Contributos para a agilização do processo de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do ensino superior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contributos para a agilização do processo de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do ensino superior"

Transcrição

1 Contributos para a agilização do processo de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do ensino superior 1. Contexto A atribuição de bolsas de estudo a estudantes de ensino superior encontra-se actualmente prevista no Decreto-Lei n.º 129/93 de 22 de Abril, alterado pelo Decreto-Lei n.º 204/2009, de 31 de Agosto, sendo regulada pelo Despacho n.º B/2011 (2.ª série, n.º184, de 23.09), do Secretário de Estado do Ensino Superior. Apesar de o actual regulamento de atribuição de bolsas de estudo (doravante designado apenas regulamento) apenas ter entrado em vigor no presente ano lectivo, uma parte substancial dos seus princípios e disposições encontrava-se já plasmada no anterior regulamento. Devido a isso, a experiência de análise de processos de bolsas de estudo não se resume apenas à experiência adquirida nos últimos meses mas a um período mais alargado, onde foi já possível experimentar as potencialidades dos novos mecanismos electrónicos, para além de algumas das suas deficiências. Neste período foi também possível perceber as dificuldades que os estudantes sentem no acesso à atribuição de bolsas de estudo, nomeadamente ao nível da incerteza sobre os sentidos prováveis de decisão e do período de espera pelo desfecho do processo de análise. Importa, por isso, proceder à análise das circunstâncias que têm dificultado o cumprimento mais eficaz dos objectivos da acção social e contribuir para estas não voltem a repetir-se futuramente. Neste sentido, os contributos que agora se apresentam incidem essencialmente sobre aspectos de ordem técnica e procedimental (onde residem a maior parte das dificuldades verificadas), não pretendendo alterar-se a regulamentação actualmente em vigor já que consideramos que essa opção viria a destabilizar novamente o sistema de acção social. 2. Dificuldades actuais O Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas tem acompanhado este processo em permanência, com discussões e monitorizações regulares, e detectou até ao momento os seguintes sinais de preocupação: a) os estudantes têm revelado algumas dificuldades em realizar a sua candidatura a bolsas de estudo quando esta ocorre em simultâneo com o seu período de avaliações. Com efeito, ainda que toda a candidatura seja desenvolvida informaticamente, existem várias diligências que os estudantes têm que realizar (recolha de documentos essenciais para a instrução do processo de candidatura, por exemplo) e que têm ficado prejudicadas por esse facto.

2 b) constata-se um elevado número de indeferimentos por instrução incompleta dos processos. Apesar de o regulamento ter vindo reduzir ao mínimo a exigência de documentos para instrução do processo, a plataforma de candidaturas a bolsa da Direcção Geral do Ensino Superior vem posteriormente exigir a entrega de todos os documentos comprovativos da situação económico-social do aluno. A situação revela-se paradoxal. Até ao momento, notamos que o sistema de acção social recusa mais bolsas de estudo por estes motivos burocráticos do que pela não elegibilidade fundada em condições sócio-económicas. c) constata-se uma indevida penalização dos estudantes por existência de dívidas de prestações à Segurança Social. O actual regulamento dispõe que é indeferido o requerimento do estudante cujos membros do agregado familiar não apresentem a situação tributária ou contributiva regularizada, exceptuando as situações em que a irregularidade não seja imputável ao agregado familiar. No entanto, tem-se verificado que um elevado número de processos que não correspondem a irregularidades contributivas têm sido indeferidos ou ameaçados de indeferimento, nomeadamente quando se verifica uma dívida de prestações à Segurança Social. Ora, estas relações são diferentes: - a relação contributiva assenta na obrigação de pagamento regular de contribuições e de quotizações por parte das pessoas singulares e colectivas que se relacionam com o sistema previdencial de Segurança Social 1. - a relação de prestações assenta na concretização dos objectivos de segurança social, através de atribuição de prestações pecuniárias e/ou em espécie aos agregados familiares com carências. Se a relação contributiva é construída no sentido contribuinte-estado, em que o primeiro deve cumprir a sua obrigação perante o segundo, já segunda relação é construída no sentido Estadobeneficiário, sendo o Estado o cumpridor da obrigação. Apesar de serem duas relações distintas, e apenas as dívidas contributivas constituírem motivo de indeferimento, os processos de candidatura têm sido bloqueados pela exigência da regularização de dívidas de prestações à Segurança Social. No entanto, estas são dívidas geradas apenas pelo pagamento indevido de prestações por parte do Estado e onde se constata que um número elevado de contribuintes não foi notificado da sua existência para que pudesse proceder ao seu pagamento. O Despacho n.º 4913/2012 (2.ª série, n.º71, de 10.04), do Secretário de Estado do Ensino Superior, veio ajudar a clarificar esta questão, ao definir as situações que correspondem a uma situação contributiva regularizada mas o tardio momento da sua publicação já não impediu que estudantes tenham sido prejudicados pelo erróneo entendimento até então em vigor. 1 Artigo 11.º, n.º 1 do Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social

3 d) desconhecimento sobre o sentido provável da decisão do processo de candidatura a bolsa. Apesar da fórmula de cálculo do valor da bolsa de estudo ser pública, constata-se que a generalidade dos candidatos continua a não ter noção sobre as possibilidades reais de lhe ser atribuída bolsa. e) imprevisibilidade sobre a data de pagamentos de bolsa de estudo. Verifica-se que as transferências das prestações mensais de bolsas não tem um carácter regular e ocorrem em momentos distintos ao longo dos meses. Naturalmente que a inexistência de uma data fixa mensal para o pagamento das bolsas de estudo torna mais complicado o planeamento e a salvaguarda dos estudantes, na medida que estes desconhecem o dia exacto em que recebem o referido pagamento. f) dificuldades no tratamento dos dados estatísticos por parte dos Serviços de Acção Social. Estas dificuldades devem-se ao facto de não existir uma coerência de termos e designações entre o regulamento e a plataforma electrónica de análise, o que torna complexa a interpretação dos dados existentes ao nível de número de candidaturas e número de processos analisados, por exemplo. Para além disso, não são conhecidos os critérios de agregação de dados que alimentam as estatísticas disponíveis no sistema nem o modo como são definidos os estados das candidaturas, o que impede a prestação de informação estatística segura e confiável. g) o processo de análise das candidaturas revela-se moroso em virtude de diversos aspectos técnicos e procedimentos relacionados com a plataforma de candidatura a bolsa de estudo, nomeadamente: i. os serviços de acção social são obrigados a fazer a análise completa de todos os processos, mesmo aqueles cujo indeferimento é inevitável desde o primeiro momento. Por exemplo: a informação sobre as capitações do agregado familiar é conhecida desde o início e é possível saber automaticamente se determinada candidatura se encontra (ou não) acima do limiar de elegibilidade. Desde o momento da submissão da candidatura, é possível saber quais as candidaturas que serão indeferidas por excesso de capitação. Apesar disso, os serviços estão vinculados a analisar todo o processo, o que provoca maior tempo de espera na análise dos demais processos. Em Março de 2012, os indeferimentos por excesso de capitação representavam 14% do total das candidaturas apresentadas e 32% do total de indeferimentos decididos (dados relativos às universidades membros do CRUP). ii. o sistema de carregamento de dados relativos ao aproveitamento escolar não está adequado para carregar eficazmente a informação de universidades cujos serviços académicos estejam descentralizados. Este é um problema específico das universidades com serviços académicos

4 distribuídos por diferentes faculdades, que obriga a um carregamento individualizado dos dados, e que conduz à demora no processo de carregamento destes dados. iii. existe pouca flexibilidade para que os serviços possam contactar os estudantes de forma expedita e rápida. Todos os contactos com os estudantes são necessariamente feitos por notificação para o respectivo, revelando-se a necessidade de existir outras formas de avisar os candidatos de falhas/faltas pontuais na sua candidatura. 3. Contributos Face às dificuldades verificadas, o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas propõe que sejam tidas em consideração as seguintes opções no processo de candidatura do ano lectivo 2012/2013. a) Definição de prazos de candidatura a bolsa de estudo não coincidentes com período de avaliação, retomando uma prática que era habitual nas universidades públicas e que definiam a data de 31 de Maio como fim do prazo de candidatura a bolsa dos estudantes já inscritos no ensino superior. No caso dos alunos que ingressam no ensino superior, não deve ser exclusiva a candidatura a bolsa de estudo em simultâneo à candidatura de acesso ao ensino superior, devendo existir um prazo suplementar de candidatura após o ingresso no ensino superior (30 dias após a matrícula). Em alternativa, sugere-se que o prazo de candidatura a bolsa de estudo esteja permanentemente aberto (como sucede com outras prestações sociais), especificando que todas as candidaturas submetidas a partir do mês de Novembro receberiam bolsa de estudo apenas a partir do mês de candidatura, exceptuando os casos legalmente enquadráveis. b) Produção de conteúdos claros e simples destinados a apoiar os estudantes a elaborar a sua candidatura a bolsa de estudo e que devem esclarecer a dúvida às questões mais frequentes, para além da explicação do próprio processo de candidatura. c) Disponibilização de um simulador de candidatura a bolsa de estudo para os estudantes candidatos ao ensino superior, a funcionar em moldes semelhantes ao simulador da plataforma do concurso nacional de acesso, com o objectivo de permitir que os estudantes testem as suas candidaturas antes da efectiva submissão. d) Disponibilização de um simulador de cálculos de bolsa de estudo, de carácter não vinculativo, que permita ao estudante prever a possibilidade de aceder a bolsa e o montante provável de bolsa base e bolsa com complementos. Os alunos devem ser informados do carácter meramente indicativo da simulação efectuada bem como da necessidade de preenchimento dos montantes reais de rendimento (especialmente aqueles que não são declarados em sede de IRS) e de outras circunstâncias que possam determinar a não atribuição de bolsa.

5 e) Definição de datas fixas para o pagamento das prestações mensais de bolsas de estudo, permitindo aos estudantes uma maior segurança na gestão dos seus recursos financeiros. f) Não consideração das notas de reposição de verbas (dívidas de prestações indevidamente pagas pela Segurança Social) no âmbito das irregularidades contributivas. g) Correcção da operação de cálculo efetuada para determinar o valor dos rendimentos empresariais e profissionais do agregado familiar. A plataforma SICABE não está a determinar este tipo de rendimentos de acordo com o disposto no artigo 22º do regulamento já que, quando existem rendimentos deste tipo que se enquadrem na contabilidade organizada (Anexo C), em sede de IRS, a plataforma considera o lucro apurado como sendo o valor dos rendimentos empresariais e profissionais do agregado familiar (e não os coeficientes previstos no regulamento). h) Disponibilização pública de dados estatísticos pela DGES. A plataforma deverá disponibilizar os dados estatísticos respeitantes a todo o processo de atribuição de bolsas de estudo, discriminados por instituição (n.º de candidatos, n.º de deferimentos, n.º de indeferimentos, bolsa média, entre outros). i) Adequação da plataforma de candidaturas a bolsa de estudo no sentido de: i. uniformizar os seus termos à terminologia existente no regulamento, permitindo o adequado tratamento de dados estatísticos; ii. permitir a exportação de todos os dados respeitantes aos processos e candidaturas de cada instituição, possibilitando aos serviços a realização de estudos e avaliação/simulação dos próprios processos; iii. possibilitar a identificação automática das candidaturas que não cumpram os critérios de elegibilidade (e que correspondem a futuros indeferimentos, na esmagadora maioria dos casos), de modo a que possa ser imediatamente emitido um despacho sobre as mesmas e se evite a análise desnecessária de cerca de 14% das candidaturas submetidas; iv. alterar o procedimento de entrega de documentos, tornando-o mais claro e intuitivo, quer alertando para a sequência de operações no Guia de Candidatura BeOn, quer através de introdução de mensagem de alerta na confirmação da opção de Submeter Documentos, na conclusão da entrega de documentos, ou permitir sempre a entrega enquanto o prazo esteja a decorrer; v. agilizar o processo de recandidatura, tornando-o um processo automatizado onde os dados são actualizados de forma sistemática e previamente preenchidos, devendo o aluno apenas validar os dados e efectuar alterações, se necessário; vi. melhorar o sistema de importação dos dados académicos, requerendo uma automatização do processo através de web services;

6 vii. garantir a possibilidade de efetuar pesquisas nas candidaturas que já possuam informação académica; viii. disponibilizar uma opção de simulação de bolsa (acessível apenas aos técnicos dos SAS), mesmo quando não exista informação académica; ix. garantir a notificação imediata dos candidatos quando seja necessário proceder à entrega das autorizações para tratamento de dados relativos à situação tributária e de Segurança Social; x. garantir a impossibilidade de substituição e eliminação dos documentos entregues, conferindo as SAS o poder de decisão sobre a necessidade de substituição; xi. criar uma interface (web services), entre a plataforma SICABE e as plataformas ou soluções informáticas em uso pelos serviços de acção social, para efeitos de gestão da rede de alojamento; xii. garantir a possibilidade de atribuir auxílios de emergência previstos no artigo 12.º do regulamento; xiii. rever a forma de classificação do estado dos processos Em análise. A candidatura não deverá assumir o estado Em análise antes que estejam submetidas as autorizações para tratamento de dados relativos à situação tributária (obrigatória para todos) e à Segurança Social (obrigatória apenas para beneficiários). Os candidatos que não possuam NISS deverão também indicar no formulário qual o subsistema a que pertencem; xiv. alterar a forma de inserção de dados referentes ao agregado familiar, nomeadamente: separar os diferentes graus de parentesco no separador referente a dados do agregado, introduzir o grau de parentesco dn lista adicionar documentos em falta (o candidato, agregado familiar e a opção separada de pai, mãe, madrasta e padrasto), disponibilizar nos separadores dados do agregado e dados financeiros a opção separada de pai, mãe, madrasta e padrasto, solicitar informação referente à profissão dos elementos do agregado familiar, solicitar informação do concelho de residência do agregado. CRUP, 8 de Maio de 2012

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior 3 de Setembro de 2010 Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Capítulo I Princípios da

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Bolsas de Estudo e Novas Regras

Serviços de Acção Social da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Bolsas de Estudo e Novas Regras Serviços de Acção Social da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Bolsas de Estudo e Novas Regras Missão dos SASUTAD Apoios Directos Apoios Indirectos Núcleo de Apoio ao Estudante (NAE) Sector de

Leia mais

Propostas de alteração nos mecanismos de atribuição de bolsas de estudo a estudantes de ensino superior

Propostas de alteração nos mecanismos de atribuição de bolsas de estudo a estudantes de ensino superior Propostas de alteração nos mecanismos de atribuição de bolsas de estudo a estudantes de ensino superior O tem já manifestado de formas diversas o seu apoio à existência de um sistema de ação social abrangente

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PENAMACOR 6090-543 PENAMACOR Contribuinte nº 506 192 164

CÂMARA MUNICIPAL DE PENAMACOR 6090-543 PENAMACOR Contribuinte nº 506 192 164 CÂMARA MUNICIPAL DE PENAMACOR 6090-543 PENAMACOR Contribuinte nº 506 192 164 Regulamento de Concessão de Alimentação e Auxílios Económicos a Estudantes PREÂMBULO A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro, estabelece

Leia mais

Guia Prático de Registo, Preenchimento e Submissão de Candidaturas à. Bolsa de Estudo 2015/2016

Guia Prático de Registo, Preenchimento e Submissão de Candidaturas à. Bolsa de Estudo 2015/2016 Guia Prático de Registo, Preenchimento e Submissão de Candidaturas à Bolsa de Estudo 2015/2016 O que é? A bolsa de estudo é uma prestação pecuniária anual para comparticipação nos encargos com a frequência

Leia mais

Câmara Municipal de Cuba

Câmara Municipal de Cuba Câmara Municipal de Cuba Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo para Cursos do Ensino Superior CAPITULO 1 Artigo 1 Âmbito 1. O presente Regulamento tem como lei habilitante a Lei n 169/99,

Leia mais

REGRAS TÉCNICAS PARA APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO

REGRAS TÉCNICAS PARA APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO REGRAS TÉCNICAS PARA APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Nos termos do disposto no nº2 do Despacho nº 10324-D/97 do D.R. (II Série) de 31 de Outubro, o Conselho de Acção Social dos

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 2012/2013

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 2012/2013 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 2012/2013 1. Que documentos tenho de entregar? Os documentos a entregar são os solicitados no separador Documentos, em Documentos em Falta, da sua página pessoal de candidatura

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR Município de Bragança REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR (Aprovado na quarta sessão ordinária da Assembleia Municipal de Bragança realizada em 07 de Setembro de 2009) Nota Justificativa

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES PERGUNTAS MAIS FREQUENTES Quais os documentos que tenho de entregar? Os documentos a entregar são os solicitados através da notificação enviada para o e-mail ou morada do candidato. Poderá consultar Listagem

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL CAMINHA SOLIDÁRIA

REGULAMENTO MUNICIPAL PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL CAMINHA SOLIDÁRIA REGULAMENTO MUNICIPAL PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL CAMINHA SOLIDÁRIA APROVADO EM REUNIÃO DE CÂMARA DE 12 DE JUNHO DE 2013 ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições

Leia mais

FAQ - Perguntas Mais Frequentes

FAQ - Perguntas Mais Frequentes FAQ - Perguntas Mais Frequentes I-Bolsas de Estudo 1. Que legislação regulamenta a atribuição de bolsas de estudo? Relativamente ao ano letivo 2012-2013, o Despacho nº 8442-A/2012, de 22 junho, que se

Leia mais

U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento. Preâmbulo

U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento. Preâmbulo U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento Preâmbulo O Programa Escolhas, tutelado pela Presidência do Conselho de Ministros e integrado no Alto Comissariado para as Migrações, I.P., tem como um

Leia mais

FAQ - Perguntas Mais Frequentes

FAQ - Perguntas Mais Frequentes FAQ - Perguntas Mais Frequentes I-Bolsas de Estudo 1. Que legislação regulamenta a atribuição de bolsas de estudo? Relativamente ao ano letivo 2013-2014, o Despacho nº 8442-A/2012, de 22 junho, que se

Leia mais

ÍNDICE. Artigo 8.º - Apoio ao pagamento de renda ou prestações relacionadas com a aquisição de habitação própria

ÍNDICE. Artigo 8.º - Apoio ao pagamento de renda ou prestações relacionadas com a aquisição de habitação própria REGULAMENTO MUNICIPAL PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL CAMINHA SOLIDÁRIA ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de atribuição Artigo 4.º - Destinatários Artigo 5.º

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1.º Âmbito das iniciativas de apoio a empreendedores emigrantes O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe

Leia mais

Regulamento. Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2011/2012

Regulamento. Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2011/2012 Regulamento Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2011/2012 A. Enquadramento 1. O presente regulamento define e estabelece o regime de submissão e validação de candidaturas, e o processo

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE ALIMENTAÇÃO 2013/14 1.º SEMESTRE

REGULAMENTO DA BOLSA DE ALIMENTAÇÃO 2013/14 1.º SEMESTRE REGULAMENTO DA BOLSA DE ALIMENTAÇÃO 2013/14 1.º SEMESTRE 1 PREÂMBULO A Associação Académica da Universidade da Madeira (AAUMa) tem uma missão ampla e variada, onde está prevista a participação na definição

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

ORDEM DOS MÉDICOS CONSELHO NACIONAL EXECUTIVO

ORDEM DOS MÉDICOS CONSELHO NACIONAL EXECUTIVO Proposta de Alteração do Regulamento de Atribuição de Benefícios Sociais do Fundo de Solidariedade Social da Ordem dos Médicos As alterações estão realçadas em itálico sublinhado com excepção do Artigo

Leia mais

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Projeto aprovado por Deliberação da Câmara Municipal, na Reunião Ordinária de 06

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO. Nota Justificativa

MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO. Nota Justificativa Nota Justificativa A Constituição da República Portuguesa define no n.º 2 do artigo 73.º que O Estado promove a democratização da Educação e as demais condições para que a Educação, realizada através da

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

MUNICÍPIO DE CHAVES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR

MUNICÍPIO DE CHAVES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas de atribuição de bolsas de estudo, por parte da Câmara Municipal de

Leia mais

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA AGREGADOS FAMILIARES CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO (Deliberação 27/AML/2012, publicada no 1º Sup. ao BM nº 951, de 10 de Maio

Leia mais

REGULAMENTO RELATIVO AOS PROGRAMAS DE APOIO

REGULAMENTO RELATIVO AOS PROGRAMAS DE APOIO REGULAMENTO RELATIVO AOS PROGRAMAS DE APOIO TÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos concursos públicos promovidos

Leia mais

MEDIDAS E PROGRAMAS DE EMPREGO. SESSÃO ABERTA CLAS De Viseu 20/04/2011

MEDIDAS E PROGRAMAS DE EMPREGO. SESSÃO ABERTA CLAS De Viseu 20/04/2011 MEDIDAS E PROGRAMAS DE EMPREGO SESSÃO ABERTA CLAS De Viseu 20/04/2011 1 CONTRATO EMPREGO INSERÇÃO E CONTRATO EMPREGO INSERÇÃO + 2 Contrato Emprego Inserção OBJECTIVO: Promover a empregabilidade dos desempregados

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DO CONCELHO DE MIRANDELA

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DO CONCELHO DE MIRANDELA REGULAMENTO MUNICIPAL DO PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DO CONCELHO DE MIRANDELA Página 1 de 6 Regulamento Municipal do Plano de Emergência Social do Concelho de Mirandela PREÂMBULO A lei n.º 169/99, de 18

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE REQUERIMENTOS A BOLSA DE ESTUDO

GUIA PRÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE REQUERIMENTOS A BOLSA DE ESTUDO GUIA PRÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE REQUERIMENTOS A BOLSA DE ESTUDO DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR NOVEMBRO DE 2010 ÍNDICE Índice ÍNDICE 2 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. VERIFICAÇÃO DA CONDIÇÃO DE RECURSOS...

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC Artigo 1º Âmbito do regulamento 1. O presente regulamento define o regime do pagamento da propina pelos estudantes do IPVC inscritos a tempo integral,

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 30-06-2014 INTRODUÇÃO Este sistema de propinas e emolumentos constitui um mecanismo inovador que permite ao estudante fasear e planear o seu plano de estudos curricular,

Leia mais

Secretaria de Estado para o Ensino Superior

Secretaria de Estado para o Ensino Superior Secretaria de Estado para o Ensino Superior Decreto n.º 21/08 de 28 de Fevereiro Com a aprovação da Lei de Bases do Sistema de Educação, torna se necessário regulamentar a política de Acção Social no Ensino

Leia mais

Câmara Municipal de Arraiolos

Câmara Municipal de Arraiolos Alteração ao Regulamento Municipal para Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Público Artigo 1.º Alteração à denominação do Regulamento É alterado o título do Regulamento que passa

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO No âmbito da sua ação sócio-cultural e educacional, a Santa Casa da Misericórdia de Mora decidiu atribuir bolsas de estudo

Leia mais

Regulamento Atribuição de Bolsas de Estudo para Estudantes do Ensino Superior do Concelho de Alpiarça

Regulamento Atribuição de Bolsas de Estudo para Estudantes do Ensino Superior do Concelho de Alpiarça Regulamento Atribuição de Bolsas de Estudo para Estudantes do Ensino Superior do Concelho de Alpiarça Nota Justificativa A educação assume-se, no contexto atual, como uma tarefa transversal que cabe a

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010

NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010 NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010 A presente Nota tem por objectivo auxiliar as entidades beneficiárias, conforme âmbito e condições estabelecidas no Aviso de Abertura nº 20/2010, na elaboração das candidaturas

Leia mais

PARTE C MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 22056-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 120 22 de junho de 2012

PARTE C MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 22056-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 120 22 de junho de 2012 22056-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 120 22 de junho de 2012 PARTE C MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Secretário de Estado do Ensino Superior Despacho n.º 8442-A/2012 A atribuição de

Leia mais

ANO LETIVO 2014/2015 QUESTIONÁRIO

ANO LETIVO 2014/2015 QUESTIONÁRIO Município de Pombal CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE DUAS BOLSAS DE ESTUDO A ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR E RENOVAÇÃO DAS BOLSAS DE ESTUDO ATRIBUIDAS A ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR ANO LETIVO 0/0 QUESTIONÁRIO

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES

REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de Azambuja de 19 de Setembro de 2012, publicada pelo Edital n.º 77/2012, de 26 de Outubro de 2012. Em vigor desde

Leia mais

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL Sexo FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL 1/9 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA (nº SM ) Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra 1. Identificação (nome completo), Nascido em (data:) / /, estado civil: género:

Leia mais

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO REGRAS E PROCEDIMENTOS TÉCNICOS PARA O CÁLCULO DE BOLSAS DE ESTUDO I. Atento o nº 1 do artigo 10º, o Rendimento anual do agregado

Leia mais

BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA

BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇ BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA Pretende-se, com este regulamento, incentivar e proporcionar condições de

Leia mais

FREGUESIA DESANTOANTÓNIO PROJETO DE REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO REGULAMENTO DE APOIO AO ALUNO DO ENSINO SUPERIOR NOTA JUSTIFICATIVA

FREGUESIA DESANTOANTÓNIO PROJETO DE REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO REGULAMENTO DE APOIO AO ALUNO DO ENSINO SUPERIOR NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DE APOIO AO ALUNO DO ENSINO SUPERIOR NOTA JUSTIFICATIVA Considerando o quadro legal de competências e atribuições das autarquias locais estabelecido pela Lei n.º 169/99, de 18 de setembro,

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PROGRAMA

PROGRAMA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PROGRAMA PROGRAMA ARTIGO 1º (OBJECTO) O presente programa tem por objecto o concurso para atribuição, pela Câmara Municipal de Alcobaça, de 25 bolsas de estudo, durante o ano lectivo de 2014/2015, a estudantes

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR O direito a uma justa e efectiva igualdade de oportunidades no acesso e sucesso

Leia mais

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS OBJECTIVOS O Decreto-lei 55/2009 estabelece

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO A PARTICULARES

ALTERAÇÕES AO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO A PARTICULARES ALTERAÇÕES AO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO A PARTICULARES na sequência de Parecer da Comissão de Assuntos Sociais da Assembleia Municipal de Sintra 23.NOV.2011 APROVADO PELA ASSEMBLEIA

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

Regulamento de Bolsas. do Instituto Politécnico de Lisboa e Unidades Orgânicas

Regulamento de Bolsas. do Instituto Politécnico de Lisboa e Unidades Orgânicas Regulamento de Bolsas do Instituto Politécnico de Lisboa e Unidades Orgânicas CAPITULO I DISPOSIÇÕES GENÉRICAS Artigo primeiro Âmbito 1. O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e

Leia mais

Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo a alunos do Ensino Secundário

Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo a alunos do Ensino Secundário Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo a alunos do Ensino Secundário Preâmbulo A Constituição da República Portuguesa define, no n.º 2 do Artigo 73.º, que o Estado promove a democratização

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO. Preâmbulo

BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO. Preâmbulo BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO Preâmbulo Faz parte da missão da ANA - Aeroportos de Portugal, S.A. (ANA) gerir de forma eficiente a rede de infraestruturas aeroportuárias a seu cargo os aeroportos

Leia mais

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Maio de 2011 REGIME JURÍDICO DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO DECRETO-LEI N.º 61/2011, DE 6 DE MAIO I. INTRODUÇÃO A presente nota incide sobre as principais alterações introduzidas no regime

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Regras Técnicas aprovadas no CAS Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2009/2010 REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

Despacho n.º 8442-A/2012, de 22 de junho de 2012 Versão consolidada

Despacho n.º 8442-A/2012, de 22 de junho de 2012 Versão consolidada Despacho n.º 8442-A/2012, de 22 de junho de 2012 Versão consolidada A atribuição de bolsas de estudo a estudantes do ensino superior no ano letivo de 2011-2012 realizou-se ao abrigo do regulamento aprovado

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Nota justificativa Os municípios são autarquias locais que têm como objetivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respetivos

Leia mais

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social O Conselho de Ação Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, atento à

Leia mais

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo Os Municípios são as Autarquias Locais que têm como objectivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respectivos

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ATRIBUIÇÃO DE COMPARTICIPAÇÕES SOCIAIS

REGULAMENTO PARA A ATRIBUIÇÃO DE COMPARTICIPAÇÕES SOCIAIS REGULAMENTO PARA A ATRIBUIÇÃO DE COMPARTICIPAÇÕES SOCIAIS Outubro/2012 INDÍCE ÍNDICE DATA: 01/10//12 Introdução... 2 Capítulo 1 Ama, Berçário, Creche, Jardim de Infância e Actividades de Tempos Livres...3

Leia mais

- Ano Lectivo 2010/2011

- Ano Lectivo 2010/2011 - Ano Lectivo 2010/2011 CANDIDATURA A BOLSA DE ESTUDO Serviços de Acção Social Recebido por: Nº MECANOGRÁFICO Nº ALUNO ENTRADA Nº Data de Entrada FOTO (Colada) OBRIGATÓRIO I IDENTIFICAÇÃO E RESIDÊNCIA

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Regime jurídico aplicável à prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentários

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Regulamento de atribuição de Bolsas de Estudo U CAN

Regulamento de atribuição de Bolsas de Estudo U CAN Regulamento de atribuição de Bolsas de Estudo U CAN Preâmbulo Faz parte da missão do Programa Escolhas o apoio à inclusão escolar dos jovens provenientes dos contextos socio-económico mais vulneráveis.

Leia mais

Guia de Atribuição das Bolsas Sociais-Católica Porto

Guia de Atribuição das Bolsas Sociais-Católica Porto Guia de Atribuição das Bolsas Sociais-Católica Porto LEIA ESTE DOCUMENTO ATENTAMENTE ANO LECTIVO 2011/2012 1 / 8 PREÂMBULO A Universidade Católica Portuguesa (UCP) tem como princípio que ninguém deverá

Leia mais

Novo Regulamento de execução que estabelece medidas de aplicação da Directiva IVA

Novo Regulamento de execução que estabelece medidas de aplicação da Directiva IVA Novo Regulamento de execução que estabelece medidas de aplicação da Directiva IVA O Regulamento de Execução n.º 282/2011 do Conselho, de 15 de Março de 2011 ( Regulamento ), vem estabelecer medidas de

Leia mais

8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011

8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011 8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011 Decreto Regulamentar n.º 1-A/2011 de 3 de Janeiro O Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social, aprovado

Leia mais

O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de julho.

O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de julho. Perguntas Frequentes: CANDIDATURAS E PRAZOS 1. Quais os prazos para apresentar candidatura ao Programa Retomar? O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de

Leia mais

Regulamento Municipal para atribuição de comparticipações em medicamentos a Famílias Carenciadas do Concelho de Leiria Preâmbulo

Regulamento Municipal para atribuição de comparticipações em medicamentos a Famílias Carenciadas do Concelho de Leiria Preâmbulo Regulamento Municipal para atribuição de comparticipações em medicamentos a Famílias Carenciadas do Concelho de Leiria Preâmbulo Considerando que o ano de 2010 foi declarado pela União Europeia como o

Leia mais

Fundo de Apoio a Famílias

Fundo de Apoio a Famílias gari Fundo de Apoio a Famílias Formulário de Candidatura Identificação do Requerente: Freguesia: N.º de Processo: Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Aveiro Informação de Caráter Confidencial Sexo

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de Atribuição Artigo 4.º - Organização Processual Artigo 5.º - Benefícios do Cartão

Leia mais

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada Designação Estágios Emprego Considera-se estágio o desenvolvimento de uma experiência prática em contexto de trabalho com o objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR (3ª ALTERAÇÃO)

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR (3ª ALTERAÇÃO) REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR (3ª ALTERAÇÃO) Preâmbulo Considerando a experiência adquirida com a atribuição anual de bolsas de estudo aos estudantes que

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO ENSINO SUPERIOR PREÂMBULO A educação e formação dos jovens estarrejense são factores essenciais para o desenvolvimento económico e social do concelho

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ACÇÃO 2.3.2 ORDENAMENTO E RECUPERAÇÃO DE POVOAMENTOS ESTABILIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Anúncio 07-232-2012 GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO Setembro de 2012 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009 Março de 2009, e transferida a sua gestão para o Clube de Caça e Pesca do Concelho de Tondela. Entretanto, a entidade titular veio requerer

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS E APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES/COLECTIVIDADES SEM FINS LUCRATIVOS DO MUNICÍPIO DE BORBA

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS E APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES/COLECTIVIDADES SEM FINS LUCRATIVOS DO MUNICÍPIO DE BORBA REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS E APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES/COLECTIVIDADES SEM FINS LUCRATIVOS DO MUNICÍPIO DE BORBA Praça da República 7150-249 Borba Telf.: 268 891 630 Fax: 268 894 806 balcaounico@cm-borba.pt

Leia mais

Alteração ao Regulamento Municipal de Bolsas de Estudo de Paredes de Coura

Alteração ao Regulamento Municipal de Bolsas de Estudo de Paredes de Coura Alteração ao Regulamento Municipal de Bolsas de Estudo de Paredes de Coura Preâmbulo A educação e formação dos jovens courenses são fatores essenciais para o desenvolvimento económico e social do concelho

Leia mais

Regulamento do Fundo de Emergência Social - Proposta

Regulamento do Fundo de Emergência Social - Proposta - Proposta Nota Justificativa Considerando que os Municípios, enquanto autarquias locais, têm como objetivo primordial a prossecução dos interesses próprios comuns dos seus munícipes, torna-se cada vez

Leia mais

N E W S L E T T E R A P A O M A

N E W S L E T T E R A P A O M A A P A O M A E D I Ç Ã O 4 F I S C A L I D A D E N E W S L E T T E R A P A O M A O U T U B R O 2 0 1 0 A G R A D E C I M E N TO N E S T A E D I Ç Ã O : A G R A D E C I M E N T O F I S C A L I D A D E P

Leia mais

Bolsa de Inovação da Secção Regional de Lisboa DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS REGRAS DE ATRIBUIÇÃO

Bolsa de Inovação da Secção Regional de Lisboa DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS REGRAS DE ATRIBUIÇÃO A Direcção da Secção Regional de Lisboa da Ordem dos Farmacêuticos, reunida em sessão de 18 de Julho de 2012, deliberou instituir uma Bolsa, destinada a apoiar projectos de investigação e projectos profissionais

Leia mais

Banco de Portugal. Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012

Banco de Portugal. Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012 Banco de Portugal Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012 ASSUNTO: Regime Excepcional de Regularização Tributária de Elementos Patrimoniais colocados no exterior (RERT III). Regras de Transferência

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES O que é o Programa RENDA CONVENCIONADA? O programa renda convencionada tem como objeto o arrendamento de fogos municipais em bom estado de conservação ou a necessitar de pequenas reparações

Leia mais

ACÇÃO 1.1.2 INVESTIMENTOS DE PEQUENA DIMENSÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO

ACÇÃO 1.1.2 INVESTIMENTOS DE PEQUENA DIMENSÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ACÇÃO 1.1.2 INVESTIMENTOS DE PEQUENA DIMENSÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Funcionamento genérico Os formulários estão disponíveis apenas nos

Leia mais

PROGRAMA GULBENKIAN QUALIFICAÇÂO DAS NOVAS GERAÇÕES REGULAMENTO DO CONCURSO. Educação Especial. Enquadramento

PROGRAMA GULBENKIAN QUALIFICAÇÂO DAS NOVAS GERAÇÕES REGULAMENTO DO CONCURSO. Educação Especial. Enquadramento PROGRAMA GULBENKIAN QUALIFICAÇÂO DAS NOVAS GERAÇÕES REGULAMENTO DO CONCURSO Educação Especial 2014 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo, desde há vários anos, a prestar particular atenção

Leia mais

Guia do Candidato. http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/

Guia do Candidato. http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/ http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/ Recomendações Gerais para Preenchimento do Formulário de Candidatura: Reunir informação: Para o correcto preenchimento do formulário de candidatura deverá ter consigo os

Leia mais

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador MATRÍCULA ELECTRÓNICA Manual do Utilizador ÍNDICE 1 PREÂMBULO... 2 2 UTILIZAÇÃO PELOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO... 3 2.1 Matrícula Electrónica - Acesso através do Portal das Escolas... 3 2.2 Registo de

Leia mais

A. ENQUADRAMENTO B. CANDIDATURA. Portal Mercado Social de Arrendamento http://www.mercadosocialarrendamento.msss.pt

A. ENQUADRAMENTO B. CANDIDATURA. Portal Mercado Social de Arrendamento http://www.mercadosocialarrendamento.msss.pt A. ENQUADRAMENTO 1. O que é o Mercado Social de Arrendamento? 2. A iniciativa Mercado Social de Arrendamento enquadra-se no chamado Arrendamento Social? 3. Qual o objectivo do Mercado Social de Arrendamento?

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

REQUERIMENTO. Apoio Social às Famílias

REQUERIMENTO. Apoio Social às Famílias REQUERIMENTO Apoio Social às Famílias Data Entrega Requerimento: / / Data Entrega documentos: / / N.º de processo: Informação técnica: Valor a conceder: Tipo de apoio a conceder: Despacho: / / O Presidente

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO LUÍS FILIPE SOROMENHO GOMES

MUNICÍPIO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO LUÍS FILIPE SOROMENHO GOMES MUNICÍPIO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO LUÍS FILIPE SOROMENHO GOMES, Presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António torna público que, por deliberação tomada em reunião ordinária da Câmara

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE RESENDE

CÂMARA MUNICIPAL DE RESENDE 1 REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Preâmbulo As dificuldades económicas são hoje o grande factor que condiciona o abandono escolar precoce e o não prosseguimento dos estudos após a conclusão

Leia mais