Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços."

Transcrição

1 1/9 0I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS (EXIGÊNCIAS) 1. Da Equipe 1.1. O dimensionamento da equipe deverá ser de acordo com as tarefas a serem realizadas, evitando-se a pressa ou acúmulo de serviços e o serviço no SEP, não podem ser realizado individualmente; 1.2. Cada Equipe deverá ser composta no mínimo com dois profissionais, sendo que ambos devem possuir CNH Carteira Nacional de Habilitação, compatível com a carga do veículo; 1.3. Responsável técnico, graduado em engenharia elétrica, com registro no com ART, CNH e experiência; 1.4. Técnico em eletrotécnica, registro no CREA, com ART, CNH e experiência Eletricista-motorista operador de guindauto, com curso especifico para função 2. Dos Componentes da Equipe 2.1. Os Eletricistas-Motorista, Eletricista-Motorista Operador de Guindauto Engenheiros e Eletrotécnicos devem ter qualificação comprovada em conclusão de curso específico na área elétrica reconhecido pelo Sistema Oficial de Ensino e/ou habilitação previamente qualificada e com registro no competente conselho de classe. Possuir curso de Reanimação Cárdiorespiratória (Primeiros Socorros), de Direção Defensiva e Prevenção e Combate a Princípio de Incêndio, conforme NR-10 da Portaria 3.214, de 08 de Junho de 1978 do Ministério do Trabalho. O curso de eletricista predial não é válido Não poderá desenvolver atividades no sistema elétrico de potência individualmente. 3. Dos Veículos

2 3.1. O veículo que atenderá a equipe deverá estar em bom estado de conservação, possuir rádio de comunicação e possuir no máximo 1 (hum) anos de fabricação, ou conforme Edital. 2/9 4. Da Contratada 4.1. A Contratada deverá cumprir toda a legislação em vigor relativa a Segurança e Medicina do Trabalho, de Prevenção e Combate a Princípios de Incêndios, Leis Ambientais, Normas e Procedimentos da Contratante A Contratada deverá contratar empregados de bons antecedentes A Contratada deverá realizar em seus empregados os exames médicos conforme NR 07 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, da Portaria 3214/ A Contratada obriga-se a fornecer sem ônus, a cada um dos componentes da equipe, os EPI s - Equipamentos de Proteção Individual, com os respectivos CA s - Certificados de Aprovação, de acordo com a NR 06 - Equipamentos de Proteção Individual, da Portaria 3214/ A Contratada obriga-se a fornecer sem ônus, a cada equipe os EPC s - Equipamentos de Proteção Coletivo A contratada, quando transportar escadas ou postes cujo comprimento ultrapasse o limite da carroceria do veículo, deverá fazê-lo com a devida sinalização, conforme determina o Código Nacional de Trânsito. A escada deverá ser em fibra de vidro. Não será permitido o uso de esporas A Contratada deverá fornecer os equipamentos de segurança individual e coletivos considerando os critérios de qualidade disposto no Guia Série Gridis nº 28 Catálogo de Equipamentos de Segurança para o Setor de Energia Elétrica, da Eletrobrás A Contratada deverá elaborar, apresentar antes do inicio do serviço para a contratante e divulgar aos seus empregados, análise de risco contendo todas as etapas da obra/serviço, e seus meios de controle A Contratada dará especial atenção a eliminação de situações perigosas que possam trazer riscos a seus próprios empregados e terceiros A Contratada não permitirá o ingresso ou permanência de pessoas não autorizadas na área de abrangência da obra/serviço A Contratada instalará proteção coletiva nos locais em que fizerem necessários A Contratada deverá fornecer uniforme e crachá padronizados aos seus empregados.

3 4.13. Todo equipamento danificado deverá ser substituído imediatamente pela Contratada, sob pena dos trabalhos serem paralisados. O ônus pela paralisação dos trabalhos correrão por conta da empresa Contratada A Contratada responsabilizar-se-á pelos atrasos e/ou prejuízos advindos de paralisação parcial e/ou total dos trabalhos provocados pelo não cumprimento da Legislação vigente sobre Segurança e Medicina do Trabalho A contratada deverá dimensionar o Sesmt de acordo com a NR 04 Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, da Portaria 3214/78 e quando o número de empregados não atingir este dimensionamento, deverá contratar no mínimo um Técnico de Segurança do Trabalho para esse fim A Contratada deverá organizar e manter a CIPA, quando o número de empregados assim o exigir. Caso contrário, deverá designar um responsável pelo cumprimento das atribuições da NR 05 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, da Portaria 3214/78, antes do início do serviço A Contratada deverá enviar a Contratante juntamente com o Boletim de Medição, relação de acidentes ocorridos no período, anexando cópia da CAT Comunicação de Acidente do Trabalho, devidamente registrada no INSS Instituto Nacional de Seguridade Social O Responsável Técnico da Contratada deverá acompanhar os serviços e orientar periodicamente os empregados sobre os riscos no ambiente de trabalho A Contratada deverá elaborar, apresentar antes do inicio do serviço o PPRA e o PCMSO para a contratante e implementar de acordo com a Portaria 3214/78 do Ministério do Trabalho e Emprego A contratada deverá manter no estabelecimento no qual os empregados estiverem laborando, o PPP - Perfil Profissiográfico Previdenciário atualizado e entregue no ato do encerramento do contrato de trabalho, em conformidade com as Instruções Normativas do INSS; A Contratada deverá contratar seguro contra acidentes de trabalho, em conformidade com o art.7º inc. XXVIII da Constituição Federal; A cada substituição de componentes da equipe por solicitação da Eletrobras Distribuição Rondônia ou por iniciativa da Contratada, deverão ser observados os dispositivos constantes no item 2 Dos Componentes A Contratada deverá fornecer meios apropriados ao pronto atendimento, remoção e transporte de acidentados e convênios médicos aos seus empregados; A contratada deverá apresentar exames periódico de acordo com a legislação; 3/9

