TAREFAS DO V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TAREFAS DO V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS"

Transcrição

1 TAREFAS DO V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS 1

2 TAREFAS DO V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS P 1 - ADEQUAÇÃO DA ÁREA DE TRABALHO E INSPEÇÃO DE FERRAMENTAS, MATERIAIS E EQUIPAMENTOS NA ARENA. T 1 - ABERTURA DE CHAVE FUSÍVEL COM DISPOSITIVO DE ABERTURA SOB CARGA (DAC) E DE GRAMPOS DE LINHA VIVA COM USO DO BASTÃO PEGA-TUDO. T 2 - INSTALAÇÃO DE SUBCONJUNTO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO PARA AT. T 3 - SUBSTITUIR CHAVE FUSÍVEL FASE LATERAL ESQUERDA. T 4 - SUBSTITUIÇÃO DE ISOLADOR DE PINO UTILIZANDO SELA PLATAFORMA OU SIMILAR. (FASES ALTERNADAS) T 5 - RETIRADA DE SUBCONJUNTO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO PARA AT. T 6 - FECHAMENTO DE GRAMPOS DE LINHA VIVA, SUBSTITUIÇÃO DE ELO FUSÍVEL E FECHAMENTO DE CHAVE FUSÍVEL. E 1 - DESTREZA COM BASTÃO PEGA-TUDO. E 2 - ELETRICISTA COM OS OLHOS VENDADOS EQUIPAR-SE COM EPIs. P1 - TAREFA PRELIMINAR Nº1 Adequação da área de trabalho e inspeção de ferramentas, materiais e equipamentos na arena. (P1) TEMPO LIMITE: 900 Segundos SINOPSE / ESSÊNCIA DA TAREFA: Esta tarefa é reservada para que todos os componentes das equipes façam uma adequação na área de trabalho para inicio das tarefas e inspeção das ferramentas, materiais e equipamentos pelos juízes e comissão técnica. Checklist de inspeção e penalidades OBSERVAÇÕES: A área de trabalho estará sinalizada e delimitada previamente pela Comissão Técnica, conforme croqui abaixo. Não será permitida alteração na disposição da delimitação da área de trabalho. A inspeção será feita, também, em todos os EPIs dos componentes das equipes participantes. Caso seja detectada irregularidade nas ferramentas, materiais e equipamentos os mesmos poderão ser readequados ou trocados, porém as penalidades serão mantidas, acarretando perda de pontos para a equipe infratora. Após inspeções somente os EPIs poderão ser retirados da área de trabalho. Serão computadas penalidades nesta prova de acordo com checklist. 2

3 Tabela de Penalidades P 1 - ADEQUAÇÃO DA ÁREA DE TRABALHO E INSPEÇÃO DE FERRAMENTAS, MATERIAIS E EQUIPAMENTOS NA ARENA. Juiz 1 Juiz 2 Nome da Empresa/Equipe ANOTAR A OCORRÊNCIA DE FALHA COM "X" E AS OBSERVAÇÕES NO VERSO Itens Quant. COD. Infração Penalidades Tipo Pontos Cones de sinalização ( fornecido pela Comissão Técnica ) 7 Nenhuma Fitas de sinalização ( fornecido pela Comissão Técnica ) 1 Nenhuma Lona 2 Nenhuma P101 Equipamento sem CA M 4 Capacete de Segurança classe B 5 P102 Jugular/carneira danificada M 4 P103 Falta de jugular/carneira G 10 Óculos de segurança 5 P101 Equipamento sem CA M 4 P105 Quebrado/danificado/rasgado M 4 P101 Equipamento sem CA M 4 Botas/botinas de segurança sem parte metálica 5 P105 Quebrado/danificado/rasgado M 4 P106 Cadarço desamarrado M 4 Luvas de vaqueta (serviços gerais)/ Luvas P101 Equipamento sem CA M 4 5 Revestidas de Espuma Nitrílica P105 Quebrado/danificado/rasgado M 4 P101 Equipamento sem CA M 4 Luvas de borracha isolante classe 2 5 P105 Quebrado/danificado/rasgado M 4 P107 Falta de invólucro/proteção L 2 Luvas de cobertura de proteção das luvas isolantes 5 P105 Quebrado/danificado/rasgado M 4 Vestimenta completa da empresa Cinto paraquedista com talabarte regulável e trava-quedas Vara de manobras/telescópica e bastão pega tudo DAC Dispositivo de Abertura sob Carga Escada extensível em fibra de vidro ( fornecido pela Comissão Técnica) Corda de serviço, carretilha, balde/sacola de lona (se for procedimento da Empresa) Detector de ausência de tensão para AT (contato ou aproximação) Subconjunto de aterramento temporário para AT (neutro/at) Sela plataforma com sacola ou SIMILAR P101 Equipamento sem CA M 4 P105 Quebrado/danificado/rasgado M 4 P101 Equipamento sem CA M 4 P108 Cinto descosturado G 10 P109 Engates danificados G 10 P107 Falta de invólucro/proteção L 2 P110 Fora da especificação técnica M 4 P111 Falha de abertura/fechamento G 10 P112 Falta controle de operação M 4 P107 Falta de invólucro/proteção L 2 1 Nenhuma 1 P105 Quebrado/danificado/rasgado M P113 Falha de funcionamento G 10 P107 Falta de invólucro/proteção L 2 P107 Falta de invólucro/proteção L 2 P110 Fora da especificação técnica M 4 P107 Falta de invólucro/proteção L 2 P105 Quebrado/danificado/rasgado M 4 Chave fusível 100A (fornecida pela Comissão Técnica) 1 Nenhuma Chave tipo Regulável ou catraca 1 Nenhuma Isolador de pino 15 kv (porcelana/vidro fornecido pela Comissão Técnica) 1 Nenhuma Laço pré-formado (fornecido pela Comissão Técnica) 2 Nenhuma Chave de fenda 1 P115 Cabo danificado/quebrado/trincado L 2 Alicate universal 1 P115 Cabo danificado/quebrado/trincado L 2 DAQC Dispositivo Anti-queda de Cartucho 1 Nenhuma Elo fusível de 6K na embalagem (fornecido pela Comissão Técnica) 4 P114 Fora da embalagem L 2 ANOTAÇÃO DE FALHA 3

4 TAREFA (T1): ABERTURA DE CHAVE FUSÍVEL COM DISPOSITIVO DE ABERTURA SOB CARGA (DAC) E DE GRAMPOS DE LINHA VIVA COM USO DO BASTÃO PEGA-TUDO. Materiais, equipamentos e ferramentas necessários para a tarefa:. Formulário de planejamento para análise preliminar de risco APR. Caneta esferográfica. Prancheta Capacete de segurança classe B; Óculos de segurança; Botas/botinas de segurança sem parte metálica; Luvas de vaqueta (serviços gerais); Luvas de borracha isolante classe 2; Luvas de cobertura de proteção das luvas isolantes; Vestimenta RF completa da empresa; Cinto paraquedista com talabarte regulável e trava-quedas; Vara de manobras/telescópica e bastão pega tudo; DAC Dispositivo de Abertura sob Carga; Escada extensível em fibra de vidro; TEMPO LIMITE: 540 segundos Margem Superior: 486 segundos (90% Limite) Margem Inferior: 324 Segundos (60% Limite) Corda de serviço, carretilha, balde/sacola de lona (se for procedimento da Empresa); Sinopse/essência da tarefa: Esta tarefa consiste na abertura das 3 (três) chaves fusíveis, utilizando o dispositivo de abertura sob carga (DAC) e em seguida desconectar os 3 (três) grampos de linha-viva que interligam as respectivas chaves fusíveis aos condutores de AT utilizando bastão pega tudo/vara telescópica. Observações: Se a sinalização da área de trabalho for descaracterizada por ação de intemperes ou por terceiros, a mesma não sofrerá penalidade de imediato, devendo, porém a dupla recompor a sinalização antes do final da tarefa. (G004) É obrigatória a utilização da porta de passagem para adentrar ou sair da área de trabalho. (G003) Durante a movimentação dos eletricistas dentro da área de trabalho, não é permitido que os mesmos andem sobre a lona. (G002) 4

