COORDENADORIA TÉCNICA. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima. Coordenadoria de Perícias e Análises

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COORDENADORIA TÉCNICA. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima. Coordenadoria de Perícias e Análises"

Transcrição

1 LAUDO PERICIAL Nº 001/2012 PR-RR/MPF Em 16 de abril de 2012, na COORDENADORIA DE PERÍCIAS E ANÁLISES da de Roraima PR.RR, designada pela Coordenadora Substituta do Setor de Perícias, Perita MARTA ALVES DOS SANTOS, elaborará o presente laudo pericial, no interesse da AÇÃO CIVIL PÚBLICA , a fim de atender à solicitação da Procuradora Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC), Dra. DANIELA CASELANI SITTA contida no OFÍCIO nº 74/2012/PRDC/PR-RR/MPF registrado no Sistema Único sob o nº 2108/2012, em 21/03/2012, descrevendo com verdade e com todas as circunstâncias tudo quanto possa interessar à Justiça e respondendo aos quesitos formulados abaixo transcritos: a) situação da rede de esgoto do estabelecimento prisional; b) apontando os problemas identificados na rede de esgoto; c) obras necessárias para resolvê-los; e d) informar qualquer outro dado entendido relevante; I - HISTÓRICO Na manhã de segunda-feira, dia 09 de abril de 2012, foi realizada visita in loco para verificar as condições da rede de esgoto interna e externa da unidade prisional PENITENCIÁRIA AGRÍCOLA DE MONTE CRISTO PAMC. Após conversa com o Diretor da unidade, acertou-se a ida ao local para a manhã da quarta-feira subsequente (11/04/2012), tendo em vista a mobilização dos detentos, que tem como direito ao banho de sol, que tornava vulnerável a entrada da profissional no local. Na quarta-feira, às 8h 30min, foi dado início aos trabalhos. Os trabalhos foram encerrados por volta das 11h 30min, quando a perita iniciou o retorno a PR-RR. Após percorrer todas as dependências da unidade prisional que contribuem com lançamento direto no sistema de esgoto com depósito de dejetos, constatou que todas as alas dos regimes: fechado, semiaberto e preventivados apresentavam muitas infiltrações, o esgoto com água parada circundante toda a edificação (Figuras 1 a 10). Durante a perícia foi observado que o estabelecimento apresenta, em diferentes pontos, áreas nas quais a cobertura vegetal é completamente predominante, impedindo a passagem dos raios solares, que por sua vez contribuiriam para que a absorção e evaporação do efluente líquido não se realizassem, ficando presente no solo e o tornando totalmente saturado. 1

2 Figura 1 Esgoto a céu aberto, com eletroduto rompido, deixando fiação de rede elétrica exposta, sujeito a descarga elétrica provocando curto-circuito. Figura 2 Efluente líquido cercado por vegetação rasteira, com formação de abrigos de vetores causadores de doenças. 2

3 Figura 3 Esgoto retido devido à obstrução na rede. Figura 4 Tubulação da rede de esgoto aparente sujeita a rompimento e com infiltrações em suas conexões soldas mal executadas. 3

4 Figura 5 Execução de valas para escoamento do esgoto retido em torno da calçada de proteção Figura 6 Caixa de Inspeção sem o devido fechamento hermético. 4

5 Figura 7 Valas com esgoto a céu aberto, completamente poluída com lixo de toda natureza. Figura 8 O empoçamento do esgoto. É frequente em toda área circundante das alas carcerárias. 5

6 Figura 9 Tubulação da bacia sanitária bacia turca, danificada, impossibilitando que o esgoto seja conduzido para o sistema fossa-sumidouro. Figura 10 Visivelmente o revestimento de parede está comprometido pelas fortes infiltrações, e a própria argamassa está desagregando por conta do efluente líquido agressivo que corrói o reboco, bem como o chapisco. 6

7 Observa-se que, em virtude da falta de medidas práticas de saneamento e de educação sanitária, grande parte da população carcerária lançam os lixos e dejetos diretamente sobre o solo, criando, desse modo, situações favoráveis às transmissões de doenças. É fato também que efluentes de aparelhos instalados descarregam nas caixas de inspeções, bem como o esgoto proveniente unicamente de lavagem de pisos, banho e outros, o que as sobrecarregam, acumulando muitos detritos. O ideal seria que pelo menos as bacias sanitárias despejassem individualmente em suas respectivas caixas, que num segundo momento seriam canalizadas para as fossas sépticas. Na unidade prisional, as formas de disposição do esgoto adotadas são: sumidouro e valas de infiltração. Sendo, esta última, empregada na área de cultivo de hortaliças. Em toda a área o lençol freático é muito superficial, o que dificulta a absorção e evaporação do efluente líquido. É importante ressaltar que o lençol freático em toda área da PAMC, está a menos de 1,5m distante do fundo do sumidouro, sendo imprudente sua utilização, o correto seria optar por valas de infiltrações, pelas características do terreno. Outro fator relevante evidenciado através desta análise, refere-se ao dimensionamento do conjunto fossa-sumidouro para atender a demanda para o qual inicialmente foi projetado, ou seja: foram construída duas alas A e B com capacidade para 60 (sessenta) detentos cada uma, totalizando 120 vagas. Foi informado pela diretoria do presídio, que atualmente constam 500 (quinhentos) detentos no regime de preventivados, ocupando as duas alas, implicando num acréscimo de 4,16 vezes a maior que o projetado. Analisando toda essa sistemática tem-se a seguinte situação: POPULAÇÃO CARCERÁRIA INICIAL: 120 Detentos CAPACIDADE DO CONJUNTO FOSSA-SUMIDOURO (Existente): a) Fossa Retangular medindo: (3,00 x 4,00)m; h = 2,50 (Altura útil: h u = 2,00m) Volume: V = L; V = 24,0m 3. b) Sumidouro Retangular medindo: (3,00 x 20,00)m; h = 3,50 (Altura útil: h u = 3,00m) Área de Infiltração: A = 221,00m 2 ; (duas unidades: A = 442,00m 2 ). ESTUDO COMPARATIVO DIMENSIONAMENTO DO CONJUNTO FOSSA-SUMIDOURO PARA A RELAÇÃO DE 120 VAGAS DIMENSIONAMENTO DO TANQUE SÉPTICO: a) População a ser atendida (N): a.1) Ocupantes Permanentes das Alas A e B Regime Preventivado = 120 pessoas Total = 120 pessoas (Projetado) 7

8 a.2) Ocupantes Temporários Visitantes 108 pessoas Estimativa que 90% dos detentos recebem visitas 2 (duas) vezes por semana Estimativa da população dos visitantes: Reg. Preventivado: % Pop.Vis. = 108 Visitantes 108 pessoas b) Contribuição de esgoto (C) e lodo fresco (Lf): b.1) Prédio: Ocupantes Permanentes. Contribuição de esgoto (C) L/pessoa x dia Contribuição de lodo fresco (Lf) L/pessoa x dia b.2) Prédio: Ocupantes temporários. Contribuição de esgoto (C) L/pessoa x dia Contribuição de lodo fresco (Lf) L/pessoa x dia c) Contribuição diária (CD): CD = (N x C) L/dia REGIME PREVENTIVADOS RESIDÊNCIAS (Apesar de ter uma permanência menos que os apenados, a rotatividade é muito grande) CD = (120 x 150) + (108 x 50) = = L/dia d) Período de detenção (T): Contribuição diária (CD) acima de L dia e) Taxa de acumulação total de lodo (K): Intervalos entre limpeza (anos)...1 ano Temperatura ambiente > 20 ºC Taxa de acumulação f) Cálculo do volume do tanque séptico: V = N (CT + KLf ) REGIME PREVENTIVADO: 8

9 POPULAÇÃO CARCERÁRIA V = (150 x 0, x 1,00) V = ( ) = (120 x 132) V = L/dia ou 16,84 m³/dia POPULAÇÃO DE VISITANTES V = (50 x 0, x 1,00) V = ( ) = (108 x 82) V = L/dia ou 9,86 m³/dia VOLUME TOTAL DO REGIME PREVENTIVADO V = L/dia ou 26,70 m³/dia (DIMENSIONADO) V = L/dia ou 24,00 m³/dia (EXISTENTE) DIMENSIONAMENTO DO SUMIDOURO: a) Calculo da área de infiltração (A): A = V Ci A: Área em m 2, para o sumidouro ou vala de infiltração V: Volume de contribuição diária em L/dia, obtido da Tabela 2 Ci: Coeficiente de infiltração, obtido da Tabela 1 REGIME PREVENTIVADO 120 VAGAS V = L/dia ou 26,70 m³/dia (DIMENSIONADO) Ci = 40 A = V Ci A = A = 667,40m 2 Dividindo por 2, em se tratar de dois sumidouro temos: A = 333,70m 2 Observação: A = 333,70m 2 (duas unidades: A = 667,40m 2 ) DIMENSIONADA P/ 120 PESSOAS A = 221,00m 2 ; (duas unidades: A = 442,00m 2 ) EXISTENTE 9

10 RESUMINDO: Capacidade de 120 detentos SISTEMA EXISTENTE DIMENSIONADO DIFERENÇA CAPACIDADE DEFICIÊNCIA FOSSA V = ,00L V = ,00L V = 2.696,00L 10,10% SUMIDOURO A = 442,00m 2 A = 667,4m 2 A = 225,40m 2 33,70% Neste sentido, a análise reflete uma situação onde o projeto sanitário incialmente não atende a demanda para o qual estava previsto com população carcerária de 120 detentos. Lembrando que há outra situação a ser analisada; no que tange a escolha do tipo do sistema de disposição do efluente sanitário a ser empregado, pois este depende do Coeficiente de Infiltração do solo; como a profundidade do lençol freática não a atende as normas de saneamento, onde regulamenta que o referido lençol deverá estar 1,5 metros distantes do fundo do sumidouro, e que caso isso não ocorra adotar o processo de Valas de Infiltração, que podem ter paredes naturais ou revestidas de alvenaria seca (sem rejuntamento), no fundo uma camada de pedra britada de modo a facilitar ao máximo a infiltração dos efluentes nele lançados. Levando em consideração todas as propriedades características de infiltrações do terreno; seria necessária para compor o sistema de esgoto da unidade a utilização de Filtro Anaeróbio; que seria uma caixa com pedra britada N o 04, que receberia os efluentes da Fossa Séptica por sua parte inferior; procedendo a filtragem do líquido de baixo para cima; que também é dimensionada com base no número de usuários da unidade prisional. Destaca-se, que os Sumidouros não estão obedecendo a suas funções de absorção, não estão recebendo os efluentes das fossas sépticas, pois suas redes estão obstruídas por carreamentos de sedimentos (areia, argila, etc...), dos sólidos causadores da colmatação; bem como provocados pela saturação do solo. Verifica-se ainda que as paredes das alas apresentam sérias infiltrações, tendo em vista que a vedação existente é tipo sanduíche, (Figura 12), ou seja, (alvenaria:concreto armado:alvenaria); e que para apresentar esse tipo de patologia, o concreto entre as duas alvenarias apresenta muitos vazios, pelo mau adensamento vibração, nesta situação há necessidade de abri a parede de vedação para verificar se as conexões da rede de esgoto foram bem soldadas com adesivos plásticos. (Figura 13 e 14) São deveras as problemáticas provocadas pelas instalações da rede de esgoto; dentre elas destaca-se a localização do poço para consumo de água, que se encontra a menos de 20 (vinte)m de raio de curvatura, da rede de esgoto e das caixas de passagens e/ou inspeção, possíveis interferências com a área contaminada pelo lançamento dos esgotos no solo. 10

11 Figura 11 Infiltração de parede provocada pela má execução das instalações hidro-sanitárias. Figura 12 Parede de vedação tipo sanduíche, alvenaria de ½ (meia) vez concreto armado alvenaria de ½ (meia) vez. 11

12 Figura 13 Parede de vedação com fortes infiltrações, nesta situação é constante a percolação de líquido proveniente da rede hidráulica e da rede de esgoto. Figura 14 Infiltrações de parede de vedação. 12

13 II LOCAL PENITENCIÁRIA AGRÍCOLA DE MONTE CRISTO - PAMC Rodovia BR 174, Km m Região de Monte Cristo Boa Vista Roraima CEP: Terreno plano, de difícil escoamento das águas pluviais por gravidade. Predominantemente, o lençol freático é muito superficial, o que dificulta a absorção do esgoto pelo solo, que se encontra completamente saturado. O solo da unidade prisional é muito úmido; implicando numa a taxa de infiltração pequena. A cobertura vegetal muito presente na unidade, que também age no sentido de reduzir a velocidade do escoamento superficial e, portanto, contribui para um aumento do volume de água retida nas camadas do solo Imagem aérea: Penitenciária Agrícola do Monte Cristo - PAMC Fonte: Google Earth Legenda O1 Sumidouro 02 Castelo d água (Poço artesiano e Caixa D água) 03 Fossa Séptica 04 Alas A e B (Em fase de conclusão) 13

14 III - OBJETIVO Levantar e avaliar as condições da rede de esgoto da Unidade prisional Penitenciária agrícola de Monte Cristo PAMC, buscando solucionar o destino final dos dejetos depositados, bem como verificar outros danos decorrentes do esgoto a céu aberto. Figura 15 Caixa de Inspeção, com obstrução na rede de despejo, dificultando o escoamento dos dejetos inservíveis. Figura 16 Tubulação exposta. Muito lixo. Efluente líquido 14

15 Foi observado também o descarte inadequado do lixo; o que vale ressaltar, que o acúmulo desordenado de materiais inservíveis com período de decomposição muito elevado plásticos, contribui para que as águas servidas bem como os detritos fiquem empoçadas, causando transtornos e maus cheiros ao local. Figura 17 Esgoto a céu aberto, com eletroduto rompido, deixando fiação de rede elétrica exposta. Figura 18 Esgoto empoçado. 15

16 Figura 19 Completamente expostas a céu aberto, as fezes que deveriam ser canalizadas para as fossas sépticas, estão retidas nas caixas de inspeções, por ter sua tubulação completamente obstruída. IV ENSAIO/ MEMÓRIA DE CÁLCULO No que tange do ensaio de absorção do solo, não foi possível, tendo em vista que o terreno encontra-se saturado, o que dificultaria a leitura correta para o dimensionamento dos conjuntos fossa-sumidouro. O que foi adotado Os exames foram realizados por observação direta dos vestígios em campo e registro fotográfico. Além da análise dos dados obtidos no local, foram analisados os processos executivos das instalações hidráulicas e sanitárias que são as causadoras do mau desempenho do conjunto fossasumidouro. Ensaio de infiltração do solo: A norma NBR-7229/1993 Tendo em vista que o terreno encontrava-se completamente saturado, impossibilitando a realização do Ensaio de infiltração do solo, para o dimensionamento da Fossa Séptica Câmara Única e Sumidouro, foi empregada a tabela 1 para utilização dos coeficientes de infiltrações. 16

17 TABELA 1 POSSÍVEIS FAIXAS DE VARIAÇÃO DE COEFICIENTES DE INFILTRAÇÃO FAIXA CONSTITUIÇÃO APROVÁVEL DOS SOLOS Rochas, argilas compactas de cor branca, cinza ou preta, variando a rochas 1 alteradas e argilas medianamente compactas de cor avermelhada. Argilas de cor amarela, vermelha ou marrom medianamente compactas, 2 variando a argilas pouco siltosas e/ou arenosas. Argilas arenosas e/ou siltosas, variando a 3 areias argilosas ou siltes argilosos de cor amarela, vermelha ou marrom. Areia ou silte pouco argiloso, ou solo arenoso com humos e turfas, variando a 4 solos constituídos predominantemente de areias e siltes. Areia bem selecionada e limpa, variando 5 a areia grossa com cascalhos. Referência: Norma NBR-7229/82 Tabela 3 COEFICIENTE DE INFILTRAÇÃO (litros/ m² x dia) Menor que 20 ABSORÇÃO RELATIVA Impermeável 20 a 40 Semi-impermeável 40 a 60 Vagarosa 60 a 90 Média Maior que 90 Rápida Nota: Os dados se referem, numa primeira aproximação, aos coeficientes que variam segundo o tipo dos solos não saturados. Em qualquer dos casos, é indispensável à confirmação por meio de ensaios de infiltração do solo. DIMENSIONAMENTO DA FOSSA SÉPTICA CÂMARA ÚNICA E SUMIDOURO (ABNT - NBR n 7.229/1993) POPULAÇÃO EXISTENTE: DETENTOS Autora: MARTA ALAVES DOS SANTOS - Engenheira Civil - CREA: 0261-D/RR; Obras: PENITENCIÁRIA AGRÍCOLA DE MONTE CRISO P.A.M.C; Local: MONTE CRISTO BOA VISTA - RORAIMA; Proprietário: GOVERNO DO ESTADO DE RORAIMA. 1. INTRODUÇÃO: O presente memorial tem como objetivo relatar os critérios técnicos utilizados para o dimensionamento de Esgoto Sanitário. 2. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO: Todos os ramais de descarga são dirigidos aos ramais de esgoto e posteriormente para sub 17

18 coletores, com respectivas caixas de inspeção, seguindo para o tanque séptico e posteriormente para o sumidouro. O sistema utilizado será separado inteiramente de escoamento de águas pluviais. 3. DIMENSIONAMENTO: Para o dimensionamento das instalações de esgoto sanitário foram critérios técnicos das normas em vigência: Sistema de Esgoto Sanitário: NBR 8160/1999 Sistemas prediais de esgoto sanitário - Projeto e execução; Tanque Séptico: NBR 7929/1993 Projeto, construção e operação de sistemas de tanques sépticos; Sumidouro: NBR 13969/1997 Tanques sépticos unidades de tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos Projeto, construção e operação. Os parâmetros de cálculos utilizados no projeto foram os seguintes: Foi utilizado o método das unidades Hunter de contribuição. TABELA 2 CONTRIBUIÇÃO DIÁRIA DE ESGOTO E LODO FRESCO Contribuição por dia CONDIÇÕES DO PREDIO OCUPANTES PERMANENTES Hospitais Apartamentos Residências Escolas Internatos Casas Rurais Hotéis (sem cozinha e lavanderia) Alojamentos Provisórios OCUPANTES TEMPORÁRIOS Fábrica em geral Escritórios Edifícios Públicos ou Comerciais Escolas Externatos Restaurantes e similares Cinemas, teatros e templos Referência: Norma NBR-7229/82 Tabela 1 UNIDADE - Litros/pessoa Litros/pessoa Litros/pessoa Litros/pessoa Litros/pessoa Litros/pessoa Litros/pessoa - Litros/operário Litros/pessoa - Litros/pessoa Litros/pessoa Litros/pessoa ESGOTO (C) LODO FRESCO (Lf) - 1,00 1,00 1,00 1,00 1,00 1,00 1,00-0,30 0,20 0,20 0,20 0,10 0,02 18

19 TABELA 3 PERÍODO DE RETENÇÃO PERÍODO DE RETENÇÃO (T) CONTRIBUIÇÃO EM LITROS/DIA até a a a a a a a a acima de Em Horas Referência: Norma NBR-7229/82 Tabela Em dias 1,000 0,875 0,790 0,750 0,710 0,670 0,625 0,585 0,540 0,500 No. de PESSOAS TABELA 4 DIMENSÕES INTERNAS DO TANQUE SÉPTICO PRISMÁTICO COMPRIMENTO L(cm) LARGURA a (cm) ALTURA h (cm) N o. DE LAJES COBERTA

20 4. MATERIAIS UTILIZADOS: O material utilizado será em PVC de Fabricação Tigre. 5. DIMENSIONAMENTO DO TANQUE SÉPTICO: a) População a ser atendida (N): a.1) Ocupantes Permanentes Regime Fechado - Apenados = 350 pessoas Regime Semiaberto = 300 pessoas Regime Preventivado = 500 pessoas Total = pessoas a.2) Ocupantes Temporários Visitantes pessoas (2 vezes por semana) % Estimativa da população dos visitantes de acordo com seus respectivos regimes: Reg. Fechado: 350 x % x = 30,43% Visitantes 609pessoas Reg. Semiaberto: 300 y % y = 26,09% Visitantes 522pessoas Reg. Preventivado: 500 z % z = 43,48% Visitantes 869pessoas TOTAL 2000 pessoas b) Contribuição de esgoto (C) e lodo fresco (Lf): b.1) Prédio: Ocupantes Permanentes. Contribuição de esgoto (C) L/pessoa x dia Contribuição de lodo fresco (Lf) L/pessoa x dia b.2) Prédio: Ocupantes temporários. Contribuição de esgoto (C) L/pessoa x dia Contribuição de lodo fresco (Lf) L/pessoa x dia c) Contribuição diária (CD): CD = (N x C) L/dia c.1) REGIME FECHADO - RESIDÊNCIAS CD = (350 x 150) + (609 x 50) = = L/dia c.2) REGIME SEMIABERTO ALOJAMENTO PROVISÓRIOS CD = (300 x 80) + (522 x 50) = = L/dia 20

21 c.3) REGIME PREVENTIVADOS RESIDÊNCIAS (Apesar de ter uma permanência menos que os apenados, a rotatividade é muito grande) CD = (500 x 150) + (869 x 50) = = L/dia d) Período de detenção (T): Contribuição diária (CD) acima de L dia e) Taxa de acumulação total de lodo (K): Intervalos entre limpeza (anos)...1 ano Temperatura ambiente > 20 ºC Taxa de acumulação f) Cálculo do volume do tanque séptico: V = N (CT + KLf ) f.1) REGIME FECHADO: POPULAÇÃO CARCERÁRIA V = (150 x 0, x 1,00) V = ( ) = (350x132) V = L/dia ou 42,20 m³/dia POPULAÇÃO DE VISITANTES V = (50 x 0, x 1,00) V = ( ) = (609x82) V = L/dia ou 50,94 m³/dia POPULAÇÃO TOTAL DO REGIME FECHADO V = L/dia ou 98,14 m³/dia f.2) REGIME SEMIABERTO: POPULAÇÃO CARCERÁRIA V = (150 x 0, x 1,00) V = ( ) = (300 x 132) V = L/dia ou 40,60 m³/dia POPULAÇÃO DE VISITANTES V = (50 x 0, x 1,00) 21

22 V = ( ) = (522 x 82) V = L/dia ou 43,80 m³/dia POPULAÇÃO TOTAL DO REGIME SEMIABERTO V = L/dia ou 84,40 m³/dia f.3) REGIME PREVENTIVADO: POPULAÇÃO CARCERÁRIA V = (150 x 0, x 1,00) V = ( ) = (500 x 132) V = L/dia ou 60,00 m³/dia POPULAÇÃO DE VISITANTES V = (50 x 0, x 1,00) V = ( ) = (869 x 82) V = L/dia ou 71,26 m³/dia POPULAÇÃO TOTAL DO REGIME PREVENTIVADO V = L/dia ou 137,26 m³/dia g) Geometria da Fossa Séptica - Cilíndrica: REGIME FECHADO V = L/dia ou 98,14 m³/dia V = (π R 2 ).h Volume da Fossa Séptica h = 2,20m (Valor adotado) Altura/Profundidade R = Raio R = V/(π. h) R = 98,14/π. 2,2 R = 3,77 R = 3,80m REGIME SEMIABERTO V = L/dia ou 84,40 m³/dia V = (π R 2 ).h Volume da Fossa Séptica h = 2,20m (Valor adotado) Altura/Profundidade R = Raio 22

23 R = V/(π. h) R = 84,40/π. 2,2 R = 3,49 R = 3,50m REGIME PREVENTIVADO V = L/dia ou 137,26 m³/dia V = (π R 2 ).h Volume da Fossa Séptica h = 2,20m (Valor adotado) Altura/Profundidade R = Raio R = V/(π. h) R = 137,26/π. 2,2 R = 4,46 R = 4,50m 6. DIMENSIONAMENTO DO SUMIDOURO: a) Calculo da área de infiltração (A): A = V Ci A: Área em m2, para o sumidouro ou vala de infiltração V: Volume de contribuição diária em L/dia, obtido da Tabela 2 Ci: Coeficiente de infiltração, obtido da Tabela 1 REGIME FECHADO V = L/dia ou 98,14 m³/dia Ci = 40 A = V Ci A = A = 2.453,45m 2 REGIME SEMIABERTO V = L/dia ou 84,40 m³/dia Ci = 40 A = V Ci A =

24 A = 2.110,10m 2 REGIME PREVENTIVADO V = L/dia ou 137,26 m³/dia Ci = 40 A = V Ci A = A = 3.431,45m 2 b) Áreas de infiltrações dimensionadas População Existente: REGIME FECHADO A = 2.453,45m 2 REGIME SEMIABERTO A = 2.110,10m 2 REGIME PREVENTIVADO A = 3.431,45m 2 V RESPOSTAS AOS QUESITOS Face ao exposto, passa-se a responder aos quesitos formulados e transcritos, da forma como segue: a) situação da rede de esgoto do estabelecimento prisional Os conjuntos de sistemas de tratamentos de esgotos são deficitários, não suprem as necessidades demandadas pela Unidade Prisional nos termos de suas: estruturas físicas (dimensionamento); funcionalidades (tratamento). Desprovida do sistema de abastecimento de água, o presídio utiliza-se de poço como fonte de suprimento de água, razão pela qual se exigem extremos cuidados para não ocorrer a contaminação da água do subsolo, utilizada para consumo. b) apontando os problemas identificados na rede de esgoto Terreno plano, dificuldade de escoamento; Sub dimensionamento do Sistema de Tratamento de esgoto: Conjunto Fossa Séptica e Sumidouro; 24

25 Serviços mal executados; Emprego de materiais inapropriados; Má utilização dos serviços de esgoto (usuários degradam o próprio sistema, lançando lixos e provocando entupimentos); e Limpeza e conservação insuficiente; c) obras necessárias para resolvê-los Implantação geral de um novo Sistema de Tratamento de Esgoto, levando em consideração as questões de Licenças e Preservações Ambientais. Projetar um sistema eficiente e eficaz a realidades daquela unidade. d) informar qualquer outro dado entendido relevante No local foram observados indícios de que a área vem sendo utilizada há algum tempo para depósito inadequado de lixo. Próximo à captação de água (poço artesiano), encontram-se várias caixas de passagem da rede de esgoto. III CONCLUSÃO CONSIDERANDO, que a destinação inadequada dos dejetos lançados inadvertidamente em fossas abertas, valas; afetam a saúde dos detentos, provocando doenças infecciosas ou parasitárias; CONSIDERANDO, que o esgoto a céu aberto, provocado por despejos de resíduos provenientes dos aparelhos instalados podem poluir o lençol freático, além de tornar a água imprópria para o consumo, uma vez que o abastecimento é feito por poço artesiano; CONSIDERANDO, o forte mau cheiro do esgoto a céu aberto e acúmulo de lixo; CONSIDERANDO que os conjuntos de fossa e sumidouro que fazem parte do entorno das alas de vivência dos detentos estão a céu aberto, deixando o esgoto sem qualquer tipo de cobertura, e que este fato representa grande risco para a saúde dos detentos devido à intensa proliferação de insetos; CONSIDERANDO que, por se tratar de unidades prisionais, todas as instalações de esgoto foram executadas inadequadamente para o tipo de obra em questão, haja vista que as instalações deveriam oferecer um grau de segurança adequado e, para isso, deveriam ter sido executadas com tubulações envelopadas e/ou embutidas. CONSIDERANDO, que as paredes de vedação são mistas, tipo sanduíche (alvenaria:concreto armado:alvenaria), com espessuras suficientes para embutir toda a tubulação de esgoto e hidráulica; 25

26 CONSIDERANDO, a má qualidade dos serviços executados; Dado o estudo do processo e das diligências realizadas, esta Perita conclui que houve negligência quanto ao destino final dado ao esgoto daquela unidade prisional, e que todo o processo de captação e tratamento do esgoto deve ser redimensionado para o tipo de terreno e obra (presídio), adotando o sistema correto, bem como fazer todos os ensaios para garantir que o sistema irá funcionar; imperícia quanto ao sistema que foi adotado; e imprudência por parte de quem gerencia e fiscaliza os serviços que estão e/ou foram executados. Ainda informa a Perita que não são necessários esclarecimentos adicionais, uma vez que ficou claro e desvelado que os serviços executados não atendem as necessidades do Sistema Penitenciário PAMC, e que não mais existem controvérsias a serem dirimidas na ACP em tela. IV ENCERRAMENTO Tendo encerrado os trabalhos periciais, lavro o presente Laudo Pericial que contém 26 (vinte e seis) páginas, numeradas sequencialmente, impressas e rubricadas no anverso, com 05 (cinco) anexos abaixo relacionados, também devidamente rubricados em todas as páginas. São anexos deste Laudo: Anexo I Cópia do Ofício No. 74/2012/PRDC/PR-RR/MPF, com 01 (uma) página; Anexo II Anotação de Responsabilidade Técnica ART, com 01 (uma) página; Anexo III Cópia do Boleto de pagamento da ART, com 01 (uma) página; Anexo IV Fotos diversas, com 33 (trinta e três) páginas; Anexo V Plotagem do Projeto de Instalação Hidráulica, com 01 (uma) prancha; Anexo VI Plotagem do Projeto de Instalação Sanitária, com 01 (uma) prancha; Firmo o presente, Boa Vista - Roraima, 16 de abril de ENGª. CIVL MARTA ALVES DOS SANTOS PERITA E ASSESSORA TÉCNICA PR-RR/MPF - Matrícula:

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição Fossa séptica 1 FOSSA SÉPTICA Em locais onde não há rede pública de esgoto, a disposição de esgotos é feita por meio de fossas, sendo a mais utilizada a fossa séptica. Esta solução consiste em reter a

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Químico (UNICAMP, 1989); Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

MEMORIAL INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

MEMORIAL INSTALAÇÕES SANITÁRIAS MEMORIAL CONSTRUÇÃO AC SÃO PAULO DE OLIVENÇA / AM RUA TRIADENTES, S/Nº-CENTRO CEP 69.600-000 SÃO PAULO DE OLIVENÇA GEREN/DR/AM MANAUS mal/smds MEMORIAL - AMAZONAS PÁGINA 1 DE 5 AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO

Leia mais

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA 1-Generalidades Sumário 2-O que é o sumidouro e como funciona? 3-Aspectos Construtivos 4-Prescrições Normativas e Critérios

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO OBRA: CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social). PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Sobral. ENDEREÇO: Rua Sem Denominação Oficial

Leia mais

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. Guia de Instalação BIODIGESTOR ECOLIMP 600 L 1.300 L Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 10:58:54 1.

Leia mais

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75.

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75. Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Saneamento ecológico a/c Renato Cortez 1. caixa de gordura De acordo com a NBR 8160, para a coleta de apenas uma cozinha, pode-ser uma caixa

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Fossa séptica. Resumo. Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave. Fossa séptica; esgoto; tratamento.

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Fossa séptica. Resumo. Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave. Fossa séptica; esgoto; tratamento. RESPOSTA TÉCNICA Título Fossa séptica Resumo Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave Fossa séptica; esgoto; tratamento. Assunto Meio ambiente, reciclagem e tratamento de resíduos Demanda

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

TRATAMENTO LOCALIZADO DE ESGOTOS

TRATAMENTO LOCALIZADO DE ESGOTOS Soluções individualizadas, não sistêmicas Operações e processos Tratamento primário: tanques sépticos (fossa) Remoção DBO: 30% e SST: 50% Pós-tratamento: filtro anaeróbio Remoção DBO: 60-70% e SST: 70%

Leia mais

1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02

1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02 1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02 A cidade de Cajazeiras, localizada no estado da Paraíba (PB), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros de obras que

Leia mais

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma COBRAMSEG 00: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. 00 ABMS. Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos

Leia mais

PROJETO HIDROSSANITÁRIO

PROJETO HIDROSSANITÁRIO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Ampliação Comercial 1/10. PROJETO HIDROSSANITÁRIO CLIENTE : Rosangela Slomp Obra : Ampliação Comercial Endereço: Rua Dr. Mauricio Cardoso Hamburgo Velho Novo Hamburgo - RS Área

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev

GUIA DE INSTALAÇÃO - BIODIGESTOR GUIA DE INSTALAÇÃO. Biodigestor Fortlev GUIA DE INSTALAÇÃO Biodigestor Fortlev 1 CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Tratamento orgânico de esgoto do tipo domiciliar. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, sítios ou qualquer outra aplicação

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE. PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE. PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1 RELATÓRIO: De autoria do Vereador Amauri Cardoso, este projeto

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos

Leia mais

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG.

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/7 O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro civil (1997): UFU Universidade Federal de

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Sistemas Prediais, Hidráulico-Sanitários e Gás Aula 2 Prof. Julio César B. Benatti SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO NBR 8160/99 Sistema de esgoto sanitário: coletar e conduzir os despejos provenientes

Leia mais

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO 1. GENERALIDADES O presente memorial descritivo trata das instalações hidrossanitárias do prédio acima descrito, o qual foi elaborado segundo as normas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDRO SANITÁRIO OBRA: ANEXO 01 Proprietário: CREA SC - CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SANTA CATARINA Responsável Projeto: Eng Civil Cleber Giordani

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS PREDIAIS Caxias do Sul 2015 2 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Determinação do número de contribuintes...

Leia mais

Manual Prático Saneamento Básico Residencial

Manual Prático Saneamento Básico Residencial Manual Prático Saneamento Básico Residencial 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 A cidade de Campo Grande, localizada no estado do Rio Grande do Norte (RN), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros

Leia mais

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: CREA/UF: Autor do Projeto Resp. Técnico: CREA/UF: Co-Autor: CREA/UF: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO:

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

BIODIGESTOR. Guia de Instalação 600 L 1.300 L 3.000 L. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

BIODIGESTOR. Guia de Instalação 600 L 1.300 L 3.000 L. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. BIODIGESTOR 600 L 1.300 L 3.000 L Guia de Instalação Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. 1. Apresentação O Biodigestor é uma miniestação de tratamento

Leia mais

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL.

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO DOMÉSTICO Definição: esgoto gerado nas residências

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

fi>~'t:alhes DE LlGAC;OES OAS "lugulac;oes 7 : I""." 1---- ~;J-LlJ-'-U-\D-C -VENTIL.AC na ATE A <, : : concn TUliA (()PC1Cru\L) 15 Cl1\ ."... _ v.

fi>~'t:alhes DE LlGAC;OES OAS lugulac;oes 7 : I. 1---- ~;J-LlJ-'-U-\D-C -VENTIL.AC na ATE A <, : : concn TUliA (()PC1Cru\L) 15 Cl1\ .... _ v. :;.,. -.. - 39 fi>~'t:alhes DE LlGAC;OES OAS "lugulac;oes.. v '4' ~.. ~ "r;:... ;.;. ~,... ~ '........,.." 5 Cl\ DE VENTLACAO '.. 7 : ""." ---- ~;J-LlJ-'-U-\D-C -VENTL.AC na ATE A

Leia mais

Check list e Avaliação. Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO - Check list e Avaliação Dados do Imóvel: Endereço:

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 5. MATERIAIS Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 Numa instalação hidráulica, os materiais são classificados em tubos, conexões e válvulas, os quais abrangem uma grande variedade de tipos,

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB P SUL Ceilândia - DF Novas Instalações Código do Projeto: 3946-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37

Leia mais

FOSSAS SÉPTICAS. Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA

FOSSAS SÉPTICAS. Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA FOSSAS SÉPTICAS Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA 1-Generalidades Apresentaçã ção 2-O que é a fossa séptica e como funciona 3-Restrições ao uso, Localização e Distâncias Mínimas 4-Aspectos

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS Carolina Gaspar Enderle (1) Aluna do curso Técnico em Segurança do Trabalho do Colégio Técnico Industrial

Leia mais

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários;

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários; PROJETO DE: EMENDA À LEI ORGÂNICA LEI COMPLEMENTAR LEI ORDINÁRIA RESOLUÇÃO NORMATIVA DECRETO LEGISLATIVO ( X ) Nº /2013 AUTOR/SIGNATÁRIO: Ver. GILBERTO PAIXÃO EMENTA: Dispõe sobre os serviços e obras para

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A.

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT

Leia mais

INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva e Justificativa

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS Considerando o índice pluvialmétrico histórico da Cidade do Salvador, de 1800 mm por ano. Tendo em mente a correspondência de 1 mm de chuva ser equivalente a 1 (um) litro

Leia mais

18.4. Áreas de vivência

18.4. Áreas de vivência 18.4. Áreas de vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; (118.015-0 / I4) b) vestiário; (118.016-9 / I4) c) alojamento; (118.017-7 / I4) d) local de refeições;

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.4 Áreas de Vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; b) vestiário; c) alojamento; d)

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000 SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 EEA Empresa de Engenharia Ambiental Ltda. OWENS CORNING AMÉRICA LATINA RIO CLARO-SP Cuidando do Meio Ambiente

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Armazenamento e Comercialização de Produtos Agroquímicos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

Dimensionamento das Instalações de Água Fria

Dimensionamento das Instalações de Água Fria Dimensionamento das Instalações de Água Fria Dimensionamento é o ato de determinar dimensões e grandezas. As instalações de água fria devem ser projetadas e construídas de modo a: - Garantir o fornecimento

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI

PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI PROJETO QUADRA POLIESPORTIVA - SESI Contratante: SESI - FIEB Localização: Unidade SESI Simões Filho BA. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS, DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO E DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS Memorial Descritivo

Leia mais

FUNDAÇÃO PROFESSOR MARTINIANO FERNANDES- IMIP HOSPITALAR - HOSPITAL DOM MALAN

FUNDAÇÃO PROFESSOR MARTINIANO FERNANDES- IMIP HOSPITALAR - HOSPITAL DOM MALAN 25% 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 12.734,82 1.1 COTAÇÃO MOBILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E PESSOAL. M² 200,00 2,57 3,21 642,50 1.2 74220/001 TAPUME DE CHAPA DE MADEIRA COMPENSADA, E= 6MM, COM PINTURA

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

Informa INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DO SISTEMA SEPARADOR DE AREIA E ÓLEO A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE É FUNDAMENTAL NA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

Informa INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DO SISTEMA SEPARADOR DE AREIA E ÓLEO A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE É FUNDAMENTAL NA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Informa INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DO SISTEMA SEPARADOR DE AREIA E ÓLEO A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE É FUNDAMENTAL NA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Introdução A coleta e o tratamento de esgotos contribuem

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO ( ) Este documento Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido e assinado pelo requerente

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA

MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA APRESENTAÇÃO SISTEMA ECOFOSSA A Ecofossa é um sistema biológico autônomo de tratamento de esgoto que não utiliza energia elétrica ou qualquer produto químico

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf )

MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf ) MEMÓRIA DE CÁLCULO FOSSA SÉPTICA : V (volume ) = 1000+N (C x T +K x Lf ) N = 33 pessoas C = 130 litros (tab.1) T = 0,83 (tab. 2 - volume entre 3001 a 4500 ) K = 94 (tab. 3 limpeza anual e t 10 ) Lf = 1

Leia mais

Guia de Soluções EcoWin Soluções Ecológicas

Guia de Soluções EcoWin Soluções Ecológicas Guia de Soluções Problemas & Soluções Este manual técnico traz exemplos de situações que surgiram durante a instalação e operação dos sistemas URIMAT no país ou no exterior nos últimos anos. A seguir,

Leia mais

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 15 Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Vamos dimensionar as tubulações do sistema de esgoto abaixo: 1. Análise do projeto. Temos uma casa com um banheiro, área de serviço e cozinha.

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos = Dejectos = Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária III Curso

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Águas Lindas GO Novas Instalações Código do Projeto: 3947-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37 Brasília-DF

Leia mais

ANEXO I PROJETO BÁSICO

ANEXO I PROJETO BÁSICO ANEXO I PROJETO BÁSICO 1. OBJETO Constitui o objeto do presente Termo de Referência para a contratação de Fornecimento e Instalação de Unidade Sanitária Individual (USI), para tratamento de esgoto unifamiliar

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2 Notas de aula Tabelas, e recomendações. Esgoto Sanitário. Prof. Ms. Gerson Antonio Lisita Lopes Arantes Agosto/2004

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DOS PROJETOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS, SANITÁRIAS E PLUVIAL MERCADO PÚBLICO DO SÃO JOAQUIM TERESINA PI AGOSTO/2014 IDENTIFICAÇÃO Obra: Mercado do São Joaquim Endereço: Bairro São

Leia mais

LIGAÇÃO COMERCIAL OU INDUSTRIAL DE ESGOTO

LIGAÇÃO COMERCIAL OU INDUSTRIAL DE ESGOTO LIGAÇÃO COMERCIAL OU INDUSTRIAL DE ESGOTO Padronização da caixa de amostragem industrial e/ou comercial de efluentes. 1. Localização e infra estrutura da caixa de amostragem de efluentes: 1.1 Esta caixa

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO E DESINFECÇÃO DO EFLUENTE TRATADO ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO E DESINFECÇÃO DO EFLUENTE TRATADO ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO E DESINFECÇÃO DO EFLUENTE TRATADO OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

SOLUÇÕES ECOLÓGICAS INDIVIDUAIS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTO

SOLUÇÕES ECOLÓGICAS INDIVIDUAIS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTO Versão MMF 05/2014 MANUAL DE INSTRUÇÃO SOLUÇÕES ECOLÓGICAS INDIVIDUAIS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTO MANUAL DE INSTRUÇÃO MAXFOSSA A Mondialle, tradicional fabricante de banheiras de hidromassagem em fibra

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC ALUNOS: SABRINA TECILA RODRIGO LUAN ORIENTADORA: JUCINÉIA DOS SANTOS DE ARAUJO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC ALUNOS: SABRINA TECILA RODRIGO LUAN ORIENTADORA: JUCINÉIA DOS SANTOS DE ARAUJO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC ALUNOS: SABRINA TECILA RODRIGO LUAN ORIENTADORA: JUCINÉIA DOS SANTOS DE ARAUJO FOSSAS SÉPTICAS: ÁGUA PURA NA TORNEIRA JARAGUÁ DO SUL 2014 RESUMO As deficiências

Leia mais

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 CRIA, no município de Manaus, o Programa de Tratamento e Uso Racional das Águas nas edificações PRO-ÁGUAS. O PREFEITO DE MANAUS, usando das atribuições que lhe são

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA.

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

FOSSA SÉPTICA ECOLIMP

FOSSA SÉPTICA ECOLIMP Guia de Instalação FOSSA SÉPTICA ECOLIMP Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. guia_fossa_septica_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 14:46:27 1. Apresentação

Leia mais

NO SISTEMA LAGO-CANAIS-CISTERNA DA RESIDÊNCIA DE

NO SISTEMA LAGO-CANAIS-CISTERNA DA RESIDÊNCIA DE MOACYR MOLINARI perito engenheiro L A U D O D E P E R Í C I A T É C N I C A NO SISTEMA LAGO-CANAIS-CISTERNA DA RESIDÊNCIA DE BLANK Que faz MOACYR MOLINARI, brasileiro, casado, residente à rua, professor

Leia mais

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006 TÍTULO INSTLÇÕES HIDRÁULICS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Projeto. Instalação. Hidráulica. INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 PROVÇÃO PROCESSO PR 009866/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 1 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

VAZÕES DE ESGOTO. Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva

VAZÕES DE ESGOTO. Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental VAZÕES DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Caracterização da Quantidade de Esgotos Concepção

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

1. Quais os objetivos da elaboração do projeto. 2. Apresentação da terminologia e simbologia.

1. Quais os objetivos da elaboração do projeto. 2. Apresentação da terminologia e simbologia. APRESENTAÇÃO A presente apostila foi elaborada para servir de material de apoio para as aulas da disciplina de Instalações. A apostila pretende fornecer elementos suficientes para a elaboração do projeto

Leia mais

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento. Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal. Cadastro Descritivo da Atividade - Geral devidamente

Leia mais