FICHA TÉCNICA. Coordenação: Jildésio Souza Beda. Participantes: Jildésio Souza Beda, José Cezar Nonato, Kamila Franco Paiva.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FICHA TÉCNICA. Coordenação: Jildésio Souza Beda. Participantes: Jildésio Souza Beda, José Cezar Nonato, Kamila Franco Paiva."

Transcrição

1 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO DISTRIBUIÇÃO COM A REDE AÉREA PRIMÁRIA 2ª EDIÇÃO JULHO DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA

2 FICHA TÉCNICA Coordenação: Jildésio Souza Beda. Participantes: Jildésio Souza Beda, José Cezar Nonato, Kamila Franco Paiva. 2ª Edição: Substituição de Transformador de Distribuição com a Rede Aérea Primária Energizada. Colaboradores: Celso Nogueira da Mota, Cleofas Pereira de Araújo Filho, Edimar de Oliveira, Luiz Fernando de Castro. GRNT - Gerência de Normatização e Tecnologia FAX: Fone:

3 NTD /35 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO JUL/2014 DISTRIBUIÇÃO COM A REDE AÉREA PRIMÁRIA

4 NTD /35 SUMÁRIO 1. OBJETIVO CAMPO DE APLICAÇÃO NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES INTRODUÇÃO HISTÓRICO DEFINIÇÕES EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS NECESSÁRIOS PARA A SUBSTITUIÇÃO DE TRANSFORMADORES COM A REDE PRIMÁRIA CRITÉRIOS PARA SUBSTITUIÇÃO DE TRANSFORMADORES COM A REDE PRIMÁRIA PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA REQUISITOS BÁSICOS PARA A SUBSTITUIÇÃO DE TRANSFORMADORES COM A REDE AÉREA PRIMÁRIA PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE TRABALHO PARA SUBSTITUIÇÃO DE TRANSFORMADORES COM A REDE PRIMÁRIA PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE TRABALHO PARA SUBSTITUIÇÃO DE TRANSFORMADOR COM A REDE PRIMÁRIA SIMPLIFICADO DISPOSIÇÕES GERAIS... 34

5 3/35 1. OBJETIVO Estabelecer e uniformizar os procedimentos operativos para substituição de transformador de distribuição, instalados em redes de distribuição aérea padronizadas, mantendo a rede aérea primária energizada. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Técnica aplica-se aos profissionais envolvidos nos trabalhos de substituição de transformadores com a rede de distribuição aérea primária energizada, com tensão igual ou inferior a 13,8 kv, utilizando-se de viatura equipada com guindauto hidráulico. Esta norma não se aplica à substituição de transformadores, em circuitos duplos, com a rede distribuição aérea convencional energizada. Também, não se aplica a transformadores instalados em plataforma (cadeira). 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3.1. NR-10 Norma Regulamentadora Nº 10 do Ministério do Trabalho e Emprego; 3.2. NR-35 Norma Regulamentadora Nº 35 do Ministério do Trabalho e Emprego; 3.3. NTD-1.06 Critérios para Elaboração de Redes e Linhas de Distribuição Aérea Primária Compacta e Secundária Isolada; 3.4. NTD-2.06 Redes de Distribuição Aéreas Protegidas (Padrões de Montagem); 3.5. NTD-2.07 Redes Secundárias Isoladas RSI (Padrões de Montagem); 3.6. NTD 4.01 Instruções de Operação do Sistema de Distribuição até 15 kv da CEB-D; 3.7. NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição RDA com Tensão de Até 13,8 kv; 3.8. Norma COPEL GSST Tarefas Padronizadas, Grupo Manutenção e Construção de Redes LM, Tarefa Substituição de Transformador Convencional Número Padrão 5-159; 3.9. Norma CPFL - Padrão de Construção e Manutenção de Redes de Distribuição Manual do Eletricista Construção e Manutenção de Redes de Distribuição GED INTRODUÇÃO Esta norma estabelece os critérios e procedimentos que devem ser obedecidos nas intervenções em redes de distribuição aérea de média e baixa tensão, quando da necessidade de substituição de transformadores com a rede primária energizada.

6 4/35 5. HISTÓRICO A evolução do sistema de distribuição de energia elétrica brasileiro, com destaque para a implantação da nova NR-10 e das redes compactas fez com que o setor elétrico buscasse desenvolver estudos com a finalidade de reduzir os acidentes de trabalho de origem elétrica. A substituição de transformadores com a rede primária energizada, reduz os desligamentos dos circuitos de distribuição, bem como os transtornos trazidos para os consumidores devido a estes desligamentos. Consequentemente, contribuirá para a melhoria dos indicadores de continuidade estabelecidos pela ANEEL e para a satisfação dos consumidores. A falta de padronização de algumas redes de distribuição aérea favorece a ocorrência de acidentes de origem elétrica, principalmente, quando da realização das atividades de substituição de transformadores com a rede primária energizada, uma vez que as suas distâncias de segurança não são obedecidas. A revisão desta norma foi motivada também pela ocorrência de alguns acidentes de origem elétrica, na área de concessão da CEB-D, com trabalhadores desenvolvendo as atividades de substituição de transformadores com a rede de distribuição primária energizada. 6. DEFINIÇÕES 6.1. Bastão de Aterramento de Baixa Tensão Equipamento de segurança utilizado para proteção do homem nos trabalhos em redes de baixa tensão convencionais desenergizadas. Destina-se basicamente ao curto-circuitamento e aterramento da rede de baixa tensão, evitando riscos ao operador na eventualidade de energizações acidentais Bastão de Manobra Pega-tudo Equipamento de segurança utilizado para instalação e retirada do conjunto de aterramento temporário tipo sela, que consiste de um mecanismo com gancho articulável e retrátil em sua extremidade, operado por manopla regulável em sua região de empunhadura em três posições básicas de trabalho, através de uma cremalheira e duas travas de segurança. Pode ser utilizado ainda para instalação e retirada de grampos de linha viva, coberturas protetoras de condutores de linha viva, instrumentos de medição, etc Centro de Operação (COD) Conjunto centralizado de pessoal, informações, equipamentos e processamento de dados da CEB-D. É destinado a exercer as ações de coordenação, supervisão, controle, comando e execução da operação das instalações de Baixa Tensão (BT), de Média Tensão (MT) e de Alta Tensão (AT) de distribuição.

7 5/ Confinamento Método de aterramento temporário em redes de distribuição, com instalação de conjuntos nos pontos adjacentes aos locais dos trabalhos Conjunto de Aterramento Temporário de Média Tensão Tipo Sela Equipamento de segurança utilizado para proteção do homem nos trabalhos em redes desenergizadas. Destina-se basicamente ao curto-circuitamento e aterramento da rede de distribuição até 34,5 kv, com o intuito de diminuir o risco ao operador na eventualidade de energizações acidentais Conjunto de Aterramento Temporário de Rede Secundária Isolada Equipamento de segurança utilizado para proteção do homem nos trabalhos em redes de baixa tensão isoladas desenergizadas. Destina-se basicamente ao curtocircuitamento e aterramento da rede de baixa tensão, evitando riscos ao operador na eventualidade de energizações acidentais Detector de Tensão Aparelho portátil destinado a efetuar testes de ausência de tensão nas redes de distribuição de média e baixa tensão Dispositivo de Operação Sob Carga DAC Equipamento portátil destinado à manobra de abertura, sob carga, de chaves facas e chaves fusíveis monopolares, adequadas para a acoplagem deste equipamento, instaladas em redes de distribuição Estropo de Nylon com Argolas de Aço Dispositivo destinado à sustentação, ao içamento e à locomoção de cargas, constituído de uma faixa de nylon com duas argolas em suas extremidades com o qual se envolve objetos pesados Equipotencialização Ato de tomar-se medidas para fazer com que dois ou mais corpos condutores de eletricidade possuam a menor diferença de potencial elétrico entre eles Guindauto Hidráulico Equipamento hidráulico, instalado em veículo adequado, dotado de lança articulada, com regulagem manual, destinado à elevação e descida de diversos tipos de cargas de forma ágil e simples, sem a necessidade de esforço físico intenso do homem.