4 4.25. A Contratada deverá apresentar antes do início do serviço, cópias dos: Atestado de Saúde Ocupacional ASO( em conformidade com o PCMSO) Certificado de Conclusão do Curso especifico à função; Certificado de Curso ou Reciclagem, conforme NR-10; Cópia da Carteira de Habilitação(em conformidade ao especificado acima) Cópia da Carteira de Trabalho(comprovação de registro) Os empregados da Contratada deverão apresentar-se no primeiro dia de trabalho com todos os equipamentos de proteção individual, coletivo, uniforme e crachá, onde serão fiscalizados e receberão orientações sobre Segurança e Medicina do Trabalho, Normas e Procedimentos da Contratante, pelo Técnico de Segurança do Trabalho A Contratada deverá obrigar que seus empregados utilizem diariamente os equipamentos de proteção individual e equipamentos de proteção coletiva necessário para os desenvolvimentos da sua atividade, assim como uniforme e crachá A Contratada deverá cumprir todas as condições de Segurança e Medicina do Trabalho estipuladas neste instrumento, sob pena de rescisão contratual por inadimplência e/ou outras penalidades previstas no Edital A Contratada deverá obedecer todos os procedimento de trabalho em altura acima de 2 (dois) metros conforme legislação vigente 4/9 5. Dos Empregados da Contratada 5.1. Os empregados da Contratada deverão cumprir toda a legislação em vigor relativa a Segurança e Medicina do Trabalho e Normas e Procedimentos da Contratante Os empregados deverão usar obrigatoriamente todos os Equipamentos de Proteção Individual, Coletiva, uniformes e crachá fornecidos pela Contratada. 6. Da Contratante 6.1. A Contratante se reserva no direito de realizar teste de conhecimento teórico/prático, nos empregados das empreiteiras, podendo requerer substituição daqueles que não atingirem nota e/ou desempenho satisfatório; 6.2. Fiscalizar a Contratada quanto ao cumprimento da Legislação Vigente sobre Segurança e Medicina do Trabalho, Normas e Procedimentos e cláusulas constantes neste instrumento, paralisando parcial e/ou total os trabalhos, se necessário. As irregularidades encontradas pela Contratante durante o acompanhamento e fiscalização dos serviços no tocante ao cumprimento da Legislação de Segurança e Medicina do Trabalho, Normas e Procedimentos da Contratante, serão

5 registradas em Formulário de Inspeção contendo o ciente da Contratada e o prazo para regularização. 5/9 IV Das características dos equipamentos Os Equipamentos de Proteção Individual e Coletivos deverão ter no mínimo as seguintes características: 1. Bolsa para guarda de EPI s: em lona, com porta cadeado, medindo 380 mm de altura por 500 mm de comprimento e 200 mm largura; 2. Bota de segurança: em couro, especifica para eletricista, com isolação de 20 KV, sem componentes metálicos; 3. Caixa de primeiros socorros: relação de medicamentos de acordo com determinação do médico da Contratada. 4. Capa de chuva: impermeável confeccionada em tecido plastificado com trama e urdidura em fios de trevira, com manga e capuz, 5. Capacete: Classe B (para risco elétrico), com suspensão de nylon. 6. Carneira para Capacete: Confeccionada em nylon, ajustável com absorvidor de suor, com quatro apoios para o capacete distribuídos de maneira simétrica, com jugular em tira de nylon; 7. Colete Refletivo: confeccionado em tecido sintético, feito com malha de fios de poliéster (nylon), revestido em PVC nas duas faces, na cor laranja fluorescente com faixas brancas; 8. Cone de sinalização: Confeccionado em PVC ou borracha, pigmentado em material fluorescente na cor branca e vermelha em listras horizontais em cores alternadas; ponta com suporte para instalação de fita de sinalização; 9. Conjunto de Equipamento para Trabalhos em Altura acima de 2 metros:. Cinto de Segurança: Tipo paraquedista almofadada na cintura e nas pernas, confeccionada com cadarço de material sintético com ajustes, com porta ferramentas.. Trava queda: Em aço inoxidável, com tripla trava de segurança para ser utilizado em cinto de segurança tipo paraquedista.. Talabarte: confeccionado em corda de material sintético com aproximadamente 16 mm de diâmetro, sendo a corda recoberta com uma capa de tecido sintético com aproximadamente 600 mm de comprimento que posiciona em qualquer ponto da corda com a finalidade de proteção contra atrito da corda.. Talabarte para torre: confeccionado em fita elástica sintética com aproximadamente utilizado para proteção contra quedas e posicionamento nos trabalhos em altura de movimentação vertical e horizontal, possuir gancho dupla trava em aço, mosquetão oval com sistema de fechamento em rosca e absorvedor de energia absorvedor de impacto, do tipo Y.. Corda para linha de vida: Corda estática em poliamida (nylon), diâmetro de 12 mm e resistência a tração de 2200kgf. São constituídas de uma capa traçada com 48 fios, que serve para proteger a corda da abrasão, e de uma alma, comosta de vários feixes contínuos de fibras de nylon 6.6, de formato espiralado, que servem para

