QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE"

Transcrição

1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ROSA RAMALHO, BARCELINHOS BARCELOS - Cód Tel / Fax Rua Professor Celestino Costa Barcelinhos SECÇÃO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE DO CONSELHO PEDAGÓGICO (SADDCP) INTRODUÇÃO QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE A SADDCP estabeleceu as presentes orientações, de acordo com o disposto no Decreto-lei nº 41/2012, de 21 de fevereiro, e pelo Decreto Regulamentar nº 26/2012 de 21 de fevereiro. No presente documento, a SADDCP procura contribuir para uma aplicação objetiva e harmónica do sistema de avaliação do desempenho docente, aplicável a docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo, adiante designado contrato a termo, a docentes integrados na carreira e a docentes em período probatório. O ciclo de avaliação dos docentes em regime de contrato a termo tem como limite mínimo 180 dias de serviço letivo efetivamente prestado. Quando o limite mínimo referido anteriormente resultar da celebração de mais do que um contrato a termo, a avaliação será realizada pelo agrupamento de escolas ou escola não agrupada, cujo contrato termine em último lugar, recolhidos os elementos avaliativos das outras escolas. Caso os contratos terminem na mesma data, cabe ao docente optar pelo Agrupamento de escolas ou escola não agrupada que efetua a sua avaliação. Para os docentes integrados na carreira os ciclos de avaliação coincidem com o período correspondente aos escalões da carreira docente. Estes docentes são sujeitos avaliação de desempenho desde que tenham prestado serviço docente efetivo durante, pelo menos, metade do período em avaliação. Os docentes que não preencham este requisito de tempo mínimo podem requerer a ponderação curricular para efeitos de avaliação, até final do ciclo avaliativo. O período de avaliação dos docentes em período probatório corresponde ao ano escolar coincidente com esse período. O dispositivo de avaliação do desempenho docente deverá ser congruente com o Projeto Educativo e o Plano Anual de Atividades do Agrupamento de Escolas, confiável e que contribua para o desenvolvimento profissional de todos os docentes envolvidos. As finalidades do modelo de avaliação do desempenho docente estão definidas no Estatuto da Carreira Docente, Decreto-lei nº 41/2012, de 21 de fevereiro orientado para a melhoria dos resultados escolares e da aprendizagem dos alunos e para a diminuição do abandono escolar, valorizando a atividade letiva e criando condições para que as escolas e os docentes se centrem no essencial da sua atividade: o ensino. Pretende-se, igualmente, incentivar o desenvolvimento profissional, reconhecer e premiar o mérito e as boas práticas. Ainda de acordo com o disposto no normativo referido, a avaliação do desempenho docente assenta na simplicidade, na desburocratização dos processos e na sua utilidade, tendo em vista a revitalização cultural das escolas e uma maior responsabilidade profissional. Este documento será atualizado em resultado da publicação de legislação ou orientações emanadas pela Administração Educativa. Assim, no seguimento da nota informativa da DGAE, enviada às escolas a 3 de Dezembro para serem implementadas as seguintes orientações: 1. No presente ano letivo de , o processo de avaliação do desempenho docente prossegue como previsto nos termos do Decreto Regulamentar n.º26/2012, de 21 de fevereiro. 2. O docente que completar o tempo de serviço de permanência no escalão, de 1 de janeiro de 2014 até 31 de agosto de 2014, deverá concluir a avaliação de desempenho até ao final do ano escolar de 2012/2013. Caso haja lugar a observação de aulas, esta deverá ter lugar em dois momentos distintos que totalize 180 minutos no decurso do ano escolar 2012/2013. No entanto, conforme referido no ponto 5 desta nota informativa, abre-se a possibilidade ao docente de requerer a observação externa de aulas no ano letivo de , em substituição da observação no corrente ano lectivo. 3. Ocorrendo a observação de aulas para efeito de obtenção da menção de excelente, o avaliado deverá requerê-lo até ao final do mês de dezembro de 2012, sem prejuízo do mencionado no ponto 6 desta nota informativa. 1