8 6/ GSST Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho Programa de padronização de procedimentos que tem por objetivo o cumprimento das normas de segurança e saúde no trabalho Interdição da Instalação Conjunto de manobras que tem por objetivo isolar parte do sistema de distribuição de qualquer fonte de tensão, através de seccionadoras ou outros dispositivos interruptores de energia Local dos Trabalhos Área de atuação de equipe de construção, manutenção ou restabelecimento de emergência, em um determinado trecho da rede de distribuição NR-10 Norma Regulamentadora Norma regulamentadora do Ministério do Trabalho que estabelece os requisitos e condições mínimas objetivando a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores que, direta ou indiretamente, interajam em instalações elétricas e serviços com eletricidade NR-35 Norma Regulamentadora Norma regulamentadora do Ministério do Trabalho que estabelece os requisitos e condições mínimas e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores envolvidos direta ou indiretamente com esta atividade Pedido de Energização e Desligamento PED Tem por finalidade informar e submeter à aprovação da GROS, a instalação ou equipamento do Sistema de Distribuição a desligar ou energizar, bem como a descrição sucinta do serviço a executar, o qual o COD REDE faz a execução dos passos da manobra para a isolação do trecho a ser trabalhado ou energização do trecho ou equipamento Rede Primária RP Rede de distribuição em média tensão MT que utiliza condutores de alumínio nu ou cobertores (protegidos), sendo utilizados na CEB-D na tensão 13,8 kv; Rede Secundária RS Rede de distribuição em baixa tensão BT que utiliza condutores de alumínio nus ou multiplexados coloridos isolados;

9 7/ Ponto de Trabalho Espaço de uma estrutura ou ponto de rede onde os trabalhadores se posicionam ou fazem contato na realização dos trabalhos Tensão de Passo Diferença de potencial entre os dois pés de uma pessoa, no instante em que esteja passando pelo solo uma corrente elétrica Tensão de Toque Diferença de potencial em que uma pessoa se encontra ao tocar em uma estrutura condutora no instante em que esteja passando uma corrente elétrica por esta estrutura Vara de manobra Equipamento de segurança que tem por objetivo garantir a distância de segurança e o isolamento necessário nas intervenções em circuitos de redes de distribuição aérea, sendo utilizado nas manobras de operação de chaves. 7. EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS NECESSÁRIOS PARA A SUBSTITUIÇÃO DE TRANSFORMADORES COM A REDE PRIMÁRIA A consulta do detalhamento dos equipamentos e acessórios necessários para a substituição de transformadores com a rede primária energizada, caso necessária, deverá ser realizada nas especificações técnicas. Para execução segura da tarefa, o estropo utilizado deve ter o seguinte comprimento: 1,0 m no máximo, para uso em transformador de potência menor que 75kVA; 1,3 m no máximo, para uso em transformador de potência igual ou superior 75kVA; 8. CRITÉRIOS PARA SUBSTITUIÇÃO DE TRANSFORMADORES COM A REDE PRIMÁRIA O conjunto de aterramento temporário deve ser instalado sempre que for necessário realizar serviços em redes de distribuição aérea de média e/ou baixa tensão desenergizadas, desde que atende aos seguintes critérios: 8.1. A rede de distribuição aérea esteja em conformidade com a NTD-2.10 ou NTD-2.02, condutores fases (jumpers) superiores das chaves fusíveis conectados na

10 8/35 RDA de MT sem Grampo de Linha Viva - GLV e condutores fases (jumpers) inferiores confeccionados com cabo de alumínio nu CAA 2 AWG; 8.2. A rede de distribuição aérea esteja em conformidade com a NTD-2.05 ou NTD-2.06, condutores fases (jumpers) superiores das chaves fusíveis conectados na RDA de MT com Grampo de Linha Viva - GLV e condutores fases (jumpers) inferiores confeccionados com cabo de alumínio protegido CA 2 AWG. 9. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA 9.1. Todo serviço deve ser planejado antecipadamente e executado por equipes capacitadas de acordo com a NR-10, NR-35 e com a utilização de ferramentas e equipamentos devidamente especificados pela CEB e em boas condições de uso Os serviços em instalações elétricas energizadas em Alta Tensão - AT, bem como aqueles executados no Sistema Elétrico de Potência - SEP, não podem ser realizados individualmente, de acordo com o Item da NR Todo trabalho em instalações elétricas energizadas em AT, bem como aquelas que interajam com o Sistema Elétrico de Potência - SEP, somente pode ser realizado mediante ordem de serviço específica para data e local, assinada por superior responsável pela área, de acordo com o Item da NR Todo trabalho deverá ser precedido de ordem de serviço específica quando se tratar de impedimentos diferentes. Quando houver dois ou mais trabalhos que envolva o mesmo impedimento, sob a coordenação do mesmo responsável, deverá ser emitida apenas uma ordem de serviço. Quando houver dois ou mais responsáveis, obrigatoriamente, deverá ser emitida uma ordem de serviço para cada responsável; 9.5. Antes de iniciar trabalhos em equipe os seus membros, em conjunto com o responsável pela execução do serviço, devem realizar uma avaliação prévia, estudar e planejar as atividades e ações a serem desenvolvidas no local (reunião ao pé do poste), de forma a atender os princípios técnicos básicos e as melhores técnicas de segurança aplicáveis ao serviço, de acordo com o Item da NR Os trabalhadores devem interromper suas tarefas exercendo o direito de recusa, sempre que constatarem evidências de riscos graves e iminentes para sua segurança e saúde ou a de outras pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu superior hierárquico, que diligenciará as medidas cabíveis, de acordo com o Item da NR É proibida a realização de trabalhos em redes de distribuição aérea de AT desenergizada quando a baixa tensão estiver energizada O local do serviço deverá ser devidamente sinalizado e delimitado, para tanto deverão ser utilizados cones e fitas refletivas de sinalização.

11 9/ A equipe de trabalho deverá priorizar o uso de viatura equipada com o cesto aéreo isolado para auxiliar na realização do serviço, para tanto deverá estar devidamente calçadas (rodas dianteiras e traseiras) equilibradas, estabilizadores do chassi acionados Caso a equipe de trabalho, por algum motivo, não consiga utilizar a viatura equipada com o cesto aéreo isolado para auxiliar na realização do serviço, deverá adotar o uso de viatura equipada com escada telescópica giratória ou escada extensiva de fibra. Em qualquer destes casos, deverá adotar os procedimentos prescritos na NR-35 Trabalho em Altura, ou seja, obrigatoriamente terá que utilizar o método de trabalho para o uso do equipamento de resgate aéreo na execução dos serviços Todo trabalho em altura deve ser realizado sob supervisão, cuja forma será definida pela análise de risco de acordo com as peculiaridades da atividade, de acordo com o Item da NR O responsável pelo serviço deverá permanecer no local do serviço e estar devidamente equipado com sistema que garanta a comunicação permanente, confiável e imediata com o Centro de Operação da Distribuição COD durante todo o período de execução do serviço O responsável pelos serviços deverá contatar o COD REDE para solicitar a liberação do trecho do circuito onde serão executados os serviços. Conforme NTD 4.01 item As manobras só podem ser executadas após autorização do COD REDE, a ser solicitada pelo responsável pelos serviços citado no PED. Caso ocorra qualquer anormalidade durante a operação das chaves, a manobra deve ser interrompida e o COD REDE imediatamente comunicado. A manobra só pode ter continuidade após autorização do COD REDE O COD REDE deverá realizar obrigatoriamente o bloqueio de religamento automático do circuito alimentador responsável pela alimentação da instalação envolvida, sempre que executar trabalhos em linha viva ou manobras de abertura ou fechamento de chaves para desenergização de trechos de circuitos para realização de serviços de obras ou manutenção em rede de distribuição O responsável pelos serviços deverá receber o Cartão para Liberação de Equipamento ou Instalação do responsável pela manobra quando tratar-se de manobra realizada pela equipe de serviços emergenciais, devidamente assinado; Todo serviço somente poderá ter o seu inicio autorizado após o preenchimento e assinatura da Análise Preliminar de Risco APR, Conversa ao Pé do Poste, pelo encarregado em conjunto com a equipe de trabalho O responsável pela execução do serviço e a equipe de trabalho devem realizar uma avaliação prévia, estudar e planejar as atividades e ações a serem desenvolvidas de forma a atender os princípios técnicos básicos e as melhores técnicas de segurança em eletricidade aplicáveis ao serviço.

12 10/ No caso de duas ou mais equipes trabalharem no mesmo trecho ou circuito, executando serviços diferentes, cada responsável pela execução dos serviços deverá providenciar a instalação e retirada dos conjuntos de aterramento temporário necessários para a isolação do trecho sob sua responsabilidade, independente dos conjuntos de aterramentos instalados e de responsabilidade das outras equipes No caso de duas ou mais equipes trabalharem no mesmo trecho ou circuito, executando serviços diferentes, sob a coordenação de um único responsável, este será também o responsável por coordenar a instalação e retirada dos conjuntos de aterramento temporário e um mesmo conjunto poderá ser utilizado como proteção de várias equipes que trabalharem no mesmo trecho ou circuito A rede a ser aterrada deve ser considerada como energizada até ser concluída a operação de instalação do conjunto de aterramento temporário Os estais das estruturas deverão ser interligados, obrigatoriamente aos respectivos conjuntos de aterramento temporários instalados e ao condutor neutro O responsável pelos serviços deverá contatar o COD REDE para liberar o trecho do circuito onde foram realizados os serviços, para que seja normalizado o religamento automático do alimentador da alimentação da instalação envolvida. Conforme NTD 4.01 item As manobras só podem ser executadas após autorização do COD REDE, a ser solicitada pelo responsável pelos serviços citado no PED. Caso ocorra qualquer anormalidade durante a operação das chaves, a manobra deve ser interrompida e o COD REDE imediatamente comunicado. A manobra só pode ter continuidade após autorização do COD REDE O responsável pelos serviços deverá devolver o Cartão para Liberação de Equipamento ou Instalação ao responsável pela manobra, quando tratar-se de manobra realizada pela equipe de serviços emergenciais, devidamente assinado Os 10 PASSOS DE SEGURANÇA da CEB-D, a seguir, deverão ser obedecidos para a desenergização de circuitos elétricos de rede de distribuição de energia elétrica: 1. No local do serviço, isolamento e sinalização da área com fitas, cones ou outras barreiras; 2. Planejamento da tarefa incluindo a conversa ao pé do poste ou no pátio da subestação com uso da APR Análise Preliminar de Risco; 3. Seleção e uso dos EPI e EPC, ferramental e materiais de serviço adequados; 4. Solicitação do bloqueio do religamento automático do circuito ao COD Centro de Operação da Distribuição para o impedimento de reenergização; 5. Seccionamento do trecho ou circuito (descontinuidade elétrica parcial ou total);

