INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE Diretor-Presidente Maurício Melo de Meneses

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE Diretor-Presidente Maurício Melo de Meneses"

Transcrição

1

2 INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE Diretor-Presidente Maurício Melo de Meneses CENTRO PRESBITERIANO DE PÓS-GRADUAÇÃO ANDREW JUMPER Diretor Mauro Fernando Meister Fides reformata v. 1, n. 1 (1996) São Paulo: Editora Mackenzie, 1996 Semestral. ISSN Teologia 2. Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. CDD This periodical is indexed in the ATLA Religion Database, published by the American Theological Library Association, 250 S. Wacker Dr., 16 th Flr., Chicago, IL 60606, USA, Fides Reformata também está incluída nas seguintes bases indexadoras: CLASE ( Latindex (www. latindex.unam.mx), Francis ( Ulrich s International Periodicals Directory ( e Fuente Academica da EBSCO ( Editores Gerais Leandro Antonio de Lima Daniel Santos Júnior Editor de resenhas Filipe Costa Fontes Redator Alderi Souza de Matos Editoração Libro Comunicação Capa Rubens Lima

3

4 Conselho Editorial Augustus Nicodemus Lopes Davi Charles Gomes Heber Carlos de Campos Heber Carlos de Campos Júnior Jedeías de Almeida Duarte João Alves dos Santos João Paulo Thomaz de Aquino Mauro Fernando Meister Valdeci da Silva Santos A revista Fides Reformata é uma publicação semestral do Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. Os pontos de vista expressos nesta revista refletem os juízos pessoais dos autores, não representando necessariamente a posição do Conselho Editorial. Os direitos de publicação desta revista são do Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. Permite-se reprodução desde que citada a fonte e o autor. Pede-se permuta. We request exchange. On demande l échange. Wir erbitten Austausch. Se solicita canje. Si chiede lo scambio. Endereço para correspondência Revista Fides Reformata Rua Maria Borba, 40/44 Vila Buarque São Paulo SP Tel.: (11) Endereço para permuta Instituto Presbiteriano Mackenzie Rua da Consolação, 896 Prédio 2 Biblioteca Central São Paulo SP Tel.: (11)

5 Editorial É com grande alegria que apresentamos ao leitor o volume XX, n o 1, da revista Fides Reformata, que comemora a marca histórica de 20 anos de publicação impressa ininterrupta. Desde 1996, a revista trouxe ao cenário acadêmico e pastoral do leitor de fala portuguesa 257 artigos e 150 resenhas, acumulando um total de páginas de pesquisas. Esses materiais podem ser consultados fisicamente em várias bibliotecas ao redor do mundo ou eletronicamente no site oficial do Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper e em bancos de dados como ATLA Serials, Fuente Academica, etc. Uma busca simples nos tópicos e autores que contribuíram para essa conquista revelará que a revista buscou interagir com muitas questões teológicas, exegéticas, históricas, éticas, filosóficas e pastorais, proporcionando ao leitor uma amostra da perspectiva reformada que caracteriza nossa instituição. Este número que comemora os 20 anos contém inicialmente um texto do Prof. Alderi Matos com um breve relato sobre a história da revista, que coloca em perspectiva a relevância daquilo que celebramos com esta edição. O segundo artigo, escrito por Jonathan Hack, apresenta uma correlação entre a vida e a mensagem do profeta Jeremias, analisando de modo conciso seu chamado, seu estilo literário, sua reação à perseguição, suas confissões e as influências recebidas em sua formação. Segundo o autor, o artigo visa incentivar uma melhor compreensão do livro de Jeremias que, de modo geral, tem sido ignorado no mundo evangélico. O terceiro artigo, escrito por Elizabeth Gomes, relata a vida genial e a obra de Catarina de Siena, uma mulher piedosa que se tornou embaixatriz, conselheira e doutora da igreja, na tentativa de influenciar e reformar uma igreja corrupta e uma política venal e torpe de dentro para fora, influenciando papas, prelados, mulheres, frades e freiras, reis e vassalos da Europa medieval. Segundo a autora, Catarina foi a mulher que mais marcou sua época e sua história por amor do sangue de Cristo. O quarto artigo, escrito por Hermisten Costa, considera o aparente sucesso do ímpio em seus atos de blasfêmia, arrogância, soberba e imoralidade, o que, segundo o autor, provoca uma certa insegurança no salmista em relação a Deus e aos acontecimentos que presencia. O artigo analisa como a ótica da fé é fundamental para crer em Deus, e continuar crendo, apesar de nossa visão imediata e precipitada da situação que nos circunda. O quinto artigo, escrito por Alderi Matos, trata da compatibilidade dos conceitos de islã e tolerância. Segundo o autor, muitos observadores e estudiosos afirmam que as ações dos grupos radicais apresentam uma concepção distorcida do islã, que contradiz o verdadeiro espírito dessa religião. Assim, o artigo reexamina essa questão olhando para as fontes do islã, sua história e os acontecimentos atuais. Finalmente, o sexto artigo, escrito por Breno Macedo, cumprindo o compromisso

6 estratégico mais recente da revista de publicar um artigo em inglês a cada número, trata da teologia pactual no pensamento de João Calvino. O texto investiga algumas das principais obras do reformador na tentativa de organizar o seu pensamento no que diz respeito a essa doutrina, o que permite ao autor delinear qual seria a visão do líder de Genebra sobre cada uma das dispensações do pacto divino com o homem. Neste artigo inicial são analisados os pactos das obras, noaico e abraâmico. A seção de resenhas traz avaliações de obras relevantes para o contexto atual da igreja, entre elas Gênesis no Espaço-Tempo, de Francis Schaeffer, resenhada por Allen Porto; A Igreja Centrada, de Timothy Keller, resenhada por Gildásio Reis; A Igreja Missional na Bíblia, de Michael Goheen, resenhada por Breno Macedo; e Atlas da Bíblia, de Annemarie Ohler e Tom Menzel, resenhado por Dario Cardoso. Prosseguindo com o compromisso da revista de proporcionar e incentivar uma reflexão teológica reformada, entrego aos leitores o primeiro número do vigésimo ano de Fides Reformata, desejoso de que os artigos e resenhas despertem mais uma vez o interesse por uma pesquisa que visa contribuir para a edificação do povo de Deus servindo sua igreja ao redor do mundo. Boa leitura! Dr. Daniel Santos Editor Geral

7 Sumário Artigos Fides Reformata vinte anos de história Alderi Souza de Matos... 9 Jeremias: um panorama teológico Jonathan Luís Hack Catarina de Siena: uma contribuição feminina ao pensamento e à espiritualidade ocidental Elizabeth Gomes A enganosa prosperidade dos ímpios à luz do salmo 10: uma reflexão devocional Hermisten Maia Pereira da Costa Islã e tolerância: Discurso Apologético e Realidade Histórica Alderi Souza de Matos Covenant theology in the thought of John Calvin: from the covenant of works to the abrahamic covenant Breno Macedo Resenhas Gênesis no espaço-tempo (Francis Schaeffer) Allen Porto Igreja centrada (Timothy Keller) Gildásio Jesus Barbosa dos Reis A igreja missional na Bíblia (Michael W. Goheen) Breno Macedo Atlas da Bíblia (Annemarie Ohler e Tom Menzel) Dario de Araujo Cardoso

8

9 FIDES REFORMATA XX, Nº 1 (2015): 9-14 Fides Reformata Vinte Anos de História Alderi Souza de Matos * A revista Fides Reformata foi lançada nos primeiros anos de existência do Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper (CPAJ). Em junho de 1990, o Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil, ao aprovar o novo Regimento Interno da Junta de Educação Teológica, deu-lhe a atribuição de criar e fazer funcionar cursos de extensão, mestrado e doutorado teológicos e integrá-los a um dos seminários da IPB, quando julgar conveniente, sempre com a supervisão da JET. No ano seguinte, atendendo a suas novas atribuições regimentais, a JET decidiu criar dois cursos de mestrado, um em Teologia, sediado no Seminário Presbiteriano Rev. José Manoel da Conceição, em São Paulo, e outro em Educação Cristã, no Seminário Presbiteriano de Campinas. O Mestrado em Teologia teve o apoio oficial da Igreja Presbiteriana Evangélica (EPC), dos Estados Unidos, e recebeu o nome de Centro de Pós-Graduação Andrew Jumper em homenagem a um grande incentivador inicial, Rev. Dr. Andrew Albert Jumper ( ), pastor por muitos anos da Igreja Presbiteriana Central de St. Louis, Missouri. A inauguração ocorreu no dia 6 de março de 1992, sendo nomeado como primeiro coordenador do curso o Rev. João Alves dos Santos. Entre os estudantes dessa época pioneira estavam os Revs. Edilson Botelho Nogueira, Edival José Vieira, Fôlton Nogueira da Silva, Sebastião Machado Arruda e Tarcízio José de Freitas Carvalho, que fizeram parte da primeira turma de formandos do CPAJ. O Dr. Gerard Van Groningen, que nos anos 80 viera diversas vezes ao Brasil para colaborar na educação teológica, voltou a São Paulo em setembro de 1992 para ensinar disciplinas de sua área (Antigo Testamento). Em fevereiro de 1993, após concluir seu curso de doutorado em Teologia Sistemática em St. Louis, Estados Unidos, o Dr. Heber Carlos de Campos assumiu a coordenação do curso. Nesse período, também ministraram aulas * Doutor em Teologia (Th.D.) pela Boston University School of Theology (EUA); professor de Teologia Histórica no CPAJ; redator e revisor de Fides Reformata. 9

10 Alderi Souza de Matos, Fides Reformata Vinte Anos de História no CPAJ os Drs. Fred Klooster (Teologia Contemporânea), Moises Silva (Novo Testamento), Darryl Hart (História da Igreja) e Laird Harris (Antigo Testamento), procedentes de diferentes seminários reformados dos Estados Unidos. Nos anos subsequentes, graças a um convênio firmado com a EPC, três pastores brasileiros fizeram seus estudos de doutorado no exterior e passaram a integrar o corpo docente: Augustus Nicodemus Lopes (Novo Testamento), Mauro Fernando Meister (Antigo Testamento) e Alderi Souza de Matos (História da Igreja). Entre outras atividades, esses professores passaram a editar uma revista teológica. A revista Fides Reformata foi criada no final de 1995 pela Junta Regional de Educação Teológica do Seminário Teológico Presbiteriano Rev. José Manoel da Conceição. A Juret-JMC era constituída pelos Revs. Onézio Figueiredo, Paulo Viana de Moura e Rubens de Souza Castro e os presbíteros Adilson Neves e Damócles Perrone Carvalho. O primeiro número, com 81 páginas, veio a lume no primeiro semestre de 1996 e foi apresentado pelo Rev. Fôlton Nogueira da Silva, diretor do seminário. Disse ele em suas palavras introdutórias: Temos o propósito de apresentar o pensamento reformado sobre questões relevantes para o povo de Deus e nosso esforço maior será apresentar a riqueza deste pensamento de forma simples. Desde o início, participaram ativamente da administração da revista e da elaboração de artigos os professores que integravam o Centro de Pós-Graduação Andrew Jumper, até então um curso de pós-graduação do Seminário JMC. O número de lançamento teve seis artigos dos seguintes colaboradores: Mauro Fernando Meister, Augustus Nicodemus Lopes, Alderi Souza de Matos, Heber Carlos de Campos, Ricardo Quadros Gouvêa e Parcival Módolo. Também incluiu cinco resenhas escritas por Frans Leonard Schalkwijk, Fôlton Nogueira da Silva, Francisco Solano Portela Neto e Augustus Nicodemus Lopes, duas delas por este último. A revista contou com o valioso apoio do Instituto Mackenzie e foi impressa em sua gráfica. A partir do segundo número, ainda em 1996, Fides passou a contar com um Conselho Editorial, composto pelos seguintes membros: Augustus Nicodemus Lopes, Cláudio Antônio Batista Marra, Fôlton Nogueira da Silva, Heber Carlos de Campos, João Alves dos Santos, Parcival Módolo e Tarcízio José de Freitas Carvalho. Os principais responsáveis pela produção da revista eram Tarcízio Carvalho (redator), Cláudio Marra (jornalista responsável) e Augustus Nicodemus (editor). O segundo número teve nove artigos, sete resenhas ou artigos-resenhas e uma lista de livros recebidos. Os novos autores de artigos foram Boanerges Ribeiro, Guilhermino Cunha, Paulo Anglada e Solano Portela. No quarto número (1997-2), Alderi Matos passou a constar com editor ao lado de Augustus Nicodemus e no quinto número (1998-1) surgiu um editor de resenhas: Mauro Meister. 10

11 FIDES REFORMATA XX, Nº 1 (2015): 9-14 Em 1997, a Comissão Executiva da IPB, presidida pelo Rev. Guilhermino Cunha, institucionalizou o Centro de Pós-Graduação e o desvinculou do Seminário José Manoel da Conceição. Nesse mesmo ano, o CPAJ solicitou ao seminário a autorização para continuar publicando a revista. Após analisar a solicitação e escolher o momento próprio para a tomada de decisões, a Juret-JMC resolveu atender ao pedido, com duas condições: (a) manter o nível acadêmico e o compromisso doutrinário com a teologia reformada; (b) continuar solicitando a colaboração dos professores do Seminário JMC. A sexta edição (1998-2) foi a primeira a ser publicada sob os auspícios do Centro de Pós-Graduação Andrew Jumper. Essa decisão foi explicada em uma Palavra da Juret, assinada pelo seu presidente, Rev. Rubens de Souza Castro. Nessa época, a revista passou a ser disponibilizada on-line e foi aprovada para indexação na ATLA (American Theological Library Association). Além de artigos e resenhas, surgiu a seção Indicações bibliográficas. Nos três primeiros anos, além dos colaboradores já mencionados, outros autores de artigos foram, pela ordem de aparecimento: Frans Leonard Schalkwijk, Paulo Sérgio Gomes, Hermisten Maia Pereira da Costa, Moisés Silva, Davi Charles Gomes, Antônio Carlos Barro, C. Timóteo Carriker, Valdeci da Silva Santos, Elizabeth Zekveld Portela, Luiz Roberto França de Mattos e Gerard Van Groningen. No primeiro número de 1999, o editorial anunciou que aquela era a última edição a ser distribuída gratuitamente. Daí em diante haveria a necessidade de se fazer uma assinatura da revista. Com o passar do tempo, esse sistema se mostrou inviável. Nesse número, também foi anunciada pela primeira vez uma novidade: o oferecimento, pelo CPAJ, de um curso de pós-graduação lato sensu em Bíblia pela internet. Esse foi possivelmente o primeiro curso do gênero a ser oferecido no Brasil. Nas páginas finais, havia informações detalhadas sobre os programas oferecidos pelo Centro de Pós-Graduação, bem como anúncios de cursos especiais pelo Dr. Moisés Silva e o Dr. Ronaldo Lidório. Em 2001, a revista sofreu alguns sobressaltos em virtude de uma crise que levou ao afastamento de quase todos os professores do Centro de Pós- -Graduação. O nome da publicação foi modificado para Fides Reformata et Semper Reformanda Est, uma imitação infeliz do famoso lema Ecclesia reformata semper reformanda est. Este foi o único ano da história da revista em que somente um número foi publicado (VI-1). O novo título foi mantido no número seguinte, no primeiro semestre de 2002, mas na segunda edição daquele ano voltou o ser utilizado o nome original, Fides Reformata. A principal herança dessa época foi a nova capa, cujo layout, contendo no centro uma gravura do interior do templo reformado de Genebra, se mantém até hoje. Os principais colaboradores da revista nesse período foram Antônio José do Nascimento Filho, Antônio Máspoli de Araújo Gomes, Carlos Ribeiro Caldas Filho, Gabriele Greggersen, Paulo José Benício, Ricardo Quadros Gouvêa, Ronaldo Cavalcante e William Lacy Lane. 11

12 Alderi Souza de Matos, Fides Reformata Vinte Anos de História O número do 1º semestre de 2003 voltou a ter a participação dos professores originais do CPAJ, que haviam sido readmitidos no final do ano anterior, no início do primeiro mandato do Rev. Roberto Brasileiro Silva, novo presidente do SC/IPB. Os novos editores da revista eram Tarcízio Carvalho e Valdeci Santos. Desde 2001, passaram a constar das páginas iniciais os nomes dos dirigentes do Instituto Presbiteriano Mackenzie, sendo diretor-presidente nessa época o Dr. Cyro Aguiar. Em 2003, passou a ser incluído o nome do diretor do CPAJ, na ocasião o Dr. Luiz Roberto França de Mattos, que, devido a uma grave enfermidade, foi substituído no ano seguinte pelo Dr. Davi Charles Gomes. O novo diretor-presidente do IPM era o Dr. Custódio Pereira. Em 2005, o corpo editorial passou a ser constituído pelos professores Alderi Matos, Augustus Nicodemus, Mauro Meister e Valdeci Santos. O sumário da revista começou a ser incluído na quarta capa, tornando mais fácil a identificação do conteúdo de cada número. O Dr. Alderi, além de constar como editor geral, também exercia a função de revisor do texto. Em seu primeiro editorial, ele afirmou: 12 Com este número, a revista Fides Reformata entra no seu décimo ano de publicação. Trata-se de um marco extremamente significativo, pelo qual somos profundamente gratos a Deus e ao Instituto Presbiteriano Mackenzie. Ao longo destes anos, os editores têm procurado oferecer ao público leitor materiais caracterizados pela seriedade acadêmica, compromisso com a fé reformada, relevância para a igreja de Cristo e desafio e edificação pessoal. A edição do 2º semestre de 2005 trouxe um recurso muito valioso: um índice de todas as matérias publicadas na revista em seus dez primeiros anos de circulação. Os 139 artigos foram classificados em 18 áreas: Antigo Testamento, Apologética, Crítica Textual, Culto e Liturgia, Eclesiologia, Educação Cristã e Geral, Ética e Sociedade, Filosofia, Hermenêutica, História da Igreja, Missões, Novo Testamento, Psicologia e Aconselhamento, Teologia Histórica, Teologia Pastoral, Teologia Sistemática, Temas Brasileiros e Vida Cristã. Também foram incluídas as centenas de resenhas e indicações bibliográficas publicadas naquela década. Nos primeiros anos da revista, cada edição trazia um grande número de artigos e resenhas. A partir de 2004, passaram a ser publicados seis artigos e três resenhas a cada número, o que, com pequenas variações, vem sendo mantido até hoje. Entre os contribuintes, estavam não somente os professores do CPAJ, mas alunos, ex-alunos, ministro da IPB e outros. Durante algum tempo houve uma alternância em termos de autoria: em um semestre, dava-se preferência a colaboradores internos (professores) e no outro, a contribuições externas. Em 2008, foram incluídos no corpo editorial os professores Fabiano de Almeida Oliveira e Daniel Santos Jr. Naquele ano, auxiliou na revisão o Prof. João Alves dos Santos. O 2º semestre de 2008 trouxe uma contribuição inédita:

13 FIDES REFORMATA XX, Nº 1 (2015): 9-14 a primeira edição especial de Fides Reformata, dedicada ao tema Educação, sendo o editorial assinado pelo Presb. Solano Portela, presidente da Junta de Educação Teológica (JET/IPB). Distribuídos em quatro seções (histórica, filosófica, exegética e pedagógica), foram incluídos nove artigos, seguidos de uma extensa bibliografia sobre educação cristã. Esse também foi, até hoje, o número mais volumoso da revista, com mais de 200 páginas. No 2º semestre de 2009, veio a lume a segunda edição especial, dedicada ao 5º centenário do nascimento de João Calvino. Em 2010, os editores acadêmicos foram reduzidos a dois: Augustus Nicodemus (editor geral) e Alderi Matos (editor assistente e revisor). No 2º semestre de 2011 surgiu uma inovação significativa, que foi a publicação de um artigo em inglês (ou outro idioma) em cada número. A razão apresentada foi o fato de que, além de ser indexada em instituições e órgãos acadêmicos internacionais, a revista estava gozando de aceitação fora do Brasil. Até o presente, foram publicados nesse idioma artigos dos seguintes autores: Rob van Houwelingen, Daniel Santos, Adriaan Neele, Elias Medeiros, Ralph Boersema e Breno Macedo. Ao longo dos anos, além de estar indexada na ATLA Religion Database, a revista também foi incluída nas seguintes bases indexadoras: CLASE, Latindex, Francis, Ulrich s International Periodicals Directory e Fuente Academica. No 1º semestre de 2014, sendo diretor do CPAJ desde o ano anterior o Dr. Mauro Fernando Meister, foi lançado o terceiro número especial de Fides Reformata e seus dez artigos versaram sobre diferentes aspectos da Eclesiologia. Nesse ano, foram nomeados editores gerais os Drs. Daniel Santos Jr. e Leandro Antonio de Lima, e editor de resenhas o Prof. Filipe Costa Fontes, permanecendo o Dr. Alderi Matos como redator. O próximo número (2015-2) deverá trazer um índice completo de todas as matérias publicadas no segundo decênio do periódico. À exceção das edições especiais, são impressos exemplares a cada semestre, que são oferecidos a todos os seminários da IPB, alunos do CPAJ, pastores e outros interessados. Os professores residentes que escreveram artigos para a revista ao longo dos últimos dez anos foram, em ordem alfabética: Alderi Matos, Augustus Nicodemus Lopes, Daniel Santos Jr., Dario de Araújo Cardoso, Davi Gomes, Fabiano Oliveira, Filipe Fontes, Heber Campos, Heber Campos Júnior, Jedeias Duarte, João Alves, João Paulo Thomaz de Aquino, Leandro de Lima, Mauro Meister, Tarcízio Carvalho e Valdeci Santos. Também colaboraram com textos os seguintes professores visitantes: Elias Medeiros, Emílio Garofalo Neto, Frans Leonard Schalkwijk, Gildásio Jesus Barbosa dos Reis, Hermisten Costa, Jorge Patrocínio, José Carlos Piacente Júnior, Wadislau Martins Gomes e Wilson Santana. Ao completar 20 anos de publicação ininterrupta, os editores de Fides Reformata são profundamente gratos ao Deus trino por esse marco histórico. 13

14 Alderi Souza de Matos, Fides Reformata Vinte Anos de História Também expressam o seu sincero reconhecimento ao Instituto Presbiteriano Mackenzie e seus órgãos dirigentes (Conselho de Curadores, Conselho Deliberativo e Diretoria Executiva), pelo constante apoio financeiro e logístico na publicação da revista, bem como à Junta de Educação Teológica, por seu incentivo, e à Editora Cultura Cristã, pelo auxílio na distribuição. Continuam com o firme propósito de, nos próximos anos, continuar proporcionando textos cuidadosamente preparados sobre as diferentes áreas da enciclopédia teológica, na perspectiva da cosmovisão reformada, tendo em vista o bem-estar e a prosperidade da igreja e da causa de Cristo no Brasil e no mundo. 14

