Não há redes isoladas. Tecnologias de comunicações para redes inteligentes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Não há redes isoladas. Tecnologias de comunicações para redes inteligentes"

Transcrição

1 Não há redes isoladas Tecnologias de comunicações para redes inteligentes MATHIAS KRANICH As redes inteligentes recolhem informação da qual derivam conclusões. Contudo, para uma reacção adequada a mudanças no ambiente de geração e transporte, os sistemas e as pessoas por detrás deles necessitam de uma visão completa das condições da rede. Coligir tal informação requer comunicações robustas, pois o desconhecimento do que se passa dificulta o processo de decisão. Com mais de meio século de experiência na integração de sistemas de comunicações, a ABB tem a capacidade para resolver os desafios técnicos que permitem tornar a rede inteligente uma realidade, incluindo toda um conjunto de soluções diversas para a implementação da rede de comunicações física tais como os multiplexadores de fibra óptica FOX, os comutadores Ethernet AFS, o sistema de comunicações sobre rede eléctrica (PLC, Powerline Communications) ETL a as redes sem fios em malha IEEE Tropos. 84 ABB review 4 14

2 Comunicações com criticidade para missão dependem mais da Qualidade de Serviço da rede, como por exemplo a latência, do que da sua largura de banda. A escala geográfica das redes de transporte e distribuição apresenta um desafio único à fiabilidade das comunicações. A dimensão da maioria das redes é só por si um desafio, mas a configuração topológica pode ainda dificultar a implementação de anéis redundantes ou de ligações em malha. Contudo, uma conectividade com segurança intrínseca é essencial em tais infraestruturas críticas -1. Foto de rosto São necessários investimentos de longo prazo para dar às redes eléctricas a inteligência de que necessitam. Com uma vasta experiência, a ABB tem a capacidade para resolver os desafios técnicos de tornar a rede inteligente uma realidade, utilizando produtos que asseguram que a informação operacional é partilhada por toda a rede. O termo comunicações críticas evoca imediatamente imagens de técnicos em luta em salas de controlo para reencaminharem a energia na iminência de um desastre de grandes proporções. Na realidade, a maioria das comunicações é bem mais tranquila mas não menos crítica. As mensagens realmente importantes, das quais depende a segurança da rede, são geralmente enviadas, recebida e processadas em menos de um abrir e fechar de olhos. Tais comunicações dependem mais da Qualidade de Serviço da rede, como por exemplo a latên- cia, do que da sua largura de banda. As mensagens com criticidade para missão são curtas mas têm de ser entregues dentro de um quadro temporal previsível. Presentemente, muitas redes eléctricas Uma subestação inteligente pode facilmente gerar dezenas de megabytes de dados por segundo, e o processamento destes dados exige uma cuidadosa consideração. operando aos níveis mais elevados de tensão estão já repletas de conexões em fibra que são mapeadas em anéis redun- Não há redes isoladas 85

3 1 Communication requirements evolve with smart grids Smart grid application layer Renewable energy sources Improved high-voltage transmission infrastructure Supervision and automation of substation and distribution systems Automatic meter reading electric vehicles home automation New needs here... Communication layer LAN Local area (Ethernet) WAN Wide area (eg, fiber optic, powerline communication) FAN/WAN Field area (eg, Wi-Fi meshed) HAN/WAN/AMI Home area (eg, Zigbee)... create more communication requirements Power layer Generation Transmission Distribution Home Utility Infrastructure Consumers dantes, e os multiplexadores FOX da ABB conseguem assegurar que as mensagens são entregues a tempo, eventualmente com utilização nas linhas importantes de alta tensão de ligações de reserva adicionais suportadas em tecnologia de comunicação através da rede eléctrica (PLC, Powerline Communications) -2. Mas nas regiões mais remotas do mundo são largamente utilizadas as redes suportadas puramente em tecnologia PLC. Em muitos locais a utilização desta tecnologia ou, em casos especiais, de microondas, é mais económica do que a criação de uma derivação em fibra óptica a partir do anel. Para permitir a ligação de tais estações remotas à rede inteligente, a gama Electrical Transmission Line (ETL) de equipamento PLC da ABB pode suportar ritmos binários até 320 kbit/s, ao passo que as soluções de microondas podem fornecer taxas de transmissão mais elevadas, p.ex. até 622 Mbit/s, embora para isso necessitando de condições de linha de vista -3. Mas se tais capacidades não são necessárias para as mensagens de emergência, o que é que está a ocupar a capacidade instalada? Igualmente importantes para a viabilidade a longo prazo das redes eléctricas são as mensagens que reportam a situação operacional dos transformadores, as temperaturas dos disjuntores, a viscosidade do óleo de refrigeração, bem como muitos outros factores ambientais que afectam a rede. Estes dados necessitam de serem agrega- Visto uma rede de comunicações com falhas poder ter implicações sérias, a protecção da rede torna-se tão importante como a protecção dos serviços disponibilizados. dos e analisados por software que possa identificar tendências em formação e a ocorrência de eventos fortemente correlacionados, revelando o impacto de novas máquinas ou de carga excessiva. Esta análise permite ao centro de operações detectar problemas em desenvolvimento, accionar trabalhos de reparação antes da ocorrência de falhas e, em geral, manter sob observação o estado da rede. Uma subestação inteligente pode facilmente gerar dezenas de megabytes de dados por segundo e o processamento destes dados exige uma cuidadosa consideração. É claro que a rede de área alargada não tem de transportar todos eles, pois o elevado volume de dados coligidos a partir da fibra interna à subestação pelas Ethernets de alto débito (geridas pelos comutadores AFS da ABB para conformidade com a norma IEC 61850) é introduzido nos dispositivos electrónicos inteligentes (IED) e unidades de terminais remotos (RTU) da subestação, os quais por sua vez removem informação redundante e repetitiva. Mas quando se interliga uma meia dezena de subestações, a carga na rede e o potencial de falhas começam a aumentar. O tráfego de manutenção e administração é uma parte essencial da rede inteligente, mas pode também colocar uma carga considerável na infraestrutura de comunicações. Se a comunicação for utilizada apenas durante emergências ou para instruções às equipas de campo através do canal de serviço, então a largura de banda requerida é diminuta. A implantação de uma intranet nas subestações e a interconexão das redes de área local (LAN) de delegações por meio de redes operacionais podem fazer facilmente aumentar os requisitos de largura de banda para as dezenas de megabits por segundo. Comunicações o potenciador da rede inteligente Uma rede de comunicações com falhas pode ter implicações sérias além da redução óbvia da visibilidade da rede. A autonomia da rede inteligente depende 86 ABB review 4 14

4 2 ABB s FOX multiplexers ensure messages are delivered on time da sua capacidade de identificar a presença de componentes para trocas de informação, como no caso da protecção remota para disparo directo de disjuntores, que requer que o disjuntor saiba o que foi detectado remotamente antes de decidir qual a linha a interromper para o de dar indicações a um concessionário sobre onde enviar pessoal e sobre que partes da rede ainda se encontram operacionais, assim minimizando as indisponibilidades, reduzindo os custos e ao mesmo tempo aumentando a segurança. Segundo o Power Research Institute (EPRI), a maior parte do investimento para uma rede inteligente é na infraestrutura de comunicações, o qual pode contudo posteriormente conduzir a poupanças substanciais. FOX615 é um multiplexador de serviço que permite uma conexão directa de todas as aplicações específicas das concessionárias ao multiplexador sem a necessidade de conversores externos. isolamento duma avaria. Pode ser mais complicado quando o sistema SCADA, por exemplo, tem de decidir como actuar perante um IED que de repente fica silencioso ou começa a enviar reportes erróneos. Assim, a protecção da rede de comunicações torna-se tão importante como a protecção dos serviços disponibilizados. O Electric Power Research Institute (EPRI) tem conduzido análises detalhadas dos custos de uma rede inteligente.1 Segundo estas análises, a maior parte do investimento para uma rede inteligente é na infraestrutura de comunicações, o qual pode contudo posteriormente conduzir a poupanças substanciais. Como exemplo, a concessionária PECO, de Filadélfia, conseguiu evitar 7500 visitas de técnicos somente em 2005 graças às comunicações da rede inteligente que permitiram confirmar a veracidade das indisponibilidades relatadas pelos clientes. Quando a rede eléctrica sofre falhas de grande dimensão, as redes de comunicações têm de continuar operacionais. Com recursos limitados, e também frequentemente com a segurança pública em risco, a rede necessita de ser capaz Notas 1 ProductAbstract.aspx?Product Id= Não há redes isoladas 87

5 O ETL600 é capaz de suportar com sucesso comunicações nos ambientes mais difíceis, por exemplo transmitindo a mais de 1000 km sem utilização de repetidores. 3 ABB s ETL Powerline routers can carry up to 320 kb/s while ensuring that remote stations are not cut off from the smart grid. O desafio da rede inteligente Como parte do conceito de rede inteligente, as comunicações deveriam deixar de estar limitadas às operações internas a uma única empresa. Para conseguir uma visão global da rede, um sistema de transporte tem de falar com um sistema de distribuição, os geradores têm de poder ler a procura eléctrica das instalações dos clientes e as redes de comunicações têm de ser integradas sem soluções de continuidade, para que as decisões possam ser baseadas em informação sobre toda a rede e não apenas sobre partes dela. Esta integração vai em sentido contrário à evolução verificada na indústria até ao presente. A fragmentação existente foi criada para estimular a competição, mas para a rede inteligente esta fragmentação apresenta um desafio maior. O objectivo de uma rede inteligente requer a integração de estratégias e equipamentos de comunicações diversos. As concessionárias nacionais e os governos exigem compatibilidade como preparação para as comunicações integradas. Normas como a IEC asseguram a compatibilidade no interior da concessionária, e a ABB está há décadas intimamente envolvida na elaboração de tais normas. A comunicação entre as concessionárias é igualmente importante, e assim a ABB tem igualmente dado apoio à criação do Inter- Control Center Communications Proto- col (ICCP), também conhecido como IEC , para as comunicações entre concessionárias, quer a montante quer a jusante. A ABB já instalou software de gateway que assegura que os seus clientes possam integrar os seus sistemas para benefício da própria rede inteligente. Tecnologias de comunicações para a rede inteligente A ABB tem décadas de experiência na construção de redes de comunicações, desde os sistemas iniciais de telecomando centralizado por injecção de frequências áudio (ripple control) para ligar e desligar remotamente caldeiras de aquecimento de água e candeeiros de iluminação pública, até ao desenvolvimento da tecnologia PLC, das fibras ópticas com excitação por laser e das técnicas de rádio em malha abarcando as cidades inteligentes do futuro. Embora já não se utilize o telecomando centralizado, o mesmo não se passa com a tecnologia PLC, com o ETL600 sendo capaz de suportar com sucesso comunicações nos ambientes mais difíceis, por exemplo transmitindo a mais de 1000 km sem utilização de repetidores. Presentemente, os sistemas PLC são frequentemente instalados como reservas operando em paralelo com linhas de fibra óptica, especialmente em locais cuja geografia torna impraticável um anel redundante de fibra. 88 ABB review 4 14

6 4 ABB s FOX (in cabinets) support multipurpose with utility-specific solutions. Se numa rede existir fibra disponível, então são instaladas redes ópticas. A tecnologia SDH, de comutação de circuitos, fornece elevada Qualidade de Serviço e é principalmente utilizada em sistemas de transporte [1]. Contudo, os sistemas de distribuição de baixa tensão não exigem tipicamente um nível de Qualidade de Serviço tão elevado e podem operar sobre redes Ethernet, de comutação de pacotes. Considerando o ambiente adverso e as aplicações específicas das concessionárias, estas soluções requerem uma concepção de produto muito especial, por exemplo, sem ventiladores e com gama alargada de temperaturas de funcionamento. As famílias de equipamento de comunicações FOX e AFS da ABB possuem as características requeridas pelas concessionárias quer para SDH quer para Ethernet -4. Frequentemente não existe suporte cablado disponível, o que leva à utilização de soluções sem fios. A ABB Review 1/2013 contém uma panorâmica dos princípios fundamentais [2]. A melhor forma de enfrentar os desafios impostos pela rede inteligente pode ser a tecnologia normalizada WiFi , a qual fornece largura de banda suficiente para combinar aplicações diversas e permitir As entidades governamentais e o público em geral estão cientes das claras vantagens das redes inteligentes, sendo última análise necessários vontade política e investimentos de longo prazo para trazer para as redes eléctricas a inteligência de que necessitam. suportar a coexistência de operadores diferentes numa mesma rede. A linha de produtos Tropos da ABB possibilita sistemas em malha de classe industrial altamente fiáveis que ao mesmo tempo suportam várias aplicações sobre uma rede unificada. Até o protocolo GOOSE (Generic Object Oriented Substation Events) da norma IEC pode ser implementado para aplicações de baixa tensão por meio desta solução de comunicações. A ABB Review 4/2013 contém detalhes adicionais sobre a elevada disponibilidade assegurada por este protocolo [3]. As entidades governamentais e o público em geral estão cientes das claras vantagens das redes inteligentes mas algumas concessionárias têm demorado em adoptá-las, em particular quando tomados em consideração o preço decrescente da energia e o facto de poderem ter de colaborar estreitamente com empresas até aí consideradas competidoras, fornecedoras ou clientes. Estes problemas podem ser abordados a partir de normas internacionais, tais como a IEC 68150, com plataformas multiserviços tais como FOX ou Tropos da ABB, as quais suportam redes multiuso com soluções específicas das concessionárias tais como os sistemas PLC ETL ou os comutadores Ethernet AFS. Estas soluções podem desbravar caminho, mas pode também ser difícil para as concessionárias desenvolverem justificações económicas para uma mudança. Em última análise, são necessários vontade política e investimentos de longo prazo para trazer para as redes eléctricas a inteligência de que necessitam. Mathias Kranich ABB Power Systems Baden, Suíça Referências [1] M. Kranich, et al., Making the switch: ABB s new multiservice multiplexer, FOX615, meets the new challenges faced by operational communication, ABB Review 1/2013, pp [2] P. Bill, et al., Fine mesh: Mesh wireless network connectivity, ABB Review 1/2013, pp [3] P. Bill, et al., Robust radio: Meshed Wi-Fi wireless communication for industry, ABB Review 4/2013, pp Não há redes isoladas 89

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Topologias e abrangência das redes de computadores Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Tornar os alunos capazes de reconhecer os tipos de topologias de redes de computadores assim como

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

Secção II. ƒ Alternativas para redes de telecomunicações

Secção II. ƒ Alternativas para redes de telecomunicações 1 Secção II ƒ Alternativas para redes de telecomunicações 2 Alternativas para redes de telecomunicações Alternativa de rede Redes Suportes Processadores Software Canais Topologia/arquitectura Exemplos

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

DS AGILE SISTEMA DIGITAL INTEGRADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA

DS AGILE SISTEMA DIGITAL INTEGRADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA DS AGILE SISTEMA DIGITAL INTEGRADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA A nova era de Smart Grids inteligentes exige subestações que possuam sistemas de automação mais sofisticados, permitindo aos operadores de

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Processadores de telecomunicações

Processadores de telecomunicações 1 Processadores de telecomunicações ƒ Modems (modulação/desmodulação) ƒ Converte sinais entre os formatos analógico e digital. ƒ Multiplexadores ƒ Permitem que um canal de comunicação transporte simultaneamente

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto TIPOS DE REDE Tipos de Redes Locais (LAN - Local Area Network), Redes Metropolitanas (MAN - Metropolitan Area Network) e Redes Remotas (WAN - Wide Area Network). Redes que ocupam um pequeno espaço geográfico

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Introdução Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Um pouco de História Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia 1 Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia Autor: Kobi Gol Gerente de Desenvolvimento de Negócios e Soluções da RAD Data Communications. 2 As redes das empresas de energia estão

Leia mais

Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil

Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850 O. J. M. da MOTTA e C.A. CORDEIRO FURNAS M. G. CASTELLO BRANCO* e C. H. R. de OLIVEIRA CPqD Brasil RESUMO Neste trabalho, os autores propõem uma abordagem dos

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições

Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições Fernando Petenel e Cristiano Panazio Resumo Este artigo apresenta uma análise de uma rede Smart Grid baseada na norma IEC 61850

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

Tema 3 Os Sistemas de Informação e as Comunicações na Empresa

Tema 3 Os Sistemas de Informação e as Comunicações na Empresa Tema 3 Os Sistemas de Informação e as Comunicações na Empresa Prof. Dr. José Bio 1 Indíce Introdução Oportunidades para os CIIS» modelo de análise Modelos de comunicações» 1-1, 1-n, n-m» tradicionais e

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Redes de Computadores 3º Ano / 1º Semestre Eng. Electrotécnica Ano lectivo 2005/2006 Sumário Sumário Perspectiva evolutiva das redes telemáticas Tipos de redes Internet, Intranet

Leia mais

Uma LAN proporciona: Topologias. Tipos de rede:

Uma LAN proporciona: Topologias. Tipos de rede: Tipos de rede: Estritamente falando, uma rede local ou LAN (Local Area Network) é um grupo de computadores que estão conectados entre si dentro de uma certa área. As LANs variam grandemente em tamanho.

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Radiocrafts Embedded Wireless Solutions

Radiocrafts Embedded Wireless Solutions Radiocrafts Embedded Wireless Solutions Módulos sem fio para Smart Metering Por Peder Martin Evjen, M.Sc.E.E., Managing Director, Radiocrafts AS A tendência em AMR e Smart Metering é utilizar tecnologia

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Redes de Computadores

Introdução às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Redes de Computadores Introdução às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes

Leia mais

Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt. Ulbra Canoas - 2012-2

Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt. Ulbra Canoas - 2012-2 Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt Ulbra Canoas - 2012-2 Apresentação Professor: Dissertação de Mestrado: Uma Plataforma para Integrar Dispositivos

Leia mais

Eng.º Domingos Salvador dos Santos. email:dss@isep.ipp.pt

Eng.º Domingos Salvador dos Santos. email:dss@isep.ipp.pt Sistemas e Planeamento Industrial DOMÓTICA REDES DE CAMPO Eng.º Domingos Salvador dos Santos email:dss@isep.ipp.pt Outubro de 2010 Outubro de 2010 2/20 REDES DE CAMPO Fieldbus Fieldbus Estrutura da Apresentação

Leia mais

Sistemas de monitoramento on-line aplicados aos diversos segmentos do sistema elétrico. David Scaquetti

Sistemas de monitoramento on-line aplicados aos diversos segmentos do sistema elétrico. David Scaquetti Sistemas de monitoramento on-line aplicados aos diversos segmentos do sistema elétrico David Scaquetti Introdução Importância dos transformadores no sistema de potência Evolução do monitoramento: - Medição

Leia mais

Capítulo VII. Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850. Automação de subestações. A norma IEC 61850

Capítulo VII. Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850. Automação de subestações. A norma IEC 61850 56 Capítulo VII Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850 Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A construção de subestações é uma atividade que

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Estrutura do tema ISC

Estrutura do tema ISC Introdução aos Sistemas de Computação (5) 6. Da comunicação de dados às redes de computadores Uma Rede de Computadores é constituida por: Estrutura do tema ISC 1. Representação de informação num computador

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

XI Seminário Técnico de Proteção e Controle 18 a 21 de novembro de 2012 Florianópolis Santa Catarina Brasil

XI Seminário Técnico de Proteção e Controle 18 a 21 de novembro de 2012 Florianópolis Santa Catarina Brasil Topologias de rede ethernet tipo anel para grandes sistemas elétricos baseados na norma IEC61850 Paulo Antunes Souza Jr Newton de Carvalho Fernandez Gilberto Morgado Siemens I&C SG EA Baumier Siemens I&C

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão.

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES O que é uma Rede? Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. Uma Rede de Computadores é constituída por vários computadores conectados

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil IX Seminário Técnico de Proteção e Controle 1 o a 5 de Junho de 2008 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Testes de Performance em IED s através de ensaios utilizando mensagens GOOSE (IEC61850) Paulo Sérgio

Leia mais

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Redes de Computadores Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Agenda Introdução a Rede de Computadores Classificação Tipos de Redes Componentes de Rede Internet,

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM ANO: 11º Redes de Comunicação ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/8 Componentes de um sistema de comunicações; Sistemas Simplex, Half-Duplex e Full- Duplex; Transmissão de sinais analógicos e digitais; Técnicas

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Secção de Redes de Comunicação de Dados

1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Secção de Redes de Comunicação de Dados 1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Necessidades de comunicação

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia

Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia 56 Apoio Automação de subestações Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) O desenvolvimento das facilidades de comunicação

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo 1(10) Índice 1. Objectivo... 3 2. Descrição do Sistema

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 2. Padrões de Redes Locais 2.1 - Criação da Ethernet 2.2 - Padrões IEEE 802.x 2.3 - Especificações 802.3 2.4 - Token Bus 2.5 - Token Ring 2.1 - Criação

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC 01 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