6 absorver o impacto. Apresenta elasticidade de cerca de 3%.Comprimento: o dobro da estrutura a ser fixada.. Freio ABS: Freio auto-blocante produzido em alumínio ou aço, utilizado para descer por uma linha de vida (corda) de forma controlada e segura nas atividades para trabalho em altura, salvamento e resgate. Mosquetões: mosquetões, fabricados em aço, utilizados para ancoragens em cintos, trava quedas, talabartes entre outros.. Fita de Ancoragem: Fita utilizada para ancoragem em estruturas, fabricada em material sintético de alta resistência, que possua formato de anel e um olhal reforçado em uma das extremidades, tamanhos de 120 ou 150 cm. Gancho de Ancoragem: gancho de ancoragem, confeccionado em aço, para utilização de fixação de linha de Vida ao poste, torres e/ou qualquer outro lugar que necessite de uma proteção contra quedas. Possua abertura de 55 mm ou 95 mm e seja utilizado em conjunto com vara telescópica. Agulhão: equipamento utilizado para auxiliar a fixação de linha de vida em postes duplo T confeccionado em aço com diâmetro de 11 mm, revestido com resina de PVC com resistência de 1KV. Fita para Escada:sistema de ancoragem para fixação em montantes para escada de madeira ou fibra de vidro, confeccionado em fita de poliéster, o equipamento deverá apresentar resistência superior a 1500Kgf, proteção contra atrito, opção com ou sem absorvedor de energia, fita de fechamento em velcro para união dos elos na escada e um olhal de fixação.. Facilitador de Ancoragem: dispositivo utilizado para içamento de corda de linha de Vida em postes, a partir do solo, com uso de vara telescópica, para as duas versões: poste sem obstáculo: Formato de tubo com segmento curvado em arco e segmento reto com terminação achatada. Para poste com obstáculo: Formato curvado em ângulo de 90 com a mesma terminação.. Conjunto de vara de manobra: telescópica, em fibra de vidro, com resistência dielétrica de 400 KV, com cabeçote universal, alta resistência mecânica, fabricado em liga de bronze silício ou bronze alumínio ou em latão, para colocar/sacar suportes de fusíveis tipo cartucho e sirva para utilização de gancho, agulhão, facilitador de ancoragem e outro que se fizer necessário para instalação de linha de Vida. 10. Bastão de Manobra: para operações de grampos de linha viva e grampos de aterramento 11. Detetor de tensão BT/MT/AT: Por aproximação a campos elétricos, programado para emissão de sinais visuais e acústicos intermitentes Baixa Tensão: de 100V/9 KV. Média Tensão: de 9 KV/50 KV. Alta Tensão: acima de 50 KV; 12. Fita para isolar área: fluorescente, em material sintético, flexível, isolante e resistente às intempéries; 13. Luva de Cobertura: para proteção de luva isolante de borracha, contra ação agressiva de agentes escoriantes; 14. Luva de Vaqueta: com punhos ajustáveis para proteção das mãos de eletricistas em trabalho de manutenção elétrica, confeccionada em vaqueta natural; 15. Luva Isolante de borracha 20 KV: Tipo II, Classe 2; 16. Luva Isolante de borracha 40 KV: Tipo II Classe Manta Isolante de borracha: para proteção no trabalho de linhas energizadas, medido 910 x 910 mm, classe 2-20 KV e classe 4-40KV 6/9

7 18. Óculos de segurança Incolor: Confeccionado em acetato de celulose, haste com alma metálica, com protetores; 19. Óculos de segurança Lente verde: na tonalidade 2, em acetato, com proteções articuláveis nas laterais e multiperfuradas; 20. Placa de sinalização: confeccionada em alumínio, cor amarela com legendas em preto. Tamanho 16 cm de largura por 20 cm de comprimento, com orifícios para fixação. Dizeres: NÃO OPERE ESTE EQUIPAMENTO ; 21. Roupão de apicultor: confeccionado em lona, os punhos e extremidades das pernas (tornozelos) devem possuir acabamento em malha com elástico, com zíper para fechamento frontal ou nas costas; 7/9 22. Uniforme: Para nível de exposição acima de 25 cal/cm², proteção contra arco elétrico e fogo repentino 23. Protetor Facial: Para proteção da face e do pescoço contra arco elétrico e fogo repentino; 24. Protetor Facial: Protetor auditivo modelo Plug, com cordão em silicone e estojo plástico, confeccionado em borracha de silicone, com três flanges cônicas, especialmente macio e neutro, com atenuação mínima de NRRsf 17 db. C.A. impresso em local visível, legível e indelével. V Anexos Anexo I: EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL MÍNIMO PARA ELETRICISTA, ELETRICISTA MOTORISTA, ELETRICISTA-MOTORISTA OPERADOR DE GUINDAUTO, ENGENHEIRO E ELETROTÉCNICO. Anexos II: EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO MÍNIMO POR EQUIPE/VIATURA.

8 8/9 ANEXO I EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL MÍNIMO PARA ELETRICISTA, ELETRICISTA MOTORISTA, (ELETRICISTA-MOTORISTA OPERADOR DE GUINDAUTO**) (ENGENHEIRO E ELETROTÉCNICO*) Equipamentos Tipo Quant. BOLSA PARA GUARDA DE EPI s PÇ 01 BOTA DE SEGURANÇA ESPECIFICA P/ ELETRICISTA* PAR 02 CAPA DE CHUVA* PÇ 01 CAPACETE* PÇ 01 CINTO DE SEGURANÇA PÇ 01 COLETE REFLETIVO* PÇ 01 LUVA DE VAQUETA EM COURO PAR 01 ÓCULOS DE SEGURANÇA LENTE VERDE* PÇ 01 ÓCULOS DE SEGURANÇA LENTE INCOLOR* PÇ 01 TALABARTE PÇ 01 LUVA DE COBERTURA P/ LUVA DE 20 KV PAR 01 LUVA DE COBERTURA P/LUVA DE 5 KV PAR 01 LUVA ISOLANTE DE BORRACHA DE 5 KV PAR 01 LUVA ISOLANTE DE BORRACHA DE 20 KV PAR 01 LUVA DE VAQUETA PAR 01 UNIFORME p/nível de exposição acima de 25 cal/cm² CJ 02 PROTETOR FACIAL PÇ 01 TRAVA QUEDA PÇ 01 PROTETOR AURICULAR** PÇ 01 ANEXO II EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO MÍNIMO POR VIATURA Item Equipamentos Tipo Quant. 1. CABEÇOTE UNIVERSAL P/ VARA DE MANOBRA PÇ CAIXA DE PRIMEIROS SOCORROS PÇ CONE DE SINALIZAÇÃO 750 MM COM SUPORTE P/ FITA DE PÇ 12 SINALIZAÇAO 4. DETECTOR DE TENSÃO PARA BT/MT/AT PÇ BASTÃO DE MANOBRA PÇ EQUIPAMENTO PARA RESGATE DE ACIDENTADO EM ALTO DE CJ 01 ESTRUTURA 7. FITA PARA ISOLAR AREA PÇ 04

