ANTÓNIO BARRETO NO ESCURINHO DO CINEMA LIGADOS À CORRENTE OULANKA. a revista da caixa RETRATOS SOCIAIS E OUTRAS CONVERSAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANTÓNIO BARRETO NO ESCURINHO DO CINEMA LIGADOS À CORRENTE OULANKA. a revista da caixa RETRATOS SOCIAIS E OUTRAS CONVERSAS"

Transcrição

1 CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS Ano II 2011 Número 3 ANTÓNIO BARRETO RETRATOS SOCIAIS E OUTRAS CONVERSAS NO ESCURINHO DO CINEMA OS BASTIDORES DA 31ª EDIÇÃO DO FANTASPORTO LIGADOS À CORRENTE O QUE MUDA COM A CHEGADA DOS CARROS ELÉCTRICOS? OULANKA A PUREZA GÉLIDA DO NORTE FINLANDÊS 1,50 CONTINENTE E ILHAS PERIODICIDADE TRIMESTRAL

2 Volta ao mundo em 60 páginas editorial e Director Suzana Ferreira Arte e projecto Rui Garcia e Rui Guerra Colaboradores Alexandre Coutinho, Ana Rita Lúcio, Catarina Vilar, Luís Inácio, Marco C. Pereira; Maria João Alexandre, Pedro Guilherme Lopes e Tânia Taís (texto); Estúdio João Cupertino, Miguel Manso, Nuno Botelho e Sara Wong com agências Corbis, Getty Images, istockphoto e Reuters (fotos); Dulce Paiva (revisão) Secretariado Teresa Pinto Gestor de Produto Luís Miguel Correia Produtor Gráfico João Paulo Font REDACÇÃO TELEFONE: FAX: R. Calvet de Magalhães, Paço de Arcos PUBLICIDADE TELEFONE: FAX: Impresa Publishing R. Calvet de Magalhães, Paço de Arcos Director Comercial Maria João Peixe Dias Director Coordenador Luísa Diniz Coordenador Maria João Jorge Contacto Ana Dória Eduarda Casa Nova Assistente Florbela Figueiras Coordenador de Materiais José António Lopes Editora Medipress - Sociedade Jornalística e Editorial, Lda. NPC Capital Social: ,90; CRC Lisboa Composição do capital da entidade proprietária Impresa Publishing, S. A % Rua Calvet de Magalhães, Paço de Arcos Tel.: Fax: Impressão Lisgráfica - Impressão e Artes Gráficas, S. A. Propriedade Caixa Geral de Depósitos Av. João XXI, 63, Lisboa Periodicidade Trimestral (Edição n.º 3, Janeiro/Março 2011) Depósito Legal /10 Registo ERC Tiragem exemplares NESTE INÍCIO DE 2011, António Barreto, figura incontornável da cultural nacional, concede-nos uma entrevista onde chama a atenção para a cidadania e a forma como o conceito influencia a nossa sociedade em constante mutação e sujeita a grandes desafios. É grande, também, a curiosidade que envolve a chegada dos carros eléctricos e a forma como vão influenciar não só a nossa sociedade como o próprio meio ambiente uma das grandes preocupações da Caixa, com o Programa Caixa Carbono Zero e a sua política de sustentabilidade. Ainda neste âmbito, fique a conhecer o projecto que promete transformar Paredes na primeira cidade sustentável do mundo. Como já vem sendo hábito, voltamos a dar-lhe a conhecer jovens talentos nacionais que estão a conquistar o mundo, como são os casos de Filipa Pato e João Tordo, bem como uma instituição que aposta na formação de futuros talentos, o Instituto Politécnico de Portalegre. Isto sem esquecer a estreia de Leonor de Sousa Bastos, na nova secção Prazeres. Em Nova Iorque, encontrámos Rui Docouto, um açoriano que dá cartas no mundo do design com um exército de candeeiros-insectos, numa ligação à natureza. Convidamo-lo, ainda, a conhecer Oulanka, na Finlândia, junto ao Círculo Polar Árctico, um dos melhores parques do Norte da Europa e Património Mundial da UNESCO, onde o frio e a neve duram quase todo o ano. E porque, em época de frio, um abrigo acolhedor é sempre agradável, damos-lhe a conhecer as Casas da Lapa, na Serra da Estrela, e desafiamo-lo a sentar-se, confortavelmente, e a desfrutar de todas as novidades que preparámos para si nesta edição, dando uma verdadeira volta ao mundo nas páginas da sua Cx. SUZANA FERREIRA Foto de capa: João Cupertino Correio do leitor A Cx é uma publicação da Divisão Customer Publishing da Impresa Publishing, sob licença da Caixa Geral de Depósitos Cx 3

3 i interior 06 Pormenor Notícias e novidades PESSOAS 10 Histórias de sucesso Joaquim Mourato, presidente do Instituto Politécnico de Portalegre 12 Talento Os livros de João Tordo e os vinhos de Filipa Pato ESTILO 16 Design & arquitectura Candeeiros-insectos com assinatura portuguesa; CGD de mãos dadas com o Remade 20 Automóveis Um Fiat eco-clássico 21 Culto O nome diz tudo 22 Gourmet Iguarias à moda do Gerês DESTAQUES VIVER 31 Observatório Francisco Ferreira de olho nos carros eléctricos 32 Sustentabilidade Paredes vira cidade sustentável; Caixa convida a Mudar as Cidades 38 Saúde As alergias estão de volta 39 Educação Aprender a gerir o tempo 40 Finanças Poupe no IRS DESTINOS 48 Fugas No conforto das Casas da Lapa 52 Roteiro Rua Direita, em Óbidos CULTURA 60 Agenda + Cultura Livros, discos e sugestões para sair de casa 66 Vintage CGD responsável desde Sustentabilidade O carro eléctrico deu, finalmente, o salto dos filmes de ficção científica para a vida real. Se vai contribuir para salvar o mundo, só o tempo o dirá 23 Prazeres Perante a possibilidade de juntar um talento nacional a uma iguaria que desperta o prazer da gula, não hesitámos. Surge, assim, uma nova página. De comer e chorar por mais 42 Grande viagem No recanto leste da Finlândia, Kuusamo e a vasta área circundante abrigam alguns dos últimos redutos selvagens da Europa. A região mantém-se gélida e nevada, abençoada pela beleza de cenários como os do Parque Nacional de Oulanka 54 Entrevista Recebe cerca de 120 s por dia e há alturas em que trabalha mais de 16 horas diárias. Mas, para António Barreto, tudo isso compensa quando o que está em causa é uma missão de serviço público e de dar às pessoas os instrumentos para formarem uma opinião 62 Cultura Nos bastidores da 31.ª edição do Festival Internacional de Cinema do Porto (Fantasporto) Foto: David Lefranc/Kipa 4 Cx

4 s sustentabilidade REVOLUÇÃO ELÉCTRICA Ligados à corrente O carro eléctrico deu, finalmente, o salto dos filmes de ficção científica para a vida real. Se vai transformar os hábitos de condução e contribuir para salvar o mundo, só o tempo o dirá Por Alexandre Coutinho 24 Cx

5 Cx 25

6 s sustentabilidade Na Califórnia, o jovem empresário, de 31 anos, Olivier Chalouhi foi o primeiro em todo o mundo a receber as chaves de um Nissan Leaf das mãos de Carlos Tavares, o português considerado o n.º 2 da marca japonesa, vice-presidente da empresa e que preside, também, à Nissan América. O carro é preto e até passa discreto no meio do trânsito, despertando aqui e ali um olhar mais curioso. Olivier Chalouhi foi convidado para tirar uma fotografia com Carlos Tavares à frente do edifício da Câmara (City Hall) de S. Francisco e foi ali mesmo que foi «assaltado» pelo principal receio de todo o condutor de um automóvel eléctrico: «Será que vou conseguir voltar para casa?» É que Chalouhi vive a 35 milhas (56 km) a sul de Redwood City e o indicador de autonomia no painel do Leaf indicava que este tinha apenas energia para 37 milhas (59 km). O problema foi, no entanto, rapidamente resolvido com a ligação a uma tomada que estava ali por perto. Para dar resposta à chamada «ansiedade da autonomia», construtores como a General Motors vão introduzir no mercado modelos de automóveis eléctricos com extensor de autonomia. É o caso do Opel Ampera e do Chevrolet Volt, dotados de um pequeno motor a combustão, especialmente destinado a produzir energia para o motor eléctrico quando o nível das baterias se aproxima assustadoramente do vazio. As primeiras 160 unidades do Volt saíram da fábrica no final de Dezembro, com destino aos Estados norte-americanos da Califórnia, Texas, Nova Iorque e Washington (à Europa só chegarão no último trimestre de 2011). Oito potenciais compradores digladiaram-se em leilão pelo primeiro Volt, que acabaria por ser licitado por mais de 167 mil euros (dinheiro que foi doado às escolas públicas de Detroit)! Dez unidades do carro eléctrico japonês foram entregues, em Dezembro, ao governo e a várias entidades que integram o consórcio Mobi-e (Siemens, EDP Inovação, Efacec, Critical Software, Novabase e Martifer, entre outras). Dos 60 mil carros produzidos no Japão, entre 1500 a 2000 unidades destinam-se ao mercado português. Apesar de não revelarem números, os responsáveis da Nissan estão satisfeitos com as reservas das pessoas que já sinalizaram a compra do carro com 300 euros (totalmente reembolsáveis em caso de desistência). Confortavelmente sentado ao volante do Nissan Leaf, o que mais surpreende o condutor é o ambiente de silêncio quase absoluto em que o veículo se move, fruto de um trabalho apurado de insonorização e aerodinâmica estudado ao pormenor, em túnel de vento, para alcançar um coeficiente aerodinâmico de 0,29. Os painéis de cor clara e as amplas superfícies vidradas transmitem uma sensação de mais espaço interior do que num automóvel convencional com capacidade para cinco pessoas. As baterias laminadas de iões de lítio de última geração estão colocadas no piso, debaixo dos assentos. Foi só rodar a chave, conferir o indicador no painel de instrumentos, seleccionar o modo de andamento e a viatura estava pronta para circular. GÉMEOS O i-miev, o ion e o C-Zero partilham a mesma tecnologia e interiores SURPRESA Com o Leaf, a Nissan antecipou- -se no mercado à sua parceira Renault Um automóvel eléctrico conduz-se como um carro de caixa automática, usando, apenas, o pedal do acelerador para transmitir a energia do motor eléctrico de 80 kw (equivalente a uma potência de 108 cv) directamente às rodas. Requer, no entanto, algum cuidado e habituação. Com a totalidade do binário (280 Nm) disponível logo no arranque, o Leaf possui uma aceleração equivalente à de um motor V6 de 3,5 litros. Mais do que suficiente para sair na frente e deixar os outros carros CRONOLOGIA 1842 Andrew Davidson testa nas ruas de Edimburgo um veículo eléctrico com 3,60 m de comprimento e 1,80 m de largura. Cada um dos dois eixos é accionado por quatro electro- -ímanes Gustave Trouvé equipa um triciclo a pedais Coventry Rotary com dois motores eléctricos, com uma potência de 0,1 cv, o que lhe permite circular à velocidade de 12 km/h Magnus Volk fabrica, em Inglaterra, um dogcart eléctrico de quatro lugares. O primeiro cliente foi o sultão turco Abdoul-Hamid II Charles Jeantaud cria o seu primeiro automóvel eléctrico, com uma potência de 4 cv e 430 kg de baterias alojadas debaixo do banco dos passageiros A London Electrical Cab Company lança táxis com veículos concebidos por Walter Bersey, com uma potência de 3,5 cv e autonomia de 40 km Onze modelos de automóveis eléctricos concorrem aos táxis de Paris. Louis Krieger e Charles Jeantaud ganham os fornecimentos Camille Jenatzy bate o recorde de velocidade para um automóvel (105,882 km/h), ao volante da Jamais Contente, de Charles Jeantaud Ferdinand Porsche concebe um veículo com motores eléctricos nas quatro rodas. É o primeiro 4X4 da história. Porsche foi também o inventor do veículo híbrido. 26 Cx

7 Print TIPOS DE BATERIAS O sucesso dos automóveis eléctricos está muito dependente da autonomia das baterias. Lítio-iões PO4 Fórmula com fosfato É a mais segura, com maior autonomia, robustez e garantia de potência de 12 V, habitualmente usada na rede eléctrica dos automóveis. O seu tempo de recarga é dos mais baixos. Lítio-iões Co Fórmula com cobalto Dispõe de maior densidade energética, mas, em contrapartida, requer maior tempo de recarga. Níquel-cádmio NiCd Tem um menor tempo de recarga, mas com efeito de memória, o que reduz o seu rendimento; além da poluição do cádmio. Níquel-metal NiHM Possui um bom rendimento e requer mais tempo de recarga, embora o maior problema seja o seu custo. Lítio-iões Mn Fórmula com manganésio À imagem da anterior, possui maior segurança, autonomia e baixo tempo de recarga. Chumbo É o sistema mais antigo e barato para armazenar energia. A sua densidade é pobre e o tempo de recarga é o maior de todos. «plantados» nos semáforos. A partir dos 60 km/h, a aceleração é contínua e constante até um máximo de 144 km/h. E muita atenção aos peões! Como o carro é totalmente silencioso (o sistema sonoro de aviso só entra em funcionamento abaixo dos 25 km/h), ninguém o ouve aproximar-se. Recomenda-se um uso mais intenso da buzina. A caixa de velocidades é controlada electronicamente e existem dois modos de condução, sendo um deles mais apropriado para percursos urbanos e capaz de estender a autonomia do veículo em mais 10 por cento. Além da velocidade, o ecometer e o speedometer no painel de instrumentos convidam a conduzir de uma forma mais económica, indicando o consumo de energia em função da aceleração O Torpedo eléctrico de Walter Baker alcança os 125 km/h e, dois anos depois, mais de 160 km/h A Detroit Electric começa a produzir carros eléctricos em série. Até 1939, produziu cerca de 30 mil unidades Durante a 2.ª Guerra Mundial renascem os automóveis eléctricos. A Peugeot lança o VLV (Voiture Légère de Ville), autonomia para 75 km A Nissan cria o seu primeiro veículo eléctrico, o Tama Electric Car, para fazer face à escassez de combustível no pós- -guerra. E, depois, em versão a gasolina Nasce o primeiro Renault eléctrico: o Dauphine Henney Kilowatt, com uma autonomia de 60 km e uma velocidade máxima de 60 km/h Surgem os primeiros veículos eléctricos da Mitsubishi: os minifurgões comerciais Minica Van EV e Mini Cab EV O astronauta Harisson Schmidt conduz o Lunar Roving Vehicle (LRV) na superfície da Lua, percorrendo, em três dias, 35,9 km, a cerca de 20 km/h Face ao choque petrolífero no início dos anos 70, a empresa norte-americana Troy concebe o CONTINUA NA PÁG. 30 Cx 27

8 s sustentabilidade AUTOMÓVEIS ELÉCTRICOS TESLA ROADSTER Este desportivo de dois lugares, concebido pela Tesla Motors uma empresa norte- -americana com sede em Silicon Valley (Califórnia), é o mais rápido e competitivo automóvel 100% eléctrico actualmente no mercado. A sua comercialização na Europa iniciou-se em 2008, com a aceitação de encomendas em lista de espera (apenas são produzidas 200 unidades por ano). O Tesla Roadster é capaz de acelerar das 0 às 60 milhas (96,5 km/h) em apenas 3,9 segundos; a sua velocidade máxima (limitada electronicamente) ronda 200 km/h, e a sua autonomia é de 244 milhas (cerca de 392 km). O preço na Europa é de 84 mil euros. NISSAN LEAF Nos Estados Unidos, as reservas para as primeiras unidades do Nissan Leaf começaram a ser feitas na Primavera de Desde que o carro foi apresentado, cerca de 22 mil pessoas contactaram a marca japonesa a pedir informações adicionais, 70% das quais residem nas áreas onde este automóvel eléctrico começou a ser comercializado no final do ano passado. Em Portugal, o Nissan Leaf também chegou em Dezembro e é vendido por euros (após incentivo). Trata-se de um veículo com capacidade para cinco pessoas, dotado de um motor eléctrico com a potência de 80 kw (equivalente a uma potência de 108 cv). MITSUBISHI I-MIEV O Mitsubishi i-miev foi posto à venda no Japão, em Junho de 2009, por 4,59 milhões de ienes (cerca de euros). Inicialmente, estava apenas acessível aos governos provinciais e às empresas, mas começou a chegar ao grande público (nomeadamente através de empresas de car sharing) a partir de Abril de 2010, beneficiando de incentivos que reduziram o seu preço final de venda no Japão para perto de 25 mil euros. No entanto, em Portugal, o preço é de 30 mil euros (após incentivo). O motor eléctrico é de 47 kw (equivalente a 63 cv). Vel. máx.: 130 km/h Autonomia: 150 km N.º de lugares: 4 CHEVROLET VOLT E OPEL AMPERA Os dois modelos da General Motors partilham a mesma plataforma do Opel Astra e do Chevrolet Cruze, bem como a tecnologia Voltec. Em viagens até 60 km, o motor eléctrico de 111 kw (potência equivalente a 150 cv) é alimentado pela electricidade armazenada numa bateria de iões de lítio de 16 kw/h, garantindo uma utilização totalmente isenta de emissões. Esta bateria é composta por mais de 200 células dispostas em T no piso debaixo dos bancos e com um peso total de 150 kg. Pode ser recarregada através de qualquer tomada eléctrica de 220 V em cerca de três horas. PEUGEOT ION E CITROËN C-ZERO Fabricados no Japão, os dois modelos são em tudo idênticos ao i-miev (apenas mudam as grelhas e os equipamentos). A sua comercialização sob estas marcas resulta de um acordo entre a PSA Peugeot Citroën e a Mitsubishi Motors Corporation, que permitiu ao grupo francês antecipar- -se à Renault no lançamento de veículos eléctricos. Em função da disponibilidade para entrega de veículos, deverão chegar a Portugal no início de 2011, dado que o País é considerado prioritário para a mobilidade eléctrica na Europa. Vel. máx.: 130 km/h Autonomia: 150 km N.º de lugares: 4 Vel. máx.: 200 km/h Autonomia: 392 km N.º de lugares: 2 Vel. máx.: 140 km/h Autonomia: 160 km N.º de lugares: 5 Vel. máx.: 161 km/h Autonomia: 560 km N.º de lugares: 4 E, como o carro é isento de emissões, afixa o contributo do automobilista para a eficiência energética no ranking (actualizado em tempo real) dos utilizadores deste modelo de automóvel. Num veículo eléctrico, são de evitar acelerações e travagens bruscas ou mesmo andar à velocidade máxima. Deve conduzir-se de um modo suave e despreocupado, procurando gerir as acelerações em função das necessidades e levantando o pé nas descidas. O sistema de regeneração da energia cinética nas travagens e desacelerações também contribui para recarregar as baterias. Concebidos preferencialmente para as cidades, os automóveis eléctricos estão à vontade no pára-arranca do trânsito urbano. Testado em situações reais, a autonomia do Leaf variou entre os 75 km e os 220 km. Através do ecrã táctil de navegação, é possível saber, em qualquer momento, qual a energia disponível nas baterias, a autonomia (até 160 km, com a carga no máximo), as distâncias médias percorridas e a localização dos pontos de carregamento disponíveis na região. A ligação online permite mesmo a pré-reserva do local de estacionamento e do respectivo carregador. As baterias 28 Cx

9 2012 RENAULT KANGOO BE BOP Z.E. Desenvolvido com base no modelo térmico com o mesmo nome, já em circulação, o Kangoo Be Bop Z.E. representa o conceito de veículo utilitário eléctrico destinado aos profissionais. Com comercialização prevista para 2011, acolhe uma motorização com potência de 70 kw, um binário de 226 Nm (superior aos 200 Nm da versão com motor a diesel) e uma autonomia de 160 km. Apesar dos seus 3,95 m de comprimento e altura de 1,85 m, só disporá de bancos dianteiros na versão que será vendida em Portugal. Vel. máx.: 130 km/h Autonomia: 160 km N.º de lugares: 5 RENAULT FLUENCE Z.E. A comercialização da versão eléctrica do Renault Fluence teve início em Israel o primeiro país a assinar um acordo de mobilidade eléctrica com a aliança Renault- -Nissan, no final de A partir de 2011, chegará aos restantes mercados da Europa, nomeadamente a Portugal. Tem um motor de 70 kw (equivalente a 95 cv) com um binário de 226 Nm e um volume de mala de 327 litros. O Fluence Z.E. assume-se como uma solução de mobilidade «estradista» para as famílias. Com um preço anunciado de euros, está sujeito a um custo de 79 euros mensais pelo custo e manutenção das baterias alugadas em leasing. Vel. máx.: 135 km/h Autonomia: 160 km N.º de lugares: 5 RENAULT TWIZY Z.E. Baptizado de Twizy, este modelo é um veículo «zero emissões» que, dentro de dois anos, vai revolucionar os meios urbanos, tanto a nível ambiental como de mobilidade. A carroçaria é em forma de casulo, com um comprimento de 2,30 m e uma largura de apenas 1,13 m. TOYOTA IQ EV Para não ficar atrás da concorrência, a Toyota escolheu a plataforma do pequeno citadino iq para desenvolver um modelo 100% eléctrico, a comercializar em Este FT-EV II mais futurista tem portas deslizantes e painel de instrumentos minimalista e é mais curto no comprimento do que o iq original. RENAULT ZOE Z.E Será o último dos modelos eléctricos propostos pela Renault. Com menos 17 cm que o actual Renault Clio, o Zoe perfila-se como um veículo compacto, para quatro ocupantes, no segmento B. Está dotado de um motor eléctrico de 70 kw, com 226 Nm. VOLKSWAGEN E-UP A Volkswagen apresentou, no Salão Automóvel de Frankfurt, a primeira versão do automóvel eléctrico que vai comercializar no mercado europeu, mas só em À imagem do Toyota iq, o VW E-Up é um (três adultos e uma criança) com um comprimento de pouco mais de três metros (3,19 m). SMART ED Depois dos primeiros ensaios em Berlim, a partir de 2010, outras cidades europeias, como Hamburgo, Paris, Roma, Milão, Pisa e Madrid, também irão conhecer «ao vivo» as potencialidades do Smart ED. Trata-se de uma versão com motorização eléctrica do popular citadino. AUDI E-TRON A Audi lançará, em 2012, o seu primeiro veículo eléctrico, o e-tron, um carro de desporto da gama alta, com 313 cv de potência e uma velocidade de ponta de 230 km/h, que deverá custar mais de 100 mil euros. A fábrica de Ingolstadt projecta, também, uma versão eléctrica do A1 e estuda mais veículos híbridos. podem ser carregadas numa tomada normal de 220 V, em cerca de oito horas, ou através de um carregador rápido, em 30 minutos. Numa utilização diária normal, a carga das baterias não se esgota totalmente e o carregamento é geralmente feito em menos tempo. Em casa, no escritório ou no restaurante, é possível programar e controlar à distância o tempo de carregamento através de um telemóvel do tipo smart phone. A qualquer momento, tem informação disponível sobre o estado das baterias, o fluxo de carregamento e também pode ligar o ar condicionado ou o sistema de aquecimento da viatura. Tudo isto sem gastar a energia das baterias e enquanto o carro está estacionado. Ao contrário do indicador de combustível num veículo convencional, a agulha do mostrador de carga das baterias pode variar de uma forma repentina, consoante o esforço e as solicitações de energia. Num carro eléctrico, tudo conta para influenciar uma maior ou menor autonomia, desde o número de pessoas transportadas ao uso dos sistemas de ar condicionado, faróis, limpa-vidros, auto-rádio, etc., passando pela orografia do percurso e pelas condições meteorológicas (o frio condiciona o rendimento das baterias). O pior cenário para um automóvel eléctrico é uma noite chuvosa e fria de Inverno, em que tem de transportar cinco pessoas até uma zona alta da cidade. Um leque diversificado de construtores de automóveis já se posicionou para comercializar em Portugal os seus veículos eléctricos a partir de É o caso da Renault, com o Fluence Z.E. (Zero Emissões) e o Kangoo Be Bop Z.E.; dos Nissan Van NV200 e Infinity; dos Peugeot ion e Citroën C-Zero («primos» do Mitsubishi i-miev); do Opel Ampera, e do Chevrolet Cx 29

10 s sustentabilidade Volt. Em 2012, será a vez dos Renault Twizy e Zoe, do Smart ED (Electric Drive) e do Toyota iq EV. Portugal será um dos primeiros países do mundo com um plano integrado de mobilidade eléctrica, dispondo de uma rede nacional de carregamento para veículos eléctricos para todas as marcas (Mobi-e), com 1350 postos públicos, até meados do ano, em 25 municípios. A rede Mobi-e será coordenada pela Inteli (Inteligência em Inovação) e contará com pontos de carregamento lento com duração de seis a oito horas, que permite o aproveitamento da energia eólica produzida durante a noite e pontos de carregamento rápido (com corrente trifásica de 400 V) 20 a 30 minutos, para utilização durante o dia. Estes postos poderão ser encontrados nos parques de estacionamento públicos, nos centros comerciais e hipermercados, nas estações de serviço, nos hotéis e aeroportos, na via pública e em garagens particulares de empresas. A estes sistemas a aliança Renault-Nissan poderá adicionar (no âmbito do acordo assinado com o governo) o sistema de troca de baterias Quick Drop (três minutos), desenvolvido especificamente para alguns dos seus veículos. A entidade gestora integrará as várias empresas comercializadoras da mobilidade eléctrica (nomeadamente, através de cartões pré-pagos), de forma a garantir uma rede aberta, universal e focada no utilizador. «O consumo de um automóvel equivale ao de uma casa, pelo que antevejo um potencial equivalente a quatro milhões de novos clientes», afirmou António Mexia, presidente da EDP, uma das primeiras empresas a aderir ao consórcio Mobi-e. Contas feitas pela empresa indicam que os carros eléctricos irão proporcionar poupanças significativas aos seus proprietários. Estas viaturas irão consumir cerca de 20 kw aos 100 km, ou seja, um custo de 2,4 euros (ao preço de 12 cêntimos o quilowatt). Por outro lado, os veículos eléctricos poderão funcionar como um enorme armazém da energia renovável produzida durante a noite e que poderá, posteriormente, ser inserida na rede durante o dia, nos momentos de maior procura. Não é preciso ser um super-herói para conduzir um destes automóveis, mas convém ter a carteira bem recheada. Não são automóveis baratos, mesmo subsidiados: o Nissan Leaf custa euros; o Mitsubishi i-miev, o Peugeot ion e o Citroën C-Zero cerca de euros; o Renault Fluence Z.E. será vendido por euros (acrescidos de 79 euros por mês para o serviço de aluguer e manutenção das baterias); o Tesla Roadster é comercializado para a Europa por 84 mil euros, enquanto o preço do Opel Ampera e do Chevrolet Volt (sem direito a incentivo ou isenção de ISV) deverá rondar os euros. Para incentivar a utilização de veículos eléctricos, o governo e os municípios da rede-piloto estão a criar um conjunto de benefícios que facilitam a sua aquisição e utilização: incentivo de cinco mil euros (dedutível em sede de IRS) para os primeiros cinco mil automóveis adquiridos por particulares; isenção de ISV (imposto sobre veículos) e IUC (imposto único de circulação); deduções fiscais na aquisição de veículos eléctricos (IRS para particulares e IRC para empresas); incentivo adicional de 1500 euros, em caso de abate de veículos em fim de vida; prioridade à circulação nas vias de alta ocupação (corredores BUS); zonas preferenciais de estacionamento nos centros urbanos, e circulação em zonas de emissão reduzida de CO 2. Transformer I (160 km de autonomia), a partir de um Pontiac GTO A Peugeot apresenta o 106 Electric, com uma autonomia de 80 km e uma velocidade máxima de 90 km/h A General Motors lança o programa EV1, com um total de 1117 unidades alugadas em leasing a particulares, até Depois, foram quase todos destruídos A Venturi cria o Fétish, o primeiro automóvel eléctrico desportivo, com uma autonomia de 350 quilómetros e uma velocidade máxima de 170 km/h As primeiras 100 unidades do Smart ED (autonomia de 80 km) começam a ser testadas no centro de Londres Lançamento do Tesla Roadster, com uma potência equivalente a 248 cv, e 200 km/h Cinco centenas de exemplares do Mini E (com autonomia de 240 km) são alugados a particulares nas cidades de Los Angeles, Nova Iorque e Nova Jérsia. A Mitsubishi coloca à venda no mercado japonês as primeiras unidades do I-MiEV Lançamento dos primeiros Nissan Leaf (Japão, Estados Unidos e Portugal), Renault Fluence (Israel) e Chevrolet Volt (Estados Unidos). 30 Cx

11 observatório o Fotos: Alberto Frias (Francisco Ferreira) FRANCISCO Ferreira PROFESSOR UNIVERSITÁRIO, VICE-PRESIDENTE DA QUERCUS A electricidade é, sem dúvida, a forma de energia mais versátil e nobre que temos à nossa disposição para diversos fins. SE, HÁ ALGUNS ANOS, recorrer à mesma para algumas utilizações não fazia muito sentido, visto que a sua origem provinha principalmente de centrais térmicas onde o fuelóleo ou o carvão eram queimados com uma eficiência muito baixa, actualmente, a situação tende a inverter-se. Não só a energia eléctrica é gerada em centrais muito mais eficientes, de ciclo combinado a gás natural, como a fracção proveniente de fontes renováveis atinge valores muito significativos. É do aproveitamento da energia da água, do vento, do sol, dos resíduos urbanos sem qualquer outra utilidade ou dos resíduos florestais que é possível garantir a origem renovável de muita da energia eléctrica em Portugal. Em 2010, o aumento dos caudais dos rios, causado pela elevada precipitação, e o crescimento da produção de origem eólica em cerca de 20 por cento, face ao ano anterior, contribuíram, em grande parte, para atingir 53,2 por cento de electricidade de origem renovável. Com este enquadramento, importa, assim, equacionarmos se, numa área como o transporte rodoviário, a electricidade não pode passar a desempenhar um papel muito mais relevante. As emissões poluentes neste sector são muito significativas, reduzindo a esperança de vida nas grandes cidades e contribuindo para alterações climáticas. Mais ainda: os actuais motores são uma importante fonte de ruído. O veículo eléctrico é, assim, o advento de uma nova revolução, não apenas na mobilidade, mas pelo potencial que cria para armazenamento da electricidade de forma descentralizada em redes eléctricas inteligentes. No futuro, cada uma das nossas casas poderá permitir-nos, à custa do consumo e das baterias do veículo, que sejamos compradores e fornecedores de electricidade à rede, reduzindo custos e melhorando a eficiência. Comparativamente a um automóvel a gasolina ou gasóleo, cujo rendimento ronda os 20 a 25 por cento, os ganhos são muito significativos. Além disso, o veículo eléctrico tem apenas emissões correspondentes à electricidade produzida de forma não renovável, tendo, obviamente, a vantagem de não serem efectuadas no trajecto percorrido pelo automóvel. «Vale a pena comprar um automóvel eléctrico?» é a pergunta que muitos colocam. Não há uma resposta exacta, pois ela depende de vários factores. Com os custos do petróleo a subirem e o diferencial entre os veículos convencionais e os eléctricos ainda na ordem dos 10 mil euros, já com incentivos vários do Estado, só quem faça um uso intensivo do veículo poderá ver o diferencial amortizado. Contudo, se os primeiros automóveis eléctricos ainda estão a um preço relativamente elevado, o futuro será, sem dúvida, marcado pela substituição progressiva dos motores de combustão por veículos híbridos e/ou exclusivamente eléctricos, suportados por uma rede de abastecimento alargada. Falta saber onde irá o Estado buscar a significativa fatia de impostos que agora cobra através dos combustíveis, quando a percentagem de automóveis eléctricos for mais expressiva. Será o veículo eléctrico o passo principal para uma mobilidade sustentável? Ele é apenas parte da solução, que terá de envolver uma série de precauções: as políticas de ordenamento do território, o local onde escolhemos ou temos de viver em função do trabalho, o recurso ao transporte colectivo (também eléctrico, principalmente no caso dos comboios, mas também já em alguns autocarros). Todas elas juntas poderão ser decisivas para uma política de transportes mais amiga do ambiente. Cx 31

12 s sustentabilidade P R O J E C T O C G D Vamos Mudar a Cidade! Numa época em que parte considerável da população reside nas cidades, torna-se urgente uma reflexão profunda em torno da sua organização e sustentabilidade. Um assunto ao qual a Caixa não é indiferente ACTUALMENTE, AS CIDADES acolhem cerca de metade da população mundial (sete biliões de pessoas), fruto, sobretudo, do enorme crescimento demográfico verificado nos últimos 50 anos. São, portanto, mais de três biliões de pessoas e estima-se que esse número seja cerca de cinco biliões até 2030, o que representará cerca de 60 por cento da população mundial, face aos 8,3 biliões de pessoas que se prevê que venha a existir no planeta. Consequentemente, este crescimento demográfico fez crescer também as próprias cidades, criando periferias intermináveis, onde o planeamento urbano nem sempre foi o mais desejado. Torna-se, por isso, urgente repensar as cidades e a sua organização, segundo um modelo mais consciente, assente num paradigma de sustentabilidade, capaz de potenciar as cidades de um ponto de vista global. Falamos de cidades (auto)sustentáveis ao nível económico, ambiental e social; cidades detentoras de uma vasta oferta lúdica e cultural que, simultaneamente, gere empregos e proporcione mais- -valias àqueles que dela desfrutam; cidades integradoras que cuidem dos seus, independentemente da idade, do género, origem ou religião. Foi com esse intuito que a Caixa Geral de Depósitos lançou, recentemente, um novo desafio à sociedade portuguesa, um desafio on-line ao qual todos podem aceder: o blog Vamos Mudar a Cidade. Disponível em este é um espaço dedicado à partilha de ideias e ao debate, através do qual a Caixa pretende contribuir para uma maior sensibilização em torno da AS CIDADES EM NÚMEROS NO BLOG: SEIS CIDADES PORTUGUESAS já visitadas na rubrica Cidade em Destaque (Cascais, Oeiras, Vila Nova de Gaia, Águeda, Angra do Heroísmo e Beja); SEIS GRANDES TEMAS MENSAIS permanentes já trabalhados (Mobilidade, Viver a Cidade, Arquitectura Sustentável, Voluntariado, Promover a Cidade, Cidades Criativas); 15 EVENTOS já divulgados; 31 CIDADES portuguesas divulgadas; 35 CIDADES estrangeiras já referidas, num total de 23 países; 1 Dados referentes ao período compreendido entre Setembro de 2010 e Fevereiro de temática, incentivando cada um a uma maior mobilização junto da sua comunidade. Para tal, este blog pretende dar visibilidade às boas práticas já existentes, olhando não só ao que se passa noutros países, mas, acima de tudo, aos bons exemplos que Portugal encerra. A visita regular a uma cidade portuguesa é, aliás, uma das características deste espaço, tendo estreado esta rubrica com Cascais, a que se seguiu Oeiras, Vila Nova de Gaia, Águeda, Angra do Heroísmo e Beja. Além disso, o blog passa por temas incontornáveis, como as energias renováveis, a arquitectura sustentável e o design, a cidadania, o viver a cidade ou a mobilidade, entre tantos outros que urgem ser discutidos no âmbito da busca por cidades mais sustentáveis. Esta proposta lançada pela Caixa Geral de Depósitos dá sequência a uma preocupação institucional que se reflecte na sua intervenção, no âmbito das Cidades e Desenvolvimento, cuja aplicação chega já aos domínios da reabilitação urbana, do design e da eficiência energética/ energias renováveis. Porque o direito à cidade sustentável deve ser um objectivo colectivo. Saiba mais em > Institucional > Sustentabilidade > Cidades e Desenvolvimento. E não se esqueça de contribuir! Visite o www. vamosmudaracidade.com e seja mais um português a aderir a esta causa. Acompanhe e contribua em: Twitter: Facebook: VamosMudarACidade 36 Cx

13 f finanças I R S Aproveite os benefícios fiscais O corte nos benefícios fiscais, agendado para este ano, vai agravar a factura dos impostos e limitar as deduções. Mas, até lá, saiba que é possível abater a sua carga fiscal quando entregar a declaração de rendimentos de 2010 O alarme relativo a 2011 foi dado há já algum tempo: salários mais baixos, redução dos benefícios fiscais e aumento dos descontos para a Segurança Social. Mas, se anda preocupado com o que vai ter de pagar de IRS, quando entregar a sua declaração de rendimentos de 2010, saiba que há muito que ainda pode utilizar para abater a sua carga fiscal. Desde logo, os Planos Poupança Reforma. Quem tiver investido num PPR, poderá ter uma redução até 20 por cento do montante das subscrições e reforços até 300 euros, no caso de ter mais de 50 anos, 350 euros para quem tem entre os 35 e os 50 anos, e até 400 euros para quem ainda não tem 35 anos. Para além dos PPR, outra das formas de dedução que será limitada em 2011 é o investimento em energias renováveis. Saiba, no entanto, que quem tiver investido em energia solar ou biomassa poderá ver o seu IRS reduzido até um limite máximo de 803 euros. Saliente-se o facto de as despesas com vidros duplos ou isolamentos térmicos serem, também, contempladas no pacote dos descontos com as renováveis. Desconhecido da grande maioria é o facto de as despesas em lares, com idosos a cargo com rendimento inferior ao salário mínimo nacional, podem levar a uma redução de 25 por cento de IRS desde que tenha um limite de 403,75 euros. Saúde, educação e casa são as áreas de despesa em que os portugueses mais procuram ter abatimentos fiscais. No que toca às primeiras, medicamentos, consultas, internamentos e, mesmo, as deslocações são dedutíveis até 30 por cento, desde que sejam bens isentos de IVA ou com uma taxa de 6 por cento. Todas as facturas taxadas a 21 por cento só podem ser deduzidas se tiverem sido prescritas por médico e com um limite máximo de 64 euros. As despesas escolares, cursos de línguas, propinas da faculdade ou outras despesas efetuadas em estabelecimentos de ensino reconhecidos têm uma dedução de 30 por cento com limite de 760 euros. Se está a pagar um empréstimo ou uma renda, pode incluir até QUEM TIVER INVESTIDO NUM PPR PODE TER UMA REDUÇÃO ATÉ 20% 30 por cento das despesas em 2010, com limite de 591 euros. Informe-se sobre as majorações que, dependendo do rendimento familiar, podem levar o limite da dedução até aos 886,5 euros. Normalmente associados ao crédito habitação estão os seguros de vida que, quando entregar esta declaração de rendimentos, podem ainda valer-lhe uma redução de 65 euros na sua carga fiscal. Ainda no campo dos seguros, as apólices de seguros de acidentes pessoais que cubram o risco de morte ou invalidez e as reformas por velhice são dedutíveis até 25 por cento, com um limite máximo de 130 euros por casal ou 65 euros por pessoa. No caso dos seguros de saúde, o limite sobe para os 30 por cento, num máximo de 170 euros por casal ou 85 euros por pessoa. Sobre estas e outras questões de finanças pessoais, saiba mais em www. saldopositivo.cgd.pt Print SER SOLIDÁRIO COMPENSA Os donativos para Instituições de Solidariedade Social são dedutíveis Sabia que, ao realizar um donativo para uma Instituição de Solidariedade Social, pode deduzir 25 por cento desse montante de ajuda em sede de IRS? Isto quer dizer que os donativos também são dedutíveis até ao limite de 15 por cento da colecta (um donativo de 200 euros a favor de uma associação pode abater até 50 euros no valor a pagar de IRS). Mas não terminam aqui as possibilidades de ajudar instituições. Se assinalar no impresso do IRS o número de identificação fiscal da instituição que pretende ajudar, estará a doar 0,5 por cento dos seus impostos em sede de IRS a essa instituição, sem lhe custar nada. Basta que assinale com uma cruz a opção Instituições Particulares de Solidariedade Social ou Pessoas Colectivas de Utilidade Pública, no quadro 9 do anexo H, e o número de identificação fiscal da entidade. 40 Cx

14 x e??????????????????????? entrevista 54 Cx

15 ANTÓNIO BARRETO Um olhar social Recebe cerca de 120 s por dia e há alturas em que trabalha mais de 16 horas diárias. Mas compensa quando o que está em causa é uma missão de serviço público e de dar às pessoas os instrumentos para formarem uma opinião Por Maria João Alexandre Fotografia Rui Marto/Estúdio João Cupertino Cx 55

16 e entrevista O COMENTADOR de sociedade, economia e política, a quem apetece perguntar tudo, indo muito além do guião, tem 68 anos, sete irmãos e sente que a sua terra é o Douro. Já foi deputado do Partido Socialista, ministro do Comércio e Turismo e, também, da Agricultura e Pescas. Agora, fora da política activa há 20 anos e reformado da carreira universitária, o sociólogo mais conhecido do País recebeu-nos tendo como pano de fundo as suas fotografias a preto e branco, expostas na Galeria Corrente d Arte, em Lisboa. Cx: Uma vez disse: «Ando sempre atrasado para aquilo que quero, sempre aquém do que gostava de ser e fazer». O que gostava de ser e fazer? António Barreto: Ando em grande ansiedade. O que tenho são projectos que são sempre maiores do que o meu tempo. Por mais energia que tenha. Há algumas viagens importantes que gostava de fazer: o Transiberiano, atravessar a China de carro, autocarro, de todas as maneiras. Gostava de ir à Austrália e ao Japão, onde nunca fui. Gostava de atravessar o continente indiano de todas as maneiras, mas principalmente de comboio sou um grande apaixonado pelo comboio. Por outro lado, gostava de ter mais tempo para ir ouvir ópera a Paris, Londres, Nova Iorque Desde que entrei para a Fundação, há dois anos, que o trabalho é muito intenso muito frequentemente, trabalho 16 ou 18 horas por dia. Isto tem-me retirado tempo para ouvir mais música e escrever. Interrompi há um ano a minha crónica semanal no Público para preparar a exposição e o livro de fotografias com Ângela Castelo Branco (António Barreto: Fotografias, ). Escrever em jornais é uma actividade que tenho há muito 40 anos e que quero continuar. Cx: E a ópera? Fale-nos na sua fixação em ser cantor de ópera. AB: Cantar ópera é uma ambição perdida. Não quero cantar ópera como se canta no duche, de manhã, mas sabendo, estudando música, canto, solfejo e tudo o que é preciso. Não fui por aí, tenho pena, mas quanto a isso já não tenho ilusões. Cx: Que obra está a preparar? AB: Tenho dois ou três ensaios começados sobre a sociedade portuguesa e o mundo actual que quero retomar. Um é sobre Portugal, e não digo mais. Um é mais de sociólogo e outro é mais global: política, cultura, cidadania, opinião. Cx: O que pensa da nova cidadania? AB: Há pessoas que querem uma nova cidadania para reclamar mais liberdade individual, mais direitos individuais. Há outras que reclamam mais direitos colectivos, mais direitos de participação. 56 Cx

17 Outras falam de nova cidadania como uma nova relação entre os cidadãos e as organizações do poder. Por exemplo, a possibilidade de a Câmara Municipal de Lisboa fazer orçamentos com a participação de cidadãos organizados. Depende da ideologia de cada um. Cx: Esse conceito está presente nesse trabalho que começou e interrompeu? AB: Eu não defendo nenhum conceito. Passa-me muito pouco pela cabeça sugerir modelos de vida, pensamento ou comportamento, sobretudo aos outros. Esse trabalho é uma reflexão sobre as condições actuais da cidadania, para que uma pessoa possa cumprir os seus deveres, ver preservados os seus direitos. Como é que se faz isso hoje com os dispositivos, tecnologias e hábitos tão diferentes do que havia há 30, 40 anos (Internet, televisão em directo, milhares de canais, publicações, blogues)? Será que tudo isso melhora? Cx: Pergunto-lhe isso mesmo: será que é para melhor? AB: Há aspectos em que melhora e outros em que piora. Há muitos assuntos que passam a ser mais transparentes às populações, mas tudo isso também tem efeitos de distracção. Há muita gente que deixou de se interessar por assuntos públicos e colectivos porque na Internet, no Facebook, no Twitter, nos seus blogues bastam-se a si próprias. Estes dispositivos tecnológicos podem servir dois fins: o exacerbamento do individualismo e até da solidão ou, pelo contrário, virem reforçar o sentimento de comunidade. Na Internet, fala-se muito de comunidade. Todos dizem que a comunidade à distância é má porque retira o lado humano das coisas. Eu acho que sim, que retira o lado humano das coisas, mas será que é necessariamente má? Será que não se acabarão por forjar outro tipo de relações entre as pessoas, até afectivas ou emocionais? Cx: Não serão demasiados amigos que nunca se viram? AB: Isso é outra coisa. Eu não frequento, não estou nessas plataformas. Mantenho contacto com amigos que foram próximos e dos quais, por qualquer motivo, estou separado. Na minha opinião, não gosto desse tipo de relações, anónimas, com pseudónimos ou com pessoas que não se conhecem, apesar de mostrarem a sua foto. Cx: Se tivesse filhos, controlaria as horas na Internet? AB: É difícil emitir uma norma, a minha única experiência é o conhecimento através de sobrinhas, filhas e netos dos meus irmãos, ou então dos filhos do primeiro casamento da minha mulher; já temos três netos: duas raparigas e um rapaz. Eu tentei manter uma certa contenção: acompanho o que se passa e retiro lições sobre a apetência das crianças e jovens por essas tecnologias, métodos de comunicação e entretenimento. A minha conclusão, hoje, é que, em primeiro lugar, não vale a pena lutar contra a liberdade. Supondo que tenho filhos: se proíbo o que quer que seja, tenho a certeza absoluta do que eles acabam por fazer: têm amigos, escolas, ruas, cafés. E proibir pode ser contraproducente por diversos aspectos. Tentaria mostrar que a Internet e os jogos são relativos, que há outras coisas para além disso. Se fosse necessário, tentaria ter alguma medida. O melhor é, nunca abdicando da autoridade, agir pela explicação racional. Os jovens merecem um esforço de racionalidade e de explicação. E quando era jovem, fiz tudo o que era proibido, sem excepção. Cx: É importante fazer o que é proibido? AB: Sim, é importante, mas isso também mostra o reduzido alcance das proibições dos pais. Pode haver casos em que as proibições drásticas resultem, mas pergunto-me se o resultado é bom. Há uma IMAGENS António Barreto na Galeria Corrente d Arte, em São Bento, palco da exposição António Barreto: Fotografias, e da entrevista à Cx Cx: Pode haver aí muita falsidade AB: Há muita falsidade, há rituais sem qualquer significado. Aí não existe o tacto, o ouvir directamente, não se podem ver as reacções, olhar nos olhos. Não é o meu género. Mas não digo que isso não presta, que para outras pessoas não possa resultar, mas eu não frequento. «A NOSSA ESCOLA TEM VINDO A PRIVILEGIAR A INDISCIPLINA E A ESPONTANEIDADE, O QUE EU ACHO ERRADO» Cx 57

18 e entrevista boa combinação algures entre a disciplina e a rebeldia. E é nesse equilíbrio que está a perfeição, a virtude. Cx: O nosso sistema primário e secundário forma neste sentido? AB: Nos últimos anos, os princípios pedagógicos que orientam os sistemas educativos portugueses e europeus têm vindo a privilegiar a indisciplina, a espontaneidade, a criação pessoal. Eu acho que esses princípios deram mau resultado. A meu ver, os pontos de partida estão errados, como considerar que as crianças têm uma curiosidade natural por aprender, para saber mais, estudar, esforçar-se, para se organizarem. Nada disto é verdade. Essas são coisas que se aprendem e que se treinam. Não se pode esperar que as pessoas tenham esse equilíbrio entre disciplina e rebeldia não se ensina a rebeldia, porque isso não se ensina a ninguém, e ainda bem, mas é preciso ensinar a disciplina, e tem de se treinar o método de trabalho. Tem de se ensinar a pensar; as pessoas, naturalmente, não sabem pensar. Isto ensina-se, em parte, na escola, mas a nossa escola tem vindo a privilegiar a indisciplina e a espontaneidade, o que eu acho errado. Por outro lado, tem-se vindo a praticar outra orientação, que também acho errada, que é a de substituir a família pela escola. Hoje, diz-se que a escola deve ocupar-se da formação integral do indivíduo, «O QUE DE MELHOR SE PODE FAZER NESTE MUNDO É AUMENTAR A LIBERDADE DOS OUTROS» o que é errado. Esta faz-se na família, na escola, na sociedade. Acho errado incentivar os pais a deixarem os filhos na escola o maior tempo possível, das oito da manhã às seis ou oito da noite, se for preciso. A família tem vindo a abdicar das suas responsabilidades. Cx: Os pais passam mais tempo no emprego AB: Se for preciso alterar isso, que se altere. Há o trabalho em part time, a dois terços, só de manhã ou à tarde Cx: Em Portugal haverá essas oportunidades? AB: Não há em Portugal, mas há noutros países, nos escandinavos, na Holanda, no Norte da Europa. Ou então, existe o trabalho seguido, das oito da manhã e sair às três da tarde, o que dá outra flexibilidade de vida Há caminhos possíveis para evitar que os pais digam que não educam os filhos porque têm de trabalhar. Cx: Essa é mais uma desculpa que os pais dão AB: Muitos pais que poderiam ocupar-se dos filhos não se ocupam, porque só pensam neles, nos seus divertimentos ou trabalho, ou porque acham que não têm essa responsabilidade: se pagam impostos, então que o Estado se ocupe deles, ou a escola privada que também pagam. Estes são dois erros grandes, que espero que, nas próximas décadas, as sociedades contemporâneas reconheçam. O terceiro erro foi a redução dos graus e dos critérios de exigência na formação escolar. Considera-se que «as crianças não podem ser traumatizadas», «as crianças têm de aprender por prazer», «as crianças têm de ter o seu desenvolvimento natural e espontâneo e crescer como as flores». Não aceito nenhum destes argumentos. Cx: Tem uma cultura geral invejável. É importante as nossas crianças e jovens terem cultura geral? Que conselhos deixaria aos educadores? 58 Cx

19 NOVIDADES DA FUNDAÇÃO FRANCISCO MANUEL DOS SANTOS A disponibilização na Internet da base de dados sobre Portugal contemporâneo PORDATA é um dos projectos mais visíveis da Fundação. Mas não é o único. Ensaio nos supermercados A colecção Ensaios da Fundação vai no 10.º ensaio. Os últimos são sobre a segurança social e a filosofia. Encontram-se em todas as livrarias, supermercados e quiosques e custam três euros cada; se for em capa dura, custam cinco euros. «Os livros portugueses são mais caros do que os europeus porque há menos leitores e, portanto, as tiragens são menores. Vai-se pouco às livrarias.» Por estes motivos, António Barreto decidiu, e sem perder dinheiro, fazer livros baratos, com grandes tiragens (30 a 35 mil exemplares), e colocá-los à venda nos supermercados. Resultado: em quatro meses, com sete volumes, venderam-se 100 mil exemplares. PORDATA no iphone A PORDATA, uma base de dados de estatísticas sobre Portugal e a Europa, já está disponível em iphone. «Isto vai crescer, vamos ainda introduzir os dados eleitorais dos 40 anos em Portugal, sobre turismo e transportes. Entre Junho e Outubro, irá integrar as regiões; para cada município, iremos fazer o retrato estatístico ao longo do tempo.» Filmes na televisão A Fundação está a trabalhar com a TSF, a SIC e a RTP na realização de pequenos filmes com dados da PORDATA. Na RTP, todas as noites, durante três ou quatro meses, passará um filme curto. Outros projectos Saúde, mortalidade infantil, opinião pública, educação, tradição e valores, segredo de justiça, congestão nos tribunais De forma muito clara, está tudo explicado em AB: Se me perguntar qual é a função prioritária do sistema educativo de 12 anos, respondo-lhe em duas palavras: cultura geral. É muito mais importante a cultura geral que se dá aos jovens até aos 16, 17 anos que qualquer formação técnica profissionalizante. Acho uma estupidez que as crianças até aos 15 tenham de escolher uma via profissional. Como também acho muito errado que se tenha separado as Humanidades das Ciências Exactas. Cx: Como seria o currículo ideal? AB: Se eu pudesse desenhar um currículo ideal para a formação dos últimos cinco anos na escola, desenhava-o com sete ou oito disciplinas, e único para todos. E, sem dúvida, juntava: Português, Filosofia, Matemática, História das Ciências e História das Artes. Isto seria para todos. Se for de Humanidades e eu lhe perguntar a que temperatura ferve a água, o que é um radiador ou o que é o genoma, não sabe. Se perguntar a alguém das Ciências Exactas quem escreveu o Só ou quem compôs o Rigoletto, não sabe. Esta separação é terrível. Mesmo na universidade, a especialização devia começar mais tarde do que no 1.º ou 2.º ano. Na universidade, aprende-se um método, a investigar, a pensar com independência, o que não se faz na secundária. Um dos piores crimes cometidos na escola foi considerar que as artes são dispensáveis e que a música e a pintura e a escultura, a dança, o bailado e o desenho eram menos importantes do que a formação humanística ou científica. Cx: Qual o contributo que pretende dar com documentários como As Horas do Douro, que estreou em Abril do ano passado? AB: Nasci no Porto, mas com dois anos fui para Vila Real. Até aos 20 anos, vivi em Trás-os-Montes e no Douro. O Douro é a minha «terra». Depois, gosto muito de vinho para beber, para estudar, como arte. Há uma cultura do vinho em Portugal. Sempre me impressionou muito ver como a vinha e o vinho marcaram a região. É das regiões mais pobres de todo o País e é a região que mais depressa se ligou ao estrangeiro já exportava vinho para Inglaterra no século XVII. Esta podia ser uma região de progresso, muito mais desenvolvida do que as outras, mas não, muito pelo contrário. Isto sempre me amargurou muito. No século XIX, o Vinho do Porto representava 50 por cento das nossas exportações. E o vinho em geral situava-se nos 80 por cento. Isto significa que o vinho era o mais importante produto de exportação portuguesa. Já foi 80 e hoje será 2 por cento? Cx: Mas o vinho continua a acompanhar os tempos AB: No vinho, aconteceu algo de extraordinário, porque se modernizou por si próprio. A meu ver, se algum sector produtivo merece uma atenção especial, é o do vinho, pois é aquele que aplica mais recursos portugueses, não tem de importar nada, é praticamente tudo nosso, portanto, tem maior valor acrescentado. Cx: Há outros sectores com potencial para o País? AB: O calçado está a recuperar novamente. A pesca foi abandonada. A floresta e o mar têm potencial, apesar de não estarem a ser olhados com atenção. A sociedade portuguesa decidiu entregá-los ao exterior. Cx: Parece haver, hoje, mais enfoque na economia do mar. AB: Por enquanto, é conversa. Tem-se falado muito e feito pouco. Cx: O seu trabalho é um legado para o País. Alguma vez pensou em deixar uma marca neste mundo? AB: Não tenho essa presunção. Eu gostava que esta fundação tivesse dado um contributo para a formação da opinião livre. O que de melhor se pode fazer neste mundo é aumentar a liberdade dos outros. Se a fundação der esse contributo, fico feliz. Cx 59

20 v vintage B A L A N Ç A S Dar crédito ao crédito Através da Casa de Crédito Popular, a CGD regulava e moderava os lucros da indústria prestamista, numa altura em que a taxa de juro já assumia uma dimensão elevada. Como o fiel da balança O VALOR é um negócio sensível e a Caixa Geral de Depósitos sabe-o. Desde a sua fundação, em 1876, que a instituição se esforça por envolver a actividade bancária com uma preocupação social sempre presente, mostrando que o zelo é determinante em matéria de finanças. Mesmo depois de se ter tornado uma empresa pública, em 1993, dar confiança e receber a confiança da sociedade continua a ser uma tradição de muitos anos. A primeira manifestação dessa responsabilidade concretiza-se com a criação da Caixa Económica Portuguesa, em 1880, cuja principal missão é incentivar ao aforro. Destinando-se, particularmente, às classes mais desfavorecidas, procura ajudá- -las a suplantar as situações de maior privação, sensibilizando os indivíduos para a poupança, mesmo tratando-se de pequenas somas de dinheiro. A partir de 1918, a Caixa começa a assumir empréstimos sobre penhores, através da Por Helena Real Casa de Crédito Popular. Mais uma vez, o comprometimento social norteia o negócio, já que esta instituição volta a prestar assistência aos menos abastados. Ouro, prata, platina e pedras preciosas, sobretudo de peças guardadas em casa, chegam até aos balcões das Casas de Crédito Popular. Em época de crise, porém, as casas prestamistas proliferam. À CGD cabe moralizar o comércio dos penhores, levando os juros da concessão de empréstimos a baixar significativamente. Este serviço da Caixa foi sendo progressivamente extinto na década de 80, por não se justificar a sua existência, por a actividade prestamista já se encontrar regulada. As balanças ganham um papel preponderante no reconhecimento do valor dos penhores, a partir de 1929, surgindo, assim, como a metáfora da responsabilidade social e da vontade transformadora da Caixa, perpetuada ao longo dos anos. FACTOS Em 1929, era assim... Acontecimentos que fizeram do final dos anos 20 uma época memorável. Nasce, em Aveiro, o 1. cantor, compositor e poeta Zeca Afonso, símbolo da resistência antifascista em Portugal. Com o crash da Bolsa de 2. Nova Iorque, a «Quinta- -Feira Negra» marca o início da Grande Depressão. Martin Luther King, 3. histórico defensor dos direitos civis nos Estados Unidos, nasce em Atlanta, Geórgia. Herbert Hoover assume 4. a presidência dos Estados Unidos. Leon Trotsky, um dos 5. líderes da Revolução Bolchevique, na Rússia, é deportado para a Turquia. Nasce Anne Frank, 6. judia autora do célebre Diário de Anne Frank e vítima do Holocausto nazi. A Samoa Americana 7. torna-se território norte-americano. Chaves é elevada a 8. cidade. Estreia de Un Chien 9. Andalou, curta- -metragem de Luis Buñuel, com argumento de Salvador Dalí. Publicada a primeira 10. tira de banda desenhada de Tarzan, por Hal Foster, baseada na obra de Edgar Rice Burroughs. 66 Cx

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro Indice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores de

Leia mais

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização III 1 novembro 31 dezembro 2014

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização III 1 novembro 31 dezembro 2014 Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização III 1 novembro 31 dezembro 2014 Índice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores

Leia mais

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização I 16 Junho - 31 Agosto 2014

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização I 16 Junho - 31 Agosto 2014 Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização I 16 Junho - 31 Agosto 2014 Indice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores de

Leia mais

Tenho de mudar. o meu estilo de. vida?

Tenho de mudar. o meu estilo de. vida? Tenho de mudar o meu estilo de vida? E se eu quiser percorrer mais quilómetros? Que distância posso percorrer só com bateria? Por que razão a electricidade é a energia do futuro? O Eléctrico com uma autonomia

Leia mais

carregamento por cada carro ainda só foram vendidos 231 E23

carregamento por cada carro ainda só foram vendidos 231 E23 CARROS ELÉTRICOS: PREÇOS COMEÇAM A CAIRO Renault Twizy vai ser posto à venda em Portugal já em abril por 6990. Atualmente há 4,5 postos de carregamento por cada carro ainda só foram vendidos 231 E23 Tantas

Leia mais

A MOBILIDADE ELÉCTRICA

A MOBILIDADE ELÉCTRICA A MOBILIDADE ELÉCTRICA Contextualização As significativas alterações climáticas e o aumento do preço dos combustíveis sustentam um dos maiores desafios do século XXI - fiabilidade, segurança e sustentabilidade

Leia mais

andar de carro Poderia ser apenas mais um carro eléctrico.

andar de carro Poderia ser apenas mais um carro eléctrico. Motores Teste Chevrolet Volt Silêncio que se vai andar de carro Poderia ser apenas mais um carro eléctrico. Mas o Volt chegou com ambições mais elevadas: tornar os eléctricos numa verdadeira opção, alargando

Leia mais

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES Inovação EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES DOSSIER 13 JORGE LIZARDO NEVES O futuro é sem dúvida eléctrico Vem aí a Era de motores menos poluentes e mais eficientes. Quem o diz é o Jorge Lizardo Neves,

Leia mais

Cidade sem Carros & Fiscalidade Verde Novembro 2014

Cidade sem Carros & Fiscalidade Verde Novembro 2014 Oradores: Cidade sem Carros & Fiscalidade Verde Novembro 2014 - Sousa Campos, diretor da divisão de marketing e vendas da Toyota Caetano Portugal - Mafalda Sousa, da associação ambientalista Quercus -

Leia mais

Taxa reduzida em serviços de reparação de velocípedes

Taxa reduzida em serviços de reparação de velocípedes IVA Dedução em Viaturas de turismo Passa a ser possível a dedução integral do IVA em despesas relativas à aquisição, fabrico, importação, locação e transformação em viaturas ligeiras de passageiros ou

Leia mais

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 FISCALIDADE VERDE Foi aprovado no passado dia 31 de Dezembro, a Lei n.º 82-D/2014 que promove reforma da tributação ambiental, regulamentando assim a Fiscalidade

Leia mais

Impostos sobre Veículos

Impostos sobre Veículos Impostos sobre Veículos Além dos encargos com a sua aquisição, os proprietários de veículos motores, sejam pessoas singulares ou coletivas, têm obrigações fiscais a cumprir anualmente. A aquisição de veículos

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!!

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!! Combate as alterações climáticas Reduz a tua pegada e muda o mundo!! O dióxido de carbono é um gás naturalmente presente na atmosfera. À medida que crescem, as plantas absorvem dióxido de carbono, que

Leia mais

são mesmo o futuro? Pedro Meunier Honda Portugal, S.A.

são mesmo o futuro? Pedro Meunier Honda Portugal, S.A. Automóveis Híbridos: H são mesmo o futuro? Pedro Meunier Honda Portugal, S.A. Veículos em circulação por região Biliões de Veículos 2.5 2 1.5 1 0.5 0 2000 2010 2020 2030 2040 2050 Total África América

Leia mais

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 1 1 ISV tabelas A, B e C Aumento de 3%. 2 2 ISV redução nos veículos importados usados A tabela D mantém-se inalterada, apesar de ter existido uma proposta de alteração

Leia mais

Informação à Imprensa

Informação à Imprensa Informação à Imprensa Setembro, 2007 Panorama cronológico da investigação Conceitos de mobilidade amigos do ambiente Desde 1971, técnicos de design e engenheiros da GM/Opel desenvolvem intenso trabalho

Leia mais

Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas

Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas N.º 02 09 de Janeiro 2015 Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas No quadro de uma reforma da fiscalidade ambiental, foi publicada, em 31 de Dezembro, para vigorar já em 2015, uma lei que procede

Leia mais

Ant A ón io Costa Cost

Ant A ón io Costa Cost Futuro do Automóvel Respeitando os Recursos Naturais António Costa Relações Publicas Toyota & Lexus Comunicação e Marketing Out. 2013 A Natureza impõe-nos um novo paradigma Tempestades Secas EUA, 2010

Leia mais

CARREGAMENTO PARA VEÍCULOS ELÉCTRICOS EM PORTUGAL LUIS REIS

CARREGAMENTO PARA VEÍCULOS ELÉCTRICOS EM PORTUGAL LUIS REIS MODELO E SISTEMA DE CARREGAMENTO PARA VEÍCULOS ELÉCTRICOS EM PORTUGAL LUIS REIS SEMINÁRIO MOBILIDADE ELÉCTRICA: O VEÍCULO 08.MARÇO. 2010 NOVO PARADIGMA MOBILIDADE ELÉCTRICA EXPLORAR A INTEGRAÇÃO ENTRE

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Cidade de Grenoble testa sistema público de partilha de viaturas Toyota i-road e Toyota COMS

Cidade de Grenoble testa sistema público de partilha de viaturas Toyota i-road e Toyota COMS Cidade de Grenoble testa sistema público de partilha de viaturas Toyota i-road e Toyota COMS # Grenoble, a cidade inteligente a partir de Outubro com a 'Citélib by Ha:mo', uma inovação recorrendo as últimas

Leia mais

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização IV 1 janeiro 28 fevereiro 2015

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização IV 1 janeiro 28 fevereiro 2015 Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização IV 1 janeiro 28 fevereiro 2015 Índice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores

Leia mais

Cláudio Casimiro Conferência Sustentabilidade Energética Local Barreiro 22 de Outubro de 2010

Cláudio Casimiro Conferência Sustentabilidade Energética Local Barreiro 22 de Outubro de 2010 Uma contribuição para a Mobilidade Sustentável! Cláudio Casimiro Conferência Sustentabilidade Energética Local Barreiro 22 de Outubro de 2010 1 Enquadramento Parque com cerca de 5,81 Milhões de veículos

Leia mais

Bluefleet. Bem vindo a um futuro mais azul! Veículos eléctricos!

Bluefleet. Bem vindo a um futuro mais azul! Veículos eléctricos! Bem vindo a um futuro mais azul! Veículos eléctricos! ALD Automotive Mobilidade sustentável As Nações Unidas prevêm que em 2050 dois terços da população viverá nas cidades, ou seja cerca de 6 biliões de

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM Energia sustentável A ONU declarou 2012 como o Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos. Esta iniciativa pretende chamar

Leia mais

especial CALOR EFRIO LAR DICAS PARA O 22/11/13 SOL l 39 GETTY IMAGES/BRAND X

especial CALOR EFRIO LAR DICAS PARA O 22/11/13 SOL l 39 GETTY IMAGES/BRAND X especial LAR DICAS PARA O CALOR EFRIO GETTY IMAGES/BRAND X 22/11/13 SOL l 39 02/ 03 CLIMATIZAÇÃO/ LAR GETTY IMAGES/STOCKTREK IMAGES POUPE NA FACTURA DA ELECTRICIDADE Aqueça e refresque a casa de forma

Leia mais

Reforma da Fiscalidade Verde. 16 de outubro 2014

Reforma da Fiscalidade Verde. 16 de outubro 2014 Reforma da Fiscalidade Verde 16 de outubro 2014 OBJETIVOS: Reduzir a dependência energética do exterior Induzir padrões de produção e de consumo mais sustentáveis, reforçando a liberdade e responsabilidade

Leia mais

MOVIMENTO MENOS UM CARRO PEDALAR NUMA CIDADE COM SETE COLINAS

MOVIMENTO MENOS UM CARRO PEDALAR NUMA CIDADE COM SETE COLINAS GETTYIMAGES MOVIMENTO MENOS UM CARRO PEDALAR NUMA CIDADE COM SETE COLINAS ENQUADRAMENTO > O transporte público e, em especial, o transporte urbano rodoviário, são pouco valorizados pela população em geral

Leia mais

Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a bicicleta com maior frequência na Europa

Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a bicicleta com maior frequência na Europa Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a com maior frequência na Europa Manifesto da ECF para as eleições para o Parlamento Europeu de 2014 - Versão breve ECF

Leia mais

Desafios e Oportunidades na Mobilidade Eléctrica. Ipark Seminar Albufeira Rui Filipe Marques

Desafios e Oportunidades na Mobilidade Eléctrica. Ipark Seminar Albufeira Rui Filipe Marques Desafios e Oportunidades na Mobilidade Eléctrica Ipark Seminar Albufeira Rui Filipe Marques Tópicos O paradigma da Mobilidade Eléctrica Vs Veículos a combustão Infra-estrutura de carregamento Enquadramento

Leia mais

Mobilidade eléctrica. Jorge Cruz Morais. Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011

Mobilidade eléctrica. Jorge Cruz Morais. Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011 Mobilidade eléctrica Jorge Cruz Morais Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011 factores da alteração Aumento da Procura Emissões de CO2 O consumo mundial de energia primária Evolução

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

INTRODUÇÃO. Noções de Eco-Driving

INTRODUÇÃO. Noções de Eco-Driving INTRODUÇÃO Noções de Eco-Driving O desenvolvimento sustentável depende grandemente da adopção de melhores tecnologias (veículos mais eficientes), melhores infra-estruturas (estradas) e sobretudo de mudanças

Leia mais

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas the world leading fleet and vehicle management company LeasePlan Portugal Lagoas Park - Edifício 6-2740-244 Porto Salvo Ed. Cristal Douro - R. do Campo Alegre, nº 830 - sala 35-4150-171 Porto Tel.: 707

Leia mais

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia 6º workshop da Plataforma do Empreendedor AIP-CE, 1 Julho 2010 Índice As novas metas EU para as Renováveis Estratégia

Leia mais

2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra. Lisboa, 13 de Junho de 2015

2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra. Lisboa, 13 de Junho de 2015 2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra Lisboa, 13 de Junho de 2015 EMEL EMEL Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, E.M. S.A., tem como objecto a gestão

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

09-11-09_C_Zerodef_FL9_640x480.flv

09-11-09_C_Zerodef_FL9_640x480.flv 09-11-09_C_Zerodef_FL9_640x480.flv HISTÓRIA DO VEÍCULO LIGEIRO ELÉCTRICO CITROËN EM PORTUGAL Automóveis Citroën, SA é sócia fundadora da APVE (Associação Portuguesa do Veículo Eléctrico) A Citroën foi

Leia mais

METRO DO PORTO. Melhoria da mobilidade. Foto do site da Bombardier

METRO DO PORTO. Melhoria da mobilidade. Foto do site da Bombardier METRO DO PORTO Melhoria da mobilidade Foto do site da Bombardier Rui Site: Rodrigues www.maquinistas.org (Ver Opinião) Email rrodrigues.5@netcabo.pt Data: Público, 15 de Dezembro de 2003 METRO DO PORTO

Leia mais

Eng.º Mário Lino. por ocasião da Apresentação das Iniciativas. e.escola e.professor e.oportunidades

Eng.º Mário Lino. por ocasião da Apresentação das Iniciativas. e.escola e.professor e.oportunidades INTERVENÇÃO DO MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Apresentação das Iniciativas e.escola e.professor e.oportunidades Escola Secundária Eça de Queiroz,

Leia mais

Estratégias Regionais (PMP) no âmbito dos Transportes Terrestres vs Linhas de Orientação do Plano Nacional de Reformas (PNR)

Estratégias Regionais (PMP) no âmbito dos Transportes Terrestres vs Linhas de Orientação do Plano Nacional de Reformas (PNR) Estratégias Regionais (PMP) no âmbito dos Transportes Terrestres vs Linhas de Orientação do Plano Nacional de Reformas (PNR) Estratégias Regionais (PMP) no âmbito dos Transportes Terrestres Objectivos

Leia mais

GAMA FIAT GPL BI-FUEL: PROJECTADA, FABRICADA E GARANTIDA PELA FIAT

GAMA FIAT GPL BI-FUEL: PROJECTADA, FABRICADA E GARANTIDA PELA FIAT GAMA FIAT GPL BI-FUEL: PROJECTADA, FABRICADA E GARANTIDA PELA FIAT GPL Euro 5 da Fiat Segurança Economia Tecnologia Ecologia A Gama Fiat GPL Bi-Fuel 1 GPL Euro 5 da Fiat A nova oferta GPL Euro 5 da Fiat

Leia mais

Conversão de Veículos Convencionais em Veículos Eléctricos

Conversão de Veículos Convencionais em Veículos Eléctricos Seminário: Mobilidade Eléctrica: O Veículo Viabilidade da transformação de Veículos Conversão de Veículos Convencionais em Veículos Eléctricos (Experiência adquirida na ESTGV) Vasco Santos (vasco@estv.ipv.pt)

Leia mais

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Aese Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Quando o Fórum para a Competitividade me convidou para esta intervenção, na qualidade de empresário, já se sabia que não haveria Orçamento de Estado

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final TENDÊNCIAS NOS NEGÓCIOS PARA 2015 Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final de 2014. Não deixe de estar por dentro

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

12 ANOS CONSECUTIVOS DE LIDERANÇA RENAULT AINDA MAIS LÍDER DO MERCADO PORTUGUÊS

12 ANOS CONSECUTIVOS DE LIDERANÇA RENAULT AINDA MAIS LÍDER DO MERCADO PORTUGUÊS COMUNICADO DE IMPRENSA 15 de Janeiro 2009 12 ANOS CONSECUTIVOS DE LIDERANÇA RENAULT AINDA MAIS LÍDER DO MERCADO PORTUGUÊS Com uma quota de mercado de 11,9% (Veículos de Passageiros + Comerciais Ligeiros)

Leia mais

mais do que uma forma de conduzir, ao serviço da mobilidade sustentável Tiago Lopes Farias

mais do que uma forma de conduzir, ao serviço da mobilidade sustentável Tiago Lopes Farias Eco-condução: mais do que uma forma de conduzir, uma forma de estar ao serviço da mobilidade sustentável Tiago Lopes Farias 24 de Maio 2010 Mobilidade e Energia Diagnóstico Mais de 5 milhões de veículos

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Entre Agrupamento de Escolas Fernão do Pó, com n.º de Contribuinte 600079970 e sede em Av. Dr. Joaquim de Albuquerque, 2540-004 Bombarral, adiante designado por Agr. Escolas Fernão

Leia mais

Press Release. 8 de Maio, 2008 PI 6234 RB Pr/Vi

Press Release. 8 de Maio, 2008 PI 6234 RB Pr/Vi Press Release Desenvolvimento positivo continuou em todo o Mundo: Bosch atinge o volume de vendas e os resultados esperados Bom início para 2008 / " largo espectro de crescimento " 8 de Maio, 2008 PI 6234

Leia mais

REFORMA DA FISCALIDADE AUTOMÓVEL Auditório da ACAP 6 de Junho 2007

REFORMA DA FISCALIDADE AUTOMÓVEL Auditório da ACAP 6 de Junho 2007 REFORMA DA FISCALIDADE AUTOMÓVEL Auditório da ACAP 6 de Junho 2007 lano Geral da Exposição 1. Aspectos estruturantes da reforma (Gonçalo Falcão) 2. Novo regime de tributação automóvel (Gonçalo Falcão)

Leia mais

Setembro Dia Europeu Sem Carros 22 Semana Europeia da Mobilidade 16 17 18 19 20 21 22

Setembro Dia Europeu Sem Carros 22 Semana Europeia da Mobilidade 16 17 18 19 20 21 22 Câmara Municipal: Cidade SANTARÉM Santarém Setembro Dia Europeu Sem Carros 22 Semana Europeia da Mobilidade 16 17 18 19 20 21 22 Área da cidade 29 Km 2 População total 28 760 hab. Dimensão da ZSTA 650

Leia mais

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Porquê usar o sol como fonte de energia? O recurso solar é uma fonte energética inesgotável, abundante em todo o planeta e principalmente no

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Evolução e perspectivas dos veículos elétricos híbridos

Evolução e perspectivas dos veículos elétricos híbridos Evolução e perspectivas dos veículos elétricos híbridos 2 de julho de 2008 São Paulo - SP Antonio Nunes Jr ABVE- Associação Brasileira do Veículo Elétrico Como, em transporte, responder aos desafios da

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES

NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES Resultado da cimeira "particularmente positivo para Portugal" A cimeira europeia de quinta-feira

Leia mais

RESUMO DE IMPRENSA. Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

RESUMO DE IMPRENSA. Quinta-feira, 31 de Julho de 2008 RESUMO DE IMPRENSA Quinta-feira, 31 de Julho de 2008 JORNAL DE NEGÓCIOS 1. Queda nos lucros da banca retira 80 milhões ao Fisco. Resultados dos quatro maiores bancos privados caíram mais de 40% no primeiro

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA: Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas)

Leia mais

ACORDO COMERCIAL CELEBRADO ENTRE A CP CAMINHOS DE FERRO PORTUGUESES, E.P., E A CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA LUSO-ALEMÃ

ACORDO COMERCIAL CELEBRADO ENTRE A CP CAMINHOS DE FERRO PORTUGUESES, E.P., E A CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA LUSO-ALEMÃ ACORDO COMERCIAL CELEBRADO ENTRE A CP CAMINHOS DE FERRO PORTUGUESES, E.P., E A CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA LUSO-ALEMÃ A CP compromete-se a vender títulos de transporte para todos os comboios Alfa Pendular

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO REMOTA DE EQUIPAMENTOS

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO REMOTA DE EQUIPAMENTOS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO REMOTA DE EQUIPAMENTOS Sobre a SOL-S e SOLSUNI Fundada em 1992; Integrador de Soluções, com vasta experiência de Tecnologias de Informação, disponibiliza um completo portfolio

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS Produtos e serviços CGD para profissionais liberais e jovens advogados: CONTAS À ORDEM Conta Extracto A informação onde preferir. Com esta conta recebe um extracto com toda a informação da sua conta, na

Leia mais

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro Projecto HidroValor Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro 11 Agradecimentos Os autores do presente estudo, querem

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 23/2006 PROENERGIA SISTEMA DE INCENTIVOS À PRODUÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 23/2006 PROENERGIA SISTEMA DE INCENTIVOS À PRODUÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 23/2006 PROENERGIA SISTEMA DE INCENTIVOS À PRODUÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Os grandes objectivos da política energética segurança do abastecimento, competitividade

Leia mais

JORGE PINTO CEO da CAETANOBUS

JORGE PINTO CEO da CAETANOBUS JORGE PINTO CEO da CAETANOBUS NOVO MODO DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS RODOVIÁRIO, MAIS EFICIENTE EM TERMOS ENERGÉTICOS, MAIS EFICIENTE NA AFETAÇÃO DOS RECURSOS, NOMEADAMENTE DOS FUNDOS PÚBLICOS

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

IVA e IEC na Proposta do OE 2005 PricewaterhouseCoopers Susana Caetano

IVA e IEC na Proposta do OE 2005 PricewaterhouseCoopers Susana Caetano IVA e IEC na Proposta do OE 2005 PricewaterhouseCoopers Susana Caetano Na proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2005 propõe-se a introdução de algumas alterações relevantes e de autorizações legislativas

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO Decreto-Lei n.º 39/2010 de 26 de Abril O Programa do XVIII Governo Constitucional estabelece como uma das principais linhas de modernização estrutural

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) é um instrumento financeiro promovido pela Comissão Europeia e desenvolvido

Leia mais

Programa de Demonstração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório final. Julho 2015

Programa de Demonstração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório final. Julho 2015 Programa de Demonstração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório final Julho 2015 Índice 1. Sobre a iniciativa 2. Apresentação dos resultados Índice 1. Sobre a iniciativa 2. Apresentação dos resultados

Leia mais

Juntos podemos salvar milhões de vidas

Juntos podemos salvar milhões de vidas Juntos podemos salvar milhões de vidas INDÍCE SOBRE NÓS ESTRADA ATÉ 2020 DECADA DE AÇÃO AÇÕES E PROGRAMAS ACP O ACP A FIA Clubes em ação Condutores seguros Estradas seguras Veículos seguros A campanha

Leia mais

CONHEÇA OS INCENTIVOS DA LEI DA FISCALIDADE VERDE

CONHEÇA OS INCENTIVOS DA LEI DA FISCALIDADE VERDE Pág: 14 EM CARGA INCENTIVOS PARA VE S Corte: 1 de 8 100% 1000 DEDUÇÃO DE IVA PARA EMPRESAS DESCONTO NA AQUISIÇÃO DE QUADRICICLO PESADO CONHEÇA OS INCENTIVOS DA LEI DA FISCALIDADE VERDE O Orçamento de Estado

Leia mais

Encontro Eficiência Energética na Mobilidade Eléctrica: O que o público e os actores do sector pensam

Encontro Eficiência Energética na Mobilidade Eléctrica: O que o público e os actores do sector pensam Encontro Eficiência Energética na Mobilidade Eléctrica: O que o público e os actores do sector pensam No âmbito da Campanha de Sensibilização para a Eficiência Energética na Mobilidade Eléctrica, a APVE

Leia mais

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5 Tema de pesquisa: Internacional 25 de Setembro de 2012 Revista de Imprensa 25-09-2012 1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1 2. (PT) - Jornal de Negócios - Negócios Mais, 25/09/2012, Bluepharma

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

Comissão Europeia Livro Branco dos Transportes. Transportes 2050: Principais desafios e medidas-chave

Comissão Europeia Livro Branco dos Transportes. Transportes 2050: Principais desafios e medidas-chave Razões da importância deste sector Os transportes são fundamentais para a economia e a sociedade. A mobilidade é crucial em termos de crescimento e criação de emprego. O sector dos transportes representa

Leia mais

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA 8º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTES & NEGÓCIOS O PAPEL DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO NAS SOLUÇÕES LOGÍSTICAS Outubro 2006 Preâmbulo Atendendo ao modelo económico de desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014. Parecer da CGTP-IN

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014. Parecer da CGTP-IN PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014 Parecer da CGTP-IN O Programa Operacional Regional do Alentejo para o período 2014-2020 tem uma dotação de fundos

Leia mais

IISEMANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA

IISEMANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA INSTITUTO DA CONSTRUÇÃO E DO IMOBILIÁRIO IISEMANA DARE- ABILITAÇÃO ASSIMFOI URBANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA C o n f e r ê n c i a s E x p o s i

Leia mais

Política Tarifária nos Sistemas de Transporte Público

Política Tarifária nos Sistemas de Transporte Público Grupo Parlamentar PROJECTO-LEI N.º /X Política Tarifária nos Sistemas de Transporte Público Exposição de Motivos Nas sociedades actuais a mobilidade das populações é cada vez maior. A política de transportes

Leia mais

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade A DIRETIVA EUROPEIA SOBRE INFRAESTRUTURAS DE COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da

Leia mais

A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA.

A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA. Exchange A EXCHANGE Quem somos A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA. Resulta de uma Parceria de Sucesso entre o Grupo Onebiz, referência no desenvolvimento de

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado 17-03-2006 13:11:00. Fonte LUSA. Notícia SIR-7829164 Temas: economia portugal finanças sociedade LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado DATA:. ASSUNTO: Conferência

Leia mais

Dossier de imprensa - Cloogy

Dossier de imprensa - Cloogy Dossier de imprensa - Cloogy Revista de Imprensa 05-12-2012 1. (PT) - Diário Económico, 05122012, ISA e EDP negoceiam solução de poupança energética para famílias 1 2. (PT) - Jornal de Negócios, 05122012,

Leia mais

Combustíveis Alternativos

Combustíveis Alternativos Combustíveis Alternativos Baterias e recarga são gargalos tecnológicos para disseminação de carros elétricos; viabilidade comercial poderá vir da China Os fabricantes de carros chineses estão "bem-posicionados"

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

Novo cluster para a mobilidade congrega 50 a 60 entidades

Novo cluster para a mobilidade congrega 50 a 60 entidades A1 Tiragem: 55364 Pág: 11 Área: 29,32 x 33,18 cm² Corte: 1 de 5 Novo cluster para a mobilidade congrega 50 a 60 entidades O plano nacional de apoio à introdução do carro eléctrico envolve empresas, institutos

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Oferecemos um serviço muito próximo da real necessidade dos nossos clientes!

Oferecemos um serviço muito próximo da real necessidade dos nossos clientes! QUEM SOMOS Idealizada e criada a partir da crescente consciência ambiental, que se vai gerando à escala planetária, a Odem Energy não se podia alhear desta importante mutação comportamental. Oferecemos

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carros Eléctricos - Renault Estudos de Mercado Docentes: Manuel José Damásio Carlos Poupa

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carros Eléctricos - Renault Estudos de Mercado Docentes: Manuel José Damásio Carlos Poupa Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carros Eléctricos - Renault Docentes: Manuel José Damásio Carlos Poupa Discentes: Leila Alexandra Ramos Gomes Nº: 20092315 Sara Raquel Quintas Xarepe

Leia mais

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro Nota complementar e explicativa Setembro de 2012 IDENTIFICAÇÃO Título: Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) - Município

Leia mais