INOVAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EMPRESARIAL INCLUINDO TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO EM PORTUGAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INOVAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EMPRESARIAL INCLUINDO TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO EM PORTUGAL"

Transcrição

1 INOVAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EMPRESARIAL INCLUINDO TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO EM PORTUGAL Política Regional

2

3 INOVAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EMPRESARIAL INCLUINDO TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO EM PORTUGAL Estudo realizado em Portugal, entre Janeiro e Outubro de 2011, por Schuman Associates, European Consultants para a Comissão Europeia, Direcção-Geral da Política Regional. Equipa científica: Gonçalo Caetano, Augusto Mateus, Carla Pedro, Hermano Rodrigues, Diogo Vasconcelos, Nuno Vitorino, Alexandra Almeida e Eduarda Ramalho. Coordenação: Jan Dröge e Gerard McNamara (Schuman Associates) Rory McKenna e Joaquim Silva Rodrigues (Comissão Europeia, Direcção-Geral da Política Regional)

4 INTRODUÇÃO O objectivo da Política de Coesão, tal como previsto no Tratado, é reduzir as disparidades económicas e sociais entre os Estados-Membros e regiões. No contexto da actual economia global, a Europa tem que se esforçar por implementar o crescimento sustentável através do desenvolvimento de produtos, tecnologias e serviços inovadores, bem como promover uma governação inovativa baseada em parcerias. A prioridade para o crescimento inteligente resultante da estratégia Europa 2020 enfatiza a necessidade de uma maior concentração de recursos na Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT). Contudo, não se deve ter unicamente em conta os valores absolutos gastos em I&DT: a Europa precisa de se centrar no impacto e na composição da despesa na investigação e de melhorar as condições de I&DT no sector privado na UE. Para atingir o grande desafio de aumentar a sua capacidade para a Inovação, os Estados- Membros e as regiões têm que apoiar uma expansão da I&DT e fortalecer os vínculos entre estas e as universidades e centros de investigação. A necessidade de elaborar um novo quadro estratégico para as políticas de inovação em Portugal, com base em actividades concretas, foi a razão que esteve na origem deste estudo, tendo-se definido os seguintes objectivos principais: identificar sugestões de políticas exequíveis, criar uma plataforma de debate entre partes interessadas e relevantes para a Inovação e finalmente produzir um documento de síntese que pusesse em destaque todas as contribuições recebidas. O presente relatório deve pois ser entendido como um elemento catalisador de iniciativas positivas que apoiem as futuras orientações das políticas públicas de Inovação em Portugal.

5 Indice SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 EXECUTIVE SUMMARY I. INTRODUÇÃO II. METODOLOGIA DO ESTUDO: QUESTÕES-CHAVE E DIMENSÕES ANALÍTICAS III. INOVAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL: BREVE DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO III.1. Elementos-chave do diagnóstico estratégico III.2. Desafios para o futuro IV. ESTUDOS DE CASO IV.1. Bial IV.2. Critical Software IV.3. Frulact IV.4. N-SEC IV.5. CTCP V. BENCHMARKING INTERNACIONAL V.1. Small Business Innovation Research Program (Estados Unidos) V.2. Yozma (Israel) V.3. Juro Zero (Brasil) V.4. Medicon Valley Alliance (Dinamarca & Suécia) V.5. Wisconsin Alumni Research Foundation (Madison, EUA)

6 V.6. Voucher de Inovação (Holanda) VI. RECOMENDAÇÕES VI.1. Reforçar o acesso das PME a instrumentos de inovação: melhoramentos e simplificação VI.2. Promover parcerias empresariais para a inovação VI.3. Impulsionar instrumentos de engenharia financeira e melhorar a sua eficácia VI.4. Apoiar o empreendedorismo qualificado e promover uma cultura empreendedora VI.5. Estimular a cooperação e as interacções com parceiros internacionais de I&D e inovação VI.6. Sugestões e recomendações complementares ANEXOS ANEXO 1. INOVAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL: UM BREVE DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Inovação e investigação empresarial em Portugal: principais padrões Políticas de I&D e inovação empresariais em Portugal Interacções entre inovação empresarial, investigação e internacionalização Estratégias de eficiência empresarial colectiva e de clusterização Modelo institucional e governação Mecanismos de engenharia financeira SWOT do Diagnóstico Estratégico ANEXO 2 ESTUDOS DE CASO Bial

7 2. Critical Software Frulact N-SEC CTCP GLOSSÁRIO BIBLIOGRAFIA

8 SUMÁRIO EXECUTIVO Este estudo foi realizado na sequência de uma iniciativa da DG REGIO, visando apoiar as autoridades portuguesas na definição de orientações sobre a utilização dos Fundos Estruturais no período pós 2013, para melhorar a inovação e a investigação empresarial, incluindo a transferência de conhecimento. As suas conclusões, que se encontram fundamentadas num diagnóstico estratégico, em estudos de caso e em benchmarking internacional, foram debatidas num conjunto de mesas-redondas envolvendo os principais stakeholders no domínio da inovação e investigação empresarial em Portugal. O diagnóstico estratégico revela que a posição de Portugal no ranking da inovação da UE-27 melhorou significativamente na última década. Esta evolução não se traduziu, no entanto, na criação de riqueza e de emprego como a informação recente claramente demonstra. O processo de mudança estrutural deve ser, portanto, reforçado, designadamente através da valorização e do reforço da inovação e investigação empresarial. As políticas de inovação empresarial e de investigação adoptadas em Portugal nas últimas décadas foram amplamente estruturadas com base nos Programas Operacionais (PO) cofinanciados pela União Europeia (UE). No actual período de programação dos fundos comunitários foi adoptado um conjunto alargado e ambicioso de instrumentos de política dirigidos à promoção da inovação empresarial. Salienta-se, todavia, que nem a reconhecida abertura internacional da economia portuguesa, nem o desenvolvimento das suas actividades mais tradicionais, parecem capazes de gerar ritmos suficientes e sustentados de crescimento e de emprego, em particular numa envolvente onde a economia globalizada é progressivamente mais competitiva. A coordenação política, vital para a concepção e implementação dos instrumentos de promoção da inovação empresarial, é pelo seu lado ainda largamente insuficiente, sem prejuízo das melhorias reveladas, neste domínio, pelo recente Programa Nacional de Reforma (Portugal 2020). 5

9 A significativa dependência da inovação e investigação empresarial relativamente aos financiamentos estruturais comunitários é agravada pelos instrumentos financeiros existentes que, como o capital de risco, são ineficazes e avessos à assunção de riscos. A análise transversal dos estudos de caso, que foram cuidadosamente seleccionados, revela que é possível realizar, com sucesso, investimentos em inovação empresarial em Portugal, nomeadamente quando associados à internacionalização. Esta análise mostra, por outro lado, que o sucesso decorre sobretudo da excelência e resiliência dos promotores, geralmente apoiados, de forma cooperativa e pró-activa, pelas Autoridades de Gestão dos PO e Agências Públicas. Três dimensões importantes emergem dos estudos de casos: (i) a existência de uma relação directa entre o grau de sofisticação ou o posicionamento na cadeia de valor dos projectos de investimento em investigação e inovação empresarial e a necessidade de soluções específicas de financiamento; (ii) os ciclos de vida dos projectos de investimento em investigação e inovação empresarial não são frequentemente compatíveis com os dos financiamentos estruturais comunitários, e (iii) enquanto os gestores empresariais se encontram naturalmente focalizados nas condições competitivas que permitem aumentar o volume de negócios, os investigadores privilegiam habitualmente a divulgação dos resultados em publicações de referência. O benchmarking internacional inclui um conjunto de casos de sucesso, temática e geograficamente diversificados. Mesmo que cada benchmark analisado tenha valor em si próprio, salientam-se os principais ensinamentos da sua análise conjunta: (i) a promoção da inovação e investigação empresarial constitui um elemento vital nas políticas económicas actuais, (ii) são necessários tanto os instrumentos de política pública generalistas, de espectro amplo, como os que revestem natureza específica, (iii) a inovação e a investigação empresarial exige oportunidades de financiamento adequadas, através de empréstimos e / ou participações no capital, (iv) nas situações onde foram instituídos, com apoio público, instrumentos de financiamento que assumem e partilham riscos, a progressiva intervenção de capitais privados está frequentemente presente e é desejável; (v) a minimização dos custos de transacção, 6

10 incluindo a redução da burocracia, constitui um objectivo comum no âmbito da simplificação do acesso a mecanismos de apoio, bem como dos procedimentos de análise e processo de decisão. O processo de mudança estrutural deve ser reforçado / redefinido, exigindo o reforço da inovação e investigação empresarial É possível realizar, com sucesso, investimentos em inovação empresarial, designadamente associados com a internacionalização Cada benchmark analisado tem valor em si próprio, mas os seus traços comuns são relevantes Com base nestes resultados e na experiência da equipa científica, é proposto um conjunto de sugestões, específicas e concretizáveis, bem como de recomendações. As recomendações, fundamentadas nas lições da experiência e nas conclusões da análise e do diagnóstico realizados no âmbito do presente estudo, privilegiam o respectivo contributo para promover o conteúdo inovador das iniciativas e investimentos de empresas que, presentes na economia portuguesa, participam no processo de globalização através de combinações equilibradas de I&D, conhecimento e transferência de tecnologia e de outras acções específicas, com o objectivo de desenvolver novos e/ou melhores processos e produtos, bem como para melhorar as condições da envolvente empresarial, nomeadamente no que respeita à partilha de risco e ao aumento da rentabilidade e cooperação no contexto deprojectos de inovação e investigação empresarial, incluindo a transferência de tecnologia. As recomendações, focalizadas em instrumentos de política pública, são também baseadas em orientações generalizadamente aceites, designadamente: a prioridade atribuída à produção de resultados ao longo da cadeia de valor que liga a inovação com as dinâmicas do mercado, o entendimento de que a competitividade sustentada apenas pode resultar da concorrência e a preferência por políticas horizontais de base microeconómica dirigidas à maximização da 7

11 eficácia da "política industrial", indispensável para aumentar a eficiência do mercado e, no caso português, a eficácia das políticas públicas. As recomendações são construídas tomando em consideração a contribuição específica que os fundos estruturais europeus podem representar na melhoria das políticas públicas portuguesas, não apenas com o objectivo de maximizar esses financiamentos e de assegurar a sua absorção, mas sobretudo aumentando a coerência, a selectividade e a focalização dos instrumentos de política que, integrados em Programas Operacionais, contribuam para os processos de reforço e disseminação de experiências válidas, para a correcção e/ou eliminação de medidas ineficazes e para o estímulo à adopção de novas e comprovadas experiências internacionais positivas. As recomendações são construídas no quadro de um relacionamento natural e aberto com eventuais erros e fracassos. O financiamento público para a inovação empresarial comporta riscos e a abordagem sólida para minimizar esses riscos corresponde a conviver com eles adoptando as regras adequadas. As políticas de inovação devem ser baseadas em pressupostos sobre os riscos assumidos e, como o estudo mostra, a experiência portuguesa exige claramente procedimentos mais flexíveis e partilha de risco na promoção de projectos de inovação, especialmente em termos de promoção da competitividade das PME portuguesas. Finalmente, as recomendações são apresentadas em coerência com os objectivos gerais para o ciclo de programação , com validação especificamente associada com o caso português, isto é, não como recomendações gerais mas, antes, "específicas", ou seja, recomendações para um país específico - Portugal - num período específico coerentes com a superação da crise económica e financeira e com a reestruturação dos mercados e das políticas para um novo modelo de crescimento económico. 8

12 5 Recomendações Focalizadas e Concretizáveis 1. Melhorar e simplificar o acesso das PME à inovação. 2. Promover Parcerias Empresariais para a Inovação. 3. Criar Fundos de Investimento para a Inovação co-financiados pelo Estado e pela UE. 4. Traduzir o Conhecimento em Valor Económico através da Inovação. A primeira recomendação visa melhorar e simplificar o acesso das PME portuguesas à inovação através da adopção de um instrumento de vales de inovação, investigação e transferência de tecnologia de grande escala, com um processo de financiamento simplificado de curto prazo (6-12 meses), dirigido a projectos orientados para a experimentação de novos conceitos e ideias (designadamente provas de conceito, protótipos e análises de mercado), e exigindo a participação de empresas qualificadas ou de parceiros tecnológicos através de acordos contratuais. O financiamento deve ser aprovado automaticamente, com a verificação do cumprimento de duas condições (i) iniciativa de PME individuais respeitante à implementação de um projecto de inovação e (ii) participação de um parceiro de inovação através de acordos contratuais. O instrumento proposto assume um amplo espectro de usos potenciais, que inclui a melhoria dos processos produtivos (incorporação de novas matérias-primas, novos processos de transformação, novas tecnologias ou equipamentos), dos processos comerciais (mercados nacionais ou estrangeiros), a criação de novos produtos ou serviços e a melhoria das competências de gestão. Os parceiros de inovação podem corresponder a instituições do conhecimento ou tecnológicas ou a empresas inovadoras ou internacionalizadas. 9

13 O segundo instrumento de política sugerido respeita à promoção de parcerias empresariais para a inovação em Portugal. Estas parcerias para a inovação visam: (i) a consolidação das estruturas económicas regionais ou estratégias de especialização regional inteligentes e (ii) a constituição de parcerias temáticas para a criação (ou melhoria) de produtos e serviços orientados para a exportação. Em ambos os casos, o foco das parcerias empresariais para a inovação concentra-se na implementação de projectos de investimento empresarial orientados para a inovação. As parcerias empresariais "regionais" para a inovação reúnem empresas regionais e locais relevantes, grandes empresas e instituições do conhecimento e tecnológicas, numa parceria comum empenhada na implementação de projectos inovadores de investimento empresarial. As parcerias empresariais "temáticas" para a inovação são, adicionalmente, obrigadas a envolver uma ou mais empresas internacionalizadas ou estrangeiras para implementação dos projectos de investimento inovadores. Os projectos de investimento inovadores são financiados através de incentivos específicos ao investimento empresarial, orientados para resultados, com processos simplificados de decisão através da contratualização com peritos independentes dos processos de análise e negociação. Este procedimento não só reduz os custos administrativos como facilita a adequação da intervenção pública às necessidades específicas dos investimentos empresariais orientados para a inovação e a investigação. O processo de negociação é monitorado pelas autoridades de gestão dos PO relevantes e pelas agências públicas especializadas. A promoção de parcerias empresariais para a inovação seria estimulada por instrumentos de Auxílios de Estado, eventualmente complementados pelo co-financiamento do FEDER (particularmente para ferramentas e equipamentos de investigação sofisticados e caros) e do FSE (para formação, cooperação e articulação empresarial e aprendizagem). A identificação de projectos de investimento inovadores implementados através de parcerias empresariais para a inovação pode ser concretizada no âmbito das Estratégias de Eficiência Colectiva (EEC), nomeadamente Pólos de Competitividade e Tecnologia (PCT) e outros clusters. 10

14 A terceira recomendação dirige-se à criação de fundos de investimento para a inovação em Portugal, co-financiados pelo Estado e pela UE, visando alavancar os recursos financeiros próprios ou alheios mobilizados pelo promotor para o financiamento de projectos de investimentos inovadores. Os custos de transacção da respectiva implementação serão significativamente reduzidos, uma vez que o processo de decisão relativo à participação dos fundos de investimento para a inovação, através de empréstimos ou capital, é automático após (i) confirmação, por peritos independentes, do carácter inovador dos projectos de investimento empresarial propostos e (ii) a validação dos recursos financeiros dos promotores (recursos próprios, empréstimos, capital ou Ajudas de Estado). Os fundos de investimento para a inovação devem distinguir (i) os projectos de investimento em fases iniciais da inovação que beneficiam de financiamento correspondente a 67% dos recursos mobilizados pelos promotores e (ii) a comercialização de tecnologias maduras, o financiamento das carências finais dos investimentos e os projectos de expansão da inovação, que são elegíveis para taxas de 33% desses mesmos recursos. O envolvimento de instituições de capital de risco estrangeiras experientes, através de joint ventures ou consórcios com empresas portuguesas, deve ser encorajado e bem acolhido. A adopção de medidas de discriminação positiva aplicáveis a Portugal (e a outros mercados periféricos da UE) deveria ser concretizada, com o objectivo de atrair fundos internacionais de capital de risco para co-investimento com operadores financeiros nacionais e/ou para apoiar directamente as empresas. A quarta recomendação dirige-se à diminuição das discrepâncias existentes entre a criação do conhecimento, a transferência do conhecimento e sua tradução em valor económico através da inovação. Corresponde à implementação de apoios mais fortes, eficazes, flexíveis e integrados dos fundos estruturais ao empreendedorismo académico (incluindo instituições científicas e tecnológicas), bem como a promoção de uma cultura empreendedora para melhorar a actual aversão ao risco e as lacunas existentes em Portugal nesta matéria. 11

15 Esta iniciativa deverá ser complementada por medidas destinadas a reduzir a burocracia para start-ups e jovens empresas inovadoras. Adicionalmente, as actividades no âmbito da gestão de financiamentos estruturais dirigidos às start-ups (candidaturas, monitorização, etc.) devem ser asseguradas por entidades de interface especializadas, que poderiam também desempenhar outras responsabilidades de suporte e oferecer uma "one-stop-shop" de apoio à inovação empresarial. O último conjunto de sugestões procura estimular a inserção da I&D e das empresas portuguesas nas redes internacionais de I&D e de inovação, através da melhor adequação da utilização dos Fundos Estruturais da UE para a inovação aberta, colaborativa e global. Esta recomendação dirige-se também à eliminação das barreiras iniciais à entrada de empresas inovadoras e instituições portuguesas nas redes europeias de I&D e inovação. A consagração de um novo instrumento na Política de Coesão uma iniciativa comunitária específica, nomeadamente no âmbito da Cooperação Territorial poderia estimular e facilitar o acesso a financiamento de projectos de inovação de pequena dimensão ou de significativa especificidade. O financiamento europeu poderá articular-se com mecanismos de engenharia financeira. Agentes externos devem ser incentivados a participar em projectos de inovação desenvolvidos em Portugal, sendo igualmente relevante facilitar a internacionalização alargada de stakeholders portugueses inovadores mais consolidados. A implementação dos instrumentos de política propostos e, principalmente, os respectivos resultados e impactos, seriam significativamente reforçados pela melhoria da envolvente portuguesa da inovação empresarial, da investigação e da transferência do conhecimento, através da: (i) melhoria da concepção e do acompanhamento das estratégias de inovação nacionais e regionais, superando as tradicionais barreiras entre Ciência e Inovação, promovendo em paralelo a concentração e a focalização do conceito amplo de inovação presente nas políticas públicas; (ii) melhoria do enquadramento do investimento público qualificado e do ensino dirigido ao conhecimento e à profissionalização; (iii) racionalização da I&D nas universidades, centros de investigação e infra-estruturas de apoio, a fim de promover a qualidade, a escala, a especialização e a massa crítica; (iv) elaboração e implementação de um programa eficiente e eficaz de mobilidade dos recursos humanos qualificados entre 12

16 universidades, instituições de I&D, centros tecnológicos e empresas; e, (v) estímulo à valorização do papel da inovação na resposta aos principais desafios societais contemporâneos (desemprego, envelhecimento, migrações, alterações climáticas, etc.), através de apoios mais fortes também financiados pelos Fundos Estruturais à inovação social, combinando novos modelos e redes de colaboração e interacção entre actores relevantes (empresas, academia, sector público e ONG). 13

17 EXECUTIVE SUMMARY This present study was undertaken following a DG REGIO initiative to support Portuguese Authorities in defining their post-2013 approach to using Structural Funds for improving business innovation and research, including knowledge transfer. Its findings, based on a strategic diagnosis, case studies and international benchmarking, were debated in a set of roundtables involving the main stakeholders active in the field of R&D and business innovation in Portugal. The strategic diagnosis reveals that Portugal s position in the EU-27 innovation ranking has significantly improved over the last decade. This has not, however, resulted in the sufficient creation of wealth and jobs, as recent events clearly demonstrate. The process of structural change must therefore be reinforced, something that will require enhanced business innovation and research. Business innovation and research policies adopted in Portugal over recent decades have been largely structured around EU co-financed Operational Programmes. A wide range of innovationoriented instruments was adopted under the current EU Funds framework. Neither Portugal s recognised economic openness, nor its more traditional sectors and activities, seem capable of generating sufficient growth and employment in our planet s increasingly competitive globalised economy. Policy coordination, vital for innovation design and implementation, is still largely absent, although the recent National Reform Programme (Portugal 2020) offers some improvements. Business innovation and research funding depends almost exclusively on EU co-financed funds, as financial instruments such as venture capital are ineffective and averse to risk-taking. Comprehensive examination of the carefully selected case studies demonstrates that successful business innovation investments are possible in Portugal and that these are usually associated with increased internationalisation. Analysis shows that success flows primarily from the promoter s excellence and resilience, usually assisted by pro-active cooperation from OP Management Authorities and Public Agencies. 14

18 Three important points emerge from the cases studies: (i) the existence of a direct relationship between the sophistication or ranking in the value chain of business innovation and research investment projects and the need for tailor-made funding mechanisms; (ii) business innovation and research investment project life spans are not often compatible with EU funding cycles; and (iii) companies naturally focus on improving turnover, while researchers are usually more focused on the publication of results. International benchmarking includes a set of successful thematically and geographically diversified examples. Even if each considered benchmark has a value on its own, there are, nevertheless, important lessons to be learnt: (i) promoting business innovation and research promotion is a vital element of modern economic policies; (ii) both broad public innovation policy instruments and customised policy tools are necessary; (iii) business innovation and research demands adequate funding opportunities through credit and/or equity provision; (iv) in situations where friendly risk-taking funding schemes are implemented with public financial support, the progressive association of private capital is often present and desirable; (v) minimising transactions costs, including reducing red tape, is a common goal and concerns issues of simplifying access, analysis and decision-making procedures. Structural change process must be reinforced/refocused, requiring enhanced business innovation and research Successful business innovation investments are possible in Portugal, namely when associated with internationalisation Each benchmark has a value on its own, but common guidelines are relevant Based on these findings and on the experience of the scientific team, a set of targeted and realisable suggestions and recommendations are proposed. 15

19 The proposed recommendations, arising from the lessons of experience and from the insights suggested from the analysis supported by the diagnosis carried out in the present study, focus, both, on contributing to foster the innovation content of initiatives and investments taken by enterprises acting in the Portuguese economy and in its participation in the process of globalisation, by adopting a balanced mix of R&D, knowledge and technology transfer and specific actions, pursued at the entrepreneurial level, aimed to adopt better and/or new processes and products, and to improve business environment conditions, namely in terms of risk taking, profitability and cooperation, for innovation projects. The proposed recommendations are focused on public policy instruments and based on accepted wisdom, namely the priority conceded to promote downward results along the value chain linking innovation to market dynamics, the understanding that sustained competitiveness can only arise from competition and the preference for horizontal and microeconomic based policies in order to maximize industrial policy effectiveness, useful to the progress of market efficiency and policy effectiveness in the Portuguese case. The proposed recommendations are designed taking in account the specific contribution that European structural funds can represent for improving Portuguese national policies, not just by bringing funds but, basically, by bringing coherence and focus to the policy instruments brought into the logic of operational programs by helping in the processes of reinforcing and disseminating valid experiences, correcting and/or eliminating ineffective measures and facilitating the adoption of new and proven international valid experiences. The proposed recommendations are thought in terms of dealing with failure in an open and natural way. Public funding for entrepreneurial innovation is a risky task and the solid approach to minimize that risk is to live with it by adopting adequate rules. Innovation policies should be based on approaches with a specific risk-taking assumptions and the Portuguese experience, as the study shows, clearly demands more flexible and risk-taking procedures in the promotion of innovation projects, specially in terms of fostering the competitiveness of Portugese SME. The proposed recommendations are, finally, presented in line with the broad objectives associated for the programing cycle but with its validity linked specifically to the 16

20 Portuguese case, i.e., not as general recommendations, but as specific recommendations, i.e., as recommendations for a specific country Portugal in a specific time coping with a economic and financial crisis and restructuring markets and policies for a new model of economic growth. 5 Targeted and Realisable Recommendations 1. Improving and Facilitating SME Access to Innovation. 2. Promoting Business Innovation Partnerships. 3. Creating State and EU Co-financed Innovation Investment Funds. 4. Translating Knowledge into Economic Value through Innovation. 5. Stimulating the Insertion in International Networks. The first recommendation addresses the goal of improving and facilitating Portuguese SME access to Innovation through the adoption of a large scale innovation, research and technology transfer voucher scheme funding simplified short-term (6-12 months) targeted projects linked to the experimentation of new concepts and ideas (e.g. proofs of concept, prototyping, market analysis), that require the participation of qualified business or technology partners through contractual arrangements. Funding should be automatically approved once two conditions are met (i) individual SME initiative regarding the implementation of an innovation project and (ii) participation of an innovation partner through contractual arrangements. Proposed instrument assumes a large spectrum of potential uses, including the improvement of productive processes (new input materials, new transformation procedures, new technologies or machinery), of commercial processes (domestic or foreign markets), the creation of new products or services and the improvement of managerial skills. Innovation partners may be knowledge or technological institutions or innovative or internationalised companies. The second suggested policy instrument concerns the promotion of business innovation partnerships in Portugal. Such innovation partnerships envisage: (i) the consolidation of regional 17

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 Apoios à Internacionalização e à Inovação António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 ALENTEJO PRIORIDADES PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 1. Alimentar e Floresta 2. Recursos Naturais,

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Piedade Valente Comissão Diretiva do COMPETE Sintra, 9 de outubro de 2014 Agenda da Competitividade (2007-2013): instrumentos de apoio eficiência

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade Urbana - Apresentação de resultados 13 /Novembro/2012

Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade Urbana - Apresentação de resultados 13 /Novembro/2012 Estudos de Fundamentação do Parecer de Iniciativa Competitividade das Cidades, Coesão Social e Ordenamento do Território Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade

Leia mais

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial.

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial. PROGRAMA FINICIA POTENCIAR TALENTOS O tem por missão promover a inovação e executar políticas de estímulo ao desenvolvimento empresarial, visando o reforço da competitividade e da produtividade das empresas,

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

inovação & nas empresas 2020 competitividade

inovação & nas empresas 2020 competitividade inovação & nas empresas 2020 competitividade Desafios e Oportunidades de Inovação A Competitividade das Empresas e os Instrumentos do Portugal 2020 Coimbra Abril 2014 1 PT HOJE Empresas 2020: Desafios

Leia mais

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão Lisboa, 17 de dezembro de 2014 Tópicos: 1. Portugal

Leia mais

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A.

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A. Portugal 2020 Os Nossos Serviços Onde pode contar connosco? Lisboa Leiria Braga Madrid As Nossas Parcerias Institucionais Alguns dos Nossos Clientes de Referência Bem Vindos à Areagest Índice O QREN;

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011 ESPECIAL PMEs Volume III Fundos europeus 2ª parte O Portal de Negócios Rua Campos Júnior, 11 A 1070-138 Lisboa Tel. 213 822 110 Fax.213 822 218 geral@oportaldenegocios.com Copyright O Portal de Negócios,

Leia mais

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Proposta de funcionamento e objectivos do Grupo Trabalho Oportunidades Projectos e propostas LNEC 30 Maio 2013 Grupos

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 19 JUNHO DE 2015 Página 1 de 9 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização

Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização Belém, 25 de Setembro 2014 Estrutura da apresentação 1. Porque a cooperação com a União Europeia em inovação é importante para o Brasil? 2.

Leia mais

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu Nuno Teixeira CCDR-LVT 26.Novembro.2010 A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu 1 ÍNDICE I. A coesão no espaço europeu II. O Tratado

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15

JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15 JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15 2º Painel Incentivos à Indústria O papel do IAPMEI na Competitividade do setor Miguel Cruz 26 Novembro de 2015 Apoiar as PME nas suas estratégias de crescimento inovador

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA.

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. Conferência 6 de Outubro, FC Gulbenkian Lisboa INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO MANUEL CALDEIRA CABRAL DIAGNÓSTICO(S)

Leia mais

QREN. 2007-2013 Agenda de Competitividade

QREN. 2007-2013 Agenda de Competitividade 1 QREN. 2007-2013 Conhecimento e inovação Produção transaccionável QREN 2007-2013 Competitividade Financiamento Empresarial Eficiência da Administração Pública Convergência com a UE Perfil de especialização

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projeto Engenharia 2020 Preocupações macroeconómicas Papel da engenharia na

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

Urbana. Urbana. Nuno Vitorino 19 Outubro 2011 16 Nov 2010. Nuno Vitorino

Urbana. Urbana. Nuno Vitorino 19 Outubro 2011 16 Nov 2010. Nuno Vitorino Inicia&va Iniciativa JESSICA JESSICA Financiamento Financiamento de de Projectos Projectos Sustentáveis Sustentáveis de Reabilitação de Reabilitação Nuno Vitorino Nuno Vitorino 19 Outubro 2011 JESSICA

Leia mais

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital Carlos Brazão Fernando Resina da Silva 28-06-2012 1 Quem somos? Uma plataforma das associações e players de referência das TIC, juntos por uma missão para

Leia mais

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT?

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Cosme 1 O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Neste EU Report abordamos, em particular, o COSME, o novo programa quadro europeu para a competitividade das Empresas e das PME (pequenas e médias

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2011 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE Nos termos do Regulamento

Leia mais

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Resposta à nova ambição económica Resposta à nova ambição económica 02-07-2012 Novo Modelo para o Ecossistema

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional são uma forma eficiente

Leia mais

7º Programa-Quadro de I&DT (2007-2013)

7º Programa-Quadro de I&DT (2007-2013) 7º Programa Quadro Tema ENERGIA O 7ºPrograma Quadro e o PPQ Eduardo Maldonado Coordenador dos Pontos de Contacto Nacionais 7º Programa-Quadro de I&DT (2007-2013) Promoção da carreira de investigação e

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) - INOVAÇÃO PRODUTIVA Objectivos e Prioridades O presente concurso destina-se a apoiar investimentos

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

A EERA E NO ÂMBITO DO SET PLAN

A EERA E NO ÂMBITO DO SET PLAN Associados: A EERA E AS INICIATIVAS INDUSTRIAIS EUROPEIAS NO ÂMBITO DO SET PLAN EERA MEETING AUDITÓRIO DO LNEG, 18 JULHO 2011 JOAQUIM BORGES GOUVEIA MEMBRO DO CONSELHO CIENTÍFICO ENERGYIN TERESA BERTRAND

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade O Futuro da Política Europeia de Coesão Inovação, Coesão e Competitividade 20 de Abril de 2009 António Bob Santos Gabinete do Coordenador Nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico Desafios

Leia mais

A União Europeia e o apoio às Empresas. Margarida Marques, Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal

A União Europeia e o apoio às Empresas. Margarida Marques, Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal A União Europeia e o apoio às Empresas Margarida Marques, Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal Abril 2010 Programa-Quadro para a Competitividade e a Inovação (CIP) Programa-Quadro para

Leia mais

A DGAE e a Política de Inovação

A DGAE e a Política de Inovação A DGAE e a Política de Inovação Seminário A Criatividade e a Inovação como Factores de Competitividade e Desenvolvimento Sustentável APOCEEP, 9 de Julho de 2009 José António Feu Director do Serviço para

Leia mais

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE Versão do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização adotada em dezembro de 2014. 1. Estrutura do Programa e Indicadores de Resultado

Leia mais

Empreendedorismo As Dinâmicas Empresariais e das Instituições

Empreendedorismo As Dinâmicas Empresariais e das Instituições Empreendedorismo As Dinâmicas Empresariais e das Instituições Ordem dos Engenheiros 25 de novembro de 2015 Miguel Cruz miguel.cruz@iapmei.pt Citação For a truly innovative Europe to compete successfully