9 8. LUVA DE COBERTURA P/ LUVA DE 40 KV 1 PAR LUVA ISOLANTE DE BORRACHA DE 40 KV 1 PAR PLACA DE SINALIZAÇÃO "NÃO OPERE ESTE EQUIPAMENTO" PÇ ROUPÃO PARA APICULTOR PÇ VARA DE MANOBRA TELESCÓPICA COM SACOLA PARA CJ 01 ACONDICIONAMENTO 13. MANTA ISOLANTE PÇ BASTÃO PODADOR COM ACESSÓRIOS PÇ TALABARTE PARA TORRE TIPO Y PÇ CORDA LINHA DE VIDA * PÇ FREIO ABS* PÇ FITA DE ANCORAGEM * PÇ GANCHO DE ANCORAGEM* PÇ AGULHÃO* PÇ FITA ESCADA* PÇ GIROFLEX PÇ 01 9/9 1 CONFORME TENSÃO DE TRABALHO * DEVERÁ SER ACRESCENTADO DEPENDENDO DA NECESSIDADE

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/6 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE USINA

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE USINA 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA 1/5 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS.

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/5 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 ANEXO X Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Página 1 de 5 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem

Leia mais

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As empreiteiras que admitam trabalhadores deverão cumprir a Norma Regulamentadora nº

Leia mais

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA.

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para Substituição e Manutenção de Chaves Fusíveis de Transformador em rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento

Leia mais

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA.

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Determinar a metodologia para substituição de condutor de média tensão, em vão de rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição

Leia mais

Venda Proibida - Gratuito

Venda Proibida - Gratuito NR 6 - Equipamento de Proteção Individual - EPI 6.1. Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considerase Equipamento de Proteção Individual - EPI todo dispositivo de uso individual,

Leia mais

DIVISÃO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DVSMT PROTEÇÃO DA CABEÇA, FACE E OLHOS

DIVISÃO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DVSMT PROTEÇÃO DA CABEÇA, FACE E OLHOS PROTEÇÃO DA CABEÇA, FACE E OLHOS CAPACETE DE SEGURANÇA CAP1 Proteção da cabeça do usuário contra impactos provenientes de queda ou projeção de objetos. a) Casco: deve ser confeccionado em polietileno de

Leia mais

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim)

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PROCEDIMENTO DE SMS Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PR-99-993-CPG-009 Revisão: 00 Aprovação: 30/05/2014 Página: 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos de segurança para

Leia mais

RES. 227/2010 de 28/12/2010 Título: PROCEDIMENTO PARA OPERAÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA

RES. 227/2010 de 28/12/2010 Título: PROCEDIMENTO PARA OPERAÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA Página: 1/11 DO-OP-01/P-2 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia na operação de chaves fusíveis e chaves facas. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas

Leia mais

ANEXO IX. 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas integralmente.

ANEXO IX. 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas integralmente. ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA SERVIÇOS DE REFORMA, CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO PREVENTINA DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÃO E USINAS 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As normas

Leia mais

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas

Leia mais

d) Item 23 código 24569 Travaquedas de segurança, a especificação SEG 112 foi atualizada em 08/02/2013, nova versão a ser considerada em anexo.

d) Item 23 código 24569 Travaquedas de segurança, a especificação SEG 112 foi atualizada em 08/02/2013, nova versão a ser considerada em anexo. Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 13/00259 Objeto: ADM. CENTRAL - Aquisição de materiais de segurança Data: 13/02/2013 Por meio deste aditamento, alteramos o que segue: a) Item 3 código 29542 Bolsa

Leia mais

21/05/2013. A natureza equipou os seres com Equipamento de proteção natural. Gianfranco Pampalon. E o homem, a natureza equipou com inteligência...

21/05/2013. A natureza equipou os seres com Equipamento de proteção natural. Gianfranco Pampalon. E o homem, a natureza equipou com inteligência... A natureza equipou os seres com Equipamento de proteção natural Gianfranco Pampalon E o homem, a natureza equipou com inteligência... 1 Definição: 6.1 EPI é todo dispositivo ou produto, de uso individual

Leia mais

Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura

Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura Desenho da estrutura (detalhes) Lista de materiais para Arena V RODEIO NACIONALDE ELETRICISTAS Lista de Materias para Arena Item Descrição Quantidade

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI Conforme Norma Regulamentadora nº.6, Equipamento de Proteção Individual EPI é todo dispositivo de uso individual utilizado pelo empregado, destinado à proteção de

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP PCMSO/GEAP 6.1.23.1 Providenciar atestados e exames Todo trabalho em eletricidade deve ser planejado, organizado e executado por empregado capacitado e autorizado. Para executar trabalhos em altura, o

