ESALQ. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESALQ. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015"

Transcrição

1 ESALQ Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015

2 Walter Molina:

3 COMO ACONTECEU A

4 População (bilhões) A população atinge 1 Bilhão pela primeira vez ( ) Anos 0 Tempo Decorrido Aumento População Milhões de Pessoas Anos da Era Cristã População Dobrou em 123 anos População Dobrou em 47 anos? Fonte: ONU (2010), IBGE (2010)

5 População e Desenvolvimento Evolução recente da população do Brasil e Mundial ,9 Milhões de Brasileiros Milhões de Brasileiros Fonte: ONU (2010), IBGE (2010)

6 População e Desenvolvimento Fonte: IBGE (2010)

7 População e Desenvolvimento Evolução da área ocupada com agricultura e pecuária no Brasil 267% 141% 165% Fonte: IBGE (2010)

8 População e Desenvolvimento Evolução da área ocupada com agricultura e pecuária no Brasil 267% 141% 165% Fonte: IBGE (2010)

9 População e Desenvolvimento Entre e anos 151 milhões de hectares ou 900 ha/dia Entre 1960 e anos 98 milhões de hectares ou ha/dia

10 População e Desenvolvimento Entre e anos 151 milhões de hectares ou 900 ha/dia Entre 1960 e anos 98 milhões de hectares ou ha/dia

11 População e Desenvolvimento Animais de trabalho e número de tratores nos EUA Fonte: WHITE (2010), USDA (2010)

12 População e Desenvolvimento Número de tratores nos mercados de Alemanha, EUA e França Fonte: WHITE (2010), USDA (2010)

13 População e Desenvolvimento País Área Km 2 População Força de Trabalho % Trabalho Agricultura Alemanha ,4 EUA ,7 França ,8 BRASIL ,0 Argentina , ,0 Chile , ,2 Bolivia ,0 1x78,5 1x286 1x60,4 1x9,2 1x49,8 1x16,7 1x5,4 Fonte: IBGE (2010), ONU (2010), Estimativas CIA (2010) https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/

14 População e Desenvolvimento Número de tratores no mercado brasileiro e área ocupada na atividade agropecuária Fonte: IBGE (2010)

15 População e Desenvolvimento Evolução da produtividade agrícola de algumas das principais culturas, no Brasil, em kg/ha. Ano Café (coco) Laranja Algodão (caroço) Tipo de produto vegetal Arroz (casca) Canaaçúcar Feijão (grão) Milho (grão) Soja (grão) Trigo (grão) % Fonte: IBGE (2010)

16

17 Desenvolvimento Econômico Disponibilidade de Energia Qualidade Ambiental Desenvolvimento Social e Distribuição de Renda

18 Homo sapiens (150 mil anos) kcal/dia FAO/ONU

19 Iluminação Embalagem Vestuário Homo sapiens (Atual) Comunicação Refrigeração Calefação Lazer Deslocamento

20 Média Mundial Argentina México China Brasil Fonte: IEA (2010), WORLD BANK (2010)

21 Fonte: IEA (2010), WORLD BANK (2010) EUA França Alemanha Brasil

22 Consumo de Energia "per capita" (kcal) Coréia do Sul Média Mundial Brasil Zâmbia Fonte: IEA (2010), WORLD BANK (2010)

23 Consumo de Energia Anual (Mtoe) Alemanha Coréia do Sul Brasil México 100 Argentina Fonte: BP (2010)

24 69,55% 96,6% Água Salgada 3,4% 30,07% 0,38% Fonte: BARROS (2009)

25 Lagos - 62% 0,38% Solo 15% Seres Vivos - 1% Rios - 2% Pântanos 8% Atmosfera 12% Fonte: BARROS (2009)

26 Implicações Ambientais Negativas Compactação Revolvimento Superficial do Solo Erosão

27 Implicações Ambientais Negativas Sementes Semeadura Compactação por Tráfego Fertilizantes

28 Implicações Ambientais Negativas Compactação Cultivo Mecânico Compactação por Tráfego Erosão

29 Implicações Ambientais Negativas Alimentos Aplicação de Defensivos Compactação por Tráfego Atmosfera Água Solo

30 Implicações Ambientais Negativas ton Colheita ton Compactação por Tráfego Qualidade? Umidade?

31 Consumo de Energia

32 ou Usar Bem!

33

34 EM QUALQUER SISTEMA DE PRODUÇÃO A BUSCA DA RENTABILIDADE ECONÔMICA ENCONTRA-SE BASEADA NA PRODUTIVIDADE. NA AGROPECUÁRIA: PRODUTIVIDADE DA MÃO-DE-OBRA PRODUTIVIDADE AGROPECUÁRIA QUANTIDADE / ÁREA QUANTIDADE DE PRODUTO OBTIDO (Y) N O DE PESSOAS NA PRODUÇÃO (N) = QUANTIDADE DE PRODUTO OBTIDO (Y) ÁREA TOTAL ALOCADA (A) X ÁREA TOTAL ALOCADA (A) N O DE PESSOAS NA PRODUÇÃO (N)

