FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. ESTÁGIO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. ESTÁGIO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015"

Transcrição

1 ÁREA ACADÉMICA UGC Unidade de Gestão Curricular FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA ESTÁGIO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015 Coordenadores: Coordenador Pedagógico do Estágio Clínico: Prof. Doutor J. L. Ducla Soares Coordenador da Área de Estágio de Medicina: Prof. Doutor Luís Mendes Graça Locais de Ensino: Os serviços hospitalares associados ao ensino mediante protocolos, e os que se disponibilizaram a acolherem e a formar alunos estagiários. Hospitais Associadas ao Ensino Hospitais da Área Metropolitana de Lisboa Hospital Beatriz Ângelo Hospital de São Bernardo (Setúbal) Hospital de Santa Maria Hospital Fernando Fonseca Hospital Garcia de Orta Hospital Nossa Senhora do Rosário (Barreiro) HPP Hospital de Cascais Outros Hospitais Nacionais Centro Hospitalar do Oeste (Caldas da Rainha) Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio (Por mão) Centro Hospitalar do Médio Ave (Famalicão e Santo Tirso) Centro Hospitalar do Médio Tejo (Abrantes, Tomar e Torres Novas) Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (Penafiel) Hospital Central do Funchal (Madeira) Hospital de Faro Hospital de Santarém Hospital de Santo André (Leiria) Hospital de São Teotónio (Viseu) Hospital do Divino Espirito Santo de Ponta Delgada (Açores) Hospital do Espirito Santo (Évora) Hospital Infante D. Pedro (Aveiro) Hospital José Joaquim Fernandes (Beja) 1

2 Calendário e Duração O Estágio de Obstetrícia e Ginecologia tem a duração de 4 semanas e decorre ao longo do Ano Lec vo, iniciando a 29 de Setembro de 2014 e terminando a 19 de Junho de O aluno tem direito a 2 semanas de férias do Natal (22 de Dezembro de 2014 a 02 de Janeiro de 2015). Orientadores Os orientadores do Estágio Clínico são médicos experientes, qualificados com caracterís cas profissionais e humanas consideradas modelares, e adequadas para o acompanhamento técnico-cien fico, apoio deontológico e para ensino prá co dos alunos estagiários. Cada aluno estagiário tem um orientador de formação designado pelo director/coordenador da unidade de acolhimento onde foi colocado. Ac vidades e Funcionamento O estágio ocorre sem interrupção, em regime obrigatório e exclusividade de 5 horas de serviço semanal, na Unidade em que decorre a formação, com integração e par cipação nas ac vidades que lhe forem designadas pelo respec vo orientador, no âmbito do programa estabelecido e horários definidos. Assiduidade e Pontualidade É obrigatória a presença e pontualidade dos alunos estagiários em toda a ac vidade de formação. A assiduidade deve ser registada diariamente no Dossier do Aluno On-line. Todas as faltas devem ser jus ficadas por escrito em impresso próprio, sendo a jus ficação apresentada ao respec vo orientador, que a deverá rubricar, carimbar e devolver ao aluno, e ser entregue no Núcleo Académico (pelo próprio ou via correio) no prazo máximo de cinco dias úteis, a contar a par r do 2.º dia da ocorrência (inclusive). Mais de cinco faltas injus ficadas (no total das 6 semanas de Estágio Clínico) implicam perda de frequência global do Estágio Clínico. A falta a mais de 20% da escolaridade implica a perda de frequência do Estágio de Obstetrícia e Ginecologia. Desempenhos e Procedimentos Discrimina-se, a seguir, um conjunto de a tudes e ap dões agrupadas sob o tulo de desempenhos e procedimentos. 2

3 De âmbito geral (a): A serem desenvolvidos em todas as áreas de estágio Nível (b) Obtenção de consen mento informado do doente. Elaboração da nota de alta. Procedimento perante alta a pedido. Procedimento para verificação de óbito. Procedimento de comunicação de óbito à família. Comunicação médico-doente, médico-família e interpares. Relação médico-doente. Relação interpares e interins tucional (incl. a não médica). Trabalho em equipa. Gestão da consulta e da prá ca. Diagnós co (considerando os factos sicos, psicológicos e sociais). Aplicação à clínica dos dados epidemiológicos, esta s cos e demográficos. Colheita, registo e tratamento da informação clínica. Anamnese e exame sico. Pedido e interpretação dos exames auxiliares de diagnós co comum. Prescrição medicamentosa e avaliação dos seus efeitos. Iden ficação da informação clínica necessária à referenciação. Avaliação do efeito terapêu co da relação médico-paciente. Avaliação familiar relacionada com a saúde e a doença. Aplicação dos protocolos de vigilância. Iden ficação de pessoas em risco e respec va actuação. Aplicação de protocolos e procedimentos de rastreio. Aconselhamento em saúde. Cer ficação de estados de saúde e de doença. Cálculo da dose do medicamento a administrar. Elaboração da prescrição terapêu ca. Aconselhamento sobre es los de vida. (a) Procedimentos essenciais indicados pelos coordenadores / regentes das áreas de Medicina, Cirurgia, Pediatria, Obstetrícia e Ginecologia, Medicina Geral e Familiar e Saúde Mental da FML. (b) Nível 1 - exclusivamente conhecimentos teóricos; Nível 2 - realização sob supervisão do Orientador; Nível - experiência na realização.

4 Específico da área de formação de Obstetrícia e Ginecologia (a) : Nível (b) Obstetrícia Atendimento e observação da grávida: Atendimento da grávida, colheita de história obstétrica. Inspecção do abdómen da grávida. Palpação abdominal, medição da altura uterina, manobras de Leopold, avaliação externa da situação/posição fetal. Auscultação da frequência cardíaca fetal com estetoscópio de Pinard. Exame ginecológico na gravidez inicial. 2 Exame pélvico da grávida. 2 Protocolos para requisição de exames complementares de diagnós co na gravidez normal. Iden ficação da gravidez de risco. 2 Rastreio da diabetes gestacional. 2 Aconselhamento dieté co, exercício sico, relações sexuais, etc. no decurso da gravidez. Prescrição de suplementos (ferro, ácido fólico) e medicação geral à grávida (an emé cos, analgésicos, laxantes, an -ácidos, etc.). Ecografia na gravidez: Elementos a colher em cada um dos trimestres, observação da técnica. Amniocentese: Indicações, observação da técnica. 1 CTG anteparto: Conhecimentos elementares sobre as indicações, a técnica e a interpretação. Parto: Indução médica do trabalho de parto Conceitos gerais. 1 Assistência à parturiente. 1 2 Exame obstétrico (avaliação do colo, dilatação, estado das membranas, iden ficação da apresentação, avaliação da progressão do móvel fetal). 2 Rotura ar ficial das membranas, caracterís cas do líquido Amnió co. 2 CTG intraparto: Colocação dos transdutores. 2 CTG intraparto: Avaliação sumária dos padrões. 1 Assistência a parto eutócico. 2 Inspecção e apoio do períneo. 2 Anestesia local do períneo. 2 Anestesia dos pudendos, analgesia epidural. 1 4

5 Episiotomia/episiorrafia. 2 Registo do Índice de Apgar. Clampagem do cordão/assistência à dequitadura. 2 Exame da placenta e do cordão umbilical. 2 Pós-parto imediato: Palpação do fundo uterino, avaliação do globo de segurança. 2 Es ma va das perdas sanguíneas após o parto. 2 Assistência a parto distócico (fórceps, ventosa, parto pélvico). 1 Assistência a cesariana. 1 Assistência a dequitadura manual. 1 Puerpério: Assis r e avaliar a puérpera. Palpação do fundo uterino. Avaliação dos lóquios. Inspecção da ferida de episiotomia. Inspecção da ferida operatória de cesariana. 2 Mamas: inspecção, palpação. Aconselhamento sobre amamentação, cuidados com os seios. Aconselhamento sobre medidas de higiene pós-parto, cuidados com a zona da episiotomia. Informação e discussão sobre an concepção pós-parto e reinício da vida sexual. Ginecologia Exame sico: Exame sico geral incluindo mama. 2 Inspecção e palpação dos genitais externos. 2 Exame espéculo: Técnica. Observação da vagina e do colo. 2 Toque bimanual. 2 Toque rectal e exame combinado vagina-rectal. 1 Exame adicionais de diagnós co: Corrimento vaginal: Caracterís cas clínicas. 2 Corrimento vaginal: Colheita para exame microbiológico. 2 Corrimento vaginal: Exame microscópico a fresco. Colheita para exame citológico. 5

