DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Brasil Telecom S.A. 2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Brasil Telecom S.A. 2007"

Transcrição

1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Brasil Telecom S.A. 2007

2 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Brasil Telecom S.A. 2007

3 BRASIL TELECOM S.A. Balanços Patrimoniais Para os exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e de (Em milhares de reais) Notas Controladora Consolidado 31/12/07 31/12/06 31/12/07 31/12/06 ATIVO Circulante Caixa e Contas Bancárias Aplicações de Liquidez Imediata Investimentos Temporários Títulos Públicos Contas a Receber de Clientes Estoques Empréstimos e Financiamentos Tributos Diferidos e a Compensar Depósitos Judiciais Outros Ativos Não Circulante Realizável a Longo Prazo Empréstimos e Financiamentos Tributos Diferidos e a Compensar Títulos de Renda Depósitos Judiciais Outros Ativos Permanente Investimentos Imobilizado Intangível Diferido Total

4 02 03 Continuação Notas Controladora Consolidado 31/12/07 31/12/06 31/12/07 31/12/06 PASSIVO Circulante Pessoal, Encargos e Benefícios Sociais Contas a Pagar e Despesas Provisionadas Tributos Indiretos Tributos Sobre a Renda Dividendos/JSCP e Participação no Resultado Empréstimos e Financiamentos Autorizações para Exploração de Serviços Provisões para Contingências Provisões para Fundos de Pensão Adiantamentos de Clientes Outras Obrigações Não Circulante Exigível a Longo Prazo Contas a Pagar e Despesas Provisionadas Tributos Indiretos Tributos Sobre a Renda Empréstimos e Financiamentos Autorizações para Exploração de Serviços Provisões para Contingências Provisões para Fundos de Pensão Adiantamentos de Clientes Outras Obrigações Participação de Acionistas Não Controladores Patrimônio Líquido e Recursos Capitalizáveis Patrimônio Líquido Capital Social Reservas de Capital Reservas de Lucros Reserva Legal Lucros Acumulados Ações em Tesouraria ( ) ( ) ( ) ( ) Recursos Capitalizáveis Total As notas explicativas são parte integrante destas demonstrações contábeis.

5 BRASIL TELECOM S.A. Demonstrações de Resultados Para os exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e de (Em milhares de reais) Notas Controladora RECEITA OPERACIONAL BRUTA Deduções da Receita Bruta 9 ( ) ( ) RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA Custos dos Serviços Prestados e Mercadorias Vendidas 10 ( ) ( ) LUCRO BRUTO RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS ( ) ( ) Comercialização dos Serviços 11 ( ) ( ) Despesas Gerais e Administrativas 12 ( ) ( ) Remuneração dos Administradores (8.290) (7.766) Outras Despesas Operacionais, Líquidas 13 ( ) ( ) LUCRO OPERACIONAL ANTES DAS DESPESAS FINANCEIRAS E RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL Despesas Financeiras, Líquidas 14 ( ) ( ) Resultado de Equivalência Patrimonial 26 ( ) ( ) LUCRO OPERACIONAL Receitas (Despesas) Não Operacionais 15 (18.269) (34.074) LUCRO ANTES DOS IMPOSTOS E DAS PARTICIPAÇÕES Imposto de Renda e Contribuição Social Sobre o Lucro 16 ( ) ( ) LUCRO APÓS IMPOSTOS E ANTES DA PARTICIPAÇÃO DE ACIONISTAS NÃO CONTROLADORES Participação de Acionistas Não Controladores LUCRO ANTES DA REVERSÃO DE JSCP Reversão de Juros sobre o Capital Próprio LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Ações em Circulação na data do balanço (1) Lucro Líquido por ação (em R$) (1) 1,46 0,79 (1) Em 2006 as informações são atribuídas a milhares de ações. As notas explicativas são parte integrante destas demonstrações contábeis.

