PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO"

Transcrição

1 PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-140 APROVADA EM DEZ/2015 Nº 01/07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico das Revisões 5 Siglas 6 Definições 7 Quadro de aprovação Anexo Preços dos Serviços de Acreditação de Organismos de Certificação e Inspeção e Sistemática de Cobrança. 1 OBJETIVO Esta Norma estabelece a sistemática para a formação dos preços e o procedimento para a execução da cobrança dos valores dos serviços referentes ao processo de acreditação de organismos de certificação e de inspeção realizado pela Cgcre. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma aplica-se à Dicor, Diois e à Secre. 3 RESPONSABILIDADE A responsabilidade pela revisão desta Norma é da Secre. 4 HISTÓRICO DA REVISÃO Foi modificada a redação dos itens e do anexo. 5 SIGLAS CCT Cgcre CIPP Dicor Diois GRU Inmetro INPC OAC OIA-PP Secre UO Certificado de Capacitação Técnica Coordenação Geral de Acreditação Certificado de Inspeção para o Transporte de Produtos Perigosos Divisão de Acreditação de Organismos de Certificação Divisão de Acreditação de Organismos de Inspeção Guia de Recolhimento da União Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Índice Nacional de Preços ao Consumidor Organismo de Avaliação da Conformidade Organismo de Inspeção Produtos Perigosos Seção de Apoio à Acreditação Unidade Organizacional

2 02/07 6 DEFINIÇÕES Para fins desta Norma, são adotadas as definições contidas na ABNT NBR ISO/IEC e as estabelecidas neste item. 6.1 Concessão da Acreditação Processo executado para conceder uma acreditação. 6.2 Equipe Avaliadora (ou Equipe de Avaliação) Equipe designada pela Cgcre para realizar a avaliação ou parte de uma avaliação. 6.3 Extensão da acreditação Processo de ampliação do escopo de acreditação 6.4 Reavaliação Avaliação similar à avaliação para concessão da acreditação, na qual é levada em consideração a experiência obtida durante as avaliações anteriores. 6.5 Supervisão Conjunto de atividades, exceto reavaliação, visando monitorar a conformidade continuada a requisitos de acreditação por parte dos OAC acreditados. Nota: A supervisão inclui tanto a avaliações de supervisão no local, quanto outras atividades de supervisão, tais como: a) pedidos de informação do organismo de acreditação ao OAC, concernentes a aspectos da acreditação; b) análise crítica das declarações do OAC em relação às atividades cobertas pela acreditação; c) solicitações ao OAC de fornecimento de documentos e registros (ex: relatórios de auditoria, resultados do controle interno da qualidade para verificação da validade dos serviços do OAC, registros de reclamações, registros das análises críticas pela direção); d) monitoramento do desempenho do OAC (tais como resultados da participação em ensaios de proficiência). 6.6 Testemunha da Auditoria Observação da Cgcre enquanto o OAC executa os serviços de avaliação de conformidade dentro do seu escopo de acreditação. 6.7 Avaliador Líder do Processo Avaliador a quem é atribuída a responsabilidade geral sobre todas as atividades das avaliações de um processo de acreditação. 6.8 Avaliador Líder da Avaliação Avaliador a quem é atribuída a responsabilidade sobre atividades de avaliação especificas. 6.9 Avaliador Pessoa designada por um organismo de acreditação para realizar, sozinho ou como parte de uma equipe de avaliação, a avaliação de um OAC Especialista Pessoa designada pelo organismo de acreditação para prover conhecimento específico ou especializado, com respeito ao escopo de acreditação a ser avaliado.

3 03/07 7 QUADRO DE APROVAÇÃO Quadro de Aprovação Responsabilidade Nome Atribuição Elaboração Elisabeth Lourenço Chefe da Secre Verificação Elisabeth Lourenço Chefe da Secre Aprovação Aldoney Freire Coordenador da Cgcre /ANEXO

4 04/07 ANEXO PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO 1 CONDIÇÕES GERAIS 1.1 Os preços referentes aos serviços para concessão e manutenção da acreditação poderão ser atualizados, no mês de março de cada ano, pelo INPC, relativo ao ano anterior, ou por outro índice que o substitua. 1.2 Os custos dos serviços prestados pela Cgcre são calculados pela Secre e encaminhados aos OAC através de GRU, que deverá ser paga, no máximo, 23 (vinte e três dias após a data de sua emissão. Após o vencimento, o OAC está sujeito à multa de 2% (dois por cento) sobre o valor devido, acrescido de juros de mora de 1% (um por cento) ao mês. 1.3 Os custos referentes aos avaliadores em treinamento são de responsabilidade da Cgcre. 1.4 A cobrança anual por cada tipo de acreditação e escopo acreditado corresponde a cada atividade declarada no anexo ao certificado de acreditação, de acordo com os requisitos de uma determinada norma, guia, regulamento técnico, especificação de produto, serviço ou área de ocupação profissional. 1.5 Será cobrado um valor relativo à análise da documentação. O pagamento será feito da seguinte forma: a) Serviço executado por avaliadores do quadro de pessoal do Inmetro O pagamento será feito através da Guia de Recolhimento da União GRU, cabendo exclusivamente à Secre/Cgcre conduzir todo o processo de cálculo e de comunicação prévia ao OAC dos valores a serem pagos; b) Serviço executado por avaliadores externos ao quadro de pessoal do Inmetro. O pagamento deverá ser feito diretamente em conta bancária do avaliador e/ou do especialista, no caso de ser ele autônomo, ou na conta bancária da entidade a qual ele esteja vinculado, cabendo exclusivamente à Secre/Cgcre conduzir todo o processo de cálculo e de comunicação prévia ao OAC dos valores a serem pagos e das informações necessárias para execução do pagamento correspondente. 1.6 A cobrança relativa à análise da documentação ocorrerá em duas etapas, a saber: a) Verificação da completeza da documentação e análise crítica da solicitação no valor de R$ 270,00 (duzentos e setenta reais), que deverá ser pago antecipadamente à atividade; b) Análise da documentação e emissão do RAD (Relatório de Análise de Documentação) no valor de R$ 540,00 (quinhentos e quarenta reais), que deverá ser pago imediatamente após a emissão do relatório. 1.7 O OAC deve enviar cópia dos comprovantes de pagamento das etapas citadas acima, para a Dicor e Diois. 1.8 O valor do homem/dia nacional é de R$ 637,00 (seiscentos e trinta e sete reais) para o avaliador/especialista. O OAC se responsabiliza pela hospedagem. 1.9 O valor do homem/dia internacional é de US$ 637,00 (seiscentos e trinta e sete dólares americanos) para o avaliador/especialista. O OAC se responsabiliza pela hospedagem da equipe.