6 Colposcopia. 1 Ecografia com sonda abdominal. 1 Ecografia com sonda vaginal. 1 Curetagem diagnós ca. 1 Histeroscopia e laparoscopia diagnós cas. 1 Profilaxia e terapêu ca: Instrução para auto-exame da mama. Algaliação. Electro ou crio coagulação do colo. 1 Prescrição para o tratamento das vaginites mais frequentes. 2 An concepção / esterilização Aconselhamento sobre an concepção. Inserção de DIU. 2 Esterilização laparoscópica. 1 (a) Procedimentos essenciais indicados pelos coordenadores/regentes da Área de Obstetrícia e Ginecologia. (b) Nível 1 - exclusivamente conhecimentos teóricos; Nível 2 - realização sob supervisão do Orientador Nível - experiência na realização. Avaliação Con nua A classificação da avaliação con nua é o resultado das pontuações atribuídas em relação aos sete itens abaixo indicados. A pontuação referente a cada um dos níveis é a seguinte: Insuficiente Suficiente Suficiente + Bom Bom + Muito Bom Excelente 0 2,5,5 4 4,5 5 6

7 Níveis Itens Insuficiente Suficiente Suficiente+ Bom Bom+ Muito Bom Excelente Competência Clínica 1. Nível dos conhecimentos. 2. Capacidade de integração de conhecimentos, ap dões e a tudes na prá ca clínica.. Aspectos quan ta vos e qualita vos da realização de procedimentos e gestos. Comportamentos e A tudes 4. Qualidade da comunicação com os pacientes e com os profissionais de saúde. 5. Integração e trabalho de equipa. 6. Comportamento e a tudes na prá ca clínica. 7. Empenho pessoal do formando na sua aprendizagem. Dossier do Aluno On Line (h p://ggc.fm.ul.pt/dossieraluno) A aplicação informática Dossier do Aluno On-Line é um instrumento de trabalho pessoal cujo preenchimento é feito exclusivamente on-line. No dossier deve ser registada a planificação das ac vidades dos alunos, os seus progressos e limitações, e anotadas observações para posterior reflexão ou verificação. O Manual do u lizador encontra-se disponível em h p://ggc.fm.ul.pt/dossieraluno O dossier compreende os seguintes formulários: Formulários Orientador Preenchimento Aluno Validação do Estágio Clínico Reuniões de Trabalho Desempenhos e Procedimentos Registo de Presenças Reflexão do aluno sobre o desenvolvimento do estágio Avaliação do Ensino pelo Aluno (*) Cer ficado de Avaliação Con nua (*) Apenas visível para o aluno. 7

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. ESTÁGIO DE PEDIATRIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. ESTÁGIO DE PEDIATRIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015 ÁREA ACADÉMICA UGC Unidade de Gestão Curricular FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA ESTÁGIO DE PEDIATRIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015 Coordenadores: Coordenador

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA ESTÁGIO DE CIRURGIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA ESTÁGIO DE CIRURGIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015 ÁREA ACADÉMICA UGC Unidade de Gestão Curricular FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA ESTÁGIO DE CIRURGIA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015 Coordenadores: Coordenador

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. ESTÁGIO DE MEDICINA GERAL E FAMILIAR 6º ANO Ano Lec vo 2016/2017

FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. ESTÁGIO DE MEDICINA GERAL E FAMILIAR 6º ANO Ano Lec vo 2016/2017 FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA ESTÁGIO DE MEDICINA GERAL E FAMILIAR 6º ANO Ano Lec vo 2016/2017 Coordenadores: Coordenador Pedagógico do Estágio Clínico do 6º Ano: Prof.

Leia mais

Programa Nacional de Erradicação da Poliomielite - Plano de Ação Pós-Eliminação

Programa Nacional de Erradicação da Poliomielite - Plano de Ação Pós-Eliminação MODELO 4 - Norte : Região Unidades Hospitalares (15) MÊS NORTE J F M A M J J A S O N D CH Nordeste, EPE CH Trás-os-Montes e Alto Douro, EPE CH Alto Ave, EPE CH Médio Ave, EPE CH Tâmega e Sousa, EPE CH

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA ESTÁGIO DE MEDICINA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA ESTÁGIO DE MEDICINA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015 ÁREA ACADÉMICA UGC Unidade de Gestão Curricular FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA ESTÁGIO DE MEDICINA 6º ANO Ano Lec vo 2014/2015 Coordenadores: Coordenador

Leia mais

- Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais -

- Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais - - Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais - A segurança do doente é uma preocupação crescente nos Hospitais Portugueses, tal como acontece noutros países da Europa e do resto do mundo.

Leia mais

Pediatria Médica. Junho de 2005 Colégio de Pediatria pg 1 de 10

Pediatria Médica. Junho de 2005 Colégio de Pediatria pg 1 de 10 Pediatria Médica Idoneidade e de Serviços, para os s do Internato Complementar de Pediatria no ano 2006, atribuídas pela Direcção do Colégio de Especialidade de Pediatria Junho de 2005 Colégio de Pediatria

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1980L0155 PT 31.07.2001 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B DIRECTIVA DO CONSELHO de 21 de Janeiro de 1980 que tem por objectivo a coordenação

Leia mais

NASCER COM QUALIDADE

NASCER COM QUALIDADE HOSPITAL DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO, EPE - BARREIRO NASCER COM QUALIDADE Em 2007 registámos 1900 partos. Crescemos relativamente a 2006. Prestamos cuidados diferenciados de excelência à grávida e à puérpera.

Leia mais

Estágio Clínico do 6º Ano, 2015/2016. I. Caracterização Geral

Estágio Clínico do 6º Ano, 2015/2016. I. Caracterização Geral Estágio Clínico do 6º Ano, 2015/2016 I. Caracterização Geral 1. O Estágio Clínico do 6º Ano tem a duração de 36 semanas e decorre em Hospitais e Centros de Saúde associados ao ensino clínico, nas seguintes

Leia mais

Avaliação do Encerramento dos Blocos de Partos

Avaliação do Encerramento dos Blocos de Partos Por iniciativa da Administração Regional de Saúde do Norte (ARSN), foram avaliados, a 9 de Outubro passado os primeiros três meses do processo de encerramento dos Blocos de Partos do Hospital Santa Maria

Leia mais

Centro Nacional de Observação em Dor

Centro Nacional de Observação em Dor INQUÉRITO SOBRE AS CONDIÇÕES HOSPITALARES EXISTENTES PARA O TRATAMENTO DA: DOR CRÓNICA DOR AGUDA PÓS-OPERATÓRIA DOR DO PARTO Relatório Final Novembro de 2010 Índice Objectivos 2 Métodos e Participantes

Leia mais

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM 2009 - A Formação Específica. ANATOMIA PATOLÓGICA Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E.

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM 2009 - A Formação Específica. ANATOMIA PATOLÓGICA Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E. Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E. Hospital Central de Faro - E.P.E. Instituto Português Oncologia de Lisboa Hospital Central do Funchal Hospital Central do Funchal Preferencial Hospital Curry

Leia mais

AUDITORIA EXTERNA Onde estamos e para onde vamos. Amélia Gracias

AUDITORIA EXTERNA Onde estamos e para onde vamos. Amélia Gracias AUDITORIA EXTERNA Onde estamos e para onde vamos Amélia Gracias CICLO Formação Auditoria Externa Adesão Protocolo Triagem Auditoria Interna Onde estamos e para onde vamos 2005 2 Auditorias 2015 16 Auditorias

Leia mais

Índice. Fundação do Gil... 4. Missão... 4 Visão... 5 Valores... 5 Projetos... 6. Aplicação de Apoios... 8

Índice. Fundação do Gil... 4. Missão... 4 Visão... 5 Valores... 5 Projetos... 6. Aplicação de Apoios... 8 Índice Fundação do Gil... 4 Missão... 4 Visão... 5 Valores... 5 Projetos... 6 Aplicação de Apoios... 8 2 Fundação do Gil, 2012 Todas as crianças e todos os jovens que se encontrem desnecessariamente hospitalizados