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE EQUIPAMENTOS INDIVIDUAIS PARA MOVIMENTAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL EM TRABALHOS EM ALTURA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE EQUIPAMENTOS INDIVIDUAIS PARA MOVIMENTAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL EM TRABALHOS EM ALTURA. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE EQUIPAMENTOS INDIVIDUAIS PARA MOVIMENTAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL EM TRABALHOS EM ALTURA. REVISÃO 11/2010 1 INTRODUÇÃO A adoção das novas especificações técnicas dos equipamentos

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL (SRP) Nº 56/2013

PREGÃO PRESENCIAL (SRP) Nº 56/2013 1 2 AVENTAL EM RASPA INTEIRO Avental de proteção confeccionado em raspa de couro, com emendas, com altura de 1,00m e largura de 0,60m. AVENTAL IMPERMEÁVEL Avental de segurança tipo frontal, em Trevira,

Leia mais

ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014

ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014 ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados

Leia mais

Esquema de Certificação do Programa de Certificação Profissional do Sistema Elétrico de Potência

Esquema de Certificação do Programa de Certificação Profissional do Sistema Elétrico de Potência Esquema de Certificação do Programa de Certificação Profissional do Sistema Elétrico de Potência SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. ESQUEMA DE CERTIFICAÇÃO 2 3.1 - Inscrição do Candidato 2 3.2 -

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As Normas Regulamentadoras aplicáveis aos serviços a

Leia mais

NR 6 E P I. Equipamento de Proteção Individual. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978

NR 6 E P I. Equipamento de Proteção Individual. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 NR 6 E P I Equipamento de Proteção Individual Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A sexta Norma Regulamentadora, cujo título é Equipamento de Proteção Individual (EPI), estabelece: definições legais,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE CAPACETES DE SEGURANÇA, SUSPENSÃO E JUGULAR

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE CAPACETES DE SEGURANÇA, SUSPENSÃO E JUGULAR ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE CAPACETES DE SEGURANÇA, SUSPENSÃO E JUGULAR DAST nº 04/2001 R3 3ª Revisão: 08/02/2010 1. OBJETIVO Determinar a sistemática para aquisição de capacete de segurança e suspensão

Leia mais

REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS

REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS 1. EPI s (Equipamentos de Proteção Individuais): Equipamento de Segurança de fabricação nacional ou estrangeira destinado a proteger a integridade física

Leia mais

Proposta de Preços ANEXO I

Proposta de Preços ANEXO I PREGÃO PRESENCIAL Nº 088 / 2011 Proposta de Preços ANEXO I Processo 14.793 / 2011 Razão Social do Licitante: CNPJ: Insc. Estadual: Endereço: Cidade: Estado: Telefone : Fax : e-mail : INFORMACÕES PARA PAGAMENTOS

Leia mais

METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA

METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA Autor Carmelindo Monteiro Neto COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ - COELCE RESUMO Este trabalho apresenta metodologias bastante simples de instalação de linha de vida

Leia mais

A STEELFLEX, nova marca da BSB, chega ao mercado de EPIs com um portifólio de produtos diferenciados, de alta performance e design arrojado.

A STEELFLEX, nova marca da BSB, chega ao mercado de EPIs com um portifólio de produtos diferenciados, de alta performance e design arrojado. A STEELFLEX, nova marca da BSB, chega ao mercado de EPIs com um portifólio de produtos diferenciados, de alta performance e design arrojado. Com o objetivo de oferecer soluções cada vez mais eficazes para

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

Otimização da interrupção de RDs para atividades de lançamento de cabos de LT. Dircélio Marcos Silva. CEMIG Distribuição S.A.

Otimização da interrupção de RDs para atividades de lançamento de cabos de LT. Dircélio Marcos Silva. CEMIG Distribuição S.A. XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda Pernambuco - Brasil Otimização da interrupção de RDs para atividades de lançamento de cabos de LT. Luis Fernando Santamaria

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Técnicas de escalada, movimentação e salvamento em estruturas elevadas de subestações

Leia mais

NR.35 TRABALHO EM ALTURA

NR.35 TRABALHO EM ALTURA NR.35 TRABALHO EM ALTURA Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução,

Leia mais

Portaria Inmetro nº 388/2012 Códigos SGI 03807, 03808 e 03809

Portaria Inmetro nº 388/2012 Códigos SGI 03807, 03808 e 03809 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

Capacetes de Segurança H-700

Capacetes de Segurança H-700 Dados Técnicos Página 1 de 8 Capacetes de Segurança H-700 DESCRIÇÃO GERAL: O capacete de segurança H-700 é composto de: Casco ventilado (com ou sem tira refletiva) ou sem ventilação (com ou sem tira refletiva),

Leia mais

Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91. Portaria DSST n.º 03, de 20 de fevereiro de 1992 21/02/92

Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91. Portaria DSST n.º 03, de 20 de fevereiro de 1992 21/02/92 NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 05, de 07 de maio de 1982 17/05/82

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) Transcrito pela Nutri Safety * 6.1 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI, todo

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Procedimento para Bancada de Serra Circular Elétrica

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Procedimento para Bancada de Serra Circular Elétrica Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1) OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos e condições mínimas para a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI SETOR DE ZELADORIA HOSPITAL VETERINÁRIO

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI SETOR DE ZELADORIA HOSPITAL VETERINÁRIO EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI SETOR DE ZELADORIA HOSPITAL VETERINÁRIO Danielle Vargas TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 art. 6º - são direitos sociais a educação,

Leia mais

SURG Cia. de Serviços de Urbanização de Guarapuava Rua Afonso Botelho, 63 Bairro Trianon CNPJ 75.646.273/0001-07 COMUNICADO

SURG Cia. de Serviços de Urbanização de Guarapuava Rua Afonso Botelho, 63 Bairro Trianon CNPJ 75.646.273/0001-07 COMUNICADO SURG Cia. de Serviços de Urbanização de Guarapuava Rua Afonso Botelho, 63 Bairro Trianon CNPJ 75.646.273/0001-07 REF., PREGÃO PRESENCIAL Nº 059/2014 COMUNICADO ABERTURA / DATA: 11/08/2014 Objeto: Contratação

Leia mais

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho 1 0 Dia Realizar a apresentação dos participantes 1. Técnica de Lista de presença; apresentação e O multiplicador

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Coordenação: Jildésio Souza Beda. Participantes: Jildésio Souza Beda, José Cezar Nonato, Kamila Franco Paiva.

FICHA TÉCNICA. Coordenação: Jildésio Souza Beda. Participantes: Jildésio Souza Beda, José Cezar Nonato, Kamila Franco Paiva. NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO DISTRIBUIÇÃO COM A REDE AÉREA PRIMÁRIA 2ª EDIÇÃO JULHO - 2014 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA FICHA

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Constituição de 1934 direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1937 - direito do trabalhador de

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Constituição de 1934 direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1937 - direito do trabalhador de SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Constituição de 1934 direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1937 - direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1967 - direito do

Leia mais

Foto Ilustrativa Código Descrição do Material

Foto Ilustrativa Código Descrição do Material Bolsa de lona para ferramenta NF 139/50 Confeccionada em lona com reforço no fundo 01 porta-cadeado Armação de alumínio Alça de couro com metal ou lona sem metal Medidas: alt. 430 mm larg. 500 mm Balde

Leia mais

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 24 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM SERVIÇOS EM TELHADOS

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 24 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM SERVIÇOS EM TELHADOS LISTA DE CHECAGEM DE SERVIÇOS EM TELHADOS 1 Autor DEOGLEDES MONTICUCO Iniciou aos 14 anos como Mensageiro. 1974 - Engenheiro Civil e 1975 - Engenheiro de Segurança do Trabalho. Obras de construções: Hidrelétrica;

Leia mais

A V I D A A C I M A D E T U D O. C A T Á L O G O D E P R O D U T O S v. 3. 2

A V I D A A C I M A D E T U D O. C A T Á L O G O D E P R O D U T O S v. 3. 2 A V I D A A C I M A D E T U D O S O L U Ç Õ E S E M A L T U R A E E S P A Ç O C O N F I N A D O C A T Á L O G O D E P R O D U T O S v. 3. 2 E Q U I P A M E N T O S T R E I N A M E N T O S S E R V I Ç O

Leia mais

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS...3 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...4 3.1 Características Gerais...4 3.2 Carroceria...4 4. ACESSIBILIDADE...8 4.1

Leia mais

Legislação de aprovação de produtos. Responsabilidades INMETRO Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial

Legislação de aprovação de produtos. Responsabilidades INMETRO Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Legislação de aprovação de produtos O processo de aprovação envolve 5 partes: Processos de Aprovação Brasil Silvia Pini Arruda Silvia.pini@msasafety.com 11 40705997 Ministério do trabalho (governo); Agência

Leia mais

EPI Conforme Norma Regulamentadora NR 6, Equipamento de Proteção Individual EPI Fundamento Legal Artigo 166 da CLT A empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, equipamento de proteção

Leia mais

CONFORMIDADE LEVADA A SÉRIO.

CONFORMIDADE LEVADA A SÉRIO. CONFORMIDADE LEVADA A SÉRIO. CATÁLOGO DE PRODUTOS 2015 ALTISEG, A PRIMEIRA EMPRESA BRASILEIRA DE SEGURANÇA EM ALTURA A POSSUIR O SELO DE CONFORMIDADE INMETRO. CUSTON custon pro 1180147-1 (P-M) 1180149-2

Leia mais

Este Termo de Referência foi elaborado em cumprimento ao disposto na legislação federal e municipal correspondente.

Este Termo de Referência foi elaborado em cumprimento ao disposto na legislação federal e municipal correspondente. INTRODUÇÃO ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Este Termo de Referência foi elaborado em cumprimento ao disposto na legislação federal e municipal correspondente. DO OBJETO REGISTRO DE PREÇOS PARA AQUISIÇÃO DE

Leia mais

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão. Andre Cavalcanti Santos Téc. em saúde e segurança do trabalho E-mail: cavalcanti_sst@hotmail.com Sumário Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

CADERNO DE PROTEÇÕES COLETIVAS

CADERNO DE PROTEÇÕES COLETIVAS Quando edificares uma casa nova, farás um parapeito, no eirado, para que não ponhas culpa de sangue na tua casa, se alguém de algum modo cair dela. Moisés (1473 A.C.). Deuteronômio 22.8 CADERNO DE PROTEÇÕES

Leia mais

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI 1 - NOME DO CURSO: Aperfeiçoamento para instalador de equipes de serviços comerciais leves de Rede de Distribuição Aérea de energia elétrica. 2 - ÁREA: Eletrotécnica Sub área

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A principal norma brasileira que regulamenta os dispositivos ou produtos relacionados ao EPI é a NR 06, Portaria 3214 do MTE.

Leia mais

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Altera a Norma Regulamentadora nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O Ministro de Estado do Trabalho e Previdência

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS PROTEÇÃO CABEÇA E FACE CAPACETE PLASTCOR Ref: 200 CAPACETE - 3M Ref: 202 CAPACETE FOCUS TIPO III CLASSE A - MONTANA Ref: 204 CAPACETE COM ABAFADOR Ref: 205 ABAFADOR PROTEX - ZAPA Ref:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 005/2014 TIPO: MENOR PREÇO POR GRUPO

TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 005/2014 TIPO: MENOR PREÇO POR GRUPO TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 005/2014 TIPO: MENOR PREÇO POR GRUPO A UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES, entidade privada sem fins lucrativos, mantida pela Fundação

Leia mais

Riscos adicionais. Riscos adicionais. Altura COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1

Riscos adicionais. Riscos adicionais. Altura COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1 Riscos adicionais Riscos adicionais De altura; De ambientes confinados; De áreas classificadas; De umidade; Condições atmosféricas; Ataque de animais peçonhentos/domésticos. Altura Trabalho em altura é

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO

CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO 1 CONVENÇÃO COLETIVA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SETOR ELÉTRICO NO ESTADO DE SÃO PAULO As empresas concessionárias de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, representando a categoria

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. Erica Cristina Possoli Técnica em Segurança do Trabalho

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. Erica Cristina Possoli Técnica em Segurança do Trabalho EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Erica Cristina Possoli Técnica em Segurança do Trabalho Norma Regulamentadora 06 Segundo a NR 06, EPI é: todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo

Leia mais

Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho

Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho 1 pág de 16 Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho 2 pág de 16 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

I - PROCESSO DO DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA. Os primeiros passos da equipe devem ser dados para a obtenção de informações sobre o que determina a

I - PROCESSO DO DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA. Os primeiros passos da equipe devem ser dados para a obtenção de informações sobre o que determina a A aplicação de uma competente estratégia pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento de um programa de proteção contra quedas, bem como justificar o tempo investido em sua elaboração e administração.

Leia mais

Equipamento de Protecção e Segurança

Equipamento de Protecção e Segurança Catálogo Geral N 03-09 Equipamento de Protecção e Segurança 40.0074337 SAPATO DE SEGURANÇA NOBUK Nº37 1 PAR 40.0074338 SAPATO DE SEGURANÇA NOBUK Nº38 1 PAR 40.0074339 SAPATO DE SEGURANÇA NOBUK Nº39 1

Leia mais

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC)

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC) Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC) PCC 2302 Gestão da Produção na Construção Civil Profº Francisco Ferreira Cardoso Juliana Bueno Silva Thales Landgraf Soraia Regina

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

DESCRIÇÃO UNIFORMES DA DEFESA CIVIL PARA AS COORDENADORIAS DISTRITAIS DE DEFESA CIVIL DAS SUBPREFEITURAS

DESCRIÇÃO UNIFORMES DA DEFESA CIVIL PARA AS COORDENADORIAS DISTRITAIS DE DEFESA CIVIL DAS SUBPREFEITURAS DESCRIÇÃO UNIFORMES DA DEFESA CIVIL PARA AS COORDENADORIAS DISTRITAIS DE DEFESA CIVIL DAS SUBPREFEITURAS 1- COLETE : - Azul marinho; - 02 (duas) faixas refletivas, na direção horizontal, na cor laranja;

Leia mais

Conheça nosso portfólio de produtos e serviços e entenda como a 2AJ Equipamentos de Segurança pode atender a sua necessidade.

Conheça nosso portfólio de produtos e serviços e entenda como a 2AJ Equipamentos de Segurança pode atender a sua necessidade. Conheça nosso portfólio de produtos e serviços e entenda como a 2AJ Equipamentos de Segurança pode atender a sua necessidade. Especializada em engenharia de projetos que garantem a segurança contra quedas

Leia mais

ELOS ACESSÓRIOS PARA CABO REDE SUBTERRÂNEA

ELOS ACESSÓRIOS PARA CABO REDE SUBTERRÂNEA INSTRUÇÕES DE MONTAGEM ELOS ACESSÓRIOS PARA CABO REDE SUBTERRÂNEA PÁG. / 6 EMEX 6 kv Edição: DEZ 09 A emenda EMEX é um acessório de cabo de média tensão isolado com EPR ou XLPE com camada semi-condutora

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR 18-Construção Civil-Alterações Orientador Empresarial PORTARIA SIT nº 201/2011: 24.01.2011, com

Leia mais

PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1. Do Objeto A Empresa que firmar contrato com a Universidade São Judas Tadeu, obriga-se a cumprir integralmente os Procedimentos

Leia mais

Telha TopSteel. Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência.

Telha TopSteel. Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência. Telha TopSteel Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência. Telha TopSteel Leveza e conforto aliados à eficiência. As novas telhas termoacústicas TopSteel da Brasilit são de fácil transporte

Leia mais

Conheça nosso portfólio de produtos e serviços e entenda como a 2AJ Equipamentos de Segurança pode atender a sua necessidade.

Conheça nosso portfólio de produtos e serviços e entenda como a 2AJ Equipamentos de Segurança pode atender a sua necessidade. Conheça nosso portfólio de produtos e serviços e entenda como a 2AJ Equipamentos de Segurança pode atender a sua necessidade. Especializada em engenharia de projetos que garantem a segurança contra quedas

Leia mais

Bigcompra. "Qualidade mundial na distribuição e fabricação de Equipamentos de Proteção ao Homem"

Bigcompra. Qualidade mundial na distribuição e fabricação de Equipamentos de Proteção ao Homem Bigcompra "Qualidade mundial na distribuição e fabricação de Equipamentos de Proteção ao Homem" A Bigcompra Ltda é uma empresa especializada na fabricação e importação de E.P.I. (Equipamentos de Proteção

Leia mais

Catálogo Eletrônico. Email: montich@ Contato: (11) 2356-6456 / (11) 99857-9813 2013