5 Os executores deverão estar equipados com capacete, óculos e luvas de vaqueta/serviços gerais, no início e no final da tarefa; (G007 e/ou G009 e/ou G010 e/ou G011) O supervisor deverá estar utilizando o cinto paraquedista, que deverá ser colocado após a sinalização do início da tarefa; (G006) O talabarte do supervisor deverá ficar sobre a lona durante a execução da tarefa; (G030 e/ou G034) O cinto, o talabarte e o trava-quedas da dupla executora da tarefa deverão estar sobre a lona desconectados no inicio e no final da tarefa; (G024 e/ou G025 e/ou G026 e/ou G030) Os mosquetões (oval e/ou pera) poderão estar conectados ao cinto ou aos acessórios, no início e no final da tarefa; O restante dos materiais e equipamentos necessários para a execução da tarefa deverá estar sobre a lona, dentro de seus invólucros, no início e no final da tarefa; (E110 e/ou G030) A escada deverá ficar recolhida, deitada dentro da área delimitada, com as cordas recolhidas e amarradas no início e no final da tarefa. Não deverá ser manuseada/transportada por apenas um eletricista; (G004 e/ou G013 e/ou G035) Para DACs que não possuam contador de operação a equipe deverá fazer a anotação na planilha de controle; (E108) O bastão pega tudo deverá estar na sacola sobre a lona. Devido ao seu tamanho, parte do equipamento poderá ficar fora da lona. (E110 e/ou G030) Falta de materiais/equipamentos/ferramentas necessários à execução da tarefa, poderão ser penalizados em qualquer etapa da tarefa. (G033) Queda de eletricista no mesmo nível (solo) deve ser observado durante toda a tarefa. (G005) 5

6 1 - Desenvolvimento da tarefa: Preencher e entregar a APR à dupla de juízes; (G001) Dupla de juízes conferem as condições de acondicionamento e disposição dos materiais/equipamentos/ferramentas; SINAL PARA INÍCIO DA COMPETIÇÃO Instalar a escada no poste; (G004 e/ou G013 e/ou G032) Amarrar a escada no poste de acordo com o procedimento de cada empresa, desde que a amarração seja feita na parte superior entre a escada e o poste; (G014) Amarrar a linha de vida, já instalada no topo do poste, em algum degrau baixo/inferior da escada (do 1º ao 3º degraus); (G015) 6

7 1.6 - Vestir o cinto paraquedista, conectar os acessórios no cinto (Executor); Vestir o cinto paraquedista sem os acessórios (Supervisor); (G006 e/ou G034) Substituir as luvas de vaqueta/serviços gerais pelas isolantes classe 2; (E101 e/ou E102) 7

8 1.9 - Instalar o trava-quedas na linha de vida e deixar a alavanca na posição travada ou destravada, para subir; (G018) Instalar trava-quedas para resgate (supervisor ou executor da tarefa), devendo ficar os dois trava-quedas instalados na linha da vida; (G017 e/ou G018) 8

9 Levando a corda de serviço/carretilha (se for utilizar) e protegido por luvas isolantes classe 2 (protegidas por luvas de cobertura), subir na escada fazendo o trava-quedas correr na linha de vida; não sendo permitido saltar degraus tanto na subida quanto na descida da escada; (G008 e/ou G016 e/ ou G021 e/ou G022 e/ou G031) Caso o eletricista necessite subir na escada para amarração no topo, obrigatoriamente o outro eletricista deverá ficar de apoio na base da escada até a finalização da amarração, a mesma deve ser feita na parte superior entre a escada e o poste. O mesmo procedimento deverá ser adotado, desde o momento do início da desamarração do topo da escada até o executor pisar no penúltimo degrau da base da escada. Para amarração/ desamarração da escada é necessário o talabarte estar laçando o poste; (G008 e/ou G014 e/ou G016 e/ou G020) Posicionar-se para o trabalho, passando o talabarte no poste ou escada (abraçando degrau e longarinas); (G020) Para a posição de trabalho no alto, a alavanca tem que estar na posição travada; (G019) 9

10 Preparar/instalar os dispositivos para içamento (corda de serviço, carretilha, etc.), se for o caso; (G019 e/ou G020 e/ou G036) Içar a vara de manobra/telescópica equipada com DAC pela corda de serviço/carretilha ou receber o equipamento diretamente do supervisor; (E103) Conferir se o DAC está armado e abrir as chaves na sequência indicada abaixo: (E103 e/ou E104 e/ou E105 e/ou E106) 1º - Abrir a chave mais próxima a do meio; 2º - Abrir a chave mais afastada a do meio; 3º - Abrir a chave do meio. Notas: - Operar bastão pega-tudo pelo punho ou a vara de manobra no mínimo pelo terceiro estágio. (E112) 10

11 Notas: - Antes de cada operação é necessário o teste no DAC no alto da estrutura, para verificar se o mesmo está armado. (E107) - Ao final das operações é necessário anotar no formulário próprio, caso o DAC não possua o contador de operação; (E108) - A dupla de juízes deve ser informada sobre o número de operações do DAC no início e no final da tarefa; (contador de operações ou controle em papel/adesivo). (E108) 11

12 Notas: - É indispensável engatar o DAC na argola do cartucho e nos chifres das chaves, para que o DAC atue adequadamente na eliminação do arco elétrico. (E106) Deixar os cartuchos abertos pendurados nas bases das chaves; ( E111) Descer a vara de manobras/telescópica com DAC e colocá-la na sacola ou sobre a lona, podendo neste instante ser desacoplado o DAC; (E103 e/ou G030) Içar o bastão pega tudo pela corda de serviço/carretilha ou receber o equipamento diretamente do supervisor; (E103) 12

13 1.21- Desconectar as três garras de linha-viva dos jumpers superiores das chaves; (E103 e/ou E104) Nota: - Operar bastão pega-tudo pelo punho ou a vara de manobra no mínimo pelo terceiro estágio. (E112) Deixar as garras e os jumpers pendurados; Descer o bastão pega tudo e deixar sobre a lona; (E103 e/ou G030) NOTA - A vara de manobras/ telescópica/bastão pega tudo não pode tocar/bater no condutor neutro, partes da estrutura ou escada durante a realização da tarefa; (E103) NOTA - A vara de manobras/ telescópica/bastão pega tudo não poderá tocar / bater no corpo do eletricista executor durante a operação dos equipamentos energizados. (E104) Desacoplar o DAC da vara de manobra/telescópica e deixar sobre a lona, se não tiver feito isso antes; (G030) 13