Leia mais

Cardiologia Cardiologia Pediátrica Cirurgia Cardíaca Cirurgia Geral 1 Cirurgia Maxilofacial Cirurgia Pediátrica

Cardiologia Cardiologia Pediátrica Cirurgia Cardíaca Cirurgia Geral 1 Cirurgia Maxilofacial Cirurgia Pediátrica Anatomia Patológica Anestesiologia Angiologia e Cirurgia Cardiologia Cardiologia Pediátrica Cirurgia Cardíaca Cirurgia Geral Cirurgia Maxilofacial Cirurgia Pediátrica Cir. Plástica Cirurgia Torácica Dermatovenereologia

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa Mestrado Integrado em Medicina - 6º ano Unidade Curricular: Estágio Profissionalizante Regente: Professor Doutor Fernando Miguel

Leia mais

Mapa de Vagas IM - 2011 A - FE

Mapa de Vagas IM - 2011 A - FE Mapa de IM - 2011 A - FE Anatomia Patológica Centro Hospitalar de São João, EPE 2 Centro Hospitalar de Trás os Montes e Alto Douro, EPE Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, EPE 1 1 Centro Hospitalar

Leia mais

RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL

RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL Dados referentes ao período de Janeiro a Dezembro de 2008 Edição revista DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE DIVISÃO DE SAÚDE

Leia mais

A Voz dos Hospitais Programa Científico

A Voz dos Hospitais Programa Científico 182ª Reunião SPG 7 de novembro de 2015 Universidade do Algarve Campus de Gambelas A Voz dos Hospitais Programa Científico Caros Colegas, A 182ª Reunião da SPG realiza-se no dia 7 de Novembro de 2015 na

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO S. Tomé e Príncipe ENFERMAGEM HUMANITÁRIA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO São Tomé e Príncipe A República Democrática de São Tomé e Príncipe, é um estado insular localizado no Golfo da Guiné. Composto

Leia mais

VIGILÂNCIA NA GRAVIDEZ

VIGILÂNCIA NA GRAVIDEZ Em função da idade gestacional Obedece ao esquema proposto pelo SNS Valoriza os elementos a colher em função da idade gestacional Tempo de Gestação 1º Trimestre (1ª-13ªS) ACTIVIDADES (Elementos a recolher

Leia mais

Projectos candidatos ao Prémio de Boas Práticas sobre Eficiência (por ordem alfabética) Designação do Projecto Região Instituição Executora

Projectos candidatos ao Prémio de Boas Práticas sobre Eficiência (por ordem alfabética) Designação do Projecto Região Instituição Executora Projectos candidatos ao Prémio de Boas Práticas sobre Eficiência 1. Apoio Domiciliário e Voluntariado a Idosos e Centro de Saúde Soares dos Reis (V. N. Gaia) 2. Combate à Obesidade Infantil Pública da

Leia mais

Resumo da Atividade dos Serviços Nacionais de Sangue e de Medicina Transfusional em 2011

Resumo da Atividade dos Serviços Nacionais de Sangue e de Medicina Transfusional em 2011 Resumo da Atividade dos Serviços Nacionais de Sangue e de Medicina Transfusional em 2011 Serviços de Sangue - Os Serviços de sangue são as estruturas ou organismos responsáveis pela colheita e análise

Leia mais

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS 2012 PEBC Plano Estratégico do Baixo Carbono ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública 28 de agosto de 2013 www.acss.min-saude.pt

Leia mais

PLANO DE PARTO. , e (gestante) (acompanhante) (bebê)

PLANO DE PARTO. , e (gestante) (acompanhante) (bebê) PLANO DE PARTO, e (gestante) (acompanhante) (bebê) I- Nossa filosofia para o nascimento O plano de parto expressa nossos desejos e preferências para o nascimento do nosso bebê. Nós nos informamos antes

Leia mais

I - CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

I - CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO I - CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Componentes a Avaliar 1. Domínio Psicomotor 2. Domínio Cognitivo 3. Domínio Sócio-Afetivo 1- REGIME GERAL DE FREQUÊNCIA Alíneas % % % Execução e aplicação dos

Leia mais

IMPLEMENTAMOS PROJECTOS QUE ACRESCENTAM VALOR

IMPLEMENTAMOS PROJECTOS QUE ACRESCENTAM VALOR IMPLEMENTAMOS PROJECTOS QUE ACRESCENTAM VALOR Saúde do Produto para a Solução BIQ Consultores QUEM SOMOS E O QUE FAZEMOS 2011 Internacionalização 1998 Sistemas de Gestão e Organização 2010 Segurança dos

Leia mais

Desdobrável de informação ao paciente

Desdobrável de informação ao paciente Desdobrável de informação ao paciente Cancro do colo do útero Secções para este tópico: Introdução Sintomas Causas Diagnóstico Tratamento Prevenção Bibliografia Parceiros de informações Introdução O cancro

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Critérios de Avaliação, 1º Ciclo - Ano Letivo 2014-15 Página 1 de 10 1. Domínios de avaliação: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 SUPLEMENTO N.º 2 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA CURSOS CONGÉNERES DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2012

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

Instituição. Número de Conselheiros Nacionais a eleger por Secção Sindical - 1

Instituição. Número de Conselheiros Nacionais a eleger por Secção Sindical - 1 Instituição Lugares no CN Academia Militar Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto Centro de Investigação Marinha e Ambiental, Laboratório Associado da Universidade

Leia mais

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros que exerçam

Leia mais

DIAGNÓSTICO PRÉ NATAL

DIAGNÓSTICO PRÉ NATAL DIAGNÓSTICO PRÉ NATAL RELATÓRIO Atividades de Diagnóstico Pré Natal realizadas nos serviços de saúde em 2011 DIREÇÃO GERAL DA SAÚDE DIVISÃO DE SAÚDE SEXUAL, REPRODUTIVA, INFANTIL E JUVENIL 2013 Ficha técnica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos necessários à sistematização do Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO INTEGRADO EM CONTABILIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR CAPÍTULO I Objectivos e Definição Artigo 1º

Leia mais

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas PQS GLOBAIS Anacom Objetivo SU Ano1 SU PQS 1 PQS 1 (a) PQS1. Prazo de fornecimento da ligação inicial (a) Demora no fornecimento das ligações, quando o cliente não define uma data objetivo (dias) PQS 1

Leia mais

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.)

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) É atribuição do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) no sector da

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae an Europass-Curriculum Vitae In pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) Orvalho, Inês Tabau Rua Vicente Pindela, nº 36 1º esquerdo 3030-030 Coimbra Telefone(s) +351 239716762 Telemóvel: +351

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

Escola Superior De Enfermagem São Francisco das Misericórdias. Anexos

Escola Superior De Enfermagem São Francisco das Misericórdias. Anexos Escola Superior De Enfermagem São Francisco das Misericórdias Anexos Relatório de atividades 2014 Auditoria Interna Serviços Administrativos Quadro 1 não conformidades e reclamações no período de 13.05.2013

Leia mais

INTEGRADAS E FORMATIVAS DAS UNIDADES SANITÁRIAS DA PROVÍNCIA DO BIÉ

INTEGRADAS E FORMATIVAS DAS UNIDADES SANITÁRIAS DA PROVÍNCIA DO BIÉ REPUBLICA DE ANGOLA GOVERNO DA PROVINCIA DO BIÉ DIRECÇÃO PROVINCIAL DA SAÚDE CADERNO DE SUPERVISÕES INTEGRADAS E FORMATIVAS DAS UNIDADES SANITÁRIAS DA PROVÍNCIA DO BIÉ MUNICÍPIO: ANO: UNIDADE SANITÁRIA:

Leia mais

c) Conhecimentos aprofundados da função biológica, da anatomia e da fisiologia no domínio da obstetrícia e relativamente ao recém-nascido, bem como

c) Conhecimentos aprofundados da função biológica, da anatomia e da fisiologia no domínio da obstetrícia e relativamente ao recém-nascido, bem como Directiva 80/155/CEE do Conselho, de 21 de Janeiro de 1980, que tem por objectivo a coordenação das disposições legislativas, regulamentares e administrativas relativas ao acesso às actividades de parteira

Leia mais

UNIVERSIDADE JOSÉ DO ROSÁRIO VELLANO

UNIVERSIDADE JOSÉ DO ROSÁRIO VELLANO UNIVERSIDADE JOSÉ DO ROSÁRIO VELLANO 1 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALZIRA VELANO REGULAMENTO DA RESIDÊNCIA MÉDICA CAPÍTULO I DA RESIDÊNCIA E SEUS FINS Art. 1º - A Residência Médica consiste em uma modalidade

Leia mais

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS Caráter holístico e contextualizado do processo de desenvolvimento e aprendizagem da criança; Coerência entre os processos de avaliação e os princípios subjacentes

Leia mais

Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português

Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português Ana Madeira Joana Teixeira Fernanda Botelho João Costa Sofia Deus Alexandra

Leia mais

Departamento de Ginecologia e Obstetrícia

Departamento de Ginecologia e Obstetrícia Departamento de Ginecologia e Obstetrícia Córioamniorrexe prematura Córioamniorexe prematura Amniorrexe prematura Rotura Prematura Membranas antecede início trabalho parto IG 37 semanas RPM termo IG

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA PÓS- GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM MEDICINA FETAL

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA PÓS- GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM MEDICINA FETAL DA PÓS- GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM MEDICINA FETAL 2014 1 PROJETO PEDAGÓGICO CALENDÁRIO ESCOLAR CALENDÁRIO PÓS-GRADUAÇÃO MEDICINA FETAL PERINATAL/ESTÁCIO - 2014 AULAS TEÓRICAS AOS SÁBADOS E DOMINGOS DAS 08:00

Leia mais

MONICA AN24. Monitoramento ECG Abdominal Fetal

MONICA AN24. Monitoramento ECG Abdominal Fetal MONICA AN24 Monitoramento ECG Abdominal Fetal A solução de monitoramento fetal-maternal sem fios MONICA AN24 abre as portas a todo um novo mundo de vigilância passiva, gestão flexível e conforto da paciente

Leia mais

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH) PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH) PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA () PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL Introdução A infecção na criança no nosso país faz-se quase exclusivamente por transmissão vertical pelo que é possível reduzir eficazmente

Leia mais

Lista de Associados. > Hospital do Montijo + Hospital Nossa Senhora do Rosário, EPE CENTRO HOSPITALAR DE ENTRE O DOURO E VOUGA, EPE

Lista de Associados. > Hospital do Montijo + Hospital Nossa Senhora do Rosário, EPE CENTRO HOSPITALAR DE ENTRE O DOURO E VOUGA, EPE ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DO SISTEMA DE SAÚDE (ACSS) ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO, IP ARS DO ALENTEJO, IP ARS DO ALGARVE, IP ARS DO CENTRO, IP ARS DO NORTE, IP CENTRO DE MEDICINA E REABILITAÇÃO DA REGIÃO CENTRO

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Norma seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Norma seguinte: NÚMERO: 013/2015 DATA: 01/07/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Notícia de Nascimento Digital (NN) Notícia de Nascimento, Saúde Infantil, Saúde Materna, Boletim Saúde Infantil e Juvenil, Nascer

Leia mais

Mapa de Vagas para ingresso em área de especialização - Concurso IM 2015

Mapa de Vagas para ingresso em área de especialização - Concurso IM 2015 23.11.2015 Mapa de Vagas para ingresso em área de especialização - Concurso IM 2015 Anatomia Patológica Centro Hospitalar de São João, EPE 2 Instituto Português de Oncologia do Porto Francisco Gentil,

Leia mais

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009 A Estadiamento dos cancros ginecológicos: FGO 2009 Sofia Raposo e Carlos Freire de Oliveira O estadiamento dos cancros é preconizado com o intuito de permitir uma comparação válida dos resultados entre

Leia mais

Quem somos? MUNICÍPIO DO SEIXAL CENSOS 2011. População residente 158.269 hab. População jovem 27% População idosa 15% Mulheres 52% Homens 48%

Quem somos? MUNICÍPIO DO SEIXAL CENSOS 2011. População residente 158.269 hab. População jovem 27% População idosa 15% Mulheres 52% Homens 48% ARPIFF, 21 DE NOVEMBRO DE 2014 Quem somos? MUNICÍPIO DO SEIXAL CENSOS 2011 47.661 30,11% 48.629 30,73% 28886 18,25% 2776 1,75% 13258 8,38% População residente 158.269 hab. População jovem 27% População