2 4. O docente que completar o tempo de serviço de permanência no escalão após 1 de setembro de 2014 e até 31 de agosto de 2015 deverá concluir a avaliação de desempenho até ao final do ano escolar de 2013/2014. Caso haja lugar a observação de aulas, esta deverá ter lugar em dois momentos distintos que totalize 180 minutos no decurso de um dos anos escolares 2012/2013 ou 2013/2014. Ocorrendo a observação de aulas, em qualquer destes anos e para efeito de obtenção da menção de excelente, o avaliado apresenta o requerimento ao diretor até ao final do mês de dezembro de Os docentes referidos nas alíneas b) do n.º 2 do artigo 18.º do Decreto Regulamentar n.º 26/2012, de 21 de fevereiro, e no âmbito da gestão das suas carreiras, podem requerer a observação externa de aulas para o ano letivo de , em substituição da observação no corrente ano lectivo. 6. Os docentes referidos nas alíneas c) do n.º 2 do artigo 18.º do Decreto Regulamentar n.º 26/2012, de 21 de fevereiro, e no âmbito da gestão das suas carreiras, podem requerer a observação externa de aulas no ano letivo de ou no ano letivo seguinte. 7. Para os efeitos referidos nos números anteriores, o prazo para apresentação dos requerimentos, que devem ser dirigidos ao diretor do agrupamento de escolas ou da escola não agrupada, é prorrogado até ao dia 31 de Dezembro de O MEC assegurará a necessária formação aos avaliadores, de forma a homogeneizar os critérios e garantir o cumprimento dos objetivos da avaliação docente, nomeadamente nas suas vertentes científica e pedagógica. 9. Os docentes que no corrente ano letivo optem por não ter observação externa de aulas verão salvaguardados os períodos destinados à observação externa de aulas no ano letivo seguinte. 10. Reunidas legalmente as condições para a progressão na carreira, e uma vez completada a avaliação, esta reportar-se-á à data em que o docente reuniu o requisito de tempo de serviço para o efeito, com efeito retroativo a essa data se a tal houver lugar. (Nota informativa, DGAE- 2012) I Parte 1 Referentes de suporte à avaliação do desempenho docente 1.1 Elementos de referência da avaliação a) Os objetivos e metas fixados no Projecto Educativo do Agrupamento de Escolas; b) Os parâmetros estabelecidos para cada uma das dimensões aprovados pelo Conselho Pedagógico. c) Os parâmetros estabelecidos a nível nacional para a avaliação externa da dimensão científica e pedagógica. 2 Pressupostos Gerais a) A principal função profissional dos docentes é ensinar e promover a aprendizagem dos alunos. A atividade do professor desenvolve-se de forma contextualizada, em articulação com o conteúdo dos referentes internos: Projeto Educativo de Agrupamento, Projeto Curricular de Agrupamento, Plano Anual de Atividades, Plano Curricular de Turma e demais projetos pedagógicos em desenvolvimento na organização escolar; b) O processo de conceção, planeamento, operacionalização e regulação do ensino e da aprendizagem constitui o cerne da atividade docente e da missão central da escola ensinar, educar, integrar, sendo o restante trabalho desenvolvido de forma integrada e complementar a esta dimensão; c) O desempenho docente deve ser visto de forma integrada e global. A apreciação final deve resultar da articulação dos vários desempenhos descritos em cada domínio, bem como da relação entre as três dimensões propostas d) A avaliação do desempenho assume-se como uma avaliação interpares, isto é, uma avaliação realizada por docentes a docentes, na qual deverá ser privilegiada a colaboração, competindo conjuntamente ao avaliador e docente cujo desempenho está a ser avaliado, o desenvolvimento de práticas profícuas e harmoniosas; e) A avaliação tem por objetivo reconhecer a qualidade do desempenho dos docentes para valorização e progressão na carreira. Na componente interna a avaliação incide sobre as dimensões: Científica e Pedagógica: Participação na Escola e Relação com a Comunidade e Formação Contínua e Desenvolvimento Profissional. Na componente externa incide sobre a dimensão científico e pedagógica, realizando-se em sala de aula. 2