35 QUANTIDADE DE PRODUTO OBTIDO (Y) N O DE PESSOAS NA PRODUÇÃO (N) = QUANTIDADE DE PRODUTO OBTIDO (Y) ÁREA TOTAL ALOCADA (A) X ÁREA TOTAL ALOCADA (A) N O DE PESSOAS NA PRODUÇÃO (N) Incremento de Tecnologias Biológicas Variedades, defensivos, fertilizantes Incremento de Tecnologias Mecânicas Mecanização Agrícola

36 TORNAR MAIS EFICIENTES OS PROCESSOS OU A ORGANIZAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS, PLANOS ETC, PELO EMPREGO DE MÉTODOS CIENTÍFICOS; SUBMETER AS COISAS E AS IDEIAS APENAS AOS PRINCÍPIOS DA RAZÃO, E NÃO DA EXPERIÊNCIA

37 APLICAÇÃO DE TECNOLOGIA O QUE FAZER? QUANDO FAZER? BIOLOGIA COMO FAZER? ECONOMIA COM QUE FAZER? ENGENHARIA

38 CICLOS DE PRODUÇÃO NA AGROPECUÁRIA SISTEMA NATURAL ENTE BIOLÓGICO NATURAL DESENVOLVIMENTO NATURAL PRODUÇÃO NATURAL Ação Humana MELHORAMENTO GENÉTICO TECNOLOGIA AGRÍCOLA ENTE BIOLÓGICO MELHORADO DESENVOLVIMENTO CONTROLADO PRODUÇÃO ECONÔMICA SISTEMA ECONÔMICO

39 ET A P A S D O P R O C E S S O D E P R O D U ÇÃ O A G R ÍC O L A PREPARO DO SOLO INICIAL PERIÓDICO CONTROLE DE ÁGUA IRRIGAÇÃO DRENAGEM CORREÇÃO QUÍMICA ORGÂNICA E/OU MINERAL IMPLANTAÇÃO DA CULTURA SEMEADURA PLANTIO TRANSPLANTE CULTIVO ESCARIFICAÇÃO ROÇAGEM PODA AMONTOA DESBASTE CONTROLE ERVAS TRATAMENTO FITOSSANITÁRIO DE SEMENTES DE MUDAS NA CULTURA RETIRADA DA PRODUÇÃO COLHEITA CARREGAMENTO TRANSPORTE PROCESSAMENTO ARMAZENAMENTO LIMPEZA CLASSIFICAÇÃO SECAGEM ENSILAGEM BENEFICIAMENTO

40 DISCIPLINAS OFERCIDAS PELO SETOR DE MECÂNICA E MÁQUINAS AGRÍCOLAS (ESSENCIAIS) MECÂNICA E MÁQUINAS MOTORAS (ESSENCIAL - TODOS) LEB 332 Fontes alternativas de energia Trator como fonte de potência MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS (ESSENCIAL - AGRO) LEB 432 Ação e Regulagem de: Máquinas e Implementos Acoplados ao Trator Máquinas Autopropelidas Gerenciamento de Sistemas Motomecanizados Agrícolas

41 DISCIPLINAS OFERCIDAS PELO SETOR DE MECÂNICA E MÁQUINAS AGRÍCOLAS LEB AGRICULTURA DE PRECISÃO OPTATIVA Prof. Dr. José Paulo MOLIN Gerenciamento da Produção Agrícola considerando a Variabilidade Espacial com a utilização de Sensoriamento Remoto de Sistema GPS

42 DISCIPLINAS OFERCIDAS PELO SETOR DE MECÂNICA E MÁQUINAS AGRÍCOLAS LEB 490 SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA DE SISTEMAS AGRÍCOLAS OPTATIVA Prof. Dr. THIAGO L. Romanelli Estudos do Fluxo Energético nos Ecossistemas Agropecuários e Suas Implicações Ambientais

43 DISCIPLINAS OFERCIDAS PELO SETOR DE MECÂNICA E MÁQUINAS AGRÍCOLAS LEB GERENCIAMENTO DE SISTEMAS MECANIZADOS OPTATIVA Prof. Dr. Marcos MILAN Estudo do gerenciamento das atividades Agrícolas e Florestais relacionadas aos Conjuntos Motomecanizados

44 DISCIPLINAS OFERCIDAS PELO SETOR DE MECÂNICA E MÁQUINAS AGRÍCOLAS LEB FUNDAMENTOS DA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS OPTATIVA Prof. Dr. CASIMIRO D. Gadanha Jr. Estudo das variáveis envolvidas na tecnologia de aplicação de produtos fitossanitários nas áreas agrícolas e florestais

45 DISCIPLINAS OFERCIDAS PELO SETOR DE MECÂNICA E MÁQUINAS AGRÍCOLAS LEB AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS OPTATIVA Prof. Dr. Walter F. MOLINA Jr. Métodos e Técnicas de Campo e Laboratório para Avaliação do Desempenho de Máquinas e Conjuntos Motomecanizados ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS ENGENHARIA RURAL I E II

46 Vá ao site da ESALQ No site do Departamento de Engenharia de Biossistemas, localize: Arquivos Arquivos de Aula Procure por: LER0332 Mecânica e Máquinas Motoras Pasta do Prof. Walter F. Molina Jr Introdução ao Estudo de Mecânica e Máquinas Motoras

47 Não se Iluda. ESTE É U ÚNICO LUGAR QUE TEMOS PARA MORAR! Cuide bem dele!

48 Pense nisso! Obrigado pela Atenção e Um Grande Abraço.

QUINTO PERÍODO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA HORÁRIO Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira 1 8:00-8:55

QUINTO PERÍODO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA HORÁRIO Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira 1 8:00-8:55 QUINTO PERÍODO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA 1 8:00-8:55 2 8:55-9:50 3 10:00-10:55 Melhoramento Vegetal Fitopatologia Geral Fitopatologia Geral Entomologia Geral Turma E Laboratório de Microscopia Zootecnia

Leia mais

Currículo do Curso de Agronomia

Currículo do Curso de Agronomia Currículo do Curso de Agronomia Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as atividades profissionais previstas na Resolução nº 218, de 29.6.73, do CONFEA, e atuar nos seguintes

Leia mais

AGRONOMIA. COORDENADOR Carlos Alberto de Oliveira

AGRONOMIA. COORDENADOR Carlos Alberto de Oliveira AGRONOMIA COORDENADOR Carlos Alberto de Oliveira calberto@ufv.br 42 Currículos dos Cursos UFV Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as atividades profissionais previstas

Leia mais

Currículo do Curso de Engenharia Agrícola e Ambiental

Currículo do Curso de Engenharia Agrícola e Ambiental Currículo do Curso de Engenharia Agrícola e Engenheiro Agrícola e ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrícola e o desempenho de atividades de engenharia, referentes à aplicação de conhecimentos científicos

Leia mais

FLO032 - Gênese, Física e Classificação do Solo- 75 h ZOO042 Metodologia Científica xxx

FLO032 - Gênese, Física e Classificação do Solo- 75 h ZOO042 Metodologia Científica xxx MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA Estrutura Curricular - vigência a partir de 2008 (Alteração

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA AGRÍCOLA. CRÉDITOS Obrigatórios: 264 Optativos: 6. 1º Semestre

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA AGRÍCOLA. CRÉDITOS Obrigatórios: 264 Optativos: 6. 1º Semestre Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:18:33 Curso : ENGENHARIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Matriz Curricular do Curso de Agronomia

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Matriz Curricular do Curso de Agronomia Matriz Curricular do Curso de Agronomia Total 240 120 360 24 2º Período Letivo: Componentes curriculares 1º Período Letivo: Componentes curriculares Prérequisito AGR 100 Biologia Celular Inexistente AGR

Leia mais

EMENTÁRIO. Ementa: Limites. Continuidades de Função. Derivadas. Aplicação de derivadas.

EMENTÁRIO. Ementa: Limites. Continuidades de Função. Derivadas. Aplicação de derivadas. EMENTÁRIO 1º SEMESTRE CALCULO I Limites. Continuidades de Função. Derivadas. Aplicação de derivadas. AGROINFORMÁTICA Conceitos básicos da informação. Organização de máquinas, Sistemas operacionais, Ambiente

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes na Cultura do Café. Valter Casarin IPNI Programa Brasil

Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes na Cultura do Café. Valter Casarin IPNI Programa Brasil Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes na Cultura do Café Valter Casarin IPNI Programa Brasil Ranking da produção e exportação mundial Suco de laranja Açúcar Café Carne Soja Frango Milho Porco

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2015

PROVA DE GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2015 PROVA DE GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2015 PROF. MÁRCIO NOME Nº 7º ANO A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É terminantemente proibido o uso de corretor. Respostas com corretor serão anuladas.

Leia mais

CAPÍTULO 3 - AGROPECUÁRIA E AGRONEGÓCIO PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ 7º ANO

CAPÍTULO 3 - AGROPECUÁRIA E AGRONEGÓCIO PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ 7º ANO CAPÍTULO 3 - AGROPECUÁRIA E AGRONEGÓCIO PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ 7º ANO QUEM SÃO OS TRABALHADORES BRASILEIROS E ONDE DESENVOLVEM SUAS ATIVIDADES ECONÔMICAS P. 37 PEA do Brasil: 100 milhões

Leia mais

Departamento do Agronegócio Segurança Alimentar: O Desafio de Abastecer o Mundo com Sustentabilidade

Departamento do Agronegócio Segurança Alimentar: O Desafio de Abastecer o Mundo com Sustentabilidade Segurança Alimentar: O Desafio de Abastecer o Mundo com Sustentabilidade O Mundo atravessa um período de aumento expressivo do consumo de alimentos, impulsionado pela melhora da renda das famílias dos

Leia mais

Sustentabilidade dos Solos de Cerrado e Tráfico de Máquinas

Sustentabilidade dos Solos de Cerrado e Tráfico de Máquinas Sustentabilidade dos Solos de Cerrado e Tráfico de Máquinas Prof. Kléber Pereira Lanças FCA/UNESP Botucatu/SP GRUPO DE PESQUISA: Dr. Reginaldo Barbosa da Silva Doutorando Flávio José de Sousa Pereira Doutorando

Leia mais

A ATIVIDADE AGRÍCOLA

A ATIVIDADE AGRÍCOLA A ATIVIDADE AGRÍCOLA AGRICULTURA Atividade que consiste no plantio de sementes e na colheita de vegetais. PECUÁRIA Atividade que consiste na criação de rebanhos. AGROPECUÁRIA Junção das atividades rurais:

Leia mais

GRADE CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2015

GRADE CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2015 GRADE CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2015 Disciplinas em Seqüência Aconselhada Créditos Carga Per. Obrigatórias Aula Trab. Tot. Horária Ideal 0110113(6) Introdução à Engenharia Agronômica 2

Leia mais

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL AGRICULTURA NA ECONOMIA BRASILEIRA REPRESENTA 28% PIB EMPREGA 37% DOS TRABALHADORES GERA 44% DAS EXPORTAÇÕES PRINCIPAIS CULTURAS BRASILEIRAS: SOJA, MILHO, ALGODÃO,

Leia mais

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo;

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; A agricultura A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; Paisagem agrária: É a forma de cultivo e a divisão dos campos; É condicionada por

Leia mais

Nível:Graduação Início: Fim: Legislação: Curso reconhecido através da Portaria n 1.098, de 24 de dezembro de 2015 Currículo

Nível:Graduação Início: Fim: Legislação: Curso reconhecido através da Portaria n 1.098, de 24 de dezembro de 2015 Currículo 1 de 8 Colegiado: Nível:Graduação Início: 20051 01 - - CCA024 - BIOLOGIA GERAL - Ativa desde: CCA029 - ZOOLOGIA GERAL - Ativa desde: CCA235 - FUNDAMENTOS DE FILOSOFIA - Ativa desde: CCA281 - FUNDAMENTOS

Leia mais

O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar.

O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar. SEMEADORAS 1 O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar. O órgão da planta utilizado para sua propagação pode ser: semente, tubérculo,

Leia mais

Transposição de água entre bacias, via economia. Carlos Roberto Azzoni Professor Titular de Economia FEAUSP

Transposição de água entre bacias, via economia. Carlos Roberto Azzoni Professor Titular de Economia FEAUSP Transposição de água entre bacias, via economia Carlos Roberto Azzoni Professor Titular de Economia FEAUSP Disponibilidade per capita de água, 2010 Fonte: Plano Estadual de Recursos Hídricos 2012-2015

Leia mais

GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD. Professor Rodolfo Visentin.

GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD. Professor Rodolfo Visentin. GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD Professor Rodolfo Visentin. QUE É GEOGRAFIA AGRÁRIA A estrutura agrária reúne as condições sociais e fundiárias de um espaço, envolvendo aspectos referentes á legalidade das terras,

Leia mais

FACULDADE DE AGRONOMIA. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA (Adequada conforme as exigências da Resolução CNE/CES n. 1, de 2 de fevereiro de 2006)

FACULDADE DE AGRONOMIA. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA (Adequada conforme as exigências da Resolução CNE/CES n. 1, de 2 de fevereiro de 2006) FACULDADE DE AGRONOMIA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA (Adequada conforme as exigências da Resolução CNE/CES n. 1, de 2 de fevereiro de 2006) PRIMEIRO PERÍODO NDC113 Biologia Celular 72 60 - AGR151

Leia mais

Agronegócio e o Plano Nacional de Exportações

Agronegócio e o Plano Nacional de Exportações Agronegócio e o Plano Nacional de Exportações Alinne B. Oliveira Superintendente de Relações Internacionais Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil CNA 17 de novembro de 2015. O agronegócio e

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

VP Negócios Emergentes SN Agronegócios. Crédito Rural

VP Negócios Emergentes SN Agronegócios. Crédito Rural VP Negócios Emergentes SN Agronegócios Crédito Rural Agronegócio no Brasil fonte: SECEX/MDIC PIB Brasil 2013 R$ 4.838 bi Agronegócios R$ 1.020 bi * 21.08% US$ Bilhões 300 250 200 Exportações Brasileiras

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil O DESAFIO DO PAÍS NA ABORDAGEM DO BINÔMIO ÁGUA E ALIMENTO João Martins da Silva Junior Presidente da CNA Fatores que influenciam na produção de alimentos

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

UNITRI MECÂNICA E MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA PRIMEIRA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA. Professor: Adriano Franzon

UNITRI MECÂNICA E MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA PRIMEIRA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA. Professor: Adriano Franzon UNITRI MECÂNICA E MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA PRIMEIRA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA Professor: Adriano Franzon EMENTÁRIO Elementos básicos de mecânica. Mecanismos de transmissão de potência. Lubrificação e lubrificantes.

Leia mais

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio São Paulo, 22 de Setembro de 2015 Parece que estamos decolando ECONOMIA A BRASILEIR Agronegócio - Balança Comercial

Leia mais

CALENDÁRIO DE RECUPERAÇÃO º SEMESTRE (Dias: 15, 16 e 17 de julho de 2013) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

CALENDÁRIO DE RECUPERAÇÃO º SEMESTRE (Dias: 15, 16 e 17 de julho de 2013) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS LCE008 Química Inorgânica e Analítica Prova 08:00 2h Sala 0 LCE020 Cálculo I Prova 6:00 2h Anfiteatro Pavilhão da Engenharia LES080 Introdução à Administração Prova 08:00 2h Sala 2 LES LFN022 Zoologia

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS - SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS - SIG SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS - SIG Prof. Dr. Cristiano Zerbato Prof. Dr. David L. Rosalen Agricultura de Precisão CONCEITOS AGRICULTURA DE PRECISÃO (AP) PRECISION AGRICULTURE or PRECISION FARM (PRECISION

Leia mais

Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA. A01 Agricultura - aspectos gerais. A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA.

Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA. A01 Agricultura - aspectos gerais. A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA. Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA A01 Agricultura - aspectos gerais A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA B10 Geografia B50 História C EDUCAÇÃO, EXTENSÃO E INFORMAÇÃO C10 Educação

Leia mais

Práticas conservacionistas e sua importância para os recursos hídricos

Práticas conservacionistas e sua importância para os recursos hídricos Práticas conservacionistas e sua importância para os recursos hídricos IX Simpósio de Pesquisa dos cafés do Brasil Curitiba, 24 a 26 de junho de 2015 Resumo Desafios da agricultura; Água disponível e utilizada

Leia mais

Importância e objetivos do melhoramento de plantas

Importância e objetivos do melhoramento de plantas Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Importância e objetivos do melhoramento de plantas Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Introdução

Leia mais

Bilhões de Pessoas. Cenário Global. Fonte: ONU (dez/2010). Elaboração:FIEP-Deagro

Bilhões de Pessoas. Cenário Global. Fonte: ONU (dez/2010). Elaboração:FIEP-Deagro Maringá(PR) 18.05.2012 Bilhões de Pessoas Cenário Global Demanda População Mundial Mundial por Alimentos Fonte: ONU (dez/2010). Elaboração:FIEP-Deagro Cenário Global Urbanização 1,34 bi hab. 1,2 bi hab.

Leia mais

O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências

O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências AMCHAM 13 de Julho de 2016 Agronegócio - Balança Comercial - US$ Bilhões Fonte: WTO. Elaboração MBAGro. Brasil: Liderança Global no Agronegócio Suco de laranja

Leia mais

Agentes causadores. Mecanização agrícola. Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo.

Agentes causadores. Mecanização agrícola. Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo. Agentes causadores Mecanização agrícola Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo. Peso do veículo que determinará o total da força exercida Tamanho da área de contato entre

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Agricultura Irrigada. Eng. Agro. Marcos Brandão Braga

Desafios e Perspectivas da Agricultura Irrigada. Eng. Agro. Marcos Brandão Braga Desafios e Perspectivas da Agricultura Irrigada Eng. Agro. Marcos Brandão Braga Fundamentos sólidos para o aumento do consumo de alimentos Crescimento populacional, urbanização e participação dos países

Leia mais

Desafios da educação profissional. Otávio Celidonio

Desafios da educação profissional. Otávio Celidonio Desafios da educação profissional Otávio Celidonio O FUTURO DO AGRO BILHÕES DE PESSOAS 9,73 De 2016 a 2050 estima-se que a população mundial crescerá 31%. 6,34 3,21 MUNDIAL URBANA RURA L Fonte: FAO O FUTURO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL ESALQ - USP CAETANO RIPOLI & WALTER MOLINA 2007

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL ESALQ - USP CAETANO RIPOLI & WALTER MOLINA 2007 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL ESALQ - USP CAETANO RIPOLI & WALTER MOLINA 2007 LER 332-2007 ESCLARECIMENTO: A UTILIZAÇÃO DESTE ARQUIVO COM ROTEIRO DE AULA DEVE SER, APENAS, CONSIDERADA COMO MAIS UMA

Leia mais

Agricultura de Precisão no Manejo Conservacionista do Solo e o Manejo do Nitrogênio

Agricultura de Precisão no Manejo Conservacionista do Solo e o Manejo do Nitrogênio UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA Programa de Pós Graduação em Fitotecnia Disciplina de Manejo do Solo Agricultura de Precisão no Manejo Conservacionista do Solo e o Manejo

Leia mais

SISTEMA DE IRRIGAÇÃO EFICIENTE POR PIVÔ CENTRAL

SISTEMA DE IRRIGAÇÃO EFICIENTE POR PIVÔ CENTRAL SISTEMA DE IRRIGAÇÃO EFICIENTE POR PIVÔ CENTRAL Definição da Problemática Necessidade de produzir mais alimentos X Restrição para ampliar a área plantada Como Resolver o Impasse? Investimento em pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA COMPONENTES CURRÍCULARES Código Nome Nível de Ensino 1 FTC0001 AGROECOLOGIA STRICTO

Leia mais

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Junho/2008 Três Pontas/MG Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento DIMENSÃO DEMOGRÁFICO DIMENSÃO SOCIOECONÔMICA DIMENSÃO SEGURANÇA

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Programa ABC Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas visando à Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura

Leia mais

Curso Técnico em Agricultura AGRICULTURAS I

Curso Técnico em Agricultura AGRICULTURAS I Curso Técnico em Agricultura AGRICULTURAS I Milena Mendes Barra da Estiva Julho / 2015 AGRICULTURA I - Ementa Origem, histórico e evolução; Aspectos morfológicos e fisiológicos; Distribuição Geográfica;

Leia mais

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

RUI MANGIERI A AGROPECUÁRIA NO MUNDO

RUI MANGIERI A AGROPECUÁRIA NO MUNDO RUI MANGIERI A AGROPECUÁRIA NO MUNDO A agropecuária na América Anglo- Saxônica I- Os norte-americanos são os principais representantes da agropecuária comercial no mundo,com cultivos e criações intensamente

