PRODUÇÃO DE MUDAS PARA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUÇÃO DE MUDAS PARA"

Transcrição

1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas PRODUÇÃO DE MUDAS PARA RECUPERAÇÃO DE MATA CILIAR Profª Magali Ribeiro da Silva Encontro sobre Recuperação de Matas Ciliares e Proteção de Mananciais

2 Viveiro florestal Administração Produção e tecnologia

3 Administração Planejamento; Dimensionamento; Custos.

4 Produção e tecnologia adubação sementes dormência

5 Produção e tecnologia Coleta, beneficiamento e armazenamento de sementes

6 Produção e tecnologia Beneficiamento e armazenamento de sementes

7 Produção e tecnologia Tratamento de sementes para quebra de dormência

8 Embalagens e substratos

9 Sistema de produção: Semeadura direta

10 Sistema de produção: Repicagem

11 Produção e tecnologia Condições para a repicagem

12 Produção e tecnologia Atividades do processo de produção Preparo de embalagens; Entubetamento; Preparo dos substratos; Enchimento das embalagens com o substrato; Irrigação; Semeadura.

13 Produção e tecnologia Entubetamento e enchimento com substrato

14 Produção e tecnologia Irrigação e semeadura

15 Produção e tecnologia Germinação e Desbaste

16 Produção e tecnologia Repicagem

17 Produção e tecnologia Atividades do processo de produção Tratos culturais Manejo de irrigação; Manejo de adubação.

18 Produção e tecnologia Irrigação

19 Produção e tecnologia Arquitetura aérea vs espaçamento vs irrigação

20 Produção e tecnologia Manejo de adubação

21 Produção e tecnologia Nutrição adequada

22 Qualidade de mudas Genético; Estrutural; Fisiológico; Fitossanitário.

23 Qualidade de mudas Parte aérea

24 Qualidade de mudas Parte aérea

25 Qualidade de mudas

26 Qualidade de mudas Sistema radicular adequado

27 Qualidade de mudas Sistema radicular adequado

28 Qualidade de mudas Sistema radicular inadequado

29 Qualidade de mudas Sistema radicular inadequado

30 Qualidade de mudas Mudas inadequadas

31 Qualidade de mudas Mudas com doenças

32 Qualidade de mudas Mudas com doenças

33 Qualidade de mudas Mudas com nutrição inadequada

34 Qualidade de mudas Mudas com nutrição adequada

35 Considerações Necessidade de planejamento; Diversidade; Necessidade de pesquisas; Busca da qualidade do produto.

36 Obrigada pela atenção...

Prof. Lucas Amaral de Melo Departamento de Ciências Florestais UFLA. Produção de mudas florestais de eucalipto

Prof. Lucas Amaral de Melo Departamento de Ciências Florestais UFLA. Produção de mudas florestais de eucalipto Prof. Lucas Amaral de Melo Departamento de Ciências Florestais UFLA Produção de mudas florestais de eucalipto Distribuição da área de plantios florestais no Brasil por gênero. ABRAF (2013). Distribuição

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA. NOME: Viveiros Florestais. Cada Crédito corresponde a 15h/ aula

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA. NOME: Viveiros Florestais. Cada Crédito corresponde a 15h/ aula UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IF

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA. Ementa:

PLANO DE ENSINO EMENTA. Ementa: PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR : PRODUÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES NATIVAS Curso:AGROECOLOGIA Série/ Período: P6 Carga Horária: 40 Horas Teórica: 25 Horas Prática:15

Leia mais

Restauração Florestal de Áreas Degradadas

Restauração Florestal de Áreas Degradadas Restauração Florestal de Áreas Degradadas Seminário Paisagem, conservação e sustentabilidade financeira: a contribuição das RPPNs para a biodiversidade paulista 11/11/ 2016 Espírito Santo do Pinhal (SP)

Leia mais

Projeto Nascentes Urbanas. MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida

Projeto Nascentes Urbanas. MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida Projeto Nascentes Urbanas MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida O projeto Nascentes Urbanas conjuga ações de recuperação e preservação ambiental, abrange o

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina FIT444 Cultura de Seringueira, Cacau e Guaraná

Programa Analítico de Disciplina FIT444 Cultura de Seringueira, Cacau e Guaraná Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Fitotecnia - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 1 Carga horária

Leia mais

VIVEIRISMO PARA AGRICULTORES FAMILIARES: UMA INICIATIVA CAPAZ DE GERAR TRABALHO E RENDA, ALÉM DE PROMOVER A INCLUSÃO SOCIAL

VIVEIRISMO PARA AGRICULTORES FAMILIARES: UMA INICIATIVA CAPAZ DE GERAR TRABALHO E RENDA, ALÉM DE PROMOVER A INCLUSÃO SOCIAL VIVEIRISMO PARA AGRICULTORES FAMILIARES: UMA INICIATIVA CAPAZ DE GERAR TRAALHO E RENDA, ALÉM DE PROMOVER A INCLUSÃO SOCIAL Leonaldo Alves de Andrade 1 Lamartine Soares ezerra de Oliveira 2 Renata Moutinho

Leia mais

AgCelence na produção de mudas de tomate

AgCelence na produção de mudas de tomate AgCelence na produção de mudas de tomate Engº Agrº Dr. Thiago Leandro Factor Engº Agrº Sebastião de Lima Júnior APTA Nordeste Paulista São Paulo - Brasil Agosto / 2009 Objetivos: Avaliar efeito da piraclostrobina