6 04 05 Notas Consolidado RECEITA OPERACIONAL BRUTA Deduções da Receita Bruta 9 ( ) ( ) RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA Custos dos Serviços Prestados e Mercadorias Vendidas 10 ( ) ( ) LUCRO BRUTO RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS ( ) ( ) Comercialização dos Serviços 11 ( ) ( ) Despesas Gerais e Administrativas 12 ( ) ( ) Remuneração dos Administradores (9.098) (7.980) Outras Despesas Operacionais, Líquidas 13 ( ) ( ) LUCRO OPERACIONAL ANTES DAS DESPESAS FINANCEIRAS E RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL Despesas Financeiras, Líquidas 14 ( ) ( ) Resultado de Equivalência Patrimonial 26 LUCRO OPERACIONAL Receitas (Despesas) Não Operacionais 15 (2.454) LUCRO ANTES DOS IMPOSTOS E DAS PARTICIPAÇÕES Imposto de Renda e Contribuição Social Sobre o Lucro 16 ( ) (95.035) LUCRO APÓS IMPOSTOS E ANTES DA PARTICIPAÇÃO DE ACIONISTAS NÃO CONTROLADORES Participação de Acionistas Não Controladores LUCRO ANTES DA REVERSÃO DE JSCP Reversão de Juros sobre o Capital Próprio LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Ações em Circulação na data do balanço (1) Lucro Líquido por ação (em R$) (1) (1) Em 2006 as informações são atribuídas a milhares de ações. As notas explicativas são parte integrante destas demonstrações contábeis.

7 BRASIL TELECOM S.A. Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido (Controladora) Para os exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e de (Em milhares de reais) Reservas de Capital Capital Social Ágio na Reserva Doações e Subscrição de Especial de Ágio Subvenções para Ações na Incorporação Investimentos Saldos em 31 de Dezembro de Aumento do Capital Social Benefício Fiscal sobre Amortização de Ágio na Incorporação (59.007) Acréscimos às Reservas de Capital Doações e Subvenções para Investimentos 7 Movimentações de Lucros Acumulados Lucro do Exercício Dividendos Prescritos Destinação Proposta à A.G.O. Constituição da Reserva Legal Dividendos/JSCP Propostos Outras Movimentações do Patrimônio Líquido Redução de Ações em Tesouraria (origem CRT) Saldos em 31 de Dezembro de Movimentações de Lucros Acumulados Lucro Líquido do Exercício Dividendos Prescritos Destinação Proposta à A.G.O. Constituição da Reserva Legal Dividendos/JSCP Propostos Saldos em 31 de Dezembro de As notas explicativas são parte integrante destas demonstrações contábeis.

8 06 07 Reservas de Capital Juros sobre Correção Monetária Lucros Ações em Obras em Especial Lei Outras Reserva Legal Total Acumulados Tesouraria Andamento nº 8.200/ ( ) (21.619) ( ) ( ) (30) ( ) (39.864) ( ) ( ) ( )

9 BRASIL TELECOM S.A. Demonstrações das Origens e Aplicações de Recursos Para os exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e de (Em milhares de reais) Controladora Consolidado DEMONSTRAÇÃO DOS RECURSOS GERADOS PELA ATIVIDADE OPERACIONAL Lucro Líquido do Exercício Participação de Acionistas Não Controladores (1.830) (2.922) Despesas (Receitas) que Não Envolvem Movimentações de Capital de Giro Depreciação e Amortização Tributos Diferidos (20.717) ( ) ( ) Resultado da Equivalência Patrimonial Provisões para Contingências Provisões para Fundos de Pensão Recuperação de Despesas com Fundos de Pensão Superávit (55.733) (55.733) Variação Monetária e Juros de Longo Prazo ( ) ( ) ( ) ( ) Resultado na Baixa de Ativo Permanente (37.034) Perdas (Ganhos) com Investimentos (39) Baixa de Incentivos Fiscais Total dos Recursos Gerados pela Atividade Operacional ORIGENS DOS RECURSOS DE TERCEIROS Empréstimos e Financiamentos Transferência do Realizável a Longo Prazo para o Ativo Circulante Transferência do Ativo Permanente para o Ativo Circulante Venda de Bens do Ativo Permanente Dividendos Prescritos Outras Origens 7 7 Total dos Recursos Gerados por Terceiros TOTAL DAS ORIGENS APLICAÇÕES DE RECURSOS Aumento do Realizável a Longo Prazo Depósitos Judiciais Tributos a Compensar Despesas Pagas Antecipadamente Aplicações Financeiras Títulos de Renda Aumento do Ativo Permanente Investimentos Imobilizado Intangível Diferido

10 08 09 Continuação Controladora Consolidado Dividendos/JSCP Provisionados Transferência do Exigível a Longo Prazo para o Passivo Circulante TOTAL DAS APLICAÇÕES Aumento (Redução) do Capital Circulante Líquido ( ) DEMONSTRAÇÃO DA VARIAÇÃO DO CAPITAL CIRCULANTE Capital circulante final Ativo Circulante Passivo Circulante (64.588) Menos Capital circulante inicial Capital Circulante em 31 de dezembro do ano anterior (54.601) (91.608) AUMENTO (REDUÇÃO) DO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO ( ) As notas explicativas são parte integrante destas demonstrações contábeis.

11 BRASIL TELECOM S.A. Demonstrações dos Fluxos de Caixa Para os exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e de (Em milhares de reais) ATIVIDADES OPERACIONAIS Controladora Consolidado Lucro Líquido do Exercício Participação de Acionistas Não Controladores (1.830) (2.922) Itens de Resultado que não Afetam o Caixa Depreciação e Amortização Perdas com Contas a Receber de Clientes Provisões para Contingências Provisões para Fundos de Pensão Recuperação de Despesas com Fundos de Pensão Superávit (81.209) (81.209) Tributos Diferidos (52.577) ( ) (92.809) Resultado na Baixa do Ativo Permanente (37.034) Equivalência Patrimonial Perdas (Ganhos) com Investimentos (39) Mutações Patrimoniais ( ) ( ) ( ) ( ) Contas a Receber de Clientes ( ) ( ) ( ) ( ) Estoques (464) (697) Pessoal, Encargos e Benefícios Sociais Contas a Pagar e Despesas Provisionadas ( ) (33.297) ( ) Tributos ( ) ( ) Encargos Financeiros ( ) ( ) (10.056) Autorizações para Exploração de Serviços (67.363) ( ) Provisões para Contingências ( ) ( ) ( ) ( ) Provisões para Fundos de Pensão (51.143) ( ) (51.143) ( ) Outras Contas Ativas e Passivas (45.119) (42.116) (59.774) FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS Investimentos Temporários em Títulos Soberanos de Renda Fixa (89.098) (89.215) Recursos Obtidos na Venda de Ativo Permanente Depósitos Judiciais ( ) ( ) ( ) ( ) Aplicações no Ativo Permanente ( ) ( ) ( ) ( ) FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS ( ) ( ) ( ) ( )

12 Continuação ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS Controladora Consolidado Dividendos/JSCP Pagos no Exercício ( ) ( ) ( ) ( ) Empréstimos e Financiamentos ( ) ( ) Empréstimos Obtidos Empréstimos Liquidados ( ) ( ) ( ) ( ) FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS ( ) ( ) FLUXO DE CAIXA DO PERÍODO ( ) ( ) CAIXA, CONTAS BANCÁRIAS E APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ IMEDIATA Saldo Final Saldo Inicial VARIAÇÃO NO EXERCÍCIO ( ) ( ) Informações Suplementares aos Fluxos de Caixa Imposto de Renda e Contribuição Social Pagos Juros Pagos de Empréstimos e Financiamentos (Inclui Debêntures) As notas explicativas são parte integrante destas demonstrações contábeis.

13 BRASIL TELECOM S.A. Demonstrações de Valores Adicionados Para os exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e de (Em milhares de reais) Controladora RECEITAS ,0 % ,9 % Vendas de Serviços e Mercadorias ,8 % ,5 % Descontos Incondicionais e Cancelamentos ( ) (4,2) % ( ) (5,0) % Perdas com Contas a Receber de Clientes ( ) (4,1) % ( ) (5,2) % Outras Receitas ,5 % ,6 % INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS ( ) (67,8) % ( ) (70,8) % Materiais (72.314) (1,1) % (75.267) (1,2) % Serviços de Terceiros ( ) (65,0) % ( ) (68,3) % Outras Designações de Terceiros ( ) (1,7) % (81.215) (1,3) % RETENÇÕES ( ) (38,5) % ( ) (43,1) % Depreciação e Amortização ( ) (29,0) % ( ) (35,5) % Provisões para Contingências ( ) (9,5) % ( ) (7,6) % VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO ,7 % ,0 % VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM TRANSFERÊNCIA ,3 % ,0 % Resultado da Equivalência Patrimonial ( ) (3,0) % ( ) (6,1) % Dividendos (Investimentos ao Custo de Aquisição) Receitas Financeiras ,4 % ,3 % Receitas de Aluguéis ,9 % ,8 % VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR ,0 % ,0 % DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO Remuneração pelo Trabalho ,9 % ,0 % Honorários, Salários e Adicionais ,3 % ,7 % Encargos, Benefícios Sociais e Participações ,2 % ,8 % Provisões para Fundos de Pensão ,4 % ,5 % Governo Tributos ,5 % ,3 % Doações e Patrocínios ,2 % ,2 % Rentistas ,3 % ,6 % Aluguéis, Arredamentos e Seguros ,9 % ,7 % Despesas Financeiras ,4 % ,9 % Acionistas ,1 % ,9 % Juros sobre o Capital Próprio ,3 % ,6 % Dividendos ,2 % ,0 % Destinação para Reserva Legal ,6 % ,3 % Participação de Acionistas Não Controladores VALOR ADICIONADO DISTRIBUÍDO ,0 % ,0 % As notas explicativas são parte integrante destas demonstrações contábeis.

14 Continuação Consolidado RECEITAS ,8 % ,1 % Vendas de Serviços e Mercadorias ,4 % ,8 % Descontos Incondicionais e Cancelamentos ( ) (7,9) % ( ) (7,8) % Perdas com Contas a Receber de Clientes ( ) (4,7) % ( ) (5,7) % Outras Receitas ,0 % ,8 % INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS ( ) (73,7) % ( ) (76,5) % Materiais ( ) (5,1) % ( ) (6,1) % Serviços de Terceiros ( ) (67,0) % ( ) (68,9) % Outras Designações de Terceiros ( ) (1,6) % (99.177) (1,5) % RETENÇÕES ( ) (42,2) % ( ) (47,4) % Depreciação e Amortização ( ) (33,4) % ( ) (40,2) % Provisões para Contingências ( ) (8,8) % ( ) (7,2) % VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO ,9 % ,2 % VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM TRANSFERÊNCIA ,1 % ,8 % Resultado da Equivalência Patrimonial Dividendos (Investimentos ao Custo de Aquisição) Receitas Financeiras ,9 % ,6 % Receitas de Aluguéis ,2 % ,2 % VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR ,0 % ,0 % DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO Remuneração pelo Trabalho ,8 % ,0 % Honorários, Salários e Adicionais ,1 % ,6 % Encargos, Benefícios Sociais e Participações ,5 % ,0 % Provisões para Fundos de Pensão ,2 % ,4 % Governo Tributos ,1 % ,1 % Doações e Patrocínios ,2 % ,1 % Rentistas ,2 % ,5 % Aluguéis, Arredamentos e Seguros ,7 % ,7 % Despesas Financeiras ,5 % ,8 % Acionistas ,7 % ,3 % Juros sobre o Capital Próprio ,7 % ,1 % Dividendos ,5 % ,9 % Destinação para Reserva Legal ,5 % ,3 % Participação de Acionistas Não Controladores (1.830) (2.922) VALOR ADICIONADO DISTRIBUÍDO ,0 % ,0 % As notas explicativas são parte integrante destas demonstrações contábeis.

15 Notas explicativas às demonstrações contábeis 1. Contexto Operacional A BRASIL TELECOM S.A. ( Sociedade ) é uma concessionária do Serviço Telefônico Fixo Comutado ( STFC ) e atua na Região II do Plano Geral de Outorgas, que abrange os estados brasileiros do Acre, Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Goiás, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, além do Distrito Federal. Nessa área, a Sociedade presta desde julho de 1998 o STFC nas modalidades local e de longa distância intra-regional. Face ao cumprimento antecipado das obrigações de universalização constantes do Plano Geral de Metas de Universalização ( PGMU ), exigidas para 31 de dezembro de 2003, a Sociedade obteve junto à Agência Nacional de Telecomunicações ( ANATEL ), em 19 de janeiro de 2004, autorizações para a exploração do STFC nas seguintes modalidades de serviços: (i) Local e Longa Distância Nacional nas Regiões I e III e Setores 20, 22 e 25 da Região II do Plano Geral de Outorgas ( PGO ); e (ii) Longa Distância Internacional, nas Regiões I, II e III do PGO. Em decorrência dessas autorizações, a Sociedade passou a explorar os serviços de Longa Distância Nacional e Longa Distância Internacional em todas as regiões a partir de 22 de janeiro de No caso do Serviço Local nas novas regiões e setores do PGO, o serviço passou a ser ofertado a partir de 19 de janeiro de Os negócios da Sociedade, bem como os serviços que oferece e as tarifas que cobra, são regulamentados pela ANATEL. Os contratos de concessão vigentes, na modalidade de serviços Local e de Longa Distância, entraram em vigor a partir de 1º de janeiro de 2006, com vigência até 31 de dezembro de Informações adicionais sobre esses contratos estão citadas na nota explicativa nº 5.i. As informações referentes às metas de qualidade e universalização do Serviço Telefônico Fixo Comutado estão disponíveis para acompanhamento dos interessados na página eletrônica da ANATEL, no site O controle da Sociedade é exercido pela Brasil Telecom Participações S.A. ( BTP ), sociedade constituída em 22 de maio de 1998 em decorrência do processo de privatização do Sistema Telebrás. A Sociedade é registrada na Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) e na Securities and Exchange Commission SEC dos EUA, tendo suas ações negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo ( BOVESPA ), onde também

16 Para os exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e 2006 em milhares de reais integra o Nível 1 de Governança Corporativa, e negocia seus American Depositary Receipts ( ADR`s ) na Bolsa de Valores de Nova York ( NYSE ). Controladas da Sociedade Em 1º de agosto de 2006, foi aprovada pelo Conselho de Administração da Sociedade a reorganização societária das empresas controladas. Tal reorganização, visando à otimização da estrutura de controle com a redução de empresas, concentração de atividades afins, simplificação das participações societárias entre as empresas, teve início durante o segundo semestre de As alterações ocorridas no exercício de 2007 estão citadas nos comentários das empresas abaixo, quando a elas atribuídas. As alterações societárias realizadas em 2006 e 2007, efetuadas com base nos valores contábeis, não causaram impactos relevantes na estrutura de custos. a) 14 Brasil Telecom Celular S.A. ( BrT Celular ): subsidiária integral que opera desde o quarto trimestre de 2004 na prestação do Serviço Móvel Pessoal ( SMP ), tendo autorização para atender à Região II do PGO. b) BrT Serviços de Internet S.A. ( BrTI ): subsidiária integral que tem como principal produto o provimento de acesso à internet através de banda larga. Oferece ainda aos seus usuários, tanto residenciais quanto empresariais, uma série de serviços de valor agregado, entre os quais a conexão de acesso sem fio. A BrTI, por sua vez, possui o controle das seguintes sociedades: (i) Empresas ibest O ibest tem sua operação concentrada no provimento de acesso discado à internet, venda de espaço publicitário para divulgação em seu portal e serviço de valor agregado, sendo o acelerador de conexão à internet um dos principais serviços. As atividades do ibest são representadas em sua totalidade pela Freelance S.A., estabelecida no Brasil. Consta ainda a empresa ibest Holding Corporation, constituída nas Ilhas Cayman, a qual está sem operação e sem investimentos em outras sociedades. (ii) Empresas ig O ig tem sua operação baseada no provimento de acesso à internet, tanto discado quanto banda larga. Também

17 Notas explicativas às demonstrações contábeis provê serviços de valor agregado voltado para os mercados residencial e empresarial. Além desses serviços, o ig também conta com a venda de espaço publicitário em seu portal. O controle da BrTI nas Empresas ig é atribuído à participação de 88,81% no capital social da sociedade Internet Group (Cayman) Limited ( ig Cayman ), constituída nas Ilhas Caimãs. A ig Cayman é uma holding que detém, por sua vez, o controle das sociedades Internet Group do Brasil S.A. ( ig Brasil ) e Central de Serviços Internet Ltda. ( CSI ), ambas estabelecidas no Brasil. Agência O Jornal da Internet Ltda. ( Jornal Internet ) A BrTI mantém o investimento de trinta por cento no capital social da sociedade Jornal Internet, que tem por objeto a comercialização de bens e serviços por meio da internet, edição de jornais diários ou periódicos, bem como a captação, geração e divulgação de notícias sobre fatos selecionados. Setenta por cento do capital social da sociedade Jornal Internet é detido por Caio Túlio Vieira Costa, diretor vice-presidente das empresas de internet controladas da Sociedade. c) Brasil Telecom Cabos Submarinos Ltda. ( BrT CS ): empresa que era controlada pela BrTI até 2 de janeiro de Em tal data, a BrTI reduziu parcela de seu capital social detido pela Sociedade, utilizando para saldar parte da redução o investimento existente na BrT CS, no montante de R$ Desta forma, a Sociedade passou a ser a controladora da BrT CS, possuindo praticamente a totalidade do capital social da mesma. A BrTI continuou detentora de apenas uma quota do capital social da BrT CS, o que equivale a uma participação inferior a 0,01%. A BrT CS, em conjunto com suas sociedades controladas, opera através de um sistema de cabos submarinos de fibra óptica, com pontos de conexão nos Estados Unidos, Ilhas Bermudas, Venezuela e Brasil, permitindo o tráfego de dados através de pacotes de serviços integrados, oferecidos a clientes corporativos nacionais e internacionais. A BrT CS detém a totalidade do capital social da Brasil Telecom Subsea Cable Systems (Bermuda) Ltd. ( BrT SCS Bermuda ), a qual, por sua vez, detém o total das ações da Brasil Telecom of America Inc. ( BrT of America ) e da Brasil Telecom de Venezuela, S.A. ( BrT Venezuela ).

18 Para os exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e 2006 em milhares de reais d) Brasil Telecom Comunicação Multimídia Ltda. ( BrT Multimídia ): a Sociedade detinha até 10 de abril de 2007, 100% do capital da MTH Ventures do Brasil Ltda. ( MTH ), sociedade holding que possuía o controle do capital da Brasil Telecom Comunicação Multimídia Ltda., sendo que a Sociedade e a BrTI detinham a participação restante. Na data citada, em Assembléia Geral Extraordinária realizada, foi deliberado à Sociedade incorporar a MTH, cujo laudo de avaliação para incorporação, a valor contábil, correspondeu ao seguinte: Ativo Circulante R$ 37 Não Circulante Permanente Investimentos R$ Total do Ativo R$ Passivo Patrimônio Líquido R$ Total do Passivo R$ Atualmente a Sociedade participa com 89,8% no capital social da BrT Multimídia, cuja participação restante, de 10,2%, pertence à BrTI. A BrT Multimídia é provedora de serviços de rede privada de telecomunicações através de redes digitais de fibra óptica de âmbito local em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, e rede de longa distância conectando esses centros comerciais metropolitanos. Atua em âmbito nacional através de acordos comerciais com outras empresas de telecomunicações para oferecer serviços para as demais regiões do Brasil. Também possui centros de soluções de Internet em São Paulo, Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Fortaleza, que oferecem serviços de co-location, hosting e demais serviços de valor agregado. e) Vant Telecomunicações S.A. ( VANT ): empresa em que a Sociedade detém, praticamente, a totalidade do capital social. Cabe à BrTI apenas uma ação do capital social da VANT, o que representa menos de 0,01% de participação.

19 Notas explicativas às demonstrações contábeis A VANT tem por objeto a prestação de serviços de comunicação multimídia, aquisição e cessão onerosa de capacidades e demais meios, tendo como área de atuação as principais capitais brasileiras. f) Brasil Telecom Call Center S.A. ( BrT Call Center ): anteriormente denominada Santa Bárbara dos Pinhais S.A., a BrT Call Center, juntamente com a alteração de sua denominação social, deliberada na assembléia de acionistas realizada na data de 21 de agosto de 2007, modificou seu objeto social, que passou a ser a prestação de serviços de centrais de atendimento a terceiros, compreendendo as áreas de atendimento a clientes, telemarketing ativo e passivo e serviços de treinamento, suporte e consultoria e atividades afins, dentre outros. Sua atividade operacional teve início no mês de novembro de 2007, na prestação de serviços de call center à Brasil Telecom S.A. e às sociedades controladas desta, que demandam esse tipo de serviço. Anteriormente os serviços de call center eram realizados de forma terceirizada. Mudança da Administração No decorrer do terceiro trimestre de 2005 ocorreram as trocas dos administradores da Brasil Telecom Participações S.A. e da Sociedade. O processo de troca dos antigos administradores, ligados ao antigo gestor Opportunity, foi litigioso, segundo consta de diversos fatos relevantes divulgados pelas Sociedades durante o exercício de 2005 e de diversas ações que ainda estão em andamento, movidas pelo antigo gestor visando retomar a gestão das Sociedades. Acordos de 28 de abril de 2005 sob a Gestão Anterior Em 28 de abril de 2005, ainda sob a gestão anterior, a Brasil Telecom Participações S.A. e a Brasil Telecom S.A. celebraram vários acordos envolvendo os Grupos Opportunity e Telecom Itália ( Acordos de 28 de Abril ). Entre esses acordos, a Brasil Telecom S.A. e a sua subsidiária 14 Brasil Telecom Celular S.A. celebraram com a TIM International N.V. ( TIMI ) e a TIM Brasil Serviços e Participações S.A. ( TIMB ) um instrumento intitulado Acordo de Incorporação e um Protocolo a ele relacionado. Conforme consta de fatos relevantes divulgados, a incorporação foi proibida por liminares expedidas pela Justiça brasileira e norte-americana. Também foi objeto de discussão em arbitragem envolvendo acionistas controladores.

20 Para os exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e 2006 em milhares de reais A atual administração da Brasil Telecom Participações S.A. e da Sociedade entendeu que o Acordo de Incorporação, o respectivo Protocolo e os demais Acordos de 28 de abril, que incluíram desistência e transação em ações judiciais envolvendo as Sociedades, foram celebrados em conflito de interesses, com violação à lei e aos estatutos sociais das Sociedades e, ainda, em contrariedade a acordos de acionistas e sem as aprovações societárias necessárias. Ademais, a atual administração considerou que tais acordos foram contrários aos melhores interesses das Sociedades, notadamente quanto ao seu negócio de telefonia móvel. Relacionado ao Acordo de Incorporação citado nesta nota, a Sociedade e a controlada BrT Celular iniciaram em 15 de março de 2006 uma arbitragem contra a TIMI e a TIMB, visando à anulação do mesmo. A Sociedade divulgou fato relevante sobre este assunto em 16 de março de A TIMI e a TIMB enviaram à Sociedade e à BrT Celular correspondência datada de 2 de maio de 2006, rescindindo unilateralmente o referido Acordo de Incorporação, reservando suposto direito de indenização por perdas e danos, o que foi incluído para ser tratado na citada arbitragem. Segundo análises dos assessores jurídicos da Sociedade, o risco de perdas referente ao suposto direito de indenização foi avaliado como remoto e seu montante não foi passível de mensuração. Também no mês de maio de 2006, a TIMI protocolou, junto à Anatel e ao CADE, petições de requerimento de arquivamento da operação relativa ao Acordo de Incorporação por perda de objeto. No dia 18 de julho de 2007, a Brasil Telecom Participações S.A. e a Brasil Telecom S.A. firmaram, juntamente com 14 Brasil Telecom Celular S.A., Zain Participações S.A., Invitel S.A., Solpart Participações S.A. ( Solpart ), Techold Participações S.A. ( Techold ), Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil Previ ( Previ ), Petros Fundação Petrobras de Seguridade Social ( Petros ), Fundação dos Economiários Federais Funcef ( Funcef ), Investidores Institucionais Fundo de Investimento em Ações, Fundação 14 de Previdência Privada, Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social Valia, Citigroup Venture Capital International Brazil, L.P., Citigroup Venture Capital International Brazil, Ltd., International Equity Investments Inc., Citibank, N.A., Priv Fundo de Investimento em Ações, Tele Fundo de Investimento em Ações, Angra Partners Consultoria Empresarial e Participações Ltda., de um lado, e Telecom Italia S.p.A., Brasilco S.R.L., Credit Suisse Securities (Europe) Limited, TIMB e TIMI, ( Empresas Telecom Itália ), de outro lado, um Acordo de Exoneração Mútua, por meio do qual as partes signatárias se comprometeram, desde que previamente autorizadas pelos órgãos sociais competentes e quando da efetiva aquisição, por Previ, Petros e Funcef, ou por Techold, conforme o caso, da totalidade da participação acionária

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01768-0 BRASIL TELECOM PARTICIPAÇÕES S.A. 02.570.688/0001-70 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01768-0 BRASIL TELECOM PARTICIPAÇÕES S.A. 02.570.688/0001-70 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/03/2005 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01131-2 BRASIL TELECOM S.A. 76.535.764/0001-43 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01131-2 BRASIL TELECOM S.A. 76.535.764/0001-43 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 30/09/2007 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/1999 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 em 31 de dezembro de 2013 e 2012. em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de superávit

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ).

Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ). Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 25 de Outubro de 2005. Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ). (Os

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas.

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01 Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes Demonstração da Evolução do Patrimônio Líquido CSHG Realty BC Fundo de Investimento em Participações (Administrado pela Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S/A) Período de 01 de janeiro a

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

01768-0 BRASIL TELECOM PARTICIPAÇÕES S.A. 02.570.688/0001-70

01768-0 BRASIL TELECOM PARTICIPAÇÕES S.A. 02.570.688/0001-70 Brasil Telecom Cabos Submarinos do Brasil Ltda. ( BrT CS Ltda. ): nesta sociedade a BrTI exerce o controle direto e o controle total em conjunto com a BrT CSH. Brasil Telecom Subsea Cable Systems (Bermuda)

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS Índice Item CONTETO 1 6 ALCANCE 7 8 RECONHECIMENTO 9 10 REGISTROS CONTÁBEIS 11 22 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 23 25 CONTAS DE

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 KPMG Assurance Services Ltda. Agosto de 2012 KPDS 41367 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/03/1999 01462-1 GLOBO CABO S.A. 00.108.786/0001-65

EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/03/1999 01462-1 GLOBO CABO S.A. 00.108.786/0001-65 08.01 - COMENTÁRIO DO DESEMPENHO CONSOLIDADO NO TRIMESTRE A Globo Cabo é a maior operadora de TV a Cabo no Brasil, com participação acionária em 18 sistemas de TV a Cabo e 1 de MMDS, incluindo as três

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008 Bovespa: TPIS3 www.tpisa.com.br Departamento de RI Diretoria Ana Cristina Carvalho ana.carvalho@tpisa.com.br Gerência Mariana Quintana mariana.quintana@tpisa.com.br Rua Olimpíadas, 205-14º andar Fone +55

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3-4

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 Demonstrações Contábeis Em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório da Administração e do Liquidante Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

Tabela de Fatos - DCA 2014

Tabela de Fatos - DCA 2014 Tabela de Fatos - DCA 2014 Element siconfi-cor:p1.0.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.1.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.2.00.00

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT CPC 15 Combinações de Negócios Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT Agenda Introdução e Objetivos Alcance Definições e Escopo Tipos de Aquisições Aplicação do Método de Aquisição Ativos e Passivos

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008)

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) As Demonstrações Financeiras de 2007 do Berj foram publicadas no dia 22 de agosto de 2008, após serem auditadas PricewatershouseCoopers Auditores Independentes.

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO Plano de Contas Padrão, contendo alterações pela Instrução SPC nº 34/2009 ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO I CARACTERÍSTICAS 1. O plano de contas é formado por codificação alfanumérica. 2. A parte

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011. Notas explicativas às Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de dezembro de. (Valores expressos em Reais) 1. Contexto Operacional A Caixa de Assistência Oswaldo Cruz FIOSAÚDE, pessoa jurídica

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

Data-Base - 31/03/1999 01763-9 TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. 02.558.115/0001-21

Data-Base - 31/03/1999 01763-9 TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. 02.558.115/0001-21 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/3/1999 Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA,

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01768-0 BRASIL TELECOM PARTICIPAÇÕES S.A. 02.570.688/0001-70 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01768-0 BRASIL TELECOM PARTICIPAÇÕES S.A. 02.570.688/0001-70 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/29 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 18

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Leia mais

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por:

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Telefones: 11 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento); fax 11 3824-5487 E-mail: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Demonstrações Financeiras. Confederação Brasileira de Remo. em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras. Confederação Brasileira de Remo. em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Confederação Brasileira de Remo em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras ÍNDICE I. Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais