Manual de Gestão Revisão 12

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Gestão Revisão 12"

Transcrição

1 Manual de Gestão Revisão 12

2 Secretaria Regional de Educação Direção Regional de Qualificação Profissional M T Estrada Comandante Camacho de Freitas Funchal (+352) (+351) DirecaoRegionalDeQualificacaoProfissional

3 Manual de Gestão 12 3

4 Introdução O presente Manual de Gestão descreve como o Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) da Direção Regional de Qualificação Profissional (DRQP), satisfaz as disposições da Norma NP EN ISO 9001:2008 e da legislação aplicável à sua atividade. O Sistema de Segurança Alimentar está descrito no Manual de HACCP, onde estão especificados os requisitos do próprio sistema e o modo como a DRQP os cumpre. O sistema de segurança de informação é suportado pelas normas específicas, elaboradas para descrever os respetivos procedimentos. Os compromissos no domínio da Qualidade e o modo concreto de os satisfazer, assumidos pela DRQP de acordo com as disposições do Manual de Gestão, traduzem-se na aplicação sistemática do ciclo PDCA (sigla em inglês plan, do, check, act, que quer dizer, planear, fazer, verificar e agir) de forma a assegurar que os meios humanos e materiais, promovem a confiança de que os serviços prestados satisfazem as necessidades dos clientes e os requisitos legais aplicáveis. As disposições do SGQ são seguidas pelos Colaboradores da DRQP aquando prestação de serviços aos Clientes/Utentes e na realização de outras tarefas e responsabilidades que lhes estejam atribuídas e que estejam abrangidas pelas disposições do SGQ. A Diretora Regional é a primeira responsável por fazer cumprir as disposições do SGQ da DRQP. A diretora regional delega na chefe de divisão e Gestora da Qualidade, Dra. Sibila Costa, a responsabilidade e a autoridade pela implementação, manutenção e dinamização de ações de melhoria do sistema de gestão da qualidade da DRQP. Periodicamente os dirigentes, reveem as disposições do SGQ de modo a que se mantenham as condições necessárias à melhoria contínua do desempenho da DRQP e à satisfação dos seus clientes e partes interessadas. O manual está estruturado da seguinte forma: apresentação da organização e do contexto, campo de aplicação dos requisitos da norma, a nossa Missão, Visão, Valores, Política, Mapa de Processos e a Matriz de Correlação, entre o SGQ e as cláusulas da norma, e a orgânica. As disposições do Manual de Gestão entram de imediato em vigor e serão verificadas aquando da revisão do SGQ e/ou sempre que a Diretora Regional considere necessário. Após a sua aprovação este é atualizado no sistema informático, sendo de imediato retirada a revisão obsoleta. Os serviços são informados da nova revisão do Manual. 4

5 Índice 5

6 1 Apresentação da DRQP 1.1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A DRQP é um organismo público dotado de autonomia administrativa, que se encontra sob a tutela da Secretaria Regional da Educação e Recursos Humanos. É um organismo dirigido por uma diretora regional, sendo a organização interna dos serviços composta segundo o modelo de estrutura hierarquizada, conforme previsto no Decreto Regulamentar Regional n.9/2012 /M de 21 de junho, que aprova a estrutura orgânica desta direção regional. A Portaria nº 101/2012, de 06 de agosto aprovou a estrutura nuclear da DRQP e o despacho nº 41/2012, de 28 de setembro da Secretaria Regional da Educação e Recursos Humanos aprovou as unidades orgânicas, através das quais são asseguradas as atividades de prestação de serviços, bem como as atividades de suporte. Junto da DRQP funciona ainda, o conselho administrativo. O organigrama é apresentado no capítulo 8 deste Manual. 1.2 LOCALIZAÇÃO A DRQP situa-se na Estrada Comandante Camacho de Freitas, Santo António, a 4 Km do Funchal, não tendo assim serviços descentralizados. 1.3 MAPA DE PESSOAL A DRQP conta com 124 colaboradores, distribuídos pelas várias categorias, nomeadamente, Técnicos Superiores, Docentes, Assistentes Técnicos e Operacionais e Monitores de Formação. 6