Leia mais

LEGISLAÇÃO PARA COLETA DE SEMENTES E PRODUÇÃO DE MUDAS NATIVAS

LEGISLAÇÃO PARA COLETA DE SEMENTES E PRODUÇÃO DE MUDAS NATIVAS LEGISLAÇÃO PARA COLETA DE SEMENTES E PRODUÇÃO DE MUDAS NATIVAS Bárbara França Dantas Pesquisadora da Embrapa Semiárido De acordo com FERNANDA YONEYA (O Estado de São Paulo de 21 de setembro de 2011), mesmo

Leia mais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais PROPAGAÇÃO Ação de multiplicar ou dar continuidade a uma forma de vida, permitindo o cultivo e a preservação de espécies importância estabelecimento dos cultivos e hortos garantia da identidade das espécies

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS José Amarildo da Fonseca jafonsec@esalq.usp.br Objetivos Quantidade Custo Qualidade Prazo Histórico Histórico Histórico Produção de Mudas Florestais Objetivo (demanda) Tipos

Leia mais

Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda

Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda Adaptado de Érika Cortinez- UFRRJ Contextualizando Cadeia Produtiva da Restauração Florestal SEA, 2010 Viveiros florestais permanentes Tem

Leia mais

USO DO BIOSSÓLIDO COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AROEIRA (Schinus terenbinthifolius Raddi)

USO DO BIOSSÓLIDO COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AROEIRA (Schinus terenbinthifolius Raddi) USO DO BIOSSÓLIDO COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AROEIRA (Schinus terenbinthifolius Raddi) Kelly Dayana Benedet Maas 1 ; Greyce Charllyne Benedet Maas 1 ; Cristiane Ramos Vieira 1, Oscarlina Lucia

Leia mais

Restauração de Matas Ciliares e Áreas Degradadas. LCB 0217 Prof. Flávio Gandara Prof. Sergius Gandolfi

Restauração de Matas Ciliares e Áreas Degradadas. LCB 0217 Prof. Flávio Gandara Prof. Sergius Gandolfi Restauração de Matas Ciliares e Áreas Degradadas LCB 0217 Prof. Flávio Gandara Prof. Sergius Gandolfi DEGRADAÇÃO AMBIENTAL COMO PROCESSO Vantagens Indiretas da Presença de Florestas Nativas POLINIZAÇÃO

Leia mais

Os OITO Elementos da Restauração. Sergius Gandolfi LERF/LCB/ESALQ/USP

Os OITO Elementos da Restauração. Sergius Gandolfi LERF/LCB/ESALQ/USP Os OITO Elementos da Restauração Sergius Gandolfi LERF/LCB/ESALQ/USP COEXISTÊNCIA ENTRE ECOSSISTEMAS NATURAIS E AGROECOSSISTEMAS 1.Diagnóstico 2.Prescrição = Terapias / Cirurgias 3.Acompanhamento O primeiro

Leia mais

Importância: retorno do capital investido. Necessidade de planejamento criterioso.

Importância: retorno do capital investido. Necessidade de planejamento criterioso. 1 COLHEITA DE SEMENTES Silvio Moure Cicero 1. Introdução Importância: retorno do capital investido. Necessidade de planejamento criterioso. Custo. 2. Métodos de colheita 2.1. Manual Situações em que é

Leia mais

PROTEÇÃO DE NASCENTES. Pensando no amanhã

PROTEÇÃO DE NASCENTES. Pensando no amanhã PROTEÇÃO DE NASCENTES Pensando no amanhã Ciclo Hidrológico Nascentes de água Nascente sem acúmulo inicial Área de Preservação Permanente Área de Preservação Permanente Área destinada à Reserva Legal

Leia mais

PRODUCAO DE MUDAS DE ESPÉCIES FRUTIFERAS DO CERRADO

PRODUCAO DE MUDAS DE ESPÉCIES FRUTIFERAS DO CERRADO PRODUCAO DE MUDAS DE ESPÉCIES FRUTIFERAS DO CERRADO Alfredo Penzo de Barros 1 ; Norton Hayd Rego 2 ; Aluisio Pereira da Luz 3 ; Aliston Flàvio de Souza 3 ; Nivaldo Liuzzi Gomes 4 ; Bruno Jacobson 5. 1

Leia mais

POTENCIAIS MATRIZES PRODUTORAS DE SEMENTES DE UVAIA DO IFSULDEMINAS CÂMPUS INCONFIDENTES PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS EM ESCALA COMERCIAL

POTENCIAIS MATRIZES PRODUTORAS DE SEMENTES DE UVAIA DO IFSULDEMINAS CÂMPUS INCONFIDENTES PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS EM ESCALA COMERCIAL 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG POTENCIAIS MATRIZES PRODUTORAS DE SEMENTES DE UVAIA DO IFSULDEMINAS CÂMPUS

Leia mais

Manejo Florestal. Edson Vidal Professor Doutor Departamento de Ciências Florestais Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/USP

Manejo Florestal. Edson Vidal Professor Doutor Departamento de Ciências Florestais Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/USP Manejo Florestal Edson Vidal Professor Doutor Departamento de Ciências Florestais Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/USP Manejo florestal é um sistema de colheita que minimiza ambientalmente

Leia mais

Dimensionamento de viveiros. Iane Barroncas Gomes Engenheira Florestal, M.Sc. IFAM-CITA

Dimensionamento de viveiros. Iane Barroncas Gomes Engenheira Florestal, M.Sc. IFAM-CITA Dimensionamento de viveiros Iane Barroncas Gomes Engenheira Florestal, M.Sc. IFAM-CITA Conteúdo Conteúdo: Conceito de viveiro Tipos de viveiros Planejamento da instalação de um viveiro Local ideal Estruturas

Leia mais

Plantio do amendoim forrageiro

Plantio do amendoim forrageiro Plantio do amendoim forrageiro O amendoim forrageiro (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Greg.) é uma leguminosa herbácea tropical perene nativa do Brasil. Tem importância na produção de forragem em pastos

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA ALTERNATIVAS AMBIENTAIS COMO SOLUÇÃO PARA O ENFRENTAMENTO DA ESCASSEZ HIDRICA Luiz Henrique Ferraz Miranda Engenheiro Florestal Chefe do Escritório Regional

Leia mais

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL AGRICULTURA NA ECONOMIA BRASILEIRA REPRESENTA 28% PIB EMPREGA 37% DOS TRABALHADORES GERA 44% DAS EXPORTAÇÕES PRINCIPAIS CULTURAS BRASILEIRAS: SOJA, MILHO, ALGODÃO,

Leia mais

Elias Alves de Andrade Presidente em exercício do CONSEPE

Elias Alves de Andrade Presidente em exercício do CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE N.º 64, DE 06 DE JUNHO DE 2005 Aprova o Curso de Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO, no uso

Leia mais

ESALQ. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015

ESALQ. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015 ESALQ Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015 www.ler.esalq.usp.br/molina.htm Walter Molina: wfmolina@usp.br

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz

Universidade Estadual de Santa Cruz Universidade Estadual de Santa Cruz GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA JAQUES WAGNER - GOVERNADOR SECRETARIA DE EDUCAÇÃO OSVALDO BARRETO FILHO - SECRETÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ ADÉLIA MARIA CARVALHO

Leia mais

SALVAMENTO DE GERMOPLASMA DA Maytenus ilicifolia E DEMAIS ESPÉCIES DE INTERESSE NA ÁREA DO LABHIDRO

SALVAMENTO DE GERMOPLASMA DA Maytenus ilicifolia E DEMAIS ESPÉCIES DE INTERESSE NA ÁREA DO LABHIDRO SALVAMENTO DE GERMOPLASMA DA Maytenus ilicifolia E DEMAIS ESPÉCIES DE INTERESSE NA ÁREA DO LABHIDRO AUTORES: Alessandra Carla Fattori Ergesse Machado, Alexandre Soares, Cleber de Souza Cordovil, Laís Petri,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS EM MG

DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS EM MG Universidade Federal de Lavras UFLA Departamento de Ciências Florestais DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS EM MG Antonio Claudio Davide ABORDAGENS PARA A RESTAURAÇÃO

Leia mais

MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO E FAMILIAR

MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO E FAMILIAR MISSÃO Promover o conhecimento, o uso sustentável e a ampliação da cobertura florestal, tornando a agenda florestal estratégica para a economia do país. MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO E FAMILIAR Diretoria

Leia mais

18/09/2010 PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOLANÁCEAS SISTEMÁTICA CENTRO DE ORIGEM TOMATE. Família Solanaceae. Tomate: Solanum lycopersicum

18/09/2010 PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOLANÁCEAS SISTEMÁTICA CENTRO DE ORIGEM TOMATE. Família Solanaceae. Tomate: Solanum lycopersicum IMPORTÂNCIA DAS SOLANÁCEAS PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOLANÁCEAS Vanessa Neumann Silva Fonte: ABCSem, 2007 SISTEMÁTICA CENTRO DE ORIGEM TOMATE Família Solanaceae Tomate: Solanum lycopersicum Pimentão: Capsicum

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 Etimologia e evolução histórica Etimologia Evolução histórica A erva-mate nas diferentes regiões produtoras CAPÍTULO 2

SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 Etimologia e evolução histórica Etimologia Evolução histórica A erva-mate nas diferentes regiões produtoras CAPÍTULO 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... CAPÍTULO 1... Etimologia e evolução histórica... 1. Etimologia... 2. Evolução histórica... 3. A erva-mate nas diferentes regiões produtoras... 3.1. A erva-mate na Argentina... 3.2.

Leia mais

Silvicultura de Eucalipto: Implantação e Manejo

Silvicultura de Eucalipto: Implantação e Manejo Silvicultura de Eucalipto: Implantação e Manejo Sidney Medeiros Engenheiro Agrônomo Outubro/2014 R&S FLORESTAL Viveiro especializado na produção de mudas de eucalipto (clone e semente) PlanalGna/DF (220km

Leia mais

ANEXO 7a: Lista de Verificação Ambiental LVA

ANEXO 7a: Lista de Verificação Ambiental LVA ANEXO 7a: Lista de Verificação Ambiental LVA Programa de Inclusão Social e Desenvolvimento Econômico Sustentável do Estado do Acre PROACRE / JUNHO 2012 LVA AÇÕES PRODUTIVAS (Etapa de Identificação das

Leia mais

COMPETÊNCIA TÉCNICA-COGNITIVA Compreende os conceitos de EaD e suas características básicas.

COMPETÊNCIA TÉCNICA-COGNITIVA Compreende os conceitos de EaD e suas características básicas. Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Curso: Pesquisador: Márcio Maltarolli Quida Sugestão de carga horária: 1.440 horas PERFIL TÉCNICO- PROFISSIONAL O é o profissional que atua de forma independente e inovadora,

Leia mais

Eucalipto: Implantação e Manejo.

Eucalipto: Implantação e Manejo. Eucalipto: Implantação e Manejo. Sidney Medeiros Engenheiro Agrônomo Julho/2013 R&S FLORESTAL Viveiro especializado na produção de mudas de eucalipto (clone e semente) PlanalLna/DF (210km de Arinos) 08

Leia mais

Guanandi Calophyllum brasiliense. (43)

Guanandi Calophyllum brasiliense.  (43) Guanandi Calophyllum brasiliense www.ibflorestas.org.br contato@ibflorestas.org.br (43) 3324-7551 Guanandi Calophyllum brasiliense Substrato Florestal No Brasil também é conhecido como Jacareúba, Santa

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE SEMENTES E MUDAS RENASEM REGISTRO NACIONAL DE SEMENTES E MUDAS

SISTEMA NACIONAL DE SEMENTES E MUDAS RENASEM REGISTRO NACIONAL DE SEMENTES E MUDAS SISTEMA NACIONAL DE SEMENTES E MUDAS RENASEM REGISTRO NACIONAL DE SEMENTES E MUDAS COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL COORDENAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS COORDENAÇÃO GERAL DO SISTEMA DE VIGILÄNCIA AGROPECUÁRIA

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE FRUTÍFERAS E ESPÉCIES NATIVAS DO CERRADO

PRODUÇÃO DE MUDAS DE FRUTÍFERAS E ESPÉCIES NATIVAS DO CERRADO PRODUÇÃO DE MUDAS DE FRUTÍFERAS E ESPÉCIES NATIVAS DO CERRADO Joyce Helena Modesto 1 ;Wilson Itamar Maruyama 2 1 Graduanda em Agronomia pela UEMS, Unidade Universitária de Cassilândia - Rod. MS 306, km

Leia mais

BAMBU: Agronegócio Sustentável

BAMBU: Agronegócio Sustentável BAMBU: Agronegócio Sustentável Desafios / Percepções Olhar empreendedor Quebrar paradigmas Alternativas tecnológicas Economia florestal Aspectos Gerais Vegetal de mais rápido crescimento Pouco exigente

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina FIT481 Floricultura

Programa Analítico de Disciplina FIT481 Floricultura Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Fitotecnia - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária

Leia mais

Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos

Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos Murillo Freire Junior Embrapa Agroindústria de Alimentos Rio de Janeiro, RJ 15/03/2016 Perdas e Desperdícios de

Leia mais

6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF

6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF Secretaria de Estado de Agricultura e Desenvolvimento Rural do DF - SEAGRI 6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NA PRODUÇÃO DE MARACUJÁ

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Produtos Hortícolas Da fazenda ao consumidor M.Sc. Gustavo Quesada Roldán Universidad de Costa Rica Doutorando em Fitotecnia ESALQ/USP

Leia mais

Keila Malvezzi da Silva

Keila Malvezzi da Silva Súmula Curricular (jul/2016) Keila Malvezzi da Silva 1 Formação 1999-2006 Graduação em Psicologia Universidade Mackenzie, São Paulo-SP 2012-2016 Graduação em Agronomia Faculdade Integral Cantareira, São

Leia mais

Informações sobre Restauração Florestal

Informações sobre Restauração Florestal Informações sobre Restauração Florestal Substrato Substrato pronto para uso Leras de Compostagem A composição do substrato podem contém os seguintes materiais inertes: Casca de Pinus; Vermiculita; Turfa;

Leia mais

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Gabriel Avelar LAGE 1 ; Sheila Isabel do Carmo PINTO²; Iul Brinner Expedito de SOUZA³; Marcus Vinicius SANTOS 3 ; Guilherme

Leia mais

I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Dispõe sobre a atividade e a Responsabilidade Técnica na produção de sementes e mudas florestais e ornamentais. A CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA FLORESTAL, DO CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA

Leia mais

Departamento de Engenharia Florestal Laboratório de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Degradadas

Departamento de Engenharia Florestal Laboratório de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Degradadas GRUPO ECOLÓGICO Conceito criado de acordo com o comportamento das espécies florestais nos processos de sucessão ecológica, que ocorre por meios naturais quando surgem clareiras na floresta tropical por

Leia mais

ISSN Novembro, Teca ( Tectona grandis L.f.): Produção de Mudas Tipo Toco

ISSN Novembro, Teca ( Tectona grandis L.f.): Produção de Mudas Tipo Toco CGPE 5516 ISSN 0104-9046 Novembro, 2005 101 Teca ( Tectona grandis L.f.): Produção de Mudas Tipo Toco Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal do Acre Ministério da

Leia mais

Relatório de Atividades.