13 11/35 6. Constatação de ausência de tensão; 7. Instalação de aterramento temporário com equipotencialização dos condutores dos circuitos; 8. Proteção dos elementos energizados existentes na zona controlada aérea em torno da parte condutora energizada (obstáculos, anteparos e isolamento das partes vivas); 9. Instalação da sinalização de impedimento de reenergização (bandeira, cartão etc.); 10. Impedimento físico de reenergização com aplicação de travamentos mecânicos para manter o dispositivo de manobra fixo numa determinada posição, de forma a impedir uma ação não autorizada (cadeados, travas, retirada dos porta-fusíveis, etc.). 10. REQUISITOS BÁSICOS PARA A SUBSTITUIÇÃO DE TRANSFORMADORES COM A REDE AÉREA PRIMÁRIA São considerados requisitos básicos para a substituição de transformadores com a rede aérea primária energizada: a) Para ser considerado apto, o trabalhador deverá estar capacitado em consonância com as Normas Regulamentadoras NR-10 e NR-35, ter participado com aproveitamento satisfatório de treinamento especifico para realização de trabalhos em redes de distribuição aérea de AT/BT desenergizada, e estar devidamente capacitado por treinamento específico nesta NTD; b) O trabalhador deve estar devidamente credenciado e autorizado pela CEB-D ao exercício de atividades em condições de periculosidade; c) A equipe de trabalho deverá cumprir rigorosamente os procedimentos de trabalhos estabelecidos nesta NTD; d) Existência de ordem de serviço específica para realização do serviço; e) Realização do checklist da viatura, materiais, ferramentas e equipamentos; f) Execução dos trabalhos sempre com mais de um trabalhador para auxílio nas tarefas ou atender em casos de emergência, execução dos trabalhos somente por trabalhadores devidamente capacitados e autorizados; g) Para a substituição de transformador com a rede primária energizada é obrigatório que a estrutura de trabalho da rede de distribuição aérea, existente, esteja padronizada em conformidade com os padrões básicos de montagem: NTD-2.01, NTD-2.02, NTD-2.05 ou NTD As distâncias entre as chaves fusíveis, cruzetas e as buchas secundárias do transformador deverão ser criteriosamente observadas;

14 12/35 h) Quando tratar-se de circuitos duplos, não será permitida a substituição de transformadores com a rede de distribuição aérea convencional primária energizada; i) Quando tratar-se de circuitos duplos, para a realização da substituição de transformador em estruturas com redes de distribuição aérea primária convencional energizada, obrigatoriamente, o transformador deverá estar desenergizado, cabendo à equipe de trabalho instalar apenas o conjunto de aterramento temporário para baixa tensão; j) Estacionamento da viatura de forma adequada, com o calçamento das rodas e instalação do aterramento temporário da viatura; k) Delimitação e sinalização adequada da área de serviço; l) Realização do planejamento da tarefa, Conversa ao Pé do Poste, e da Análise Preliminar de Risco APR; m) Preparação das ferramentas, materiais e equipamentos necessários para a realização da tarefa; n) Execução dos trabalhos com os seguintes equipamentos de proteção: Luvas isolantes de borracha para 1 kv (classe 0) para trabalhos na rede de BT; Luvas isolantes de borracha para 17 kv (classe 2) para trabalhos na rede de AT; Luvas de couro, cobertura para as luvas isolantes de borracha; Banqueta isolante para 17 kv (classe 2); Luvas em vaqueta; Viatura equipada com guindauto hidráulico; Viatura de apoio equipada com cesto aéreo isolado, escada telescópica giratória ou escada extensível de fibra vidro; Equipamento de resgate aéreo, para o caso da escada telescópica giratória ou uso da escada extensível; Cinto tipo paraquedista com cordão umbilical, para o caso do uso do cesto aéreo isolado; Cinto Tipo paraquedista, para o caso da escada telescópica giratória ou do uso da escada extensível; Trava quedas; Talabarte ajustável; Mosquetão; Uniforme RF; Capacete branco aba total, classe B; Óculos de proteção lente escura ou incolor; Botina de segurança; Bastão de manobra pega tudo; Vara de manobra com três módulos; Dispositivo de Abertura de Chaves Sob Carga DAC;

15 13/35 Detetor de tensão; Conjunto de aterramento temporário de média e baixa tensão; Cones de sinalização de 750 mm, a quantidade dependerá do tipo de serviço e velocidade da via; Rebobinador com fita de sinalização refletiva; Bandeirola de sinalização Não Opere esta Chave ; Lençóis isolante de borracha (classe 0 ou classe 2); Coberturas rígidas isolantes (classe 0 ou classe 2); Coberturas flexíveis isolantes (classe 0 ou classe 2); Manga isolante (classe 0 ou classe 2); Estropo de nylon adequado com argolas de aço; Alicate volt-amperímetro. NOTA: Todos os EPI e EPC devem passar por testes periódicos e o trabalhador deverá inspecioná-los diariamente antes do seu uso. o) Comunicação com o COD REDE via sistema, conforme rotina própria deste órgão; p) O COD REDE deverá verificar a existência de Geração Própria com paralelismo permanente no circuito a ser trabalhado pela Equipe de Obra, Manutenção ou de Emergência, conforme rotina própria deste órgão; q) Inspeção visual das condições físicas do poste, estrutura e condutores antes da execução dos trabalhos; r) Abertura do equipamento de retaguarda ou confirmação com o COD REDE da manobra para isolamento do trecho ou circuito a ser trabalhado; s) Quando qualquer equipamento de proteção ou manobra for aberto para permitir a execução de serviços na rede, deve sempre ser colocado, em lugar visível e junto ao equipamento operado, a bandeirola com os dizeres: Não opere esta chave, para efetivar a interdição; além de testar ausência de tensão e instalar os conjuntos de aterramentos temporários; t) O trabalhador jamais deverá fazer qualquer modificação nas características originais do conjunto de aterramento temporário; u) Os pontos de neutro dos equipamentos e os aterramentos das estruturas não devem ser utilizados como ponto de aterramento do conjunto de aterramento temporário, mesmo que sejam facilmente acessíveis, pois podem não estar diretamente ligados a terra.

16 14/ PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE TRABALHO PARA SUBSTITUIÇÃO DE TRANSFORMADORES COM A REDE PRIMÁRIA Além de cumprir estritamente todos os procedimentos específicos estabelecidos pelo COD REDE, as equipes de trabalho que executam serviços de substituição de transformadores com a rede de distribuição aérea primária energizada devem cumprir os procedimentos a seguir: Estruturas Padronizadas em Conformidade com a NTD-2.01 Padrão de Construção de Linha Aérea e NTD-2.02 Padrão de Construção de Rede Aérea Urbana sem Alça Estribo e Grampo de Linha Viva GLV A seguir estão descritos os procedimentos imprescindíveis para a realização da atividade de Substituição de Transformador com a Rede Primária Energizada: Executar a manobra de abertura da chave fusível de proteção do transformador a ser substituído, em conformidade com as orientações do COD REDE, e obedecer a sequência de abertura de chaves fusíveis, além de utilizar obrigatoriamente o Dispositivo de Abertura de Chaves sob Carga DAC (NTD-4.19 Instrução para o Uso do Loadbuster); Retirar os porta-fusíveis (cartuchos) para verificação da sua conservação e da capacidade dos elos fusíveis e substituir os elos fusíveis, caso necessário; Executar o teste de ausência de tensão na parte inferior (base) das chaves fusíveis, utilizando o detetor de tensão adequado. Deverá ser realizado o auto teste no detetor de tensão antes e após a sua utilização; Executar o teste de ausência de tensão na rede de baixa tensão, utilizando o detetor de tensão adequado. Deverá ser realizado o auto teste no detetor de tensão antes e após a sua utilização; Instalar os conjuntos de aterramento temporário na rede de baixa tensão, conforme descrito na NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição Aérea RDA com Tensão até 13,8 kv, de acordo com o Desenho a seguir:

17 15/35 Desenho 1- Instalação do conjunto de aterramento temporário de baixa tensão Nota: Instalar, na baixa tensão, um conjunto de aterramento temporário de cada lado da estrutura Instalar o conjunto de aterramento temporário na rede de média tensão, conforme descrito na NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição Aérea RDA com Tensão até 13,8 kv, de acordo com o Desenho a seguir:

18 16/35 Desenho 2- Instalação do conjunto de aterramento temporário de baixa e média tensão Notas: 1. Inspecionar atentamente as condições das conexões e dos condutores fases (jumpers), na parte inferior das chaves fusíveis; 2. O conjunto de aterramento de média tensão deverá ser instalado nos condutores fases (jumpers), na parte inferior das chaves fusíveis, o mais próximo possível das suas bases;

19 17/ Desconectar os condutores fases (jumpers) dos terminais das buchas primárias do transformador e prendê-los junto ao poste de maneira adequada, liberando a área em torno do transformador para a sua substituição; Nota: Segurar com firmeza os condutores fases (jumpers), visando evitar que sejam lançados na rede de média tensão energizada devido ao efeito mola Desconectar os condutores dos terminais das buchas secundárias do transformador e prendê-los junto ao poste de maneira adequada, liberando a área em torno do transformador para a sua substituição; Notas: 1. Caso seja necessário, desconectar os ramais de ligação que possam impedir a aproximação da lança da viatura, quando da substituição do transformador; 2. Marcar os condutores dos ramais de ligação, visando a correta ligação desses condutores às respectivas fase e neutro Posicionar a viatura com guindauto hidráulico para a execução da substituição do transformador; Nota: Calçar adequadamente a viatura com guindauto, visando a correta estabilização do veículo Executar o aterramento temporário da viatura; Instalar o estropo de nylon adequado no suporte para suspensão do transformador; Posicionar o gancho da lança do guindauto no estropo de nylon adequado e tensioná-lo suavemente; Notas: 1. Aproximar cuidadosamente a lança do guindauto, obedecendo às distâncias de segurança em relação aos condutores energizados na rede de média tensão; 2. O operador do guindauto deverá se posicionar sobre uma banqueta isolante para 17 kv (classe 2); 3. O operador e os outros componentes da equipe que estiverem ajudando neste passo deverão estar equipados com as luvas de isolantes de borracha para 17 kv (classe 2). As pessoas não envolvidas na atividade devem ficar fora da área delimitada.