3 f) Pretende-se que a avaliação possa ser utilizada quer na deteção das necessidades de formação, na perspectiva actual de aprendizagem ao longo da vida e, consequentemente, da carreira docente, quer como oportunidade para a reflexão conjunta e reforço do trabalho colaborativo em equipa. 3 Dimensões e parâmetros da avaliação do desempenho docente As vertentes caraterizadoras da atuação profissional do docente foram organizadas em três dimensões: Científica e Pedagógica; Participação na Escola e Relação com a Comunidade e Formação Contínua e Desenvolvimento Profissional. Dimensão (alíneas a) b) e c), art.º 4.º Dec. Reg. 26/2012 Científica e Pedagógica Parâmetros (artigo 11.º alínea c) 26/2012 Preparação e organização das atividades letivas Processo de avaliação das aprendizagens dos alunos Indicadores "Conhecimento científico, inerente à disciplina/área disciplinar. Planificação integrada no quadro dos vários níveis e âmbitos da decisão curricular, tendo em conta a articulação vertical e horizontal, em conjunto com os pares. Planificação integrada e coerente dos vários tipos de avaliação. Planificação e desenvolvimento do ensino de acordo com a apreciação realizada. Conhecimento pedagógico e didático inerente à disciplina/área disciplinar. Conceção e planificação de estratégias adequadas aos diferentes alunos e contextos. Implementação de processos de ensino de acordo com as finalidades e as aprendizagens previstas no currículo e rendibilização dos meios e recursos disponíveis. Desenvolvimento de atividades de avaliação das aprendizagens para efeitos de diagnóstico, regulação do processo de ensino e avaliação e certificação de resultados. Acompanhamento dos resultados obtidos pelos alunos proporcionando-lhes informação sobre a sua evolução. Utilização de instrumentos adequados à monitorização da sua atividade. Implementação de processos de autorregulação nos alunos, que permitam assegurar o desenvolvimento da aula de forma adequada e promovam a melhoria de comportamentos. Promoção do envolvimento e participação dos alunos nas atividades. Criação de um ambiente educativo capaz de estimular o aluno a melhorar as suas aprendizagens/resultados obtidos. 3

4 Dimensão (alíneas a) b) e c), art.º 4.º Dec. Reg. 26/2012 Participação na Escola e Relação com a Comunidade Formação Contínua e Desenvolvimento Profissional II Parte Parâmetros (artigo 11.º alínea c) 26/2012 Contributo para a realização dos objetivos e metas do Projeto Educativo e Plano Anual e Plurianual de Atividades Participação nas estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica e nos órgãos de administração e gestão Formação contínua e desenvolvimento profissional Indicadores Apresentação de propostas que contribuem para a melhoria do desempenho da escola. Participação em projetos de trabalho colaborativo na escola; Envolvimento em projetos e atividades da escola que visam o desenvolvimento da comunidade. Envolvimento em ações que visam a participação de pais e encarregados de educação e/ou outras entidades da comunidade no desenvolvimento da escola. Envolvimento em projetos ou atividades do Plano Anual de Atividades, relevantes para a escola e/ou comunidade educativa Participação no processo de autoavaliação do Agrupamento. Contribuição para a eficácia das estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica, dos órgãos de administração e gestão e de outras estruturas em que participa.. Aquisição e atualização de conhecimento profissional (cientifico, pedagógico e didático),que mobiliza para a melhoria das suas práticasprofissionais. Utilização do conhecimento adquirido e aplicado na melhoria do trabalho colaborativo e para o desenvolvimento organizacional da escola. 1 - Processo de avaliação A avaliação de desempenho docente é composta por uma componente interna e externa, em determinada situações. 1.1 A avaliação interna abrange as três dimensões da avaliação científica e pedagógica, participação na escola e relação com a comunidade, formação contínua e desenvolvimento profissional - e realiza-se em todos os escalões da carreira docente. Concretiza-se anualmente pelos docentes em avaliação com a produção de um relatório de auto avaliação; no final do ciclo de avaliação, o coordenador de departamento ou em quem o mesmo delegar a competência de avaliação, aprecia os relatórios de autoavaliação e procede à avaliação final do docente. 1.2 A avaliação externa da dimensão científica e pedagógica (ponto 3 do artigo 7.º do Decreto Regulamentar n.º 26/2012, de 21.02), efetua-se com base nos parâmetros cientifico e pedagógico (artigo n.º3 a 5 do Despacho n.º 13981/2012 de 26.10), centrando-se na observação de aulas e no acompanhamento da prática pedagógica e cientifica do docente. 4

