do projeto arquitetônico. Suas premisas serão depuradas e sofrerão contribuições no envolvimento dos demais profissionais da equipe multidisciplinar responsável pelo pacote completo de soluções técnicas. Os princípios da depuração evolutiva devem necessariamente estar presentes na abordagem inicial do tema de projeto pelo arquiteto. Ao confrontarmos os dados mais relevantes dos estudos de casos com os do anteprojeto exposto na seção anterior verificamos que houve a incorporação dos aspectos positivos verificados nas iniciativas de mercado estudadas. Nem todos os dados do projeto elaborado têm melhor performance que aqueles mais destacáveis nos projetos descritos. Isto deve-se à tentativa de incorporar soluções técnicas

15 inovadoras como a utilização mista de lajes apoiadas tanto nas mesas inferiores das vigas, como convencionalmente sobre suas mesas superiores. A configuração proposta absorveria também uma solução de estruturas de aço convencional o que reduziria sua taxa de consumo estrutural mas não atenderia ao caráter experimental deste trabalho. A comparação pode ser visualizada na Tabela 6. Referências Bibliográficas: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. (1977). NBR 5706: Coordenação modular da construção. Rio de Janeiro: ABNT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (2001). NBR 14432: Exigências de Resistência ao Fogo de Elementos Construtivos de Edificações. Rio de Janeiro: ABNT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (2003). NBR 6355: Perfis Estruturais de aço, formados a frio Padronização. Rio de Janeiro: ABNT. Bonduki, N. e Portinho, C. (2000). Affonso Eduardo Reidy: arquitetos brasileiros. Lisboa: Blau. Costa, L. (1995). Lúcio Costa: registro de uma vivência. São Paulo: Empresa das Artes. Cavalcanti, L. (1987). Casa para o povo: arquitetura moderna e habitações econômicas. Dissertação de Mestrado (Antropologia Social Universidade Federal do Rio de Janeiro). Rio de Janeiro: Museu Nacional - UFRJ. Dias, L. A. M. (1998). Estruturas de aço: conceitos, técnicas e linguagem. São Paulo: Zigurate. 2ª edição. ISBN INTERNATIONAL IRON AND STEEL INSTITUTE (2004). Growing the market for steel in construction. Brussels: IISI. CD-ROM Latorraca, G. (org.) (2000). João Filgueiras Lima Lelé. São Paulo: Instituto Lina Bo e P. M. Bardi. Lawson, R. M.; Mullet, D. L.; Rackham, J. W. (1997). Design of Asymmetric Slimflor Beams using Deep Composite Decking. Berkshire: Steel Construction Institute. Revista Módulo (1983). Revista Módulo, edição especial Catálogo oficial da exposição Sérgio Bernardes. Sampaio, M. R. A. (org.) (2002). A promoção privada de habitação econômica e a arquitetura moderna: São Carlos, RiMa. ISBN Silva, A. M. F., Uma Concepção Arquitetônica de Edifício Residencial com Estrutura e Componentes Construtivos Fabricados a partir de Aços Planos. M. Sc. diss., Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil. Villinger, C. (org.) (1998). Mies van der Rohe: architecture and design in Stuttgart, Barcelona, Brno. Milano: Vitra Design Museum / Skira. ISBN

INOVAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL. Coletânea - 2006

INOVAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL. Coletânea - 2006 INOVAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL Coletânea - 2006 DIRETORIA EXECUTIVA Mauricio Prates de Campos Filho Diretor Executivo Nelson Antonio Pereira Camacho Diretor para Assuntos Administrativos e Financeiros Saul

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Contribuição técnica nº 19 EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Autor: ROSANE BEVILAQUA Eng. Consultora Gerdau SA São Paulo, 01 de setembro de 2010. PROGRAMA Introdução Vantagens da utilização de Edifícios

Leia mais

LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES

LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES RESUMO Alexandre

Leia mais

Manual de Montagem Casa 36m²

Manual de Montagem Casa 36m² Manual de Montagem Casa 36m² cga -gerência de desenvolvimento da aplicação do aço Usiminas - Construção Civil INTRODUÇÃO Solução para Habitação Popular - é uma alternativa econômica, simples e de rápida

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

Paredes Maciças as de Concreto

Paredes Maciças as de Concreto Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4B Paredes Maciças as de Concreto Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção

Leia mais

Construmetal 2010 Habitação de Interesse Social em Aço

Construmetal 2010 Habitação de Interesse Social em Aço Construmetal 2010 Habitação de Interesse Social em Aço Setembro 2010 Contexto da Habitação Social O déficit habitacional brasileiro é de 7 milhões de unidades e só poderá ser combatido de forma efetiva

Leia mais

Construções de light steel frame

Construções de light steel frame Artigo Construções de light steel frame Diante do crescimento populacional e dos avanços tecnológicos, a indústria da construção civil no mundo tem buscado sistemas mais eficientes de construção com o

Leia mais

Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto

Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto XI Fórum Técnico Gestão do Processo Construtivo Sinduscon-DF, 21 de novembro de 2013 Oportunidades oferecidas

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

Econômicas leves 04/08/2011 Notícia Revista Téchne - Julho 2011

Econômicas leves 04/08/2011 Notícia Revista Téchne - Julho 2011 Econômicas leves 04/08/2011 Notícia Revista Téchne - Julho 2011 Apesar da aplicacão em programas de interesse social, steel framing ainda enfrenta desafios burocráticos para o atendimento de outras faixas

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix : marca registrada da Belgo Bekaert Arames BelgoFix são telas soldadas

Leia mais

Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados

Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados e tilt-up Vitor Faustino Pereira Engenheiro Civil Professor Adjunto UEL Sócio Diretor:

Leia mais

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO:

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Localizado em Novo Hamburgo RS; 18000 m² de área construída; 72 Unidades 3 e 2 dormitórios; 26 Pavimentos; Tratamento e reutilização

Leia mais

Prof. Dr. Marcelo Ferreira, 14/03/2012

Prof. Dr. Marcelo Ferreira, 14/03/2012 Aplicação do Concreto Pré-Moldado em Sistemas Construtivos Mistos / Híbridos Prof. Dr. Marcelo Ferreira, 14/03/2012 Concreto Pré-Moldado em Sistemas Mistos O benefício da Construção Mista Industrializada

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO CONSTRUINDO NO SISTEMA (CES) LIGHT STEEL FRAMING O sistema Light Steel Frame é caracterizado por um esqueleto estrutural leve composto por perfis de aço galvanizado que trabalham em conjunto para sustentação

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Casa de steel frame - instalações (parte 4)

Casa de steel frame - instalações (parte 4) Página 1 de 6 Casa de steel frame - instalações (parte 4) As instalações elétricas e hidráulicas para edificações com sistema construtivo steel frame são as mesmas utilizadas em edificações convencionais

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

Desenvolvimento de diretrizes para projeto de edificações para fins didáticos com sistema estrutural construtivo modular em aço

Desenvolvimento de diretrizes para projeto de edificações para fins didáticos com sistema estrutural construtivo modular em aço Desenvolvimento de diretrizes para projeto de edificações para fins didáticos com sistema estrutural construtivo modular em aço Maria Emília Penazzi mepenazzi@yahoo.com.br Prof. Dr. Alex Sander Clemente

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO

ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO 1 ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO Texto complementar 1. INTRODUÇÃO Os primeiros edifícios com estrutura de concreto armado foram concebidos utilizando-se

Leia mais

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PRINCIPÍOS BÁSICOS PARA PROJETOS/ MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO EM ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS DE CONCRETO ARQUITETA NANCI CRUZ MODULAÇÃO

Leia mais

ESTRUTURA PARA ENGRADAMENTO DE TELHADOS DE RESIDÊNCIAS COM SISTEMA LIGHT STEEL FRAMING

ESTRUTURA PARA ENGRADAMENTO DE TELHADOS DE RESIDÊNCIAS COM SISTEMA LIGHT STEEL FRAMING ESTRUTURA PARA ENGRADAMENTO DE TELHADOS DE RESIDÊNCIAS COM SISTEMA LIGHT STEEL FRAMING ALEXANDRE KOKKE SANTIAGO, Arq. M.Sc. FRANCISCO CARLOS RODRIGUES, Prof. Dr. MAÍRA NEVES RODRIGUES, Arq. M.Sc. ESTRUTURAS

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil Aula

Leia mais

Aula 4 : Desenho de Estruturas

Aula 4 : Desenho de Estruturas Aula 4 : Desenho de Estruturas Índice: UNIDADE 4 DESENHO DE ESTRUTURAS 4.1 Introdução; Fundações: - São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP Autores: Nayra Yumi Tsutsumoto (1); Cesar Fabiano Fioriti (2) (1) Aluna de Graduação

Leia mais

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES.

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. Arq. Cândida Maciel Síntese Arquitetura 61-34685613 candida@sintesearquitetura.com.br NBR 15575- EDIFÍCIOS HABITACIONAIS DE ATÉ

Leia mais

SISTEMA LIGHT STEEL FRAMING COMO FECHAMENTO EXTERNO VERTICAL INDUSTRIALIZADO

SISTEMA LIGHT STEEL FRAMING COMO FECHAMENTO EXTERNO VERTICAL INDUSTRIALIZADO CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 09, 10 e 11 de Setembro 2008 SISTEMA LIGHT STEEL FRAMING COMO FECHAMENTO EXTERNO VERTICAL INDUSTRIALIZADO Alexandre Kokke

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Produtos Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix são telas soldadas produzidas com fio de 1,65 mm de diâmetro e

Leia mais

Placostil - Wall Paredes

Placostil - Wall Paredes 0 0 Placostil - Wall Paredes Conceitos Sistema Placostil Wall Paredes É um sistema de paredes de vedações internas constituídas por uma estrutura metálica de chapa de aço galvanizado, sobre a qual se aparafusam,

Leia mais

Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados em aço

Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados em aço Contribuição técnica nº 2: Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados Autores: Eng. M.Sc. Ygor Dias da Costa Lima Prof. Dr. Alex Sander C. de Souza Contato: alex@ufscar.br 1 Análise

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 08/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 08/2011 Instrução Técnica nº 08/2011 - Resistência ao fogo dos elementos de construção 191 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO

Leia mais

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica NBR 15575:2013 Desempenho de edificações habitacionais Professora Dra. Maria

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis CONCEITO O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis estruturais capazes de resistir às cargas verticais (telhados e pavimentos), perpendiculares

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 2a. parte: ECONÔMICA-ESTUDO DE CASO KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES

SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES INTRODUÇÃO: A CASA EXPRESS LTDA. é uma empresa do ramo da construção civil, sediada

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

CASA MINIMA API 5. Habitação social - Memorial. Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia. Mapa do Bairro. Acesso a área de estudo:

CASA MINIMA API 5. Habitação social - Memorial. Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia. Mapa do Bairro. Acesso a área de estudo: CASA MINIMA API 5 Habitação social - Memorial Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia Mapa do Bairro Acesso a área de estudo: a- mapa regional Localização escolhida - Por que? Perto de vias rápidas.

Leia mais

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? ALVENARIA ESTRUTURAL O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? ALVENARIA ESTRUTURAL O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? AULA 5 ALVENARIA ESTRUTURAL Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco PREDIO COM BLOCO DE VEDAÇÃO MACEIO

Leia mais

ESQUADRIAS Resumo da aula

ESQUADRIAS Resumo da aula ESQUADRIAS Resumo da aula Os vãos têm como funções a vedação e a comunicação dos ambientes internos e externos do edifício. Ambos necessitam de obras e serviços, executadas com materiais, segundo determinadas

Leia mais

Arquitetura Residencial Unifamiliar em Concreto Pré-Moldado

Arquitetura Residencial Unifamiliar em Concreto Pré-Moldado Arquitetura Residencial Unifamiliar em Concreto Pré-Moldado Gisela Jeske Krüger ¹ Resumo: Este artigo apresenta a contribuição e a importância do concreto prémoldado em edificação de arquitetura residencial

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações Edição: 5132010 Litoral Paulista, sexta-feira, 20 de agosto Página: 1 Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações w w w. u s i m i n a s.

Leia mais

Pré-Fabricação na Itáliana: PAINEIS DE FECHAMENTO

Pré-Fabricação na Itáliana: PAINEIS DE FECHAMENTO Pré-Fabricação na Itáliana: PAINEIS DE FECHAMENTO Os fechamentos constituem a parte externa e visível da construção, sua interface com o espaço urbano e, em geral, com o meio ambiente. Ao propor a arquitetura

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos Porto Alegre, 18 de junho de 2012. A Assembleia Legislativa do RS Porto Alegre, RS REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional da 23 ª Região Anteprojeto do novo Edifício-Sede Cuiabá MT Memorial Descritivo Terreno localizado no CPA (Centro Político-Administrativo) da cidade

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas.

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas. ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço Menor tempo de execução: A estrutura metálica é projetada para fabricação industrial e seriada, de preferência, levando a um menor tempo de fabricação

Leia mais

ESTUDO DE CASO CONJUNTO HABITACIONAL. HIS Conjunto Heliópolis/Gleba G

ESTUDO DE CASO CONJUNTO HABITACIONAL. HIS Conjunto Heliópolis/Gleba G ESTUDO DE CASO CONJUNTO HABITACIONAL HIS Conjunto Heliópolis/Gleba G Ficha Técnica Arquitetos:Biselli + Katchborian Arquitetos Ano: 2011 Área construída: 31.329 m² Tipo de projeto: Habitação de interesse

Leia mais

Estruturas mistas de aço e concreto

Estruturas mistas de aço e concreto Estruturas mistas de aço e concreto Eng. Djaniro Álvaro de Souza Gerdau Aços Brasil 56º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO Natal, 08 de Outubro de 2014 Sistema misto de aço e concreto Sistema no qual um

Leia mais

Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto

Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Knauf Folheto Técnico 2008 Paredes Knauf Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Estabilidade, resistência a impactos, proteção termoacústica e outras características inovadoras que não dividem

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA ESQUADRIAS/PANOS

Leia mais

Influência do tipo de laje nos custos de um edifício em aço

Influência do tipo de laje nos custos de um edifício em aço ArtigoTécnico Ygor Dias da Costa Lima 1 Alex Sander Clemente de Souza 2 Silvana De Nardin 2 1 Mestre em Construção Civil pela Pós-Graduação em Construção Civil PPGCiv/UFSCar 2 Prof. Dr. Pós-Graduação em

Leia mais

Coberturas duráveis, com galvanização

Coberturas duráveis, com galvanização Coberturas duráveis, com galvanização A Fifa definiu que a Copa do Mundo de Futebol no Brasil, em 2014, deverá perseguir o que chamou de Green goals, ou seja, metas verdes, numa alusão à desejada sustentabilidade

Leia mais

MODULAÇÃO NO PROJETO ARQUITETÔNICO DE ESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DE SAÚDE:

MODULAÇÃO NO PROJETO ARQUITETÔNICO DE ESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DE SAÚDE: MODULAÇÃO NO PROJETO ARQUITETÔNICO DE ESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DE SAÚDE: o caso dos Hospitais SARAH Antonio Pedro Alves de Carvalho Ígor de Góes Tavares 1. INTRODUÇÃO A coordenação modular consiste

Leia mais

CAPÍTULO IV - ALVENARIA

CAPÍTULO IV - ALVENARIA CAPÍTULO IV - ALVENARIA Alvenaria é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta de pedras naturais ou artificiais, ligadas ou não por argamassa. Segundo ZULIAN et al. (2002) também

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PERFIS FORMADOS A FRIO PARA UNIDADES ESCOLARES (1)

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PERFIS FORMADOS A FRIO PARA UNIDADES ESCOLARES (1) CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 12, 13 e 14 de Setembro 2006 SISTEMA CONSTRUTIVO EM PERFIS FORMADOS A FRIO PARA UNIDADES ESCOLARES (1) Cristiane Lopes Henriques (2) Arlene

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS:

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: Á PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO EM ANEXO. VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: - 12 EDIFICIOS COM 10

Leia mais

Tabela 1- Intensidades sonoras características em db(a)

Tabela 1- Intensidades sonoras características em db(a) Desempenho Acústico DESEMPENHO ACÚSTICO O ruído gerado pela circulação de veículos, crianças brincando no playground e música alta no apartamento vizinho são causas de desentendimentos e de estresse. Por

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO Sistema Construtivo Fabricado de acordo com a ISO 9002 Conforto as normas ASTM( EUA) e ABNT (Brasil). Comprovada em testes de desempenho realizados pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

Aços Longos. Soluções Lajes

Aços Longos. Soluções Lajes Aços Longos Soluções Lajes Soluções Lajes Dentre os desafios da engenharia civil, o sistema construtivo de lajes deve atender à eficiência estrutural, visando a soluções seguras, economicamente viáveis

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

PROTÓTIPO DE MORADIA SOCIAL COM USO DE LIGHT STEEL FRAMING: ANÁLISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO

PROTÓTIPO DE MORADIA SOCIAL COM USO DE LIGHT STEEL FRAMING: ANÁLISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO PROTÓTIPO DE MORADIA SOCIAL COM USO DE LIGHT STEEL FRAMING: ANÁLISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO Adnauer Tarquínio Daltro (1); Douglas Queiroz Brandão (2); Marcele Ariane Lopes (3); Geiffer Matiello (4); Rodrigo

Leia mais

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências.

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito de Nova Mutum, Estado

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE PROJETO DE UM EMPREENDIMENTO EM ESTRUTURA METÁLICA DE AÇO

ANÁLISE DO PROCESSO DE PROJETO DE UM EMPREENDIMENTO EM ESTRUTURA METÁLICA DE AÇO ANÁLISE DO PROCESSO DE PROJETO DE UM EMPREENDIMENTO EM ESTRUTURA METÁLICA DE AÇO Renata TEIXEIRA Arq., M.Sc. pelo Programa de Pós Graduação em Engenharia de Estruturas da UFMG. Rua Castelo de Lamego, n

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos: _ Planta de situação _ Planta de localização

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I UEFS Departamento de Tecnologia CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 2 Histórico e processos da Construção Civil: Evolução da Técnica de Construção Cristóvão C. C. Cordeiro

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

Concepções estruturais 1 ª aula. Professores: Nádia Forti João Carlos Rocha Braz

Concepções estruturais 1 ª aula. Professores: Nádia Forti João Carlos Rocha Braz Concepções estruturais 1 ª aula Professores: Nádia Forti João Carlos Rocha Braz Ante - Projeto O que você quer? Satisfazer as necessidades e possibilidades do cliente; Espaços; Volume; Estética. Ante -

Leia mais

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Aplicações para edificações Estruturas de Aço e Madeira Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ AMA Loft A1 1 Definição do sistema estrutural do pavimento Lajes armadas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL

PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL MEDIDAS PARA CONTER A PROPAGAÇÃO DO INCÊNDIO NOS EDIFÍCIOS Compartimentação horizontal Compartimentação vertical Controle da

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. DADOS GERAIS: 1.1. Proprietário: Município de Estação/RS CNPJ: 92.406.248/0001-75 1.2. Obra: Cobertura Metálica da Escola Municipal de Ensino Fundamental Pedro Cecconelo 1.3. Local:

Leia mais

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre a atualização do artigo 1º, da Lei da Lei Complementar nº 241 de 24 de Fevereiro de 2015, onde trata da Tabela nº 05, Anexo II - Planta Genérica

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS

MEMORIAL DESCRITIVO. Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS 1. LOCALIZAÇÃO: O empreendimento localiza-se à Rua Aragão Bozano,131 Lotes 2, Quadra 57, Praia Grande, Torres/RS.

Leia mais