20 18/ Retirar o transformador da estrutura e acondiciona-lo na carroceria da viatura; Nota: Movimentar suavemente a lança do guindauto, até que o transformador seja acondicionado na carroceria da viatura Manter o tap do transformador a ser instalado no mesmo tap do transformador retirado ou seguir as determinações do COD Rede para os casos específicos; Instalar o estropo de nylon adequado no suporte para suspensão do transformador a ser instalado; Posicionar o gancho da lança do guindauto no estropo de nylon adequado e elevá-lo até o ponto de instalação na estrutura; Notas: 1. Aproximar cuidadosamente a lança do guindauto, obedecendo às distâncias de segurança em relação aos condutores energizados na rede de média tensão; 2. O operador do guindauto deverá se posicionar sobre uma banqueta isolante para 17 kv (classe 2); 3. O operador e os outros componentes da equipe que estiverem ajudando neste passo deverão estar equipados com as luvas de isolantes de borracha para 17 kv (classe 2). As pessoas não envolvidas na atividade devem ficar fora da área delimitada Instalar o transformador na estrutura; Retirar o estropo de nylon adequado do suporte para suspensão do transformador; Recolher cuidadosamente a lança do guindauto para a viatura; Reposicionar a viatura com guindauto hidráulico, caso necessário; Executar a conexão dos condutores nos terminais das buchas secundárias do transformador; Nota: Conectar os ramais de ligação aos respectivos condutores fases e neutro, caso necessário Conectar os condutores fases (jumpers) nos terminais das buchas primárias do transformador;

21 19/35 Nota: Segurar com firmeza os condutores fases (jumpers), visando evitar que sejam lançados na rede de média tensão energizada devido ao efeito mola Retirar o conjunto de aterramento temporário da rede de média tensão, conforme descrito na NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição Aérea RDA com Tensão até 13,8 kv; Notas: Inspecionar atentamente as condições das conexões e dos condutores fases (jumpers), na parte inferior das chaves fusíveis Retirar os conjuntos de aterramento temporário da rede de baixa tensão, conforme descrito na NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição Aérea RDA com Tensão até 13,8 kv; Retirar os porta-fusíveis (cartuchos) para verificação da sua conservação e da capacidade dos elos fusíveis e substituir os elos fusíveis, caso necessário; Executar a manobra de fechamento da chave fusível de proteção do transformador instalado, em conformidade com as orientações do COD REDE, e obedecer a sequência de fechamento de chaves fusíveis; Executar as medições de tensão e corrente elétrica nas buchas secundárias do transformador e informa-las ao COD REDE; Nota: 1. As tensões medidas devem estar compreendidas entre os seguintes valores: Tensões de Atendimento Adequadas Resolução Normativa 414/ ANEEL Tipo de Transformador Condutores Tensão nominal Tensão mínima Tensão máxima Monofásico Fase-Fase Trifásico Fase - fase Monofásico ou Trifásico Fase - neutro Caso os valores estejam fora dos limites acima, o encarregado da equipe deverá informar com o COD sobre a mudança do TAP ou substituição do transformador Recolher os materiais, ferramentas e equipamentos para a viatura;

22 20/ O encarregado da equipe deverá certificar-se do restabelecimento do circuito secundário foi satisfatório, em pelo menos uma unidade consumidora; Solicitar ao COD RDE a normalização do circuito; Realizar a reunião de conclusão dos serviços. O encarregado deve avaliar o trabalho da equipe, reunindo o pessoal para criticar os aspectos referentes ao tempo de execução da tarefa, o desempenho do ferramental e o desempenho de cada participante Recolher a sinalização da área de trabalho Estruturas Padronizadas em Conformidade com a NTD-2.05 Padrão de Construção de Rede de Distribuição com Cruzeta de Madeira e NTD-2.06 Padrões Básicos de Montagens de Redes de Distribuição Aéreas Compactas com Alça Estribo e Grampo de Linha Viva GLV A seguir estão descritos os procedimentos imprescindíveis para a realização da atividade de Substituição de Transformador com a Rede Primária Energizada: Executar a manobra de abertura da chave fusível de proteção do transformador a ser substituído, em conformidade com as orientações do COD REDE, e obedecer a sequência de abertura de chaves fusíveis, além de utilizar obrigatoriamente o Dispositivo de Abertura de Chaves sob Carga DAC (NTD-4.19 Instrução para o Uso do Loadbuster); Retirar os porta-fusíveis (cartuchos) para verificação da sua conservação e da capacidade dos elos fusíveis e substituir os elos fusíveis, caso necessário; Executar o teste de ausência de tensão na parte inferior (base) das chaves fusíveis, utilizando o detetor de tensão adequado. Deverá ser realizado o auto teste no detetor de tensão antes e após a sua utilização; Executar o teste de ausência de tensão na rede de baixa tensão, utilizando o detetor de tensão adequado. Deverá ser realizado o auto teste no detetor de tensão antes e após a sua utilização; Desconectar os Grampos de Linha Viva da alça estribo, com o auxílio do bastão pega-tudo, obedecendo a mesma sequência de abertura das chaves fusíveis e conectá-los nos condutores fases (jumpers) inferiores das chaves fusíveis, o mais próximo possível da base das chaves fusíveis, devido os jumpers serem de cabo de alumínio protegido, quando tratar-se de RDA compacta;

23 21/35 Desenho 3 Desconexão dos Grampos de Linha Viva GLV e conexão nos jumpers inferiores das chaves fusíveis, próximos às suas bases Rede de distribuição aérea de média tensão compacta Notas: 1) Inspecionar atentamente as condições das conexões e dos condutores fases (jumpers), na parte superior e inferior das chaves fusíveis; 2) Jumpers superiores e inferiores confeccionados com cabo de alumínio protegido.

24 22/ Instalar os conjuntos de aterramento temporário na rede de baixa tensão, conforme descrito na NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição Aérea RDA com Tensão até 13,8 kv; Desenho 4 Instalação do conjunto de aterramento temporário na rede de distribuição aérea de baixa tensão compacta Nota: Instalar, na baixa tensão, um conjunto de aterramento temporário de cada lado da estrutura.

25 23/35 Desenho 5 Desconexão dos Grampos de Linha Viva GLV da rede de distribuição aérea de média tensão convencional e conexão nos jumpers superiores das chaves fusíveis, próximo às suas bases Notas: 1) Inspecionar atentamente as condições das conexões e dos condutores fases (jumpers), na parte superior e inferior das chaves fusíveis; 2) Conectar os Grampos de Linha Viva nos jumpers superiores das chaves fusíveis, próximo às suas bases NTD 2.05.

26 24/ Instalar o conjunto de aterramento temporário na rede de média tensão, conforme descrito na NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição Aérea RDA com Tensão até 13,8 kv, caso os jumpers inferiores das chaves fusíveis sejam de cabo de alumínio nu; Desenho 6 Instalação do conjunto de aterramento temporário de baixa tensão Nota: Instalar, na baixa tensão, um conjunto de aterramento temporário de cada lado da estrutura.

27 25/35 Desenho 7 Instalação dos conjuntos de aterramento temporário de média e baixa tensão

28 26/35 Notas: 1. Inspecionar atentamente as condições das conexões e dos condutores fases (jumpers), na parte inferior das chaves fusíveis; 2. O conjunto de aterramento de média tensão deverá ser instalado nos condutores fases (jumpers), na parte inferior das chaves fusíveis, o mais próximo possível das suas bases; 3. Instalar, na baixa tensão, um conjunto de aterramento temporário de cada lado da estrutura.

29 27/ Desconectar os condutores fases (jumpers) dos terminais das buchas primárias do transformador e prendê-los junto ao poste de maneira adequada, liberando a área em torno do transformador para a sua substituição; Nota: Segurar com firmeza os condutores fases (jumpers), visando evitar que sejam lançados na rede de média tensão energizada devido ao efeito mola Desconectar os condutores dos terminais das buchas secundárias do transformador e prendê-los junto ao poste de maneira adequada, liberando a área em torno do transformador para a sua substituição; Notas: 1. Caso seja necessário, desconectar os ramais de ligação que possam impedir a aproximação da lança da viatura, quando da substituição do transformador; 2. Marcar os condutores dos ramais de ligação, visando a correta ligação desses condutores às respectivas fase e neutro Posicionar a viatura com guindauto hidráulico para a execução da substituição do transformador; Nota: Calçar adequadamente a viatura com guindauto, visando a correta estabilização do veículo Executar o aterramento temporário da viatura; Instalar o estropo de nylon adequado no suporte para suspensão do transformador; Posicionar o gancho da lança do guindauto no estropo de nylon adequado e tensioná-lo suavemente; Notas: 1. Aproximar cuidadosamente a lança do guindauto, obedecendo às distâncias de segurança em relação aos condutores energizados na rede de média tensão; 2. O operador do guindauto deverá se posicionar sobre uma banqueta isolante para 17 kv (classe 2); 3. O operador e os outros componentes da equipe que estiverem ajudando neste passo deverão estar equipados com as luvas de isolantes de borracha para 17 kv (classe 2). As pessoas não envolvidas na atividade devem ficar fora da área delimitada.