5 O parâmetro cientifico reporta-se aos conteúdos disciplinares e a língua portuguesa. Parâmetro cientifico Conteúdos disciplinares Língua Portuguesa Conteúdos disciplinares que o docente leciona (domínio dos conteúdos a serem aprendidos pelos alunos, integrados na estruturada disciplina de que fazem parte, dos métodos de investigação específicos dessa disciplina e das relações com outras disciplinas ) Que enquadra e agiliza a aprendizagem dos conteúdos disciplinares (clareza, adequação e correção da linguagem na comunicação oral e escrita - com os alunos) O parâmetro pedagógico integra os elementos didaticos e relacionais, englobando os seguintes aspetos Parâmetro pegagógico Elementos didáticos Elementos relacionais Estruturação da aula para se lecionarem os conteúdos previstos nos documentos curriculares e alcançarem os seus objetivos; Evolução da aprendizagem e orientação das atividades em função das atividades em função dessa verificação; Acompanhamento da prestação dos alunos e informação aos mesmos sobre a sua evolução Funcionamento da aula com base em regras que acautelam a disciplina Envolvimento dos alunos e a sua participação nas atividades Estímulos com vista à melhoria da aprendizagem dos alunos De acordo com o artigo 3.º do Despacho n.º 13981/2012 de 26.10, na concretização da dimensão cientifica e pedagógica o docente deve: a. Orientar a sua ação em beneficio da aprendizagem dos alunos; b. selecionar as melhores abordagens de ensino; c. analisar as suas aulas sob o ponto de vista da eficácia dessas abordagens; d. criar um ambiente educativo assente em valores comumente reconhecidos, tratando os alunos com a dignidade que esses valores preconizam e assegurando que eles procedem do mesmo modo; e. ter presente a especificidade dos papéis de aluno e de educador/professor, não deixando de considerar as fronteiras que lhe são inerentes. A avaliação externa é obrigatória para: os docentes em período probatório, os docentes integrados no 2.º e 4.ºescalões da carreira, e os docentes integrados na carreira que tenham obtido a menção de Insuficiente e para a atribuição de Excelente, em qualquer escalão da carreira (n.º 2 do artigo 18.º decreto regulamentar n.º 26/2012, de 21.02) a realizar por docentes avaliadores externos. De com o acordo ponto 7 do artigo 18.º do decreto Regulamentar n.º 26/2012, de 21.02, não há lugar à observação de aulas dos docentes em regime de contrato. 1.1 Relatório de autoavaliação O relatório de autoavaliação é elaborado pelo docente, no âmbito da autoavaliação. De acordo com o ponto 3 do artigo 19.º do Decreto Regulamentar nº 26/2012, de 21 de fevereiro, o relatório de autoavaliação é anual e reportase ao trabalho efetuado nesse período, tendo por objetivo envolver o avaliado na identificação de oportunidades de desenvolvimento profissional e na melhoria dos processos de ensino e dos resultados escolares dos alunos. O relatório de autoavaliação é descritivo e reflexivo sobre a atividade desenvolvida pelo docente, incidindo sobre os seguintes elementos: a) A prática letiva; 5

6 b) As atividades promovidas; c) A análise dos resultados obtidos; d) O contributo para os objetivos e metas fixados no Projeto Educativo do Agrupamento; e) A formação realizada e o seu contributo para a melhoria da ação educativa. O relatório de autoavaliação deve ter um máximo de três páginas, não lhe podendo ser anexados documentos. A omissão da entrega do relatório de autoavaliação, por motivos injustificados nos termos do Estatuto da Carreira Docente, implica a não contagem do tempo de serviço do ano escolar em causa, para efeitos de progressão na carreira docente. III Parte 1 - Resultado da avaliação O resultado final da avaliação a atribuir em cada ciclo de avaliação é expresso numa escala graduada de 1 a 10 valores. As classificações são ordenadas de forma crescente por universo de docentes, de modo a proceder à sua conversão em menções qualitativas nos termos seguintes: a) Excelente se, cumulativamente, a classificação for igual ou superior ao percentil 95, não for inferior a 9 e o docente tiver tido aulas observadas; b) Muito Bom se, cumulativamente, a classificação for igual ou superior ao percentil 75, não for inferior a 8 e não tenha sido atribuída ao docente a menção Excelente. c) Bom se, cumulativamente, a classificação for igual ou superior a 6,5 e não tiver sido atribuída a menção de Muito Bom ou Excelente; d) Regular se a classificação for igual ou superior a 5 e inferior a 6,5; e) Insuficiente se a classificação for inferior a 5. A atribuição das menções qualitativas de Muito Bom e Excelente depende do cumprimento efetivamente verificado de 95% da componente letiva distribuída no decurso do ciclo de avaliação, relevando para o efeito as ausências legalmente equiparadas a serviço efetivo nos termos do Estatuto da Carreira Docente. 2 - Avaliação Final 2.1- A classificação final corresponde ao resultado da média ponderada das pontuações obtidas nas três dimensões de avaliação considerando as seguintes ponderações; a) 60% para a dimensão científica e pedagógica; b) 20% para a dimensão participação na escola e relação com a comunidade; c) 20% para a dimensão formação contínua e desenvolvimento profissional Havendo observação de aulas, a avaliação externa representa 70% da percentagem prevista na alínea a) do número anterior, dos quais 40% refere-se ao parâmetro científico e 10% para os conhecimentos de língua portuguesa que enquadram e agilizam a aprendizagem dos conteúdos disciplinares ; os elementos didáticos representam 40% e os elementos relacionais 10%. 3 - Critérios de desempate 6

7 Quando for necessário proceder ao desempate entre docentes com a mesma classificação final na avaliação do desempenho relevam, sucessivamente, os seguintes critérios: a) A classificação obtida na dimensão científica e pedagógica; b) A classificação obtida na dimensão participação na escola e relação com a comunidade; c) A classificação obtida na dimensão formação contínua e desenvolvimento profissional; d) A graduação profissional calculada nos termos do artigo 14.º do Decreto-Lei n.º 20/2006, de 31 de janeiro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 51/2009, de 27 de fevereiro; e) O tempo de serviço em exercício de funções públicas. Barcelinhos, 25 de Março de 2013 SADD-CP 7

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO ti,. GOVERNO DE r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO PORTUGAL ECI~NCIA Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares do Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CRUZ DA TRAPA 330309 CONTRIBUINTE N.o600080102 AV. SÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE (ADD) ECD DECRETO-LEI Nº 41/2012, de 21 de fevereiro DECRETO REGULAMENTAR Nº 26/2012, de 21 fevereiro

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE (ADD) ECD DECRETO-LEI Nº 41/2012, de 21 de fevereiro DECRETO REGULAMENTAR Nº 26/2012, de 21 fevereiro AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE (ADD) ECD DECRETO-LEI Nº 41/2012, de 21 de fevereiro DECRETO REGULAMENTAR Nº 26/2012, de 21 fevereiro OBJETIVOS (artigo 3º) Melhoria da qualidade do serviço educativo e

Leia mais

Procedimento de. Avaliação de desempenho docente

Procedimento de. Avaliação de desempenho docente Procedimento de Avaliação de desempenho docente Índice Introdução... 2 1. Periodicidade e requisito temporal... 2 2. Legislação de referência... 3 3. Natureza da avaliação... 3 4. Elementos de Referência

Leia mais

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 2012 2013 Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 1. ÂMBITO Dando cumprimento ao disposto no decreto regulamentar nº 26/2012, de 21 de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

-------------------------------------------------- Questão 1. À luz do novo modelo de avaliação do desempenho docente, qual o momento

-------------------------------------------------- Questão 1. À luz do novo modelo de avaliação do desempenho docente, qual o momento Questões emergentes da análise da legislação relativa ao novo modelo de avaliação do desempenho docente decorrente da entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 41/2012, de 21 de fevereiro, e demais legislação

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE CLASSIFICAÇÃO

AVALIAÇÃO EXTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE CLASSIFICAÇÃO AVALIAÇÃO EXTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE CLASSIFICAÇÃO DIREÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR OBJETIVOS Enquadrar, em termos legislativos, a classificação da avaliação externa do desempenho docente; Explicitar

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE ANa Cláudia CoheN Coelho MARIA LUÍSA LOPES DE OLIVEIRA k Apresentação e explicação dos pressupostos teóricos subjacentes ao novo enquadramento legal da avaliação

Leia mais

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2.

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2. Projecto de Avaliação do Desempenho Docente Preâmbulo ( ) Artigo 1.º Objecto O presente diploma regulamenta o sistema de avaliação do desempenho do pessoal docente estabelecido no Estatuto da Carreira

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Artigo 150.º Docentes do ensino particular e cooperativo (Renumerado pelo Decreto -Lei n.º 1/98, de 1 de Janeiro.) (Revogado.) Artigo 151.º

Leia mais

c) FORMAÇÃO CONTÍNUA - realizada nos termos da alínea c) do n.º 2 do artigo 37.º do ECD, com uma ponderação final de 20%.

c) FORMAÇÃO CONTÍNUA - realizada nos termos da alínea c) do n.º 2 do artigo 37.º do ECD, com uma ponderação final de 20%. CONSELHO GERAL AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes - AVALIAÇÃO DO DIRETOR - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO De acordo com a Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto, compete

Leia mais

GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009

GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009 GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009 A avaliação é essencial em qualquer organização para garantir a qualidade do serviço prestado e a melhoria das práticas profissionais.

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

Regulamento de Funcionamento

Regulamento de Funcionamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. PEDRO DO SUL Avaliação de Desempenho Pessoal não Docente Regulamento de Funcionamento Regulamento da Avaliação de Desempenho do Pessoal não Docente do Agrupamento de Escolas

Leia mais

Ministério d. Decreto-lei n.º

Ministério d. Decreto-lei n.º A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes, através de um investimento na formação contínua,

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM. Despacho

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM. Despacho INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Despacho De acordo com o n.º 1 do artigo 35º-A do Decreto-Lei n.º 185/81, de 1 de Julho, alterado pelo Decreto-Lei n.º 207/2009, de 31 de Agosto (ECPDESP) e pela Lei n.º

