Mídias Contínuas. Mídias Contínuas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mídias Contínuas. Mídias Contínuas"

Transcrição

1 Mídias Contínuas Processamento da Informação Digital Mídias Contínuas Mídias Contínuas (dinâmicas ou dependentes do tempo) Digitalização de Sinais Áudio Vídeo 1

2 Digitalização de Sinais Codificadores de Sinais A conversão de um sinal analógico em digital é realizado por um circuito eletrônico chamado Codificador de Sinal. Composto de dois circuitos principais Filtro Limitador de Banda Conversor Analógico Digital 2

3 Exemplo A - Sinal Original B - Saída do Filtro C - Relógio de Amostragem D - Amplitude das Amostras E - Valor binário da amostra depois da quantização Decodificadores Digitais É um circuito eletrônico que serve para converter um sinal digital de volta para sua forma analógica. Um alto-falante, por exemplo, é um dispositivo analógico, logo um computador, que é um dispositivo digital, precisa usar um decodificador digital para emitir som através de um alto-falante. Composto por um Conversor Digital/Analógico (DAC) e um filtro passa baixa. 3

4 Decodificadores Digitais Decodificadores Digitais 4

5 Decodificadores Digitais Normalmente o filtro passa baixa filtra as mesmas frequências do filtro de limitação de banda do codificador digital Como a maioria das aplicações multimídia implementa comunicação bidirecional, usualmente os codificadores digitais e decodificadores analógicos são construídos em um dispositivo único chamado codificador/decodificador de áudio/vídeo, ou simplesmente codec de áudio/vídeo. O Vídeo Definição - conjunto de imagens, por exemplo, bitmap (frames) passadas em seqüência a determinada velocidade, para nos transmitir a idéia de movimento. O número de imagens que são passadas em cada segundo designa-se, vulgarmente, por taxa de frames ou número de frames por segundo (nfs). 5

6 Número de frames/s O Vídeo Cinema: 24 frames/s Vídeo: Sistema Eletrônico (PAL, SECAM, utilizado em países da Europa): 25 frames/s Vídeo: Sistema Eletrônico NTSC (utilizado na América): 30 frames/s O Vídeo O vídeo tem a capacidade de comunicar a maior quantidade de informação, no menor espaço de tempo e com o maior impacto. O vídeo confere aos documentos a noção de tempo. Está provado que colocar movimento numa apresentação pode: manter o interesse e a atenção da audiência; comunicar conceitos e idéias abstratas; estimular respostas emocionais. 6

7 O Vídeo Desvantagens: Complexidade Consome quantidade elevada de memória Ex: uma seqüência de vídeo de 30 segundos sem compressão, transmitida a 30 fps e com imagens de 640x480 pixels (cada um codificado com 24 bits), atinge cerca de 1 Gb de informação. Vídeo em um Produto Multimídia: observar a relação custo x benefício. O Vídeo Formas de captura Para formato analógico Para formato digital Parâmetros importantes (captura) Taxa de transferência de dados do suporte de armazenamento; Tamanho da janela; Taxa de frames; Qualidade da imagem (paleta de cores). 7

8 O Vídeo Taxa de transferência de dados do suporte de armazenamento Suportes mais rápidos são:discos rígidos, DVD s e CD-ROM s Mas não oferecem a taxa de transferência desejável, ou seja, os 30 Mb/s necessários ao processamento de um segundo de vídeo digital não comprimido. O Vídeo Tamanho da janela - Quanto menor for a janela mais rapidamente a informação poderá ser processada. Valores comuns: 640x480 pixels 320x240 pixels 240x180 pixels (solução mais utilizada); 160x120 pixels 8

9 O Vídeo Taxa de Frames - número de imagens que passadas em cada segundo. Este valor pode ser de: 30 fps (também designado por FULL MOTION); 25 fps; 15 fps; 12 fps. Abaixo das 10 fps perde-se totalmente a noção de movimento. O melhor será entre 16 e 24. O Vídeo Qualidade da imagem (paleta de cores) - tem a ver com a quantidade de informação que será captada por cada frame. Variação: Baixa qualidade: 8 bits - apenas 25% do total da informação da imagem é armazenada; Alta qualidade: 32 bits - a informação sobre a imagem é armazenada a 100%. Uma solução poderá ser 50-75% para a qualidade da imagem (ou seja, paleta de 16 ou 24 bits). 9

10 Sistemas de vídeo: O Vídeo sistemas de televisão; sistemas de gravação e reprodução de vídeo - Vários sistemas atuais são ainda analógicos, na maior parte. tecnologia digital avança rapidamente: MPEG, DVD, HDTV, videoconferência. O Vídeo Sistemas de televisão: as características do sinal de vídeo são determinadas pelos padrões de televisão; principais padrões existentes: televisão em preto-e-branco; televisão colorida; televisão de alta definição - HDTV. 10

11 Sistemas analógicos de vídeo Televisão em preto-e-branco (padrão americano e brasileiro): freqüência vertical de 30 quadros por segundo; varredura entrelaçada (60 campos por segundo); 525 linhas por quadro, das quais aproximadamente 480 visíveis. Sistemas analógicos de vídeo Níveis de sistema de vídeo: consumidor - equipamentos domésticos; industrial - produtoras de vídeo e de multimídia; difusão - emissoras de TV; HDTV - alta definição. 11

12 O Vídeo Formatos mais populares: AVI (Audio-Video Interleaved) - desenvolvido pela Microsoft para ambiente Windows; MOV (QuickTime Movie Format) - desenvolvido pela Apple para ambiente Macintosh. MPEG (Moving Picture Experts Group). O Vídeo Formato AVI: Similar ao MOV, este formato combina a produção e reprodução de áudio e vídeo simultaneamente. Este formato pode ser convertido para MOV. Suporta vários tipos de compressão. 12

