O papel do INMETRO e os Requisitos de Avaliação da Conformidade para a Produção Integrada Agropecuária PI Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O papel do INMETRO e os Requisitos de Avaliação da Conformidade para a Produção Integrada Agropecuária PI Brasil"

Transcrição

1 O papel do INMETRO e os Requisitos de Avaliação da Conformidade para a Produção Integrada Agropecuária PI Brasil Aline Cristine Garcia de Oliveira Pesquisadora-Tecnologista do Inmetro

2 Agenda Sobre o Inmetro e suas principais atividades Avaliação da Conformidade O Programa de Avaliação da Conformidade para PI Brasil Infraestrutura existente Considerações finais

3 Agenda Sobre o Inmetro e suas principais atividades Avaliação da Conformidade O Programa de Avaliação da Conformidade para PI Brasil Infraestrutura existente Considerações finais

4 INMETRO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - Autarquia do Governo Federal Brasileiro vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - Objetiva fortalecer as empresas nacionais, aumentando sua produtividade por meio da adoção de mecanismos destinados à melhoria da qualidade de produtos e serviços - Criado em Mais de 1500 colaboradores - 50 laboratórios

5 Missão do Inmetro Prover confiança à sociedade brasileira nas medições e nos produtos, através da metrologia e da avaliação da conformidade, promovendo a harmonização das relações de consumo, a inovação e a competitividade do país.

6 Inmetro Foco da Atuação Competitividade Saúde, Segurança, Meio Ambiente Acesso a Mercados

7 Principais Atividades: Metrologia Científica e Industrial Metrologia Legal Acreditação de Organismos e Laboratórios Avaliação da Conformidade Ponto Focal de Barreiras Técnicas Educação para Metrologia e Qualidade As atividades do INMETRO impactam de forma ampla a vida do País.

8 Vídeo Institucional

9 Agenda Sobre o Inmetro e suas principais atividades Avaliação da Conformidade O Programa de Avaliação da Conformidade para PI Brasil Infraestrutura existente Considerações finais

10 Avaliação da Conformidade o que é? Prover confiança à sociedade brasileira nas medições e nos produtos, através da metrologia e da avaliação da conformidade, promovendo a harmonização das relações de consumo, a inovação e a competitividade do país. 1 Demonstração de que requisitos especificados relativos a um produto, processo, sistema, pessoa ou organismo são atendidos. [ABNT NBR ISO/IEC 17000, de outubro de 2005] Processo sistematizado, com regras pré-estabelecidas, devidamente acompanhado e avaliado, de forma a propiciar adequado grau de confiança de que um produto, processo ou serviço, ou ainda um profissional, atende a requisitos pré-estabelecidos por normas e regulamentos, com o menor custo possível a sociedade. [Guia Avaliação da Conformidade / Dqual / Inmetro]

11 Avaliação da Conformidade Classificação Prover confiança à sociedade brasileira nas medições e nos produtos, através da metrologia e da avaliação da conformidade, promovendo a harmonização das relações de consumo, a inovação e a competitividade do país. 2 Classificação: Quanto ao agente econômico: Quanto ao campo de utilização: 1ª Parte... Quando é feita pelo fornecedor. 2ª Parte... Quando é feita pelo comprador. 3ª Parte... Quando é feita por organização independente. Voluntário... Quando parte de uma decisão do fornecedor. Compulsório... Quando parte de uma decisão de uma autoridade regulamentadora.

12 Tipos de Avaliação da Conformidade 1. Quanto ao Agente Econômico De 1ª Parte: É avaliação feita pelo próprio fabricante. De 2ª Parte: É feita pelo comprador, que submete o fornecedor a uma avaliação. De 3ª Parte: É feita por uma instituição acreditada, com independência em relação ao fornecedor e ao cliente.

13 Tipos de Avaliação da Conformidade 2. Quanto à aplicação Compulsória: É avaliação obrigatória, definida pelo Governo. Destina-se prioritariamente à defesa do consumidor no que diz respeito à proteção à vida, à saúde e ao meio ambiente. Voluntária: É avaliação solicitada pelo fabricante. Depois de conquistada passa a ser um diferencial competitivo no mercado consumidor.

14 Tipos de Avaliação da Conformidade Quanto à Aplicação Compulsória - Obrigatória, por meio de instrumento legal. Voluntária - Decisão exclusiva do fornecedor

15 Avaliação da Conformidade Classificação Prover confiança à sociedade brasileira nas medições e nos produtos, através da metrologia e da avaliação da conformidade, promovendo a harmonização das relações de consumo, a inovação e a competitividade do país. 2 Classificação: Quanto ao agente econômico: Quanto ao campo de utilização: No caso da PI Brasil 1ª Parte... Quando é feita pelo fornecedor. 2ª Parte... Quando é feita pelo comprador. 3ª Parte... Quando é feita por organização independente. Voluntário... Quando parte de uma decisão do fornecedor. Compulsório... Quando parte de uma decisão de uma autoridade regulamentadora.

16 Avaliação da Conformidade Mecanismos Prover confiança à sociedade brasileira nas medições e nos produtos, através da metrologia e da avaliação da conformidade, promovendo a harmonização das relações de consumo, a inovação e a competitividade do país. 3 Principais Mecanismos: Certificação Declaração da Conformidade do Fornecedor Inspeção

17 Avaliação da Conformidade Mecanismos Prover confiança à sociedade brasileira nas medições e nos produtos, através da metrologia e da avaliação da conformidade, promovendo a harmonização das relações de consumo, a inovação e a competitividade do país. 3 Principais Mecanismos: No caso da PI Brasil Certificação Declaração da Conformidade do Fornecedor Inspeção

18 Certificação? É um mecanismo de avaliação da conformidade realizado, por definição, por 3ª parte. A 3ª parte é um Organismo de Certificação de Produto (OCP) acreditado pelo Inmetro. Inmetro Acreditador OCP Avaliador (3ª parte) Fornecedor Avaliado

19 Avaliação da Conformidade impactos! Prover confiança à sociedade brasileira nas medições e nos produtos, através da metrologia e da avaliação da conformidade, promovendo a harmonização das relações de consumo, a inovação e a competitividade do país. 4 Impactos: Propiciar a concorrência justa. Estimular a melhoria contínua da qualidade. Informar e proteger o consumidor. Facilitar o comércio exterior, possibilitando o incremento das exportações. Proteger o mercado interno. Agregar valor às marcas, especialmente no campo voluntário.

20 Avaliação da Conformidade Formas de Evidenciar Produção Integrada Nova proposta PI Brasil

21 Agenda Sobre o Inmetro e suas principais atividades Avaliação da Conformidade O Programa de Avaliação da Conformidade PI Brasil Infraestrutura existente Considerações finais

22 Programa de Avaliação da Conformidade para Produção Integrada - PI Brasil - Status do Programa: revisado. - Consulta Pública: Portaria n. 274, de 21 de junho de Inmetro e MAPA consolidaram os comentários recebidos durante o período de consulta pública. - Revisão do Programa está em trâmite interno no Inmetro para publicação no DOU.

23 Portaria Inmetro nº 274, de 21 de junho de 2011 Estabelecer os critérios para o Programa de Avaliação da Conformidade para Produção Integrada Agropecuária; Foco: segurança da produção agropecuária e sustentabilidade; Mecanismo de avaliação da conformidade: certificação voluntária; Base normativa: Instrução Normativa n 27, de 30/08/2010 do MAPA; Objetivo: - Visa ao desenvolvimento sócio-econômico regional; - Geração de emprego e renda; - Fortalecimento do mercado interno e - Expansão das exportações brasileiras.

24 Sou produtor de citros, morango e/ou goiaba. Quero ter o selo da PI Brasil no meu produto. Por onde começo?

25 O Programa de AC para PI Brasil Passo a Passo 1) Conhecer a regulamentação aplicável e os documentos complementares pertinentes: Instrução Normativa MAPA 27/2010 NTE (Norma Técnica Específica) Portaria Inmetro XXX/11 e RAC anexo

26 O Programa de AC para PI Brasil Passo a Passo RAC Requisitos de Avaliação da Conformidade Documento que contém regras específicas Estabelece como será realizada a avaliação da conformidade do produto Propicia adequado grau de confiança em relação aos requisitos estabelecidos em normas ou regulamentos técnicos

27 O Programa de AC para PI Brasil Passo a Passo - Estrutura do RAC 1.Objetivo 2. Documentos complementares 3.Siglas 4. Definições 5. Mecanismo de Avaliação da Conformidade 6. Etapas do processo de Avaliação da Conformidade 6.1 Modelo de Certificação Avaliação inicial Solicitação de início de processo Analise da solicitação e da conformidade da documentação Auditoria inicial Ensaios iniciais Tratamento de não conformidades na etapa de avaliação inicial Emissão do certificado de conformidade

28 O Programa de AC para PI Brasil Passo a Passo Avaliação de manutenção Auditoria de manutenção Ensaios de manutenção Tratamento de não conformidades na etapa de avaliação de manutenção Confirmação de manutenção da conformidade 7 Tratamento de Reclamações 8 Atividades executadas por OAC estrangeiros 9 Encerramento da certificação 10 Selo de Identificação da Conformidade 11 Autorização para uso do Selo de Identificação da Conformidade 12 Responsabilidades e Obrigações 13 Penalidades 14 Disposições Gerais

29 O Programa de AC para PI Brasil Passo a Passo O que é o Modelo 5? Ensaios no produto Avaliação do processo produtivo e sistema de gestão da qualidade Acompanhamento através de auditorias Ensaio em amostras retiradas no comércio

30 O Programa de AC para PI Brasil Passo a Passo Modelo 5 - Avaliação Inicial Solicitação de de Certificação Análise da Solicitação Auditoria Inicial SGQ Ensaios Iniciais Tratamento de não conformidades Emissão Certificado de Conformidade

31 O Programa de AC para PI Brasil Passo a Passo Modelo 5 - Avaliação de Manutenção Auditoria de Manutenção Ensaios de Manutenção Tratamento de não conformidades Confirmação de manutenção Avaliação de recertificação

32 O Programa de AC para PI Brasil Passo a Passo 2) Preparar instalações, equipamentos, pessoal e documentação legal conforme Portaria Inmetro, IN e NTE do Mapa.

33 O Programa de AC para PI Brasil Passo a Passo 3) Contratar um OCP acreditado pelo Inmetro para o escopo PI Brasil

34 4) Já contratei um OCP. E agora? O que acontece? Análise da solicitação e da conformidade da documentação Auditoria no processo produtivo Ensaios no produto, de acordo com a base normativa Realização de ações corretivas necessárias

35 5) O OCP já emitiu o certificado de conformidade. E agora? O fornecedor pode utilizar o selo de identificação da conformidade em seus produtos, de acordo com o estabelecido no RAC.

36 Selo de Identificação da Conformidade Agricultura de Qualidade

37 Selo de Identificação da Conformidade Pecuária de Qualidade

38 6) Minha produção de citros, morango e/ou goiaba já está com o selo da PI Brasil! Preciso fazer mais alguma coisa? Validade do certificado: 3 anos Auditorias de manutenção: de acordo com NTE Ensaios de manutenção: a cada 12 meses Avaliação de recertificação: depois de 3 anos

39 Resumo: Como participar? INÍCIO Preparar instalações, equipamentos, pessoal e documentação legal conforme Portaria Inmetro e NTE do Mapa. Selecionar um Organismo de Certificação de Produto (OCP) para PI Brasil. Enviar ao OCP a documentação para a solicitação de certificação. Realizar ensaios. Submeter-se à auditoria. Implementar ações corretivas para eliminar não conformidades. Receber do OCP certificado de conformidade e autorização para uso do Selo de Identificação da Conformidade. Manutenção da Certificação

40 Agenda Sobre o Inmetro e as suas principais atividades Avaliação da Conformidade O Programa de Avaliação da Conformidade para PI Brasil Infraestrutura existente Considerações finais

41

42

43 OCPs acreditados

44 Agenda Sobre o Inmetro e suas principais atividades Avaliação da Conformidade O Programa de Avaliação da Conformidade para PI Brasil Infraestrutura existente Considerações finais

45 Desafios e perspectivas Desafios: Ampliar a abrangência do programa: quanto maior o número de fornecedores certificados, mais se potencializam os benefícios do programa. Ampliar a infraestrutura de certificação, de forma descentralizada pelo Brasil. Perspectivas: A popularidade do Brasil e de seus produtos no exterior cresce, aumentando também a importância de programas como o da Produção Integrada Agropecuária.

46 Contato Aline Cristine Garcia de Oliveira Divisão de Programas de Avaliação da Conformidade - DIPAC Diretoria da Qualidade - DQUAL Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Inmetro Fone: (21) Obrigada!

Avaliação da Conformidade aplicada às. Partículas (PFF)

Avaliação da Conformidade aplicada às. Partículas (PFF) Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Avaliação da Conformidade aplicada às Peças Semifaciais Filtrante para Partículas (PFF) Carlos E. de L. Monteiro Inmetro / Dconf / Dipac Fundacentro,

Leia mais

Programa Brasileiro de Certificação em Sistema de Gestão da Responsabilidade Social

Programa Brasileiro de Certificação em Sistema de Gestão da Responsabilidade Social Programa Brasileiro de Certificação em Sistema de Gestão da Responsabilidade Social Alfredo Lobo Diretor da Qualidade Inmetro Recife, 30/06/2010 Inmetro Missão Promover a qualidade de vida do cidadão e

Leia mais

Processo de Certificação Eletrodomésticos e Similares

Processo de Certificação Eletrodomésticos e Similares Processo de Certificação Eletrodomésticos e Similares Portaria nº 371, de 29 de dezembro de 2009 Objetivo: Avaliação de aparelhos eletrodomésticos e similares, com foco em requisitos de segurança, visando

Leia mais

Critérios Para Acreditação e Sanções de OAC. Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia

Critérios Para Acreditação e Sanções de OAC. Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Critérios Para Acreditação e Sanções de OAC Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade

Leia mais

Programas de Avaliação da Conformidade regulamentados pelo Inmetro

Programas de Avaliação da Conformidade regulamentados pelo Inmetro Programas de Avaliação da Conformidade regulamentados pelo Inmetro Brinquedos e artigos escolares Engº Anselmo Alves Cabral e Engª Paula Silva Pinto Inmetro / DQUAL / DIPAC Inmetro Missão Prover confiança

Leia mais

CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE COLCHÕES E COLCHONETES DE ESPUMA

CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE COLCHÕES E COLCHONETES DE ESPUMA CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE COLCHÕES E COLCHONETES DE ESPUMA Com a publicação da Portaria INMETRO nº 79 - REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA COLCHÕES E COLCHONETES DE ESPUMA FLEXÍVEL DE POLIURETANO,

Leia mais

Portaria n.º 106, de 25 de fevereiro de 2015. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 106, de 25 de fevereiro de 2015. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 106, de 25 de fevereiro de 2015. CONSULTA

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE SELOS DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM CONFORMIDADE AVALIADA

PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE SELOS DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM CONFORMIDADE AVALIADA PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE SELOS DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM CONFORMIDADE AVALIADA NORMA Nº NIE-DQUAL-142 APROVADA EM NOV/2009 Nº 1/5 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

O processo de acreditação de laboratórios pela Cgcre. Patricia Weigert de Camargo Assessora da Divisão de Acreditação de Laboratórios (INMETRO)

O processo de acreditação de laboratórios pela Cgcre. Patricia Weigert de Camargo Assessora da Divisão de Acreditação de Laboratórios (INMETRO) O processo de acreditação de laboratórios pela Cgcre Patricia Weigert de Camargo Assessora da Divisão de Acreditação de Laboratórios (INMETRO) A Coordenação Geral de Acreditação do Inmetro (Cgcre) é o

Leia mais

ABINEE TEC às Exportações

ABINEE TEC às Exportações ABINEE TEC 2007 O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro Rogerio Corrêa São Paulo, 24 de Abril de 2007 Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial

Leia mais

Portaria n.º 451, de 03 de outubro de CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 451, de 03 de outubro de CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 451, de 03 de outubro de 2014. CONSULTA

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 56, de 18 de fevereiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

Complemento de Regra de Certificação

Complemento de Regra de Certificação Unidades Armazenadoras em Ambiente Natural Página: 1/6 Elaborado por: Dirceu Farias Ferreira Verificado por: João Gustavo Lopes Junqueira Aprovado por: Regina Célia Toscano Data Aprovação: 08/11/2012 1

Leia mais

Mangueiras de PVC Plastificado para Instalação Doméstica de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Mangueiras de PVC Plastificado para Instalação Doméstica de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Página: 1/1 Elaborado por: Eduardo Augusto Di Marzo Verificado por: Karen Carolina Martins Aprovado por: Igor Moreno Data Aprovação: 27/04/2015 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

Considerando que é dever do Estado prover concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado prover concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 122, de 16 de junho de 2005. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 351, de 06 de julho de 2012.

Portaria n.º 351, de 06 de julho de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 351, de 06 de julho de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

19/02/2013. RSQM-DC MASTER- Apresentação-ANATEL-Processos- Português

19/02/2013. RSQM-DC MASTER- Apresentação-ANATEL-Processos- Português RSQM-DC-007-02-MASTER- Apresentação-ANATEL-Processos- Português DESIGNAÇÃO Ato nº 57.860, de 26 de abril de 2006 Exerce, em nome da Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL, as funções de Organismo

Leia mais

Portaria n.º 183, de 27 de julho de 2006.

Portaria n.º 183, de 27 de julho de 2006. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO ETERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 183, de 27 de julho de 2006.

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Portaria nº 50, de 28 de março de 2002 O PRESIDENTE DO

Leia mais

PRODUTOS E SERVIÇO DE INSTALAÇÃO E RETIRADA DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO SUBTERRNÂEO DE COMBUSTÍVEIS SASC

PRODUTOS E SERVIÇO DE INSTALAÇÃO E RETIRADA DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO SUBTERRNÂEO DE COMBUSTÍVEIS SASC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

Portaria n.º 002, de 13 de janeiro de CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 002, de 13 de janeiro de CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 002, de 13 de janeiro de

Leia mais

Certificação de alimentos orgânicos

Certificação de alimentos orgânicos Certificação de alimentos orgânicos Natália Salvate Brasil Doutoranda em Desenvolvimento Rural PGDR/UFRGS nataliasalvatebrasil@gmail.com Fonte: MAPA, Cartilha Título O Olho da palestra, do Consumidor.

Leia mais

Portaria n.º 147, 29 de março de 2016

Portaria n.º 147, 29 de março de 2016 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 147, 29 de março de 2016 O PRESIDENTE

Leia mais

1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS ESCOPO MANUTENÇÃO REFERÊNCIAS DEFINIÇÕES QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...

1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS ESCOPO MANUTENÇÃO REFERÊNCIAS DEFINIÇÕES QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES... Página 1 de 15 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS... 2 2. ESCOPO... 3 3. MANUTENÇÃO... 3 4. REFERÊNCIAS... 3 5. DEFINIÇÕES... 4 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES... 5 7. CONDIÇÕES GERAIS... 6 8. PROCESSO

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

Seminário Relação do acreditador com o regulamentador e o mercado. Marcos Aurélio Lima de Oliveira Coordenador Geral de Acreditação Cgcre/Inmetro

Seminário Relação do acreditador com o regulamentador e o mercado. Marcos Aurélio Lima de Oliveira Coordenador Geral de Acreditação Cgcre/Inmetro Seminário Relação do acreditador com o regulamentador e o mercado Marcos Aurélio Lima de Oliveira Coordenador Geral de Acreditação Cgcre/Inmetro Exigências técnicas compulsórias (Regulamentos e PACs)

Leia mais

AVALIAÇÃO. A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Cgcre.

AVALIAÇÃO. A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Cgcre. AVALIAÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-029 APROVADA EM DEZ/28 Nº 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Siglas 6 Definições 7 Tipos de Avaliação 8 Condições

Leia mais

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-140 APROVADA EM DEZ/2015 Nº 01/07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

Portaria n.º 269, de 21 de junho de 2011.

Portaria n.º 269, de 21 de junho de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 269, de 21 de junho de 2011.

Leia mais

CGCRE/INMETRO. Metrologia e Qualidade em Laboratório

CGCRE/INMETRO. Metrologia e Qualidade em Laboratório CGCRE/INMETRO Metrologia e Qualidade em Laboratório Alexandre Dias de Carvalho Chefe da Equipe de Avaliação de Laboratórios adcarvalho@inmetro.gov.br Metrologia Ciência da medição É uma das funções básicas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria n.º 502, de 29 de dezembro de 2011. O PRESIDENTE

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA AS EMPRESAS DISTRIBUIDORAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) SUMÁRIO & '!

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA AS EMPRESAS DISTRIBUIDORAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) SUMÁRIO & '! Página 1 de 11 SUMÁRIO! " #$ % & $! & '! $ " () % %% % ($)& $ Página 2 de 11 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS PÁGINA SUMÁRIO DE MUDANÇA DATA ELABORADO APROVADO Todas Liberação do documento 07/07/2001 Todas Todas

Leia mais

Portaria n.º 274, de 13 de junho de 2014.

Portaria n.º 274, de 13 de junho de 2014. Portaria n.º 274, de 13 de junho de 2014. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO, EM EXERCÍCIO, designado pelos Ministro de Estado do Desenvolvimento, Indústria

Leia mais

O Papel da Acreditação na Confiabilidade dos Inventários de Emissões Marcos Aurélio Lima de Oliveira

O Papel da Acreditação na Confiabilidade dos Inventários de Emissões Marcos Aurélio Lima de Oliveira O Papel da Acreditação na Confiabilidade dos Inventários de Emissões Marcos Aurélio Lima de Oliveira Coordenador Geral de Acreditação do Inmetro Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia

Leia mais

Portaria n.º 548, de 17 de dezembro de 2014.

Portaria n.º 548, de 17 de dezembro de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 548, de 17 de dezembro de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

OUVIDORIA. Relatório - Síntese / Maio

OUVIDORIA. Relatório - Síntese / Maio OUVIDORIA Relatório - Síntese / Maio - 00 TELEFONE INTERNET CORREIO / FAX CONTATO PESSOAL TOTAL 3.6 836 7.7 66 986 785 600 Acreditação Qualidade Outras Instituições RBMLQ Dimel Outras Unidades Principais

Leia mais

Portaria n.º 164, de 23 de março de 2015.

Portaria n.º 164, de 23 de março de 2015. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 164, de 23 de março de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 252, de 03 de junho de 2016.

Portaria n.º 252, de 03 de junho de 2016. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO EXTERIOR E SERVIÇOS INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 252, de 03 de junho de 2016. O PRESIDENTE DO

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS E AUDITORES DA PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS. Campinas, 08 de novembro de 2011

CURSO DE FORMAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS E AUDITORES DA PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS. Campinas, 08 de novembro de 2011 CURSO DE FORMAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS E AUDITORES DA PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS Campinas, 08 de novembro de 2011 BOAS PRÁTICAS DE AUDITORIA NBR ISO 19011 Nívea Maria Vicentini, DSc. Pesquisadora

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PILHAS SUMÁRIO & '! () # # # (%)& %

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PILHAS SUMÁRIO & '! () # # # (%)& % Página 1 de 13 SUMÁRIO! " # $% & %! & '! %! () # # # (%)& % () Página 2 de 13 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS PÁGINA SUMÁRIO DE MUDANÇA DATA ELABORADO APROVADO Todas Primeira Emissão 07/01/2006 Todas Mudança

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS

PROCEDIMENTO GERAL PARA CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS Página 1 de 34 PROCEDIMENTO GERAL PARA CERTIFICAÇÃO DE Por ser parte integrante do Sistema de Gestão da Qualidade da BRICS, este Procedimento para Certificação de Produtos tem vedada sua reprodução total

Leia mais

Fornos de Micro-ondas

Fornos de Micro-ondas Página: 1/14 Elaborado por: João Damião Verificado por: Karen Carolina Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Data Aprovação: 07/01/2013 1 - OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

Portaria n.º 576, de 28 de novembro de CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 576, de 28 de novembro de CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 576, de 28 de novembro de 2013. CONSULTA

Leia mais

MEDIÇÃO FISCAL E TRANSFERÊNCIA DE CUSTÓDIA

MEDIÇÃO FISCAL E TRANSFERÊNCIA DE CUSTÓDIA CONTROLE METROLÓGICO NA MEDIÇÃO FISCAL E TRANSFERÊNCIA DE CUSTÓDIA Engº RENATO FERREIRA LAZARI Inmetro Roteiro Visão institucional; Metrologia Legal; Controle Metrológico; Mercado / Cenário; Conclusões.

Leia mais

Certificação Inmetro dos vidros temperados

Certificação Inmetro dos vidros temperados Certificação Inmetro dos vidros temperados Certificação É um conjunto de atividades para avaliação do processo produtivo e realização de ensaios periódicos do produto. É executada por uma organização independente,

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/ 7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão e Adequação integral do PO 02 Revisão integral do procedimento e adequação dos registros e padrões 03 Adequação da ISO

Leia mais

RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS

RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS Pág: 1/6 Itens de Revisão: 00 Inicial 01 Revisão Geral do Procedimento 02 Revisão no nome do PR e acréscimos dos itens 3.5 Disputas e 3.6 Informações Gerais. 03 Revisão Geral do Procedimento 04 Revisão

Leia mais

Certificação de Produtos Alimentares - CERTIF

Certificação de Produtos Alimentares - CERTIF Maria João Moura nº3511n Ricardo Gonçalves nº3486n Telma Morais nº3466n O que é a certificação? É a garantia escrita, dada por um organismo certificador independente e imparcial que comprova que o produto

Leia mais

A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto

A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto Pedro Henrique Gobbo Prof. Dra. Sheyla Mara Baptista Serra Prof. Dr. Marcelo de Araújo Ferreira ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Introdução sobre

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE COMPONENTES AUTOMOTIVOS DE MOTOCICLETAS, MOTONETAS, CICLOMOTORES, TRICICLOS E QUADRICICLOS SUMÁRIO

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE COMPONENTES AUTOMOTIVOS DE MOTOCICLETAS, MOTONETAS, CICLOMOTORES, TRICICLOS E QUADRICICLOS SUMÁRIO Página 1 de 22 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS... 2 2. ESCOPO...... 3 3. MANUTENÇÃO... 3 4. REFERÊNCIAS... 3 5. SIGLAS E DEFINIÇÕES... 5 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES... 5 7. CONDIÇÕES GERAIS...

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS ESCOPO MANUTENÇÃO REFERÊNCIAS DEFINIÇÕES... 3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS ESCOPO MANUTENÇÃO REFERÊNCIAS DEFINIÇÕES... 3 Página 1 de 15 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS... 2 2. ESCOPO... 3 3. MANUTENÇÃO... 3 4. REFERÊNCIAS... 3 5. DEFINIÇÕES... 3 6. MECANISMO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE... 4 7. ETAPAS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Obtenção de Certificado de Conformidade

Obtenção de Certificado de Conformidade 1/6 Palavras-chave: Certificação, Certificado, Conformidade. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento Anexo A Formulários 1 Objetivo Este Procedimento

Leia mais

Portaria n.º 391, de 31 de outubro de CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 391, de 31 de outubro de CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 391, de 31 de outubro de

Leia mais

4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe

4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe 4ª Reunião de Especialistas sobre Consumo e Produção Sustentáveis da América Latina e Caribe Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais Abiquim São Paulo, 18 de outubro de 2007 O Programa Atuação

Leia mais

Reguladores de baixa pressão para Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) com capacidade de vazão de até 04 Kg/h

Reguladores de baixa pressão para Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) com capacidade de vazão de até 04 Kg/h Página: 1/11 Elaborado por: Eduardo Augusto Di Marzo Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Igor Moreno Data Aprovação: 27/04/2015 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares da

Leia mais

CONVENÇÃO OIT 170 Segurança na Utilização de Produtos Químicos no Trabalho

CONVENÇÃO OIT 170 Segurança na Utilização de Produtos Químicos no Trabalho SEMINÁRIO DE MEIO AMBIENTE CONVENÇÃO OIT 170 Segurança na Utilização de Produtos Químicos no Trabalho GERALDO FONTOURA BAYER S.A. 11 de junho de 2002 ROTEIRO A Organização Internacional do Trabalho - OIT

Leia mais

A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis

A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis 06/11/12 A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis A importância desta certificação para as Compras Públicas Sustentáveis Seminário Internacional A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas

Leia mais

Portaria n.º 353, de 06 de julho de CONSULTA PÚBLICA. OBJETO: Requisitos de Avaliação da Conformidade para Escadas Metálicas

Portaria n.º 353, de 06 de julho de CONSULTA PÚBLICA. OBJETO: Requisitos de Avaliação da Conformidade para Escadas Metálicas Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 353, de 06 de julho de 2012. CONSULTA

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO - SFI FISCALIZAÇÃO DE PRODUTO DE TELECOMUNICAÇÕES

SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO - SFI FISCALIZAÇÃO DE PRODUTO DE TELECOMUNICAÇÕES SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO - SFI FISCALIZAÇÃO DE PRODUTO DE TELECOMUNICAÇÕES ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Objetivos Identificar causa raiz, definir ações preventivas e estratégias no processo de homologação;

Leia mais

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Comparação NBR ISO 13485 X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Agenda Objetivo do estudo Visão Geral da NBR 13485:2004 Tendências mundiais Resultados

Leia mais

GRC e Continuidade de Negócios. Claudio Basso

GRC e Continuidade de Negócios. Claudio Basso GRC e Continuidade de Negócios Claudio Basso claudio.basso@sionpc.com.br Governança um atributo de administração dos negócios que procura criar um nível adequado de transparência através da definição clara

Leia mais

No. Revisão Data. Autor TRATAMENTO DE APELAÇÕES, RECLAMAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS.

No. Revisão Data. Autor TRATAMENTO DE APELAÇÕES, RECLAMAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS. Procedimentos Operacionais No. Revisão Data 1764/00 08 30/04/2012 SGS do Brasil Ltda. Manual de Procedimentos Industrial Autor Aprovado por Fabiane Vencato Marcelo Stenzel TRATAMENTO DE APELAÇÕES, RECLAMAÇÕES,

Leia mais

COMPLEMENTO A REGRA DE CERTIFICAÇÃO

COMPLEMENTO A REGRA DE CERTIFICAÇÃO Página: 1/1 Elaborado por: Telma Canotilho Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Airton Alves Data Aprovação: 20/07/2014 1. Objetivo: Este documento estabelece os Requisitos Gerais de Certificação

Leia mais

Portaria n 4, de 10 de janeiro de 2012.

Portaria n 4, de 10 de janeiro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria n 4, de 10 de janeiro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 545, de 25 de outubro de 2012.

Portaria n.º 545, de 25 de outubro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 545, de 25 de outubro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 13 DE ABRIL DE 2012

MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 13 DE ABRIL DE 2012 MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 13 DE ABRIL DE 2012 O MINISTRO DA PESCA E AQUICULTURA, no uso de suas atribuições que lhe confere a art. 87 da Constituição,

Leia mais

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE)

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) 1/9 (DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) Elaborado Aprovado Adilson Ferreira Nunes (Gestor do SGQ) Mauricio de Souza (Supervisor Compras) 2/9 Índice 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 INTRUDUÇÃO...

Leia mais

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7 Página 1 de 8 ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5-Descrição do Procedimento: Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 20/08/200

Leia mais

Os Mecanismos de Rastreabilidade na Cadeia Produtiva Brasileira Ações do MAPA

Os Mecanismos de Rastreabilidade na Cadeia Produtiva Brasileira Ações do MAPA Os Mecanismos de Rastreabilidade na Cadeia Produtiva Brasileira Ações do MAPA Caio Tibério Dornelles da Rocha Secretário de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

Portaria n.º 178, de 18 de maio de CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 178, de 18 de maio de CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 178, de 18 de maio de 2010.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 188, de 09 de novembro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

DESCRITORES (TÍTULOS E TERMOS)

DESCRITORES (TÍTULOS E TERMOS) SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE FAMÍLIA NBR ISO 9000 INDEXAÇÃO TEMÁTICA Abordagem de processo [VT: Princípios de Gestão da Qualidade] 0.2 / 2.4 0.2 / 4.3 0.2 Abordagem de sistemas de gestão da qualidade

Leia mais

Portaria n.º 412, de 01 de setembro de 2014.

Portaria n.º 412, de 01 de setembro de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 412, de 01 de setembro de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade O Atuação Responsável é uma ética empresarial, compartilhada pelas empresas associadas à Abiquim Missão do Atuação Responsável Promover o aperfeiçoamento

Leia mais

A Lei de Modernização da Inocuidade dos Alimentos dos EUA: As mais recentes resoluções propostas

A Lei de Modernização da Inocuidade dos Alimentos dos EUA: As mais recentes resoluções propostas A Lei de Modernização da Inocuidade dos Alimentos dos EUA: As mais recentes resoluções propostas Ana María Osorio, M.D.,M.P.H. U.S. Food and Drug Administration Histórico Agenda Norma proposta do Programas

Leia mais

1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS ESCOPO MANUTENÇÃO REFERÊNCIAS DEFINIÇÕES QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...

1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS ESCOPO MANUTENÇÃO REFERÊNCIAS DEFINIÇÕES QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES... Página 1 de 25 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...5 7. CONDIÇÕES GERAIS...5 8. SELO DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Andraplan Serviços Ltda. A essência da consultoria.

Andraplan Serviços Ltda. A essência da consultoria. Andraplan Serviços Ltda. A essência da consultoria. Publicação de domínio público reproduzida na íntegra por Andraplan Serviços Ltda. Caso tenha necessidade de orientações sobre o assunto contido nesta

Leia mais

Portaria n.º 196, de 21 de agosto de 2006.

Portaria n.º 196, de 21 de agosto de 2006. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 196, de 21 de agosto de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20.08.2013 00 Emissão inicial. Revisão para maior clareza no texto do documento. Adequação da responsabilidade

Leia mais

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE ACREDITAÇÃO

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE ACREDITAÇÃO BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE ACREDITAÇÃO Versão 4 Maio/2014 Histórico de Mudanças Página Sumário da Mudança Data Revisado por 05 Inserido os dados para contato em caso

Leia mais

Complemento de Regra de Certificação ARTIGOS DE FESTAS

Complemento de Regra de Certificação ARTIGOS DE FESTAS Doc. 733-CRC-004 Página: 1/66 Elaborado por: Diego dos Santos Moreira Maria Lucia Hayashi Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Data Aprovação: 10/12/2013 1 OBJETIVO Este documento

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA. Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA. Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas Profa. Dra. Ângela Líbia M. P. Cardoso www.ufam.edu.br angelalibia@gmail.com Fone: 9254 6673 02 QUALIDADE NO LAC

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO - ESTABILIZADORES DE TENSÃO COM TENSÃO NOMINAL ATÉ 250V EM POTÊNCIAS DE ATÉ 3 kva/3kw

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO - ESTABILIZADORES DE TENSÃO COM TENSÃO NOMINAL ATÉ 250V EM POTÊNCIAS DE ATÉ 3 kva/3kw MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

Portaria n.º 613, de 21 de dezembro de2015. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 613, de 21 de dezembro de2015. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 613, de 21 de dezembro de2015. CONSULTA

Leia mais

Portaria n.º 481, de 07 de dezembro de 2010.

Portaria n.º 481, de 07 de dezembro de 2010. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 481, de 07 de dezembro de

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 375, de 17 de setembro de

Leia mais

CTCV Serviços de Apoio às s Empresas

CTCV Serviços de Apoio às s Empresas centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Implementação de um SCP Marcação CE de Vigotas NP EN 15037-1 Helena Teixeira Sistemas de Gestão e Melhoria 1 CTCV 09/DEZ/2010 centro tecnológico

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 105, de 31 de Maio de 2004. O PRESIDENTE DO

Leia mais

BARREIRAS TÉCNICAS E CERTIFICAÇÃO

BARREIRAS TÉCNICAS E CERTIFICAÇÃO BARREIRAS TÉCNICAS E CERTIFICAÇÃO Rogerio Corrêa Divisão de Superação de Barreiras Técnicas - DISBT Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - Inmetro São Paulo, 23 de Março de 2016. TÓPICOS

Leia mais

Portaria n.º 230, de 30 de junho de CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 230, de 30 de junho de CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 230, de 30 de junho de 2008.

Leia mais

Produção Orgânica: Requisitos legais para a produção, processamento, controle e informação da qualidade

Produção Orgânica: Requisitos legais para a produção, processamento, controle e informação da qualidade Produção Orgânica: Requisitos legais para a produção, processamento, controle e informação da qualidade José Cleber Dias de Souza Comissão da Produção Orgânica do RS CPOrg/RS DPDAG/SFA/RS Ministério da

Leia mais

Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais

Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais Rodrigo R. Latado Certificação de Soja não-ogm NEGÓCIO Pesquisa, Desenvolvimento e Difusão da Avaliação da Conformidade ALCA Grupo de Negociação

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE RECIPIENTE DE PARA TRANSPORTE DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP)

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE RECIPIENTE DE PARA TRANSPORTE DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) Página 1 de 38 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS... 2 2. ESCOPO... 3 3. MANUTENÇÃO... 3 4. REFERÊNCIAS... 3 5. DEFINIÇÕES... 4 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES... 7 7. CONDIÇÕES GERAIS... 7 8. SELO

Leia mais

POTENCIA SONORA DE PRODUTOS ELETRODOMESTICOS

POTENCIA SONORA DE PRODUTOS ELETRODOMESTICOS Página: 1/15 Elaborado por: Raquel Costa Verificado por: Vanessa Hernandes Aprovado por: João Damião Data Aprovação: 04/04/2016 1 OBJETIVO Estabelecer os requisitos para o Programa de Avaliação da Conformidade

Leia mais

Problemas identificados nas propostas de ações e seu acompanhamento

Problemas identificados nas propostas de ações e seu acompanhamento Problemas identificados nas propostas de ações e seu acompanhamento Ana Cristina D. M. Follador Coordenação Geral de Acreditação Divisão de Acreditação de Laboratórios Objetivos Identificar as falhas significativas

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA NA REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA

PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA NA REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA NA REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA Aracaju, 11/12/2015 Alice M. Sakuma Instituto Adolfo Lutz São Paulo Definições Material de Referência Material suficientemente

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR :2014- CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR :2014- CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014- CERFLOR EMPRESA AUDITADA: CENIBRA S.A AUDITORIA DE RECERTIFICAÇÃO ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO:

Leia mais

Procedimento de Gestão da Imparcialidade

Procedimento de Gestão da Imparcialidade Página 1 de 6 Elaboração / Revisão Análise Crítica e Aprovação Data Gerente de Certificações Executivo Sênior / RD 16/05/2016 1 OBJETIVO E ESCOPO DE APLICAÇÃO Estabelecer as diretrizes para a assegurar

Leia mais

Primeira Edição: 23/08/2010 Página 1 de 6 Revisão 02 AUDITORIA INTERNA PROCEDIMENTO

Primeira Edição: 23/08/2010 Página 1 de 6 Revisão 02 AUDITORIA INTERNA PROCEDIMENTO Página 1 de 6 REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA 00 23/08/2010 Emissão do Documento 01 05/04/2011 Revisão do procedimento 02 09/11/2011 Alteração da logomarca Claudiane Freire de Oliveira

Leia mais

Gestão do Espectro Radioelétrico para Prestação de Serviços de Telecomunicações

Gestão do Espectro Radioelétrico para Prestação de Serviços de Telecomunicações Gestão do Espectro Radioelétrico para Prestação de Serviços de Telecomunicações Regulamentação das Condições de Uso de Faixas de Radiofrequências e Homologação de Equipamentos SEMINÁRIO DE GESTÃO E DEFESA

Leia mais