Leia mais

1.º MÉRITO DO PROJECTO

1.º MÉRITO DO PROJECTO SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL CRITÉRIOS DE SELECÇÃO O Regulamento do Sistema de Apoio a Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional definiu as regras

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 SPAIN - FRANCE - PORTUGAL - BELGIUM - BRAZIL - CHILE - CANADA

GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 SPAIN - FRANCE - PORTUGAL - BELGIUM - BRAZIL - CHILE - CANADA GUIA PORTUGAL 2020 NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? www.f-iniciativas.com GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? 1. O que é Portugal 2020 2. Metas para o Portugal

Leia mais

O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água

O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água Porto, 9 de Fevereiro 2012 Paulo Areosa Feio Coordenador Calendário 5 th Report on Economic, Social and Territorial Cohesion & public

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL

CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL No ano de 2000, o Conselho Europeu, reunido em Lisboa, fixou o objectivo de na próxima década, tornar-se a economia baseada no conhecimento mais competitiva e dinâmica

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008)

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) ORIENTAÇÕES MACROECONÓMICAS 1. Garantir a estabilidade económica tendo em vista o crescimento sustentável 2. Preservar a sustentabilidade

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação

Leia mais

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 + competitivo + inclusivo + sustentável Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 Piedade Valente Vogal da Comissão Diretiva do COMPETE Santarém, 26 de setembro de 2014 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA

Leia mais

COSME - Programa para a Competitividade das empresas e pequenas e médias empresas. Green Business Week - Sessão Financiamento Comunitário

COSME - Programa para a Competitividade das empresas e pequenas e médias empresas. Green Business Week - Sessão Financiamento Comunitário COSME - Programa para a Competitividade das empresas e pequenas e médias empresas Green Business Week - Sessão Financiamento Comunitário Centro Congressos Lisboa 3-Março-2015 COSME Lisboa 2015-03-03 2

Leia mais

Programas Europeus. 09 de Julho de 2010 Salão Nobre. Eurodeputada Parlamento Europeu

Programas Europeus. 09 de Julho de 2010 Salão Nobre. Eurodeputada Parlamento Europeu Programas Europeus de Ciência e Inovação 09 de Julho de 2010 Nobre do Instituto Superior Técnico, Lisboa Salão Nobre Maria da Graça Carvalho Eurodeputada Parlamento Europeu ESTRATÉGIA EU2020 CIÊNCIA E

Leia mais

SME Instrument e Fast Track to Innovation

SME Instrument e Fast Track to Innovation Apoio às PME no H2020 SME Instrument e Fast Track to Innovation Horizonte 2020 Apoio às PME no H2020 H2020 (2014-2020) Três prioridades que se reforçam mutuamente ~79M 7% para o SME Instrument Projectos

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

HORIZONTE 2020 A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A INOVAÇÃO

HORIZONTE 2020 A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A INOVAÇÃO HORIZONTE 2020 A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A INOVAÇÃO XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Porto, 17-19 de outubro de 2014 Sebastião Feyo de Azevedo, professor de engenharia química, Reitor da

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Alexandre Marques NCP Assuntos Legais e Financeiros do 7.º PQ da UE

Alexandre Marques NCP Assuntos Legais e Financeiros do 7.º PQ da UE SEMINÁRIO ENERGIAS RENOVÁVEIS MARINHAS EM PORTUGAL O GPQ R S F F 24 de Novembro 2008 Museu da Electricidade Fundação EDP Al d M Alexandre Marques NCP Assuntos Legais e Financeiros do 7.º PQ da UE GPPQ

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

Consultoria Estratégica

Consultoria Estratégica Quem somos e o que fazemos A Select Advisor é uma empresa de Consultoria Estratégica Ajudamos à criação de valor, desde a intenção de investimento e angariação de parcerias até ao apoio de candidaturas

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Fundos 2 Objetivos 2 Etapas formais de programação 2 Abordagem estratégica 2 Âmbito Geográfico 3 Concentração Temática 4 Condicionalidades Ex ante 5 Adicionalidade

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Rosa Maria Simões 31 de janeiro de 2013, Auditório CCDR Lisboa e Vale do Tejo Agenda Resultados da intervenção FSE Contributos do FSE

Leia mais

Adelino V M Canário CCMAR Centro de Ciências do Mar Universidade do Algarve

Adelino V M Canário CCMAR Centro de Ciências do Mar Universidade do Algarve Adelino V M Canário CCMAR Centro de Ciências do Mar Universidade do Algarve sumário Programas Europeus de Investigação Alguns dados Factores relevantes para sucesso Caminho para H2020 7º Programa Quadro

Leia mais

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 20 de Abril de 2006 A inovação

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Social Europeu Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Social Europeu Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Social Europeu Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo Social Europeu são uma forma eficiente e sustentável de investir no crescimento

Leia mais