I - Crimes contra a Humanidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I - Crimes contra a Humanidade"

Transcrição

1 I - Crimes contra a Humanidade

2 Os crimes contra a humanidade denominados também de delitos de lesa- humanidade surgem como extensão aos crimes de guerra, e, com o passar do tempo, acabam ganhando autonomia em relação àqueles, bem como aos crimes deagressão e de genocídio. A sua origem legislativa radica no Estatuto do Tribunal Militar Internacional de Nüremberg (art. 6,c), de 1945, e no Estatuto do Tribunal de Tokyo, de 1946, (art.5). Esses dois diplomas legais ensejavam a punição de três modalidades de crime internacional: os crimes contra a paz, os crimes de guerra e os crimes contra a humanidade (arts. 6 e 5, respectivamente).

3 A noção de delito contra a humanidade, atualmente consagrada no ETPI, engloba todo atentado ou agressão contra bens jurídicos essenciais, de natureza individual, praticado no contexto de um ataque sistemático ou generalizado dirigido contra determinada população civil, e realizado com a intervenção (participação/tolerância) do poder político legal ou fático. Isso quer dizer: atentado (em massa) contra as populações civis, sendo fundamentalmente uma infração que criminaliza ataques massivos aos direitos do homem: proteção da vida, proibição da tortura, segurança e liberdade da pessoa, entre outros. Pode-se, finalmente, concluir que: os crimes contra a humanidade são os atentados ou ataques contra bens jurídicos individuais fundamentais (vida, integridade física, saúde, liberdade etc.) praticados, tanto em tempo de guerra como de paz, como parte de um ataque generalizado ou sistemático realizado com a participação ou tolerância do poder político deiure ou defacto.

4 Alguns exemplos: o massacre dos armênios pelos turcos (1915); a repressão nazista aos judeus e outras minorias, e aos opositores políticos (1933); o massacre e as deportações feitas pelas potências do Eixo, especialmente pelos nazistas alemães e japoneses, e pelos russos comunistas de judeus, poloneses, nacionalistas ucranianos, chineses, etc. (a partir de 1942); os delitos realizados pelo regime comunista de Pol Pot e Yeng Suary, no Camboja ( ); os delitos praticados no Darfour (2002).

5 O artigo 7.º do ETPI e seus três parágrafos elencam as várias espécies de crime contra a humanidade: qualquer um dos atos seguintes, quando cometido no quadro de um ataque, generalizado ou sistemático, contra qualquer população civil, havendo conhecimento desse ataque: a) Homicídio; b) Extermínio; c) Escravidão; d) Deportação ou transferência forçada de uma população; e) Prisão ou outra forma de privação da liberdade física grave, em violação das normas fundamentais de direito internacional;

6 f) Tortura; g) Agressão sexual, escravatura sexual, prostituição forçada, gravidez forçada, esterilização forçada ou qualquer outra forma de violência no campo sexual de gravidade comparável; h) Perseguição de um grupo ou coletividade que possa ser identificado, por motivos políticos, raciais, nacionais, étnicos, culturais, religiosos ou de gênero, tal como definido no parágrafo 3.º, ou em função de outros critérios universalmente reconhecidos como inaceitáveis no direito internacional, relacionados com qualquer ato referido neste parágrafo ou com qualquer crime da competência do Tribunal; i) Desaparecimento forçado de pessoas; j) Crime de apartheid; k) Outros atos desumanos de caráter semelhante, que causem intencionalmente grande sofrimento, ou afetem gravemente a integridade física ou a saúde física ou mental ( 1.º, art. 7.º, ETPI).

7 a) Por ataque contra uma população civil entende-se qualquer conduta que envolva a prática múltipla de atos referidos no 1.º contra uma população civil, de acordo com a política de um Estado ou de uma organização de praticar esses atos ou tendo em vista a persecução dessa política; b) O extermínio compreende a sujeição intencional a condições de vida, tais como a privação do acesso a alimentos ou medicamentos, com vista a causar a destruição de uma parte da população; c) Por escravidão entende-se o exercício, relativamente a uma pessoa, de um poder ou de um conjunto de poderes que traduzam um direito de propriedade sobre uma pessoa, incluindo o seu exercício no âmbito do tráfico de pessoas, em particular mulheres e crianças;

8 d) Por deportação ou transferência à força de uma população entende-se o deslocamento forçado de pessoas, através da expulsão ou outro ato coercivo, da zona em que se encontram legalmente, sem qualquer motivo reconhecido no direito internacional; e) Por tortura entende-se o ato por meio do qual uma dor ou sofrimentos agudos, físicos ou mentais, são intencionalmente causados a uma pessoa que esteja sob a custódia ou o controle do acusado; este termo não compreende a dor ou os sofrimentos resultantes unicamente de sanções legais, inerentes a essas sanções ou por elas ocasionadas; f) Por gravidez à força entende-se a privação ilegal de liberdade de uma mulher que foi engravidada à força, com o propósito de alterar a composição étnica de uma população ou de cometer outras violações graves do direito internacional. Esta definição não pode, de modo algum, ser interpretada como afetando as disposições dedireito interno relativas à gravidez;

9 g) Por perseguição entende-se a privação intencional e grave de direitos fundamentais em violação do direito internacional, por motivos relacionados com a identidade do grupo ou da coletividade em causa; h) Por crime de apartheid entende-se qualquer ato desumano análogo aos referidos no 1.º, praticado no contexto de um regime institucionalizado de opressão e domínio sistemático de um grupo racial sobre um ou outros grupos nacionais e com a intenção de manter esse regime; i) Por desaparecimento forçado de pessoas entende-se a detenção, a prisão ou o sequestro de pessoas por um Estado ou uma organização política ou com a autorização, o apoio ou a concordância destes, seguidos de recusa a reconhecer tal estado de privação de liberdade ou a prestar qualquer informação sobre a situação ou localização dessas pessoas, com o propósito de lhes negar a proteção da lei por um prolongado período de tempo.

10 O 3.º estabelece que, para efeitos do presente Estatuto, entende-se que o termo gênero abrange os sexos masculino e feminino, dentro do contexto da sociedade, não lhe devendo ser atribuído qualquer outro significado.

11

12 A submissão do fenômeno bélico a certas regras de caráter jurídico baseadas nos princípios de moderação e humanidade é um fenômeno que se iniciou por influência das concepções humanitárias do séc. XIX. A primeira codificação de um direito humanitária de guerra, em nível internacional vem a ser a Convenção de Genebra de 22 de agosto de 1864, que deu lugar a Cruz Vermelha Internacional. A partir daí, inúmeros outros instrumentos legais contribuíram para a ampliação e aprofundamento de um direito internacional humanitário deguerra. As primeiras normas internacionais, cabe destacar, foram as Convenções de Haia de 1899 e 1907 e as Convenções de Genebra de 1906 e 1929, relativas estas últimas ao tratamento de prisioneiros de guerra, proteção aos feridos e doentes. Ao depois, o Estatuto do Tribunal de Nuremberg acabou definindo os crimes deguerra.

13 Na realidade a incriminação das condutas ilícitas na guerra teve primeira aparição nas legislações penais internas, na maioria dos casos em leis militares. Somente após a II Guerra Mundial se produz uma internacionalização da matéria com aparecimento da ideia de interesse geral, que supõe o abandono da concepção continental segundo a qual o crime de guerra é um crime de direito comum não justificado pelas leis da guerra, pela visão anglo saxônica, para qual o crime de guerra é uma violação das leis e usos da guerra, quer dizer de um direito especial que é direito internacional. A doutrina distingue na atualidade dois ramos diferentes de direitos da guerra: pelo primeiro, o direito humanitário bélico, também chamado Direito de Genebra, que é dedicado a proteção das vítimas da guerra prisioneiros, feridos, doentes, náufragos e população civil; pelo segundo, Direito de Haia, integrado por convênios que buscam regulamentar a condução da guerra métodos de combate e de defesa, armas permitidas e não permitidas, etc.

14 Modernamente, os crimes de guerra podem ser conceituados como conjunto de ações que despreza deliberadamente as leis e os costumes da guerra. O ETPI no art. 8º reitera a sua competência para o julgamento de tais crimes, distinguindo na tipificação dos crimes de guerra entre os praticados num conflito armado internacional alíneas a) e b) do art. 8.2, e aqueles praticados em um conflito armado interno alíneas c) e e) do mesmo artigo. A principal característica dada pelo ETPI em relação a matéria é a limitação de sua competência sobre os crimes de guerra, isto é, aqueles praticados como parte de um plano ou uma política, ou em grande escala. Os textos internacionais anteriores nunca haviam previsto esta exigência no tratamento docrime deguerra. De outro lado, o art. 5º do ETPI declara a limitação de sua competência aos crimes mais graves que concernem à humanidade em seu conjunto.

15

16 O crime de agressão já era grafado como delito internacional no Projeto de Assistência Mútua (1923), elaborado sob os auspícios da Sociedade das Nações, cujo artigo 1. o declarava: A guerra de agressão é um crime internacional. Mas foi o artigo 227 do Tratado de Versalhes a primeira vez que se pretendeu criminalizar a guerra de agressão. A Resolução 3314 (XXIX) da Assembleia Geral da ONU (1974) conceituou a agressão delito contra a paz internacional (art. 5) como sendo o uso da força armada por um Estado contra a soberania, integridade territorial ou a independência política de outro Estado, ou de qualquer outra forma incompatível com a Carta das Nações Unidas (art. 1).

17 A evolução dessa modalidade delitiva reflete a evolução do Direito Internacional moderno em que se refuta a guerra e a utilização da força como meios para a solução de conflitos. A paz torna-se assim um valor fundamental da comunidade internacional, visto que interessa a todos os Estados e não apenas aos envolvidos no conflito. O Direito só dá guarida ao uso da força em caso de legítima defesa. No entanto, devido à ausência de consenso acerca da tipificação do delito de agressão durante a Conferência de Roma, sua definição foi postergada, conforme disposição do art. 5.º, 2.º do Estatuto do Tribunal Penal Internacional, segundo o qual O Tribunal poderá exercer a sua competência em relação ao crime de agressão, desde que, nos termos dos artigos 121 e 123, seja aprovada uma disposição que defina o crime e se enunciem as condições em que o Tribunal terá competência relativamente a este crime. Tal disposição deve ser compatível com as disposições pertinentes da Carta das Nações Unidas. Os artigos 121 e 123 delimitam, por sua vez, as condições para realizar alterações (art. 121 e parágrafos) e a revisão do Estatuto (art. 123 e parágrafos).

18 No Brasil, o tratado internacional relativo ao Estatuto de Roma foi assinado em fevereiro de 2000, aprovado pelo Congresso Nacional por meio do Decreto Legislativo 112, de 2002, e promulgado pelo Decreto 4.388, de Nos termos do artigo 5.º, 4.º, da Constituição Federal, o Brasil se submete à jurisdição de Tribunal Penal Internacional a cuja criação tenha manifestado adesão.

AMNISTIA INTERNACIONAL

AMNISTIA INTERNACIONAL AMNISTIA INTERNACIONAL Índice AI: 40/05/00 Ficha de Dados 4 Processar os autores de crimes contra a humanidade "[As partes acordam em lavrar instrumentos adicionais] em vista dos melhoramentos futuros

Leia mais

TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL

TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL Aula 03 NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Surgimento dos Direitos Humanos Internacionalização dos Direitos Humanos Sistemas Globais de Proteção dos Direitos Humanos 1 ASPECTOS INTRODUTÓRIOS Contextualização

Leia mais

AMNISTIA INTERNACIONAL

AMNISTIA INTERNACIONAL AMNISTIA INTERNACIONAL Índice AI: 40/06/00 Tribunal Penal Internacional Ficha de Dados 5 Processos contra os autores de crimes de guerra Todos os membros das forças armadas que tenham violado os regulamentos

Leia mais

Direito Internacional Humanitário (DIH) e Direito Penal Internacional (DPI) Profa. Najla Nassif Palma

Direito Internacional Humanitário (DIH) e Direito Penal Internacional (DPI) Profa. Najla Nassif Palma Direito Internacional Humanitário (DIH) e Direito Penal Internacional (DPI) Profa. Najla Nassif Palma Direito Internacional Humanitário (DIH) e Direito Penal Internacional (DPI) O que é? Como é aplicado?

Leia mais

TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL

TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL DIREITO INTERNACIONAL AULA 4 TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL EMENTA DA AULA 4 Direito Internacional Penal. O Tribunal Penal Internacional. O Estatuto de Roma. Jurisdição. A complementaridade. Legitimidade

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL

DIREITO INTERNACIONAL DIREITO INTERNACIONAL 2011.2 Prof.º Professor Alexandre Mattos Passaporte Visto 1 Passaporte Decreto nº 1.983, de 14 de agosto de 1996 e publicado no DOU em 15/08/1996 a) Azul escuro PF 5 aa b) Verde MRE

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade,

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948)

Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) PREÂMBULO Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui

Leia mais

Alteração ao artigo 8.º

Alteração ao artigo 8.º Alteração ao artigo 8.º Aditar à alínea e) do n.º 2 do artigo 8.º o seguinte: (xiii) (xiv) (xv) Utilizar veneno ou armas envenenadas; Utilizar gases asfixiantes, tóxicos ou similares ou qualquer líquido,

Leia mais

Direitos Humanos em Conflito Armado

Direitos Humanos em Conflito Armado Direitos Humanos em Conflito Armado Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria (...) são e manter-se-ão proibidas, em qualquer ocasião e lugar (...) As ofensas contra a vida e integridade física,

Leia mais

A questão de gênero nas decisões dos tribunais penais internacionais. Professora Camila Lippi (LADIH- UFRJ) Curso Universitários Pela Paz

A questão de gênero nas decisões dos tribunais penais internacionais. Professora Camila Lippi (LADIH- UFRJ) Curso Universitários Pela Paz A questão de gênero nas decisões dos tribunais penais internacionais Professora Camila Lippi (LADIH- UFRJ) Curso Universitários Pela Paz Teoria feminista Gênero Sexo Teoria feminista Crítica das categorias

Leia mais

Tribunal Penal Internacional. Carlos Eduardo Adriano Japiassú

Tribunal Penal Internacional. Carlos Eduardo Adriano Japiassú Tribunal Penal Internacional Carlos Eduardo Adriano Japiassú ABORDAGEM ῆ Introdução ao Direito Penal Internacional Justiça transicional ῆ Jurisdição internacional ῆ O Tribunal Penal Internacional O Estatuto

Leia mais

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1948

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1948 Resolução da Assembleia da República n.º 37/98 Convenção para a Prevenção e Repressão do Crime de Genocídio, adoptada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 9 de Dezembro de 1948 Aprova, para Ratificação,

Leia mais

PROTEÇÃO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

PROTEÇÃO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS PROTEÇÃO INTERNACIONAL DOS Aula 02 NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Identificamos a evolução histórica dos direitos humanos Direitos Humanos Direitos fundamentais Geração x Dimensões Documentos Históricos MAGNA

Leia mais

SOCIEDADE INTERNACIONAL. SUJEITOS NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS. PROFA. ME. ÉRICA RIOS

SOCIEDADE INTERNACIONAL. SUJEITOS NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS. PROFA. ME. ÉRICA RIOS SOCIEDADE INTERNACIONAL. SUJEITOS NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS. PROFA. ME. ÉRICA RIOS ERICA.CARVALHO@UCSAL.BR QUEM SÃO OS SUJEITOS INTERNACIONAIS? Todos aqueles entes ou entidades cujas condutas estão diretamente

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 405/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 405/VIII PROJECTO DE LEI N.º 405/VIII ALTERA O CÓDIGO PENAL PARA GARANTIA DO JULGAMENTO EM PORTUGAL DOS AUTORES DE CRIMES DE MAIOR GRAVIDADE QUE AFECTAM A COMUNIDADE INTERNACIONAL NO SEU CONJUNTO O debate sobre

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus Direitos iguais e inalienáveis é o fundamento

Leia mais

Antirracismo e Não Discriminação

Antirracismo e Não Discriminação Antirracismo e Não Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente

Leia mais

,%81$/3(1$/,17(51$&,21$/

,%81$/3(1$/,17(51$&,21$/ &DPLOD$JXVWLQL 3258075,%81$/3(1$/,17(51$&,21$/ Desde os atentados terroristas cometidos contra os Estados Unidos no último dia 11 de setembro a mídia vem se ocupando com a deflagração do que pode vir a

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania) Altera os arts. 94, 96, 97, 98 e 99 da Lei n o 10.741,

Leia mais

OAB 1ª Fase Direitos Humanos Emilly Albuquerque

OAB 1ª Fase Direitos Humanos Emilly Albuquerque OAB 1ª Fase Direitos Humanos Emilly Albuquerque 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E A REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO (1948) 1) Objetivo:

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL No- 4.226, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL No- 4.226, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL No- 4.226, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010 Estabelece Diretrizes sobre o Uso da Força pelos Agentes de Segurança Pública. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA e o MINISTRO

Leia mais

Israel-Palestina após o conflito de Gaza e o papel da UE

Israel-Palestina após o conflito de Gaza e o papel da UE PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 TEXTOS APROVADOS P8_TA(2014)0029 Israel-Palestina após o conflito de Gaza e o papel da UE Resolução do Parlamento Europeu, de 18 de setembro de 2014, sobre Israel-Palestina

Leia mais

Este material é apenas um resumo do resumo da obra Direito Penal Militar.

Este material é apenas um resumo do resumo da obra Direito Penal Militar. Este material é apenas um resumo do resumo da obra Direito Penal Militar. Montamos 20 dicas para o concurso da Defensoria Pública da União que estão inseridas no livro. DIREITO ESPECIAL A doutrina é unânime

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 664/XII/4.ª ALTERA A PREVISÃO LEGAL DOS CRIMES DE VIOLAÇÃO E COAÇÃO SEXUAL NO CÓDIGO PENAL

PROJETO DE LEI N.º 664/XII/4.ª ALTERA A PREVISÃO LEGAL DOS CRIMES DE VIOLAÇÃO E COAÇÃO SEXUAL NO CÓDIGO PENAL Grupo Parlamentar. PROJETO DE LEI N.º 664/XII/4.ª ALTERA A PREVISÃO LEGAL DOS CRIMES DE VIOLAÇÃO E COAÇÃO SEXUAL NO CÓDIGO PENAL Exposição de motivos O crime de violação atinge, sobretudo, mulheres e crianças.

Leia mais

AMNISTIA INTERNACIONAL

AMNISTIA INTERNACIONAL AMNISTIA INTERNACIONAL Índice AI: 40/17/00 Tribunal Penal Internacional Ficha de Dados 8 Garantia de justiça às crianças " A UNICEF insiste na necessidade de combater as atrocidades contra as crianças,

Leia mais

---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO E OS ADVOGADOS

---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO E OS ADVOGADOS ORDEM DOS ADVOGADOS DELEGAÇÃO DE BARCELOS DIA DO ADVOGADO 19 DE MAIO DE 2010 ---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO

Leia mais

LEI MARIA DA PENHA E A CRIMINALIZAÇÃO DO MASCULINO. Alexandre Magno Fernandes Moreira Aguiar

LEI MARIA DA PENHA E A CRIMINALIZAÇÃO DO MASCULINO. Alexandre Magno Fernandes Moreira Aguiar LEI MARIA DA PENHA E A CRIMINALIZAÇÃO DO MASCULINO Alexandre Magno Fernandes Moreira Aguiar LEI MARIA DA PENHA E A CRIMINALIZAÇÃO DO MASCULINO Alexandre Magno Fernandes Moreira Aguiar Procurador do Banco

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO E DIREITOS HUMANOS. Um estudo sobre o papel do Ministério Público na defesa e na promoção dos direitos humanos

MINISTÉRIO PÚBLICO E DIREITOS HUMANOS. Um estudo sobre o papel do Ministério Público na defesa e na promoção dos direitos humanos JORGE ALBERTO DE OLIVEIRA MARUM Promotor de Justiça no Estado de São Paulo, mestre em Direito do Estado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (Largo São Francisco) e professor titular

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 224, DE 2010

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 224, DE 2010 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 224, DE 2010 Altera o art. 14 da Lei nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003, para determinar como causa de aumento de pena do crime de porte ilegal de arma de fogo

Leia mais

Centro de Direitos Humanos Faculdade de Direito Universidade de Coimbra. Proibição da Tortura. Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria

Centro de Direitos Humanos Faculdade de Direito Universidade de Coimbra. Proibição da Tortura. Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Proibição da Tortura Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Ninguém será submetido a tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes. Artigo 5º, Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

Crime público desde Lei 7/2000 de Denúncia para além dos seis meses Lei aplicável: vigente no momento prática do último ato Tribunal

Crime público desde Lei 7/2000 de Denúncia para além dos seis meses Lei aplicável: vigente no momento prática do último ato Tribunal 1 Quem, de modo reiterado ou não, infligir maus tratos físicos ou psíquicos, incluindo castigos corporais, privações da liberdade e ofensas sexuais: a) Ao cônjuge ou ex-cônjuge; b) A pessoa de outro ou

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 77/VIII ALTERA O REGIME PENAL DO TRÁFICO E DETENÇÃO DE ARMAS. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 77/VIII ALTERA O REGIME PENAL DO TRÁFICO E DETENÇÃO DE ARMAS. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 77/VIII ALTERA O REGIME PENAL DO TRÁFICO E DETENÇÃO DE ARMAS Exposição de motivos O regime criminal sobre tráfico e porte de armas, que tem hoje a sua sede no Código Penal e na Lei

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.379, DE 2006 (MENSAGEM N o 20, de 2006) Aprova o texto do Tratado sobre Extradição entre o Governo da República Federativa

Leia mais

ENQUADRAMENTO PENAL CÓDIGO PENAL

ENQUADRAMENTO PENAL CÓDIGO PENAL ENQUADRAMENTO PENAL CÓDIGO PENAL Violência Doméstica 1 Quem, de modo reiterado ou não, infligir maus tratos físicos ou psíquicos, incluindo castigos corporais, privações da liberdade e ofensas sexuais:

Leia mais

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA 01) Não se enquadra na subdivisão de "Público" o direito: a) Constitucional b) Administrativo. c) Judiciário / processual. d) Penal. e) Comercial. 02) Não

Leia mais

TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL: O FIM DA CARTA BRANCA AOS PODEROSOS E O COMEÇO DE UMA ERA DE JUSTIÇA

TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL: O FIM DA CARTA BRANCA AOS PODEROSOS E O COMEÇO DE UMA ERA DE JUSTIÇA TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL: O FIM DA CARTA BRANCA AOS PODEROSOS E O COMEÇO DE UMA ERA DE JUSTIÇA Natália Agostinho Bomfim ROCHA 1 Resumo: Este artigo pretende abordar a criação do Tribunal Penal Internacional,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 154/2003 de 15 de Julho

Decreto-Lei n.º 154/2003 de 15 de Julho Decreto-Lei n.º 154/2003 de 15 de Julho O Tratado de Amizade, Cooperação e Consulta entre a República Portuguesa e a República Federativa do Brasil, assinado em Porto Seguro em 22 de Abril de 2000, aprovado,

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição (JusNet 7/1976), o seguinte:

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição (JusNet 7/1976), o seguinte: 1/7 Lei n.º 19/2013, de 21 de fevereiro, 29.ª alteração ao Código Penal, aprovado pelo Decreto- Lei n.º 400/82, de 23 de setembro, e primeira alteração à Lei n.º 112/2009, de 16 de setembro, que estabelece

Leia mais

termos da lei. transferido para a reserva, nos termos da lei complementar. termos da lei. termos da constituição. b) por tribunal especial.

termos da lei. transferido para a reserva, nos termos da lei complementar. termos da lei. termos da constituição. b) por tribunal especial. CONSTITUIÇÃO FEDERAL E DO ESTADO DO PIAUÍ 1ª) Assinale a alternativa correta, quanto à improbidade administrativa. a) A suspensão dos direitos políticos e a perda da função pública são algumas das consequências,

Leia mais

Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados.

Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados. DECRETO Nº 5.006, DE 8 DE MARÇO DE 2004. Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

EDITAL Nº 18/2011 01* 01* OBS: O professor ao se inscrever deverá ter disponibilidade nos turnos indicados.

EDITAL Nº 18/2011 01* 01* OBS: O professor ao se inscrever deverá ter disponibilidade nos turnos indicados. EDITAL Nº 18/2011 Processo Seletivo de Docentes da Estácio FIC 2011. A DIRETORA GERAL da Faculdade Estácio do Ceará - Estácio FIC, no uso de suas atribuições e regimentais, torna pública a abertura de

Leia mais

- Jurisdição - Competência é o limite dentro do qual juízes e tribunais exercem jurisdição.

- Jurisdição - Competência é o limite dentro do qual juízes e tribunais exercem jurisdição. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 09 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Princípios da Jurisdição: Aderência. Competência: Natureza Jurídica; Competência Absoluta x Relativa;

Leia mais

Violência(s), Direitos Humanos e Periferia(s): Quais relações?

Violência(s), Direitos Humanos e Periferia(s): Quais relações? Violência(s), Direitos Humanos e Periferia(s): Quais relações? Priscila Queirolo Susin Psicóloga; Técnica Social Responsável PMCMV-E; Pesquisadora do CAES Mestre em Ciências Sociais (PUCRS) Doutoranda

Leia mais

Direitos Humanos Tema 8: A Proteção Internacional dos Direitos Humanos Autor: Alan Martins

Direitos Humanos Tema 8: A Proteção Internacional dos Direitos Humanos Autor: Alan Martins Direitos Humanos Tema 8: A Proteção Internacional dos Direitos Humanos Autor: Alan Martins Como citar este material: MARTINS, Alan. Direitos Humanos: A Proteção Internacional dos Direitos Humanos. Valinhos:

Leia mais

A TORTURA NO DIREITO INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A TORTURA NO DIREITO INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A TORTURA NO DIREITO INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * O conceito jurídico de tortura Embora praticada sem descontinuar desde os tempos mais recuados da História, e explicitamente condenada pelo artigo

Leia mais

Sumário. Nota do autor para a terceira edição... 31

Sumário. Nota do autor para a terceira edição... 31 Nota do autor para a terceira edição... 31 APRESENTAÇÃO... 33 ABREVIATURAS E SIGLAS... 35 Capítulo I Introdução ao direito eleitoral... 37 1. Introdução ao Direito Eleitoral... 37 1.1. Conceito de Direito

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da familia humana e seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da

Leia mais

- LÍNGUA PORTUGUESA -

- LÍNGUA PORTUGUESA - 1. Linguagem: como instrumento de ação e interação presente em todas 1 as atividades humanas; 2 funções da linguagem na comunicação; 3 diversidade linguística (língua padrão, língua não padrão). 4 2. Leitura:

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 515/XII

PROJETO DE LEI N.º 515/XII PROJETO DE LEI N.º 515/XII PROCEDE À 31.ª ALTERAÇÃO AO CÓDIGO PENAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 400/82, DE 23 DE SETEMBRO, CRIANDO O CRIME DE MUTILAÇÃO GENITAL FEMININA Exposição de motivos 1 A Mutilação

Leia mais

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 DUDH Artigo 5º Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante. ART. 5º DA CF Inciso III Ninguém será submetido à tortura nem

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE DE APLICAÇÃO UNIDADES CONTEÚDOS OBJETIVOS Nº DE AULAS TÉCNICA DE ENSINO INDICAÇÃO BIBLIOGRÁFICA

DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE DE APLICAÇÃO UNIDADES CONTEÚDOS OBJETIVOS Nº DE AULAS TÉCNICA DE ENSINO INDICAÇÃO BIBLIOGRÁFICA DISCIPLINA:_ INTERNACIONAL PÚBLICO PRIVADO PROFESSOR: MARCELO F. Q. OBREGÓN 2010. UNIDADES CONTEÚDOS OBJETIVOS Nº DE AULAS TÉCNICA DE ENSINO DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE DE APLICAÇÃO INDICAÇÃO BIBLIOGRÁFICA

Leia mais

DECRETO N.º 266/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 266/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 266/XII Procede à trigésima terceira alteração ao Código Penal, aprovado pelo Decreto- Lei n.º 400/82, de 23 de setembro, criminalizando os maus tratos a animais de companhia, e à segunda alteração

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Nuremberg Conseqüências - Direitos Humanos - Bárbaros INTRODUÇÃO

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Nuremberg Conseqüências - Direitos Humanos - Bárbaros INTRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA PARA O DIREITO Renata Cristina Bisam, aluna do 8º. Semestre noturno do Curso de Direito do CEUNSP de Salto/ SP. RESUMO O presente trabalho visa analisar o direito durante a história,

Leia mais

TRATADO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FRANCESA RELATIVO À COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA DEFESA

TRATADO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FRANCESA RELATIVO À COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA DEFESA Resolução da Assembleia da República n.º 30/2000 Tratado entre a República Portuguesa e a República Francesa Relativo à Cooperação no Domínio da Defesa, assinado em Paris em 30 de Julho de 1999 Resolução

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Promover o desenvolvimento das competências e habilidades definidas no perfil do egresso, quais sejam:

PLANO DE ENSINO. Promover o desenvolvimento das competências e habilidades definidas no perfil do egresso, quais sejam: PLANO DE ENSINO CURSO: Direito SÉRIE: 5º Semestre DISCIPLINA: Proteção Penal ao Indivíduo CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 horas/aula CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 horas/aula I EMENTA Crimes contra a pessoa. Homicídio.

Leia mais

Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional

Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional c Aprovado pelo Congresso Nacional por meio do Dec. Legislativo nº 112, de 6-6-2002 e promulgado pelo Dec. nº 4.388, de 25-9-2002, passou a vigorar, para

Leia mais

Rights. 1 Introdução. Eneida Orbage de Britto Taquary Catharina Orbage de Britto Taquary RESUMO

Rights. 1 Introdução. Eneida Orbage de Britto Taquary Catharina Orbage de Britto Taquary RESUMO Crimes contra a Humanidade: o olhar da Corte Interamericana de Direitos Humanos Crimes against Humanity: the look of the Inter-American Court of Human RESUMO Rights Eneida Orbage de Britto Taquary Catharina

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO POLÍCIA MILITAR GOIÁS SOLDADO DE 3ª CLASSE

CONTROLE DE CONTEÚDO POLÍCIA MILITAR GOIÁS SOLDADO DE 3ª CLASSE CONTROLE DE CONTEÚDO POLÍCIA MILITAR GOIÁS SOLDADO DE 3ª CLASSE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO AULA LEITURA LEITURA QUESTÕES REVISÃO 1 Linguagem: como instrumento de ação e interação presente

Leia mais

Projeto de Lei nº. / 2011. (do Sr. Ricardo Tripoli)

Projeto de Lei nº. / 2011. (do Sr. Ricardo Tripoli) Projeto de Lei nº. / 2011 (do Sr. Ricardo Tripoli) Criminaliza condutas praticadas contra cães e gatos, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Dos Crimes contra Cães e Gatos Art. 1º. Esta

Leia mais

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ O Tribunal Penal Internacional Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ Conceitos Básicos É o primeiro tribunal penal internacional permanente Os tribunais internacionais criados até então

Leia mais

AG/RES. 2293 (XXXVII-0/07) PROMOÇÃO E RESPEITO DO DIREITO INTERNACIONAL HUMANITÁRIO

AG/RES. 2293 (XXXVII-0/07) PROMOÇÃO E RESPEITO DO DIREITO INTERNACIONAL HUMANITÁRIO AG/RES. 2293 (XXXVII-0/07) PROMOÇÃO E RESPEITO DO DIREITO INTERNACIONAL HUMANITÁRIO (Aprovada na quarta sessão plenária, realizada em 5 de junho de 2007) A ASSEMBLÉIA GERAL, RECORDANDO as resoluções AG/RES.

Leia mais

A EQUIPE DO DIREITO CONCENTRADO ESTÁ COM VOCÊ!

A EQUIPE DO DIREITO CONCENTRADO ESTÁ COM VOCÊ! Olá CONCENTRADOS! Como está a sua preparação para a 2ª fase da OAB? Muito estudo e dedicação? Sabemos como é difícil conseguir conciliar tudo nesta fase, o período é curto, a matéria longa e você precisa

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A ação penal popular no ordenamento jurídico brasileiro Liduina Araujo Batista * O presente estudo trata da discussão acerca da possibilidade, ou não, de existência, em nosso ordenamento

Leia mais

Legislação Penal Especial Lei de Tortura Liana Ximenes

Legislação Penal Especial Lei de Tortura Liana Ximenes Lei de Tortura Liana Ximenes 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Lei de Tortura -A Lei não define o que é Tortura, mas explicita o que constitui tortura. -Equiparação

Leia mais

Conceitos Ab-rogação: é a revogação total de uma lei por outra parte Derrogação: é a revogação parcial de uma lei.

Conceitos Ab-rogação: é a revogação total de uma lei por outra parte Derrogação: é a revogação parcial de uma lei. Conceitos Ab-rogação: é a revogação total de uma lei por outra parte Derrogação: é a revogação parcial de uma lei. Retroatividade pro réu A regra da irretroatividade da lei penal mais gravosa também deve

Leia mais

Divisão de Atos Internacionais

Divisão de Atos Internacionais Divisão de Atos Internacionais DECRETO Nº 4.388, DE 25 DE SETEMBRO DE 2002 Promulga o Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o

Leia mais

Crimes Internacionais. International Crimes

Crimes Internacionais. International Crimes Crimes Internacionais International Crimes Guilherme Augusto Correa Rehder 1 Resumo O Direito Internacional Penal pode ser conceituado como uma disciplina que abriga o conjunto de normas e princípios que

Leia mais

SUMÁRIO: Ratifica o Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional, aberto à assinatura dos Estados em Roma, em 17 de Julho de 1998

SUMÁRIO: Ratifica o Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional, aberto à assinatura dos Estados em Roma, em 17 de Julho de 1998 ESTATUTO DE ROMA DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL (TPI) Decreto do Presidente da República n.º 2/2002 Diário da República n.º 15, Série I-A de Janeiro de 2002 SUMÁRIO: Ratifica o Estatuto de Roma do Tribunal

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO EXAME DE ORDEM OAB 1ª FASE

CONTROLE DE CONTEÚDO EXAME DE ORDEM OAB 1ª FASE 1 Teoria Geral da Constituição / Separação de Poderes 2 Direitos e deveres individuais e coletivos 3 Nacionalidade 4 Direitos políticos/ Partidos Políticos 5 Organização Político-Administrativa 6 Poder

Leia mais

Concurso Público de Provas para ingresso na carreira de ESCRIVÃO DE POLÍCIA EP-1/2010

Concurso Público de Provas para ingresso na carreira de ESCRIVÃO DE POLÍCIA EP-1/2010 Academia de Polícia Dr. Coriolano Nogueira Cobra Secretaria de Concursos Públicos Concurso Público de Provas para ingresso na carreira de ESCRIVÃO DE POLÍCIA EP-1/2010 A Comissão do concurso torna pública

Leia mais

BULLYING VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

BULLYING VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES BULLYING VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alessandra Gouvêa 1 Resumo: O presente artigo discute o tema bullying, contra crianças e adolescentes, no ambiente escolar, os sujeitos envolvidos, as

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEÇÃOA CRIMINAL AÇÃO PENAL nº ACUSADO: JOAQUIM JOSE DOS SANTOS ALEXANDRE

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEÇÃOA CRIMINAL AÇÃO PENAL nº ACUSADO: JOAQUIM JOSE DOS SANTOS ALEXANDRE TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEÇÃOA CRIMINAL AÇÃO PENAL nº. 0034199-92.2013.8.19.0000 ACUSADO: JOAQUIM JOSE DOS SANTOS ALEXANDRE EMENTA: AÇÃO PENAL PORTE DE ARMA POLICIAL MILITAR INCREMENTO DO RISCO ATIPICIDADE

Leia mais

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996)

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará,

Leia mais

Reconhecendo que crimes de uma tal gravidade constituem uma ameaça à paz, à segurança e ao bem-estar da humanidade,

Reconhecendo que crimes de uma tal gravidade constituem uma ameaça à paz, à segurança e ao bem-estar da humanidade, ESTATUTO DE ROMA DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL Preâmbulo Os Estados Partes no presente Estatuto. Conscientes de que todos os povos estão unidos por laços comuns e de que suas culturas foram construídas

Leia mais

Sumário. Capítulo I INTRODUÇÃO AO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO... 17

Sumário. Capítulo I INTRODUÇÃO AO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO... 17 Sumário Capítulo I INTRODUÇÃO AO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO... 17 1. Conceito de Direito Internacional Público.... 17 2. Objeto do Direito Internacional Público.... 17 3. Características do Direito

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 2 DE 3 DE MARÇO DE 2016. Regulamenta o porte de arma de fogo para os servidores que exercem funções de segurança no Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE

Leia mais

AG/RES (XXXVI-O/06) PROMOÇÃO E RESPEITO DO DIREITO INTERNACIONAL HUMANITÁRIO

AG/RES (XXXVI-O/06) PROMOÇÃO E RESPEITO DO DIREITO INTERNACIONAL HUMANITÁRIO AG/RES. 2226 (XXXVI-O/06) PROMOÇÃO E RESPEITO DO DIREITO INTERNACIONAL HUMANITÁRIO (Aprovada na quarta sessão plenária, realizada em 6 de junho de 2006) A ASSEMBLÉIA GERAL, RECORDANDO suas resoluções AG/RES.

Leia mais

Direito Penal. Introdução aos Crimes Contra a Dignidade Sexual e Delito de Estupro

Direito Penal. Introdução aos Crimes Contra a Dignidade Sexual e Delito de Estupro Direito Penal Introdução aos Crimes Contra a Dignidade Sexual e Delito de Estupro Crimes Contra a Dignidade Sexual Nomenclatura Título VI do Código Penal: antes Crimes Contra os Costumes, atualmente Crimes

Leia mais

Territórios e Regionalização. Professor Diego Alves de Oliveira

Territórios e Regionalização. Professor Diego Alves de Oliveira Territórios e Regionalização Professor Diego Alves de Oliveira Conceitos de território Pode ser associado a vários elementos: Biológicos: área dominada por uma espécie animal; Sociais: área vivida por

Leia mais

É DEVER DE TODOS PREVENIR A AMEAÇA OU VIOLAÇÃO DOS DIREITOS DO IDOSO! DENUNCIE! VOCÊ TAMBÉM É RESPONSÁVEL.

É DEVER DE TODOS PREVENIR A AMEAÇA OU VIOLAÇÃO DOS DIREITOS DO IDOSO! DENUNCIE! VOCÊ TAMBÉM É RESPONSÁVEL. A violência contra a pessoa idosa é silenciosa e acontece em todo o mundo. Essa grave violação dos direitos humanos fez com que a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Rede Internacional de Prevenção

Leia mais

TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL

TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL 1. ESTATUTO DE ROMA O ESTATUTO DE ROMA, documento normativo que dá base jurídica para a criação do Tribunal Penal Internacional, foi assinado em 17 de julho de 1998, com 120

Leia mais

Recuperação - 3ª Etapa Ensino Médio

Recuperação - 3ª Etapa Ensino Médio 1 CULTURA RELIGIOSA 2º ANO ENS. MÉDIO PROFESSOR(A): RICARTE NOME: Nº PARTE I DOS CONCEITOS ATUAIS NA CULTURA RELIGIOSA QUESTÃO 01: EXPLIQUE OS SEGUINTES CONCEITOS: 1. O RELATIVISMO A) Relativismo filosófico

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE AMPLIAÇÃO DA COMPETÊNCIA DO TRIBUNAL DO JÚRI DESENVOLVIMENTO

A POSSIBILIDADE DE AMPLIAÇÃO DA COMPETÊNCIA DO TRIBUNAL DO JÚRI DESENVOLVIMENTO 1 A POSSIBILIDADE DE AMPLIAÇÃO DA COMPETÊNCIA DO TRIBUNAL DO JÚRI Jonathan da Silva CASTRO 1 Rafael Cano RODRIGUES 2 RESUMO: O presente artigo analisa a possibilidade de ampliação da competência dos crimes

Leia mais

Direito Constitucional. TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º

Direito Constitucional. TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º Direito Constitucional TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º Constituição A constituição determina a organização e funcionamento do Estado, estabelecendo sua estrutura, a organização de

Leia mais

Direitos Humanos na Constituição Brasileira: Avanços e Desafios

Direitos Humanos na Constituição Brasileira: Avanços e Desafios Direitos Humanos na Constituição Brasileira: Avanços e Desafios Cátedra UNESCO de Educação para a Paz, Direitos Humanos, Democracia e Tolerância Faculdade de Saúde Pública (USP), Auditório Paula Souza.

Leia mais

ÉTICA NA ENFERMAGEM SHIRLEY SIQUEIRA. Advogada e Procuradora Autárquica do COREN/AP

ÉTICA NA ENFERMAGEM SHIRLEY SIQUEIRA. Advogada e Procuradora Autárquica do COREN/AP ÉTICA NA ENFERMAGEM SHIRLEY SIQUEIRA Advogada e Procuradora Autárquica do COREN/AP CONCEITO Conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana em sociedade; É construída por uma sociedade

Leia mais

Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie

Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie Guia de monitorização de impactos Nº Direitos Humanos Guia de monitorização de impactos Aplicá vel à EDP Temas incluídos

Leia mais

OS TRIBUNAIS PENAIS INTERNACIONAIS E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DOS DIREITOS HUMANOS: DE NUREMBERG AO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL (TPI)

OS TRIBUNAIS PENAIS INTERNACIONAIS E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DOS DIREITOS HUMANOS: DE NUREMBERG AO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL (TPI) OS TRIBUNAIS PENAIS INTERNACIONAIS E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DOS DIREITOS HUMANOS: DE NUREMBERG AO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL (TPI) Barbara Mourão Sachett * RESUMO O objetivo do presente

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Forças policiais e ordem pública. Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* Capítulo 1 Forças policiais e ordem pública. 1.1.Ordem pública e seu alcance O cidadão possui direitos e garantias fundamentais

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DA ª VARA FEDERAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

EXMO. SR. DR. JUIZ DA ª VARA FEDERAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EXMO. SR. DR. JUIZ DA ª VARA FEDERAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROCESSO Nº 0001836-13.2012.4.02.5103 (número acrescentado posteriormente) Peças de Informação

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br. Injúria racial. Gilbran Queiroz de Vasconcelos. 1. Considerações iniciais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br. Injúria racial. Gilbran Queiroz de Vasconcelos. 1. Considerações iniciais BuscaLegis.ccj.ufsc.br Injúria racial Gilbran Queiroz de Vasconcelos 1. Considerações iniciais O crime de Injúria Racial está alocado no artigo 140, 3º, no Título I, capítulo V, da Parte Especial do Código

Leia mais

Conflitos mundiais PROF. MELK SOUZA

Conflitos mundiais PROF. MELK SOUZA Conflitos mundiais PROF. MELK SOUZA ÍNDIA x PAQUISTÃO A tensa relação entre Índia e Paquistão, pela disputa da região da Caxemira, teve início a partir da independência da Índia do imperialismo britânico,

Leia mais

II. Violência contra a mulher: dados 2015

II. Violência contra a mulher: dados 2015 Dossiê Mulher 2016 7 II. Violência contra a mulher: dados 2015 No estado Rio de Janeiro, as mulheres representam cerca de 52,0% da população total. Em 2015, o percentual de mulheres vítimas de algum delito

Leia mais

Lei n.º 22/97 de 27 de Junho

Lei n.º 22/97 de 27 de Junho Lei n.º 22/97 de 27 de Junho (Alterada pelas Leis n. os 93-A/97, de 22 de Agosto, 29/98, de 26 de Junho e 98/2001, de 25 de Agosto) Classificação e licença de armas de defesa... 2 Armas de caça, precisão

Leia mais