NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE"

Transcrição

1 NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE ANa Cláudia CoheN Coelho MARIA LUÍSA LOPES DE OLIVEIRA k Apresentação e explicação dos pressupostos teóricos subjacentes ao novo enquadramento legal da avaliação de desempenho. k Articulação do quadro legal com a sua aplicação nas escolas. k CD-ROM, com apresentação de propostas práticas para cada interveniente avaliados, relatores, Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho e órgãos de gestão. EDUCAÇÃO HOJE k Relação entre a avaliação interna e externa da escola, a avaliação do desempenho docente e a eficácia da escola.

2

3 ÍNDICE Preâmbulo... 7 Introdução... 8 PARTE I Componente Teórica Princípios e objetivos da avaliação de desempenho docente Quadro de referência externo e interno Dimensões da avaliação de desempenho docente Intervenientes O avaliado Os avaliadores O relator O coordenador do departamento curricular O diretor A Comissão de Coordenação de Avaliação de Desempenho O júri de avaliação Documentos que integram o processo de avaliação de desempenho Fichas de avaliação global Pontuação total Padrões de desempenho Instrumentos de registo Relatório de autoavaliação O processo de avaliação de desempenho docente Etapas do processo de avaliação Planificação do processo de avaliação Acompanhamento: observação e registo Atribuição de uma classificação Ser professor avaliador e avaliado As preocupações do avaliador A ação do avaliador Definição de objetivos individuais Cuidados a ter na formulação de objetivos Observação de aulas... 51

4 6.5 Relatório de autoavaliação Considerações sobre a elaboração do relatório de autoavaliação A entrevista Papel do avaliador Papel do avaliado Sistema de classificação Efeitos da avaliação Regimes especiais de avaliação de desempenho Docentes em período probatório Avaliação dos docentes em regime de contrato Avaliação dos técnicos especializados Avaliação do coordenador do departamento curricular Avaliação de relatores Avaliação de docentes em regime de mobilidade Avaliação de docentes em outras situações Fixação de percentagens máximas Reflexão/autoavaliação: um binómio eficiente para a construção de um projeto de escola Da avaliação da escola ao Projeto Educativo e Projeto Curricular A avaliação de desempenho docente facilitadora da gestão curricular centrada na escola Avaliação de escola em articulação com a avaliação de desempenho O desafio: A reflexão/avaliação como garantia da mudança e eficácia da escola?.. 84 PARTE II Componente Prática Propostas para o avaliado Propostas para os avaliadores Propostas para a Comissão de Coordenação de Avaliação de Desempenho Propostas para os órgãos de gestão Outros anexos Bibliografia e legislação... 93

5 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 Estrutura do Guia... 7 Figura 2 Intervenientes no processo de avaliação de desempenho docente Figura 3 Potencialidades do processo de avaliação de desempenho docente Figura 4 Referentes externos e internos da avaliação de desempenho docente Figura 5 Dimensões da avaliação de desempenho docente Figura 6 Articulação das dimensões da avaliação de desempenho docente com os domínios de avaliação de acordo com as fichas de avaliação global (Despacho n. o 14420) Figura 7 Direitos e deveres do avaliado Figura 8 Atribuições do relator Figura 9 Domínios e indicadores da ADD Figura 10 Comportamentos do relator Figura 11 Competências do coordenador Figura 12 Comportamentos do coordenador Figura 13 Competências e tarefas da Comissão de Coordenação de Avaliação de Desempenho 30 Figura 14 Proposta de estrutura das diretivas da Comissão de Coordenação de Avaliação de Desempenho Figura 15 Proposta de estrutura do Regimento da Comissão de Coordenação de Avaliação de Desempenho Figura 16 Proposta de estrutura do Regimento do Júri de Avaliação Figura 17 Síntese da ficha de avaliação global Figura 18 Quadro D da ficha de avaliação global Figura 19 Exemplo de níveis e respetivos descritores Figura 20 Critérios para a conceção de instrumentos de registo Figura 21 Metodologias e instrumentos de registo Figura 22 Intervenientes no Momento 1 da planificação do processo de avaliação Figura 23 Intervenientes no Momento 2 da planificação do processo de avaliação Figura 24 Intervenientes na etapa de acompanhamento: observação e registo Figura 25 Intervenientes na etapa de atribuição da classificação Figura 26 Cronograma de ADD Figura 27 Papéis do avaliador e avaliado Figura 28 Preocupações do avaliador/ambiente de trabalho Figura 29 Oito passos fundamentais da ação do avaliador Figura 30 Funções do avaliador Figura 31 Avaliador, avaliados e funções Figura 32 Processo de observação de aulas... 53

6 Figura 33 Processo de reflexão crítica Figura 34 Relatório de autoavaliação Figura 35 Regras a considerar na condução da entrevista Figura 36 Regras a considerar na preparação da entrevista por parte do avaliado Figura 37 Sistema de classificação Figura 38 Ausências equiparadas a prestação efetiva de serviço Figura 39 Efeitos da avaliação Figura 40 Sistematização da legislação sobre os regimes especiais de avaliação de desempenho docente Figura 41 Professor acompanhante do professor em regime probatório Figura 42 Plano Individual de Trabalho Figura 43 Avaliação dos docentes em regime de contrato Figura 44 Avaliação de desempenho do coordenador do Conselho de Docentes ou do departamento curricular Figura 45 Avaliação de desempenho dos relatores Figura 46 Avaliação de desempenho dos docentes em regime de mobilidade Figura 47 Avaliação de desempenho dos docentes em outras situações Figura 48 Processos inerentes ao ato de autoavaliação Figura 49 Esquema conceptual de um Projeto Educativo Figura 50 Etapas do processo de construção de Projetos Educativos Figura 51 Estrutura do Projeto Educativo Figura 52 Projeto Educativo/Projeto Curricular Figura 53 Conceito e gestão do currículo Figura 54 Dimensão, domínio e conceito do currículo Figura 55 Características das escolas eficazes Figura 56 Indicadores de eficácia das escolas Figura 57 Domínios de avaliação da IGE Figura 58 A ADD enquanto garante da qualidade e da gestão curricular Figura 59 Articulação da avaliação de desempenho e a avaliação interna e externa da escola Figura 60 A avaliação como instrumento da gestão e da formação Figura 61 Fatores e estratégias de implementação da mudança Figura 62 Instrumentos de registo propostos para o avaliado Figura 63 Instrumentos de registo para os relatores Figura 64 Proposta de documentos para a CCAD Figura 65 Proposta de documentos para o júri de avaliação Figura 66 Outros anexos... 91

7 INTERVENIENTES Intervenientes São intervenientes 22 na avaliação de desempenho: O avaliado Os avaliadores: o relator o coordenador de departamento o diretor A Comissão de Coordenação de Avaliação de Desempenho O júri 4.1 O avaliado São avaliados todos os professores em exercício efetivo de funções docentes, incluindo os que se encontram em período probatório, devendo este primeiro ciclo avaliativo estar concluído até 31 de dezembro de O Decreto-Regulamentar n. o 2/2010, de 23 de junho, aponta os seguintes direitos e deveres do avaliado 23 : Direitos Ser avaliado, no seu desempenho, devendo este processo contribuir para o desenvolvimento profissional do docente. Conhecer todos os elementos que compõem o procedimento de avaliação do desempenho. Reclamar e interpor recurso. Deveres Proceder à respetiva autoavaliação como garantia do envolvimento ativo e responsabilização no processo avaliativo. Contribuir para a consecução dos objetivos definidos; Corresponsabilizar-se pelo processo avaliativo. Melhorar o seu desempenho em função da informação recolhida durante o processo de avaliação. Figura 7 Direitos e deveres do avaliado Desta forma, deve ser dado: a) A garantia ao avaliado de estarem reunidas todas as condições para o desenvolvimento do seu desempenho, ainda nos termos do Estatuto da Carreira Docente 24 ; b) O conhecimento do cronograma, diretivas, instrumentos de avaliação e de registo. 22 Decreto-Regulamentar n. o 2/2010, de 23 de junho, secção II. 23 Decreto-Regulamentar n. o 2/2010, de 23 de junho, artigo 11. o. 24 DL n. o 270/2009, de 30 de setembro, artigo 49. o.

8 22 NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Salvaguarda-se, ainda, que o avaliado participa em todas as fases do processo de avaliação de desempenho, devendo nomeadamente: 1. Decidir quanto a: a) Fixação de objetivos individuais 25 ; b) Solicitação de observação de aulas 26 ; c) Requerimento de entrevista para apreciação da avaliação final em conjunto com o relator Colaborar ativamente: a) Em todas as fases do ciclo de supervisão, em articulação com o respetivo relator 28 ; b) Na construção do relatório de autoavaliação, de acordo com os parâmetros definidos (Ver pág. 53) Os avaliadores O relator O relator é designado 30 pelo coordenador do departamento curricular a que pertença o docente avaliado, de entre os docentes que estejam posicionados no 4. o escalão 31. O processo de designação deve obedecer aos seguintes critérios 32 : a) Pertencer ao mesmo grupo de recrutamento do avaliado e ter posicionamento na carreira e grau académico iguais ou superiores ao deste, sempre que possível. b) Ser, preferencialmente, detentor de formação especializada em avaliação de desempenho. Sem prejuízo destes critérios, considera-se, de igual modo, pertinente atender ao perfil do relator, uma vez que este tem atribuições de supervisão pedagógica. Com efeito, o relator faz parte do júri de avaliação, em conjunto com os quatro membros da Comissão Coordenação de Avaliação de Desempenho, sendo o membro 25 Decreto-Regulamentar n. o 2/2010, de 23 de junho, artigo 8. o. 26 Idem, artigo 9. o. 27 Idem, artigo 19. o. 28 Idem, artigo 14. o. 29 Idem, artigo 17. o, pontos 2 a 5 e Despacho n. o 14420/2010, de 15 de setembro, Anexo II, pontos de 1 a Decreto-Regulamentar n. o 2/2010, de 23 de junho, artigo 13. o, ponto Decreto-Lei n. o 75/2010, de 23 de junho, artigo 35. o, ponto 4. Em casos excecionais devidamente fundamentados, os docentes posicionados no 3. o escalão podem exercer as funções referidas no número anterior desde que detentores de formação especializada (ponto 5). 32 Decreto-Regulamentar n. o 2/2010, de 23 de junho, artigo 13. o, ponto 3.

9 INTERVENIENTES 23 do júri responsável pelo acompanhamento do processo de desenvolvimento profissional do avaliado. Neste âmbito, pressupõe-se que o relator deve manter uma interação permanente com o avaliado, no sentido de potenciar a dimensão formativa da avaliação do desempenho. 33 O relator tem como atribuições as seguintes: Atribuições do relator a) Prestar ao avaliado o apoio que se mostre necessário ao longo do processo de avaliação, nomeadamente no que se refere à identificação das suas necessidades de formação. Anexos CD GUIA_DOCENTE RELATOR 05 b) Proceder à observação de aulas, sempre que a elas haja lugar, efetuar o respetivo registo e partilhar com o avaliado, numa perspetiva formativa, a sua apreciação sobre as aulas observadas (Ver ciclo de supervisão). c) Apreciar o relatório de autoavaliação e assegurar a realização de uma entrevista individual ao avaliado, quando este a requeira d) Apresentar ao júri de avaliação uma ficha de avaliação global, que inclui uma proposta de classificação final. GUIA_RELATOR OBSERVACAO 01 / 02 / 03 GUIA_RELATOR RELATORIO GUIA_RELATOR ENTREVISTA GUIA_DP_14420_10 e) Submeter ao júri de avaliação, apreciando proposta do avaliado, a aprovação autónoma de um programa de formação, sempre que proponha a classificação de Regular ou Insuficiente, cujo cumprimento é ponderado no ciclo de avaliação seguinte. GUIA_RELATOR JURI Figura 8 Atribuições do relator De acordo com o artigo 45. o do Decreto-Lei n. o 75/2010, de 23 de junho, o processo de acompanhamento do relator ao avaliado é longitudinal, visando a recolha de elementos relevantes de natureza informativa, designadamente decorrentes de autoavaliação e observação de aulas. Paralelamente e no sentido de propor uma classificação final, o relator deve aferir o desempenho do avaliado de acordo com os seguintes domínios e respetivos indicadores: Domínios de avaliação Compromisso com a construção do conhecimento profissional Indicadores Reconhecimento de que o saber próprio da profissão se sustenta em investigação atualizada. Reflexão crítica sobre as suas práticas profissionais. Atitude informada e participativa face às politicas educativas. Responsabilização pelo seu desenvolvimento profissional. 33 Idem, artigo 14. o, ponto 1. (cont.)