Leia mais

PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte à Contratualização

PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte à Contratualização 2009 Documento de Suporte à Contratualização do Programa Específico para melhoria do ACSS DGS PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte

Leia mais

Secção de Cardiologia Pediátrica

Secção de Cardiologia Pediátrica Secção de Cardiologia Pediátrica CURSO DE VERAO PARA INTERNOS RELATORIO Curso de Verão para Internos a cargo da Secção de Cardiologia Pediatrica incluído âmbito do programa da Direcção da SPP 1 Ficha técnica

Leia mais

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 04 - de 19/01/2015 a 25/01/2015

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 04 - de 19/01/2015 a 25/01/2015 Resumo Parceiros Rede de hospitais para a vigilância clínica e laboratorial em Unidades de Cuidados Intensivos Contatos: Departamento de Epidemiologia do INSA, tel 217526488 Laboratório Nacional de Referência

Leia mais

NECiFarm Núcleo de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade do Algarve. Estágios Extracurriculares. NECiFarm REGULAMENTO

NECiFarm Núcleo de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade do Algarve. Estágios Extracurriculares. NECiFarm REGULAMENTO Estágios Extracurriculares NECiFarm REGULAMENTO MANDATO 2013/2014 I. Sobre o NECiFarm A 19 de dezembro de 2007, na Universidade do Algarve (UAlg), foi fundado o (NECiFarm), uma Secção Autónoma da Associação

Leia mais

Survey de Satisfação de Clientes 2009

Survey de Satisfação de Clientes 2009 Survey de Satisfação de Clientes Fevereiro de 2010 Índice 1. Sumário Executivo 4 2. Metodologia 6 3. Estratificação da Amostra 7 4. Classificação das pontuações 8 5. Apresentação de Resultados das Urgências

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias.

Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias. Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias. O QUE É O PARTO? Parto é o processo de movimentação do feto, da placenta e das membranas para fora do útero e através do canal de parto. TRABALHO DE PARTO É o processo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos)

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos) REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS Art.º 1.º (Definições e Objectivos) O CRIFZ, Centro de Recuperação Infantil de Ferreira do Zêzere, é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos,

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DAS GUIAS VERSÃO TISS 3.02

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DAS GUIAS VERSÃO TISS 3.02 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DAS GUIAS VERSÃO TISS 3.02 Tipos de Guias Guias Existentes Guia de Consulta; Guia SADT; Guia de Solicitação de Internação; Guia de Resumo de Internação; Guia de

Leia mais

Médicos da idoneidade e da capacidade formativa para ministrar o Ciclo de Estudos Especiais de Neonatologia.

Médicos da idoneidade e da capacidade formativa para ministrar o Ciclo de Estudos Especiais de Neonatologia. Regulamento do Colégio de Subespecialidade de Neonatologia da Ordem dos Médicos para reconhecimento de Idoneidade e Capacidade Formativa para ministrar o Ciclo de Estudos Especiais de Neonatologia - Versão

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde 21816-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 118 20 de junho de 2012 PARTE C MINISTÉRIO DA SAÚDE Gabinete do Secretário de Estado da Saúde Despacho n.º 8317-A/2012 Pelo despacho n.º 7702 -B/2012, publicado

Leia mais

dores do parto parto É muito importante estarem conscientes da origem natural e saudável das dores que estão a sentir entrevista

dores do parto parto É muito importante estarem conscientes da origem natural e saudável das dores que estão a sentir entrevista doresde1:layout 1 11/19/08 10:32 PM Page 24 dores do As dores de constituem um dos maiores medos para as futuras mães. Saber o que fazer e como lidar com as dores pode ajudá-la a enfrentar o trabalho de

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE relatório pela As entidades Inspeção-Geral circunstanciado prestadoras das sobre Atividades de cuidados o acesso em de Saúde, aos saúde cuidados conforme devem que publicar o prestam, disposto e o divulgar,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 73/2013 de 1 de Julho de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 73/2013 de 1 de Julho de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 73/2013 de 1 de Julho de 2013 Tendo por aceite que os órgãos de gestão das unidades de saúde devem manter os seus representantes clínicos, mas

Leia mais