FATCA - PERGUNTAS FREQUENTES JULHO DE 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FATCA - PERGUNTAS FREQUENTES JULHO DE 2014"

Transcrição

1 Generali Portugal FATCA - PERGUNTAS FREQUENTES JULHO DE 2014 DIRECÇÃO DE CONTROLO INTERNO, GESTÃO DE RISCOS E COMPLIANCE generali.com

2 FATCA - Perguntas Frequentes 2

3 ÍNDICE FATCA Perguntas Frequentes... 4 O que é o FATCA?... 4 O FATCA é opcional?... 4 Como vai o FATCA afectar o nosso quotidiano?... 4 Como vão os nossos clientes sentir os efeitos do FATCA?... 4 Porque é que o FATCA é uma preocupação para a Generali?... 4 Quando é que o FATCA entrará em vigor?... 4 Que produtos fazem parte do perímetro FATCA?... 5 O FATCA também incide sobre clientes empresas?... 5 Como é que eu sei se o meu cliente é uma US Person?... 5 Quais são os 7 US-Indicia?... 5 Qual é a definição de residente nos EUA?... 5 Quando devo classificar um cliente para efeitos de FATCA?... 5 Como classificar os novos clientes individuais?... 6 Como classificar os novos clientes pessoas colectivas?... 6 Que documentos devem ser solicitados para identificar clientes para efeitos do FATCA?... 6 O que acontece se o tomador, a pessoa segura ou o beneficiário forem pessoas distintas?... 7 O que devo fazer se o cliente apresentar US Indicia?... 7 O que são os formulários W-8BEN e W-9?... 7 E se um cliente se recusar a facultar os dados necessários?... 8 Para seguros de grupo, é necessário solicitar os elementos referentes a cada uma das pessoas seguras?... 8 Se um cliente quiser efectuar uma entrega extraordinária numa apólice em vigor, é necessário pedir os elementos de identificação e classificá-lo?... 8 O que é uma alteração de circunstâncias?... 8 O que acontece em caso de pagamento de benefícios (resgate, vencimento)?... 8 A Companhia vai monitorizar a carteira existente?... 9 A Companhia tem de reportar dados às autoridades?... 9 A Companhia irá apoiar a sua rede de distribuição de alguma forma?... 9 Quem posso contactar para mais ajuda sobre o FATCA?... 9 FATCA - Perguntas Frequentes 3

4 FATCA Perguntas Frequentes No passado mês de Abril, Portugal e os EUA chegaram a um entendimento que levará à assinatura de um acordo intergovernamental para o cumprimento das regras do FATCA - Foreign Account Tax Compliance Act. Neste documento poderão ser encontradas as respostas às perguntas mais frequentes sobre este tema. O que é o FATCA? O FATCA é um conjunto de medidas de combate à evasão fiscal aprovadas pelo Congresso dos EUA que obriga instituições financeiras (seguradoras incluídas) a colaborar com o fisco desse país na identificação e reporte de informações acerca de possíveis contribuintes do fisco dos EUA. O FATCA é opcional? Não. A partir do momento em que as bases para o acordo intergovernamental ficaram estabelecidas, ficou claro que irá ser criada legislação nacional para dar suporte a esse acordo. O FATCA será uma obrigação legal portuguesa, sendo que o reporte de dados será feito através da Autoridade Tributária portuguesa. Como vai o FATCA afectar o nosso quotidiano? O FATCA vai implicar um esforço acrescido no conhecimento dos nossos clientes e na obtenção de provas documentais da sua identidade e do seu estatuto perante o fisco americano. Com base nessa informação, cada cliente será classificado internamente para efeitos do FATCA e, em alguns casos, a partir de 2015, será reportada informação à Autoridade Tributária. Como vão os nossos clientes sentir os efeitos do FATCA? Claramente o número de clientes da Companhia que são contribuintes do fisco dos EUA é muito reduzido. Contudo, será necessário que TODOS os clientes que subscrevam apólices de produtos do perímetro FATCA certifiquem o seu estatuto fiscal relativamente ao fisco dos EUA. A esmagadora maioria clientes portugueses sem qualquer relação com os EUA - terá apenas de responder a algumas questões sim/não e permitir a cópia de alguns documentos que normalmente trazem na sua carteira. Porque é que o FATCA é uma preocupação para a Generali? As consequências do não cumprimento do FATCA são severas: as instituições financeiras que não implementem o FATCA devidamente ficam sujeitas à retenção pelas autoridades dos EUA de 30% de alguns pagamentos, incluindo pagamentos originários dos EUA. Todas as empresas que constituem o Grupo Generali devem cumprir, sob pena do status de incumprimento ser extensivo a todo o Grupo, mesmo que apenas uma empresa não esteja a cumprir. Além disso, o não cumprimento é um significativo risco reputacional, podendo causar danos à imagem do Grupo. Quando é que o FATCA entrará em vigor? O FATCA entrará em vigor no próximo dia 1 de Julho de FATCA - Perguntas Frequentes 4

5 Que produtos fazem parte do perímetro FATCA? O FATCA é aplicável apenas ao Ramo Vida. Dentro do Ramo Vida só fazem parte do perímetro FATCA os produtos de rendas ou com cash-value, ou seja praticamente todos os produtos comercializados pela Generali Vida, excepto os produtos de risco puro (TAR individuais e de Grupo). Uma lista completa dos produtos dentro (e fora) do perímetro do FATCA será publicada pela Companhia. O FATCA também incide sobre clientes empresas? Sim. O FATCA incide tanto sobre clientes individuais como sobre clientes empresa. O FATCA afecta todos os clientes, independentemente da sua forma jurídica. Como é que eu sei se o meu cliente é uma US Person? Um cliente deve ser identificado como uma potencial US Person (contribuinte do fisco dos EUA) se possuir um de sete indícios. Existindo indícios, deve ser solicitada documentação que forneça informação adicional acerca do status do cliente perante o fisco dos EUA. Quais são os 7 US-Indicia? Os US-indicia são os seguintes: 1) Cidadania ou residência nos EUA 2) Local de nascimento nos EUA (apenas para indivíduos) 3) Endereço actual de residência ou endereço de correspondência situado nos EUA 4) Pelo menos um número de telefone actual originário dos EUA 5) Existência de instruções para realizar pagamentos da(s) apólice(s) para contas bancárias mantidas nos EUA 6) Existência de Procuração ou outra forma de atribuição de poderes concedida a uma pessoa com um endereço nos EUA 7) Um endereço postal com características de ao cuidado de como único endereço disponibilizado pelo cliente. Qual é a definição de residente nos EUA? Para efeitos do número 1 da questão anterior, um cliente é residente nos EUA, se: - Tem residência permanente nos EUA; ou - É detentor de um Green Card; ou - Viveu nos EUA durante: - 31 dias no ano presente, e dias no último triénio, de acordo com uma fórmula pré-definida 1 Quando devo classificar um cliente para efeitos de FATCA? Os clientes devem ser identificados para efeitos de FATCA em várias situações: 1 N.º de dias = dias de residência durante o ano corrente (ano T) + 1/3 x dias de residência no ano passado (Ano T-1) + 1/6 x dias de residência no ano (ano T-2). Esta soma tem de ser igual ou superior a 183. FATCA - Perguntas Frequentes 5

6 - Se é um novo cliente da Generali Vida, a partir de 1 de Julho de 2014; - Se é um cliente pré-existente, mas contacta a Companhia informando de uma alteração de circunstâncias; - Se é um cliente identificado pela companhia para efeitos de due diligence (a partir de 2015); - Se é um beneficiário de uma apólice de um produto do perímetro FATCA que não foi identificado anteriormente (ex: um herdeiro legal, um novo beneficiário, ) Como classificar os novos clientes individuais? Um novo cliente individual é identificado como uma potencial US Person se tiver pelo menos um US Indicia. A busca de indícios é baseada na auto-certificação do cliente, que é fornecida no momento da abertura da primeira conta (apólice). Essa auto-certificação irá indicar taxativamente se o cliente se declara ou não como sendo uma US Person. Esta auto-certificação deve ser confrontada com os restantes elementos informativos disponíveis, concretamente no formulário da proposta e restante documentação que lhe esteja anexa. Se não existirem incoerências (p. ex.: o cliente declara não ser uma US Person mas apresenta nacionalidade dos EUA), então o passo seguinte é a classificação do cliente e a continuidade do processo de emissão da apólice. Em caso de incoerência (p. ex.: o cliente declara não ser uma US Person mas apresenta residência nos EUA), então é necessário pedir esclarecimentos adicionais e eventualmente documentos que suportem os dados preenchidos. Os clientes individuais são classificados em duas categorias: US Person; Non US Person. Como classificar os novos clientes pessoas colectivas? Os novos clientes que sejam pessoas colectivas são classificados para efeitos de FATCA de acordo com um conjunto de critérios específicos para o efeito. As empresas com sede social nos EUA são classificadas como US Persons especificadas 2. As entidades não financeiras com sede social fora dos EUA são classificadas de acordo com a sua estrutura accionista. Devem ser obtidos documentos comprovativos da estrutura de propriedade da pessoa colectiva, de forma a determinar os sócios/accionistas com 25% ou mais dos direitos de voto da pessoa colectiva. Caso um ou mais proprietários sejam US Persons, a entidade deve ser classificada como tal. Espera-se que este caso seja de probabilidade reduzida de ocorrência. As entidades financeiras com sede social fora dos EUA são classificadas de acordo com a sua participação no FATCA. Se forem participantes, deve ser obtido o número de registo no IRS dos EUA (GIIN). Caso contrário devem ser classificadas como não participantes. Refira-se que estes casos são de muito baixa probabilidade de ocorrência. Que documentos devem ser solicitados para identificar clientes para efeitos do FATCA? De acordo com as especificidades de pessoas singulares e colectivas, nacionais e estrangeiros, é necessário obter os seguintes documentos, referentes a Tomadores, Pessoas Seguras (se diferentes do tomador), Beneficiários em caso de vida (se identificados na proposta): Residentes : 1) Pessoas singulares: a) Formulário de auto-certificação pessoa singular (incluído na proposta) 2 Existe um conjunto de entidades com local de estabelecimento nos EUA mas que não podem ser classificadas como US Persons especificadas (sendo mesmo muito improvável que a Companhia venha a tê-las como clientes): empresas regularmente cotadas em bolsa; o estado federal americano, uma sua agência ou empresa pública (p. ex.: CIA, serviços postais dos EUA) ou ainda uma empresa detida a 100% por uma destas entidades; qualquer estado ou território dos EUA; certos tipos de entidades (fundos de pensões individuais, bancos, companhias de investimento regulamentadas). Todas estas entidades são classificadas como Other Than Specified US Persons. FATCA - Perguntas Frequentes 6

7 Não residentes b) Documento de identificação civil (Cartão de Cidadão, Bilhete de Identidade) c) Documento de identificação fiscal (Cartão de Contribuinte, caso não tenha sido apresentado Cartão de Cidadão) d) Documento comprovativo de residência portuguesa (carta de condução, factura de fornecimento de serviço água, luz - com morada coincidente com a da proposta) 2) Pessoas colectivas: a) Formulário de auto-certificação pessoa colectiva (incluído na proposta) b) Documento de identificação societária/fiscal (Cartão de pessoa colectiva) c) Documento comprovativo do local de estabelecimento (certidão do Registo Comercial) d) Documento comprovativo da sua composição societária (sócios ou accionistas), e do montante da sua participação (certidão do registo comercial) e) Documentos de identificação dos sócios ou accionistas, como pessoas singulares (tal como em 1)). 3) Pessoas singulares: a) Formulário de auto-certificação pessoa singular (incluído na proposta) b) Documento de identificação civil (se não tiverem documento nacional, outro que o substitua, com fotografia e assinatura, o passaporte ou autorização de residência tratando-se de cidadão de país não europeu) c) Documento de identificação fiscal (equivalente ao nosso cartão de contribuinte, se não possuir este) 4) Pessoas colectivas: a) Formulário de auto-certificação pessoa colectiva (incluído na proposta) b) Documentos de identificação societária/fiscal (equivalente ao cartão de pessoa colectiva) c) Documento comprovativo do local de estabelecimento e da composição societária (equivalente à certidão do registo comercial) d) Documentos de identificação dos sócios ou accionistas, como pessoas singulares. O que acontece se o tomador, a pessoa segura ou o beneficiário forem pessoas distintas? No caso de serem nomeadas na proposta outras pessoas para além do tomador, então os mesmos procedimentos e regras aplicam-se a essas pessoas, uma por uma. O que devo fazer se o cliente apresentar US Indicia? Apenas no caso de se verificar haver entre as pessoas identificadas US indicia, para além do preenchimento dos dados de auto-certificação, devem preencher um formulário W-8BEN ou W-9 que lhe seja apropriado, conforme identificados na autocertificação. Devem ainda apresentar: a) Para local de nascimento nos EUA: os documentos que garantam a cidadania noutro Estado (ex. cartão de cidadão ou passaporte não americano) e o documento comprovativo da perda de nacionalidade americana (Certificate of Loss of Nacionality); b) Para outros indícios: os documentos que garantam a cidadania noutro Estado (ex. passaporte não americano). Se for cidadão dos EUA ou residente, mesmo que seja contribuinte fiscal noutro país, será sempre a considerar como residente dos EUA para efeitos fiscais. O que são os formulários W-8BEN e W-9? FATCA - Perguntas Frequentes 7

8 Os formulários W-8 e W-9 são impressos criados pelo IRS dos EUA destinados à recolha e certificação de dados sobre o estatuto do cliente quanto ao fisco desse país. São lá incluídos dados básicos, como sejam o nome, morada ou o n.º fiscal dos EUA. Para pessoas colectivas existe uma versão específica para o formulário W-8BEN (W-8BEN-E). E se um cliente se recusar a facultar os dados necessários? Se um cliente se recusar a fornecer os dados necessários, deverá recusar-se o prosseguimento da operação. Para seguros de grupo, é necessário solicitar os elementos referentes a cada uma das pessoas seguras? Para os produtos de grupo que fazem parte do perímetro FATCA, o mais provável é ser necessário. Apenas estão dispensados desta diligência, substituída por uma declaração por parte do tomador do seguro em como não fazem parte do grupo US Persons, as apólices que reúnam cumulativamente, as seguintes condições: 1) O tomador é o empregador das pessoas seguras, cujo número é igual ou superior a 25 2) As pessoas seguras têm direito a receber o valor do saldo da sua conta e nomear beneficiários em caso de morte 3) O valor acumulado a pagar a qualquer pessoa segura não excede US$ Caso pelo menos uma destas três condições não se verifique, então será necessário identificar as pessoas seguras, de acordo com as regras estabelecidas para os contratos individuais. Se um cliente quiser efectuar uma entrega extraordinária numa apólice em vigor, é necessário pedir os elementos de identificação e classificá-lo? Se apólice for pré-existente a 1 de Julho de 2014 e o cliente não apresentar nenhuma alteração relevante aos seus dados pessoais, então não é necessário. É o caso, por exemplo, de uma entrega feita via Multibanco. Se apólice não for pré-existente a 1 de Julho de 2014, então é suposto já ter sido feita esta diligência. O que é uma alteração de circunstâncias? É uma modificação dos dados pessoais de um cliente já classificado para efeitos de FATCA, resultante de um evento de vida (p. ex.: casamento com obtenção de cidadania dos EUA, colocação profissional no estrangeiro, alteração nos sócios de uma empresa, etc.) que implique a alteração da classificação para efeitos de FATCA. No evento de uma alteração de circunstâncias, detectado pela Companhia, agente ou comunicada pelo cliente, é necessário proceder a toda a diligência de classificação, com os pedidos de documentação subjacentes. O que acontece em caso de pagamento de benefícios (resgate, vencimento)? No momento da maturidade da apólice, ou em caso de resgate antecipado (total ou não), deve obter-se informação acerca da classificação do beneficiário para efeitos de FATCA. Caso o beneficiário não esteja ainda classificado, deve seguir-se os mesmos procedimentos que se seguem no momento da entrada de novos clientes; caso contrário, deve verificar se existe alguma discrepância nos dados pessoais apresentados versus aqueles que a Companhia possui em sistema. Existindo uma alteração de circunstâncias, deve seguir-se os mesmos procedimentos que se seguem no momento da entrada de novos clientes; não havendo alteração de circunstâncias, deve prosseguir-se com a operação normalmente. FATCA - Perguntas Frequentes 8