7 1.4 HISTORIAL DA DRQP Até 1967, a formação profissional na Região era praticamente inexistente, resumindo-se a algumas ações de carácter pontual, normalmente realizadas pelas maiores estruturas empregadoras da Região. Com o surgimento, em 1967, da Escola Bastos Machado foi criada a primeira estrutura física de formação da Região. Nesta escola foram ministrados cursos de curta duração com uma estrutura limitada formando apenas jovens na área da Hotelaria e Turismo. Em 1976, por força da Instauração do regime autonómico, foram transferidas para a Região competências nas áreas do Emprego e Formação Profissional. Tratou-se de um marco histórico, com repercussões determinantes a curto prazo. No mês de outubro de 1979 foi então inaugurado o Centro de Formação Profissional da Madeira que, numa fase inicial, tinha capacidade para formação qualificante de jovens nas áreas de Construção Civil, bem como reciclagem e aperfeiçoamento em diversas áreas, nomeadamente serviços. Em 1988, iniciou-se a Formação em regime de alternância, primeiro sistema que aliava a Educação à Formação. Por força dos apoios consignados no primeiro Quadro Comunitário de Apoio Programa Operacional Plurifundos para a R.A.M no (QCA I PO- PRAM I), verificou-se, a partir de 1990, o grande salto quantitativo neste domínio. Foram postos à disposição da Região, pela Comunidade Europeia, importantes recursos financeiros que operacionalizaram um plano integrado de desenvolvimento, tendo permitido uma substancial intensificação do desenvolvimento socioeconómico, em que a Formação Profissional assumiu um papel nuclear. Posteriormente, o POPRAM II ( ) trouxe a integração de todos os Programas de Formação Profissional, o qual, aliado a um reforço de verbas, promoveu notórias melhorias funcionais e operacionais para a RAM, com repercussões significativas na estrutura de qualificações da Região. Em 1997, a DRQP vê as suas atribuições enriquecidas com o arranque da certificação profissional, inicialmente com a certificação profissional de formadores, e a partir de 2004, com as restantes áreas profissionais. Neste 7

8 mesmo ano, iniciou-se também, a homologação de ações de formação e a certificação das entidades formadoras. Pretendia-se com estas novas vertentes, melhorar a qualidade da formação e aumentar a transparência das qualificações profissionais na RAM Com o início do QCA III, perspetivou-se um novo ciclo de desenvolvimento no nosso país, designadamente para o período , e sobretudo na Região Autónoma da Madeira, atendendo às características próprias de uma Região ultra-periférica. Desta forma os domínios da Educação e Formação, nomeadamente no que concerne ao âmbito de atuação do F.S.E. foram compatibilizados com o modelo de desenvolvimento da Região, consubstanciado no Plano de Desenvolvimento Regional através do Programa POPRAM III, assim como, em consonância com as orientações da União Europeia relativas à ação do F.S.E, sendo dada prioridade às políticas de Emprego. Toda esta dinâmica veio, não só, introduzir melhorias significativas na estrutura de qualificações da Região, como também constituir o principal instrumento para a criação de hábitos que instituem a Formação e a própria Educação, como vetores essenciais de desenvolvimento. Neste contexto a DRQP, como entidade gestora do Programa POPRAM III, ajustou a sua atuação no sentido de empreender ações que potenciassem as condições para que aquelas políticas essenciais se pudessem efetivamente concretizar, sempre numa perspetiva diligente relativamente à antecipação do futuro Em 2005, a DRQP foi a primeira entidade pública do país, ligada à Educação e Formação Profissional, a receber a certificação do seu SGQ, na globalidade das suas atribuições, de acordo com a norma NP EN ISO 9001:2000, entretanto renovado de acordo com a NP EN ISO 9001:2008. A DRQP pretendia ver reconhecidos, externamente, o empenho e a dedicação demonstrados diariamente por todos os colaboradores na gestão das atividades designadas, bem como o interesse em alcançar a satisfação das necessidades e expectativas de todos os cidadãos que à direção regional se deslocavam. No mês de novembro de 2006 inaugurou-se o Centro Novas Oportunidades. A sua missão, bem como a de todos os Centros era a de assegurar, a

9 todos os cidadãos maiores de 18 anos, uma oportunidade de qualificação e certificação, de nível básico ou secundário, adequada ao seu perfil e necessidades No âmbito do QREN (2007/2013), a DRQP constituiu-se como organismo intermédio do Eixo 1 Educação e Formação do Programa Rumos. A partir de 2010, a DRQP passou a dispor de um instrumento de medição dos objetivos estratégicos e operacionais, Estrutura do SIADAP-RAM1, através do qual é avaliado o desempenho do serviço. Em novembro de 2010, a DRQP certificou o seu Sistema de Segurança Alimentar - HACCP, de acordo com Codex Alimentarius Código de Boas Práticas Internacionais Recomendadas, mérito alcançado após vários anos de implementação de boas práticas nesta área, tendo as mesmas sido controladas por auditorias externas e reconhecidas através da atribuição, pela entidade certificadora, do Selo de Controlo Alimentar Em 2012, a DRQP absorveu a coordenação regional dos Centros Novas Oportunidades, sendo as orientações emitidas pela Agência Nacional para a Qualificação e Ensino Profissional (ANQEP), e pela tutela (Secretaria Regional da Educação e Recursos Humanos SRE). A responsabilidade da coordenação seria a de transmitir essas orientações a todos os CNO`s da RAM. No âmbito do Sistema de Regulação de Acesso a Profissões (SRAP), entre os vários diplomas legais que foram revogados encontra-se a legislação relativa à emissão de Certificados de Aptidão Profissional (CAP) e Carteiras Profissionais. A Direção Regional de Qualificação Profissional deixa de ser a entidade certificadora para as seguintes áreas: Construção Civil e Obras Públicas, Indústria Gráfica, Madeiras e Mobiliário, Metalurgia e Metalomecânica, Serviços Administrativos e Serviços Pessoais - Penteado e Estética. A DRQP continua a ser a entidade certificadora para a certificação de Competências Pedagógicas de Formador (CCP) e é a entidade que autoriza/homologa os cursos de Formação Pedagógica Inicial de Formador, atividades regulamentadas pela Portaria nº 214/2011, de 30 de Maio. Em dezembro foram extintos os Centros Novas Oportunidades da RAM. Em janeiro é autorizado o funcionamento do Centro para a Qualificação e o Ensino Profissional da DRQ, cuja organização e respetivo funcionamento seguem os trâmites da Portaria nº 135/A/2013 de 28 de março. 9

10 2 Responsabilidade e Atribuições da Direção Regional de Qualifição Profissional Atendendo ao Decreto Regulamentar Regional n.9/2012 /M de 21 de Junho, a DRQP prossegue as seguintes atribuições: a) Promover e desenvolver ações no âmbito das diversas modalidades de formação profissional; b) Contribuir para a definição da política de qualificação profissional e para a elaboração da respetiva legislação; c) Recolher, analisar e facultar informação sobre as necessidades de qualificação e promover a sua discussão com vista à definição das prioridades de intervenção neste setor; d) Propor programas integrados de formação profissional, tendo em conta a situação e perspetivas do mercado de emprego e as características dos grupos socioprofissionais prioritários; e) Promover a certificação de entidades formadoras sedeadas na Região, nos termos das normas e regulamentação aplicáveis; f) Autorizar o funcionamento e acompanhar os cursos de formação inicial pedagógica e o acesso à certificação profissional na área da educação e formação; g) Definir e orientar políticas relativas ao sistema de reconhecimento, validação e certificação de competências na Região Autónoma da Madeira; ca das ações de formação profissional; l) Proceder à divulgação das possibilidades de financiamento do Fundo Social Europeu (FSE); m) Garantir a gestão dos assuntos do FSE, no âmbito das competências atribuídas nesta matéria; n) Definir metodologias e padrões de certificação, avaliação e validação técnico-pedagógica dos sistemas de formação, de forma contínua, sistemática e global; o) Participar e promover o intercâmbio de formas de cooperação e colaboração, bem como outro tipo de relações com outras entidades regionais, nacionais e internacionais em matérias da sua competência; p) Colaborar com a Direção Regional de Educação (DRE) nas ações profissionalizantes e de informação e orientação escolar; q) Gerir e autorizar em articulação com a DRE a oferta formativa de educação e formação inicial na RAM; r) Gerir e autorizar o funcionamento dos cursos de aprendizagem na RAM; h) Promover processos de reconhecimento, validação e certificação de competências, a nível escolar e/ou profissional, na sua área de atuação; i) Assegurar a implementação e o desenvolvimento do Sistema Nacional de Qualificação na RAM no âmbito das suas competências; s) Representar os interesses regionais de acordo com as competências inerentes à DRQP, designadamente em matérias de qualificação, formação e certificação profissional e FSE; t) Colaborar com as entidades competentes, no âmbito do rendimento social de inserção; 10 j) Promover e desenvolver o Sistema de Acesso a Profissões (SRAP) na RAM; k) Promover e implementar sistemas de auditoria e validação da qualidade da formação profissional e assegurar a sua representação em equipas de acompanhamento e avaliação técnico-pedagógi- u) Organizar o campeonato regional das profissões e promover a participação da Região nos campeonatos nacionais e internacionais das profissões; v) Elaborar estudos e prestar apoio técnico sobre assuntos da sua área de intervenção.

11 3 Contexto organizacional 3.1 MISSÃO Gerir de forma legal e racional os recursos disponíveis; É nossa missão: assegurar a execução da política regional definida pelo Governo Regional para o sector da Qualificação, Formação e Certificação profissional e para a gestão do Fundo Social Europeu, no âmbito das competências atribuídas nesta matéria. Promover todos os serviços que o contexto permitir; Atender cordialmente quem nos procura; Facilitar o acesso aos serviços; Desenvolver relações de entreajuda; 3.2 VISÃO Ser reconhecida como organização de excelência, a nível europeu, em todas as vertentes dos serviços da Direção Regional de Qualificação Profissional. 3.3 VALORES Competência; Criatividade; Espírito de Equipa; Ética Profissional; Otimismo; Responsabilidade. Orientar/analisar/encaminhar profissionalmente os processos; Inovar as práticas de trabalho; Preservar a imagem da DRQP. 3.5 PRINCIPAIS CLIENTES E PARCEIROS Atendendo à missão que esta direção regional prossegue, os principais clientes e parceiros são: Na área da Formação Profissional, são clientes da DRQP: os jovens a partir dos 15 anos de idade com o 9º ano de escolaridade completo e que pretendam concluir o ensino secundário e/ou obter uma qualificação profissional; os adultos com idade superior a 18 anos e que pretendam concluir o ensino básico ou secundário e obter uma qualificação profissional; 3.4 POLÍTICA DA QUALIDADE Prestar um excelente serviço a todos os interessados, de forma responsável, transparente, racional e eficaz. Para concretizar a política definiram-se orientações a ter em conta no desenvolvimento das atribuições da DRQP: Os adultos encaminhados pelos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional; Os adultos com percursos formativos de nível secundário incompletos que pretendem ter acesso a modalidades especiais de conclusão do nível secundário de educação e respetiva certificação; Os ativos que procuram uma formação de reciclagem na área dos serviços pessoais (cabeleirei- 11

12 ro e estética): e ainda os adultos que pretendem aprofundar as suas competências profissionais e relacionais, tendo em vista o exercício de uma ou mais atividades profissionais, uma melhor adaptação às mutações tecnológicas e organizacionais e o reforço da sua empregabilidade. Nesta área, a DRQP conta com os seguintes parceiros: empresas que colaboram na componente da Formação Prática em Contexto de Trabalho (FPCT); IEM - Instituto de Emprego da Madeira; IEFP - Instituto de Emprego e Formação Profissional; ANQEP Agência Nacional para a Qualificação e Ensino Profissional, IP; ISSM Instituto de Segurança Social da Madeira; centros de formação profissional franceses: Afforbat Vendée e Esfora e DRE - Direção Regional de Educação. No âmbito da autorização de funcionamento de cursos de formação, são clientes os profissionais que procuram uma autorização como formadores e as entidades formadoras com cursos de formação pedagógica de formadores. DRE - Direção Regional de Educação; diversas Escolas; ANQEP Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, IP; Na área da Coordenação da Rede Regional dos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional RAM, a DRQP possui como clientes os 3 CQEP S existentes na RAM. Para poder desenvolver um serviço de qualidade, foram estabelecidas parcerias com as seguintes entidades: ANQEP Agência Nacional para a Qualificação e Ensino Profissional, IP; DRE - Direção Regional de Educação; Instituto de Emprego da Madeira e CSSM Centro de Segurança Social da Madeira. Na vertente da Certificação de Entidades Formadoras, os principais clientes são as entidades que pretende certificar e/ou alargar o âmbito de certificação da sua atividade formativa. O parceiro fundamental é a Direção Geral de Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT). 12 Como parceiros a DRQP conta com o Centro Nacional de Qualificação de Formadores/Instituto de Emprego e Formação Profissional nomeadamente, na partilha da Plataforma NETFORCE, o Portal para a Formação e Certificação de Formadores e a Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional (ANQEP). Na área do Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional, a DRQP possui como clientes, os adultos com mais de 18 anos ; Para poder prestar um serviço adequado e abranger o máximo de cidadãos, foram estabelecidas parcerias com as seguintes entidades: Zona Militar da Madeira; Instituto de Emprego da Madeira; Para o Fundo Social Europeu, os clientes são as entidades públicas e privadas que pretendem obter financiamento para promoverem ações de formação profissional. Os principais parceiros são o Instituto de Desenvolvimento Regional (IDR), a Direção Regional de Educação (DRE); a Agência Regional para o Desenvolvimento da Investigação, Tecnologia e Inovação (ARDITI); Agência para o desenvolvimento e Coesão (ADC); a AC- CENTURE, empresa responsável pela manutenção da aplicação informática que faz a gestão dos projetos candidatos. Outras partes interessadas: A DRQP identificou como seus clientes indiretos, todas as empresas que operam na RAM e a Socie-

13 dade em geral sendo estes os últimos avaliadores da atuação desta direção regional. MODELO DE GESTÃO DA DRQP Com o propósito de alinhar as orientaçoes da tutela e as atribuições aos objetivos estratégicos, à satisfação dos clientes e demais partes interessadas, a DRQP considera o seguinte modelo de gestão:

14 3.7 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Os objetivos estratégicos para o período são os seguintes: Diminuir os níveis de abandono escolar precoce, pelo reforço das ofertas profissionalizantes e aumentar o número de jovens que frequentam formações de dupla certificação de nível básico e secundário; Aumentar a taxa de participação dos adultos, em especial com baixas qualificações, em processos de aprendizagem ao longo da vida, sejam formativos ou de reconhecimento de competências; Apoiar através do Eixo I Educação e Formação do Programa RUMOS todas as medidas de educação e formação previstas na Estratégia Europa Os objetivos operacionais bem como os indicadores de desempenho encontram-se descritos na Estrutura do SIADAP-RAM 1. 4 Campo de Aplicação da norma NP EN ISO 9001:2008 Para apoiar, de forma sistemática, na gestão das orientações quer da tutela quer internas, bem como das decorrentes das exigências legais, regulamentares e dos clientes, foi implementado um sistema de gestão da qualidade de acordo com a Norma NP EN ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade. 14 A DRQP aplica a totalidade das cláusulas da norma, na promoção e desenvolvimento de ações no âmbito dos diversos sistemas de formação profissional, na promoção do reconhecimento, validação e certificação de competências a nível escolar e/ou profissional, na promoção do sistema de regulação de acesso a profissionais nas áreas da sua competência, na autorização de funcionamento de cursos de formação, na promoção da certificação de entidades formadoras e na gestão do Fundo Social Europeu.

15 5 Mapa de Processos 15

16 16 6 Matriz de Correlação

17 7 Organigrama 17

18 8 Conclusão Com a aprovação deste documento a DRQP vê cumprida a subcláusula da NP EN ISO 9001:2008: A organização deve estabelecer um Manual da Qualidade que inclua: a) O campo de aplicação do sistema de gestão da qualidade, incluindo detalhes e justificações para quaisquer exclusões; b) Os procedimentos documentados estabelecidos para o sistema de gestão da qualidade ou referência aos mesmos; c) A descrição da interação entre os processos do sistema de gestão da qualidade. (in NP EN ISO 9001:2008). Funchal, 15 de maio de 2015 DIRETORA REGIONAL 18 Sara Estudante Revas

19 MOTIVOS DE ALTERAÇÃO: R1: Introdução do PGQ.31 Gestão do Eixo I Educação e Formação e alteração da estrutura do Mapa de Processos; R2: Eliminação da exclusão do Campo de Aplicação da certificação do SGQ e ainda reflexão da fusão dos PGQ s 12 e 15, no Mapa de Processos; R3: Atualização da norma NP EN ISO 9000:2008; R4: Eliminação do PGQ.19 - Análise, Aprovação e Acompanhamento de Pedidos de Financiamento de Ações de Formação pelo FSE e consequente alteração da estrutura do Mapa de Processos; R5: Introdução do PGQ.32 - Emissão da Autorização de Funcionamento de Cursos de Aprendizagem, CEF e EFA e consequente alteração da estrutura do Mapa de Processos; R6: Atualização do Historial, da Matriz de Correlação: da designação dos PGQ s. 01, 02 e inclusão do PGQ. 33 Preparação, Confeção e Serviço de Refeições. Eliminação dos PGQ.03 e 27; R7: Atualização do organigrama. Inclusão do PGQ. 34 Coordenação da Rede Regional de Centros de Novas Oportunidades no Mapa de Processos e atualização dos objetivos do triénio ; R8: Reflexão da nova orgânica e inclusão da atribuições da DRQP; Inclusão da Coordenação Regional dos CNO s no historial da DRQP; Eliminação dos PGQ 24 Certificação Profissional e PGQ.28 Programa Eurodisseia; Alteração da designação do PGQ.20 Homologação de Cursos para Autorização de Funcionamento de Cursos de Formação Pedagógica Inicial de Formadores e Certificação de Competências Pedagógicas; Atualização do n.º de colaboradores; - Foram efetuadas pequenas correções em todo o documento; R9: Alteração da Política e do âmbito de aplicação da Norma e inclusão do PGQ.03 Gestão Orçamental. R10: Eliminação do PGQ.30 - Centro Novas Oportunidades. Introdução do PGQ.08 - Centro para a Qualificação e o Ensino Profissional. Atualização dos textos e Inclusão do Modelo de Gestão. R11: Atualização dos principais parceiros e clientes dos CQEP s. R12: Alteração do logotipo da SRE. 19

Estrutura de Gestão do Programa Rumos

Estrutura de Gestão do Programa Rumos Estrutura de Gestão do Programa Rumos Modelo de Gestão do Programa Rumos Comissão Europeia Orientações Fundamentais IGF Autoridade de Auditoria Observatório do QREN Comissão Técnica de Coordenação Comissão

Leia mais

Boas práticas. Vias de Conclusão e Certificação do Ensino Secundário

Boas práticas. Vias de Conclusão e Certificação do Ensino Secundário Jornadas de Formação Profissional Boas práticas Região Autónoma da Madeira Vias de Conclusão e Certificação do Ensino Secundário (Decreto lei nº 357/2007 de 29 de Outubro) Os melhores RUMOS para os Cidadãos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

MANUAL DE Gestão da. Qualidade

MANUAL DE Gestão da. Qualidade MANUAL DE Gestão da Qualidade Resposta Social: Estrutura Residencial para Idosos Prestamos Serviços de Qualidade Aldeia de S. Sebastião ADCS Aldeia de S. Sebastião, Largo da Igreja nº6 6355-041 Aldeia

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Eixo Prioritário V Assistência Técnica

Eixo Prioritário V Assistência Técnica Eixo Prioritário V Assistência Técnica Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica no Âmbito da Delegação de Competências com os Organismos Intermédios na gestão dos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A3. Relação escola/comunidade A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico 1 Definição geral de políticas educativas nacionais 2 Definição do Plano Estratégico

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Capital Humano Sara Estudante Relvas Posicionamento da Região Autónoma da Madeira no contexto nacional e europeu

Leia mais

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Maria João Alves Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional 24 de novembro de 2014 I SIMPÓSIO

Leia mais

PLANO de. Atividades 2012. Direção Regional de Qualificação Profissional. GD.Capas/P.R.A./p a 2012.cdr. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

PLANO de. Atividades 2012. Direção Regional de Qualificação Profissional. GD.Capas/P.R.A./p a 2012.cdr. UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu PLANO de Atividades 2012 GD.Capas/P.R.A./p a 2012.cdr Direção Regional de Qualificação Profissional REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA REPÚBLICA PORTUGUESA UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu FICHA TÉCNICA Titulo:

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelo artigo 241.º, da Lei Constitucional, devem os municípios

Leia mais

Manual da Qualidade. Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores

Manual da Qualidade. Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores Manual da Qualidade Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores EDIÇÃO 05 (ABRIL 2013) PÁGINA 2 DE 16 Índice Índice... Página 1 Promulgação do Manual... Página 2 Apresentação e gestão

Leia mais

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico A3. Relação escola/comunidade 1 Definição geral de políticas educativas nacionais Informado Informado 2 Definição

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência. Despacho n.º

Ministério da Educação e Ciência. Despacho n.º Ministério da Educação e Ciência Gabinetes dos Secretários de Estado do Ensino e da Administração Escolar e do Ensino Básico e Secundário Despacho n.º De acordo com o estabelecido na Portaria n.º 135-A/2013,

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade CERCINA Manual de Gestão da Qualidade Página 1 de 14 I ÍNDICE I Índice II Lista de revisões efetuadas III Lista de abreviaturas IV Introdução 1 Confidencialidade 2 Referências 3 Promulgação V Apresentação

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE Manual da Qualidade Página: 2 ÍNDICE CAP 1 Manual de Gestão da Qualidade 1.1 Objetivo do manual 1.2 Âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade 1.2.1 Exclusões 1.3 Terminologia e abreviaturas usadas no manual

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação ÍNDICE 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA 3.1 História 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Processos 4.2 Requisitos da Documentação 4.3 Controlo dos

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

Os Operadores Nacionais e a Garantia/Melhoria da Qualidade na Educação e Formação Profissional (EFP) João Barbosa. Abril de 2015

Os Operadores Nacionais e a Garantia/Melhoria da Qualidade na Educação e Formação Profissional (EFP) João Barbosa. Abril de 2015 Os Operadores Nacionais e a Garantia/Melhoria da Qualidade na Educação e Formação Profissional (EFP) João Barbosa Abril de 2015 1 A ANQEP aplicou um questionário online, em outubro de 2014. Caracterizar

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC)

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) Legislação de Referência: Despacho n.º 334/2012, de 11 de janeiro Portaria n.º 283/2011, de 24

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

Fundo Social Europeu em Portugal. O que é? Para que serve? Como posso beneficiar?

Fundo Social Europeu em Portugal. O que é? Para que serve? Como posso beneficiar? Fundo Social Europeu em Portugal O que é? Para que serve? Como posso beneficiar? Ana O que é o FSE? O FSE (Fundo Social Europeu) é o principal instrumento financeiro da União Europeia para apoiar as pessoas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Rosa Maria Simões 31 de janeiro de 2013, Auditório CCDR Lisboa e Vale do Tejo Agenda Resultados da intervenção FSE Contributos do FSE

Leia mais

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE)

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) 1. Título alusivo à iniciativa Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE). 2. Entidades parceiras Identificação das organizações (Organismo público,

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 2.3 E 11.1)

SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 2.3 E 11.1) SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 2.3 E 11.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 Página 1 de 13 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTOS

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 18 de maio de 2016 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EDUCAÇÃO Portaria n.º 211/2016 Primeira alteração

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza

Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 8 Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Formação para Técnico de Segurança no Trabalho, Nível 4 de Qualificação, QNQ

Formação para Técnico de Segurança no Trabalho, Nível 4 de Qualificação, QNQ NOTA TÉCNICA N.º 3 TEMA: Formação Profissional de SST Formação para Técnico de Segurança no Trabalho, Nível 4 de Qualificação, QNQ Formação para Técnico Superior de Segurança no Trabalho, Níveis 6 a 8

Leia mais

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH.

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Regras de enquadramento do POPH O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Este documento é orientativo da regulamentação do Programa, não

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01 Manual de Acolhimento LogicPulse Technologies, Lda. Índice PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. OBJETIVOS DO MANUAL... 4 3. APRESENTAÇÃO DA LOGICPULSE TECHNOLOGIES... 5 4. ORGANOGRAMA ORGANIZACIONAL...

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

A Constituição de Turmas

A Constituição de Turmas DATA: NÚMERO: 20/05/2012 03/12 C/CONHECIMENTO A: REMETIDO A: SG Secretaria-Geral do Ministério da Educação... DGPGF Direção-Geral de Planeamento e Gestão Financeira... DGE Direcção-Geral de Educação...

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013 Manual do Coordenador / Diretor de Curso Ano letivo 2012/2013 Índice Índice... 1 Atribuições do Coordenador/Diretor de Curso... 2 Horários... 4 Alteração de Horários... 5 Arquivo de Documentação... 5 C1

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio,

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio, C 249/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2015 COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA 25/15 Iniciativa Voluntários para a Ajuda da UE: Destacamento de Voluntários para a Ajuda

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo III Regulamento da Educação e Formação de Adultos Artigo 1.º Definição 1. Os Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) criados ao abrigo das portarias

Leia mais

PAINEL III: MEDIDAS DE COMBATE AO INSUCESSO E ABANDONO

PAINEL III: MEDIDAS DE COMBATE AO INSUCESSO E ABANDONO SEMINÁRIO ABANDONO ESCOLAR E (IN)SUCESSSO EDUCATIVO: BALANÇO E PERSPETIVAS 2014-2020 PAINEL III: MEDIDAS DE COMBATE AO INSUCESSO E ABANDONO ESCOLAR: FINANCIAMENTOS COMUNITÁRIOS Teatro Diogo Bernardes POCH

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

MENSAGEM 055/2015. Senhor Presidente, Senhores Vereadores,

MENSAGEM 055/2015. Senhor Presidente, Senhores Vereadores, MENSAGEM 055/2015 Senhor Presidente, Senhores Vereadores, É com elevada honra que submeto à apreciação de Vossas Excelências e à superior deliberação do Plenário dessa Augusta Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS L 115/12 Jornal Oficial da União Europeia 27.4.2012 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 363/2012 DA COMISSÃO de 23 de fevereiro de 2012 respeitante às normas processuais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET Escola E.B. 2/3 João Villaret Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensina e como se aprende. (César Coll) O Agrupamento de Escolas João Villaret

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 23-02-2015 24-02-2015 Organização Morada Sede Representante da Organização Câmara Municipal de Santa Maria da Feira - Biblioteca Municipal Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa

Leia mais

4 07-09-2011 Revisão geral acordo ortográfico. 5 04-07-2013 Revisão geral e alteração do mapa de processos

4 07-09-2011 Revisão geral acordo ortográfico. 5 04-07-2013 Revisão geral e alteração do mapa de processos Elaborado por GQ: Aprovado Por: Cópia Controlada Nº Cópia Não Controlada Revisão Data Descrição Alteração 0 2004/11/30 Emissão 1 21-06-2008 Revisão Geral 2 08-01-2009 Revisão Geral 3 13-10-2010 Revisão

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016 Série Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 2/2016/M Fixa o Valor do Metro Quadrado

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.a Promoção do espírito

Leia mais

DIREÇÃOREGIONALDEQUALIFICAÇÃOPROFISIONAL

DIREÇÃOREGIONALDEQUALIFICAÇÃOPROFISIONAL DIREÇÃOREGIONALDEQUALIFICAÇÃOPROFISIONAL PLANODE A TIVIDADES2015 FICHA TÉCNICA Título: Plano de Atividades 2015 Autoria: Secretaria Regional da Educação e Recursos Humanos Direção Regional de Qualificação

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO.

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO. CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO O emprego tem uma enorme importância tanto para os indivíduos como para a sociedade Para além de ser uma fonte de rendimento, uma forma de ocupação e

Leia mais

Separata BTE, n.º 5, 28/11/2014 SEPARATA. N. o 5 28 novembro 201

Separata BTE, n.º 5, 28/11/2014 SEPARATA. N. o 5 28 novembro 201 SEPARATA N. o 5 28 novembro 201 Propriedade Ministério d Edição Gabinete de Estratégia e Planeamento Centro de Informação e Documentação PROPOSTA DE DECRETO-LEI QUE ESTABELECE O REGIME DE REGULAÇÃO DO

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO CARTA DE COMPROMISSO Introdução O Centro para a Qualificação e Ensino Profissional (CQEP) do Agrupamento de Escolas nº1 de Gondomar encontra-se sedeado na Escola-sede do Agrupamento, a Escola Secundária

Leia mais

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social O Ministro das Finanças apresentou recentemente o "Documento de Estratégia Orçamental 2011-2015", que contém diversas medidas a

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Portaria n.º 21/2012 de 7 de Fevereiro de 2012

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Portaria n.º 21/2012 de 7 de Fevereiro de 2012 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Portaria n.º 21/2012 de 7 de Fevereiro de 2012 O Decreto Legislativo Regional n.º 17/2011/A, de 6 de Junho, prevê que o pessoal

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 REDE RURAL NACIONAL NOTA INTRODUTÓRIA O desenvolvimento das fichas de medida/ação está condicionado, nomeadamente,

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio

Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio Iniciativas Inovadoras de Formação e Qualificação Profissional para o Comércio CIM Alto Minho 30 de junho de 2015 Missão Sucesso

Leia mais

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social O Conselho de Ação Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, atento à

Leia mais

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Isabel Hormigo (Ministério da Educação e Ciência, Lisboa) Setúbal, 7 de fevereiro de 2014 Ciclos de estudos e duração Idade

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS Versão 1.1 Setembro 2013 1. Critérios (mínimos) de referência quanto à qualificação do corpo docente para a acreditação

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de outubro de 2015. Série. Número 158

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de outubro de 2015. Série. Número 158 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 14 de outubro de 15 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA INCLUSÃO E ASSUNTOS Portaria n.º 187/15 Procede

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Norma de serviço n.º 2012/10 CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE GABINETES E GRUPOS A ESEP tem, estatutariamente, como missão nuclear, a oferta formativa no domínio da Enfermagem

Leia mais