Catálogo Eletrônico. Email: montich@ Contato: (11) 2356-6456 / (11) 99857-9813 2013 Catálogo Eletrônico Email: montich@ 2013 APRESENTAÇÃO A MONTICH ENGENHARIA, fundada em julho de 2013, com sede própria, hoje é especializada diretamente no seguimento de Fabricação, Projetos e Instalações

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ARQUIVOS DESLIZANTES DESTINADOS À EDIFICAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL RIO GRANDE DO SUL,

Leia mais

CONSIDERANDO que cabe às OS o fornecimento dos insumos e equipamentos para as Unidades de Saúde sob contrato de Gestão com a SMSDC;

CONSIDERANDO que cabe às OS o fornecimento dos insumos e equipamentos para as Unidades de Saúde sob contrato de Gestão com a SMSDC; Circular S/SUBPAV/SAP n.º 08/2011. Rio de Janeiro, 09 de maio de 2011. Aos Coordenadores das A.P.s com vistas às Organizações Sociais e às Unidades Primárias de Saúde Assunto: Uniformes para as Equipes

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO E SUBESTAÇÕES DE ALTA TENSÃO UTILIZAÇÃO DE VARAS DE MANOBRA ISOLANTES.

LINHAS DE TRANSMISSÃO E SUBESTAÇÕES DE ALTA TENSÃO UTILIZAÇÃO DE VARAS DE MANOBRA ISOLANTES. Título do Instrumento Nº DOCUMENTO MATERIAL DE TREINAMENTO MT 001.012.002 ÁREA DE TREINAMENTO: ASPECTOS DE MANUTENÇÃO E DURABILIDADE DAS OBRAS DE ENGENHARIA ASSUNTO: Utilização de varas de manobra isolantes.

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Porque este assunto preocupa? Impacto dos Acidentes envolvendo Quedas - 40% das fatalidades

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS 1 O SESMT Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho elaborou esta norma com o objetivo de estabelecer as condições mínimas no cumprimento

Leia mais

Reyder Knupfer Goecking Engenheiro Eletricista Mestre em Processos Industriais -IPT Membro do CB 3 e CB32 - ABNT

Reyder Knupfer Goecking Engenheiro Eletricista Mestre em Processos Industriais -IPT Membro do CB 3 e CB32 - ABNT Um Enfoque Frente a Tecnologias e Utilização de EPI s - NR10 d f G k Reyder Knupfer Goecking Engenheiro Eletricista Mestre em Processos Industriais -IPT Membro do CB 3 e CB32 - ABNT NR 10 Risco de Arco

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estrutura CE2H TR (2º Nível) Poste de Concreto de Seção Circular 7. Estrutura CE2H

Leia mais

RELAÇÃO DO MATERIAL/SERVIÇO.

RELAÇÃO DO MATERIAL/SERVIÇO. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Av. Araújo Pinho, nº 39, Canela - CEP: 40.110-150 - SSA/BA. Tel.: (071) 2102-0435 CNPJ nº: 10.764.307.0001-12 Inscrição: nº 70.244.376 Fax: (071) 3235-4563

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

A empresa interessada em se cadastrar neste item de serviço deverá apresentar os documentos abaixo relacionados:

A empresa interessada em se cadastrar neste item de serviço deverá apresentar os documentos abaixo relacionados: i. e x e DD/SAF/DPQM/VCAF - DVSÃO DE CADASTRO DE FORNECEDORES TEM DESCRÇÃO DO SERVÇO 90.07.01.005 - MANUTENÇÃO PREVENTVA E CORRETVA, RECUPERAÇÃO E/OU MELHORAMENTOS EM LNHAS DE TRANSMSSÃO, UTLZANDO-SE DE

Leia mais

Cinto de segurança para trabalhos em locais elevados. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Cinto de segurança para trabalhos em locais elevados. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Cinto de segurança para trabalhos em locais elevados Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo Orientar sobre a obrigatoriedade do uso do cinto de segurança para todos que

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 1 Aquisição de Equipamentos de Proteção Individual - PLANTEQ/2012

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 1 Aquisição de Equipamentos de Proteção Individual - PLANTEQ/2012 TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 1 Aquisição de Equipamentos de Proteção Individual - PLANTEQ/2012 1. JUSTIFICATIVA A presente aquisição justifica-se pela necessidade de atender a demanda do Projeto PLANTEQ /2012,

Leia mais

O QUE É A NR 35? E-Book

O QUE É A NR 35? E-Book Nós da DPS Consultoria e Assessoria em Segurança do Trabalho, queremos inicialmente manifestar nossa satisfação pelo seu interesse em nosso E-book. Nossa meta é proporcionar a você um material para auxiliar

Leia mais

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 1 de 7 PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 2 de 7 PROCESSO CONSTRUTIVO 1. EECUÇÃO DE PINTURAS Esta actividade consiste nos trabalhos de pinturas nas paredes simples

Leia mais

Diferença EPI para dispositivos Perfurocortantes. Luciana Affonso Gerente Mkt

Diferença EPI para dispositivos Perfurocortantes. Luciana Affonso Gerente Mkt Diferença EPI para dispositivos Perfurocortantes Luciana Affonso Gerente Mkt SP, Agosto 2010 Definição EPI NR6 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DESCRITIVA - EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO. BOLSA PARA EPIs. -2 alças de mão com 30mm de largura em polipropileno de 60cm de comprimento.

ESPECIFICAÇÃO DESCRITIVA - EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO. BOLSA PARA EPIs. -2 alças de mão com 30mm de largura em polipropileno de 60cm de comprimento. UNIDADE: COORDENAÇÃO DE LOGÍSTICA - COLOG (GESUS) 1 de 58 BOLSA PARA EPIs Descrição técnica: -Bolsa para transporte e armazenagem de EPIs. -Confeccionada em Nylon 600, cor azul marinho. -Costuras em linha

Leia mais