10 24 NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (continuação) Compromisso com a promoção das aprendizagens e do desenvolvimento cívico dos alunos Compromisso com o grupo de pares e com a escola Preparação e organização das atividades letivas Realização das atividades letivas Relação pedagógica com os alunos Processo de avaliação das aprendizagens dos alunos Reconhecimento da responsabilidade profissional na promoção e sucesso das aprendizagens. Reconhecimento do dever de promoção do desenvolvimento integral de cada aluno. Responsabilidade na promoção de ambientes de trabalho seguros, exigentes e estimulantes. Responsabilidade na valorização dos diferentes saberes e culturas dos alunos. Reconhecimento da relevância do trabalho colaborativo na sua prática profissional. Responsabilização pelo desenvolvimento dos projetos da escola. Reconhecimento da importância da dimensão comunitária na ação educativa. Conhecimento científico, pedagógico e didático inerente à disciplina/área disciplinar. Planificação do ensino de acordo com as finalidades e as aprendizagens previstas no currículo e rentabilização dos meios e recursos disponíveis. Integração da planificação no quadro dos vários níveis e âmbitos da decisão curricular, tendo em conta a articulação vertical e horizontal, em conjunto com os pares. Conceção e planificação de estratégias adequadas aos diferentes alunos e contextos. Coerência e articulação das ações planeadas e sua adequação à diversidade dos alunos, tendo em conta as suas características, necessidades e contextos. Organização e gestão das estratégias de ensino face à diversidade dos alunos e aos meios e recursos disponíveis. Promoção do desenvolvimento cognitivo e da criatividade dos alunos e incorporação dos seus contributos. Comunicação com rigor e sentido do interlocutor. Promoção e gestão de processos de interação entre os alunos. Gestão eficaz dos processos de comunicação e das interações em sala de aula. Planificação integrada e coerente dos vários tipos de avaliação. Desenvolvimento de atividades de avaliação das aprendizagens para efeitos de diagnóstico, regulação do processo de ensino e avaliação e certificação de resultados. Promoção de processos de autorregulação nos alunos que lhes permitam apreciar e melhorar os seus desempenhos. Aplicação de instrumentos adequados à monitorização da sua atividade. Utilização de evidências na análise crítica do seu processo de ensino e formulação de hipóteses explicativas dos resultados. Reorientação da planificação e do desenvolvimento do ensino de acordo com a apreciação realizada. (cont.)

11 INTERVENIENTES 25 (continuação) O contributo do docente para a realização dos objetivos e metas do PE educativo e do PAA A participação nas estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica e nos órgãos de administração e gestão A dinamização de projetos de investigação, desenvolvimento e inovação educativa e sua correspondente avaliação. A formação realizada pelo avaliado Participação na conceção de dispositivos de avaliação da escola. Participação em projetos de investigação e de inovação no quadro do projeto de escola. Participação em projetos de trabalho colaborativo na escola. Apresentação de propostas que contribuam para a melhoria do desempenho da escola. Contribuição para a eficácia das estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica, dos órgãos de administração e gestão e de outras estruturas em que participe. Envolvimento em projetos e atividades da escola que visam o desenvolvimento da comunidade. Envolvimento em ações que visam a participação de pais e encarregados de educação e/ou outras entidades da comunidade no desenvolvimento da escola. Envolvimento em projetos ou atividades de âmbito nacional ou internacional que sejam relevantes para a escola e/ou comunidade. Desenvolvimento de estratégias de aquisição e de atualização de conhecimento profissional (científico, pedagógico e didático). Análise crítica da sua ação, resultando em conhecimento profissional que mobiliza para a melhoria das suas práticas. Desenvolvimento de conhecimento profissional a partir do trabalho colaborativo com pares e nos órgãos da escola. Mobilização do conhecimento adquirido no desenvolvimento organizacional da escola. Aplicação do conhecimento adquirido na melhoria do trabalho colaborativo. Figura 9 Domínios e indicadores da ADD Para o exercício de cargo de relator, os docentes designados beneficiam da redução de um tempo por cada três docentes em avaliação 34. Paralelamente, os docentes dos dois últimos escalões da carreira, desde que detentores de formação especializada, podem candidatar -se, com possibilidade de renúncia a produzir efeitos no termo de cada ano escolar, a uma especialização funcional para o exercício exclusivo ou predominante das funções de supervisão pedagógica, gestão da 34 Decreto-Regulamentar n. o 2/2010, de 23 de junho, artigo 14. o, ponto 3.

12 26 NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE formação, desenvolvimento curricular, avaliação do desempenho e administração escolar, em termos a definir por portaria do membro do Governo responsável pela área da educação O coordenador do departamento curricular O coordenador de departamento coordena, supervisiona e avalia 36 o trabalho desenvolvido pelos relatores do seu departamento. Por sua vez, os relatores são avaliados em todos os domínios previstos no art. 45. o do ECD, com exceção da qualidade científica do trabalho a que se refere o n. o 2, ou seja, o coordenador é avaliado na Vertente profissional, social e ética, dimensão transversal a todas as outras; Desenvolvimento do ensino e da aprendizagem; Participação na vida da escola e relação com a comunidade; Desenvolvimento profissional ao longo da vida, bem como no exercício da sua atividade de avaliador dos relatores. Para além disso, sempre que se trate da avaliação de docente com um posicionamento mais elevado na carreira, o relator é o próprio coordenador do respetivo departamento, desde que pertença ao mesmo grupo de recrutamento. Enquanto avaliador, o coordenador deverá garantir que os relatores, para além de assumirem as funções enunciadas na figura 8, evidenciam os comportamentos a seguir apresentados: Comportamentos esperados no relator Aceita e respeita o avaliado como pessoa. Oferece apoio emocional quando necessário. Fomenta o trabalho cooperativo entre os relatores. Ajuda a planificar adequadamente sem impor ideias. Contribui para que o processo ensino aprendizagem seja bem sucedido. Ajuda a refletir sobre recursos disponíveis a utilizar. Dá sugestões para a preparação de materiais. Promove a reflexão antes da observação de aulas. Observa as aulas, mas não se intromete. Dá um feedback objetivo sobre as aulas observadas. Ajuda a refletir sobre o desempenho do docente numa perspetiva construtiva. Ajuda a desenvolver competências profissionais. Aconselha quando necessário. Faz elogios merecidos e críticas construtivas. Incentiva a elaboração de Planos de Melhoria. Figura 10 Comportamentos do relator 35 DL n. o 75/2010, de 23 de junho, artigo 35. o, ponto Decreto-Regulamentar n. o 2/2010, de 23 de junho, artigo 29. o.

13 INTERVENIENTES O diretor De acordo com os normativos, o diretor avalia: a) os coordenadores de departamento 37 ; b) o subdiretor e os adjuntos 38. No que respeita a avaliação dos coordenadores de departamento, o diretor pondera todos os domínios previstos no art.45. o do ECD, com exceção da qualidade científica do trabalho a que se refere o n. o 2 39, ou seja, o coordenador é avaliado na Vertente profissional, social e ética, dimensão transversal a todas as outras; Desenvolvimento do ensino e da aprendizagem; Participação na vida da escola e relação com a comunidade; Desenvolvimento profissional ao longo da vida, dos relatores bem como no exercício da sua atividade de coordenação e avaliador dos relatores. Assim, na avaliação da atividade do coordenador, no âmbito da coordenação e avaliação, o diretor deve ter em consideração: a) As competências, que são relevantes para o exercício da sua atividade (figura 11). b) As funções inerentes à sua atividade. c) Comportamentos facilitadores do trabalho cooperativo (figura 12). Competências do coordenador a) Representar o respetivo departamento no Conselho Pedagógico. b) Convocar e presidir às reuniões do respetivo departamento, após cada Conselho Pedagógico. c) Promover a troca de experiências e a cooperação entre todos os docentes que integram o departamento curricular. d) Assegurar a coordenação das orientações curriculares e dos programas de estudo, promovendo a adequação dos seus objetivos e conteúdos à situação concreta do agrupamento de escolas. e) Promover a articulação com outras estruturas ou serviços do Agrupamento de Escolas, com vista ao desenvolvimento de estratégias de diferenciação pedagógica. f) Propor ao Conselho Pedagógico o desenvolvimento de componentes curriculares locais e a adoção de medidas destinadas a melhorar as aprendizagens dos alunos. g) Promover a realização de atividades de investigação, reflexão e estudo, visando a melhoria da qualidade das práticas educativas. (cont.) 37 Idem, artigo 28. o. 38 Idem, artigo 31. o, ponto Os domínios referidos no n. o 2 do artigo 45. o do DL n. o 75/2010, de 23 de junho, são os seguintes: a) preparação e organização das atividades letivas; b) realização das atividades letivas; c) relação pedagógica com os alunos; d) processo de avaliação das aprendizagens dos alunos.

14 28 NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (continuação) h) Apresentar ao diretor um relatório crítico anual do trabalho desenvolvido em articulação com os subcoordenadores dos grupos disciplinares/conselhos de docentes que integram o departamento. i) Promover medidas de planificação e de avaliação das atividades do departamento no âmbito do Plano Anual de Atividades; j) Organizar e conservar o dossier de departamento, facultando a sua consulta aos docentes. k) Cooperar na elaboração, desenvolvimento e avaliação dos instrumentos de autonomia do agrupamento de escolas. l) Avaliar os professores relatores. m)estimular a cooperação com outras escolas da região, no que se refere à partilha de recursos e à dinamização de projetos de inovação pedagógica. n) Promover a articulação entre a formação inicial e a formação contínua dos professores do departamento e apoiar os professores menos experientes. o) Colaborar com as estruturas de formação contínua na identificação das necessidades de formação dos professores do departamento. p) Dinamizar a discussão pedagógica, no seu departamento, e propor ao Conselho Pedagógico a apreciação do que for considerado importante para a promoção da melhoria da qualidade pedagógica do trabalho desenvolvido no Agrupamento. q) Articular com os subcoordenadores dos grupos disciplinares/conselhos de docentes e os diferentes docentes as atividades de desenvolvimento e enriquecimento curricular a desenvolver pelo respetivo departamento. Figura 11 Competências do coordenador Comportamentos esperados no coordenador Aceita o relator e todos os elementos do departamento como pessoa. Oferece apoio emocional quando necessário. Fomenta o trabalho cooperativo entre os relatores. Ajuda a planificar adequadamente sem impor ideias. Contribui para que o processo ensino aprendizagem seja bem sucedido. Ajuda a refletir sobre os recursos disponíveis a utilizar. Dá sugestões para a preparação de materiais. Observa as aulas, mas não se intromete. Dá um feedback positivo sobre as aulas observadas. Ajuda a refletir sobre a função de relator numa perspetiva construtiva. Ajuda a desenvolver competências profissionais. Aconselha quando necessário. Faz elogios merecidos e críticas construtivas. Incentiva a elaboração de Planos de Melhoria. Figura 12 Comportamentos do coordenador

15 INTERVENIENTES A Comissão de Coordenação de Avaliação de Desempenho De acordo com o artigo 11. o do Decreto-Regulamentar n. o 2/2010, de 23 de junho, o processo de avaliação de desempenho em cada agrupamento de escolas ou escola não agrupada é coordenado e diretamente acompanhado por uma comissão de coordenação constituída no âmbito do conselho pedagógico. A Comissão de Coordenação de Avaliação de Desempenho (CCAD) é composta por: Presidente do conselho pedagógico do agrupamento de escolas ou escola não agrupada, que preside; Três outros docentes do conselho pedagógico, eleitos de entre os respetivos membros, devendo estes assegurar a representação dos diversos níveis de ensino existentes no agrupamento ou escola não agrupada. A figura seguinte sistematiza as tarefas a realizar pela Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho, tendo em conta as suas competências. Competências Assegurar a aplicação objetiva e coerente do sistema de avaliação do desempenho 40 Elaborar a proposta dos instrumentos de registo e apresentá-los ao Conselho Pedagógico para aprovação 41 Tarefas Estabelecer diretivas para a uma aplicação objetiva e harmónica do sistema de avaliação de desempenho, tomando em consideração o Projeto Educativo e os planos anual e plurianual de atividades, bem como as especificidades do agrupamento de escolas ou da escola não agrupada, e tendo em conta as orientações do conselho científico para a avaliação de professores. Criar os instrumentos de registo que permitam recolher toda a informação que for considerada relevante para efeitos da avaliação do desempenho, tendo em conta os padrões de desempenho e as orientações do Conselho Científico para a Avaliação de Professores 42. Assegurar o respeito pela aplicação das percentagens máximas para a atribuição das menções de Excelente e Muito Bom Transmitir a todos os relatores as orientações adequadas a fim de garantir que as propostas de avaliação final respeitem as referidas percentagens 43. (cont.) 40 Decreto-Regulamentar 2/2010, de 23 de junho, artigo 12. o, ponto 3, alínea a). 41 Idem, artigo 12. o, ponto 3, alínea b). 42 Idem, artigo 10. o. 43 Idem, artigo 12. o, ponto 4.

16 30 NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (continuação) Dar parecer sobre o cronograma de ADD 44. Dar diretivas sobre o relatório de auto avaliação Aprovar o regimento da comissão de coordenação da avaliação do desempenho Definir se o relatório de autoavaliação se materializa em suporte de papel ou digital. Elaborar e aprovar o regimento da Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho Docente. Figura 13 Competências e tarefas da Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho De seguida, apresentam-se duas propostas de estruturação dos seguintes documentos da responsabilidade da Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho 45 : Referencial interno para a Avaliação de Desempenho, onde se estabelecem as diretivas a aplicar em cada escola (Anexo GUIA_CCAD_REGIMENTO); Regimento de funcionamento da Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho (Anexo GUIA_CCAD_DIRETIVAS). Para assegurar que a avaliação é um processo transparente, fundamentado, rigoroso e partilhado por todos os atores, a Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho deve construir um referencial, não só sobre as intenções da avaliação, mas também sobre as formas de organização dessa avaliação. No processo de construção de um referencial deve ter-se em conta os seguintes aspetos (Alves, 2001): Identificar os referentes; Apresentar as dimensões de avaliação: abrir categorias de questionamento que desembocarão na formulação dos critérios utilizados para a avaliação; Delimitar o contexto; Justificar e nomear os critérios que presidirão à avaliação. No que diz respeito às diretivas da Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho Docente, esta deve elaborar um referencial que tenha em conta não só o quadro de referência externo, mas também o interno, para além de todas as diretivas que forem consideradas importantes para aplicação objetiva e harmónica do sistema de 44 Decreto-Regulamentar n. o 2/2010, de 23 de junho, artigo 13. o, Despacho n. o 14420/2010, de 15 de Setembro, anexo I, ponto A versão integral de cada destas propostas está disponível na Componente Prática (CD-ROM), podendo ser adaptadas a cada contexto.

17 INTERVENIENTES 31 avaliação de desempenho, assegurando a sua articulação com os objetivos fixados e os resultados a atingir pelo agrupamento de escolas ou escola não agrupada, no âmbito do respetivo Projeto Educativo ou Plano Anual de Atividades. Nesta medida, propõe-se a seguinte estrutura para o referencial de avaliação de desempenho a construir pela CCAD: Partes Parte 1 Quadro de referência externo Parte 2 Quadro de referência interno Parte 3 Diretivas Anexos Itens a incluir Objetivos Dimensões Domínios Padrões de desempenho Intervenientes Fases da avaliação de desempenho e cronograma Objetivos e metas fixados no Projeto Educativo e no plano anual de atividades para o agrupamento de escolas Objetivos individuais (facultativo) Observação de aulas Critérios de diferenciação Relatório de autoavaliação Instrumentos de registo Figura 14 Proposta de estrutura das diretivas da Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho Relativamente ao regimento da Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho Docente, sugere-se, pelo menos, a inclusão de cinco capítulos, tantos quantas as partes que são consideradas fundamentais num documento deste tipo. Capítulos Artigos Nota Preambular CAPÍTULO I Disposições gerais CAPÍTULO II Competências CAPÍTULO III Reuniões Âmbito do Regimento Objeto Definição e fins Composição da Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho Mandato dos membros da Comissão Competências da Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho Funções do Presidente da Comissão Funções de Secretário da Comissão Reuniões Convocação das reuniões Quórum das reuniões Atas das reuniões Figura 15 Proposta de estrutura do Regimento da Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho

18 32 NOVO GUIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Tal como já foi referido anteriormente, todos estes documentos não são vinculativos, devendo servir apenas como ponto de partida para uma reflexão partilhada sobre a importância que assumem, devendo a sua elaboração ter sempre em conta a especificidade de cada contexto. 4.4 O júri de avaliação O júri de avaliação é composto pelos membros da Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho e por um relator, designado pelo coordenador do departamento curricular a que pertença o docente avaliado 46. São atribuições do júri: Proceder à atribuição fundamentada da classificação final a cada avaliado. Emitir recomendações destinadas à melhoria da prática pedagógica e à qualificação do desempenho profissional dos avaliados sob proposta do relator. Aprovar o programa de formação para os docentes aos quais seja atribuída a menção de Regular ou Insuficiente. Apreciar e decidir as reclamações. À semelhança do que foi proposto para a CCAD, sugere-se de seguida a construção de um regimento para o júri de avaliação, com uma estrutura semelhante (GUIA_JURI REGIMENTO): Capítulos Artigos Nota Preambular CAPÍTULO I Disposições gerais CAPÍTULO II Competências CAPÍTULO III Atribuição da Avaliação Final CAPÍTULO IV Disposições finais Âmbito do Regimento Objeto Definição e fins Composição do júri Competências do júri Apreciação da proposta de Avaliação Final efetuada pelo relator Procedimentos Reclamação Recurso hierárquico Dúvidas e omissões Alterações ao Regimento Entrada em vigor e publicitação Figura 16 Proposta de estrutura do regimento do júri de avaliação 46 Decreto-Regulamentar n. o 2/2010, de 10 de janeiro, artigo 13. o, ponto 1.

19

20 Ana Cláudia Cohen Coelho Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, variante Inglês / Alemão. Mestre em Ciências da Educação e doutoranda do curso de Doutoramento em Ciências da Educação da Universidade Nova de Lisboa. Professora do Quadro de Nomeação Definitiva do Agrupamento de Escolas de Alcanena. Autora de manuais escolares. Formadora no âmbito da Avaliação de Desempenho Docente. Maria Luísa Lopes de Oliveira Licenciada em Geografia e Planeamento Regional. Mestre em Ciências da Educação - Investigação e Intervenção Educativa. Curso de especialização em Administração Escolar. Secretária da Assembleia Geral da Associação de Professores de Geografia. Professora do Quadro de Nomeação Definitiva do Agrupamento de Escolas Gualdim Pais, em Tomar. Directora do Agrupamento de Escolas Gualdim Pais, em Tomar. EDUCAÇÃO HOJE Esta coleção pretende abordar temas atuais ligados à área da Educação, sempre com a consciência de que a participação, a reflexão e a partilha de informação constituem as chaves para a evolução do processo educativo. Fornece a professores e a outros agentes de Educação informação sistematizada e rigorosa, contribuindo desta forma para melhorar as práticas de todos e potenciar o desenvolvimento do sistema educativo. ISBN

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ROSA RAMALHO, BARCELINHOS BARCELOS - Cód. 150940 Tel. 253 831090 / 253 831971 Fax 253 821115 Rua Professor Celestino Costa 4755-058 Barcelinhos SECÇÃO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

Leia mais

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO ti,. GOVERNO DE r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO PORTUGAL ECI~NCIA Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares do Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CRUZ DA TRAPA 330309 CONTRIBUINTE N.o600080102 AV. SÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE (ADD) ECD DECRETO-LEI Nº 41/2012, de 21 de fevereiro DECRETO REGULAMENTAR Nº 26/2012, de 21 fevereiro

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE (ADD) ECD DECRETO-LEI Nº 41/2012, de 21 de fevereiro DECRETO REGULAMENTAR Nº 26/2012, de 21 fevereiro AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE (ADD) ECD DECRETO-LEI Nº 41/2012, de 21 de fevereiro DECRETO REGULAMENTAR Nº 26/2012, de 21 fevereiro OBJETIVOS (artigo 3º) Melhoria da qualidade do serviço educativo e

Leia mais

Procedimento de. Avaliação de desempenho docente

Procedimento de. Avaliação de desempenho docente Procedimento de Avaliação de desempenho docente Índice Introdução... 2 1. Periodicidade e requisito temporal... 2 2. Legislação de referência... 3 3. Natureza da avaliação... 3 4. Elementos de Referência

Leia mais

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 2012 2013 Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 1. ÂMBITO Dando cumprimento ao disposto no decreto regulamentar nº 26/2012, de 21 de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Decreto-Lei n.º xx/2012

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Decreto-Lei n.º xx/2012 Alteração ao Regime de Autonomia, Administração e Gestão dos Estabelecimentos Públicos da Educação Pré -escolar e dos Ensinos Básico e Secundário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Decreto-Lei n.º xx/2012

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

DIRECTIVAS DA COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (CCAD) Ano lectivo 2010/2011

DIRECTIVAS DA COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (CCAD) Ano lectivo 2010/2011 DIRECTIVAS DA COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (CCAD) Ano lectivo 2010/2011 A Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho, no cumprimento do estipulado no Decreto Lei n.º

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º /2015. Aprova o sistema de avaliação de desempenho na Assembleia da República

RESOLUÇÃO N.º /2015. Aprova o sistema de avaliação de desempenho na Assembleia da República RESOLUÇÃO N.º /2015 Aprova o sistema de avaliação de desempenho na Assembleia da República A Assembleia da República resolve, nos termos do n.º 5 do artigo 166. da Constituição, de acordo com as alíneas

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Regulamento de Funcionamento

Regulamento de Funcionamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. PEDRO DO SUL Avaliação de Desempenho Pessoal não Docente Regulamento de Funcionamento Regulamento da Avaliação de Desempenho do Pessoal não Docente do Agrupamento de Escolas

Leia mais

GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009

GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009 GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009 A avaliação é essencial em qualquer organização para garantir a qualidade do serviço prestado e a melhoria das práticas profissionais.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES Nota prévia: Os esclarecimentos ora colocadas no portal da Direcção Regional dos Recursos Humanos e da Administração Educativa resultam sobretudo das questões formuladas e remetidas,

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Ministério d. Decreto-lei n.º

Ministério d. Decreto-lei n.º A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes, através de um investimento na formação contínua,

Leia mais

Ficha de candidatura para os representantes docentes do Conselho Municipal de Educação - download aqui ( 98.62KB)

Ficha de candidatura para os representantes docentes do Conselho Municipal de Educação - download aqui ( 98.62KB) Ficha de candidatura para os representantes docentes do Conselho Municipal de Educação - download aqui ( 98.62KB) Candidaturas ao Conselho Municipal de Educação - download aqui ( 864KB) Resultados das

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

CAPITULO I OBJECTIVOS DO REGULAMENTO

CAPITULO I OBJECTIVOS DO REGULAMENTO Preâmbulo: O SIADAP visa contribuir para a melhoria do desempenho e qualidade de serviço da Administração Pública, para a coerência e harmonia da acção dos serviços, dirigentes e demais trabalhadores e

Leia mais

Escola E. B. 2,3 Miguel Torga S. Brás. Regimento do Departamento de Ciências Sociais e Humanas 2014/2018

Escola E. B. 2,3 Miguel Torga S. Brás. Regimento do Departamento de Ciências Sociais e Humanas 2014/2018 Escola E. B. 2,3 Miguel Torga S. Brás Regimento do Departamento de Ciências Sociais e Humanas 2014/2018 O presente Regimento tem por referência o anexo I do Decreto Lei nº 200/2007 de 22 de Maio e o Regulamento

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente

REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente ÍNDICE Artigo 1.º Disposições iniciais e princípios gerais 3 Artigo 2.º Docentes avaliados 4 Artigo 3.º Momento em que ocorre a avaliação de desempenho

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES. Artigo 1º Âmbito de aplicação

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES. Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES Artigo 1º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se a todos os docentes da Faculdade de Teologia

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

REGIMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE REGIMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Artigo 1.º Disposições iniciais e princípios gerais 1. A avaliação do desempenho docente funciona nos termos do disposto no quadro de referência constituído

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE CLASSIFICAÇÃO

AVALIAÇÃO EXTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE CLASSIFICAÇÃO AVALIAÇÃO EXTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE CLASSIFICAÇÃO DIREÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR OBJETIVOS Enquadrar, em termos legislativos, a classificação da avaliação externa do desempenho docente; Explicitar

Leia mais

-------------------------------------------------- Questão 1. À luz do novo modelo de avaliação do desempenho docente, qual o momento

-------------------------------------------------- Questão 1. À luz do novo modelo de avaliação do desempenho docente, qual o momento Questões emergentes da análise da legislação relativa ao novo modelo de avaliação do desempenho docente decorrente da entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 41/2012, de 21 de fevereiro, e demais legislação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2012 / 2013 ÍNDICE Nº Pág. 1 Introdução 3 2 Constituição 3 3 Ações e Objetivos 4 4 Identificação das necessidades de formação dos docentes

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA TEIP3 REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO Novembro de 2013 DGE / EPIPSE Programa TEIP3 Página 1 de 5 A Direção-Geral de Educação, através da EPIPSE, após análise de conteúdo

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Índice Preâmbulo... 2 I - Órgãos de Administração e Gestão. 2 Secção I - Legislação aplicável. 2 Secção II - Conselho Geral. 2 Secção III - O Director. 4 Secção IV - Conselho Administrativo 5 Secção V

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de setembro, visou estabelecer um quadro de transferências de atribuições e competências da Administração

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação: PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA E DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Março 2012. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Março 2012. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Março 2012 Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Parâmetros da Avaliação 04 Níveis de Desempenho

Leia mais

Universidade Aberta. Licenciatura em Ciências Sociais, Minor em Serviço Social. Regulamento de Estágio

Universidade Aberta. Licenciatura em Ciências Sociais, Minor em Serviço Social. Regulamento de Estágio Universidade Aberta Licenciatura em Ciências Sociais, Minor em Serviço Social Regulamento de Estágio Preâmbulo O Ensino a Distância possibilita o acesso ao prosseguimento dos estudos em condições vantajosas

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO O presente regulamento decorre do Regulamento dos Segundos Ciclos de Estudos do Instituto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2229 Associação Geral de Caça, com o número de identificação fiscal 508590558 e sede na Alameda de D. Afonso Henriques, 72, 2.º, direito, 1000-125

Leia mais

Centro de Formação de Escolas Porto Ocidental. Sistema de Avaliação de Formandos. Pessoal Docente

Centro de Formação de Escolas Porto Ocidental. Sistema de Avaliação de Formandos. Pessoal Docente Centro de Formação de Escolas Porto Ocidental Sistema de Avaliação de Formandos Pessoal Docente Página 1 de 12 Introdução Este sistema de avaliação dos formandos docentes insere-se no âmbito da formação

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelo artigo 241.º, da Lei Constitucional, devem os municípios

Leia mais

c) FORMAÇÃO CONTÍNUA - realizada nos termos da alínea c) do n.º 2 do artigo 37.º do ECD, com uma ponderação final de 20%.

c) FORMAÇÃO CONTÍNUA - realizada nos termos da alínea c) do n.º 2 do artigo 37.º do ECD, com uma ponderação final de 20%. CONSELHO GERAL AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes - AVALIAÇÃO DO DIRETOR - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO De acordo com a Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto, compete

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

Agrupamento de Escolas Eugénio de Andrade. Regulamento Interno

Agrupamento de Escolas Eugénio de Andrade. Regulamento Interno Agrupamento de Escolas Eugénio de Andrade Regulamento Interno 2013/2017 Capítulo I Enquadramento geral... 5 1. Identificação do Agrupamento... 5 2. Criação... 5 3. Situação geográfica... 5 4. Enquadramento

Leia mais

Portaria n.º 242/2011. de 21 de Junho

Portaria n.º 242/2011. de 21 de Junho Portaria n.º 242/2011 de 21 de Junho O sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na Administração Pública (SIADAP), regulado pela Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, visa a adopção de um

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014 REGIMENTO DO CONSELHO GERAL fevereiro 2014 Agrupamento de Escolas Monte da Lua Regimento do Conselho Geral Capítulo I Enquadramento Legal Índice Artigo 1º Fundamento legal do Conselho Geral...... 2 Capítulo

Leia mais

ÍNDICE. SECCÃO I - Estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica (pág.15) SECCÃO II - Serviços Técnico-Pedagógicos (pág.

ÍNDICE. SECCÃO I - Estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica (pág.15) SECCÃO II - Serviços Técnico-Pedagógicos (pág. Regulamento Interno da Escola Secundária de Tomás Cabreira novembro 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO CAPÍTULO I OBJECTO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO SECCÃO I - Conselho Geral (pág.5) SECCÃO

Leia mais

Regulamento Interno Agrupamento de Escolas José Cardoso Pires

Regulamento Interno Agrupamento de Escolas José Cardoso Pires Regulamento Interno Agrupamento de Escolas José Cardoso Pires Amadora outubro de 2013 CAPÍTULOS I Definições e âmbito de aplicação II Estrutura organizacional III Estabelecimentos de ensino do Primeiro

Leia mais

Agrupamento de Centros de Saúde de ( )

Agrupamento de Centros de Saúde de ( ) A presente proposta de Regulamento visa apenas os ACeS, por ser considerado prioritário este contributo face às solicitações chegadas. Urge no sentido da garantia da Qualidade e Segurança dos Cuidados

Leia mais

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO AE de maximinos EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO 2012/2013 Equipa de Autoavaliação Alcina Pires Ana Paula Couto Antonieta Silva António Rocha Beatriz Gonçalves José Pedrosa Paula Mesquita

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

PARTE J3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. 48414 Diário da República, 2.ª série N.º 236 12 de Dezembro de 2011

PARTE J3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. 48414 Diário da República, 2.ª série N.º 236 12 de Dezembro de 2011 48414 Diário da República, 2.ª série N.º 236 12 de Dezembro de 2011 PARTE J3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público Acordo colectivo de trabalho n.º 12/2011 Acordo

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

ECD com as alterações do DL 75/2010

ECD com as alterações do DL 75/2010 ANEXO I Republicação do Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1 O Estatuto da Carreira

Leia mais

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública (Lei n.º 66-B/2007, de 28 de dezembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 66-B/2012, de 31 de dezembro) 1

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SAÚDE DO NORTE 1

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SAÚDE DO NORTE 1 REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SAÚDE DO NORTE 1 Artigo 1º Objeto e âmbito de aplicação 1. O presente regulamento define o processo para atribuição do

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS PREÂMBULO Os cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) e as formações modulares destinam-se a suprir os défices de qualificação da população,

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO. Comissão de Autoavaliação PLANO DE AÇÃO

2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO. Comissão de Autoavaliação PLANO DE AÇÃO 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO Comissão de Autoavaliação PLANO DE AÇÃO Vieira do Minho, fevereiro de 2014 SUMÁRIO 1. Introdução 1.1. Conceção de avaliação 1.2. Enquadramento legal 2.

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA 1 Preâmbulo Artigo 1.º - Objeto e âmbito Artigo 2.º Modelo de formação Artigo 3.º - Modelo de formação Artigo 4.º - Posicionamento nos percursos de educação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais

REGULAMENTO GERAL SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais REGULAMENTO GERAL DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Plano de Melhoria. Biénio 2013/2015

Plano de Melhoria. Biénio 2013/2015 Escola EB1 João de Deus CÓD. 242 937 Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende CÓD. 346 779 AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 Plano de Melhoria Biénio 2013/2015 Agrupamento de Escolas de Clara

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 1286 Diário da República, 1.ª série N.º 29 11 de fevereiro de 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 1286 Diário da República, 1.ª série N.º 29 11 de fevereiro de 2014 1286 Diário da República, 1.ª série N.º 29 11 de fevereiro de 2014 verificação da utilização agrícola, florestal ou silvopastoril do prédio e do cumprimento por parte do adquirente ou do arrendatário de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA

REGULAMENTO GERAL DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA A vermelho as alterações REGULAMENTO GERAL DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA Artigo 1.º Fins O presente regulamento define as linhas gerais a que deve obedecer

Leia mais

NCE/12/00766 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00766 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/12/00766 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/12/00766 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Registo da Avaliação de Desempenho Docente Professor contratado - 2011-2012

Registo da Avaliação de Desempenho Docente Professor contratado - 2011-2012 Registo da Avaliação de Desempenho Docente Professor contratado - 2011-2012 Nome do professor avaliado Departamento Grupo de Recrutamento NIF Nome do professor relator Departamento Grupo de Recrutamento

Leia mais

CAPÍTULO I. Objeto e âmbito

CAPÍTULO I. Objeto e âmbito O processo de revisão de carreiras especiais da saúde constitui uma necessidade no quadro mais amplo da reforma da Administração Pública, impondo-se que seja juridicamente enquadrado pelo disposto na Lei

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENERGIA E GEOLOGIA, I.P. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Definição e regime

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENERGIA E GEOLOGIA, I.P. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Definição e regime REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENERGIA E GEOLOGIA, I.P. CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e regime O Conselho Científico do Laboratório Nacional de Energia

Leia mais

Regulamento Interno Torres Vedras, 9 novembro de 2015

Regulamento Interno Torres Vedras, 9 novembro de 2015 Regulamento Interno Torres Vedras, 9 novembro de 2015 INDICE PREÂMBULO... 3 PARTE I - PRINCÍPIOS GERAIS... 3 PARTE II DIREÇÃO E GESTÃO... 6 Capítulo I - Estruturas de Direção e Gestão... 6 Capítulo II

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA REGULAMENTO INTERNO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA REGULAMENTO INTERNO 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I CAPÍTULO II DEFINIÇÃO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 04 ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO SECÇÃO 1 CONSELHO GERAL 06 SECÇÃO 2 DIREÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO TRIÉNIO 2014/2017 Artigo 1º Princípios Gerais 1. O Conselho Pedagógico é o órgão de coordenação e orientação educativa da unidade orgânica, nomeadamente nos domínios

Leia mais

Seleção de um(a) docente do GR 330 Inglês para lecionar. no Agrupamento de Escolas de Arganil. Ano letivo 2014/2015.

Seleção de um(a) docente do GR 330 Inglês para lecionar. no Agrupamento de Escolas de Arganil. Ano letivo 2014/2015. Seleção de um(a) docente do GR 330 Inglês para lecionar no Agrupamento de Escolas de Arganil Ano letivo 2014/2015 Aviso de abertura Nos termos do n.º 4 do artigo 39.º do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27

Leia mais