5 05/ O OAC deve viabilizar com o avaliador líder da avaliação a hospedagem a ser utilizada pela equipe bem como realizar o pagamento das despesas de hospedagem que devem ser oferecidas, no mínimo, em unidades individuais com climatização. A(s) confirmação(ões) da(s) reserva(s) deve(m) ser encaminhada(s) via à equipe avaliadora O OAC é responsável pelo transporte aéreo da equipe avaliadora, devendo encaminhar bilhete eletrônico aos avaliadores/especialistas com cópia para a Divisão de Acreditação pertinente O OAC é responsável pela locomoção da equipe durante o período da avaliação (residência/aeroporto/empresa/hotel/residência), Nota: A locomoção pode ocorrer por meio de disponibilização de transporte próprio ou contratado pelo OAC ou mediante comprovação de pagamento de táxi por parte dos avaliadores/ especialistas O pagamento ao avaliador e/ou especialista externo ao Inmetro deve se dar como segue: a) A divisão responsável, quando da formalização da equipe nas suas respectivas áreas de competência, deve informar ao OAC o mecanismo (Nota Fiscal ou RPA) segundo o qual o avaliador/especialista deve ser pago; b) O pagamento do homem/dia deve ser efetuado pelo OAC, em até 15 dias após a avaliação, diretamente em conta bancária do avaliador e/ou do especialista, no caso de ser ele autônomo (RPA), ou na conta bancária da entidade a qual ele esteja vinculado (nota fiscal), cabendo exclusivamente à Secre/Cgcre conduzir todo o processo de cálculo e de comunicação prévia ao OAC dos valores a serem pagos e das informações necessárias para execução do pagamento correspondente; c) O OAC deve enviar cópia do comprovante do pagamento, em até 15 dias corridos após a avaliação para o d) O OAC pode solicitar ao avaliador/especialista documentos, de acordo com a legislação pertinente, para que o pagamento seja efetivado; e e) O referido pagamento incidirá na cobrança dos impostos, conforme legislação pertinente Adicionalmente ao pagamento do homem/dia referente aos serviços prestados pelo avaliador/especialista é cobrado para a preparação da avaliação e análise das ações corretivas, o seguinte: 01 homem/dia para o avaliador líder da avaliação 0,75 homem/dia para o avaliador 0,5 homem/dia para o especialista Nota: O avaliador que exercer duplo papel nas visitas de avaliação e de reavaliação deve receber pelas 02 (duas) atribuições Adicionalmente ao estabelecido no item 1.10 é cobrado um valor relativo ao trabalho desempenhado pelo avaliador líder do processo para a realização da análise crítica dos relatórios de análise da documentação, da avaliação, testemunha de auditoria e da resolução das não conformidades. Esta cobrança só é feita para avaliações para fins de acreditação ou de extensão da acreditação e reavaliações. No estabelecimento deste valor é considerado o número de profissionais envolvidos na avaliação, conforme tabela a seguir.

6 06/07 O pagamento deve ser feito em 15 dias após a conclusão do processo. Número de pessoas Número de Homem/Dia A partir de PREÇOS DA ACREDITAÇÃO E SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DA ANUIDADE 2.1 Preços da Acreditação Valor anual por tipo de acreditação - R$ 6.552,00 (seis mil quinhentos e cinquenta e dois reais) Valor anual por cada escopo acreditado - R$ 3.120,00 (três mil cento e vinte reais) Verificação da completeza da documentação e análise crítica da solicitação R$ 270,00 (duzentos e setenta reais). O pagamento deverá ser efetuado após a solicitação e o envio da documentação correspondente; Nota: Somente será realizada a atividade de análise da solicitação e da completeza da documentação após a confirmação do pagamento desta cobrança Valor da análise da documentação R$ 540,00 por avaliador ou especialista envolvido nesta etapa. O pagamento deverá ser efetuado em até 15 (quinze) dias após a emissão do RAD (Relatório de Análise de Documentação) Nota: A Verificação da completeza da documentação e análise crítica da solicitação poderá ser realizada por profissionais do quadro de pessoal do Inmetro ou por avaliadores externo ao quadro de pessoal do Inmetro. 2.2 Sistemática de pagamento das Anuidades O pagamento das despesas pertinentes, relativas às atividades acreditadas deve ser efetuado pelo Organismo através de GRU ou quando autorizado pela Cgcre, através de depósito bancário Para os Organismos já acreditados, a primeira parcela deve ser cobrada no mês de março e as demais nos meses subsequentes do exercício vigente. Sendo que os pagamentos poderão ser efetuados em até 06 (seis) parcelas mensais e iguais Para as novas acreditações e extensões o cálculo será proporcional a partir da data de concessão, a primeira parcela será cobrada 30 dias após a concessão da acreditação ou da extensão e as demais nos meses subsequentes do exercício vigente. Sendo que os pagamentos poderão ser efetuados em até seis parcelas mensais e iguais As cobranças das anuidades serão encaminhadas aos organismos acreditados, que deverão efetuar os pagamentos dentro do exercício vigente O não pagamento das cobranças, acarretará no envio de Notificação e demais sanções, conforme previsto na NIE-Cgcre-141.

7 07/ Caso a acreditação seja cancelada, a cobrança da anuidade será feita proporcional ao período da vigência da acreditação do OAC Quando houver redução/extensão de escopo, a cobrança da anuidade será feita proporcional à data da recomendação da UO responsável No caso de suspensão por decisão da Cgcre ou por solicitação do OAC as condições financeiras permanecem inalteradas. 3 CERTIFICADOS FORNECIDOS PELA CGCRE (CIPP e CCT) 3.1 O custo por certificado (CCT) será de R$1,50 (um real e cinquenta centavos). A emissão da GRU e o envio dos certificados são realizados pela Secre, após comprovação dos respectivos pagamentos. Em caso de haver pendências financeiras, a cobrança e o envio serão feitos após a regularização. 3.2 Os OIA - PP, após a concessão da acreditação, devem solicitar à Secre a liberação dos Certificados de Inspeção para o Transporte de Produtos Perigosos (CIPP). 3.3 O custo por certificado (CIPP) será de R$ 1,50 (um real e cinquenta centavos). A emissão da GRU e o envio dos certificados são realizados pela Secre, após comprovação pelos OIA-PP dos respectivos pagamentos. Em caso de haver pendências financeiras, a cobrança e o envio serão feitos após a regularização.

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-0 APROVADA EM MAR/20 Nº 01/09 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico das

Leia mais

PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA NORMA Nº NIT-DICLA-011 APROVADA EM JUL/2014 Nº 01/08 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE SELOS DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM CONFORMIDADE AVALIADA

PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE SELOS DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM CONFORMIDADE AVALIADA PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE SELOS DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM CONFORMIDADE AVALIADA NORMA N o NIE-DQUAL-142 APROVADA EM ABR/06 N o /05 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

Portaria n.º 106, de 25 de fevereiro de 2015. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 106, de 25 de fevereiro de 2015. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 106, de 25 de fevereiro de 2015. CONSULTA

Leia mais

R$ ,15 (dezesseis milhões, seiscentos e trinta e quatro mil, duzentos e quatorze reais e quinze centavos)

R$ ,15 (dezesseis milhões, seiscentos e trinta e quatro mil, duzentos e quatorze reais e quinze centavos) DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1) Lucro líquido do exercício: R$ 16.634.214,15 (dezesseis milhões, seiscentos e trinta e quatro mil, duzentos e quatorze reais e quinze centavos) 2) Montante global e valor

Leia mais

AVALIAÇÃO. A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Cgcre.

AVALIAÇÃO. A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Cgcre. AVALIAÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-029 APROVADA EM DEZ/28 Nº 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Siglas 6 Definições 7 Tipos de Avaliação 8 Condições

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA AS EMPRESAS DISTRIBUIDORAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) SUMÁRIO & '!

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA AS EMPRESAS DISTRIBUIDORAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) SUMÁRIO & '! Página 1 de 11 SUMÁRIO! " #$ % & $! & '! $ " () % %% % ($)& $ Página 2 de 11 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS PÁGINA SUMÁRIO DE MUDANÇA DATA ELABORADO APROVADO Todas Liberação do documento 07/07/2001 Todas Todas

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE SELOS DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM CONFORMIDADE AVALIADA

PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE SELOS DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM CONFORMIDADE AVALIADA PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE SELOS DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM CONFORMIDADE AVALIADA NORMA Nº NIE-DQUAL-142 APROVADA EM NOV/2009 Nº 1/5 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região Mato Grosso do Sul

Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região Mato Grosso do Sul Resolução CREF11/MS nº 155/2015 Campo Grande, 01 de dezembro de 2015. Dispõe sobre valores e formas de pagamentos das anuidades do CREF11/MS para o Exercício de 2016 e dá outras providencias. O PRESIDENTE

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº. 32/09

ATO NORMATIVO Nº. 32/09 ATO NORMATIVO Nº. 32/09 Dispõe sobre os valores das anuidades de pessoas físicas a serem pagas ao Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado do Espírito Santo - Crea-ES para o exercício

Leia mais

O processo de acreditação de laboratórios pela Cgcre. Patricia Weigert de Camargo Assessora da Divisão de Acreditação de Laboratórios (INMETRO)

O processo de acreditação de laboratórios pela Cgcre. Patricia Weigert de Camargo Assessora da Divisão de Acreditação de Laboratórios (INMETRO) O processo de acreditação de laboratórios pela Cgcre Patricia Weigert de Camargo Assessora da Divisão de Acreditação de Laboratórios (INMETRO) A Coordenação Geral de Acreditação do Inmetro (Cgcre) é o

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME Revisão 01 12 de junho 2015 Fol. 1 de 9 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco. IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ÚNICA CURSOS AVANÇADOS EM ODONTOLOGIA

REGULAMENTO INTERNO ÚNICA CURSOS AVANÇADOS EM ODONTOLOGIA REGULAMENTO INTERNO ÚNICA CURSOS AVANÇADOS EM ODONTOLOGIA 1. OBJETO 1.1. A ÚNICA Cursos Avançados em Odontologia oferece cursos de treinamento em formação continuada na área de Odontologia para estudantes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 891/ CONFERE

RESOLUÇÃO Nº 891/ CONFERE RESOLUÇÃO Nº 891/2013 - CONFERE Corrige os valores máximos autorizados pela Lei nº 4.886, de 09.12.1965, com a alteração da Lei nº 12.246, de 27.05.2010, e fixa as anuidades para o exercício de 2014 que

Leia mais

RESOLUGÃO CFP N 002/98 de 19 de abril de 1998. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUGÃO CFP N 002/98 de 19 de abril de 1998. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUGÃO CFP N 002/98 de 19 de abril de 1998 "Altera a Consolidação das Resoluções do Conselho Federal de Psicologia, aprovada pela Resolução CFP N 004/86, de 19 de outubro de 1986." O CONSELHO FEDERAL

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO CIVIL, PROCESSO CIVIL E DIREITO DO CONSUMIDOR CONTRATANTE: Naturalidade: Nacionalidade: Estado

Leia mais

Obtenção de Certificado de Conformidade

Obtenção de Certificado de Conformidade 1/6 Palavras-chave: Certificação, Certificado, Conformidade. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento Anexo A Formulários 1 Objetivo Este Procedimento

Leia mais

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65 ARTIGO 65 LEI Nº 12.249, DE 11 DE JUNHO DE 2010 Art. 65. Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições desta Lei, os débitos administrados pelas autarquias e fundações

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 11/03

ATO NORMATIVO Nº 11/03 ATO NORMATIVO Nº 11/03 Dispõe sobre os valores das anuidades de pessoas jurídicas a serem pagas ao Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado do Espírito Santo Crea ES para o exercício

Leia mais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais D E C R E T O N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE 2013 DISCIPLINA O PARCELAMENTO DOS CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS E NÃO TRIBUTÁRIOS, INSCRITOS OU NÃO EM DÍVIDA ATIVA, DO MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS, DE SUAS AUTARQUIAS

Leia mais

Obtenção de Certificado de Conformidade

Obtenção de Certificado de Conformidade 1/6 Palavras-chave: Certificação, Certificado, Conformidade. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6 Formulários 1 Objetivo Este Procedimento

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM ABR/2013 Nº 01/ SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

Processo n. 109.169/07 CONTRATO N. 2008/225.0

Processo n. 109.169/07 CONTRATO N. 2008/225.0 Processo n. 109.169/07 CONTRATO N. 2008/225.0 CONTRATO CELEBRADO ENTRE A CÂMARA DOS DEPUTADOS E A CAPITAL EMPRESA DE SERVIÇOS GERAIS LTDA., PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MICROFILMAGEM E DIGITALIZAÇÃO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO CONFE nº 250 DE 26 DE NOVEMBRO DE 2001

RESOLUÇÃO CONFE nº 250 DE 26 DE NOVEMBRO DE 2001 RESOLUÇÃO CONFE nº 250 DE 26 DE NOVEMBRO DE 2001 DISPÕE SOBRE O VALOR DE ANUIDADE, TAXAS E MULTAS DEVIDAS AOS CONSELHOS REGIONAIS DE ESTATÍSTICA PARA O EXERCÍCIO DE 2002. O CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA,

Leia mais

Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 20.0 - Válida a partir de 05/02/2016

Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 20.0 - Válida a partir de 05/02/2016 Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 20.0 - Válida a partir de 05/02/2016 ARMAZENAGEM 1 - Armazenagem de Importação - Contêiner e Carga Solta Do Valor CIF Parcela Fixa por contêiner

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO Por este instrumento e na melhor forma de direito, a COOPERATIVA, doravante designada simplesmente COOPERATIVA, neste ato devidamente representada na forma de seu

Leia mais

Projeto de lei 4330/ quadro comparativo entre as redações aprovadas na Câmara dos Deputados

Projeto de lei 4330/ quadro comparativo entre as redações aprovadas na Câmara dos Deputados Projeto de lei 4330/2004 - quadro comparativo entre as redações aprovadas na Câmara dos Deputados PL 4330 - projeto original apresenta à Ementa: Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações

Leia mais

Portaria n 4, de 10 de janeiro de 2012.

Portaria n 4, de 10 de janeiro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria n 4, de 10 de janeiro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Critérios Para Acreditação e Sanções de OAC. Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia

Critérios Para Acreditação e Sanções de OAC. Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Critérios Para Acreditação e Sanções de OAC Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade

Leia mais

I - Apoio a projetos de pesquisa e bolsistas de produtividade em pesquisa do CNPq

I - Apoio a projetos de pesquisa e bolsistas de produtividade em pesquisa do CNPq FUNDO DE DESENVOLVIMENTO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO FCAV-PRO APOIO A PROJETOS, PRODUÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS, EDIÇÃO DE LIVROS, REVISÕES E TRADUÇÕES DE ARTIGOS I - Apoio a projetos de pesquisa e bolsistas

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009.

LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009. LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009. Altera a Lei Complementar nº 001/06 de 13 de fevereiro de 2006, Código Tributário Municipal de Camocim e determina outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

O Calendário do curso estará sujeito a sofrer alteração no decorrer do mesmo.

O Calendário do curso estará sujeito a sofrer alteração no decorrer do mesmo. TERMO DE CONTRATAÇÃO E MATRÍCULA CURSO DE GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA-SOCESC, pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua Albano Schmidt nº 3333, Bairro

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL 03 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 4. SÍMBOLOS E SIGLAS... 2 5. DESCRIÇÃO... 2 6. INDICADORES RELACIONADOS... 7 7. REFERÊNCIAS... 7 8. ANEXOS... 7 03 2 / 7

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 DATA DE REGISTRO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: 22/12/2011

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 DATA DE REGISTRO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: 22/12/2011 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061899/2012 NÚMERO DO PROCESSO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: 47998.008319/2011-22 DATA DE REGISTRO DA CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 DATA DE REGISTRO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: 28/12/2011

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 DATA DE REGISTRO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: 28/12/2011 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061900/2012 NÚMERO DO PROCESSO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: 46268.004620/2011-49 DATA DE REGISTRO DA CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

1.1. Denomina-se chamada técnica o pedido de manutenção corretiva de um aparelho, equipamento etc.

1.1. Denomina-se chamada técnica o pedido de manutenção corretiva de um aparelho, equipamento etc. CARTA-CONTRATO Nº CC20090007 Ref.: Processo nº 005.368/08-1 À empresa VETON ELETROMEDICINA LTDA. CNPJ nº 03610664/0001-60 End.: QE 40, Conjunto D, Lote 37, Guará II, Brasília -DF CEP 71070-042 Telefax:

Leia mais

Resumo do Contrato de Utilização American Express Membership Cards Linha Crédito IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

Resumo do Contrato de Utilização American Express Membership Cards Linha Crédito IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Resumo do Contrato de Utilização American Express Membership Cards Linha Crédito IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta as principais informações que o Associado deve ter conhecimento

Leia mais

SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS NO RIO GRANDE DO SUL CIRCULAR ESPECIAL CONVENÇÃO COLETIVA CUT 2010/2011

SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS NO RIO GRANDE DO SUL CIRCULAR ESPECIAL CONVENÇÃO COLETIVA CUT 2010/2011 CIRCULAR ESPECIAL CONVENÇÃO COLETIVA CUT 2010/2011 Pela presente informamos que foram encerradas as negociações coletivas do ano em curso, resultando na Convenção Coletiva de Trabalho com a Federação e

Leia mais

AUDITORIA-TESTEMUNHA PARA ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO

AUDITORIA-TESTEMUNHA PARA ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO AUDITORIA-TESTEMUNHA PARA ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO NORMA No NIT-DICOR-026 APROVADA EM SET/2012 Nº 01/ SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico da Revisão 5 Documentos Complementares

Leia mais

TERCEIRA COLETÂNEA DE RESPOSTAS DADAS A PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO PREGÃO PRESENCIAL Nº 001/2015 - GOIÁS PARCERIAS

TERCEIRA COLETÂNEA DE RESPOSTAS DADAS A PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO PREGÃO PRESENCIAL Nº 001/2015 - GOIÁS PARCERIAS TERCEIRA COLETÂNEA DE RESPOSTAS DADAS A PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO PREGÃO PRESENCIAL Nº 001/2015 - GOIÁS PARCERIAS Processo n : 201500004029144 Assunto: CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS

Leia mais

Encargos Financeiros 2º semestre de Program a de Pó s - Gr adu ação La to Se ns u da FGV DIREIT O SP ( GV law)

Encargos Financeiros 2º semestre de Program a de Pó s - Gr adu ação La to Se ns u da FGV DIREIT O SP ( GV law) Encargos Financeiros 2º semestre de 2017 Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da DIREITO GV (GVlaw) Valores dos cursos de 32 horas (para ingressantes no 2º semestre de 2017): R$ 3.045,00 (três mil e quarenta

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR DECRETO Nº 4.105, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. ALTERA O REGULAMENTO DO ICMS, APROVADO PELO DECRETO Nº 35.245, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1991, PARA IMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES DOS PROTOCOLOS ICMS 107, DE 16 DE NOVEMBRO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22, DE 19 DE OUTUBRO DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº 22, DE 19 DE OUTUBRO DE 2010. RESOLUÇÃO Nº 22, DE 19 DE OUTUBRO DE 2010. FIXA O VALOR DA ANUIDADE, FORMAS DE PARCELAMENTO E PAGAMENTO, MULTAS E PREÇOS PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011, NO ÂMBITO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL-SEÇÃO

Leia mais

Regulamento Oferta Especial Exclusiva LIVE TIM

Regulamento Oferta Especial Exclusiva LIVE TIM Regulamento Oferta Especial Exclusiva LIVE TIM 1. INTRODUÇÃO 1.1 Esta Promoção é realizada pela TIM Celular S/A, com sede na Avenida Giovanni Gronchi, número 7.143, Cidade e Estado de São Paulo, CEP 05724-006,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016 2017

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016 2017 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016 2017 Por este instrumento particular de Convenção Coletiva de Trabalho, celebrado com fundamento no Art. 611 da CLT, o SINDICATO DOS FARMACÊUTICOS NO ESTADO DO PARANÁ,

Leia mais

CHAMADA 03/2015 PROEX I FEIRA DE ESTÁGIO E NEGÓCIOS DO IFRO

CHAMADA 03/2015 PROEX I FEIRA DE ESTÁGIO E NEGÓCIOS DO IFRO CHAMADA 03/2015 PROEX I FEIRA DE ESTÁGIO E NEGÓCIOS DO IFRO A Pró-Reitoria de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia, no uso de suas atribuições, torna pública a Chamada

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO

REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO Artigo 1º - O FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS, doravante designado, abreviadamente,

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Institui a Política Nacional de Capacitação dos Servidores para a Administração Pública Federal direta, autárquica

Leia mais

1) do termo final do período de apuração;

1) do termo final do período de apuração; RESOLUÇÃO NO 2.554, DE 17 DE AGOSTO DE 1994 (MG de 18 e ret. em 25) REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 2.880/97 Trata da atualização monetária dos créditos tributários do Estado, da cobrança de juros de mora,

Leia mais

GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA

GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA DECRETO Nº 43, de 23 de fevereiro de 2001 DOE 01.03.2001 Altera o Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto nº 35.245, de 26 de dezembro de 1991, implementando

Leia mais

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-140 APROVADA EM FEV/2010 Nº 01/10 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

CERTIFICADO DE CONFORMIDADE. N : 11-IEx-0009X

CERTIFICADO DE CONFORMIDADE. N : 11-IEx-0009X Pagina 1/6 Solicitante / Endereço: Applicant / Address Solicitante / Dirección WIKA do Brasil Indústria e Comércio Ltda. Av. Ursula Wiegand, 03 18560-000 - Iperó - SP - Brasil 61.128.500/0001-06 Produto

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE EMPRESAS DE SERVIÇOS E OBRAS SiAC PBQP-H

ALTERAÇÕES NO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE EMPRESAS DE SERVIÇOS E OBRAS SiAC PBQP-H ALTERAÇÕES NO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE EMPRESAS DE SERVIÇOS E OBRAS SiAC PBQP-H ESPECIALIDADES TÉCNICAS DO SiAC Execução de obras Subsetor obras de edificações; Subsetor obras de saneamento

Leia mais

Procedimento Geral da Marca ABNT Qualidade Ambiental

Procedimento Geral da Marca ABNT Qualidade Ambiental Pág. Nº 1/24 SUMÁRIO Histórico das revisões 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Solicitação de serviços 6 Fornecimento dos serviços 7 Transferência de Certificação

Leia mais

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço 1 - Aplicação Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 030 - Plano Online 500MB Requerimento de Homologação Nº 8886 Este Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço é aplicável pela autorizatária CLARO

Leia mais

RESOLUÇÃO CRESS N.º 4211/ de outubro de 2013.

RESOLUÇÃO CRESS N.º 4211/ de outubro de 2013. RESOLUÇÃO CRESS N.º 4211/2013 31 de outubro de 2013. Estabelece o valor da anuidade para o exercício de 2014 de pessoa física e jurídica no âmbito do CRESS 6ª Região e determina outras providências. O

Leia mais

2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos, incluindo dividendos antecipados e juros sobre capital próprio já declarados

2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos, incluindo dividendos antecipados e juros sobre capital próprio já declarados PROPOSTA DE DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO QUE CONTENHA, NO MÍNIMO, AS INFORMAÇÕES INDICADAS NO ANEXO 9.1.II DA INSTRUÇÃO NORMATIVA CVM n. 481/09 1. Informar o lucro líquido do exercício O lucro

Leia mais

0328/16 São Paulo, 27 de janeiro de 2016. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami

0328/16 São Paulo, 27 de janeiro de 2016. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami Tel.: +55 11 3848 588o Rua Major Quedinho 90 Fax: + 55 11 3045 7363 Consolação São Paulo, SP - Brasil www.bdobrazil.com.br 01050-030 0328/16 São Paulo, 27 de janeiro de 2016. Ao Instituto Brasileiro de

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão Passagem Bradesco ( CPB ), pessoa jurídica nas Bandeiras Visa e MasterCard

SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão Passagem Bradesco ( CPB ), pessoa jurídica nas Bandeiras Visa e MasterCard SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão Passagem Bradesco ( CPB ), pessoa jurídica nas Bandeiras Visa e MasterCard SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão

Leia mais

Sumário Executivo Resumo do Regulamento de Utilização dos Cartões Emitidos pelo Banco CBSS S.A

Sumário Executivo Resumo do Regulamento de Utilização dos Cartões Emitidos pelo Banco CBSS S.A Sumário Executivo Resumo do Regulamento de Utilização dos Cartões Emitidos pelo Banco CBSS S.A A seguir você encontrará um resumo das principais condições a respeito da utilização do seu Cartão de Crédito,

Leia mais

Resolução CRESS 19ª Região GO nº 22, de 21 de novembro de 2013.

Resolução CRESS 19ª Região GO nº 22, de 21 de novembro de 2013. Resolução CRESS 19ª Região GO nº 22, de 21 de novembro de 2013. EMENTA: Dispõe sobre o valor da anuidade para o exercício de dois mil e quatorze (2014), de Pessoas Física e Jurídica, no âmbito do Conselho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº03/2014. I para a anuidade do ano de inscrição, 50% (cinquenta por cento) = R$ 300,00(Trezentos Reais) ;

RESOLUÇÃO Nº03/2014. I para a anuidade do ano de inscrição, 50% (cinquenta por cento) = R$ 300,00(Trezentos Reais) ; RESOLUÇÃO Nº03/2014 Fixa o valor das contribuições obrigatórias para o ano de 2015 e dá outras providências. O CONSELHO SECCIONAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL EM ALAGOAS, no uso das atribuições legais,

Leia mais

SERVIÇO DE REQUALIFICAÇÃO DE CILINDROS DE ALTA PRESSÃO PARA ARMAZENAMENTO DE GNV A BORDO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES Regulamento Específico

SERVIÇO DE REQUALIFICAÇÃO DE CILINDROS DE ALTA PRESSÃO PARA ARMAZENAMENTO DE GNV A BORDO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES Regulamento Específico PÁGINA: 1/15 1. OBJETIVO 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 3. DOCUMENTO DE REFERÊNCIA 4. DEFINIÇÕES / SIGLAS 5. DESCRIÇÃO DO REGULAMENTO 6. REGISTROS 7. CONTROLE DE REVISÕES ANEXOS: A REQUISITOS OPERACIONAIS PARA

Leia mais

Salários, Reajustes e Pagamento

Salários, Reajustes e Pagamento TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR065290/2010 NÚMERO DO PROCESSO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: DATA DE REGISTRO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: 46254.003732/2009-17

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011 Altera o 2º do art. 4º da Lei nº 10.522, de 19 de julho de 2002, que dispõe sobre o cadastro informativo dos créditos não quitados de órgãos e entidades

Leia mais

Cobranças e anuidade escolar: pontuações jurídicas

Cobranças e anuidade escolar: pontuações jurídicas Cobranças e anuidade escolar: pontuações jurídicas A liberdade de preços das escolas particulares As escolas particulares não são sujeitas a um processo de congelamento de preços. Há certa liberdade de

Leia mais

PAUTA DO ACORDO COLETIVO 2016/2017 CONCESSIONÁRIA RIO GALEÃO

PAUTA DO ACORDO COLETIVO 2016/2017 CONCESSIONÁRIA RIO GALEÃO PAUTA DO ACORDO COLETIVO 2016/2017 CONCESSIONÁRIA RIO GALEÃO Considerando, suas funções institucionais, e a constante luta pela melhoria das condições gerais de trabalho, o Sindicato Nacional dos Empregados

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS CONTRATADAS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS CONTRATADAS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS CONTRATADAS AGL Serviços Contábeis e Administrativos Ltda. com sede nesta Capital do Estado de São Paulo, à Rua Jorge Tibiriçá, 888, no Bairro da Vila Mariana,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414/2010 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414/2010 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414/2010 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO Atualizada até a REN 499/2012 Resolução Normativa nº 414 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL A ANEEL consolidou os direitos e deveres

Leia mais

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS QUEM PODE SOLICITAR EMPRÉSTIMO PARTICIPANTES ATIVOS PARTICIPANTES ASSISTIDOS Manter vínculo empregatício remunerado

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010 SINDICATOS DO INTERIOR

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010 SINDICATOS DO INTERIOR CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010 SINDICATOS DO INTERIOR Comunicamos o Acordo Coletivo celebrado com a o Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos do Comércio e em Empresas de Assessoramento, Perícias,

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 01.REV2/POFC/2013

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 01.REV2/POFC/2013 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 01.REV2/POFC/2013 NORMA DE PAGAMENTOS SAESCTN, SAMA E SIAC De acordo com o previsto nos Contratos/Termos de Aceitação de Financiamento, estabelece-se a norma de pagamentos aplicável

Leia mais

Programa Regularize. Novo prazo para utilização de crédito acumulado

Programa Regularize. Novo prazo para utilização de crédito acumulado Programa Regularize Novo prazo para utilização de crédito acumulado Decreto 47.020/2016 O que é o Programa Regularize? O estado de Minas Gerais publicou o Decreto n.º 46.817/2015, instituindo o Programa

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - TVA

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - TVA Demonstrativos Financeiros Relatório Anual 2014 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios TVA Período: 2014 e 2013 dezembro R$ Mil Descrição 2014 2013 Variação (%) 1. Ativos 14.922

Leia mais

DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO PARA SERVIDORES TÉCNICO ADMINISTRATIVOS DA UFG PRO QUALIFICAR DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art.1º. O Programa

Leia mais

Centro de Estudos e Pesquisas 28 Organização Social em Saúde - RJ CNPJ nº 33.927.377/0001-40

Centro de Estudos e Pesquisas 28 Organização Social em Saúde - RJ CNPJ nº 33.927.377/0001-40 EDITAL PARA SELEÇÃO DE FORNECEDOR - AUDITORIA CONTÁBIL EXTERNA O Centro de Estudos e Pesquisas 28 (Organização Social em Saúde), entidade privada de utilidade pública, inscrito no, torna pública a realização,

Leia mais

Regulamento do Auditor Padi

Regulamento do Auditor Padi 1 de 7 1. OBJETIVO Caracterizar os auditores externos do Padi Programa de Acreditação em Diagnóstico por Imagem, classificando-os e definindo os critérios de sua seleção, suas qualificações, competências

Leia mais

EDITAL N.º 09/2014 DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE MATRÍCULA PARA OS CURSOS TÉCNICOS, CONCOMITANTES E SUBSEQUENTES AO ENSINO MÉDIO

EDITAL N.º 09/2014 DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE MATRÍCULA PARA OS CURSOS TÉCNICOS, CONCOMITANTES E SUBSEQUENTES AO ENSINO MÉDIO EDITAL N.º 09/2014 DISPÕE SOBRE O PROCESSO DE MATRÍCULA PARA OS CURSOS TÉCNICOS, CONCOMITANTES E SUBSEQUENTES AO ENSINO MÉDIO O, mantido pela Associação Paranaense de Cultura, torna pública a abertura

Leia mais

Regime de Substituição Tributária e Antecipação Regras do Convênio nº 92/2015 nos Estados da Região Sudeste

Regime de Substituição Tributária e Antecipação Regras do Convênio nº 92/2015 nos Estados da Região Sudeste NOVA DATA Regime de Substituição Tributária e Antecipação Regras do Convênio nº 92/2015 nos Estados da Região Sudeste Orientadores Fernanda Silva Advogada; consultora da CPA; Pós-Graduada em Direito Tributário

Leia mais

Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF

Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF A Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, órgão que regulamenta e fiscaliza os fundos de pensão no Brasil, aprovou em 13 de

Leia mais

Perguntas Frequentes FAQ. 1. Qual o procedimento necessário para a inscrição no Processo Seletivo da Pós-Graduação?

Perguntas Frequentes FAQ. 1. Qual o procedimento necessário para a inscrição no Processo Seletivo da Pós-Graduação? Perguntas Frequentes FAQ 1. Qual o procedimento necessário para a inscrição no Processo Seletivo da Pós-Graduação? A inscrição para o processo seletivo da Pós-Graduação deve ser feita através do link www.anajure.org.br/posgrad

Leia mais

EDITAL Nº 124/2013 CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 008/2013

EDITAL Nº 124/2013 CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 008/2013 EDITAL Nº 124/2013 CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 008/2013 O MUNICÍPIO DE SERAFINA CORRÊA, RS, comunica aos interessados que está procedendo o CHAMAMENTO PÚBLICO, a contar de 21 de junho de 2013, no horário compreendido

Leia mais

2.2.1 Para efeito de data do sinistro, será considerada a data do falecimento do segurado.

2.2.1 Para efeito de data do sinistro, será considerada a data do falecimento do segurado. A Zurich Santander Brasil Seguros e Previdência S.A., designada Seguradora, e o proponente, aqui designado segurado, contratam o Seguro Prestamista Cheque Empresa Protegido, cujo estipulante é o Banco

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E DO COMÉRCIO SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS. CIRCULAR N 016, de 4 de junho de 1973

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E DO COMÉRCIO SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS. CIRCULAR N 016, de 4 de junho de 1973 MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E DO COMÉRCIO SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR N 016, de 4 de junho de 1973 Altera dispositivos das Normas de Seguros Aeronáuticos Circular n 19/71, da SUSEP. O SUPERINTENDENTE

Leia mais

FUNDO MATO-GROSSENSE DE APOIO À CULTURA DA SEMENTE MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

FUNDO MATO-GROSSENSE DE APOIO À CULTURA DA SEMENTE MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS FUNDO MATO-GROSSENSE DE APOIO À CULTURA DA SEMENTE MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Cuiabá/MT, 10/04/2013 1 MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 1. INTRODUÇÃO 1.1 - Recomenda-se a leitura deste manual antes de utilizar

Leia mais

Sumário Executivo. Resumo do Regulamento de Utilização dos Cartões Emitidos pelo Banco BradesCard S.A.

Sumário Executivo. Resumo do Regulamento de Utilização dos Cartões Emitidos pelo Banco BradesCard S.A. Sumário Executivo Resumo do Regulamento de Utilização dos Cartões Emitidos pelo Banco BradesCard S.A. A seguir você encontrará um resumo das principais condições a respeito da utilização do seu Cartão

Leia mais

Portaria PGFN Nº 967 DE 13/10/2016

Portaria PGFN Nº 967 DE 13/10/2016 Portaria PGFN Nº 967 DE 13/10/2016 Publicado no DO em 14 out 2016 Regulamenta as medidas de estímulo à liquidação de dívidas originárias de operações de crédito rural inscritas em dívida ativa da União,

Leia mais

ATO ADMINISTRATIVO Nº 21 DE 08 DE DEZEMBRO 2010.

ATO ADMINISTRATIVO Nº 21 DE 08 DE DEZEMBRO 2010. ATO ADMINISTRATIVO Nº 21 DE 08 DE DEZEMBRO 2010. Dispõe sobre os valores de Anuidades de Pessoas Físicas e Jurídicas, de Anotação de Responsabilidade Técnica ART, de Serviços e de Multas no exercício de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. 4050

PROJETO DE LEI Nº. 4050 PROJETO DE LEI Nº. 4050 Institui o Centro de Especialidades Odontológicas CEO Tipo 2, dispõe sobre a contratação temporária de pessoal, nos termos da Lei Municipal nº. 2.854/2011 e do art. 37, IX, da Constituição

Leia mais

Transferência de Certificação Acreditada de Sistemas de Gestão

Transferência de Certificação Acreditada de Sistemas de Gestão Procedimento C 72 1. OBJETIVO Este procedimento descreve as etapas do processo de transferência de certificação acreditada de outro organismo de certificação acreditado, signatário do Acordo de Reconhecimento

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.721, DE 24 DE AGOSTO DE 2015

CARTA CIRCULAR Nº 3.721, DE 24 DE AGOSTO DE 2015 CARTA CIRCULAR Nº 3.721, DE 24 DE AGOSTO DE 2015 Altera o Documento 24 do Manual de Crédito Rural (MCR). O Chefe do Departamento de Regulação, Supervisão e Controle das Operações do Crédito Rural e do

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção do Estado da Bahia

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção do Estado da Bahia RESOLUÇÃO Nº 002/2016 - CP Programa de Regularização Financeira da Ordem dos Advogados Brasil Seccional Bahia. CONSELHO PLENO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECCIONAL DO ESTADO DA BAHIA, reunido em 16

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE DOU DE 03/01/2011

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE DOU DE 03/01/2011 PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010 - DOU DE 03/01/2011 Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores

Leia mais

Page 1 of 5 RICMS 2000 - Atualizado até o Decreto 55.438, de 17-02-2010. SEÇÃO II - DAS OPERAÇÕES COM ÁLCOOL CARBURANTE SUBSEÇÃO I - DAS OPERAÇÕES COM ÁLCOOL ETÍLICO HIDRATADO CARBURANTE Artigo 418 - Na

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8

PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8 PROCEDIMENTO PR 7.02 PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 24/09/2014 01 Adequação da sistemática do processo

Leia mais