30 28/ Retirar o transformador da estrutura e acondiciona-lo na carroceria da viatura; Nota: Movimentar suavemente a lança do guindauto, até que o transformador seja acondicionado na carroceria da viatura Manter o tap do transformador a ser instalado no mesmo tap do transformador retirado ou seguir as determinações do COD REDE para os casos específicos; Instalar o estropo de nylon adequado no suporte para suspensão do transformador a ser instalado; Posicionar o gancho da lança do guindauto no estropo de nylon adequado e elevá-lo até o ponto de instalação na estrutura; Notas: 1. Aproximar cuidadosamente a lança do guindauto, obedecendo às distâncias de segurança em relação aos condutores energizados na rede de média tensão; 2. O operador do guindauto deverá se posicionar sobre uma banqueta isolante para 17 kv (classe 2); 3. O operador e os outros componentes da equipe que estiverem ajudando neste passo deverão estar equipados com as luvas de isolantes de borracha para 17 kv (classe 2). As pessoas não envolvidas na atividade devem ficar fora da área delimitada Instalar o transformador na estrutura; Retirar o estropo de nylon adequado do suporte para suspensão do transformador; Recolher cuidadosamente a lança do guindauto para a viatura; Reposicionar a viatura com guindauto hidráulico, caso necessário; Executar a conexão dos condutores nos terminais das buchas secundárias do transformador; Nota: Conectar os ramais de ligação aos respectivos condutores fases e neutro, caso necessário Conectar os condutores fases (jumpers) nos terminais das buchas primárias do transformador;

31 29/35 Nota: Segurar com firmeza os condutores fases (jumpers), visando evitar que sejam lançados na rede de média tensão energizada devido ao efeito mola Retirar o conjunto de aterramento temporário da rede de média tensão, conforme descrito na NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição Aérea RDA com Tensão até 13,8 kv, caso os jumpers inferiores das chaves fusíveis sejam de cabo de alumínio nu; Nota: Inspecionar atentamente as condições das conexões e dos condutores fases (jumpers), na parte inferior das chaves fusíveis Retirar os conjuntos de aterramento temporário da rede de baixa tensão, conforme descrito na NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição Aérea RDA com Tensão até 13,8 kv; Desconectar os Grampos de Linha Viva dos condutores fases (jumpers) inferiores das chaves fusíveis e conectá-los na alça estribo, com o auxílio do bastão pega-tudo, obedecendo a mesma sequência de fechamento das chaves fusíveis; Nota: Inspecionar atentamente as condições das conexões e dos condutores fases (jumpers), na parte inferior das chaves fusíveis Instalar os porta-fusíveis (cartuchos) nas chaves fusíveis com as capacidades dos elos fusíveis adequadas; Executar a manobra de fechamento das chaves fusíveis de proteção do transformador instalado, em conformidade com as orientações do COD REDE, e obedecer a sequência de fechamento de chaves fusíveis; Executar as medições de tensão e corrente elétrica nas buchas secundárias do transformador e informa-las ao COD REDE; Notas: 1. As tensões medidas devem estar compreendidas entre os seguintes valores: Tensões de Atendimento Adequadas Resolução Normativa 414/ ANEEL Tipo de Transformador Condutores Tensão nominal Tensão mínima Tensão máxima Monofásico Fase-Fase Trifásico Fase - fase Monofásico ou Trifásico Fase - neutro

32 30/35 2. Caso os valores estejam fora dos limites acima, o encarregado da equipe deverá informar com o COD sobre a mudança do TAP ou substituição do transformador Recolher os materiais, ferramentas e equipamentos para a viatura; O encarregado da equipe deverá certificar-se do restabelecimento do circuito secundário, se foi satisfatório em pelo menos uma unidade consumidora; Solicitar ao COD RDE a normalização do circuito; Realizar a reunião de conclusão dos serviços. O encarregado deve avaliar o trabalho da equipe, reunindo o pessoal para criticar os aspectos referentes ao tempo de execução da tarefa, o desempenho do ferramental e o desempenho de cada participante; Recolher a sinalização da área de trabalho. 12. PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE TRABALHO PARA SUBSTITUIÇÃO DE TRANSFORMADOR COM A REDE PRIMÁRIA SIMPLIFICADO Substituição de transformador com a rede primária energizada, em conformidade com a NTD-2.01 e NTD-2.02 PASSO A PASSO SIMPLIFICADO Executante: Equipe de Serviço de Obra, Manutenção ou Emergencial Local do Serviço: Rede de Distribuição Aérea de Baixa e Média Tensão Retirada Instalação a) Preparar ferramentas, materiais e equipamentos; a) Manter o tap do transformador a ser instalado no mesmo tap do transformador retirado ou seguir as determinações do COD REDE para os casos específicos; b) Solicitar ao COD REDE o bloqueio do circuito a ser trabalhado; c) Receber do COD REDE a confirmação do bloqueio do circuito a ser trabalhado; d) Solicitar ao COD REDE a autorização para executar a abertura de equipamento de proteção, caso necessário; e) Receber a autorização do COD REDE para executar a abertura de equipamento de b) Instalar o estropo de nylon adequado no suporte para suspensão do transformador a ser instalado; c) Recolher cuidadosamente a lança do guindauto para a viatura; d) Manter o tap do transformador a ser instalado no mesmo tap do transformador retirado; e) Instalar o estropo de nylon adequado no suporte para suspensão do transformador a

33 31/35 proteção, caso necessário; f) Executar a operação de abertura da chave fusível de proteção do transformador, isolando o trecho da RDA de BT a ser trabalhado; g) Retirar os porta-fusíveis (cartuchos) para verificação da sua conservação e da capacidade dos elos fusíveis e substituir os elos fusíveis, caso necessário; ser instalado; f) Posicionar o gancho da lança do guindauto no estropo de nylon adequado e elevá-lo até o ponto de instalação na estrutura; g) Instalar o transformador na estrutura; h) Executar o teste de ausência de tensão na parte inferior (base) das chaves fusíveis, utilizando o detetor de tensão adequado. Deverá ser realizado o auto teste no detetor de tensão antes e após a sua utilização; i) Executar o teste de ausência de tensão na rede de baixa tensão, utilizando o detetor de tensão adequado. Deverá ser realizado o auto teste no detetor de tensão antes e após a sua utilização; j) Instalar os conjuntos de aterramento temporário na rede de baixa tensão, conforme descrito na NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição Aérea RDA com Tensão até 13,8 kv, sendo um conjunto de cada lado da rede de baixa tensão; k) Instalar o conjunto de aterramento temporário na rede de média tensão, conforme descrito na NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição Aérea RDA com Tensão até 13,8 kv, o mais próximo possível das bases das chaves fusíveis, nos jumpers inferiores; l) Desconectar os condutores fases (jumpers) dos terminais das buchas primárias do transformador e prendê-los junto ao poste de maneira adequada, liberando a área em torno do transformador para a sua substituição; m) Desconectar os condutores dos terminais das buchas secundárias do transformador e prendê-los junto ao poste de maneira adequada, liberando a área em torno do transformador para a sua substituição; n) Posicionar a viatura com guindauto hidráulico para a execução da substituição do transformador; h) Retirar o estropo de nylon adequado do suporte para suspensão do transformador; i) Recolher cuidadosamente a lança do guindauto para a viatura; j) Reposicionar a viatura com guindauto hidráulico, caso necessário; k) Executar a conexão dos condutores nos terminais das buchas secundárias do transformador; l) Conectar os condutores fases (jumpers) nos terminais das buchas primárias do transformador; m) Retirar o conjunto de aterramento temporário da rede de média tensão, conforme descrito na NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição Aérea RDA com Tensão até 13,8 kv; n) Retirar os conjuntos de aterramento temporário da rede de baixa tensão, conforme descrito na NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição Aérea RDA com Tensão até 13,8 kv; o) Executar o aterramento temporário da viatura; o) Instalar os porta-fusíveis (cartuchos) nas chaves fusíveis com as capacidades dos elos fusíveis adequadas; p) Instalar o estropo de nylon adequado no p) Executar as medições de tensão e corrente