15 FIDES REFORMATA XX, Nº 1 (2015): Jeremias: Um Panorama Teológico Jonathan Luís Hack * resumo Para incentivar uma melhor compreensão do livro de Jeremias, em geral ignorado no meio evangélico, apresenta-se um resumo dos aspectos centrais de sua mensagem teológica. O texto inicia com uma correlação entre a vida e a mensagem do profeta Jeremias, analisando de modo conciso seu chamado, seu estilo literário, sua reação à perseguição, suas confissões e as influências recebidas em sua formação. A seguir, investigam-se aspectos da teologia do livro, com foco na soberania de Deus, na revelação divina por meio dos profetas, na acusação de Deus contra o seu povo, no seu chamado ao arrependimento, na garantia divina de salvação e no seu amor contínuo pelo povo. O ensaio finaliza com breves considerações sobre como aplicar essa mensagem à vida da igreja e à vida do cristão. palavras-chave Jeremias; Vocação profética; Mensagem subversiva; Foco teocêntrico. introdução Jeremias é o maior livro da Bíblia em termos de extensão do texto, ultrapassando até o livro de Salmos. No entanto, é um livro pouco conhecido nas igrejas e pelos cristãos. Este artigo busca cooperar para a transformação dessa realidade ao desvendar de maneira panorâmica os aspectos centrais da mensagem teológica desse importante livro. 1 * Mestre em Estudos Teológicos pelo Calvin Theological Seminary e doutorando em Letras na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Ministro da Igreja Presbiteriana do Brasil e coordenador da área de Teologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie. 1 Buscando apresentar didaticamente o conteúdo, o texto principal contém inúmeras referências ao livro de Jeremias, mas as indicações de leituras de aprofundamento e debates acadêmicos são mantidas nas notas. 15

16 Jonathan Luís Hack, Jeremias: Um Panorama Teológico Iniciaremos com uma breve investigação sobre a influência mútua entre a vida e a mensagem de Jeremias. Nosso objetivo principal não será o de aprofundar cada uma das importantes questões analisadas, mas apenas elencar diversas áreas importantes a serem consideradas no estudo de Jeremias para reflexões posteriores. Na segunda parte, faremos uma concisa análise de sua mensagem teológica. Ficará claro o aspecto teocêntrico da teologia de Jeremias, pois Deus é o foco central de seu anúncio profético. Novamente, a ideia é apenas apontar caminhos importantes a serem trilhados em aprofundamentos subsequentes. Finalmente, apresentaremos algumas considerações sobre como aplicar essa mensagem à nossa vida moderna. 1. a correlação entre a vida e a teologia de jeremias Para entender bem a mensagem do livro de Jeremias, precisamos conhecer seu personagem humano principal. Conhecemos mais sobre a vida de Jeremias do que sobre qualquer outro profeta bíblico. O texto apresenta diversos dados de sua vida e seus sentimentos íntimos a respeito do que está acontecendo. Por que isso é importante? Porque no caso de Jeremias, quem ele é influenciou aquilo que fez, assim como o que fez também influenciou quem ele era. Como os eventos da vida de Jeremias modelaram seu pensamento? Como sua mensagem e perspectiva teológica afetaram sua vida? Por um lado, as origens de Jeremias (1.1-3) 2 tiveram certo impacto sobre a formação de seu pensamento: (a) Sendo de uma linhagem sacerdotal, Jeremias certamente cresceu em meio a sacrifícios e outros procedimentos sacerdotais. Dessa forma, estava bem familiarizado com eles e com o discurso religioso correlato à função sacerdotal. (b) Sendo de Anatote, 3 Jeremias conhecia a mensagem dos profetas enviados a Israel (Amós e Oseias o antecederam). 4 Certamente aprendeu bastante sobre as tradições mais valorizadas no Norte: o Êxodo, a aliança do Sinai e o fracasso de Israel em guardar os mandamentos de Deus, o qual resultou em sua subsequente conquista e deportação pelos assírios um século antes, em 722 a.c. 5 (c) Sendo um profeta ativo desde o 13º ano do reinado de Josias ( a.c.), acompanhou de perto as suas reformas (2Rs ) após a triunfante 2 Todas as referências bíblicas pertencem ao livro de Jeremias, a menos que indicadas de outra forma. 3 Anatote era uma cidade no território de Benjamim, a poucos quilômetros de Jerusalém, mas ainda na parte sudeste da nação de Israel. Os parentes de Jeremias tinham terras lá ( ). 4 Em Judá, Isaías e Miqueias haviam profetizado bem antes, no século 8 a.c., enquanto Naum e Sofonias antecederam Jeremias por poucos anos; Habacuque provavelmente foi seu contemporâneo. 5 Essas são as tradições valorizadas pelas tribos do Norte, segundo VON RAD, Gerhard, Old Testament Theology. 2 vols. Peabody: Prince, 2005, v. 2, p Em contraste, Judá sustenta uma teologia sionista, defendida por Isaías mas criticada por Jeremias (ver adiante). 16

17 FIDES REFORMATA XX, Nº 1 (2015): redescoberta do Livro da Lei no templo (2Rs 22.8), que ocorreu no 18º ano de seu reinado. Jeremias foi bastante influenciado pela tradição deuteronomista. Também experimentou o posterior fracasso dessa reforma (a longo termo). Ele sabia quão enganosas podem ser a mente e a vontade humanas (17.9). (d) Sendo (provavelmente) da linhagem de Eli, 6 ele conhecia a história do santuário de Siló, fato que usou mais tarde como advertência a Judá (7.12). Por outro lado, a mensagem que Javé lhe deu era dura de pregar e de ser ouvida, com os seguintes resultados na vida de Jeremias: (a) Houve constantes problemas com seus inimigos. Os líderes de Judá o perseguiram, castigaram e aprisionaram como um traidor (por sua mensagem de que Israel deveria se submeter à Babilônia) e como falso profeta (por sua profecia de juízo, ao invés de paz). (b) Experimentou profunda angústia pessoal, expressa em suas confissões (ver adiante). (c) Investiu suas economias em sua mensagem ( ). Jeremias foi desafiado a agir conforme cria, ou seja, comprando um terreno em coerência com seu discurso de restauração futura. (d) Foi proibido de se casar e ter filhos (16.1-4), devido ao iminente juízo sobre Jerusalém. Vamos examinar algumas partes da vida de Jeremias com mais detalhes. 1.1 Jeremias é chamado por Deus O chamado vocacional é a legitimação necessária para o ministério de um profeta. 7 Outorga a certeza da eleição divina para essa missão (1.5). Como Moisés e Gideão, Jeremias humildemente declina da missão (1.6), mas o soberano Deus não aceita um não como resposta! Sua timidez seria superada, pois Deus o tornará forte (1.18; 6.27; 15.20). Deus também promete que estará com Jeremias e o protegerá de seus inimigos (1.8,19). A função de Jeremias (1.9) se baseia nas palavras de Moisés (Dt 18.18) sobre a promessa de revelações futuras por meio de profetas que proclamariam a Palavra de Deus. A missão de Jeremias é indicada em 1.10: para arrancares e derribares, para destruíres e arruinares e também para edificares e para plantares. Esse tema recorrente ( ; ; 24.6; 31.28; 42.10; 45.4) antecipa a mensagem do livro. Indica que o ministério de Jeremias é primariamente de 6 Eli foi o sumo sacerdote em Siló no período dos juízes. Sacerdotes da casa de Eli serviram como sumo sacerdotes de Israel até que Salomão expulsou Abiatar de Jerusalém para Anatote, pondo em seu lugar Zadoque (1Rs ) e cumprindo assim a palavra do Senhor contra a casa de Eli. 7 Brueggemann, Walter. Like Fire in the Bones: Listening for the Prophetic Word in Jeremiah. Org. Patrick Miller Jr. Mineápolis: Fortress, 2006, p. 245, nota 15, também indica que esse é um mecanismo literário que serve como autorização teológica para o livro. (Todas as citações de obras em inglês foram traduzidas pelo autor). 17

18 Jonathan Luís Hack, Jeremias: Um Panorama Teológico condenação e, em menor escala, de restauração. 8 Embora esperássemos um chamado para profetizar a Israel e Judá, Jeremias é comissionado para ser um profeta às nações (1.5,10). Isso já indica a forte ênfase do livro na soberania de Javé sobre todas as nações, o que permitirá a Jeremias proclamar os oráculos divinos contra outros povos (caps ). 1.2 Jeremias é talentoso com as palavras Aprendemos com a crítica retórica que a forma da mensagem é parte importante de seu conteúdo. Assim, para cumprir seu papel profético, a linguagem do profeta deve chocar a sensibilidade do público, proclamando palavras em fogo (5.14; 20.9; 23.29) que são absorvidas com deleite pelo profeta (15.16). Jeremias, pois, usa expressões vigorosas, falando com exclamações e interjeições, com partículas enfáticas, com gritos passionais e repreensões e advertências urgentes, e, acima de tudo, com assonâncias extraordinariamente notáveis. 9 Ou seja, sua mensagem é hiperbólica, exagerada, calorosa e poética. O discurso profético não pode ser convencional, racional ou previsível, porque precisa modelar consciências e definir como o povo deve entender a realidade. Jeremias usa um linguajar forte para provocar uma reação, gerando ao mesmo tempo um senso de urgência e profunda preocupação com sua audiência. Os ouvintes precisam reavaliar o que assumem como óbvio em suas vidas. Em outras palavras, por meio de sua mensagem o profeta apresenta uma interpretação alternativa da realidade que visa levar o povo a compreender o mundo e as circunstâncias presentes do ponto de vista de Deus. 10 Sua mensagem é sub-versiva, pois tanto subverte a cosmovisão dominante, quanto apresenta outra versão dos fatos, a versão oficial do Criador. 1.3 Jeremias é perseguido por seu próprio povo Um profeta é parte de uma espécie humana rara que consegue expor a corrupção da sociedade humana, não se deixando enganar por suas racionalizações e convenções. O profeta não vê o mundo do ponto de vista de uma 8 THOMPSON, J. A. The Book of Jeremiah. NICOT. Grand Rapids: Eerdmans, 1980, p. 151; Brueggemann, Walter. The Theology of the Book of Jeremiah. OTT. Cambridge: Cambridge University, 2007, p ; Brueggemann, Walter. Like Fire, p. 9, Holladay, William Lee. Jeremiah 1: A Commentary on the Book of the Prophet Jeremiah, Chapters Hermeneia. Filadélfia: Fortress, 1986, p. 1,21,37, defende a omissão do par central de verbos. 9 Muilenburg, James. The Terminology of Adversity in Jeremiah. In: Harry T. Frank e Wm. L. Reed (Orgs.). Translating and Understanding the Old Testament; H. G. May Festschrift. Nashville: Abingdon, 1970 (p ), p. 60. Von Rad (Theology, v. 2, p. 193) chama a atenção em Jeremias para a criação de novas formas para sua expressão apropriada, em contraste com as tradicionais fórmulas proféticas empregadas anteriormente por outros profetas. 10 Brueggemann, Like Fire, p. 7-8, ; The Prophetic Imagination (Filadélfia: Fortress, 1978), p

19 FIDES REFORMATA XX, Nº 1 (2015): teoria política; ele é uma pessoa que vê o mundo do ponto de vista de Deus; ele vê o mundo por meio dos olhos de Deus. 11 Diversas vezes (7.2; 17.19; 19.2,14; 22.2; 38.14; cf ), Jeremias se posicionou junto aos portões da cidade e do templo (possivelmente na ocasião de algum dos três grandes festivais de Israel), cumprindo uma função oficial de pregador de portão para encorajar os peregrinos a fazerem um autoexame antes de se encaminharem para a adoração. O foco da mensagem de Jeremias está na vida moral deles, que ele expõe abertamente ao denunciar várias violações da lei de Deus. Como de costume, 12 Jeremias recebeu uma reação violenta à sua mensagem. Foi ferido e metido no tronco (20.2), sofreu um julgamento que quase o levou à morte (26.7-9), foi açoitado e aprisionado ( ) e, depois, jogado numa cisterna (38.6), sendo finalmente arrastado (contra a sua vontade?) para o Egito (43.6). Apesar disso, conseguiu permanecer vivo devido à graça de Deus manifesta através de alguns poucos que o apoiavam (26.24; ; 40.5). A usual reação defensiva de Jeremias era a de reivindicar sua legitimidade como profeta de Javé (26.12,15; cf ). Estava apenas cumprindo a tarefa profética mais básica: uma defesa das tradições mais preciosas de Israel Jeremias é perturbado por suas próprias emoções O processo de proclamar as palavras de Deus pode ser bem desgastante. Conhecendo o futuro iminente de seu próprio povo, Jeremias se angustia e chora (4.19; 8.18,21; 9.1,10; 13.17), atitude que lhe deu a fama de profeta chorão. 14 Ele não é como Jonas, que aguardou ansiosamente que ocorresse a destruição que anunciara (Jn ; cf. Jr 17.16)! Pelo contrário, intercede profundamente por eles (14.7-9,19-22; 21.2; 37.3; ), ao ponto de Deus o proibir de continuar orando (7.16; 11.14; 14.11)! Mesmo em sua ira contra seus inimigos, Jeremias recorda a Deus como havia suplicado por eles (18.20). Esse comportamento paradoxal é reflexo da própria conduta de Javé. Jeremias é um representante de Deus; ele chora porque se identifica com os sentimentos 11 Heschel, Abraham J. The Prophets. Nova York: HarperCollins, 2001 (1962), p Falar contra a ideologia dominante sempre é uma escolha perigosa (cf ). Para uma análise da reação da comunidade ao Sermão do Templo, ver: O CONNOR, Kathleen M. Do Not Trim a Word : The Contributions of Chapter 26 to the Book of Jeremiah. The Catholic Biblical Quarterly 51 (1989), p ; e AMRAM, David W. The Trial of Jeremiah. The Biblical World 16 (1900), p Ver DAVIDSON, R. Orthodoxy and the Prophetic Word: A Study in the Relationship between Jeremiah and Deuteronomy. Vetus Testamentum 14 (1964), p ; em especial, na p. 408: Os profetas eram os guardiães e intérpretes dessa tradição, não seus criadores. 14 A tradição o associa também com Lm 1.16 e Rendtorff, Rolf. The Canonical Hebrew Bible: A Theology of the Old Testament. Leiden: Deo, 2005, p , o denomina profeta em crise. 19

20 Jonathan Luís Hack, Jeremias: Um Panorama Teológico divinos. 15 Deus sofre pela dor de seu povo (14.17; 31.20), mas precisa levar até o fim o juízo anunciado da mesma forma que os pais disciplinam seus filhos, mesmo quando sentem sua dor (cf. Hb ). O conflito interno de Jeremias se agrava pela inevitável consequência: a perseguição do seu próprio povo. Os sofrimentos injustos levam Jeremias a questionar a justiça de Deus (por exemplo, 12.1; 15.18) em suas confissões ( ; ; ; ; ). 16 Às vezes, parece que Jeremias odeia sua missão, pois ela gera problemas com seus parentes (12.6) e conhecidos (11.21). Ele não consegue entender seu sofrimento, nem fugir de sua função profética. Porém, no fim, aprende que Deus é soberano. Percebe que também estava representando simbolicamente o sofrimento iminente de seu próprio povo. 1.5 Jeremias é influenciado por outros Como qualquer um de nós, Jeremias foi influenciado por outras pessoas. Ele se encontra no fim de uma longa séria de pessoas usadas por Deus antes dele. Vejamos brevemente algumas influências sobre sua mensagem. 17 (a) Jeremias se identifica com Moisés. 18 Vem de linhagem sacerdotal, é profeta e tenta orientar seu povo por cerca de 40 anos. Seu chamado se modela em Moisés (Dt 18), apresenta protestos similares (1.6; cf. Êx 4.10) e recebe as 15 Von Rad, Theology, v. 2, p , fala de um sentimento dominante de lamento e sofrimento em Jeremias. Posteriormente, ele fala da via dolorosa de Jeremias (v. 2, p ) como sua participação no sofrimento divino. 16 Esses textos expressam a ira, autocomiseração, retaliação e resistência de Jeremias ao chamado de Deus. Para estudos posteriores nessa área, consultar Diamond, A. R. Pete. The Confessions of Jeremiah in Context: Scenes of a Prophetic Drama. JSOTSupp 45. Sheffield: Sheffield, 1987; O Connor, Kathleen M. The Confessions of Jeremiah: Their Interpretation and Role in Chapters SBLDS 94. Atlanta: Scholars, 1988 e Smith, Mark S. The Laments of Jeremiah and their Contexts: A Literary and Redactional Study of Jeremiah SBLMS 42. Atlanta: Scholars, 1990, além dos ensaios de Von Rad, The Confessions of Jeremiah, A Prophet to the Nations: Essays in Jeremiah Studies. Orgs. Leo G. Perdue e B. W. Kovacs. Winona Lake: Eisenbrauns, 1984, p ; Bultmann, Christoph. A Prophet in Desperation? The Confessions of Jeremiah. In: Johannes C. De Moor (Org.). The Elusive Prophet: The Prophet as a Historical Person, Literary Character and Anonymous Artist. Leiden: Brill, 2001, p ; e BRIGHT, John, Jeremiah s Complaints: Liturgy, or Expressions of Personal Distress?. In: J. I. Durham e J. R. Porter (Orgs.). Proclamation and Presence: Old Testament Essays in Honor of G. H. Davies. Londres: SCM, 1970, p Von Rad também os analisa em sua Theology (v. 2, p ). 17 Holladay, William Lee. Jeremiah 2: A Commentary on the Book of the Prophet Jeremiah, Chapters Hermeneia. Filadélfia: Fortress, 1989, p , apresenta uma análise detalhada de possíveis paralelos com outros livros bíblicos. 18 Quanto a isso, ver dois artigos relevantes de Holladay: The Background of Jeremiah s Self- Understanding: Moses, Samuel, and Psalm 22, Journal of Biblical Literature 83 (1964), p ; e Jeremiah and Moses: Further Observations, Journal of Biblical Literature 85 (1966), p Ele também inclui Samuel como influência sobre Jeremias. Além disso, em seu comentário (Jeremiah 1, p. 27), acrescenta uma comparação com Gideão. 20

21 FIDES REFORMATA XX, Nº 1 (2015): mesmas garantias de que as palavras de Deus estariam em sua boca. Jeremias também intercede por seu povo contra a ira de Deus. Todavia, enquanto Moisés levou o povo do Egito para Canaã, Jeremias testemunha o exílio do povo e termina no Egito com os fugitivos (43.1-7). (b) A acusação de Jeremias quanto à idolatria é bem similar à de Oseias (tabela 1). 19 A metáfora de casamento é proeminente em Jeremias 2-3, como símbolo do relacionamento entre Javé e Israel (2.2; ). Oseias e Jeremias usam a aliança do Sinai como paradigma para uma vida fiel coram Deo, 20 mas Jeremias vai além, salientando a devassidão da esposa, anunciando o divórcio de Deus e exigindo arrependimento como condição de retorno (tabela 2). 21 Tabela 1. Similaridades entre os profetas Tabela 2. Diferenças entre ambos Jeremias Oseias Jeremias Oseias 2.8; , , : (c) É possível que a escola deuteronomista tenha marcado definitivamente o livro. 22 Certamente há pontos em comum: uma ênfase em observar a Torá (5.4-5; 8.7) e nas consequências de não fazê-lo (expulsão da terra). Deus está prestes a infligir sobre seu povo a maldição que procede de sua aliança (Lv ; Dt ). Jeremias também afirma a justiça de Deus (em impor o exílio) e sua fidelidade (em restaurar Israel). Esses diversos pontos considerados revelam a forte correlação entre a vida de Jeremias, desde seus anos formativos até sua maturidade, e a mensagem anunciada pelo profeta. Certamente podemos extrapolar e entender que isso também 19 Para uma análise mais ampla, ver McConville, J. G. Judgment and Promise: An Interpretation of the Book of Jeremiah. Leicester: Apollos, 1993, p Também há paralelos com Miqueias (Jr e Mq 3.12), Obadias (Jr e Ob 1-14) e Isaías (Jr e Is 4.2; 11.1,10). 20 Cf. Brueggemann, Theology, p Para uma avaliação da recodificação por Jeremias dessa metáfora, ver DIAMOND, A. R. Pete e O CONNOR, Kathleen M., Unfaithful Passions: Coding Women Coding Men in Jeremiah 2-3 (4:2), Biblical Interpretation 4 (1996), p ; especialmente p Não há concordância entre os estudiosos quanto à existência e à extensão do linguajar deuteronomista no livro de Jeremias. 21

22 Jonathan Luís Hack, Jeremias: Um Panorama Teológico ocorre com todos os que proclamam a Palavra de Deus, embora não tenhamos dados comprobatórios no caso da maioria dos demais profetas. Passemos agora a examinar mais atentamente algumas características da teologia desse livro. 2. a mensagem teológica do livro Jeremias é um livro riquíssimo teologicamente. Seria pretencioso desejar abranger todo o seu conteúdo nestas poucas linhas. Nosso objetivo, bem mais simples, é indicar rotas de navegação dentro desse oceano de significados. Vimos que Jeremias é um profeta em crise. Ele se esforça por compreender as razões teológicas para a destruição de Jerusalém e seu templo. Sua teodiceia afirma que, sendo Javé o Deus soberano sobre todas as nações, ele é sempre fiel à sua aliança graciosa com Israel, mesmo ao ponto de trazer juízo contra seus filhos para restaurá-los ao caminho correto da vida. Analisemos essa mensagem teológica com mais detalhes. 2.1 Deus é soberano Jeremias sempre enfatiza a soberania absoluta de Javé. 23 Ele é todo-poderoso (27.4-5; 32.27; 46.10), transcendente (23.23) e onipresente (23.24). É o Criador de todas as coisas (10.12,16; 31.35; 51.15,19), 24 mas pode dissolver a criação em sua ira ( ; 18.6). Ele é o rei (48.15; 51.57), o justo juiz que vê e sabe de tudo (11.20; 17.10; 20.12). Não há ninguém como ele (10.6-7). Além disso, embora Javé seja especificamente o Deus de Israel (2.3; 10.16; 17.13), ele governa sobre toda a terra. Para Jeremias, os conflitos políticos de sua época refletem apenas a vontade de Deus em ação. Deus tanto pode fazer o inimigo do norte vir quanto pode impedi-lo de atacar seu povo. Ele é o Senhor sobre todas as nações (5.15; ; ), o governador da história (27.6-7; 45.4; 50.44). Portanto, Deus está no comando de tudo. As más ações de indivíduos e de nações se encaixam de alguma maneira no propósito final de Deus para seu povo. Não obstante, estes indivíduos e nações ainda são responsáveis pelo mal que causaram ao longo do caminho. 25 Deus os punirá mais tarde por sua maldade (50.9; 51.1). Adicionalmente, Javé irá restaurar o seu povo (30.22; 31.1) após a merecida punição (5.29), tão somente porque ele pode, e ninguém mais se importa (15.5). Ele o faz porque os ama e é fiel à sua aliança. 23 Brueggemann, Theology, p , argumenta que essa é mensagem principal que domina a retórica e a fé do livro de Jeremias (p. 44). Ver também: VanGemeren, Willem A. Interpreting the Prophetic Word: An Introduction to the Prophetic Literature of the Old Testament. Grand Rapids: Zondervan, 1990, p Ver Brueggemann, Like Fire, p , para uma análise da teologia da criação no livro de Jeremias. 25 Simundson, Daniel J. Preaching from Jeremiah: Challenges and Opportunities. Word & World 22 (2002), p ; ver especificamente a p

23 FIDES REFORMATA XX, Nº 1 (2015): Deus revela sua palavra por meio de seus profetas Esse Deus soberano escolhe seus próprios instrumentos para proclamar a sua palavra, a qual ele vela para cumprir (1.12; 4.28). Isso significa que alguns profetas especulam sobre o que não sabem, porque não receberam nenhuma revelação divina (14.14; 23.16,18,21-22). Também significa que o instrumento escolhido não conseguirá se esquivar da ardente proclamação que irrompe de seu interior (5.14; 20.9; 23.9,29). Portanto, é importante que Jeremias demonstre que prega apenas o que Javé mandou. 26 A fórmula profética a Palavra do Senhor veio a Jeremias (com variações) 27 ocorre 17 vezes no livro, enfatizando que a mensagem de Jeremias veio diretamente de Javé para a boca do profeta (1.9; 5.14; 19.2; 26.12,16; ). Jeremias é o porta-voz de Deus (15.19). 28 Isso coloca o verdadeiro profeta em conflito direto com aqueles que não entraram no conselho divino para ouvir a voz de Deus ( ; ; ). Estes profetizam mentiras e praticam o engano (5.31; 6.13). Jeremias contende mais específica e diretamente contra Hananias ( ) e Semaías ( ). Essa revelação verbal exige apenas uma coisa: uma obediência responsiva à voz de Javé, que está no comando. 29 Não é suficiente ter a lei do Senhor (8.8), pois Deus quer que eles obedeçam à sua palavra. Por isso, um verbo importante em Jeremias é ouvir. 30 Israel é acusado porque não ouve (nem obedece) a Deus, um fato recorrente em sua história (25.4). 2.3 Deus acusa seu povo Para Jeremias, Israel é a nação escolhida de Deus. Como tal, está em aliança com Deus. Esse relacionamento exige do povo obediência a tudo o que a aliança postula. Jeremias os adverte sobre sua desobediência: Israel violou sua aliança com Javé. Todo o povo é corrupto (5.1-5) e não segue a 26 Ver Dt ; Para outros mecanismos de legitimação usados por Jeremias, ver BERQUIST, J. L. Prophetic Legitimation in Jeremiah. Vetus Testamentum 39 (1989), p A fórmula ocorre em 7.1; 11.1; 18.1; 21.1; 25.1; 30.1; 32.1; 34.1,8; 35.1; 40.1 e Com algumas variações, também ocorre em 1.2; 14.1; 46.1; 47.1 e A expressão palavra do Senhor é repetida 71 vezes em Jeremias, num total de 447 vezes na Bíblia toda, segundo o software Logos. Rendtorff, Hebrew Bible, p , indica a constante presença em Jeremias dos termos palavra, dito de Javé e assim diz o Senhor. 28 WILLIAMS, Michael J. The Prophet and His Message: Reading Old Testament Prophecy Today. Phillipsburg: P&R, 2003, p , analisa a tarefa profética e apresenta os profetas como representantes de Deus (bem como do povo e de si mesmos) não apenas em suas palavras, mas também em suas emoções e comportamento. Ver também Heschel, The Prophets, p Brueggemann, Theology, p. 22. Uma característica da verdadeira profecia é sua capacidade de gerar, naqueles que a aceitam, arrependimento e um retorno a Deus em contrição (23.22). 30 O verbo shama ocorre 184 vezes em Jeremias, mais do que em qualquer outro livro no Antigo Testamento (Isaías vem em segundo lugar, com 106 vezes, e Deuteronômio em terceiro, com 91). A raiz do verbo também significa obedecer, uma mensagem que está no centro de Dt

24 Jonathan Luís Hack, Jeremias: Um Panorama Teológico verdade nem a justiça. Estão violando abertamente os Dez Mandamentos (7.9; cf. Os 4.2), gerando injustiças sociais e males morais ( ; 7.5-6; ; 34.16). Adicionalmente, o povo adora falsos deuses (2.5,23-25; 3.9; 5.7; 7.18; ; 22.9; 23.13; 32.29), incluindo a prática de sacrifícios de crianças ( ; 19.5; 32.35) e imoralidade sexual (5.7-8; 23.10,14). A mancha de sua culpa era tão profunda que não poderia mais ser limpa (2.22). Diante dessa situação, Deus lhes pede que ouçam sua palavra (11.2,6) e os ameaça (26.4-6), mas eles não o ouvem mais (6.10,17,19; 7.13,24,26; ,10; ; 17.23; 22.21; ,7), chegando até a duvidar que Javé iria fazer algo a respeito ( ; 7.10). Portanto, como parte ofendida, Javé acusa seu povo ( ) 31 e chama a natureza como testemunha da antiga aliança entre eles. Ele questiona o comportamento deles, lembra-os dos benefícios que receberam e os ameaça com a merecida punição. Jeremias acusa reis, príncipes, sacerdotes e profetas (1.18; 5.5; 32.32) como responsáveis por essa situação (cf , uma dura acusação contra um rei). Jeremias enuncia o pecado de Judá de seis maneiras diferentes (informadas com suas passagens principais): infidelidade conjugal (capítulos 2-3), rebelião de um vassalo (4-6), saúde arruinada (8-9), criação em desordem (passim), comunidade moribunda (9) e liderança enganosa (22-23). 32 O que é mais incrível nesse cenário é que Israel pensava que estava seguindo corretamente a palavra de Javé! Ainda faziam os sacrifícios exigidos, atendiam às convocações e festas solenes, e prestavam um culto liturgicamente correto. O que estava errado era seu comportamento diário, principalmente em seus relacionamentos sociais, além de terem adicionado a adoração a outros deuses como atividade paralela. O Decálogo usualmente era lido em voz alta e o povo declarava sua anuência nas grandes festas anuais. Jeremias repreende a hipocrisia deles o povo atende à celebração no templo (7.10), mas continua a violar os mandamentos (7.9). O templo se torna um lugar de proteção, onde podiam adorar a Javé e assumir que estavam livres de qualquer consequência de seus pecados. Jeremias não é contra a forma externa de culto e do relacionamento com Javé ( ; ). Mesmo assim, ele insiste que Deus não pode ser adorado apenas pelo aparato material ou por formas mecânicas (um conceito posteriormente desenvolvido mais intensamente por Jesus, Jo 4.24). Seu objetivo não é destruir a religião formal, mas persuadir Judá de que eles deviam praticar as implicações da aliança à qual juraram obediência ( ). 33 Para ele, a Torá abrange as exigências éticas e a proibição contra a adoração 31 Os profetas usam a metáfora de um processo legal para apresentar as complicações do relacionamento de Deus com seu povo. Obviamente, Deus não necessita provar seu caso em um tribunal superior. A metáfora é usada para convencer Israel de sua culpa e produzir arrependimento. 32 Brueggemann, Theology, p Thompson, Jeremiah, p ; Rendtorff, Hebrew Bible, p

FIDES REFORMATA VINTE ANOS DE HISTÓRIA

FIDES REFORMATA VINTE ANOS DE HISTÓRIA FIDES REFORMATA XX, Nº 1 (2015): 9-14 FIDES REFORMATA VINTE ANOS DE HISTÓRIA Alderi Souza de Matos * A revista Fides Reformata foi lançada nos primeiros anos de existência do Regimento Interno da Junta

Leia mais

JEREMIAS: UM PANORAMA TEOLÓGICO

JEREMIAS: UM PANORAMA TEOLÓGICO JEREMIAS: UM PANORAMA TEOLÓGICO Jonathan Luís Hack * RESUMO Para incentivar uma melhor compreensão do livro de Jeremias, em geral ignorado no meio evangélico, apresenta-se um resumo dos aspectos centrais

Leia mais

Fatos: Acontecimentos: - A criação - O dilúvio - Formação do povo de Deus - Vida no deserto - Conquista da terra prometida - As dominações

Fatos: Acontecimentos: - A criação - O dilúvio - Formação do povo de Deus - Vida no deserto - Conquista da terra prometida - As dominações O Antigo Testamento é uma coleção de 39 livros onde encontramos a história de Israel, o povo que Deus escolheu para com ele fazer uma aliança. Portanto, o Antigo Testamento é a história de um povo: mostra

Leia mais

OS PROFETAS MENORES RESUMO

OS PROFETAS MENORES RESUMO OS PROFETAS MENORES RESUMO Os doze livros que compõem os Profetas Menores variam em data entre os séculos VIII e V a.c LIÇÃO 2, OSÉIAS A FIDELIDADE NO RELACIONAMENTO COM DEUS O ESBOÇO DO LIVRO DE OSEIAS

Leia mais

O PAPEL PROFÉTICO DA IGREJA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

O PAPEL PROFÉTICO DA IGREJA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO O PAPEL PROFÉTICO DA IGREJA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO A PARTIR DO PROFETA AMÓS 1 0 / 1 0 / 2 0 1 6 I G R E J A B AT I S TA B E T E L O PAPEL PROFÉTICO DA IGREJA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO A PARTIR DO PROFETA

Leia mais

1. DUAS SEMANAS SOBRE A VIDA E OS ENSINOS DE JESUS

1. DUAS SEMANAS SOBRE A VIDA E OS ENSINOS DE JESUS PLANO DE LEITURA DA BÍBLIA PRIMEIRA SEQUÊNCIA: INTRODUÇÃO À BÍBLIA TEMPO NECESSÁRIO: Duas semanas OBJETIVO: Obter um conhecimento geral dos fundamentos bíblicos A Primeira Sequência é para quem está começando

Leia mais

Programa de Leitura da Bíblia. Teologia Faberj. Lâmpada para os meus pés é a Tua Palavra e luz para os meus caminhos.

Programa de Leitura da Bíblia. Teologia Faberj. Lâmpada para os meus pés é a Tua Palavra e luz para os meus caminhos. Lâmpada para os meus pés é a Tua Palavra e luz para os meus caminhos. (Salmo 119:105) 0 PROGRAMA DE LEITURA DA BÍBLIA A leitura da Bíblia Sagrada é de suma importância para todos os estudantes da Palavra

Leia mais

Curso de PANORAMA DO ANTIGO TESTAMENTO I I Semestre de 2017 DE GÊNESIS A ESTER. Professor: José Martins Júnior. (11) (Whatsapp Telegram)

Curso de PANORAMA DO ANTIGO TESTAMENTO I I Semestre de 2017 DE GÊNESIS A ESTER. Professor: José Martins Júnior. (11) (Whatsapp Telegram) Curso de PANORAMA DO ANTIGO TESTAMENTO I I Semestre de 2017 DE GÊNESIS A ESTER Professor: José Martins Júnior (11) 9.8383-5316 (Whatsapp Telegram) Email: pastorjunioropbb2815@gmail.com Blog: www.reflexoes-e-flexoes.blogspot.com.br

Leia mais

Libertação e caminho para o Sinai Aliança no Sinai Ordens para a construção Queda e renovação da aliança Construção da Tenda e da "Arca"

Libertação e caminho para o Sinai Aliança no Sinai Ordens para a construção Queda e renovação da aliança Construção da Tenda e da Arca 1-18 19-24 25-31 32-34 35-40 Libertação e caminho para o Sinai Aliança no Sinai Ordens para a construção Queda e renovação da aliança Construção da Tenda e da "Arca" 1-7 8-10 11-15 16 17-26 27 Ordens para

Leia mais

O CHAMADO PROFÉTICO DE JEREMIAS LIÇÃO IV TRIMESTRE Preparado por: Pr. Wellington Almeida

O CHAMADO PROFÉTICO DE JEREMIAS LIÇÃO IV TRIMESTRE Preparado por: Pr. Wellington Almeida O CHAMADO PROFÉTICO DE JEREMIAS 0 IV TRIMESTRE 205 Preparado por: Pr. Wellington Almeida O CHAMADO PROFÉTICO DE JEREMIAS Autor do livro: Jeremias Natural de Anatote Filho de Hilquias, o sacerdote Contemporâneos:

Leia mais

Panorama Bíblico O Pentateuco

Panorama Bíblico O Pentateuco Panorama Bíblico O Pentateuco AULA 1 GÊNESIS 01 INTRODUÇÃO A palavra Gênesis é um termo grego que significa origem, fonte, geração ou principio. No hebraico esta palavra é bereshith e significa No Princípio.

Leia mais

Reivindicações Especificas da Inspiração no Antigo Testamento

Reivindicações Especificas da Inspiração no Antigo Testamento Reivindicações Especificas da Inspiração no Antigo Testamento A discussão a este ponto tem-se centrado em alguns textos principais que reivindicam inspiração para a Bíblia. Agora se deve dar atenção às

Leia mais

15º Estudo 10/06/2016. O livro de Rute. Homens Fundamentais

15º Estudo 10/06/2016. O livro de Rute. Homens Fundamentais 15º Estudo 10/06/2016 O livro de Rute Homens Fundamentais O Pentateuco descreve a criação do mundo e o inicio da história humana, e em sua maior parte tem como foco Deus, como o criador e Aquele que lida

Leia mais

Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT. Jörg Garbers Ms. de Teologia

Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT. Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução a literatura e a pesquisa dos profetas posteriores III Jörg Garbers Ms. de Teologia A unidade do

Leia mais

Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT. Jörg Garbers Ms. de Teologia

Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT. Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução a literatura e a pesquisa dos profetas posteriores II Jörg Garbers Ms. de Teologia 1 33 O livro

Leia mais

Jeremias significa Deus estabelece

Jeremias significa Deus estabelece Jeremias significa Deus estabelece Jeremias era da tribo de Benjamim. Veio de uma pequena cidade do interior. Embora de família sacerdotal, estava mais ligado às tradições do Norte e não às tradições do

Leia mais

Resenhas. Vox Scripturae Revista Teológica Internacional São Bento do Sul/SC vol. XXIII n. 1 jan-jun p

Resenhas. Vox Scripturae Revista Teológica Internacional São Bento do Sul/SC vol. XXIII n. 1 jan-jun p Resenhas 407 Resenhas Vox Scripturae Revista Teológica Internacional São Bento do Sul/SC vol. XXIII n. 1 jan-jun 2015 - p. 159-162 408 Vox Scripturae - Revista Teológica Internacional Vox Scripturae Revista

Leia mais

Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT. Jörg Garbers Ms. de Teologia

Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT. Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução e visão geral da história, estrutura e teologia do AT Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução a literatura e a pesquisa da Tora e dos profetas anteriores III Jörg Garbers Ms. de Teologia Conteúdo

Leia mais

Resenhas. Resenhas. Vox Scripturae Revista Teológica Internacional São Bento do Sul/SC vol. XXV n. 3 set-dez p

Resenhas. Resenhas. Vox Scripturae Revista Teológica Internacional São Bento do Sul/SC vol. XXV n. 3 set-dez p Resenhas 611 Resenhas Vox Scripturae Revista Teológica Internacional São Bento do Sul/SC vol. XXV n. 3 set-dez 2017 - p. 500-503 612 Vox Scripturae - Revista Teológica Internacional Vox Scripturae Revista

Leia mais

PPROFECIA ESCATOLÓGICA

PPROFECIA ESCATOLÓGICA PPROFECIA ESCATOLÓGICA DOUTRINA DAS ÚLTIMAS COISAS Este termo deve ser entendido como reverência ao estágio final do plano de Deus na história Esta profecia se baseia no conceito de que Deus tem um projeto

Leia mais

Sumário. O propósito de Atos A obra missionária é a prioridade da igreja O Espírito Santo é o executivo da obra missionária...

Sumário. O propósito de Atos A obra missionária é a prioridade da igreja O Espírito Santo é o executivo da obra missionária... Sumário O propósito de Atos...17 Primeiro princípio A obra missionária é a prioridade da igreja...31 Segundo princípio O Espírito Santo é o executivo da obra missionária...39 Terceiro princípio A oração

Leia mais

REMEMORANDO A REFORMA: REFLEXÃO BÍBLICA Alderi Souza de Matos

REMEMORANDO A REFORMA: REFLEXÃO BÍBLICA Alderi Souza de Matos 1 REMEMORANDO A REFORMA: REFLEXÃO BÍBLICA Alderi Souza de Matos Introdução Dentro de alguns anos, será comemorado o 500º aniversário da Reforma do Século XVI. Com tantas mudanças que o mundo experimentou

Leia mais

ÍNDICE GERAL. i PARTE

ÍNDICE GERAL. i PARTE ÍNDICE GERAL i DEUS NO ANTIGO TESTAMENTO 15 Procedimento metódico 15 I. A História 20 1. O género histórico no Antigo Testamento 20 2. História da salvação 22 II. A Palavra de Deus no Antigo Testamento

Leia mais

OS LIVROS PROFÉTICOS A MISSÃO DOS PROFETAS: SUA VOCAÇÃO E CONFIRMAÇÃO

OS LIVROS PROFÉTICOS A MISSÃO DOS PROFETAS: SUA VOCAÇÃO E CONFIRMAÇÃO OS LIVROS PROFÉTICOS A MISSÃO DOS PROFETAS: SUA VOCAÇÃO E CONFIRMAÇÃO Falsos Profetas Esta dependência de Iahweh, da parte dos profetas, é vista ainda mais claramente quando confrontada com os falsos profetas

Leia mais

Evangelhos e atos. Observações

Evangelhos e atos. Observações NOVO TESTAMENTO Muitas vezes e de diversos modos outrora falou Deus aos nossos pais pelos profetas. Ultimamente nos falou por seu Filho (Hebreus 1,1-2) EVANGELHOS E ATOS Evangelhos e atos Os melhores recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE EDUCAÇÃO, FILOSOFIA E TEOLOGIA COORDENAÇÃO DE TCC SEGUNDA FEIRA 27/11/2017

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE EDUCAÇÃO, FILOSOFIA E TEOLOGIA COORDENAÇÃO DE TCC SEGUNDA FEIRA 27/11/2017 UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE EDUCAÇÃO, FILOSOFIA E TEOLOGIA COORDENAÇÃO DE TCC CALENDÁRIO DE APRESENTAÇÕES TCC TEOLOGIA (2º SEMESTRE/2017) SEGUNDA FEIRA 27/11/2017 ALUNO: RICARDO F. DA

Leia mais

Devocional. Céus Abertos Pastor Carlito Paes

Devocional. Céus Abertos Pastor Carlito Paes BÍBLIA Devocional Céus Abertos Pastor Carlito Paes 2 ROTEIRO BÍBLIA: ENTENDENDO A PALAVRA DE DEUS O que devo conhecer sobre a bíblia? Diversidade dos Autores Condições de alguns autores quando foram inspirados

Leia mais

Lição 1. A plenitude dos tempos 1 O mundo judaico

Lição 1. A plenitude dos tempos 1 O mundo judaico Lição 1 A plenitude dos tempos 1 O mundo judaico Alvo da lição Saber Conhecer as principais contribuições do mundo judaico para o evangelho. Sentir Demonstrar gratidão a Deus por ter preservado importantes

Leia mais

Revista Teológica Brasileira

Revista Teológica Brasileira VOX SCRIPTURAE 16:1 1 VOLUME XVI NÚMERO 1 Maio de 2008 Revista Teológica Brasileira Este periódico está indexado em: ATLA religion Database, publicado pela American Theological Library Association, Evanson,

Leia mais

Metanoia. arrependimento

Metanoia. arrependimento Metanoia arrependimento sentimento de culpa mudança de mentalidade passado Metanoia futuro Metanoia (mudança de mentalidade) mais do que uma mudança de comportamento, crenças ou religião Metanoia nova

Leia mais

OS LIVROS PROFÉTICOS JOEL, OBADIAS E MIQUÉIAS

OS LIVROS PROFÉTICOS JOEL, OBADIAS E MIQUÉIAS Lição 17 OS LIVROS PROFÉTICOS JOEL, OBADIAS E MIQUÉIAS Introdução Joel, Obadias e Miquéias, foram entre os profetas menores, assim como Oséias, Amós e Jonas, aqueles que exerceram os seus ministérios antes

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE EDUCAÇÃO, FILOSOFIA E TEOLOGIA COORDENAÇÃO DE TCC SEGUNDA FEIRA 27/11/2017

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE EDUCAÇÃO, FILOSOFIA E TEOLOGIA COORDENAÇÃO DE TCC SEGUNDA FEIRA 27/11/2017 UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE EDUCAÇÃO, FILOSOFIA E TEOLOGIA COORDENAÇÃO DE TCC CALENDÁRIO DE APRESENTAÇÕES TCC TEOLOGIA (2º SEMESTRE/2017) SEGUNDA FEIRA 27/11/2017 ALUNO: RICARDO F. DA

Leia mais

O que é a Escatologia Bíblica?

O que é a Escatologia Bíblica? O que é Bíblica? a Escatologia O que é a Escatologia Bíblica? Por Daniel Conegero Escatologia é a divisão da Teologia Sistemática que estuda as profecias bíblicas sobre o futuro. É por isso que a escatologia

Leia mais

REGULAMENTO OFICIAL. Alfabeto Bíblico

REGULAMENTO OFICIAL. Alfabeto Bíblico REGULAMENTO OFICIAL Alfabeto Bíblico Tem como objetivo levar o competidor a encontrar na Bíblia versículos que comecem com cada letra do alfabeto da língua portuguesa e contenham em seu texto, uma palavra-chave,

Leia mais

AMÓS A JUSTIÇA DIVINA JOEL GUIMARÃES / PAULO MARCOS

AMÓS A JUSTIÇA DIVINA JOEL GUIMARÃES / PAULO MARCOS AMÓS A JUSTIÇA DIVINA JOEL GUIMARÃES / PAULO MARCOS AMÓS Reflita sobre a corrupção espiritual, moral e toda a injustiça social vivida pela nação de Israel bem como suas implicações no relacionamento com

Leia mais

Doutrina. a c e r c a d a : Breve Exposição das Principais Doutrinas Cristã - Introdução. Vidanova I G R E J A B A T I S T A

Doutrina. a c e r c a d a : Breve Exposição das Principais Doutrinas Cristã - Introdução. Vidanova I G R E J A B A T I S T A Doutrina a c e r c a d a : ola criptura : Definição: Revelação é, em termos teológicos, o processo pelo qual Deus desvenda ao o Seu caráter e Sua vontade. : a. Revelação Geral b. Revelação Especial : a.

Leia mais

PREGAÇÃO CRISTÃ COM BASE EM TODOS OS TEXTOS DA BÍBLIA

PREGAÇÃO CRISTÃ COM BASE EM TODOS OS TEXTOS DA BÍBLIA PREGAÇÃO CRISTÃ COM BASE EM TODOS OS TEXTOS DA BÍBLIA GOLDSWORTHY, Graeme. Pregando toda a bíblia como a escritura cristã: a aplicação da teologia bíblica à pregação expositiva. São José dos Campos: Fiel,

Leia mais

Monoteísmo Noaico. por Sha ul Bensiyon

Monoteísmo Noaico. por Sha ul Bensiyon Monoteísmo Noaico por Sha ul Bensiyon Aula 19 As Escrituras As Escrituras A visão judaica/noaica acerca das Escrituras é muito diferente da visão cristã: Cristianismo: Livros cuja autoria é praticamente

Leia mais

PENSANDO COMO DEUS PENSA. Deus não pensa como você, mas ele pensa em você o tempo todo!

PENSANDO COMO DEUS PENSA. Deus não pensa como você, mas ele pensa em você o tempo todo! PENSANDO COMO DEUS PENSA Deus não pensa como você, mas ele pensa em você o tempo todo! 2 Meus pensamentos são muito diferentes dos seus, diz o SENHOR, e meus caminhos vão muito além de seus caminhos. Pois,

Leia mais

A Aliança do povo hebreu com o Senhor

A Aliança do povo hebreu com o Senhor A Aliança do povo hebreu com o Senhor Não é fácil orientar-se numa floresta quando não se têm caminhos, nem trilhas. A Bíblia é como uma floresta e, se não conhecermos o caminho, facilmente poderemos nos

Leia mais

INTRODUÇÃO À BÍBLIA Caderno de Estudos Por David Batty e Sally Girdis

INTRODUÇÃO À BÍBLIA Caderno de Estudos Por David Batty e Sally Girdis INTRODUÇÃO À BÍBLIA Caderno de Estudos Por David Batty e Sally Girdis Estudos em Grupo Para Novos Cristãos 2 Introdução à Bíblia INTRODUÇÃO À BÍBLIA Caderno de Estudo Primeira Edição em Português Por David

Leia mais

NOME DO CURSO: PROFETA JOEL PROFETA JOEL JOEL S. GUIMARÃES. Joel S. Guimarães

NOME DO CURSO: PROFETA JOEL PROFETA JOEL JOEL S. GUIMARÃES. Joel S. Guimarães PROFETA JOEL JOEL S. GUIMARÃES A IBCU tem como MISSÃO servir e honrar a Deus e, na Sua dependência, proclamar ao mundo Sua verdade, integrar em Sua família os que creem, reproduzir neles o caráter de Jesus

Leia mais

COMO USAR O CHECKLIST

COMO USAR O CHECKLIST COMO USAR O CHECKLIST Este Checklist é uma maneira fácil de ler partes chaves da Bíblia em apenas alguns minutos de cada vez. Se você ler duas por semana, terá lido as histórias básicas das Escrituras

Leia mais

EB_Hebreus_final.indd 1 12/07/18 18:54

EB_Hebreus_final.indd 1 12/07/18 18:54 Estudos bíblicos expositivos em Hebreus EB_Hebreus_final.indd 1 12/07/18 18:54 EB_Hebreus_final.indd 2 12/07/18 18:54 EB_Hebreus_final.indd 3 12/07/18 18:54 Estudos bíblicos expositivos em Hebreus, de

Leia mais

Lição 10 para 9 de março de 2019

Lição 10 para 9 de março de 2019 Lição 10 para 9 de março de 2019 Depois de desvelar o ataque final do dragão, da besta e do falso profeta (Apocalipse 13), é mostrado a João o grupo dos que vencerão no conflito (14:1-5), sua mensagem

Leia mais

Apresentação. Estudos bíblicos doutrinários - formato 16x23.pmd 3

Apresentação. Estudos bíblicos doutrinários - formato 16x23.pmd 3 Apresentação A Editora Cultura Cristã continua a contribuir para o amadurecimento dos crentes e para o fortalecimento da Igreja. Numa época de crise em que mesmo a mídia secular noticia o abandono da fé

Leia mais

Propedêutica Bíblica. 13 de Janeiro de 2014 Bíblia na Vida da Igreja

Propedêutica Bíblica. 13 de Janeiro de 2014 Bíblia na Vida da Igreja Propedêutica Bíblica 13 de Janeiro de 2014 Bíblia na Vida da Igreja ORAÇÃO Lucas 4, 16-30 Impelido pelo Espírito Santo, Jesus veio a Nazaré, onde se tinha criado. Segundo o seu costume, entrou em dia de

Leia mais

Escola Bíblica Dominical. Lição 01. Introdução à carta. Pb. Rodrigo da Silva Gomes 22/03/2015

Escola Bíblica Dominical. Lição 01. Introdução à carta. Pb. Rodrigo da Silva Gomes 22/03/2015 Escola Bíblica Dominical Lição 01 Introdução à carta Pb. Rodrigo da Silva Gomes 22/03/2015 Roteiro da Aula Introdução; O autor Local e data; Os destinatários; Propósitos; Roteiro da Aula Características

Leia mais

CONVENÇÃO BATISTA FLUMINENSE Revista Palavra e Vida Sugestões Didáticas - 4º Trimestre/2011 ESTAR DISPOSTO A APRENDER.

CONVENÇÃO BATISTA FLUMINENSE Revista Palavra e Vida Sugestões Didáticas - 4º Trimestre/2011 ESTAR DISPOSTO A APRENDER. CONVENÇÃO BATISTA FLUMINENSE Revista Palavra e Vida Sugestões Didáticas - 4º Trimestre/2011 ENSINAR É... ESTAR DISPOSTO A APRENDER. LIÇÃO 1 UMA ABORDAGEM DE ISAÍAS Base Bíblica: Isaías 1:1; 6:1-1 Objetivo:

Leia mais

LIÇÃO 3 - O DIA DO SENHOR. Prof. Lucas Neto

LIÇÃO 3 - O DIA DO SENHOR. Prof. Lucas Neto LIÇÃO 3 - O DIA DO SENHOR Prof. Lucas Neto A GLÓRIA É DE DEUS INTRODUÇÃO O DIA DO SENHOR EM TODAS AS ÉPOCAS O dia do Senhor representou para Judá e Israel um severo julgamento devido a altivez humana que

Leia mais

conheça sua Bíblia Estudos Panorâmicos no AT e NT TODA QUINTA-FEIRA - DAS 19H30 ÀS 21H - RUA JOSÉ ALVES GUEDES, JD. SONIA JAGUARIÚNA/SP

conheça sua Bíblia Estudos Panorâmicos no AT e NT TODA QUINTA-FEIRA - DAS 19H30 ÀS 21H - RUA JOSÉ ALVES GUEDES, JD. SONIA JAGUARIÚNA/SP TODA QUINTA-FEIRA - DAS 19H30 ÀS 21H - RUA JOSÉ ALVES GUEDES, 1332 - JD. SONIA JAGUARIÚNA/SP 1 e 2 Samuel! DATA: Indefinida Abrangência: Do nascimento de Samuel ao fim do reinado de Davi (1.100 A.C. a

Leia mais

A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI)

A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI) A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI) Teologia Bíblica da Missão de Deus Paulo Adolfo O problema do mal O problema do mal Precisamos, minimamente, pincelar sobre o Problema do Mal (ou pelo menos

Leia mais

PARÓQUIA SANTA RITA DE CÁSSIA DIOCESE DE JUNDIAÍ

PARÓQUIA SANTA RITA DE CÁSSIA DIOCESE DE JUNDIAÍ PARÓQUIA SANTA RITA DE CÁSSIA DIOCESE DE JUNDIAÍ Material Estudo Bíblico Parte I Apresentação Pe Antônio 24/08 A BÍBLIA SAGRADA Palavra de Deus. Deus fala ao seu povo Deus se revela, se manifesta, intervém

Leia mais

LIÇÃO 13 - A DECISÃO CRUCIAL DO DISCÍPULO: OUVIR E PRATICAR. Prof. Lucas Neto

LIÇÃO 13 - A DECISÃO CRUCIAL DO DISCÍPULO: OUVIR E PRATICAR. Prof. Lucas Neto LIÇÃO 13 - A DECISÃO CRUCIAL DO DISCÍPULO: OUVIR E PRATICAR Prof. Lucas Neto A GLÓRIA É DE DEUS INTRODUÇÃO OBEDECER É MELHOR QUE SACRIFICAR Deus registra na Santa Bíblia a comparação dos atos de obediência

Leia mais

VI. Avivamentos bíblicos. João Batista

VI. Avivamentos bíblicos. João Batista VI. Avivamentos bíblicos João Batista Avivamento à vista Depois do exílio dos judeus na Babilônia Depois do retorno Depois do período interbíblico parecia que nada mais iria acontecer Mas Deus se manifestou,

Leia mais

ESTUDO INDUTIVO 1 JOÃO

ESTUDO INDUTIVO 1 JOÃO ESTUDO INDUTIVO 1 JOÃO Ao contrário da maioria das epístolas, o autor de 1 João não é mencionado no corpo da carta. Entretanto, a igreja cristã sempre reconheceu a autoria do apóstolo João. A primeira

Leia mais

A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI)

A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI) A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI) Teologia Bíblica da Missão de Deus Paulo Adolfo A Revelação e a Missão de Deus (Missio Dei) Objetivos da matéria: 1. Apresentar as bases bíblicas para o projeto

Leia mais

Preparado por: Pr. Wellington Almeida. LIÇÃO O Filho de Davi. O Evangelho. Mateus

Preparado por: Pr. Wellington Almeida. LIÇÃO O Filho de Davi. O Evangelho. Mateus Preparado por: Pr. Wellington Almeida LIÇÃO O Filho de Davi 01 O Evangelho Mateus de esboço INTRODUÇÃO Embora Mateus fosse um desprezado, o Senhor olhou para o coração dele e o escolheu para ser discípulo.

Leia mais

A argila e a cera têm reações diferentes à mesma ação. Com o calor, a argila endurece, enquanto a cera derrete. Assim é com o coração humano, quanto

A argila e a cera têm reações diferentes à mesma ação. Com o calor, a argila endurece, enquanto a cera derrete. Assim é com o coração humano, quanto A argila e a cera têm reações diferentes à mesma ação. Com o calor, a argila endurece, enquanto a cera derrete. Assim é com o coração humano, quanto mais intenso é o seu amor de Deus, ou derrete ou endurece.

Leia mais

LIÇÃO 1 A LEI E A ALIANÇA Êxodo 19

LIÇÃO 1 A LEI E A ALIANÇA Êxodo 19 LIÇÃO 1 A LEI E A ALIANÇA Êxodo 19 1. Antes de entregar a lei, Deus já havia feito uma aliança com o povo. Em Êxodo 19.1-4, Deus lembra o povo do seu pacto, confirmado demonstrado em um fato. Qual é o

Leia mais

ESCOLA DE CURSO DE ESTUDO Garret-Evangelical Theological Seminary 2121 Sheridan Roas, Evanston, IL SEGUNDO ANO JULHO 2018

ESCOLA DE CURSO DE ESTUDO Garret-Evangelical Theological Seminary 2121 Sheridan Roas, Evanston, IL SEGUNDO ANO JULHO 2018 ESCOLA DE CURSO DE ESTUDO Garret-Evangelical Theological Seminary 2121 Sheridan Roas, Evanston, IL 60201 847-866-3492 SEGUNDO ANO JULHO 2018 ECE 221 BÍBLIA II: A TORAH E A HISTÓRIA DE ISRAEL 1 DOCENTE:

Leia mais

SOLA SCRIPTURA A Reforma, a Bíblia e a Familia Cristã. AULA 5: A FAMILIA DA ALIANÇA Pb. José Cordeiro

SOLA SCRIPTURA A Reforma, a Bíblia e a Familia Cristã. AULA 5: A FAMILIA DA ALIANÇA Pb. José Cordeiro SOLA SCRIPTURA A Reforma, a Bíblia e a Familia Cristã. AULA 5: A FAMILIA DA ALIANÇA Pb. José Cordeiro Qual o significado bíblico de Familia da ALIANÇA? O casamento é um sacramento, um contrato ou uma

Leia mais

Dn 9:3 E eu dirigi o meu rosto ao Senhor Deus, para o buscar com oração e súplicas, com jejum, e saco e cinza.

Dn 9:3 E eu dirigi o meu rosto ao Senhor Deus, para o buscar com oração e súplicas, com jejum, e saco e cinza. 1 Capitulo 9 Oração de Daniel. As setenta semanos. O Messias Dn 9:1 No ano primeiro de Dario, filho de Assuero, da linhagem dos medos, o qual foi constituído rei sobre o reino dos caldeus, Dn 9:2 No primeiro

Leia mais

Judaísmo A mais antiga religião monoteísta. Ana Paula N. Guimarães

Judaísmo A mais antiga religião monoteísta. Ana Paula N. Guimarães Judaísmo A mais antiga religião monoteísta Ana Paula N. Guimarães O que é o judaísmo? A mais antiga religião das três principais e maiores religiões monoteístas Judaísmo Cristianismo (maior em quantidade

Leia mais

Escola Bíblica AD Blumenau

Escola Bíblica AD Blumenau LIÇÃO 7 Jesus Sumo Sacerdote de uma ordem superior TEXTO BÍBLICO Hebreus 7.1-19 OBJETIVOS DA LIÇÃO 1 - Explicar o aspecto tipológico do Messias. 2 - Destacar a natureza do sacerdócio de Cristo. 3 - Expor

Leia mais

INTRODUÇÃO - A salvação do homem por Cristo Jesus era um mistério que só foi plenamente revelado com a encarnação do Verbo.

INTRODUÇÃO - A salvação do homem por Cristo Jesus era um mistério que só foi plenamente revelado com a encarnação do Verbo. INTRODUÇÃO - A salvação do homem por Cristo Jesus era um mistério que só foi plenamente revelado com a encarnação do Verbo. - O primeiro a pregar o evangelho ao homem foi o próprio Deus no Éden. I O PROTOEVANGELHO

Leia mais

Descrição Aliança Referência. Instruções de conservação e leitura pública Garantias/Leitura Dt. 27:2-3

Descrição Aliança Referência. Instruções de conservação e leitura pública Garantias/Leitura Dt. 27:2-3 Introdução ao Livro de Deuteronômio - A nova geração Ao contrário do que o nome, vindo do grego, sugere, Deuteronômio não se trata de uma segunda lei, mas é uma recapitulação, para a nova geração pós-êxodo,

Leia mais

Ano Litúrgico Ano C

Ano Litúrgico Ano C Ano Litúrgico 2009-2010 Ano C TEMPO DO ADVENTO 29/11 1º Domingo do Advento A redenção está próxima. Jeremias 33,14-16; Salmo 25(24); 1 Tessalonicenses 3,12-4,2; Lucas 21,25-28. 34-36 6/12 2º Domingo do

Leia mais

LINHA DO TEMPO DE EVENTOS BÍBLICOS IMPORTANTES. Esta breve linha do tempo representa os eventos-chave cobertos pela Bíblia:

LINHA DO TEMPO DE EVENTOS BÍBLICOS IMPORTANTES. Esta breve linha do tempo representa os eventos-chave cobertos pela Bíblia: Você se sentirá mais confiante sobre seus estudos bíblicos quando vir a linha do tempo dos eventos importantes narrados na Bíblia, tiver uma compreensão dos livros que a compõem e como eles são organizados,

Leia mais

Diagnóstico de uma religião que perdeu o seu poder. (AMÓS )

Diagnóstico de uma religião que perdeu o seu poder. (AMÓS ) Amós foi um dos grandes profetas do século VIII a. C. Cuidava de bois (conf. cap. 7. 15) Era natural de Tecoa uma cidadezinha que ficava a 9 km ao Sul de Belém, próximo ao mar morto. Sua atividade profética

Leia mais

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Copyright 2014 Editora A Voz do Cenáculo É proibida a reprodução parcial ou total sem autorização da Editora A Voz do Cenáculo. Disciplina Eclesiástica As instruções bíblicas para a aplicação da disciplina

Leia mais

ESTUDOS SOBRE O EVANGELHO SEGUNDO JOÃO

ESTUDOS SOBRE O EVANGELHO SEGUNDO JOÃO 1 ESTUDOS SOBRE O EVANGELHO SEGUNDO JOÃO Lição 4: Jesus, o Salvador rejeitado Pr Paulo Marcos PIB de Pouso Alegre 2 1. Introdução O Evangelho Segundo João Lição 4: Jesus o Salvador (João 1.10-12) Todos

Leia mais

Interpretação Bíblica

Interpretação Bíblica IGREJA ALIANÇA EVANGÉLICA MISSIONÁRIA Interpretação Bíblica Disciplina 17/03/2011 Este material didático, é de grande importância para o estudo em seminário, visando a formação dos futuros líderes e obreiros

Leia mais

Série IGREJA QUE AGRADA A DEUS. Tem ESPERANÇA AMOR

Série IGREJA QUE AGRADA A DEUS. Tem ESPERANÇA AMOR Série A IGREJA QUE AGRADA A DEUS Tem FÉ ESPERANÇA AMOR I Co 13.13 O QUE É UMA IGREJA? Três coisas, na verdade, permanecerão: fé esperança e amor e a maior delas é o amor O amor é a evidência maior de maturidade

Leia mais

O BRASIL. e a crise ética

O BRASIL. e a crise ética O BRASIL e a crise ética O Brasil e a Crise Ética Setor Público Transparência Internacional 60º 80º 69º 72º 69º 76º 79º 96º 100º 2012 2013 2014 2015 2016 2017 O Brasil e a Crise Ética Mundo dos Negócios

Leia mais

Este livro é um volume bastante conciso do falecido Ronald Nash que traz bom conteúdo em quantidade considerável. É uma apologética para o cristianismo por meio da comparação com outras cosmovisões: naturalismo

Leia mais

Revista Teológica Brasileira

Revista Teológica Brasileira Revista Teológica Brasileira 1 Revista Teológica Brasileira VOLUME XX NÚMERO II Dezembro de 2012 ISSN 0104-0073 Órgão de publicação semestral da Faculdade Luterana de Teologia FLT Este periódico está indexado

Leia mais

A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI)

A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI) A REVELAÇÃO E A MISSÃO DE DEUS (MISSIO DEI) Teologia Bíblica da Missão de Deus Paulo Adolfo Nos livros poéticos vemos ação responsiva, por parte de Israel, aos atos salvíficos de Deus. Respostas: Pessoais;

Leia mais

Bíblia para crianças apresenta ISAÍAS VÊ O FUTURO. História 27 de 60.

Bíblia para crianças apresenta ISAÍAS VÊ O FUTURO. História 27 de 60. Bíblia para crianças apresenta ISAÍAS VÊ O FUTURO Escrito por: Edward Hughes Ilustrado por: Jonathan Hay Traduzido por: Berenyce Brandão Adaptado por: Mary-Anne S. História 27 de 60 www.m1914.org Bible

Leia mais

A Bíblia na Estante VI

A Bíblia na Estante VI A Bíblia na Estante VI Samuel Rodrigues 2 A s Autor: Deus autores: homens Samuel Rodrigues 2015 2 Bíblia: Especial e Única Toda a Escritura proveitosa Texto para interpretar e aplicar é divinamente Autor

Leia mais

Tornando a Bíblia relevante para o nosso século A

Tornando a Bíblia relevante para o nosso século A Tornando a Bíblia relevante para o nosso século A Para interpretar a mensagem do AT e fazer a devida aplicação da perícope, antes de tudo precisamos conhecer o gênero literário e a estrutura narrativa

Leia mais

Introdução. Quem deseja o episcopado, boa obra deseja. Curso Básico Preparatório de Obreiros

Introdução. Quem deseja o episcopado, boa obra deseja. Curso Básico Preparatório de Obreiros Curso Básico Preparatório de Obreiros Então disse aos seus discípulos: A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos. Peçam, pois, ao Senhor da seara que envie trabalhadores para a sua seara. Mateus

Leia mais

PANORAMA BÍBLICO SEEC PARANÁ 2018

PANORAMA BÍBLICO SEEC PARANÁ 2018 PANORAMA BÍBLICO SEEC PARANÁ 2018 A palavra BÍBLIA vem do grego biblos (livros), plural de biblion (livro). A Bíblia realmente é uma coleção de livros, estando divididos em duas seções, que são o Antigo

Leia mais

O Reino de Deus. Estudo Bíblico e Sistemático

O Reino de Deus. Estudo Bíblico e Sistemático O Reino de Deus Estudo Bíblico e Sistemático Antigo Testamento Sl 103.19 Deus é visto como o rei da criação, tendo domínio sobre todos os aspectos da criação (inanimados, animados e humanos). Ao criar

Leia mais

POR QUAIS MOTIVOS BÍBLICOS O ESCRITOR SAGRADO NOS EXORTA A NÃO ABANDONARMOS A ADORAÇÃO? NOSSA CONGREGAÇÃO?

POR QUAIS MOTIVOS BÍBLICOS O ESCRITOR SAGRADO NOS EXORTA A NÃO ABANDONARMOS A ADORAÇÃO? NOSSA CONGREGAÇÃO? RAZÕES PARA ADORAR (Hb 10.19-25) Tudo o que sobressai deste texto é a sua exortação do vers 25, não deixemos de congregar-nos, geralmente para chamar a atenção dos faltosos aos cultos. Será que o motivo

Leia mais

Josué, um líder escolhido por Deus

Josué, um líder escolhido por Deus Josué, um líder escolhido por Deus Introdução Josué é um livro com profundas verdades espirituais. Ele nos inspira a sermos corajosos e nos orienta, a enfrentar as batalhas espirituais, confiando em Deus

Leia mais

O PROFETA JEREMIAS UM HOMEM APAIXONADO

O PROFETA JEREMIAS UM HOMEM APAIXONADO O PROFETA JEREMIAS UM HOMEM APAIXONADO Carlos Mesters O PROFETA JEREMIAS UM HOMEM APAIXONADO Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Coordenador de revisão: Tiago José Risi Leme Revisão: Caio Pereira

Leia mais

DEUTERONÔMIO Devarim = םירבד

DEUTERONÔMIO Devarim = םירבד DEUTERONÔMIO דברים = Devarim Autor e Data Autor Deuteronômio identifica o conteúdo do livro com Moisés: Estas são as palavras que Moisés falou a todo o Israel (1.1). Moisés escreveu esta Lei, e a deu aos

Leia mais

4 O que é uma igreja baseada em princípios?

4 O que é uma igreja baseada em princípios? 4 O que é uma igreja baseada em princípios? Essa igreja é uma comunidade local onde todos os membros, vivenciando os princípios apresentados na Palavra de Deus, têm por objetivo glorificar a Deus e cumprir

Leia mais

Introdução ao Livro de Malaquias Um novo recomeço

Introdução ao Livro de Malaquias Um novo recomeço Introdução ao Livro de Malaquias Um novo recomeço Sabe-se muito pouco a respeito do profeta Malaquias, pois o livro omite detalhes de sua vida e genealogia tal como Obadias. Talvez o nome Malaquias seja

Leia mais

Isaías: do texto ao sermão

Isaías: do texto ao sermão Isaías: do texto ao sermão IAET - Instituto Anglicano de Estudos Teológicos Encontro sobre Homilética Coordenação: Revda. Carmen Kawano Facilitador: Rev. Prof. Dr. JR. Cristofani 08 de Dezembro de 2018

Leia mais

#4 A era dos profetas.

#4 A era dos profetas. 1 #4 A era dos profetas. Introdução: Visão geral do ministério dos profetas na Bíblia 1. As principais figuras de autoridade na sociedade judaica no Antigo Testamento eram: REIS SACERDOTES PROFETAS 2.

Leia mais

Treinamento de Instrutores Bíblicos. Como Ensinar Doutrinas Básicas Adventistas

Treinamento de Instrutores Bíblicos. Como Ensinar Doutrinas Básicas Adventistas North A meric an Divisio n Portuguese Mi nistry Treinamento de Instrutores Bíblicos Como Ensinar Doutrinas Básicas Adventistas Como Ensinar Doutrinas Básicas Adventistas Objetivo Uma compreensão clara

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta ISAÍAS VÊ O FUTURO

Bíblia para crianças. apresenta ISAÍAS VÊ O FUTURO Bíblia para crianças apresenta ISAÍAS VÊ O FUTURO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Jonathan Hay Adaptado por: Mary-Anne S. Traduzido por: Berenyce Brandão Produzido por: Bible for Children www.m1914.org

Leia mais

A era dos patriarcas

A era dos patriarcas Os Hebreus Os Hebreus De todos os povos da antiguidade os hebreus talvez sejam os que mais influência cultural e religiosa nós sejamos herdeiros. Pois as raízes da cultura judaico-cristã, da qual fazemos

Leia mais

A ALIANÇA LIÇÃO 11 IV TRIMESTRE Preparado por: Pr. Wellington Almeida

A ALIANÇA LIÇÃO 11 IV TRIMESTRE Preparado por: Pr. Wellington Almeida A ALIANÇA IV TRIMESTRE 2015 Preparado por: Pr. Wellington Almeida A ALIANÇA INTRODUÇÃO A primeira referência à nova aliança está em Jeremias, no contexto da volta de Israel do exílio e das bênçãos que

Leia mais

A insistência do amor divino diante da teimosia da rebelião humana Aula 14/02/2016 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira

A insistência do amor divino diante da teimosia da rebelião humana Aula 14/02/2016 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira A insistência do amor divino diante da teimosia da rebelião humana Aula 14/02/2016 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira O deserto é lugar de comunhão com Deus Jeremias 1:1-10 1 Palavras de Jeremias, filho

Leia mais

Igreja Povo de Deus. I. Chamados

Igreja Povo de Deus. I. Chamados Igreja Povo de Deus I. Chamados Podemos falar da igreja de duas maneiras: A igreja é o povo de Deus. Ele precisa da igreja para proclamar sua mensagem ao mundo A igreja é a nossa família maior. Nós precisamos

Leia mais