Relatório de Atividades. Relatório de Atividades 2016 www.apremavi.org.br Programa Matas Legais Objetivo: Desenvolver um programa de Conservação, Educação Ambiental e Fomento Florestal que ajude a preservar e recuperar os remanescentes

Leia mais

Reflexão Histórica das Metodologias de Restauração Ecológica de Florestas Tropicais

Reflexão Histórica das Metodologias de Restauração Ecológica de Florestas Tropicais Reflexão Histórica das Metodologias de Restauração Ecológica de Florestas Tropicais LERF www.lerf.esalq.usp.br André G. Nave Ricardo Ribeiro Rodrigues Estado de São Paulo Desmatamento da Amazônia Ano

Leia mais

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo 4 Núcleos de Trabalho São Paulo Porto Feliz Pilar do Sul Capão Bonito 26 Colaboradores eng.

Leia mais

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE Prof. Francisco Villela francisco.villela@ufpel.edu.br CUIDADOS DA SEMEADURA ATÉ A COLHEITA DIAS APÓS O FLORESCIMENTO MATURAÇÃO FISIOLÓGICA

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS VOLTADAS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM DISCENTES DE UM COLÉGIO EM BANANEIRAS, PB. Apresentação: Pôster

ATIVIDADES PRÁTICAS VOLTADAS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM DISCENTES DE UM COLÉGIO EM BANANEIRAS, PB. Apresentação: Pôster ATIVIDADES PRÁTICAS VOLTADAS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM DISCENTES DE UM COLÉGIO EM BANANEIRAS, PB Apresentação: Pôster João Henrique Constantino Sales Silva 1 ; Raquel Tomaz Salustino 2 ; Damiana Justino

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 108. Julho/1980

CIRCULAR TÉCNICA N o 108. Julho/1980 IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS PBP/.. CIRCULAR TÉCNICA N o 08 Julho/980 ISSN 000- ESTUDO COMPARATIVO DE DIFERENTES TIPOS DE RECIPIENTES PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO Etapas do PMMA Organização do processo de elaboração do Plano Municipal da Mata Atlântica MOBILIZAÇÃO QUE CO SO ANÁLISE PRON CO VO Definição da Visão de Futuro DIAGNÓSTICO QUE CO

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2003

RELATÓRIO ANUAL 2003 RELATÓRIO ANUAL 2003 RELATÓRIO ANUAL DO PROJETO COPAÍBA - 2003 MISSÃO DO PROJETO COPAÍBA Promover a preservação, recuperação e conscientização ambientais, contribuindo assim para a convivência harmônica

Leia mais

Viveiros Forestales como oportunidad de agronegocios en comunidad rurales. Severino Rodrigo Ribeiro Pinto, Phd.

Viveiros Forestales como oportunidad de agronegocios en comunidad rurales. Severino Rodrigo Ribeiro Pinto, Phd. Viveiros Forestales como oportunidad de agronegocios en comunidad rurales Severino Rodrigo Ribeiro Pinto, Phd. Processo Chave Source: Carlos A. Peres The Amazon region Processo Chave Source: Rhett A.

Leia mais

CARTILHA. Produção de mudas nativas para o reflorestamento de matas ciliares

CARTILHA. Produção de mudas nativas para o reflorestamento de matas ciliares CARTILHA Produção de mudas nativas para o reflorestamento de matas ciliares Abril de 2016 Autores Rodrigo César Flores Ferreira, Engenheiro-agrônomo, M.Sc. em Fitopatologia, analista da Embrapa Produtos

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS VIA SEXUADA E ASSEXUDA

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS VIA SEXUADA E ASSEXUDA PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS VIA SEXUADA E ASSEXUDA ZANI FILHO, JOSÉ CONSULTOR FLORESTAL AGRIFLORA MUDAS FLORESTAIS Piracicaba - SP, Outubro/ 06 1 - Plantio Floresta Produtiva Plantio florestal eminentemente

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 27 SUCESSÃO ECOLÓGICA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 27 SUCESSÃO ECOLÓGICA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 27 SUCESSÃO ECOLÓGICA Alterações nas condições ambientais Substrato aberto Organismos se estabelecem Novos organismos se estabelecem Estabilização da comunidade e das condições

Leia mais

Boas práticas no cultivo do maracujazeiro

Boas práticas no cultivo do maracujazeiro Boas práticas no cultivo do maracujazeiro Emanuel Maia Laboratório de Horticultura Tropical e Apicultura Universidade Federal de Rondônia Apresentação Conversa de contextualização Potenciais e desafios

Leia mais

A MAIS ALTA QUALIDADE EM BIOMANTA DE FIBRAS DE COCO

A MAIS ALTA QUALIDADE EM BIOMANTA DE FIBRAS DE COCO A MAIS ALTA QUALIDADE EM BIOMANTA DE FIBRAS DE COCO Quem somos A FIBRAZtech é a marca da Frysk Industrial Ltda criada para atender e servir o mercado de fibra de coco; atuando como parceira de empresas

Leia mais

IX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TECNOLOGIA DE SEMENTES FLORESTAIS. Produção de sementes da Floresta Atlântica de Tabuleiros Costeiros -ES/BA

IX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TECNOLOGIA DE SEMENTES FLORESTAIS. Produção de sementes da Floresta Atlântica de Tabuleiros Costeiros -ES/BA IX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TECNOLOGIA DE SEMENTES FLORESTAIS Produção de sementes da Floresta Atlântica de Tabuleiros Costeiros -ES/BA ESTRATÉGIA Reunião de atores relacionados Pesquisa + Extensão + Normatização

Leia mais

Importância do Manejo de Solos

Importância do Manejo de Solos CENTRO UNIVERSITÁRIO DO TRIÂNGULO IMPORTÂNCIA DO SOLO O seu uso adequado, além de garantir o suprimento de água para Importância do Manejo de Solos as culturas, criações e comunidades; previne a erosão

Leia mais

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Política Nacional de Recursos Hídricos Lei Federal Nº 9.433/97 A partir da década de 1990: a legislação propõe substituir um sistema centralizador e setorial por outro

Leia mais

170 mil motivos para comemorar. 27 de maio dia da Mata Atlântica.