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Março 2012. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Março 2012. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Março 2012 Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Parâmetros da Avaliação 04 Níveis de Desempenho

Leia mais

c) Os parâmetros estabelecidos a nível nacional para a avaliação externa estabelecidos pelo Ministério da Educação e Ciência.

c) Os parâmetros estabelecidos a nível nacional para a avaliação externa estabelecidos pelo Ministério da Educação e Ciência. DIRETIVAS DA SECÇÃO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (SADD) Ano letivo 2012/2013 A Secção de Avaliação do Desempenho Docente, no cumprimento do estipulado no Decreto Regulamentar n.º 26/2012, de 21 de

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE AVALIAÇÃO INTERNA DO DIRETOR

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE AVALIAÇÃO INTERNA DO DIRETOR Praça Gil Vicente CACILHAS 204-506 ALMADA Telefone: 21 23 62 20 Fax: 21 25 09 5 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE AVALIAÇÃO INTERNA DO DIRETOR De acordo com a Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto, compete

Leia mais

4912 Diário da República, 1.ª série N.º 168 30 de agosto de 2012

4912 Diário da República, 1.ª série N.º 168 30 de agosto de 2012 4912 Diário da República, 1.ª série N.º 168 30 de agosto de 2012 Cláusula 4.ª Competências reconhecidas à escola Com o presente contrato, o Ministério da Educação e Ciência reconhece à escola as seguintes

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2229 Associação Geral de Caça, com o número de identificação fiscal 508590558 e sede na Alameda de D. Afonso Henriques, 72, 2.º, direito, 1000-125

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES Nota prévia: Os esclarecimentos ora colocadas no portal da Direcção Regional dos Recursos Humanos e da Administração Educativa resultam sobretudo das questões formuladas e remetidas,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul. Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul. Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico 1. Enquadramento legal da avaliação - Decreto-Lei 138/2012,

Leia mais

REGULAMENTO Prova de Aptidão Profissional. Ano Letivo 2015/2016 EPRM ESCOLA PROFISSIONAL DE RIO MAIOR, LDA., EM

REGULAMENTO Prova de Aptidão Profissional. Ano Letivo 2015/2016 EPRM ESCOLA PROFISSIONAL DE RIO MAIOR, LDA., EM REGULAMENTO Prova de Aptidão Profissional Ano Letivo 2015/2016 RG.FIJ.01.00 1/17 REGULAMENTO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL ÍNDICE Artigo 1º - Natureza e Âmbito... 3 Artigo 2º - Caraterização... 3 Artigo

Leia mais

REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente

REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente ÍNDICE Artigo 1.º Disposições iniciais e princípios gerais 3 Artigo 2.º Docentes avaliados 4 Artigo 3.º Momento em que ocorre a avaliação de desempenho

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Escola Básica de Boavista Escola Secundária de Lousada Escola Básica Lousada Centro -Silvares Escola Básica de Boim Escola Básica de Cristelos

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 1286 Diário da República, 1.ª série N.º 29 11 de fevereiro de 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 1286 Diário da República, 1.ª série N.º 29 11 de fevereiro de 2014 1286 Diário da República, 1.ª série N.º 29 11 de fevereiro de 2014 verificação da utilização agrícola, florestal ou silvopastoril do prédio e do cumprimento por parte do adquirente ou do arrendatário de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

REGIMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE REGIMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Artigo 1.º Disposições iniciais e princípios gerais 1. A avaliação do desempenho docente funciona nos termos do disposto no quadro de referência constituído

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação: PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA E DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 (Aprovados após o parecer favorável do Conselho Pedagógico, de acordo com o Decreto-Lei nº 75/2008, de 22 de abril) Pré-escolar As principais

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º /2015. Aprova o sistema de avaliação de desempenho na Assembleia da República

RESOLUÇÃO N.º /2015. Aprova o sistema de avaliação de desempenho na Assembleia da República RESOLUÇÃO N.º /2015 Aprova o sistema de avaliação de desempenho na Assembleia da República A Assembleia da República resolve, nos termos do n.º 5 do artigo 166. da Constituição, de acordo com as alíneas

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR I. Introdução Nos termos do art.º 22º da Lei nº 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

DGAE Direção-Geral da Administração Escolar CONTRATAÇÃO DE ESCOLA E BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA. Maio/Junho 2015

DGAE Direção-Geral da Administração Escolar CONTRATAÇÃO DE ESCOLA E BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA. Maio/Junho 2015 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA E BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA Maio/Junho 2015 CONCURSO DOCENTES 2015/2016 (Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27/06, na redação conferida pelo Decreto-Lei n.º 83- A/2014, de 23/05, retificado

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO. Comissão de Autoavaliação PLANO DE AÇÃO

2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO. Comissão de Autoavaliação PLANO DE AÇÃO 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO Comissão de Autoavaliação PLANO DE AÇÃO Vieira do Minho, fevereiro de 2014 SUMÁRIO 1. Introdução 1.1. Conceção de avaliação 1.2. Enquadramento legal 2.