13 Formato MOV: O Vídeo MOV - é um formato de arquivo padronizado para produção e reprodução que permite que o vídeo e o áudio sejam capturados e combinados num arquivo único, para uma determinada máquina, e reproduzidos em conjunto em qualquer outra máquina que utilize o QuickTime; Suporta vários tipos de compressão. Formato MPEG: O Vídeo A maior vantagem do MPEG em relação a outros formatos para a codificação de vídeo e áudio: os arquivos MPEG são bem menores para a mesma qualidade. Utiliza técnicas de compressão muito sofisticadas atingindo taxas na ordem dos 200:1 com imagens e sons de qualidade extremamente alta. 13

14 O Vídeo Compressão: os algoritmos de compressão são absolutamente indispensáveis no caso do vídeo, por duas razões: 1. para que não ultrapassem a taxa de transferência de dados permitida pelo suporte em que estão armazenados (se isso acontecer não são reproduzidos de forma regular mas aos pulos ); 2. para ocuparem menos espaço pois, sem compressão, os valores são assustadores: 1 segundo de vídeo a 30 fps pode ocupar 30 Mb; 1 minuto de vídeo a 30 fps pode ocupar 1,8 Gb. O processo de compressão de vídeo é o mais complexo de todos, existindo dezenas de algoritmos de compressão diferentes. Codificação/Compressão de Vídeo Motion-JPEG O codec não normalizado mais simples. Usa o norma JPEG para imagens fixas para cada quadro individualmente. O desempenho de codificação não é muito bom Usado por muitas das primeiras aplicações de vídeo. 14

15 Codificação/Compressão de Vídeo Padrão MPEG MPEG-1 Qualidade de VHS Habilitado para Vídeo CD Habilitado para CD-ROM Originalmente 352x240, 30fps MPEG-2 Qualidade de DVD Habilitado para TV Digital set-top boxes Habilitado para Digital Versatile Disk (DVD) DVD - 720x fps e também possibilita 1280x720, 60fps Codificação/Compressão de Vídeo Padrão MPEG MPEG-4 Aprovado em novembro de 1998 Qualidade em evolução Baseado no formato de arquivo QuickTime Envio escalonável de telefones celulares a televisões via satélite 15

16 Codificação/Compressão de Vídeo Padrão MPEG O que é H.264? Tecnologia da próxima geração de compressão de vídeo no padrão MPEG-4, conhecido como MPEG-10 Parte 10. O H.264 pode unir a melhor qualidade possível do MPEG-2 com até metade da taxa de transmissão de dados. Objetiva fazer o que os outros padrões faziam mas de forma mais eficiente, robusta e prática Suporta as aplicações mais comuns do mercado: broadcast, armazenamento e streaming. Permite a utilização de metadados para descrição e busca de vídeos Codificação/Compressão de Vídeo É importante lembrar: um sistema para compressão de vídeo objetiva reduzir a taxa de transmissão e opera removendo a redundância e/ou informações de menor importância do sinal antes da transmissão. 16

17 Codificação/Compressão de Vídeo Divx O método de compactação DIVX funciona tornando repetitivas as imagens que não se modificam no decorrer dos frames (quadros) que formam o vídeo. Simplificando: tomando-se uma cena onde a câmera é estática e fundo não se modifica, o codec DIVX grava um único frame dessa imagem e repete-o até a imagem sofrer alguma alteração. Na mesma cena, caso haja uma pessoa andando, somente os pixels em que sua imagem se sobrepõe são modificados. O resto da cena pode ser considerado, grosseiramente, como uma foto estática ao fundo do vídeo. Desta forma, são guardados muito menos dados pelo vídeo compactado, resultando um arquivo de tamanho reduzido com uma perda de qualidade pequena. Aúdio Som Efeito audível produzido por movimentos de corpos vibratórios. Audição Resultado da percepção de flutuações periódicas da pressão em um meio (normalmente o ar). 17

18 Propriedades Físicas do Som As vibrações sonoras: propagam-se como ondas de pressão atmosférica; convertidas em sinais elétricos por transdutores; transdutores - elétrico para acústico altofalantes; transdutores - acústico para elétrico microfones. Propriedades Físicas do Som Representação analógica do som: propagada como sinais elétricos; armazenada como sinais magnéticos; sujeita à contaminação por ruído em todas as transformações. 18

19 Propriedades Físicas do Som Qualidade do Som Muito baixo Baixo Moderado Alto Muito alto Ensurdecedor Decibéis Potência de sons típicos Tipo de Ruído farfalhar das folhas conversação silenciosa conversação normal ruído médio de fábrica ou trânsito apito de guarda e ruído de caminhão ruído de discoteca e de avião decolando Representação Digital do Som Representação digital do som: amostras de som - unidades mínimas; arquivos de áudio - seqüências de amostras de som; sistemas digitais de som - computador, telefonia digital, CD, etc. 19

20 Representação Digital do Som Digitalização do Som Representação Digital do Som Processo de Digitalização do som 20

21 Representação Digital do Som O processo de digitalização do som: filtragem - limitação da faixa de freqüências; amostragem - conversão do sinal analógico em seqüência de pulsos; quantização - conversão dos pulsos em números binários via conversores A/D; gravação dos arquivos de áudio. Representação Digital do Som Amostragem: 1,500 1,000 0,500 0,000-0, ,000-1,500 Tempo 21

22 Representação Digital do Som Quantização: 9,000 8,000 7,000 6,000 5,000 4,000 3,000 2,000 1,000 0, Tempo Amostrado Quantizado Representação Digital do Som Exemplo de Quantização 8 bits 7 bits 3 bits 2 bits

23 Representação Digital do Som O processo de reconstrução do som digital: leitura dos arquivos de áudio; conversão digital-analógica via conversores D/A; filtragem de saída para corrigir imperfeições; envio do sinal analógico resultante para amplificadores. Formatos de Áudio Tipos básicos de formatos de arquivo: Os parâmetros de dados de áudio e codificação são feitos explicitamente em alguma forma de cabeçalho; Os parâmetros de dados de áudio e codificação são fixos. 23