170 mil motivos para comemorar. 27 de maio dia da Mata Atlântica. 170 mil motivos para comemorar 27 de maio dia da Mata Atlântica. 170.000 mudas plantadas conheça a história Sumário Anterior Próximo No dia da Mata Atlântica, 170 mil motivos para comemorar No dia 27 de

Leia mais

ARBORIZAÇÃO E PAISAGISMO

ARBORIZAÇÃO E PAISAGISMO INSTITUTO DEFEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS - IFAM ARBORIZAÇÃO E PAISAGISMO Iane Barroncas Gomes Engenheira Floresta, M.Sc. 1 PRODUÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES ORNAMENTAIS 2 Importância

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE MATA NATIVA

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE MATA NATIVA ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE MATA NATIVA PROGRAMA Nº 05/ 2014 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI Celso Charuri. 5ª edição, revisão e atualização

Leia mais

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. A INFLUÊNCIA DO TAMANHO DA SEMENTE E DO SUBSTRATO NA EMERGÊNCIA DO IPÊ ROXO (Tabebuia impetiginosa)

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. A INFLUÊNCIA DO TAMANHO DA SEMENTE E DO SUBSTRATO NA EMERGÊNCIA DO IPÊ ROXO (Tabebuia impetiginosa) II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA A INFLUÊNCIA DO TAMANHO DA SEMENTE E DO SUBSTRATO NA EMERGÊNCIA DO IPÊ ROXO (Tabebuia impetiginosa) Aline Aparecida Smychniuk da Silva 1 Denison Trindade Silva 2 Natanael

Leia mais

RENASEM. Lei de 5 de agosto de Decreto de 23 de julho de Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas

RENASEM. Lei de 5 de agosto de Decreto de 23 de julho de Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas RENASEM Lei 10.711 de 5 de agosto de 2003 Decreto 5.153 de 23 de julho de 2004 Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas Instrução Normativa nº 9 de 02 de junho de 2005 Sementes Instrução

Leia mais

WORKSHOP EMBRAPA - APRE

WORKSHOP EMBRAPA - APRE WORKSHOP EMBRAPA - APRE MANEJO PARA USO MÚLTIPLO A ÁRVORE DE PINUS DO FUTURO Vinicius de Moura Santos Engº de Pesquisa e Desenvolvimento ArborGen: Líder em melhoramento genético florestal Global HQ Summerville,

Leia mais

VELOSO, R. B. et al. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. IBGE, Rio de Janeiro, 1991.

VELOSO, R. B. et al. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. IBGE, Rio de Janeiro, 1991. REZENDE, G.C.; SUITER FILHO, W.S.; MENDES, C.J. Regeneração dos maciços florestais da Cia. Agrícola e Florestal Santa Bárbara. Boletim Técnico SIF, v.1, 1980. p. 1-24. RODRIGUES, R.R. & GANDOLFI, S. Conceitos,

Leia mais

TEMA: Sementes e mudas florestais

TEMA: Sementes e mudas florestais TEMA: Sementes e mudas florestais EFEITO DO TAMANHO DE RECIPIENTE E DOSES DE FERTILIZANTE NO CRESCIMENTO DE MUDAS DE Parapiptadenia rigida (BENTH.) BRENAN. EM PLANTIO A CAMPO Patrícia Mieth; Maristela

Leia mais

Adequação das Propriedades Rurais ao Código Florestal : Alternativas Econômicas e Novos Mercados criados pela Restauração Florestal

Adequação das Propriedades Rurais ao Código Florestal : Alternativas Econômicas e Novos Mercados criados pela Restauração Florestal Adequação das Propriedades Rurais ao Código Florestal : Alternativas Econômicas e Novos Mercados criados pela Restauração Florestal Dr. Sergius Gandolfi 2ª - Conferência do Desenvolvimento Instituto de

Leia mais

MANEJO DA IRRIGAÇÃO DOS CITROS PARA

MANEJO DA IRRIGAÇÃO DOS CITROS PARA MANEJO DA IRRIGAÇÃO DOS CITROS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS Engº Agrº, Dr. Flávio Bussmeyer Arruda PqC Instituto Agronômico, IAC V Simpósio de Citricultura Irrigada Bebedouro, SP 3 a 4 de outubro de 2007 Colaboradores:

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TAMANHO DO RECIPIENTE E SUBSTRATOS NO CRESCIMENTO DE Luehea divaricata Martius et Zuccarini EM VIVEIRO 1

INFLUÊNCIA DO TAMANHO DO RECIPIENTE E SUBSTRATOS NO CRESCIMENTO DE Luehea divaricata Martius et Zuccarini EM VIVEIRO 1 INFLUÊNCIA DO TAMANHO DO RECIPIENTE E SUBSTRATOS NO CRESCIMENTO DE Luehea divaricata Martius et Zuccarini EM VIVEIRO 1 FELKER, Roselene Marostega 2 ; GASPARIN, Ezequiel 3, AIMI, Suelen Carpenedo 2 ; DICK,

Leia mais

Resumo dos Projetos em Curso. Acre Parque Nacional da Serra do Divisor

Resumo dos Projetos em Curso. Acre Parque Nacional da Serra do Divisor Resumo dos Projetos em Curso Acre Parque Nacional da Serra do Divisor 1- PROJETO: DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO SUSTENTÁVEL EM COMUNIDADES DO ENTORNO DO PARNA SERRA DO DIVISOR Executor: Amigos das Águas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA VISANDO A ELABORAÇÃO DE JOGO AMBIENTAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA VISANDO A ELABORAÇÃO DE JOGO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA VISANDO A ELABORAÇÃO DE JOGO AMBIENTAL 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO: 08/2010 2. IDENTIFICAÇÃO DO CONTRATANTE CONTRATANTE:

Leia mais

PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba rosaeodora Ducke) E A PRODUÇÃO DE ÓLEO A PARTIR DE MUDAS PLANTADAS

PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba rosaeodora Ducke) E A PRODUÇÃO DE ÓLEO A PARTIR DE MUDAS PLANTADAS GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS SECREATARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DO AMAZONAS E INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Produção e Tecnologia de Sementes Código da Disciplina: AGR 271 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 6 Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência

Leia mais

Programa Plante Árvore. Instituto Brasileiro de Florestas - IBF

Programa Plante Árvore. Instituto Brasileiro de Florestas - IBF Programa Plante Árvore Instituto Brasileiro de Florestas - IBF O que é? O Programa Plante Árvore é uma ação voluntária do Instituto Brasileiro de Florestas IBF que consiste no cadastro de proprietários

Leia mais

SOLUÇÕES INTEGRADAS, RESULTADOS SUSTENTÁVEIS

SOLUÇÕES INTEGRADAS, RESULTADOS SUSTENTÁVEIS SOLUÇÕES INTEGRADAS, RESULTADOS SUSTENTÁVEIS ÁREA DE ATUAÇÃO UNIDADES DE NEGÓCIOS Shopping Rural Lojas de Insumos Revendas de Máquinas Agrícolas Armazéns de Café Armazém de Açúcar Silos Graneleiros Fábricas

Leia mais

Receitas e Projetos Receitas e Projetos

Receitas e Projetos Receitas e Projetos Receitas e Projetos - 1999 FONTE 21,300.00 Fundação Francisco Recuperação de áreas degradadas da mata atlântica. Elaboração de banco de dados, registro e documentação e calendário 1999. 4,542.52 Stadt

Leia mais

Balanço de carbono na produção de tabaco, em Jorge Augusto Rodrigues julho 2010

Balanço de carbono na produção de tabaco, em Jorge Augusto Rodrigues julho 2010 Balanço de carbono na produção de tabaco, em 2009.. Jorge Augusto Rodrigues julho 2010 Balanço de CO2 e. 2009 Histórico - Area plantada 88.518 ha - Considerados 38.766 produtores / 3 estados (PR, SC, RS)

Leia mais

Curso de coleta de sementes e produção de mudas de espécies florestais nativas

Curso de coleta de sementes e produção de mudas de espécies florestais nativas GWA Empreendimentos Florestais LTDA ME Curso de coleta de sementes e produção de mudas de espécies florestais nativas 27 de Abril de 2015 Gustavo Wyse Abaurre Eng. Florestal - CREA 2010119024 RENASEM:

Leia mais

ATIVIDADE COMPLEMENTAR INSTALAÇÃO DE UNIDADE DEMONSTRATIVA SOBRE PRODUÇÃO DE MUDAS PARA SISTEMA AGROFLORESTAL, NA COMUNIDADE GUAJARÁ PAE SANTANA.

ATIVIDADE COMPLEMENTAR INSTALAÇÃO DE UNIDADE DEMONSTRATIVA SOBRE PRODUÇÃO DE MUDAS PARA SISTEMA AGROFLORESTAL, NA COMUNIDADE GUAJARÁ PAE SANTANA. ATIVIDADE COMPLEMENTAR INSTALAÇÃO DE UNIDADE DEMONSTRATIVA SOBRE PRODUÇÃO DE MUDAS PARA SISTEMA AGROFLORESTAL, NA COMUNIDADE GUAJARÁ PAE SANTANA. PAE Ilha Santana Ponta de Pedras, Marajó, Pará OUTUBRO

Leia mais

MUDAS DE CAFÉ EM SACOLINHAS DE TNT(AGROPOTE) SOBRE FUNDO TELADO. Matiello, Almeida, Aguiar, Josino e Araujo.