34 32/35 suporte para suspensão do transformador; elétrica nas buchas secundárias do transformador e informa-las ao COD REDE; q) Posicionar o gancho da lança do guindauto no estropo de nylon adequado e tensioná-lo q) Recolher os materiais, ferramentas e equipamentos para a viatura; suavemente; r) Retirar o transformador da estrutura e acondiciona-lo na carroceria da viatura; r) O encarregado da equipe deverá certificar-se do restabelecimento do circuito secundário foi satisfatório, em pelo menos uma unidade consumidora; s) Solicitar ao COD REDE a normalização do circuito; t) Realizar a reunião de conclusão dos serviços. O encarregado deve avaliar o trabalho da equipe, reunindo o pessoal para criticar os aspectos referentes ao tempo de execução da tarefa, o desempenho do ferramental e o desempenho de cada participante; u) Recolher a sinalização da área de trabalho Substituição de transformador com a rede primária energizada, em conformidade com a NTD-2.05 e NTD-2.06 Com Alça Estribo e Grampo de Linha Viva GLV PASSO A PASSO SIMPLIFICADO Executante: Equipe de Serviço de Obra, Manutenção ou Emergencial Local do Serviço: Rede de Distribuição Aérea de Baixa e Média Tensão Retirada Instalação a) Preparar ferramentas, materiais e equipamentos; a) Manter o tap do transformador a ser instalado no mesmo tap do transformador retirado ou seguir as determinações do E para os casos específicos; b) Solicitar ao COD REDE o bloqueio do circuito a ser trabalhado; c) Receber do COD REDE a confirmação do bloqueio do circuito a ser trabalhado; d) Solicitar ao COD REDE a autorização para executar a abertura de equipamento de proteção, caso necessário; e) Receber a autorização do COD REDE para executar a abertura de equipamento de proteção, caso necessário; f) Executar a operação de abertura da chave fusível de proteção do transformador, isolando o trecho da RDA de BT a ser trabalhado; b) Instalar o estropo de nylon adequado no suporte para suspensão do transformador a ser instalado; c) Posicionar o gancho da lança do guindauto no estropo de nylon adequado e elevá-lo até o ponto de instalação na estrutura; d) Instalar o transformador na estrutura; e) Retirar o estropo de nylon adequado do suporte para suspensão do transformador; f) Recolher cuidadosamente a lança do guindauto para a viatura;

35 33/35 g) Retirar os porta-fusíveis (cartuchos) para verificação da sua conservação e da capacidade dos elos fusíveis e substituir os elos fusíveis, caso necessário; h) Executar o teste de ausência de tensão na parte inferior (base) das chaves fusíveis, utilizando o detetor de tensão adequado. Deverá ser realizado o auto teste no detetor de tensão antes e após a sua utilização; i) Executar o teste de ausência de tensão na rede de baixa tensão, utilizando o detetor de tensão adequado. Deverá ser realizado o auto teste no detetor de tensão antes e após a sua utilização; j) Desconectar os Grampos de Linha Viva da alça estribo, com o auxílio do bastão pegatudo, obedecendo a mesma sequência de abertura das chaves fusíveis e conectá-los nos condutores fases (jumpers) inferiores das chaves fusíveis, o mais próximo possível da base das chaves fusíveis, devido os jumpers serem de cabo de alumínio protegido; k) Instalar os conjuntos de aterramento temporário na rede de baixa tensão, conforme descrito na NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição Aérea RDA com Tensão até 13,8 kv; l) Instalar o conjunto de aterramento temporário na rede de média tensão, conforme descrito na NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição Aérea RDA com Tensão até 13,8 kv, caso os jumpers inferiores das chaves fusíveis sejam de cabo de alumínio nu; m) Desconectar os condutores fases (jumpers) dos terminais das buchas primárias do transformador e prendê-los junto ao poste de maneira adequada, liberando a área em torno do transformador para a sua substituição; n) Desconectar os condutores dos terminais das buchas secundárias do transformador e prendê-los junto ao poste de maneira adequada, liberando a área em torno do transformador para a sua substituição; o) Posicionar a viatura com guindauto hidráulico para a execução da substituição do transformador; g) Reposicionar a viatura com guindauto hidráulico, caso necessário; h) Executar a conexão dos condutores nos terminais das buchas secundárias do transformador; i) Conectar os condutores fases (jumpers) nos terminais das buchas primárias do transformador; j) Recolher cuidadosamente a lança do guindauto para a viatura; k) Reposicionar a viatura com guindauto hidráulico, caso necessário; l) Executar a conexão dos condutores nos terminais das buchas secundárias do transformador; m) Conectar os condutores fases (jumpers) nos terminais das buchas primárias do transformador; n) Retirar o conjunto de aterramento temporário da rede de média tensão, conforme descrito na NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição Aérea RDA com Tensão até 13,8 kv, caso os jumpers inferiores das chaves fusíveis sejam de cabo de alumínio nu; o) Retirar os conjuntos de aterramento temporário da rede de baixa tensão, conforme descrito na NTD-4.17 Aterramento Temporário em Rede de Distribuição Aérea

36 34/35 RDA com Tensão até 13,8 kv; p) Executar o aterramento temporário da viatura; p) Desconectar os Grampos de Linha Viva dos condutores fases (jumpers) inferiores das chaves fusíveis e conectá-los na alça estribo, com o auxílio do bastão pega-tudo, obedecendo a mesma sequência de fechamento das chaves fusíveis; q) Instalar o estropo de nylon adequado no suporte para suspensão do transformador; r) Posicionar o gancho da lança do guindauto no estropo de nylon adequado e tensioná-lo suavemente; q) Instalar os porta-fusíveis (cartuchos) nas chaves fusíveis com as capacidades dos elos fusíveis adequadas; r) Executar a manobra de fechamento das chaves fusíveis de proteção do transformador instalado, em conformidade com as orientações do COD REDE, e obedecer a sequência de fechamento de chaves fusíveis; s) Retirar o transformador da estrutura e acondiciona-lo na carroceria da viatura; s) Executar as medições de tensão e corrente elétrica nas buchas secundárias do transformador e informa-las ao COD REDE; 13. DISPOSIÇÕES GERAIS Recebimento Transformador no Almoxarifado O transformador requisitado no almoxarifado deverá estar com o óleo em seu nível normal, além de já estar com o seu Tap devidamente ajustado para a instalação na rede de distribuição aérea Movimentação de materiais, ferramentas e equipamentos Todo içamento e descida de materiais, ferramentas e equipamentos deverão ser feitos, preferencialmente, com o auxílio da carretilha com corda e do balde de lona Luvas de proteção Para as atividades ao nível do solo deverão ser utilizadas luvas de vaqueta, com exceção para as atividades que envolvam risco de energização durante o manuseio de algum equipamento, quando deverão ser adotadas as luvas adequadas para a classe de tensão de trabalho. O motorista operador de guindauto deverá utilizar as luvas isolantes de borracha classe 2, quando da operação desse equipamento, durante a substituição do transformador Sequência de fases dos condutores de baixa e média tensão Na conexão dos condutores fases (jumpers) e ramais de ligação aéreo deverá ser observada a sequência de fases desses condutores para evitar a inversão no sentido de rotação de motores trifásicos.

37 35/ Banqueta isolante O motorista operador de guindauto deverá estar posicionado sobre a banqueta isolada durante a substituição do transformador Bastão de manobra (pega-tudo) Este equipamento deverá ser utilizado nas atividades de desconectar e conectar os Grampos de Linha Viva GLV, nas alças estribos, os jumpers superiores das chaves fusíveis Jumpers superiores e inferiores das chaves fusíveis De acordo com a NTD-2.01 e NTD-2,02 os jumpers superiores e inferiores das chaves fusíveis são confeccionados com cabo de alumínio nu CAA 2 AWG, sendo obrigatória a instalação do conjunto de aterramento temporário nos jumpers inferiores das chaves fusíveis. De acordo com a NTD-2.05 e NTD-2,06 os jumpers superiores e inferiores das chaves fusíveis são confeccionados com cabo de alumínio protegido CA 2 AWG, não sendo necessária a instalação do conjunto de aterramento temporário nos jumpers inferiores das chaves fusíveis. Neste caso, será obrigatório desconectar os Grampos de Linha Viva dos jumpers superiores da alça estribo, por meio do bastão de manobra (pega-tudo), e conectá-los nos jumpers inferiores das chaves fusíveis.

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA DISTRIBUIÇÃO Nº 002.13 GRNT

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA DISTRIBUIÇÃO Nº 002.13 GRNT Nº 002.13 GRNT PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO PARA DESENERGIZAÇÃO E LIBERAÇÃO DE LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO NAS TENSÕES DE 34,5; 69 E 138 kv PARA EXECUÇÃO DE TRABALHOS DE 1ª EDIÇÃO MAIO - 2013 DIRETORIA DE ENGENHARIA

Leia mais

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA.

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para Substituição e Manutenção de Chaves Fusíveis de Transformador em rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento

Leia mais

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA.

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Determinar a metodologia para substituição de condutor de média tensão, em vão de rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição

Leia mais

RES. 227/2010 de 28/12/2010 Título: PROCEDIMENTO PARA OPERAÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA

RES. 227/2010 de 28/12/2010 Título: PROCEDIMENTO PARA OPERAÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA Página: 1/11 DO-OP-01/P-2 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia na operação de chaves fusíveis e chaves facas. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO 1. Passo Receber a informação sobre a ocorrência do desligamento emergencial da linha de distribuição (despachante); 1.1 de Segurança 1.1 de Segurança 1.1 de Segurança - Uniforme padrão completo; - Radiação

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO 1. Passo Receber o Pedido de Desligamento para execução de trabalhos de manutenção em linhas de distribuição, da área de manutenção e outras áreas da CEB-D, FURNAS, CELG, METRÔ, CAESB, CEB) GERAÇÃO, CORUMBÁ

Leia mais

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA, EM REDE ENERGIZADA.

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA, EM REDE ENERGIZADA. Página: 1/13 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para substituição de chave fusível e chave faca, em rede energizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas

Leia mais

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 ANEXO X Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Página 1 de 5 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem

Leia mais

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar emenda e reparo em condutores, em redes energizadas.

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar emenda e reparo em condutores, em redes energizadas. Página: 1/13 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar emenda e reparo em condutores, em redes energizadas. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas

Leia mais

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI 1 - NOME DO CURSO: Aperfeiçoamento para instalador de equipes de serviços comerciais leves de Rede de Distribuição Aérea de energia elétrica. 2 - ÁREA: Eletrotécnica Sub área

Leia mais

ANEXO IX. 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas integralmente.

ANEXO IX. 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas integralmente. ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA SERVIÇOS DE REFORMA, CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO PREVENTINA DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÃO E USINAS 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As normas

Leia mais

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: INSTALAÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DE PÁRA-RAIOS EM TANQUE DE TRANSFORMADOR, EM REDE ENERGIZADA.

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: INSTALAÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DE PÁRA-RAIOS EM TANQUE DE TRANSFORMADOR, EM REDE ENERGIZADA. Página: 1/7 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para instalação e substituição de pára-raios em tanque de transformador, em rede energizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP PCMSO/GEAP 6.1.23.1 Providenciar atestados e exames Todo trabalho em eletricidade deve ser planejado, organizado e executado por empregado capacitado e autorizado. Para executar trabalhos em altura, o

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/6 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR 10: Portaria n.º 598, de 07/12/2004 (D.O.U. de 08/12/2004 Seção 1) Ementas: Portaria n.º 126, de 03/06/2005 (D.O.U. de 06/06/2005 Seção 1) NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

Otimização da interrupção de RDs para atividades de lançamento de cabos de LT. Dircélio Marcos Silva. CEMIG Distribuição S.A.

Otimização da interrupção de RDs para atividades de lançamento de cabos de LT. Dircélio Marcos Silva. CEMIG Distribuição S.A. XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda Pernambuco - Brasil Otimização da interrupção de RDs para atividades de lançamento de cabos de LT. Luis Fernando Santamaria

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA)

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos diversos relacionados com a

Leia mais

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As empreiteiras que admitam trabalhadores deverão cumprir a Norma Regulamentadora nº

Leia mais

Esquema de Certificação do Programa de Certificação Profissional do Sistema Elétrico de Potência

Esquema de Certificação do Programa de Certificação Profissional do Sistema Elétrico de Potência Esquema de Certificação do Programa de Certificação Profissional do Sistema Elétrico de Potência SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. ESQUEMA DE CERTIFICAÇÃO 2 3.1 - Inscrição do Candidato 2 3.2 -

Leia mais

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim)

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PROCEDIMENTO DE SMS Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PR-99-993-CPG-009 Revisão: 00 Aprovação: 30/05/2014 Página: 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos de segurança para

Leia mais

Encarregado e Eletricistas

Encarregado e Eletricistas 1/11 Item: 1 Passo: Planejar Ao tomar conhecimento da Ordem de Serviço o Encarregado deve junto com os eletricistas: - Verificar se o veículo, equipamento e ferramental disponíveis estão em boas condições

Leia mais

Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura

Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura Desenho da estrutura (detalhes) Lista de materiais para Arena V RODEIO NACIONALDE ELETRICISTAS Lista de Materias para Arena Item Descrição Quantidade

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

TAREFAS DO V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS

TAREFAS DO V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS TAREFAS DO V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS 1 TAREFAS DO V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS P 1 - ADEQUAÇÃO DA ÁREA DE TRABALHO E INSPEÇÃO DE FERRAMENTAS, MATERIAIS E EQUIPAMENTOS NA ARENA. T 1 - ABERTURA

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/9 0I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

Finalidade... : ILUMINAÇÃO PÚBLICA PRAÇA JOÃO PESSOA Nº08

Finalidade... : ILUMINAÇÃO PÚBLICA PRAÇA JOÃO PESSOA Nº08 MEMORIAL DESCRITIVO 1. INTRODUÇÃO: O presente memorial tem por objetivo possibilitar uma visão global do projeto elétrico e da implantação da rede de distribuição em Baixa Tensão e iluminação pública do

Leia mais

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas

Leia mais

ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014

ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014 ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados

Leia mais

Prever, separar e inspecionar os equipamentos, ferramentas, aparelhos, dispositivos, materiais, EPI s e EPC s necessários. Capacete de segurança

Prever, separar e inspecionar os equipamentos, ferramentas, aparelhos, dispositivos, materiais, EPI s e EPC s necessários. Capacete de segurança 80 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP QUADRO DEMONSTRATIVO DAS ETAPAS DE SEGURANÇA: Objetivo: Padronizar os procedimentos de segurança Inspeção Geral em TP

Leia mais

Encarregado. Encarregado e Eletricistas

Encarregado. Encarregado e Eletricistas 1/11 Passo 01: Receber a ordem de serviço e formulário de preenchimento dos serviços executados. Passo 02: Planejar a execução da tarefa: - Separar materiais e ferramentas necessários para a execução da

Leia mais

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr. pedroarmando@ifsc.edu.br DESENERGIZAÇÃO A desenergização é um conjunto de ações coordenadas, sequenciadas

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA NA GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA

NORMAS DE SEGURANÇA NA GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA NORMAS DE SEGURANÇA NA GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA Eng. Edson Martinho Universolambda.com.br 1 Edson Martinho Engenheiro Eletricista (pós Mkt / Docência) Diretor executivo ABRACOPEL Diretor Técnico Portal

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO

CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO 1 CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO As empresas concessionárias de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, representando a categoria

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais

Kit para operação de Banco Fixo de Capacitores em Redes de Distribuição sem Pick

Kit para operação de Banco Fixo de Capacitores em Redes de Distribuição sem Pick 06 a 10 de Outubro de 2006 Olinda PE Kit para operação de Banco Fixo de Capacitores em Redes de Distribuição sem Pick Eng. Luciano F. de Mattos Eng. Fernando V. Baldotto Eng. Edson B. da Silva Jr. ESCELSA

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP .1.1.30 NOME: TRABALHOS COM ESCAVAÇÃO (ABERTURA E FECHAMENTO DE VALA) E ESCORAMENTO Como desenvolve a atividade Cargo Periodicidade ST/GEAP 6.1.30.1 Acatar as Considerações Gerais e Aspectos Legas (NR

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0 NTD 2.0.07 REDES SECUNDÁRIAS ISOLADAS RSI PADRÕES BÁSICOS DE 5ª EDIÇÃO AGOSTO-2011 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDENCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA 1/34 NORMA TÉCNICA

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento 30 Capítulo VIII Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Parte 3: Método da queda de potencial com injeção de alta corrente e ensaios em instalações energizadas Jobson Modena e

Leia mais

PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA MINISTRAR TREINAMENTO REFERENTE A CURSO BÁSICO E COMPLEMENTAR DA NR-10.

PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA MINISTRAR TREINAMENTO REFERENTE A CURSO BÁSICO E COMPLEMENTAR DA NR-10. PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA MINISTRAR TREINAMENTO REFERENTE A CURSO BÁSICO E COMPLEMENTAR DA NR-10. Abril/2007 PROJETO BÁSICO Página 1 PROJETO BÁSICO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA MINISTRAR

Leia mais

NR.35 TRABALHO EM ALTURA

NR.35 TRABALHO EM ALTURA NR.35 TRABALHO EM ALTURA Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução,

Leia mais

Substituição de Isoladores em Linha de Distribuição de 72,5kV com a Utilização de Andaimes Isolados. Fernando Gomes da Silva Filho

Substituição de Isoladores em Linha de Distribuição de 72,5kV com a Utilização de Andaimes Isolados. Fernando Gomes da Silva Filho XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Substituição de Isoladores em Linha de Distribuição de 72,5kV com a Utilização de

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE USINA

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE USINA 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.010 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR SECUNDÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Técnicas de escalada, movimentação e salvamento em estruturas elevadas de subestações

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estrutura CE2H TR (2º Nível) Poste de Concreto de Seção Circular 7. Estrutura CE2H

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-104/2015 R-04

DECISÃO TÉCNICA DT-104/2015 R-04 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE /2015 DECISÃO TÉCNICA /2015 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R- substitui a R-03 e visa estabelecer instruções técnicas

Leia mais

DESENERGIZAÇÃO. Seccionamento. Impedimento de reenergização. Constatação da ausência de tensão

DESENERGIZAÇÃO. Seccionamento. Impedimento de reenergização. Constatação da ausência de tensão DESENERGIZAÇÃO A desenergização é um conjunto de ações coordenadas, seqüenciadas e controladas, destinadas a garantir a efetiva ausência de tensão no circuito, trecho ou ponto de trabalho, durante todo

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 Página 1 de 19 COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 ATENDIMENTO DE NOVOS CONSUMIDORES LOCALIZADOS EM ÁREAS DE SISTEMAS SUBTERRÂNEOS DE DISTRIBUIÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MANUTENÇÃO ICA 66-29 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS COM ELETRICIDADE NO SISCEAB 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE

Leia mais

V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS. 1.3 Cada equipe deverá ter 01 padrinho (não competidor);

V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS. 1.3 Cada equipe deverá ter 01 padrinho (não competidor); V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS 1. DOS PARTICIPANTES 1.1 Cada Concessionária poderá inscrever até 02 equipes e ainda contar com a possibilidade da inscrição de uma terceira equipe que deverá representar

Leia mais

PD-4.003. Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia

PD-4.003. Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia PD-4.003 Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia Da Distribuição PD-4.003 Redes de Distribuição Aérea Urbana

Leia mais

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Eng. Joaquim Gomes Pereira ------------ Ministério do Trabalho e Emprego DRT/SP 1 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº

Leia mais

Rémy da SILVA / Jean-Marie LEPRINCE. 04 de setembro de 2013 Alain Doulet- ERDF I

Rémy da SILVA / Jean-Marie LEPRINCE. 04 de setembro de 2013 Alain Doulet- ERDF I Trabalhos seguros em linha viva de Media Tensão Rémy da SILVA / Jean-Marie LEPRINCE 04 de setembro de 2013 Alain Doulet- ERDF I 1 Introdução A ERDF desenvolve trabalhos em linha viva desde os anos 60.

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

O QUE É A NR 35? E-Book

O QUE É A NR 35? E-Book Nós da DPS Consultoria e Assessoria em Segurança do Trabalho, queremos inicialmente manifestar nossa satisfação pelo seu interesse em nosso E-book. Nossa meta é proporcionar a você um material para auxiliar

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

Á RIO GRANDE ENERGIA S/A DIVISÃO DE SERVIÇOS DA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL CENTRO PASSO FUNDO - RS DADOS BÁSICOS:

Á RIO GRANDE ENERGIA S/A DIVISÃO DE SERVIÇOS DA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL CENTRO PASSO FUNDO - RS DADOS BÁSICOS: Á RIO GRANDE ENERGIA S/A DIVISÃO DE SERVIÇOS DA DISTRIBUIÇÃO REGIONAL CENTRO PASSO FUNDO - RS DADOS BÁSICOS: Projeto nº. 59 / 2013 Nome: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 02/2012

R E S O L U Ç Ã O Nº 02/2012 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 DATA: 13 dez 2011 ELABORAÇÃO: Vancler Pinto Marcos Santos VERIFICAÇÃO: Élbio APROVAÇÃO: Márcia Rosa

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. MEDIDAS DE SEGURANÇA APLICADAS NA UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICO TEMPORÁRIO Autores: Luiz Antonio Bueno Gerente da Divisão de Segurança e Higiene Industrial Sueli Pereira Vissoto Técnica

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA E INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS TRANSFORMADORES DE MEDIÇÃO

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA E INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS TRANSFORMADORES DE MEDIÇÃO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO INSTRUÇÃO DE CÓDIGO TÍTULO VERSÃO IT.DT.PDN.03.14.011 INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para execução de poda de árvore.

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para execução de poda de árvore. Página: 1/25 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para execução de poda de árvore. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição da

Leia mais

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS PORTARIA N.º 30, DE 22 DE OUTUBRO DE 2002 Divulgar para consulta pública a proposta de texto de criação da Norma Regulamentadora N. º 31 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados. A SECRETÁRIA

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA DISTRIBUIÇÃO Nº 001.13 GRNT. PROCEDIMENTOS PARA OPERAÇÃO DO SISTEMA SUBTERRÂNEO 13,8/0,380-0,220 kv

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA DISTRIBUIÇÃO Nº 001.13 GRNT. PROCEDIMENTOS PARA OPERAÇÃO DO SISTEMA SUBTERRÂNEO 13,8/0,380-0,220 kv Nº 001.13 GRNT PROCEDIMENTOS PARA OPERAÇÃO DO SISTEMA SUBTERRÂNEO 13,8/0,380-0,220 kv 1ª EDIÇÃO ABRIL 2013 DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS - SPP GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011 FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Departamento Responsável Superintendência de Engenharia Primeira Edição - Dezembro de 06 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...6

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR 18-Construção Civil-Alterações Orientador Empresarial PORTARIA SIT nº 201/2011: 24.01.2011, com

Leia mais

Portaria Inmetro nº 388/2012 Códigos SGI 03807, 03808 e 03809

Portaria Inmetro nº 388/2012 Códigos SGI 03807, 03808 e 03809 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As Normas Regulamentadoras aplicáveis aos serviços a

Leia mais

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS APRESENTAÇÃO...4 1 OBJETIVO...3 2 AMPLITUDE...3 3 RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4 CONCEITUAÇÃO...3 4.1 REDE DE DISTRIBUIÇÃO...3 4.2 REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU...3 4.3 REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Usar óculos de proteção Fazer checagem individual Substituir componentes da equipe Controles (Especificar)

Usar óculos de proteção Fazer checagem individual Substituir componentes da equipe Controles (Especificar) TAREFA T - ABERTURA DE CHAVE FUSÍVEL COM DISPOSITIVO DE ABERTURA SOB CARGA (DAC) E DE GRAMPOS DE LINHA VIVA COM USO DO BASTÃO PEGA-TUDO. Contato acidental com condutores ou equipamentos energizados 0 Exposição

Leia mais

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS...3 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...4 3.1 Características Gerais...4 3.2 Carroceria...4 4. ACESSIBILIDADE...8 4.1

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Aplicação da NR 10 nos canteiros de obras

SEGURANÇA E SAÚDE NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Aplicação da NR 10 nos canteiros de obras SEGURANÇA E SAÚDE NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Aplicação da NR 10 nos canteiros de obras Campinas 20/05/2011 Luiz Carlos de Miranda Júnior Gerente de Segurança, Saúde e Qualidade de Vida 2 NR-10: norma regulamentadora

Leia mais

METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA

METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA Autor Carmelindo Monteiro Neto COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ - COELCE RESUMO Este trabalho apresenta metodologias bastante simples de instalação de linha de vida

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO

LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO Fernando A. Ishida Tharik Honda Luan Felipe

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Procedimento para Bancada de Serra Circular Elétrica

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Procedimento para Bancada de Serra Circular Elétrica Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1) OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos e condições mínimas para a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança

Leia mais

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com Projeto Elétrico Padrão de Medição, fornecimento de energia em tensão primária 13.8kV, a partir da rede aérea de distribuição para atender Defensoria Pública do Estado da Paraíba. Responsavel Técnico:

Leia mais

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas 44 Capítulo VI Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Da mesma forma que se deve fazer com os elementos que formam uma instalação elétrica no seu sentido físico,

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA REDES DE IP (MONTAGEM/SUBSTITUIÇÃO/MANUTENÇÃO DE REDES DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA)

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA REDES DE IP (MONTAGEM/SUBSTITUIÇÃO/MANUTENÇÃO DE REDES DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA) PP. 1/16 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA REDES DE IP (MONTAGEM/SUBSTITUIÇÃO/MANUTENÇÃO DE REDES DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos de montagem/substituição/manutenção em redes

Leia mais

NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE ENSINANDO A PREVENIR, SALVAR E COMBATER INTRODUÇÃO Os trabalhos em eletricidade são potencialmente perigosos e anualmente são responsáveis por inúmeros acidentes fatais. Muitos destes acidentes poderiam

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice:

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice: MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI Índice: 1 - Generalidades 2 - Rede aérea de Alta Tensão 3 - Rede Secundária 4 - Aterramentos 5 - Posto de Transformação

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014

INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014 INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014 Procedimentos para validação de Subestações Blindadas Classes 15 kv e 36,2 kv Este procedimento se encontra na sua Revisão 2 cancelando e substituindo o

Leia mais

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12 Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas Norma 07/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Rua Ary Antenor de Souza, 321 Jd. Nova

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUTENÇÃO PREDITIVA DE ACOMPANHAMENTO E RECEBIMENTO DE OBRAS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO COM INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA Autores: IGUATINAN GISCHEWSKI

Leia mais

PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014

PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014 PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014 Altera a Norma Regulamentadora n.º 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO,

Leia mais

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Altera a Norma Regulamentadora nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O Ministro de Estado do Trabalho e Previdência

Leia mais

Thiago Freitas de Oliveira Engº Segurança do Trabalho

Thiago Freitas de Oliveira Engº Segurança do Trabalho Thiago Freitas de Oliveira Engº Segurança do Trabalho Cabe ao empregador: Assegurar a realização da Análise de Risco - AR e, quando aplicável, a emissão da Permissão de Trabalho - PT; Desenvolver procedimento

Leia mais

MONTAGEM DE BARRAMENTOS

MONTAGEM DE BARRAMENTOS Elaborado por Vanessa Oliveira Visto Aprovado por José Carlos Visto Revisado por Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 26/06/2014 - Emissão inicial 1. OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA E COMPLEMENTARES 3. NOMENCLATURA 4. DEFINIÇÕES 5. RESPONSABILIDADES 6. REQUISITOS

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA GERADORES AUXILIARES (GERADOR MÓVEL) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos específicos de operação e ligação de gerador auxiliar móvel à rede de distribuição

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPRESAS PARA EXECUTAR CONSTRUÇÃO OU REFORMAS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO E ILUMINAÇÃO PÚBLICA

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPRESAS PARA EXECUTAR CONSTRUÇÃO OU REFORMAS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO E ILUMINAÇÃO PÚBLICA VALIDADE DO CADASTRO - ANUAL. REQUISITOS TÉCNICOS Introdução Este documento tem como objetivo orientar prestadores de serviços de Construção ou reformas de redes de distribuição e Iluminação Pública, no

Leia mais

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR NOME DA EMPRESA CHECK LIST - NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 Empresa: Inspetor (es): Data da Inspeção: / / Responsável pelo Local de Trabalho / Setor: Local de Trabalho / Setor: ITENS DESCRIÇÃO SIM DA INSPEÇÃO

Leia mais