9 A Companhia vai monitorizar a carteira existente? Sim. A Generali Vida é obrigada a monitorizar anualmente a carteira existente, em função dos saldos acumulados do cliente, em busca de US Indicia. Caso os encontre, irá iniciar um procedimento de due diligence, com o intuito de obter os dados necessários, conforme descrito anteriormente. Para clientes de alto valor (> US$ ) estes deveres são reforçados. A Companhia tem de reportar dados às autoridades? Sim. A partir de 2015, alguns dados básicos acerca de clientes classificadas como US Persons ou clientes que não forneçam todos os dados necessários à sua classificação deverão ser reportados à Autoridade Tributária portuguesa, no contexto do acordo intergovernamental e da legislação nacional que irá regular a aplicação do FATCA em Portugal. A Companhia irá apoiar a sua rede de distribuição de alguma forma? Sim. A Companhia irá disponibilizar material formativo e irá ministrar acções de formação, quer interna quer externa. Além disso, irá implementar informaticamente todas as melhorias ao nível de software (portal do agente), controlos e avisos necessários ao cumprimento das diligências FATCA. Também os formulários necessários irão ser disponibilizados e as propostas de seguro e condições gerias irão ser alteradas. Quem posso contactar para mais ajuda sobre o FATCA? Pode contactar a sua hierarquia comercial da Generali. Pode também contactar a função de Compliance da Companhia, pelo A Generali irá implementar sessões de formação para transmitir os conhecimentos necessários sobre o FATCA e as instruções operacionais respectivas por toda a sua estrutura e pelas suas redes de distribuição. FATCA - Perguntas Frequentes 9

FATCA - Foreign Account Tax Compliance Act

FATCA - Foreign Account Tax Compliance Act FATCA - Foreign Account Tax Compliance Act CARTILHA PARA CLIENTES Julho de 2014 Breve descrição sobre a legislação norte-americana denominada FATCA (Foreign Account Tax Compliance Act) formulada para combater

Leia mais

PPR + SEGURO. Proposta de Seguro. Anos. Candidato a Tomador de Seguro. Pessoa Segura (se diferente do Tomador do Seguro)

PPR + SEGURO. Proposta de Seguro. Anos. Candidato a Tomador de Seguro. Pessoa Segura (se diferente do Tomador do Seguro) PPR + SEGURO Proposta de Seguro Fraccionamento Regular: PRÉMIO REGULAR Anual Semestral Trimestral Mediador N.º Início do Seguro Duração do contrato Anos PRÉMIO ÚNICO Mensal Candidato a Tomador de Seguro

Leia mais

CONFIDENCIAL PARA USO EXCLUSIVO DO B.I.S.T.P FICHA DE CLIENTE EMPRESAS IDENTIFICAÇÃO DA IDENTIDADE DADOS COMPLEMENTARES. www.bistp.st AGÊNCIA N.

CONFIDENCIAL PARA USO EXCLUSIVO DO B.I.S.T.P FICHA DE CLIENTE EMPRESAS IDENTIFICAÇÃO DA IDENTIDADE DADOS COMPLEMENTARES. www.bistp.st AGÊNCIA N. Limpar dados CONFIDENCIAL PARA USO EXCLUSIVO DO B.I.S.T.P FICHA DE CLIENTE EMPRESAS AGÊNCIA N.º CONTA N.º AS ZONAS SOMBREADAS SERÃO PREENCHIDAS PELOS SERVIÇOS DO BANCO IDENTIFICAÇÃO DA IDENTIDADE PESSOA

Leia mais

FATCA Foreign Account Tax Compliance Act. Junho de 2013

FATCA Foreign Account Tax Compliance Act. Junho de 2013 FATCA Foreign Account Tax Compliance Act Junho de 2013 Aprovação e objectivos Aspectos introdutórios Aprovado pelo Governo norte-americano a 18 de Março de 2010, como parte integrante do Hiring Incentives

Leia mais

Solução Poupança Zurich Solução Investimento Zurich

Solução Poupança Zurich Solução Investimento Zurich olução Poupança Zurich olução Investimento Zurich Proposta de eguro (preencher com maiúsculas) Zonas de cor a preencher pela Zurich Cliente n.º Cliente Associado Mediador Proposta n.º Gestor egócio Cob.

Leia mais

BIG Alocação Condições Gerais

BIG Alocação Condições Gerais ARTIGO PRELIMINAR Entre a, e o Tomador do Seguro mencionado nas Condições Particulares é estabelecido o contrato de seguro que se regula pelas, Especiais e Particulares da Apólice, de acordo com as declarações

Leia mais

FICHA PROPOSTA DE ABERTURA DE CONTA E ADESÃO A PRODUTOS E SERVIÇOS PESSOA JURÍDICA

FICHA PROPOSTA DE ABERTURA DE CONTA E ADESÃO A PRODUTOS E SERVIÇOS PESSOA JURÍDICA FICHA PROPOSTA DE ABERTURA DE CONTA E ADESÃO A PRODUTOS E SERVIÇOS PESSOA JURÍDICA AGÊNCIA NÚMERO DA CONTA NÚMERO REFERENCIAL RESPONSÁVEL PELA CONTA PEP (PESSOA EXPOSTA POLITICAMENTE) NOME EMPRESARIAL

Leia mais

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro Não dispensa a consulta do regulamento publicado em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 19/2007-R, de 31 de Dezembro Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Leia mais

BASES DO CONTRATO...3

BASES DO CONTRATO...3 UNIT LINKED DB VIDA Condições Gerais...2 1. DEFINIÇÕES...2 2. BASES DO CONTRATO...3 3. INÍCIO E DURAÇÃO DO CONTRATO...4 4. ÂMBITO DA COBERTURA...4 5. GESTÃO DAS UNIDADES DE PARTICIPAÇÃO...4 6. PRÉMIOS...6

Leia mais

FICHA CADASTRAL DE CLIENTE PESSOA FÍSICA

FICHA CADASTRAL DE CLIENTE PESSOA FÍSICA Código do Distribuidor (uso interno): FICHA CADASTRAL DE CLIENTE PESSOA FÍSICA Código do Cliente (uso interno): Parte I Dados do Titular (1) Nome do Investidor: Data de Nascimento: Nacionalidade: Local

Leia mais

Seguro Poupança Crescente. Condições Gerais e Especiais da Apólice. www.ocidentalseguros.pt

Seguro Poupança Crescente. Condições Gerais e Especiais da Apólice. www.ocidentalseguros.pt Ocidental Companhia Portuguesa de Seguros de Vida, SA. Sede: Avenida Dr. Mário Soares (Tagus Park), Edifício 10, Piso 1, 2744-002 Porto Salvo. Pessoa coletiva n.º 501 836 926, matriculada sob esse número

Leia mais

Transparência Fiscal TROCA AUTOMÁTICA DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS

Transparência Fiscal TROCA AUTOMÁTICA DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS Transparência Fiscal TROCA AUTOMÁTICA DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS Troca automática de informações Uma verdadeira revolução está em curso relativamente à troca de informações financeiras em matéria fiscal.

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto

CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto AVISO N.º 21/2012 De acordo com o disposto na Convenção das Nações Unidas contra a Criminalidade Organizada Transnacional (Convenção de Palermo) de 2000, aprovada pela Assembleia Nacional, através da Resolução

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Anteprojecto. Decreto-Lei n.o.../2011 de,.. Objecto

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Anteprojecto. Decreto-Lei n.o.../2011 de,.. Objecto Proposta de Lei n.o.... Anteprojecto de Decreto-Lei n.o.../2011 de,.. [...] Foi ouvido, a título facultativo, Banco de Portugal. Assim: No uso da autorização legislativa concedida pelos artigos [...] da

Leia mais

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE Prospecto Informativo TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE ICAE NÃO NORMALIZADO Os elementos constantes deste prospecto informativo reportam-se a 31 de Dezembro de 2009 (actualização dos ns.8, 9 e 10 da Parte III)

Leia mais

SEXO M F PROFISSÃO ATUAL PROFISSÃO ATUAL 5 ANOS E 1 DIA 8 ANOS E 1 DIA 15 ANOS Nº DE CONTRIBUINTE (*)

SEXO M F PROFISSÃO ATUAL PROFISSÃO ATUAL 5 ANOS E 1 DIA 8 ANOS E 1 DIA 15 ANOS Nº DE CONTRIBUINTE (*) POUPANÇA E INVESTIMENTO PROPOSTA DE SEGURO POUPANÇA OBJETIVO PREENCHER A CANETA PRETA A ACEITAÇÃO DO SEGURO AQUI PROPOSTO SÓ PODE SER CONSIDERADA DESDE QUE TODOS OS CAMPOS DA PROPOSTA SEJAM RESPONDIDOS

Leia mais

Condições Gerais Generali +Poupança

Condições Gerais Generali +Poupança Condições Gerais Generali +Poupança Generali Vida Companhia de Seguros S.A. Sede: Rua Duque de Palmela, n.º 11 1269-270 Lisboa Tel. 213 112 800 Fax. 213 563 067 Email: generali@generali.pt www.generali.pt

Leia mais

ZÁS - Zurich Absolutamente Simples

ZÁS - Zurich Absolutamente Simples Apoio à subscrição, ligue: 962 021 370 E-mail para envio de propostas: vaiseguro.seguros@gmail.com ota: anexar cópia cartão cidadão ou BI + Contribuinte ZÁ - Zurich Absolutamente imples Proposta de eguro

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

EUROVIDA PPR (Proposta de Seguro)

EUROVIDA PPR (Proposta de Seguro) Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. Sede Social: 1099-090 Lisboa Portugal CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro 02.01.2013 (Proposta de Seguro) Proposta: Apólice: Cliente:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio.

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio. CONDIÇÕES GERAIS 1 Definições Para efeitos deste Contrato, entende-se por: 1.1 Partes envolvidas no contrato Empresa de seguros VICTORIA - Seguros de Vida, S.A., entidade que emite a apólice e que, mediante

Leia mais

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro PROJECTO NORMA REGULAMENTAR N.º X/2007-R, de Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro A Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro, regulamentou o Decreto-Lei

Leia mais

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE PROSPECTO SIMPLIFICADO ICAE INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (NÃO NORMALIZADO) Os elementos constantes deste Prospecto Simplificado reportam-se a 30 de Abril de 2009

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS PARTE I - Princípios gerais Artigo 1 - Âmbito de aplicação As disposições da parte I do presente Estatuto aplicam-se aos benefícios fiscais nele previstos, sendo extensivas

Leia mais

Selecione CERTIFICAR SUA CONTA para começar.

Selecione CERTIFICAR SUA CONTA para começar. A Foreign Status Certification (Certificado de status de estrangeiro) é obrigatória. Clique em Certify your account for foreign status (Certificar status de estrangeiro em sua conta) e responda a todas

Leia mais

GUIÃO DE PREENCHIMENTO DO FOMULÁRIO DE PEDIDO DE APOIO PRODERAM SUBPROGRAMA 3 MEDIDAS 3.1 E 3.2 ABORDAGEM LEADER SETEMBRO DE 2009

GUIÃO DE PREENCHIMENTO DO FOMULÁRIO DE PEDIDO DE APOIO PRODERAM SUBPROGRAMA 3 MEDIDAS 3.1 E 3.2 ABORDAGEM LEADER SETEMBRO DE 2009 GUIÃO DE PREENCHIMENTO DO FOMULÁRIO DE PEDIDO DE APOIO PRODERAM SUBPROGRAMA 3 MEDIDAS 3.1 E 3.2 ABORDAGEM LEADER SETEMBRO DE 2009 1 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Nota: Antes de

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

EMBAIXADA DE PORTUGAL PRAIA SECÇÃO CONSULAR VISTOS DE ESTUDO 2015/16. Informações Gerais:

EMBAIXADA DE PORTUGAL PRAIA SECÇÃO CONSULAR VISTOS DE ESTUDO 2015/16. Informações Gerais: S. R. EMBAIXADA DE PORTUGAL PRAIA SECÇÃO CONSULAR Fevereiro/2015 VISTOS DE ESTUDO 2015/16 Informações Gerais: Fases do processo 1. Envio de listas com indicação dos candidatos: Enviadas até 10 de Julho;

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

Nota 2014-07-22. Enquadramento

Nota 2014-07-22. Enquadramento Nota Reg (CE) 1407/2013 da Comissão, de 18 de dezembro, relativo à aplicação dos artigos 107º. e 108º. do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia aos auxílios de minimis Conceito de empresa única

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4 REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS Capítulo I - Disposições Gerais... 2 Capítulo II... 4 Secção I - Serviços de Saúde... 4 Secção II - Complementos de Reforma... 5 Capítulo III - Benefícios suportados pelo Fundo

Leia mais

Ficha Cadastral Pessoa Física

Ficha Cadastral Pessoa Física 1 - Identificação do Cliente CPF: Endereço Residencial: Número: Complemento Endereço Correspondência/Carnê Número: Complemento RG: Data de Expedição: UF: Órgão Emissor: Naturalidade: Data Nascimento: /

Leia mais

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança PROCEDIMENTO EXTRAJUDICIAL PRÉ-EXECUTIVO A Lei n.º 32/2014, de 30 de Maio, aprovou o procedimento extrajudicial pré-executivo (PEPEX), que visa a identificação de bens penhoráveis antes de ser instaurada

Leia mais

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Dezembro de 2004 1/6 Parte I Informações sobre a empresa de seguros 1. Denominação ou firma da empresa de seguros: Companhia de Seguros

Leia mais

RENDA SEMESTRAL BES VIDA 2014 2ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO)

RENDA SEMESTRAL BES VIDA 2014 2ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO) Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las RENDA SEMESTRAL BES VIDA 2014 2ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO) Entidade Gestora: BES-VIDA, COMPANHIA DE SEGUROS,

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO POUPANÇA AUTO PREENCHER A CANETA PRETA

PROPOSTA DE SEGURO SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO POUPANÇA AUTO PREENCHER A CANETA PRETA POUPANÇA E INVESTIMENTO PROPOSTA DE SEGURO SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO PREENCHER A CANETA PRETA SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO 3 0 ALTERAÇÃO À APÓLICE Nº (*) AGÊNCIA/AGENTE Nº FM IB CONTA COBRANÇA Nº (*) PREENCHER

Leia mais

Fidelity Poupança. Condições Gerais e Especiais

Fidelity Poupança. Condições Gerais e Especiais 1. DEFINIÇÕES 1.1. Para os efeitos do presente Contrato, entende-se por:» I.C.A.E.: Instrumento de Captação de Aforro Estruturado ;» Seguradora: ;» Tomador de Seguro: a Entidade que celebra o Contrato

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo PROCEDIMENTOS GERAIS PARA O REGISTO DE EMPRESAS EM PORTUGAL As sociedades estrangeiras podem praticar as suas actividades em Portugal através da constituição de uma representação permanente no território

Leia mais

Elementos e documentação exigidos pelos prestadores para a celebração de contratos de serviço telefónico. PT Comunicações

Elementos e documentação exigidos pelos prestadores para a celebração de contratos de serviço telefónico. PT Comunicações http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=106159 Elementos e documentação exigidos pelos prestadores para a celebração de contratos de serviço telefónico PT Comunicações Os elementos e documentação

Leia mais

Abertura de cliente - Empresas Caixa Económica de Cabo Verde

Abertura de cliente - Empresas Caixa Económica de Cabo Verde AMC.FM.001.00 2011.10.17 1/2 Abertura de cliente - Empresas Caia Económica de Cabo Verde Agência Nº de cliente Empresa titular Tomei (ámos) conhecimento das condicões de depósito em vigor na Caia Económica

Leia mais

Mais informações e atualizações desta obra em www.homepagejuridica.net

Mais informações e atualizações desta obra em www.homepagejuridica.net Título: Regime de comunicação de informações financeiras Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas: 18 páginas Formato: PDF (Portable Document Format)

Leia mais

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR Este documento apresenta-se como um resumo das Condições Gerais e Especiais do seguro Prévoir PPR e não dispensa a consulta integral das mesmas. SEGURADOR FINALIDADE SEGMENTO-ALVO CONDIÇÕES DE SUBSCRIÇÃO

Leia mais

DETERMINO: CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto

DETERMINO: CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto AVISO N.º 22/2012 De acordo com o disposto na Convenção das Nações Unidas contra a Criminalidade Organizada Transnacional (Convenção de Palermo) de 2000, aprovada pela Assembleia Nacional através da Resolução

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

EoL Empresa Online Manual de Utilização

EoL Empresa Online Manual de Utilização EoL Empresa Online Manual de Utilização Procedimentos da Empresa Online 1. Reservar o Nome da Empresa 2. Inserir informação da Empresa 3. Inserir informação da Empresa (Participantes da Sociedade) 4. Aderir

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL A República Portuguesa e Belize a seguir designadas por as Partes, Desejando facilitar a troca de informações em

Leia mais

Plano Empresas Reforma

Plano Empresas Reforma Plano Empresas Reforma Condições gerais e especiais 1110599-01.20104 Pela protecção dos valores da vida. Liberty Seguros, S.A. - Av. Fontes Pereira de Melo, n.º 6 1069-001 Lisboa Telef. 808 243 000 - Fax

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 65.01 Informação actualizada a: 04/04/2011 Designação Comercial: Fidelity Poupança Data de início de Comercialização: 01/02/2007 Empresa de Seguros Entidade Comercializadora Autoridades de

Leia mais

GOLDEN VISA. Autorização de Residência INFORMAÇÃO LEGAL I. AUTORIZAÇÃ O DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIDORES ESTRANGEIROS

GOLDEN VISA. Autorização de Residência INFORMAÇÃO LEGAL I. AUTORIZAÇÃ O DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIDORES ESTRANGEIROS INFORMAÇÃO LEGAL GOLDEN VISA I. AUTORIZAÇÃ O DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIDORES ESTRANGEIROS As disposições legais em vigor admitem a possibilidade de cidadãos estrangeiros não residentes na União Europeia

Leia mais

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET Código do cliente: FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET Assessor: PESSOA JURÍDICA F.P07.003.06 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CLIENTE Razão Social Completa (sem abreviações) CNPJ Inscrição Estadual Nº Registro e Órgão

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho Publicado em DR I.ª Série n.º 129 de 9 de Julho AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho ASSUNTO: AQUISIÇÃO OU AUMENTO DE PARTICIPAÇÕES QUALIFICADAS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Havendo a necessidade de se adequar

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal Comissão Mercados e Valores Mobiliários. PPR Protecção Global Premium (I.C.A.E.)

Instituto de Seguros de Portugal Comissão Mercados e Valores Mobiliários. PPR Protecção Global Premium (I.C.A.E.) Mod. Versão 62-02 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: Data início de Comercialização: 22/09/2007 Data fim de Comercialização: em comercialização Empresa de Seguros Entidades Comercializadoras

Leia mais

O seu número e cartão de Seguro Social

O seu número e cartão de Seguro Social O seu número e cartão de Seguro Social O seu número e cartão de Seguro Social Um número de Seguro Social (Social Security) é importante porque você precisa dele para arranjar emprego, receber pensões de

Leia mais

ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7

ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7 ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7 IDENTIFICAÇÃO (Denominação Social) (Denominação Abreviada) Residente Sim Não ( da Sede) (Localidade) (Código Postal) (País) (1º Telefone Empresa) (2º Telefone Empresa)

Leia mais

MENSAGEM N 36, DE 2015

MENSAGEM N 36, DE 2015 CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N 36, DE 2015 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo entre o Governo da República Federativa do

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO LEVE PPR

PROPOSTA DE SEGURO LEVE PPR PROPOSTA DE SEGURO LEVE PPR Código Mediador Agência Mediador Entidade Cobradora 1. Tomador do Seguro / Pessoa Segura Nº Cliente (*) (*) Se é Cliente Império Bonança, preencha este campo Morada Código Postal

Leia mais

MINUTA. Ccent. n.º [identificação da operação de concentração] DOCUMENTO DE COMPROMISSOS ASSUMIDOS PERANTE A AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA

MINUTA. Ccent. n.º [identificação da operação de concentração] DOCUMENTO DE COMPROMISSOS ASSUMIDOS PERANTE A AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA MINUTA Ccent. n.º [identificação da operação de concentração] DOCUMENTO DE COMPROMISSOS ASSUMIDOS PERANTE A AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA 1. Nos termos do n.º 3 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO)

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Empresa de Seguros PROSPECTO SIMPLIFICADO (Dezembro de 2009) CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Data de início de comercialização a 2 de Dezembro de 2009 Nome

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

SEGURO INVESTIDOR GLOBAL FUNDO AUTÓNOMO ESTRATÉGIA AGRESSIVA AÇÕES

SEGURO INVESTIDOR GLOBAL FUNDO AUTÓNOMO ESTRATÉGIA AGRESSIVA AÇÕES Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO INVESTIDOR GLOBAL FUNDO AUTÓNOMO

Leia mais

Condições Gerais EUROVIDA PPR

Condições Gerais EUROVIDA PPR Artigo Preliminar Entre a Eurovida, Companhia de Seguros S.A. e o Tomador de Seguro identificado nas Condições Particulares celebra-se o presente contrato de seguro individual que se regula pelas presentes

Leia mais

FAQ S Certificação Software GM

FAQ S Certificação Software GM FAQ S Certificação Software GM Macwin - Sistemas Informáticos S.A. A Portaria nº 363/2010, de 23 de Junho de 2010, regulamentou o processo de certificação dos programas informáticos de facturação tendo

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

F.A.T.C.A. Foreign Account Tax Compliance Act Apresentação à ABBC

F.A.T.C.A. Foreign Account Tax Compliance Act Apresentação à ABBC F.A.T.C.A. Foreign Account Tax Compliance Act Apresentação à ABBC Fevereiro/2013 OVERVIEW: HISTÓRICO, FFIS, IMPOSTO NA FONTE, US PERSONS. HISTÓRICO ALVO: FAT CATS. Resposta aos escândalos, envolvendo diversos

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado

Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado A Direção-Geral do Consumidor (DGC) apresenta um conjunto de respostas às perguntas suscitadas com maior frequência. Em caso de dúvida,

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO PPR POUPANÇA ACTIVA PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PROSPECTO SIMPLIFICADO PPR POUPANÇA ACTIVA PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Mod. Versão 61-13 Informação actualizada a: 01/07/2009 Designação Comercial: PPR Poupança Activa Data início de Comercialização: 02/01/2006 Empresa de Seguros, Sociedade Anónima com endereço da sede social

Leia mais

Ordem de Constituição de Aplicação Conjunta de DEPÓSITO BOLSA GARANTIDO EUA E JAPÃO e SUPER DEPÓSITO BIG 6%

Ordem de Constituição de Aplicação Conjunta de DEPÓSITO BOLSA GARANTIDO EUA E JAPÃO e SUPER DEPÓSITO BIG 6% Ordem de Constituição de Aplicação Conjunta de DEPÓSITO BOLSA GARANTIDO EUA E JAPÃO e SUPER DEPÓSITO BIG 6% Identificação do Cliente Nº. de Conta D.O. Nome Completo Morada Localidade Nº Contribuinte Telefone

Leia mais

Comissão Mercados e Valores Mobiliários. Existe a possibilidade de perda do montante investido.

Comissão Mercados e Valores Mobiliários. Existe a possibilidade de perda do montante investido. Mod. Versão 60-60 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: PPR/E Poupança Activa (I.C.A.E.) Data início de Comercialização: 02/01/2006 Data fim de Comercialização: 26/07/2006 Empresa

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Protecção Vida Empresas RAMO VIDA GRUPO - TEMPORÁRIO ANUAL RENOVÁVEL

CONDIÇÕES GERAIS. Protecção Vida Empresas RAMO VIDA GRUPO - TEMPORÁRIO ANUAL RENOVÁVEL CONDIÇÕES GERAIS Protecção Vida Empresas RAMO VIDA GRUPO - TEMPORÁRIO ANUAL RENOVÁVEL CONDIÇÕES GERAIS Protecção Vida Empresas RAMO VIDA GRUPO - TEMPORÁRIO ANUAL RENOVÁVEL 3 DEFINIÇÕES DISPOSIÇÕES FUNDAMENTAIS

Leia mais

FATCA Próximos Passos

FATCA Próximos Passos FATCA Próximos Passos Falso FATCA The Latest 2 News on FATCA and Voluntary Disclosure Rules in the US 2011 Baker & McKenzie 2 Qual o impacto do FATCA? Minha instituição financeira não será afetada pois

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO PPR PLANO PROTECÇÃO ACTIVA PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PROSPECTO SIMPLIFICADO PPR PLANO PROTECÇÃO ACTIVA PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Mod. Versão 62-03 Informação actualizada a: 09/09/2009 Designação Comercial: Data início de Comercialização: 17/07/2009 Empresa de Seguros, Sociedade Anónima com endereço da sede social na Av. Columbano

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio Mensal Vitalício (4004 v4.16) PROPRIEDADE

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

Informação 2013 / 18 15/10/2013. Fundos de Compensação do Trabalho (FGCT, FCT, ME)

Informação 2013 / 18 15/10/2013. Fundos de Compensação do Trabalho (FGCT, FCT, ME) Informação 2013 / 18 15/10/2013 Fundos de Compensação do Trabalho (FGCT, FCT, ME) Estimado Cliente, A Lei nº 70/2013, de 30 de agosto, veio consagrar os regimes jurídicos do Fundo de Compensação do Trabalho

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSO HUMANOS FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS OBJECTIVOS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL A Formação Profissional tem como objectivos:

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS 1/5 POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1 2. DEFINIÇÕES... 1 3. PRINCÍPIOS E NORMAS DE ATUAÇÃO... 2 3.1. PRINCÍPIO DA NÃO DISCRIMINAÇÃO... 2 3.2.

Leia mais

SEGURO INVESTIDOR GLOBAL FUNDO AUTÓNOMO ESTRATÉGIA AGRESSIVA AÇÕES

SEGURO INVESTIDOR GLOBAL FUNDO AUTÓNOMO ESTRATÉGIA AGRESSIVA AÇÕES Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO INVESTIDOR GLOBAL FUNDO AUTÓNOMO

Leia mais

Guia do Candidato. http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/

Guia do Candidato. http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/ http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/ Recomendações Gerais para Preenchimento do Formulário de Candidatura: Reunir informação: Para o correcto preenchimento do formulário de candidatura deverá ter consigo os

Leia mais

IATA TRAVEL AGENT CHANGE GUIDE. Portugal. 2015 Change Guide International Air Transport Association 1

IATA TRAVEL AGENT CHANGE GUIDE. Portugal. 2015 Change Guide International Air Transport Association 1 IATA TRAVEL AGENT CHANGE GUIDE Portugal 2015 Change Guide International Air Transport Association 1 CHECK LIST Change of Shareholding - Alteração de Accionistas Abaixo encontram-se mencionados os documentos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se

Leia mais

REQUERIMENTO Documentos de estabelecimentos privados de ensino superior

REQUERIMENTO Documentos de estabelecimentos privados de ensino superior IESE A preencher pelos serviços Despacho DSSRES: Data: Índice n.º RD: Data: Selo de registo de entrada na DGES REQUERIMENTO Documentos de estabelecimentos privados de ensino superior Este formulário destina-se

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Junho de 2015 Designação: Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Classificação: Caracterização do Depósito: Produto financeiro complexo Depósito

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

Obrigações de Caixa Euro Dólar Premium Instrumento de Captação de Aforro Estruturado

Obrigações de Caixa Euro Dólar Premium Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Obrigações de Caixa Euro Dólar Premium Instrumento de Captação de Aforro Estruturado - Prospecto Informativo - I INFORMAÇÃO DE SÍNTESE INSTRUMENTO As Obrigações de Caixa Euro Dólar Premium constituem um

Leia mais

GUIA DE APOIO CANDIDATURA

GUIA DE APOIO CANDIDATURA Ano 2013 Câmara Municipal de Lisboa Direção Municipal Habitação e Desenvolvimento Social GUIA DE APOIO CANDIDATURA Indice RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA... 3 SIMULADOR...

Leia mais

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009.

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009. orquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a ORTO

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

TOTAL, S.A. Deste modo, considera-se estarem reunidos os requisitos para a dispensa de divulgação de prospecto na presente OFERTA.

TOTAL, S.A. Deste modo, considera-se estarem reunidos os requisitos para a dispensa de divulgação de prospecto na presente OFERTA. TOTAL, S.A. Sede: 2, place de la Coupole, La Défense 6 92400 Courbevoie Capital Social: 5.988.830.242,50 euros Registada no Registre Commerce et Sociétés sob o número: 542 051 180 Documento informativo

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL Os regimes dos Golden Visa e dos Residentes Não Habituais Enquadramento legal António Raposo Subtil / João Ricardo Nóbrega (Managing Partners RSA) ENQUADRAMENTO

Leia mais

O artigo 51º do CIRC estabelece que os dividendos recebidos por sociedades portuguesas são totalmente excluídos de tributação sempre que:

O artigo 51º do CIRC estabelece que os dividendos recebidos por sociedades portuguesas são totalmente excluídos de tributação sempre que: DESTAQUE Novembro de 2010 FISCAL Proposta de alterações aos mecanismos para evitar a dupla tributação económica de dividendos A Proposta de Lei do Orçamento de Estado para 2011 ( Proposta de OE 2011 )

Leia mais