MUDAS DE CAFÉ EM SACOLINHAS DE TNT(AGROPOTE) SOBRE FUNDO TELADO. Matiello, Almeida, Aguiar, Josino e Araujo. MUDAS DE CAFÉ EM SACOLINHAS DE TNT(AGROPOTE) SOBRE FUNDO TELADO Matiello, Almeida, Aguiar, Josino e Araujo. Justificativas Nos projetos de cafeicultura empresarial, vem sendo introduzido o uso de mudas

Leia mais

Recuperação da cobertura florestal na bacia do rio Corumbataí

Recuperação da cobertura florestal na bacia do rio Corumbataí SÉRIE TÉCNICA IPEF v. 12, n. 32, p. 121-126, dez. 1998 Recuperação da cobertura florestal na bacia do rio Corumbataí Arlet Maria Almeida Nassif Prefeitura Municipal de Piracicaba Em 1887, a cidade de Piracicaba

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL - UFG/EA, Campus Samambaia - Goiânia, GO. - MATRIZ CURRICULAR - PRÉ- REQUISITO(S) UNID. RESP.

CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL - UFG/EA, Campus Samambaia - Goiânia, GO. - MATRIZ CURRICULAR - PRÉ- REQUISITO(S) UNID. RESP. CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL - UFG/EA, Campus Samambaia - Goiânia, GO. - MATRIZ CURRICULAR - CHTS C H S NÚCLEO NATUREZA 01 5117 Introdução à Engenharia Florestal EA 32 32 00 Específico Obrigatória 02

Leia mais

Programa de Capacitação Fazenda Malunga: Módulo 01

Programa de Capacitação Fazenda Malunga: Módulo 01 Programa de Capacitação Fazenda Malunga: Módulo 01 Luiz Geraldo de Carvalho Santos Engenheiro Agronômo Capacitação Equipe Técnica Fazenda Malunga PADF BRASÍLIA - DF Data: 27 de agosto de 2008 Conceitos:

Leia mais

Ana Paula Moreira da Silva

Ana Paula Moreira da Silva A atual infraestrutura de sementes e mudas de espécies florestais nativas pode atender às novas expectativas da demanda por restauração florestal no Brasil? Ana Paula Moreira da Silva Como nasceu a pesquisa?

Leia mais

NOTA PRELIMINAR SOBRE EXPERIMENTAÇÃO EM FLORESTAS TROPICAIS *

NOTA PRELIMINAR SOBRE EXPERIMENTAÇÃO EM FLORESTAS TROPICAIS * IPEF n.9, p.83-86, 1974 NOTA PRELIMINAR SOBRE EXPERIMENTAÇÃO EM FLORESTAS TROPICAIS * SUMMARY Jayme Mascarenhas Sobrinho ** It is a synthesis of the programme of research that is being developed by the

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS CORREDOR ECOLÓGICO POR TATIANA MOTTA

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS CORREDOR ECOLÓGICO POR TATIANA MOTTA PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS CORREDOR ECOLÓGICO POR TATIANA MOTTA Programa Produtor de Água Guaratinguetá/ SP Programa Produtor de Água Programa amparado pela Lei nº 4.252 de 11 de novembro de 2010,

Leia mais

Recuperação do Cinturão Verde da Usina Presidente Vargas. Volta Redonda / RJ

Recuperação do Cinturão Verde da Usina Presidente Vargas. Volta Redonda / RJ Recuperação do Cinturão Verde da Usina Presidente Vargas Volta Redonda / RJ 1. RESUMO O presente documento relata os trabalhos realizados, entre Dezembro/2010 e dezembro/2011 visando um adensamento da

Leia mais

Estratégias de Manejo de Doenças em Viveiros Florestais

Estratégias de Manejo de Doenças em Viveiros Florestais ISSN 1517-5278 Estratégias de Manejo de Doenças em Viveiros Florestais 47 1 Introdução O viveiro, devido às suas características, reúne uma série de condições ambientais associadas à fisiologia do hospedeiro

Leia mais

III WORKSHOP AGROENERGIA MATÉRIAS PRIMAS ASSOCIAÇÃO DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA RIBEIRÃO PRETO

III WORKSHOP AGROENERGIA MATÉRIAS PRIMAS ASSOCIAÇÃO DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA RIBEIRÃO PRETO III WORKSHOP AGROENERGIA MATÉRIAS PRIMAS ASSOCIAÇÃO DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA RIBEIRÃO PRETO - 21/10/2009 POTENCIAL DE VARIEDADES DE AMENDOIM PARA BIODIESEL Ignácio J. de Godoy Instituto Agronômico

Leia mais

Fonte: Projeto Ações Integradas para Sustentabilidade das APPs da Bacia Hidrográfica do Rio Ribeira de Iguape

Fonte: Projeto Ações Integradas para Sustentabilidade das APPs da Bacia Hidrográfica do Rio Ribeira de Iguape Situação das Matas Ciliares na Bacia Hidrográfica do Rio Ribeira Fonte: Projeto Ações Integradas para Sustentabilidade das APPs da Bacia Hidrográfica do Rio Ribeira de Iguape SOS Mata Atlântica/CBH-RB/FEHIDRO/ISA/IF/ARCPLAN/VIDÁGUA

Leia mais

O Corredor de Biodiversidade do Nordeste

O Corredor de Biodiversidade do Nordeste O Corredor de Biodiversidade do Nordeste Dr. Severino Rodrigo Ribeiro Pinto o5/11/2012 Missão Gerar e divulgar soluções estratégicas para a conservação da biodiversidade mediante ciência, formação humana

Leia mais