Leia mais

Hortaliças: Importância e Cultivo. Werito Fernandes de Melo

Hortaliças: Importância e Cultivo. Werito Fernandes de Melo Hortaliças: Importância e Cultivo Werito Fernandes de Melo Importância do agronegócio para o Brasil. Algodão produção de 1,2 milhões/t em 2004 (5º); cresceu 22% em 2003; exportações em de 400 mil t (3º);

Leia mais

ARGENTINA. Comércio Exterior

ARGENTINA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

Meio Rural X Meio Agrário:

Meio Rural X Meio Agrário: Introdução Rural X Urbano: Urbano: presença de construções (casas, prédios, comércio, escolas, hospitais, etc.); Rural: presença maior da natureza e atividades agrárias; Meio Rural X Meio Agrário: Rural:

Leia mais

PREPARO CONVENCIONAL E PERIÓDICO DO SOLO. Prof. Dr. Walter F. Molina Jr 2014

PREPARO CONVENCIONAL E PERIÓDICO DO SOLO. Prof. Dr. Walter F. Molina Jr 2014 Ã PREPARO CONVENCIONAL E PERIÓDICO DO SOLO Prof. Dr. Walter F. Molina Jr 2014 www.leb.esalq.usp.br/disciplinas/ Molina/LEB_432/ wfmolina@usp.br 3447-8504 ELEMETOS ESSECIAIS À OBTEÇÃO DE PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA

Leia mais

Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão. Telmo Amado

Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão. Telmo Amado Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão Telmo Amado Situação atual. Eficiência de Uso < 50% N e K, e < 30% de P Eficiência do uso da água Potencial genético subutilizado

Leia mais

Gestão Ambiental, Uso e Manejo de Dejetos Animais no Estado de Carolina do Norte. Regiões Fisiográficas do Estado

Gestão Ambiental, Uso e Manejo de Dejetos Animais no Estado de Carolina do Norte. Regiões Fisiográficas do Estado Gestão Ambiental, Uso e Manejo de Dejetos Animais no Estado de Carolina do Norte Jot Smyth Departamento de Ciências do Solo Universidade Estadual de Carolina do Norte Regiões Fisiográficas do Estado Bacias

Leia mais

Currículo do Curso de Engenharia Florestal

Currículo do Curso de Engenharia Florestal Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado a atuar em atividades relacionadas com: construções de madeira; silvimetria e inventário; recursos naturais renováveis;

Leia mais

Nexo água-alimentoenergia: produzir com sustentabilidade. Brasília, 27 de julho de 2016

Nexo água-alimentoenergia: produzir com sustentabilidade. Brasília, 27 de julho de 2016 Nexo água-alimentoenergia: o desafio de produzir com sustentabilidade Brasília, 27 de julho de 2016 Desafios para produção de alimentos Multifuncionalidade A Agricultura será, cada vez mais, pressionada

Leia mais

ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Sebastião Renato Valverde

ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Sebastião Renato Valverde ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Sebastião Renato Valverde valverde@ufv.br 92 Currículos dos Cursos do CCA UFV Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado a atuar

Leia mais

Melhoramento de mandioca

Melhoramento de mandioca Melhoramento de mandioca Teresa Losada Valle teresalv@iac.sp.gov.br Temas Características do melhoramento de mandioca Obtenção de variedades para fins específicos Por que fazer melhoramento de mandioca?

Leia mais

Data: /11/2014 Bimestre: 4. Nome: 6 ANO Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /11/2014 Bimestre: 4. Nome: 6 ANO Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /11/2014 Bimestre: 4 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 9 1- (0,5) A agricultura é uma atividade econômica relacionada às condições

Leia mais

Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais

Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais Claudio Aparecido Spadotto* A importância da agricultura brasileira Nesse texto o termo

Leia mais

Exercícios Revolução Verde

Exercícios Revolução Verde Exercícios Revolução Verde 1. Considerando os conhecimentos sobre o espaço agrário brasileiro e os dados apresentados no gráfico, é correto afirmar que, no período indicado, *Soja, Trigo, Milho, Arroz

Leia mais

ZONEAMENTO AMBIENTAL E PRODUTIVO ZAP INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSISTEMAS -ISA PAULO AFONSO ROMANO SECRETÁRIO ADJUNTO

ZONEAMENTO AMBIENTAL E PRODUTIVO ZAP INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSISTEMAS -ISA PAULO AFONSO ROMANO SECRETÁRIO ADJUNTO ZONEAMENTO AMBIENTAL E PRODUTIVO ZAP INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSISTEMAS -ISA PAULO AFONSO ROMANO SECRETÁRIO ADJUNTO C E N Á R I O S - A G R O N E G Ó C I O 2 3 CRESCIMENTO POPULACIONAL

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia medina@uel.br AGRICULTURA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PRODUÇÃO DE ENERGIA A GRANDE REVOLUÇÃO ESTÁ

Leia mais

Rede de Cooperativas Agropecuárias das Américas

Rede de Cooperativas Agropecuárias das Américas Ramo Agropecuário Rede de Cooperativas Agropecuárias das Américas Paulo César Dias do Nascimento Júnior Coordenador do Ramo Agropecuário da OCB Lima, 20 e 21 de março de 2013. Sistema OCB. Você participa.