14 Retirar o talabarte do poste/escada e prendê-lo na argola/alça de serviço do cinto de segurança; (G021) Descer com o trava-quedas na posição travado ou destravado; (G016 e/ou G022) Descer da escada trazendo a carretilha/corda de serviço, se for o caso; Retirar o trava-quedas do cinto de segurança ou da linha de vida; A retirada do trava-quedas da corda/cinto poderá ser executada pelo supervisor; Substituir as luvas isolantes por luvas de vaqueta, se não tiver feito isso antes e colocá-las sobre a lona; (E109) Retirar o cinto paraquedista (executor e supervisor), sendo que o supervisor só poderá tirar o cinto após o executor pisar no solo; (G026) Colocar o cinto e os acessórios sobre a lona; (G030) Soltar a amarração da linha de vida dos degraus da escada; Desamarrar e retirar a escada do poste e coloca-la deitada na área de trabalho; (G004 e/ou G029 e/ou G032 e/ou G035) Deixar a linha de vida instalada/ancorada no poste; 14

15 A equipe informa à dupla de juízes o término da tarefa, conforme abaixo: EQUIPE nome da equipe, TAREFA TERMINADA Os juízes deverão verificar os seguintes itens após a equipe finalizar a tarefa: (G004, G012, E110, G023, G024, G025, G027, G028, G029 e E113) Os juízes informam as penalidades para a dupla e os libera da arena. 15

16 TABELA DE PENALIDADES (T1) Tabela de Penalidades T 1 - ABERTURA DE CHAVE FUSÍVEL COM DISPOSITIVO DE ABERTURA SOB CARGA (DAC) E DE GRAMPOS DE LINHA VIVA COM USO DO BASTÃO PEGA-TUDO. ANOTAR COM "X" A OCORRÊNCIA DE FALHA Penalidades ANOTAÇÃO TOTAL DE COD. Infração Tipo Pontos DE FALHA FALHAS G001 Não entregar o formulário de planejamento aos juízes L 2 1 G002 Eletricista andar sobre a lona L 2 G003 Não utilizar a porta de passagem para adentrar ou sair da área delimitada e sinalizada L 2 G004 Descaracterizar/danificar o sistema de delimitação/sinalização L 2 G005 Queda de eletricista no mesmo nível (solo) M 4 G006 Supervisor não usar cinto paraquedista após o inicio da tarefa L 2 1 G007 Não uso de capacete de segurança no solo G 10 G008 Não uso de capacete de segurança no poste G 10 G009 Não usar a jugular do capacete M 4 G010 Não uso de luvas de vaqueta/serviços gerais M 4 G011 Não uso de óculos de segurança M 4 G012 Não uso de calçado de segurança ou calçado desamarrado no início ou ao final da tarefa M 4 G013 Transportar/Manusear escada por apenas um eletricista M 4 G014 Escada não amarrada na parte superior ou Supervisor não segurando a base da escada durante a escalada sem o topo amarrado G 10 G015 Linha de vida não amarrada em degrau inferior da escada M 4 1 G016 Subir/descer saltando degraus G 10 G017 Não instalar o trava-quedas do supervisor na linha de vida - resgate L 2 1 G018 Não instalar o trava-quedas no cinto/linha de vida do executor G 10 1 G019 Trava-quedas destravado quando em posição de trabalho M 4 G020 Talabarte não abraçando poste ou degrau e longarinas L 2 E101 Não uso das luvas isolantes classe 2 G 10 1 E102 Não uso das luvas de cobertura de proteção das luvas isolantes G 10 1 E103 Tocar com a vara de manobra/telescópica/bastão pega-tudo na escada, neutro ou partes da estrutura L 2 E104 Tocar com a vara de manobra/telescópica/bastão pega-tudo em partes do corpo desprotegidas por EPIs, quando em contato com pontos energizados (abertura das M 4 CFs e dos GLVs) E105 Não abrir as chaves fusíveis na sequência correta G 10 1 E106 Não engatar o DAC na argola do cartucho e no chifre da chave, abrindo sem a operação/utilização do DAC (por chave) G 10 E107 Não confirmar o rearme do DAC a cada operação de chave G 10 E108 Não anotar no formulário apropriado ou não informar as operações do DAC aos juízes L 2 1 E109 Não substituir as luvas classe 2 pelas de vaqueta/serviços gerais L 2 1 E110 Deixar equipamentos fora de seus invólucros, no inicio e no final da tarefa L 2 E111 Retirar o porta fusivel da base da chave M 4 E112 Não operar bastão pega-tudo pelo punho ou a vara de manobra no mínimo pelo terceiro estágio G 10 G021 Descer/subir da escada com o talabarte fora da argola/anel de serviço do cinto L 2 G022 Movimentar-se durante subida e descida da escada, sem estar com as duas mãos no montante M 4 G023 Deixar materiais/ferramentas/equipamentos no alto da estrutura após o término da L 2 tarefa 1 G024 Não retirar o trava-quedas do cinto paraquedista no final da tarefa L 2 1 G025 Não retirar o talabarte do cinto no final da tarefa L 2 1 G026 Não retirar o cinto do corpo, ou o Supervisor retirar o cinto antes do executor pisar no solo L 2 G027 Não retirar o trava-quedas da linha de vida L 2 G028 Não retirar a escada do poste M 4 1 G029 Não recolher nem amarrar as cordas na escada M 4 1 G030 Deixar materiais/equipamentos/ferramentas fora da lona L 2 G031 Ficar suspenso pelo trava-quedas/talabarte sem apoio dos pés G 10 G032 Queda de materiais/equipamentos/ferramentas M 4 G033 Falta de materiais/equipamentos/ferramentas necessários à execução da tarefa M 4 G034 Supervisor utilizando talabarte durante execução das atividades M 4 1 G035 Deixar escada/materiais/equipamentos fora da área delimitada M 4 G036 Não uso da bolsa/sacola para içamento/descida de materiais/ferramentas quando não utilizado vara de manobra/telescópica/bastão pega tudo M 4 E113 Não abrir as CFs/GLVs (essência da tarefa) 50 1 (1) TIPO = L (LEVE) M (MÉDIA) G (GRAVE) 16

17 TAREFA (T2): INSTALAÇÃO DE SUBCONJUNTO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO PARA AT. Materiais, equipamentos e ferramentas necessários para a tarefa:. Formulário de planejamento para análise preliminar de risco APR. Caneta esferográfica. Prancheta Capacete de segurança classe B; Óculos de segurança; Botas/botinas de segurança sem partes metálicas; Luvas de vaqueta (serviços gerais); Luvas de borracha isolante classe 2; Luvas de cobertura de proteção das luvas isolantes; Vestimenta RF completa da empresa; Cinto paraquedista (antichama) com talabarte regulável e trava-quedas; Vara de manobras/telescópica e bastão pega tudo; Detector de ausência de tensão para AT (contato ou aproximação); Escada extensível em fibra de vidro; TEMPO LIMITE: 450 Segundos Margem Superior: 405 segundos (90% Limite) Margem Inferior : 270 Segundos (60% Limite) Subconjunto de aterramento temporário para AT (neutro/at), com condutor protegido com no mínimo 25 mm² de seção de cobre extra flexível (cobertura de proteção transparente), com grampo de torção; Corda de serviço, carretilha, balde/sacola de lona (se for procedimento da empresa); Sinopse/essência da tarefa: Esta tarefa consiste na instalação do subconjunto de aterramento temporário para AT em rede de distribuição. A equipe deverá realizar as conexões neutro/condutor de AT. Observações: Se a sinalização da área de trabalho for descaracterizada por ação de intemperes ou por terceiros, a mesma não sofrerá penalidade de imediato, devendo, porém a dupla recompor a sinalização antes do final da tarefa. (G004) É obrigatória a utilização da porta de passagem para adentrar ou sair da área de trabalho. (G003) Durante a movimentação dos eletricistas dentro da área de trabalho, não é permitido que os mesmos 17

18 andem sobre a lona. (G002) Os executores deverão estar equipados com capacete, óculos e luvas de vaqueta/serviços gerais, no início e no final da tarefa; (G007 e/ou G009 e/ou G010 e/ou G011) O supervisor deverá estar utilizando o cinto paraquedista, que deverá ser colocado após a sinalização do início da tarefa; (G006) O talabarte do supervisor deverá ficar sobre a lona durante a execução da tarefa; (G030 e/ou G034) O cinto, o talabarte e o trava-quedas da dupla executora da tarefa deverão estar sobre a lona desconectados no inicio e no final da tarefa; (G024 e/ou G025 e/ou G026 e/ou G030) Os mosquetões (oval e/ou pera) poderão estar conectados ao cinto ou aos acessórios, no início e no final da tarefa; O restante dos materiais e equipamentos necessários para a execução da tarefa deverá estar sobre a lona, dentro de seus invólucros, no início e no final da tarefa; (E209 e/ou G030) A escada deverá ficar recolhida, deitada dentro da área delimitada, com as cordas recolhidas e amarradas no início e no final da tarefa. Não deverá ser manuseada/transportada por apenas um eletricista; (G004 e/ou G013 e/ou G035) O bastão pega tudo deverá estar na sacola sobre a lona. Devido ao seu tamanho, parte do equipamento poderá ficar fora da lona. (E209 e/ou G030) Falta de materiais/equipamentos/ferramentas necessários à execução da tarefa, poderão ser penalizados em qualquer etapa da tarefa. (G033) Queda de eletricista no mesmo nível (solo) deve ser observado durante toda a tarefa. (G005) 18

19 1 - Desenvolvimento da tarefa: Preencher e entregar a APR à dupla de juízes; (G001) Dupla de juízes conferem as condições de acondicionamento e disposição dos materiais/equipamentos/ferramentas; SINAL PARA INÍCIO DA COMPETIÇÃO Instalar a escada no poste; (G004 e/ou G013 e/ou G032) Amarrar a escada no poste de acordo com o procedimento de cada empresa, desde que a amarração seja feita na parte superior entre a escada e o poste; (G014) Amarrar a linha de vida, já instalada no topo do poste, em algum degrau baixo/inferior da escada (do 1º ao 3º degraus); (G015) 19

20 1.6 - Vestir o cinto paraquedista, conectar os acessórios no cinto (Executor); Vestir o cinto paraquedista sem os acessórios (Supervisor); (G006) Substituir as luvas de vaqueta/serviços gerais pelas isolantes classe 2; (E201 e/ou E202) 20

21 1.9 - Instalar o trava-quedas na linha de vida e deixar a alavanca na posição travada ou destravada, para subir; (G018) Instalar trava-quedas para resgate (supervisor ou executor da tarefa), devendo ficar os dois trava-quedas instalados na linha da vida; (G017 e/ou G018) 21

22 Levando a corda de serviço/carretilha (se for utilizar) e protegido por luvas isolantes classe 2 (protegidas por luvas de cobertura), subir na escada fazendo o trava-quedas correr na linha de vida; não sendo permitido saltar degraus tanto na subida quanto na descida da escada; (G008 e/ou G016 e/ ou G021 e/ou G022 e/ou G031) Caso o eletricista necessite subir na escada para amarração no topo, obrigatoriamente o outro eletricista deverá ficar de apoio na base da escada até a finalização da amarração, a mesma deve ser feita na parte superior entre a escada e o poste. O mesmo procedimento deverá ser adotado, desde o momento do início da desamarração do topo da escada até o executor pisar no penúltimo degrau da base da escada. Para amarração/ desamarração da escada é necessário o talabarte estar laçando o poste; (G008 e/ou G014 e/ou G016 e/ou G020) Posicionar-se para o trabalho, passando o talabarte no poste ou escada (abraçando degrau e longarinas); (G020) Para a posição de trabalho no alto, a alavanca tem que estar na posição travada; (G019) 22

23 Preparar/instalar os dispositivos para içamento (corda de serviço, carretilha, etc.), se for o caso; (G019 e/ou G020 e/ou G036) Testar o funcionamento do detector de tensão através do auto-teste e acoplar na vara de manobras/telescópica (execução obrigatória a ser realizada pelo supervisor); (E203) Içar o detector de ausência de tensão para AT instalado na vara de manobras/telescópica; (E206) NOTA - A vara de manobras/ telescópica/bastão pega tudo não pode tocar/bater no condutor neutro, partes da estrutura ou escada durante a realização da tarefa; (E206) NOTA - A vara de manobras/ telescópica/bastão pega tudo não poderá tocar / bater no corpo do eletricista executor durante a operação dos equipamentos energizados. (E207) NOTA: Operar bastão pega-tudo pelo punho ou a vara de manobra no mínimo pelo terceiro estágio. (E211) 23

24 1.18- Testar ausência de tensão com toque do detector nos três condutores da AT; (E204) No alto da estrutura o executor deverá testar novamente o funcionamento do detector de tensão, utilizando o auto-teste; (E203) Descer a vara de manobras/telescópica; (E206) Retirar o detector de ausência de tensão da vara de manobra/telescópica; (G030) Içar subconjunto AT; (E206) 24

25 Instalar o subconjunto no condutor neutro; Instalar os grampos apertando bem a rosca de cada um nos condutores de AT; (E205 e/ou E207 e/ou E210) NOTA: Operar bastão pega-tudo pelo punho ou a vara de manobra no mínimo pelo terceiro estágio. (E211) Descer a vara de manobras/telescópica/bastão pega tudo e colocar na sacola ou sobre a lona; (E206 e/ou G030) 30 de 90 25

26 Retirar o talabarte do poste/escada e prendê-lo na argola/ anel de serviço do cinto de segurança ; (G021) Descer com o trava-quedas na posição travado ou destravado; (G016 e/ou G022) Descer da escada trazendo a carretilha/corda de serviço, se for o caso; Retirar o trava-quedas do cinto de segurança ou da linha de vida; A retirada do trava-quedas da corda/cinto poderá ser executada pelo supervisor; Substituir as luvas isolantes por luvas de vaqueta, se não tiver feito isso antes e colocá-las sobre a lona ; (G030 e/ou E208) Retirar o cinto paraquedista (executor e supervisor), sendo que o supervisor só poderá tirar o cinto após o executor pisar no solo; (G026) Colocar o cinto e os acessórios sobre a lona; (G030) Soltar a amarração da linha de vida dos degraus da escada; Desamarrar e retirar a escada do poste e coloca-la deitada na área de trabalho; (G004 e/ou G029 e/ou G032 e/ou G035) Deixar a linha de vida instalada/ancorada no poste. 26

27 A equipe informa à dupla de juízes o término da tarefa, conforme abaixo: EQUIPE nome da equipe, TAREFA TERMINADA Os juízes deverão verificar os seguintes itens após a equipe finalizar a tarefa: (G004, G012, E209, G023, G024, G025, G027, G028, G029 e E212) Os juízes informam as penalidades para a dupla e os libera da arena. 27

28 TABELA DE PENALIDADES (T2) Tabela de Penalidades T 2 - INSTALAÇÃO DE SUBCONJUNTO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO PARA AT. ANOTAR COM "X" A OCORRÊNCIA DE FALHA Penalidades ANOTAÇÃO TOTAL DE COD. Infração Tipo Pontos DE FALHA FALHAS G001 Não entregar o formulário de planejamento aos juízes L 2 1 G002 Eletricista andar sobre a lona L 2 G003 Não utilizar a porta de passagem para adentrar ou sair da área delimitada e sinalizada L 2 G004 Descaracterizar/danificar o sistema de delimitação/sinalização L 2 G005 Queda de eletricista no mesmo nível (solo) M 4 G006 Supervisor não usar cinto paraquedista após o inicio da tarefa L 2 1 G007 Não uso de capacete de segurança no solo G 10 G008 Não uso de capacete de segurança no poste G 10 G009 Não usar a jugular do capacete M 4 G010 Não uso de luvas de vaqueta/serviços gerais M 4 G011 Não uso de óculos de segurança M 4 G012 Não uso de calçado de segurança ou calçado desamarrado no início ou ao final da tarefa M 4 G013 Transportar/Manusear escada por apenas um eletricista M 4 G014 Escada não amarrada na parte superior ou Supervisor não segurando a base da escada durante a escalada sem o topo amarrado G 10 G015 Linha de vida não amarrada em degrau inferior da escada M 4 1 G016 Subir/descer saltando degraus G 10 G017 Não instalar o trava-quedas do supervisor na linha de vida - resgate G 10 1 G018 Não instalar o trava-quedas no cinto, executor G 10 1 G019 Trava-quedas destravado quando em posição de trabalho M 4 G020 Talabarte não abraçando poste ou degrau e longarinas L 2 E201 Não uso das luvas isolantes classe 2 G 10 1 E202 Não uso das luvas de cobertura de proteção das luvas isolantes G 10 1 E203 Não executar o auto-teste com o testador de ausência de tensão para AT G 10 E204 Não testar a ausência de tensão em um ou mais condutores G 10 1 E205 Conectar os grampos nos condutores de AT antes de conectar o subconjunto com o G 10 neutro 1 E206 Tocar com a vara de manobra/telescópica/bastão pega-tudo na escada, neutro ou partes da estrutura L 2 E207 Tocar com a vara de manobra/telescópica/bastão pega-tudo em partes do corpo desprotegidas por EPIs quando em contato com os condutores de AT/neutro M 4 E208 Não substituir as luvas classe 2 pelas luvas de vaqueta/serviços gerais L 2 1 E209 Deixar equipamentos fora de seus invólucros, no inicio e no final da tarefa L 2 E210 Deixar grampos de torção mal apertados M 4 1 E211 Não operar bastão pega-tudo pelo punho ou a vara de manobra no mínimo pelo terceiro estágio G 10 G021 Descer/subir da escada com o talabarte fora da argola/anel de serviço do cinto L 2 G022 Movimentar-se durante subida e descida da escada, sem estar com as duas mãos no montante M 4 G023 Deixar materiais/ferramentas/equipamentos no alto da estrutura após o término da L 2 tarefa 1 G024 Não retirar o trava-quedas do cinto paraquedista no final da tarefa L 2 1 G025 Não retirar o talabarte do cinto no final da tarefa L 2 1 G026 Não retirar o cinto do corpo, ou o Supervisor retirar o cinto antes do executor pisar no solo L 2 G027 Não retirar o trava-quedas da linha de vida L 2 G028 Não retirar a escada do poste M 4 1 G029 Não recolher nem amarrar as cordas na escada M 4 1 G030 Deixar materiais/equipamentos/ferramentas fora da lona L 2 G031 Ficar suspenso pelo trava-quedas/talabarte sem apoio dos pés G 10 G032 Queda de materiais/equipamentos/ferramentas M 4 G033 Falta de materiais/equipamentos/ferramentas necessários à execução da tarefa M 4 G034 Supervisor utilizando talabarte durante execução das atividades M 4 1 G035 Deixar escada/materiais/equipamentos fora da área delimitada M 4 G036 Não uso da bolsa/sacola para içamento/descida de materiais/ferramentas quando não utilizado vara de manobra/telescópica/bastão pega tudo M 4 E212 Não instalar o subconjunto AT (essência da tarefa) 50 1 (1) TIPO = L (LEVE) M (MÉDIA) G (GRAVE) 28

Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura

Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura Desenho da estrutura (detalhes) Lista de materiais para Arena V RODEIO NACIONALDE ELETRICISTAS Lista de Materias para Arena Item Descrição Quantidade

Leia mais

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: INSTALAÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DE PÁRA-RAIOS EM TANQUE DE TRANSFORMADOR, EM REDE ENERGIZADA.

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: INSTALAÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DE PÁRA-RAIOS EM TANQUE DE TRANSFORMADOR, EM REDE ENERGIZADA. Página: 1/7 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para instalação e substituição de pára-raios em tanque de transformador, em rede energizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento

Leia mais

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA.

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para Substituição e Manutenção de Chaves Fusíveis de Transformador em rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento

Leia mais

RES. 227/2010 de 28/12/2010 Título: PROCEDIMENTO PARA OPERAÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA

RES. 227/2010 de 28/12/2010 Título: PROCEDIMENTO PARA OPERAÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA Página: 1/11 DO-OP-01/P-2 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia na operação de chaves fusíveis e chaves facas. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas

Leia mais

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA.

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Determinar a metodologia para substituição de condutor de média tensão, em vão de rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição

Leia mais

Usar óculos de proteção Fazer checagem individual Substituir componentes da equipe Controles (Especificar)

Usar óculos de proteção Fazer checagem individual Substituir componentes da equipe Controles (Especificar) TAREFA T - ABERTURA DE CHAVE FUSÍVEL COM DISPOSITIVO DE ABERTURA SOB CARGA (DAC) E DE GRAMPOS DE LINHA VIVA COM USO DO BASTÃO PEGA-TUDO. Contato acidental com condutores ou equipamentos energizados 0 Exposição

Leia mais

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA, EM REDE ENERGIZADA.

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA, EM REDE ENERGIZADA. Página: 1/13 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para substituição de chave fusível e chave faca, em rede energizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas

Leia mais

METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA

METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA Autor Carmelindo Monteiro Neto COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ - COELCE RESUMO Este trabalho apresenta metodologias bastante simples de instalação de linha de vida

Leia mais

V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS. 1.3 Cada equipe deverá ter 01 padrinho (não competidor);

V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS. 1.3 Cada equipe deverá ter 01 padrinho (não competidor); V RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS 1. DOS PARTICIPANTES 1.1 Cada Concessionária poderá inscrever até 02 equipes e ainda contar com a possibilidade da inscrição de uma terceira equipe que deverá representar

Leia mais

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para execução de poda de árvore.

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para execução de poda de árvore. Página: 1/25 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para execução de poda de árvore. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição da

Leia mais

Substituição de Isoladores em Linha de Distribuição de 72,5kV com a Utilização de Andaimes Isolados. Fernando Gomes da Silva Filho

Substituição de Isoladores em Linha de Distribuição de 72,5kV com a Utilização de Andaimes Isolados. Fernando Gomes da Silva Filho XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Substituição de Isoladores em Linha de Distribuição de 72,5kV com a Utilização de

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Coordenação: Jildésio Souza Beda. Participantes: Jildésio Souza Beda, José Cezar Nonato, Kamila Franco Paiva.

FICHA TÉCNICA. Coordenação: Jildésio Souza Beda. Participantes: Jildésio Souza Beda, José Cezar Nonato, Kamila Franco Paiva. NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO DISTRIBUIÇÃO COM A REDE AÉREA PRIMÁRIA 2ª EDIÇÃO JULHO - 2014 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA FICHA

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 1/9 1. Objetivo Estabelecer critérios para inspeção, transporte e conservação de ferramentas, equipamentos de proteção individual e coletiva, utilizados pelos eletricistas de iluminação pública. 2. Aplicação

Leia mais

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar trabalhos em altura no SEP Sistema Elétrico de Potência.

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar trabalhos em altura no SEP Sistema Elétrico de Potência. Página: 1/44 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar trabalhos em altura no SEP Sistema Elétrico de Potência. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP PCMSO/GEAP 6.1.23.1 Providenciar atestados e exames Todo trabalho em eletricidade deve ser planejado, organizado e executado por empregado capacitado e autorizado. Para executar trabalhos em altura, o

Leia mais

ANEXO IX. 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas integralmente.

ANEXO IX. 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas integralmente. ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA SERVIÇOS DE REFORMA, CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO PREVENTINA DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÃO E USINAS 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As normas

Leia mais

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar emenda e reparo em condutores, em redes energizadas.

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar emenda e reparo em condutores, em redes energizadas. Página: 1/13 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar emenda e reparo em condutores, em redes energizadas. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas

Leia mais

Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição da Eletrobras - EDEs em serviços de campo.

Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição da Eletrobras - EDEs em serviços de campo. Página: 1/8 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para inspeção de postes em redes de distribuição Rural e Urbana em média e baixa tensão, visando garantir a uniformidade,

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPRESAS PARA EXECUTAR CONSTRUÇÃO OU REFORMAS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO E ILUMINAÇÃO PÚBLICA

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPRESAS PARA EXECUTAR CONSTRUÇÃO OU REFORMAS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO E ILUMINAÇÃO PÚBLICA VALIDADE DO CADASTRO - ANUAL. REQUISITOS TÉCNICOS Introdução Este documento tem como objetivo orientar prestadores de serviços de Construção ou reformas de redes de distribuição e Iluminação Pública, no

Leia mais

Esquema de Certificação do Programa de Certificação Profissional do Sistema Elétrico de Potência

Esquema de Certificação do Programa de Certificação Profissional do Sistema Elétrico de Potência Esquema de Certificação do Programa de Certificação Profissional do Sistema Elétrico de Potência SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. ESQUEMA DE CERTIFICAÇÃO 2 3.1 - Inscrição do Candidato 2 3.2 -

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As Normas Regulamentadoras aplicáveis aos serviços a

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/6 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014

ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014 ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados

Leia mais

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar poda de arvores em rede energizada.

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar poda de arvores em rede energizada. Página: 1/14 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para realizar poda de arvores em rede energizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de

Leia mais

Prever, separar e inspecionar os equipamentos, ferramentas, aparelhos, dispositivos, materiais, EPI s e EPC s necessários. Capacete de segurança

Prever, separar e inspecionar os equipamentos, ferramentas, aparelhos, dispositivos, materiais, EPI s e EPC s necessários. Capacete de segurança 80 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP QUADRO DEMONSTRATIVO DAS ETAPAS DE SEGURANÇA: Objetivo: Padronizar os procedimentos de segurança Inspeção Geral em TP

Leia mais

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria 3214/MTB/78 deverão ser seguidas

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/9 0I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 ANEXO X Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Página 1 de 5 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem

Leia mais

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para substituição de pára-raios em rede energizada.

PROCEDIMENTO. Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para substituição de pára-raios em rede energizada. Página: 1/14 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para substituição de pára-raios em rede energizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas

Leia mais

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim)

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PROCEDIMENTO DE SMS Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PR-99-993-CPG-009 Revisão: 00 Aprovação: 30/05/2014 Página: 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos de segurança para

Leia mais

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI 1 - NOME DO CURSO: Aperfeiçoamento para instalador de equipes de serviços comerciais leves de Rede de Distribuição Aérea de energia elétrica. 2 - ÁREA: Eletrotécnica Sub área

Leia mais

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA LEVE

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA LEVE ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA LEVE 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados existentes na Portaria

Leia mais

ANEXO V REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2011

ANEXO V REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2011 ANEXO V REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 002/2011 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO DE EXAMES CANDIDATO INS-002

INSTRUÇÃO DE EXAMES CANDIDATO INS-002 Página 1 de 14 1. OBJETIVO Fornecer ao candidato as instruções necessárias para execução do exame prático de Acesso por Corda de acordo com o Sistema de Certificação ANEAC. 2. DOCUMENTOS APLICÁVEIS - NAC-005

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO 1. Passo Receber a informação sobre a ocorrência do desligamento emergencial da linha de distribuição (despachante); 1.1 de Segurança 1.1 de Segurança 1.1 de Segurança - Uniforme padrão completo; - Radiação

Leia mais

Encarregado. Encarregado e Eletricistas

Encarregado. Encarregado e Eletricistas 1/11 Passo 01: Receber a ordem de serviço e formulário de preenchimento dos serviços executados. Passo 02: Planejar a execução da tarefa: - Separar materiais e ferramentas necessários para a execução da

Leia mais

ANEXO IX EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 007/2013

ANEXO IX EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 007/2013 ANEXO IX EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 007/2013 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DE ESTAÇÃO HIDROMÉTRICA 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1.

Leia mais

ANEXO VIII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM LINHAS DE TRANSMISSÃO 69-138 kv

ANEXO VIII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM LINHAS DE TRANSMISSÃO 69-138 kv ANEXO VIII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM LINHAS DE TRANSMISSÃO 69-138 kv 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS Alicate de Compressão Mecânica MD6 O alicate mecânico MD6 é uma ferramenta projetada para a instalação de conectores, luvas de emenda e outros tipos de conectores de compressão, permitindo

Leia mais

REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS

REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS 1. EPI s (Equipamentos de Proteção Individuais): Equipamento de Segurança de fabricação nacional ou estrangeira destinado a proteger a integridade física

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Técnicas de escalada, movimentação e salvamento em estruturas elevadas de subestações

Leia mais

CONFORMIDADE LEVADA A SÉRIO.

CONFORMIDADE LEVADA A SÉRIO. CONFORMIDADE LEVADA A SÉRIO. CATÁLOGO DE PRODUTOS 2015 ALTISEG, A PRIMEIRA EMPRESA BRASILEIRA DE SEGURANÇA EM ALTURA A POSSUIR O SELO DE CONFORMIDADE INMETRO. CUSTON custon pro 1180147-1 (P-M) 1180149-2

Leia mais

A STEELFLEX, nova marca da BSB, chega ao mercado de EPIs com um portifólio de produtos diferenciados, de alta performance e design arrojado.

A STEELFLEX, nova marca da BSB, chega ao mercado de EPIs com um portifólio de produtos diferenciados, de alta performance e design arrojado. A STEELFLEX, nova marca da BSB, chega ao mercado de EPIs com um portifólio de produtos diferenciados, de alta performance e design arrojado. Com o objetivo de oferecer soluções cada vez mais eficazes para

Leia mais

CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Descrição das alterações a 07/02/2007 -- Emissão inicial.

CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Descrição das alterações a 07/02/2007 -- Emissão inicial. de Média Tensão Big e Mega Jumper Folha 1 de 11 CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Descrição das alterações a 07/02/2007 -- Emissão inicial. b 20/08/2008 -- Revisão / Formatação do texto e adequação

Leia mais

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES A descrição das atividades tem como propósito facilitar o relacionamento entre a CONTRATANTE e a CONTRATADA, na medida em que visa

Leia mais

A empresa interessada em se cadastrar neste item de serviço deverá apresentar os documentos abaixo relacionados:

A empresa interessada em se cadastrar neste item de serviço deverá apresentar os documentos abaixo relacionados: i. e x e DD/SAF/DPQM/VCAF - DVSÃO DE CADASTRO DE FORNECEDORES TEM DESCRÇÃO DO SERVÇO 90.07.01.005 - MANUTENÇÃO PREVENTVA E CORRETVA, RECUPERAÇÃO E/OU MELHORAMENTOS EM LNHAS DE TRANSMSSÃO, UTLZANDO-SE DE

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO 1. Passo Receber o Pedido de Desligamento para execução de trabalhos de manutenção em linhas de distribuição, da área de manutenção e outras áreas da CEB-D, FURNAS, CELG, METRÔ, CAESB, CEB) GERAÇÃO, CORUMBÁ

Leia mais

Segtreinne 5.0 - PROTEÇÃO LATERAL:

Segtreinne 5.0 - PROTEÇÃO LATERAL: 1.0 - OBJETIVO: Estabelecer procedimentos seguros para montagem, desmontagem e utilização de andaimes, em serviços de manutenção nas áreas da fábrica. 2.0 - APLICAÇÃO: Este procedimento se aplica à montagem,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA DISTRIBUIÇÃO Nº 002.13 GRNT

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA DISTRIBUIÇÃO Nº 002.13 GRNT Nº 002.13 GRNT PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO PARA DESENERGIZAÇÃO E LIBERAÇÃO DE LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO NAS TENSÕES DE 34,5; 69 E 138 kv PARA EXECUÇÃO DE TRABALHOS DE 1ª EDIÇÃO MAIO - 2013 DIRETORIA DE ENGENHARIA

Leia mais

MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO

MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 1 SUMÁRIO Acessórios 03 Instruções de montagem 04 Dicas Importantes 10 Acesso dos Andaimes 11 Informações de Segurança 12 2 ACESSÓRIOS 3 ANDAIME FACHADEIRO INSTRUÇÕES

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE USINA

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO.PARA. PRESTADORAS DE SERVIÇOS. MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE USINA 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA RICARDO INFORZATO GREJO 1 JOSÉ JOÃO BARRICO 2 RESUMO O investimento em tecnologias modernas é fundamental para a melhoria

Leia mais

Manual para trabalhos em altura.

Manual para trabalhos em altura. Manual para trabalhos em altura. Montagem de andaimes. O trabalho de montagem de andaimes possui características peculiares, pois em geral, os pontos de ancoragem são o próprio andaime, o que requer uma

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO E SUBESTAÇÕES DE ALTA TENSÃO UTILIZAÇÃO DE VARAS DE MANOBRA ISOLANTES.

LINHAS DE TRANSMISSÃO E SUBESTAÇÕES DE ALTA TENSÃO UTILIZAÇÃO DE VARAS DE MANOBRA ISOLANTES. Título do Instrumento Nº DOCUMENTO MATERIAL DE TREINAMENTO MT 001.012.002 ÁREA DE TREINAMENTO: ASPECTOS DE MANUTENÇÃO E DURABILIDADE DAS OBRAS DE ENGENHARIA ASSUNTO: Utilização de varas de manobra isolantes.

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Porque este assunto preocupa? Impacto dos Acidentes envolvendo Quedas - 40% das fatalidades

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR Sumário Andaime Tubular...03 Montagem Especial...04 Acessórios...05 Modos e Pontos de Ancoragem...06 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO. Modelo: BALANCIM INDIVIDUAL GUINCHO DE CABO PASSANTE

MANUAL DE OPERAÇÃO. Modelo: BALANCIM INDIVIDUAL GUINCHO DE CABO PASSANTE MANUAL DE OPERAÇÃO Balancim Individual do Tipo Cadeirinha Mecânica Cabo Passante O Balancim Individual Manual AeroAndaimes é um equipamento para movimentações verticais realizadas através do guincho de

Leia mais

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA LEVE

ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA LEVE ANEXO XI NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA LEVE 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As empreiteiras que admitam trabalhadores como empregados deverão organizar

Leia mais

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 -

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Informativo 21/2011 NR 12 NOVO ANEXO (XII - EQUIPAMENTOS DE GUINDAR PARA ELEVAÇÃO DE PESSOAS E REALIZAÇÃO DE TRABALHO

Leia mais

ANEXO XI CONCORRÊNCIA Nº 003/2015

ANEXO XI CONCORRÊNCIA Nº 003/2015 ANEXO XI CONCORRÊNCIA Nº 003/2015 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA SERVIÇOS DE REFORMA, CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES E LINHAS E DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA 1.) CONDIÇÕES

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

Cartilha de segurança. Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura

Cartilha de segurança. Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura Cartilha de segurança Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura Cartilha de segurança Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura 2ª edição Realização: Curitiba Set/2011 A reprodução

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N.º 201 DE 21 DE JANEIRO DE 2011 (D.O.U. de 24/01/2011 Seção 1 págs 100 e 101) Altera a Norma Regulamentadora n.º 18, aprovada

Leia mais

\\\\\\\\\\\\\\\\\\ \\\\\\\\\\\\\\\ MANUAL DE INSTRUÇÕES

\\\\\\\\\\\\\\\\\\ \\\\\\\\\\\\\\\ MANUAL DE INSTRUÇÕES \\\\\\\\\\\\\\\\\\ \\\\\\\\\\\\\\\ MANUAL DE INSTRUÇÕES FLEX MACA FLEX ATENÇÃO NÃO PERMITIR CONTATO COM MATERIAIS CORROSIVOS OU AGRESSIVOS. MANTER MACA E COMPONENTES AFASTADOS DE FONTES DE CALOR. INSPECIONAR

Leia mais

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 24 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM SERVIÇOS EM TELHADOS

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 24 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM SERVIÇOS EM TELHADOS LISTA DE CHECAGEM DE SERVIÇOS EM TELHADOS 1 Autor DEOGLEDES MONTICUCO Iniciou aos 14 anos como Mensageiro. 1974 - Engenheiro Civil e 1975 - Engenheiro de Segurança do Trabalho. Obras de construções: Hidrelétrica;

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento Gestão de Contratos Service/Qualidade Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Administrativo

Leia mais

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA

CONDIÇÕES MINÍMAS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA 1/5 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAREM SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC.

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAREM SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAREM SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC. SERVIÇOS CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO As empresas prestadoras de serviços

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS 1 O SESMT Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho elaborou esta norma com o objetivo de estabelecer as condições mínimas no cumprimento

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Item 35.5 da NR-35 (Equipamentos de Proteção Individual, Acessórios e Sistemas de Ancoragem)

CONSULTA PÚBLICA Item 35.5 da NR-35 (Equipamentos de Proteção Individual, Acessórios e Sistemas de Ancoragem) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Item 35.5 (Equipamentos de Proteção Individual,

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAREM SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC. SERVIÇOS DE TELECOM

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAREM SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC. SERVIÇOS DE TELECOM DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAREM SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC. SERVIÇOS DE TELECOM As empresas prestadoras de serviços entre particulares,

Leia mais

-Só iniciar a tarefa com PT-Permissão para Trabalho,e cumpra as Recomendações de segurança contidas nela.

-Só iniciar a tarefa com PT-Permissão para Trabalho,e cumpra as Recomendações de segurança contidas nela. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÂO POP 005000-OM -06 1/2 PINTURA DE PAREDE COM USO DE ANDAIME REVISÃO: 00 FOLHA 1- OBJETIVO ESTE PROCEDIMENTO ESTABELECE OS REQUISITOA MÍNIMOS DE SEGURANÇA NO TRABALHO DE PINTURA.

Leia mais

manual TÉCNICO BALANCIM ULTRALEVE 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO BALANCIM ULTRALEVE 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO BALANCIM ULTRALEVE Sumário Balancim Ultraleve...03 Componentes do Andaime Suspenso...04 Plataformas Retas...05 Instrução de Montagem...06 Balancim em L...07 Opções de Instalações...13 Recomendações

Leia mais

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Principais tipos de plataformas aéreas Mastro Telescópica Tesoura Unipessoal Articulada A segurança As plataformas foram desenvolvidas

Leia mais

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO Página: 1 de 5 ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.15.1 Manter 18.15.1.1 18.15.2 Os andaimes devem ser dimensionados e construídos de modo a suportar, com segurança, as cargas de trabalho a que estarão

Leia mais

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO e MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO Trabalho em Altura Uma das principais causas de acidentes de trabalho graves e fatais se deve a eventos envolvendo quedas de trabalhadores de diferentes

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO PEX-012/2010 R-12

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO PEX-012/2010 R-12 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO /2010 R- MÉDIA TENSÃO ENERGIZADA FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO O R- é uma referência genérica, com o objetivo de orientar

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PREVENÇÃO DO RISCO DE QUEDA EM ALTURA EM APOIOS E FACHADAS DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PREVENÇÃO DO RISCO DE QUEDA EM ALTURA EM APOIOS E FACHADAS DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PREVENÇÃO DO RISCO DE QUEDA EM ALTURA EM APOIOS E FACHADAS DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. PO 1 - ACESSO A POSTO EM ALTURA COM ESCADA PORTÁTIL FACHADAS

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE EQUIPAMENTOS INDIVIDUAIS PARA MOVIMENTAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL EM TRABALHOS EM ALTURA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE EQUIPAMENTOS INDIVIDUAIS PARA MOVIMENTAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL EM TRABALHOS EM ALTURA. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE EQUIPAMENTOS INDIVIDUAIS PARA MOVIMENTAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL EM TRABALHOS EM ALTURA. REVISÃO 11/2010 1 INTRODUÇÃO A adoção das novas especificações técnicas dos equipamentos

Leia mais

Relato de Acidente DADOS DO ACIDENTE

Relato de Acidente DADOS DO ACIDENTE Relato de Acidente DADOS DO ACIDENTE Data: 13/12/2011 Hora: 01:00 Área: XXXXXXX Empresa: XXX Função: Técnico de Manutenção PL Idade: 34 anos Tempo na função: 05 anos e 06 meses Nome Acidentado: XXXXXXXXXXX

Leia mais

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão. Andre Cavalcanti Santos Téc. em saúde e segurança do trabalho E-mail: cavalcanti_sst@hotmail.com Sumário Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

Leia mais

ANCORAGEM SEGURA: utilização da escada como elemento de instalação de linha de vida

ANCORAGEM SEGURA: utilização da escada como elemento de instalação de linha de vida ANCORAGEM SEGURA: utilização da escada como elemento de instalação de linha de vida Autores Cláudio Rene Garcia de Souza Jefferson Gomoes Lopes Vivian Cardoso Ribeiro da Silva COMPANHIA ESTADUAL DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Jack Jumper. O Fim dos Cabos de Ligação! UTILITY SOLUTIONS. utilitysolutionsinc.com. Distribuição Aérea Jack Jumper USJJ

Jack Jumper. O Fim dos Cabos de Ligação! UTILITY SOLUTIONS. utilitysolutionsinc.com. Distribuição Aérea Jack Jumper USJJ Distribuição Aérea Distribuição Aérea Jack Jumper USJJ Jack Jumper O Fim dos Cabos de Ligação! USJJ-001 USJJJ O Jack Jumper permite um método seguro e rápido para derivar um recorte aéreo sem a tediosa

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE SAÚDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE PARA EMPRESAS CONTRATADAS E PRESTADORAS DE SERVIÇO

PROCEDIMENTOS DE SAÚDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE PARA EMPRESAS CONTRATADAS E PRESTADORAS DE SERVIÇO Departamento de SSMA- CENU PROCEDIMENTOS DE SAÚDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE PARA EMPRESAS CONTRATADAS E PRESTADORAS DE SERVIÇO Data de elaboração: Jan 2008 Data da última Revisão: Agosto 2014 Próxima

Leia mais

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS Bastidores das Torres Rolantes Disponíveis em 2 larguras (0,75 e 1,35 m) de 4 degraus (1 m) e 7 degraus (2 m) Os degraus possuem uma superfície estriada antideslizante e a distância entre degraus é de

Leia mais

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 A SECRETÁRIA DE INSPEÇAO DO TRABALHO e o DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe conferem o Decreto n.º

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 Desenvolvimento Parte 3

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 Desenvolvimento Parte 3 Curso Técnico Segurança do Trabalho Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 Desenvolvimento Parte 3 Instalações Elétricas a) Manter quadros de distribuição trancados e circuitos identificados;

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR LOGO DA EMPRESA EMPRESA: DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: LOCAL DA ATIVIDADE: ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR FOLHA: 01 DE 10. DATA DE EMISSÃO: DATA DE APROVAÇÂO: REVISÃO: HORÁRIO: ASSINATURA DOS ENVOLVIDOS NA

Leia mais

Manual de instruções. Rampa de alinhamento

Manual de instruções. Rampa de alinhamento Manual de instruções Rampa de alinhamento Apresentação Primeiramente queremos lhe dar os parabéns pela escolha de um equipamento com nossa marca. Somos uma empresa instalada no ramo de máquinas para auto

Leia mais

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO Introdução 03 Descrição da plataforma 04 Instruções de montagem 08 Informações de segurança 12 INTRODUÇÃO O ANDAIME SUSPENSO ELÉTRICO JIRAU é recomendado para trabalhos em altura

Leia mais

Orientações Básicas. para. Trabalhos em Telhados

Orientações Básicas. para. Trabalhos em Telhados Orientações Básicas para Trabalhos em Telhados Caderno de Prevenção 1 2 TRABALHO EM TELHADOS O objetivo deste estudo é apenas apresentar os procedimentos de segurança a serem observados na realização de

Leia mais