24 Formatos de Áudio Não comprimidos Amostragem quantização codificação PCM (Pulse Code Modulation). PCM - Padrão básico para conversão de sinais analógicos para armazenamento ou transmissão em dispositivos digitais. Esta codificação é feita sem uso de algoritmos de compressão. A maior parte dos formatos de arquivos não comprimidos é própria de sistemas operacionais específicos. PCM 24

25 Formatos de Áudio Exemplos: Waveform Audio Formato de áudio digital do Windows. Desenvolvido pela IBM para o Windows 95. Os arquivos neste formato utilizam a extensão wav. RIFF Waveform Format Formato de som Wave da Microsoft Windows. Usado para o sistema de som Windows. Arquivos Waveform RIFF têm extensão WAV. Formatos de Áudio Audio Interchange File Format (AIFF) Formato de áudio utilizado pela Apple. A extensão destes arquivos pode ser aiff ou aif. Formato de voz Creative Formato de som da Sound Blaster. Tem a extensão VOC. Formato de Amostra de 8 bits crus (RAW) o formato do som não contém codificação ou compressão. 25

26 Formatos de Áudio O Audio Formato de áudio digital utilizado pela Sun e pelo sistema operacional Unix. A extensão destes arquivos é au. O Sound formato semelhante ao formato au. utilizado inicialmente pela Apple. A extensão destes arquivos é snd. Formatos de Áudio O Musical Instrument Digital Interface Um padrão que permite conectar sintetizadores, teclados eletrônicos e outros instrumentos eletrônicos ao computador. Os arquivos midi não são exatamente um formato de arquivo de áudio, mas, por armazenarem notas musicais, encontram-se dentro desta categoria e têm a extensão mid ou midi. O Compact Disc Digital Audio Formato usado para codificar música em discos comerciais. Este formato não é usualmente armazenado diretamente nos computadores. A extensão destes arquivos é cda. 26

27 Compressão de Áudio Diferente de imagens ou vídeo, existe pouca relação entre amostras vizinhas ou quadros consecutivos para o áudio. Os níveis de compressão práticos são limitados para muito menos de 10:1 (compressão de vídeo de 25:1 pode ser produzida). Compressão de Áudio Os algoritmos de compressão funcionam de forma similar à compressão de imagens. Arquivos comprimidos ocupam menos espaço que os arquivos iniciais e resultam da eliminação de informação redundante e outras informações de áudio com pouca influência na qualidade do mesmo. 27

28 Compressão de Áudio Formas de compressão de um arquivo de áudio: Com perdas de informação; Sem perdas de informação. Formatos de compressão com perdas Os mais populares provêm da família dos Motion Picture Experts Group (MPEG). MPEG - refere-se a uma família de padrões para áudio e vídeo que inclui o MPEG-1, MPEG-2, MPEG-1 Layer 3 (MP3) e o MPEG-4. MPEG-1 MPEG-2 MPEG-1 Layer 3 (MP3) MPEG Layer 3 (MP3) MPEG 4 Audio AAC Compressão de Áudio Formato Descrição Padrão para vídeo e CD-ROM Padrão para DVD e TV digital Os arquivos apresentam tamanhos pequenos e com um som de qualidade. A sua característica principal é a sua universalidade. Formato muito utilizado nas transmissões de música pela Internet. O seu processo de compactação funciona através da eliminação de frequências sonoras não audíveis pelo ouvido humano. Transforma arquivos com 40MB de tamanho em 4MB, mantendo uma qualidade razoável. O MPEG-4 é o padrão que permite introduzir áudio e vídeo na Internet, em dispositivos móveis, em jogos e em aparelhos sem fios,... 28

29 Compressão de Áudio Outros formatos de compressão com perdas: QuickTime Audio é essencialmente a tecnologia MPEG-4, suportando áudio, vídeo e o formato MP3. A extensão dos arquivos é qt ou mov. Windows Media Audio é um formato de áudio digital da Microsoft, desenvolvido como um formato alternativo ao MP3. A extensão de arquivos é wma. Compressão de Áudio Formatos de compressão sem perdas Windows Media Audio Lossless formato da Microsoft, disponível nas versões 9 e 10 do Windows Media Player. Usa a mesma extensão do formato wma. O Apple Lossless Audio Codec Formato disponível para ser usado com o itunes e o ipod da Apple. A extensão dos arquivos é m4a. 29

Sistemas Multimídia. O Áudio (Parte III)

Sistemas Multimídia. O Áudio (Parte III) Sistemas Multimídia O Áudio (Parte III) Sistemas Multimídia Tópico: Manipulação de Sinais de Voz Compressão Formatos Manipulação de Sinais de Áudio Descrição simplificada de uma placa de som Fonte: http://paginas.terra.com.br/lazer/py4zbz/teoria/digitaliz.htm

Leia mais

Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames)

Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames) 6.2. Compressão 6.3. Software Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames) FRAME RATE = nº de frames por segundo (fps) Os valores mais utilizados pelas

Leia mais

Introdução à multimídia na Web

Introdução à multimídia na Web Aplicações Multimídia Aplicações Multimídia para Web Introdução à multimídia na Web Co-autoria com Profº. Diogo Duarte Aplicações Multimídia para Web Multimídia Multimídia é tudo que você ouve ou vê. Textos,

Leia mais

Codec. Finalização de audiovisual. Bit Rate (Taxa de Bits) formatos de exportação. Pro res. ProRes 16/05/13. Sigla de COmpressor/DEcompressor.

Codec. Finalização de audiovisual. Bit Rate (Taxa de Bits) formatos de exportação. Pro res. ProRes 16/05/13. Sigla de COmpressor/DEcompressor. Codec Finalização de audiovisual Sigla de COmpressor/DEcompressor. Conjunto de instruções que permite comprimir um sinal de vídeo ou áudio, para armazenamento, e descomprimir, para reprodução. Bit Rate

Leia mais

Disciplina: Aplicações Informáticas B Ano Letivo: 2011/2012

Disciplina: Aplicações Informáticas B Ano Letivo: 2011/2012 Disciplina: Aplicações Informáticas B Ano Letivo: 2011/2012 Professora: Angélica Vieira Realizado por: Miguel Sandim nº21 e Susana Ribeiro nº24 12ºF Índice Introdução... 3 Resumo... 4 Conceito Multimédia...

Leia mais

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho O vídeo O vídeo Interfaces de vídeo Sistemas de televisão: as características do sinal de vídeo são determinadas pelos padrões de televisão principais padrões existentes: televisão em preto-e-branco televisão

Leia mais

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão)

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Um vídeo pode ser considerado como uma seqüência de imagens estáticas (quadros). Cada um desses quadros pode ser codificado usando as mesmas técnicas empregadas

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.4. Áudio Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O som é um fenómeno físico causado pela vibração da matéria (p. ex. a pele de um tambor) A vibração provoca

Leia mais

Entenda os formatos mais populares de vídeo

Entenda os formatos mais populares de vídeo Entenda os formatos mais populares de vídeo Com o grande crescimento da internet banda larga no país muitos internautas estão cada vez mais tendo contato com arquivos de vídeo, tanto na visualização online

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Informática Prof. Macêdo Firmino Representação da Informação Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Introdução Estamos acostumados a pensar nos computadores como mecanismos complexos,

Leia mais

Protótipo de uma Ferramenta de Geração de Efeitos Sonoros para Instrumentos Musicais. Prof. Dalton Solano dos Reis Orientador

Protótipo de uma Ferramenta de Geração de Efeitos Sonoros para Instrumentos Musicais. Prof. Dalton Solano dos Reis Orientador Protótipo de uma Ferramenta de Geração de Efeitos Sonoros para Instrumentos Musicais Tarcísio Luís Tamanini Prof. Dalton Solano dos Reis Orientador Roteiro Introdução Sinais de Áudio Representação Digital

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia Prof. Daniel Hasse Multimídia e Hipermídia AULA 02 Agenda: Algoritmos de Codificação/Decodificação; Codec de Áudio. Atividade complementar. Algoritmos de Codificação/Decodificação - Comunicação tempo real,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS: Índice:

CARACTERÍSTICAS: Índice: Índice: Características. Menu principal. Reprodução de Músicas. Radio FM. Foto. Gravação de áudio. Reprodução de Vídeos. Reprodução de Imagens. Livro Eletrônico. Jogos. Ferramentas. Calendário. PC Cam.

Leia mais

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO)

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) Há vários tipos de sistemas de gravações digitais. Os mais baratos consistem de uma placa para captura de vídeo, que

Leia mais

3 PROCESSOS DE COMPRESSÃO

3 PROCESSOS DE COMPRESSÃO Revista Mackenzie de Engenharia e Computação, Ano 5, n. 5, p. 13-96 Neste ponto existem duas possibilidades. Se o receptor for do tipo Digital o sinal de TV digitalizado oriundo do decompressor MPEG2 vai

Leia mais

Introdução à Multimédia conceitos

Introdução à Multimédia conceitos 1. Introdução à Multimédia conceitos Popularidade mercado potencial aparece nos anos 90 Avanços Tecnológicos que motivaram o aparecimento/ desenvolvimento da MULTIMÉDIA Indústrias envolvidas - Sistemas

Leia mais

Multimédia. 3.4. Video. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Multimédia. 3.4. Video. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Multimédia 3.4. Video Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O que é? Consiste de um conjunto de imagens que quando visualizadas sequencialmente dão a sensação de movimento à semelhança do

Leia mais

Formação Movie Maker. FORMAÇÃO PERMANENTE PARA PROFESSORES DO LEI Dias 18 e 19 de setembro de 2014

Formação Movie Maker. FORMAÇÃO PERMANENTE PARA PROFESSORES DO LEI Dias 18 e 19 de setembro de 2014 Formação Movie Maker FORMAÇÃO PERMANENTE PARA PROFESSORES DO LEI Dias 18 e 19 de setembro de 2014 Sobre mim Antônio José Instrutor de Informática Desenvolvedor web Técnico em Informática Contatos: http://www.conceitomaster.com.br

Leia mais

Vídeo. Introdução à Ciência da Informação

Vídeo. Introdução à Ciência da Informação Vídeo Introdução à Ciência da Informação Vídeo O vídeo, do latim eu vejo, é uma a tecnologia de processamento de sinais eletrônicos analógicos ou digitais para capturar, armazenar, transmitir ou apresentar

Leia mais

Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011

Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011 Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011 Introdução Existem actualmente diversos formatos para reprodução de som multi-canal, mas neste trabalho serão abordados os seguintes: Estéreo LCRS 5.1

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) 1 Classificação da imagem Em relação à sua origem pode-se classificar uma imagem,

Leia mais

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Aplicações Informáticas B 12.º Ano de Escolaridade Prova 703/1.ª Fase 10 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

5. SISTEMAS MULTIMIDIA Áudio, Vídeo e Imagem

5. SISTEMAS MULTIMIDIA Áudio, Vídeo e Imagem 5. SISTEMAS MULTIMIDIA Áudio, Vídeo e Imagem 5.1 - DEFINIÇÃO INICIAL Definição 1: Multimídia é o campo interessado na integração controlada por computador de textos, gráficos, imagens, vídeos, animações,

Leia mais

Manual do Nero Home. Nero AG

Manual do Nero Home. Nero AG Manual do Nero Home Nero AG Informações sobre direitos autorais e marcas registradas O manual do Nero Home e todo o seu conteúdo é protegido por leis de direitos autorais e são de propriedade da Nero AG.

Leia mais

Introdução ao Aúdio Digital

Introdução ao Aúdio Digital Introdução ao Aúdio Digital O que é o SOM? O som chega aos nossos ouvidos como ondas de pressão de ar variando rapidamente, causadas por vibração de objectos como as cordas de uma guitarra. As cordas de

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

Jornalismo Multiplataforma Tecnologias Redes e Convergência. Mídias. eduardo.barrere@ice.ufjf.br

Jornalismo Multiplataforma Tecnologias Redes e Convergência. Mídias. eduardo.barrere@ice.ufjf.br Jornalismo Multiplataforma Tecnologias Redes e Convergência Mídias eduardo.barrere@ice.ufjf.br O Texto Exemplo 1: Hoje tem aula do professor Eduardo!!! ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Padrões ITU-T H.261 e H.263

Padrões ITU-T H.261 e H.263 Padrões ITU-T H.261 e H.263 Acadêmicos: Orlando L. Pelosi Jr. Rodrigo Matheus da Costa Vinicius Mariano de Lima Professor: Prof. Adair Santa Catarina Vídeo Digital Vídeos são compostos por frames que contém

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Comunicação de Dados Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Sumário Amostragem Pulse Amplitude Modulation Pulse Code Modulation Taxa de amostragem Modos de Transmissão

Leia mais

Introdução... 2. Características das placas de som... 2

Introdução... 2. Características das placas de som... 2 á Placa de som: principais características... 2 Introdução... 2 Características das placas de som... 2 Conversores ADC e DAC... 2 Resolução das placas de som... 2 Taxa de amostragem... 3 Resposta de freqüência...

Leia mais

Aspectos básicos do vídeo

Aspectos básicos do vídeo Vídeo Aspectos básicos do vídeo Codec: quer dizer compressor e descompressor. É um algoritmo que controla a forma como os ficheiros de vídeo são comprimidos durante a codificação e descomprimidos durante

Leia mais

Internet e novas mídias

Internet e novas mídias Internet e novas mídias Maio/2013 - aula 1 1 Igor Macaúbas http://about.me/macaubas igor@macaubas.com 2 3 50 milhões de visitantes únicos 4 200 Gbps de conectividade, dois datacenters próprios 5 Acervo

Leia mais

Medias Dinâmicos. Vídeo Digital

Medias Dinâmicos. Vídeo Digital Medias Dinâmicos Vídeo Digital Vídeo Digital O vídeo digital em vez de ter uma representação electrónica analógica (nº infinito de estados) usa uma representação finita de estados (dois: zero e um). O

Leia mais

DESCOMPLICANDO OS FORMATOS. para tornar nosso dia a dia mais simples!

DESCOMPLICANDO OS FORMATOS. para tornar nosso dia a dia mais simples! DESCOMPLICANDO OS FORMATOS para tornar nosso dia a dia mais simples! Nosso objetivo é ter um filme lindo no ar. Nosso objetivo é ter um filme lindo no ar. Pra isso, ter atenção aos detalhes é fundamental.

Leia mais

5. Aquisição e reprodução de som 5.1. Formatos de ficheiro 5.2. Software

5. Aquisição e reprodução de som 5.1. Formatos de ficheiro 5.2. Software Utilização do Sistema Multimédia 5.2. Software Gravar som analógico para digital: Obter um conjunto de amostras de sinal analógico por segundo. Quanto maior é o nº de amostras/seg. maior é a fidelidade

Leia mais

Multimídia. Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia. Tópico. Hardware e Software para Multimídia

Multimídia. Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia. Tópico. Hardware e Software para Multimídia Multimídia Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia Tópico Hardware e Hardware para Multimídia Com a popularização dos sistemas multimídia foi criado o padrão MPC (PC Multimídia)

Leia mais

Trabalhando com arquivos de som. Prof. César Bastos Fevereiro 2008

Trabalhando com arquivos de som. Prof. César Bastos Fevereiro 2008 Trabalhando com arquivos de som Prof. César Bastos Fevereiro 2008 Usando a mídia de som Vamos considerar os programas gratuitos como base de nossas ferramentas nesse curso, assim todos poderão usufruir

Leia mais

Dicas para um Áudio Mobile. www.mvmob.com.br

Dicas para um Áudio Mobile. www.mvmob.com.br www.mvmob.com.br 1 1. Introdução Este guia foi produzido para auxiliar educandos e educadores durante as ofi cinas oferecidas pelo projeto MVMob - Minha Vida Mobile, como material de subsídio pedagógico.

Leia mais

COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA

COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA Por que Compressão? Apesar da expansão das capacidade de comunicação e computação, a demanda das novas aplicações multimídia cresce rapidamente Custo de transmissão e armazenagem

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104

MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104 MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104 Obrigado por escolher o DVR USB ST-104 DIMY S. Por favor, certifique-se que a operação do produto esta de acordo com este manual para garantir a estabilidade do sistema

Leia mais

Escola Secundária da Trofa Aplicações Informáticas A 11º Ano Curso Tecnológico de Informática T E S T E T I P O

Escola Secundária da Trofa Aplicações Informáticas A 11º Ano Curso Tecnológico de Informática T E S T E T I P O Grupo I (Utilização de Sistemas Multimédia) 1. Indique os atributos elementares das imagens 2. Complete as seguintes afirmações de forma a torná-las verdadeiras: a. A resolução de uma imagem digital é

Leia mais

Podemos extrair áudio através de microfones, vídeos, compact disc (CD), digital vídeo disc (DVD) entre outras.

Podemos extrair áudio através de microfones, vídeos, compact disc (CD), digital vídeo disc (DVD) entre outras. Aula 08 Áudio Arquivos sonoros Em computação arquivo de som ou arquivo sonoro é um formato de arquivo que permite armazenamento de áudio digital. Em geral este arquivo armazena amostras de som em intervalos

Leia mais

Documentação Eletrônica

Documentação Eletrônica Documentação Eletrônica Universidade Federal Fluminense Ciência da Computação Disciplina: Informática I Prof.: Otton Teixera da Silveira Filho Alunos: Bernardo Baptista do Couto César Motohiro Ujihara

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB II - 7136

DESENVOLVIMENTO WEB II - 7136 2.3 - Áudio O ouvido humano, mostrado em detalhes na figura abaixo, é o órgão responsável pela nossa audição e pelo nosso equilíbrio. O ouvido encontra-se dividido em três partes: o ouvido externo, o ouvido

Leia mais

Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático

Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático Elementos que constituem o Computador O funcionamento do computador é possível devido aos vários elementos interligados que o constituem:

Leia mais

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli Câmera Digital Autor: Darllene Negri Nicioli 2 OBJETIVO Têm como objetivo este trabalho mostrar o princípio de funcionamento geral de uma câmera digital até as vantagens e desvantagens do produto final,

Leia mais

Conversores D/A e A/D

Conversores D/A e A/D Conversores D/A e A/D Introdução Um sinal analógico varia continuamente no tempo. Som Temperatura Pressão Um sinal digital varia discretamente no tempo. Processamento de sinais digitais Tecnologia amplamente

Leia mais

TUTORIAL DE CAPTURA DE VÍDEO PARA O COMPUTADOR

TUTORIAL DE CAPTURA DE VÍDEO PARA O COMPUTADOR http://www.centralmp3.com.br Distribuição Exclusiva TUTORIAL DE CAPTURA DE VÍDEO PARA O COMPUTADOR Copyright - Tiago Duarte Sierra e-mail: sierratds@bol.com.br - ICQ: 36718250 Pág. 1 Para capturar um vídeo

Leia mais

Aula 09. Exportação e Licenças

Aula 09. Exportação e Licenças Aula 09 Exportação e Licenças Exportação Como exportar um vídeo para celular, dispositivos móveis e internet? As propriedades para exportar um vídeo para celular e dispositivos móveis Dica Como saber qual

Leia mais

Aquisição e Representação da Imagem Digital

Aquisição e Representação da Imagem Digital Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Aquisição e Representação da Imagem Digital Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/33 Sumário. Introdução 2. Aquisição e Representação da Imagem

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS PARA O CURSO:

PRÉ-REQUISITOS PARA O CURSO: PRÉ-REQUISITOS PARA O CURSO: Para que você possa acompanhar as lições deste curso é necessário que você já tenha preenchido os seguintes pré-requisitos: Conhecimento básico em informática. Algumas palavras

Leia mais

Como Utilizar o VirtualDub 1.7.1

Como Utilizar o VirtualDub 1.7.1 Como Utilizar o VirtualDub 1.7.1 adsense2 1. Instalação Depois de fazer o dowenload do VirtualDub a instalação é fácil. Todos os arquivos do programa vêm num pacote ZIP. Basta criar um diretório e extrair

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 703/8 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 2.ª FASE PROVA PRÁTICA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS

Leia mais

PAPEL BRANCO. Padrão de compactação de vídeo H.264. Novas possibilidades em vigilância por vídeo.

PAPEL BRANCO. Padrão de compactação de vídeo H.264. Novas possibilidades em vigilância por vídeo. PAPEL BRANCO Padrão de compactação de vídeo H.264. Novas possibilidades em vigilância por vídeo. Índice 1. Introdução 3 2. Desenvolvimento do H.264 3 3. Como funciona a compactação de vídeo 4 4. Perfis

Leia mais

pequeno, muito pequeno manual de publicação de vídeo usando o adobe premiéré 6.0

pequeno, muito pequeno manual de publicação de vídeo usando o adobe premiéré 6.0 pequeno, muito pequeno manual de publicação de vídeo usando o adobe premiéré 6.0 (((i))) belo horizonte bh@midiaindependente.org www.midiaindependente.org copyleft Usando a opção save for web fig. 1 Neste

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FONTES PEREIRA DE MELO Aplicações Informáticas B. 2006/2007 Grupo II

ESCOLA SECUNDÁRIA FONTES PEREIRA DE MELO Aplicações Informáticas B. 2006/2007 Grupo II ESCOLA SECUNDÁRIA FONTES PEREIRA DE MELO Aplicações Informáticas B 2006/2007 Grupo II 1. Defina o conceito de multimédia. 2. No quadro1, estabeleça a ligação entre os tipos de media e a sua classificação,

Leia mais

ArcSoft MediaConverter

ArcSoft MediaConverter ArcSoft MediaConverter User Manual Português 1 201004 Índice Índice... 2 1. Índice... 3 1.1 Requisitos do sistema... 4 1.2 Extras... 4 2. Convertendo arquivos... 7 2.1 Passo1: Selecionar mídia... 7 2.1.1

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO E EDIÇÃO DE VÍDEOS DIDÁTICOS DA DISCIPLINA F809 RELATORIO FINAL 25 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

DIGITALIZAÇÃO E EDIÇÃO DE VÍDEOS DIDÁTICOS DA DISCIPLINA F809 RELATORIO FINAL 25 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS 25-1 25 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Projeto de Instrumentação para o Ensino F809 RELATORIO FINAL DIGITALIZAÇÃO E EDIÇÃO DE VÍDEOS DIDÁTICOS DA DISCIPLINA F809 Aluno: Gustavo M. S. Valente Orientador:

Leia mais

AZUR 851 SERIES FLAGSHIP DIGITAL AUDIO AZUR 851N UPSAMPLING NETWORK MUSIC PLAYER

AZUR 851 SERIES FLAGSHIP DIGITAL AUDIO AZUR 851N UPSAMPLING NETWORK MUSIC PLAYER AZUR 851 SERIES FLAGSHIP DIGITAL AUDIO AZUR 851N UPSAMPLING NETWORK MUSIC PLAYER AZUR 851N UPSAMPLING NETWORK MUSIC PLAYER O PONTO CULMINANTE DO DESEMPENHO DIGITAL E DE STREAMING O Azur 851N é um player

Leia mais

Prof. Célio Conrado 1

Prof. Célio Conrado 1 O usuário se comunica com o núcleo do computador (composto por CPU e memória principal) através de dispositivos de entrada e saída (dispositivos de E/S). Todo objeto que faz parte do sistema e tem por

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 15:35 horas do dia 04 de maio de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Juiz de Fora, designado pela portaria Portaria nº 1766 - CPL após analise da documentação do

Leia mais

Capítulo 38 DVD. Informática e cinema

Capítulo 38 DVD. Informática e cinema Capítulo 38 DVD Informática e cinema Enquanto os populares CDs faziam sucesso no armazenamento de dados (CD-ROM) e áudio (CD-Audio), grandes empresas da indústria cinematográfica e de computação juntaram

Leia mais

INFORMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO I

INFORMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO I CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ INFORMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO I Unidade II O usuário se comunica com o núcleo do computador (composto por CPU e memória principal) através de dispositivos de entrada

Leia mais

Gerenciador de Áudio HD Realtek Manual do Usuário para o Sistema Operacional Vista

Gerenciador de Áudio HD Realtek Manual do Usuário para o Sistema Operacional Vista Gerenciador de Áudio HD Realtek Manual do Usuário para o Sistema Operacional Vista 27 de fevereiro de 2008 Copyrights da Realtek Semiconductor 2008 Índice Índice A. PARA COMEÇAR...4 B. INTRODUÇÃO...7 1.

Leia mais

Computadores VII: Digitalizando Sons - Final

Computadores VII: Digitalizando Sons - Final Computadores VII: Digitalizando Sons - Final A2 Texto 4 http://www.bpiropo.com.br/fpc20050808.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 08/08/2005 Autor: B.Piropo Semana passada vimos

Leia mais

Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real

Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Luis Eduardo Pereira Bueno Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Trabalho elaborado como parte da avaliação da disciplina Processamento Digital de Sinais, ministrada pelo prof. Marcelo

Leia mais

Aula 06. Discos e Drives

Aula 06. Discos e Drives Aula 06 Discos e Drives Disquetes São discos magnéticos usados para armazenar dados dos computadores. Podem armazenar textos, imagens, programas, etc. São vendidos normalmente em caixas com 10 unidades.

Leia mais

Informática. Tipos de Computadores CONHECENDO O COMPUTADOR E SEUS PERIFÉRICOS

Informática. Tipos de Computadores CONHECENDO O COMPUTADOR E SEUS PERIFÉRICOS CONHECENDO O COMPUTADOR E SEUS PERIFÉRICOS A Informática não é um bicho de sete cabeças. Ou é até que conheçamos e desvendemos este bicho. Tudo o que é desconhecido para nós sempre nos parece algo difícil

Leia mais

AULA TEÓRICA 2 Tema 2. Conceitos básicos de informática, computadores e tecnologias de informação. Sistemas de numeração (continuação)

AULA TEÓRICA 2 Tema 2. Conceitos básicos de informática, computadores e tecnologias de informação. Sistemas de numeração (continuação) AULA TEÓRICA 2 Tema 2. Conceitos básicos de informática, computadores e tecnologias de informação. Sistemas de numeração (continuação) Digitalização. Arquitectura básica do hardware. Input, processamento,

Leia mais

CX SERIES CUTTING EDGE DIGITAL AUDIO CXN NETWORK PLAYER

CX SERIES CUTTING EDGE DIGITAL AUDIO CXN NETWORK PLAYER CX SERIES CUTTING EDGE DIGITAL AUDIO CXN NETWORK PLAYER CXN NETWORK PLAYER TORNE O SOM DE SUA MÚSICA IMPRESSIONANTE, QUALQUER QUE SEJA A ORIGEM DELE O CXN é parte da novíssima Série CX e oferece a você

Leia mais

Modelo de VTR S-VHS Panasonic lançado na década de 1990

Modelo de VTR S-VHS Panasonic lançado na década de 1990 Camcorder Betacam SP. VTR Betacam SP São décadas de desenvolvimento e centenas de produtos e formatos diferentes, segue abaixo alguns dos formatos de vídeo domésticos e profissionais mais comuns: VHS -

Leia mais

Site : Sniperpspg1.besaba.com. Email : profdjair@sniperpspg1.besaba.com

Site : Sniperpspg1.besaba.com. Email : profdjair@sniperpspg1.besaba.com Site : Sniperpspg1.besaba.com Email : profdjair@sniperpspg1.besaba.com Introdução ao PC ( Personal Computer ) Entre as décadas de 1950 e 1970, nós primórdios da disseminação da informática, vários fabricantes

Leia mais

Representação da Informação

Representação da Informação Conteúdo Representação da Informação Bit, Byte e múltiplos Conversão de Unidades Representação de Informação Representação de Símbolos/Texto Representação de Imagem Representação de Vídeo Bit BInary digit

Leia mais

Tecnologia para Integração de Serviços. Introdução

Tecnologia para Integração de Serviços. Introdução Introdução Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução Historicamente sistemas de comunicação foram desenvolvidos para dar suporte a um tipo específico de informação, por exemplo: Sistema telefônico: Tráfego

Leia mais

IP Camera Tutorial. CNet Technology Jan 2008

IP Camera Tutorial. CNet Technology Jan 2008 IP Camera Tutorial CNet Technology Jan 2008 O que é Câmera IP? Camera IP é a combinação entre câmera e computador. As câmeras podem ser conectadas diretamente na sua rede. Ela possui internamente software

Leia mais

New Plasma 60/50PZ570B

New Plasma 60/50PZ570B New Plasma 60/50PZ570B Diferenciais LG------------------------------ - Smart TV¹: A evolução da TV. Interface com internet, conteúdos e aplicativos incríveis - Magic Motion Ready²: Compatível com controle

Leia mais

Problema: Solução: Vantagens da estruturação em Níveis: Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Introdução

Problema: Solução: Vantagens da estruturação em Níveis: Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES Curso Técnico de Informática Eduardo Amaral Introdução Computador: Máquina programável, de propósito geral, que processa informação. Programa: Seqüência de instruções

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação Anual. Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B - Ano: 12º

Ano letivo 2014/2015. Planificação Anual. Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B - Ano: 12º Código 401470 Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico Dr. Joaquim de Carvalho DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano letivo 2014/2015 Planificação Anual Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS

Leia mais

Java Media Framework 2.1 Programação Multimídia em Java. SBMídia - 2000 Jorge Fernandes e Bob Natal, Junho de 2000

Java Media Framework 2.1 Programação Multimídia em Java. SBMídia - 2000 Jorge Fernandes e Bob Natal, Junho de 2000 Java Media Framework 2.1 Programação Multimídia em Java SBMídia - 2000 Jorge Fernandes e Bob Natal, Junho de 2000 Conteúdo O que é a Java Media? Java Media Framework 2.1 Versão Otimizada para Windows 5.10MB

Leia mais

1001 INVENÇÕES QUE MUDARAM O MUNDO EDITOR GERAL JACK CHALLONER PREFÁCIO DE TREVOR BAYLIS

1001 INVENÇÕES QUE MUDARAM O MUNDO EDITOR GERAL JACK CHALLONER PREFÁCIO DE TREVOR BAYLIS 1001 INVENÇÕES QUE MUDARAM O MUNDO EDITOR GERAL JACK CHALLONER PREFÁCIO DE TREVOR BAYLIS Solicitações de patentes arquivadas no Escritório de Patentes dos Estados Unidos, em Washington D.C. Sabão (c.