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES. Sobre Horários. Pessoal docente, escolas públicas. 1 Há novas regras para elaboração dos horários dos professores?

PERGUNTAS FREQUENTES. Sobre Horários. Pessoal docente, escolas públicas. 1 Há novas regras para elaboração dos horários dos professores? PERGUNTAS FREQUENTES Sobre Horários Pessoal docente, escolas públicas 1 Há novas regras para elaboração dos horários dos professores? Sim! A elaboração dos horários dos professores e educadores obedece

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 829 forma a adaptar o mesmo à realidade específica do sector da saúde. Assim: Nos termos do n.º 4 do artigo 28.º do Decreto -Lei n.º 71/2007,

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO

EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO Norma I Objetivos 1. No quadro da sua política de Responsabilidade Social, e no cumprimento da sua missão mutualista, o Montepio, através da Fundação Montepio, tem vindo a privilegiar

Leia mais

ECD com as alterações do DL 75/2010

ECD com as alterações do DL 75/2010 ANEXO I Republicação do Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1 O Estatuto da Carreira

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE ESCOLA 2014-2015

CONTRATAÇÃO DE ESCOLA 2014-2015 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA 2014-2015 Informam-se os interessados que está aberto o procedimento concursal para recrutamento no âmbito da Reserva de Recrutamento / Contratação de Escola dos horários abaixo discriminados,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 150253 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BRAGA OESTE Sede: 343640 Escola dos 2.º e 3.º Ciclos de Cabreiros DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Ano lectivo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO No primeiro

Leia mais

Diretrizes para aplicação do SIADAP no INMLCF, I.P.

Diretrizes para aplicação do SIADAP no INMLCF, I.P. Diretrizes para aplicação do SIADAP no INMLCF, I.P. Na sequência das deliberações tomadas nas reuniões ocorridas nos dias 20 e 31 de março de 2015, tendo em vista uma aplicação objetiva e harmónica do

Leia mais

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública (Lei n.º 66-B/2007, de 28 de dezembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 66-B/2012, de 31 de dezembro) 1

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. Instituto Superior de Economia e Gestão

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. Instituto Superior de Economia e Gestão UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA Instituto Superior de Economia e Gestão Faz -se saber que, perante o Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa (adiante designado por Instituto),

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

NOTA INFORMATIVA BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA (CANDIDATURA)

NOTA INFORMATIVA BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA (CANDIDATURA) NOTA INFORMATIVA BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA (CANDIDATURA) 1. A Bolsa de Contratação de Escola (BCE) é constituída pelos Agrupamentos de Escolas/Escola Não Agrupada (AE/ENA) TEIP e/ou com Contrato de

Leia mais

MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO EMPREGO E DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO EMPREGO E DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA 976-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 33 15 de fevereiro de 2013 MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO EMPREGO E DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Portaria n.º 74-A/2013 de 15 de fevereiro O XIX Governo Constitucional

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Decreto-Lei n.º 15/2007 de 19 de Janeiro

Decreto-Lei n.º 15/2007 de 19 de Janeiro Decreto-Lei n.º 15/2007 de 19 de Janeiro No Programa do XVII Governo Constitucional reafirma-se a noção de que os educadores e professores são os agentes fundamentais da educação escolar. O trabalho organizado

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

Cursos Vocacionais Regulamento

Cursos Vocacionais Regulamento Cursos Vocacionais Regulamento Índice Capítulo I Funcionamento Geral... 1 Artigo 1º- Contextualização... 3 Artigo 2º -Matrícula e Renovação de Matrícula... 3 Artigo 3º- Constituição de Turmas... 3 Artigo

Leia mais

PARTE C EDUCAÇÃO. 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016

PARTE C EDUCAÇÃO. 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016 PARTE C EDUCAÇÃO Gabinetes da Secretária de Estado Adjunta e da Educação e do Secretário de Estado da Educação Despacho normativo n.º

Leia mais

Artigo 1.º. Objecto. Artigo 2.º

Artigo 1.º. Objecto. Artigo 2.º Artigo 1.º Objecto O presente decreto-lei altera o Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, aprovado pelo Decreto -Lei n.º 139-A/90, de 28 de Abril,

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

Lei n.º 66-B/2007, de 28 de dezembro. Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública (SIADAP)

Lei n.º 66-B/2007, de 28 de dezembro. Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública (SIADAP) Lei n.º 66-B/2007, de 28 de dezembro Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública (SIADAP) Texto consolidado pela Direção Geral da Administração e do Emprego Público Texto

Leia mais

ANEXO III. Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 1.

