PROPINAS E EMOLUMENTOS PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015"

Transcrição

1 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 /

2 INTRODUÇÃO Este sistema de propinas e emolumentos constitui um mecanismo inovador que permite ao estudante fasear e planear o seu plano de estudos curricular, estando desta forma em consonância com a política europeia de evolução do paradigma formativo e cujos princípios reguladores foram consagrados em Portugal pelo Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de Fevereiro e que se baseia nos seguintes conceitos: 1. «Ano lectivo» corresponde a todo um ano de actividades do estabelecimento de ensino. 2. «Unidade curricular» a unidade de ensino com objectivos de formação próprios que é objecto de inscrição administrativa e de avaliação traduzida numa classificação final; 3. «Plano de estudos de um curso» o conjunto organizado de unidades curriculares em que um estudante deve obter aprovação para: a. A obtenção de um determinado grau académico; b. A conclusão de um curso não conferente de grau; c. A reunião de uma parte das condições para obtenção de um determinado grau académico; 4. «Ano curricular», «Semestre curricular» e «trimestre curricular» as partes do plano de estudos do curso que, de acordo com o respectivo instrumento legal de aprovação, devam ser realizadas pelo estudante, quando em tempo inteiro e regime presencial, no decurso de um ano, um semestre ou um trimestre lectivo, respectivamente; 5. «Duração normal de um curso» o número de anos, semestres ou trimestres curriculares em que o curso deve ser realizado pelo estudante, quando a tempo inteiro e em regime presencial; 6. «Crédito» a unidade de medida do trabalho do estudante sob todas as suas formas, designadamente, sessões de ensino de natureza colectiva, sessões de orientação pessoal de tipo tutorial, estágios, projectos, trabalhos no terreno, estudo e avaliação; 7. «Créditos de uma unidade curricular» o valor numérico que expressa o trabalho que deve ser efectuado por um estudante para realizar uma unidade curricular; 8. «Registo de Grau» o documento emitido na forma legalmente prevista, comprovativo da atribuição de um grau académico emitido pelo estabelecimento de ensino que o confere. DESIGNAÇÃO DOS EMOLUMENTOS O sistema de propinas e emolumentos constitui igualmente uma simplificação dos diferentes elementos que o caracterizam dividindo-os em categorias, e cruzando-os com as diferentes etapas do percurso do estudante, a saber: 1.«Candidaturas» o momento em que o estudante escolhe a instituição para ingressar no ensino superior ou para prosseguir a sua formação e para o qual deverá iniciar o processo de selecção e verificação de documentação. 2.«Matriculas» o momento em que o estudante é informado da sua admissão no curso que escolheu ou é informado da possibilidade de renovação da sua frequência no ensino superior para o ano lectivo subsequente por força da transição de ano curricular. 3.«Inscrições» o momento em que o estudante selecciona as unidades curriculares que pretende frequentar nos semestres curriculares. 4.«Avaliações» o momento em que estudante, para efeitos de avaliação das unidades curriculares selecciona a avaliação que pretende para a concluir.

3 5.«Creditações» o momento em que o estudante requer o reconhecimento e certificação de competências profissionais ou a creditação por equivalências de diferentes unidades curriculares. 6.«Registo de Grau» o momento em que o estudante requer documentos emitidos na forma legalmente prevista, comprovativos da atribuição de grau académico emitido pelo estabelecimento de ensino. 7.«Taxas e Agravamentos» o momento em que se aplicam valores de agravamento pelo incumprimento de prazos ou pela necessidade de urgência.

4 TABELA DE EMOLUMENTOS 1. CANDIDATURAS Candidaturas 165,00 225,00 Reingresso 82,50 112,50 2. MATRÍCULAS e INSCRIÇÕES Crédito ECTS 59,00 59,00 Certidão de Matrícula 11,50 16,50 Anulação da Matrícula 378,00 418,00 Certidão de Inscrição 16,50 21,50 Anulação de inscrição em UC 118,00 128,00 Certidão de Aproveitamento 31,50 41,50 Certidão Conteúdos Programáticos 60,00 65,00 4. AVALIAÇÕES (valores por créditos ECTS) Exame/ Avaliação Final na Unidade Curricular Exame/ Avaliação Final - Melhoria de Nota 13,50 20,00 16,00 22,50 Exame/ Avaliação Final sem Frequência Curricular 32,00 39,00 Exame/ Avaliação Final Revisão, Submissão 13,50 19,50 5. CREDITAÇÕES(valores por créditos ECTS) Reconhecimento por competências Creditação por equivalências 17,00 19,00 7,00 9,00 6. REGISTO DE GRAUS DIPLOMAS, CERTIDÕES E CARTAS Certidão de Registo de Titularidade do Grau 215,00 280,00

5 Suplemento ao Diploma 0,00 0,00 Carta de Curso 0,00 0,00 Certidão de Especialização 115,00 180,00 7. TAXAS E AGRAVAMENTOS (DESDE QUE NÃO HAJA IMPEDIMENTO LEGAL) Urgência (24 horas) Agravamento após data limite fixada 50% do valor do emolumento 1,00 por cada dia de calendário de atraso 2ªs Vias 25% do valor do emolumento DATAS E LIMITES As datas e limites são as variáveis que determinam o regular funcionamento deste modelo bem como a afixação de taxas e agravamentos. 1. CANDIDATURAS Candidaturas Datas afixadas em regulamento próprio 2. MATRÍCULAS e INSCRIÇÕES Inscrição por crédito ECTS Certidão de Matrícula Anulação da Matrícula Certidão de Inscrição Anulação de inscrição Certidão de Aproveitamento Até ao dia 8 de cada mês 5 dias Até 90 dias de incumprimento 5 dias Até 30 dias após suspensão 5 dias 4. AVALIAÇÕES Exame/ Avaliação Final Exame/ Avaliação Final - Melhoria de Nota Exame/ Avaliação Final sem Frequência Curricular Até 3 dias antes data fixada para avaliação Até 3 dias antes data fixada para avaliação Até 3 dias antes data fixada para avaliação

6 Revisão de Exame/ Avaliação Final Data fixada em Regulamento 5. CREDITAÇÕES Reconhecimento por competências Creditação por equivalências Até 7ª semana da Unidade Curricular Até 7ª semana da Unidade Curricular 6. REGISTO DE GRAUS DIPLOMAS, CERTIDÕES E CARTAS Certidão de Registo Titularidade do Grau Suplemento ao Diploma Carta de Curso Certidão de Especialização 30 dias 30 dias Data a fixar pela Escola 30 dias CONDIÇÕES DE PAGAMENTO Todas as categorias anunciadas na tabela prevêem a sua liquidação no acto em que são requeridas com excepção para a categoria de inscrições que poderão vir a ser liquidadas nas seguintes condições: uma opção de 12 prestações, uma opção de 2 prestações correspondente aos semestres curriculares, ou através de uma opção de 1 prestação correspondente ao ano lectivo. A formula de cálculo para cada uma das prestações está definida do seguinte modo: X número de ECTS no 1º semestre Y número de ECTS no 2º semestre V Valor ECTS P opção de 12 prestações P1 opção de 2 prestações: prestação semestral 1º semestre P2 opção de 2 prestações: prestação semestral 2º semestre PA Prestação anual Opção de 12 prestações: Se Agosto ou Fevereiro: P = ((30 * V)/6) Se outro mês 1º semestre: P = ((X * V)/6) Se outro mês 2º semestre: P = ((Y * V)/6)

7 Opção de 2 prestações: P1 = ((30 * V)/6) + (((X * V)/6)*5) * (1 0,05) P2 = ((30 * V/6) + (((Y * V)/6)*5) * (1 0,05) Opção de 1 prestação: PA = (((30 * V/6)) + (((X * V)/6) * 5)) + ((30 * V/6)) + (((Y * V)/6) * 5))) * (1 0,07) Nota: As importâncias pagas ao IPAM, correspondentes às candidaturas, matrículas e inscrições, não são reembolsáveis, não serão transferidas para pagamento de outras quaisquer e são perdidas em caso de desistência ou de anulação da matrícula ou da inscrição. ANULAÇÃO/SUSPENSÃO DA MATRÍCULA E/OU INSCRIÇÃO A anulação da Matrícula e/ou Inscrição de qualquer estudante verificar-se-á se o estudante apresentar o respectivo pedido de desistência com motivo devidamente justificado. A desistência não dispensa o estudante do pagamento de propinas a que ficou obrigado no ato de inscrição até ao momento em que apresentar a respectiva anulação bem como os emolumentos suplementares previstos na tabela de emolumentos. A matrícula e/ou inscrição será anulada, bem como todos os atos praticados ao abrigo da mesma. A suspensão da matrícula e da inscrição, será efectuado pelos serviços académicos, verificando-se a falta de pagamento de propinas até ao máximo de 30 dias de calendário, e implicará a nulidade de todos os atos curriculares praticados no ano letivo a que o incumprimento da obrigação se reporta. Na sequência desta situação, para efeitos de inscrições futuras e da obtenção de certidões é autorizado o pagamento das propinas em dívida, mediante o pagamento destas e dos respetivos emolumentos suplementares previstos. OPÇÕES DE PAGAMENTOS As opções de pagamento que o estudante poderá escolher são: multibanco, homebanking, numerário, cheque. FINANCIAMENTO Existem actualmente várias formas de financiamento ao ensino superior. O estudante deve analisar se para além do financiamento próprio pode ou pretende usar algumas das opções que a título de exemplo enunciamos: Crédito Bancário As diferentes instituições financeiras oferecem actualmente diversos produtos de crédito que facilitam o financiamento para todos aqueles que desejam ingressar e frequentar o Ensino Superior.

8 Sistema de empréstimos para estudantes do ensino superior com garantia mútua Sistema de acesso automático ao crédito pelos estudantes do ensino superior em vigor desde o ano lectivo de Este sistema acresce aos mecanismos de acção social escolar e é fortemente marcado pelo princípio da universalidade. O sistema permite também o apoio específico a estudantes abrangidos por programas de mobilidade internacional, nomeadamente para estadias no estrangeiro no âmbito do Programa ERASMUS e noutros programas de intercâmbio internacional de estudantes. Apoio Empresarial Ao longo dos últimos anos temos assistido a um crescimento no apoio empresarial na formação dos seus colaboradores ou futuros colaboradores. ISENÇÕES E REDUÇÕES Estão isentas de emolumentos as certidões para fins ADSE, Abono de Família, IRS, Fins Militares, Pensões de Sangue, Assinaturas para Passes Sociais e concurso a Bolsas de Estudo para prosseguimento de estudos de graduação. Estão também isentos do pagamento dos emolumentos previstos para requerimento de certidões, os estudantes que frequentaram unidades curriculares ao abrigo de programas de mobilidade internacional (ex. Programa ERASMUS e outros). Sempre que estejam matriculados simultaneamente, em cursos de 1º e 2º ciclos de estudos, dois estudantes com o grau de parentesco de pais e filhos, irmãos ou cônjuges e inscritos em 60 ECTS, o segundo elemento, terceiro e assim sucessivamente, terá uma redução em 20% nas suas prestações. BOLSAS DE ESTUDO Bolsas Próprias O IPAM atribui um número, fixado anualmente, de bolsas para a frequência dos seus Cursos. As bolsas são atribuídas pela Entidade Instituidora sob parecer da Direcção da Escola, atendendo às condições económicas dos estudantes e ao seu empenho e aproveitamento nos respectivos cursos, bem como à sua participação em actividades extracurriculares. As bolsas só serão atribuídas a estudantes do 1.º ano em casos excepcionais. Os pedidos de bolsas deverão ser entregues nos Serviços Académicos até ao mês de Julho. Para requerer uma bolsa de estudo, o estudante deverá dirigir uma carta à Direcção da Escola expondo a sua situação e fundamentando a necessidade da bolsa. Deverá ainda anexar à carta documentos que façam prova da sua real situação. Bolsas de Mérito A bolsa de estudo por mérito é uma prestação pecuniária, de valor fixo, destinada a estudantes que tenham mostrado um aproveitamento escolar excepcional. Ver DR, 2ª série, despacho nº 13531/2009 de 9 de Junho de 2009

9 Bolsas a Estudantes do Ensino Superior Particular e Cooperativo Bolsa de estudo atribuída pela Acção Social do Ensino Superior suportada integralmente pelo Estado a fundo perdido. Candidaturas:

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

TABELA DE PROPINAS, TAXAS, EMOLUMENTOS E MULTAS A APLICAR NO ANO LECTIVO 2014/2015

TABELA DE PROPINAS, TAXAS, EMOLUMENTOS E MULTAS A APLICAR NO ANO LECTIVO 2014/2015 TABELA DE PROPINAS, TAXAS, EMOLUMENTOS E MULTAS A APLICAR NO ANO LECTIVO Página n.º 0 1º Ciclo (Licenciatura 3 anos) LISTA DE CURSOS Grupo 1 Grupo 2 Administração de Unidades de Saúde Ciências da Comunicação

Leia mais

11,00 classificações obtidas 1.4 De conclusão de curso do curso de especialização tecnológica

11,00 classificações obtidas 1.4 De conclusão de curso do curso de especialização tecnológica TABELA DE EMOLUMENTOS DO IPL 1 1 Certidões: Euros 1.1 Certidão do registo de graus e diplomas de ensino superior (licenciatura; mestrado; diploma de estudos superiores de curta duração; 15,00 conclusão

Leia mais

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO DESPACHO N.º /2015 Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de PREÂMBULO Considerando a experiência adquirida no Instituto Politécnico de (IP) com a aplicação

Leia mais

Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação

Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação ENSINO ONLINE. ENSINO COM FUTURO 2015 Preâmbulo Este documento identifica e regula todas

Leia mais

Regulamento de Propina

Regulamento de Propina Regulamento de Propina 2015 2015 ÍNDICE SECÇÃO I Curso de Licenciatura em Enfermagem... 4 Artigo 1º Valor da Propina... 4 Artigo 2º Modalidades de pagamento... 4 SECÇÃO II Cursos de Pós-Licenciatura e

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO GERAL DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a Matrículas e Inscrições nos diferentes

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO. Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2015/2016

ORDEM DE SERVIÇO. Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2015/2016 N.º: 2015001 DATA: 14-05-2015 Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2015/2016 Por deliberação da Direcção da CEU-Cooperativa de Ensino Universitário, CRL, entidade instituidora

Leia mais

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 1. Mobilidade Internacional de Estudantes Os alunos da Universidade Fernando Pessoa (UFP) que cumpram

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

DESPACHO RT.52/2011. Reitoria da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, 1 de Setembro de 2011. O Reitor, Carlos Alberto Sequeira

DESPACHO RT.52/2011. Reitoria da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, 1 de Setembro de 2011. O Reitor, Carlos Alberto Sequeira DESPACHO RT.52/2011 Por deliberação do Conselho de Gestão, em reunião de 1 de Setembro de 2011, foi aprovada a Tabela de Emolumentos a praticar nos Serviços Académicos da Universidade de Trás-os-Montes

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016 Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo CANDIDATURAS 1. O pagamento da taxa de candidatura (quando aplicável) só se efetua uma única vez, desde que

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL. Regulamento do Pagamento de Propinas de Mestrado

ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL. Regulamento do Pagamento de Propinas de Mestrado ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL Regulamento do Pagamento de Propinas de Mestrado Nos termos previstos nos artigos 15.º e 16.º da Lei n.º 37/2003, de 22 de Agosto (Lei que define as bases

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

REGULAMENTO DE TAXAS E PROPINAS APLICÁVEIS AOS ESTUDOS E CURSOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DE TAXAS E PROPINAS APLICÁVEIS AOS ESTUDOS E CURSOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO REGULAMENTO DE TAXAS E PROPINAS APLICÁVEIS AOS ESTUDOS E CURSOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO A regulamentação existente na Universidade de Aveiro em matéria de propinas encontra-se relativamente dispersa,

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

REGULAMENTO (RMIP) MATRÍCULAS, INSCRIÇÕES E PROPINAS CAPÍTULO I. Secção I. (Matrícula e Inscrições) Artigo 1º (Objecto)

REGULAMENTO (RMIP) MATRÍCULAS, INSCRIÇÕES E PROPINAS CAPÍTULO I. Secção I. (Matrícula e Inscrições) Artigo 1º (Objecto) REGULAMENTO (RMIP) MATRÍCULAS, INSCRIÇÕES E PROPINAS CAPÍTULO I Secção I (Matrícula e Inscrições) Artigo 1º (Objecto) 1. O presente Regulamento, destinado a todos os estudantes da UAL, tem por objectivo

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Duração e estrutura do ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre 1. O ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre, ministrado na ESTBarreiro/IPS,

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Preâmbulo No seguimento da terceira alteração ao Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, introduzida pelo Decreto-Lei

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DESPACHO N. 193/2012 Ao abrigo da alínea q) do n 1 do Art. 48 dos Estatutos da Universidade dos Açores. homologados pelo Despacho Normativo n 65-A/2008, de 10 de Dezembro, publicado no dia 22 do mesmo

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 184/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC Artigo 1º Âmbito do regulamento 1. O presente regulamento define o regime do pagamento da propina pelos estudantes do IPVC inscritos a tempo integral,

Leia mais

Regulamento Interno Para Atribuição de Bolsas de Mérito

Regulamento Interno Para Atribuição de Bolsas de Mérito Regulamento Interno Para Atribuição de Bolsas de Mérito Aprovado pelo Conselho Geral em 29/06/09 Nos termos do despacho n.º 13531/2009 (2.ª Série), publicado na II Série do Diário da República n.º 111,

Leia mais

Regulamento Cursos de Pós Graduação

Regulamento Cursos de Pós Graduação A Associação Amigos da Grande Idade (AAGI) é uma entidade de direito privado, sem fim lucrativos, tendo por isso capacidade para desenvolver em colaboração com o Instituto Superior de Línguas e Administração

Leia mais

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento

Leia mais

Regulamento do Estudante em Regime de Tempo Parcial da ESEPF

Regulamento do Estudante em Regime de Tempo Parcial da ESEPF 1 Regulamento do Estudante em Regime de Tempo Parcial da ESEPF Artigo 1º O Regime de Estudante a Tempo Parcial é aplicável ao 1º ciclo de estudos. Artigo 2º O regime de estudante a tempo parcial é concedido

Leia mais

Regulamento de Matrículas e Inscrições

Regulamento de Matrículas e Inscrições REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES Artigo 1 (Âmbito) O presente regulamento fixa as regras gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos ministrados nas Escolas do IPCA. Artigo 2.º (Competência)

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO

REGULAMENTO ACADÉMICO I. Disposições Gerais Artigo 1º Objetivo O regulamento académico tem por objetivo definir a aplicação das normas que organizam e regulam todas as formações conducentes à obtenção do grau de licenciado

Leia mais

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.2 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira)

Leia mais

REGULAMENTO. Tesouraria. Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL. Direção do ISPA - CRL 1.14

REGULAMENTO. Tesouraria. Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL. Direção do ISPA - CRL 1.14 Tesouraria REGULAMENTO Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL Direção do ISPA - CRL O presidente da Direção do ISPA - CRL (Prof. Doutor Emanuel Gonçalves) O presidente da Direção do

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO 1. O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos diferentes cursos das Escolas integradas

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição 2012-2014) EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição -) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Saúde de Portalegre

Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Saúde de Portalegre Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Saúde de Portalegre Edital Cursos de Mestrado em Enfermagem (Despachos n.º 23087/2009, n.º 23089/2009, n.º 23088/2009 20 de Outubro de 2009). 1 Por

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS)

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1º Objecto

Leia mais

Regulamento da Creditação

Regulamento da Creditação Regulamento da Creditação Por decisão do Director, ouvido o Conselho Técnico-Científico, é aprovado o presente Regulamento da Creditação, que visa disciplinar o processo de creditação, nos termos definidos

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Regulamento de Creditação de Formação e de Experiência Profissional Preâmbulo O n.º 1 do artigo 45.º-A do Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, prevê

Leia mais

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa FAQ S 1. Quais os requisitos necessários para ingressar num Mestrado? O candidato deverá ser titular do grau de licenciatura ou de mestre sendo as áreas de formação definidas aquando da publicação do edital

Leia mais

Regulamento Financeiro

Regulamento Financeiro Regulamento Financeiro 09/12/2011 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Cursos de graduação... 3 1.1 Matrícula... 3 1.2 Propina... 3 1.3 Reduções... 4 1.4 Seguro escolar... 5 1.5 Penalizações... 5 2 Programas

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO

REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento destina-se a regular o acesso e ingresso nos cursos da Escola Superior Artística do Porto Guimarães, adiante designada por Escola.

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO GAYA

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO GAYA NORMAS REGULAMENTARES DAS LICENCIATURAS DO ISPGAYA Preâmbulo As presentes normas visam dar cumprimento ao estabelecido no artigo n.º14.º do Decreto- Lei n.º 74/2006, de 24 de março, na sua redação atual,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA 1.º OBJECTIVO Os Cursos de Pós-Graduação e Mestrados Executivos do ISLA Campus Lisboa são programas de estudos que visam

Leia mais

Mestrado Construção Civil. Edital 3ª Edição 2011-2012

Mestrado Construção Civil. Edital 3ª Edição 2011-2012 Mestrado Construção Civil Edital 3ª Edição 2011-2012 Barreiro, Maio de 2011 ENQUADRAMENTO O curso de Mestrado em Construção Civil da Escola Superior de Tecnologia do Barreiro do Instituto Politécnico de

Leia mais

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Escola Superior de Turismo e Hotelaria Instituto Politécnico da Guarda R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Data 2008-07-22 Conselho Científico Índice 1. Introdução... 3 2. Avaliação da aprendizagem...

Leia mais

Regulamento Interno de Atribuição de Bolsas de Estudo por Mérito

Regulamento Interno de Atribuição de Bolsas de Estudo por Mérito Regulamento Interno de Atribuição de Bolsas de Estudo por Mérito Versão: 02 Data: 17/01/2013 Elaborado: Verificado: Aprovado: RG-PR12-08 Vice-Presidente do IPB Presidentes dos Conselhos Científicos das

Leia mais

EDITAL. 5- Os prazos para candidatura, selecção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1;

EDITAL. 5- Os prazos para candidatura, selecção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1; EDITAL 1- Faz-se público que está aberto concurso, de 3 de Julho a 19 de Setembro de 2008, para admissão ao Curso de Formação Especializada em Ensino da Língua Estrangeira (Inglês e Francês) na Educação

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL Universidade da Madeira O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído pelo Decreto- Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Edital 4ª Edição 2012-2013 Barreiro, Julho de 2012 Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado 1 ENQUADRAMENTO A Pós-Graduação em Conservação

Leia mais

Mobilidade Estudantil:

Mobilidade Estudantil: Mobilidade Estudantil: 1. Programa Erasmus: Alunos de Economia, Finanças, Gestão e MAEG 2. Protocolo Brasil e China: Alunos de Economia, Finanças, Gestão e MAEG 2 Protocolo Brasil e China As regras a aplicar

Leia mais

REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG. Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro PREÂMBULO

REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG. Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro PREÂMBULO REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro 13 02 2013 00 PREÂMBULO A oferta de ações de formação insere-se no âmbito

Leia mais

a) Estar ou ter estado inscrito num curso superior, diferente de um a

a) Estar ou ter estado inscrito num curso superior, diferente de um a MUDANÇA DE CURSO 1º CICLO D I R E I T O 2014/2015 PORTARIA N.º 401/2007, DE 5 DE ABRIL, ALTERADA PELA PORTARIA N.º 232-A/2013, DE 22 DE JULHO, E REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS

REGULAMENTO DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS REGULAMENTO DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS JULHO, 2015 REG.DIR.06.01 página 1 de 6 Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1 O presente Regulamento tem por objetivo garantir de forma adequada, coerente e uniforme,

Leia mais

Bolsa de Mérito para Estudos Pós-Graduados em Artes

Bolsa de Mérito para Estudos Pós-Graduados em Artes Bolsa de Mérito para Estudos Pós-Graduados em Artes 1. Objectivo: A Fundação Macau (FM) e o Gabinete de Apoio ao Ensino Superior (GAES), em cooperação, criaram a Bolsa de Mérito para Estudos Pós-Graduados

Leia mais

(PROPOSTA) REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO

(PROPOSTA) REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO (PROPOSTA) Ú~e ~JU&~~L~ 6~i ~ / ~ 7J7t1 REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO Conforme o determinado pelo artigo 45 O A do Decreto Lei n 074/2006

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA. 05-00-00-00-00 Outras despesas correntes 3,268,000.00. Total das despesas

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA. 05-00-00-00-00 Outras despesas correntes 3,268,000.00. Total das despesas 420 23 2010 6 7 Unidade: MOP Classificação funcional Classificação económica Designação Montante 02-03-07-00-00 Publicidade e propaganda 8-01-0 02-03-07-00-01 Encargos com anúncios 02-03-08-00-00 Trabalhos

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) EDITAL MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS. (edição 2010-2012)

EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS. (edição 2010-2012) EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS (edição 2010-2012) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações introduzidas

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL Preâmbulo A necessidade de expandir a informação superior dos profissionais integrados no mercado trabalho constitui

Leia mais

REGULAMENTO ADMINISTRATIVO

REGULAMENTO ADMINISTRATIVO Página 1 de 7 Artigo 1.º (objeto) O presente regulamento determina as normas reguladoras dos procedimentos relativos a atos administrativos e académicos, quer de âmbito geral, quer de âmbito específico.

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM SOCIOLOGIA: EXCLUSÕES E POLÍTICAS SOCIAIS Artigo 1º Objecto O Regulamento do

Leia mais

Regulamento de Admissão às Licenciaturas da Faculdade de Economia e Gestão

Regulamento de Admissão às Licenciaturas da Faculdade de Economia e Gestão Regulamento de Admissão às Licenciaturas da Faculdade de Economia e Gestão Artigo 1º Âmbito e Disposições Gerais 1. O presente Regulamento é aplicável às candidaturas aos cursos de Licenciatura da Faculdade

Leia mais

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos ANEXO Normas regulamentares do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição no ciclo

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE UNIDADES CURRICULARES 1

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE UNIDADES CURRICULARES 1 I - Disposições comuns... 2 1. Creditação... 2 2. Requerimentos... 3 3. Âmbito... 3 4. Procedimento... 3 5. Decisão e recurso... 3 6. Transição de ano... 4 7. Renúncia... 4 8. Certificação de creditações...

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL Considerando que, nos termos do n 3 do artigo 45. do Decreto -Lei n 74/2006, de 24 de margo, alterado pelos Decretos-Lei n

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

MBA - Executivo. Edital 2ª Edição 2013-2014

MBA - Executivo. Edital 2ª Edição 2013-2014 MBA - Executivo Edital 2ª Edição 2013-2014 Sines, Junho de 2013 Enquadramento e Objectivos O MBA Executivo é uma realização da Escola Superior de Ciências Empresariais, do Instituto Politécnico de Setúbal

Leia mais

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 第 309 /2005 號 行 政 長 官 批 示 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 114 /2005 號 社 會 文 化 司 司 長 批 示.

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 第 309 /2005 號 行 政 長 官 批 示 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 114 /2005 號 社 會 文 化 司 司 長 批 示. 956 澳 門 特 別 行 政 區 公 報 第 一 組 第 40 期 2005 年 10 月 3 日 獨 一 條 許 可 透 過 三 月 二 十 二 日 第 89/99/M 號 訓 令 而 獲 授 許 可 於 澳 門 設 立 分 支 公 司 以 經 營 一 般 保 險 業 務 的 Companhia de Seguros Fidelidade S.A., 中 文 名 稱 為 忠 誠 保 險 公 司,

Leia mais

Pós-graduação Gestão da Sustentabilidade do Edificado. Edital 1ª Edição 2012-2013

Pós-graduação Gestão da Sustentabilidade do Edificado. Edital 1ª Edição 2012-2013 Pós-graduação Gestão da Sustentabilidade do Edificado Edital 1ª Edição 2012-2013 Barreiro, Maio de 2012 ENQUADRAMENTO A Pós-Graduação em Gestão da Sustentabilidade do Edificado (PGGSE) é uma realização

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO

REGULAMENTO FINANCEIRO REGULAMENTO FINANCEIRO Artigo 1.º (Âmbito) 1. O presente regulamento aplica-se a todos os cursos ministrados pelo Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. Artigo 2.º (Regimes de Pagamento

Leia mais

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10 Artigo 1º Objectivo e âmbito O Regulamento do Curso de Pós-Graduação em Coordenação de Unidades de Saúde, adiante designado por curso, integra a organização, estrutura curricular e regras de funcionamento

Leia mais

C MATRÍCULA E INSCRIÇÃO E RENOVAÇÃO DE INSCRIÇÃO ANUAL EM CURSO DO IPL

C MATRÍCULA E INSCRIÇÃO E RENOVAÇÃO DE INSCRIÇÃO ANUAL EM CURSO DO IPL C MATRÍCULA E INSCRIÇÃO E RENOVAÇÃO DE INSCRIÇÃO ANUAL EM CURSO DO IPL 1. Matrícula e Inscrição 1.1. Ingressei no IPL através do Concurso Nacional de Acesso. Como procedo para efectuar a matrícula/inscrição?

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Despacho Presidente n.º 2013/29 Valores de propina e outras taxas para o ano letivo de 2013/2014 Nos termos previstos no Regulamento de propinas em vigor na ESEP

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

Secção I Matricula e Inscrição. Art.º 16.º ( conceito) Art.º 17.º (Matricula e Inscrição)

Secção I Matricula e Inscrição. Art.º 16.º ( conceito) Art.º 17.º (Matricula e Inscrição) Secção I Matricula e Inscrição Art.º 16.º ( conceito) 1. A matrícula é o acto pelo qual o estudante ingressa na universidade Agostinho Neto. 2. A matrícula á Universidade Agostinho Neto faz-se uma só vez.

Leia mais

Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Disposição geral Objeto

Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Disposição geral Objeto Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa SECÇÃO A Disposição geral Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas aplicáveis

Leia mais

Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores.

Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores. Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores Preâmbulo De acordo com a portaria n.º 401/2007, de 5 de Abril,

Leia mais

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado Versão: 01 Data: 15/06/2009 Elaborado: Verificado: Aprovado: RG-PR12-02 Vice-Presidente do

Leia mais

Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura

Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura Instituto Politécnico de Beja Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura Serviços Académicos (Sector I) Introdução O presente documento constitui um breve guia que visa ajudar

Leia mais

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Termos de referência para as condições mínimas de acesso ao Fundo de Contragarantia Mútua,

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação pela Arte Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais

Regulamento de Estágios

Regulamento de Estágios Programa de Inserção Profissional Regulamento de Estágios Faculdade de Ciências Humanas Nos últimos anos, o ensino universitário tem vindo a integrar nos percursos formativos a realização de estágios curriculares

Leia mais

Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira

Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira 1 Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente articulado baseia-se

Leia mais

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional para estágio dos estudantes de Licenciatura

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

Artigo 3.º Do número de vagas e fixação de prazos Artigo 4.º Das condições de funcionamento Artigo 5.º Da estrutura curricular e plano de estudos

Artigo 3.º Do número de vagas e fixação de prazos Artigo 4.º Das condições de funcionamento Artigo 5.º Da estrutura curricular e plano de estudos Normas Regulamentares do Mestrado em Intervenção Comunitária: áreas de especialização em Intervenção Comunitária e Educação para a Saúde, Intervenção Comunitária e Envelhecimento Activo e Intervenção Comunitária

Leia mais

Regulamento Geral dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso e do concurso Especial de Acesso para Titulares de Cursos Superiores

Regulamento Geral dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso e do concurso Especial de Acesso para Titulares de Cursos Superiores Regulamento Geral dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso e do concurso Especial de Acesso para Titulares de Cursos Superiores 2015 Março de 2015 ÍNDICE Artigo 1º... 3 Objeto e Âmbito...

Leia mais

ANO LECTIVO 2013/2014

ANO LECTIVO 2013/2014 DIVISÃO DE GESTÃO ACADÉMICA/ SERVIÇO DE FORMAÇÃO GRADUADA ANO LECTIVO 2013/2014 REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Estes regimes são regulados pela Portaria n.º 401/2007, de 5 de Abril.

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017)

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017) EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA (Edição 2015-2017) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares (ECTS - european credit transfer system) no IPS

Regulamento de Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares (ECTS - european credit transfer system) no IPS INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares (ECTS - european credit transfer system) no IPS Nos termos do artigo 11º do Decreto-Lei nº 42/2005, de

Leia mais