Leia mais

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Belém, PA Junho -2016 1 Mercado de Floresta Plantada 2 Mercado de Floresta Plantada Distribuição

Leia mais

FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado

FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado Painel: Logística e Competitividade Mineração e Agronegócio: Superando Obstáculos para o Escoamento da Produção (São Paulo-SP,

Leia mais

SOLUÇÕES INTEGRADAS, RESULTADOS SUSTENTÁVEIS

SOLUÇÕES INTEGRADAS, RESULTADOS SUSTENTÁVEIS SOLUÇÕES INTEGRADAS, RESULTADOS SUSTENTÁVEIS ÁREA DE ATUAÇÃO UNIDADES DE NEGÓCIOS Shopping Rural Lojas de Insumos Revendas de Máquinas Agrícolas Armazéns de Café Armazém de Açúcar Silos Graneleiros Fábricas

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis Competências a serem trabalhadas nesta aula Conhecer o segmento econômico da Agroindústria

Leia mais

5. O PAPEL DAS REGIÕES BRASILEIRAS NA ECONOMIA DO PAÍS

5. O PAPEL DAS REGIÕES BRASILEIRAS NA ECONOMIA DO PAÍS GEOGRAFIA 5. O PAPEL DAS REGIÕES BRASILEIRAS NA ECONOMIA DO PAÍS 1. Observe os mapas: Mapa 1 Fonte: IBGE. Atlas geográfico escolar. 6. ed. Rio de Janeiro, 2012. Adaptação. Parte integrante do livro didático

Leia mais

Agricultura no Brasil. Luciano Teixeira

Agricultura no Brasil. Luciano Teixeira LUCIANO TEIXEIRA Agricultura no Brasil Luciano Teixeira Agricultura Extensiva Caracterizada geralmente pelo uso de técnicas rudimentares ou tradicionais na produção. Normalmente é utilizada para mercado

Leia mais

5 maiores Problemas da Humanidade até 2050

5 maiores Problemas da Humanidade até 2050 5 maiores Problemas da Humanidade até 2050 Água Energia Evolução da População Mundial 1950 2011 2050 2,5 bi 7,5 bi 9,3 bi Evolução dos Famintos 1950 2011 2050 0,5 bi 0,9 bi 1,3 bi Alimentos Lixo Pobreza

Leia mais

Planejamento e Instalação de Pomares

Planejamento e Instalação de Pomares Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Ciências Agrárias Curso de Engenharia Agronômica Disciplina: Fruticultura I Planejamento e Instalação de Pomares Docente responsável: Prof. Dr. Ítalo

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira Neto

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira Neto 102 ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira Neto snolasco@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 103 Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL

DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL CHEFE DO DEPARTAMENTO: PROF. PEDRO CHRISTOFOLLETTI DISCIPLINA LPV 0480 FLORICULTURA E PLANTAS ORNAMENTAIS : PROF. PAULO HERCÍLIO OLERICULTURA : PROF. PAULO CESAR PROF.

Leia mais

SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO

SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS E SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO AUTORES: FABIANA AQUINO JORGE WERNECK LIMA MARCELA COSTA O que são Serviços Ecossistêmicos? Benefícios diretos e indiretos obtidos pelo Homem a

Leia mais

O Desenvolvimento da Agricultura e Política Rural

O Desenvolvimento da Agricultura e Política Rural 7º Seminário Estadual de Agricultura O Desenvolvimento da Agricultura e Política Rural Deputado Estadual José Milton Scheffer Vice-Presidente da Comissão de Agricultura e Política Rural da ALESC Território

Leia mais

Gerenciamento de risco no agronegócio Ivan Wedekin

Gerenciamento de risco no agronegócio Ivan Wedekin Gerenciamento de risco no agronegócio Ivan Wedekin Junho de 2008 Assim caminha a humanidade 1. O consumidor é o grande beneficiário da inovação tecnológica no agronegócio. 2. Mais integração e adensamento

Leia mais

DISPONIBILIDADE E ANÁLISE DA BIOMASSA RESIDUAL NA REGIÃO DE DOURADOS

DISPONIBILIDADE E ANÁLISE DA BIOMASSA RESIDUAL NA REGIÃO DE DOURADOS DISPONIBILIDADE E ANÁLISE DA BIOMASSA RESIDUAL NA REGIÃO DE DOURADOS Mateus Azevedo Chaves Correia¹; Robson Leal da Silva² ¹Voluntário de Iniciação Científica, Acadêmico do Curso de Engenharia de Energia

Leia mais

HORÁRIOS DE AULA DO CURSO DE AGRONOMIA Turma AG 01 HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA

HORÁRIOS DE AULA DO CURSO DE AGRONOMIA Turma AG 01 HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA Turma AG 01 Tecnologia de Processamento de Plantas Espontâneas 15h Tecnologia de Processamento de Forragicultura e Silvicultura 45h 08-10h Produtos Agropecuários Fisiologia Pós-Colheita 15h Produtos Agropecuários

Leia mais

Percursos 27 e 28 Expedições Geográficas - 6ºano Profª Bruna Andrade

Percursos 27 e 28 Expedições Geográficas - 6ºano Profª Bruna Andrade AGRICULTURA E PECUÁRIA Percursos 27 e 28 Expedições Geográficas - 6ºano Profª Bruna Andrade AGRICULTURA CONDIÇÕES NATURAIS: Apesar do grande desenvolvimento técnico e científico ela ainda depende do solo,

Leia mais

Edital do Programa de Estágio Supervisionado - 1º semestre de 2017 Centro de Pesquisa Mokiti Okada CPMO

Edital do Programa de Estágio Supervisionado - 1º semestre de 2017 Centro de Pesquisa Mokiti Okada CPMO Edital do Programa de Estágio Supervisionado - 1º semestre de 2017 Centro de Pesquisa Mokiti Okada CPMO A instituição: O Centro de Pesquisa Mokiti Okada CPMO, localizado em Ipeúna/SP, tem como OBJETIVO

Leia mais

ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA

ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA SEMENTES DAS PRINCIPAIS CULTURAS NO BRASIL MILHO 11% ALGODÃO ARROZ 0,5%

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016 1 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016 CONSÓRCIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA: COMPREENDENDO OS RISCOS DO ESTRESSE HÍDRICO NA

Leia mais

AS FLORESTAS NO MUNDO

AS FLORESTAS NO MUNDO AS FLORESTAS NO MUNDO ÁREA - Naturais = 3,682 bilhões ha (95%) - Plantadas = 187 milhões ha (5%) - Total = 3,869 bilhões ha (100%) SUPRIMENTO DE MADEIRA - Naturais = 65% - Plantadas = 35% - Total = 100%

Leia mais

CONCEITOS E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

CONCEITOS E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Disciplina: Recursos Hídricos e Manejo de Bacias Hidrográficas Prof a. Dr a. Cristiana do Couto Miranda CONCEITOS E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Hidrologia É a ciência que se ocupa dos processos que regulam o

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2015 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.448.440 3.365.849 1.710.450 668.615 1.914.651 9.108.005 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.513,57 R$ 1.611,79

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Novembro/2014

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Novembro/2014 MATO GROSSO - Novembro/2014 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.448.440 3.365.849 1.710.450 668.615 1.914.651 9.108.005 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.437,49 R$ 1.612,95

Leia mais

Processo Seletivo Para Docentes Edital Nº 011/2016 Classificação Final CURSO DE ENGENHARIA AGRONOMICA DISCIPLINAS CANDIDATOS PONTUAÇ CLASSIF.

Processo Seletivo Para Docentes Edital Nº 011/2016 Classificação Final CURSO DE ENGENHARIA AGRONOMICA DISCIPLINAS CANDIDATOS PONTUAÇ CLASSIF. Processo Seletivo Para Docentes Edital Nº 011/2016 Classificação Final A Profª. Ms. Damaris Cunha de Godoy, diretora do Instituto Municipal de Ensino Superior de Bebedouro Victório Cardassi, no uso de

Leia mais

CAPÍTULO 27 O MEIO RURAL E SUAS TRANSFORMAÇÕES

CAPÍTULO 27 O MEIO RURAL E SUAS TRANSFORMAÇÕES Disciplina - Geografia 2 a Série Ensino Médio CAPÍTULO 27 O MEIO RURAL E SUAS TRANSFORMAÇÕES Professor: Gelson Alves Pereira 1- INTRODUÇÃO Revolução Neolítica Importância Em primeiro plano fornecer alimentos.

Leia mais

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA 2010 APRESENTAÇÃO Os programas das Áreas de Concentração foram

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Manejo de plantas de cobertura para sistemas agrícolas de alta produtividade

Manejo de plantas de cobertura para sistemas agrícolas de alta produtividade Manejo de plantas de cobertura para sistemas agrícolas de alta produtividade B.Sc. Agronomia José Eduardo de Macedo Soares Júnior Fazenda Capuaba / Lucas do Rio Verde-MT Fazenda Capuaba Lucas do Rio Verde

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Comunicação e tecnologia. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.2 Conteúdos A presença da economia

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza

Currículos dos Cursos UFV AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza 74 AGRONOMIA COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 75 Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as atividades profissionais previstas

Leia mais

Prof o. LER IRRIGAÇÃO Dr. Marcos Vinícius Folegatti Aula 02

Prof o. LER IRRIGAÇÃO Dr. Marcos Vinícius Folegatti Aula 02 Prof o LER 1571 - IRRIGAÇÃO Dr. Marcos Vinícius Folegatti Aula 02 LER - 1571 Irrigação DISPONIBILIDADE DE RECURSOS HÍDRICOS E DESENVOLVIMENTO DA IRRIGAÇÃO Marcos Vinícius Folegatti DISTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza

UFV Catálogo de Graduação AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza UFV Catálogo de Graduação 2014 79 AGRONOMIA COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br 80 Currículos dos Cursos do CCA UFV Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO CRÉDITO RURAL EM MINAS GERAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO CRÉDITO RURAL EM MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO CRÉDITO RURAL EM MINAS GERAIS Maio/2014 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL DISPONIBILIZADO - BRASIL (R$ BILHÕES)

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JULHO Exportações As exportações da indústria atingiram o nível mais baixo desde 2006 para o

Leia mais