7.5 Redes Locais Novas Tecnologias em LANs. Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados

7.5 Redes Locais Novas Tecnologias em LANs. Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados 7.5 Redes Locais Novas Tecnologias em LANs Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Sumário: Novas Técnicas aplicadas na Ethernet Full-duplex na Ethernet Controlo de

Leia mais

Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo

Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo PDI Preparação para Dissertação

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Anéis Ópticos em Backbone www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em 1980 foi formado o grupo de trabalho ANSI X3T9.5 com a finalidade de desenvolver

Leia mais

Sistemas Multimédia. Instituto Superior Miguel Torga. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Instituto Superior Miguel Torga. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Instituto Superior Miguel Torga Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Estrutura das Aulas 5 Aulas Aula 10 (20 de Abril) Classificação Componentes Aula 11 (27 de Abril)

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Professor Esp. Douglas Diego INESUL- ANÁPOLIS

Professor Esp. Douglas Diego INESUL- ANÁPOLIS Professor Esp. Douglas Diego INESUL- ANÁPOLIS Historia Antes do advento de computadores baseadas em algum tipo de sistema de telecomunicação, a comunicação entre máquinas calculadoras e computadores antigos

Leia mais

Módulo 8 Ethernet Switching

Módulo 8 Ethernet Switching CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 8 Ethernet Switching Comutação Ethernet 2 Segmentação de Redes Numa Ethernet o meio de transmissão é compartilhado Só um nó pode transmitir de cada vez. O aumento

Leia mais

Case Study. EDP Renováveis - Roménia

Case Study. EDP Renováveis - Roménia EDP Renováveis - Roménia A solução implementada pela Wavecom tem como objectivo a interligação de dois parques eólicos da EDPR, localizados na Roménia, com os seus centros de despacho. Wavecom - Soluções

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES

EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES O caminho percorrido pelas subestações de energia elétrica até alcançar as modernas instalações de hoje. 1 Cem anos não são nada se comparados com o tempo em que o homem vem vagando

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

IEC 61850 HardFiber Process Bus BRICK

IEC 61850 HardFiber Process Bus BRICK Digital Energy IEC 61850 HardFiber Process Bus BRICK Licinio Ribeiro de Miranda GE Digital Energy Engenheiro de Aplicações América Latina GE Digital Energy GE Energy The The GE GE Smart Smart Grid Grid

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Redes de Computadores Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Classificação de Redes Redes de Computadores Conjunto de nós processadores capazes de trocar informações

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

Redes de Computadores UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI.

Redes de Computadores UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. *Definição *Contexto Atual *Meios de Transmissão *Equipamentos de Comunicação *Arquiteturas de Redes *Tecnologias de LAN s *Protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Sumário. Topologias de rede. Topologias Físicas. Topologia Física: Barramento 10/07/2015. Introdução as Redes

Sumário. Topologias de rede. Topologias Físicas. Topologia Física: Barramento 10/07/2015. Introdução as Redes Técnico em Informática 4º Int. Redes de Computadores Fabricio A. Steinmacher Sumário Topologias Físicas e Lógicas; Equipamentos para LAN Modelo OSI Introdução as Redes Topologia física Topologias de rede

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Bruno Silvério Costa 1. O Problema de Alocação do Canal Alocação estática de canais em LANs e MANs Alocação dinâmica de canais em LANs e MANs 1.1 Alocação dinâmica

Leia mais

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter Powerline Adapter Note! Não expor o Powerline Adapter a temperaturas extremas. Não deixar o dispositivo sob a luz solar directa ou próximo a elementos aquecidos. Não usar o Powerline Adapter em ambientes

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 56 Capítulo IV Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) As atuais soluções de automação de subestações um relé de proteção 99,9945%

Leia mais

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 PROFESSOR: Hiarly Alves Rodrigues Paiva Introdução a Redes de Computadores FACULDADE UNICE Fortaleza CE Ementa Introdução. Topologias de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES 1 2 REDES DE COMPUTADORES ADRIANO SILVEIRA ADR_SILVEIRA@YAHOO.COM.BR Classificação quanto ao alcance geográfico LAN Local Area Network, tem alcance em nível de empresas, órgãos, organizações ou casas.

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS Profº Erinaldo Sanches Nascimento Objetivos Examinar as várias maneiras para projetar a infraestrutura de cabo para

Leia mais