Leia mais

B. Piropo. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

B. Piropo. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo B. Piropo Computadores usam internamente o sistema binário. O sistema binário adota apenas dois algarismos com os quais pode representar qualquer número. Portanto: Computadores só podem trabalhar com números.

Leia mais

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)?

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)? Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Aplicadas e Educação Departamento de Ciências Exatas Motivação ACII: Armazenamento Secundário Prof. Rafael Marrocos Magalhães professor@rafaelmm.com.br

Leia mais

Barramento. Barramentos. Barramento. Barramento

Barramento. Barramentos. Barramento. Barramento s Arquiteturas de Conjunto de conexões elétricas/lógicas paralelas Permitem a transmissão de dados, endereços e sinais de controle entre os diversos módulos funcionais do computador Consiste de vários

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL Prof. Alexandre A. P. Pohl Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial - CPGEI 1 Objetivos do Sistema

Leia mais

Multimídia. Conceitos Básicos (Parte II)

Multimídia. Conceitos Básicos (Parte II) Universidade do Estado de Minas Gerais Campus de Frutal Sistemas de Informação 7º Período Multimídia Conceitos Básicos (Parte II) Prof. Sérgio Carlos Portari Jr profsergio@frutalhost.com.br Carga Horária:

Leia mais

A música e a voz. A música e a voz. Síntese musical. A música e a voz. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho. Tópicos: Definição:

A música e a voz. A música e a voz. Síntese musical. A música e a voz. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho. Tópicos: Definição: A música e a voz Tópicos: A música e a voz Técnicas de síntese digital de som Definição: Técnicas de produção de seqüências de áudio a partir de uma seqüência de eventos musicais. Tipos de síntese: tempo

Leia mais

ferramentas da imagem digital

ferramentas da imagem digital ferramentas da imagem digital illustrator X photoshop aplicativo ilustração vetorial aplicativo imagem digital 02. 16 imagem vetorial X imagem de rastreio imagem vetorial traduz a imagem recorrendo a instrumentos

Leia mais

Prof. Orlando Rocha. Qual o nosso contexto atual?

Prof. Orlando Rocha. Qual o nosso contexto atual? 1 Qual o nosso contexto atual? Atualmente, vivemos em uma sociedade que é movida pela moeda informação! No nosso dia-a-dia, somos bombardeados por inúmeras palavras que na maioria das vezes é do idioma

Leia mais

INFORmação. O que é um Computador?

INFORmação. O que é um Computador? Professor: M. Sc. Luiz Alberto Filho Conceitos básicos Evolução histórica Hardware Sistemas de numeração Periféricos Software Unidades Básicas de Medidas 2 Facilidade de armazenamento e recuperação da

Leia mais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais Esse artigo sobre Formatos de Arquivos Digitais é parte da Tese de Doutoramento do autor apresentada para a obtenção do titulo de Doutor em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da USP. Thales Trigo

Leia mais

Vídeo ABRIL JULHO/ 2012

Vídeo ABRIL JULHO/ 2012 Vídeo ABRIL JULHO/ 2012 DVD DVP3820KX/78 ProReader Drive, você pode curtir seus filmes com toda a comodidade, mesmo com discos antigos, sujos ou arranhados. DivX Ultra Certified, assista filmes baixados

Leia mais

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes Montagem e Manutenção Luís Guilherme A. Pontes Introdução Qual é a importância da Montagem e Manutenção de Computadores? Sistema Binário Sistema Binário Existem duas maneiras de se trabalhar e armazenar

Leia mais

A NATUREZA DO SOM. Diogo Maia

A NATUREZA DO SOM. Diogo Maia A NATUREZA DO SOM Diogo Maia "SE UMA ÁRVORE CAÍSSE NA FLORESTA E NÃO HOUVESSE NINGUÉM LÁ PARA OUVIR, ELA FARIA BARULHO...? "SE UMA ÁRVORE CAÍSSE NA FLORESTA E NÃO HOUVESSE NINGUÉM LÁ PARA OUVIR, ELA FARIA

Leia mais

Os Arquivos e seus Formatos

Os Arquivos e seus Formatos Os Arquivos e seus Formatos Em computadores pessoais, todos os dados estão codificados (existem) dentro de arquivos. O arquivo é um conjunto de registros agrupados segundo uma regra organizacional que

Leia mais

Central Multimídia USB / SD / BT / TV / GPS

Central Multimídia USB / SD / BT / TV / GPS Central Multimídia USB / SD / BT / TV / GPS Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

Curso Básico de Edição de Vídeo - Windows Movie Maker. Windows Movie Maker

Curso Básico de Edição de Vídeo - Windows Movie Maker. Windows Movie Maker Windows Movie Maker 1.0. Introdução ao Windows Movie Maker O Windows Movie Maker é um programa desenvolvido pela Microsoft para a edição básica de vídeos digitais e está disponível nas versões do Windows

Leia mais

Características. Gráficos em tempo real, incluindo medições, gráfico de barras, parciais de circuito, tempos de volta, e texto.

Características. Gráficos em tempo real, incluindo medições, gráfico de barras, parciais de circuito, tempos de volta, e texto. Vídeo VBOX Pro combina em um só equipamento um aquisitor de dados GPS e multi câmeras de alta qualidade para gravação de vídeo e displays em tempo real. Gravação de Multi Câmeras Combinando até quatro

Leia mais