Projeto de Criação da Agrobio Consultoria Júnior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Criação da Agrobio Consultoria Júnior"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI Projeto de Criação da Agrobio Consultoria Júnior Equipe proponente: Prof. Coordenadora: Gislene Carvalho de Castro - Professora Adjunta DEZOO - UFSJ Alunos Integrantes: Caio Rodrigues Monteiro - Graduando Eng. Produção - UFSJ Ewerton Dilelis Ferreira - Graduando Eng. Agronômica - UFSJ Miguel Augusto Viol - Graduando Eng. Agronômica - UFSJ Otieres Cirino de Carvalho - Graduando Biologia - UFSJ Sílvia Dornelas Novais - Graduando em Zootecnia - UFSJ Setembro

2 1. INTRODUÇÃO Uma Empresa Júnior é, por definição, uma associação civil sem fins lucrativos, com cunho totalmente educacional que presta serviços de consultoria, objetivando aliar a teoria de sala de aula à pratica de mercado, através de projetos. Estruturalmente, é um grupo formado e gerido única e exclusivamente por alunos de graduação. O conceito de Empresa Junior, surgiu na ESSEC (L'Ecole Supérieure des Sciences Economiques et Commerciales de Paris), na França, em 1967, com a criação da primeira EJ: a Junior-Entreprise. Essa empresa surgiu a partir da necessidade identificada por alunos de complementarem os seus conhecimentos, através da aplicação prática da teoria, sendo que, o objetivo mais circunscrito era realizar estudos de mercado ou enquetes comerciais nas empresas. O conceito de EJ difundiu-se pela França e em 1967, com mais de 20 empresas fundadas foi criada a Confederação Francesa de EJs. Em 1986, após consolidação do modelo francês, o conceito começou a difundir-se pelo restante da Europa, onde encontrou novos formatos e ocasionou, em 1990, a criação da Confederação Européia de Empresas Juniores, a JADE (Junior Association for Development in Europe). No Brasil, o conceito de Empresa Júnior chegou em 1987, e em 1989 foi criada a Júnior GV, na Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas, sendo a primeira EJ brasileira. Em 1990, existiam sete empresas, que se uniram para fundar a FEJESP (Federação das Empresas Juniores do Estado de São Paulo). Em 1993, foi realizado o primeiro Encontro Nacional de Empresas Juniores (ENEJ) e a partir de então, diversas Federações foram criadas. Em 1994, o conceito de EJ se difundiu tanto no Brasil, que atingiu o nível médio-profissionalizante, com a criação da Agrotec Júnior Consultoria na Escola Agrotécnica Federal de Barbacena. Atualmente, depois de dezenove anos no país, o Movimento Empresa Júnior (MEJ) cresceu, profissionalizou-se e amadureceu. Hoje, são mais de universitários espalhados em cerca de 700 empresas juniores e realizando mais de projetos por ano. Para representar as EJ s confederadas em todas as esferas, foi fundada no XI ENEJ, em agosto de 2003, a Brasil Júnior. A Brasil Júnior, ou Confederação Brasileira de Empresas Juniores, é a instância representativa do Movimento Empresa Júnior do Brasil e é uma pessoa jurídica de direito privado, associação civil, sem fins econômicos, com sede e foro na cidade de Brasília, Distrito Federal. A Estrutura da Brasil Júnior é composta da seguinte forma: A Assembléia Geral, constituída pelos presidentes de cada Empresa Junior confederada, é o órgão soberano da Brasil Júnior. O Conselho Estratégico é o órgão representativo da Brasil Júnior, e é composto por 02 representantes de cada Federação confederada, sendo as Empresas Juniores de Minas Gerais representadas pela Federação de Empresas Juniores do Estado de Minas Gerias FEJEMG. Para um aluno de graduação fazer parte de uma Empresa Júnior pode ser um grande diferencial na inserção deste no mercado de trabalho, uma vez que a EJ antecipa a prática empresarial e técnica, colocando o aluno em situações reais, motivando-o a estudar e tomar decisões adequadas a cada situação. 1

3 2. JUSTIFICATIVAS No atual mercado de trabalho, encontramos um cenário de alta competitividade entre profissionais, em todas as áreas de atuação, exigindo, dessa forma, uma maior capacitação, e em muitos dos casos, experiência prática. Esta última em muito dos casos é fator limitante, o que faz com que profissionais recém formados tenham um campo de atuação restrito e uma difícil inserção no mercado de trabalho. Dessa forma a Empresa Júnior surge como alternativa viável de proporcionar ao estudante experiência profissional prática mesmo antes de concluir sua formação. Além da experiência, uma EJ contribui na formação pessoal e profissional do aluno por meio de: valorização do curso; treinamento em ambiente empresarial, simulando situações inerentes a uma empresa qualquer; trabalho em grupo, práticas oratórias; gerar reconhecimento no mercado de trabalho, dentre outras vantagens. A Universidade Federal de São João Del Rei tem como um de seus objetivos, desenvolver o potencial social e econômico da região na qual se insere. A microrregião de São João Del Rei, possui em sua renda total, significativa representação econômica do setor agropecuário (PELEGRINE, 2010) e ao mesmo tempo, baixos índices de eficiência produtiva. Dessa forma, existe uma grande demanda por consultoria agropecuária, que devido ao seu tamanho, órgãos públicos e algumas empresas privadas que atuam nesse setor não conseguem suprir. Além dos motivos supracitados, ainda não existe na UFSJ uma Empresa Júnior voltada à demanda de alunos dos cursos de ciências agrárias e de Biologia, que devido à falta de atrativos didático-práticos nesses cursos, acabam por abandonar a instituição, gerando altos índices de evasão. A Agrobio poderá ser um atrativo a mais para o aluno da UFSJ, oferecendo alternativas de aplicação prática dos conhecimentos adquiridos em sala de aula e de desenvolvimento de habilidades não desenvolvidas ao decorrer do curso Potencial demanda por projetos já identificada: Ao longo do tempo de organização das idéias para formalização da proposta de criação da Agrobio Consultoria Junior, o anteprojeto da criação da empresa fora apresentado a alguns potenciais clientes, que apoiaram a idéia e em alguns casos, já mencionaram demandas e transpuseram desejo de aquisição dos serviços da Agrobio. Abaixo seguem algumas das demandas já solicitadas: Consultoria a alguns produtores de grãos e leite do município Madre de Deus. Por meio de contato com um produtor de soja, fora exposto a demanda local por consultoria técnica de qualidade na área agropecuária, sendo que o supracitado produtor, tomou conhecimento do projeto de criação da Empresa Junior de forma informal e entrou em contato solicitando os serviços da Agrobio, assim que esta estiver legalmente constituída e apta ao funcionamento Consultoria para confecção e implantação de projeto de irrigação em área de cafezal na zona rural do município de Ritápolis. Luis Carlos Rodrigues Mendes ao decidir implantar um projeto de concepção de um cafezal, deparou-se com a necessidade de se montar um sistema de irrigação eficiente e tomou conhecimento do projeto da Agrobio, de maneira informal, já solicitando os serviços da Agrobio, assim que esta estiver legalmente constituída e apta ao funcionamento. 2

4 Necessidade de projeto e implantação de sistema de produção de bovinos de corte à pasto em sistema rotacionado no município de Dores de Campos. Contatado por um produtor do referido município, que tomou conhecimento da proposta de projeto de criação da Agrobio Consultoria Junior de forma informal, este expôs uma demanda por planejamento do referido sistema por meio de: planejamento nutricional dos animais; planejamento de piqueteamento e estrutura para utilização na produção Necessidade de projeto paisagístico no Prédio de Zootecnia e Ciências da Computação da UFSJ, com a finalidade de melhorar esteticamente o ambiente. A demanda fora constatada por meio de conversas informais com discentes e docentes da referida instituição Consultoria para projeto e implantação de Viveiro de mudas no município de Belo Vale Necessidade constante de atualização e aperfeiçoamento técnico de discentes, através de cursos, palestras, dentre outros. Perante os exemplos expostos, concluímos que existe uma potencial demanda regional pelos serviços da Agrobio e a impossibilidade de inserção no mercado não será fator limitante para consolidação da empresa. 3. OBJETIVOS O presente projeto propõe a criação de uma empresa Júnior Multidisciplinar, denominada Agrobio Consultoria Júnior., na Universidade Federal de São João Del Rei, com o objetivo de: Desenvolver projetos de consultoria de qualidade na área agropecuária; Propiciar o desenvolvimento técnico e interpessoal dos alunos, tais como: capacidade de gerenciamento, oratória, liderança, empreendedorismo, pro atividade entre outros. Funcionar como elo entre a sociedade e o meio-acadêmico. Complementando, dessa forma, a missão da Universidade, de desenvolver benefícios para o ambiente na qual ela se insere. Contribuir com a sociedade, através de prestação de serviços, proporcionando ao micro, pequeno e médio empresário especialmente, um trabalho de qualidade a preços acessíveis; Proporcionar ao estudante aplicação prática de conhecimentos teóricos, relativos à área de formação profissional específica; Desenvolver o espírito crítico, analítico e empreendedor do aluno; Intensificar o relacionamento empresa-universidade; Facilitar o ingresso de futuros profissionais no mercado, colocando-os em contato direto com o seu mercado de trabalho; Proporcionar publicidade à Universidade. Praticar a responsabilidade social corporativa, através do voluntariado. 3

5 Viabilizar o desenvolvimento econômico local. 4. METODOLOGIA 4.1. Razão Social: Agrobio Consultoria Junior Nome Fantasia Agrobio 4.3. Logotipo proposto: 4.4. Missão Promover o desenvolvimento sustentável de sistemas de produção animal e vegetal, dentro dos objetivos e aspirações de nossos clientes, contribuindo dessa maneira com o desenvolvimento da região de abrangência da Agrobio Consultoria Junior e com a formação de profissionais mais qualificados para o mercado, por meio da viabilização de aplicação prática de conhecimentos teóricos e da disseminação do conhecimento 4.5. Visão Ser uma empresa reconhecida no mercado, institucionalmente legítima, com capacidade de gestão estratégica e com sustentabilidade de seus ativos Valores Transparência; Pró-atividade; Ética; Cooperação; Comprometimento; Eficiência; Eficácia; 4.7. Área de atuação: Realizar estudos e elaborar diagnósticos, relatórios e projetos para conseqüente implementação prática acerca de assuntos específicos inerentes a área agrícola, bem como realizar eventos dentro da mesma área, buscando atender à demanda da UFSJ e da sociedade em geral. Também é função da Agrobio desenvolver projetos sociais, por meio de ações totalmente filantrópicas em instituições como: creches, escolas públicas, asilos, dentre outros. 4

6 4.8. Especificação da área de atuação: Organizar palestras, dias de campo, seminários, cursos de capacitação profissional, dentre outros eventos na área de atuação da empresa Realizar estudos e elaborar diagnósticos, relatórios e projetos para conseqüente implementação prática nas seguintes áreas: - Administração e otimização de processos de produção agropecuária; - Viveiros de mudas; - Jardinagem e paisagismo; - Suinocultura; - Avicultura; - Bovinocultura de leite e corte; - Apicultura; - Forragicultura; - Minhocultura; - Manejo e conservação de áreas degradadas e matas ciliares; - Controle biológico de pragas e plantas daninhas; - Levantamento de impactos ambientais oriundo do turismo; - Levantamento fitossociológico; - Agricultura orgânica; - Identificação e controle de pragas e doenças de plantas; Amostragem, interpretação de análises de solos e recomendação de adubações e aplicação de corretivos; 4.9. Público Alvo Produtores rurais, cooperativas, associações e empresas demandantes de consultoria dentro da área de atuação da Agrobio, situados na microrregião de São João Del Rei; alunos da UFSJ e sociedade São Joanense em geral Organização e estruturação hierárquica da Agrobio Assembléia Geral: é órgão de deliberação soberano e que exerce poderes decisórios sobre todos os negócios relativos à organização e tomada de decisões convenientes à defesa e desenvolvimento da Agrobio Consultoria Junior, podendo ser Ordinária ou Extraordinária. Para que todas as decisões sejam legitimadas e validadas, é necessário que a assembléia atinja um quorum mínimo de participação de 2/3 dos membros efetivos, que deve ser previamente acordado e comunicado a todos por meio de convocação, conforme mecanismo previsto no Estatuto (Anexo I). Serão nulas as decisões da Assembléia Geral sobre assuntos não incluídos na ordem do dia, a não ser que na Assembléia se encontrem presentes todos os membros efetivos e não haja oposição de qualquer um deles. Sendo a Assembléia Geral Ordinária: Reunir-se-á três vezes ao ano, sendo uma, no mínimo trinta dias antes do fim do exercício da Diretoria Executiva em atividade, para, além das demais matérias 5

7 constantes da pauta, realizar a eleição da nova Diretoria Executiva. Uma, no máximo noventa dias antes do término do ano fiscal, para, além dos demais assuntos cabíveis, aprovação das contas do exercício anterior e a última até noventa dias após o início do ano civil para posse da nova diretoria executiva, definição dos membros integrantes do Conselho de Administração e início das atividades. Sendo a Assembléia Geral Extraordinária: É realizada sem periodicidade pré-determinada. Nela, todo e qualquer assunto poderá ser tratado, desde que incluídos na ordem do dia. Serão convocadas pelo Diretor- Presidente, pela Diretoria Executiva, pelo Conselho de Administração, ou a requerimento de, no mínimo, 2/3 (dois terços) dos membros efetivos da Agrobio Consultoria Junior, com 07 (sete) dias de antecedência à sua realização, mediante divulgação, por meio de edital dirigido a todos os membros efetivos. Conselho de Administração: O Conselho de Administração é o órgão de Orientação, Assessoria e fiscalização da Diretoria Executiva da Agrobio Consultoria Junior, composto por até 13 (treze) membros Colaboradores, sendo especificamente, no máximo: 06 (seis) membros do corpo docente da Universidade Federal de São João Del Rei; 02 (dois) membros do corpo técnico da Universidade Federal de São João Del Rei; 05 (cinco) ex membros efetivos da Agrobio Consultoria Júnior. Os membros a integrarem o Conselho de Administração serão escolhidos pelos membros efetivos da Agrobio Consultoria Junior através de Reunião Extraordinária para este fim. O Presidente do Conselho de Administração deverá ser obrigatoriamente, um Professor da Universidade Federal de São João Del Rei e será denominado Orientador da Agrobio Consultoria Junior, sendo este escolhido pelos membros que o integram, conjuntamente aos membros efetivos da Agrobio Consultoria Junior, em sistema de pleito. É função do Orientador da Agrobio Consultoria Junior, representar a empresa, juntamente ao Diretor-Presidente, sempre que necessário; presidir o Conselho de Administração; defender os interesses da Agrobio Consultoria Junior e bscar meios para o desenvolvimento desta. O Conselho de Administração reunir-se-á, pelo menos uma vez, a cada semestre civil, mediante convocação do Presidente do Conselho ou da Diretoria Executiva, a requerimento de, no mínimo, 2/3 de seus membros. Diretoria Executiva: A Diretoria Executiva é investida nos poderes de administração e representação da Agrobio Consultoria Junior de forma a assegurar a execução de seus objetivos, observando e policiando o Estatuto em vigor e as deliberações da Assembléia Geral e do Conselho de Administração. A Diretoria Executiva será composta por cinco membros efetivos, distribuídos nas áreas de Presidência, Gestão de Pessoas, Administrativo-financeiro, Marketing, Projetos e Qualidade, eleitos pela Assembléia Geral Ordinária designada para tal fim, para mandato de um ano. Será permitida apenas uma reeleição ao mesmo cargo. São funções específicas de cada diretoria: Diretoria da Presidência: é o órgão soberano e representativo da Agrobio, devendo o diretor-presidente zelar pela imagem e o pelo nome da empresa. A diretoria da Presidência se incumbirá de coordenar a Diretoria Executiva, assinar, conjuntamente com o(a) diretor(a) Administrativo-Financeiro, cheques e documentos constitutivos de obrigações; assinar, os editais de convocação das Assembléias dos Conselhos; convocar e presidir as reuniões da Diretoria Executiva e as Assembléias; apresentar à última Assembléia Ordinária do ano civil, em nome da Diretoria, o relatório anual e as 6

8 prestações de contas relativas ao exercício anterior; apresentar à primeira Assembléia Ordinária do ano civil os planos de trabalho e programas para os futuros exercícios; Buscar constantemente formas de parcerias e melhorias para a Agrobio; Diretoria de Marketing: buscar constantemente estratégias e elaborar projetos que visem a promoção da marca Agrobio, tanto dentro da UFSJ como fora; promover uma inter-relação sócio-comercial entre a Agrobio e o potencial mercado consumidor de nossos serviços; promover cursos, mini-cursos, palestras etc. que possam beneficiar tanto os membros da empresa como também os alunos da instituição; buscar patrocínio e parcerias; projetar e desenvolver campanhas publicitárias; realizar pesquisas mercadológicas que visem conhecer aspectos de interesse da empresa. Diretoria de Projetos e Qualidade: elaborar, implementar e fiscalizar a condução dos projetos desenvolvidos pela empresa, garantindo a realização de todo o escopo previsto, o cumprimento dos prazos e custos previamente determinados e a padronização de ações; viabilizar a execução dos projetos junto aos coordenadores e ao Diretor Administrativo-Financeiro; planejar e solicitar a demanda de membros nos projetos; elaborar e fiscalizar Comissões de membros consultores para a realização de projetos; fiscalizar e elaborar planos para a padronização de ações no ambiente de trabalho e freqüência nas reuniões gerais; prezar pela limpeza dos estabelecimentos de trabalho; elaborar e/ou renovar o Regulamento Interno, sempre que se fizer necessário; identificar problemas administrativos e de execuções de trabalhos, estudando possíveis soluções; promover a melhoria contínua dos serviços prestados pela Agrobio; documentar processos internos e de execução de projetos. Diretoria de Gestão de Pessoas: elaboração e execução de Processo Seletivo de novos membros; cadastrar legalmente todos os membros da Agrobio; elaborar estrategicamente atividades que fortaleçam e motivem o trabalho do membro júnior; buscar ferramentas que visem manter um bom relacionamento entre os membros; atentar às necessidades de membros em projetos e redistribuir os membros de forma a suprir a demanda. Diretoria Administrativo-Financeira: são funções substanciais do Diretor Administrativo-Financeiro: substituir o Presidente ou algum Diretor, na falta deste, para fins administrativos, fiscais e de assuntos externos; elaborar as ATAS das Reuniões Gerais e Executivas, e Assembléias Ordinárias e Extraordinárias; manter o Livro de Protocolos de documentos organizado, atualizado e ao alcance de eventuais consultas; controlar e cadastrar o patrimônio da Agrobio, renovando-o sempre que necessário; realizar balanços financeiros mensalmente; fechar o Livro de Caixa anualmente e prestar contas do exercício anterior à Diretoria Executiva; analisar e emitir parecer acerca da viabilidade orçamentária de projetos em todas as esferas da empresa; elaborar e fechar contratos com clientes; quitar dívidas e impostos em tempo hábil. Além dos diretores executivos, serão membros efetivos da Agrobio: Auxiliar Executivo: todos os membros efetivos da Agrobio, admitidos em processo seletivo a ser definido por regulamento próprio, que atuam vinculados diretamente as funções de alguma diretoria executiva. O Auxiliar Administrativo é subordinado ao Diretor Executivo da área na qual atua, devendo auxiliar esse Diretor em todas as atividades de responsabilidade da Diretoria em questão. O Diretor Executivo deverá coordenar e distribuir de forma organizada as funções aos Auxiliares Administrativos e mantê-los informados de tudo que ocorre na diretoria, por meio de reuniões de diretoria previamente divulgadas. O Auxiliar Administrativo goza de direito 7

9 ao voto em qualquer deliberação proposta à Assembléia Geral e à candidatura a Diretoria Executiva, em caso de eleição Gerente de Projetos: membro efetivo, designado pela Diretoria de Projetos para coordenar determinado projeto, sendo este membro, responsável por coordenar e responder por toda a condução do projeto sob sua jurisdição, desde etapa de planejamento até conclusão. Cada Gerente de Projetos será responsável único e exclusivamente pela coordenação do corpo técnico envolvido diretamente no projeto por ele gerenciado. O cargo de Gerente de Projeto deverá ser acumulativo, desempenhado então, por um Diretor Executivo, Auxiliar Executivo ou Consultor de um projeto diferente daquele no qual o membro exerce função de Gerente. Consultor: todos os membros efetivos da Agrobio, admitidos em processo seletivo a ser definido por regulamento próprio, que atuam vinculados diretamente ao corpo técnico de algum projeto. O cargo de consultor será acumulativo, devendo, então, ser exercido por um Diretor Executivo, Auxiliar executivo ou Gerente de um projeto diferente daquele no qual o membro exerce função de Consultor. Além de membros efetivos, a Agrobio poderá ter outras formas de vínculo: Trainees: membro não efetivo, aprovado na primeira etapa do processo seletivo da Agrobio que encontra-se em período de experimentação, adaptação e treinamento, onde será avaliado de forma constante e criteriosa, a fim de identificar sua disposição ou não de compor o quadro fixo da Agrobio. Após um período de 180 dias a comissão responsável pela avaliação dos candidatos do processo seletivo avaliará a inserção ou não desse membro no corpo técnico da empresa. Trainees também poderão ser promovidos a membros efetivos, por merecimento, devido a um desempenho satisfatório, reconhecido pela comissão avaliadora responsável. Membro colaborador: toda pessoa física ou jurídica que, interessada na interação e na difusão dos serviços prestados pela Agrobio Consultoria Junior, preste relevantes serviços para o desenvolvimento doe seus objetivos. Estes, serão membros colaboradores, durante todo o desenvolvimento do projeto e após o término deste terão direito a certificação pelo serviço prestado. Membro voluntário: aluno de curso de nível superior ou técnico, que não seja membro efetivo e esteja desenvolvendo alguma atividade na Agrobio Consultoria Junior sob forma de voluntariado a ser regulamentado por regimento próprio. Membros Honorários Eméritos: são ex-membros efetivos que prestaram algum serviço de alta relevância à Agrobio. O título de Membro Honorário Emérito é uma forma de premiação e homenagem, sendo necessária a indicação do nome do exmembro por unanimidade pela Diretoria Executiva e posteriormente encaminhada a solicitação para aprovação da Assembléia Geral. 8

10 4.11. Organograma Assembléia Geral Diretoria da Presidência Conselho de Administração Diretoria de Marketing Diretoria de Projetos e Qualidade Diretoria de Gestão de Pessoas Diretoria Administrativa Financeira Auxiliar Executivo Gerente de Projeto Auxiliar Executivo Auxiliar Executivo Auxiliar Executivo Consultor Forma de Ingresso Será por meio de processo seletivo organizado pela Diretoria de Gestão de Pessoas, definido por regulamento próprio, especificado em edital e divulgado com a devida antecedência, sendo este aberto alunos de todos os cursos da Universidade Federal de São João Del Rei que atendam os perfis das vagas requisitadas pela Agrobio Diretoria Executiva pro tempore Dentre os membros proponentes, será definida e constituída uma Diretoria Executiva inicial e temporária, que ficará a cargo de organizar a criação, legalização e início dos trabalhos da Agrobio, sendo esta Diretoria, responsável ainda, pela realização do primeiro Processo Seletivo de novos membros e da realização da eleição da Primeira Diretoria Executiva. 5. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES ATIVIDADE (trimestre) º 3º 4º 1º 2º 3º 4º Registro e legalização da Agrobio x x Estudo de demanda local e planejamento inicial de marketing x x Planejamento e implantação de projetos x x x x x x Processo seletivo de novos membros x x Eleição da diretoria executiva x x Concretização de parcerias x x x x x x x Realização de cursos e eventos x x x x x x 9

11 6. MATERIAIS 6.1. Recursos Humanos A equipe inicial, proponente da criação da Agrobio Consultoria Junior é composta por seis discentes de diferentes cursos de graduação da UFSJ e dois docente do Departamento de Zootecnia da UFSJ Discentes envolvidos Caio Rodrigues Monteiro Graduando em Engenharia de Produção na UFSJ, desde White Belt Lean Seis Sigmas pela Voitto Treinamento e Desenvolvimento, Técnico em Agropecuária pela Escola Agrotécnica Federal de Barbacena, Experiência em Empresas Juniores: Trabalhou de na Agrotec Junior Consultoria, desempenhando função de Consultor de Projetos, 2006; Diretor de Projetos, 2007; Diretor-Presidente, Setor de Desenvolvimento e Marketing do Projeto equipe komiketo de Baja-SAE da UFSJ, 2009/2010. Outras experiências profissionais: Técnico em agropecuária da UFSJ, desde jan/2011. Ewerton Dilelis Ferreira Graduando em Engenharia Agronômica na UFSJ, desde 2010, Técnico em Agropecuária pela Escola Agrotécnica Federal de Barbacena, Experiência em Empresa Júnior: Atuou na Agrotéc Júnior Consultoria de desempenhando a função de consultor de projetos, 2008 e Diretor de projetos, Experiência trabalhando como técnico a área de irrigação, em Pará de Minas, Miguel Graduando em Engenharia Agronômica na UFSJ, desde Técnico em Agropecuária pela Escola Agrotécnica Federal de Barbacena, Experiência empresarial: Estagiou no Centro de Pesquisa AGRO TECH, 2008; Atuou na organização do AGRO TECH FIELD DAY, 2008; Trainee pela Agro Suport Tecnologia em Irrigação, onde se qualificou em irrigação, 2008 e trabalhou como vendedor, gerente-administrativo e auxiliar técnico em projetos de irrigação, Otieres Cismino de Carvalho Graduando do curso de Ciências Biológicas, desde 2008; Técnico em Agropecuária e Agroindústria pela Escola Agrotécnica Federal de Rio Verde GO, 2000; Experiências profissionais: Técnico em controle de qualidade, 2002; Técnico de operações ferroviárias, Sílvia Dornelas Novais Graduando do curso de Zootecnia, desde Recursos Materiais Recursos iniciais necessários ao início dos trabalhos da Agrobio Consultoria Junior: Materiais Permanentes DESCRIÇÃO QUANT. JUSTIFICATIVAS Computadores 03 Armazenar e editar arquivos em geral Impressora 01 Impressão de documentos necessários Mesa, 6 lugares 01 Realização de reuniões Cadeiras 06 Compor a mesa de reunião Mesa com gaveta 03 Colocar computador e guardar documentos Arquivo 01 Armazenar documentos arquivados 10

12 DESCRIÇÃO QUANT. JUSTIFICATIVAS Armário 01 Armazenar material didático e documentos Telefone (aparelho) 01 Entrar em contato com clientes e n de referencia Mural de tapume 01 Quadro de avisos e eventos Quadro (Giz ou pincel) 01 Quadro para exposição de idéias e controle Grampeador 01 Necessidade de escritório em geral Tesoura 02 Necessidade de escritório em geral Régua 02 Necessidade de escritório em geral Materiais de Consumo DESCRIÇÃO QUANT. JUSTIFICATIVAS Pacote de folha A4 04 Necessidades corriqueiras de registro Cartuchos de tinta 02 Reposição de tinta a impressora Livro de atas 01 Confecção das atas de reuniões Livro caixa 01 Registro do balanço de caixa Bloco de recibos 01 Emitir recibos de serviços prestados Caixa de alfinete 01 Fixação de documentos no mural de tapume Tubo de cola 02 Necessidade de escritório em geral Caixa de clips 03 Necessidade de escritório em geral Caixa de grampos 03 Necessidade de escritório em geral Caixa de canetas 01 Necessidade de escritório em geral Caneta ou giz para quadro 03 Necessidade de escritório em geral Fita adesiva 02 Necessidade de escritório em geral Serviços DESCRIÇÃO QUANT. JUSTIFICATIVAS Telefone (ramal) 01 Entrar em contato com clientes e n de referencia Internet - Acesso a s e consultas em geral 7. DIFUSÃO DE TECNOLOGIA Os cursos e trabalhos desenvolvidos serão divulgados por meio de boletins, jornais, noticiários locais, telejornais e outros veículos de divulgação. A participação dos alunos será sempre estimulada através de exposição da importância de se participar de uma Empresa Junior. 8. POTENCIAIS APOIADORES DO PROJETO EPAMIG; EMATER; Grupo Voçorocas; HERINGER; SENAR; SEBRAE; IEF; Prefeitura Municipal de São João Del Rei; FLONA; Banco do Brasil; SICOOB; CEMIG; IMA; Grupo de Estudos NATIVA. 11

13 9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL JUNIOR. Conceito Nacional de Empresa Júnior. Confederação Brasileira de Empresas Juniores. São Paulo, s/data. CUNHA, F. A. G. DNA Júnior. Diretoria de Desenvolvimento Confederação Brasileira de Empresas Juniores. Brasília, s/data. PELEGRINE, D. F; SIMÕES, J. C. Avaliação socioeconômica da microrregião de são João Del Rei MG. Anais do 48 Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural. Campo Grande,

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

DESCRITIVO DE CARGOS. Diretor Presidente

DESCRITIVO DE CARGOS. Diretor Presidente Experiência mínima requerida: Acessor de Departamento Diretor de Departamento Competências Específicas: DESCRITIVO DE CARGOS Diretor Presidente Humildade Respeito Companheirismo Senso de justiça com bases

Leia mais

APRESENTAÇÃO FAAR JUNIOR CONSULTORIA

APRESENTAÇÃO FAAR JUNIOR CONSULTORIA FAAR JUNIOR CONSULTORIA INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO FAAR FACULDADE DE ARAÇATUBA Rua: Sarjob Mendes, 244 Bairro: Icaray Telefone: (18) 3636-7610 Araçatuba São Paulo APRESENTAÇÃO FAAR JUNIOR

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas REGIMENTO INTERNO Este documento regula as relações entre os membros do Arranjo Produtivo Local ( APL) de Software do Oeste Paulista em conformidade com as seguintes normas: Art.1º - Visão e Objetivo O

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Conforme texto publicado no Boletim de Serviço nº 047 de 18/04/2005 páginas 05 a 11 REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Seção I Da criação

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR Capitulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A associação civil tem com a denominação social: FAI JÚNIOR, e como o titulo do estabelecimento a expressão

Leia mais

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Capítulo 1. Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1º A Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano

Leia mais

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto.

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto. Estatuto da Liga de Cirurgia da Universidade Federal de São Carlos. 08/05/2013 Da Disposição Geral Sobre a Liga de Cirurgia da UFSCar Art. 1 - A Liga de Cirurgia da UFSCar é uma instituição acadêmica,

Leia mais

Júnior. Guia informativo

Júnior. Guia informativo Empresa Júnior Guia informativo O que é e como funciona uma Empresa Júnior (EJ) As empresas juniores são constituídas pela união de alunos matriculados em cursos de graduação em instituições de ensino

Leia mais

NÚCLEO ESTUDANTIL DO CREA-MG JÚNIOR DE SÃO JOÃO DEL-REI CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE DO CREA-MG JÚNIOR

NÚCLEO ESTUDANTIL DO CREA-MG JÚNIOR DE SÃO JOÃO DEL-REI CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE DO CREA-MG JÚNIOR CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE DO CREA-MG JÚNIOR Art. 1º - O Núcleo Estudantil do CREA-MG Júnior de São João del-rei ou CREA-MG Júnior de São João del-rei é serviço público, com sede na jurisdição

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA REGIMENTO INTERNO DA FEPISA Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ILHA SOLTEIRA - FEPISA, além das disposições constantes de seu Estatuto, fica sujeita às determinações deste Regimento

Leia mais

Consenso - Empresa Júnior de Direito da Universidade Federal de Viçosa

Consenso - Empresa Júnior de Direito da Universidade Federal de Viçosa EDITAL DE SELEÇÃO Nº 01/2012 Edital de seleção de trainees Consenso - Empresa Júnior de Direito da Universidade Federal de Viçosa A Consenso, Empresa Júnior de Direito da Universidade Federal de Viçosa,

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS ESTATUTO SOCIAL DA FIAMA EMPRESA JÚNIOR AMAMBAI MS 2010 FIAMA -Empresa Júnior Rua Padre Anchieta, 202 Amambai-MS 2 EMPRESA JUNIOR Visando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 44, DE 24 DE ABRIL DE 2015. (ALTERADA PELA DELIBERAÇÃO PLENÁRIA Nº 55, DE 17 DE JULHO DE 2015)

DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 44, DE 24 DE ABRIL DE 2015. (ALTERADA PELA DELIBERAÇÃO PLENÁRIA Nº 55, DE 17 DE JULHO DE 2015) DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 44, DE 24 DE ABRIL DE 2015. (ALTERADA PELA DELIBERAÇÃO PLENÁRIA Nº 55, DE 17 DE JULHO DE 2015) Institui o Colegiado Permanente de Entidades de Arquitetos e Urbanistas de Santa Catarina

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros.

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros. REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE A UNOESTE, em cumprimento ao disposto na Lei Federal 11794 de 08 de outubro de 2008, na Resolução do CFMV

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

Edital do Processo Seletivo 2015

Edital do Processo Seletivo 2015 Edital do Processo Seletivo 2015 A Diretoria de Recursos Humanos da EJEAmb Empresa Júnior de Engenharia, composta por Cássia Vieira de Oliveira, Leonardo Alfredo Handy Bevilacqua, Letícia Teixeira de Castro

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA. Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA. Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração A Associação adota a denominação INOVA-RIA: Associação de Empresas para uma Rede de Inovação em Aveiro e

Leia mais

CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR

CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR Capítulo I Da definição Artigo 1º - O Conceito Empresa Júnior é a definição utilizada para determinar as organizações que se caracterizam ou não como Empresa Júnior.

Leia mais

Estatuto Social do Centro Acadêmico do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Juiz de Fora

Estatuto Social do Centro Acadêmico do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Juiz de Fora Estatuto Social do da Universidade Federal de Juiz de Fora CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FORO E FINALIDADE Art. 1º O da Universidade Federal de Juiz de Fora, doravante denominado, é uma associação,

Leia mais

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos,

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, sendo um grupo de Diretores Administrativos e um grupo

Leia mais

ESTATUTO GERAL DO GRUPO PET PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL MATERIAIS E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

ESTATUTO GERAL DO GRUPO PET PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL MATERIAIS E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI ESTATUTO GERAL DO GRUPO PET PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL MATERIAIS E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI O Programa de Educação Tutorial (PET) Materiais e Inovação Tecnológica,

Leia mais

Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno

Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno Das finalidades: Art. 1º O presente Regimento Interno contém as normas

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

EDITAL 001/2015 EMPRESA JÚNIOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

EDITAL 001/2015 EMPRESA JÚNIOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL 001/2015 EMPRESA JÚNIOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ASSESSORES JUNHO 2015 A CHRONOS JR - EMPRESA JÚNIOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, nos termos do Estatuto da Empresa Júnior do

Leia mais

EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1

EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1 EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1 PACHECO, Jean Alves 2 ; CARDOSO, Fernando Assunção 3 ; YAMANAKA, Lie 4 Palavras-chaves: Empresa Júnior, extensão,

Leia mais

Prepare-se para uma viagem em

Prepare-se para uma viagem em Prepare-se para uma viagem em que você poderá:. conhecer diversas culturas e perspectivas,. desenvolver novas competências,. participar de uma organização estadual,. obter uma rede de contatos diferenciada,

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

Estatuto da Associação. de Assistência ao Adolescente CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS

Estatuto da Associação. de Assistência ao Adolescente CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Estatuto da Associação de Assistência ao Adolescente CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Art. 1º A Associação de Assistência ao Adolescente, associação civil sem fins lucrativos, fundada e instalada

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE Referente ao Projeto de Lei Complementar n. º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE 2007. Publicada no Diário Oficial do Estado nº 4073, de 20.08.07 Autor: Deputado Jorge Amanajás Autoriza

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS Capítulo I Da denominação e sede Art. 1º A Associação dos Amigos do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. I. Capítulo - Denominação, Sede, Finalidade, Duração.

ESTATUTO SOCIAL. I. Capítulo - Denominação, Sede, Finalidade, Duração. Página 1 de 8 I. Capítulo - Denominação, Sede, Finalidade, Duração. ARTIGO 1 - A EJ ESTÁCIO, Associação dos acadêmicos da Faculdade Estácio de Sá de Goiás. É uma associação civil, sem fins lucrativos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA CATARINA CONGESC

CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA CATARINA CONGESC CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA CATARINA CONGESC Regimento Interno CAPÍTULO I - Da Denominação, Natureza, Sede e Duração Art. 1º. O CONSELHO DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA DE SANTA

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE

ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE Capítulo I - Da liga e seus fins Art. 1 - A Liga de Cirurgia Pediátrica, a seguir designada LACIPE,

Leia mais

EDITAL 001/2011 EMPRESA JÚNIOR DE ENGENHARIA DE MATERIAIS PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ASSESSORES

EDITAL 001/2011 EMPRESA JÚNIOR DE ENGENHARIA DE MATERIAIS PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ASSESSORES EDITAL 001/2011 EMPRESA JÚNIOR DE ENGENHARIA DE MATERIAIS PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ASSESSORES ABRIL 2011 A CEMEPOL - EMPRESA JÚNIOR DE ENGENHARIA DE MATERIAS, nos termos do Estatuto da Empresa Júnior de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

EDUFOR SERVIÇOS EDUCACIONAIS LTDA FACULDADE EDUCACIONAL FORTALEZA EDUFOR CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO

EDUFOR SERVIÇOS EDUCACIONAIS LTDA FACULDADE EDUCACIONAL FORTALEZA EDUFOR CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO EDUFOR SERVIÇOS EDUCACIONAIS LTDA FACULDADE EDUCACIONAL FORTALEZA EDUFOR CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PROJETO DO CENTRO DE EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO CEI 2013 1. APRESENTAÇÃO Ciente da necessidade

Leia mais

III- lutar por uma universidade autônoma, democrática e participativa, que cumpra suas funções acadêmicas e político-sociais;

III- lutar por uma universidade autônoma, democrática e participativa, que cumpra suas funções acadêmicas e político-sociais; ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO RUY BARBOSA (Faculdade de Direito-UFBA) TÍTULO I DA ENTIDADE Capítulo I Da Natureza Jurídica Art.1º O Centro Acadêmico Ruy Barbosa (CARB), fundado em 25 de Outubro de 1999,

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ÍNDICE. CAPÍTULO I Da Sede. CAPÍTULO II Dos objetivos e finalidades. CAPITULO III Da estrutura organizacional básica

REGIMENTO INTERNO ÍNDICE. CAPÍTULO I Da Sede. CAPÍTULO II Dos objetivos e finalidades. CAPITULO III Da estrutura organizacional básica REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião dos Conselhos de Administração e Fiscal da ASSOCIAÇÃO DE TRANSPORTE DO NORTE CATARINENSE ASTRAN, inscrita no CNPJ n 10.437.997/0001-03, realizada em São Bento do Sul,

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

Associação de Estudantes

Associação de Estudantes DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ESCALADA, PAMPILHOSA DA SERRA Ano Letivo 2014/2015 Associação de Estudantes Objetivos A. Representar

Leia mais

FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS ESTATUTO SOCIAL

FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS ESTATUTO SOCIAL FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS FACJÚNIOR EMPRESA JÚNIOR DA FACCCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I, DENOMINAÇÃO, SEDE,

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO TIME ENACTUS FACAMP

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO TIME ENACTUS FACAMP Título I - Da Entidade Art. 1 - A Associação Time ENACTUS FACAMP (doravante denominado Time ENACTUS FACAMP), fundada em 04 de Outubro de 2012, associação civil, sem fins lucrativos, apartidária, de tempo

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas,

Leia mais

Presidência. 1. Cargo Diretor-Presidente. 2. Hierarquia 1º Nível. 3. Atividades desenvolvidas:

Presidência. 1. Cargo Diretor-Presidente. 2. Hierarquia 1º Nível. 3. Atividades desenvolvidas: Presidência 1. Cargo Diretor-Presidente 1º Nível : Representar a INOVATECH perante órgãos internos e externos da UEM Coordenar reuniões gerais e de diretoria executiva Coordenar e acompanhar o planejamento

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 05/2015 Cria a Superintendência de Comunicação Social (SCS) da UFPB, Órgão Auxiliar vinculado à Reitoria da UFPB

Leia mais

Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente

Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente Regulamento do Programa de Capacitação Técnica em Ciências

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS MARANHENSE DE IMPERATRIZ- FAMA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS MARANHENSE DE IMPERATRIZ- FAMA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS MARANHENSE DE IMPERATRIZ- FAMA CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art 1º O presente Regimento disciplina a organização, o funcionamento

Leia mais

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS Art. 1 - O Núcleo de Medicina Interna dos Hospitais Distritais, também designado abreviadamente por N. M. I. H. D., é uma Associação sem fins lucrativos

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Campus Osasco REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO DO CAMPUS OSASCO DA UNIFESP

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Campus Osasco REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO DO CAMPUS OSASCO DA UNIFESP REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO DO CAMPUS OSASCO DA UNIFESP Dispõe sobre as atribuições da Câmara de Graduação do da UNIFESP, sua composição e condução dos trabalhos. DA NATUREZA Artigo 1. A Câmara

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO POLITICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PNH

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO POLITICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PNH MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO POLITICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PNH GRUPO DE TRABALHO DE HUMANIZAÇÃO DO HOSPITAL INFANTIL JOANA DE

Leia mais

No Bugs Empresa Júnior de Informática

No Bugs Empresa Júnior de Informática No Bugs Empresa Júnior de Informática Ciência da Computação Universidade Federal de Viçosa. O que é Empresa Júnior Empresa sem fins lucrativos. Administrada por estudantes de graduação. Permite aplicar

Leia mais

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Capítulo I - Título, sede. Capítulo II - Finalidades da Liga de Diabetes. Capítulo III - Dos membros: direitos; deveres; código disciplinar. Capítulo IV - Dos órgãos

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE PESQUISA - CEPESq PROF. PASQUALE CASCINO

REGIMENTO DO CENTRO DE PESQUISA - CEPESq PROF. PASQUALE CASCINO REGIMENTO DO CENTRO DE PESQUISA - CEPESq CAPÍTULO I DA SEDE E FORO Artigo 1º - O CENTRO DE ENSINO E PESQUISA CEPESq PROF. PASQUALE CASCINO com sede e foro na cidade de São Paulo, à Avenida João Dias, 2046

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

1. Introdução. 2. Conceito Nacional de Empresa Júnior

1. Introdução. 2. Conceito Nacional de Empresa Júnior UÇÃOINTROUÇÃO 1. Introdução O Conceito Nacional de Empresa Júnior é talvez o documento mais importante que o MEJ produziu em seus quinze anos de existência. Ele foi elaborado com a finalidade de definir

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO 1. O Comitê de Inovação (o "Comitê") é um órgão colegiado de assessoramento e instrução, instituído pelo

Leia mais

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas (IQUANTA) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Art. 1º - O Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas,

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1 - A Comissão de Ética no Uso de Animal da Universidade Federal do Pampa (Unipampa/CEUA),

Leia mais

"DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta "DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO Este Regimento Interno dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

Sítio de Sons Associação Cultural

Sítio de Sons Associação Cultural Sítio de Sons Associação Cultural Estatutos * CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e afins) Artigo primeiro (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável e duração) UM A Associação adopta

Leia mais