ANEXO III. Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 1. ANEXO III Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1 - O Estatuto da Carreira dos Educadores

Leia mais

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA 1 Preâmbulo Artigo 1.º - Objeto e âmbito Artigo 2.º Modelo de formação Artigo 3.º - Modelo de formação Artigo 4.º - Posicionamento nos percursos de educação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

CONTRATO DE AUTONOMIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AAA DA CHARNECA DE CAPARICA ALMADA. DMINISTÉRIO DA EDUCAÇ AAAgrupajAgrupaA

CONTRATO DE AUTONOMIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AAA DA CHARNECA DE CAPARICA ALMADA. DMINISTÉRIO DA EDUCAÇ AAAgrupajAgrupaA CONTRATO DE AUTONOMIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AAA DA CHARNECA DE CAPARICA ALMADA DMINISTÉRIO DA EDUCAÇ AAAgrupajAgrupaA 2007-2011 PREÂMBULO 1. Caracterização sintética No ano lectivo de 2007/08, a Escola

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem

Avaliação da Aprendizagem Avaliação da Aprendizagem A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas pelo aluno. A avaliação

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES. Artigo 1º Âmbito de aplicação

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES. Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES Artigo 1º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se a todos os docentes da Faculdade de Teologia

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministérios da Economia e do Emprego e da Educação e Ciência. Sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013 Número 33

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministérios da Economia e do Emprego e da Educação e Ciência. Sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013 Número 33 I SÉRIE Sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013 Número 33 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministérios da Economia e do Emprego e da Educação e Ciência Portaria n.º 74-A/2013: Estabelece as normas de organização, funcionamento,

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3)

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) 3.4 Compete ao director pedagógico, consultados os encarregados de educação, decidir sobre a data exacta do início das actividades lectivas

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE DOS EDUCADORES DE INFÂNICA E DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Artigo 1.º Alteração Os

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação A elaboração do presente documento teve por referência os diferentes normativos legais que o enquadram no seu âmbito e objetivo, nomeadamente o que se encontra consignado

Leia mais

PRÉMIO FUNDAÇÃO ILÍDIO PINHO

PRÉMIO FUNDAÇÃO ILÍDIO PINHO PRÉMIO «CIÊNCIA NA ESCOLA» REGULAMENTO DO PRÉMIO 11ª Edição 2013/14 Página 1 de 7 REGULAMENTO DO PRÉMIO "CIÊNCIA NA ESCOLA CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º 1. A Fundação Ilídio Pinho, o Ministério

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO POR MÉRITO

REGULAMENTO GERAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO POR MÉRITO REGULAMENTO GERAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO POR MÉRITO O presente Regulamento tem por base o Despacho n.º 13531/2009 (2ª série - n.º 111), de 09 de junho de 2009, sendo válido para o ano letivo

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto REGULAMENTO. Trabalho Voluntário Prestado por Docentes Aposentados

Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto REGULAMENTO. Trabalho Voluntário Prestado por Docentes Aposentados Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto REGULAMENTO Trabalho Voluntário Prestado por Docentes Aposentados Janeiro 2012 Introdução Desde há vários anos a esta parte que existia a possibilidade de uma

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 27 de julho de 2015. Série. Número 135

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 27 de julho de 2015. Série. Número 135 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 27 de julho de 2015 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO Despacho n.º 352/2015 Determina que no ano letivo 2015/2016 fique suspensa a componente

Leia mais

Critérios e metodologia de admissão e de classificação e ordenação dos candidatos

Critérios e metodologia de admissão e de classificação e ordenação dos candidatos CONCURSO DOCUMENTAL PARA UM LUGAR DE PROFESSOR COORDENADOR PARA O SETOR DE ÁREAS DISCIPLINARES DE CIÊNCIAS SOCIAIS ÁREA DISCIPLINAR DE SOCIOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E DA MUDANÇA SOCIAL. Critérios e metodologia

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Centro. Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim. Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha.

Direcção Regional de Educação do Centro. Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim. Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha. Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha Regulamento Da PAP (Prova de Aptidão Profissional) Cursos Profissionais (Portaria

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC)

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) Legislação de Referência: Despacho n.º 334/2012, de 11 de janeiro Portaria n.º 283/2011, de 24

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais